SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
COMPLICAÇÕES DECORRENTES
DA COLOCAÇÃO DE PIERCINGS EM
CAVIDADE ORAL – RELATO DE CASO
Autores: Alini Salera Leandrino, Renata Matalon Negreiros, José
Roberto Piteri, Rafael Belmonte, Waldyr Antonio Jorge
A correção da má oclusão em crianças deve se O
termo piercing, que provém do inglês “to Pierce”,
significa perfurar (1,7)
. Este hábito vem se perpetuando
desde civilizações mais antigas, que usavam
diferentes materiais, com diversas representações.
Índios de várias tribos, como os da Amazônia,
perfuravam os lábios com pedaços de madeira
como simbologia cultural. Chineses e hindus, como
manifestação religiosa, além dos lábios, perfuravam
também bochechas e língua. Para os egípcios,
que faziam uso dos enfeites principalmente no
umbigo, a prática era sinal de realeza. Os romanos
aplicavam nos mamilos; para os maias, o significado
era espiritual, colocavam jóias na língua (6)
e já
confeccionavam cavidades também no esmalte
dental para a colocação de pedras preciosas. (1, 2, 7)
Suspeita-se que a origem do piercing labial se
deu com os esquimós e povos das Aleutas, no
Alasca, onde era utilizado para representar marcos
importantes na vida das pessoas, como o começo
da puberdade, o casamento e a iniciação no mundo
da caça (2)
.
A partir das décadas de 1960 e 1970, com
o movimento “hippie”, a prática cresceu e
posteriormente, nos anos 80, os piercings
começaram a ser utilizados como forma de
protesto pelos “punks” (14)
. Hoje, ganhou sentido de
ornamentação, especialmente, entre adultos jovens
e adolescentes (3)
com faixa etária predominante
entre 18 e 35 anos, de diversas classes sociais e
ambos os gêneros, mais prevalente no feminino
(1,6)
. A maioria faz uso indiscriminado destes
artefatos, sem cautela, desconhecendo as prováveis
consequências e complicações decorrentes de seu
uso(4)
.
Atualmente, os piercings são confeccionados em
diversos materiais, com feitios mais definidos e
padronizados, e aplicados em diferentes regiões do
corpo e da face(2)
.
O perfil dos usuários de piercing, hoje, indica que
a maioria utiliza por ser um meio de expressão de
identidade. O segundo principal motivo diz respeito
à beleza e moda. O terceiro, à rebeldia e influência
dos amigos. Uma minoria relaciona o uso destes
ornamentos com a identificação com o grupo (12)
.
Em região oral, os piercings geralmente têm formato
de argola (Fig.1) (que pode incluir em sua estrutura
uma ou duas esferas delimitando extremidades),
“labret” (mais usualmente colocado em lábio
inferior – uma esfera, uma haste e uma base plana
em formato de disco), que transfixa o lábio, a
língua ou a bochecha (Fig.2) e “barbell”, que difere
deste último pelo fato de possuir esferas nos dois
extremos, uma delas rosqueável, com haste reta ou
curva (Fig.3). São constituídos, mais comumente
de materiais como prata, ouro, aço inoxidável (aço
cirúrgico), teflon, acrílico e titânio (1, 2, 3)
. O barbell é o
mais utilizado na região oral (13)
.
A literatura odontológica sobre piercings bucais é
relativamente escassa e recente, tendo os primeiros
relatos na década de 90. O assunto ainda é, de certa
forma, novo para os profissionais da Odontologia (1)
.
Os locais de escolha para colocação de piercings
em região oral são a língua, lábios, freios lingual e
labial (os mais prevalentes, nesta ordem, sendo os
dois primeiros os principais sítios onde ocorrem as
Fig.1: Piercing do tipo Argola Fig.2: Piercing do tipo Labret
Fig.3: Piercing do tipo Barbell
complicações orais) (1, 6, 11, 12)
. Também são perfuradas
com menor frequência as bochechas (mucosa jugal)
e, ainda mais raramente, a úvula (11)
. Tecidos duros
(esmalte dental), da mesma forma, são usualmente
adornadospormeiodaconfecçãodecavidadesonde
são inseridas pedras preciosas ou semipreciosas (1, 2,
3, 5, 6, 11, 13)
ou, sem a execução de cavidades, por meio
da aderência dessas pedras com resina composta,
não prejudicial, dessa forma, à cavidade oral, ou ao
esmalte dental(11)
.
Devido à falta de conhecimento técnico e anatômico
específicos por parte do profissional que faz a
colocação dos piercings (os Piercers)(1, 7, 4)
, à ausência
de uma prática de biossegurança (esterilização da
joia e antissepsia) adequada para tal e do próprio
uso desses ornamentos, ocorrem complicações,
além dos riscos e transtornos de ordem sistêmica.
Entre eles, doenças como tétano, hepatite, HIV,
herpes, bacteremia, septicemia, endocardite, angina
de Ludwig, alterações em níveis leucocitários, assim
como o desenvolvimento de neoplasias devido
à hiperplasia e alteração de células inflamatórias
decorrentes de hábitos parafuncionais (1, 2, 7, 14, 15)
.
Hábitos que são considerados um trauma crônico
de baixa intensidade, associados a fatores como
o tabagismo, etilismo, radiação ionizante e
susceptibilidade genética potencializam o risco
de o tecido desenvolver alterações pré-malignas.
Contribuem também para essas alterações o fato
de o piercing oral favorecer o ocasionamento de
lesões e a possibilidade de liberar substâncias
carcinogênicas devido à toxicidade dos metais
utilizados em sua confecção (1, 2, 7, 14, 15)
. Por se tratar de
um meio úmido, ricamente vascularizado e possuir
uma flora bacteriana muito diversa e dinâmica,
complicações pela colocação de piercings em
mucosa oral são ainda mais preocupantes (7)
.
As complicações dos piercings orais podem ser
classificadas em imediatas ou tardias. Dentre as
imediatas, as principais são a possibilidade de
aspiração ou deglutição de parte ou de toda a joia,
hemorragias, lesão de feixes vásculo-nervosos e
laceração de tecidos (1,5)
. Pode, ainda, ocorrer fratura
da agulha de perfuração no ato da colocação do
piercing (9)
ou mesmo da joia.
As tardias se referem a reações alérgicas devido ao
contato com o metal do piercing, acúmulo de tártaro
ao redor da joia, sialorreia, dor, edema (que em
casos mais extremos podem comprometer as vias
aéreas), infecção – complicação muito frequente,
que leva à necrose tecidual –, danos à fonação,
fratura dental, distúrbios da função mastigatória
e deglutição, perda óssea, desenvolvimento de
hábitos parafuncionais, hiperatividade muscular,
parestesia, problemas periodontais, retração
gengival, ageusia (perda da gustação), bem como
os transtornos sistêmicos já citados. Nesses últimos,
destaca-se a susceptibilidade ao desenvolvimento
de neoplasias à qual o indivíduo fica exposto por
trauma, liberação de metais ou alteração celular,
potencializados ou não pelos hábitos (2, 5, 6)
.
Em estudo realizado em pacientes portadores de
piercing lingual, nos quais foi realizada biópsia no
local de inserção do piercing, todos apresentaram
algum tipo de alteração histológica que variaram
desde um simples processo inflamatório a lesões
cancerizáveis (14)
.
Se o paciente estiver decidido a usar o piercing oral
– trata-se de uma escolha indiscutível, a opção é
individual e deve ser respeitada (7)
, a colocação do
ornamento deve ser considerada um ato médico e os
profissionais da saúde devem aconselhar o paciente
a procurarem estabelecimentos seguros, onde as
devidas precauções sejam seguidas e respeitadas,
assim como a anatomia do local seja conhecida (11)
.
Apesar de raro, deve-se destacar que a cicatrização
tecidual após a colocação do piercing na mucosa
bucal é capaz de embutir a joia entre os tecidos,
principalmente considerando que os indivíduos
são instruídos a não remover o ornamento durante
o processo de cicatrização. Isso pode culminar no
desenvolvimento de uma reação de corpo estranho
na região e requerer procedimentos cirúrgicos para
tratá-la (7)
.
A atuação do cirurgião- dentista, exercendo papel
informativo, com a orientação de uma eficiente
higienização bucal e do piercing ou da extinção de
hábitos parafuncionais, como morder a joia ou batê-
la contra os dentes, e preventivo, sobretudo com
relação às neoplasias, é fundamental (1,2)
. A remoção
dos piercings orais indicada por nós, odontólogos,
será feita se já houver quaisquer complicações
previstas ou alguma condição oral ou sistêmica
instalada.
Melo et. al. ressalta que o dentista deve estar
preparadoparasolucionarasprincipaiscomplicações
que o uso de piercing oral pode gerar e Pécora (2)
salienta que, a princípio, devemos recomendar a não
instalação do piercing bucal ou, então, orientar com
relação aos riscos e prevenção de complicações, por
meio da manutenção e higiene. Nos casos em que o
paciente não aceita a remoção, se instalada qualquer
intercorrência, sua intervenção para correção ou
atenuação do problema se faz necessária (7,4)
.
Após a remoção do piercing ainda podem surgir
complicações estéticas, geradas pelas cicatrizes
deixadaspelaperfuração(1,2)
eformaçãodequeloides,
que são lesões fibroelásticas, salientes, rosadas,
avermelhadas ou escuras e às vezes brilhantes,
causadas por uma desordem fibroproliferativa.
Geralmente crescem, e apesar de beningnas, não
contagiosas e muitas vezes indolores, podem se
tornar um problema estético importante, pois
recidivam com frequência mesmo após a cirurgia
reparadora – excisão cirúrgica (6)
.
O objetivo deste trabalho é mostrar as possíveis
complicações da colocação de piercing em
cavidade oral, ilustrando com caso clínico no qual
houve encapsulamento dos objetos em região jugal
bilateral, sendo removidos, de um lado, por acesso
intraoral, e do outro, via extraoral.
RELATO DE CASO	
O paciente B. D. B, do gênero masculino, 19 anos,
ASA I, leucoderma, procurou a clínica do curso
de especialização em Cirurgia e Traumatologia
Bucomaxilofacial da FFO-USP. Relatou que após
uma semana da colocação de dois piercings do
tipo labret em mucosa jugal, dos lados direito e
esquerdo, transfixantes, as peças invaginaram na
bochecha, onde permaneceram por cerca de um
ano até a data da consulta.
Apesar de não referir dor, nem outra sintomatologia
significativa, o paciente foi orientado para a
remoção dos objetos que, mesmo tardiamente,
poderiam levar ao desenvolvimento de algum tipo
de alteração celular.
Solicitou-se Tomografia Computadorizada (TC)
com janela para tecidos moles e duros (Fig.4), para
avaliar a relação dos piercings com estruturas nobres
adjacentes à região perfurada, como o ducto da
glândula parótida, artéria e nervo facial. Além disso,
foram executadas radiografias interproximais (Fig.
5) e laterais de face para detecção dos objetos. Do
lado esquerdo, averiguou-se que havia remanescido
apenas uma esfera componente do piercing. Do
lado direito, estava presente toda a estrutura.
Ao exame clínico, não foram percebidos sinais
inflamatórios e, durante palpação, pôde-se perceber
que a joia se apresentou mais táctil em mucosa jugal
do lado direito, enquanto do lado esquerdo havia
maior proximidade do piercing com a superfície
externa, fatos também constatados na TC. Devido às
localizações, foi planejada a remoção das peças por
via intraoral, do lado direito, e por acesso extraoral,
do lado esquerdo.
Realizou-se profilaxia antibiótica com 1 g de
Amoxicilina e administração de anti-inflamatório
(8 mg de Dexametasona uma hora antes do
procedimento cirúrgico). A solução de iodopovidona
a 2% foi utilizada para antissepsia extraoral e
clorexidina 0,12% para antissepsia intraoral.
A cirurgia iniciou pela remoção do piercing do lado
esquerdo. Foi realizada anestesia local, extraoral, ao
redor da esfera do piercing, que se fez sobressaliente
através de pressão bidigital. Seguiu-se com incisão
de aproximadamente 7 mm sobre o piercing, apenas
sobre a pele (Figs.6 e 7) e com leve divulsão. Com
auxílio de pinça Kelly, a esfera foi removida (Fig.8),
o tecido suturado com nylon 5.0 e recoberto por
curativo.
Doladooposto,realizou-
se anestesia infiltrativa
terminal em mucosa
jugal, com incisão de
a p r o x i m a d a m e n t e
o mesmo tamanho
da primeira (Fig.9),
atingindo também
o plano muscular,
cuidadosamente, pois o local a ser incisado estava
próximo à saída do ducto da glândula parótida.
Divulsionou-se os tecidos até chegar à extremidade
mais medial do piercing (Fig.10).
Fig.5: Radiografia
lateral da face
Fig.4: Tomografia Computadorizada (TC) em corte axial com
janela para tecidos duros.
Fig.6: Incisão de 7 milímetros
sobre a pele
Fig.7: Tecido Epitelial incisado
expondo a esfera do piercing
Fig.8: Remoção do piercing
Nesse momento, foi constatado que, por se tratar
de um corpo estranho, estruturou-se em torno do
mesmo um tecido fibroso bem aderido. Depois de
extirpado todo esse tecido, removeu-se o piercing
(Fig.11) e foi confeccionada a sutura por planos
com fio reabsorvível. O paciente foi orientado a
manter uma boa higiene nos locais onde houve a
intervenção cirúrgica. Foi prescrito para o pós-
operatório Amoxicilina 500 mg, a cada 8 horas por
sete dias, Diclofenaco Sódico 50 mg, a cada 8 horas
por três dias e Dipirona Sódica 500mg a cada 6
horas caso houvesse dor.
O material removido (Fig.12) foi colocado em formol
10% e enviado para análise anatomopatológica
que evidenciou células de processo inflamatório
crônico inespecífico e hiperplasia fibroepitelial com
presença de vasos sanguíneos e extravazamento de
hemácias.
O pós-operatório (P.O.) imediato do paciente
foi muito satisfatório e após sete dias as feridas
cirúrgicas encontravam-se em normalidade do
processo cicatricial (Figs. 13 e 14), embora os
cuidados do paciente com higienização fossem
deficientes. No controle P.O. de um mês, os tecidos
se apresentaram íntegros e sem cicatrizes evidentes.
DISCUSSÃO
Diferentemente do caso relatado, no qual o gênero
do paciente é o masculino, o gênero mais comum
dentre os indivíduos que usam piercing é o feminino,
segundo Melo. Já Marquezan, Eulálio e Cerri (1, 6, 14)
relataram que a idade mais comum varia de 19 a 35
anos, estando o nosso paciente nessa faixa etária.
Diferindo de nosso caso, em que o piercing estava
localizado na região da bochecha, menos comum
(13)
, os locais mais comumente escolhidos para a
perfuração em região oral são lábio e língua (1, 6,11)
.
As metamorfoses celulares do tecido fibroso
formado ao redor do piercing encontradas em exame
histopatológico coincidem com os achados dos
estudos realizados por Cerri et.al. (14)
e corroboram
com o autor quanto ao fato de que sempre há
algum tipo de alteração celular no local onde houve
a perfuração.
O objeto foi encapsulado em mucosa jugal e poderia
ter sido agente etiológico de quaisquer alterações
citadas neste artigo, contudo, nenhuma delas foi
observada no caso apresentado, o que pode ser
explicado pelo fato de que a localização do piercing
não é a que mais provoca alterações orais (17)
e nem
a escolha mais comum. O encarceramento da joia
pode ter ocorrido pela orientação da não remoção
do piercing, durante a cicatrização, confirmando o
que Fenato et.al. (7)
diz em seu trabalho.
Uma vez que o adorno já havia perdido sua função
estética e de modismo, motivo pelo qual o paciente
colocou o adereço, a remoção dos piercings se
deu, portanto, de forma preventiva, assim como foi
observado em estudo de Saquet et.al.(17)
. O paciente
se sentiu vulnerável frente aos possíveis riscos de
complicações a ele relatadas e a prevenção contra o
câncer foi o motivo principal que o levou a concordar
com a remoção dos artefatos.
CONCLUSÃO
Aoscirurgiões-dentistascompetearesponsabilidade
de esclarecer os pacientes sobre piercings orais,
orientando sobre riscos decorrentes do uso deste
tipo de ornamento e instruindo quanto aos cuidados
a serem tomados, visto que a prática da colocação
de piercings tem se tornado cada vez mais habitual
e que seu uso é uma opção do indivíduo e deve ser
respeitada.
Asinjúriasoriundasdacolocaçãodepiercingsnãosão
responsáveis, em primeira instância, por alterações
sistêmicas, contudo, podem comprometer a saúde
geral do indivíduo.
Fig.9: Mucosa jugal direita
incisada
Fig.10: Exposição de parte do
piercing depois de divulsiona-
dos os tecidos
Fig.11: Remoção total do
piercing
Fig.12: Objetos removidos
Fig.13: Pós-operatório de
7 dias, lado esquerdo
Fig.14: Pós-operatório de 7 dias,
lado direito
Referências
Bibliográficas
 
1- Marquezan, M.; Souza, L. T.; Tanaka, O. Piercing oral: beleza, riscos e o papel da
odontologia. Rev. Fac. Odontol. Porto Alegre. Porto Alegre, v. 49, n. 1, p. 12-15, jan./
abr., 2008.
2- Pécora, G. A.; Reyes, A.; Pedron, I. G.; Utumi, E. R; Borsatti, M. A. Complicações
decorrentesdautilizaçãodopiercingbucal-Avaliaçãoeconduta.RevistadoPrograma
de Pós-Graduação em Odontologia da Faculdade da Saúde da Universidade
Metodista de São Paulo - UMESP clínica/ Odonto 2010; 18(36): 51-57.
3- Vieira, E. P.; Ribeiro, A. L.; Pinheiro, J. J. V.; Júnior, S. M. A.. Oral Piercings:
Immediate and late complications. American Association of Oral and Maxillofacial
Surgeons. Journal of oral and maxillofacial Surgery 69:3032-3037, 2011.
4- Melo A. R.; Abreu, T. C.; Barbosa, L. M.; Araújo, G. M.; Vasconcelos, B. C. Piercing
labial como corpo estranho. Rev. Cir. Traumatol. Bucomaxilofacial, Camaragibe v.13,
n.1, p. 83-88, jan./mar. 2013.
5- Trindade, C. P.; Guaré, R. de O.; Bonecker, M. J. S. Piercing oral: considerações
gerais e relato de casos clínicos. J Bras. Odontopediatria Odontol. Bebê, Curitiba, v.6,
n.31, p.203-209, maio/jun. 2003.
6- Eulálio, S. R. N.; Tapety, F. I.; Alves, E. L. M.; Brito, J. N. P. O. Prevalência de
complicações em tecidos moles e duros devido ao uso de piercing oral. Rev. enferm.
UERJ, Rio de Janeiro, 2012 out/dez; 20(4): 429-33.
7- Fenato, M. C.; Miura, C. S. N.; Boleta-Ceranto, D. C. F. Piercing bucal: sua saúde
vale esse modismo? Arq. Ciênc. Saúde. UNIPAR, Umuarama, v. 14, n. 2, p. 157-
161, maio/ago. 2010.
8- Hennequin-Hoenderdos, N. L.; Slot, D. E.; Van der Weijden, G. A. Complications
of oral and peri-oral piercings: a summary of case reports. Int. J Dent Hygiene 9,
2011; 101–109.
9- Nedbalski, T. R.; Laskin, D. M., Loss of a sewing needle in the tongue during
attempted tongue piercing: report of a Case, J Oral Maxillofacial. Surg. 64:135-137,
2006.
10- Inchingolo, F.; Tatullo, M.; Abenavoli, F. M,; Marrelli, M.; Inch-ingolo, A. D.;
Palladino, A.; Inchingolo, A. M.; Dipalma, G., Oral Piercing and Oral Diseases: A Short
Time Retrospective Study . International Journal of Medical Sciences 2011; 8(8): 649-
652.
11- Ribeiro, F. M. C. S., Piercings orais e periorais e suas complicações. Monografia.
Universidade Fernando Pessoa. Porto, 2012.
12- Saquet, P .N.; Saleh, S. B.; Marchiori, J. C.; Pozzobon, R., Perfil dos usuários
de piercing oral e implicações decorrentes de seu uso RGO, Porto Alegre, v. 57, n.1,
p.41-45, jan./mar. 2009.
13- Bozelli, J. V.; Matsui, R. H.; Júnior, K. F.; Ortolani, C. F.; Chelloti, A. Piercing oral
e perioral: a moda que marca. Rev. Inst. Ciênc. Saúde 2004 out-dez; 22(4): 331-6.
14- Cerri, A.; Silva, C. E. X. S. R. Estudo histopatológico das alterações teciduais
causadas pelo uso de piercing na língua. Rev. AssoC. Paul. Cir. Dent; 62(6): 438-
443 nov.-dez. 2008. Ilus.
15- Santo, R. A. E.; Santos, L. F. G.; Conceição, J. G.; Pontes, J. R. M.; Israel, M.
S.; Ramos, M. E. B. Piercing oral: fator de risco para o câncer? R. Ci. Méd. biol.,
Salvador, v.6, n.2, p.233-239, mai./ago. 2007.
16- Fragelli, C. M. B.; Campos, J. A. D. B.; Gaspar, A. M. M. Considerações sobre
o uso do piercing lingual. RGO - Rev. Gaúcha Odontol., Porto Alegre, v. 58, n. 4, p.
451-455, out./dez. 2010.
APLICAÇÃO CLÍNICA
Orientar o paciente quanto à higienização
de piercings orais, alertando sobre os
riscos de complicações durante e após
a colocação. Permitir que o cirurgião-
dentista possa orientar o paciente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Traumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em OdontopediatriaTraumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em Odontopediatria
 
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduoEndodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
 
Materiais para implantes dentários
Materiais para implantes dentáriosMateriais para implantes dentários
Materiais para implantes dentários
 
Endo x implantes satec 2009
Endo x implantes satec 2009Endo x implantes satec 2009
Endo x implantes satec 2009
 
cefalometria
cefalometriacefalometria
cefalometria
 
Silvia
SilviaSilvia
Silvia
 
Paraendodôntica uepg
Paraendodôntica uepgParaendodôntica uepg
Paraendodôntica uepg
 
Art graduação
Art graduaçãoArt graduação
Art graduação
 
Diagnóstico alterações periapicais
Diagnóstico   alterações periapicaisDiagnóstico   alterações periapicais
Diagnóstico alterações periapicais
 
Complicações, sucessos e
Complicações, sucessos eComplicações, sucessos e
Complicações, sucessos e
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Cisto dentígero
Cisto dentígeroCisto dentígero
Cisto dentígero
 
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicosCistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
 
5 traumatismo dentário
5   traumatismo dentário5   traumatismo dentário
5 traumatismo dentário
 
Cisto dentígero
Cisto dentígeroCisto dentígero
Cisto dentígero
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 
Prótese em odontopediatria
Prótese em odontopediatriaPrótese em odontopediatria
Prótese em odontopediatria
 
Implante Brasil Cursos
Implante Brasil CursosImplante Brasil Cursos
Implante Brasil Cursos
 
Patologia cistos
Patologia cistosPatologia cistos
Patologia cistos
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
 

Destaque

一個使用者體驗部門都在做什麼
一個使用者體驗部門都在做什麼一個使用者體驗部門都在做什麼
一個使用者體驗部門都在做什麼Wan Jen Huang
 
Free market update: 22/11/2012
Free market update: 22/11/2012Free market update: 22/11/2012
Free market update: 22/11/2012Abhijit Mitra
 
JumpToGoal opportunity analysis project
JumpToGoal opportunity analysis projectJumpToGoal opportunity analysis project
JumpToGoal opportunity analysis projectNatalia Sergeeva
 
Добрикова А.А. Презентация имиджа Челябинской области в социокультурной комму...
Добрикова А.А. Презентация имиджа Челябинской области в социокультурной комму...Добрикова А.А. Презентация имиджа Челябинской области в социокультурной комму...
Добрикова А.А. Презентация имиджа Челябинской области в социокультурной комму...prasu1995
 
Semiotic analysis of the cartoons employed during the egyptian revolution 20...
Semiotic  analysis of the cartoons employed during the egyptian revolution 20...Semiotic  analysis of the cartoons employed during the egyptian revolution 20...
Semiotic analysis of the cartoons employed during the egyptian revolution 20...Abeer Barakat Alhossary
 
Katyn jako symbol polityczny i quasireligijny
Katyn jako symbol polityczny i quasireligijnyKatyn jako symbol polityczny i quasireligijny
Katyn jako symbol polityczny i quasireligijnyMagdalena Mateja
 
Газовый напольный котел Baxi Slim HP 1.830 iN
Газовый напольный котел Baxi Slim HP 1.830 iNГазовый напольный котел Baxi Slim HP 1.830 iN
Газовый напольный котел Baxi Slim HP 1.830 iNAl Maks
 
Keys to Understanding and Leveraging the power of Sina Weibo in China
Keys to Understanding and Leveraging the power of Sina Weibo in ChinaKeys to Understanding and Leveraging the power of Sina Weibo in China
Keys to Understanding and Leveraging the power of Sina Weibo in ChinaLabbrand
 
Дачная стрелка 3
Дачная стрелка 3Дачная стрелка 3
Дачная стрелка 3Al Maks
 
MSC Temporary Passwords reset tool
MSC Temporary Passwords reset toolMSC Temporary Passwords reset tool
MSC Temporary Passwords reset toolNag Arvind Gudiseva
 
Valenzuela, Eduardo. Nuevas Generaciones
Valenzuela, Eduardo. Nuevas GeneracionesValenzuela, Eduardo. Nuevas Generaciones
Valenzuela, Eduardo. Nuevas GeneracionesCristian Arce
 

Destaque (20)

一個使用者體驗部門都在做什麼
一個使用者體驗部門都在做什麼一個使用者體驗部門都在做什麼
一個使用者體驗部門都在做什麼
 
Marketing Management
Marketing ManagementMarketing Management
Marketing Management
 
Free market update: 22/11/2012
Free market update: 22/11/2012Free market update: 22/11/2012
Free market update: 22/11/2012
 
JumpToGoal opportunity analysis project
JumpToGoal opportunity analysis projectJumpToGoal opportunity analysis project
JumpToGoal opportunity analysis project
 
Добрикова А.А. Презентация имиджа Челябинской области в социокультурной комму...
Добрикова А.А. Презентация имиджа Челябинской области в социокультурной комму...Добрикова А.А. Презентация имиджа Челябинской области в социокультурной комму...
Добрикова А.А. Презентация имиджа Челябинской области в социокультурной комму...
 
Semiotic analysis of the cartoons employed during the egyptian revolution 20...
Semiotic  analysis of the cartoons employed during the egyptian revolution 20...Semiotic  analysis of the cartoons employed during the egyptian revolution 20...
Semiotic analysis of the cartoons employed during the egyptian revolution 20...
 
An approach to use PERA in Enterprise Modeling for industrial systems
An approach to use PERA in Enterprise Modeling for industrial systemsAn approach to use PERA in Enterprise Modeling for industrial systems
An approach to use PERA in Enterprise Modeling for industrial systems
 
Evaluation
EvaluationEvaluation
Evaluation
 
Kontrak transaksi perkuliahan1516
Kontrak transaksi perkuliahan1516Kontrak transaksi perkuliahan1516
Kontrak transaksi perkuliahan1516
 
Katyn jako symbol polityczny i quasireligijny
Katyn jako symbol polityczny i quasireligijnyKatyn jako symbol polityczny i quasireligijny
Katyn jako symbol polityczny i quasireligijny
 
compra vino monterrey orense
compra vino monterrey orensecompra vino monterrey orense
compra vino monterrey orense
 
Газовый напольный котел Baxi Slim HP 1.830 iN
Газовый напольный котел Baxi Slim HP 1.830 iNГазовый напольный котел Baxi Slim HP 1.830 iN
Газовый напольный котел Baxi Slim HP 1.830 iN
 
Kelompok kkn x. 2013
Kelompok kkn x. 2013Kelompok kkn x. 2013
Kelompok kkn x. 2013
 
Keys to Understanding and Leveraging the power of Sina Weibo in China
Keys to Understanding and Leveraging the power of Sina Weibo in ChinaKeys to Understanding and Leveraging the power of Sina Weibo in China
Keys to Understanding and Leveraging the power of Sina Weibo in China
 
Дачная стрелка 3
Дачная стрелка 3Дачная стрелка 3
Дачная стрелка 3
 
R&p
R&pR&p
R&p
 
Sistemes operatius
Sistemes operatiusSistemes operatius
Sistemes operatius
 
Integration for manufacturing The eScop Approach
Integration for manufacturing  The eScop ApproachIntegration for manufacturing  The eScop Approach
Integration for manufacturing The eScop Approach
 
MSC Temporary Passwords reset tool
MSC Temporary Passwords reset toolMSC Temporary Passwords reset tool
MSC Temporary Passwords reset tool
 
Valenzuela, Eduardo. Nuevas Generaciones
Valenzuela, Eduardo. Nuevas GeneracionesValenzuela, Eduardo. Nuevas Generaciones
Valenzuela, Eduardo. Nuevas Generaciones
 

Semelhante a COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA COLOCAÇÃO DE PIERCINGS EM CAVIDADE ORAL – RELATO DE CASO

Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentísticaprofguilhermeterra
 
Apostila+De+Ortodontia
Apostila+De+OrtodontiaApostila+De+Ortodontia
Apostila+De+Ortodontiaguest7364820
 
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02Elizangela Zago
 
Lesões bucais associadas ao uso de prótese
Lesões bucais associadas ao uso de próteseLesões bucais associadas ao uso de prótese
Lesões bucais associadas ao uso de próteseAltair Pacheco Pontes
 
Etiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesEtiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesedmarchristovam
 
[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3Edson Zacqueu
 
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoTrabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoBruno Sequeira
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasAna Araujo
 
Odontologia -cariologia
Odontologia  -cariologiaOdontologia  -cariologia
Odontologia -cariologiaBruna Colen
 
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completasTratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completasLucia Regina Cavalcanti
 
trabalhociosp2013concluido-130213122901-phpapp02.pdf
trabalhociosp2013concluido-130213122901-phpapp02.pdftrabalhociosp2013concluido-130213122901-phpapp02.pdf
trabalhociosp2013concluido-130213122901-phpapp02.pdfSandra Alecrim Costa Vieira
 
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologicoPrepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologicoGaylha Wegila
 
CONDIÇÕES E DEFORMIDADES MUCOGENGIVAIS.pptx
CONDIÇÕES E DEFORMIDADES MUCOGENGIVAIS.pptxCONDIÇÕES E DEFORMIDADES MUCOGENGIVAIS.pptx
CONDIÇÕES E DEFORMIDADES MUCOGENGIVAIS.pptxAndreLima37215
 

Semelhante a COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA COLOCAÇÃO DE PIERCINGS EM CAVIDADE ORAL – RELATO DE CASO (20)

Dentes inclusos devem ser removidos
Dentes inclusos devem ser removidosDentes inclusos devem ser removidos
Dentes inclusos devem ser removidos
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
Cárie dentária 2012 1
Cárie dentária 2012 1Cárie dentária 2012 1
Cárie dentária 2012 1
 
Apostila+De+Ortodontia
Apostila+De+OrtodontiaApostila+De+Ortodontia
Apostila+De+Ortodontia
 
DiagnóStico Ortodontico
DiagnóStico OrtodonticoDiagnóStico Ortodontico
DiagnóStico Ortodontico
 
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
 
Lesões bucais associadas ao uso de prótese
Lesões bucais associadas ao uso de próteseLesões bucais associadas ao uso de prótese
Lesões bucais associadas ao uso de prótese
 
Etiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesEtiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusões
 
Consequências bucais do piercing intrabucal
Consequências bucais do piercing intrabucal Consequências bucais do piercing intrabucal
Consequências bucais do piercing intrabucal
 
[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3
 
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoTrabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicas
 
Trauma dental
Trauma dentalTrauma dental
Trauma dental
 
Odontologia -cariologia
Odontologia  -cariologiaOdontologia  -cariologia
Odontologia -cariologia
 
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completasTratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
 
Estudo dos dentes inclusos
Estudo dos dentes inclusosEstudo dos dentes inclusos
Estudo dos dentes inclusos
 
Estudo dos dentes inclusos
Estudo dos dentes inclusosEstudo dos dentes inclusos
Estudo dos dentes inclusos
 
trabalhociosp2013concluido-130213122901-phpapp02.pdf
trabalhociosp2013concluido-130213122901-phpapp02.pdftrabalhociosp2013concluido-130213122901-phpapp02.pdf
trabalhociosp2013concluido-130213122901-phpapp02.pdf
 
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologicoPrepara cursos profissionalizantes   workshop auxiliar odontologico
Prepara cursos profissionalizantes workshop auxiliar odontologico
 
CONDIÇÕES E DEFORMIDADES MUCOGENGIVAIS.pptx
CONDIÇÕES E DEFORMIDADES MUCOGENGIVAIS.pptxCONDIÇÕES E DEFORMIDADES MUCOGENGIVAIS.pptx
CONDIÇÕES E DEFORMIDADES MUCOGENGIVAIS.pptx
 

Mais de Fundecto

Bases legais da Odontologia do Trabalho
Bases legais da Odontologia do TrabalhoBases legais da Odontologia do Trabalho
Bases legais da Odontologia do TrabalhoFundecto
 
ORTODONTIA INTERCEPTATIVA: CORREÇAO DA MORDIDA CRUZADA ANTERIOR DENTÁRIA
ORTODONTIA INTERCEPTATIVA: CORREÇAO DA MORDIDA CRUZADA ANTERIOR DENTÁRIAORTODONTIA INTERCEPTATIVA: CORREÇAO DA MORDIDA CRUZADA ANTERIOR DENTÁRIA
ORTODONTIA INTERCEPTATIVA: CORREÇAO DA MORDIDA CRUZADA ANTERIOR DENTÁRIAFundecto
 
Protetor Facial para Esportes: Relato de Caso
Protetor Facial para Esportes: Relato de CasoProtetor Facial para Esportes: Relato de Caso
Protetor Facial para Esportes: Relato de CasoFundecto
 
Acompanhamento da PBMF em caso de Carcinoma Epidermóide em criança
Acompanhamento da PBMF em caso de Carcinoma Epidermóide em criançaAcompanhamento da PBMF em caso de Carcinoma Epidermóide em criança
Acompanhamento da PBMF em caso de Carcinoma Epidermóide em criançaFundecto
 
Mantenedor de Espaço Estético-Funcional em Odontopediatria - Prótese Fixa ...
Mantenedor de Espaço Estético-Funcional em Odontopediatria - Prótese Fixa ...Mantenedor de Espaço Estético-Funcional em Odontopediatria - Prótese Fixa ...
Mantenedor de Espaço Estético-Funcional em Odontopediatria - Prótese Fixa ...Fundecto
 
A importância de se repor dentes perdidos – Descrição de caso - FFO
A importância de se repor dentes perdidos – Descrição de caso - FFOA importância de se repor dentes perdidos – Descrição de caso - FFO
A importância de se repor dentes perdidos – Descrição de caso - FFOFundecto
 
Alternativa para remoção de instrumento fraturado – Descrição de caso - FFO
Alternativa para remoção de instrumento fraturado – Descrição de caso - FFO Alternativa para remoção de instrumento fraturado – Descrição de caso - FFO
Alternativa para remoção de instrumento fraturado – Descrição de caso - FFO Fundecto
 

Mais de Fundecto (7)

Bases legais da Odontologia do Trabalho
Bases legais da Odontologia do TrabalhoBases legais da Odontologia do Trabalho
Bases legais da Odontologia do Trabalho
 
ORTODONTIA INTERCEPTATIVA: CORREÇAO DA MORDIDA CRUZADA ANTERIOR DENTÁRIA
ORTODONTIA INTERCEPTATIVA: CORREÇAO DA MORDIDA CRUZADA ANTERIOR DENTÁRIAORTODONTIA INTERCEPTATIVA: CORREÇAO DA MORDIDA CRUZADA ANTERIOR DENTÁRIA
ORTODONTIA INTERCEPTATIVA: CORREÇAO DA MORDIDA CRUZADA ANTERIOR DENTÁRIA
 
Protetor Facial para Esportes: Relato de Caso
Protetor Facial para Esportes: Relato de CasoProtetor Facial para Esportes: Relato de Caso
Protetor Facial para Esportes: Relato de Caso
 
Acompanhamento da PBMF em caso de Carcinoma Epidermóide em criança
Acompanhamento da PBMF em caso de Carcinoma Epidermóide em criançaAcompanhamento da PBMF em caso de Carcinoma Epidermóide em criança
Acompanhamento da PBMF em caso de Carcinoma Epidermóide em criança
 
Mantenedor de Espaço Estético-Funcional em Odontopediatria - Prótese Fixa ...
Mantenedor de Espaço Estético-Funcional em Odontopediatria - Prótese Fixa ...Mantenedor de Espaço Estético-Funcional em Odontopediatria - Prótese Fixa ...
Mantenedor de Espaço Estético-Funcional em Odontopediatria - Prótese Fixa ...
 
A importância de se repor dentes perdidos – Descrição de caso - FFO
A importância de se repor dentes perdidos – Descrição de caso - FFOA importância de se repor dentes perdidos – Descrição de caso - FFO
A importância de se repor dentes perdidos – Descrição de caso - FFO
 
Alternativa para remoção de instrumento fraturado – Descrição de caso - FFO
Alternativa para remoção de instrumento fraturado – Descrição de caso - FFO Alternativa para remoção de instrumento fraturado – Descrição de caso - FFO
Alternativa para remoção de instrumento fraturado – Descrição de caso - FFO
 

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA COLOCAÇÃO DE PIERCINGS EM CAVIDADE ORAL – RELATO DE CASO

  • 1. COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA COLOCAÇÃO DE PIERCINGS EM CAVIDADE ORAL – RELATO DE CASO Autores: Alini Salera Leandrino, Renata Matalon Negreiros, José Roberto Piteri, Rafael Belmonte, Waldyr Antonio Jorge A correção da má oclusão em crianças deve se O termo piercing, que provém do inglês “to Pierce”, significa perfurar (1,7) . Este hábito vem se perpetuando desde civilizações mais antigas, que usavam diferentes materiais, com diversas representações. Índios de várias tribos, como os da Amazônia, perfuravam os lábios com pedaços de madeira como simbologia cultural. Chineses e hindus, como manifestação religiosa, além dos lábios, perfuravam também bochechas e língua. Para os egípcios, que faziam uso dos enfeites principalmente no umbigo, a prática era sinal de realeza. Os romanos aplicavam nos mamilos; para os maias, o significado era espiritual, colocavam jóias na língua (6) e já confeccionavam cavidades também no esmalte dental para a colocação de pedras preciosas. (1, 2, 7) Suspeita-se que a origem do piercing labial se deu com os esquimós e povos das Aleutas, no Alasca, onde era utilizado para representar marcos importantes na vida das pessoas, como o começo da puberdade, o casamento e a iniciação no mundo da caça (2) . A partir das décadas de 1960 e 1970, com o movimento “hippie”, a prática cresceu e posteriormente, nos anos 80, os piercings começaram a ser utilizados como forma de protesto pelos “punks” (14) . Hoje, ganhou sentido de ornamentação, especialmente, entre adultos jovens e adolescentes (3) com faixa etária predominante entre 18 e 35 anos, de diversas classes sociais e ambos os gêneros, mais prevalente no feminino (1,6) . A maioria faz uso indiscriminado destes artefatos, sem cautela, desconhecendo as prováveis consequências e complicações decorrentes de seu uso(4) . Atualmente, os piercings são confeccionados em diversos materiais, com feitios mais definidos e padronizados, e aplicados em diferentes regiões do corpo e da face(2) . O perfil dos usuários de piercing, hoje, indica que a maioria utiliza por ser um meio de expressão de identidade. O segundo principal motivo diz respeito à beleza e moda. O terceiro, à rebeldia e influência dos amigos. Uma minoria relaciona o uso destes ornamentos com a identificação com o grupo (12) . Em região oral, os piercings geralmente têm formato de argola (Fig.1) (que pode incluir em sua estrutura uma ou duas esferas delimitando extremidades), “labret” (mais usualmente colocado em lábio inferior – uma esfera, uma haste e uma base plana em formato de disco), que transfixa o lábio, a língua ou a bochecha (Fig.2) e “barbell”, que difere deste último pelo fato de possuir esferas nos dois extremos, uma delas rosqueável, com haste reta ou curva (Fig.3). São constituídos, mais comumente de materiais como prata, ouro, aço inoxidável (aço cirúrgico), teflon, acrílico e titânio (1, 2, 3) . O barbell é o mais utilizado na região oral (13) . A literatura odontológica sobre piercings bucais é relativamente escassa e recente, tendo os primeiros relatos na década de 90. O assunto ainda é, de certa forma, novo para os profissionais da Odontologia (1) . Os locais de escolha para colocação de piercings em região oral são a língua, lábios, freios lingual e labial (os mais prevalentes, nesta ordem, sendo os dois primeiros os principais sítios onde ocorrem as Fig.1: Piercing do tipo Argola Fig.2: Piercing do tipo Labret Fig.3: Piercing do tipo Barbell
  • 2. complicações orais) (1, 6, 11, 12) . Também são perfuradas com menor frequência as bochechas (mucosa jugal) e, ainda mais raramente, a úvula (11) . Tecidos duros (esmalte dental), da mesma forma, são usualmente adornadospormeiodaconfecçãodecavidadesonde são inseridas pedras preciosas ou semipreciosas (1, 2, 3, 5, 6, 11, 13) ou, sem a execução de cavidades, por meio da aderência dessas pedras com resina composta, não prejudicial, dessa forma, à cavidade oral, ou ao esmalte dental(11) . Devido à falta de conhecimento técnico e anatômico específicos por parte do profissional que faz a colocação dos piercings (os Piercers)(1, 7, 4) , à ausência de uma prática de biossegurança (esterilização da joia e antissepsia) adequada para tal e do próprio uso desses ornamentos, ocorrem complicações, além dos riscos e transtornos de ordem sistêmica. Entre eles, doenças como tétano, hepatite, HIV, herpes, bacteremia, septicemia, endocardite, angina de Ludwig, alterações em níveis leucocitários, assim como o desenvolvimento de neoplasias devido à hiperplasia e alteração de células inflamatórias decorrentes de hábitos parafuncionais (1, 2, 7, 14, 15) . Hábitos que são considerados um trauma crônico de baixa intensidade, associados a fatores como o tabagismo, etilismo, radiação ionizante e susceptibilidade genética potencializam o risco de o tecido desenvolver alterações pré-malignas. Contribuem também para essas alterações o fato de o piercing oral favorecer o ocasionamento de lesões e a possibilidade de liberar substâncias carcinogênicas devido à toxicidade dos metais utilizados em sua confecção (1, 2, 7, 14, 15) . Por se tratar de um meio úmido, ricamente vascularizado e possuir uma flora bacteriana muito diversa e dinâmica, complicações pela colocação de piercings em mucosa oral são ainda mais preocupantes (7) . As complicações dos piercings orais podem ser classificadas em imediatas ou tardias. Dentre as imediatas, as principais são a possibilidade de aspiração ou deglutição de parte ou de toda a joia, hemorragias, lesão de feixes vásculo-nervosos e laceração de tecidos (1,5) . Pode, ainda, ocorrer fratura da agulha de perfuração no ato da colocação do piercing (9) ou mesmo da joia. As tardias se referem a reações alérgicas devido ao contato com o metal do piercing, acúmulo de tártaro ao redor da joia, sialorreia, dor, edema (que em casos mais extremos podem comprometer as vias aéreas), infecção – complicação muito frequente, que leva à necrose tecidual –, danos à fonação, fratura dental, distúrbios da função mastigatória e deglutição, perda óssea, desenvolvimento de hábitos parafuncionais, hiperatividade muscular, parestesia, problemas periodontais, retração gengival, ageusia (perda da gustação), bem como os transtornos sistêmicos já citados. Nesses últimos, destaca-se a susceptibilidade ao desenvolvimento de neoplasias à qual o indivíduo fica exposto por trauma, liberação de metais ou alteração celular, potencializados ou não pelos hábitos (2, 5, 6) . Em estudo realizado em pacientes portadores de piercing lingual, nos quais foi realizada biópsia no local de inserção do piercing, todos apresentaram algum tipo de alteração histológica que variaram desde um simples processo inflamatório a lesões cancerizáveis (14) . Se o paciente estiver decidido a usar o piercing oral – trata-se de uma escolha indiscutível, a opção é individual e deve ser respeitada (7) , a colocação do ornamento deve ser considerada um ato médico e os profissionais da saúde devem aconselhar o paciente a procurarem estabelecimentos seguros, onde as devidas precauções sejam seguidas e respeitadas, assim como a anatomia do local seja conhecida (11) . Apesar de raro, deve-se destacar que a cicatrização tecidual após a colocação do piercing na mucosa bucal é capaz de embutir a joia entre os tecidos, principalmente considerando que os indivíduos são instruídos a não remover o ornamento durante o processo de cicatrização. Isso pode culminar no desenvolvimento de uma reação de corpo estranho na região e requerer procedimentos cirúrgicos para tratá-la (7) . A atuação do cirurgião- dentista, exercendo papel informativo, com a orientação de uma eficiente higienização bucal e do piercing ou da extinção de hábitos parafuncionais, como morder a joia ou batê- la contra os dentes, e preventivo, sobretudo com relação às neoplasias, é fundamental (1,2) . A remoção dos piercings orais indicada por nós, odontólogos, será feita se já houver quaisquer complicações previstas ou alguma condição oral ou sistêmica instalada. Melo et. al. ressalta que o dentista deve estar preparadoparasolucionarasprincipaiscomplicações que o uso de piercing oral pode gerar e Pécora (2) salienta que, a princípio, devemos recomendar a não instalação do piercing bucal ou, então, orientar com relação aos riscos e prevenção de complicações, por meio da manutenção e higiene. Nos casos em que o paciente não aceita a remoção, se instalada qualquer intercorrência, sua intervenção para correção ou atenuação do problema se faz necessária (7,4) . Após a remoção do piercing ainda podem surgir complicações estéticas, geradas pelas cicatrizes deixadaspelaperfuração(1,2) eformaçãodequeloides, que são lesões fibroelásticas, salientes, rosadas, avermelhadas ou escuras e às vezes brilhantes, causadas por uma desordem fibroproliferativa.
  • 3. Geralmente crescem, e apesar de beningnas, não contagiosas e muitas vezes indolores, podem se tornar um problema estético importante, pois recidivam com frequência mesmo após a cirurgia reparadora – excisão cirúrgica (6) . O objetivo deste trabalho é mostrar as possíveis complicações da colocação de piercing em cavidade oral, ilustrando com caso clínico no qual houve encapsulamento dos objetos em região jugal bilateral, sendo removidos, de um lado, por acesso intraoral, e do outro, via extraoral. RELATO DE CASO O paciente B. D. B, do gênero masculino, 19 anos, ASA I, leucoderma, procurou a clínica do curso de especialização em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da FFO-USP. Relatou que após uma semana da colocação de dois piercings do tipo labret em mucosa jugal, dos lados direito e esquerdo, transfixantes, as peças invaginaram na bochecha, onde permaneceram por cerca de um ano até a data da consulta. Apesar de não referir dor, nem outra sintomatologia significativa, o paciente foi orientado para a remoção dos objetos que, mesmo tardiamente, poderiam levar ao desenvolvimento de algum tipo de alteração celular. Solicitou-se Tomografia Computadorizada (TC) com janela para tecidos moles e duros (Fig.4), para avaliar a relação dos piercings com estruturas nobres adjacentes à região perfurada, como o ducto da glândula parótida, artéria e nervo facial. Além disso, foram executadas radiografias interproximais (Fig. 5) e laterais de face para detecção dos objetos. Do lado esquerdo, averiguou-se que havia remanescido apenas uma esfera componente do piercing. Do lado direito, estava presente toda a estrutura. Ao exame clínico, não foram percebidos sinais inflamatórios e, durante palpação, pôde-se perceber que a joia se apresentou mais táctil em mucosa jugal do lado direito, enquanto do lado esquerdo havia maior proximidade do piercing com a superfície externa, fatos também constatados na TC. Devido às localizações, foi planejada a remoção das peças por via intraoral, do lado direito, e por acesso extraoral, do lado esquerdo. Realizou-se profilaxia antibiótica com 1 g de Amoxicilina e administração de anti-inflamatório (8 mg de Dexametasona uma hora antes do procedimento cirúrgico). A solução de iodopovidona a 2% foi utilizada para antissepsia extraoral e clorexidina 0,12% para antissepsia intraoral. A cirurgia iniciou pela remoção do piercing do lado esquerdo. Foi realizada anestesia local, extraoral, ao redor da esfera do piercing, que se fez sobressaliente através de pressão bidigital. Seguiu-se com incisão de aproximadamente 7 mm sobre o piercing, apenas sobre a pele (Figs.6 e 7) e com leve divulsão. Com auxílio de pinça Kelly, a esfera foi removida (Fig.8), o tecido suturado com nylon 5.0 e recoberto por curativo. Doladooposto,realizou- se anestesia infiltrativa terminal em mucosa jugal, com incisão de a p r o x i m a d a m e n t e o mesmo tamanho da primeira (Fig.9), atingindo também o plano muscular, cuidadosamente, pois o local a ser incisado estava próximo à saída do ducto da glândula parótida. Divulsionou-se os tecidos até chegar à extremidade mais medial do piercing (Fig.10). Fig.5: Radiografia lateral da face Fig.4: Tomografia Computadorizada (TC) em corte axial com janela para tecidos duros. Fig.6: Incisão de 7 milímetros sobre a pele Fig.7: Tecido Epitelial incisado expondo a esfera do piercing Fig.8: Remoção do piercing
  • 4. Nesse momento, foi constatado que, por se tratar de um corpo estranho, estruturou-se em torno do mesmo um tecido fibroso bem aderido. Depois de extirpado todo esse tecido, removeu-se o piercing (Fig.11) e foi confeccionada a sutura por planos com fio reabsorvível. O paciente foi orientado a manter uma boa higiene nos locais onde houve a intervenção cirúrgica. Foi prescrito para o pós- operatório Amoxicilina 500 mg, a cada 8 horas por sete dias, Diclofenaco Sódico 50 mg, a cada 8 horas por três dias e Dipirona Sódica 500mg a cada 6 horas caso houvesse dor. O material removido (Fig.12) foi colocado em formol 10% e enviado para análise anatomopatológica que evidenciou células de processo inflamatório crônico inespecífico e hiperplasia fibroepitelial com presença de vasos sanguíneos e extravazamento de hemácias. O pós-operatório (P.O.) imediato do paciente foi muito satisfatório e após sete dias as feridas cirúrgicas encontravam-se em normalidade do processo cicatricial (Figs. 13 e 14), embora os cuidados do paciente com higienização fossem deficientes. No controle P.O. de um mês, os tecidos se apresentaram íntegros e sem cicatrizes evidentes. DISCUSSÃO Diferentemente do caso relatado, no qual o gênero do paciente é o masculino, o gênero mais comum dentre os indivíduos que usam piercing é o feminino, segundo Melo. Já Marquezan, Eulálio e Cerri (1, 6, 14) relataram que a idade mais comum varia de 19 a 35 anos, estando o nosso paciente nessa faixa etária. Diferindo de nosso caso, em que o piercing estava localizado na região da bochecha, menos comum (13) , os locais mais comumente escolhidos para a perfuração em região oral são lábio e língua (1, 6,11) . As metamorfoses celulares do tecido fibroso formado ao redor do piercing encontradas em exame histopatológico coincidem com os achados dos estudos realizados por Cerri et.al. (14) e corroboram com o autor quanto ao fato de que sempre há algum tipo de alteração celular no local onde houve a perfuração. O objeto foi encapsulado em mucosa jugal e poderia ter sido agente etiológico de quaisquer alterações citadas neste artigo, contudo, nenhuma delas foi observada no caso apresentado, o que pode ser explicado pelo fato de que a localização do piercing não é a que mais provoca alterações orais (17) e nem a escolha mais comum. O encarceramento da joia pode ter ocorrido pela orientação da não remoção do piercing, durante a cicatrização, confirmando o que Fenato et.al. (7) diz em seu trabalho. Uma vez que o adorno já havia perdido sua função estética e de modismo, motivo pelo qual o paciente colocou o adereço, a remoção dos piercings se deu, portanto, de forma preventiva, assim como foi observado em estudo de Saquet et.al.(17) . O paciente se sentiu vulnerável frente aos possíveis riscos de complicações a ele relatadas e a prevenção contra o câncer foi o motivo principal que o levou a concordar com a remoção dos artefatos. CONCLUSÃO Aoscirurgiões-dentistascompetearesponsabilidade de esclarecer os pacientes sobre piercings orais, orientando sobre riscos decorrentes do uso deste tipo de ornamento e instruindo quanto aos cuidados a serem tomados, visto que a prática da colocação de piercings tem se tornado cada vez mais habitual e que seu uso é uma opção do indivíduo e deve ser respeitada. Asinjúriasoriundasdacolocaçãodepiercingsnãosão responsáveis, em primeira instância, por alterações sistêmicas, contudo, podem comprometer a saúde geral do indivíduo. Fig.9: Mucosa jugal direita incisada Fig.10: Exposição de parte do piercing depois de divulsiona- dos os tecidos Fig.11: Remoção total do piercing Fig.12: Objetos removidos Fig.13: Pós-operatório de 7 dias, lado esquerdo Fig.14: Pós-operatório de 7 dias, lado direito
  • 5. Referências Bibliográficas   1- Marquezan, M.; Souza, L. T.; Tanaka, O. Piercing oral: beleza, riscos e o papel da odontologia. Rev. Fac. Odontol. Porto Alegre. Porto Alegre, v. 49, n. 1, p. 12-15, jan./ abr., 2008. 2- Pécora, G. A.; Reyes, A.; Pedron, I. G.; Utumi, E. R; Borsatti, M. A. Complicações decorrentesdautilizaçãodopiercingbucal-Avaliaçãoeconduta.RevistadoPrograma de Pós-Graduação em Odontologia da Faculdade da Saúde da Universidade Metodista de São Paulo - UMESP clínica/ Odonto 2010; 18(36): 51-57. 3- Vieira, E. P.; Ribeiro, A. L.; Pinheiro, J. J. V.; Júnior, S. M. A.. Oral Piercings: Immediate and late complications. American Association of Oral and Maxillofacial Surgeons. Journal of oral and maxillofacial Surgery 69:3032-3037, 2011. 4- Melo A. R.; Abreu, T. C.; Barbosa, L. M.; Araújo, G. M.; Vasconcelos, B. C. Piercing labial como corpo estranho. Rev. Cir. Traumatol. Bucomaxilofacial, Camaragibe v.13, n.1, p. 83-88, jan./mar. 2013. 5- Trindade, C. P.; Guaré, R. de O.; Bonecker, M. J. S. Piercing oral: considerações gerais e relato de casos clínicos. J Bras. Odontopediatria Odontol. Bebê, Curitiba, v.6, n.31, p.203-209, maio/jun. 2003. 6- Eulálio, S. R. N.; Tapety, F. I.; Alves, E. L. M.; Brito, J. N. P. O. Prevalência de complicações em tecidos moles e duros devido ao uso de piercing oral. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2012 out/dez; 20(4): 429-33. 7- Fenato, M. C.; Miura, C. S. N.; Boleta-Ceranto, D. C. F. Piercing bucal: sua saúde vale esse modismo? Arq. Ciênc. Saúde. UNIPAR, Umuarama, v. 14, n. 2, p. 157- 161, maio/ago. 2010. 8- Hennequin-Hoenderdos, N. L.; Slot, D. E.; Van der Weijden, G. A. Complications of oral and peri-oral piercings: a summary of case reports. Int. J Dent Hygiene 9, 2011; 101–109. 9- Nedbalski, T. R.; Laskin, D. M., Loss of a sewing needle in the tongue during attempted tongue piercing: report of a Case, J Oral Maxillofacial. Surg. 64:135-137, 2006. 10- Inchingolo, F.; Tatullo, M.; Abenavoli, F. M,; Marrelli, M.; Inch-ingolo, A. D.; Palladino, A.; Inchingolo, A. M.; Dipalma, G., Oral Piercing and Oral Diseases: A Short Time Retrospective Study . International Journal of Medical Sciences 2011; 8(8): 649- 652. 11- Ribeiro, F. M. C. S., Piercings orais e periorais e suas complicações. Monografia. Universidade Fernando Pessoa. Porto, 2012. 12- Saquet, P .N.; Saleh, S. B.; Marchiori, J. C.; Pozzobon, R., Perfil dos usuários de piercing oral e implicações decorrentes de seu uso RGO, Porto Alegre, v. 57, n.1, p.41-45, jan./mar. 2009. 13- Bozelli, J. V.; Matsui, R. H.; Júnior, K. F.; Ortolani, C. F.; Chelloti, A. Piercing oral e perioral: a moda que marca. Rev. Inst. Ciênc. Saúde 2004 out-dez; 22(4): 331-6. 14- Cerri, A.; Silva, C. E. X. S. R. Estudo histopatológico das alterações teciduais causadas pelo uso de piercing na língua. Rev. AssoC. Paul. Cir. Dent; 62(6): 438- 443 nov.-dez. 2008. Ilus. 15- Santo, R. A. E.; Santos, L. F. G.; Conceição, J. G.; Pontes, J. R. M.; Israel, M. S.; Ramos, M. E. B. Piercing oral: fator de risco para o câncer? R. Ci. Méd. biol., Salvador, v.6, n.2, p.233-239, mai./ago. 2007. 16- Fragelli, C. M. B.; Campos, J. A. D. B.; Gaspar, A. M. M. Considerações sobre o uso do piercing lingual. RGO - Rev. Gaúcha Odontol., Porto Alegre, v. 58, n. 4, p. 451-455, out./dez. 2010. APLICAÇÃO CLÍNICA Orientar o paciente quanto à higienização de piercings orais, alertando sobre os riscos de complicações durante e após a colocação. Permitir que o cirurgião- dentista possa orientar o paciente.