Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia

1.102 visualizações

Publicada em

System cardovascular

Publicada em: Educação
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.102
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia

  1. 1. Sistema Circulatório Prof. Hamilton F. Nobrega
  2. 2. ASPECTOS GERAIS • Trata-se de uma extensa rede de vasos sanguíneos que fornece oxigênio e nutrientes através do sangue para os tecidos do corpo, com a utilização de uma “bomba”.
  3. 3. DIVISÃO  Sistema sanguíneo: ◦ Coração ◦ Vasos:  Artérias  Veias  Capilares ◦ sangue  Sistema linfático: ◦ Linfonodos ◦ Vasos linfáticos:  Troncos linfáticos  Vasos linfáticos aferentes e eferentes  Capilares linfáticos ◦ Linfa ◦ Tonsilas ou amígdalas  Órgãos hemopoiéticos: ◦ Timo ◦ Baço ◦ Medula óssea
  4. 4. SISTEMA SANGUÍNEO: PERICÁRDIO  Fibroso  Seroso: ◦ Lâmina visceral (epicardio) ◦ Lâmina parietal ◦ Líquido pericárdico ◦ Cavidade pericárdica
  5. 5. O CORAÇÃO Conceito: É um órgão muscular cavitário, que age como uma bomba aspirante e propulsora de sangue e tem importante papel na circulação sanguínea. Forma e localização: tem a forma piramidal com 3 faces (esternocostal, diafragmatica e pulmonar ou esquerda). Localiza-se no mediastino inferior-médio.
  6. 6. O CORAÇÃO
  7. 7. O CORAÇÃO Estrutura da parede cardíaca:  Endocárdio: camada interna  Miocárdio: camada media (muscular)  Epicárdio: camada externa
  8. 8. O CORAÇÃO Cavidades: Câmaras de recepção: átrio direito átrio esquerdo Câmaras de expulsão: ventrículo direito ventrículo esquerdo
  9. 9. O CORAÇÃO: MORFOLOGIA EXTERNA
  10. 10. Sulcos Interventriculares Interatrial Terminal Coronário
  11. 11. Artérias Coronárias e veias cardíacas
  12. 12. Morfologia interna do coração: Átrios  Átrio direito: o Músculos Pectíneos o Crista Terminal o Septo Interatrial o Fossa Oval o Tubéculo Intervenoso o Ostios:  Das Veias Cavas  Do Seio Coronário  Atrio-ventricular  Átrio Esquerdo: o Septo Interatrial o Musculos Pectíneos o Ostios:  Das Veias Pulmonares  Ostio Atrio-ventricular
  13. 13. Morfologia interna do coração: Ventrículos  Ventrículo Direito: o Septo Interventricular o Trabéculas Cárneas:  Cristas  Pontes  Pilares o Trabécula Septomarginal o Valva Tricúspide: (A,P,S)  Cordas Tendíneas o Valva Pulmonar  Ventrículo Esquerdo: o Septo Interventricular o Trabéculas Cárneas:  Cristas  Pontes  Pilares o Valva Bicúspide: (A,P)  Cordas Tendíneas o Valva Aórtica.
  14. 14. O CORAÇÃO O septo divide o coração em dois lados: direito e esquerdo. A válvula tricúspide separa o átrio direito do ventrículo, enquanto que o átrio esquerdo está separado do ventrículo esquerdo pela válvula mitral.
  15. 15. O CORAÇÃO: SISTEMA EXCITO-CONDUTOR É um sistema de condução de impulso elétrico dentro do coração constituído por miocárdio (músculo) modificado. Divisão: • Nó sinusal (sino-atrial) • Feixes internodais (Feixe de His): anterior, médio posterior • Nó atrio-ventricular • Feixes atrio-ventriculares (Rede ou fibras de purkinge): Ramos direito e esquerdo
  16. 16. Esqueleto fibroso do coração: É o tecido conjuntivo fibroso que envolve e sustenta as valvas cardíacas e serve para inserção das fibras musculares que constituem o miocárdio. Divisão:  Ânulos Fibrosos Das Valvas  Septo Membranoso  Trigonos Fibrosos: o Direito E Esquerdo
  17. 17. O desempenho de sua função depende de algumas propriedades: Propriedades Eletrofisiológicas São especialmente próprias do tecido excitocondutor 1. Automatismo: Capacidade do coração em gerar seu próprio estímulo elétrico. Promove a contração das células miocárdicas contráteis. Determina o ritmo cardíaco (60 a 100 vezes por minuto) O CORAÇÃO
  18. 18. O desempenho de sua função depende de algumas propriedades: 1. Condutibilidade: 2. Condutibilidade: Capacidade de condução do estímulo elétrico. 1. Excitabilidade: 2. Excitabilidade: 3. Excitabilidade: Capacidade que cada célula do coração tem de se excitar em resposta a um estímulo elétrico, mecânico ou químico, gerando um impulso elétrico (resposta contrátil - no caso do miocárdio) O CORAÇÃO
  19. 19. O desempenho de sua função depende de algumas propriedades: Propriedades Mecânicas 1. Contratilidade: Capacidade de contração do coração, que leva a ejeção de um determinado volume sanguíneo para os tecidos e provoca o esvaziamento do órgão. 1. Relaxamento: 2. Relaxamento: Capacidade de desativação da contração, que resulta em retorno de um volume de sangue e no enchimento do coração. O CORAÇÃO
  20. 20. O ciclo cardíaco consiste em duas fases: • Sístole : os ventrículos se contraem enviando sangue para a circulação pulmonar e sistêmica. • Diástole: ventrículos relaxam e se enchem de sangue dos átrios
  21. 21. DiástoleSistole
  22. 22. O valor normal máximo da pressão arterial sistólica é 140 mmHg; o da pressão arterial diastólica é 90 mmHg. Em média, os valores normais da pressão arterial situam-se em torno de 120 x 80 mmHg.
  23. 23. As estreitas relações entre as variáveis cardiovasculares ou hemodinâmicas fundamentais são representadas pelas seguintes funções matemáticas: Débito Cardíaco = Frequência Cardíaca x Volume Sistólico Pressão Arterial = Débito Cardíaco x Resistência Periférica
  24. 24. • Sistema endócrino (hormônios - adrenalina e noradrenalina) - função estimuladora : aumento dos bpm (situações de estresse). • Sistema nervoso simpático (nervos simpáticos) - função estimuladora sobre as propriedades funcionais: aumento bpm; • Sistema nervoso parassimpático (nervo vago) - função inibidora: redução dos bpm CONTROLE EXTRÍNSECO
  25. 25. ARTÉRIAS, VEIAS E CAPILARES Artérias são vasos elásticos adaptados a transportar o sangue para fora do coração em relativa alta pressão de bombeamento. O sangue nas artérias é rico em oxigênio, com exceção da artéria pulmonar, que leva o sangue para os pulmões para ser oxigenado
  26. 26. SISTEMA VASCULAR ARTERIAL Tem basicamente a FUNÇÃO de conduzir e distribuir o volume sanguíneo aos tecidos, para a manutenção da pressão intravascular e da oferta de fluxo adequada.
  27. 27. ARTÉRIAS, VEIAS E CAPILARES Veias são responsáveis ​​pelo retorno do sangue ao coração após o sangue e as células do corpo trocarem gases, nutrientes e resíduos. As veias transportam o sangue rico em gás carbônico. A pressão do sangue nas veias é menor que a pressão exercida na artéria
  28. 28. ARTÉRIAS, VEIAS E CAPILARES Tipos de Veias • Troncos venosos • Veias de médio e pequeno calibre • Vênulas • Veias superficiais (membros e pescoço) • Profundas (acompanham artérias)
  29. 29. SISTEMA VASCULAR VENOSO Tem a FUNÇÃO de variação da sua complacência (elastância), para permitir o retorno de um volume sanguíneo variável ao coração e manter a reserva desse volume.
  30. 30. DIFERENÇAS ENTRE ARTÉRIAS E VEIAS
  31. 31. ARTÉRIAS, VEIAS E CAPILARES Capilares correspondem ao sistema de microcirculação. Tem a propriedade de permitir a troca de substâncias sólidas, líquidas e gasosas entre o compartimento intravascular e as células teciduais.
  32. 32. MICROCIRCULAÇÃO São os pontos de troca entre o sangue e os tecidos circundantes. A extensa rede de capilares é estimada entre 50.000 e 60.000 quilômetros de comprimento.
  33. 33. FUNÇÕES DAS VÁVULAS NAS VEIAS
  34. 34. • Constituído por:  Plasma  Elementos figurados – hemácias, leucócitos e plaquetas • Transporte do oxigênio, dos órgãos respiratórios até os tecidos do corpo, e condução do gás carbônico dos tecidos até os órgãos respiratórios. • Distribuição dos nutrientes absorvidos pelas vias digestivas para todas as células do corpo. • Transporte dos produtos finais do metabolismo até os órgãos especializados de excreção. SANGUE FUNÇÕES
  35. 35. Trajeto do sangue dentro do coração e vasos sanguíneos. Tipos: • Sistêmica ou grande circulação • Pulmonar ou pequena circulação • Porta • Colateral • Fetal (veia umbilical, artérias umbilicais, ducto venoso, ducto arterioso) CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA
  36. 36. • A circulação do sangue que sai dos pulmões em direção ao coração e quando sai do coração em direção aos pulmões é chamada de circulação pulmonar. • A circulação do sangue que sai do coração para irrigar os tecidos do organismo e que dos tecidos volta para o coração é chamada de circulação sistêmica.
  37. 37. Conceito: É um sistema de drenagem que auxilia a drenagem venosa captando as macromoléculas que não são capitadas pelos capilares venoso. Desemboca no sistema venoso. Linfa: É o liquido que circula nos vasos linfáticos originado dos liquido intercelular. Linfonodos: Estruturas em forma de amêndoa situadas entre os vasos linfáticos com a finalidade de filtrar a linfa circulante.
  38. 38. Troncos Linfáticos: • Ductos linfáticos direito (cabeça, pescoço e tórax do lado direito) • Ducto torácico (cabeça, pescoço e tórax do lado esquerdo e as regiões infra- diafragmáticas) • Tonsilas: Estruturas constituídas de tecido linfóides (ricos em células brancas) com a finalidade de proteção do organismos.  Palatinas  Faríngeas  Lingual  Anel linfático da faringe
  39. 39. Órgãos hematopoiéticos Medula óssea: Medula rubra ou vermelha (em atividade) Medula flava ou amarela (rica em gordura, substitui a medula vermelha). Baço: É um órgão linfóide associado ao sistema circulatório situado na cavidade abdominal responsável pela retirada das hemáceas velhas do sangue (hemocaterese) Timo: Produz o linfócito “T “: precursor dos anticorpos. Está relacionado com o desenvolvimento dos mecanismos imunológicos nos jovens, porém regride chega a desaparecer nos adultos.
  40. 40. Órgãos hematopoiéticos Medula óssea: Medula rubra ou vermelha (em atividade) Medula flava ou amarela (rica em gordura, substitui a medula vermelha). Baço: É um órgão linfóide associado ao sistema circulatório situado na cavidade abdominal responsável pela retirada das hemáceas velhas do sangue (hemocaterese) Timo: Produz o linfócito “T “: precursor dos anticorpos. Está relacionado com o desenvolvimento dos mecanismos imunológicos nos jovens, porém regride chega a desaparecer nos adultos.

×