Aespiritualidadeeoreino

383 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
383
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
75
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aespiritualidadeeoreino

  1. 1. IV – A Espiritualidade e o Reino1) Introdução 2) O que anda mal? Diz uma antiga história judaica que certo As perguntas do judeu Dom Ver servemhomem chamado Dom Ver era uma pessoa para a nossa espiritualidade evangélica nopouco comum e levava uma vida espiritual mundo e mormente na América Latina: o quemuito rígida e severa. As pessoas tremiam em anda mal?sua presença por causa do temor que sentiam. Como nunca o evangelho tem sidoEle era conhecido como um especialista nos pregado no mundo e levado a todas astextos religiosos da fé judaica. nações. Na América Latina o número de Dom Ver jamais ria; pensava que a evangélicos aumenta a cada ano. Então o quealegria não combinava com sua fé. Estava anda mal?convencido de que sua relação com Deus É evidente o divórcio entre a piedadesomente era possível por meio de uma vida de para a igreja e a vida para o mundo; entre asacrifícios e privações e, por isso, tornou-se religiosidade individual e o comportamentofamoso por seus longos jejuns. Porém, tal social; entre a moral e a vida cristã.austeridade acabou fazendo mal à sua saúde Somos conhecidos não só por nossase ele adoeceu gravemente; seus médicos não práticas de jejum, oração e leitura bíblica, porconseguiam encontrar a causa da nossos cultos emotivos, por nossoenfermidade. Como último recurso, alguém evangelismo entusiasmado, e por não fumarsugeriu pedir ajuda a Baal Shem Tov. O nem consumir álcool, mas também – e isto é oenfermo não recebeu de bom grado essa que preocupa – por não ter conseguidoproposta, pois se tratava de um médico com articular essa espiritualidade evangélica comquem tinha enormes diferenças em questões os âmbitos particulares da vida diária, como ade fé e a quem considerava praticamente um família, a empresa, a escola, a vida pública e aherege. Porém, acabou cedendo. Enquanto sociedade. Então algo deve andar mal.Dom Ver cria que a espiritualidade consistia Vemos uma crescente violência emem restrições, sofrimentos e renúncias, Baal lares evangélicos, escândalos financeirosShem abolia a dor e pregava que o que dava protagonizados por pastores e outros líderessentido à vida era a capacidade de gozá-la. cristãos, os políticos ditos evangélicos Já era mais de meia-noite quando Baal envolvidos em esquemas de corrupção.Shem saiu para atender o enfermo, de carro, Essa incapacidade de fazer o discursocom um casaco de lã e um goro de couro. religioso da igreja repercutir em outros âmbitosEntrou no quarto e seu primeiro ato foi pedir- da vida reflete as sérias falhas de nossalhe que lesse um dos livros sagrados, o Livro espiritualidade.Esplendor. Com desconfiança e expectativa, Como diz Samuel Escobar “UmaDom ver abriu-o e começou a ler em voz alta. espiritualidade sem um discipulado voltadoPassado apenas um minuto de leitura, Baal para o cotidiano e para os aspectos sociais,Shem o interrompeu: “Algo está mal na sua econômicos e políticos da vida é religiosidade,vida espiritual...Falta algo a sua fé”. não cristianismo.” -“O que anda mal? O que me falta?”, Os dados de nosso crescimentoperguntou o enfermo. numérico, agora explosivos, não conseguiram “Te falta alma”, respondeu Baal Shem traduzir-se em um impacto real e alternativoTov. para os problemas mais graves do continente.
  2. 2. Algo anda mal em nossa espiritualidade direção ou ação orientada à conquista dese ela nos leva a “fugir do mundo” em vez de objetivos que não necessariamente concordamnos ajudar a entrar nele e testemunhar o poder com o propósito de Deus para a vida humanatransformador do evangelho. e para toda a criação. A resposta do médico judeu ao velho É importante lembrar que a igreja não éDom Ver também serve para nossa reflexão: um fim em si mesma, mas um meio ou“te falta alma”. E a alma, em nosso caso, é a instrumento a serviço do reino.espiritualidade. Neste sentido, ser espiritual não pode Não nos referimos ao espiritualismo reduzir-se a ser o melhor funcionário dadescontextualizado, nem ao ritualismo estrutura institucional da igreja.religioso, mas a espiritualidade como “um Muitos confrontos entre Jesus e osestilo de vida direcionado ao cumprimento do fariseus envolviam o fato de eles terempropósito de Deus para a vida humana e para convertido a fé em uma transação humana, ema totalidade da criação”. que o mais importante não era o que Deus pedia aos homens e mulheres, mas o que a3) Reino e espiritualidade instituição religiosa lhes impunha. (Mt 23.16- 20) A alma de nossa fé é uma espiritualidade Em nossos dias, com a excessiva ênfaseenraizada na Palavra e inspirada no modelo de no crescimento numérico das igrejas e noJesus e na paixão por seu reino. desenvolvimento de complexas estruturas O tema reino não está entre nossos organizacionais que demandam orçamentosprediletos e não o temos relacionado com a exorbitantes e uma cultura da produtividade,vida espiritual cotidiana. Para a tradição corremos o risco de sacrificar a essência depopular evangélica o tema Reino de Deus tem nossa espiritualidade em nome da eficiênciasido um capítulo indefinido de suas doutrinas e da organização.um projeto de Deus que somente inspirapensamentos celestiais e culmina com 4.2) Espiritualidade do extraordinárioquestões apocalípticas sobre ruas de ouro eos mares de cristal. Em muitos círculos Neste caso, a espiritualidade éevangélicos, falar do reino é falar do que está compreendida a busca incessante dealém, do que está distante e afastado. experiências desvinculadas tanto de um O reino de Deus é um dos temas mais comportamento concreto com a causa depreponderantes no Novo Testamento, Cristo como dos comportamentos cotidianos.especialmente na pregação e no ministério de É uma mística sem ética; uma emoçãoJesus. sem missão, uma especulação sem Falar do reino é fazer referencia à expectativas.infiltração de Deus na humanidade com o Não se trata de despojar apropósito de exercer seu eterno domínio e espiritualidade das expressões soberanas esoberania sobre todas as pessoas e sobre extraordinárias do Senhor. Sabemos que eletoda a criação também se manifesta em sinais e milagres inexplicáveis.4) Espiritualidades equivocadas O equilíbrio consiste, então, em dar a essas experiências o lugar que lhes Vamos analisar alguns tipos de corresponde em nossa prática de seguir aespiritualidade que não estão de acordo com o Cristo: nem desconhecê-las com um frio gestoreino: de incredulidade, nem coloca-las no centro da fé, como se delas dependesse toda a nossa4.1) Espiritualidade institucionalizada peregrinação espiritual. Por isso, Jesus recordou aos setenta Quando a igreja atua como norma discípulos que haviam regressado admiradossuprema de espiritualidade, ela se degenera do poder de Deus diante dos demônios: “Nãoem ativismo, que é a ação sem senso de obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos
  3. 3. se vos submetem, e sim porque o vosso nome essas coisas. Entretanto, este não é o foco doestá arrolado nos céus”. (Lc 10.20) reino. A espiritualidade da cruz, promete a4.3) Espiritualidade desconectada vida para aquele que a arriscam por causa do evangelho. Nem tudo na vida cristã é um “mar Em muitos círculos evangélicos, a de rosas”. Marcos 8.34-35.espiritualidade se concebe como umaperfeiçoamento pessoal em termos de morale vida pura. 5) Espiritualidade integral A influência do fundamentalismo extremono campo da ética desenvolveu os aspectos René Padilha afirma que “sob amais vulneráveis da tradição evangélica perspectiva da espiritualidade cristã, não hápietista: o legalismo e a justiça própria, a absolutamente nenhuma dimensão da vidaoposição do material e do espiritual, a humana nem da criação que esteja isenta da“separação do mundo”, que na prática induz a redenção de Deus.”uma moral de uma vida dupla. A espiritualidade cristã é integral porque A visão que se propaga é a de uma nos chama a reconhecer e a viver o senhorioespiritualidade heroica, que obtém a vida de Deus sobre toda a vida e sobre toda a suavitoriosa por meio do jejum, da oração e da criação, ao mesmo tempo em que nosleitura exaustiva da Bíblia. É uma guerra convoca a comprometermo-nos com seu reinodualista entre o espírito bom e a carne má, que na transformação de tudo o que foi criadonos lembra dos velhos ensinamentos que o conforme o sonho de redenção do Criador. (Clcristianismo dos primeiros séculos teve de 1.15-20)enfrentar. A espiritualidade integral deve permear Para o caso específico do movimento nossos afazeres cotidianos. Não é um aspectoevangélico brasileiro, a piedade pessoal se da vida que se vive exclusivamente no culto ouassocia ao pietismo que floresceu nos séculos no templo e que se manifesta nas práticas17 e 18. O que se debate aqui não é a piedade ascéticas ou de êxtase do cristão; é umapessoal aprendida com os pietistas, já que o realidade que deve evidenciar-se no caminharpietismo no seu início apontava para um cotidiano, em todas as áreas da vida, comoprecedente bíblico muito rico. sinal do reino e que está por vir. O que se discute é a prática de umpietismo que já não conserva a riqueza Querer te Amar (Gerson Borges)daqueles séculos e que deu origem a uma fé Quero a simplicidade do café com pãomística com os olhos fechados. Quero a sinceridade do Sim sim, Não não Quero a pedagogia de querer crescer4.4) Espiritualidade sem estresse Quero a filosofia de saber viver Quero a facilidade de deitar, dormir A espiritualidade não deve reduzir-se à Quero a integridade de não me omitir Quero a gastronomia de experimentarsatisfação de necessidades psicológicas, tal Quero a teologia que me faça orarcomo ensinam algumas das atuais teorias daautorrealização humana. Com os olhos marejados de espanto Nossa sociedade dá muita atenção aos No meu canto de silêncio e adoraçãotemas da superação pessoal por meios Ao saber que a vida é tanto,tanto,tanto Contemplaçãohumanos; isso fica claro com a proliferação de Do mistério e do milagre do Cristométodos de relaxamento, de técnicas de poder Que eu resisto, que eu insisto em não imitarmental e exercícios que convertem a fé em É por isso que eu quero a Graça de querer te amarotimismo e a religião em um instrumento dapsicologia condutivista. Quero a generosidade de estender a mão Quero a criatividade de fazer canção A espiritualidade que promete apenas Quero a sabedoria de me conhecersaúde, felicidade e prosperidade econômica é Quero a tua companhia quando entardecerfalsa. É claro que Deus pode nos conceder Quero aquela empatia de saber ouvir
  4. 4. Quero a boa terapia de morrer de rir ativistas da igreja convertida em instituição,Quero a felicidade de me contentar nem a um acúmulo de experiências espirituaisQuero a espiritualidade de me aquietar extraordinárias, nem ao cultivo de uma vida6) Espiritualidade Escatológica interior desconectada do mundo exterior e da missão de Deus, nem à satisfação egoísta das A Espiritualidade Cristã nunca pode necessidades psicológicas ou à busca porperder a sua consciência escatológica, a autorrealização.transitoriedade da vida, a História como um A espiritualidade, sob a perspectiva dointervalo entre a Ordem da Criação (Jardim do reino, dever ser integral, “um estilo de vidaÉden) e a Ordem da Restauração (Nova direcionado ao cumprimento do propósito deJerusalém). Deus para a vida humana e para a totalidade Entretanto, devemos reconhecer a da criação”.escatologia inaugurada (Mt 12.28), ou seja,que com a primeira vinda de Cristo, o reino já Questões Propostasé presente, mesmo que não em sua plenitude.A chamada tensão entre o já e o ainda não. ASSINALE V (verdadeira) e F (Falsa), para as Logo, a Igreja deve ser um sinal do reino afirmativas abaixo:de Deus na era presente. Devemos manifestara gloria de Deus e tornar o Seu reino visível ( ) A espiritualidade verdadeira deveem todas as áreas da existência humana. concentrar-se em práticas devocionais. ( ) Quanto mais pudermos nos reunir na igrejaEternidade (Banda Crombie) mais espiritual nós somos. ( ) A espiritualidade correta deve envolverVivo a eternidade no meu dia-a-dia todos os aspectos da vida.Imagine você a beleza do lindo lugar ( ) Devoção e prática devem andar unidas.Ouve só as lindas cantigas que soam por láQuem vive na esperança não perde por esperar ( ) A busca pelo extraordinário deve ser oEu não te contei com palavras ponto central da vida cristã.Eu não saberia explicar ( ) O reino de Deus já é presente, mas aindaA imaginação ganhou asas não em sua plenitude.Segredo a se revelarEu não te falei teoriaEu quis viver pra mostrar Questões SuplementaresA minha maior alegriaQue eu possa te encontrar 1- CONSIDERE Colossenses 1.15-20. O queNo céu podemos afirmar sobre o alcance da redenção por meio do sacrifício vicário de Jesus?7) Conclusão JUSTIFIQUE. Para terminar, voltemos à história do 2- “Devemos lutar contra a carne, no sentidovelho judeu Dom Ver e seu médico, Baal de nos abstermos das coisas materiais, ouShem Tov. O médico observa o enfermo e diz: seja, das coisas dessa vida, para assim“Algo anda mal... Algo está mal em sua vida alcançarmos um patamar espiritual maisespiritual... falta algo a sua fé.” Quando o elevado.” JULGUE a frase acima epaciente pergunta: “O que é que anda mal? O JUSTIFIQUE o seu julgamento.que é que me falta?”, a resposta é: te faltaalma.” Identificamos que no nosso caso essaalma é a nossa espiritualidade. O diagnósticomostrou que a espiritualidade evangélica, demodo geral, anda mal. Vimos que para mudarmos essasituação a nossa espiritualidade não podereduzir-se ao cumprimento das exigências

×