SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
COLÉGIO ESTADUAL A. J. RENNER




       REGIMENTO ESCOLAR



        ENSINO FUNDAMENTAL
            ENSINO MÉDIO
EJA (EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS)
               MÉDIO




            MONTENEGRO
2




1. IDENTIFICAÇÃO E ATOS LEGAIS..........................................................................                                  1
2. DA ESCOLA. FINS E OBJETIVOS............................................................................                                4
2.1 FILOSOFIA DA ESCOLA............................................................................................                       4
2.2 FINS...............................................................................................................................   4
2.3 FINALIDADE E OBJETIVOS DO ENSINO FUNDAMENTAL.............................                                                             4
2.4 FINALIDADE E OBJETIVOS DO ENSINO MÉDIO..................................................                                              5
2.5 FINALIDADE E OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS...........                                                                     5
2.6 NÍVEIS, MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO..........................................                                                    6
3. DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA...............................                                                              6
3.1 DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR............................................................................                                  6
3.1.1 DA DIREÇÃO.............................................................................................................             6
3.1.1.1 DO DIRETOR..........................................................................................................              6
3.1.1.2 DO VICE-DIRETOR...............................................................................................                    6
3.2 DOS SERVIÇOS DE APOIO ADMINISTRATIVO E PEDAGÓGICO.....................                                                                7
3.2.1 DO SERVIÇO DE SECRETARIA.............................................................................                               7
3.2.2 DO SERVIÇO DE MATERIAL DE PATRIMÔNIO................................................                                                7
3.2.3 DOS SERVIÇOS GERAIS.........................................................................................                        8
3.2.4 ASSISTENTE ADMINISTRATIVO- FINANCEIRO..............................................                                                 8
3.2.5 DOS SERVIÇOS DE APOIO PEDAGÓGICO.........................................................                                           8
3.2.5.1 DO CONSELHO ESCOLAR...................................................................................                            9
3.2.5.2 DO SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL...........................................                                                   9
3.2.5.3 DO SERVIÇO DE SUPERVISÃO ESCOLAR.......................................................                                           9
3.2.5.4 DO SERVIÇO DE AUDIOVISUAL.......................................................................                                  10
3.2.5.5 DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA ESCOLAR........................................................                                          10
3.2.5.6 DO BANCO DO LIVRO.........................................................................................                        10
3.2.5.7 DO LABORATÓRIO DE BIOLOGIA, FÍSICA E QUÍMICA...............................                                                       10
3.2.5.8 DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA...................................                                                        11
3.3 DAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES............................................................................                                11
3.3.1 DO CÍRCULO DE PAIS E MESTRES......................................................................                                  11
3.3.2 DO GRÊMIO ESTUDANTIL.....................................................................................                           11
4. DA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR........................................................................                                      11
4.1 DO REGIMENTO ESCOLAR.......................................................................................                           11
4.1.1 DA MATRÍCULA.......................................................................................................                 12
4.1.1.1 DA TRANSFERÊNCIA...........................................................................................                       12
4.1.2 DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E ADAPTAÇÕES.................................                                                          13
4.2 DOS PLANOS DE ESTUDOS......................................................................................                           14
4.3 PROGRAMA DE TRABALHO DO PROFESSOR......................................................                                               14
3




4.4 PROJETO PEDAGÓGICO............................................................................................               14
4.5 METODOLOGIA DE ENSINO....................................................................................                    14
4.6 DA AVALIAÇÃO.........................................................................................................        15
4.6.1 DA ESCOLA...............................................................................................................   16
4.6.2 DO ALUNO................................................................................................................   16
4.6.2.1 DA RECUPERAÇÃO..............................................................................................             18
4.6.2.2 DA CLASSIFICAÇÃO DO ALUNO......................................................................                          18
4.6.2.3 DOS NÍVEIS DE PROMOÇÃO..............................................................................                     19
4.6.2.4 DOS AVANÇOS......................................................................................................        19
4.6.2.5 DA RECLASSIFICAÇÃO DO ALUNO.................................................................                             19
4.6.2.6 DO CONSELHO DE CLASSE................................................................................                    20
4.6.2.7 DOS CERTIFICADOS............................................................................................             20
5. NORMAS DE CONVIVÊNCIA NA ESCOLA...........................................................                                    20
5.1 DO CORPO DOCENTE................................................................................................             21
5.2 DO CORPO DISCENTE...............................................................................................             21
5.2.1 DOS DIREITOS..........................................................................................................     21
5.2.2 DOS DEVERES..........................................................................................................      22
5.2.3 DAS MEDIDAS PEDAGÓGICAS...........................................................................                         22
5.3 DOS FUNCIONÁRIOS................................................................................................             23
6. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS......................................................................................                  23
7. DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS.......................................................................                           24
4




2. DA ESCOLA, FINS E OBJETIVOS


2.1. FILOSOFIA DA ESCOLA
     Propomo-nos a atuar em educação, visando formar uma sociedade justa,
democrática com valores humanistas, buscando a transformação social apoiada
no crescimento científico, na justiça, na liberdade, no respeito, na honestidade,
na responsabilidade, na criticidade e autenticidade de forma a possibilitar o
desenvolvimento das múltiplas inteligências, a descoberta, a criatividade e a
expressão para a socialização do saber.
     O Colégio terá como princípio uma educação libertadora, formada de
sujeitos críticos e transformadores da realidade, na perspectiva da construção
de uma sociedade justa, preocupada com o meio ambiente e com o crescimento
científico, com a capacidade de promover o desenvolvimento sadio, coletivo e
individual com condições de dominar o conteúdo elaborado, recriando o seu
saber, dentro do exercício de cidadania com visão clara e crítica, articulada e
coerente sobre sua ação.


2.2. FINS
     A Escola tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar-lhe a
formação comum, indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe
meios para progredir no trabalho e adquirir novos conhecimentos.


2.3. FINALIDADE E OBJETIVOS DO ENSINO FUNDAMENTAL
     A Escola propõe-se a desenvolver:
     I – a capacidade de aprendizagem do aluno, possibilitando-lhe a livre
expressão, clareza de pensamento, aquisição de conhecimentos e habilidades e
a formação de atitudes e valores;
5




     II – a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da
tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamentam a sociedade, para
que o aluno possa inserir-se de forma participativa, na comunidade em que vive.


2.4. FINALIDADE E OBJETIVOS DO ENSINO MÉDIO
     A Escola propõe-se, através do Ensino Médio:
     I – a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no
Ensino Fundamental;
     II – a preparação básica para o trabalho e a cidadania dando ao educando
condições de adaptar-se a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento;
     III – o aprimoramento do educando como pessoa humana;
     IV – a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos
processos produtivos.


2.5. FINALIDADE E OBJETIVOS DA EJA (EDUCAÇÃO DE JOVENS E
ADULTOS)
     I – a Educação de Jovens e Adultos, no nível de conclusão do Ensino
Médio, é destinada a suprir a escolarização regular de jovens e adultos, que não
tenham seguido ou concluído, na idade própria, melhorando o desenvolvimento
sócio-político-cultural da clientela, oportunizando a aquisição de melhores
condições para se integrar ao mundo do trabalho;
     II – oferecer a oportunidade de concluir o Ensino Médio;
     III – consolidar e aprofundar os conhecimentos adquiridos no Ensino
Fundamental, possibilitando o prosseguimento dos estudos;
     IV – preparar para o trabalho e a cidadania para continuar aprendendo de
modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de
ocupação ou aperfeiçoamento posteriores;
     V – aprimorar o educando como pessoa humana, incluindo a formação
ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico;
     VI – compreender os fundamentos científico-tecnológicos dos processos
produtivos, relacionando a teoria com a prática.
6
7




2.6. NÍVEIS E MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO
     A escola mantém: Educação Básica constituída por:
     - Ensino Fundamental (séries finais);
     - Ensino Médio/
     - EJA (Educação de Jovens e Adultos), em nível de Ensino Médio.


3. DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA


3.1. DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
     A administração escolar é constituída por:
     I – Diretor;
     II – Vice-Diretor.


3.1.1. DA DIREÇÃO
     A Direção é exercida pelo Diretor e Vice-Diretor.


3.1.1.1. DO DIRETOR
     O diretor é o elemento que representa legalmente a Escola e tem a seu
encargo a administração do estabelecimento, dirigindo e supervisionando todas
as atividades realizadas em consonância com as liberações do Conselho
Escolar.
     O provimento e as atribuições do cargo são as constantes na legislação
vigente.


3.1.1.2. DO VICE-DIRETOR
     O Vice-Diretor é o elemento co-participante da Direção e substituto legal
do Diretor. Seu aproveitamento e atribuições são as constantes na legislação
vigente.
8




3.2. DOS SERVIDORES DE APOIO ADMINISTRATIVO E PEDAGÓGICO
     Os serviços de Apoio Administrativo são constituídos por:
     I – serviço de secretaria;
     II – serviço de Material e Patrimônio;
     III – serviços gerais;
     IV – Assistente Administrativo-Financeiro;
     V – serviço de Apoio Pedagógico.


3.2.1. DO SERVIÇO DE SECRETARIA
     A secretaria é o órgão responsável pela documentação escolar,
competindo-lhe zelar pela sua legalidade, autenticidade, guarda e conservação,
devendo o respectivo titular possuir registro ou autorização para o exercício da
função.
     As competências de serviço de secretaria estão definidas pela legislação
vigente e Planto Integrado da Escola.


3.2.2. DO SERVIÇO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO
     O serviço de Material e Patrimônio tem a seu encargo a manutenção e
controle dos recursos materiais pertencentes ao Estabelecimento de Ensino.
     O responsável pelo serviço de Material e Patrimônio é um elemento
indicado pela Direção, em consonância com o Conselho Escolar.
     Patrimônio da Escola é constituído pelo conjunto de bens e recursos
colocados a sua disposição pela Entidade Mantenedora e, ainda, pelos
provenientes de contribuições, doações, auxílios, legados e pelos resultantes de
outras rendas regulares ou eventuais com legislação vigente.
     O    Patrimônio    da    Escola   fica   sob   a   guarda,   administração   e
responsabilidade da Direção, cabendo ao responsável pelo serviço de Material
e Patrimônio registrar, no Livro de Tombamento, os bens móveis da Escola.
9




3.2.3. DOS SERVIÇOS GERAIS
     São competências dos Serviços Gerais as providências para a
manutenção da ordem e da vigilância do prédio, a coordenação do pessoal de
serviço e a conservação do equipamento e das instalações em condições de
segurança e limpeza.
     Consta, no Plano Político Pedagógico da Escola, a discriminação das
atribuições do encarregados pelos Serviços Gerais.
     Demais competências definidas pela legislação vigente e no Plano Político
Pedagógico da Escola.


3.2.4. ASSISTENTE ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO
     O Assistente Administrativo Financeiro será escolhido pela Equipe Diretiva
e Conselho Escolar do Estabelecimento de Ensino dentre os servidores públicos
estáveis com formação universitária ou técnica compatível com as atribuições
da função e legislação vigente.
     As   competências       do   Assistente   Administrativo   Financeiro   estão
estabelecidas na legislação vigente.


3.2.5. DOS SERVIÇOS DE APOIO PEDAGÓGICO
     Aos Serviços de Apoio Pedagógico compete o assessoramento às
atividades pertinentes ao processo ensino-aprendizagem.
     Constituem os Serviços de Apoio Pedagógico:
     I – Conselho Escolar;
     II – Serviço de Orientação Educacional;
     III – Serviço de Supervisão Escolar;
     IV – Serviço de Audiovisual;
     V – Biblioteca Escolar;
     VI – Banco do Livro;
     VII – Laboratório de Biologia, Física e Química;
     VIII – Laboratório de Informática Educativa.
10




3.2.5.1. DO CONSELHO ESCOLAR
     A estrutura, a composição e as competências do Conselho Escolar são as
definidas em lei.


3.2.5.2. DO SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL
     O serviço de Orientação Educacional é exercido pelo Orientador
Educacional, devidamente habilitado, assessorado pelo professor Conselheiro
de Turma.
     O Orientador Educacional coordena a ação que visa a integrar o aluno ao
processo    ensino-aprendizagem     e   ao   meio   ambiente,    como    também
proporcionar condições que facilitem a integração entre Escola-Família-
Comunidade.
     Na falta de profissional habilitado, este serviço fica a cargo do órgão
regional de educação.
     As atribuições específicas do Orientador Educacional constam no Projeto
Político Pedagógico.


3.2.5.3. DO SERVIÇO DE SUPERVISÃO ESCOLAR
     O serviço de Supervisão Escolar acompanha o desenvolvimento do
trabalho pedagógico, assessorando o professor na orientação do processo de
aprendizagem do aluno.
     O serviço de Supervisão Escolar é constituído por Supervisor Escolar com
titulação específica e pelos coordenadores das diferentes disciplinas.
     Na falta de um profissional habilitado, assume a coordenação do Serviço
de Supervisão Escolar, um professor com Licenciatura Plena.
     As atribuições do Serviço de Supervisão Escolar constam na legislação
vigente.
11




3.2.5.4. DO SERVIÇO DE AUDIOVISUAL
     O serviço de Audiovisual subsidia e complementa as atividades do
processo ensino-aprendizagem e está a cargo de um professor com habilidade
para tal, indicado pela equipe diretiva e Conselho Escolar.
     A programação e as atribuições do responsável pelo serviço constam no
Projeto Político Pedagógico.


3.2.5.5. DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA ESCOLAR
     A biblioteca tem por finalidade apoiar e servir de instrumento no
desenvolvimento do currículo, contribuindo para a melhoria do nível cultural dos
alunos, professores, funcionários, servidores e comunidade.
     O responsável pela biblioteca, titulado, ou na falta deste, professor
indicado pela equipe diretiva e Conselho Escolar, tem suas atribuições
específicas no Projeto Político Pedagógico.


3.2.5.6. DO BANCO DO LIVRO
     O objetivo deste serviço é fornecer aos alunos os livros didáticos
necessários ao desenvolvimento das disciplinas curriculares. Visa, ainda,
despertar hábitos e atitudes no que se refere ao bom uso e ao reaproveitamento
dos livros distribuídos. O atendimento ao Banco do Livro fica a cargo do
responsável pela Biblioteca Escolar.


3.2.5.7. DO LABORATÓRIO DE BIOLOGIA, FÍSICA E QUÍMICA
     O laboratório tem por finalidade auxiliar na construção de conceitos
científicos, dentro de uma proposta pedagógica que alia reflexão e ação, nas
disciplinas de Biologia, Física e Química.
     O material necessário ao funcionamento do laboratório é o adequado ao
planejamento dos professores da área científica.
12




3.2.5.8. DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA
     O Laboratório de Informática Educativa tem por objetivo promover o
trabalho interdisciplinar, vivenciando o uso de recursos tecnológicos avançados.


3.3. DAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES
     Fazem parte da Organização Escolar as seguintes instituições:
     I – Círculo de Pais e Mestres;
     II – Grêmio Estudantil


3.3.1. DO CÍRCULO DE PAIS E MESTRES
     O Círculo de Pais e Mestres é instituído que visa a integrar Escola-Família-
Comunidade, a fim de prestar assistência ao aluno.
     O Círculo de Pais e Mestres, adotando o estatuto-padrão, rege-se por
normas próprias emanadas do órgão competente e em consonância com o
Projeto Político Pedagógico.


3.3.2. DO GRÊMIO ESTUDANTIL
     O Grêmio Estudantil é a instituição que congrega todos os alunos da
Escola, com finalidade social, desportiva, cultural, cívica e educacional.
     A constituição, a organização e o funcionamento do Grêmio Estudantil
estão definidos em estatuto próprio, elaborado conforme a legislação vigente e
as normas emanadas do órgão competente do sistema de ensino.


4. DA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR


4.1. DO REGIME ESCOLAR
     A Escola adota o regime seriado, no Ensino Fundamental e no Ensino
Médio, sendo que na EJA (Educação de Jovens e Adultos) em nível médio, a
Escola adota o regime de matrícula por Etapa, sendo pré-requisito a aprovação
das Etapas anteriores.
13




     A EJA está estruturada em 3(três) etapas, sendo que cada uma contém
800horas, totalizando 2400(duas mil e quatrocentas horas), distribuídas em 200
dias letivos anuais.
     As normas gerais para a fixação do Calendário Escolar atendem às
disposições legais em vigor e às diretrizes da Entidade Mantenedora.
     O Calendário Escolar é elaborado pela Equipe de Coordenação
Pedagógica,    juntamente   com     o   Conselho   Escolar,   apresentando   aos
professores, se necessário alterado e aprovado em reunião com representantes
de todos os segmentos da comunidade escolar, sendo homologado pela 2ª
Coordenadoria Regional de Educação (2ª CRE).


4.1.1. DA MATRÌCULA
     A matrícula vincula o aluno à Escola.
     O processamento da matrícula obedece às normas expedidas pela
Secretaria de Educação.
     A matrícula na Escola compreende:
     I – admissão de alunos novos;
     II – admissão de alunos por transferência;
     III – admissão de alunos independentemente de escolarização anterior,
conforme legislação vigente.
     A ausência de documentação no momento da realização da matrícula não
impede sua efetivação, cabendo à Escola providenciar meios para classificar o
aluno na séria ou etapa adequada.
     A rematrícula segue as normas vigentes.
     Para o ingresso no Ensino Médio, modalidade EJA, será observada a
idade mínima de 18 anos, conforme legislação vigente.


4.1.1.1. DA TRANSFERÊNCIA
     A transferência é concedida em qualquer época do ano, por solicitação do
responsável pelo aluno ou pelo próprio aluno, se maior de idade.
14




     Ao conceder a transferência, a Escola obriga-se a fornecer, ao aluno, no
menor prazo possível, a documentação comprobatória de sua vida escolar.
     A aceitação de transferência do aluno condiciona-se à existência de vaga.
     O aluno transferido, amparado em Lei, tem sua matrícula garantida,
independente da existência de vaga.
     O estudo do Histórico Escolar e demais documentos apresentados pelo
aluno matriculado por transferência é feito pelo Serviço de Supervisão Escolar,
visando ao aproveitamento de estudos e/ou adaptações curriculares.
     O aluno transferido está sujeito às adaptações curriculares que se fizerem
necessárias, aproveitados os estudos concluídos com êxito na Escola de
Origem.


4.1.2. DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E ADAPTAÇÕES
     O aproveitamento de estudos é feito pela dispensa ou substituição de uma
disciplina por outra a que se atribui idêntico ou equivalente valor formativo.
         A adaptação é o processo de atendimento especial oferecido ao aluno
matriculado por transferência, quando há divergência entre o Plano de Estudos
da Escola e o Histórico Escolar apresentado.
     A     adaptação   inclui   recuperação   de   objetivos   e   conteúdos     não
desenvolvidos e disciplinas não cursadas e a dispensa de estudos já realizados,
que sejam suficientes para prosseguimento dos estudos em seu novo currículo.
     A adaptação é providenciada a partir da efetivação da matrícula.
     O processo de adaptação é orientado pelo Serviço de Supervisão Escolar,
a quem compete assessorar os professores na preparação de planos especiais
e aprovar o acompanhamento da execução desses planos.
     O aproveitamento de estudos e o resultado da adaptação são registrados
no Diário de Classe e nos documentos individuais do aluno, no espaço
reservado às adaptações e, também, em ata específica.
     Na Educação de Jovens e Adultos (EJA),o aluno realizará provas de
classificação, mediante a apresentação de Histórico Escolar ou de Certificado,
conforme o caso.
15




4.2. DOS PLANOS DE ESTUDOS
    A Escola organiza seus Planos de Estudos em consonância com:
    I – os princípios norteadores da legislação vigente;
    II – a política educacional do Sistema Estadual de Ensino;
    III – os objetivos da Escola.
    Os Planos de Estudos, com a respectiva indicação das séries e horas-aula,
objetivos e conteúdos, em que cada componente curricular é trabalhado, são
homologados pela 2ª Coordenadoria Regional de Ensino (2ª CRE).


4.3. PROGRAMA DE TRABALHO DO PROFESSOR
    Os planos de trabalho são elaborados, anualmente, pelos professores,
tendo como base os planos de estudos preservando a integridade e a coerência
da proposta pedagógica.
    O professor deve avaliar e oportunizar, aos alunos, momentos de
avaliação da proposta de trabalho.


4.4. PROJETO PEDAGÒGICO
    O Projeto Pedagógico é elaborado e aprovado a partir de trabalhos
realizados com representantes dos diferentes segmentos como COM, CE,
Funcionários,    Direção,     SSE,     Pais,    Alunos,    sendo   apontadas
questões/temáticas, a serem aprofundadas no decorrer do período letivo, e
alteradas, melhoradas e reavaliadas quando necessárias.


4.5. DA METODOLOGIA DE ENSINO
    A proposta metodológica da Escola está baseada na rigorosidade
metódica, ou seja, na forma como são tratados os ciclos e nas produções de
conhecimento que possibilitem a inserção interventora dos sujeitos em tempos e
espaços reais e que, assim, podem promover sua humanização.
    Desta forma, é importante ressaltar o interacionismo como teoria de
conhecimento, pois entendemos a construção deste numa relação de
reciprocidade, onde sujeitos e objetos se complementam e se necessitam, para
16




que elaborações e assimilações significativas se concretizem pontuando, como
essencial, um processo dialético de relação.
     Assim, também, buscamos na Pedagogia Progressista, a qual sustenta as
finalidades sócio-políticas da Educação, mais especificamente na Educação
Libertadora, princípios que possam respaldar o pensar e o fazer educação, para
que liberdades sejam descobertas como forma de “ler” o mundo, entendendo-o
transformando-o no sentido de que nos percebemos nele e com ele.
     Na EJA serão oportunizadas aulas presenciais e não-presenciais, de modo
que, os objetivos de uma construção interdisciplinar do conhecimento seja
contemplado e, para que seja oportunizado ao corpo docente um momento de
formação específico que tal modalidade de ensino necessita.


4.6. DA AVALIAÇÃO
     A avaliação deve responder à dinâmica do processo ensino-aprendizagem
e a necessidade de reconstrução do processo de avaliação como parte de um
movimento articulado pelo compromisso com o desenvolvimento de uma prática
pedagógica comprometida com a inclusão, com a pluralidade, com o respeito às
diferenças, com a construção coletiva. O processo de avaliação como parte da
dinâmica ensino-aprendizagem – “A avaliação como processo contínuo e
formativo”.
     A avaliação abrange dois focos distintos, específicos e intimamente
relacionados:
     - A Escola como um todo;
     - O aluno no seu desempenho escolar.
     A avaliação exerce a função diagnóstica e classificatória.
Diagnóstica: a avaliação diagnóstica é vista como um processo de construção
permanente de acerto de estratégias para mobilizar a aprendizagem, de auxílio
a alunos e professores.
     A avaliação diagnóstica servirá de ajuda ao processo de ensino-
aprendizagem; fornecerá aos professores elementos que permitam identificar os
conhecimentos prévios dos alunos, bem como, os pontos críticos para que se
17




avance na construção do conhecimento, tendo em vista um projeto de escola
não-excludente.
Classificatória: são variadas e complexas as razões que levam à decisão de
fazer com que um aluno repita o ano. A Escola propõe-se a tornar objetivos,
precisos e mensuráveis, os indicadores de sucesso e fracasso no processo
ensino-aprendizagem.


4.6.1. DA ESCOLA
     A Escola procede, periodicamente, a avaliação de todas as suas
realizações, face aos objetivos expressos no Projeto Político Pedagógico da
Escola.
     A avaliação da Escola envolve duas etapas:
- avaliação interna de cada atividade, Serviço ou Instituição;
- avaliação global da Escola.
     Os resultados da avaliação da Escola, como um todo, bem como os
resultados da “Avaliação Externa”, serem de base para a reavaliação e o
aperfeiçoamento do Projeto Político Pedagógico da Escola para o ano letivo
seguinte.


4.6.2. DO ALUNO
     É processo sistemático de diagnóstico, controle e verificação do
rendimento escolar.
     A verificação do rendimento escolar compreende a avaliação do
aproveitamento e apuração da assiduidade.
     Na avaliação do aproveitamento, os aspectos qualitativos preponderam
sobre os quantitativos.
     O nível dos objetivos propostos pelo professor é que determina a
preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos.
     A avaliação do aproveitamento é realizada durante e ao final de cada
trimestre e, ao final das atividades anuais, através de dados coletados sobre o
desempenho do aluno.
18




     O professor realiza a avaliação do aproveitamento com base nos objetivos
específicos de sua disciplina e/ou de cada atividade.
     A Escola determina valores diferenciados para cada trimestre, de forma
que, na escala adotada, o aluno possa, ao final do período letivo, alcançar o
valor máximo desta escala – 100 (cem) pontos.
     Ao final do período letivo, a apuração do aproveitamento do aluno é obtida
através da soma dos pontos dos trimestres, resultando na soma anual.
Portanto:
     1º Trimestre + 2º Trimestre + 3º Trimestre = Nota Anual
     Os trimestres têm seus valores máximos fixados da seguinte forma:
Primeiro Trimestre vale 30 (trinta) pontos; Segundo Trimestre vale 30 (trinta)
pontos e o Terceiro Trimestre vale 40 (quarenta) pontos.
     O aproveitamento mínimo suficiente para aprovação estabelecida pela
Escola é 60 (sessenta) pontos.
     A freqüência mínima estabelecida corresponde a 75% do total de horas de
efetivo trabalho docente.
     A escola comunica a infreqüência do aluno aos pais ou responsáveis e
também ao Conselho Tutelar, quando menor de idade, antes de o aluno atingir
o total máximo previsto na legislação vigente.
     O aluno infreqüente, amparado em legislação específica, recebe
tratamento especial.
      A avaliação do aproveitamento da EJA (Educação de Jovens e Adultos)
será realizada através de parecer descritivo. Sendo assim, as avaliações dentro
de cada etapa terão as seguintes menções: S (satisfatório) e I ( insatisfatório),e
ao final de cada etapa são “A” de Avançar e “P” de Permanecer.
     Para o aluno obter aprovação no final do período letivo, deverá atingir 50%
(cinqüenta) dos objetivos propostos.
      Na EJA, será exigido o mínimo de 75% (setenta e cinco) de freqüência,
sendo que os alunos amparados em legislação específica terão tratamento
especial.
19




     O aluno, na disciplina de Educação Física, é dispensado nos temos da
legislação vigente.
     No Ensino Fundamental, no Ensino Médio e na EJA (Ensino Médio), os
resultados da avaliação, emitidos pelo Conselho de Classe, são comunicados
aos pais, responsáveis e ao próprio aluno (de maior) através de instrumento
adequado a este fim e a critério da Escola.


4.6.2.1. DA RECUPERAÇÃO
     A Escola oferece estudos de recuperação conforme a legislação vigente e
descrita em seu Projeto Político Pedagógico.
     Os estudos acima referidos vinculam-se basicamente aos objetivos não
atingidos pelo aluno.
     A recuperação é realizada mediante acompanhamento e controle contínuo
do aproveitamento do aluno, a quem são apresentadas atividades de
recuperação, a fim de prevenir ou suprir falhas de aprendizagem.
     O professor, orientado pelo Supervisor Escolar, é responsável pelo
planejamento, desenvolvimento, controle e avaliação das atividades de
recuperação do aluno, não podendo delegar estas atribuições, salvo casos
amparados em Lei.


4.6.2.2. DA CLASSIFICAÇÃO DO AUNO
     A classificação em qualquer série do Ensino Fundamental (Séries Finais),
Ensino Médio e Etapa da EJA (Ensino Médio) pode ser feita por:
     - promoção, para alunos que cursam a série anterior na própria Escola;
     - transferência, para alunos procedentes de outra escola;
     - independente da escolaridade anterior, mediante avaliação realizada pela
Escola, que defina o grau de desenvolvimento e experiência do aluno e que
permitam sua inscrição na série ou etapa adequada em conformidade com as
normas do Sistema Estadual de Ensino.
20




4.6.2.3. DOS NÍVEIS DE PROMOÇÃO
     Considera-se aprovado o aluno que, ao final do período letivo, obtém
aproveitamento igual ou superior a 60% (sessenta) e freqüência mínima de 75%
(setenta e cinco).
     É considerado reprovado o aluno que obtém:
- freqüência inferior a 75% durante o ano letivo;
- aproveitamento inferior a 60%;
     O aproveitamento final é obtido através do somatório das notas dos
trimestres.
     *EJA (Educação de Jovens e Adultos), conforme Plano de Estudos
Próprio.


4.6.2.4. DOS AVANÇOS
      Cabe ao professor regente da disciplina e ao Serviço de Supervisão
Escolar prever e organizar verificações apropriadas em períodos adequados, ao
longo do desenvolvimento curricular, capazes de verificar o grau de
conhecimento e adiantamento do aluno, permitindo-lhe avanços progressivos.
     Na EJA, o avanço para etapas seguintes será oferecido a partir da análise
do crescimento do aluno, que é realizado pelos professores da etapa em que
cada aluno se encontra e os da etapa seguinte. O avanço contemplará o
progresso individual e contínuo de cada aluno, respeitando o ritmo de
aprendizagem de cada um.
     Cabe à escola a responsabilidade de propiciar ao aluno a oportunidade de
avançar quando seus esforços e potencialidades atingirem os objetivos
estabelecidos para a etapa ou série cursada (conforme modalidade de ensino).
Essa possibilidade de avanço será verificada no Conselho de Classe.


4.6.2.5. DA RECLASSIFICAÇÃO DO ALUNO
     A escola poderá reclassificar os alunos utilizando-se dela para situá-lo na
série, visando integrá-lo no espaço-tempo adequado ao seu estágio de
desenvolvimento e suas possibilidades de crescimento.
21




     Compete ao Serviço de Supervisão Escolar a análise da documentação do
aluno e, após a avaliação de aprendizagem, reclassificá-lo de acordo com a
legislação vigente.


4.6.2.6. DO CONSELHO DE CLASSE
     O Conselho de Classe congrega os professores de cada turma da Escola,
com vistas à planificação das atividades curriculares, do aproveitamento e
assiduidade do aluno num momento de reflexão da prática educativa, tendo os
componentes um papel decisório.
     O Conselho de Classe é constituído pelo Diretor da Escola o seu
representante, Supervisor Escolar, Orientador Educacional, por todos os
professores da turma.
     O Coordenador do Conselho é Supervisor Escolar auxiliado pelo Professor
Conselheiro da Turma.
     O Conselho de Classe tem sua dinâmica e as atribuições de seus
membros descritas no Projeto Político Pedagógico da Escola.


4.6.2.7. DOS CERTIFICADOS


     O Certificado de Conclusão do Ensino Fundamental, Ensino Médio e da
EJA obedece à legislação vigente sendo entregue ao aluno concluinte, com o
conhecimento dos pais, em caso de ao aluno ser menor de idade.
     A Escola confere ao aluno Certificado de Conclusão e o Histórico Escolar
em duas vias.


5. NORMAS DE CONVIVÊNCIA NA ESCOLA
     As normas de convivência passam, necessariamente, por direitos e
deveres.
22




5.1. DO CORPO DOCENTE
     O professor é o responsável direto pela execução do ato pedagógico,
devendo toda a sua ação convergir para o alcance dos objetivos propostos.
     O Corpo Docente e Especialistas de Educação têm seus direitos, deveres
e sanções embasados em legislação específica vigente.


5.2. DO CORPO DISCENTE
     O Corpo Discente é constituído pelo alunado da Escola.


5.2.1. DOS DIREITOS
     São direitos do aluno:
     I – receber educação inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de
solidariedade humana capaz de torná-lo auto-realizado, cidadão consciente e
atuante na comunidade em que vive;
     II – conhecer o presente Regimento, solicitando, sempre que necessário,
informações sobre o mesmo;
     III – expor suas dificuldades encontradas na aprendizagem e receber
atendimento adequado;
     IV – apresentar sugestões relativas à melhoria da vida escolar;
     V – participar das atividades sociais, cívicas, religiosas, culturais e
recreativas promovidas pela escola;
     VI – participar das atividades do Grêmio Estudantil e do Conselho Escolar;
     VII – votar e ser votado para cargos eletivos na diretoria do Grêmio
Estudantil, para representante de turma e para Conselho Escolar, observando o
Regimento próprio de cada instituição;
     VIII – escolher o professor Conselheiro de Turma, a partir dos nomes
apresentados pelo Orientador Educacional;
     IX – prestar provas no momento previsto, ou fora dele, observando as
disposições legais vigentes;
     X – solicitar esclarecimentos, oralmente ou por escrito, sobre o resultado
da avaliação e revisão de provas, dentro do prazo estabelecido pela escola;
23




     XI – ser respeitado em sua individualidade;
     XII – participar de atividades curriculares;
     XIII – participar da elaboração e avaliação do Projeto Político Pedagógico
da Escola, através das entidades representativas, do Grêmio Estudantil e do
Conselho Escolar.


     5.2.2. DOS DEVERES
     São deveres do aluno:
     I – conhecer, respeitar e cumprir as normas regimentais da Escola;
     II – comparecer assídua e pontualmente à Escola, participando de todas as
atividades curriculares;
     III – comunicar à Direção ou a representante legal a necessidade de
saídas antecipadas;
     IV – justificar faltas dentro do prazo previsto;
     V – zelar pela conservação do prédio, mobiliário, equipamentos, material
bibliográfico   da   Escola,   responsabilizando-se     pelos   danos   causados,
individualmente ou em grupos;
     VI – cooperar na manutenção da ordem e higiene do ambiente escolar;
     VII – prestigiar os colegas investidos das funções de representantes de
turma ou com encargos no Grêmio Estudantil e no Conselho Escolar;
     VIII – ter adequado comportamento social, concorrendo para o bom nome
da escola;
     IX – tratar com respeito e cordialmente a Direção, professores,
funcionários e colegas;
     X – informar aos pais as comunicações da Escola.


5.2.2. DAS MEDIDAS PEDAGÓGICAS
     Pela inobservância das regras de convivência da Escola, o aluno deve ser
encaminhado a Direção da Escola, para que, junto com a família, receba
acompanhamento necessário.
24




     A Direção, Conselho Escolar e Coordenação Pedagógica, devem examinar
criteriosamente as situações especiais e, somente após esgotados todos os
recursos junto à família, efetivar encaminhamento ao Conselho Tutelar da
região.


5.3. DOS FUNCIONÁRIOS
     O Funcionário, profissional que exerce atividades na Escola, tem seus
direitos, deveres e sanções fundamentados em legislação específica vigente.


6. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
     Legislação de ensino, que modifique as disposições do presente
Regimento, tem aplicação imediata e automática.
     Os casos omissos neste Regimento são solucionados pela Direção,
ouvindo o Conselho Escolar e as partes envolvidas.
     Não havendo na Escola condições para a resolução do problema é
formulada consulta por escrito aos Órgãos competentes da Secretaria de
Educação, através da Coordenadoria Regional de Educação.
     Os   serviços   de   apoio   administrativo   podem,   eventualmente,    ser
acumulados por elemento da Secretaria enqunato a Escola não dispuser de
recursos humanos.
     Este Regimento é dado a conhecer a todos os participantes da
comunidade Escolar.
     Toda a publicação oficial que envolva a responsabilidade da Escola deve
ser submetida à autorização do Diretor.
     A utilização do prédio e de suas dependências, do patrimônio da Escola
para atividades estranhas à sua finalidade, ainda que de caráter oficial, deve ser
autorizada previamente pelo Diretor, após consulta ao Conselho Escolar e à
mantenedora em casos específicos.
25




7. DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS
     O Regimento e Quadro Síntese, aprovados e ainda em vigência para o
ensino fundamental e médio continuam em vigor até a aprovação do regimento
individualizado.
     Este Regimento entra em vigor após a emissão do órgão competente ato
legal e nos termos do mesmo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

“Agricultura Urbana: Desenvolvimento de uma Unidade Agroecológica Comunitária”
“Agricultura Urbana: Desenvolvimento de uma Unidade Agroecológica Comunitária” “Agricultura Urbana: Desenvolvimento de uma Unidade Agroecológica Comunitária”
“Agricultura Urbana: Desenvolvimento de uma Unidade Agroecológica Comunitária” Cepagro
 
Linguagens Códigos e suas tecnologias......
Linguagens Códigos e suas tecnologias......Linguagens Códigos e suas tecnologias......
Linguagens Códigos e suas tecnologias......Maria Vieira
 
Ensino religioso - referencial curricular de educação básica
Ensino religioso - referencial curricular de educação básicaEnsino religioso - referencial curricular de educação básica
Ensino religioso - referencial curricular de educação básicaMaria Vieira
 
Matematica - todos ps planos
Matematica - todos ps planosMatematica - todos ps planos
Matematica - todos ps planosMaria Vieira
 
Ciências da natureza - Referencial curricular
Ciências da natureza - Referencial curricularCiências da natureza - Referencial curricular
Ciências da natureza - Referencial curricularMaria Vieira
 
Anos iniciais- Referencial Curricular da educação Básica da rede estadual, Al...
Anos iniciais- Referencial Curricular da educação Básica da rede estadual, Al...Anos iniciais- Referencial Curricular da educação Básica da rede estadual, Al...
Anos iniciais- Referencial Curricular da educação Básica da rede estadual, Al...Maria Vieira
 
PDE como instrumento de desenvolvimento escolar
PDE como instrumento de desenvolvimento escolarPDE como instrumento de desenvolvimento escolar
PDE como instrumento de desenvolvimento escolarrejane110
 
Caderno ssma
Caderno ssma Caderno ssma
Caderno ssma bia139
 
Justiça do trabalho
Justiça do trabalhoJustiça do trabalho
Justiça do trabalhoEdson Palma
 
Plano de saneamento básico de itatiba do sul
Plano de saneamento básico de itatiba do sulPlano de saneamento básico de itatiba do sul
Plano de saneamento básico de itatiba do sulIvonir Santolin
 
Avaliação de Usabilidade (Monografia)
Avaliação de Usabilidade (Monografia)Avaliação de Usabilidade (Monografia)
Avaliação de Usabilidade (Monografia)Rafael Marinho
 
Direito aplicado a educacao
Direito aplicado a educacaoDireito aplicado a educacao
Direito aplicado a educacaotaismarquesm
 

Mais procurados (14)

“Agricultura Urbana: Desenvolvimento de uma Unidade Agroecológica Comunitária”
“Agricultura Urbana: Desenvolvimento de uma Unidade Agroecológica Comunitária” “Agricultura Urbana: Desenvolvimento de uma Unidade Agroecológica Comunitária”
“Agricultura Urbana: Desenvolvimento de uma Unidade Agroecológica Comunitária”
 
Linguagens Códigos e suas tecnologias......
Linguagens Códigos e suas tecnologias......Linguagens Códigos e suas tecnologias......
Linguagens Códigos e suas tecnologias......
 
Ciencias humanas
Ciencias humanasCiencias humanas
Ciencias humanas
 
Ensino religioso - referencial curricular de educação básica
Ensino religioso - referencial curricular de educação básicaEnsino religioso - referencial curricular de educação básica
Ensino religioso - referencial curricular de educação básica
 
Matematica - todos ps planos
Matematica - todos ps planosMatematica - todos ps planos
Matematica - todos ps planos
 
Ciências da natureza - Referencial curricular
Ciências da natureza - Referencial curricularCiências da natureza - Referencial curricular
Ciências da natureza - Referencial curricular
 
Anos iniciais- Referencial Curricular da educação Básica da rede estadual, Al...
Anos iniciais- Referencial Curricular da educação Básica da rede estadual, Al...Anos iniciais- Referencial Curricular da educação Básica da rede estadual, Al...
Anos iniciais- Referencial Curricular da educação Básica da rede estadual, Al...
 
PDE como instrumento de desenvolvimento escolar
PDE como instrumento de desenvolvimento escolarPDE como instrumento de desenvolvimento escolar
PDE como instrumento de desenvolvimento escolar
 
Caderno ssma
Caderno ssma Caderno ssma
Caderno ssma
 
Justiça do trabalho
Justiça do trabalhoJustiça do trabalho
Justiça do trabalho
 
Plano de saneamento básico de itatiba do sul
Plano de saneamento básico de itatiba do sulPlano de saneamento básico de itatiba do sul
Plano de saneamento básico de itatiba do sul
 
Avaliação de Usabilidade (Monografia)
Avaliação de Usabilidade (Monografia)Avaliação de Usabilidade (Monografia)
Avaliação de Usabilidade (Monografia)
 
Direito aplicado a educacao
Direito aplicado a educacaoDireito aplicado a educacao
Direito aplicado a educacao
 
livro-administracao-aplicada-a-enfermagem-2
livro-administracao-aplicada-a-enfermagem-2livro-administracao-aplicada-a-enfermagem-2
livro-administracao-aplicada-a-enfermagem-2
 

Semelhante a Regimento escolar

Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantilMaria Vieira
 
Alagoas - Referencial curricular da educacao basica da rede estadual de ensin...
Alagoas - Referencial curricular da educacao basica da rede estadual de ensin...Alagoas - Referencial curricular da educacao basica da rede estadual de ensin...
Alagoas - Referencial curricular da educacao basica da rede estadual de ensin...Gonzalo Abio
 
Ciesa.tecnologia design moda.projeto político pedagógico.2010
Ciesa.tecnologia design moda.projeto político pedagógico.2010Ciesa.tecnologia design moda.projeto político pedagógico.2010
Ciesa.tecnologia design moda.projeto político pedagógico.2010PORANJE
 
Diretrizes Operacionais da Educação Seduc GO
Diretrizes Operacionais da Educação Seduc GODiretrizes Operacionais da Educação Seduc GO
Diretrizes Operacionais da Educação Seduc GOglauciamirian5
 
Manual mais educação 2013
Manual mais educação 2013Manual mais educação 2013
Manual mais educação 2013Jeovany Anjos
 
Caderno SSMA
Caderno SSMA Caderno SSMA
Caderno SSMA bia139
 
Relatório observatório problemas_motores
Relatório observatório problemas_motoresRelatório observatório problemas_motores
Relatório observatório problemas_motoresJoaquim Colôa
 
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012emebgr
 
Exemplo / Modelo de um Plano de Negócios (Template Business Case)
Exemplo / Modelo de um Plano de Negócios (Template Business Case)Exemplo / Modelo de um Plano de Negócios (Template Business Case)
Exemplo / Modelo de um Plano de Negócios (Template Business Case)Fernando Palma
 
Op 097ab-21-candelaria-rs-prof-iniciais
Op 097ab-21-candelaria-rs-prof-iniciaisOp 097ab-21-candelaria-rs-prof-iniciais
Op 097ab-21-candelaria-rs-prof-iniciaisANDRESSABORDIGNON
 
Apostila estatistica 2004_2
Apostila estatistica 2004_2Apostila estatistica 2004_2
Apostila estatistica 2004_2Míriam Pimenta
 
Republicação de edital
Republicação de editalRepublicação de edital
Republicação de editalemanuelomena
 
Tecnologias na educação cursista
Tecnologias na educação cursistaTecnologias na educação cursista
Tecnologias na educação cursistatecampinasoeste
 

Semelhante a Regimento escolar (20)

Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
Alagoas - Referencial curricular da educacao basica da rede estadual de ensin...
Alagoas - Referencial curricular da educacao basica da rede estadual de ensin...Alagoas - Referencial curricular da educacao basica da rede estadual de ensin...
Alagoas - Referencial curricular da educacao basica da rede estadual de ensin...
 
Indice Provisorio
Indice ProvisorioIndice Provisorio
Indice Provisorio
 
Anos iniciais
Anos iniciaisAnos iniciais
Anos iniciais
 
Ciesa.tecnologia design moda.projeto político pedagógico.2010
Ciesa.tecnologia design moda.projeto político pedagógico.2010Ciesa.tecnologia design moda.projeto político pedagógico.2010
Ciesa.tecnologia design moda.projeto político pedagógico.2010
 
Diretrizes Operacionais da Educação Seduc GO
Diretrizes Operacionais da Educação Seduc GODiretrizes Operacionais da Educação Seduc GO
Diretrizes Operacionais da Educação Seduc GO
 
Manual mais educação 2013
Manual mais educação 2013Manual mais educação 2013
Manual mais educação 2013
 
Boletim de servicos_3_quadrimestre_de_2011_final
Boletim de servicos_3_quadrimestre_de_2011_finalBoletim de servicos_3_quadrimestre_de_2011_final
Boletim de servicos_3_quadrimestre_de_2011_final
 
Boletim de servicos_3_quadrimestre_de_2012
Boletim de servicos_3_quadrimestre_de_2012Boletim de servicos_3_quadrimestre_de_2012
Boletim de servicos_3_quadrimestre_de_2012
 
Boletim de Serviços ESAG_1_quadrimestre_de_2012_19.06.2012
Boletim de Serviços ESAG_1_quadrimestre_de_2012_19.06.2012Boletim de Serviços ESAG_1_quadrimestre_de_2012_19.06.2012
Boletim de Serviços ESAG_1_quadrimestre_de_2012_19.06.2012
 
Caderno SSMA
Caderno SSMA Caderno SSMA
Caderno SSMA
 
Relatório observatório problemas_motores
Relatório observatório problemas_motoresRelatório observatório problemas_motores
Relatório observatório problemas_motores
 
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
 
Exemplo / Modelo de um Plano de Negócios (Template Business Case)
Exemplo / Modelo de um Plano de Negócios (Template Business Case)Exemplo / Modelo de um Plano de Negócios (Template Business Case)
Exemplo / Modelo de um Plano de Negócios (Template Business Case)
 
Op 097ab-21-candelaria-rs-prof-iniciais
Op 097ab-21-candelaria-rs-prof-iniciaisOp 097ab-21-candelaria-rs-prof-iniciais
Op 097ab-21-candelaria-rs-prof-iniciais
 
Apostila estatistica 2004_2
Apostila estatistica 2004_2Apostila estatistica 2004_2
Apostila estatistica 2004_2
 
Republicação de edital
Republicação de editalRepublicação de edital
Republicação de edital
 
0000011620
00000116200000011620
0000011620
 
Tecnologias na educação cursista
Tecnologias na educação cursistaTecnologias na educação cursista
Tecnologias na educação cursista
 
0000011620
00000116200000011620
0000011620
 

Mais de pibiduergsmontenegro

Projeto a arte de ler e as práticas relaciondas à literatura, investigações a...
Projeto a arte de ler e as práticas relaciondas à literatura, investigações a...Projeto a arte de ler e as práticas relaciondas à literatura, investigações a...
Projeto a arte de ler e as práticas relaciondas à literatura, investigações a...pibiduergsmontenegro
 
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...pibiduergsmontenegro
 
Diferentes espaços, diferentes interesses, investigando concepçoes de estudan...
Diferentes espaços, diferentes interesses, investigando concepçoes de estudan...Diferentes espaços, diferentes interesses, investigando concepçoes de estudan...
Diferentes espaços, diferentes interesses, investigando concepçoes de estudan...pibiduergsmontenegro
 
Tatiane, elizandra e adriano, resumo siepex 2013
Tatiane, elizandra e adriano, resumo siepex 2013Tatiane, elizandra e adriano, resumo siepex 2013
Tatiane, elizandra e adriano, resumo siepex 2013pibiduergsmontenegro
 
Patrick moraes, resumo siepex 2013
Patrick moraes, resumo siepex 2013Patrick moraes, resumo siepex 2013
Patrick moraes, resumo siepex 2013pibiduergsmontenegro
 
Concepções sobre aulas de música na escola
Concepções sobre aulas de música na escolaConcepções sobre aulas de música na escola
Concepções sobre aulas de música na escolapibiduergsmontenegro
 

Mais de pibiduergsmontenegro (20)

Projeto a arte de ler e as práticas relaciondas à literatura, investigações a...
Projeto a arte de ler e as práticas relaciondas à literatura, investigações a...Projeto a arte de ler e as práticas relaciondas à literatura, investigações a...
Projeto a arte de ler e as práticas relaciondas à literatura, investigações a...
 
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
O ensino de música na escola, uma investigação a partir das opiniões de estud...
 
Diferentes espaços, diferentes interesses, investigando concepçoes de estudan...
Diferentes espaços, diferentes interesses, investigando concepçoes de estudan...Diferentes espaços, diferentes interesses, investigando concepçoes de estudan...
Diferentes espaços, diferentes interesses, investigando concepçoes de estudan...
 
Thais, resumo siepex 2013
Thais, resumo siepex 2013Thais, resumo siepex 2013
Thais, resumo siepex 2013
 
Tatiane, elizandra e adriano, resumo siepex 2013
Tatiane, elizandra e adriano, resumo siepex 2013Tatiane, elizandra e adriano, resumo siepex 2013
Tatiane, elizandra e adriano, resumo siepex 2013
 
Sophia, resumo siepex 2013
Sophia, resumo siepex 2013Sophia, resumo siepex 2013
Sophia, resumo siepex 2013
 
Paulo, resumo siepex 2013
Paulo, resumo siepex 2013Paulo, resumo siepex 2013
Paulo, resumo siepex 2013
 
Patrick moraes, resumo siepex 2013
Patrick moraes, resumo siepex 2013Patrick moraes, resumo siepex 2013
Patrick moraes, resumo siepex 2013
 
Patrick costa, resumo siepex 2013
Patrick costa, resumo siepex 2013Patrick costa, resumo siepex 2013
Patrick costa, resumo siepex 2013
 
Norildo, resumo siepex 2013
Norildo, resumo siepex 2013Norildo, resumo siepex 2013
Norildo, resumo siepex 2013
 
Mariliane, resumo siepex 2013
Mariliane, resumo siepex 2013Mariliane, resumo siepex 2013
Mariliane, resumo siepex 2013
 
Lucas, resumo siepex 2013
Lucas, resumo siepex 2013Lucas, resumo siepex 2013
Lucas, resumo siepex 2013
 
Guilherme, resumo siepex 2013
Guilherme, resumo siepex 2013Guilherme, resumo siepex 2013
Guilherme, resumo siepex 2013
 
Andreia, resumo siepex 2013
Andreia, resumo siepex 2013Andreia, resumo siepex 2013
Andreia, resumo siepex 2013
 
Alexandra, resumo siepex 2013
Alexandra, resumo siepex 2013Alexandra, resumo siepex 2013
Alexandra, resumo siepex 2013
 
Poster virtual sophia feevale
Poster virtual sophia feevalePoster virtual sophia feevale
Poster virtual sophia feevale
 
Poster virtual mariliane feevale
Poster virtual mariliane feevalePoster virtual mariliane feevale
Poster virtual mariliane feevale
 
Poster virtual lucas feevale
Poster virtual lucas feevalePoster virtual lucas feevale
Poster virtual lucas feevale
 
Pôster sophia, ufrgs, 2013
Pôster sophia, ufrgs, 2013Pôster sophia, ufrgs, 2013
Pôster sophia, ufrgs, 2013
 
Concepções sobre aulas de música na escola
Concepções sobre aulas de música na escolaConcepções sobre aulas de música na escola
Concepções sobre aulas de música na escola
 

Último

Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Regimento escolar

  • 1. COLÉGIO ESTADUAL A. J. RENNER REGIMENTO ESCOLAR ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO EJA (EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS) MÉDIO MONTENEGRO
  • 2. 2 1. IDENTIFICAÇÃO E ATOS LEGAIS.......................................................................... 1 2. DA ESCOLA. FINS E OBJETIVOS............................................................................ 4 2.1 FILOSOFIA DA ESCOLA............................................................................................ 4 2.2 FINS............................................................................................................................... 4 2.3 FINALIDADE E OBJETIVOS DO ENSINO FUNDAMENTAL............................. 4 2.4 FINALIDADE E OBJETIVOS DO ENSINO MÉDIO.................................................. 5 2.5 FINALIDADE E OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS........... 5 2.6 NÍVEIS, MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO.......................................... 6 3. DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA............................... 6 3.1 DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR............................................................................ 6 3.1.1 DA DIREÇÃO............................................................................................................. 6 3.1.1.1 DO DIRETOR.......................................................................................................... 6 3.1.1.2 DO VICE-DIRETOR............................................................................................... 6 3.2 DOS SERVIÇOS DE APOIO ADMINISTRATIVO E PEDAGÓGICO..................... 7 3.2.1 DO SERVIÇO DE SECRETARIA............................................................................. 7 3.2.2 DO SERVIÇO DE MATERIAL DE PATRIMÔNIO................................................ 7 3.2.3 DOS SERVIÇOS GERAIS......................................................................................... 8 3.2.4 ASSISTENTE ADMINISTRATIVO- FINANCEIRO.............................................. 8 3.2.5 DOS SERVIÇOS DE APOIO PEDAGÓGICO......................................................... 8 3.2.5.1 DO CONSELHO ESCOLAR................................................................................... 9 3.2.5.2 DO SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL........................................... 9 3.2.5.3 DO SERVIÇO DE SUPERVISÃO ESCOLAR....................................................... 9 3.2.5.4 DO SERVIÇO DE AUDIOVISUAL....................................................................... 10 3.2.5.5 DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA ESCOLAR........................................................ 10 3.2.5.6 DO BANCO DO LIVRO......................................................................................... 10 3.2.5.7 DO LABORATÓRIO DE BIOLOGIA, FÍSICA E QUÍMICA............................... 10 3.2.5.8 DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA................................... 11 3.3 DAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES............................................................................ 11 3.3.1 DO CÍRCULO DE PAIS E MESTRES...................................................................... 11 3.3.2 DO GRÊMIO ESTUDANTIL..................................................................................... 11 4. DA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR........................................................................ 11 4.1 DO REGIMENTO ESCOLAR....................................................................................... 11 4.1.1 DA MATRÍCULA....................................................................................................... 12 4.1.1.1 DA TRANSFERÊNCIA........................................................................................... 12 4.1.2 DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E ADAPTAÇÕES................................. 13 4.2 DOS PLANOS DE ESTUDOS...................................................................................... 14 4.3 PROGRAMA DE TRABALHO DO PROFESSOR...................................................... 14
  • 3. 3 4.4 PROJETO PEDAGÓGICO............................................................................................ 14 4.5 METODOLOGIA DE ENSINO.................................................................................... 14 4.6 DA AVALIAÇÃO......................................................................................................... 15 4.6.1 DA ESCOLA............................................................................................................... 16 4.6.2 DO ALUNO................................................................................................................ 16 4.6.2.1 DA RECUPERAÇÃO.............................................................................................. 18 4.6.2.2 DA CLASSIFICAÇÃO DO ALUNO...................................................................... 18 4.6.2.3 DOS NÍVEIS DE PROMOÇÃO.............................................................................. 19 4.6.2.4 DOS AVANÇOS...................................................................................................... 19 4.6.2.5 DA RECLASSIFICAÇÃO DO ALUNO................................................................. 19 4.6.2.6 DO CONSELHO DE CLASSE................................................................................ 20 4.6.2.7 DOS CERTIFICADOS............................................................................................ 20 5. NORMAS DE CONVIVÊNCIA NA ESCOLA........................................................... 20 5.1 DO CORPO DOCENTE................................................................................................ 21 5.2 DO CORPO DISCENTE............................................................................................... 21 5.2.1 DOS DIREITOS.......................................................................................................... 21 5.2.2 DOS DEVERES.......................................................................................................... 22 5.2.3 DAS MEDIDAS PEDAGÓGICAS........................................................................... 22 5.3 DOS FUNCIONÁRIOS................................................................................................ 23 6. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS...................................................................................... 23 7. DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS....................................................................... 24
  • 4. 4 2. DA ESCOLA, FINS E OBJETIVOS 2.1. FILOSOFIA DA ESCOLA Propomo-nos a atuar em educação, visando formar uma sociedade justa, democrática com valores humanistas, buscando a transformação social apoiada no crescimento científico, na justiça, na liberdade, no respeito, na honestidade, na responsabilidade, na criticidade e autenticidade de forma a possibilitar o desenvolvimento das múltiplas inteligências, a descoberta, a criatividade e a expressão para a socialização do saber. O Colégio terá como princípio uma educação libertadora, formada de sujeitos críticos e transformadores da realidade, na perspectiva da construção de uma sociedade justa, preocupada com o meio ambiente e com o crescimento científico, com a capacidade de promover o desenvolvimento sadio, coletivo e individual com condições de dominar o conteúdo elaborado, recriando o seu saber, dentro do exercício de cidadania com visão clara e crítica, articulada e coerente sobre sua ação. 2.2. FINS A Escola tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum, indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e adquirir novos conhecimentos. 2.3. FINALIDADE E OBJETIVOS DO ENSINO FUNDAMENTAL A Escola propõe-se a desenvolver: I – a capacidade de aprendizagem do aluno, possibilitando-lhe a livre expressão, clareza de pensamento, aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores;
  • 5. 5 II – a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamentam a sociedade, para que o aluno possa inserir-se de forma participativa, na comunidade em que vive. 2.4. FINALIDADE E OBJETIVOS DO ENSINO MÉDIO A Escola propõe-se, através do Ensino Médio: I – a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental; II – a preparação básica para o trabalho e a cidadania dando ao educando condições de adaptar-se a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento; III – o aprimoramento do educando como pessoa humana; IV – a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos. 2.5. FINALIDADE E OBJETIVOS DA EJA (EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS) I – a Educação de Jovens e Adultos, no nível de conclusão do Ensino Médio, é destinada a suprir a escolarização regular de jovens e adultos, que não tenham seguido ou concluído, na idade própria, melhorando o desenvolvimento sócio-político-cultural da clientela, oportunizando a aquisição de melhores condições para se integrar ao mundo do trabalho; II – oferecer a oportunidade de concluir o Ensino Médio; III – consolidar e aprofundar os conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental, possibilitando o prosseguimento dos estudos; IV – preparar para o trabalho e a cidadania para continuar aprendendo de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores; V – aprimorar o educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; VI – compreender os fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática.
  • 6. 6
  • 7. 7 2.6. NÍVEIS E MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO A escola mantém: Educação Básica constituída por: - Ensino Fundamental (séries finais); - Ensino Médio/ - EJA (Educação de Jovens e Adultos), em nível de Ensino Médio. 3. DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA 3.1. DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR A administração escolar é constituída por: I – Diretor; II – Vice-Diretor. 3.1.1. DA DIREÇÃO A Direção é exercida pelo Diretor e Vice-Diretor. 3.1.1.1. DO DIRETOR O diretor é o elemento que representa legalmente a Escola e tem a seu encargo a administração do estabelecimento, dirigindo e supervisionando todas as atividades realizadas em consonância com as liberações do Conselho Escolar. O provimento e as atribuições do cargo são as constantes na legislação vigente. 3.1.1.2. DO VICE-DIRETOR O Vice-Diretor é o elemento co-participante da Direção e substituto legal do Diretor. Seu aproveitamento e atribuições são as constantes na legislação vigente.
  • 8. 8 3.2. DOS SERVIDORES DE APOIO ADMINISTRATIVO E PEDAGÓGICO Os serviços de Apoio Administrativo são constituídos por: I – serviço de secretaria; II – serviço de Material e Patrimônio; III – serviços gerais; IV – Assistente Administrativo-Financeiro; V – serviço de Apoio Pedagógico. 3.2.1. DO SERVIÇO DE SECRETARIA A secretaria é o órgão responsável pela documentação escolar, competindo-lhe zelar pela sua legalidade, autenticidade, guarda e conservação, devendo o respectivo titular possuir registro ou autorização para o exercício da função. As competências de serviço de secretaria estão definidas pela legislação vigente e Planto Integrado da Escola. 3.2.2. DO SERVIÇO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO O serviço de Material e Patrimônio tem a seu encargo a manutenção e controle dos recursos materiais pertencentes ao Estabelecimento de Ensino. O responsável pelo serviço de Material e Patrimônio é um elemento indicado pela Direção, em consonância com o Conselho Escolar. Patrimônio da Escola é constituído pelo conjunto de bens e recursos colocados a sua disposição pela Entidade Mantenedora e, ainda, pelos provenientes de contribuições, doações, auxílios, legados e pelos resultantes de outras rendas regulares ou eventuais com legislação vigente. O Patrimônio da Escola fica sob a guarda, administração e responsabilidade da Direção, cabendo ao responsável pelo serviço de Material e Patrimônio registrar, no Livro de Tombamento, os bens móveis da Escola.
  • 9. 9 3.2.3. DOS SERVIÇOS GERAIS São competências dos Serviços Gerais as providências para a manutenção da ordem e da vigilância do prédio, a coordenação do pessoal de serviço e a conservação do equipamento e das instalações em condições de segurança e limpeza. Consta, no Plano Político Pedagógico da Escola, a discriminação das atribuições do encarregados pelos Serviços Gerais. Demais competências definidas pela legislação vigente e no Plano Político Pedagógico da Escola. 3.2.4. ASSISTENTE ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO O Assistente Administrativo Financeiro será escolhido pela Equipe Diretiva e Conselho Escolar do Estabelecimento de Ensino dentre os servidores públicos estáveis com formação universitária ou técnica compatível com as atribuições da função e legislação vigente. As competências do Assistente Administrativo Financeiro estão estabelecidas na legislação vigente. 3.2.5. DOS SERVIÇOS DE APOIO PEDAGÓGICO Aos Serviços de Apoio Pedagógico compete o assessoramento às atividades pertinentes ao processo ensino-aprendizagem. Constituem os Serviços de Apoio Pedagógico: I – Conselho Escolar; II – Serviço de Orientação Educacional; III – Serviço de Supervisão Escolar; IV – Serviço de Audiovisual; V – Biblioteca Escolar; VI – Banco do Livro; VII – Laboratório de Biologia, Física e Química; VIII – Laboratório de Informática Educativa.
  • 10. 10 3.2.5.1. DO CONSELHO ESCOLAR A estrutura, a composição e as competências do Conselho Escolar são as definidas em lei. 3.2.5.2. DO SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL O serviço de Orientação Educacional é exercido pelo Orientador Educacional, devidamente habilitado, assessorado pelo professor Conselheiro de Turma. O Orientador Educacional coordena a ação que visa a integrar o aluno ao processo ensino-aprendizagem e ao meio ambiente, como também proporcionar condições que facilitem a integração entre Escola-Família- Comunidade. Na falta de profissional habilitado, este serviço fica a cargo do órgão regional de educação. As atribuições específicas do Orientador Educacional constam no Projeto Político Pedagógico. 3.2.5.3. DO SERVIÇO DE SUPERVISÃO ESCOLAR O serviço de Supervisão Escolar acompanha o desenvolvimento do trabalho pedagógico, assessorando o professor na orientação do processo de aprendizagem do aluno. O serviço de Supervisão Escolar é constituído por Supervisor Escolar com titulação específica e pelos coordenadores das diferentes disciplinas. Na falta de um profissional habilitado, assume a coordenação do Serviço de Supervisão Escolar, um professor com Licenciatura Plena. As atribuições do Serviço de Supervisão Escolar constam na legislação vigente.
  • 11. 11 3.2.5.4. DO SERVIÇO DE AUDIOVISUAL O serviço de Audiovisual subsidia e complementa as atividades do processo ensino-aprendizagem e está a cargo de um professor com habilidade para tal, indicado pela equipe diretiva e Conselho Escolar. A programação e as atribuições do responsável pelo serviço constam no Projeto Político Pedagógico. 3.2.5.5. DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA ESCOLAR A biblioteca tem por finalidade apoiar e servir de instrumento no desenvolvimento do currículo, contribuindo para a melhoria do nível cultural dos alunos, professores, funcionários, servidores e comunidade. O responsável pela biblioteca, titulado, ou na falta deste, professor indicado pela equipe diretiva e Conselho Escolar, tem suas atribuições específicas no Projeto Político Pedagógico. 3.2.5.6. DO BANCO DO LIVRO O objetivo deste serviço é fornecer aos alunos os livros didáticos necessários ao desenvolvimento das disciplinas curriculares. Visa, ainda, despertar hábitos e atitudes no que se refere ao bom uso e ao reaproveitamento dos livros distribuídos. O atendimento ao Banco do Livro fica a cargo do responsável pela Biblioteca Escolar. 3.2.5.7. DO LABORATÓRIO DE BIOLOGIA, FÍSICA E QUÍMICA O laboratório tem por finalidade auxiliar na construção de conceitos científicos, dentro de uma proposta pedagógica que alia reflexão e ação, nas disciplinas de Biologia, Física e Química. O material necessário ao funcionamento do laboratório é o adequado ao planejamento dos professores da área científica.
  • 12. 12 3.2.5.8. DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA O Laboratório de Informática Educativa tem por objetivo promover o trabalho interdisciplinar, vivenciando o uso de recursos tecnológicos avançados. 3.3. DAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES Fazem parte da Organização Escolar as seguintes instituições: I – Círculo de Pais e Mestres; II – Grêmio Estudantil 3.3.1. DO CÍRCULO DE PAIS E MESTRES O Círculo de Pais e Mestres é instituído que visa a integrar Escola-Família- Comunidade, a fim de prestar assistência ao aluno. O Círculo de Pais e Mestres, adotando o estatuto-padrão, rege-se por normas próprias emanadas do órgão competente e em consonância com o Projeto Político Pedagógico. 3.3.2. DO GRÊMIO ESTUDANTIL O Grêmio Estudantil é a instituição que congrega todos os alunos da Escola, com finalidade social, desportiva, cultural, cívica e educacional. A constituição, a organização e o funcionamento do Grêmio Estudantil estão definidos em estatuto próprio, elaborado conforme a legislação vigente e as normas emanadas do órgão competente do sistema de ensino. 4. DA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 4.1. DO REGIME ESCOLAR A Escola adota o regime seriado, no Ensino Fundamental e no Ensino Médio, sendo que na EJA (Educação de Jovens e Adultos) em nível médio, a Escola adota o regime de matrícula por Etapa, sendo pré-requisito a aprovação das Etapas anteriores.
  • 13. 13 A EJA está estruturada em 3(três) etapas, sendo que cada uma contém 800horas, totalizando 2400(duas mil e quatrocentas horas), distribuídas em 200 dias letivos anuais. As normas gerais para a fixação do Calendário Escolar atendem às disposições legais em vigor e às diretrizes da Entidade Mantenedora. O Calendário Escolar é elaborado pela Equipe de Coordenação Pedagógica, juntamente com o Conselho Escolar, apresentando aos professores, se necessário alterado e aprovado em reunião com representantes de todos os segmentos da comunidade escolar, sendo homologado pela 2ª Coordenadoria Regional de Educação (2ª CRE). 4.1.1. DA MATRÌCULA A matrícula vincula o aluno à Escola. O processamento da matrícula obedece às normas expedidas pela Secretaria de Educação. A matrícula na Escola compreende: I – admissão de alunos novos; II – admissão de alunos por transferência; III – admissão de alunos independentemente de escolarização anterior, conforme legislação vigente. A ausência de documentação no momento da realização da matrícula não impede sua efetivação, cabendo à Escola providenciar meios para classificar o aluno na séria ou etapa adequada. A rematrícula segue as normas vigentes. Para o ingresso no Ensino Médio, modalidade EJA, será observada a idade mínima de 18 anos, conforme legislação vigente. 4.1.1.1. DA TRANSFERÊNCIA A transferência é concedida em qualquer época do ano, por solicitação do responsável pelo aluno ou pelo próprio aluno, se maior de idade.
  • 14. 14 Ao conceder a transferência, a Escola obriga-se a fornecer, ao aluno, no menor prazo possível, a documentação comprobatória de sua vida escolar. A aceitação de transferência do aluno condiciona-se à existência de vaga. O aluno transferido, amparado em Lei, tem sua matrícula garantida, independente da existência de vaga. O estudo do Histórico Escolar e demais documentos apresentados pelo aluno matriculado por transferência é feito pelo Serviço de Supervisão Escolar, visando ao aproveitamento de estudos e/ou adaptações curriculares. O aluno transferido está sujeito às adaptações curriculares que se fizerem necessárias, aproveitados os estudos concluídos com êxito na Escola de Origem. 4.1.2. DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E ADAPTAÇÕES O aproveitamento de estudos é feito pela dispensa ou substituição de uma disciplina por outra a que se atribui idêntico ou equivalente valor formativo. A adaptação é o processo de atendimento especial oferecido ao aluno matriculado por transferência, quando há divergência entre o Plano de Estudos da Escola e o Histórico Escolar apresentado. A adaptação inclui recuperação de objetivos e conteúdos não desenvolvidos e disciplinas não cursadas e a dispensa de estudos já realizados, que sejam suficientes para prosseguimento dos estudos em seu novo currículo. A adaptação é providenciada a partir da efetivação da matrícula. O processo de adaptação é orientado pelo Serviço de Supervisão Escolar, a quem compete assessorar os professores na preparação de planos especiais e aprovar o acompanhamento da execução desses planos. O aproveitamento de estudos e o resultado da adaptação são registrados no Diário de Classe e nos documentos individuais do aluno, no espaço reservado às adaptações e, também, em ata específica. Na Educação de Jovens e Adultos (EJA),o aluno realizará provas de classificação, mediante a apresentação de Histórico Escolar ou de Certificado, conforme o caso.
  • 15. 15 4.2. DOS PLANOS DE ESTUDOS A Escola organiza seus Planos de Estudos em consonância com: I – os princípios norteadores da legislação vigente; II – a política educacional do Sistema Estadual de Ensino; III – os objetivos da Escola. Os Planos de Estudos, com a respectiva indicação das séries e horas-aula, objetivos e conteúdos, em que cada componente curricular é trabalhado, são homologados pela 2ª Coordenadoria Regional de Ensino (2ª CRE). 4.3. PROGRAMA DE TRABALHO DO PROFESSOR Os planos de trabalho são elaborados, anualmente, pelos professores, tendo como base os planos de estudos preservando a integridade e a coerência da proposta pedagógica. O professor deve avaliar e oportunizar, aos alunos, momentos de avaliação da proposta de trabalho. 4.4. PROJETO PEDAGÒGICO O Projeto Pedagógico é elaborado e aprovado a partir de trabalhos realizados com representantes dos diferentes segmentos como COM, CE, Funcionários, Direção, SSE, Pais, Alunos, sendo apontadas questões/temáticas, a serem aprofundadas no decorrer do período letivo, e alteradas, melhoradas e reavaliadas quando necessárias. 4.5. DA METODOLOGIA DE ENSINO A proposta metodológica da Escola está baseada na rigorosidade metódica, ou seja, na forma como são tratados os ciclos e nas produções de conhecimento que possibilitem a inserção interventora dos sujeitos em tempos e espaços reais e que, assim, podem promover sua humanização. Desta forma, é importante ressaltar o interacionismo como teoria de conhecimento, pois entendemos a construção deste numa relação de reciprocidade, onde sujeitos e objetos se complementam e se necessitam, para
  • 16. 16 que elaborações e assimilações significativas se concretizem pontuando, como essencial, um processo dialético de relação. Assim, também, buscamos na Pedagogia Progressista, a qual sustenta as finalidades sócio-políticas da Educação, mais especificamente na Educação Libertadora, princípios que possam respaldar o pensar e o fazer educação, para que liberdades sejam descobertas como forma de “ler” o mundo, entendendo-o transformando-o no sentido de que nos percebemos nele e com ele. Na EJA serão oportunizadas aulas presenciais e não-presenciais, de modo que, os objetivos de uma construção interdisciplinar do conhecimento seja contemplado e, para que seja oportunizado ao corpo docente um momento de formação específico que tal modalidade de ensino necessita. 4.6. DA AVALIAÇÃO A avaliação deve responder à dinâmica do processo ensino-aprendizagem e a necessidade de reconstrução do processo de avaliação como parte de um movimento articulado pelo compromisso com o desenvolvimento de uma prática pedagógica comprometida com a inclusão, com a pluralidade, com o respeito às diferenças, com a construção coletiva. O processo de avaliação como parte da dinâmica ensino-aprendizagem – “A avaliação como processo contínuo e formativo”. A avaliação abrange dois focos distintos, específicos e intimamente relacionados: - A Escola como um todo; - O aluno no seu desempenho escolar. A avaliação exerce a função diagnóstica e classificatória. Diagnóstica: a avaliação diagnóstica é vista como um processo de construção permanente de acerto de estratégias para mobilizar a aprendizagem, de auxílio a alunos e professores. A avaliação diagnóstica servirá de ajuda ao processo de ensino- aprendizagem; fornecerá aos professores elementos que permitam identificar os conhecimentos prévios dos alunos, bem como, os pontos críticos para que se
  • 17. 17 avance na construção do conhecimento, tendo em vista um projeto de escola não-excludente. Classificatória: são variadas e complexas as razões que levam à decisão de fazer com que um aluno repita o ano. A Escola propõe-se a tornar objetivos, precisos e mensuráveis, os indicadores de sucesso e fracasso no processo ensino-aprendizagem. 4.6.1. DA ESCOLA A Escola procede, periodicamente, a avaliação de todas as suas realizações, face aos objetivos expressos no Projeto Político Pedagógico da Escola. A avaliação da Escola envolve duas etapas: - avaliação interna de cada atividade, Serviço ou Instituição; - avaliação global da Escola. Os resultados da avaliação da Escola, como um todo, bem como os resultados da “Avaliação Externa”, serem de base para a reavaliação e o aperfeiçoamento do Projeto Político Pedagógico da Escola para o ano letivo seguinte. 4.6.2. DO ALUNO É processo sistemático de diagnóstico, controle e verificação do rendimento escolar. A verificação do rendimento escolar compreende a avaliação do aproveitamento e apuração da assiduidade. Na avaliação do aproveitamento, os aspectos qualitativos preponderam sobre os quantitativos. O nível dos objetivos propostos pelo professor é que determina a preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos. A avaliação do aproveitamento é realizada durante e ao final de cada trimestre e, ao final das atividades anuais, através de dados coletados sobre o desempenho do aluno.
  • 18. 18 O professor realiza a avaliação do aproveitamento com base nos objetivos específicos de sua disciplina e/ou de cada atividade. A Escola determina valores diferenciados para cada trimestre, de forma que, na escala adotada, o aluno possa, ao final do período letivo, alcançar o valor máximo desta escala – 100 (cem) pontos. Ao final do período letivo, a apuração do aproveitamento do aluno é obtida através da soma dos pontos dos trimestres, resultando na soma anual. Portanto: 1º Trimestre + 2º Trimestre + 3º Trimestre = Nota Anual Os trimestres têm seus valores máximos fixados da seguinte forma: Primeiro Trimestre vale 30 (trinta) pontos; Segundo Trimestre vale 30 (trinta) pontos e o Terceiro Trimestre vale 40 (quarenta) pontos. O aproveitamento mínimo suficiente para aprovação estabelecida pela Escola é 60 (sessenta) pontos. A freqüência mínima estabelecida corresponde a 75% do total de horas de efetivo trabalho docente. A escola comunica a infreqüência do aluno aos pais ou responsáveis e também ao Conselho Tutelar, quando menor de idade, antes de o aluno atingir o total máximo previsto na legislação vigente. O aluno infreqüente, amparado em legislação específica, recebe tratamento especial. A avaliação do aproveitamento da EJA (Educação de Jovens e Adultos) será realizada através de parecer descritivo. Sendo assim, as avaliações dentro de cada etapa terão as seguintes menções: S (satisfatório) e I ( insatisfatório),e ao final de cada etapa são “A” de Avançar e “P” de Permanecer. Para o aluno obter aprovação no final do período letivo, deverá atingir 50% (cinqüenta) dos objetivos propostos. Na EJA, será exigido o mínimo de 75% (setenta e cinco) de freqüência, sendo que os alunos amparados em legislação específica terão tratamento especial.
  • 19. 19 O aluno, na disciplina de Educação Física, é dispensado nos temos da legislação vigente. No Ensino Fundamental, no Ensino Médio e na EJA (Ensino Médio), os resultados da avaliação, emitidos pelo Conselho de Classe, são comunicados aos pais, responsáveis e ao próprio aluno (de maior) através de instrumento adequado a este fim e a critério da Escola. 4.6.2.1. DA RECUPERAÇÃO A Escola oferece estudos de recuperação conforme a legislação vigente e descrita em seu Projeto Político Pedagógico. Os estudos acima referidos vinculam-se basicamente aos objetivos não atingidos pelo aluno. A recuperação é realizada mediante acompanhamento e controle contínuo do aproveitamento do aluno, a quem são apresentadas atividades de recuperação, a fim de prevenir ou suprir falhas de aprendizagem. O professor, orientado pelo Supervisor Escolar, é responsável pelo planejamento, desenvolvimento, controle e avaliação das atividades de recuperação do aluno, não podendo delegar estas atribuições, salvo casos amparados em Lei. 4.6.2.2. DA CLASSIFICAÇÃO DO AUNO A classificação em qualquer série do Ensino Fundamental (Séries Finais), Ensino Médio e Etapa da EJA (Ensino Médio) pode ser feita por: - promoção, para alunos que cursam a série anterior na própria Escola; - transferência, para alunos procedentes de outra escola; - independente da escolaridade anterior, mediante avaliação realizada pela Escola, que defina o grau de desenvolvimento e experiência do aluno e que permitam sua inscrição na série ou etapa adequada em conformidade com as normas do Sistema Estadual de Ensino.
  • 20. 20 4.6.2.3. DOS NÍVEIS DE PROMOÇÃO Considera-se aprovado o aluno que, ao final do período letivo, obtém aproveitamento igual ou superior a 60% (sessenta) e freqüência mínima de 75% (setenta e cinco). É considerado reprovado o aluno que obtém: - freqüência inferior a 75% durante o ano letivo; - aproveitamento inferior a 60%; O aproveitamento final é obtido através do somatório das notas dos trimestres. *EJA (Educação de Jovens e Adultos), conforme Plano de Estudos Próprio. 4.6.2.4. DOS AVANÇOS Cabe ao professor regente da disciplina e ao Serviço de Supervisão Escolar prever e organizar verificações apropriadas em períodos adequados, ao longo do desenvolvimento curricular, capazes de verificar o grau de conhecimento e adiantamento do aluno, permitindo-lhe avanços progressivos. Na EJA, o avanço para etapas seguintes será oferecido a partir da análise do crescimento do aluno, que é realizado pelos professores da etapa em que cada aluno se encontra e os da etapa seguinte. O avanço contemplará o progresso individual e contínuo de cada aluno, respeitando o ritmo de aprendizagem de cada um. Cabe à escola a responsabilidade de propiciar ao aluno a oportunidade de avançar quando seus esforços e potencialidades atingirem os objetivos estabelecidos para a etapa ou série cursada (conforme modalidade de ensino). Essa possibilidade de avanço será verificada no Conselho de Classe. 4.6.2.5. DA RECLASSIFICAÇÃO DO ALUNO A escola poderá reclassificar os alunos utilizando-se dela para situá-lo na série, visando integrá-lo no espaço-tempo adequado ao seu estágio de desenvolvimento e suas possibilidades de crescimento.
  • 21. 21 Compete ao Serviço de Supervisão Escolar a análise da documentação do aluno e, após a avaliação de aprendizagem, reclassificá-lo de acordo com a legislação vigente. 4.6.2.6. DO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe congrega os professores de cada turma da Escola, com vistas à planificação das atividades curriculares, do aproveitamento e assiduidade do aluno num momento de reflexão da prática educativa, tendo os componentes um papel decisório. O Conselho de Classe é constituído pelo Diretor da Escola o seu representante, Supervisor Escolar, Orientador Educacional, por todos os professores da turma. O Coordenador do Conselho é Supervisor Escolar auxiliado pelo Professor Conselheiro da Turma. O Conselho de Classe tem sua dinâmica e as atribuições de seus membros descritas no Projeto Político Pedagógico da Escola. 4.6.2.7. DOS CERTIFICADOS O Certificado de Conclusão do Ensino Fundamental, Ensino Médio e da EJA obedece à legislação vigente sendo entregue ao aluno concluinte, com o conhecimento dos pais, em caso de ao aluno ser menor de idade. A Escola confere ao aluno Certificado de Conclusão e o Histórico Escolar em duas vias. 5. NORMAS DE CONVIVÊNCIA NA ESCOLA As normas de convivência passam, necessariamente, por direitos e deveres.
  • 22. 22 5.1. DO CORPO DOCENTE O professor é o responsável direto pela execução do ato pedagógico, devendo toda a sua ação convergir para o alcance dos objetivos propostos. O Corpo Docente e Especialistas de Educação têm seus direitos, deveres e sanções embasados em legislação específica vigente. 5.2. DO CORPO DISCENTE O Corpo Discente é constituído pelo alunado da Escola. 5.2.1. DOS DIREITOS São direitos do aluno: I – receber educação inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana capaz de torná-lo auto-realizado, cidadão consciente e atuante na comunidade em que vive; II – conhecer o presente Regimento, solicitando, sempre que necessário, informações sobre o mesmo; III – expor suas dificuldades encontradas na aprendizagem e receber atendimento adequado; IV – apresentar sugestões relativas à melhoria da vida escolar; V – participar das atividades sociais, cívicas, religiosas, culturais e recreativas promovidas pela escola; VI – participar das atividades do Grêmio Estudantil e do Conselho Escolar; VII – votar e ser votado para cargos eletivos na diretoria do Grêmio Estudantil, para representante de turma e para Conselho Escolar, observando o Regimento próprio de cada instituição; VIII – escolher o professor Conselheiro de Turma, a partir dos nomes apresentados pelo Orientador Educacional; IX – prestar provas no momento previsto, ou fora dele, observando as disposições legais vigentes; X – solicitar esclarecimentos, oralmente ou por escrito, sobre o resultado da avaliação e revisão de provas, dentro do prazo estabelecido pela escola;
  • 23. 23 XI – ser respeitado em sua individualidade; XII – participar de atividades curriculares; XIII – participar da elaboração e avaliação do Projeto Político Pedagógico da Escola, através das entidades representativas, do Grêmio Estudantil e do Conselho Escolar. 5.2.2. DOS DEVERES São deveres do aluno: I – conhecer, respeitar e cumprir as normas regimentais da Escola; II – comparecer assídua e pontualmente à Escola, participando de todas as atividades curriculares; III – comunicar à Direção ou a representante legal a necessidade de saídas antecipadas; IV – justificar faltas dentro do prazo previsto; V – zelar pela conservação do prédio, mobiliário, equipamentos, material bibliográfico da Escola, responsabilizando-se pelos danos causados, individualmente ou em grupos; VI – cooperar na manutenção da ordem e higiene do ambiente escolar; VII – prestigiar os colegas investidos das funções de representantes de turma ou com encargos no Grêmio Estudantil e no Conselho Escolar; VIII – ter adequado comportamento social, concorrendo para o bom nome da escola; IX – tratar com respeito e cordialmente a Direção, professores, funcionários e colegas; X – informar aos pais as comunicações da Escola. 5.2.2. DAS MEDIDAS PEDAGÓGICAS Pela inobservância das regras de convivência da Escola, o aluno deve ser encaminhado a Direção da Escola, para que, junto com a família, receba acompanhamento necessário.
  • 24. 24 A Direção, Conselho Escolar e Coordenação Pedagógica, devem examinar criteriosamente as situações especiais e, somente após esgotados todos os recursos junto à família, efetivar encaminhamento ao Conselho Tutelar da região. 5.3. DOS FUNCIONÁRIOS O Funcionário, profissional que exerce atividades na Escola, tem seus direitos, deveres e sanções fundamentados em legislação específica vigente. 6. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Legislação de ensino, que modifique as disposições do presente Regimento, tem aplicação imediata e automática. Os casos omissos neste Regimento são solucionados pela Direção, ouvindo o Conselho Escolar e as partes envolvidas. Não havendo na Escola condições para a resolução do problema é formulada consulta por escrito aos Órgãos competentes da Secretaria de Educação, através da Coordenadoria Regional de Educação. Os serviços de apoio administrativo podem, eventualmente, ser acumulados por elemento da Secretaria enqunato a Escola não dispuser de recursos humanos. Este Regimento é dado a conhecer a todos os participantes da comunidade Escolar. Toda a publicação oficial que envolva a responsabilidade da Escola deve ser submetida à autorização do Diretor. A utilização do prédio e de suas dependências, do patrimônio da Escola para atividades estranhas à sua finalidade, ainda que de caráter oficial, deve ser autorizada previamente pelo Diretor, após consulta ao Conselho Escolar e à mantenedora em casos específicos.
  • 25. 25 7. DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS O Regimento e Quadro Síntese, aprovados e ainda em vigência para o ensino fundamental e médio continuam em vigor até a aprovação do regimento individualizado. Este Regimento entra em vigor após a emissão do órgão competente ato legal e nos termos do mesmo.