Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste

705 visualizações

Publicada em

Exposição sobre dar de graça o que de graça receber na visão espírita.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
705
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste

  1. 1. ESE - Capítulo 26 – DAR DE GRAÇA O QUE DE GRAÇA RECEBER Centro Espírita Caminho de Damasco Expositor: Humberto E. Hasegawa
  2. 2. • No Evangelho de Mateus (10:1-10), temos: • Tendo chamado os seus doze discípulos, deu-lhes Jesus autoridade sobre espíritos imundos para os expelir e para curar toda sorte de doenças e enfermidades (de acordo com os postulados espíritas, podemos deduzir que Jesus apenas estimulou em seus discípulos uma faculdade que eles já traziam em estado latente). Ora, os nomes dos dozes apóstolos são estes: Simão, por sobrenome Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão; Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu; Simão, o Zelote, e Judas, que foi quem o traiu.
  3. 3. A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: (...) Curai enfermos, ressuscitai mortos, purificai leprosos, expeli demônios; de graça recebeste, de graça dai. Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de cobre nos vossos cintos; nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias, nem de bordão; porque digno é o trabalhador de seu alimento.
  4. 4. Nessas considerações, podemos encontrar a possível motivação da advertência de Jesus. Ele sabia que se seus discípulos não fossem suficientemente firmes em suas responsabilidades perante os necessitados, poderiam desvirtuar-se, principalmente se deixassem seduzir- se pelos atrativos, ilusões e facilidades da vida material.
  5. 5. –Temos em Chico Xavier um exemplo bem conhecido de como um dom divino foi utilizado somente para o bem daqueles que necessitavam de um alento em seus momentos de necessidade. –Deus nos deu a vida e não nos cobra nada por ela. Tudo o que nós passamos, de bom e de ruim é para o nosso crescimento moral e intelectual. Olhemos à nossa volta e prestemos atenção em tudo o que temos a disposição sem que se cobre algo por isso.
  6. 6. VOLUNTARIADO

×