SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta:
O romantismo no Brasil encontrou no "mito do bom selvagem" uma maneira de enaltecer a
cultura nacional. A
produção com temática indígena ficou conhecida como "indianista".
Como contraposição ao português, nosso conquistador e colonizador, ou mesmo ao europeu,
e devidamente
distanciado do negro escravo, também "estrangeiro", o índio tornou-se o símbolo do homem
brasileiro, de sua
origem e originalidade, de seu caráter independente, puro (de "bom selvagem"), bravo e
honrado.
Ressalve-se, porém, que esse índio é compreendido através da óptica idealizadora do
romantismo e está longe
de corresponder a uma aproximação da realidade do índio brasileiro. Simboliza, antes, os
ideais de heroísmo e
humanidade das camadas cultas de nossa sociedade imperial.
No Romantismo europeu, esse papel foi exercido pela figura do cavaleiro medieval,
personagem histórica da
época de origem e formação das nações européias, que desempenhou o papel de herói em
várias obras literárias.
Substancialmente, o Indianismo está presente em nossas obras literárias românticas,
enquanto idealização e
valorização do índio, e também enquanto registro ou invenção imaginária de seu modo de
vida, costumes e
crenças, bem como de sua linguagem. Na época, tiveram impulso os estudos da língua tupi
antiga, cujos vocábulos
foram a partir de então aos poucos integrando a linguagem culta do Português escrito no
Brasil.
Os exemplos mais evidentes e significativos desse Indianismo podem ser encontrados na
poesia de Gonçalves
Dias e na prosa de José de Alencar.
QUESTÃO 1
A partir das discussões realizadas em sala de aula sobre o poema “I – Juca Pirama” de
Gonçalves Dias, explique –
através de um pequeno texto - porque o índio retratado nesta obra pode ser considerado o
típico cavaleiro
medieval.
O aluno deverá perceber que I Juca Pirama é o típico cavaleiro medieval por possuir
características nobres,
dignas, honradas, por ser capaz de abrir mão da própria dignidade e ser humilhado para voltar
e cuidar do
pai. Ele diz a verdade, ele é honrado e seu maior ato de heroísmo consiste no fato de aceitar a
humilhação na
frente de toda uma tribo por saber que tem que voltar vivo para cuidar do pai. Ao final do
poema ainda
prova sua bravura entregando-se à morte para provar que é digno de morrer.
QUESTÃO 2
Apesar de possuir as características de um herói, por que o velho tupi considera seu filho um
covarde? Justifique
sua resposta.
Porque na visão do pai ele foi um covarde por ter chorado na presença da morte e isso, para a
cultura
indígena representada pelo pai é um ato de covardia e não de heroísmo.
Leia o fragmento abaixo. A seguir, aponte, nomeando e dando exemplo, ou seja, mostrando
onde e/ou como aparecem no
texto
a) uma figura de linguagem utilizada;
b) um recurso sonoro empregado;
c) uma característica que indique ser este um poema do Romantismo.
Na Minha Terra
Amo o vento da noite sussurrante
A tremer nos pinheiros
E a cantiga do pobre caminhante
No rancho dos tropeiros;
E os monótonos sons de uma viola
No tardio verão,
E a estrada que além se desenrola
No véu da escuridão;
A restinga d’areia onde rebenta
O oceano a bramir,
Onde a lua na praia macilenta
Vem pálida luzir
(...)
E o longo vale de florinhas cheio
E a névoa que desceu,
Como véu de donzela em branco seio,
As estrelas do céu.
Álvares de Azevedo
Questão 1
Há notícias que são de interesse público e há notícias que são de interesse do público. Se a
celebridade "x" está saindo com o ator "y", isso não tem nenhum interesse público. Mas,
dependendo de quem
sejam "x" e "y", é de enorme interesse do público, ou de um certo público (numeroso), pelo
menos.
As decisões do Banco Central para conter a inflação têm óbvio interesse público. Mas quase
não
despertam interesse, a não ser dos entendidos.
O jornalismo transita entre essas duas exigências, desafiado a atender às demandas de uma
sociedade ao mesmo tempo massificada e segmentada, de um leitor que gravita cada vez mais
apenas em
torno de seus interesses particulares.
(Fernando Barros e Silva, O jornalista e o assassino. Folha de São Paulo (versão on line),
18/04/2011. Acessado em 20/12/2011.)
a) A palavra público é empregada no texto ora como substantivo, ora como adjetivo.
Exemplifique cada um
desses empregos com passagens do próprio texto e apresente o critério que você utilizou para
fazer a distinção.
b) Qual é, no texto, a diferença entre o que é chamado de interesse público e o que é chamado
de interesse do
público?
Resposta Esperada
Espera-se que o candidato apresente uma passagem em que público é um substantivo (como
em “há notícias
que são de interesse do público”) e uma passagem em que público é um adjetivo (como em
“...têm óbvio
interesse público”). O candidato também deve explicitar o critério linguístico empregado para
distinguir um caso
do outro. Esse critério pode ser de base sintática ou morfossintática (por exemplo, o emprego
do artigo antes de
público em sua ocorrência como substantivo; a função sintática assumida pelo termo – núcleo
de um sintagma
nominal quando substantivo e modificador/adjunto adnominal quando adjetivo; concordância
de público com
interesse quando o primeiro funciona como um adjetivo) ou, ainda, de base semântica (por
exemplo, no caso em
que é empregado para designar ou nomear, público é um substantivo; quando é empregado
para caracterizar
ou qualificar, público é um adjetivo). Também se espera que o candidato diga qual é a
diferença, no texto, entre
interesse público e interesse do público: o primeiro diz respeito a fatos que devem ser, de
direito e dever, do
conhecimento de toda a sociedade; já o segundo diz respeito a fatos sobre os quais as pessoas
procuram se
informar em função de interesses particulares, independentemente de tais fatos afetarem ou
não a sociedade
como um todo.
Questão 3
TEXTO I
Entre 1995 e 2008, 12,8 milhões de pessoas
saíram da condição de pobreza absoluta
(rendimento médio domiciliar per capita até meio
salário mínimo mensal), permitindo que a taxa
nacional dessa categoria de pobreza caísse
33,6%, passando de 43,4% para 28,8%.
No caso da taxa de pobreza extrema (rendimento
médio domiciliar per capita de até um quarto de
salário mínimo mensal), observa-se um
contingente de 13,1 milhões de brasileiros a
superar essa condição, o que possibilitou reduzir
em 49,8% a taxa nacional dessa categoria de
pobreza, de 20,9%, em 1995, para 10,5%, em
2008.
(Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por
estado no Brasil, Comunicados do IPEA, 13/07/2010, p. 3.)
TEXTO II
(BENETT, chargesdobenett.zip.net. Acessado em 21/10/2011.)
a) Podemos relacionar os termos miséria e pobreza, presentes no TEXTO II, a dois conceitos
que são abordados
no TEXTO I. Identifique esses conceitos e explique por que eles podem ser relacionados às
noções de miséria e
pobreza.
b) Que crítica é apresentada no TEXTO II? Mostre como a charge constrói essa crítica.
Resposta Esperada
O candidato deve indicar que os termos miséria e pobreza do texto II podem ser relacionados,
respectivamente,
a pobreza extrema e pobreza absoluta do texto I, explicando que o conceito de pobreza
extrema (renda per
capita de até 1/4 do salário mínimo) indica uma situação pior que a apontada pelo conceito de
pobreza absoluta
(renda per capita de até 1/2 salário mínimo). O candidato deve ainda mostrar que a crítica
construída pela
charge é relativa aos critérios que são usados para estabelecer a distinção entre miséria e
pobreza. Finalmente,
espera-se que o candidato destaque elementos verbais e não verbais da charge que
evidenciam a crítica, tais
como: o conteúdo do diálogo entre as personagens, que sugere uma divisão entre pobreza e
miséria e, ao
mesmo tempo, a impossibilidade de estabelecer concretamente essa divisão; e o cenário
desenhado, que mostra LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS
Provas Comentadas• Língua Portuguesa e Literaturas• 2ª Fase
dois lados de uma favela, divididos por um esgoto a céu aberto, sem que haja qualquer sinal,
no cenário em
questão, que permita distinguir a miséria da pobreza.
Questão 7
O excerto abaixo foi extraído do poema Balada Feroz, de Vinícius de Moraes.
(...) Lança o teu poema inocente sobre o rio venéreo engolindo as cidades
Sobre os casebres onde os escorpiões se matam à visão dos amores miseráveis
Deita a tua alma sobre a podridão das latrinas e das fossas
Por onde passou a miséria da condição dos escravos e dos gênios. (...)
Amarra-te aos pés das garças e solta-as para que te levem
E quando a decomposição dos campos de guerra te ferir as narinas, lança-te sobre a cidade
mortuária
Cava a terra por entre as tumefações e se encontrares um velho canhão soterrado, volta
E vem atirar sobre as borboletas cintilando cores que comem as fezes verdes das estradas.
(...)
Suga aos cínicos o cinismo, aos covardes o medo, aos avaros o ouro
E para que apodreçam como porcos, injeta-os de pureza!
E com todo esse pus, faz um poema puro
E deixa-o ir, armado cavaleiro, pela vida
E ri e canta dos que pasmados o abrigarem
E dos que por medo dele te derem em troca a mulher e o pão.
Canta! canta, porque cantar é a missão do poeta
E dança, porque dançar é o destino da pureza
Faz para os cemitérios e para os lares o teu grande gesto obsceno
Carne morta ou carne viva – toma! Agora falo eu que sou um!
(Vinícius de Moraes, Antologia Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 51-
53.)LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS
Provas Comentadas• Língua Portuguesa e Literaturas• 2ª Fase
a) Como é próprio do modernismo poético, os versos acima contrariam a linguagem mais
depurada e as
imagens mais elevadas da lírica tradicional. Como podemos definir as imagens predominantes
em Balada feroz?
A que se referem tais imagens?
b) Qual é o papel da poesia e do poeta diante da realidade representada?
Questão 9
Os excertos abaixo foram extraídos do Auto da barca do inferno, de Gil Vicente.
(...) FIDALGO:Que leixo na outra vida
quem reze sempre por mi.
DIABO:(...) E tu viveste a teu prazer,
cuidando cá guarecer
por que rezem lá por ti!...(...)
ANJO:Que querês?
FIDALGO:Que me digais,
pois parti tão sem aviso,
se a barca do paraíso
é esta em que navegais.
ANJO:Esta é; que me demandais?
FIDALGO:Que me leixês embarcar.
sô fidalgo de solar,
é bem que me recolhais.
ANJO:Não se embarca tirania
neste batel divinal.
FIDALGO:Não sei por que haveis por mal
Que entr’a minha senhoria.
ANJO:Pera vossa fantesia
mui estreita é esta barca.
FIDALGO:Pera senhor de tal marca
nom há aqui mais cortesia? (...)
ANJO:Não vindes vós de maneira
pera ir neste navio.
Essoutro vai mais vazio:
a cadeira entrará
e o rabo caberá
e todo vosso senhorio.
Vós irês mais espaçoso
com fumosa senhoria,
cuidando na tirania
do pobre povo queixoso;
e porque, de generoso,
desprezastes os pequenos,
achar-vos-eis tanto menos
quanto mais fostes fumoso. (…)
SAPATEIRO:(...) E pera onde é a viagem?
DIABO:Pera o lago dos danados.
SAPATEIRO:Os que morrem confessados,
onde têm sua passagem?
DIABO:Nom cures de mais linguagem!
Esta é a tua barca, esta!
(...) E tu morreste excomungado:
não o quiseste dizer.
Esperavas de viver,
calaste dous mil enganos...
tu roubaste bem trint'anos
o povo com teu mester. (...)
SAPATEIRO:Pois digo-te que não quero!
DIABO:Que te pês, hás-de ir, si, si!
SAPATEIRO:Quantas missas eu ouvi,
não me hão elas de prestar?
DIABO:Ouvir missa, então roubar,
é caminho per'aqui.
(Gil Vicente, Auto da barca do inferno, em Cleonice Berardinelli (org.), Antologia do teatro de
Gil Vicente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Brasília: INL, 1984, p. 57-59
e 68-69.)
a) Por que razão específica o fidalgo é condenado a seguir na barca do inferno? E o sapateiro?
b) Além das faltas específicas desses personagens, há uma outra, comum a ambos e bastante
praticada à época, que Gil
Vicente condena. Identifique essa falta e indique de que modo ela aparece em cada um dos
personagens
Resposta Esperada
Como razão da condenação do fidalgo, espera-se que o candidato identifique a soberba, a
arrogância, a
presunção, a reivindicação de prerrogativas para os de sua classe ou a tirania exercida sobre “o
pobre povo
queixoso”. O sapateiro, por sua vez, é acusado de enganar e roubar o povo por meio de seu
ofício (mester). O
candidato deve ainda identificar como falta comum aos dois personagens a prática vã da
religião. No caso do
fidalgo, essa prática se evidencia no fato de ele mandar que outras pessoas rezem em seu
lugar. Já o sapateiro
alega ter ouvido missase se confessado antes de morrer, escondendo que morrera
excomungad
Questão 10
Os trechos a seguir foram extraídos de Memórias de um sargento de milíciase Vidas secas,
respectivamente.
O som daquela voz que dissera “abra a porta” lançara entre eles, como dissemos, o espanto e
o medo. E não foi sem razão; era
ela o anúncio de um grande aperto, de que por certo não poderiam escapar. Nesse tempo
ainda não estava organizada a polícia da
cidade, ou antes estava-o de um modo em harmonia com as tendências e ideias da época. O
major Vidigal era o rei absoluto, o
árbitro supremo de tudo o que dizia respeito a esse ramo de administração; era o juiz que
julgava e distribuía a pena, e ao mesmo
tempo o guarda que dava caça aos criminosos; nas causas da sua imensa alçada não haviam
testemunhas, nem provas, nem
razões, nem processo; ele resumia tudo em si; a sua justiça era infalível; não havia apelação
das sentenças que dava, fazia o que
queria, ninguém lhe tomava contas. Exercia enfim uma espécie de inquirição policial.
Entretanto, façamos-lhe justiça, dados os
descontos necessários às ideias do tempo, em verdade não abusava ele muito de seu poder, e
o empregava em certos casos muito
bem empregado.
(Manuel Antônio de Almeida, Memórias de um sargento de milícias. Rio de Janeiro: Livros
Técnicos e Científicos, 1978, p. 21.)
Nesse ponto um soldado amarelo aproximou-se e bateu familiarmente no ombro de Fabiano:
– Como é, camarada? Vamos jogar um trinta-e-um lá dentro?
Fabiano atentou na farda com respeito e gaguejou, procurando as palavras de seu Tomás da
bolandeira:
– Isto é. Vamos e não vamos. Quer dizer. Enfim, contanto, etc. É conforme.
Levantou-se e caminhou atrás do amarelo, que era autoridade e mandava. Fabiano sempre
havia obedecido. Tinha muque e
substância, mas pensava pouco, desejava pouco e obedecia.
(Graciliano Ramos, Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 2007, p. 28.)
a) Que semelhanças e diferenças podem ser apontadas entre o Major Vidigal, de Memórias de
um sargento de
milícias, e o soldado amarelo, de Vidas secas?
b) Como essas semelhanças e diferenças se relacionam com as características de cada uma das
obras?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros textuais no enem 2014
Gêneros textuais no enem 2014Gêneros textuais no enem 2014
Gêneros textuais no enem 2014ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do enem 2013: Compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2013: Compreensão textualSegunda aplicação do enem 2013: Compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2013: Compreensão textualma.no.el.ne.ves
 
VESTIBULAR UNICAP 2014.1 - PROVAS E GABARITOS
VESTIBULAR UNICAP 2014.1 - PROVAS E GABARITOSVESTIBULAR UNICAP 2014.1 - PROVAS E GABARITOS
VESTIBULAR UNICAP 2014.1 - PROVAS E GABARITOSIsaquel Silva
 
Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Fabricio Souza
 
3º médio gabarito Hexa
3º médio   gabarito Hexa3º médio   gabarito Hexa
3º médio gabarito HexaFátima Lima
 
Segunda aplicação do enem 2009, compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2009, compreensão textualSegunda aplicação do enem 2009, compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2009, compreensão textualma.no.el.ne.ves
 
Trabalhadores protagonistas do discurso no conto de Machado de Assis "Pai con...
Trabalhadores protagonistas do discurso no conto de Machado de Assis "Pai con...Trabalhadores protagonistas do discurso no conto de Machado de Assis "Pai con...
Trabalhadores protagonistas do discurso no conto de Machado de Assis "Pai con...LinTrab
 
Linguagens Códigos E suas Tecnologias
Linguagens Códigos E suas Tecnologias Linguagens Códigos E suas Tecnologias
Linguagens Códigos E suas Tecnologias André Valença
 
Simulado de Língua Portuguesa Ensino Médio
Simulado de Língua Portuguesa Ensino MédioSimulado de Língua Portuguesa Ensino Médio
Simulado de Língua Portuguesa Ensino MédioMarcia Oliveira
 
Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010ma.no.el.ne.ves
 
Gabarito comentado ling mat final
Gabarito comentado ling mat finalGabarito comentado ling mat final
Gabarito comentado ling mat finalColégio Parthenon
 
Enem e Língua Portuguesa
Enem e Língua PortuguesaEnem e Língua Portuguesa
Enem e Língua PortuguesaLadjane Pereira
 

Mais procurados (20)

Gêneros textuais no enem 2014
Gêneros textuais no enem 2014Gêneros textuais no enem 2014
Gêneros textuais no enem 2014
 
Segunda aplicação do enem 2013: Compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2013: Compreensão textualSegunda aplicação do enem 2013: Compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2013: Compreensão textual
 
VESTIBULAR UNICAP 2014.1 - PROVAS E GABARITOS
VESTIBULAR UNICAP 2014.1 - PROVAS E GABARITOSVESTIBULAR UNICAP 2014.1 - PROVAS E GABARITOS
VESTIBULAR UNICAP 2014.1 - PROVAS E GABARITOS
 
Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Interpretação textual 2
Interpretação textual 2
 
3º médio gabarito Hexa
3º médio   gabarito Hexa3º médio   gabarito Hexa
3º médio gabarito Hexa
 
Segunda aplicação do enem 2009, compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2009, compreensão textualSegunda aplicação do enem 2009, compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2009, compreensão textual
 
Trabalhadores protagonistas do discurso no conto de Machado de Assis "Pai con...
Trabalhadores protagonistas do discurso no conto de Machado de Assis "Pai con...Trabalhadores protagonistas do discurso no conto de Machado de Assis "Pai con...
Trabalhadores protagonistas do discurso no conto de Machado de Assis "Pai con...
 
Linguagens Códigos E suas Tecnologias
Linguagens Códigos E suas Tecnologias Linguagens Códigos E suas Tecnologias
Linguagens Códigos E suas Tecnologias
 
Simulado de Língua Portuguesa Ensino Médio
Simulado de Língua Portuguesa Ensino MédioSimulado de Língua Portuguesa Ensino Médio
Simulado de Língua Portuguesa Ensino Médio
 
Simulado de literatura
Simulado de literaturaSimulado de literatura
Simulado de literatura
 
Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
 
Literatura Tipo A
Literatura Tipo ALiteratura Tipo A
Literatura Tipo A
 
Teste de sondagem bbs 2011
Teste de sondagem   bbs 2011Teste de sondagem   bbs 2011
Teste de sondagem bbs 2011
 
Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010
 
Aula ocaderno2ano
Aula ocaderno2anoAula ocaderno2ano
Aula ocaderno2ano
 
Gabarito comentado ling mat final
Gabarito comentado ling mat finalGabarito comentado ling mat final
Gabarito comentado ling mat final
 
Gabof cfs me_bct2014cod04
Gabof cfs me_bct2014cod04Gabof cfs me_bct2014cod04
Gabof cfs me_bct2014cod04
 
Enem e Língua Portuguesa
Enem e Língua PortuguesaEnem e Língua Portuguesa
Enem e Língua Portuguesa
 
Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013
 

Semelhante a Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta

Aula um li ngua de portuguesa elizandra
Aula um li ngua de portuguesa elizandraAula um li ngua de portuguesa elizandra
Aula um li ngua de portuguesa elizandraDiedNuenf
 
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docxAvaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docxSAMARASILVANOGUEIRAP
 
Como está seu conhecimento em Interpretação de Texto
Como está seu conhecimento em Interpretação de TextoComo está seu conhecimento em Interpretação de Texto
Como está seu conhecimento em Interpretação de Textomararute
 
Caderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularCaderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularpibidletrasifpa
 
Tipologias Textuais.pptx
Tipologias Textuais.pptxTipologias Textuais.pptx
Tipologias Textuais.pptxTaynara Vieira
 
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOSPEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOSValdeci Correia
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismovinivs
 
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdfFICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdfNatália Moura
 
Charge - interpretação 9° Ano.pdf
Charge - interpretação 9° Ano.pdfCharge - interpretação 9° Ano.pdf
Charge - interpretação 9° Ano.pdfDanielaMonteiro32311
 
Como escrever um bom parágrafo | Aula Sandra Portugal | 18/02/2014
Como escrever um bom parágrafo | Aula Sandra Portugal | 18/02/2014Como escrever um bom parágrafo | Aula Sandra Portugal | 18/02/2014
Como escrever um bom parágrafo | Aula Sandra Portugal | 18/02/2014Universidade das Quebradas
 
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio  Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio Lenivaldo Costa
 
Autoconceito: a construção de um novo ethos para o consumidor de baixa renda
Autoconceito: a construção de um novo ethos para o consumidor de baixa rendaAutoconceito: a construção de um novo ethos para o consumidor de baixa renda
Autoconceito: a construção de um novo ethos para o consumidor de baixa rendaPimenta Cultural
 
oficina de língua portuguesa ii
oficina de língua portuguesa iioficina de língua portuguesa ii
oficina de língua portuguesa iiDaniel Costa
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioQuestões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioEwerton Gindri
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioQuestões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioEwerton Gindri
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário Ewerton Gindri
 

Semelhante a Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta (20)

Aula um li ngua de portuguesa elizandra
Aula um li ngua de portuguesa elizandraAula um li ngua de portuguesa elizandra
Aula um li ngua de portuguesa elizandra
 
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docxAvaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
 
Como está seu conhecimento em Interpretação de Texto
Como está seu conhecimento em Interpretação de TextoComo está seu conhecimento em Interpretação de Texto
Como está seu conhecimento em Interpretação de Texto
 
Caderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularCaderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibular
 
Tipologias Textuais.pptx
Tipologias Textuais.pptxTipologias Textuais.pptx
Tipologias Textuais.pptx
 
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOSPEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
FUVEST 2014
FUVEST 2014FUVEST 2014
FUVEST 2014
 
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdfFICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
 
Charge - interpretação 9° Ano.pdf
Charge - interpretação 9° Ano.pdfCharge - interpretação 9° Ano.pdf
Charge - interpretação 9° Ano.pdf
 
Como escrever um bom parágrafo | Aula Sandra Portugal | 18/02/2014
Como escrever um bom parágrafo | Aula Sandra Portugal | 18/02/2014Como escrever um bom parágrafo | Aula Sandra Portugal | 18/02/2014
Como escrever um bom parágrafo | Aula Sandra Portugal | 18/02/2014
 
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio  Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
 
Autoconceito: a construção de um novo ethos para o consumidor de baixa renda
Autoconceito: a construção de um novo ethos para o consumidor de baixa rendaAutoconceito: a construção de um novo ethos para o consumidor de baixa renda
Autoconceito: a construção de um novo ethos para o consumidor de baixa renda
 
oficina de língua portuguesa ii
oficina de língua portuguesa iioficina de língua portuguesa ii
oficina de língua portuguesa ii
 
Aula cursinho
Aula cursinhoAula cursinho
Aula cursinho
 
Lista romantismo
Lista romantismoLista romantismo
Lista romantismo
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioQuestões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literárioQuestões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 
Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário Questões sobre o realismo literário
Questões sobre o realismo literário
 

Mais de Kênia Machado

A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituraKênia Machado
 
Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Kênia Machado
 
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasLinguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasKênia Machado
 
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivosKênia Machado
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituraKênia Machado
 
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaLinguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaKênia Machado
 
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoGabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoKênia Machado
 
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoLinguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoKênia Machado
 
2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literaturaKênia Machado
 
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasRevisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasKênia Machado
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestinaKênia Machado
 

Mais de Kênia Machado (20)

A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
1º ano
1º ano1º ano
1º ano
 
Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1
 
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasLinguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
 
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaLinguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
 
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoGabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
 
Linguagensrevisão
LinguagensrevisãoLinguagensrevisão
Linguagensrevisão
 
Novoacordoortografico
NovoacordoortograficoNovoacordoortografico
Novoacordoortografico
 
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoLinguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
 
Quem foi tomie ohtake
Quem foi tomie ohtakeQuem foi tomie ohtake
Quem foi tomie ohtake
 
2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura
 
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasRevisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
 
1ppportugues1ano (1)
1ppportugues1ano (1)1ppportugues1ano (1)
1ppportugues1ano (1)
 
1ppliteratura1ano (1)
1ppliteratura1ano (1)1ppliteratura1ano (1)
1ppliteratura1ano (1)
 
Dicas de português1
Dicas de português1Dicas de português1
Dicas de português1
 
Tc de literatura6º
Tc de literatura6ºTc de literatura6º
Tc de literatura6º
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestina
 

Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta

  • 1. Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta: O romantismo no Brasil encontrou no "mito do bom selvagem" uma maneira de enaltecer a cultura nacional. A produção com temática indígena ficou conhecida como "indianista". Como contraposição ao português, nosso conquistador e colonizador, ou mesmo ao europeu, e devidamente distanciado do negro escravo, também "estrangeiro", o índio tornou-se o símbolo do homem brasileiro, de sua origem e originalidade, de seu caráter independente, puro (de "bom selvagem"), bravo e honrado. Ressalve-se, porém, que esse índio é compreendido através da óptica idealizadora do romantismo e está longe de corresponder a uma aproximação da realidade do índio brasileiro. Simboliza, antes, os ideais de heroísmo e humanidade das camadas cultas de nossa sociedade imperial. No Romantismo europeu, esse papel foi exercido pela figura do cavaleiro medieval, personagem histórica da época de origem e formação das nações européias, que desempenhou o papel de herói em várias obras literárias. Substancialmente, o Indianismo está presente em nossas obras literárias românticas, enquanto idealização e valorização do índio, e também enquanto registro ou invenção imaginária de seu modo de vida, costumes e crenças, bem como de sua linguagem. Na época, tiveram impulso os estudos da língua tupi antiga, cujos vocábulos foram a partir de então aos poucos integrando a linguagem culta do Português escrito no Brasil. Os exemplos mais evidentes e significativos desse Indianismo podem ser encontrados na poesia de Gonçalves Dias e na prosa de José de Alencar. QUESTÃO 1 A partir das discussões realizadas em sala de aula sobre o poema “I – Juca Pirama” de Gonçalves Dias, explique –
  • 2. através de um pequeno texto - porque o índio retratado nesta obra pode ser considerado o típico cavaleiro medieval. O aluno deverá perceber que I Juca Pirama é o típico cavaleiro medieval por possuir características nobres, dignas, honradas, por ser capaz de abrir mão da própria dignidade e ser humilhado para voltar e cuidar do pai. Ele diz a verdade, ele é honrado e seu maior ato de heroísmo consiste no fato de aceitar a humilhação na frente de toda uma tribo por saber que tem que voltar vivo para cuidar do pai. Ao final do poema ainda prova sua bravura entregando-se à morte para provar que é digno de morrer. QUESTÃO 2 Apesar de possuir as características de um herói, por que o velho tupi considera seu filho um covarde? Justifique sua resposta. Porque na visão do pai ele foi um covarde por ter chorado na presença da morte e isso, para a cultura indígena representada pelo pai é um ato de covardia e não de heroísmo. Leia o fragmento abaixo. A seguir, aponte, nomeando e dando exemplo, ou seja, mostrando onde e/ou como aparecem no texto a) uma figura de linguagem utilizada; b) um recurso sonoro empregado; c) uma característica que indique ser este um poema do Romantismo. Na Minha Terra Amo o vento da noite sussurrante A tremer nos pinheiros E a cantiga do pobre caminhante No rancho dos tropeiros;
  • 3. E os monótonos sons de uma viola No tardio verão, E a estrada que além se desenrola No véu da escuridão; A restinga d’areia onde rebenta O oceano a bramir, Onde a lua na praia macilenta Vem pálida luzir (...) E o longo vale de florinhas cheio E a névoa que desceu, Como véu de donzela em branco seio, As estrelas do céu. Álvares de Azevedo Questão 1 Há notícias que são de interesse público e há notícias que são de interesse do público. Se a celebridade "x" está saindo com o ator "y", isso não tem nenhum interesse público. Mas, dependendo de quem sejam "x" e "y", é de enorme interesse do público, ou de um certo público (numeroso), pelo menos. As decisões do Banco Central para conter a inflação têm óbvio interesse público. Mas quase não despertam interesse, a não ser dos entendidos. O jornalismo transita entre essas duas exigências, desafiado a atender às demandas de uma sociedade ao mesmo tempo massificada e segmentada, de um leitor que gravita cada vez mais apenas em torno de seus interesses particulares.
  • 4. (Fernando Barros e Silva, O jornalista e o assassino. Folha de São Paulo (versão on line), 18/04/2011. Acessado em 20/12/2011.) a) A palavra público é empregada no texto ora como substantivo, ora como adjetivo. Exemplifique cada um desses empregos com passagens do próprio texto e apresente o critério que você utilizou para fazer a distinção. b) Qual é, no texto, a diferença entre o que é chamado de interesse público e o que é chamado de interesse do público? Resposta Esperada Espera-se que o candidato apresente uma passagem em que público é um substantivo (como em “há notícias que são de interesse do público”) e uma passagem em que público é um adjetivo (como em “...têm óbvio interesse público”). O candidato também deve explicitar o critério linguístico empregado para distinguir um caso do outro. Esse critério pode ser de base sintática ou morfossintática (por exemplo, o emprego do artigo antes de público em sua ocorrência como substantivo; a função sintática assumida pelo termo – núcleo de um sintagma nominal quando substantivo e modificador/adjunto adnominal quando adjetivo; concordância de público com interesse quando o primeiro funciona como um adjetivo) ou, ainda, de base semântica (por exemplo, no caso em que é empregado para designar ou nomear, público é um substantivo; quando é empregado para caracterizar ou qualificar, público é um adjetivo). Também se espera que o candidato diga qual é a diferença, no texto, entre interesse público e interesse do público: o primeiro diz respeito a fatos que devem ser, de direito e dever, do conhecimento de toda a sociedade; já o segundo diz respeito a fatos sobre os quais as pessoas procuram se informar em função de interesses particulares, independentemente de tais fatos afetarem ou não a sociedade
  • 5. como um todo. Questão 3 TEXTO I Entre 1995 e 2008, 12,8 milhões de pessoas saíram da condição de pobreza absoluta (rendimento médio domiciliar per capita até meio salário mínimo mensal), permitindo que a taxa nacional dessa categoria de pobreza caísse 33,6%, passando de 43,4% para 28,8%. No caso da taxa de pobreza extrema (rendimento médio domiciliar per capita de até um quarto de salário mínimo mensal), observa-se um contingente de 13,1 milhões de brasileiros a superar essa condição, o que possibilitou reduzir em 49,8% a taxa nacional dessa categoria de pobreza, de 20,9%, em 1995, para 10,5%, em 2008. (Dimensão, evolução e projeção da pobreza por região e por estado no Brasil, Comunicados do IPEA, 13/07/2010, p. 3.) TEXTO II (BENETT, chargesdobenett.zip.net. Acessado em 21/10/2011.) a) Podemos relacionar os termos miséria e pobreza, presentes no TEXTO II, a dois conceitos que são abordados no TEXTO I. Identifique esses conceitos e explique por que eles podem ser relacionados às noções de miséria e pobreza. b) Que crítica é apresentada no TEXTO II? Mostre como a charge constrói essa crítica. Resposta Esperada
  • 6. O candidato deve indicar que os termos miséria e pobreza do texto II podem ser relacionados, respectivamente, a pobreza extrema e pobreza absoluta do texto I, explicando que o conceito de pobreza extrema (renda per capita de até 1/4 do salário mínimo) indica uma situação pior que a apontada pelo conceito de pobreza absoluta (renda per capita de até 1/2 salário mínimo). O candidato deve ainda mostrar que a crítica construída pela charge é relativa aos critérios que são usados para estabelecer a distinção entre miséria e pobreza. Finalmente, espera-se que o candidato destaque elementos verbais e não verbais da charge que evidenciam a crítica, tais como: o conteúdo do diálogo entre as personagens, que sugere uma divisão entre pobreza e miséria e, ao mesmo tempo, a impossibilidade de estabelecer concretamente essa divisão; e o cenário desenhado, que mostra LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS Provas Comentadas• Língua Portuguesa e Literaturas• 2ª Fase dois lados de uma favela, divididos por um esgoto a céu aberto, sem que haja qualquer sinal, no cenário em questão, que permita distinguir a miséria da pobreza. Questão 7 O excerto abaixo foi extraído do poema Balada Feroz, de Vinícius de Moraes. (...) Lança o teu poema inocente sobre o rio venéreo engolindo as cidades Sobre os casebres onde os escorpiões se matam à visão dos amores miseráveis Deita a tua alma sobre a podridão das latrinas e das fossas Por onde passou a miséria da condição dos escravos e dos gênios. (...) Amarra-te aos pés das garças e solta-as para que te levem E quando a decomposição dos campos de guerra te ferir as narinas, lança-te sobre a cidade mortuária Cava a terra por entre as tumefações e se encontrares um velho canhão soterrado, volta E vem atirar sobre as borboletas cintilando cores que comem as fezes verdes das estradas.
  • 7. (...) Suga aos cínicos o cinismo, aos covardes o medo, aos avaros o ouro E para que apodreçam como porcos, injeta-os de pureza! E com todo esse pus, faz um poema puro E deixa-o ir, armado cavaleiro, pela vida E ri e canta dos que pasmados o abrigarem E dos que por medo dele te derem em troca a mulher e o pão. Canta! canta, porque cantar é a missão do poeta E dança, porque dançar é o destino da pureza Faz para os cemitérios e para os lares o teu grande gesto obsceno Carne morta ou carne viva – toma! Agora falo eu que sou um! (Vinícius de Moraes, Antologia Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 51- 53.)LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS Provas Comentadas• Língua Portuguesa e Literaturas• 2ª Fase a) Como é próprio do modernismo poético, os versos acima contrariam a linguagem mais depurada e as imagens mais elevadas da lírica tradicional. Como podemos definir as imagens predominantes em Balada feroz? A que se referem tais imagens? b) Qual é o papel da poesia e do poeta diante da realidade representada? Questão 9 Os excertos abaixo foram extraídos do Auto da barca do inferno, de Gil Vicente. (...) FIDALGO:Que leixo na outra vida quem reze sempre por mi. DIABO:(...) E tu viveste a teu prazer, cuidando cá guarecer por que rezem lá por ti!...(...) ANJO:Que querês? FIDALGO:Que me digais,
  • 8. pois parti tão sem aviso, se a barca do paraíso é esta em que navegais. ANJO:Esta é; que me demandais? FIDALGO:Que me leixês embarcar. sô fidalgo de solar, é bem que me recolhais. ANJO:Não se embarca tirania neste batel divinal. FIDALGO:Não sei por que haveis por mal Que entr’a minha senhoria. ANJO:Pera vossa fantesia mui estreita é esta barca. FIDALGO:Pera senhor de tal marca nom há aqui mais cortesia? (...) ANJO:Não vindes vós de maneira pera ir neste navio. Essoutro vai mais vazio: a cadeira entrará e o rabo caberá e todo vosso senhorio. Vós irês mais espaçoso com fumosa senhoria, cuidando na tirania do pobre povo queixoso; e porque, de generoso, desprezastes os pequenos,
  • 9. achar-vos-eis tanto menos quanto mais fostes fumoso. (…) SAPATEIRO:(...) E pera onde é a viagem? DIABO:Pera o lago dos danados. SAPATEIRO:Os que morrem confessados, onde têm sua passagem? DIABO:Nom cures de mais linguagem! Esta é a tua barca, esta! (...) E tu morreste excomungado: não o quiseste dizer. Esperavas de viver, calaste dous mil enganos... tu roubaste bem trint'anos o povo com teu mester. (...) SAPATEIRO:Pois digo-te que não quero! DIABO:Que te pês, hás-de ir, si, si! SAPATEIRO:Quantas missas eu ouvi, não me hão elas de prestar? DIABO:Ouvir missa, então roubar, é caminho per'aqui. (Gil Vicente, Auto da barca do inferno, em Cleonice Berardinelli (org.), Antologia do teatro de Gil Vicente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Brasília: INL, 1984, p. 57-59 e 68-69.) a) Por que razão específica o fidalgo é condenado a seguir na barca do inferno? E o sapateiro? b) Além das faltas específicas desses personagens, há uma outra, comum a ambos e bastante praticada à época, que Gil Vicente condena. Identifique essa falta e indique de que modo ela aparece em cada um dos personagens Resposta Esperada
  • 10. Como razão da condenação do fidalgo, espera-se que o candidato identifique a soberba, a arrogância, a presunção, a reivindicação de prerrogativas para os de sua classe ou a tirania exercida sobre “o pobre povo queixoso”. O sapateiro, por sua vez, é acusado de enganar e roubar o povo por meio de seu ofício (mester). O candidato deve ainda identificar como falta comum aos dois personagens a prática vã da religião. No caso do fidalgo, essa prática se evidencia no fato de ele mandar que outras pessoas rezem em seu lugar. Já o sapateiro alega ter ouvido missase se confessado antes de morrer, escondendo que morrera excomungad Questão 10 Os trechos a seguir foram extraídos de Memórias de um sargento de milíciase Vidas secas, respectivamente. O som daquela voz que dissera “abra a porta” lançara entre eles, como dissemos, o espanto e o medo. E não foi sem razão; era ela o anúncio de um grande aperto, de que por certo não poderiam escapar. Nesse tempo ainda não estava organizada a polícia da cidade, ou antes estava-o de um modo em harmonia com as tendências e ideias da época. O major Vidigal era o rei absoluto, o árbitro supremo de tudo o que dizia respeito a esse ramo de administração; era o juiz que julgava e distribuía a pena, e ao mesmo tempo o guarda que dava caça aos criminosos; nas causas da sua imensa alçada não haviam testemunhas, nem provas, nem razões, nem processo; ele resumia tudo em si; a sua justiça era infalível; não havia apelação das sentenças que dava, fazia o que queria, ninguém lhe tomava contas. Exercia enfim uma espécie de inquirição policial. Entretanto, façamos-lhe justiça, dados os descontos necessários às ideias do tempo, em verdade não abusava ele muito de seu poder, e o empregava em certos casos muito bem empregado. (Manuel Antônio de Almeida, Memórias de um sargento de milícias. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1978, p. 21.)
  • 11. Nesse ponto um soldado amarelo aproximou-se e bateu familiarmente no ombro de Fabiano: – Como é, camarada? Vamos jogar um trinta-e-um lá dentro? Fabiano atentou na farda com respeito e gaguejou, procurando as palavras de seu Tomás da bolandeira: – Isto é. Vamos e não vamos. Quer dizer. Enfim, contanto, etc. É conforme. Levantou-se e caminhou atrás do amarelo, que era autoridade e mandava. Fabiano sempre havia obedecido. Tinha muque e substância, mas pensava pouco, desejava pouco e obedecia. (Graciliano Ramos, Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 2007, p. 28.) a) Que semelhanças e diferenças podem ser apontadas entre o Major Vidigal, de Memórias de um sargento de milícias, e o soldado amarelo, de Vidas secas? b) Como essas semelhanças e diferenças se relacionam com as características de cada uma das obras?