Santiago, j.c banca pública tcc pós

546 visualizações

Publicada em

TCC pós graduação em MBA Gestão Empresarial.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Santiago, j.c banca pública tcc pós

  1. 1. Acadêmico: Júnior Cesar Santiago Orientadora: Giselli de Fátima Canhete
  2. 2. F ( IRST) R (AISE) O ( UR ) G (ROWN)
  3. 3.  Clube de Roma (1968), Estocolmo (1972), Montreal (1987), Rio de Janeiro (1992), Kyoto (1997) Buenos Aires (1998), Bonn (1999), Haia (2000), Bonn e Marrakesh (2001), Nova Déli (2002), Copenhagen, Dinamarca (2009), Cancun (2010), Durban, África do Sul (2011),Doha, Qatar (2012), Varsóvia (2013) até chegar à nossos dias com a COP-20 em Lima, Peru
  4. 4.  Clean Air Act de 1970  Conferência Internacional sobre o Meio Ambiente Humano (1972) americanos Dennis e Donella Meadows, Jorgen Sanders e William Behrens (MIT) - The Limits to Growth ;  1933 com a Primeira Conferência Brasileira de Proteção à Natureza e a criação do primeiro código florestal em 1937.
  5. 5. É POSSÍVEL DESENVOLVER E AO MESMO TEMPO SER SUSTENTÁVEL?  “O problema concentra-se nas indagações acerca do reflexo da inserção da variável ambiental no modus vivendi das empresas contemporâneas, o que sem dúvida afeta tanto sua economia, gestão de custos, investimentos, gestão de pessoas, oferecimento do produto ou serviço e o seu descarte pós-uso.”
  6. 6.  OBJETIVOS. Políticas Públicas Princípios Norteadores População e Recursos Estratégias Marketing e lucros Desafios Empresariais Princípios Norteadores
  7. 7. REVISÃO DA LITERATURA
  8. 8. REVISÃO DA LITERATURA • PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO • PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO • PRINCÍPIO DA RESPONSABILIDADE COMUM , MAS DIFERENCIADA.
  9. 9. REVISÃO DA LITERATURA • MITOS DA SUSTENTABILIDADE • NÃO CUSTA MAIS SER SUSTENTÁVEL • Prefeito de Los Angeles – U$$ 48 mi – 7 Anos. • CUSTA MAIS NÃO SER SUSTENTÁVEL • Vinculação negativa da imagem • Perda de parcerias comerciais • Responsabilização Socioambiental • Green Tax • Falta de Acesso a incentivos econômicos.
  10. 10. REVISÃO DA LITERATURA • DESAFIOS ECONÔMICOS • PLANETA SUPERPOVOADO • RECURSOS LIMITADOS • CONSUMO CONTROLADO? • CONFLITOS E INTERESSES GLOBAIS • REFUGIADOS DO CLIMA • TECNOLOGIA E RESILIÊNCIA.
  11. 11. CARACTERÍSTICA •Qualitativa (SEVERINO, 2007), • Exploratória GIL, 2007) MÉTODO •MONOGRÁFICO Lakatos e Marconi (2007, p.108) • Antônio Joaquim Severino (1979, p.111). FONTES • PRIMÁRIAS - Andrade (2007, p.28-29) • SECUNDÁRIAS - Andrade (2007, p.28-29) • Formação de um quadro referencial - (BAPTISTA, 1981, p.29)
  12. 12.  MECANISMOS REGULADORES (Comando e Controle) - Resolução CONAMA n 10/87, a Lei 9.985/2000, A Lei 9.993/2000, Os pactos internacionais como o protocolo de Kyoto (1997), a Carta da Terra (2000), Metas do Milênio (2000), Diretrizes da OCDE para Multinacionais (1976), Princípios do Equador (2002), A lei de crimes ambientais, Auditorias Ambientais, Green Tax, e inúmeros outros mecanismos reguladores  CONCEITO DE ECOEFICIÊNCIA.  A eco-eficiência atinge-se através da oferta de bens e serviços a preços competitivos, que, por um lado, satisfaçam as necessidades humanas e contribuam para a qualidade de vida e, por outro, reduzam progressivamente o impacto ecológico e a intensidade de utilização de recursos ao longo do ciclo de vida, até atingirem um nível, que, pelo menos, respeite a capacidade de sustentação estimada para o planeta Terra.
  13. 13.  “o empresário pode, através da adoção de princípios ambientalmente aceitos, constituir valor à sua marca e inserir-se em um mundo em que a natureza é parte da economia ao mesmo tempo em que a economia é parte da natureza.”
  14. 14. “We can’t solve problems by using same kind of thinking by using we created them” ALBERT EINSTEIN

×