SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
QUEM FOI TOMIE OHTAKE
Tomie Ohtake, natural de Kyoto (Japão) chega ao Brasil em 1936 e fixa-se em São Paulo. Inicia seus
estudos de pintura em 1952, com o artista plástico japonês Keisuke Sugano. Em 1953, integra o Grupo
Seibi ao lado de Flávio-Shiró, Kaminagai, Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, entre outros. Em 1969,
começa a trabalhar com serigrafia e posteriormente executa litografias e gravuras em metal. Realiza
diversas obras públicas, como o painel pintado no Edifício Santa Mônica, na Ladeira da Memória, em
São Paulo; a escultura Estrela do Mar, na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro; a escultura em
homenagem aos oitenta anos da imigração japonesa no Brasil e painéis para o Memorial da América
Latina. Em 2000, é lançado em São Paulo o Instituto Tomie Ohtake, idealizado e coordenado por
Ricardo Ohtake e projetado por Ruy Ohtake.
A seu respeito escreveu Clarival do Prado Valladares: “De acordo com alguns críticos, a pintura de
Tomie Ohtake corresponde a um dos pontos mais elevados do abstracionismo já produzido no Brasil.
(...) Quando observamos as grandes manchas das telas de Tomie Ohtake percorrerem quase o
imensurável das variações tonais de uma cor básica, ocupando uma superfície como se todo universo
se resolvesse naquela experiência e naquele momento, sentimo-nos bem próximos de uma exegese da
pintura.”
“Pinturas cegas” de Tomie Ohtake fazem crítica social
Série de quadros pintados sem auxílio da visão testa novas possibilidades sensoriais
Escotoma, ou ponto cego do olho, é uma região do campo visual onde não há células capazes de
detectar a luz. Como o cérebro preenche essa lacuna com informações captadas pelo outro olho, ela
normalmente não é percebida. No final dos anos 1950, a artista plástica Tomie Ohtake exaltou o ponto
cego – numa crítica à modernidade excessivamente focada no visual, ela pintou uma série de quadros
com os olhos vendados. As obras estão reunidas na exposição Pinturas cegas, em cartaz em São
Paulo, na galeria que leva o nome da artista.
Nas telas, os sulcos na tinta feitos com o cabo do pincel – um traço da sequência de obras – remetem
às marcas fincadas na retina que sobram como rastro da luz. “A venda, como a cegueira para Denis
Diderot, ilumina o conhecimento sobre o olhar”, diz o curador da mostra, Paulo Herkenhoff, traçando um
paralelo entre as pinturas de Tomie e as ideias do filósofo francês, autor do ensaio Carta sobre os cegos
para uso dos que enxergam, que trata da sujeição do homem aos seus cinco sentidos e do relativismo
do conhecimento humano.
Para arquitetar imagens no escuro, Tomie invoca sua memória óptica. O acaso e a intencionalidade
surgem nesse processo de negação da visão. “O paradoxo a que nos submete a pintura de Ohtake é
uma poética que se apresenta como experiência do não saber e da intuição”, diz Herkenhoff.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte conceptual - (Pintura - Cinema - Fotografia)
Arte conceptual - (Pintura - Cinema - Fotografia)Arte conceptual - (Pintura - Cinema - Fotografia)
Arte conceptual - (Pintura - Cinema - Fotografia)Ygor Castro
 
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.Diego Gervaes
 
Arte conceitual - Seminário
Arte conceitual - SeminárioArte conceitual - Seminário
Arte conceitual - SeminárioArthur Barreto
 
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)Raphael Lanzillotte
 
Apresentacao arte moderna e contemporânea v grupo
Apresentacao arte moderna e contemporânea v grupoApresentacao arte moderna e contemporânea v grupo
Apresentacao arte moderna e contemporânea v grupoAvatar Cuamba
 
Arte Conceitual E Hiperealismo - 9º ano!
Arte Conceitual E Hiperealismo - 9º ano!Arte Conceitual E Hiperealismo - 9º ano!
Arte Conceitual E Hiperealismo - 9º ano!Lu Rebordosa
 
Barsotti, hércules
Barsotti, hérculesBarsotti, hércules
Barsotti, hérculesdeniselugli2
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporâneagil junior
 
Instalação Artística
Instalação ArtísticaInstalação Artística
Instalação ArtísticaEnzo Berger
 
Das Novas Figurações à Arte Conceitual
Das Novas Figurações à Arte ConceitualDas Novas Figurações à Arte Conceitual
Das Novas Figurações à Arte ConceitualZimaldo Melo
 
Arte Contemporanea
Arte ContemporaneaArte Contemporanea
Arte Contemporaneaguest1652ff
 
Neoconcretismo
NeoconcretismoNeoconcretismo
Neoconcretismotaffila
 

Mais procurados (20)

Arte conceptual - (Pintura - Cinema - Fotografia)
Arte conceptual - (Pintura - Cinema - Fotografia)Arte conceptual - (Pintura - Cinema - Fotografia)
Arte conceptual - (Pintura - Cinema - Fotografia)
 
Franco
FrancoFranco
Franco
 
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.
Arte e Cultura Contemporânea - Aula 2 - Profº Diego Gervaes.
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
 
Gruber, mário
Gruber, márioGruber, mário
Gruber, mário
 
Arte conceitual - Seminário
Arte conceitual - SeminárioArte conceitual - Seminário
Arte conceitual - Seminário
 
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
 
Apresentacao arte moderna e contemporânea v grupo
Apresentacao arte moderna e contemporânea v grupoApresentacao arte moderna e contemporânea v grupo
Apresentacao arte moderna e contemporânea v grupo
 
Op art
Op artOp art
Op art
 
Arte Conceitual E Hiperealismo - 9º ano!
Arte Conceitual E Hiperealismo - 9º ano!Arte Conceitual E Hiperealismo - 9º ano!
Arte Conceitual E Hiperealismo - 9º ano!
 
Op arte
Op arteOp arte
Op arte
 
11 arte contemporanea
11 arte contemporanea11 arte contemporanea
11 arte contemporanea
 
Barsotti, hércules
Barsotti, hérculesBarsotti, hércules
Barsotti, hércules
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Instalação Artística
Instalação ArtísticaInstalação Artística
Instalação Artística
 
Matisse
MatisseMatisse
Matisse
 
Das Novas Figurações à Arte Conceitual
Das Novas Figurações à Arte ConceitualDas Novas Figurações à Arte Conceitual
Das Novas Figurações à Arte Conceitual
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Arte Contemporanea
Arte ContemporaneaArte Contemporanea
Arte Contemporanea
 
Neoconcretismo
NeoconcretismoNeoconcretismo
Neoconcretismo
 

Semelhante a Quem foi tomie ohtake

Mohalyi, yolanda lederer
Mohalyi, yolanda ledererMohalyi, yolanda lederer
Mohalyi, yolanda ledererdeniselugli2
 
Barros, geraldo de
Barros, geraldo deBarros, geraldo de
Barros, geraldo dedeniselugli2
 
Artes op art e pop arte 9º
Artes op art e pop arte 9ºArtes op art e pop arte 9º
Artes op art e pop arte 9ºprofgilvano
 
Projeto Niemeyer
Projeto NiemeyerProjeto Niemeyer
Projeto NiemeyerLigia Mello
 
Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art Everton Rodrigues
 
Trabalhomultimediavitor
TrabalhomultimediavitorTrabalhomultimediavitor
TrabalhomultimediavitorVitorDuenas
 
Arte- Pontilhismo
Arte- PontilhismoArte- Pontilhismo
Arte- PontilhismoJaicinha
 
História das Artes Visuais e Contemporâneas: Fotografia - Jorge Molder
História das Artes Visuais e Contemporâneas: Fotografia - Jorge MolderHistória das Artes Visuais e Contemporâneas: Fotografia - Jorge Molder
História das Artes Visuais e Contemporâneas: Fotografia - Jorge MolderJoaoDamiao
 
Trabalho jorge molder
Trabalho jorge molderTrabalho jorge molder
Trabalho jorge molderJoaoDamiao
 
Trabalho de met. artes [trabalhando a arte em sala de aula]
Trabalho de met. artes [trabalhando a arte em sala de aula]Trabalho de met. artes [trabalhando a arte em sala de aula]
Trabalho de met. artes [trabalhando a arte em sala de aula]Charlies Ponciano
 

Semelhante a Quem foi tomie ohtake (20)

Julia prado
Julia pradoJulia prado
Julia prado
 
Oiticica, hélio
Oiticica, hélioOiticica, hélio
Oiticica, hélio
 
Mohalyi, yolanda lederer
Mohalyi, yolanda ledererMohalyi, yolanda lederer
Mohalyi, yolanda lederer
 
Barros, geraldo de
Barros, geraldo deBarros, geraldo de
Barros, geraldo de
 
A o que é arte
A o que é arteA o que é arte
A o que é arte
 
Projeto Niemeyer
Projeto Niemeyer Projeto Niemeyer
Projeto Niemeyer
 
Artes op art e pop arte 9º
Artes op art e pop arte 9ºArtes op art e pop arte 9º
Artes op art e pop arte 9º
 
Projeto Niemeyer
Projeto NiemeyerProjeto Niemeyer
Projeto Niemeyer
 
Op arte
Op arteOp arte
Op arte
 
Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art
 
Trabalhomultimediavitor
TrabalhomultimediavitorTrabalhomultimediavitor
Trabalhomultimediavitor
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Tozzi, cláudio.
Tozzi, cláudio.Tozzi, cláudio.
Tozzi, cláudio.
 
Clark, lígia
Clark, lígiaClark, lígia
Clark, lígia
 
HCA grupo D
HCA   grupo DHCA   grupo D
HCA grupo D
 
Arte- Pontilhismo
Arte- PontilhismoArte- Pontilhismo
Arte- Pontilhismo
 
História das Artes Visuais e Contemporâneas: Fotografia - Jorge Molder
História das Artes Visuais e Contemporâneas: Fotografia - Jorge MolderHistória das Artes Visuais e Contemporâneas: Fotografia - Jorge Molder
História das Artes Visuais e Contemporâneas: Fotografia - Jorge Molder
 
Trabalho jorge molder
Trabalho jorge molderTrabalho jorge molder
Trabalho jorge molder
 
Trabalho de met. artes [trabalhando a arte em sala de aula]
Trabalho de met. artes [trabalhando a arte em sala de aula]Trabalho de met. artes [trabalhando a arte em sala de aula]
Trabalho de met. artes [trabalhando a arte em sala de aula]
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 

Mais de Kênia Machado

A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituraKênia Machado
 
Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Kênia Machado
 
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasLinguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasKênia Machado
 
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivosKênia Machado
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituraKênia Machado
 
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaLinguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaKênia Machado
 
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoGabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoKênia Machado
 
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoLinguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoKênia Machado
 
2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literaturaKênia Machado
 
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasRevisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasKênia Machado
 
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão propostaLeia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão propostaKênia Machado
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestinaKênia Machado
 

Mais de Kênia Machado (20)

A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
1º ano
1º ano1º ano
1º ano
 
Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1Avalição de linguagensdivergente8º1
Avalição de linguagensdivergente8º1
 
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadasLinguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
Linguagens coonsolidaçãodaaprendizagemoraçõescoordenadas
 
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
142686437 exercicios-sobre-flexao-dos-adjetivos
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaLinguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
 
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismoGabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
Gabaritos roteiro de verificação da aprendizagem e estudoarcadismo
 
Linguagensrevisão
LinguagensrevisãoLinguagensrevisão
Linguagensrevisão
 
Novoacordoortografico
NovoacordoortograficoNovoacordoortografico
Novoacordoortografico
 
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismoLinguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
Linguagensrotrito erificaçãoaprendizagemarcadismo
 
2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura2014 17a-at02-literatura
2014 17a-at02-literatura
 
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1riasRevisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
Revisc3a3o das-escolas-literc3a1rias
 
1ppportugues1ano (1)
1ppportugues1ano (1)1ppportugues1ano (1)
1ppportugues1ano (1)
 
1ppliteratura1ano (1)
1ppliteratura1ano (1)1ppliteratura1ano (1)
1ppliteratura1ano (1)
 
Dicas de português1
Dicas de português1Dicas de português1
Dicas de português1
 
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão propostaLeia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta
 
Tc de literatura6º
Tc de literatura6ºTc de literatura6º
Tc de literatura6º
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestina
 

Quem foi tomie ohtake

  • 1. QUEM FOI TOMIE OHTAKE Tomie Ohtake, natural de Kyoto (Japão) chega ao Brasil em 1936 e fixa-se em São Paulo. Inicia seus estudos de pintura em 1952, com o artista plástico japonês Keisuke Sugano. Em 1953, integra o Grupo Seibi ao lado de Flávio-Shiró, Kaminagai, Manabu Mabe, Tikashi Fukushima, entre outros. Em 1969, começa a trabalhar com serigrafia e posteriormente executa litografias e gravuras em metal. Realiza diversas obras públicas, como o painel pintado no Edifício Santa Mônica, na Ladeira da Memória, em São Paulo; a escultura Estrela do Mar, na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro; a escultura em homenagem aos oitenta anos da imigração japonesa no Brasil e painéis para o Memorial da América Latina. Em 2000, é lançado em São Paulo o Instituto Tomie Ohtake, idealizado e coordenado por Ricardo Ohtake e projetado por Ruy Ohtake. A seu respeito escreveu Clarival do Prado Valladares: “De acordo com alguns críticos, a pintura de Tomie Ohtake corresponde a um dos pontos mais elevados do abstracionismo já produzido no Brasil. (...) Quando observamos as grandes manchas das telas de Tomie Ohtake percorrerem quase o imensurável das variações tonais de uma cor básica, ocupando uma superfície como se todo universo se resolvesse naquela experiência e naquele momento, sentimo-nos bem próximos de uma exegese da pintura.” “Pinturas cegas” de Tomie Ohtake fazem crítica social Série de quadros pintados sem auxílio da visão testa novas possibilidades sensoriais Escotoma, ou ponto cego do olho, é uma região do campo visual onde não há células capazes de detectar a luz. Como o cérebro preenche essa lacuna com informações captadas pelo outro olho, ela normalmente não é percebida. No final dos anos 1950, a artista plástica Tomie Ohtake exaltou o ponto cego – numa crítica à modernidade excessivamente focada no visual, ela pintou uma série de quadros
  • 2. com os olhos vendados. As obras estão reunidas na exposição Pinturas cegas, em cartaz em São Paulo, na galeria que leva o nome da artista. Nas telas, os sulcos na tinta feitos com o cabo do pincel – um traço da sequência de obras – remetem às marcas fincadas na retina que sobram como rastro da luz. “A venda, como a cegueira para Denis Diderot, ilumina o conhecimento sobre o olhar”, diz o curador da mostra, Paulo Herkenhoff, traçando um paralelo entre as pinturas de Tomie e as ideias do filósofo francês, autor do ensaio Carta sobre os cegos para uso dos que enxergam, que trata da sujeição do homem aos seus cinco sentidos e do relativismo do conhecimento humano. Para arquitetar imagens no escuro, Tomie invoca sua memória óptica. O acaso e a intencionalidade surgem nesse processo de negação da visão. “O paradoxo a que nos submete a pintura de Ohtake é uma poética que se apresenta como experiência do não saber e da intuição”, diz Herkenhoff.