O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Evangeliza - Paulo de Tarso
Evangeliza - Paulo de Tarso
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 18 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Quem viu também gostou (20)

Anúncio

Semelhante a Paulo e Estevão (20)

Mais de Instituto Espírita de Educação (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

Paulo e Estevão

  1. 1.  Paulo e Estêvão obra mediúnica Francisco Cândido Xavier/ Emmanuel Este ano faz 70 anos da 1ª edição (jul/1942). É uma das obras mais editadas pela Federação Espírita Brasileira (F.E.B)  período histórico de 34 d.C. (um ano após a morte de Jesus Cristo) até 67 d.C. (provável ano do falecimento de Paulo de Tarso).  O livro traz revelações históricas inéditas , seguindo rigorosamente a cronologia do livro bíblico Atos dos Apóstolos, dando também um sentido mais profundo para as citações pessoais de Paulo em suas Epístolas.
  2. 2. OBJETIVOS DESTA OBRA:  ― Recordar as lutas acerbas e os ásperos testemunhos de um coração extraordinário, que se levantou das lutas humanas para seguir os passos do Mestre, num esforço incessante.  Demonstrar que apesar de haver um grande abismo entre cada um de nós e o Mestre Jesus, devemos trabalhar incessantemente para transpô-lo, aproximando- nos do Cristo.
  3. 3. OBJETIVOS DESTA OBRA:  Esclarecer a necessidade e a universalidade da lei de cooperação na realização de labores nobres.  Sem cooperação, não poderia existir amor; e o amor é a força de Deus, que equilibra o Universo.  Sem Estevão, não teríamos Paulo de Tarso  Jesus, cuja misericórdia e poder abrangiam tudo, procurou a companhia de 12 auxiliares, a fins de empreender a renovação do mundo.
  4. 4. REFLEXÕES PROPICIADAS POR ESTA OBRA  As igrejas amornecidas da atualidade e os falsos desejos dos crentes, nos diversos setores do Cristianismo;  Em toda parte há tendências à ociosidade do espírito e manifestações de menor esforço.  Muitos discípulos disputam as prerrogativas de Estado, enquanto outros, distanciados voluntariamente do trabalho justo, suplicam a proteção sobrenatural do Céu.
  5. 5.  Templos e devotos entregam-se, gostosamente, às situações acomodatícias, preferindo as dominações e regalos de ordem material.  Observando esse panorama sentimental é útil recordarmos a figura inesquecível do Apóstolo generoso, recomendando a todos a leitura desta obra.
  6. 6.  Paulo recebeu a dádiva santa da visão gloriosa do Mestre, às portas de Damasco, mas não podemos esquecer a declaração de Jesus relativa ao sofrimento que o aguardava, por amor ao seu nome.  O inolvidável tecelão trazia o seu ministério divino; mas, quem estará no mundo sem um ministério de Deus?  Muita gente dirá que desconhece a própria tarefa, que é insciente a tal respeito, mas nós poderemos responder que, além da ignorância, há desatenção e muito capricho pernicioso.
  7. 7.  Paulo recebeu um apelo direto; mas, na verdade, todos nós, em algum ponto da vida recebemos um chamado do Cristo. Que temos feito ?  As formas podem variar, mas a essência ao apelo é sempre a mesma.  O convite ao ministério chega, ás vezes, de maneira sutil, inesperadamente; a maioria, porém, resiste ao chamado generoso do Senhor.
  8. 8.  Jesus não é um mestre de violências e se a figura de Paulo avulta muito mais aos nossos olhos, é que ele ouviu, negou-se a si mesmo, arrependeu-se, tomou a cruz e seguiu o Cristo até ao fim de suas tarefas materiais.  Entre perseguições, enfermidades, apodos, zombarias, desilus ões, deserções, pedradas, açoites e encarceramentos, Paulo de Tarso foi um homem intrépido e sincero, caminhando entre as sombras do mundo, ao encontro do Mestre que se fizera ouvir nas encruzilhadas da sua vida.
  9. 9.  O apóstolo Paulo foi muito mais que um predestinado, foi um realizador que trabalhou diariamente para a luz.  O Mestre chama-o, da sua esfera de claridades imortais.  Paulo tateia na treva das experiências humanas e responde: — Senhor, que queres que eu faça?  Entre ele e Jesus havia um abismo, que o Apóstolo soube transpor em decênios de luta redentora e constante.‖ Breve notícia – prefácio de Emmanuel
  10. 10. QUEM FOI ESTEVÃO ?  Nasceu na Grécia, e chamava-se Jesiel.  Originário de família rica.  Quando seu pai morre, Jesiel é feito escravo e sua irmã Abigail é abandonada a própria sorte.
  11. 11. QUEM FOI ESTEVÃO ?  Sempre manteve a fé em Deus e no Messias que acreditava estar para chegar.  Jesiel muito doente é levado à Casa do Caminho, em Jerusalém,e lá recupera a saúde e descobre Jesus.  Torna-se Estevão, grande pregador cristão.  É interrogado no Sinédrio, depois julgado e condenado à morte por apedrejamento, por Saulo seu maior juiz.
  12. 12. QUEM FOI PAULO DE TARSO  Chamava-se Saulo, Doutor da Lei; honesto em seus princípios, perseguidor dos cristãos;  Após a morte de Estevão, Saulo revoltado, intensifica a perseguição aos ―homens do caminho‖.  As portas de Damasco, o encontro com Jesus: “Saulo, Saulo, por que me persegues? A visão do Mestre Nazareno cega-o completamente.
  13. 13. QUEM FOI PAULO DE TARSO  Recebe orientação para procurar Ananias (justamente quem ele ia prender), o qual lhe devolve a visão.  Saulo percebe a extensão dos seus erros, e após 3 anos de profundas reflexões, muda o nome para Paulo.  Torna-se o maior apóstolo e divulgador do Cristianismo, através de seus exemplos e das famosas epístolas, as quais orientaram o movimento nascente, sendo referências para os dias atuais.
  14. 14. QUEM FOI PAULO DE TARSO  Fundou e estimulou centenas de núcleos cristãos.  Venceu perseguições, humilhações, e ofensas.  Superou polêmicas entre os apóstolos sobre a abrangência do trabalho e da difusão do Cristianismo.  Estevão foi seu direto orientador.
  15. 15. QUEM FOI PAULO DE TARSO  No momento do desencarne é recebido por Estevão, Abigail, Ananias e outros diletos amigos.  Como Saulo foi um homem honesto, porém equivocado.  Como Paulo foi um homem determinado, consciente,intérprete da espiritualidade superior exemplo de fidelidade e de fé.  ― O convertido de Damasco conseguiu aclimatar a flor divina do Evangelho sobre o mundo. ― Emmanuel
  16. 16. CONSELHOS DE ABIGAIL (cap III – Paulo e Estevão) Resposta de Abigail espírito às indagações de Paulo : o que fazer para adquirir a compreensão perfeita dos desígnios do Cristo?  AMA como proceder de modo a enriquecer na virtude divina?  TRABALHA
  17. 17. CONSELHOS DE ABIGAIL (cap III – Paulo e Estevão) que providências adotar contra o desânimo destruidor?  ESPERA como conciliar as grandiosas lições do Evangelho com a indiferença dos homens?  PERDOA AMAR / TRABALHAR / ESPERAR/ PERDOAR

×