Pós-modernismo

3.449 visualizações

Publicada em

Pós-modernismo

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
174
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pós-modernismo

  1. 1. Disciplina: Estudos do Contemporâneo Prof.: Ms. Laércio Torres de Góes
  2. 2. Novo fenômeno: O fim dos regimes comunistas do leste europeu, as medidas econômicas neo-liberais, a transnacionalização das economias e culturas, a criação de uma arte mais preocupada em registrar o cotidiano que em idealizar o belo. Mudanças em vários campos e artes: literatura, arquitetura, pintura, cinema, filosofia. Novo conceito: O vocábulo pós-modernismo servia então àqueles novos tempos que os indivíduos pareciam desencantados com as lutas políticas e, por isso, centravam suas energias na busca de um enriquecimento e uma satisfação cada vez menos associada ao coletivo, no qual a arte já não mais queria representar ou interpretar o real, mas apenas apresentá-lo em sua forma mais banal e cotidiana e que, até mesmo mais que o real, importavam os seus simulacros. Vocábulo vago e impreciso. Mais que definir, ele sugeria, mais que afirmar, ele negava. Negação do modernismo. A arte e os movimentos culturais deveriam traduzir o caos do ambiente do capitalismo tardio, sem propostas claras, sem pontos de chegada.
  3. 3. Relação de continuidade ou de ruptura com o modernismo. Sentimento de desamparo e questionamento do status quo após a I e II Guerras Mundiais. Modernismo Período de mudança, de progresso; Maior racionalidade científica ou um certo tipo de atitude diante vida; Nas artes, como um movimento dos fins do século XIX e início do XX concebido numa Europa marcada por avanços tecnológicos e novas configurações políticas.
  4. 4. Termo ressurge no final dos anos 50 na arquitetura, com uma conotação negativa, indicando aquilo que era menos moderno. Pós-moderno passou a ser sinônimo da busca do antigo e não de um hiper-modernismo, significando o reaproveitamento das formas clássicas. Nos anos 60, termo invadiu as artes plásticas, definindo a postura de oposição dos artistas ao subjetivismo e hermetismo que tinha tomado conta das artes modernas. Em 1962, o Pasadena Museum of Califórnia Art, nos Estados Unidos, abria as suas portas para a exposição The new paiting of common objects, inaugurando o que se convencionou chamar por art. A pop art dava valor artístico à banalidade cotidiana. Contracultura
  5. 5. Pop Art: com sua valorização da estética dos produtos industriais mais banais de consumo de massa. Estética hippie: reviveu as formas orgânicas e os processos semi-artesanais de impressão para exaltar os valores tribais antigos sob o lema “paz & amor,” opondo-se aos que eram a favor da intervenção americana no Vietnã. Andy Warhol (1930-1987): trabalho pictórico encadeado e relacionado à produção industrial, seja de objetos de consumo, seja da indústria cinematográfica. Precursor da visualidade pós-moderna.
  6. 6. Globalização Transformações culturais de grandes proporções; Processo de conexão mundial; Conexões culturais – enfraquecimento dos laços culturais nacionais; Hibridismo cultural
  7. 7. Arte como produto social Ecletismo ou pluralismo: não apresenta propostas estéticas definidas, nem coerências, tampouco um estilo; mistura de gêneros, não há diferenciação entre a arte popular e erudita. Arte conceitual: interesse pela idéia, criação mental do artista, sumiço do objeto da arte, fim da beleza como valor supremo. Volta ao passado: entrelaçamento entre a tradição e a arte contemporânea. Presença intensa das imagens (Perry Anderson): produção audiovisual, vídeoarte.
  8. 8. Pastiche: imitação vulgar de um estilo particular. Desterritorialização da cultura: referências múltiplas de culturas híbridas em função das novas identidades estabelecidas pelo processo de globalização. Citação: constante referência a obras e estilos do passado reinterpretados e recriados com técnicas e propostas novas. Interação: participação do público para a configuração de uma obra de arte. Modo particular de experimentar, interpretar e ser no mundo Questionamento do Iluminismo e humanismo;
  9. 9. Retorno aos ideais e pensamentos banidos pela modernidade (Gianni Vattimo); Rejeição à idéia de progresso; Fim da metanarrativa ou grande narrativa (cristianismo, marxismo, freudismo, etc.) (François Lyotard); Atenção às vozes antes silenciadas (mulheres, gays, negros, povos colonizados, etc.); Fim dos absolutos, objetividade e conceitos universais; Pluralismo cultural; Fragmentação ou caos da realidade;
  10. 10. Transitoriedade; Decadência cultural (pensamento de esquerda); Atitude desinteressada, despolitizada, avessa a rótulos; Tolerância e respeito às diferenças; Neutralidade; Hedonismo; Individualismo e busca de visibilidade.
  11. 11. Na pós-modernidade, a mídia desempenha um papel importante na divulgação, influência e atuação neste processo. Para o filósofo Fredric Jameson, “pós-modernismo e capitalismo de mídia são sinônimos”. Os grandes meios de comunicação de massa (jornais, revistas, rádio, TV, internet e cinema) têm uma grande responsabilidade pelo tipo de pessoas pós-modernas. Pessoas que acreditam encontrar na espetacularização do mundo e de si mesmas a satisfação almejada (Big Brother). Como disse Adam Phillips, psicanalista inglês, “no século XV se as pessoas fossem perguntadas sobre o que queriam da vida, diriam que buscavam a salvação divina. Hoje a resposta é: ser rico e famoso”.
  12. 12. No cinema, o pós-modernismo se expressa na mistura de estilos (gêneros): Loucas Aventuras de James West, Blade Runner, Indiana Jones, Matrix; Imitação barata (pastiche), versões: Psicose, filmes em preto e branco; Obra de citações: Sonhos de um Sedutor -Casablanca; Fim dos limites entre a arte culta e a arte de massa; Crise de criação (Freddy x Jason); Vulgarização (filmes de terror) e mediocridade.
  13. 13. VENÂNCIO, Giselle Martins. Pós-modernismo e a arte de definir a contemporaneidade. ArtCultura, Uberlândia, v. 10, n. 16, p. 215-225, jan.-jun. 2008.

×