Teologia I (Bibliologia e Teontologia)

16.795 visualizações

Publicada em

Texto selecionado e resumido de vários autores reformados

Publicada em: Tecnologia, Turismo
3 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.795
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
75
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
879
Comentários
3
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teologia I (Bibliologia e Teontologia)

  1. 1. Teologia Sistemática I Teologia Sistemática I Bibliologia e Teontologia 1 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  2. 2. Teologia Sistemática II. A CIÊNCIA TEOLOGICA 1.1 Conceitos a. Conceito Etimológico O vocábulo teologia vem dois outros do língua grega, a saber: θεος (teos = Deus) + λογος(logos = palavra, discurso). Sendo assim, etimologicamente, teologia é um discurso a respeito de Deus. Orfeu e Homero foram chamados de teólogos entre os gregos, porque seus poemas tratavamda natureza dos deuses. Aristóteles classificou as ciências sob os títulos de física (aquela que se ocupa coma natureza), matemática (aquela que se ocupa com os números e da quantidade) e teologia (aquela que seocupa de Deus). Os pais da igreja se referiam ao apóstolo João como “o teólogo”, porque em seu evangelho eepístolas a divindade de Cristo se tornou proeminente. b. Conceito Técnico A definição de teologia mais comum, especialmente em nossos dias, é de que ela é a ciênciada religião. Contudo, a palavra religião é ambígua. Sua etimologia é duvidosa. Cícero faz referência a elacomo relegere, revisar novamente, considerar. “Religio” é então consideração, observação devota ,especialmente do que pertence ao culto e serviço devidos a Deus. Agostinho e Lactânio derivam a palavra de religare, religar. De acordo isso, religio é a base deobrigação. É aquilo que nos liga a Deus. Subjetivamente, é a necessidade interior de união com Deus. Esta diversidade de conceitos quanto ao que significa religião basta para provar quãocompletamente vaga e insatisfatória precisa ser a definição de teologia como “a ciência da religião”. Alémdisso, essa definição faz a teologia inteiramente independente da Bíblia. Pois como a filosofia moral é aanálise de nossa natureza moral, assim a teologia se torna a análise de nossa consciência religiosa,justamente com as verdades que essa análise desenvolve. E mesmo a teologia cristã só é análise daconsciência religiosa do cristão. Temos, pois, que restringir a teologia à sua real esfera, como a ciência dos fatos da revelaçãodivina até onde esses fatos dizem respeito à natureza de Deus e à nossa relação com Ele, como suas criaturas, comopecadores e como sujeitos da redenção. 1.2 Métodos de Estudo da Teologia Toda ciência tem seu próprio método, determinado por sua natureza peculiar. Este métodossão os princípios que devem controlar as investigações científicas. Se uma pessoa adota um falso método,ela é semelhante a alguém que toma uma estrada errada que jamais a levará a seu destino. Os dois grandesmétodos abrangentes são o a priori [que parte, em sua argumentação, da causa para o efeito] e o a posteriori[que argumenta a partir do efeito para a causa]. Os métodos que se têm aplicado ao estudo da teologia podem ser reduzidos basicamente atrês categorias: a Especulativa, a Mística e a Indutiva. a. Método Especulativo: Nesse método a especulação decide sobre toda a verdade, ou determina o que é verdadeiro a partir das leis da mente, ou dos axiomas envolvidos na constituição do princípio imaginativo dentro de nós. Neste método espera-se que o homem creia não na autoridade de Deus, mas na autoridade da razão. Toda a verdade precisa ser descoberta e estabelecida por um processo do pensamento. Caso se admita que a Bíblia contém alguma verdade, que seja só até o ponto em que ela coincide com os ensinos da filosofia. b. Método Místico: Enquanto o processo especulativo busca inteiramente na razão a base de toda sua investigação, argumentação e conclusões, o método místico, em direção diametralmente oposta, entende que devemos entender a Deus e os fatos a Ele atribuídos partindo dos sentimentos. Neste método presume-se que Deus, por sua comunicação imediata com a alma, se revela através das emoções e por meio ou na forma de intuições da divina verdade, independente do ensino externo de Sua Palavra; e é essa luz interior, e não as Escrituras, que devemos seguir; ou, através da consciência e sentimentos religiosos, onde, quando mais profundos e mais puros forem estes, mais clara é a percepção da verdade. 2 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  3. 3. Teologia Sistemática I c. Método Indutivo Bíblico: segundo esse método, para chegarmos ao verdadeiro conhecimento de Deus, é essencial que venhamos a aplicar o método de indução como aplicado às ciências naturais, ou seja: c.1 Assim como o cientista se aproxima do estudo da natureza com determinados pressupostos, o teólogo, semelhantemente, deve iniciar seus estudo teológicos com o mesmo princípio, como por exemplo: Deus existe e Ele se manifestou em Sua Palavra. c.2 Como o estudante da natureza passa a perceber, reunir e a combinar os fatos, da mesma forma o teólogo deve se propor a os elementos da revelação divina. c.3 Da mesma forma como o cientista, partindo dos fatos (a posteriori), averiguados e classificados, deduz as leis pelas quais estes são determinados, o teólogo da mesma forma deve ser capaz de perceber as leis que regem os fatos da revelação divina por este mesmo processo de averiguação e classificação. Essa leis ou princípios gerais não derivam da mente e são atribuídos aos objetos externos, mas derivam e deduzem-se dos objetos e são impressos na mente. Estes passos, portanto, devem ser aplicados à revelação divina. A Bíblia é para o teólogo oque a natureza é para o cientista. Ela é seu depósito de fatos; e o seu método de averiguar o que a Bíbliaensina é o mesmos que o filósofo natural adota para averiguar o que a natureza ensina. Ele se aproxima desua tarefa com todos os pressupostos acima mencionados. 1.3 Áreas da Teologia Como ciência, no que concerne aos fatos da natureza, tem suas diversas áreas, como amatemática, a química,a astronomia etc., assim a teologia, tendo os fatos da Escritura por seu tema, tem suasáreas distinta e naturais, são elas: a. A Teologia Propriamente Dita: Inclui todo o ensino referente ao ser e os atributos de Deus; a tríplice personalidade da Deidade; a relação de Deus com o mundo, ou os decretos e suas obras da criação e da providência. b. A Antropologia: Inclui a origem e a natureza do homem; seu estado original e prova; sua queda; a natureza do pecado; o efeito do primeiro pecado de Adão sobre si e sobre sua posteridade. c. A Soteriologia: Inclui o propósito ou plano de Deus em referência a salvação do homem; a pessoa e obra do redentor; a aplicação da redenção de Cristo ao povo de Deus, sua regeneração, justificação e santificação; e os meios de graça. d. A Escatologia: O estudo das doutrinas que dizem respeito ao estado da alma após a morte; a ressurreição; o segundo advento de Cristo; o juízo geral o fim do mundo;o céu e o inferno. e. A Eclesiologia: inclui a idéia, ou natureza da igreja; seus atributos; suas prerrogativas e sua organização. Além desta classificação podemos nomear algumas outras que as vezes são tidas como subtópicos da classificação supracitada, são elas. f. Bibliologia: Estuda a Bíblia como palavra de Deus; a revelação; a inspiração, o processo de canonicidade etc. g. Hamartologia: Estuda a natureza do pecado; sua extensão na vida dos homens etc. h. Cristologia: Faz referência a pessoa de Cristo, sua encarnação; seus atributos como ser divino, estados de exaltação e humilhação etc. i. Pneumatologia: diz respeito a pessoa do Espírito santo como terceira pessoa da Trindade; sua personalidade; seu ministério; seus dons concedidos aos homens, atributos divinos etc. 3 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  4. 4. Teologia Sistemática III. A BIBLIOLOGIA 2.1 Conceito É a parte da teologia que estuda a Bíblia como Palavra de Deus; suas divisões, conceitoscomo revelação, inspiração e iluminação; o processo e provas da inspiração das Escrituras Sagradas e oprocesso de canonicidade. 2.2 As Seções da Bíblia A Bíblia divide-se comumente em oito seções, quatro no Velho Testamento e quatro no NovoTestamento. A divisão do V.T. em quatro seções baseia-se na tradução das Escrituras Sagradas para ogrego. Essa tradução, conhecida como Versão dos Setenta ou Septuaginta (LXX), segundo muitosestudiosos, iniciou-se no século III a.C. em Alexandria, no Egito, um dos grandes centros da grega, onderesidiam muitos judeus da Diáspora. A Bíblia hebraica não segue essa divisão tópica em quatro partes. Antes, emprega umadivisão em três partes. Os cinco primeiros livros de Moisés , que outorgou a Lei, aparecem em primeiro lugar;seguem-se os livros dos homens que desempenharam a função profética, e, por fim, a terceira parte contémlivros escritos por homens que, segundo se cria, tinham o dom de profecia, sem serem profetas oficiais. O N.T. faz uma possível alusão a uma divisão em três partes do Velho Testamento no texto deLc 24:44. A Vulgata Latina, de Jerônimo, e as Bíblias posteriores a ela seguiram o formato mais tópicodas quatro partes em que se dividia a Septuaginta. Se combinarmos essa divisão com as outras partes doN.T. veremos que a revelação bíblica centraliza-se na pessoa de Cristo. LIVROS DO ANTIGO TESTAMENTO (LXX) LIVROS DO VELHO TESTAMENTO (TM) A Lei (Pentateuco) Poesia A Lei (Tora) Os Profetas (Nebhiin)Gênesis Jo Gênesis Profetas Anteriores Profetas PosterioresÊxodo Salmos Êxodo Josué IsaíasLevitico Proverbios Levítico Juízes JeremiasNúmeros Eclesiastes Números Samuel EzequielDeuteronômio Cantares Deuteronômio Reis Os doze História Profetas Os Escritos (Kethubhim) Profetas Maiores Profetas Menores Livros Poéticos Cinco Rolos Livros HistóricosJosué, Juizes Isaías Oséias, Joel, Amós, Salmos Cantares DanielRue, I Samuel Jeremias Obadias,Jonas, Miquéias, Provérbios Rute Esdras - NeemiasII Samuel, I reis Lamentações Naum, Habacuque, Jó Lamentações CrônicasII reis, I crônicas Ezequiel Sofonias, Ageu EsterII crônicas, Esdras Daniel Zacarias, Malaquias EclesiastesNeemias, Ester Lei Fundamento da chegada de Cristo VELHO História Preparação para a chegada de Cristo TESTAMENTO Poesia Anelo pela chegada de Cristo Profecia Certeza da Chegada de Cristo Evangelhos Manifestação de Cristo NOVO Atos Propagação de Cristo TESTAMENTO Epístolas Interpretação e aplicação de Cristo Apocalipse Consumação em Cristo 4 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  5. 5. Teologia Sistemática I 2.3 A Inspiração da Bíblia A característica mais importante da Bíblia não é sua estrutura e sua forma, mas o fato de tersido inspirada por Deus. E quando falamos de inspiração, não nos referimos a uma inspiração poética, masde autoridade divina. 2.3.1 Definição Etimológica de Inspiração Embora a palavra inspiração seja usada apenas uma vez no Novo testamento (II Tm 3:16) eoutra no Velho Testamento (Jó 32:8), o processo pelo qual Deus transmite sua mensagem autorizada aohomem é apresentada de muitas maneiras. Assim escreveu Paulo a Timóteo: “Toda Escritura é divinamente inspirada [θεοπνευστος] e proveitosa para ensinar...”(II Tm 3:16). O vocábulo grego θεοπνευστος traduzido como “divinamente inspirado” vem de dois outrosvocábulos, a saber: θεος (Deus) + πνηυµα (vento, sopro, espírito), dando-nos, assim, o entendimento que aBíblia é o registro fiel daquilo que saiu da boca de Deus, uma vez que cada palavra foi “soprada” por Ele. Confirmando este conceito podemos citar os seguintes textos bíblicos: I Co 2:13; II Pe 1:21; Hb1:1; I Pe 1:11. E fazendo uma combinação das passagens, descobrimos que a Bíblia é inspirada no seguintesentido: Homens, movidos pelo Espírito santo, escreveram palavras sopradas por Deus, as quais são fontede autoridade para a fé e para a prática cristã. 2.3.2 Definição Teológica da Inspiração Num sentido mais amplo, a inspiração inclui o processo total pelo qual alguns homens movidospelo Espírito Santo, anunciaram e escreveram palavras emanadas da boca de Deus; e, por isso mesmo,palavras dotadas de autoridade divina. Esse processo total de inspiração contém três elementos essenciais, asaber: a. Causalidade Divina: Deus é a causa e a fonte primordial da inspiração da Bíblia. O elemento divino estimulou o elemento humano, revelou-lhe certas verdades da fé, e esses homens de Deus as registraram. b. Mediação Profética: Os profetas escreveram segundo a intenção total do coração, segundo a consciência que os movia no exercício normal de sua tarefa, com seus estilos literários e seus vocabulários individuais. As personalidades dos profetas não foram violentadas; Deus utilizou personalidades humanas para comunicar proposições divinas. c. Autoridade Escrita: A Escritura “é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça”. A Bíblia é a última palavra no que concerne a assuntos doutrinários e éticos. Todas as controvérsias teológicas e morais devem ser trazidas ao tribunal da Palavra Escrita de Deus, pois ela recebeu sua autoridade do próprio Deus. 2.3.3 Distinções Importantes 2.3.3.1 A Inspiração em Contraste com a Revelação e a Iluminação No processo de inspiração devemos diferenciar alguns conceitos afim de que tenhamos umavisão exata do que seja realmente a inspiração. a. Revelação: ato pelo qual Deus se manifestou ao homem e deu a este o conhecimento de qual era a sua vontade (sonhos, visões, profecias, teofanias, etc). b. Inspiração: Ato pelo qual o Espírito Santo capacitou santos homens de Deus a escreverem fielmente tudo quanto Deus quis que fosse registrado de suas revelações. c. Iluminação: Ato pelo qual o espírito santo capacita os homens a compreenderem a verdade de Deus nas Sagradas Escrituras. 2.3.3.2 A Inspiração dos Originais, não das Cópias Só os manuscritos originais, conhecidos como autógrafos, foram inspirados por Deus.Portanto, uma cópia ou tradução só é autorizada à medida que reproduz com exatidão os autógrafos. De uma perspectiva técnica, só os autógrafos são inspirados; todavia, para fins práticos, aBíblia nas línguas de nossa época, por ser transmissão exata dos originais, é a Palavra de Deus inspirada. 5 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  6. 6. Teologia Sistemática I 2.3.3.3 Inspiração do Ensino, mas não de todo o seu conteúdo Só o que a Bíblia ensina foi inspirado por Deus e não apresenta erro; nem tudo que está naBíblia ficou isento de erro. Por exemplo, as Escrituras contém relatos de muitos atos maus, pecaminosos,mas de modo algum a Bíblia os elogia, tampouco os recomenda. Ao contrário, condenas essas práticasmalignas. Exemplo disto é a narrativa que a Bíblia faz de algumas mentiras de Satanás (Gn 3:4). Nestecontexto, a única coisa que a inspiração divina garante aqui é que se trata de um registro verdadeiro de umamentira satânica. 2.3.4 A Natureza da Inspiração Durante a história da igreja podemos perceber basicamente três conceitos diferentes atribuídasa Bíblia em sua relação com a doutrina da inspiração e sua extenção. Vejamos cada uma delas. a. A Ortodoxia: Pensamento teológico compreendido entre o I século até o século XVIII da era cristã. Para a ortodoxia a Bíblia é a palavra de Deus. Em todas as suas partes e palavras ela o registro fiel da revelação divina. b. O Modernismo: Corrente teológica do século XIX que afirma que a Bíblia contém a palavra de Deus; e, por este prisma, assevera que certas partes dela são divinas, expressão a verdade, mas outras são obviamente humanas e apresentam erros. c. A Neo-Ordodoxia: Corrente teológica do século XX. No início deste século a reviravolta nos acontecimentos mundiais e a influência do pai dinamarquês do existencialismo, SØrem Kierkeggard, deram origem a uma nova reforma na teologia européia. Muitos estudiosos começaram a voltar-se de novo para as Escrituras, a fim de ouvir nelas a voz de Deus. Criando, assim, um novo tipo de ortodoxia, afirmavam que Deus fala aos homens mediante a Bíblia; as Escrituras tornam-se a Palavra de Deus num encontro pessoal entre Deus e o homem. Embora, hoje, tanto o modernismo como a neo-ortodoxia sejam cor]rentes fortes no mundoacadêmico da teologia, necessário se faz que venhamos a confirmar aquela posição que sempre foi a normafiel da igreja cristã por séculos. Isto porque a própria Bíblia, em detrimento aos conceitos dos teóricossecularizados, nos fornece um conceito exato sobre o que é a inspiração e qual a sua extensão nos escritossagradas. Observemos cuidadosamente estes elementos. a. A Inspiração é Verbal: é verbal no sentido em que todas as palavras contidas no Livro Sagrado são exatamente aquelas que o Espírito Santo queria que estivessem lá. Esta verdade facilmente se comprova nos textos bíblicos. Em II Tm 3:16 temos “toda a Escritura [γραφη] é inspirada por Deus”; em Ex 24:4 “Moisés escreveu todas as palavras do Senhor”; em II Sm 23:2 “o Espírito do Senhor fala por mim e a sua palavra está na minha boca, etc. No Novo Testamento Jesus usa repetidamente a expressão “está escrito” (Mt 4:4,7; Lc 24:27,44); o apóstolo Paulo testemunhou “... falamos, não como palavras de sabedoria humana, mas como as que o Espírito Santo ensina...” (I Co 2:13) e João nos adverte quanto a não “tirar quaisquer palavras do livro desta profecia” (Ap 22:19); Jesus declarou que não só as palavras,. Mas até mesmos os pequenos sinais diacríticos de uma palavra hebraica vieram de Deus. Diante destes fatos, fica bem claro que a Bíblia reivindica para si mesma toda a autoridade verbal ou escrita. Diz a Bíblia que suas palavras vieram da parte de Deus. b. A Inspiração é Plenária: A Bíblia reivindica a inspiração divina de todas as suas partes. É a inspiração plena, total, absoluta. “Toda [πασα] Escritura é divinamente inspirada...” (II Tm 3:16) Nenhuma parte das Escrituras deixou de receber total autoridade doutrinária. Jesus e todos os autores do Novo Testamento exemplificam sua crença firme na inspiração integral e completa do Antigo Testamento, citando trechos de todas as escrituras que eram para eles autoridade, até mesmo o que apresentam ensinos fortemente polêmicos como a criação de Adão e Eva, a destruição do mundo pelo dilúvio, o milagre de Jonas, etc. c. A Inspiração Atribui Autoridade: uma vez que em todas as suas palavras, conceitos e partes a Bíblia é a inspirada e perfeita revelação de Deus, segue-se disto, portanto, que ela também é autoritativa, única regra de fé e prática. Disse Jesus “...a Escritura não pode ser anulada...” (Jo 10:35). Em numerosas ocasiões Jesus recorreu à palavra de Deus escrita, que ele considerava árbitro definitivo em questões de fé e de prática, para purificar o templo (Mc 11:17), pôr em cheque a tradição dos fariseus (Mt 15:3,4), resolver divergências doutrinárias (Mt 22:29) e 6 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  7. 7. Teologia Sistemática I defender-se contra as tentações de Satanás (Mt 4:4,7,10). Por fim, o próprio Cristo disse que “é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til sequer da lei” (Lc 16:17). Esta sua autoridade é, também, decorrente de sua suficiência, ou seja, do fato de que tudo quanto necessitamos para sermos salvos, conhecermos a Deus e servi-lo está claramente exposto nos seus escritos. A idéia de que a Bíblia para ser a palavra de Deus tem que ser exaustiva em seu conteúdo, ou seja, falar de todos os assuntos e de forma pormenorizada, é fruto de uma compreensão errada sobre a inspiração da Bíblia e o propósito de Deus ao nos concedê-la, isto porque a inspiração significa fidelidade na escrituração da revelação e o propósito de Deus ao nos conceder uma revelação escrita foi o de nos mostrar o caminho da salvação e não falar de ciências, biologia, filosofia ou outros assuntos. 2.3.5 Evidências da Inspiração da Bíblia a. A Reivindicação da Inspiração do V.T. a.1 O V.T. afirma ser um documento com mensagem profética. A expressões “assim diz o Senhor” é muito comum nos escritos proféticos ( sandfkjdkfksjdnfkjasdkjfkjsdfksdnkfksd) . a.2 As profecias escritas pelos profetas reconhecidamente inspirados eram preservados em lugar especial, sagrado. Essa coleção foi reconhecida e muito citada como Palavra de Deus (shghkjhksahdkfashkhsdsdasd). a.3 Os outros textos, igualmente inspirados, eram postos juntos com os que já existiam em lugar sagrado (kbkajsbkfasdbkakskçasdnbçkgja). a.4 Jesus e os autores do N.T. tinham esses escritos na mais alta conta, para eles não podiam ser revogados (çknbkdfgçkdfçgnçlkdfgçkdfshgpuiodfhklgnsdflk). a.5 O escritores do N.T. fizeram numerosa referência aos escritos do V.T. tomando-os como inspirados e autoritativos (,mlsngnasdfçgnçkldafngçksdnfçkgnsdf). b. A Reivindicação da Inspiração do N.T. b.1 Os escritores neotestamentários igualam seus escritos aos escritos do V.T. (II Pe 3:15,16). b.2 Assim como Paulo chama o V.T de “Escritura” [γραφη] (II Tm 3:16), Pedro nomeia as epístolas paulinas também de “Escrituras” [γραφας] (II Pe 3:15,16). b.3 Cada livro do N.T. contém alguma reivindicação de autoridade divina. b.4 Os cristãos da era apostólica e os que lhes sucederam logo reconheciam a origem divina dos escritos neotestamentários, ao lado da autoridade divina do V.T. b.5 Os livros do N.T. foram colecionados, lidos publicamente e posto ao lado do livros inspirados do V.T. c. Evidência Interna da Inspiração da Bíblia: É a evidência que brota da Bíblia. c.1 Evidência da autoridade que se auto-confirma: A Bíblia fala com autoridade própria, cheia de convicção. As multidões se maravilhavam com Cristo pois ele fala com autoridade (Mc 1:22). A expressão “assim diz o Senhor” ressalta a idéia de que os profetas nada falavam de si mesmos, e, sim por determinação, orientação e supervisão de Deus”. As palavras das Escrituras não precisam ser defendidas; precisam apenas ser ouvidas, para que se saiba que são a Palavra de Deus. c.2 Evidência do testemunho do Espírito Santo: A Palavra de Deus confirma-se perante os filhos de Deus através do Espírito Santo. Este é o único que poderosa e eficazmente pode convencer os pecadores sobre a realidade da inspiração verbal e plenária da Bíblia. Ou seja, o mesmo Espírito que inspirou a Bíblia é o mesmo que ilumina os corações para que entendam, creiam e sejam salvos ( ). c.3 Evidência da capacidade transformadora da Bíblia: Há na Bíblia, Pelo Espírito Santo, a capacidade de convencer, converte e edificar o pecador para a vida eterna. Os entristecidos recebem conforto, os pecadores são repreendidos, os negligentes são exortados pelas Escrituras. A evidência de que Deus atribui sua autoridade à Bíblia está em seu poder evangelístico e edificador. c.4 Evidência da unidade da Bíblia: Uma evidência mais formal da inspiração da Bíblia está na sua unidade. Sendo constituída de 66 livros escritos ao longo de 1500 anos, por cerca de 40 escritores, diversas línguas, com centenas de tópicos, é muito mais que mero acidente que a 7 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  8. 8. Teologia Sistemática I Bíblia apresente espantosa unidade temática – Jesus Cristo; um problema – o pecado; uma solução – o salvador Jesus, unificando as páginas da Bíblia, do Gênesis ao Apocalipse. d. Evidência Externa da Inspiração da Bíblia: É a que surge de fora da Bíblia. d.1 Evidência Baseada na Historicidade da Bíblia: Grande parte do conteúdo bíblico é história e, portanto, passível de constatação. Os artefatos arqueológicos, os documentos escritos e nenhuma descoberta arqueológica invalidou um ensino ou relato bíblico. Grande parte da antiga crítica à Bíblia foi firmemente refutada pelas descobertas arqueológicas que demonstraram a existência da escrita no tempo de Moisés, a história e a cronologia dos reis de Israel e até mesmo a existência dos hititas, povo até pouco só mencionado na Bíblia. A Descoberta dos rolos do Mar Morto ilustra que existem milhares de manuscritos tanto do V.T. como do N.T. , o que contrasta com o punhado de originais disponíveis de muitos clássicos seculares de grande importância. Isto significa que a Bíblia é o livro do mundo antigo mais bem documentado que existe. d.2 Evidência do Testemunho de Cristo: Se Jesus possui alguma autoridade ou integridade como mestre religioso, podemos concluir que a Bíblia é inspirada por Deus. O Senhor Jesus ensinou que a Bíblia é a Palavra de Deus. Se alguém quiser provar ser esta assertiva falsa, deverá primeiro rejeitar a autoridade que tinha Jesus de se pronunciar sobre a questão da inspiração. d.3 Evidência da Profecia: Até o presente momento nenhuma profecia bíblica ficou sem ser cumprida, cada uma delas de concretizou literalmente. A época do nascimento de Jesus Cristo (Dn 9), a cidade em que ele deveria nascer (Mq 5:2) e a natureza de sua concepção e nascimento (Is 7:14). Outros livros reivindicam inspiração divina, como o Alcorão, todavia, nenhum desses livros contém predições sobre o futuro. A Bíblia, portanto, tem um forte argumento a favor de sua autoridade divina: suas profecias sempre se cumprem. d.4 Evidência da Influência da Bíblia: Nenhum outro livro tem sido tão largamente disseminado, nem exercido tão forte influência como a Bíblia. Esta já foi traduzida em mais de mil línguas, abrangendo 90% da população do mundo. Nenhuma obra religiosa ou de fundo moral do mundo excede a profundidade moral contida no princípio do amor cristão, e nenhum apresenta conceito espiritual mais majestoso sobre Deus. A Bíblia apresenta ao homem os mais elevados idéias que já pautaram a civilização. d.5 Evidência da Manifesta Indestrutibilidade da Bíblia: A despeito de sua tremenda importância, a Bíblia tem sofrido muito mais ataque perversos do que seria de esperar, em se tratando de um livro. No entanto a Bíblia tem resistido a todos os ataques. Até mesma a igreja Católica Romana tentou ocultá-la e até destruiu milhares delas, contudo a palavra de Deus foi livre dos mosteiros e masmorras e entre pela Reforma Protestante aos homens. d.6 Evidência Oriunda da Integridade de Seus Escritores: Os escritores bíblicos não eram meros poetas, historiadores, religiosos,etc., estes homens carregavam com sigo a idéia bem firmada que eles escreviam da parte de Deus, e, portanto, estavam disposta até morrer pela defesa da fé que expunham em seus escritos. Embora estarem distanciados até por séculos, eles sinceramente criam que Deus lhes falava e que era imperioso escrever aos homens a vontade de Deus. 8 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  9. 9. Teologia Sistemática I APÊNDICE - I I. AS VERSÕES DA BÍBLIA E OS LIVROS APÓCRIFOSa. A Septuaginta (LXX): Foi a tradução do Velho testamento hebraico para o grego em III a.C. na cidade de Alexandria. Foi nesta tradução que pela primeira vez foram postos os livros apócrifos ao lado dos livros inspirados.b. A Antiga Latina: Foi a tradução da Bíblia para o latim antes de 200 d.C, no norte da África. Nesta tradução fez-se uso da Septuaginta como texto base para se traduzir o V.T. ; com isto os livros apócrifos continuaram ao lado dos livros inspirados.c. A Vulgata Latina: Foi a tradução da Bíblia para o latim por volta do ano 382 d.C. Nesta tradução Jerônimo fez uso do texto hebraico (texto massorético – TM). A controvérsia em torno da tradução do V.T. por Jerônimo com base no original hebraico reflete não só os conflitos entre cristãos e judeus, mas a crença mais problemática ainda sustentada por muitos líderes cristãos, dos quais Agostinho, segundo a qual a LXX era verdadeiramente a Palavra inspirada, inerrante, da parte de Deus, em vez de uma mera tradução não-inspirada baseada nos originais hebraicos. Jerônimo considerou que os livros apócrifos não eram de autoridade sobre a igreja, uma vez que eles não eram inspirados. No século XVI, a igreja, tendo se afastado das Escrituras sagradas, veio a ficar comprometidacom a devassidão moral, politicagem eclesiástica, paganismo e tantos outros males. A Bíblia foi retirada dasmãos do povo comum e aqueles que tentavam mudar tal situação eram presos e até mortos pela própriaigreja, a mando do papa. Os desvios doutrinários a cada dia apareciam, e para fins da construção da basílica de sãoPedro, ao monge Tetzel foi dada autoridade para a venda de indulgências que garantiam o perdão dospecados passados presentes e futuros a quem comprasse tal documento. Embora tal prática seja absurda atépara os católicos hoje, contudo na época tal prática era sancionada pelo papa e estava de acordo com adoutrina do purgatório, da missa de sétimo dia e da infabilidade papal, uma vez que o próprio papa haviareconhecido a existência de um lugar de purificação para aquelas almas que não iam diretamente para o céu.Tudo de acordo com algumas pouquíssimas passagens dos livros apócrifos. É, então, neste contexto histórico que surge a Reforma Protestante proclamando “Só aEscritura” como única regra de fé e prática. Lutando contra as indulgências os reformadores asseveravamque tal prática não tinha respaldo na Palavra de Deus e que portanto deveria ser rejeitada por todo verdadeirocristão. Tendo a igreja católica sofrido grandes baixas de membros em vários países, no Concílio de Trentodeclara canônicos os livros apócrifos pelos seguintes motivos: a. Para confirmar a doutrina do purgatório, missa de sétimo dia e outras afins, que tem sua base no livro de Macabeus. b. Para defender a autoridade papal sobre questões doutrinárias. c. Para não cair em descrédito diante da opinião pública, tendo que se retratar quanto a um erro de doutrina e prática. d. Para continuar levantando recurso para a construção da Basílica de São Pedro e.. Para combater o avanço da Reforma Protestante. Portanto, a acusação que os protestantes retiraram livros da Bíblia não condiz que os fatoshistóricos, uma vez que estes tais, aceitos tardiamente pelos católicos, só foram canonizados por motivosespúrios e não por serem verdadeiramente inspirados, pois se o fossem como são os livros da Bíblia, estes,chamados livros apócrifos, já teriam sido reconhecidos como canônicos, uma vez que por mais de um milênioe meio já se encontravam pertos dos livros universalmente reconhecidos pelo povo de Deus comoinspirados. Os livros apócrifos, embora não serem tidos como inspirados pelos protestantes, eram,contudo, reconhecidos como obras históricas e testemunhas daquele período compreendido entre Malaquiase Mateus. Eram portanto, até lidos, mas nunca usados como textos inspirados e autoritativos para de fazerdoutrina alguma ou se asseverar algo sobre a prática ou crença da igreja cristã. 9 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  10. 10. Teologia Sistemática I II. A CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMISNTERCAPÍTULO I – DA ESCRITURA SAGRADA I. Ainda que a luz da natureza e as obras da providência manifestem de tal modo a bondade, a sabedoria e o poder de Deus, que os homens ficam inescusáveis, todavia não são suficientes para dar aquele conhecimento de Deus e de sua vontade, necessário à salvação; por isso foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua igreja aquela sua vontade; e depois, para melhor preservação e propagação da verdade, para o mais seguro estabelecimento e conforto da igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo, foi igualmente servido fazê-la escrever toda. Isto torna a Escritura Sagrada indispensável, tendo cessado aqueles antigos modos de Deus revelar a sua vontade ao seu povo. IV. A autoridade da Escritura Sagrada, razão pela qual deve ser crida e obedecida, não depende do testemunho de qualquer homem ou igreja, mas somente de Deus (a mesma verdade) que é seu Autor; tem, portanto, de ser recebida porque é a Palavra de Deus. V. Pelo Testemunho da Igreja podemos ser movidos e incitados a um alto e reverente apreço pela Escritura Sagrada; a suprema excelência do seu conteúdo, a eficácia da sua doutrina, a majestade do seu estilo, a harmonia de todas as suas partes, o escopo do seu todo (que é dar a Deus toda a glória), a plena revelação que faz do único meio de salvar-se o homem, as suas muitas outras excelências incomparáveis e completa perfeição são argumentos pelos quais abundantemente se evidencia ser ela a Palavra de Deus; contudo, a nossa plena persuasão e certeza da sua infalível verdade e divina autoridade provém da operação interna do espírito Santo que pela Palavra e com a Palavra, testifica em nossos corações. VI. Todo conselho de Deus concernente a todas as coisas necessárias para a glória dele e para a salvação, fé e vida do homem, ou é expressamente declarado na Escritura ou pode ser logicamente deduzido dela. À Escritura nada se acrescentará em tempo algum, nem por novas revelações do Espírito, nem por tradições dos homens; reconhecemos entretanto, ser necessária a íntima iluminação do Espírito de Deus para a salvadora compreensão das coisas reveladas na Palavra, e há algumas circunstâncias, quanto ao culto de Deus e o governo da igreja, comuns às ações e sociedades humanas, as quais têm de ser ordenadas ela luz da natureza e pela prudência cristã, segundo as regras da Palavra, que sempre devem ser observadas. VIII. O Velho Testamento em hebraico (língua nativa do antigo povo de Deus) e o Novo testamento em grego (a língua mais geralmente conhecida entre as nações no tempo em que ele foi escrito), sendo inspirados imediatamente por Deus, e pelo seu singular cuidado e providência conservados puros em todos os séculos, são, por isso, autênticos, e assim em todas as controvérsias religiosas a igreja deve apelar para eles como para um supremo tribunal; mas, não sendo essas línguas conhecidas por todo o povo de Deus, que tem direito e interesse nas Escrituras, e que deve, no temor de Deus, lê-las e estudá-las, esses livros têm de ser traduzidos nas línguas vulgares de todas as nações aonde chegarem, a fim de que a Palavra de Deus, permanecendo nelas abundantemente, adorem a Deus de modo aceitável e possuam a esperanças pela paciência e conforto das Escrituras. IX. A regra infalível de interpretação da Escritura é a mesma Escritura; portanto, quando houver questão sobre o verdadeiro e pleno sentido de qualquer texto da Escritura (sentido que não é múltiplo, mas único), esse texto pode ser estudado e compreendido por outros textos que falarem mais claramente. X. O Juiz Supremo, pelo qual todas as controvérsias religiosas têm de ser determinadas, e por quem serão examinados todos os decretos e concílios, todas as opiniões dos antigos escritores, toda as doutrinas de homens e opiniões particulares, o Juiz Supremo, em cuja sentença nos devemos firmas, não pode ser outro senão o Espírito Santo falando na Escritura. 10 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  11. 11. Teologia Sistemática IIII. TEONTOLOGIA 3.1 A EXISTÊNCIA DE DEUS a. O Lugar da Doutrina na Dogmática As obras de dogmática ou de teologia geralmente começam com a doutrina de Deus. Há boasrazões para começar com a doutrina de Deus, se partirmos da admissão de que a Teologia é o conhecimentosistematizado de Deus de quem, por meio de quem, e para quem são todas as coisas. Efetivamente iniciamos o estudo da teologia com duas pressuposições básicas, a saber: * Que Deus existe; * Que Ele se revelou em sua Palavra Divina. E por esta razão não nos é impossível começar com o estudo de Deus. Podemos dirigir-nos aSua Revelação para aprender o que Ele revelou a respeito de Si mesmo e a respeito de Sua relação paracom as Sua criaturas. Até o começo do século XIX era quase geral a prática de começar o estudo da dogmática coma doutrina de Deus, mas ocorreu uma mudança sob a influência de Scheleiermacher que procurousalvaguardar o caráter científico da teologia com a introdução de um novo método. A consciência religiosa dohomem substituiu a palavra de Deus como a fonte da teologia. A fé na Escritura como autorizada revelaçãode Deus foi desacreditada e a compreensão humana baseada na apreensão emocional ou racional dohomem, veio a ser o padrão do pensamento religioso. A religião gradativamente tomou lugar de Deus comoobjeto da teologia. O homem deixou de ser ou de reconhecer o conhecimento de Deus como algo que lhe foidado na Escritura e começou a orgulhar-se de ter a Deus como seu objeto de pesquisa. Conseqüência natural deste sistema teológico: Deus é criado segundo a imagem esemelhança do homem. b. Prova Bíblica da Existência de Deus Para a teologia cristã a questão da existência de Deus não é apenas de que há alguma coisa,alguma idéia ou ideal, algum poder ou tendência com propósito, a que se possa aplicar o nome de Deus, masque, de fato, existe um ser pessoal, auto-consciente, auto-existente, que é a origem de todas as coisas e quetranscende a criação inteira, mas ao mesmo tempo é imanente em cada parte de criação. O cristão aceita a verdade da existência de Deus pela fé. As provas se acham primeiramentena Escritura como palavra de deus inspirada, e, secundariamente na revelação de Deus na natureza. Em nenhum livro da Bíblia algum escritor tenta provar a existência de Deus. Esta verdade, naBíblia, é apresentada como uma fato necessário (Gn 1:1). c. Conceitos a Respeito de Deus c.1 ATEÍSMO - Negação da Existência de Deus Podemos dizer que existem dois tipos de ateus: o ateu prático e o ateu teórico. Entre os ateuspráticos encontramos aquelas pessoas não religiosas que, embora não afirmarem a não existência de Deus,vivem como se Deus não existisse. Já os ateus teóricos são aqueles que procuram provar que Deus nãoexiste usando para este fim aquilo que lhes parece argumentos racionais da não existência de Deus. OsAteus estão classificados da seguinte forma: * Ateus Dogmáticos: São os que negam peremptoriamente a existência de um ser divino. * Ateus Céticos: São os que tem dúvida quanto a capacidade da mente humana de determinar se há ou não um Deus. * Ateus Críticos: São os que sustentam que não há nenhuma prova válida da existência de Deus. c.2 Falsos Conceitos sobre Deus Quando se debate sobre a realidade de Deus, muitos tendem a pensar que somente o ateísmodesponto como elemento nocivo a fé cristã. Entretanto, tão prejudicial à alma humana como o ateísmo ( ) sãotambém os falsos conceito a cerca da existência de Deus. Isto porque estes, sob a aparência de verdade, 11 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  12. 12. Teologia Sistemática Iconduzem a erros grotescos quando atribuem a Deus conceitos humanistas e puramente filosóficos.Analisemos cada um deles a baixo. * Politeísmo: É a crença na existência de vários deuses. * Henoteísmo: É a crença na existência de vários deuses, entretanto apenas um é escolhido como objeto se culto. * Dualismo: É a crença na existência de dois deuses ou forças que são co-eternas, poderosas e que ao mesmo tempo se opõe. * Deísmo: Corrente teológica que afirma a existência de um ser pessoal, criador, poderoso, sábio, etc. que, tendo criado todas as coisas, ausentou-se de sua criação e deixando-a ser dirigida tão somente pelas leis naturais nas quais ela foi posta. Este pensamento enfatiza a transcendência de Deus. * Panteísmo: corrente filosófica que afirma que Deus é tudo e tudo é Deus. * O Absoluta da Filosofia: alguns filósofos ao falarem a respeito da realidade ou não de um ser divino, atribuíram a este a designação de absoluto Diante destas correntes teológico-filosóficas podemos destacar, em suma, pelo três idéiasbásicas a respeito de Deus, a saber: 1. Um Deus Imanente e impessoal: O teísmo sempre acreditou num Deus que é transcendente e imanente. O deísmo retirou Deus do mundo, e deu ênfase à sua transcendência em detrimento da sua imanência. Sob a influência do panteísmo, porém, o pêndulo pendeu noutra direção, pois este identificou Deus com o mundo e não reconheceu um Ser divino distinto da Sua criação e infinitamente exaltado acima dela. 2. Um Deus Finito e Pessoal: A idéia de um Deus finito ou deuses finitos não é nova; é tão antiga como politeísmo e o henoteísmo. Neste sistema encontramos o panteão grego com todos os seus deuses que tinham, via de regra, as mesmas deficiências e dificuldades dos homens. 3. Deus Como a Personificação de Uma Simples Idéia Abstrata: ficou muito em voga na moderna teologia “liberal” considerar o nome “Deus” como um simples símbolo, representando algum processo cósmico, uma vontade ou poder universal, ou um ideal elevado e abrangente. A maioria dos que rejeitam o conceito teísta de Deus ainda professa fé em Deus, mas este é um Deus de sua própria imaginação. c.3 TEÍSMO – O Pensamento Cristão Sobre Deus O conceito cristão sobre o ser Deus e seu modo de se relacionar com a sua criação estaesboçado no pensamento teológico denominado de teísmo. Neste, Deus é apresentado como um serpessoal, sábio, poderoso, criador de todas as coisas, e que através de seu infinito poder e soberania,governa, dirige, dispõe, sustenta todas as coisas conforme o conselho da sua vontade. Nisto, então,percebemos que o teísmo tanto enfatiza a transcendência de Deus como a sua imanência. d. Provas Racionais da Existência de Deus No transcurso do tempo foram elaborados alguns argumentos em favor da existência de Deus.Alguns deles já haviam sido sugeridos por Platão e Aristóteles, e outros foram acrescentados modernamentepor estudiosos da filosofia da religião. Observemos cada um deles. d.1 Argumento Ontológico: O homem tem a idéia de um ser absolutamente perfeito. Esta existência é um atributo de perfeição; portanto, um ser absolutamente perfeito tem que existir. Kant declarou que este argumento era insustentável; todavia, Hegel o aclamou com um grande argumento. d.2 Argumento Cosmológico: Cada coisa que existe no mundo tem que ter uma causa adequada; sendo assim, o universo tem que ter uma causa adequada, isto é, uma causa infinitamente grande. 12 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  13. 13. Teologia Sistemática I d.3 Argumento Teleológico: Em toda parte o mundo revela inteligência, harmonia , ordem e propósito, a assim implica a existência de um ser inteligente e com propósito, apropriado para a produção de um mundo como este d.4 Argumento Moral: Todo ser humano possui em sua constituição íntima a idéia de certo e errado, uma personalidade ajustada aos valores morais e éticos; portanto deve existir um ser moral e eticamente bom que criou o homem com este atributo; ou seja, o reconhecimento que o homem tem do Sumo Bem e a sua busca de um ideal moral exigem a necessitam a existência de um Deus que concretize este ideal. d.5 Argumento Histórico: Entre todos os povos e tribos da terra há um sentimento religioso que se revela em cultos exteriores. Visto ser um fenômeno universal, deve pertencer à própria natureza do homem. E se a natureza do homem leva naturalmente ao culto religioso, isto só pode achar uma explicação num ser superior que constituiu o homem um ser religioso. 3.2 A COGNOSCIBILIDADE DE DEUS a. Deus Incompreensível e, Contudo, Cognoscível A igreja cristã confessa, por um lado, que Deus é incompreensível, mas também, por outrolado, que Ele pode ser conhecido e que conhecê-lo é um requisito absoluto para a salvação (Jó 11:7; Is40:18; Jo 17:3; I Jo 5:20). Os escolásticos sustentavam que não sabemos o que Deus é em seu Ser essencial, maspodemos saber algo da Sua natureza, daquilo que Ele é para nós, como Ele se revela em seus atributosdivinos. Já os Reformadores, embora concordando em linhas gerais com os escolásticos, rejeitaram aidéia de que é possível adquirir real conhecimento de Deus pela razão humana desajudada, partindo tãosomente da revelação geral. Para Calvino, Deus, nas profundezas do seu ser, é insondável. “Sua essência”,diz ele, ”é incompreensível; desse modo, Sua divindade escapa totalmente aos sentidos humanos”. OsReformadores não negam que o homem possa aprender alguma coisa da natureza de Deus por meio da Suaobra criadora, mas sustentam que ele só pode adquirir verdadeiro conhecimento de Deus por meio darevelação especial, sob a influência iluminadora do Espírito Santo. Sob a influência da teologia da imanência, de tendência panteísta, inspirada por Hegel eSchleiermacher, a transcendência de Deus é enfraquecida, ignorada ou explicitamente negada. Deus écolocado no nível do mundo, considerado menos incompreensível e é afirmada a realidade de se obter realconhecimento de Deus dentro do âmbito do ser do próprio homem, fora da revelação especial, uma vez queesta é negada. Barth, como neo-ortodoxo, assinala que não podemos encontrar Deus nem na natureza, nemna história, nem na experiência humana de qualquer espécie, mas somente na revelação especial, que chegaaté nós na Bíblia. b. A Negação da Cognoscibilidade de Deus Geralmente essa negação se baseia nos supostos limites da faculdade cognitiva humana,segundo a qual a mente é incapaz de conhecer qualquer coisa que esteja além e por trás dos fenômenosnaturais, e , portanto, é necessariamente ignorante quanto às coisas supersensoriais e divinas. Huxley foi oprimeiro a aplicar àqueles que assumem esta posição, ele próprio incluído, o nome de “agnósticos”. Este nãogostam de ser rotulados de ateus, desde que eles não negam absoluta,mente a existência de Deus, masdeclaram que não sabem se Ele existe ou não e, mesmo que exista, não estão certos de terem algumgenuíno conhecimento dele, e, em muitos casos, negam de fato que possam ter algum conhecimento realdele. Comte, pai do positivismo,era agnóstico em religião e, de acordo com seu pensamento, o homem nadapode conhecer, se não pelos fenômenos físicos e suas leis. Os seus sentidos sãos as fontes de todoverdadeiro pensamento, e ele nada pode conhecer, exceto os fenômenos que os seus sentidos apreendem. c. Auto-Revelação, Requisito de Todo Conhecimento de Deus c.1 Deus Transmite Conhecimento de Si Próprio ao Homem Kuyper chama a atenção para o fato de que a teologia, como conhecimento de Deus, diferenum importante ponto de todos os demais tipos de conhecimento. No estudo de todas as outras ciências, ohomem se coloca acima do objeto de sua investigação e ativamente extrai dele o seu conhecimento pelométodo que lhe pareça mais apropriado; mas, na teologia, ele não pode colocar-se acima, e, sim , sob o 13 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  14. 14. Teologia Sistemática Iobjeto do seu conhecimento. Noutras palavras, o homem só pode verdadeiramente conhecer a Deus namedida em que Este ativamente se faz conhecido. Sem a revelação divina o homem nunca seria capaz deadquirir qualquer conhecimento legítimo de Deus. Todo o nosso conhecimento de Deus é derivado da Suaauto-revelação na natureza e na Escritura. c.2 A Revelação Geral e a Especial: A Bíblia atesta uma dupla revelação de Deus: uma revelação na natureza que nos cerca, naconsciência humana, e no governo providencial do mundo (Sl 19:1,2; At 14:17; Rm 1:19,20); e uma revelaçãoencarnada na Bíblia como Palavra de Deus (II Re 17:13; Sl 103:7; Jo 1:18; Hb 1:1,2). O Dr. Warfield afirma: “ A primeira é dirigida de modo geral a todos as criaturas inteligentes, e,portanto é acessível a todos os homens; a outra dirige-se a uma classe especial de pecadores, aos quaisDeus quis tornar conhecida a Sua salvação...”. A revelação geral está arraigada na criação, e é dirigida aohomem como homem. A revelação especial está arraigada no plano da redenção de Deus, e é dirigida aohomem na qualidade de pecador, e só pode ser adequadamente compreendida e assimilada somente pela fé. Os escolásticos afirmavam que a revelação natural fornecia os dados necessários para aconstrução de uma teologia natural científica pela razão humana; mas, não fornecia o conhecimento dosmistérios como os da Trindade, da encarnação, e da redenção. Este conhecimento é dado pela revelaçãoespecial. É um conhecimento não demonstrável racionalmente, mas deve ser aceito pela fé. Os Reformadores rejeitaram o dualismo dos escolásticos a afirmarem que não criam que arazão humana tenha a capacidade para elaborar um sistema científico de teologia com base na revelaçãonatural pura e simples, isto porque, com a entrada do pecado no mundo, a escrita de Deus na natureza ficoumuito obscura, e em alguns dos assuntos mais importantes assuntos, é opaca e ilegível (Rm ). Deuspara remediar esta questão, em sua revelação especial, tornou a publicar as verdades da revelação natural,e, em acréscimo a isso, Ele providenciou uma cura para a cegueira espiritual do homem na obra daregeneração e santificação, incluindo iluminação espiritual, e, assim, capacitou o homem mais uma vez aobter verdadeiro conhecimento de Deus, o conhecimento que leva consigo a segurança da vida eterna. 3.3 A REVELAÇÃO DO SER E DOS ATRIBUTOS DE DEUS Os atributos de Deus são as suas qualidades essenciais nas quais o Ser de Deus é revelado ecom os quais pode ser identificado. a. O Ser de Deus A Bíblia nunca opera com um conceito abstrato de Deus, mas sempre O descreve com o DeusVivente, que entra em várias relações com as suas criaturas, relações que indicam vários atributos diferentes.E o consenso da opinião da igreja primitiva, durante a idade média, e no tempo da Reforma, foi que Deus,em seu ser mais recôndito, é O Incompreensível. Os escolásticos falavam de três perguntas às quais todas asespeculações a respeito do Ser Divino podiam ser reduzir-se: Quem é Deus? Qual a natureza de suaconstituição interna? O que é que faz que Ele seja o que Ele é? Para responder adequadamente essasperguntas teríamos que ser capazes de compreender Deus e oferecer uma explicação satisfatória do seu SerDivino, e isto é completamente impossível. O Finito não pode compreender o infinito. Calvino também fala daessência divina como incompreensível. Ele sustenta que Deus, nas profundezas do Seu Ser, está fora dealcance. Já Tomas de Aquino afirmava que os atributos de Deus não revelam o que Deus é em Si mesmo,nas profundezas do Seu Ser, mas somente o que Ele é em relação às Suas criaturas. Devido à estreita relação entre os atributos e a essência de Deus, pode-se dizer que oconhecimento dos atributos leva consigo o conhecimento da essência divina. Seria um erro conceber aessência de Deus como existente por Si própria e anterior aos atributos, como também seria um erroconceber os atributos como características aditivas e acidentais do Ser Divino. São eles qualidades essenciais deDeus, inerentes ao seu próprio Ser e com Ele coexistente. Estas qualidades não podem ser alteradas sem alterar o Seressencial de Deus. E desde que são qualidades essenciais, cada um deles revela-nos alguns aspectos do Ser de Deus. b. Os Atributos de Deus em Geral b.1 Definição de Atributos Os atributos de Deus podem ser definidos como as perfeições que constituem qualidades doSer Divino na Escritura, ou que são visivelmente exercidos por Ele em sua Obras de criação, providência eredenção. b.2 Método de Determinação dos Atributos de Deus 14 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  15. 15. Teologia Sistemática I Os Escolásticos afirmavam três modos pelos quais determinar os atributos de Deus: Via daCausalidade, onde subimos dos efeitos à uma causa primeira; Via da Negação, quando retiramos de nossaidéia de Deus todas as imperfeições humanas; e, Via da Eminência, quando atribuímos a Deus, em grauinfinitamente perfeito, as qualidades que encontramos no homem. Na Teologia Experimental de Macintosh o postulado praticamente necessário é que Deus éabsolutamente suficiente e absolutamente confiável com referência às necessidades religiosas do homem, eque é sobre esta base que o homem pode construir a sua doutrina sobre os atributos de Deus. Esses métodos têm seu ponto de partida na experiência humana, e não na Palavra de Deus.Deliberadamente ignoram a clara revelação que Deus nos dá de Si na Escritura e exaltam a idéia dodescobrimento humano de Deus. Os que se apóiam em tais métodos fecham os olhos para a única avenidapela qual poderiam obter real conhecimento de Deus, a saber, a Sua revelação especial, evidentementeesquecidos do fato de que somente o Espírito de Deus pode sondar e revelar as profundezas de Deus, e no-las revelar. O próprio método de que se utilizam os compele a arrastar Deus para baixo, ao nível do homem,ao salientar sua imanência em detrimento de Sua transcendência. E como resultado final de sua filosofia,temos um Deus feito à imagem do homem. A única maneira apropriada pela qual podemos obter conhecimento dos atributos divinosperfeitamente confiável é o estudo da auto-revelação de Deus na Escritura. É verdade que podemos adquiriralgum conhecimento da grandeza e poder de Deus, de sua sabedoria e bondade, pelo estudo da natureza,mas para uma adequada concepção, mesmo destes atributos, será necessário voltar-nos para a Palavra deDeus. Na teologia da revelação procuramos aprender da Palavra de Deus quais são os atributos do SerDivino. O homem não pode extrair conhecimento de Deus como o faz dos outros objetos de estudo, masDeus transmite conhecimento de Si ao homem, conhecimento este que o homem pode somente aceitar eassimilar. c. Os atributos Incomunicáveis É muito comum, na teologia, falar de Deus como o Ser Absoluto, termo este mais característicoda filosofia do que da própria teologia. Na metafísica a expressão “o Absoluto” é um designativo dofunda,mento último de todas existência. O termo “Absoluto” é derivado do termo latino absolutus, compostode ab (preposição de, indicando procedência) e solvere (soltar) e, assim, significa livre quanto a condição, oulivre de limitação ou restrição. De sorte que o Absoluto foi considerado como aquilo que é livre de todas ascondições(Incondicionado ou Auto-existente), ou livre de todas as relações (o Irrelacionado), de todas asimperfeições (o Perfeito), ou livre de todas as diferenças ou distinções fenomenológicas, como matéria eespírito, ser e atributos, sujeito e objeto, aparência ou realidade (o Real, a Realidade última). Quando o Absoluto é definido como a Causa primeira de todas as coisas existentes, ou como ofundamento último de toda realidade, ou como o único Ser Auto-existente, pode ser considerado idêntico aoDeus da teologia. Ele é O Infinito, que não existe em relações necessárias, porque Ele é auto-suficiente, masao mesmo tempo pode entrar livremente em relações com sua criação como um todo e suas criaturas. Enquanto os atributos incomunicáveis salientam o Ser Absoluto de Deus, os atributoscomunicáveis acentuam o fato de que ele entra em várias relações com as Suas criaturas. c.1 A Existência Autônoma de Deus Deus é auto-existente, isto é, Ele tem em Si mesmo a base de sua existência (Jo 5:26). Ohomem, por outro lado, não existe necessariamente, e tem a causa da sua existência fora dele próprio. Esteatributo de Deus está implícito nas religiões pagãs e no Absoluto da filosofia. Esta auto-existência de Deusacha expressão no nome YAHWEH. É somente como Ser auto-existente e independente que Deus pode dara certeza de que permanecerá eternamente o mesmo com relação ao seu povo eleito. Ele é independente de todas as coisas e todas as coisas só existem por meio dele (Sl 94:8), Is40:18; At 7:25); Ele é independente em seu pensamento (Rm 11:33,34), em sua vontade (Dn 4:35; Rm 9:19;Ef 1:5; Ap 4:11) em seu poder (Sl 115:3) e em seu conselho (Sl 33:11). c.2 A Imutabilidade de Deus É a perfeição pela qual não há mudanças em Deus, não somente em Seu Ser, mas tambémem Suas perfeições, em seus propósitos e em suas promessas. Esta verdade, além de ser escriturística, écomprovada pela razão que nos ensina que não é possível nenhuma mudança em Deus, visto que qualquermudança é para melhor ou para pior. 15 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  16. 16. Teologia Sistemática I A imutabilidade de Deus é claramente ensinada nas Escrituras sagradas (Ex 3:14; Sl 102:26-28; Is 41:4; Is 48:12; Ml 3:6; Rm 1:23; Tg 1:17). No entanto, há passagens bíblicas que parecem atribuir mudança em Deus (Ex 32:10-14; Jn3:10; Pv 11:20; Sl 18:26,27). A objeção aqui presente baseia-se até certo ponto em errônea compreensão. Aimutabilidade divina não deve ser entendida no sentido de imobilidade, pois na teologia fala-se de Deus comoactus Purus, Deus sempre em ação. A Bíblia nos ensina que Deus entra em multiformes relações com oshomens, Ele está cercado de mudanças, mudanças nas relações dos homens com Ele, mas não há nenhumamudança em Seu Ser, em Seus atributos, em Seus propósitos, em Seus motivos de ação, nem em Suapromessas. Se a Escritura fala do Seu arrependimento, de Sua mudança de intenção, e da alteração quefaz de sua relação com os pecadores quando estes se arrependem, devemos lembrar-nos de que se trataapenas de um modo antropopático [ a antropopatia é atribuição de sentimentos humanos a Deus com o fimde, em linguagem humana, tentar melhor compreender a divindade] de falar. Na realidade a mudança não estáem Deus, mas no homem e nas relações do homem com Deus. É importante sustentar a doutrina da imutabilidade de Deus contra a doutrina pelagiana earmeniana de que Deus é sujeito a mudança, na verdade não em Seu Ser, mas em seu conhecimento e emsua vontade, de modo que Suas decisões dependem em grande medida das ações do homem. c.3 A Infinidade de Deus É a perfeição de Deus pela qual Ele é isento de toda e qualquer limitação em seu Ser Divino eSeus atributos. Esta infinidade não deve ser confundida como se Ele estivesse espalhado pelo universo todo,uma parte aqui, outra ali, pois Deus não tem corpo e, portanto, não tem extensão espacial. Este atributo,conseqüentemente, é uma realidade em Deus e só por Ele compreendida plenamente; e que se podedistinguir em três aspectos, vejamos. * Sua Perfeição Absoluta: Esta é a infinidade de Deus relacionada em si mesma. O Ser e os atributos de Deus são plenamente perfeitos. Ele é tudo o que deve ser e seus atributos não carecem de acréscimos (Jó 11:7-10; Sl 145:3; Mt 5:48). * Sua Eternidade: A eternidade é a infinidade de Deus em relação ao tempo. A forma como a Bíblia apresenta a eternidade de Deus é simplesmente a de duração pelos séculos dos séculos sem fim (Sl 90:2; Sl 102:12; Ef 3:21). Devemos lembrar, porém que ao falar como fala, a Bíblia emprega linguagem popular, e não a linguagem da filosofia. Na realidade, a eternidade no sentido estrito da palavra, está relacionada a tudo quanto transcende a todas as limitações temporais (II Pe 3:8). Nossa existência é assinalada por dias, semanas, meses e anos; não há essa divisão na vida de Deus. Ele é o eterno “Eu Sou”. A sua eternidade pode ser definida como a perfeição pela qual Ele é elevado acima de todos os limites temporais e de toda sucessão de momentos, e tem a totalidade da Sua existência num único presente indivisível. * Sua Imensidade: É a infinidade de Deus em relação ao espaço, e pode ser definida como a perfeição do Ser divino pela qual Ele transcende todas as limitações espaciais e, contudo, está presente em todos os pontos do espaço com todo o Seu Ser. Os corpos físicos ocupam o espaço circunscritivamente, por que limitados por ele; os espíritos finitos ocupam o espaço definidamente, visto que não estão em toda a parte, e Deus ocupa os espaço repletivamente, porque ele preenche todo o espaço. Ele não esta ausente de nenhuma parte do espaço, nem tampouco está mais presente numa parte que noutra. Em certo sentido, os termos “imensidade” e “onipresença”, como são aplicados a Deus, denotam a mesma coisa.; com uma particularidade, ou seja, enquanto a imensidade aponta para o fato de que Deus transcende todo o espaço e não está sujeito às suas limitações, a onipresença denota que ele preenche todas as partes do espaço com to o Seu 16 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  17. 17. Teologia Sistemática I Ser. A Onipresença de Deus é revelada claramente na Bíblia. O céu e a terra não podem contê-lo ( I Re 8:27; Is 66:1; At 7:48,49) e ao mesmo tempo Ele preenche ambos e é Deus acessível (Sl 139:7-10; Jr 23:23,24; At 17:27,28). c.4 A Unidade de Deus Este atributo salienta a unidade e a unicidade de Deus, o fato de que Ele é numericamente ume que, como tal, Ele é único. Implica que só existe um Ser Divino, que, pela natureza do caso, só pode existirapenas um, e que todos os outros seres têm sua existência dele, por meio dEle e para Ele (I Re 8:60; I Co8:6; I Tm 2:5; Dt 6:4). d. Os Atributos Comunicáveis (Deus como Espírito Pessoal) É nos atributos comunicáveis que Deus se posiciona como Ser moral, consciente, inteligente elivre, como ser pessoal no mais alto sentido da palavra. Para provar a personalidade de Deus têm sido apresentadas provas parecidas com as citadasem prol da existência de Deus, são elas: 1. A personalidade humana requer um Deus pessoal para sua explicação: Visto que o homem é um produto pessoal, o poder que o originou também deve ser pessoal. Doutro modo, existe no efeito alguma coisa superior ao que quer que se ache na causa; e isto seria completamente impossível. 2. O mundo em geral revela os mais claros sinais de uma inteligência infinita, das emoções mais profundas e de uma vontade poderosa. Conseqüentemente, deve existir um Ser Criador do mundo que com inteligência, sensibilidade e vontade, criou todas as coisas. 3. A natureza moral e a religiosa do homem também aponta para a personalidade de Deus. A sua natureza lhe impõe um senso de obrigação de fazer o que é reto, e isto implica necessariamente a existência de um Legislador supremo. Além disso, sua natureza religiosa constantemente o incita a procurar comunhão pessoal com algum Ser superior. Mas, conquanto todas estas considerações sejam verdadeiras e tenham valor comotestemunhas, não são, contudo, as provas de que a teologia depende em sua doutrina da personalidade deDeus. Ela busca prova na revelação que Deus faz de Si na Escritura. A Escritura atesta a personalidade deDeus com quem podem conversar, confiar, amar e serem amados. E, finalmente a mais alta revelação deDeus como ser pessoal está na encarnação de Cristo (Jo 14:9). Provas mais pormenorizadas aparecerão nadiscussão dos atributos comunicáveis. d.1 A Espiritualidade de Deus A Bíblia não nos dá uma definição de Deus. O que mais se aproxima disso é a palavra dita porJesus à mulher samaritana: “Deus é Espírito” (Jo 4:24). Pelo ensino da espiritualidade de Deus, a teologiasalienta o fato de que Deus tem um Ser substancial exclusivamente seu e distinto do mundo, e que este SerSubstancial é imaterial, invisível, e sem composição nem extensão. Deste de que Ele é Espírito no sentidomais absoluto e mais puro da palavra, não há nele nenhuma composição ou partes (I Tm 1:17; I Tm 6:15,16). É verdade que a Bíblia fala de mãos e pés, olhos e ouvidos, boca e nariz de Deus, mas aofazê-lo, está falando antropomórfica ou figuradamente daquele que, de longe, transcende o nossoconhecimento humano. d.2 Os Atributos Intelectuais d.2.1O Conhecimento de Deus: É a sua perfeição pela qual Ele, de maneira única, conhece-se a Si próprio e a todas as coisas possíveis e reais num só ato eterno e simples. (I Sm 2:3; Jó 12:13; Sl 94:9; Is 29:15; Is 40:27,28). Sendo perfeito (Jó 37:16), é também simultâneo e não sucessivo, de modo que Ele vê as coisas de uma vez em sua totalidade, e não fragmentadas uma após outra. Além disso é inalterável e completo. Ele conhece o que é possível (coisas que poderiam ocorrer em certas circunstancias) e o que existe concretamente. É preciso defender esta doutrina contra Márcion e Socino e todos quantos acreditam num Deus finito e que possui conhecimento limitado. Quanto a presciência, necessário se faz que afirmemos que ela está presente na Bíblia (I Sm 23:10-13; II Re 13:19; Sl 81:14,15; Jr 2:2,3; Mt 11:21), que ela apóia-se nos decretos de 17 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  18. 18. Teologia Sistemática I Deus ( vsdvv ) e que a Bíblia afirma tanto a responsabilidade humana como a soberania de Deus ( bsbsbsdb ). d.2.2 A Sabedoria de Deus: A sabedoria de Deus é a Sua infinita e perfeita inteligência como manifestada na adaptação de meios e fins. Ela indica de que Ele sempre busca os melhores fins possíveis, e escolhe os melhores meios para a consecução dos seus propósitos (Rm 11:33; Ef 1:11; Cl 1:16; I Co 2:7; Ef 3:10). d.2.3 A Veracidade de Deus: Este atributo de Deus pode ser melhor explicado em três aspectos: (1) Ele é a verdade num sentido metafísico, pois só nEle a idéia de Divindade se concretiza perfeitamente, e, portanto, não há outro Deus (Sl 96:5; 97:7; 115:4-8); (2) Ele é a verdade num sentido ético, pois Ele revela-se como realmente é e Sua Relação e plenamente confiável (Nm 23:19; Rm 3:4; Hb 6:18); e, Ele é a verdade num sentido lógico, pois conhece as coisas como realmente são, conhece não somente as aparências, mas também a realidade das coisas. Assim, a verdade de Deus é o alicerce de todo verdadeiro conhecimento (Ex 34:6; Nm 23:19; Dt 32:4; Is 65:16; Jr 10:8; I Jo 5:20,21). d.3 Os Atributos Morais d.3.1 A Bondade de Deus: É a perfeição de Deus que o leva a tratar benevolamente e generosamente todas as sua criaturas (Sl 145:9,15,16; Mt 5:45; Lc 6:35; At 14:17). Esta bondade revela-se em palavras bíblicas como amor (nnnnns ), graça ( bdbadb ), misericórdia ( gagga ) e longanimidade ( svsdvsdv ). d.3.2 A Santidade de Deus: A palavra hebraica para “ser santo”, qadash ( ), deriva da raiz qad ( ), que significa cortar ou separar. A mesma idéia é comunicada pelas palavras hagiazo ( ) e hagios ( ), no Novo Testamento. Disto já se vê que não é correto pensar na santidade primariamente com uma qualidade moral. Sua idéia fundamental é a de uma posição ou relação existente entre Deus e uma pessoa ou coisa. Daí poder- se fala de dois sentidos da santidade: (1) O sentido original no qual Deus é absolutamente distinto de todas as Suas criaturas, e é exaltado acima delas em majestade infinita. Assim entendida, santidade de Deus é um dos seus atributos transcendentes; (2) e o sentido ético, que o apresenta como aquele que está separado de todo mal moral, isto é, o pecado. Em virtude de sua santidade, Deus não pode ter comunhão com o pecado (Jó 34:10; Hc 1:13). Contudo, a idéia de santidade não é meramente negativa (separação do pecado); tem igualmente um conteúdo positivo, a saber, o de excelência moral, ou perfeição ética. Portanto, podemos definir a santidade como a perfeição de Deus, em virtude daqual Ele eternamente quer manter e mantém a Sua excelência moral, aborrece o pecado, e exige pureza moral em suas criaturas. Esta santidade é revelada na lei moral implantada no coração do homem e que fala por meio da consciência, na Lei revelada à nação de Israel, na pessoa de Cristo, que é chamado “o santo e o Justo” (At 3:14) e na igreja como o corpo de Cristo (Jo 17:11; I Pe 1:16; Ap 4:8). d.3.3 A Justiça de Deus: É a perfeição de Deus pela qual Ele se mantém contra toda violação da Sua santidade e mostra, em tudo e por tudo, que Ele é santo. Esta justiça se manifesta especialmente em dar a cada homem o que lhe é devido, em tratá-lo de acordo com os seus merecimentos. Esta justiça é de duas classes: (1) Justiça Remunerativa, que se manifesta na distribuição de recompensa a homens e anjos (Dt 7:9,12,13; II Cr 6:15; Sl 58:11; Mt 25:21, Rm 2:7), não com base em méritos, mas tão somente pela graça; e, (2) Justiça Retributiva, que se relaciona com a imposição de castigos. É uma expressão da ira divina (Rm 1:32; Rm 2:9; II Ts 1:8). O propósito primordial da punição do pecado é a manutenção do direito e da justiça. 18 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  19. 19. Teologia Sistemática I d.4 Os Atributos de Soberania Deus na Escritura é apresentado como o Criador e Sua vontade como a causa de todas ascoisas. Ele sustenta todas as coisas e determina os fins que elas estão destinadas a cumprir, e todas ascoisas dependem dele e Lhe são subservientes (Gn 14:19; Ex 18:11; Dt 10:14-17; I Cr 29:11,12; Ne 9:6; Sl22:28; Jr 27:5; Lc 1:53; At 17:24-26; Ap 19:6). Dois atributos requerem discussão sob este título, a saber: (1)a vontade soberana de Deus, e (2) o poder soberano de Deus. d.4.1 A Vontade Soberana de Deus: a vontade divina, na Escritura, é apresentada como a causa final de todas as coisas: a criação e preservação (Sl 135:6; Jr 18:6; Ap 4:11); o governo (Pv 21:1; Dn 4:35); a predestinação e a reprovação (Rm 9:15,16; Ef 1:11), os sofrimentos de Cristo (Lc 22:42; At 2:23), a regeneração (Tg 1:18), a santificação (Fp 2:13), os sofrimentos dos crentes (I Pe 3:17), a vida e o destino dos homens (At 18:21; Rm 15:32; Tg 4:15), e até as menores coisas da vida (Mt 10:29). A palavra vontade, no entanto, quando aplicada a Deus, nem sempre possui a mesma conotação, ela pode designar: (1) a faculdade de auto-determinação de Deus em Ele decide tomar um curso de ação, (2) um plano ou propósito, (3) o poder de executar este plano, ou (4) a regra de vida firmada para as criaturas racionais. Diz-se, também, que se a vontade decretatória de Deus determinou também a entrada do pecado no mundo, com isso Deus é o autor do pecado e realmente quer uma coisa contrária às sua perfeições morais. Para fugirem à dificuldade, os armenianos dizem que a vontade de Deus, permitindo o pecado, depende do Seu pré-conhecimento do curso que o homem escolheria. Os teólogos reformados (calvinistas), embora mantendo, com base em passagens como At 2:23 e 3:8; etc., que a vontade decretatória de Deus inclui também os atos pecaminosos do homem, sempre têm cuidado de assinalar que se deve conceber isto de modo que não se faça de Deus o autor do pecado. Insistem que a vontade Deus de Deus quanto ao pecado é de permitir o pecado, e não de efetuá-lo e que esta vontade leva consigo a certeza de que o pecado virá ocorrer d.4.2 O Poder Soberano de Deus: A soberania de Deus acha expressão, não somente na vontade divina, mas também na onipotência de Deus, ou em seu poder de executar a Sua vontade. Sendo assim, o seu poder soberano pode ser definido como a perfeição de Deus pela qual Ele, mediante o simples exercício da Sua vontade, pode realizar tudo quanto está presente em Sua vontade ou conselho. O poder de Deus, em seu exercício fatual, limita-se àquilo que o seu decreto eterno abrange. Mas o exercício fatual do poder de Deus não representa os seus limites. Deus poderia fazer mais que isso, se fosse esta a Sua intenção. Deve-se manter esta posição contra aqueles que, como Schleiermacher e Strauss, sustentam que o poder de Deus se limita àquilo que Ele realiza de fato. A Bíblia nos ensina por um lado, que o poder de Deus estende-se além daquilo que é realizado de fato (Gn 18:14; Jr 32:27; Zc 8:6; Mt 3:9; 26:53). Mas, por outro lado, ela indica também que há muitas coisas que Deus não pode fazer. Ele não pode mentir, pecar, mudar,e não pode negar-se a Si próprio (Nm 23:19; I Sm 15:29; II Tm 2:13; Hb 6:18). Não há poder absoluto nele divorciado de suas perfeições, em virtude do qual Ele pudesse fazer todo tipo de coisas inerentemente contraditórias entre si. A idéia da onipotência de Deus é expressa pelo nome ‘El-Shaddai; e a Bíblia fala a seu respeito em termos que não deixam dúvida, em passagens como Jó 9:12; Sl 115:3; Jr 32:17; Mt 19:26; Lc 1:37. 19 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  20. 20. Teologia Sistemática I 3.4 A TRINDADE SANTA 1. A Doutrina da Trindade na História Os judeus no tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazidapara dentro da igreja cristã. O resultado foi que alguns eliminaram completamente as distinções pessoais daDivindade, e que outros não fizeram plena justiça à divindade essencial da segunda pessoa e da terceirapessoas da Trindade Santa. Tertuliano foi o primeiro a empregar o termo “Trindade” e a formular a doutrina ,mas a sua formulação foi deficiente, desde que envolvia uma infundada subordinação do Filho ao Pai. Os arianos negavam a divindade do Filho e do Espírito Santo, apresentando o Filho como aprimeira criatura do Pai, e o Espírito Santo como a primeira criatura do Filho. O monarquianismo dinâmico via em Jesus apenas um homem e no Espírito Santo umainfluência divina. Já o monarquianismo modalista considerava o Pai, o Filho e o Espírito Santo meramente comotrês modos de manifestação assumidos sucessivamente pela Divindade. A igreja começou a formular a sua doutrina da Trindade no século quarto. O Concílio de Nicéia(325 d.C.) declarou que o Filho é co-essencial com o Pai, enquanto que o Concílio de Constantinopla (381d.C.) afirmou a divindade do espírito, embora não com a mesma precisão. Depois da Reforma não temos maior desenvolvimento da doutrina da Trindade, mas o queencontramos são algumas das errôneas formulações antigas. Os arminianos, Episcópio, Curceleu e Limborghreavivaram a doutrina da subordinação ao atribuírem ao Pai uma certa preeminência sobre as outras pessoasda Trindade – em ordem, dignidade e poder. Outros seguiram o caminho indicado por Sabélio, ensinandouma espécie de modalismo com, por exemplo, Schleiermacher, que considerava as três pessoassimplesmente como três aspectos de Deus: o Pai é Deus como a subjacente unidade de todas as coisas, oFilho é Deus como passando a uma personalidade consciente no homem, e o Espírito Santo é Deus vivendona igreja. Os socinianos da época da Reforma seguiram as linhas arianas, mas foram além de Ário, pois paraeles Cristo era simplesmente um homem e o Espírito Santo apenas um poder ou influência. 2. Deus Como Trindade em Unidade a. A Personalidade de Deus e a Trindade Os atributos comunicáveis de Deus salientam a sua personalidade desde que O revelam comoum ser moral bem como racional. E, visto que o homem foi criado à imagem de Deus, podemos compreenderalgo da vida pessoal de Deus pela observação da personalidade como a conhecemos no homem. Contudo, precisamos ter cuidado de não estabelecer a personalidade humana como padrãopelo qual avaliar a personalidade de Deus. Pois há grande diferença entre ambas, e esta é que o homem éunipessoal, enquanto Deus é tri-pessoal. E esta existência tripessoal é uma necessidade do Ser Divino, e emnenhum sentido resulta de uma escolha feita por Deus. Ele não poderia existir em nenhuma outra forma quenão a forma tri-pessoal. b. Prova Bíblica da Doutrina da Trindade A doutrina da Trindade depende decisivamente da revelação autoritativa que Deus deu aoshomens. b.1 Provas do Velho Testamento: Alguns dos primeiros pais da igreja e alguns teólogos mais recentes desconsideram o caráter progressivo da revelação e opinaram que a doutrina da Trindade foi revelada completamente no V.T. Por outro lado, os socinianos e os arminianos eram de opinião que não há nada desta doutrina ali. Contudo, tanto estes como aqueles estavam enganados. E V.T não contém pela revelação da existência trinitária de Deus, mas contém várias indicações dela. Ou seja, a Bíblia nunca trata desta doutrina de maneira abstrata, mas revela a subsistência trinitária, em suas várias relações, como uma realidade viva. E esta revelação vai tendo maior clareza, na medida em que a obra redentora de Deus é revelada mais claramente, como na encarnação do Filho e no derramamento do Espírito. No Velho Testamento, portanto, encontramos as seguintes passagens indicadoras da doutrina da Trindade: * Aquelas passagens em que Deus fala de si mesmo no plural (Gn 1:26; 11:7), o que indicam distinções pessoais em Deus, embora não sugiram uma triplicidade, mas apenas uma pluralidade de pessoas; 20 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória
  21. 21. Teologia Sistemática I * As passagens que referem ao Anjo do Senhor que, por um lado, é identificado com Jeová e, por outro, distingue-se dele (Gn 16:7-13; Gn 18:1-21; 19:1-28; Ml 3:1); * Passagens em que a Palavra e a Sabedoria de Deus são personificadas (Sl 33:4,6; Pv 8:12-31); * Textos nos quais Deus fala e menciona o Espírito e o Messias, ou quem fala é o Messias, que menciona Deus e o Espírito (Is 48:16; Is 61:1; Is 63:9,10). b.2 Provas do Novo Testamento: O Novo Testamento traz consigo uma revelação mais clara das distinções da Divindade, vejamos: * Se no V.T. Jeová e apresentado como o Redentor e Salvador de seu povo (Jó 19:25; Sl 19:14; Is 41:14; Jr 14:3), no N.T. o Filho de Deus distingue-se nesta capacidade (Mt 1:21; Lc 1:76-79; Jo 4:42, etc); * Se no V.T. é Jeová que habita em Israel e nos corações dos que O temem (Sl 74:2; Sl 135:21; Is 8:18; Ez 43:7-9), no N.T. é o Espírito santo que habita na igreja (At 2:4; Rm 8:9,11; I Co 3:16; Gl 4:6; Ef 2:22); * Vemos o Pai de dirigindo ao Filho (Mc 1:11; Lc 3:22), o Filho comunicando-se com o Pai (Mt 11:25; Jo 11:41), e o Espírito Santo orando a Deus nos corações dos crentes (Rm 8:26). * No batismo do Filho, o Pai fala e o Espírito Santo desce na forma de pomba (Mt 3:16,17); * Na grande comissão Jesus menciona as três pessoas em igualdade de autoridade (Mt 28:19) e também observamos o mesmo princípio em outras passagens (I Co 12:4-6; II Co 13:13; I Pe 1:2). c. Exposição da Doutrina da Trindade c.1 Há no Ser Divino apenas uma essência indivisível: Deus é um em Seu ser essencial, ou seja, em Sua natureza constitucional. Esta idéia baseia-se em passagens como Dt 6:4 e Tg 2:19. c.2 Neste único Ser Divino há três pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito santo: A experiência indica que onde temos uma pessoa, temos também uma essência individual distinta. Mas em Deus não há três indivíduos justapostos e separados uns dos outros, mas somente auto- distinções pessoais dentro da essência divina. E estas auto-distinções do Ser Divino implicam um “eu” e “tu” no Ser de Deus, que assumem relações pessoais uns para com os outros (Mt 3:16; Jo 1:18; Jo 3:16; Jo 16:13-15). c.3 Toda a indivisiva essência de Deus pertence a cada uma das três pessoas: Quer dizer que a essência não é dividida entre as três pessoas, mas está com a totalidade absoluta da sua perfeição em cada uma das pessoas, de modo que têm unidade numérica de essência. Ora, se é assim, portanto, não de deve haver subordinação de uma pessoa a outra da Divindade quanto ao ser essencial, e, conclusivamente, nenhuma diferença na dignidade pessoal. A única subordinação que podemos falar é uma subordinação quanto à ordem e o relacionamento. c.4 A subsistência e as operações das três pessoas do Ser Divino são assinaladas por certa ordem definida: Quanto a subsistência o Pai é a primeira pessoa, o Filho é a segunda, e o Espírito é a terceira. Esta ordem, contudo, não pertence a nenhuma prioridade de tempo ou de dignidade essencial, mas somente à ordem de derivação lógica. O Pai não é gerado por nenhuma das outras duas pessoas, nem delas procede; o Filho é eternamente gerado pelo Pai, e o Espírito santo procede do Pai e do Filho desde toda a eternidade. Todas as coisas provém do Pai, mediante o Filho e no Espírito Santo. 21 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, Só a Fé, Só a Deus Glória

×