Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino CRL
Projeto Curricular de Escola – 2013-2014
Projeto
Curricular de
Es...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
2
Conteúdo
Introdução .......................................................................................................
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
4
Introdução
Atualmente, a Instituição Escolar não se limita a uma mera transmissão de saberes e
consequente aquisição de ...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
6
Alunos com necessidades educativas especiais;
Atividades de apoio;
Atividades de enriquecimento.
Desenho curricular;
Áre...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
8
Tradições
Começam logo no Ano Novo. Este dia era sempre um tanto ao quanto aborrecido, devido ao
frio e à farra da passa...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
10
Economia Local
Apesar de a sementeira de cereal não atingir hoje o volume dos anos 50 do século passado,
quando o Soito...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
12
Caraterização da Escola
Identificação
O Externato Secundário do Soito (ESS), é uma Instituição de Ensino Particular com...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
14
Objetivos
Esta Escola, parte integrante do sistema educativo nacional, tem como grandes objetivos os que
estão consigna...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
16
Um corpo docente com contrato com a Cooperativa Externato Secundário do Soito, CRL.
Um corpo discente formado por todos...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
18
Calendário escolar
1º Período
O ano letivo 2013/2014 terá ínicio a 16 de setembro e o termo do primeiro período será a ...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
20
**********************
3º Período
Atividade Data
Início das atividades letivas 22 de abril
Reformulação do PCT 22 a 30 ...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
22
Distribuição das turmas por sala;
O Externato Secundário do Soito dispõe de um conjunto de salas específicas de apoio.
...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
24
Este plano, depois de aprovado pelo Conselho de Turma, pelo Encarregado de Educação e pelo
Órgão de Gestão, é posto em ...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
26
Formações Transdisciplinares
Todos os docentes e não docentes têm obrigação de contribuir, na sua prática quotidiana, p...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
28
Estudo está assegurado pelos professores de: Português (0,5 bloco), de Matemática (0,5 + 0,5 bloco),
de Ciências Natura...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
30
Como complemento, a escola oferece ainda 0,5 bloco de apoio destinado essencialmente ao
acompanhamento na realização do...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
32
conhecimento que permitam o prosseguimento da sua formação, numa perspetiva do desenvolvimento
de atitudes ativas e con...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
34
Competências gerais e sua transversalidade
Competências
Gerais
Modos de Operacionalização
Transversal
Ações a desenvolv...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
36
Competências
Gerais
Modos de Operacionalização
Transversal
Ações a desenvolver em cada disciplina
5. Adoptar metodologi...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
38
Competências
Gerais
Modos de Operacionalização
Transversal
Acções a desenvolver em cada disciplina
8. Realizar activida...
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com
Rua do C...
40
Competências específicas
Cada grupo disciplinar define as competências específicas para as suas disciplinas, bem como, ...
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
...
42
 Articular saberes e conhecimentos para compreender a realidade e propor resolução de
problemas;
 Participar na elabo...
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
...
44
17) Os testes sumativos, depois de devidamente corrigidos e classificados, devem ser devolvidos aos
alunos até ao últim...
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
...
46
Os alunos referidos no ponto anterior realizam, obrigatoriamente, os exames nacionais de
Português e Matemática, no cas...
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
...
48
ANEXOS
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
...
50
Domínio
Parâmetros de Avaliação
Instrumentos de
Avaliação
Cognitivo
Expressão escrita (expressiva e lúdica; para aquisi...
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
...
52
Áreas Curriculares: Francês (3º ciclo)
Domínio Parâmetros de
Avaliação
Instrumentos de avaliação Percentagem
atribuída
...
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
...
54
Áreas Curriculares: História - 3º ciclo
Domínio Parâmetros de avaliação Instrumentos de Avaliação
Cognitivo
Raciocínio:...
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO
Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL
...
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Projecto Curricular Escola 2013
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projecto Curricular Escola 2013

725 visualizações

Publicada em

Projecto Curricular Escola

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
725
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projecto Curricular Escola 2013

  1. 1. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino CRL Projeto Curricular de Escola – 2013-2014 Projeto Curricular de Escola
  2. 2. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 1 Projeto Curricular de Escola 2013-2014
  3. 3. 2 Conteúdo Introdução ................................................................................................................................................. 4 Localização ............................................................................................................................................... 7 A Vila do Soito ......................................................................................................................................... 7 Economia Local ...................................................................................................................................... 10 Instituições .............................................................................................................................................. 11 Caraterização da Escola .......................................................................................................................... 12 Identificação............................................................................................................................................ 12 ESS - Um projecto .................................................................................................................................. 12 Justificação .................................................................................................................................... 12 Objectivos ...................................................................................................................................... 14 Estratégias...................................................................................................................................... 15 Constituintes.................................................................................................................................. 15 Órgãos ............................................................................................................................................ 16 Organização / Funcionamento da Escola................................................................................................ 17 Calendário escolar................................................................................................................................... 18 1º Período....................................................................................................................................... 18 2º Período....................................................................................................................................... 19 3º Período....................................................................................................................................... 20 Horário de funcionamento .................................................................................................................... 211 Distribuição das turmas por sala;............................................................................................................ 22 Atribuição das direcções de turma;......................................................................................................... 22 Serviços especializados de apoio educativo............................................................................................ 23 Alunos com necessidades educativas especiais ...................................................................................... 23 Medidas de promoção do sucesso escolar ........................................................................................... 24 Planos de Acompanhamento pedagógico.................................................................................... 24 Apoio ao estudo .............................................................................................................................. 24 ACTIVIDADES DE COMPLEMENTO CURRICULAR ..................................................................... 25 CLUBES ................................................................................................................................................. 25 ACTIVIDADES DE APOIO EDUCATIVO.......................................................................................... 25 Formações Transdisciplinares................................................................................................................. 26 Educação para a cidadania ...................................................................................................................... 26 Valorização da Língua Portuguesa ......................................................................................................... 26 Valorização da dimensão humana do trabalho ....................................................................................... 26 Utilização das tecnologias de informação e comunicação...................................................................... 26 Desenho curricular .................................................................................................................................. 27 2.º Ciclo................................................................................................................................................... 27 3.º Ciclo................................................................................................................................................... 29 Áreas curriculares disciplinares .............................................................................................................. 29 Princípios e valores orientadores do currículo........................................................................................ 33 Competências gerais e sua transversalidade ........................................................................................... 34 Competências específicas ....................................................................................................................... 40 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E OUTROS PROCEDIMENTOS AVALIAÇÃO ............................. 37 Menções nos elementos de avaliação........................................................................................... 43 Fraco, Insuficiente, Suficiente, Bom e Muito Bom..................................................................... 43
  4. 4. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 3 Testes sumativos de avaliação...................................................................................................... 43 Transição/Não Transição (5º,7.º e 8.º Anos) ............................................................................... 44 Admissão aos Exames Nacionais e Condições de Aprovação no 3.º Ciclo............................... 45 Alunos abrangidos pela modalidade de EDUCAÇÃO ESPECIAL ......................................... 46 SITUAÇÕES ESPECIAIS ........................................................................................................... 46 Critérios Gerais de Avaliação...................................................................................................... 46 ANEXOS ................................................................................................................................................ 48 Critérios de Avaliação por Área Curricular Disciplinar, para o 2º e 3º Ciclos....................................... 49 Área Curricular: Língua Portuguesa – 2º e 3º Ciclos.............................................................................. 49 Áreas Curriculares: Inglês (2º e 3º ciclos) .............................................................................................. 48 Áreas Curriculares: Francês (3º ciclo) .................................................................................................... 49 Área Curricular: História e Geografia de Portugal – 2º Ciclo ................................................................ 53 Áreas Curriculares: História - 3º ciclo .................................................................................................... 54 Área Curricular: Geografia - 3º ciclo..................................................................................................... 55 Área Curricular: Matemática – 2º Ciclo.................................................................................................. 56 Área Curricular: Matemática – 3º ciclo .................................................................................................. 58 Área Curricular: Ciências da Natureza ................................................................................................... 57 Área Curricular: Físico-Química ............................................................................................................ 58 Área Curricular: educação visual............................................................................................................ 59 Área Curricular: educação tecnológica................................................................................................... 63 Área Curricular: Educação Física – 2º e 3º Ciclos.................................................................................. 64 Área Curricular: educação musical......................................................................................................... 65 Área Curricular: TIC............................................................................................................................... 66 Área Curricular: Educação Moral e Religiosa Católica (emrc) –2º e 3º ciclos....................................... 67 Área Curricular: Pintura (oferta complementar)..................................................................................... 65 Apoio ao estudo ...................................................................................................................................... 66 Competências gerais ............................................................................................................................... 66 Objetivos................................................................................................................................................. 68 O papel dos professores responsáveis…………………………………………………………………. 72 Projeto Curricular de Turma……………………………………………………………………………67 Objetivos do PCT.................................................................................................................................... 68 Cronograma de funcionamento…………………………………………………………………………69 Avaliação do Projeto Curricular de Escola…………………………………………………..…………69
  5. 5. 4 Introdução Atualmente, a Instituição Escolar não se limita a uma mera transmissão de saberes e consequente aquisição de conhecimentos. A escola dos nossos dias transformou-se num centro gerador de uma formação integral, proporcionadora de um desenvolvimento harmonioso dos alunos e de uma real educação. Nestes termos, a dimensão social, enquanto fator integrante de educação, está, necessariamente, presente em todas as iniciativas que a Escola leva a cabo. Neste contexto, o Externato Secundário do Soito, CRL tem vindo a construir-se na e com a comunidade, privilegiando adequadas comunicações internas tendo em conta a dimensão da Escola, não esquecendo as redes de contacto com o exterior, procurando proporcionar um ensino cada vez mais qualificado, sempre com o objetivo de formar os alunos, de modo a que estes venham a tornar-se adultos responsáveis e perfeitamente integrados na sociedade em que estão inseridos. A legislação em vigor, que estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão do currículo, bem como da avaliação das aprendizagens referentes aos Ensinos Básico determina que as estratégias de desenvolvimento do Currículo Nacional sejam objeto de um Projeto Curricular de Escola (PCE) integrado no Projecto Educativo de Escola (PEE). Nesta conformidade, o PEE é um documento onde se descreve a política educativa para a Escola num horizonte trienal, que constitui um suporte coerente daquela formação integrada, refletindo já a identidade e a autonomia próprias de cada estabelecimento de ensino. Por sua vez, o PCE concretiza e desenvolve aqueles princípios gerais numa ótica anual. Assim, o PCE pode definir-se atendendo: Ao nível de prioridades estabelecidas pela Escola; Às competências essenciais e transversais em torno das quais se organizará o projeto e os conteúdos que serão trabalhados em cada área curricular; À necessidade de proporcionar uma visão global das situações e uma construção interdisciplinar e integrada dos saberes. Importa, ainda, esclarecer que o Currículo Nacional é um documento emanado do Ministério da Educação, no qual se define o conjunto das aprendizagens que os alunos realizam, o modo como estão organizadas, o lugar que ocupam e o papel que desempenham no percurso escolar dos alunos. Estão implícitos neste conceito, os objetivos e os conteúdos da ação educativa, mas também toda a
  6. 6. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 5 instrumentalização didática (estratégias, metodologias e materiais) bem como o processo avaliativo, enquanto instrumento regulador do ensino/aprendizagem. Essas aprendizagens devem visar simultaneamente: A resposta às necessidades e exigências da sociedade local; A satisfação das necessidades do desenvolvimento e da realização individual dos alunos. Nestes termos, o desenvolvimento do PCE, para além de atender aos princípios gerais do PEE, como acima se descreve, terá necessariamente como padrão referencial o Currículo Nacional, adequado às opções de cada Escola, devendo para tal: Dar respostas aos problemas reais da Escola, integrando e generalizando a ação dos diversos intervenientes; Tornar a ação pedagógica mais informada e esclarecida; Promover o desenvolvimento de competências. Descrição Sumária Nos pontos seguintes procederemos ao desenvolvimento do PCE do Externato Secundário do Soito,CRL para o ano letivo 2012/2013, documento que será estruturado da seguinte forma: Caraterização da Escola Localização; Caraterização do meio local. Organização/Funcionamento da Escola, onde serão abordados: Cursos; Aspetos inibidores da aprendizagem – principais problemas; Prioridades definidas no Projeto Educativo; Calendário escolar; Horário de funcionamento; Distribuição das turmas por sala; Atribuição das direções de turma; Serviços especializados de apoio educativo;
  7. 7. 6 Alunos com necessidades educativas especiais; Atividades de apoio; Atividades de enriquecimento. Desenho curricular; Áreas curriculares disciplinares (princípios e valores orientadores do currículo, competências gerais e sua transversalidade, competências específicas), bem como a correspondente avaliação; Área de apoio ao estudo e respetiva avaliação; Projetos curriculares de turma (objetivos, linhas orientadoras e cronograma de funcionamento); Avaliação do Projeto. No entanto, como sabemos, não existem Projetos – Modelo. Os órgãos de administração e gestão das escolas conhecem, como ninguém, os problemas, constrangimentos, necessidades e potencialidades que os envolvem, pelo que, deverão deitar mãos à obra. O Projeto presente é o que se adapta e se identifica com a Escola mantendo como linhas orientadoras as superiormente emanadas, no cumprimento do paralelismo pedagógico delegado e aceite, com as contingências e historial da própria Escola e tendo em conta as especificidades desta zona raiana e respetiva comunidade local. O PCE pretende também espelhar uma forma de estar na educação, própria do Externato Secundário do Soito, alicerçada numa gestão inovadora e flexível, num corpo docente constituído, na sua maioria, por jovens licenciados nas mais variadas áreas, por um corpo discente, constituído por jovens que convivem quotidianamente, envolvendo-se em projetos que alargam as suas oportunidades de formação e por uma equipa de colaboradores não docentes conhecedora da realidade local e dos contextos familiares dos alunos, constituindo todos uma comunidade educativa qualificada e empenhada no sucesso educativo. O longo caminho percorrido pela nossa Escola e as contingências associadas ao despovoamento do Interior do País contribuíram para a construção desta verdadeira “Escola/Família”. Este documento estabelece regras de convivência que permitem aprofundar as relações pedagógicas dos membros desta comunidade escolar. Este projeto balizará o trabalho da escola, servindo de horizonte aos Projetos Curriculares de Turma.
  8. 8. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 7 Localização A Vila do Soito É uma das 40 freguesias pertencentes ao município do Sabugal, situando-se a17 km da sede de Concelho. Com a recente Reorganização Administrativa do Território, o concelho conta com trinta freguesias/união de freguesias. O Soito, que não foi alvo de qualquer anexação, é a freguesia mais populosa a seguir à sede do concelho. Tal como outras freguesias que actualmente pertencem a este concelho, também o Soito passou a fazer parte do território português em data relativamente tardia. Não se sabe ao certo a data exata deste acontecimento, mas sabe-se que, pela data de 1320-1321, esta aldeia, que recentemente subiu à categoria de vila, pertencia ao bispado de Ciudad Rodrigo, ou seja, em termos religiosos pertencia ao território de Castela (Espanha), mas há quem afirme que esta freguesia começou a fazer parte de Portugal mais cedo, nomeadamente em 12 de Agosto de 1297 pelo Tratado de Alcanizes. Esta freguesia passou, em poucos anos, de uma pequena povoação a uma das maiores aldeias de Portugal. A vila do Soito tem como vizinhança as freguesias de Vila Boa, Nave, Ozendo, Quadrazais, Vale de Espinho, Foios, Aldeia Velha e Alfaiates. A delimitação do território foi por vezes motivo de grandes desavenças com as freguesias vizinhas. Uma das maiores foi com Alfaiates, que até provocou mortes e processos em tribunal, mas, passado algum tempo, o assunto foi resolvido. Uma das características desta freguesia é ser atravessada por vários ribeiros. Existem 3 ribeiros que a atravessam: o da Granja, o de S. João e o do Bispo. O ribeiro da Granja começa no sítio das Courelas, atingindo maior caudal na Ponte da Granja. O ribeiro de S. João começa no sítio com o mesmo nome, daí o seu nome, passa ao fundo da povoação e segue em direcção à freguesia da Nave. O ribeiro do Bispo passa no lugar da Murganheira em direção da freguesia de Vila Boa. Além da agricultura, os habitantes do Soito dedicavam-se a outra atividade muito comum nas terras perto da fronteira, o contrabando. Ainda hoje, os habitantes mais velhos contam histórias dos acontecimentos e proezas em que se envolveram, quando estavam a passar algum bem de um lado da fronteira para o outro.
  9. 9. 8 Tradições Começam logo no Ano Novo. Este dia era sempre um tanto ao quanto aborrecido, devido ao frio e à farra da passagem de ano, mas, logo a seguir, era esperado com bastante ansiedade o dia dos Reis, pelo facto de não haver ninguém em toda a freguesia que não quisesse beijar o Menino Deus. Depois da festa dos Reis Magos, vem o tempo do Carnaval (ou Entrudo) que acaba na quarta- feira de cinzas. É nesta altura que os mais jovens deitam as suas “Paneladas”, ou seja, andam pela vila a pregar as suas partidas do Entrudo. Com a Quaresma, entra o tempo da meditação e da penitência. Como penitência, na quarta-feira de Cinzas e todas as sextas-feiras que dura o tempo da Quaresma, não se pode comer carne, coisa que os habitantes desta freguesia levam muito a sério. No 2º domingo da Quaresma, depois da missa do meio-dia, por volta das duas da tarde, faz-se a primeira romaria a Nossa Senhora dos Prazeres. No Domingo de Ramos tem lugar a bênção dos ramos de oliveira que cada pessoa pega no adro, antes de entrar na igreja, para a missa do meio-dia. Esses ramos são depois levados para casa onde são postos no sótão para abençoar esse lar e proteger a casa da queda de descargas eléctricas durante as trovoadas. Na semana anterior à Páscoa, os Escuteiros realizam a sua via-sacra e mostram uma representação da “Viagem de Jesus até ao Calvário” por algumas ruas da freguesia. Na quinta e sexta- feira Santa realizam-se várias cerimónias em honra do Salvador. No Domingo de Páscoa há a tradicional missa do meio-dia e, mais tarde, os habitantes da freguesia vão à 2ª romaria a Nossa Senhora dos Prazeres. No Sábado a seguir à Páscoa, começa a festa em honra de Nossa Senhora dos Prazeres. Logo à tarde, os mordomos ficam à espera da Banda Musical para darem a primeira volta pelas ruas da vila e se darem a conhecer aos habitantes da terra. À noite toda a gente vai à procissão que começa na capela de S.º Modesto e acaba na igreja, onde depois se realiza a missa animada pelos Escuteiros da terra. No dia seguinte, a banda de música anima a missa do meio-dia e da procissão. Logo à tarde, a banda junta- se no adro da igreja para aí tocar umas quantas músicas para a população, que por ali fica a ouvir. Na segunda-feira vem a festa, todos os anos tão ansiosamente esperada. Nesse dia toda a população vai até ao recinto da Nossa Senhora dos Prazeres, situado na serra, e por ali ficam durante todo o dia. Logo pela manhã, algumas pessoas vão acompanhar o andor de Nossa Senhora até à sua capela, enquanto que outras chegam mais cedo à serra para escolher o seu sítio onde vão comer, uns em família, outros com os amigos, mas ao fim todos convivem.
  10. 10. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 9 Na terça-feira, e depois de uma festa como a do dia anterior, os mordomos da tourada, logo pela madrugada, tapam a praça para aí realizarem a tradicional capeia. Os mordomos desta tourada são os rapazes que nesse ano vão à Inspecção Militar (quando existia). A capeia arraiana, registada no inventário nacional imaterial, tem grande expressão na vila do Soito Chega Maio, o mês de Maria e o mês em que no Soito os padrinhos oferecem o tradicional “Bolo do Maio” aos seus afilhados. É também neste mês que se celebra uma festa em honra do Espírito Santo. A particularidade desta festa é que os mordomos deste Santo têm de ser solteiros.
  11. 11. 10 Economia Local Apesar de a sementeira de cereal não atingir hoje o volume dos anos 50 do século passado, quando o Soito era o maior produtor distrital de trigo e centeio, ainda tem um significativo peso no setor, pois há produtores que isoladamente lançam à terra anualmente mais de mil alqueires de semente e que, no total, as suas terras acolherão mais de quatro mil alqueires que farão germinar e produzir. Para além da mais-valia que é a agricultura (trigo, centeio, batata, castanha etc.) e a pecuária, (gado bovino, ovino e cunicultura) conta ainda com um significativo setor industrial, desde a indústria de confecção têxtil, indústrias de transformação de madeiras, ferro e alumínio, granitos e mármores, padarias, pastelaria, oficinas auto, dois postos de abastecimento de combustível e a construção civil, numa boa parte devida ao investimento dos Soitenses emigrantes. A vertente comercial também não pode ser ignorada; 4 armazéns de materiais de construção, 2 de produtos alimentares e congelados, 14 estabelecimentos comerciais, 13 bares ou cafés e 4 restaurantes. A desertificação da região, bem expressiva em muitas aldeias da raia, também vem tocando o Soito devido ao encerramento de algumas indústrias que empregavam largas dezenas de trabalhadores; uma de confecções, encerrada em 2003 e a Cristalina, fábrica de sumos e refrigerantes fundada em 1946 que teve o seu pico na segunda metade dos anos 80: em 1976 produziu 4.984.400 litros de sumos e refrigerantes de sumos, utilizou 404.000 kg de açúcar, consumiu 365.000 kW de energia eléctrica, 143.000 litros de gasóleo, 154.000 kg de fuel e empregava 75 trabalhadores o que representava uma fatia superior a 30% do total dos empregos fixos da povoação.
  12. 12. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 11 Instituições Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários, criada em 5 de Junho de 1981 Estabelecimento Bancário GNR Posto de Saúde Farmácia Lar da Santa Casa da Misericórdia, com as valências de Creche, Jardim infantil, ATL, Apoio domiciliário. Recentemente viu aprovado o financiamento para uma Unidade de Cuidados Intensivos. Lar Paz e Bem, obra mais vocacionada para adultos com deficiência. Associação Cultural e Desportiva do Soito, fundada em 1977; Equipa de Futebol Federado, a militar na 1ª divisão distrital. Associação Hípica os Amigos do Cavalo; Centro Hípico – Praça de Touros Associação de Caça e Pesca. Clube Automóveis Antigos Agrupamento de Escuteiros; Externato Secundário do Soito, CRL, fundado em 1965 (2º e 3º Ciclos EB); Escola do 1º Ciclo EB
  13. 13. 12 Caraterização da Escola Identificação O Externato Secundário do Soito (ESS), é uma Instituição de Ensino Particular com Paralelismo Pedagógico e Contrato de Associação com o Ministério da Educação, pertencente à Cooperativa "Externato Secundário do Soito, CRL” matriculada na Conservatória de Registo Comercial de Sabugal, sob o nº 364254, titular do cartão de Pessoa Colectiva nº 506929159. ESS - Um projecto Justificação O ESS é uma escola de gestão privada, aberta a todos os alunos que a queiram frequentar fornecendo desta forma um serviço público à comunidade envolvente. Os princípios organizadores que a distinguem das escolas do estado têm que ser analisados no âmbito da sua especificidade organizativa. Estes princípios devem assegurar uma gestão eficaz e eficiente dos seus recursos, optando por estratégias adequadas para alcançar objetivos, que visem o aluno, o seu comportamento futuro e ainda o prestígio social e a valorização dos seus agentes educativos. A gestão financeira é efetuada em concordância com o orçamento proposto aos serviços do M. E. e expresso na assinatura anual de um Contrato de Associação e de acordo com o Despacho que atribui o apoio financeiro ao EPC não superior. A organização financeira da cooperativa está de acordo com o Plano Oficial de Contabilidade e de acordo com o Plano de Contas, dos procedimentos contabilísticos e fiscais. Anualmente as contas são encerradas num Balanço e Demonstração de Resultados onde se revela o Activo e o Passivo bem como a situação financeira e patrimonial, balancetes sintéticos, mapas de imobilizado, mapas de análise financeira, balancetes gerais. Para potenciar e concretizar o seu Projeto Educativo e proporcionar a todos os intervenientes níveis de satisfação crescente, o Externato Secundário do Soito tem uma estrutura organizacional adaptada: À especificidade da Vila do Soito e ao fluxo e características de alunos que procuram a Escola. Ao diminuendo da população geral no Interior do país refletindo-se na baixa frequência da Escola, mas que aumentou ao longo da última década, tendo estabilizado nos últimos anos. A estrutura organizacional tem ainda em conta:
  14. 14. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 13 As diferentes finalidades e objetivos entre o 2º e 3º Ciclo de Ensino Básico; Necessidades dos Professores e Diretores de Turma de cada Ciclo; Articulação com as finalidades e objetivos específicos, por forma a adequar as estratégias individuais e coletivas; A operacionalização da eficácia do Conselho dos Diretores de Turma em virtude da reduzida dimensão das turmas; A diversificação da oferta educativa, da valorização e implicação cívica dos alunos nas estruturas e instituições locais; A necessidade de libertar o Presidente da Direção Pedagógica da análise e resolução pontual dos pequenos problemas que surgem no funcionamento quotidiano; As potencialidades da gestão descentralizada e participada; A Coordenação Pedagógica de 2º e 3º ciclos é assegurada por Diretor Pedagógico; Cada Turma tem o seu Diretor de Turma responsável pela elaboração do Plano Curricular de Turma sendo o interlocutor direto e privilegiado com o Diretor Pedagógico. Procura-se, desta forma, realçar as especificidades dos diferentes projetos pedagógicos e assegurar atuações consonantes por parte dos Diretores de Turma e, através destes, dos Professores. A estrutura organizacional visa aproximar o Externato do Soito progressivamente da nova conceção de escola e do papel que lhe vem sendo conferido. A análise da realidade tem mostrado que as reformas e as medidas que as procuram levar à prática são filtradas e reinterpretadas de maneira diferente a nível de cada escola, em virtude dos diferentes contextos externos e internos, resultando daí níveis diferenciados de qualidade da oferta educativa. A estrutura organizacional adotada, referenciada no Projeto Educativo que orienta a atuação do Externato Secundário do Soito, constitui o referencial para as práticas de todos os elementos da comunidade educativa, assente em valores de solidariedade, honestidade, cumprimento do dever, qualidade e exigência.
  15. 15. 14 Objetivos Esta Escola, parte integrante do sistema educativo nacional, tem como grandes objetivos os que estão consignados na Lei de Bases do Sistema Educativo, legislação que rege o Ensino Particular e Cooperativo com realce para as Escolas com Contrato de Associação, nomeadamente: Assegurar a todos os alunos uma formação que garanta a descoberta e o desenvolvimento dos seus interesses e aptidões, capacidade de raciocínio, memória, espírito crítico, criatividade, sentido moral e sensibilidade estética, promovendo a realização individual em harmonia com os valores da solidariedade social. Assegurar o efetivo cumprimento da escolaridade obrigatória, prevenindo situações de abandono escolar. Proporcionar a aquisição de saberes quer no domínio cognitivo, quer no afetivo e psicomotor indispensáveis à realização pessoal de cada indivíduo. Desenvolver valores, atitudes e práticas que contribuam para a formação de cidadãos conscientes e participativos numa sociedade aberta e globalizante. Proporcionar a aquisição de um espírito crítico tendo em conta as exigências da sociedade atual. De acordo com o que está consignado no Projeto Educativo, o ESS tem ainda como grandes objetivos: Criar autênticos laços de família entre todos os que, de alguma forma, dela fazem parte. Empenhar-se ativamente na vida da comunidade local a que pertence contribuindo para o desenvolvimento e enriquecimento cultural, artístico, e até económico, e melhoria das condições sociais da vida das populações numa osmose permanente entre a Escola e a realidade envolvente. Pretende-se assim que os alunos estejam em contacto permanente com os problemas e se empenhem na sua solução.
  16. 16. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 15 Estratégias Para atingir estes objetivos o ESS procurará: Utilizar as metodologias e técnicas pedagógicas mais adequadas às caraterísticas de cada turma em geral e de cada aluno em particular. Pôr ao serviço da aprendizagem as novas tecnologias de informação e comunicação, utilizando- as da forma mais adequada a cada situação. Promover a formação contínua do corpo docente e de todos os que trabalham na Escola para tornar mais eficaz a sua ação. Solicitar a intervenção dos Serviços de Ação Social, de Saúde e Serviços de Psicologia e Orientação de modo a assegurar o sucesso dos alunos. Colaborar com o Director de Turma sempre que este sinta a necessidade de solicitar a intervenção dos Serviços de Ação Social e dos restantes intervenientes no processo educativo sempre que se verifique a falta de frequência do aluno na Escola. Criar um ambiente familiar na Escola que favoreça a integração e participação de todos na vida escolar. Participar em projetos transfronteiriços, nacionais ou regionais que visem a melhoria da ação pedagógica. Planificar atividades integradas no processo de ensino / aprendizagem, abrindo a Escola ao meio, realizando visitas de estudo, fazendo o levantamento da situação cultural, económica e social, colaborando com instituições existentes quer no âmbito disciplinar, quer na concretização da interdisciplinaridade. Constituintes Fazem parte da ESS: A Entidade Proprietária e os Órgãos Sociais da Cooperativa Externato Secundário do Soito, CRL a quem cabe a sua gestão e administração financeira. Uma Direção Pedagógica designada ao abrigo da Estatuto do Ensino particular e Cooperativo (Decreto- Lei n.º 152/2013 de 4 de novembro).
  17. 17. 16 Um corpo docente com contrato com a Cooperativa Externato Secundário do Soito, CRL. Um corpo discente formado por todos os alunos matriculados neste Estabelecimento de Ensino. Um corpo de pessoal não docente, composto pelos funcionários da secretaria, da cozinha, do pessoal auxiliar de educação, vigilantes e contínuos, de acordo com o contrato celebrado com a Cooperativa Externato Secundário do Soito, CRL". O Serviço de Psicologia e Orientação. Os Pais e Encarregados de Educação, cuja colaboração com a Escola é um fator essencial de sucesso da ação educativa, poderão reunir-se em Associação de Pais e Encarregados de Educação e fazer parte integrante do Conselho Pedagógico / Conselho de Docentes. Órgãos Assembleia Geral, Direção e Conselho Fiscal da Cooperativa Externato Secundário do Soito, CRL com total autonomia em relação aos órgãos pedagógicos em matéria de gestão financeira e orçamental. Direção Pedagógica - com poder deliberativo, devendo, nas questões pedagógicas ouvir o parecer do Conselho de Docentes. Conselho de Docentes - O Conselho de Docentes é o órgão de coordenação e orientação educativa da escola, nomeadamente nos domínios pedagógicos - didáticos, da orientação e acompanhamento dos alunos e da formação inicial e contínua de pessoal docente e não docente. Conselho Consultivo – Órgão de consulta na implementação de ações de melhoria e qualidade que estabelece a ponte entre o ESS e a comunidade envolvente, refletindo as preocupações, interesses e imagem da própria escola, assumindo esta o compromisso de ter em conta os seus pareceres, sugestões e propostas de actividades conducentes à prática da interdisciplinaridade.
  18. 18. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 17 Organização / Funcionamento da Escola Cursos No Externato do Soito leciona-se o segundo ciclo do Ensino Básico (5º e 6º anos) e o terceiro ciclo do Ensino Básico (7º, 8º, e 9º anos). No corrente ano letivo, estão matriculados na nossa escola 87 alunos distribuídos do seguinte modo: Ano Número de Turmas Número de Alunos 2.º Ciclo 5.º ANO 1 34 6.º ANO 1 3.º Ciclo 7.º ANO 1 538.º ANO 1 9.º ANO 1 Já está demonstrado que a configuração estandardizada de uma oferta formativa não responde a todos os problemas que no dia-a-dia preocupam a escola e que a sociedade reclama. É por demais evidente que há alunos que, no Ensino Básico, não conseguem, por razões muito particulares, acompanhar o percurso regular.
  19. 19. 18 Calendário escolar 1º Período O ano letivo 2013/2014 terá ínicio a 16 de setembro e o termo do primeiro período será a 17 de dezembro. Como referência, indica-se a planificação seguinte, podendo sofrer algumas alterações pontuais: Atividade Data Reunião do Conselho de Docentes 2 de setembro Início do Ano Letivo 16 de setembro Preparação do dossier individual do aluno 14 a 18 de setembro Reunião dos Diretores de Turma/Enc. De Educação 5 de setembro Reunião do Conselho de Docentes 25 de setembro Elaboração do PCT 1 de outubro a 8 de dezembro Conselho dos Diretores de Turma 5 de dezembro Preparação do 1º momento de avaliação 10 a 17 de dezembro Fim do 1º Período 17 de dezembro Reuniões de avaliação 18, 19 de dezembro Reunião dos Diretores de Turma/Enc. de Educação 20 de dezembro
  20. 20. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 19 2º Período Atividade Data Início das atividades letivas 6 de janeiro Reformulação do PCT 6 a 19 de janeiro Conselho dos Diretores de Turma 10 de janeiro Reunião do Conselho de Docentes 20 de fevereiro Preparação do 2º momento de avaliação 1 a 4 de abril Fim do 2º período 4 de abril Reuniões de avaliação 4 e 7 de abril Reunião dos Diretores de Turma/Enc. de Educação 9 de abril
  21. 21. 20 ********************** 3º Período Atividade Data Início das atividades letivas 22 de abril Reformulação do PCT 22 a 30 de abril Conselho dos Diretores de Turma 23 de abril Reunião do Conselho de Docentes 15 de maio Preparação do 3º momento de avaliação (6º e 9º anos) 2 a 6 de junho Reunião de Avaliação do 6º e 9º ano 6 de junho Preparação do 3º momento de avaliação (5º, 7º e 8º anos) 9 a 13 de junho Reuniões de Avaliação 16 de junho Reunião dos Diretores de Turma/Enc. De Educação 19 de junho Reuniões do Conselho de Docentes 3 a 10 de julho Conclusão do PCT até 25 de julho
  22. 22. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 21 Horário de funcionamento O Externato Secundário do Soito funciona em blocos de 90 minutos e/ou meios blocos, de 45 minutos. Estipulou-se a seguinte distribuição: Entrada 9h 00 m Bloco I Saída 10h 30 m Intervalo 15 m Entrada 10h 45 m Bloco 2 Saída 12h 15 m Almoço Entrada 13h 15 m Bloco 3 Saída 14h 45 m Intervalo 15 m Entrada 15h 00 m Bloco 4 Saída 16h 30 m Intervalo 10 m Entrada 16h 40 m Saída 17h 25 m Na elaboração dos horários, estipulou-se que, às quartas-feiras, as aulas terminam às 12h15m, para que se possam realizar as reuniões das estruturas de orientação pedagógica no espaço da tarde. É também o espaço para o desenvolvimento das atividades do Desporto Escolar.
  23. 23. 22 Distribuição das turmas por sala; O Externato Secundário do Soito dispõe de um conjunto de salas específicas de apoio. Cada turma tem atribuída uma sala própria. Com esta medida pretende-se, através da cultura de proteção do que é nosso, aumentar o sentido de responsabilidade na defesa e proteção da respetiva sala e aumentar a eficácia das aprendizagens, nomeadamente na transição de docentes nos tempos de 45 minutos. Não obstante, as disciplinas cujos conteúdos exijam uma sala específica (laboratórios, sala com televisão, sala de Informática, de Educação Visual, de Educação Tecnológica e de Pintura) serão lecionadas em espaços apropriados para o efeito. Atribuição das direções de turma; Os Diretores de Turma são nomeados pelo Diretor Pedagógico, de entre os professores da turma. Dadas as funções inerentes ao cargo de Director de Turma, nomeadamente, as de coordenador do conselho de turma, gestor/coordenador do projeto curricular de turma, interlocutor/mediador privilegiado entre professores e encarregados de educação, este deve reunir as seguintes caraterísticas: • ser, preferencialmente, do quadro da escola; • ser um docente com facilidade de comunicação/relacionamento inter-pessoal, capaz de criar um bom ambiente entre os intervenientes no processo educativo; • gostar de trabalhar em equipa e ter competências de liderança e coordenação. A saber: 5º Ano – Sofia Jorge 6º Ano – Isabel Saraiva 7º Ano – José A. Pereira 8º Ano –Victor Clamote 9º Ano – Manuel Alves Lousa
  24. 24. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 23 Serviços especializados de apoio educativo Os Serviços Especializados de Apoio Educativo (SEAE) são constituídos pelo Serviço de Psicologia e Orientação, pelo Núcleo de Apoios Educativos e pelo Serviço Social. Compete aos SEAE fazer o levantamento dos alunos com necessidades educativas especiais e, em colaboração com os professores das diferentes disciplinas, propor à Direção Pedagógica a implementação de medidas pedagógicas que melhor se adequem e facilitem as aprendizagens e o sucesso educativo. No contexto dos SEAE compete ao Serviço de Psicologia e Orientação acompanhar o aluno ao longo do percurso escolar, contribuindo na identificação dos seus interesses e aptidões, intervindo em áreas de dificuldade que possam surgir na situação de ensino/aprendizagem, facilitando o desenvolvimento da sua identidade pessoal e a construção do seu próprio projeto de vida. Os Serviços de Psicologia desenvolvem as suas atividades em articulação com outros serviços de apoio educativo, nomeadamente, com os de apoio a alunos com necessidades educativas especiais, entre outros. Releva a importância da intervenção dos técnicos de projetos concelhios apoiados pelo Município de Sabugal, bem como dos técnicos da Rede Social e dos serviços de ação social do Município. Alunos com necessidades educativas especiais O núcleo de Apoios Educativos é constituído pelos respectivos Diretores de Turma, pela professora de apoio, Ilina Janeiro, e pela psicopedagoga, Andreia Gomes, do Serviço de Psicologia e Orientação. Os alunos podem ser identificados por informação dos professores das diferentes disciplinas ou através de informações recolhidas nos processos administrativos ou ainda por indicação dos Encarregados de Educação. O professor de apoio reúne os elementos necessários (relatórios clínicos, pedagógicos, pareceres) e elabora, conjuntamente com outros intervenientes, um plano educativo individual onde constam as medidas a serem implementadas, em função do perfil do aluno.
  25. 25. 24 Este plano, depois de aprovado pelo Conselho de Turma, pelo Encarregado de Educação e pelo Órgão de Gestão, é posto em prática, sendo sujeito a avaliações sucessivas ao longo do ano letivo. Os elementos desta estrutura respondem a um conjunto de solicitações que visam o sucesso escolar dos alunos com necessidades educativas especiais de caráter prolongado através, não só de condições técnico - pedagógicas de aprendizagem, mas também do favorecimento da socialização e da sua autonomia. Medidas de promoção do sucesso escolar Planos de actividades de acompanhamento pedagógico De acordo com o Despacho Normativo 24 A/2012, devem ser adotadas pela escola medidas de promoção do sucesso escolar, definindo-se, sempre que necessário, planos de atividades de acompanhamento pedagógico orientados para a turma ou individualizados, com medidas adequadas à resolução das dificuldades dos alunos. Aos alunos que revelem, em qualquer momento do seu percurso, dificuldades de aprendizagem em qualquer disciplina ou área disciplinar é aplicado um plano de acompanhamento pedagógico, elaborado pelo conselho de turma, contendo estratégias de recuperação que contribuam para colmatar as insuficiências detectadas. Estes planos devem ser dados a conhecer aos Encarregados de Educação e são realizado e avaliados, quando necessário, em articulação com outros técnicos de educação, envolvendo os pais ou os encarregados de educação e os alunos. Apoio ao estudo De acordo com o Despacho Normativo 24 A/2012, — O Apoio ao Estudo do 2.º ciclo desenvolve -se através de atividades regulares fixadas pela escola e de participação decidida em conjunto pelos pais e professores, tendo como objetivos: A implementação de estratégias de estudo e de desenvolvimento e aprofundamento dos conhecimentos dos alunos; Atividades de reforço da aprendizagem, nomeadamente para acompanhamento da realização dos trabalhos de casa. O apoio ao estudo é dinamizado preferencialmente pelos professores da turma, das áreas de Português, Matemática, Ciências e Inglês. No 3º ciclo, a escola também implementou apoio ao estudo para as disciplinas de Português e de Matemática.
  26. 26. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 25 . ATIVIDADES DE COMPLEMENTO CURRICULAR As atividades de complemento curricular têm uma natureza eminentemente formativa, cultural e lúdica. CLUBES Desporto Escolar. Jornal Escolar ATIVIDADES DE APOIO EDUCATIVO Sala de estudo orientado; Biblioteca Escolar/ Centro de Recursos Escolar; Plano Nacional da Leitura Aulas com plano de recuperação para um período de tempo definido; Apoio de uma psicóloga contratada pela escola; Articulação com o Gabinete de Acção Social da Autarquia; Articulação com o tecido empresarial do Concelho. Visitas de Estudo; Atividades de reconhecido interesse não previstas no início do ano letivo e de oportunidade (desafios à Escola)
  27. 27. 26 Formações Transdisciplinares Todos os docentes e não docentes têm obrigação de contribuir, na sua prática quotidiana, para a formação integral dos alunos. Educação para a cidadania A educação para a cidadania é da responsabilidade de cada professor e concretiza-se, essencialmente, através das suas boas práticas quotidianas de relacionamento interpessoal com todos os elementos da comunidade educativa. O saber estar, a valorização de valores como a solidariedade, a honestidade, o respeito mútuo, o rigor e o brio profissional devem pautar os comportamentos de todos e muito especialmente de todos os docentes. O exemplo dado por cada professor constitui a melhor estratégia de formação dos nossos alunos. Valorização da Língua Portuguesa A valorização da Língua e Cultura Portuguesas atravessa todas as componentes do currículo. Efetivamente, todos somos professores Portugês, realidade que a todos responsabiliza quanto às aquisições das competências essenciais na língua materna. Assim, cada professor, nas suas turmas, assumirá esta preocupação, ao longo do ano letivo, associada aos diversos conteúdos que integram o Projeto Curricular de Turma. Valorização da dimensão humana do trabalho Um dos aspetos mais importantes do ensino básico é o desenvolvimento de capacidades nos alunos, ensinando-os a aprender e a construir o seu próprio percurso de vida. A prossecução deste objetivo passa pela utilização de métodos de trabalho personalizados e a consequente valorização do esforço e do aperfeiçoamento pessoal. Compete aos professores e aos Conselhos de Turma reconhecer e valorizar o esforço e o trabalho de cada aluno e a correspondente repercussão no seu percurso escolar. Utilização das tecnologias de informação e comunicação Esta área assume uma natureza transversal e, para além do espaço letivo que a matriz curricular, sobretudo a nível do 3º ciclo, consagra para esta área, todos os docentes deverão promover a utilização destas tecnologias.
  28. 28. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 27 Desenho curricular (ao abrigo do decreto-Lei nº 139/2012 de 5 de julho) 2.º Ciclo a) Disciplina de frequência facultativa. b) Nos termos do artº 12 do Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de julho, a escola oferece 0,5 bloco como componente curricular complementar na área da Pintura. c) O Apoio ao Estudo, no 5º ano, está assegurado pelos professores de: Português (0,5 bloco), Inglês (0,5 + 0,5 bloco), Matemática (0,5 bloco) e Educação Física (0,5 bloco). No 6º, o Apoio ao Componentes do Currículo 5.º ANO 6.º ANO Línguas e Estudos Sociais 6 blocos 6 blocos Língua Portuguesa 3 3 Língua Estrangeira 1,5 1,5 História e Geografia de Portugal 1,5 1,5 Matemática e Ciências 4,5 blocos 4,5 blocos Matemática 3 3 Ciências da Natureza 1,5 1,5 Educação Artística e Tecnológica 3 blocos 3 blocos Educação Visual e Tecnológica 1 1 Educação Musical 1 1 Educação Tecnológica 1 1 Educação Física 1,5 blocos 1,5 blocos E. M. R. C. (a) 0,5 blocos 0,5 blocos Oferta Complementar - Pintura (b) 0,5 0,5 Apoio ao estudo (c) 2,5 2,5 TOTAL 18,5 18,5
  29. 29. 28 Estudo está assegurado pelos professores de: Português (0,5 bloco), de Matemática (0,5 + 0,5 bloco), de Ciências Naturais (0,5 bloco) e de Inglês (0,5 bloco) Em complemento, no 5º e 6º ano, os alunos beneficiam de apoio destinado essencialmente ao acompanhamento na realização de trabalhos de casa (0,5 + 0,5). Há ainda a oferta de 0,5 bloco que os alunos podem utilizar como estudo ou como prática do desporto escolar.
  30. 30. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 29 Desenho curricular - 3.º Ciclo Componentes do Currículo 7.º ANO 8.º ANO 9.º ANO Língua Portuguesa 2,5 blocos 2,5 blocos 2,5 blocos Línguas Estrangeiras 3 blocos 2,5 blocos 2,5 blocos Língua Estrangeira I 1,5 1 1,5 Língua Estrangeira II 1,5 1,5 1 Ciências Humanas e Sociais 2,5 blocos 2,5 blocos 3 blocos História 1 1,5 1,5 Geografia 1,5 1 1,5 Matemática 2,5 blocos 2,5 blocos 2,5 blocos Ciências Físicas e Naturais 3 blocos 3 blocos 3 blocos Ciências Naturais 1,5 1,5 1,5 Físico-Química 1,5 1,5 1,5 Expressões e Tecnologias 2 blocos 2 blocos 2 blocos (a) Educação Visual 1 1 1 TIC 0,5 0,5 0,5 Oferta de escola - Educação Tecnológica 0,5 0,5 Educação Física 1,5 blocos 1,5 blocos 1,5 blocos E. M. R. C. a) 0,5 blocos 0,5 blocos 0,5 blocos Oferta Complementar – Pintura b) 0,5 0,5 0,5 TOTAL 18 17,5 17,5 Nota: A escola oferece, como reforço nas disciplinas de Português e de Matemática, aos 7º, 8º e 9º anos de escolaridade, 0,5 bloco de apoio ao estudo em cada uma destas disciplinas. No 8º ano também se implementou um reforço de 0,5 bloco na disciplina de Inglês.
  31. 31. 30 Como complemento, a escola oferece ainda 0,5 bloco de apoio destinado essencialmente ao acompanhamento na realização dos trabalhos de casa (7º, 8º e 9º ano). Há ainda a oferta de 0,5 bloco que os alunos podem utilizar como estudo ou como prática do desporto escolar. a) Disciplina de frequência facultativa. b) Nos termos do artº 12 do Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de Julho, a escola oferece 0,5 bloco como componente curricular complementar na área da Pintura Áreas curriculares disciplinares (princípios e valores orientadores do currículo, competências gerais e sua transversalidade, competências específicas), bem como a correspondente avaliação; Segundo a Lei de Bases do Sistema Educativo, e ao abrigo da Lei n.º 85/2009, no âmbito da escolaridade obrigatória, o ensino é universal, obrigatório e gratuito, considerando-se em idade escolar as crianças e jovens com idades compreendidas entre os 6 e os 18 anos, passando a ter a duração de 12 anos. A escolaridade obrigatória cessa com a obtenção do diploma de curso conferente de nível secundário da educação ou independentemente da obtenção do diploma de qualquer ciclo ou nível de ensino, no momento do ano em que o aluno perfaça 18 anos. No entanto, os alunos matriculados no ano letivo 2009-2010, no 8º ano de escolaridade e seguintes, o limite de escolaridade continua a ser os 15 anos de idade. São objetivos do Ensino básico: • Assegurar uma formação comum a todos os portugueses que lhes garanta a descoberta e o desenvolvimento dos seus interesses e aptidões, capacidade de raciocínio, memória e espírito crítico, criatividade, sentido moral e sensibilidade estética, promovendo a realização individual em harmonia com os valores da solidariedade social; • Assegurar que nesta formação sejam equilibradamente inter-relacionados o saber e o saber fazer, a teoria e a prática, a cultura escolar e a cultura do quotidiano; • Proporcionar o desenvolvimento físico e motor, valorizar as atividades manuais e promover a educação artística, de modo a sensibilizar para as diversas formas de expressão estética, detetando e estimulando aptidões nesses domínios;
  32. 32. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 31 • Proporcionar a aprendizagem de uma primeira língua estrangeira e a iniciação de uma segunda; • Proporcionar a aquisição dos conhecimentos basilares que permitam o prosseguimento de estudos ou a inserção do aluno em esquemas de formação profissional, bem como facilitar a aquisição e o desenvolvimento de métodos e instrumentos de trabalho pessoal e em grupo, valorizando a dimensão humana do trabalho; • Fomentar a consciência nacional aberta à realidade concreta numa perspetiva de humanismo universalista, de solidariedade e de cooperação internacional; • Desenvolver o conhecimento e o apreço pelos valores caraterísticos da identidade, língua, história e cultura portuguesas; • Proporcionar aos alunos experiências que favoreçam a sua maturidade cívica e sócio-afetiva, criando neles atitudes e hábitos positivos de relação e cooperação, quer no plano dos seus vínculos de família, quer no da intervenção consciente e responsável na realidade circundante; • Proporcionar a aquisição de atitudes autónomas, visando a formação de cidadãos civicamente responsáveis e democraticamente intervenientes na vida comunitária; • Assegurar às crianças com necessidades educativas específicas, devidas, designadamente, a deficiências físicas e mentais, condições adequadas ao seu desenvolvimento e pleno aproveitamento das suas capacidades; • Fomentar o gosto por uma constante atualização de conhecimentos; • Participar no processo de informação e orientação educacionais em colaboração com as famílias; • Proporcionar, em liberdade de consciência, a aquisição de noções de educação cívica e moral; • Criar condições de promoção do sucesso escolar e educativo a todos os alunos. Os objetivos específicos de cada ciclo integram-se nos objetivos gerais do ensino básico, de acordo com o desenvolvimento etário correspondente, tendo em conta as seguintes particularidades: • Para o 2.º ciclo, a formação humanística, artística, física e desportiva, científica e tecnológica e a educação moral e cívica, visando habilitar os alunos a assimilar e interpretar crítica e criativamente a informação, de modo a possibilitar a aquisição de métodos e instrumentos de trabalho e de
  33. 33. 32 conhecimento que permitam o prosseguimento da sua formação, numa perspetiva do desenvolvimento de atitudes ativas e conscientes perante a comunidade e os seus problemas mais importantes; • Para o 3.º ciclo, a aquisição sistemática e diferenciada da cultura moderna, nas suas dimensões humanística, literária, artística, física e desportiva, científica e tecnológica, indispensável ao ingresso na vida ativa e ao prosseguimento de estudos, bem como a orientação escolar e profissional que faculte a opção de formação subsequente ou de inserção na vida ativa, com respeito pela realização autónoma da pessoa humana.
  34. 34. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 33 Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica reporta-se aos pressupostos da Lei de Bases do Sistema Educativo, sustentando-se nos seguintes valores e princípios, os quais estão implícitos no PEE. • A construção e a tomada de consciência da identidade pessoal e social; • A participação na vida cívica de forma livre, responsável, solidária e crítica; • O respeito e a valorização da diversidade dos indivíduos e dos grupos quanto às suas pertenças e opções; • A valorização de diferentes formas de conhecimento, comunicação e expressão; • O desenvolvimento do sentido de apreciação estética do mundo; • O desenvolvimento da curiosidade intelectual, do gosto pelo saber, pelo trabalho e pelo estudo; • A construção de uma consciência ecológica conducente à valorização e preservação do património natural e cultural; • A valorização das dimensões relacionadas da aprendizagem e dos princípios éticos que regulam o relacionamento com o saber e com os outros.
  35. 35. 34 Competências gerais e sua transversalidade Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Ações a desenvolver em cada disciplina 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano; Prestar atenção a situações e problemas manifestando envolvimento e curiosidade. Questionar a realidade observada. Identificar e articular saberes e conhecimentos para compreender uma situação ou problema. Pôr em acção procedimentos necessários para a compreensão da realidade e para a resolução de problemas. Avaliar a adequação dos saberes e procedimentos mobilizados e proceder a ajustamentos necessários. Abordar os conteúdos da área do saber com base em situações e problemas. Rentabilizar as questões emergentes do quotidiano e da vida do aluno. Organizar o ensino com base em materiais e recursos diversificados, dando atenção a situações do quotidiano. Organizar o ensino prevendo a experimentação de técnicas, instrumentos e formas de trabalho diversificados. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades dirigidas à observação e ao questionamento da realidade e à integração de saberes. Organizar actividades cooperativas de aprendizagem, orientadas para a integração e troca de saberes. Desenvolver actividades integradoras de diferentes saberes, nomeadamente a realização de projectos. Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Ações a desenvolver em cada disciplina 2. Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar. Reconhecer, confrontar e harmonizar diversas linguagens para a comunicação de uma informação, de uma ideia, de uma intenção. Utilizar formas de comunicação diversificadas, adequando linguagens e técnicas aos contextos e às necessidades. Comunicar, discutir e defender ideias próprias mobilizando adequadamente diferentes linguagens. Traduzir ideias e informações expressas numa linguagem para outras linguagens. Valorizar as diferentes formas de linguagem. Organizar o ensino prevendo a utilização de linguagens de comunicação diversificadas. Organizar o ensino com base em materiais e recursos em que são utilizadas linguagens específicas. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades diferenciadas de comunicação e de expressão. Rentabilizar os meios de comunicação social e o meio envolvente. Rentabilizar as potencialidades das tecnologias de informação e de comunicação no uso adequado de diferentes linguagens. Apoiar o aluno na escolha de linguagens que melhor se adequam aos objectivos visados, em articulação com os seus interesses. Desenvolver a realização de projectos que impliquem o uso de diferentes linguagens.
  36. 36. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 35 Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Ações a desenvolver em cada disciplina 3. Usar correctamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio. Valorizar e apreciar a língua portuguesa, quer como língua materna quer como língua de acolhimento. Usar a língua portuguesa de forma adequada às situações de comunicação criadas nas diversas áreas do saber, num a perspectiva de construção pessoal do conhecimento. Usar a língua portuguesa no respeito de regras do seu funcionamento. Promover o gosto pelo uso correcto e adequado da língua portuguesa. Auto-avaliar a correcção e a adequação dos desempenhos linguísticos, na perspectiva do seu aperfeiçoamento. Organizar o ensino prevendo situações de reflexão e de uso da língua portuguesa, considerando a heterogeneidade linguística dos alunos. Promover a identificação e a articulação dos contributos de cada área do saber com vista ao uso correctamente estruturado da língua portuguesa. Organizar o ensino valorizando situações de interacção e de expressão oral e escrita que permitam ao aluno intervenções personalizadas, autónomas e críticas. Rentabilizar os meios de comunicação social e o meio envolvente na aprendizagem da língua portuguesa. Rentabilizar as potencialidades das tecnologias de informação e de comunicação no uso adequado da língua portuguesa. Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Acções a desenvolver em cada disciplina 4. Usar línguas estrangeiras para comunicar adequadamente em situações do quotidiano e para apropriação de informação. Compreender textos orais e escritos em línguas estrangeiras para diversificação das fontes dos saberes culturais, científicos e tecnológicos. Interagir, oralmente e por escrito, em línguas estrangeiras, para alargar e consolidar relacionamentos com interlocutores/parceiros estrangeiros. Usar a informação sobre culturas estrangeiras disponibilizada pelo meio envolvente e, particularmente, pelos media, com vista à realização de trocas interculturais. Auto-avaliar os desempenhos linguísticos em línguas estrangeiras quanto à adequação e eficácia. Organizar o ensino prevendo o recurso a materiais pedagógicos em língua estrangeira. Rentabilizar o recurso a informação em língua estrangeira acessível na Internet e outros recursos informáticos. Organizar actividades cooperativas de aprendizagem em situações de interacção entre diversas línguas e culturas. Promover actividades de intercâmbio presencial ou virtual, com utilização, cada vez mais intensa, das tecnologias de informação e comunicação. Promover a realização de projectos em que seja necessário utilizar línguas estrangeiras.
  37. 37. 36 Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Ações a desenvolver em cada disciplina 5. Adoptar metodologias personalizadas de trabalho e de aprendizagem, adequadas a objectivos visados. Exprimir dúvidas e dificuldades. Planear e organizar as suas actividades de aprendizagem. Identificar, seleccionar e aplicar métodos de trabalho. Confrontar diferentes métodos de trabalho para a realização da mesma tarefa. Auto-avaliar e ajustar os métodos de trabalho à sua forma de aprender e aos objectivos visados. Organizar o ensino prevendo a experimentação de técnicas, instrumentos e formas de trabalho diversificadas. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades dirigidas à expressão e ao esclarecimento de dúvidas e de dificuldades. Organizar actividades cooperativas de aprendizagem. Organizar o ensino com base em materiais e recursos diversificados, adequados às diferentes formas de aprendizagem. Apoiar o aluno na descoberta das diversas formas de organização da sua aprendizagem. Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Acções a desenvolver em cada disciplina 6. Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. Pesquisar, seleccionar, organizar e interpretar informação de forma crítica em função de questões, necessidades ou problemas a resolver e respectivos contextos. Rentabilizar as tecnologias da informação e comunicação nas tarefas de construção de conhecimento. Comunicar, utilizando formas diversificadas, o conhecimento resultante da interpretação da informação. Auto-avaliar as aprendizagens, confrontando o conhecimento produzido com os objectivos visados e com a perspectiva de outros. Organizar o ensino prevendo a pesquisa, selecção e tratamento de informação. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades dirigidas à pesquisa, selecção, organização e interpretação de informação. Organizar o ensino prevendo a utilização de fontes de informação diversas e das tecnologias da informação e comunicação. Promover actividades integradoras dos conhecimentos, nomeadamente a realização de projectos.
  38. 38. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 37 Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Acções a desenvolver em cada disciplina 7. Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões; Realizar actividades de forma autónoma, responsável e criativa. Identificar situações problemáticas em termos de levantamento de questões. Seleccionar informação e organizar estratégias criativas face às questões colocadas por um problema. Debater a pertinência das estratégias adaptadas em função de um problema. Confrontar diferentes perspectivas face a um problema, de modo a tomar decisões adequadas. Propor situações de intervenção individual e/ou colectiva, que constituam tomadas de decisão face a um problema, em contexto real. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades que permitam ao aluno fazer escolhas, confrontar pontos de vista e resolver problemas. Organizar o ensino prevendo a utilização de fontes de informação diversas e das tecnologias da informação e comunicação para o desenvolvimento de estratégias de resolução de problemas. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades de simulação e jogos de papéis que permitam a percepção de diferentes pontos de vista. Promover a realização de projectos que envolvam a resolução de problemas e a tomada de decisões.
  39. 39. 38 Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Acções a desenvolver em cada disciplina 8. Realizar actividades de forma autónoma, responsável e criativa. Realizar tarefas por iniciativa própria. Identificar, seleccionar e aplicar métodos de trabalho, numa perspectiva crítica e criativa. Responsabilizar-se por realizar integralmente uma tarefa. Valorizar a realização de actividades intelectuais e artísticas que envolvam esforço, persistência e criatividade. Avaliar e controlar o desenvolvimento das tarefas que se propõe realizar. Organizar o ensino prevendo a realização de actividades por iniciativa do aluno. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades dirigidas à experimentação de situações pelo aluno e à expressão da sua criatividade. Organizar actividades cooperativas de aprendizagem rentabilizadoras da autonomia, responsabilização e criatividade de cada aluno. Organizar o ensino com base em materiais e recursos diversificados que favoreçam a autonomia e a criatividade do aluno. Apoiar o aluno na descoberta das diversas formas de organização da sua aprendizagem e na construção da sua autonomia para aprender. Criar na escola espaços e tempos para intervenção livre do aluno. Valorizar, na avaliação da aprendizagem do aluno, a produção de trabalhos livres e concebidos pelo próprio.
  40. 40. Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito Projeto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 39 Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Acções a desenvolver em cada disciplina 9. Cooperar com outros em tarefas e projectos comuns. Participar em actividades interpessoais e de grupo, respeitando normas, regras e critérios de actuação, de convivência e de trabalho em vários contextos. Manifestar sentido de responsabilidade, de flexibilidade e de respeito pelo seu trabalho e pelo dos outros. Comunicar, discutir e defender descobertas e ideias próprias, dando espaços de intervenção aos seus parceiros. Avaliar e ajustar os métodos de trabalho à sua forma de aprender, às necessidades do grupo e aos objectivos visados. Organizar o ensino prevendo e orientando a execução de actividades individuais, a pares, em grupos e colectivas. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades dirigidas para o trabalho cooperativo, desde a sua concepção à sua avaliação e comunicação aos outros. Propiciar situações de aprendizagem conducentes à promoção da auto- estima e da auto-confiança. Fomentar actividades cooperativas de aprendizagem com explicitação de papéis e responsabilidades. Organizar o ensino com base em materiais e recursos diversificados adequados a formas de trabalho cooperativo. Apoiar o aluno na descoberta das diversas formas de organização da sua aprendizagem em interacção com outros Competências Gerais Modos de Operacionalização Transversal Acções a desenvolver em cada disciplina 10. Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço, numa perspectiva pessoal e interpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida. Mobilizar e coordenar os aspectos psicomotores necessários ao desempenho de tarefas. Estabelecer e respeitar regras para o uso colectivo de espaços. Realizar diferentes tipos de actividades físicas, promotoras de saúde, do bem-estar e da qualidade de vida. Manifestar respeito por normas de segurança pessoal e colectiva. Organizar o ensino prevendo a realização de actividades em que é necessário estabelecer regras e critérios de actuação. Organizar o ensino prevendo a realização de jogos diversificados de modo a promover o desenvolvimento harmonioso do corpo em relação ao espaço e ao tempo. Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, actividades dirigidas à apropriação de hábitos de vida saudáveis e à responsabilização face à sua própria segurança e à dos outros. Organizar actividades diversificadas que promovam o desenvolvimento psicomotor implicado no desempenho de diferentes tarefas. Organizar actividades cooperativas de aprendizagem e projectos conducentes à tomada de consciência de si, dos outros e do meio. Organizar o ensino com base em materiais e recursos diversificados.
  41. 41. 40 Competências específicas Cada grupo disciplinar define as competências específicas para as suas disciplinas, bem como, o contributo de cada disciplina para o desenvolvimento das competências gerais do Currículo Nacional e a transversalidade entre as competências específicas das suas disciplinas com as dos outros grupos disciplinares. As competências, bem como as planificações de cada grupo disciplinar, encontram-se em anexo a este documento. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E OUTROS PROCEDIMENTOS AVALIAÇÃO 5.º, 6.º,7.º, 8.º e 9.º Anos A fim de dar cumprimento ao estabelecido nos pontos 15 e 16 do Despacho Normativo n.º 1/2005, de 5 de Janeiro, com as alterações introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 18/2006, de 14 de Março e com o Despacho Normativo nº 24-A/2012 de 6 de Dezembro de 2012 e em articulação com o ponto 2 do art.º 107.º do Regulamento Interno da Escola, torna-se necessário definir e divulgar os critérios gerais de avaliação, cujas principais orientações e disposições estão consagradas no Decreto- Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 209/2002, de 17 de Outubro e o Decreto-Lei nº 139/2012 de 5 de Julho Sendo assim, define-se o seguinte: 1) A avaliação permite uma recolha sistemática de informações que, analisadas, apoiam a tomada de decisões adequadas à promoção do sucesso e qualidade das aprendizagens dos alunos. Visando apoiar o processo educativo, a avaliação permite o reajustamento do Projeto Curricular de Turma, remetendo os professores para uma efetiva seleção de metodologias e recursos, em função das necessidades educativas do aluno. 2) A avaliação, incidindo sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas e considerando a concretização das mesmas no Projeto Curricular de Escola e no Projeto Curricular de Turma, compreenderá as modalidades de avaliação diagnóstica, de avaliação formativa e de avaliação sumativa.
  42. 42. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito 41 Projecto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL 3) Tendo em vista a elaboração, a adequação e a reformulação do Projcto Curricular de Turma e a adopção de estratégias de diferenciação pedagógica, a avaliação deverá incluir uma vertente de diagnóstico, a qual pode ocorrer em qualquer momento do ano letivo quando articulada com a avaliação formativa. 4) A avaliação formativa, primordial modalidade de avaliação no ensino básico, visa a regulação do processo de ensino e de aprendizagem. Deste modo, a avaliação formativa, incidindo sobre os conhecimentos, as capacidades, as atitudes e os valores revelados pelo aluno ao longo do ano letivo, quer no âmbito da sala de aula, quer em estudo individualizado, deverá também valorizar processos de auto-avaliação e recorrer a uma variedade de instrumentos de recolha de informação – testes e fichas escritas, relatórios, trabalhos práticos, trabalhos individuais ou em grupo (propostos ou de iniciativa própria), intervenções orais ao longo das aulas, grelhas de análise, grelhas de observação, observações intuitivas e pontuais, questionários diversos, etc. , de acordo com a natureza das aprendizagens e dos contextos em que ocorrem. 5) Constituem objeto de avaliação relativamente a conhecimentos, capacidades, atitudes e valores:  Ser pontual;  Ser assíduo;  Ser empenhado no cumprimento de todos os seus deveres no âmbito do trabalho escolar, na sua educação e formação integral;  Seguir as orientações dos professores relativas ao seu processo de aprendizagem;  Apresentar o material escolar necessário à aula;  Participar na aula de forma oportuna;  Realizar os trabalhos propostos e/ou de iniciativa própria;  Revelar adequado domínio da língua portuguesa;  Comunicar conhecimentos (ou oralmente ou por escrito), utilizando linguagens específicas de diferentes áreas do saber cultural, científico, artístico, físico e tecnológico;
  43. 43. 42  Articular saberes e conhecimentos para compreender a realidade e propor resolução de problemas;  Participar na elaboração e exposição dos trabalhos de grupo: o pesquisando, selecionando, organizando e expondo a informação; o utilizando, sempre que possível, conhecimentos ministrados nas TIC´s; o cooperando com os outros;  Respeitar e valorizar o património natural e histórico-cultural;  Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço, numa perspetiva pessoal e interpessoal;  Realizar os testes sumativos de avaliação onde também serão avaliados os conhecimentos/competências resultantes dos contributos específicos de cada disciplina. 6) A avaliação sumativa consiste na formulação de um juízo globalizante sobre o desenvolvimento das aprendizagens e competências realizadas pelo aluno, no quadro de cada área curricular/disciplina. Esta modalidade de avaliação inclui uma avaliação sumativa interna e uma avaliação sumativa externa. 7) No final de cada período letivo, a informação resultante da avaliação sumativa interna:  conduz à atribuição de uma classificação, numa escala de níveis de 1 a 5, em todas as disciplinas, a qual pode ser acompanhada, sempre que se considere relevante, de uma apreciação descritiva;  A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos abrangidos pelo artigo 21º do decreto-Lei nº 3/2008, de 7 de Janeiro, expressa-se numa menção qualitativa de Muito Bom, Bom, Suficiente e Insuficiente, acompanhada de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluino. 8) No final de cada período letivo, será preenchida pelo Conselho de Turma uma ficha de registo de avaliação própria que deverá consubstanciar o perfil das competências, capacidades, atitudes, valores e conhecimentos revelados por cada aluno. Esse perfil deverá estar em consonância com o estabelecido nos pontos 5, 6, 7 deste documento. 9) O comportamento do aluno nas aulas tem profundos reflexos no ensino/aprendizagem. Por isso, não podendo ser ignorado pelo Conselho de Turma, esse comportamento deverá ser registado na ficha de avaliação do aluno, no final de cada um dos períodos letivos.
  44. 44. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito 43 Projecto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL Menções nos elementos de avaliação 10) Devendo preferencialmente ser descritivas, as menções decorrentes da avaliação formativa poderão traduzir-se numa informação qualitativa expressa na seguinte escala: Fraco, Insuficiente, Suficiente, Bom e Muito Bom. 11) Os testes sumativos de avaliação serão classificados quantitativamente, numa escala percentual de 0 a 100. Para complemento da classificação quantitativa, poder-se-á também utilizar menções qualitativas. 12) Outros elementos de avaliação, tais como trabalhos de grupo, trabalhos individuais, etc., poderão ser classificados com as menções qualitativas: Fraco, Insuficiente, Suficiente, Bom e Muito Bom. 13) A correspondência a considerar entre as menções qualitativas, a escala de níveis e a escala percentual, é a seguinte: Menção qualitativa Fraco Insuficiente Suficiente Bom Muito Bom Nível 1 2 3 4 5 Escala percentual [0, 19] [20, 49] [50, 69] [70, 89] [90, 100] Testes sumativos de avaliação 14) No âmbito das áreas curriculares disciplinares, com exceção das áreas Artística, Tecnológica e Física, os alunos devem realizar, pelo menos, dois testes sumativos por período letivo, salvo se nesse período realizarem exames. 15) Na disciplina de TIC, elementos de avaliação, são trabalhos de grupo, trabalhos individuais, etc 16) Os testes sumativos de avaliação carecem do conhecimento do aluno com antecedência não inferior a cinco dias úteis. Os alunos não deverão realizar mais do que um teste sumativo no mesmo dia, salvo se manifestarem expressamente a sua concordância. As datas dos testes sumativos devem ser registadas no local reservado para o efeito no livro de ponto.
  45. 45. 44 17) Os testes sumativos, depois de devidamente corrigidos e classificados, devem ser devolvidos aos alunos até ao último dia de aulas de cada período letivo, salvo se, impedimento do professor, devidamente justificado, o não permitir. Neste caso, deve o professor contactar o diretor de turma, ou quem as suas vezes fizer, para que o teste seja devolvido ao aluno no prazo anteriormente previsto. 18) Sem prejuízo da correção individualizada que o professor entenda fazer no próprio teste, a correção do mesmo deve ser feita, sempre que possível, por escrito e para toda a turma, na aula da devolução. 19) Os alunos devem dar a conhecer aos pais ou encarregados de educação os testes realizados, que deverão ser assinados. Os professores devem, até ao quinto dia útil subsequente à devolução do teste, proceder à verificação do cumprimento do disposto no número anterior, comunicando ao diretor de turma o nome dos alunos em falta, para que o pai ou encarregado de educação aceda ao conhecimento do resultado do teste Transição/Não Transição (5º,7.º e 8.º Anos) 20) a decisão de progressão do aluno ao ano de escolaridade seguinte é uma decisão pedagógica que compete ao respetivo Conselho de Turma. Todavia, e servindo apenas de elemento indicativo e proporcionador de uma certa uniformização de atuações por parte dos Conselhos de Turma dos 5.º 7.º e 8.º Anos de Escolaridade, o Órgão Pedagógico recomenda que os limiares de transição a considerar sejam os seguintes: Número de negativas Condição Situação 3 negativas Disc. A + Disc. B + Disc. C Transição 4 negativas Disc. A + Disc. B + Disc. C + Disc. D Retenção 21) Face a situações específicas e desviantes do acima preconizado, a decisão pedagógica recairá no Conselho de Turma que será sempre soberano. Deverá, todavia, justificar em razões pedagógicas a sua decisão, que deverá ser tomada por maioria dos professores que integram o Conselho de Turma. Em caso de empate, o presidente da reunião terá voto de qualidade. 22) A disciplina de Educação Moral e Religiosa, no 2º e 3º ciclos, o Apoio ao Estudo, no 2º ciclo, e as disciplinas de oferta complementar, nos 2º e 3º ciclos, não são consideradas para efeitos de progressão de ano e conclusão de ciclo.
  46. 46. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito 45 Projecto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL Admissão aos Exames Nacionais e Condições de Aprovação 23) A avaliação sumativa, no final do 6º e 9.º anos de escolaridade, inclui ainda a realização de uma prova global ou de um trabalho final em cada disciplina ou área disciplinar, incidindo sobre as aprendizagens e competências previstas para o final do ensino básico, com exceção das disciplinas de Português e de Matemática, relativamente às quais os alunos estão sujeitos a exames nacionais. Sobre esta matéria deve considerar-se o seguinte:  Compete ao Conselho Pedagógico, sob proposta de cada conselho de turma, aprovar a modalidade e a matriz das provas ou trabalho, bem como a marcação das datas e dos prazos da sua realização; 24) No final do 3.º período, o Conselho de Turma atribui uma classificação sumativa interna. Esta avaliação implica: a) a apreciação global das aprendizagens realizadas e das competências desenvolvidas pelo aluno ao longo do ano letivo; b) a verificação das condições de admissão aos exames nacionais de Português e de Matemática do 6º e 9.º anos, nos termos do artigo 10º do Despacho Normativo n.º 24-A /2012. Estão dispensados da realização de provas finais dos 2º e 3º ciclos os alunos que se encontrem nas condições seguintes: a) Se encontrem a frequentar percursos curriculares alternativos; b) Se encontrem a frequentar o ensino vocacional, c) Oriundos de países estrangeiros de língua oficial não portuguesa e que tenham ingressado no sistema educativo português no ano letivo correspondente ao da realização dos exames nacionais d) Se encontrem a frequentar cursos de educação e formação (CEF), programas integrados de educação e formação (PIEF) ou cursos de educação e formação de adultos (EFA) e) Estejam abrangidos pelo artigo 21º do Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro.
  47. 47. 46 Os alunos referidos no ponto anterior realizam, obrigatoriamente, os exames nacionais de Português e Matemática, no caso de pretenderem prosseguir estudos no ensino regular, respectivamente, no 3º ciclo, ou no nível secundário em cursos científico-humanísticos. 25) No final do 2º e do 3.º ciclo, o aluno não progride e obtém a menção de Não aprovado(a) se encontrar numa das seguintes situações: a) tenha obtido classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português e de Matemática; b) tenha obtido classificação inferior a 3 em três ou mais disciplinas. Alunos abrangidos pela modalidade de EDUCAÇÃO ESPECIAL 26) A avaliação dos alunos com N.E.E. (Necessidades Educativas Especiais) abrangidos pelos currículos próprios é da responsabilidade do Conselho de Turma, com a audição dos técnicos e dos serviços de Apoio Especializado. 27) A avaliação dos alunos com N.E.E. (Necessidades Educativas Especiais) abrangidos pelos currículos alternativos é da responsabilidade dos intervenientes no respetivo processo de ensino/aprendizagem, em relatório descritivo a apresentar, para aprovação, ao Conselho de Turma. Desta avaliação resultará, sempre que se ache necessário e pertinente no processo educativo do aluno, a adequação do seu programa educativo individual, numa perspetiva dinâmica de Currículo Escolar. 28) O programa educativo individual dos alunos que se encontrem numa das situações anteriores, constitui a referência de base para a tomada de decisão relativa à sua progressão ou retenção num ano ou ciclo frequentado. SITUAÇÕES ESPECIAIS 29) Sempre que ocorram situações suscetíveis de procedimentos especiais, as deliberações correspondentes serão divulgadas antes de cada um dos momentos de avaliação. Critérios Gerais de Avaliação De acordo com as orientações do Currículo Nacional, a avaliação incide sobre as aprendizagens e as competências definidas para as diversas áreas e disciplinas no quadro do Projeto Curricular de Escola e do Projeto Curricular de Turma, por ano de escolaridade.
  48. 48. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito 47 Projecto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL CRITÉRIOS COTAÇÃO Fichas de avaliação Trabalho desenvolvido na aula/atitudes  Participação  Fichas de trabalho  Trabalho de grupo  Atividades experimentais  Curiosidade científica  Respeito pelas opiniões alheias  Empenho nas tarefas propostas  ... Trabalhos de casa Assiduidade/Pontualidade Caderno diário Total 40 - 50% 20 - 35% 15 - 10% 3% 0 - 5% 100% Os alunos abrangidos por situações excepcionais deverão ser objeto de análise específica em cada disciplina (ex. atestado medico a E.F.)
  49. 49. 48 ANEXOS
  50. 50. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito 49 Projecto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL Critérios de Avaliação por Área Curricular Disciplinar, para o 2º e 3º Ciclos Área Curricular: Português – 2º e 3º Ciclos Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de Avaliação Cognitivo 90% Compreensão oral - Compreensão de formas complexas do oral exigidas para prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. - Compreensão de enunciados orais; - Capacidade de retenção de informação contida em textos ouvidos. Expressão oral - Fluência e adequação da expressão oral em contextos formais. - Expressão verbal em interação/clareza de expressão. 20% Leitura (recreativa; orientada; para informação e estudo) - Fluência de leitura e eficácia na seleção de estratégias adequadas ao fim em vista. - Compreensão de textos escritos/capacidade de extrair informação pertinente; - Capacidade de realização de leitura em voz alta (pronúncia, hesitações, trocas de sons e/ou palavras, repetições, omissões, pontuação, ritmo, leitura expressiva, leitura corrente…). 20% Testes de avaliação sumativa; Fichas de trabalho (interpretação e/ou conhecimento explícito); Trabalho de pares e/ou de grupo; Textos livres; Ficha de leitura recreativa; Grelhas de observação direta para a leitura/oralidade / trabalhos;
  51. 51. 50 Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de Avaliação Cognitivo Expressão escrita (expressiva e lúdica; para aquisição de técnicas e modelos; para aperfeiçoamento de texto) - Naturalidade e correção no uso multifuncional do processo de escrita. - Capacidade de reconstrução de textos/modelos ou que exijam técnicas específicas de elaboração (cartas, convites, recados, notícias, narrativo, poético…); - Capacidade de escrever com correção (legibilidade caligráfica, apresentação, erros ortográficos…); Conhecimento explícito - Conhecimento sistematizado dos aspetos básicos da estrutura e do uso do Português. - Conhecimento sistematizado de aspetos fundamentais da estrutura linguística/gramatical do português padrão; - Capacidade de reflexão sobre as falas, a escrita, a leitura. _______________________ 50% Testes de avaliação sumativa; Fichas de trabalho (interpretação e/ou conhecimento explícito); Trabalho de pares e/ou de grupo; Textos livres; Ficha de leitura recreativa; Grelhas de observação direta para a leitura/oralidade / trabalhos; Sócio–Afetivo 10% - Assiduidade e pontualidade; - Relacionamento inter-pessoal; - Comportamento adequado ao contexto sala de aula; - Realização dos trabalhos de casa; - Empenho na realização das tarefas propostas; - Participação oportuna e positiva. - Outros. 10% Grelhas de observação.
  52. 52. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito 51 Projecto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL Áreas Curriculares: Inglês (2º e 3º ciclos) Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de Avaliação Cognitivo ( 2º ciclo: 60%, 3º ciclo: 70%) Atitudes e valores ( 2º ciclo: 40%, 3º ciclo: 30%) Competência linguístico-comunicativa: Compreensão oral e escrita O aluno compreende: -o professor; -os colegas; -documentos; -enunciados escritos na sua globalidade; -informações /dados específicos. Produção oral e escrita O aluno exprime-se: -com adequação lexical; -com correção; morfossintáctica; -com correção ortográfica; -com pronúncia e entoação; -com organização; -fornecendo informações. O aluno revela: -interesse/empenho; -responsabilidade; -iniciativa/criatividade; -autonomia; -perseverança; -capacidade de auto e hetero- avaliação; -confiança em si próprio O aluno demonstra: -pontualidade; -assiduidade; -cooperação; -respeito; -consciência cívica;  Testes escritos (formativos e sumativos)  Fichas de trabalho  Trabalho individual/pares/grupo  Trabalhos de casa  Participação oral  Portfolio  Grelhas de observação direta  Fichas de auto e hetero- avaliação  Inquéritos
  53. 53. 52 Áreas Curriculares: Francês (3º ciclo) Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Percentagem atribuída Cognitivo Escrita ( compreensão e produção de textos escritos) Oralidade (compreensão e expressão) - Testes escritos (formativos e sumativos) - Trabalhos escritos individuais e/ou de grupos - TPC - Participação oral - Leitura - Dramatização de textos - “jeu de rôle” 50% 10% 5% 20% Atitudes e Valores -Pontualidade -Assiduidade -Consciência cívica -Responsabilidade -Respeito -Perseverança -Interesse -Criatividade -Capacidade de auto e hetero avaliação -Confiança em si próprio -Autonomia -Espírito de iniciativa - Grelhas de observação Direta - Fichas de auto e hetero avaliação - Inquéritos 15%
  54. 54. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito 53 Projecto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL Área Curricular: História e Geografia de Portugal – 2º Ciclo Domínio Parâmetros de avaliação Instrumentos de avaliação Cognitivo/ Psicomotor  Localização dos acontecimentos, no espaço e no tempo;  Compreensão dos conceitos de mudança/ permanência;  Interpretação histórica;  Reconhecimento de quadros de referência: individual, familiar, local, regional, nacional, …;  Interpretação de representações gráficas;  Conceção de projetos simples;  Utilização de técnicas básicas de pesquisa, tendo por base as novas tecnologias de comunicação / informação;  Uso correto da linguagem própria da disciplina, num encadeamento lógico e de acordo com o nível etário;  Capacidade de análise e de espírito crítico,  Reconhecimento da importância da história na construção da sua identidade e no exercício da cidadania. _______________ 85%  Testes escritos  Fichas de trabalho  Trabalhos de grupo e individuais  Trabalhos de casa  Registos da participação oral  Preenchimento de frisos cronológicos Sócio-afetivo Assiduidade/ Pontualidade;  Comportamento;  Responsabilidade e interesse;  Caderno diário;  Espírito de tolerância;  Empenho e persistência nas tarefas;  Cooperação. _______________ 15%  Grelhas de observação de registo contínuo e diário.
  55. 55. 54 Áreas Curriculares: História - 3º ciclo Domínio Parâmetros de avaliação Instrumentos de Avaliação Cognitivo Raciocínio: Problematização de ideias Coerência na organização de ideias Clareza e precisão Conclusão do raciocínio Análise: Distinção entre as diferentes partes de um enunciado ou de uma questão Compreensão das questões ou enunciados que lhe são apresentados Identificação e interpretação das partes ou todo dos documentos Formulação de questões a partir de um documento ou afirmação Síntese: Capacidade de retirar o essencial dos documentos Resumo de textos por escrito e oralmente Organização dos seus apontamentos Articulação de novos conhecimentos com outros já adquiridos Método: Organização do seu trabalho Abordagem / utilização dos documentos de uma forma coerente Apresentação do trabalho de forma clara _______________ 85% - Fichas de avaliação sumativa - Trabalhos de casa - Trabalhos na sala de aula - Comentários de texto, figuras, gráficos, tabelas, mapas - Fichas de leitura - Resumos escritos/orais - Fichas biográficas - Questionários - Fichas de trabalho - Expressão oral - Trabalhos de grupo /pares/ individuais. - Lista de verificação de raciocínio, análise e síntese - Escalas de graduação para trabalhos escritos e de exposição oral - Grelhas de observação de desempenho Atitudes Assiduidade/pontualidade Responsabilidade Empenho Cooperação Iniciativa Espírito Crítico Respeito Concentração/atenção Participação/Intervenção Criatividade _______________ 15% - Registo de comportamentos/atitudes - Grelhas de observação: participação em trabalho de grupo/pares e empenho - Grelhas de Auto-avaliação - Escalas de classificação comportamentais
  56. 56. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Externato Secundário do Soito, Cooperativa de Ensino, CRL Tel 271601062 Fax 271605513 Email: geral@extsoito.com Rua do Colégio, 18 - Apartado 3 6320-666 Soito 55 Projecto Curricular de Escola Externato Secundário do Soito, CRL Área Curricular: Geografia - 3º ciclo Domínio Parâmetros de avaliação Instrumentos de Avaliação Cognitivo Raciocínio: Problematização de ideias Coerência na organização de ideias Clareza e precisão Conclusão do raciocínio Utilização de vocabulário adequado à disciplina Análise: Distinção entre as diferentes partes de um enunciado ou de uma questão Compreensão das questões ou enunciados que lhe são apresentados Identificação e interpretação das partes ou todo dos documentos geográficos Formulação de questões a partir de um documento ou afirmação Síntese: Capacidade de retirar o essencial dos documentos geográficos Resumo de textos por escrito e oralmente Organização dos apontamentos Articulação de novos conhecimentos com outros já adquiridos Método: Organização do seu trabalho Abordagem / utilização dos documentos de uma forma coerente Apresentação do trabalho de forma clara ----------------- 80 % - Fichas de avaliação sumativa - Trabalhos de casa - Trabalhos na sala de aula - Comentários de texto, figuras, gráficos, tabelas, mapas - Fichas de leitura - Resumos escritos/orais - Questionários - Fichas de trabalho - Expressão oral - Trabalhos de grupo /pares/ individuais. Atitudes Assiduidade/pontualidade Responsabilidade Empenho Cooperação Iniciativa Espírito Crítico Respeito Concentração/atenção Participação/Intervenção Criatividade ----------------- 20 % - Registo de comportamentos / atitudes - Grelhas de observação: participação em trabalho de grupo/pares e empenho - Grelhas de Auto-avaliação

×