SlideShare uma empresa Scribd logo

Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond

Uma pessoa no contexto da INCLUSÃO não aprende da mesma forma que as demais pessoas, uma vez que as suas dificuldades cognitivas, sensoriais, motoras, comunicativas e comportamentais influenciam o desenvolvimento global da mesma. O professor/educador ou especialista devem procurar conhecer a forma como a pessoa aprende, ou seja, como processa a informação, assim como analisar e organizar os ambientes onde esta interage.

1 de 41
Baixar para ler offline
INCLUSÃO E EDUCAÇÃO
PROJETO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
INCLUSÃO E EDUCAÇÃO
PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA
Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
A pessoa no contexto da
INCLUSÃO deve ser mediada para
que tenha vontade, prazer e
engajamento para o
desenvolvimento de sua
aprendizagem.
INCLUSÃO E EDUCAÇÃO
PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA
Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
Uma pessoa no contexto da INCLUSÃO não aprende da
mesma forma que as demais pessoas, uma vez que as suas
dificuldades cognitivas, sensoriais, motoras, comunicativas
e comportamentais influenciam o desenvolvimento global da
mesma.
O professor/educador ou especialista devem procurar
conhecer a forma como a pessoa aprende, ou seja, como
processa a informação, assim como analisar e organizar os
ambientes onde esta interage.
Deve ainda procurar conhecer:
DADOS PARA OBSERVAÇÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS
Como interage com o meio
ambiente (como o explora,
que tipos de objetos
prefere)?
Como comunica as suas
vontades, desejos e
necessidades?
Como reage às ajudas, entre
outros?
Como recebe e processa as
informações.?
INCLUSÃO E EDUCAÇÃO
PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA
Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
Fonte: http://atividadesparaeducacaoespecial.com/dificuldades-de-
aprendizagem/inclusao-a-neurociencias-explicando-a-aprendizagem/
A NEUROCIÊNCIAS EXPLICANDO A APRENDIZAGEM
Aprender nada mais é que modificar as
conexões dos neurônios no cérebro.
INCLUSÃO E EDUCAÇÃO
PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA
Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
Fonte: http://atividadesparaeducacaoespecial.com/dificuldades-de-aprendizagem/inclusao-a-neurociencias-explicando-a-aprendizagem/
A NEUROCIÊNCIAS EXPLICANDO A APRENDIZAGEM
Aprender nada mais é que modificar as conexões dos
neurônios no cérebro.
Quando nascemos, não sabemos que língua vamos falar.
Dependendo do que vê e ouve, nosso cérebro vai decidir se
vamos falar inglês,português, italiano, espanhol ou outra
língua.
O nosso cérebro possui três áreas de vital importância.
A parte sensorial que recebe e processa as informações
vindas do ambiente e criar uma representação mental
(hipótese de trabalho), a parte motora que gera uma resposta
de acordo com as informações vindas da parte sensorial e
córtex pré-frontal que é a parte associativa que fornece
complexidade ao nosso comportamento atribuindo emoções
e decidindo o que deve ser feito ou não.
As emoções fazem com que o nosso cérebro ative o sistema
de recompensa dando um valor positivo ou negativo, ao
nosso corpo, que vai gerar a motivação. Temos expressões
humanas que são universais: felicidade, tristeza, surpresa,
nojo, raiva e medo.
INCLUSÃO E EDUCAÇÃO
PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA
Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
Fonte: http://atividadesparaeducacaoespecial.com/dificuldades-de-aprendizagem/inclusao-a-neurociencias-explicando-a-aprendizagem/
A NEUROCIÊNCIAS EXPLICANDO A APRENDIZAGEM
Quem não tem uma boa experiência sensorial prévia não
tem como imaginar e criar. A reativação das
representações interna, a capacidade de visualizar
mentalmente aquilo que não está presente e de criar
caminhos novos usando a criatividade dependem da
experiência. Contudo, esta reorganização e distribuição
das funções acontece desde que o cérebro seja usado.
É muito comum quando alguém perde o movimento de
algum membro o cérebro se reorganizar para usar outro.
Um exemplo que podemos colocar é as dificuldades de
aprendizagem relacionadas a síndrome do x frágil onde os
cérebros destas pessoas ficam congelados em um estado
infantil com excesso de sinapses mas de pouco uso.
Com uma idade mais precoce, temos janelas de
oportunidades que podem ser definidas como períodos em
que o cérebro está mais apto a processar algumas
habilidades. Isto não quer dizer que depois deste período
não se aprenda. Até os dez anos aprender uma nova
língua é mais fácil mas não quer dizer que não possamos
aprender depois desta idade.

Recomendados

Psicomtricidade brinquedos e jogos 1
Psicomtricidade brinquedos e jogos 1Psicomtricidade brinquedos e jogos 1
Psicomtricidade brinquedos e jogos 1marcelosilveirazero1
 
A importância do conhecimento em psicomotricidade artigo
A importância do conhecimento em psicomotricidade   artigoA importância do conhecimento em psicomotricidade   artigo
A importância do conhecimento em psicomotricidade artigoROBERTO FERREIRA
 
A importância das atividades psicomotoras nas aulas de edc física na edc infa...
A importância das atividades psicomotoras nas aulas de edc física na edc infa...A importância das atividades psicomotoras nas aulas de edc física na edc infa...
A importância das atividades psicomotoras nas aulas de edc física na edc infa...Jocéia Nunes Mata
 
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondProjeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Andragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultosAndragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultosVicentana
 
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Raimunda Pereira Lopes
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013Andreia Pessôa de Oliveira
 
5 eduespecial conceito de aprendizagem
5 eduespecial conceito de aprendizagem5 eduespecial conceito de aprendizagem
5 eduespecial conceito de aprendizagemEduardo Lopes
 
Factores e processos aprendizagem 1
Factores e processos aprendizagem 1Factores e processos aprendizagem 1
Factores e processos aprendizagem 1CENORF
 
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaFundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaVanessa Casaro
 
Ato de brincar para crianças surdas
Ato de brincar para crianças surdasAto de brincar para crianças surdas
Ato de brincar para crianças surdasSthéfany Cechinel
 
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __Cristina Ferreira
 
A intervenção psicopedagógica como mediação da aprendizagem
A intervenção  psicopedagógica como mediação da aprendizagemA intervenção  psicopedagógica como mediação da aprendizagem
A intervenção psicopedagógica como mediação da aprendizagemclinicacapp
 
Ensinar e aprender
Ensinar e aprenderEnsinar e aprender
Ensinar e aprenderdigrado
 
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMMapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMInstituto A Vez do Mestre
 
Abordagem sistêmica no contexto da psicopedagogia dinâmica
Abordagem sistêmica no contexto da psicopedagogia dinâmicaAbordagem sistêmica no contexto da psicopedagogia dinâmica
Abordagem sistêmica no contexto da psicopedagogia dinâmicaEdith Rubinstein
 
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagemFatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagemedgarsouza27
 
Autoridade,liberdade e permissividade.pdf
Autoridade,liberdade e permissividade.pdfAutoridade,liberdade e permissividade.pdf
Autoridade,liberdade e permissividade.pdfCarlaMedeiros47
 
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagemEstímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagemDalila Melo
 
Jogos e brincadeiras para deficientes
Jogos e brincadeiras para deficientesJogos e brincadeiras para deficientes
Jogos e brincadeiras para deficientesresidencia
 
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.Alexsandro Prates
 

Mais procurados (18)

Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
 
5 eduespecial conceito de aprendizagem
5 eduespecial conceito de aprendizagem5 eduespecial conceito de aprendizagem
5 eduespecial conceito de aprendizagem
 
Modalidades de aprendizagem
Modalidades de aprendizagemModalidades de aprendizagem
Modalidades de aprendizagem
 
Factores e processos aprendizagem 1
Factores e processos aprendizagem 1Factores e processos aprendizagem 1
Factores e processos aprendizagem 1
 
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaFundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
 
Ato de brincar para crianças surdas
Ato de brincar para crianças surdasAto de brincar para crianças surdas
Ato de brincar para crianças surdas
 
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
 
A intervenção psicopedagógica como mediação da aprendizagem
A intervenção  psicopedagógica como mediação da aprendizagemA intervenção  psicopedagógica como mediação da aprendizagem
A intervenção psicopedagógica como mediação da aprendizagem
 
Ensinar e aprender
Ensinar e aprenderEnsinar e aprender
Ensinar e aprender
 
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMMapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
 
Abordagem sistêmica no contexto da psicopedagogia dinâmica
Abordagem sistêmica no contexto da psicopedagogia dinâmicaAbordagem sistêmica no contexto da psicopedagogia dinâmica
Abordagem sistêmica no contexto da psicopedagogia dinâmica
 
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagemFatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
 
Autoridade,liberdade e permissividade.pdf
Autoridade,liberdade e permissividade.pdfAutoridade,liberdade e permissividade.pdf
Autoridade,liberdade e permissividade.pdf
 
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagemEstímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
 
Jogos e brincadeiras para deficientes
Jogos e brincadeiras para deficientesJogos e brincadeiras para deficientes
Jogos e brincadeiras para deficientes
 
Psicomotricidade na escola
Psicomotricidade na escolaPsicomotricidade na escola
Psicomotricidade na escola
 
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
 
Afetividade na aprendizagem
Afetividade na aprendizagemAfetividade na aprendizagem
Afetividade na aprendizagem
 

Semelhante a Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond

Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondProjeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
1 AGENDA DE PLANO SEMANAL CHUVA DE IDEIAS PEDAGOGICAS SIMONE DRUMOND.pdf
1 AGENDA DE  PLANO  SEMANAL CHUVA DE IDEIAS PEDAGOGICAS SIMONE DRUMOND.pdf1 AGENDA DE  PLANO  SEMANAL CHUVA DE IDEIAS PEDAGOGICAS SIMONE DRUMOND.pdf
1 AGENDA DE PLANO SEMANAL CHUVA DE IDEIAS PEDAGOGICAS SIMONE DRUMOND.pdfSimoneHelenDrumond
 
Motivação nas Escolas Profissionais F.R. de Moçambique ( Por: Francisco da Cr...
Motivação nas Escolas Profissionais F.R. de Moçambique ( Por: Francisco da Cr...Motivação nas Escolas Profissionais F.R. de Moçambique ( Por: Francisco da Cr...
Motivação nas Escolas Profissionais F.R. de Moçambique ( Por: Francisco da Cr...wilkerfilipel
 
Contribuições da psicologia
Contribuições da psicologiaContribuições da psicologia
Contribuições da psicologiamegainfoin
 
Neurociencia e-aprendizagem
Neurociencia e-aprendizagemNeurociencia e-aprendizagem
Neurociencia e-aprendizagemProf Paim
 
COMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDECOMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDEValdiane Melo
 
ALFABETIZAÇÃO OU ALFABETIZAÇÕES programas, métodos e técnicas para o letramen...
ALFABETIZAÇÃO OU ALFABETIZAÇÕES programas, métodos e técnicas para o letramen...ALFABETIZAÇÃO OU ALFABETIZAÇÕES programas, métodos e técnicas para o letramen...
ALFABETIZAÇÃO OU ALFABETIZAÇÕES programas, métodos e técnicas para o letramen...Cassia Duque
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacionalmluisavalente
 
O professor como mediador dos estímulos na aprendizagem
O professor como mediador dos estímulos na aprendizagemO professor como mediador dos estímulos na aprendizagem
O professor como mediador dos estímulos na aprendizagemDanusinha87
 
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencaoPsicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencaoSergio Luis dos Santos Lima
 
Aula 4 APRENDER 2019 T1.ppt
Aula 4  APRENDER  2019 T1.pptAula 4  APRENDER  2019 T1.ppt
Aula 4 APRENDER 2019 T1.ppttamyris24
 
09 aula5 5º construtivismo jean piaget
09 aula5 5º construtivismo  jean piaget09 aula5 5º construtivismo  jean piaget
09 aula5 5º construtivismo jean piagetfsoliveira
 
O papel da capacidade atencional nos processos de aprendizagem
O papel da capacidade atencional   nos processos de aprendizagemO papel da capacidade atencional   nos processos de aprendizagem
O papel da capacidade atencional nos processos de aprendizagemAmanda Oliveira
 
1 aprender nao_aprender
1 aprender nao_aprender1 aprender nao_aprender
1 aprender nao_aprenderGeisse Martins
 

Semelhante a Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond (20)

Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondProjeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
 
1 AGENDA DE PLANO SEMANAL CHUVA DE IDEIAS PEDAGOGICAS SIMONE DRUMOND.pdf
1 AGENDA DE  PLANO  SEMANAL CHUVA DE IDEIAS PEDAGOGICAS SIMONE DRUMOND.pdf1 AGENDA DE  PLANO  SEMANAL CHUVA DE IDEIAS PEDAGOGICAS SIMONE DRUMOND.pdf
1 AGENDA DE PLANO SEMANAL CHUVA DE IDEIAS PEDAGOGICAS SIMONE DRUMOND.pdf
 
Motivação nas Escolas Profissionais F.R. de Moçambique ( Por: Francisco da Cr...
Motivação nas Escolas Profissionais F.R. de Moçambique ( Por: Francisco da Cr...Motivação nas Escolas Profissionais F.R. de Moçambique ( Por: Francisco da Cr...
Motivação nas Escolas Profissionais F.R. de Moçambique ( Por: Francisco da Cr...
 
Psicomotricidade no contexto da aprendizagem
Psicomotricidade no contexto da aprendizagemPsicomotricidade no contexto da aprendizagem
Psicomotricidade no contexto da aprendizagem
 
Contribuições da psicologia
Contribuições da psicologiaContribuições da psicologia
Contribuições da psicologia
 
Neurociencia e-aprendizagem
Neurociencia e-aprendizagemNeurociencia e-aprendizagem
Neurociencia e-aprendizagem
 
COMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDECOMO O CÉREBRO APRENDE
COMO O CÉREBRO APRENDE
 
ALFABETIZAÇÃO OU ALFABETIZAÇÕES programas, métodos e técnicas para o letramen...
ALFABETIZAÇÃO OU ALFABETIZAÇÕES programas, métodos e técnicas para o letramen...ALFABETIZAÇÃO OU ALFABETIZAÇÕES programas, métodos e técnicas para o letramen...
ALFABETIZAÇÃO OU ALFABETIZAÇÕES programas, métodos e técnicas para o letramen...
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacional
 
Como aprendemos
Como aprendemosComo aprendemos
Como aprendemos
 
O professor como mediador dos estímulos na aprendizagem
O professor como mediador dos estímulos na aprendizagemO professor como mediador dos estímulos na aprendizagem
O professor como mediador dos estímulos na aprendizagem
 
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencaoPsicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
 
Aula 4 APRENDER 2019 T1.ppt
Aula 4  APRENDER  2019 T1.pptAula 4  APRENDER  2019 T1.ppt
Aula 4 APRENDER 2019 T1.ppt
 
Caratula portugues
Caratula portuguesCaratula portugues
Caratula portugues
 
09 aula5 5º construtivismo jean piaget
09 aula5 5º construtivismo  jean piaget09 aula5 5º construtivismo  jean piaget
09 aula5 5º construtivismo jean piaget
 
O papel da capacidade atencional nos processos de aprendizagem
O papel da capacidade atencional   nos processos de aprendizagemO papel da capacidade atencional   nos processos de aprendizagem
O papel da capacidade atencional nos processos de aprendizagem
 
1 aprender nao_aprender
1 aprender nao_aprender1 aprender nao_aprender
1 aprender nao_aprender
 
09_Emocoes_EI_Vivescer.pdf
09_Emocoes_EI_Vivescer.pdf09_Emocoes_EI_Vivescer.pdf
09_Emocoes_EI_Vivescer.pdf
 
Aprender a Aprender
Aprender a AprenderAprender a Aprender
Aprender a Aprender
 
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
13ARTIGO PSICOMOTRICIDADE.pdf
 

Mais de marcelosilveirazero1

11 DICAS PARA VENCER O VÍCIO POR DOCES
11 DICAS PARA VENCER O VÍCIO POR DOCES11 DICAS PARA VENCER O VÍCIO POR DOCES
11 DICAS PARA VENCER O VÍCIO POR DOCESmarcelosilveirazero1
 
10 IDEIAS PARA TORNAR SUA ESCOLA MAIS ATIVA
10 IDEIAS PARA TORNAR SUA ESCOLA MAIS ATIVA10 IDEIAS PARA TORNAR SUA ESCOLA MAIS ATIVA
10 IDEIAS PARA TORNAR SUA ESCOLA MAIS ATIVAmarcelosilveirazero1
 
1 - Plano de aula (5ª e 6ª séries - 6º e 7º anos atuais) - voleibol
1 - Plano de aula (5ª e 6ª séries - 6º e 7º anos atuais) - voleibol 1 - Plano de aula (5ª e 6ª séries - 6º e 7º anos atuais) - voleibol
1 - Plano de aula (5ª e 6ª séries - 6º e 7º anos atuais) - voleibol marcelosilveirazero1
 
2 - Plano de aula (7ª e 8ª séries - 8º e 9º anos atuais) - voleibol
2 - Plano de aula (7ª e 8ª séries - 8º e 9º anos atuais) - voleibol 2 - Plano de aula (7ª e 8ª séries - 8º e 9º anos atuais) - voleibol
2 - Plano de aula (7ª e 8ª séries - 8º e 9º anos atuais) - voleibol marcelosilveirazero1
 
Treinamento funcional terapêutico
Treinamento funcional terapêuticoTreinamento funcional terapêutico
Treinamento funcional terapêuticomarcelosilveirazero1
 
53 exercícios de Pilates e funcional
53 exercícios de Pilates e funcional53 exercícios de Pilates e funcional
53 exercícios de Pilates e funcionalmarcelosilveirazero1
 
50 exercícios de Pilates e funcional para lombar
50 exercícios de Pilates e funcional para lombar50 exercícios de Pilates e funcional para lombar
50 exercícios de Pilates e funcional para lombarmarcelosilveirazero1
 
Brincadeiras e jogos Típicos do Brasil
Brincadeiras e  jogos Típicos do BrasilBrincadeiras e  jogos Típicos do Brasil
Brincadeiras e jogos Típicos do Brasilmarcelosilveirazero1
 
Atividades e propostas criativas para crianças de até 4 anos
Atividades e propostas criativas para crianças de até 4 anosAtividades e propostas criativas para crianças de até 4 anos
Atividades e propostas criativas para crianças de até 4 anosmarcelosilveirazero1
 

Mais de marcelosilveirazero1 (20)

Metodologia multi funcional
Metodologia multi funcionalMetodologia multi funcional
Metodologia multi funcional
 
11 DICAS PARA VENCER O VÍCIO POR DOCES
11 DICAS PARA VENCER O VÍCIO POR DOCES11 DICAS PARA VENCER O VÍCIO POR DOCES
11 DICAS PARA VENCER O VÍCIO POR DOCES
 
10 IDEIAS PARA TORNAR SUA ESCOLA MAIS ATIVA
10 IDEIAS PARA TORNAR SUA ESCOLA MAIS ATIVA10 IDEIAS PARA TORNAR SUA ESCOLA MAIS ATIVA
10 IDEIAS PARA TORNAR SUA ESCOLA MAIS ATIVA
 
1 - Plano de aula (5ª e 6ª séries - 6º e 7º anos atuais) - voleibol
1 - Plano de aula (5ª e 6ª séries - 6º e 7º anos atuais) - voleibol 1 - Plano de aula (5ª e 6ª séries - 6º e 7º anos atuais) - voleibol
1 - Plano de aula (5ª e 6ª séries - 6º e 7º anos atuais) - voleibol
 
2 - Plano de aula (7ª e 8ª séries - 8º e 9º anos atuais) - voleibol
2 - Plano de aula (7ª e 8ª séries - 8º e 9º anos atuais) - voleibol 2 - Plano de aula (7ª e 8ª séries - 8º e 9º anos atuais) - voleibol
2 - Plano de aula (7ª e 8ª séries - 8º e 9º anos atuais) - voleibol
 
Treinamento funcional terapêutico
Treinamento funcional terapêuticoTreinamento funcional terapêutico
Treinamento funcional terapêutico
 
Exercícios para joelho e quadril
Exercícios para joelho e quadrilExercícios para joelho e quadril
Exercícios para joelho e quadril
 
53 exercícios de Pilates e funcional
53 exercícios de Pilates e funcional53 exercícios de Pilates e funcional
53 exercícios de Pilates e funcional
 
50 exercícios de Pilates e funcional para lombar
50 exercícios de Pilates e funcional para lombar50 exercícios de Pilates e funcional para lombar
50 exercícios de Pilates e funcional para lombar
 
A arte de contar historias
A arte de contar historiasA arte de contar historias
A arte de contar historias
 
Projeto agita marechal 2018
Projeto agita marechal 2018Projeto agita marechal 2018
Projeto agita marechal 2018
 
Veja - autismo
Veja - autismoVeja - autismo
Veja - autismo
 
Geoffroy - Alongamento para todos
Geoffroy - Alongamento para todosGeoffroy - Alongamento para todos
Geoffroy - Alongamento para todos
 
Desengasgamento infantil
Desengasgamento infantilDesengasgamento infantil
Desengasgamento infantil
 
Autismo e realidade
Autismo e realidadeAutismo e realidade
Autismo e realidade
 
Atividade autismo
Atividade autismoAtividade autismo
Atividade autismo
 
Brincadeiras e jogos Típicos do Brasil
Brincadeiras e  jogos Típicos do BrasilBrincadeiras e  jogos Típicos do Brasil
Brincadeiras e jogos Típicos do Brasil
 
Atividades e propostas criativas para crianças de até 4 anos
Atividades e propostas criativas para crianças de até 4 anosAtividades e propostas criativas para crianças de até 4 anos
Atividades e propostas criativas para crianças de até 4 anos
 
Livro brinquedos e brincadeiras
Livro brinquedos e brincadeirasLivro brinquedos e brincadeiras
Livro brinquedos e brincadeiras
 
Manual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicasManual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicas
 

Último

4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 

Último (20)

4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 

Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond

  • 1. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 2. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian A pessoa no contexto da INCLUSÃO deve ser mediada para que tenha vontade, prazer e engajamento para o desenvolvimento de sua aprendizagem.
  • 3. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Uma pessoa no contexto da INCLUSÃO não aprende da mesma forma que as demais pessoas, uma vez que as suas dificuldades cognitivas, sensoriais, motoras, comunicativas e comportamentais influenciam o desenvolvimento global da mesma. O professor/educador ou especialista devem procurar conhecer a forma como a pessoa aprende, ou seja, como processa a informação, assim como analisar e organizar os ambientes onde esta interage. Deve ainda procurar conhecer: DADOS PARA OBSERVAÇÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS Como interage com o meio ambiente (como o explora, que tipos de objetos prefere)? Como comunica as suas vontades, desejos e necessidades? Como reage às ajudas, entre outros? Como recebe e processa as informações.?
  • 4. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Fonte: http://atividadesparaeducacaoespecial.com/dificuldades-de- aprendizagem/inclusao-a-neurociencias-explicando-a-aprendizagem/ A NEUROCIÊNCIAS EXPLICANDO A APRENDIZAGEM Aprender nada mais é que modificar as conexões dos neurônios no cérebro.
  • 5. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Fonte: http://atividadesparaeducacaoespecial.com/dificuldades-de-aprendizagem/inclusao-a-neurociencias-explicando-a-aprendizagem/ A NEUROCIÊNCIAS EXPLICANDO A APRENDIZAGEM Aprender nada mais é que modificar as conexões dos neurônios no cérebro. Quando nascemos, não sabemos que língua vamos falar. Dependendo do que vê e ouve, nosso cérebro vai decidir se vamos falar inglês,português, italiano, espanhol ou outra língua. O nosso cérebro possui três áreas de vital importância. A parte sensorial que recebe e processa as informações vindas do ambiente e criar uma representação mental (hipótese de trabalho), a parte motora que gera uma resposta de acordo com as informações vindas da parte sensorial e córtex pré-frontal que é a parte associativa que fornece complexidade ao nosso comportamento atribuindo emoções e decidindo o que deve ser feito ou não. As emoções fazem com que o nosso cérebro ative o sistema de recompensa dando um valor positivo ou negativo, ao nosso corpo, que vai gerar a motivação. Temos expressões humanas que são universais: felicidade, tristeza, surpresa, nojo, raiva e medo.
  • 6. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Fonte: http://atividadesparaeducacaoespecial.com/dificuldades-de-aprendizagem/inclusao-a-neurociencias-explicando-a-aprendizagem/ A NEUROCIÊNCIAS EXPLICANDO A APRENDIZAGEM Quem não tem uma boa experiência sensorial prévia não tem como imaginar e criar. A reativação das representações interna, a capacidade de visualizar mentalmente aquilo que não está presente e de criar caminhos novos usando a criatividade dependem da experiência. Contudo, esta reorganização e distribuição das funções acontece desde que o cérebro seja usado. É muito comum quando alguém perde o movimento de algum membro o cérebro se reorganizar para usar outro. Um exemplo que podemos colocar é as dificuldades de aprendizagem relacionadas a síndrome do x frágil onde os cérebros destas pessoas ficam congelados em um estado infantil com excesso de sinapses mas de pouco uso. Com uma idade mais precoce, temos janelas de oportunidades que podem ser definidas como períodos em que o cérebro está mais apto a processar algumas habilidades. Isto não quer dizer que depois deste período não se aprenda. Até os dez anos aprender uma nova língua é mais fácil mas não quer dizer que não possamos aprender depois desta idade.
  • 7. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Fonte: http://atividadesparaeducacaoespecial.com/dificuldades-de-aprendizagem/inclusao-a-neurociencias-explicando-a-aprendizagem/ A NEUROCIÊNCIAS EXPLICANDO A APRENDIZAGEM No caso da dislexia, a maneira como o cérebro processa a informação gera dificuldades específicas na percepção dos sons e suas respectivas letras e em sons específicos. Isto não se traduz em uma incapacidade, mas sim, uma dificuldade. Contudo, não podemos de deixar de lado os fatores que interferem na aprendizagem que são: atenção, prática, método e motivação. Se o aluno não consegue prestar a atenção, selecionar adequadamente os estímulos, permanecer concentrado por um período mais prolongado de tempo e não sabe separar os aspectos relevantes dos irrelevantes para a execução de uma aprendizagem dificilmente ele vai aprender. Para que isto seja possível ele tem que ter boas conexões cerebrais, boa alimentação e estímulos adequados. A atenção é a porta de entrada para a aprendizagem pois ela filtra os estímulos do ambiente.
  • 8. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Motivação todos nós temos mas, para manifestá-la, a pessoa no contexto da INCLUSÃO tem que ser encorajada, tem que receber retorno positivo e o nível da atividade e o método tem que estar adequado as suas necessidades e capacidades.
  • 9. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian DADOS PARA OBSERVAÇÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS Quais suas condições óticas de aprendizagem? Quanto tempo necessita para responder a estímulos? Quais são as suas preferências para processar a informação - tácteis, auditivas, visuais, olfativas ou a combinação de dois ou mais sentidos, entre outras? É importante que se conheça a capacidade de atenção da pessoa (como cativar a sua atenção, saber como esta se distrai, quando esta está atenta – em que condições e em que atividades), Quais os tipos de ajuda que a pessoa prefere (quais as mais eficazes para a aprendizagem, que tipos de pistas, quais as ajudas físicas a utilizar, entre outras).
  • 10. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian DADOS PARA OBSERVAÇÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS Quais suas condições óticas de aprendizagem? Quanto tempo necessita para responder a estímulos? Quais são as suas preferências para processar a informação - tácteis, auditivas, visuais, olfativas ou a combinação de dois ou mais sentidos, entre outras? É importante que se conheça a capacidade de atenção da pessoa (como cativar a sua atenção, saber como esta se distrai, quando esta está atenta – em que condições e em que atividades), Instituição: _________________________________________ Nome: ____________________________________________ Observador (a) _____________________________________ Especialidade: _____________________________________
  • 11. DADOS PARA OBSERVAÇÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS Quais os tipos de ajuda que a pessoa prefere (quais as mais eficazes para a aprendizagem, que tipos de pistas, quais as ajudas físicas a utilizar, entre outras). Como interage com o meio ambiente (como o explora, que tipos de objetos prefere)? Como comunica as suas vontades, desejos e necessidades? Como recebe e processa as informações.? Como reage às ajudas, entre outros? Instituição: _________________________________________ Nome: ____________________________________________ Observador (a) _____________________________________ Especialidade: _____________________________________ INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 12. É importante que se conheça também o ambiente de aprendizagem onde a pessoa se insere (casa, escola, etc.), a fim de conhecer as condições existentes para facilitar a sua aprendizagem, se este responde às suas necessidades, entre outros. Descubra como é que esses ambientes estão organizados, que atividades são realizadas pela pessoa e quem interage com ela (adultos e pares). INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian DADOS PARA OBSERVAÇÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS Ambiente de aprendizagem (CASA) Ambiente de aprendizagem (ESCOLA) Outros ambientes de aprendizagens.
  • 13. O professor/educador/especialista devem planificar a intervenção tendo em conta as necessidades da pessoa multideficiente (atuais e do futuro), da família e do ambiente escolar. Só assim, poderá definir prioridades (o que se pretende que a pessoa aprenda) e procedimentos (atividades a desenvolver). Desta forma, criará oportunidades para que a pessoa desenvolva as suas capacidades, aprenda, participe ativamente nas atividades e interaja . O processo de desenvolvimento da pessoa multideficiente está dividido em seis áreas de intervenção diferentes: socialização, comunicação, autonomia, motricidade, cognição e estimulação sensorial. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 14. Período de .........../.........../........... a .........../........./......... Planificação da intervenção educacional de ........................................................................................... ........................................................ Idade: ...................... INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Tema: Objetivo (s) Procedimento Metodológico: Observações de aprendizagem:
  • 15. Nome: ............................................................................... Idade: ............. Período de Observação ....................... OBSERVAÇÕES DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO: INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian ÁREA DE DESENVOLVIMENTO: OBSERVAÇÕES OBTIDAS: AUTONOMIA MOTRICIDADE COGNIÇÃO ESTIMULAÇÃO SENSORIAL SOCIALIZAÇÃO COMUNICAÇÃO
  • 16. Embora cada uma destas áreas apresente o seu próprio desenvolvimento sequencial, todas acabam por estar estreitamente ligadas. Os progressos registrados numa das áreas poderão eventualmente afetar a evolução de uma outra área. A análise do desenvolvimento tendo em conta estas áreas de intervenção revela-se de extrema importância, contudo, não se pode esquecer que a pessoa deve ser vista como um todo. Estas áreas do desenvolvimento relacionam-se entre si: a motricidade fina desenvolve-se com base na motricidade grosseira; a capacidade de autonomia depende sempre do desenvolvimento da motricidade global; a socialização e a autonomia dependem do desenvolvimento da cognição e da motricidade. O professor/educador/especialista devem procurar assegurar um equilíbrio entre todas as áreas do desenvolvimento. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 17. Nome: ............................................................................... Idade: ............. Período de Observação ....................... INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Área de observação: OBSERVAÇÕES OBTIDAS: MOTRICIDADE FINA MOTRICIDADE GROSSA MOTRICIDADE GLOBAL MOTRICIDADE LIVRE MOTRICIDADE DIRIGIDA MOTRICIDADE FINA (GRAFISMO LIVRE)
  • 18. AS ÁREAS DO DESENVOLVIMENTO RELACIONAM-SE ENTRE SI. ÁREAS DO DESENVOLVIMENTO A motricidade fina desenvolve-se com base na motricidade grosseira. A capacidade de autonomia depende sempre do desenvolvimento da motricidade global. A socialização e a autonomia dependem do desenvolvimento da cognição e da motricidade. Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 19. SOCIALIZAÇÃO A socialização pode ser definida como um processo evolutivo de adaptação das pessoas ao mundo que as rodeia. Contudo, existem diversos fatores que limitam e prejudicam as pessoas com multideficiência, tais como: 1. Capacidade inferior de exploração do seu meio ambiente. 2. Falta de oportunidades de interação. 3. Fraca exposição a ambientes diferentes. 4. Carência de vivências de caráter social. De uma forma geral, estes fatores limitadores resultam das "limitações" da pessoa, nomeadamente, das suas deficiências sensoriais e motoras, da falta de interação com diferentes parceiros, da falta de contato com diferentes ambientes, da falta de locais acessíveis, entre outros. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 20. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO - PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian DADOS PARA OBSERVAÇÃO INFORMAÇÕES OBTIDAS Capacidade inferior de exploração do seu meio ambiente. Falta de oportunidades de interação. Fraca exposição a ambientes diferentes. Carência de vivências de caráter social. Instituição: _________________________________________ Nome: ____________________________________________ Observador (a) _____________________________________ Especialidade: _____________________________________
  • 21. COMUNICAÇÃO A comunicação visa a transferência de informação entre parceiros. Por outro lado, a aprendizagem é um processo de apropriação e gestão da informação. Torna-se imperioso que a pessoa com multideficiência possua meios para transmitir informação (comunicação expressiva) e para receber informação (comunicação receptiva). Existem diversos agentes que condicionam as pessoas com multideficiência, tais como: 1. Falta de situações que propiciem a comunicação. 2. Inexistência de parceiros para comunicar. 3. Ausência de assunto de comunicação. 4. Dificuldades de comunicação. Desta forma, a intervenção ao nível da comunicação deve centrar- se na definição de objetivos que possibilitem o aumento de oportunidades de realizar comunicação. Devemos então considerar a utilização de objetos, desenhos, fala, gestos, escrita, entre outros, como formas de comunicação. Deve-se trabalhar com a pessoa de modo a incrementar o nível das funções da comunicação (pedidos, afirmações, negações, perguntas, etc.), alargando os contextos de comunicação, ou seja, poder comunicar em todos os ambientes e com o máximo de interlocutores. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 22. AUTONOMIA Entende-se por autonomia a capacidade de realização de todas as atividades necessárias à vida normal que terão de ser feitas por alguém quando a pessoa não é capaz de as realizar de forma independente. A maior parte das pessoas com multideficiência apresentam "limitações" de nível motor, sensorial e cognitivo que prejudicam a sua capacidade de autonomia pessoal e social. Compete ao professor/educador/especialista definir o nível de participação da pessoas com multideficiência nas atividades, no sentido de diminuir a dependência de outra pessoa Porém, ainda aparecem alguns entraves ao desenvolvimento da autonomia das pessoas com multideficiência, tais como: 1. Falta de situações em que se trabalhe a autonomia. 2. Dificuldade de controlo da sua própria vida (tudo é decidido por eles, tudo é feito por eles... ). 3.Impedimento devido às suas deficiências sensoriais, de comunicação, cognitivas... É fundamental mediar os saberes necessários para que as pessoas com multideficiência comuniquem-se de forma adequada, desenvolvendo um sistema de comunicação que lhe permita fazer escolhas, pedir o que necessita, dizer que sim e que não... INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 23. É fundamental mediar os saberes necessários para que as pessoas com multideficiência comuniquem-se de forma adequada, desenvolvendo um sistema de comunicação que lhe permita fazer escolhas, pedir o que necessita, dizer que sim e que não... INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 24. SENSORIAL Os sentidos da visão e da audição são os fundamentais para podermos receber a informação do mundo exterior. Se uma pessoa possuir alguma deficiência de caráter sensorial torna-se mais difícil de esta entender e interpretar o ambiente que a rodeia, dificultando consequentemente a sua aprendizagem. Todavia, ainda existem bastantes impedimentos ao desenvolvimento do domínio sensorial das pessoas com multideficiência, tais como: 1. Falta de estímulos (é preciso trabalhar a área sensorial afetada). 2. Carência de materiais estimuladores e compensadores. 3. Dificuldades ao nível das acessibilidades. Deve-se então planificar a intervenção ao nível do desenvolvimento do domínio sensorial tendo em conta a área, ou áreas afetadas (visão, audição, tato...), assim como considerar que estas também afetam outros aspectos do desenvolvimento (linguagem, área motora, relação afetiva, comportamento exploratório, entre outros...). INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 25. MOTRICIDADE A motricidade global apresenta duas áreas de desenvolvimento: a motricidade fina e a motricidade grosseira (grossa). Através da motricidade grosseira (grossa) a pessoa multideficiente aprende a movimentar o corpo, utilizando os seus músculos principais: pernas, braços e abdômen. Desenvolvendo habilidades motoras, como: sentar, gatinhar, andar, trepar, entre outras. A motricidade grosseira permite que a pessoa se desloque e explore o seu ambiente, construindo bases para o desenvolvimento de outras áreas. O desenvolvimento da motricidade fina prende-se com a realização e controlo de movimentos pequenos e específicos: apanhar um objeto de pequenas dimensões, controlar os músculos da cara, apertar objetos, controlar os movimentos da língua, entre outros. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 26. MOTRICIDADE Contudo, ainda existem alguns fatores que confinam o desenvolvimento da motricidade das pessoas com multideficiência, tais como: 1. Deficiências motoras. 2. Dificuldades ao nível da autonomia. 3. Falta de técnicos especializados e de materiais adaptados às suas necessidades. 4. Dificuldades ao nível das acessibilidades. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 27. COGNIÇÃO Podemos definir a cognição como a capacidade para raciocinar e resolver problemas. Contudo, nas pessoas com multideficiência estas capacidades incluem a compreensão da permanência das coisas, isto é, os objetos continuam a existir mesmo quando deixam de ser vistos. Assim como a compreensão da relação causa-efeito e a capacidade de tirar conclusões (através da experiência direta e posteriormente através da observação e da recordação). As pessoas com multideficiência revelam grandes dificuldades em assimilar este conceito complexo e abstrato. Todavia, a aprendizagem destas capacidades pode e deve ser trabalhada, permitindo que estas entendam e dominem conceitos importantes que as auxiliem na compreensão do seu ambiente, do funcionamento das coisas, das relações entre os objetos, assim como a influência que elas próprias podem ter sobre o ambiente que as rodeia. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 28. COGNIÇÃO Existem alguns fatores que limitam o desenvolvimento da cognição nas pessoas com multideficiência, tais como: 1. Dificuldades ao nível da comunicação. 2. Limitações no acesso ao ambiente. 3. Falta de técnicos especializados e de materiais adaptados às suas necessidades. 4. Dificuldades em dirigir a atenção para estímulos relevantes. 5. Dificuldades em interpretar a informação. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 29. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA SOCIALIZAÇÃO 1. Facilitar o contato com diferentes pessoas, promovendo o convívio entre os mesmos. 2. Visitar locais onde se propicie o contacto com diferentes pares. 3. Deixar a pessoa explorar objetos, alimentos e pessoas. 4. Organizar atividades que desenvolvam o contato e o convívio. 5. Integrar as pessoas multideficientes visitas de estudo, visitas de caráter recreativo ou cultural;. 6. Proporcionar atividades que facilitem o alargamento de experiências, em diferentes ambientes, como: visitar locais da comunidade, ir às compras, café, mercado,. 7. Grupo de Leitura a fim de facilitar a participação/interação da pessoa multideficiente nas atividades de grupo;. 8. Ensinar/estimular a pessoa a aproximar-se e a tocar nos outros. 9. Realizar atividades práticas na comunidade, tais como: ir à biblioteca, levar uma carta ao correio, pagar a água , entre outras atividades. 10. Organizar atividades em que haja a participação de diferentes adultos ou crianças . INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 30. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA SOCIALIZAÇÃO 11. Envolver os encarregados da educação e os membros da família neste processo, convidando-os a organizar atividades, a colaborar no processo ensino-aprendizagem das pessoas com multideficiência , cooperar nas deslocações, auxiliar na organização de atividades, entre outras atividades. 12. Reduzir os tempos de duração de algumas atividades, de forma a aumentar o nível de participação . 13. Construir rotinas de apoio de modo a que os colegas possam colaborar e participar na adaptação da pessoa multideficiente às atividades da sala de aula;. 14. Realizar intercâmbios com outras escolas/locais, instituições e outras entidades, a fim de promover a interação com diferentes pessoas e diferentes ambientes;. 15. Utilizar os meios de comunicação pessoal para promover a socialização, como a Internet, telefone, correios, ...; SOCIALIZAÇÃO & COMUNICAÇÃO INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 31. SOCIALIZAÇÃO & COMUNICAÇÃO INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 32. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA COMUNICAÇÃO 1. Criar atividades diversificadas que propiciem a informação e originem a necessidade de comunicar – variando os espaços, as atividades, falar de temas de acordo com os seus interesses. 2. Identificar os parceiros com quem comunica através do nome, do gesto ou de um objeto de referência – apresentar as pessoas umas às outras, colocar questões ao grupo acerca das presenças e ausências, estabelecer uma rotina clara e com consequências das ações, dizer o nome para obter a sua atenção. 3. Estruturar as ações no tempo de forma sistemática – lavar as mãos antes de comer, vestir o casaco antes de ir para casa, …). 4. Organizar um calendário do tempo onde se indiquem as ações diárias e a sua sequência – utilizando desenhos, objetos e escrita, de acordo com as capacidades da pessoas que está sendo trabalhada. 5. Utilizar de switch sonoros. 6. Construir tabuleiros com diferentes texturas (para utilizar como calendários, por exemplo). INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 33. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA COMUNICAÇÃO 7. Ter formas de comunicação variadas de acordo com as capacidades da pessoa e de forma a que todos os presentes entendam – representar a mesma atividade de diversas formas, colocar a mão da pessoa sobre a sua para que esta sinta o que está a realizar e se sinta motivada para imitar. 8. Tomar atenção às formas de resposta da pessoa (como: movimentos corporais, expressões, posturas, respirações, etc.). 9. Dar tempo para que a pessoa responda às iniciativa propostas. 10. Responder a pessoa de acordo com a situação, uma vez que determinados gestos são repetidos, mas dependendo da hora, da situação, do contexto, nem sempre querem dizer o mesmo – apontar para a rua de manhã pode significar ir passear, se for ao final do dia, pode significar que está a chegar alguém para o levar para casa. 11. Diversificar os contextos e parceiros de comunicação. 12. Levar a pessoa a pedir materiais em função das atividades propostas, estimulando assim a. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 34. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA COMUNICAÇÃO 13. No almoço não lhe dar o copo de água, não colocar o talher, para que a pessoa que está sendo trabalhada possa desenvolver algum reurso voltado a comunicação. 14. Responder de forma positiva a todas as formas e tentativas de comunicação – incentivar, dar pistas. 15. Dar informação verbal acerca da atividade que a pessoa realiza, utilizando sempre a fala em conjugação com outras formas de comunicação;. 16. Mediar a quantidade de informação e a forma como é transmitida à pessoa, uma vez que muita informação e mal estruturada pode ser motivo de confusão e mesmo de desmotivação para a pessoa com multideficiência. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 35. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA AUTONOMIA 1. Promover a participação da pessoa de forma parcial, ou seja, dar a possibilidade dela realizar alguns passos da tarefa, com ou sem ajuda, na ausência de capacidade de realização da mesma. 2. Comer sozinho (ou com pouca ajuda). 3. Diversificar os ambientes de realização das tarefas. 4. Realizar as atividades de higiene, como lavar o rosto, as mãos, tomar banho, escovar os dentes, etc. 5. Adquirir formas de comunicação que lhe permitam chamar atenção, pedir ajuda, recusar ou pedir mais. 6. Deslocar-se com pouca ajuda em espaços da sua rotina diária. 7. Conhecer os espaços onde se desloca e move, assim como as pessoas que os compõem, como a escola, casa e comunidade. 8. Trabalhar a independência no uso da casa de banho (ser o mais independente possível e pedir ajuda quando não consegue ser autônomo. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 36. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA AUTONOMIA 9. Visitar espaços da comunidade envolvente a fim de os conhecer e relacionar. 10. Proporcionar atividades que facilitem o alargamento de experiências, em diferentes ambientes, como: visitar locais da comunidade, ir às compras, café, mercado, ir à biblioteca, levar uma carta ao correio, pagar a água, ETC. 11. Utilizar os meios de comunicação pessoal para promover o desenvolvimento da, como a Internet, telefone, correios, ...; INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 37. AUTONOMIA & BOM SENSO INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 38. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA ATIVIDADES SENSORIAIS 1. Proporcionar áreas com segurança para a aprendizagem e para a brincadeira. 2. Criar um ambiente controlado e pouco confuso, onde a pessoa possa aprender, praticar e concentrar-se nas atividades propostas;. 3. Utilizar "landmarks" e cores com texturas para auxiliar a orientação e a organização do aluno;. 4. Arrumar os materiais e objetos em locais próprios, desenvolvendo a orientação e a consistência ambiental. 5.Utilizar materiais/objetos de diferentes texturas, tamanhos, formas, pesos, etc. 6. Aplicar objetos da vida diária nas atividades pedagógicas. 7. Usar o "little room" ou pequenos ginásios onde a pessoa possa desenvolver as suas capacidades e habilidades. 8. Empregar materiais que ativem e desenvolvam os sentidos: auditivo, olfativo, tátil e gustativo da pessoa (como o uso de objetos produtores de vibrações, ressonâncias, ritmos, pesos e temperaturas para desenvolver estes sistemas sensoriais). INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 39. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA ATIVIDADES SENSORIAIS 9. Utilizar de switch sonoros. 10. Aplicar pistas sonoras e táteis que permitam encontrar objetos ou explicação para algumas situações. 11. Usar texturas secas, úmidas e molhadas. 12. Realizar atividades de estimulação sensorial em ambientes controlados e mudá-los gradualmente para ambientes naturais;. 13. Organizar atividades rotineiras a fim de proporcionar experiências sensoriais e encorajar a sua utilização em situações específicas. 14. Deixar a pessoa explorar objetos, alimentos e pessoas, enfim tudo que possa aprimorar o aprendizado. 15. Tocar primeiro na mão da pessoa antes de apresentar um objeto. 16. Apresentar primeiro as texturas nas costas da mão da pessoa e só depois na palma da mão. 17. Apresentar os objetos/materiais nas partes do corpo da pessoa menos sensíveis (joelhos, cotovelos e ombros). INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 40. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS PARA ATIVIDADES SENSORIAIS 18. Ensinar/estimular o uso das mãos como ferramentas de exploração e experimentação. 19. Permitir que os objetos estejam ao alcance da pessoa. 20. Efetuar a estimulação sensorial de forma cuidada, sistemática e gradual (para não criar confusão a pessoa). 21. Explorar objetos/materiais em conjunto com a pessoa (mostrar como se segura, utiliza e explora os objetos). 22. Ensinar/estimular a pessoa a aproximar-se e a tocar nos outros. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 41. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO PROJETO : APRENDIZAGEM DIFERENCIADA Autora: Simone Helen Drumond Ischkanian Referencia: DRUMOND, Simone Helen Ischkanian http://simonehelendrumond.blogspot.com