Saúde bucal

953 visualizações

Publicada em

saude bucal

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
953
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saúde bucal

  1. 1. SAÚDE BUCAL E BEBÊS E CRIANÇAS
  2. 2. INTRODUÇÃO • A FAMÍLIA É CONSIDERADA A BASE AFETIVA E DE REFERÊNCIA PRIMÁRIA PARA O PROCESSO DE INDIVIDUALIZAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO DA CRIANÇA E QUE INTERFERE POSITIVA OU NEGATIVAMENTE NO PROCESSO SAÚDE/DOENÇA DO INDIVÍDUO . • A INFLUÊNCIA DOS FATORES AMBIENTAIS SOBRE O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO OCORRE DIRETAMENTE DESDE O MOMENTO DA CONCEPÇÃO E APÓS LEVANDO EM CONTA FATORES PRÉ-NATAIS RELACIONADOS A NUTRIÇÃO, FATORES ENDÓCRINOS, INFECCIOSOS, IMUNITÁRIOS, ESTADO EMOCIONAL DA MÃE DURANTE A GRAVIDEZ E OS FATORES PÓS-NATAIS REPRESENTADOS POR NUTRIÇÃO, ATIVIDADE FÍSICA, AMBIENTAIS, ESTÍMULOS BIOPSICOSSOCIAIS, OS AGRAVOS DE SAÚDE TANTO FÍSICOS COMO EMOCIONAIS, DENTRE OUTROS.
  3. 3. AMAMENTAÇÃO E CHUPETAS • CRÂNIO X MANDÍBULA • SUCÇÃO DE LONGA DURAÇÃO O peito é insubstituível, porque a amamentação natural requer um extremo esforço muscular por parte do bebê para extrair o seu alimento, estimulando o crescimento dos ossos da face; já na mamadeira, esse esforço é bem menor, pois o leite sai com mais facilidade A sucção do dedo, chupeta ou mamadeira é um fator que pode interferir no desenvolvimento facial da criança, podendo levar a alterações bucais, tais como: mordida aberta, mordida cruzada, inclinação dos dentes, diastemas e alterações no padrão de deglutição.
  4. 4. HIGIENE BUCAL • HERPIS • SAPINHO • BIOFILME DENTAL O herpes simples do recém-nascido é uma grave infecção viral que pode afetar os órgãos mais importantes (cérebro, fígado, pulmões) e causar dano permanente ou a morte. É uma infecção causada pelo fungo candida albicans. Pode aparecer na boca - língua, gengivas, parte interna das bochechas e até nos lábios - ou na região perineal. A limpeza da cavidade bucal do bebê deve ser iniciada antes mesmo da erupção dental, com a finalidade de remover o leite estagnado em seu interior e nas comissuras labiais, massagear a gengiva e acostumá-lo à manipulação da boca.
  5. 5. ERUPÇÃO DENTÁRIA • SINAIS • ALÍVIO PARA O DESCONFORTO • OBS: A PARTIR DO 1º DENTE JÁ É NECESSÁRIO A UTILIZAÇÃO DE ESCOVAS BEM COMO PASTAS COM ↓[FLÚOR] BEM COMO ENXAGÜANTES BUCAIS APROPRIADOS PARA A REMOÇÃO DE PLACAS BACTERIANAS -Coceira na gengiva pela pressão dos dentes -Gengiva mais abaulada e esbranquiçada -Aumento da salivação por conta do amadurecimento das glândulas salivares e pela incapacidade do bebê engolir toda a saliva -Massagear a gengiva com o dedo -Alimentos pastosos frios -Mordedores resfriados
  6. 6. CRIANÇAS • ALIMENTAÇÃO • HIGIENE BUCAL ↓Amido e Açúcares : produzem ácidos quando degradados ↑Frutas, Fibras e Ortaliças : aumentam fluxo salivar -Fio dental -Enxaguantes bucais -Escovação -Aplicação de flúor e selantes dentários
  7. 7. BRUXISMO • NORMAL: • PATOLÓGICO: Alguns profissionais chegam a comentar que é comum observar o ranger dos dentes em crianças até os 6 anos por uma necessidade natural do organismo de acomoda-los e se preparar para a troca da dentição. Até esta idade a criança através dos movimentos de lateralidade pode apresentar uma abrasão das pontas dos caninos, e esta atividade muscular ativa o crescimento e desenvolvimento fisiológico das bases ósseas. Neste, o desgaste dental é mais importante e a criança pode apresentar dores musculares, dores de cabeça ou dores na ATM (articulação temporo mandibular). Nesse caso, o diagnóstico preciso é bastante difícil por se tratar de um problema com causas multifatoriais.
  8. 8. SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE
  9. 9. ADOLESCÊNCIA SOMOS DONOS DE NOSSOS ATOS, MAS NÃO DONOS DE NOSSOS SENTIMENTOS. SOMOS CULPADOS PELO QUE FAZEMOS, MAS NÃO SOMOS CULPADOS PELO QUE SENTIMOS. PODEMOS PROMETER ATOS, MAS NÃO PODEMOS PROMETER SENTIMENTOS... ATOS SÃO PÁSSAROS ENGAIOLADOS, SENTIMENTOS SÃO PÁSSAROS EM VÔO. (MÁRIO QUINTANA)
  10. 10. ACOLHIMENTO AO ADOLESCENTE Objetivo Humanizar Melhorar atendimento Ampliar acesso Incentivar
  11. 11. ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NESSA FASE • AUMENTO DO RISCO ÀS DOENÇAS PERIODONTAIS; • BONS HÁBITOS DE HIGIENE COLOCADOS DE LADO, PAIS NÃO PARTICIPAM MAIS DA HIGIENE DOS FILHOS; • FASE IMPORTANTE PARA O DESENVOLVIMENTO DO AUTOCUIDADO; • DOENÇA: PERIODONTITE JUVENIL LOCALIZADA.
  12. 12. SUGESTÃO DE PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO CLÍNICO – CIRURGIÃO DENTISTA 1. ANAMNESE; 2. EXAME CLÍNICO BUCAL; 3. PREENCHIMENTO DA FICHA CLÍNICO ODONTOLÓGICA; 4. ORIENTAÇÕES SOBRE PREVENÇÃO DE CÁRIE E DOENÇAS PERIODONTAIS; 5. ATENDIMENTO CLÍNICO; 6. ENCAMINHAMENTO PARA ESPECIALIDADES E QUANDO NECESSÁRIO, CONTROLE DOS RETORNOS.
  13. 13. SAÚDE DO ADOLESCENTE • DIETA; • HIGIENE BUCAL; • EROSÃO DENTÁRIA; • TRAUMATISMO DENTÁRIO; • FUMO E ÁLCOOL; • ERUPÇÃO DO TERCEIRO MOLAR.
  14. 14. SAÚDE BUCAL DO ADULTO • DIFICULDADE DE ACESSO ÀS UNIDADES DE SAÚDE HORÁRIO DE TRABALHO AGRAVAMENTO DOS PROBLEMAS EXISTENTES: URGÊNCIA, FALTA AO TRABALHO, PERDAS DENTÁRIAS
  15. 15. SAÚDE BUCAL DO ADULTO COMO MELHORAR? • HORÁRIOS COMPATÍVEIS • INTEGRAÇÃO DA ATENÇÃO ODONTOLÓGICA AOS PROGRAMAS DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DE SEGURANÇA NO TRABALHO
  16. 16. SAÚDE BUCAL DO ADULTO ORDENAÇÃO BÁSICA A SER SEGUIDA PARA SEQUÊNCIA E FORMULAÇÃO DE PLANO DE TRATAMENTO: 1. URGÊNCIAS 2. CONTROLE DA ATIVIDADE DE DOENÇA / EDUCAÇÃO EM SAÚDE 3. PROCEDIMENTOS PERIODONTAIS E CIRÚRGICOS (FOCOS DE INFECÇÃO) 4. INTERVENÇÃO ENDODÔNTICA 5. TRATAMENTO RESTAURADOR / REABILITADOR 6. REAVALIAÇÃO DO PACIENTE 7. MANUTENÇÃO PERIÓDICA DO PACIENTE (DEFINIDA PELO PROFISSIONAL)
  17. 17. SAÚDE BUCAL DO ADULTO • PRINCIPAIS AGRAVOS QUE ACOMETEM A SAÚDE BUCAL: - CÁRIE DENTÁRIA - DOENÇA PERIODONTAL: GENGIVITE E PERIODONTITE - CÂNCER DE BOCA - TRAUMATISMOS DENTÁRIOS - FLUOROSE DENTÁRIA - EDENTULISMO - MÁ OCLUSÃO
  18. 18. SAÚDE BUCAL DO ADULTO CÁRIE DENTÁRIA: • DOENÇA MULTIFATORIAL • NO ADULTO, OS SINAIS DA ATIVIDADE DA DOENÇA SÃO CARACTERIZADOS COMO: - LESÕES ATIVAS: MANCHAS BRANCAS RUGOSAS E OPACAS NO ESMALTE OU CAVIDADES COM TECIDO DENTINÁRIO AMOLECIDO E DE COR MARROM CLARA; - LESÕES INATIVAS: MANCHAS BRANCAS BRILHANTES OU CAVIDADES COM TECIDO DENTINÁRIO ESCURECIDO, LISO, BRILHANTE E DURO.
  19. 19. SAÚDE BUCAL DO ADULTO CÁRIE DENTÁRIA FATORES DE RISCO: • FATORES CULTURAIS E SOCIOECONÔMICOS; • FALTA DE ACESSO AO FLÚOR; • DEFICIENTE CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME (PLACA BACTERIANA); • CONSUMO EXCESSIVO E FREQUENTE DE AÇÚCAR; • XEROSTOMIA.
  20. 20. SAÚDE BUCAL DO ADULTO CÁRIE DENTÁRIA - FLUORETAÇÃO DA ÁGUA DEVE SER UMA POLÍTICA PRIORITÁRIA - GARANTIA DE MONITORAMENTO DOS TEORES DE FLÚOR AGREGADOS A ELA (HETEROCONTROLE) - TRATAMENTO INDIVIDUALIZADO - AÇÕES EDUCATIVAS DEVEM SER ABORDADAS E ESTIMULADAS, USO TÓPICO DE FLÚOR DE ACORDO COM A INDICAÇÃO E RISCO, ACONSELHAMENTO DIETÉTICO E ESTÍMULO AO FLUXO SALIVAR
  21. 21. SAÚDE BUCAL NA GRAVIDEZ
  22. 22. EFEITOS ADVERSOS NA GRAVIDEZ?!
  23. 23. HÁ FORTES INDÍCIOS CIENTÍFICOS QUE APONTAM PARA DOENÇAS PERIODONTAL COM: • PRÉ-ECLAMPSIA • PARTO PRÉ MATURO E • BAIXO PESO AO NASCER.
  24. 24. A PROGESTERONA CAUSA AUMENTO DA PERMEABILIDADE VASCULAR DEVIDO SUA AÇÃO VASODILATADORA, TAMBÉM ESTIMULA A PRODUÇÃO DE PROSTALGLANDINAS.
  25. 25. CUIDADOS COM A SAÚDE BUCAL NO IDOSO
  26. 26. UM CUIDADO INADEQUADO INFLUENCIA A AUTO-ESTIMA, ALTERA A DIGESTÃO E A ABSORÇÃO DOS NUTRIENTES NECESSÁRIOS AO ORGANISMO. SITUAÇÕES ESTAS, AGRAVADAS PELA ESCOLHA DE ALIMENTOS POBRES EM NUTRIENTES E A DIFICULDADE NA MASTIGAÇÃO. A boca é a porta de entrada para visualização da saúde de uma maneira geral.
  27. 27. Busca-se a prevenção de cáries, de inflamações na gengiva e câncer bucal sempre no sentido de poupar as pessoas de sofrimentos com dor e perda de dentes. Os principais situações encontradas na terceira idade são:  Boca seca  Mau hálito  Cáries  Doenças da gengiva  Próteses desadaptadas
  28. 28. Boca seca: uso de medicamentos para tratamento de doenças crônicas. Mau hálito: pela diminuição da quantidade de saliva, que faria a limpeza constante da boca, a presença de resíduos sobre a língua, dentes e gengiva.Cáries: dependendo da condição das restaurações presentes nos dentes, e dos cuidados tomados na escovação e no uso do fio dental.
  29. 29. Doenças da gengiva: gengivite e periodontite as mais comuns, relacionadas à inflamação e infecção dos tecidos que sustentam os dentes. Existem sangramento gengival, mobilidade dentária, mau hálito e dores ao mastigar. Próteses desadaptadas: uma prótese desadaptada e “frouxa”, além de ser desconfortável para conversar e para se alimentar, favorece o aparecimento de infecções fúngicas, feridas, aftas, hiperplasias gengival levando ao câncer bucal.
  30. 30. CUIDADOS Escovação após as refeições, com escova macia, fazendo movimentos delicados e circulares em todos os lados dos dentes, e de preferência usando o fio dental após todas as refeições ou ao menos uma vez ao dia. Dicas:  Quando da atuação de um cuidador, a higiene deve ser feita logo após a refeição.  Escovas elétricas.  Escovação da língua, até um limite que não provoque náuseas.  Cuidado especial com pacientes que apresentam Alzheimer ou outras demências.  Remover a prótese após todas as refeições e realizar a limpeza utilizando um creme dental normal ou sabão neutro e uma escova pequena.  Caso não haja dente presente, as bochechas, a língua, as gengivas e o céu da boca devem ser suavemente massageados por uma escova macia ou mesmo por uma gaze ou uma fralda com água ou soro fisiológico.  Beber água após a refeição, para concluir a ingestão de restos alimentares.  É importante aos cuidadores e pessoas ligadas ao idoso a observação da presença de dentes quebrados, cariados, amolecidos, com sujeira acumulada, gengivas inflamadas e com sangramento, mau-hálito, manchas brancas ou escuras, inchaços em lábios, bochechas e língua, e diante dessas situações deve-se procurar um profissional.

×