SlideShare uma empresa Scribd logo
1
O FIM DOS BANCOS, DO DINHEIRO E DO SISTEMA FINANCEIRO
INTERNACIONAL
Fernando Alcoforado*
Este artigo tem por objetivo demonstrar o provável fim dos bancos, do dinheiro e do
sistema financeiro internacional e suas consequências. O fim dos bancos está próximo
porque a tecnologia está colocando em xeque o mercado bancário, haja vista que, hoje,
as pessoas se preocupam muito mais com a possibilidade de pagar qualquer coisa com
um cartão de crédito ou débito, sem precisar tirar o dinheiro do banco. Isso está
tornando os bancos desnecessários. O dinheiro, em sentido tradicional, morreu há duas
décadas, eclipsado por uma economia de trocas digitalizadas. A morte do cheque, do
dinheiro em papel ou em metal e do cartão está se acelerando os quais estão sendo
substituídos por pagamentos digitais. Enquanto isto, o sistema financeiro mundial está
em processo de desmoronamento com o inevitável colapso do dólar. No sistema
financeiro internacional liderado pelo dólar norte-americano começa a acontecer a perda
acelerada da confiança nesta moeda. Nos últimos anos vários países têm buscado
ativamente oportunidades de criar uma moeda de reserva alternativa e abandonar o
dólar. O fim do dólar levará a três cenários: 1) sua substituição por uma moeda mundial
(SDR- Direitos Especiais de Saque: uma moeda criada pelo Fundo Monetário
Internacional usado para pagamentos entre países); 2) a adoção do padrão ouro; e, 3) a
desordem social. Destes três cenários, o mais provável é o da desordem social quando
os governos neofascistas em todo o mundo e organismos financeiros mundiais ocuparão
o poder para atuar com mão de ferro para controlar o sistema financeiro global.
1. O fim dos bancos
Há meio século, a atividade bancária era relativamente simples cujo papel era o de ser
intermediário entre os poupadores e os emprestadores. Os bancos passaram por um
processo de transformação em sua atividade principal. Beneficiando-se da abertura da
economia mundial a partir da década de 1990, estas instituições se transformaram em
grupos financeiros diversificados e em conglomerados cujos lucros provêm
principalmente da criação de crédito, que se converteu no principal meio de criação de
moeda. Neste processo, os Bancos Centrais da grande maioria dos países perderam
completamente o controle de seus sistemas econômicos.
Os bancos conseguem os seus maiores lucros de sempre facilitando a concentração e
centralização do capital. Uma fonte importante de lucros dos bancos está na especulação
em geral, inclusive sobre a negociação da dívida dos países e apostando nos mercados
mundiais de valores. Nenhum outro setor da economia pode ostentar taxas de retorno
tão elevadas, nem mesmo qualquer uma das maiores empresas do setor produtivo
podem sequer igualar os lucros recordes do sistema financeiro.
Os valores das transações mundiais ilustram a dimensão do setor financeiro: em 2002, o
PIB mundial era de 32,3 trilhões de dólares, enquanto as transações financeiras
somavam 1.140,6 trilhões de dólares. No início da crise, em 2008, enquanto o PIB
mundial era de 60,1 trilhões, as movimentações financeiras atingiam 3.628 trilhões de
dólares (CHESNAIS, François. Les dettes illégitime. Quand les banques font main
basse sur les politiques publiques. Paris: Editions Raisons d´agir, 2011). Segundo
François Chesnais não haverá fim para a crise econômica mundial que eclodiu em 2008
nos Estados Unidos enquanto os bancos e os investidores financeiros estiverem no
comando, com os governos adotando políticas totalmente dirigidas pelos interesses dos
2
rentistas e para dar sobrevida ao regime guiado pela dívida como vem acontecendo
atualmente.
Qual é o futuro dos bancos? O livro O fim dos bancos de Jonathan McMillan (São Paulo:
Editora Schwarcz S.A. 2018) discute o papel dos bancos num mundo cada vez mais
digitalizado e também os problemas que o sistema financeiro pode gerar. A resistência
aos bancos ganhou corpo a partir da crise de 2008, quando gigantes bancários foram
responsabilizados pelo terremoto financeiro que assolou o planeta e drenaram recursos
gigantescos, nunca vistos, dos governos, especialmente nos Estados Unidos. Neste país,
o Congresso aprovou um plano de recuperação de 700 bilhões de dólares de acordo com
a revista Time e o governo americano investiu um total de 10 trilhões de dólares para
ajudar os bancos e sanar o colapso financeiro que estava ocorrendo. Desde a crise de
2008, a ideia de acabar com os bancos vem adquirindo ressonância.
Jonathan McMillan pergunta: como viver sem banco? Como pagar as contas, fazer
transferências e guardar nosso dinheiro? O livro O fim dos bancos dá explicações
inequívocas sobre estas questões. McMillan apresentou soluções para a ocorrência de
uma nova crise financeira admitida como provável por muitos economistas ao redor do
mundo. Ele citou, por exemplo, o grande risco da economia chinesa, cuja dívida interna
promete chegar a um montante que poderá leva-la ao colapso de uma hora para outra.
Recentemente o Deutsche Bank emitiu um relatório no qual elenca onze riscos que
podem gerar uma nova crise financeira, incluindo o fraco desempenho da economia
japonesa, a saída do Reino Unido da União Europeia e a situação econômica da Itália.
Muitos economistas estão chegando à conclusão de que é preciso extinguir os bancos.
É oportuno observar que a grande drenagem financeira que os bancos exigiram por
ocasião da crise de 2008 não impediu que eles obtivessem lucros gigantescos desde
então. A partir de 2008, o setor bancário tornou-se mais concentrado do que nunca. Nos
Estados Unidos, por exemplo, o número de bancos caiu pela metade em 2009, ao passo
que a participação dos quatro maiores bancos americanos subiu de 14% para mais de
40%. E eles são cada vez mais lucrativos. Em 2018, o lucro de apenas dez dos maiores
bancos americanos bateu o recorde. No Brasil, o fenômeno é idêntico: em 2016, os
cinco maiores bancos brasileiros tiveram juntos um recorde com um lucro líquido de 69
bilhões de reais.
Jonathan McMillan explica a função dos bancos e os motivos pelos quais eles são
nocivos à saúde financeira da sociedade em todo o planeta. Para acabar com a
preocupação de como pagar contas, fazer transferências e guardar o salário, McMillan
explica que essas são atividades bancárias que não precisam mais ser exercidas pelos
bancos. Ao contrário: são serviços que podem ser executados pela tecnologia, o que
efetivamente já acontece. A tecnologia financeira,“fintech” adotada pelos bancos é um
amálgama de “finanças” e “tecnologia”, que se disseminou nos últimos anos e os
próprios bancos criaram laboratórios de inovação, implantando soluções tecnológicas e
empregando cada vez mais robôs para as decisões de investimento, em vez do clássico
gerente bancário Na verdade as fintechs apenas deram soluções tecnológicas a
funcionalidades bancárias, mas não promoveram transformações substancias no sistema
financeiro.
Jonathan McMillan afirma que essas questões não são as fundamentais quando se
discute o papel dos bancos. Desde a Idade Média, quando os bancos foram criados, a
função principal deles era o de recolher depósitos de quem tinha moeda excedente e,
com eles, fazer empréstimos. Ou seja, a verdadeira função dos bancos é criar moeda
3
interna por meio de crédito. Na era digital, as atividades bancárias não só fugiram ao
controle como perderam a razão de ser. Embora já não sejam necessárias, elas
continuarão a dominar o sistema financeiro por algum tempo. As novas possibilidades
de gerenciar a moeda e o crédito não podem prevalecer enquanto as atividades bancárias
descontroladas ainda forem possíveis. Com plenas garantias governamentais e sem
regulação eficaz, elas continuarão lucrativas demais, apesar dos tremendos custos que
impõem à sociedade. Por isso, é preciso acabar com as atividades bancárias.
Os três motivos principais identificados por Jonathan McMillan que justificam o fim da
existência dos bancos são os seguintes: 1) O risco excessivo que assumem ao fazer suas
operações de crédito, emprestando valores que não possuem, levando à criação de
derivativos e se expondo a uma corrida bancária. Imagine se todos os depositantes de
um grande banco corressem ao caixa para sacar seus depósitos. E, na verdade, o risco
não é dos bancos, mas do governo, que sempre garante a liquidez dos depósitos, sob a
máxima de que “são grandes demais para falirem”; 2) a atividade bancária se mistura e
intoxica as políticas monetárias, criadas pelos bancos centrais para impedir crises
sociais e econômicas, como inflação e desemprego. A conexão entre bancos e questões
de caráter nacional nunca podem produzir bons resultados; e, 3) a excessiva politização
dos bancos centrais. A parte final do livro é, talvez, a mais interessante pelo fato de
fazer propostas concretas para exterminar os bancos. A principal delas é dividir as
atividades bancárias em duas linhas de negócios separadas — a de emprestar e a de
guardar — evitando assim a criação de moeda interna, não lastreada.
McMillan propõe que o contrato de depósito bancário voltaria a ser um contrato de
guarda segura. Os depositantes de bancos restritos não receberiam juros, uma vez que
seus depósitos não seriam mais usados para conceder empréstimos. Os bancos teriam
que ter 100% de cobertura em dinheiro, ou seja, ter em caixa o equivalente dos
depósitos recebidos. Essa exigência garantiria que sempre fossem capazes de atender
aos pedidos de retirada dos depositantes. Se ocorresse, por exemplo, uma corrida aos
bancos, eles teriam liquidez para honrar todos os depósitos feitos pelos clientes,
dispensando, assim, a garantia do governo, o envolvimento com os bancos centrais e,
principalmente, o empréstimo de valores que não possuem.
O fim dos bancos está próximo não apenas pelos fatos expostos, mas porque a
tecnologia está colocando em xeque o mercado bancário. No setor financeiro, essa
transformação já começou. Esta mudança ainda está no começo, mas a necessidade de ir
a um banco para fazer algo relativamente simples como guardar o seu dinheiro, já é
coisa do passado. Dentre as centenas de serviços que uma instituição dessas poderia
oferecer, o mais importante era que o seu dinheiro estivesse seguro e acessível a todo
tempo. Com a evolução da tecnologia, guardar o dinheiro perdeu relevância. Hoje as
pessoas se preocupam muito mais com a possibilidade de pagar qualquer coisa com um
cartão de crédito ou débito, sem precisar tirar o dinheiro do banco. Isso pode tornar os
bancos desnecessários. O que as pessoas começaram a perceber é que o serviço entregue
pelos bancos não atende mais às suas necessidades. As empresas, por sua vez, já estão
enxergando isso, e a cada dia caminham em direção a mudança das suas operações de
envio e recebimento de dinheiro dos bancos.
No mundo, uma categoria completamente inovadora de serviços financeiros foi batizada
de payment banking. Um novo tipo de empresa presta serviços muito similares aos
bancos, porém não são instituições financeiras de fato, e sim intermediárias de
pagamentos. Alguns exemplos são o PayPal, PayTM e o AirTel. No Brasil, estamos
4
caminhando para um ambiente de desbancarização total dos serviços financeiros. Com a
regulamentação dos arranjos de pagamento pelo Banco Central e o entendimento das
competências das instituições desse tipo, o Banco Central poderia oferecer ao mercado a
possibilidade de tirar o poder dos cinco maiores bancos do Brasil e democratizar o
acesso ao sistema financeiro nacional.
2. O fim do dinheiro
O dinheiro, em sentido tradicional, morreu há duas décadas, eclipsado por uma nova
economia de trocas. A era da morte do dinheiro está se viabilizando com a construção
de novas relações econômicas. Estas novas relações são as seguintes:
 Pura troca, que não envolve o uso de dinheiro de forma alguma;
 Troca parcial, que é projetado para minimizar o uso de dinheiro oficial; e,
 Troca baseada no uso de dinheiro alternativo ao dinheiro oficial.
A morte do cheque, do dinheiro em papel ou metal e do cartão está se acelerando. Todos
estão sendo substituídos por pagamentos digitais. A desmaterialização do dinheiro
avança, mesmo para aqueles que não têm conta em bancos os quais não precisam mais
ter conta em banco para ter acesso ao sistema financeiro. Tudo está mudando: quem
processa o pagamento, como fazemos o pagamento e a moeda utilizada. A China, por
exemplo, abandonou o dinheiro indo direto para pagamentos digitais, sem passar pelo
cartão de crédito porque é muito caro lidar com o dinheiro físico (segurança, transporte,
onde armazenar, manuseio, transferências).
Plataformas digitais, como Google, Facebook e WeChat (uma mistura chinesa de Face,
Google, WhatsApp, banco digital, IFoods) estão virando agentes financeiros e vão
desafiar os bancos. Débito em conta ou cartão de crédito vai ser substituído por
autorizações biométricas (comando de voz ou reconhecimento facial, que lê o rosto e
transfere para a loja onde a pessoa está). Ou possibilidade é a pré-autorização de
pagamento, como fazemos quando usamos o Uber. Na Dinamarca já se paga de forma
digital. As lojas AmazonGo registram a entrada do cliente pelo celular, ele pega o que
quiser, sem passar no caixa. Já são efetuados pagamentos de contas cedendo dados ou
usando pontos em programas de fidelidade. Com as criptomoedas, como o bitcoin, a
digitalização de pagamentos vai aumentar.
Cabe observar que o bitcoin é uma criptomoeda descentralizada, sendo uma forma de
dinheiro eletrônico. Bitcoin é uma moeda digital, descentralizada e que não necessita de
terceiros para funcionar. Isso significa dizer que não depende de bancos, grandes
corporações ou governos para movimentar o dinheiro. O Bitcoin foi a primeira
criptomoeda do mundo e há oito anos funciona sem qualquer interrupção, baseada em
uma rede descentralizada extremamente segura chamada Blockchain criada por Satoshi
Nakamoto. As principais vantagens do bitcoin são: liberdade de pagamento, taxas
menores, segurança, privacidade, controle e transparência. Nenhum Bitcoin pode ser
confiscado. Pode-se efetuar pagamentos com taxas menores. Além disso, Bitcoin é
seguro e dá mais privacidade, controle e transparência nas negociações.
O Bitcoin pode ser utilizado também como investimento para quem está procurando
diversificar seu patrimônio para ter melhores ganhos. O Bitcoin trouxe excelentes
retornos e a tendência é que ele se torne mais popular a longo prazo. O Bitcoin é mais
seguro do que o dinheiro que a pessoa tem hoje no banco. O nível de segurança
proporcionado pelo Bitcoin é muito superior aos dos bancos tradicionais. No Bitcoin
5
não há um único ponto de falha, para algum ator malicioso conseguir atacar a rede
porque seria necessário invadir milhões de computadores em todo mundo que é uma
tarefa impossível. Com o Bitcoin a pessoa tem seu próprio banco, Baixar uma carteira
de bitcoin é como ter disponível uma agência bancária em suas mãos 24 horas por dia.
Sem taxas, sem um gerente chato e capaz de transferir em instantes sua transação.
Criar uma carteira de bitcoin é fácil e não custa nada. Assim como há diversas maneiras
de interagir com seu banco, também é possível interagir de diversas formas com sua
carteira de bitcoin, via app no smartphone e programa no seu desktop/notebook. A
tecnologia Blockchain ("Cadeia de Blocos" em inglês) é um tipo de banco de dados
distribuído onde são registradas as transações bitcoin. Esta tecnologia permite que esses
dados sejam transmitidos entre todos os participantes da rede de maneira
descentralizada e transparente. Dessa maneira, não é necessária a confiança em um
terceiro ou entidade central para que os dados de contabilidade estejam corretos e não
sejam fraudados. O blockchain é um livro público de transações, apesar de ter algumas
informações anônimas. O bitcoin está associado a um número que somente seu
proprietário conhece bastando uma conversão para um câmbio não virtual que tudo fica
às claras.
3. O fim do sistema financeiro internacional
Enquanto os bancos e o dinheiro estão com suas existências ameaçadas, o sistema
financeiro internacional está em processo de desmoronamento com o provável colapso
do dólar. Cabe observar que nenhuma moeda de reserva como o dólar existiu
eternamente. O dólar já domina o mundo durante quase um século. Embora se considere
que o dólar substituiu a libra esterlina britânica após a conferência de Bretton Woods,
no final da Segunda Guerra Mundial, o valor da libra já tinha decaído muito tempo
antes dessa conferência.
O sistema financeiro liderado pelo dólar norte-americano começa a apontar a perda
acelerada da confiança nesta moeda. A perda de confiança no dólar se manifesta no fato
de os bancos centrais de todo o mundo estarem excluindo a moeda norte-americana das
suas reservas. Esta perda de confiança resulta do fato de a atual crise econômica
mundial mostrar que um sistema monetário baseado em papel-moeda emitido
livremente e sem lastro pelos governos em todo o mundo é algo inerentemente instável
cujas inevitáveis consequências desse processo são: o crescimento econômico artificial,
a euforia e os maus investimentos que tal crescimento gera, e, finalmente, as depressões.
Tudo leva a crer que nas próximas décadas a economia global vai passar de uma
dominância dos Estados Unidos e do dólar para um sistema em que a Ásia possuirá
mais poder. No contexto monetário, isso significa que o dólar, provavelmente, var ficar
mais barato em relação às outras moedas, inclusive o ouro. É importante observar que o
dólar obteve seu estatuto como moeda mundial graças ao poderio da economia norte-
americana. Mas a situação atual não favorece o reforço da sua posição, ou mesmo a
manutenção dela diante da ascensão da China como potência econômica hegemônica.
É oportuno observar que, desde que o Ocidente abandonou o padrão ouro clássico (em
que as transações eram feitas em moedas de ouro ou em certificados lastreados 100%
em ouro) em 1914, o sistema monetário internacional vem oscilando entre um sistema
ruim e outro pior. Alguns países adotam câmbios fixos e logo depois se arrependem e
retornam para o câmbio flutuante. Outros países fazem o movimento inverso. Em 15 de
agosto de 1971, ao mesmo tempo em que impunha um congelamento de preços e
6
salários em uma vã tentativa de controlar a explosiva inflação de preços, o presidente
dos Estados Unidos, Richard Nixon, impôs um estrondoso fim ao sistema de Bretton
Woods que estabelecia o padrão ouro para o sistema financeiro internacional. Como os
bancos centrais europeus estavam ameaçando redimir em ouro o máximo possível de
seus inchados estoques de dólares, Nixon acabou completamente com o que restava do
padrão ouro. Pela primeira vez na história americana, o dólar era totalmente fiduciário,
sem qualquer lastro em ouro.
Desde que os Estados Unidos abandonaram completamente o padrão ouro em agosto de
1971 e estabeleceram o sistema de papel-moeda flutuante em março de 1973, os Estados
Unidos e o mundo sofreram o mais intenso, o mais constante e o mais prolongado
período inflacionário da história mundial. Está ficando claro que o mundo não mais
admite as crises geradas por essa inflação sem precedentes e sem obstáculos, que foi
trazida pelo sistema de moedas fiduciárias flutuantes ente si, implantadas desde 1973.
Olhando para o futuro, o diagnóstico que se pode fazer para o dólar e para o sistema
monetário internacional é de fato sombrio. A menos que retorne ao padrão ouro
clássico a um preço realista, o sistema monetário internacional está fadado a se alternar
continuamente entre taxas de câmbio fixas e flutuantes, sendo que cada sistema seguirá
enfrentando problemas insolúveis e funcionando insatisfatoriamente, até chegar à
desintegração final. E estimulando essa desintegração estará inevitavelmente a inflação
da oferta de dólares.
Os prospectos para o futuro são de acelerada inflação monetária nos Estados Unidos,
seguida de um colapso monetário internacional. Esse prognóstico só poderá ser mudado
caso haja uma drástica alteração no sistema monetário norte-americano e internacional
com o retorno a uma moeda-commodity de livre mercado - tal como o ouro -, e uma
remoção total da ingerência governamental sobre as questões monetárias. Os dados
sobre as reservas de divisas demonstram uma diminuição do papel do dólar. Em 2018 a
parte do dólar nas reservas internacionais caiu até 61,7%, que é o nível mínimo nos
últimos 20 anos.
Nos últimos anos vários países têm buscado ativamente oportunidades de criar uma
moeda de reserva e abandonar o dólar. O comércio de petróleo entre a Rússia e a China
já é realizado sem a participação do dólar, Estes países intensificaram a extração de
recursos e começaram a comprar mais ouro para se prepararem para o colapso da moeda
norte-americana. A tendência de abandonar o dólar indica claramente a diversidade de
moedas mundiais capazes de substituí-lo como, por exemplo, o euro e o Yuan chinês.
Depois da saída dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã, a União Europeia
tenciona comprar petróleo sem usar o dólar. Depois que a Rússia e a China decidiram
passar a usar o Yuan em vez do dólar, uma onda de “desdolarização” cobriu o mundo, O
Irã, a Venezuela, Angola, Indonésia, Malásia, Tailândia e Paquistão já expressaram seu
desejo de abandonar o dólar ou reduzir seu uso no comércio de petróleo e outras
transações financeiras. A Rússia entende que, sob a pressão do petrodólar sua economia
corre o perigo de ser estrangulada. James Rickards, autor de The Death of Money
(Penguin Random House UK), propõe criar uma nova moeda globalmente competitiva e
respaldada pelo ouro, que seja suficientemente forte para derrubar o sistema do dólar.
O abandono do dólar como moeda de reserva mundial é impulsionado também pela
possibilidade da explosão da bolha da dívida pública dos Estados Unidos que atingirá
140% do PIB até 2024. A previsão do Departamento de Orçamento do Congresso dos
Estados Unidos é o de que o déficit fiscal deste ano seja de US$ 897 bilhões e, em 2022,
7
exceda a marca do trilhão. Especialistas especulam que o governo norte-americano tem
pouco tempo para reverter esta situação que, caso contrário perdure, o país enfrentará uma
crise em grande escala comparável à Grande Depressão dos anos 1930. Caso a economia
global não seja capaz de digerir essa enorme dívida, a crise subsequente levará o mundo à
depressão econômica, à pobreza em massa, instabilidade geopolítica, agitação política e
guerras.
Segundo o relatório do Instituto de Finanças Internacionais, a dívida global aumentou em 3,3
trilhões de dólares no ano passado, para 243 trilhões de dólares. Trata-se de um montante
recorde três vezes superior ao PIB mundial. Nos países desenvolvidos, o índice de
endividamento, extremamente elevado, atingiu 390% do PIB. A economia mundial pode não
resistir à dívida de 243 trilhões de dólares. Os economistas alertam que, quando esta bomba de
vários trilhões de dólares plantada sob a economia mundial explodir, a crise será pior do que
a de 2008. No final de 2018, o Fundo Monetário Internacional (FMI) apontou a insustentável
dívida global como a principal ameaça para a economia mundial. O FMI afirmou que a
verdadeira máquina da dívida global são os Estados Unidos, cujo déficit quase triplicou
desde 2000 e agora excede 73,6 trilhões de dólares, o que representa 106% do PIB. A dívida
global dos Estados Unidos é um fator que está contribuindo para o abandono do dólar como
moeda de reserva mundial.
James Rickards afirma em sua obra The Death of Money que o fim do dólar levará a três
cenários: 1) sua substituição por uma moeda mundial (SDR- Direitos Especiais de
Saque: uma moeda criada pelo Fundo Monetário Internacional usado para pagamentos
entre países); 2) a adoção do padrão ouro; e, 3) desordem social. O primeiro cenário
que contempla a substituição do dólar pelo SDR como moeda de reserva global já está
em curso. Ao longo do tempo, será reduzido gradualmente o peso do dólar na cesta do
SDR em favor da moeda chinesa, o Yuan. SDR será pressionado para estabilizar o
sistema financeiro internacional como foi feito em 1979 e 2009. A concordância da
China será necessária para usar o SDR que insiste em usá-lo não para salvar o dólar
como foi feito no passado, mas para substituir o dólar o mais rápido possível. A
transição será inflacionária em termos de dólar devido à sua desvalorização em relação
ao SDR.
O segundo cenário considera a adoção do padrão ouro que é outra alternativa à
incessante impressão do dólar pelo governo dos Estados Unidos, segundo Rickards. Isto
pode elevar a inflação ao extremo com o ouro restaurando a confiança ou elevar a
deflação ao extremo com o ouro reavaliado pelos governos para elevar o nível geral de
preços. O padrão ouro deve ser adotado quando a confiança entra em colapso. Rickards
afirma que a adoção do padrão ouro associado ao dólar e ao SDR é inflacionária porque
o ouro teria que ser reavaliado para cima para apoiar o comércio e as finanças globais
com o atual estoque de ouro. O terceiro cenário de desordem social tomará a forma de
neofascismo pelos governos no poder quando controles de salários e preços serão
usados para controlar a inflação e a vigilância digital será usada para combater o
mercado negro. Os tumultos monetários seriam esmagados rapidamente pela ação do
governo.
Destes três cenários acima citados, o cenário mais provável é o da desordem social
quando os governos neofascistas e organismos financeiros mundiais atuarão com mão
de ferro para controlar, respectivamente, as economias nacionais e o sistema financeiro
global. O cenário de desordem social se imporá, não apenas pela impossibilidade da
substituição do dólar pela moeda mundial (SDR) e da adoção do padrão ouro associado
ao dólar e ao SDR, mas pelo provável fim do sistema capitalista mundial a partir de
8
meados do século XXI conforme está demonstrado no artigo sob o título O fim do
sistema capitalista mundial em meados do século XXI (ALCOFORADO, Fernando. O
fim do sistema capitalista mundial em meados do século XXI. Disponível no website
<https://www.academia.edu/39554574/O_FIM_DO_SISTEMA_CAPITALISTA_MUN
DIAL_EM_MEADOS_DO_S%C3%89CULO_XXI>, 13/06/2019). O fim do sistema
capitalista mundial em meados do século XXI fará com que o sistema financeiro
internacional chegue também ao fim nesta época.
4. Conclusões
Pelo exposto, conclui-se o seguinte:
 Atividades bancárias não precisam mais ser exercidas pelos bancos. Na era digital,
as atividades bancárias não só fugiram ao controle como perderam a razão de ser.
Seus serviços podem ser executados pela tecnologia, o que efetivamente já
acontece.
 Com plenas garantias governamentais e sem regulação eficaz, as atividades
bancárias continuarão lucrativas demais, apesar dos tremendos custos que impõem
à sociedade. Por isso, é preciso acabar com as atividades bancárias.
 As novas possibilidades de gerenciar a moeda e o crédito não podem prevalecer
enquanto as atividades bancárias descontroladas ainda forem possíveis.
 Para continuar existindo, os bancos deveriam ter 100% de cobertura em dinheiro,
ou seja, ter em caixa o equivalente dos depósitos recebidos. Esta exigência evitaria
a falência dos bancos.
 O fim dos bancos está próximo porque a tecnologia está colocando em xeque o
mercado bancário. Com a evolução da tecnologia, guardar o dinheiro perdeu
relevância. Estamos caminhando para um ambiente de desbancarização total dos
serviços financeiros.
 O dinheiro, em sentido tradicional, morreu há duas décadas, eclipsado por uma
economia de trocas digitalizadas. A morte do cheque, do dinheiro em papel ou
metal e do cartão de crédito está se acelerando. Todos estão sendo substituídos por
pagamentos digitais. Com as criptomoedas, como o bitcoin, a digitalização de
pagamentos vai aumentar.
 O sistema financeiro mundial está em processo de desmoronamento com o colapso
do dólar. O sistema financeiro liderado pelo dólar norte-americano começa a
apontar a perda acelerada da confiança nesta moeda.
 A perda de confiança no dólar se manifesta no fato de os bancos centrais de todo o
mundo estarem excluindo a moeda norte-americana das suas reservas. Esta perda de
confiança resulta do fato de a atual crise econômica mundial mostrar que um
sistema monetário baseado em papel-moeda emitido livremente e sem lastro pelos
governos em todo o mundo é algo inerentemente instável cujas inevitáveis
consequências desse processo são: o crescimento econômico artificial, a euforia e
os maus investimentos que tal crescimento gera, e, finalmente, as depressões.
 O abandono do dólar como moeda de reserva mundial é impulsionado também pela
possibilidade da explosão da bolha da dívida pública dos Estados Unidos que
atingirá 140% do PIB até 2024. O FMI afirmou que a verdadeira máquina da dívida
global são os Estados Unidos, cujo déficit quase triplicou desde 2000 e agora excede
73,6 trilhões de dólares, o que representa 106% do PIB.
 O fim do dólar levará a três cenários: 1) sua substituição por uma moeda mundial
(SDR- Direitos Especiais de Saque: uma moeda criada pelo Fundo Monetário
9
Internacional usado para pagamentos entre países); 2) a adoção do padrão ouro; e,
3) desordem social.
 O cenário mais provável para o sistema financeiro mundial é o da desordem social
quando os governos neofascistas e organismos financeiros mundiais atuarão para
controlar o sistema financeiro global e evitar seu colapso reprimindo com mão de
ferro os movimentos sociais. O cenário de desordem social se imporá, não apenas
pela impossibilidade da substituição do dólar pela moeda mundial (SDR) e da
adoção do padrão ouro associado ao dólar e ao SDR, mas principalmente pelo
provável fim do sistema capitalista mundial a partir de meados do século XXI.
 O fim do sistema capitalista mundial em meados do século XXI fará com que o
sistema financeiro internacional chegue também ao fim nesta época.
O provável fim dos bancos, do dinheiro e do sistema financeiro internacional aponta a
necessidade da existência de um novo sistema internacional que evite o cenário de
desordem social no mundo e assegure a governabilidade da economia mundial. A
governabilidade da economia mundial só será alcançada com um governo mundial
democraticamente eleito por todos os povos do mundo (ALCOFORADO, Fernando.
Como inventar o futuro para mudar o mundo. Curitiba: Editora CRV, 2019).
REFERÊNCIAS
ALCOFORADO, Fernando. Como inventar o futuro para mudar o mundo. Curitiba:
Editora CRV, 2019.
_______________________. O fim do sistema capitalista mundial em meados do
século XXI. Disponível no website
<https://www.academia.edu/39554574/O_FIM_DO_SISTEMA_CAPITALISTA_MUN
DIAL_EM_MEADOS_DO_S%C3%89CULO_XXI>, 13/06/2019.
CHESNAIS, François. Les dettes illégitime. Quand les banques font main basse sur les
politiques publiques. Paris: Editions Raisons d´agir, 2011.
MCMILLAN, Jonathan. O fim dos bancos. São Paulo: Editora Schwarcz S.A. 2018.
MISES BRASIL. As crises monetárias mundiais. Disponível no website
<https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=258>.
RICKARDS, James. The Death of Money. Penguin Random House UK, 2014.
SOUTO, Ivyna. A morte do cheque, do dinheiro em papel e do cartão está próxima.
Disponível no website <https://www.polemicaparaiba.com.br/polemicas/a-morte-do-
cheque-do-dinheiro-em-papel-e-do-cartao-esta-proxima/>, 07/04/2019.
SPUTNIKNEWS. Sistema financeiro mundial se desmorona: como mundo se prepara
para colapso do dólar? Diponível no website
<https://br.sputniknews.com/economia/2018060511387106-financas-dolar-colapso-
crise-china/>, 2018.
WIKIPEDIA. Bitcoin. Disponível no website <https://pt.wikipedia.org/wiki/Bitcoin>.

Fernando Alcoforado, 79, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema
CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento
Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e
consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e
10
planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997),
De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto
para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da
Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944,
2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do
Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The
Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM
Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e
Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia
Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica,
Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico
e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática
Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas,
Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo
Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de
Imprensa, Salvador, 2018, em co-autoria) e Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV,
Curitiba, 2019).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crise nos EUA
Crise nos EUACrise nos EUA
Crise nos EUA
Luis Alberto Bassoli
 
A órbita financeira
A órbita financeiraA órbita financeira
A órbita financeira
Marcelo Manzano
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
letieri11
 
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticasA crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
Fernando Alcoforado
 
Crise 2008
Crise 2008Crise 2008
Crise 2008
Cleidilene Lima
 
Dívida, deusa sem altar mas com um clero poderoso
Dívida, deusa sem altar mas com um clero poderosoDívida, deusa sem altar mas com um clero poderoso
Dívida, deusa sem altar mas com um clero poderoso
GRAZIA TANTA
 
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugalAnálise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
ComparaJá.pt
 
Monografia: crise de 2008
Monografia: crise de 2008Monografia: crise de 2008
Monografia: crise de 2008
Lucas De David
 
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. ApocalipseNouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
Alexsandro Rebello Bonatto
 
Boletim 43 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 43 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 43 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 43 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Crise dos subprimes (2008)
Crise dos subprimes (2008)Crise dos subprimes (2008)
Crise dos subprimes (2008)
Isabel Cabral
 
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB ConsultoresO Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB ConsultoresRonaldo Tenório
 
Manuel castells
Manuel castellsManuel castells
Sistema financeiro ppt 2003
Sistema financeiro ppt 2003Sistema financeiro ppt 2003
Sistema financeiro ppt 2003
José Luís Neves ∴
 
TCC - Rafael Kirsneris - FGV
TCC - Rafael Kirsneris - FGVTCC - Rafael Kirsneris - FGV
TCC - Rafael Kirsneris - FGV
Rafael Kirsneris
 
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - BNDES com transparência
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - BNDES com transparênciaColuna do Senador Aécio Neves da Folha - BNDES com transparência
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - BNDES com transparência
Júlia Dutra
 
Revista exame
Revista exameRevista exame
Revista exame
Polibio Braga
 
1 origem do-dinheiro
1 origem do-dinheiro1 origem do-dinheiro
1 origem do-dinheiro
maladigitalmourao
 
Crise Financeira nos USA
Crise Financeira nos USACrise Financeira nos USA
Crise Financeira nos USA
m.jardim
 
TCC - O Mercado de Cartão de Crédito no Brasil e sua Influência na Baixa Renda
TCC - O Mercado de Cartão de Crédito no Brasil e sua Influência na Baixa RendaTCC - O Mercado de Cartão de Crédito no Brasil e sua Influência na Baixa Renda
TCC - O Mercado de Cartão de Crédito no Brasil e sua Influência na Baixa Renda
Gleice Zanettin Fernandes
 

Mais procurados (20)

Crise nos EUA
Crise nos EUACrise nos EUA
Crise nos EUA
 
A órbita financeira
A órbita financeiraA órbita financeira
A órbita financeira
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
 
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticasA crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
 
Crise 2008
Crise 2008Crise 2008
Crise 2008
 
Dívida, deusa sem altar mas com um clero poderoso
Dívida, deusa sem altar mas com um clero poderosoDívida, deusa sem altar mas com um clero poderoso
Dívida, deusa sem altar mas com um clero poderoso
 
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugalAnálise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
 
Monografia: crise de 2008
Monografia: crise de 2008Monografia: crise de 2008
Monografia: crise de 2008
 
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. ApocalipseNouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
Nouriel Roubini: os 12 passos do Dr. Apocalipse
 
Boletim 43 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 43 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 43 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 43 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Crise dos subprimes (2008)
Crise dos subprimes (2008)Crise dos subprimes (2008)
Crise dos subprimes (2008)
 
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB ConsultoresO Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
 
Manuel castells
Manuel castellsManuel castells
Manuel castells
 
Sistema financeiro ppt 2003
Sistema financeiro ppt 2003Sistema financeiro ppt 2003
Sistema financeiro ppt 2003
 
TCC - Rafael Kirsneris - FGV
TCC - Rafael Kirsneris - FGVTCC - Rafael Kirsneris - FGV
TCC - Rafael Kirsneris - FGV
 
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - BNDES com transparência
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - BNDES com transparênciaColuna do Senador Aécio Neves da Folha - BNDES com transparência
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - BNDES com transparência
 
Revista exame
Revista exameRevista exame
Revista exame
 
1 origem do-dinheiro
1 origem do-dinheiro1 origem do-dinheiro
1 origem do-dinheiro
 
Crise Financeira nos USA
Crise Financeira nos USACrise Financeira nos USA
Crise Financeira nos USA
 
TCC - O Mercado de Cartão de Crédito no Brasil e sua Influência na Baixa Renda
TCC - O Mercado de Cartão de Crédito no Brasil e sua Influência na Baixa RendaTCC - O Mercado de Cartão de Crédito no Brasil e sua Influência na Baixa Renda
TCC - O Mercado de Cartão de Crédito no Brasil e sua Influência na Baixa Renda
 

Semelhante a O fim dos bancos, do dinheiro e do sistema financeiro internacional

A resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a criseA resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a crise
GRAZIA TANTA
 
O sistema mundo capitalista rumo à derrocada
O sistema mundo capitalista rumo à derrocadaO sistema mundo capitalista rumo à derrocada
O sistema mundo capitalista rumo à derrocada
Fernando Alcoforado
 
Um sistema bancário diferente é possível
Um sistema bancário diferente é possívelUm sistema bancário diferente é possível
Um sistema bancário diferente é possível
Fernando Alcoforado
 
Reflexões sobre a crise econômica e financeira de 2008, seus possíveis cenári...
Reflexões sobre a crise econômica e financeira de 2008, seus possíveis cenári...Reflexões sobre a crise econômica e financeira de 2008, seus possíveis cenári...
Reflexões sobre a crise econômica e financeira de 2008, seus possíveis cenári...
Fernando Alcoforado
 
A crise mundial de 2008 e suas consequencias economicas, sociais e geopoliticas
A crise mundial de 2008 e suas consequencias economicas, sociais e geopoliticasA crise mundial de 2008 e suas consequencias economicas, sociais e geopoliticas
A crise mundial de 2008 e suas consequencias economicas, sociais e geopoliticas
Roberto Rabat Chame
 
Os dez anos de crise – ganhadores e perdedores
Os dez anos de crise – ganhadores e perdedoresOs dez anos de crise – ganhadores e perdedores
Os dez anos de crise – ganhadores e perdedores
GRAZIA TANTA
 
Crise 29 e 2008
Crise 29 e 2008Crise 29 e 2008
Crise 29 e 2008
Mario Lopes
 
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ueGrécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
GRAZIA TANTA
 
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eternaA dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
GRAZIA TANTA
 
Como o sistema financeiro captura a humanidade através da dívida
Como o sistema financeiro captura a humanidade através da dívidaComo o sistema financeiro captura a humanidade através da dívida
Como o sistema financeiro captura a humanidade através da dívida
GRAZIA TANTA
 
A crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémicaA crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémica
GRAZIA TANTA
 
Escorcha financeira inviabiliza a recuperação econômica do brasil
Escorcha financeira inviabiliza a recuperação econômica do brasilEscorcha financeira inviabiliza a recuperação econômica do brasil
Escorcha financeira inviabiliza a recuperação econômica do brasil
Fernando Alcoforado
 
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIOCURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
ProfMario De Mori
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Aléxia Fortes
 
Capitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma lutaCapitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma luta
GRAZIA TANTA
 
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
guest2383c5
 
Os males dos oligopólios bancários sobre a sociedade
Os males dos oligopólios bancários sobre a sociedadeOs males dos oligopólios bancários sobre a sociedade
Os males dos oligopólios bancários sobre a sociedade
Fernando Alcoforado
 
Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008
guest55f91d
 
Cointimes Report Fevereiro
Cointimes Report FevereiroCointimes Report Fevereiro
Cointimes Report Fevereiro
Cointimes News
 
4º crise financeirainternacionalunicamp
4º   crise financeirainternacionalunicamp4º   crise financeirainternacionalunicamp
4º crise financeirainternacionalunicamp
claudio alfonso
 

Semelhante a O fim dos bancos, do dinheiro e do sistema financeiro internacional (20)

A resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a criseA resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a crise
 
O sistema mundo capitalista rumo à derrocada
O sistema mundo capitalista rumo à derrocadaO sistema mundo capitalista rumo à derrocada
O sistema mundo capitalista rumo à derrocada
 
Um sistema bancário diferente é possível
Um sistema bancário diferente é possívelUm sistema bancário diferente é possível
Um sistema bancário diferente é possível
 
Reflexões sobre a crise econômica e financeira de 2008, seus possíveis cenári...
Reflexões sobre a crise econômica e financeira de 2008, seus possíveis cenári...Reflexões sobre a crise econômica e financeira de 2008, seus possíveis cenári...
Reflexões sobre a crise econômica e financeira de 2008, seus possíveis cenári...
 
A crise mundial de 2008 e suas consequencias economicas, sociais e geopoliticas
A crise mundial de 2008 e suas consequencias economicas, sociais e geopoliticasA crise mundial de 2008 e suas consequencias economicas, sociais e geopoliticas
A crise mundial de 2008 e suas consequencias economicas, sociais e geopoliticas
 
Os dez anos de crise – ganhadores e perdedores
Os dez anos de crise – ganhadores e perdedoresOs dez anos de crise – ganhadores e perdedores
Os dez anos de crise – ganhadores e perdedores
 
Crise 29 e 2008
Crise 29 e 2008Crise 29 e 2008
Crise 29 e 2008
 
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ueGrécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da ue
 
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eternaA dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
A dívida de pessoas e empresas – a dependência eterna
 
Como o sistema financeiro captura a humanidade através da dívida
Como o sistema financeiro captura a humanidade através da dívidaComo o sistema financeiro captura a humanidade através da dívida
Como o sistema financeiro captura a humanidade através da dívida
 
A crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémicaA crise financeira (2) – a crise sistémica
A crise financeira (2) – a crise sistémica
 
Escorcha financeira inviabiliza a recuperação econômica do brasil
Escorcha financeira inviabiliza a recuperação econômica do brasilEscorcha financeira inviabiliza a recuperação econômica do brasil
Escorcha financeira inviabiliza a recuperação econômica do brasil
 
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIOCURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
 
Capitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma lutaCapitalistas e estado, a mesma luta
Capitalistas e estado, a mesma luta
 
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
 
Os males dos oligopólios bancários sobre a sociedade
Os males dos oligopólios bancários sobre a sociedadeOs males dos oligopólios bancários sobre a sociedade
Os males dos oligopólios bancários sobre a sociedade
 
Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008
 
Cointimes Report Fevereiro
Cointimes Report FevereiroCointimes Report Fevereiro
Cointimes Report Fevereiro
 
4º crise financeirainternacionalunicamp
4º   crise financeirainternacionalunicamp4º   crise financeirainternacionalunicamp
4º crise financeirainternacionalunicamp
 

Mais de Fernando Alcoforado

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
Fernando Alcoforado
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
Fernando Alcoforado
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
Fernando Alcoforado
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
Fernando Alcoforado
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
Fernando Alcoforado
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
Fernando Alcoforado
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
Fernando Alcoforado
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
Fernando Alcoforado
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
Fernando Alcoforado
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
Fernando Alcoforado
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
Fernando Alcoforado
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
Fernando Alcoforado
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
Fernando Alcoforado
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
Fernando Alcoforado
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
Fernando Alcoforado
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
Fernando Alcoforado
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
Fernando Alcoforado
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
Fernando Alcoforado
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
Fernando Alcoforado
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
Fernando Alcoforado
 

Mais de Fernando Alcoforado (20)

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
 

O fim dos bancos, do dinheiro e do sistema financeiro internacional

  • 1. 1 O FIM DOS BANCOS, DO DINHEIRO E DO SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL Fernando Alcoforado* Este artigo tem por objetivo demonstrar o provável fim dos bancos, do dinheiro e do sistema financeiro internacional e suas consequências. O fim dos bancos está próximo porque a tecnologia está colocando em xeque o mercado bancário, haja vista que, hoje, as pessoas se preocupam muito mais com a possibilidade de pagar qualquer coisa com um cartão de crédito ou débito, sem precisar tirar o dinheiro do banco. Isso está tornando os bancos desnecessários. O dinheiro, em sentido tradicional, morreu há duas décadas, eclipsado por uma economia de trocas digitalizadas. A morte do cheque, do dinheiro em papel ou em metal e do cartão está se acelerando os quais estão sendo substituídos por pagamentos digitais. Enquanto isto, o sistema financeiro mundial está em processo de desmoronamento com o inevitável colapso do dólar. No sistema financeiro internacional liderado pelo dólar norte-americano começa a acontecer a perda acelerada da confiança nesta moeda. Nos últimos anos vários países têm buscado ativamente oportunidades de criar uma moeda de reserva alternativa e abandonar o dólar. O fim do dólar levará a três cenários: 1) sua substituição por uma moeda mundial (SDR- Direitos Especiais de Saque: uma moeda criada pelo Fundo Monetário Internacional usado para pagamentos entre países); 2) a adoção do padrão ouro; e, 3) a desordem social. Destes três cenários, o mais provável é o da desordem social quando os governos neofascistas em todo o mundo e organismos financeiros mundiais ocuparão o poder para atuar com mão de ferro para controlar o sistema financeiro global. 1. O fim dos bancos Há meio século, a atividade bancária era relativamente simples cujo papel era o de ser intermediário entre os poupadores e os emprestadores. Os bancos passaram por um processo de transformação em sua atividade principal. Beneficiando-se da abertura da economia mundial a partir da década de 1990, estas instituições se transformaram em grupos financeiros diversificados e em conglomerados cujos lucros provêm principalmente da criação de crédito, que se converteu no principal meio de criação de moeda. Neste processo, os Bancos Centrais da grande maioria dos países perderam completamente o controle de seus sistemas econômicos. Os bancos conseguem os seus maiores lucros de sempre facilitando a concentração e centralização do capital. Uma fonte importante de lucros dos bancos está na especulação em geral, inclusive sobre a negociação da dívida dos países e apostando nos mercados mundiais de valores. Nenhum outro setor da economia pode ostentar taxas de retorno tão elevadas, nem mesmo qualquer uma das maiores empresas do setor produtivo podem sequer igualar os lucros recordes do sistema financeiro. Os valores das transações mundiais ilustram a dimensão do setor financeiro: em 2002, o PIB mundial era de 32,3 trilhões de dólares, enquanto as transações financeiras somavam 1.140,6 trilhões de dólares. No início da crise, em 2008, enquanto o PIB mundial era de 60,1 trilhões, as movimentações financeiras atingiam 3.628 trilhões de dólares (CHESNAIS, François. Les dettes illégitime. Quand les banques font main basse sur les politiques publiques. Paris: Editions Raisons d´agir, 2011). Segundo François Chesnais não haverá fim para a crise econômica mundial que eclodiu em 2008 nos Estados Unidos enquanto os bancos e os investidores financeiros estiverem no comando, com os governos adotando políticas totalmente dirigidas pelos interesses dos
  • 2. 2 rentistas e para dar sobrevida ao regime guiado pela dívida como vem acontecendo atualmente. Qual é o futuro dos bancos? O livro O fim dos bancos de Jonathan McMillan (São Paulo: Editora Schwarcz S.A. 2018) discute o papel dos bancos num mundo cada vez mais digitalizado e também os problemas que o sistema financeiro pode gerar. A resistência aos bancos ganhou corpo a partir da crise de 2008, quando gigantes bancários foram responsabilizados pelo terremoto financeiro que assolou o planeta e drenaram recursos gigantescos, nunca vistos, dos governos, especialmente nos Estados Unidos. Neste país, o Congresso aprovou um plano de recuperação de 700 bilhões de dólares de acordo com a revista Time e o governo americano investiu um total de 10 trilhões de dólares para ajudar os bancos e sanar o colapso financeiro que estava ocorrendo. Desde a crise de 2008, a ideia de acabar com os bancos vem adquirindo ressonância. Jonathan McMillan pergunta: como viver sem banco? Como pagar as contas, fazer transferências e guardar nosso dinheiro? O livro O fim dos bancos dá explicações inequívocas sobre estas questões. McMillan apresentou soluções para a ocorrência de uma nova crise financeira admitida como provável por muitos economistas ao redor do mundo. Ele citou, por exemplo, o grande risco da economia chinesa, cuja dívida interna promete chegar a um montante que poderá leva-la ao colapso de uma hora para outra. Recentemente o Deutsche Bank emitiu um relatório no qual elenca onze riscos que podem gerar uma nova crise financeira, incluindo o fraco desempenho da economia japonesa, a saída do Reino Unido da União Europeia e a situação econômica da Itália. Muitos economistas estão chegando à conclusão de que é preciso extinguir os bancos. É oportuno observar que a grande drenagem financeira que os bancos exigiram por ocasião da crise de 2008 não impediu que eles obtivessem lucros gigantescos desde então. A partir de 2008, o setor bancário tornou-se mais concentrado do que nunca. Nos Estados Unidos, por exemplo, o número de bancos caiu pela metade em 2009, ao passo que a participação dos quatro maiores bancos americanos subiu de 14% para mais de 40%. E eles são cada vez mais lucrativos. Em 2018, o lucro de apenas dez dos maiores bancos americanos bateu o recorde. No Brasil, o fenômeno é idêntico: em 2016, os cinco maiores bancos brasileiros tiveram juntos um recorde com um lucro líquido de 69 bilhões de reais. Jonathan McMillan explica a função dos bancos e os motivos pelos quais eles são nocivos à saúde financeira da sociedade em todo o planeta. Para acabar com a preocupação de como pagar contas, fazer transferências e guardar o salário, McMillan explica que essas são atividades bancárias que não precisam mais ser exercidas pelos bancos. Ao contrário: são serviços que podem ser executados pela tecnologia, o que efetivamente já acontece. A tecnologia financeira,“fintech” adotada pelos bancos é um amálgama de “finanças” e “tecnologia”, que se disseminou nos últimos anos e os próprios bancos criaram laboratórios de inovação, implantando soluções tecnológicas e empregando cada vez mais robôs para as decisões de investimento, em vez do clássico gerente bancário Na verdade as fintechs apenas deram soluções tecnológicas a funcionalidades bancárias, mas não promoveram transformações substancias no sistema financeiro. Jonathan McMillan afirma que essas questões não são as fundamentais quando se discute o papel dos bancos. Desde a Idade Média, quando os bancos foram criados, a função principal deles era o de recolher depósitos de quem tinha moeda excedente e, com eles, fazer empréstimos. Ou seja, a verdadeira função dos bancos é criar moeda
  • 3. 3 interna por meio de crédito. Na era digital, as atividades bancárias não só fugiram ao controle como perderam a razão de ser. Embora já não sejam necessárias, elas continuarão a dominar o sistema financeiro por algum tempo. As novas possibilidades de gerenciar a moeda e o crédito não podem prevalecer enquanto as atividades bancárias descontroladas ainda forem possíveis. Com plenas garantias governamentais e sem regulação eficaz, elas continuarão lucrativas demais, apesar dos tremendos custos que impõem à sociedade. Por isso, é preciso acabar com as atividades bancárias. Os três motivos principais identificados por Jonathan McMillan que justificam o fim da existência dos bancos são os seguintes: 1) O risco excessivo que assumem ao fazer suas operações de crédito, emprestando valores que não possuem, levando à criação de derivativos e se expondo a uma corrida bancária. Imagine se todos os depositantes de um grande banco corressem ao caixa para sacar seus depósitos. E, na verdade, o risco não é dos bancos, mas do governo, que sempre garante a liquidez dos depósitos, sob a máxima de que “são grandes demais para falirem”; 2) a atividade bancária se mistura e intoxica as políticas monetárias, criadas pelos bancos centrais para impedir crises sociais e econômicas, como inflação e desemprego. A conexão entre bancos e questões de caráter nacional nunca podem produzir bons resultados; e, 3) a excessiva politização dos bancos centrais. A parte final do livro é, talvez, a mais interessante pelo fato de fazer propostas concretas para exterminar os bancos. A principal delas é dividir as atividades bancárias em duas linhas de negócios separadas — a de emprestar e a de guardar — evitando assim a criação de moeda interna, não lastreada. McMillan propõe que o contrato de depósito bancário voltaria a ser um contrato de guarda segura. Os depositantes de bancos restritos não receberiam juros, uma vez que seus depósitos não seriam mais usados para conceder empréstimos. Os bancos teriam que ter 100% de cobertura em dinheiro, ou seja, ter em caixa o equivalente dos depósitos recebidos. Essa exigência garantiria que sempre fossem capazes de atender aos pedidos de retirada dos depositantes. Se ocorresse, por exemplo, uma corrida aos bancos, eles teriam liquidez para honrar todos os depósitos feitos pelos clientes, dispensando, assim, a garantia do governo, o envolvimento com os bancos centrais e, principalmente, o empréstimo de valores que não possuem. O fim dos bancos está próximo não apenas pelos fatos expostos, mas porque a tecnologia está colocando em xeque o mercado bancário. No setor financeiro, essa transformação já começou. Esta mudança ainda está no começo, mas a necessidade de ir a um banco para fazer algo relativamente simples como guardar o seu dinheiro, já é coisa do passado. Dentre as centenas de serviços que uma instituição dessas poderia oferecer, o mais importante era que o seu dinheiro estivesse seguro e acessível a todo tempo. Com a evolução da tecnologia, guardar o dinheiro perdeu relevância. Hoje as pessoas se preocupam muito mais com a possibilidade de pagar qualquer coisa com um cartão de crédito ou débito, sem precisar tirar o dinheiro do banco. Isso pode tornar os bancos desnecessários. O que as pessoas começaram a perceber é que o serviço entregue pelos bancos não atende mais às suas necessidades. As empresas, por sua vez, já estão enxergando isso, e a cada dia caminham em direção a mudança das suas operações de envio e recebimento de dinheiro dos bancos. No mundo, uma categoria completamente inovadora de serviços financeiros foi batizada de payment banking. Um novo tipo de empresa presta serviços muito similares aos bancos, porém não são instituições financeiras de fato, e sim intermediárias de pagamentos. Alguns exemplos são o PayPal, PayTM e o AirTel. No Brasil, estamos
  • 4. 4 caminhando para um ambiente de desbancarização total dos serviços financeiros. Com a regulamentação dos arranjos de pagamento pelo Banco Central e o entendimento das competências das instituições desse tipo, o Banco Central poderia oferecer ao mercado a possibilidade de tirar o poder dos cinco maiores bancos do Brasil e democratizar o acesso ao sistema financeiro nacional. 2. O fim do dinheiro O dinheiro, em sentido tradicional, morreu há duas décadas, eclipsado por uma nova economia de trocas. A era da morte do dinheiro está se viabilizando com a construção de novas relações econômicas. Estas novas relações são as seguintes:  Pura troca, que não envolve o uso de dinheiro de forma alguma;  Troca parcial, que é projetado para minimizar o uso de dinheiro oficial; e,  Troca baseada no uso de dinheiro alternativo ao dinheiro oficial. A morte do cheque, do dinheiro em papel ou metal e do cartão está se acelerando. Todos estão sendo substituídos por pagamentos digitais. A desmaterialização do dinheiro avança, mesmo para aqueles que não têm conta em bancos os quais não precisam mais ter conta em banco para ter acesso ao sistema financeiro. Tudo está mudando: quem processa o pagamento, como fazemos o pagamento e a moeda utilizada. A China, por exemplo, abandonou o dinheiro indo direto para pagamentos digitais, sem passar pelo cartão de crédito porque é muito caro lidar com o dinheiro físico (segurança, transporte, onde armazenar, manuseio, transferências). Plataformas digitais, como Google, Facebook e WeChat (uma mistura chinesa de Face, Google, WhatsApp, banco digital, IFoods) estão virando agentes financeiros e vão desafiar os bancos. Débito em conta ou cartão de crédito vai ser substituído por autorizações biométricas (comando de voz ou reconhecimento facial, que lê o rosto e transfere para a loja onde a pessoa está). Ou possibilidade é a pré-autorização de pagamento, como fazemos quando usamos o Uber. Na Dinamarca já se paga de forma digital. As lojas AmazonGo registram a entrada do cliente pelo celular, ele pega o que quiser, sem passar no caixa. Já são efetuados pagamentos de contas cedendo dados ou usando pontos em programas de fidelidade. Com as criptomoedas, como o bitcoin, a digitalização de pagamentos vai aumentar. Cabe observar que o bitcoin é uma criptomoeda descentralizada, sendo uma forma de dinheiro eletrônico. Bitcoin é uma moeda digital, descentralizada e que não necessita de terceiros para funcionar. Isso significa dizer que não depende de bancos, grandes corporações ou governos para movimentar o dinheiro. O Bitcoin foi a primeira criptomoeda do mundo e há oito anos funciona sem qualquer interrupção, baseada em uma rede descentralizada extremamente segura chamada Blockchain criada por Satoshi Nakamoto. As principais vantagens do bitcoin são: liberdade de pagamento, taxas menores, segurança, privacidade, controle e transparência. Nenhum Bitcoin pode ser confiscado. Pode-se efetuar pagamentos com taxas menores. Além disso, Bitcoin é seguro e dá mais privacidade, controle e transparência nas negociações. O Bitcoin pode ser utilizado também como investimento para quem está procurando diversificar seu patrimônio para ter melhores ganhos. O Bitcoin trouxe excelentes retornos e a tendência é que ele se torne mais popular a longo prazo. O Bitcoin é mais seguro do que o dinheiro que a pessoa tem hoje no banco. O nível de segurança proporcionado pelo Bitcoin é muito superior aos dos bancos tradicionais. No Bitcoin
  • 5. 5 não há um único ponto de falha, para algum ator malicioso conseguir atacar a rede porque seria necessário invadir milhões de computadores em todo mundo que é uma tarefa impossível. Com o Bitcoin a pessoa tem seu próprio banco, Baixar uma carteira de bitcoin é como ter disponível uma agência bancária em suas mãos 24 horas por dia. Sem taxas, sem um gerente chato e capaz de transferir em instantes sua transação. Criar uma carteira de bitcoin é fácil e não custa nada. Assim como há diversas maneiras de interagir com seu banco, também é possível interagir de diversas formas com sua carteira de bitcoin, via app no smartphone e programa no seu desktop/notebook. A tecnologia Blockchain ("Cadeia de Blocos" em inglês) é um tipo de banco de dados distribuído onde são registradas as transações bitcoin. Esta tecnologia permite que esses dados sejam transmitidos entre todos os participantes da rede de maneira descentralizada e transparente. Dessa maneira, não é necessária a confiança em um terceiro ou entidade central para que os dados de contabilidade estejam corretos e não sejam fraudados. O blockchain é um livro público de transações, apesar de ter algumas informações anônimas. O bitcoin está associado a um número que somente seu proprietário conhece bastando uma conversão para um câmbio não virtual que tudo fica às claras. 3. O fim do sistema financeiro internacional Enquanto os bancos e o dinheiro estão com suas existências ameaçadas, o sistema financeiro internacional está em processo de desmoronamento com o provável colapso do dólar. Cabe observar que nenhuma moeda de reserva como o dólar existiu eternamente. O dólar já domina o mundo durante quase um século. Embora se considere que o dólar substituiu a libra esterlina britânica após a conferência de Bretton Woods, no final da Segunda Guerra Mundial, o valor da libra já tinha decaído muito tempo antes dessa conferência. O sistema financeiro liderado pelo dólar norte-americano começa a apontar a perda acelerada da confiança nesta moeda. A perda de confiança no dólar se manifesta no fato de os bancos centrais de todo o mundo estarem excluindo a moeda norte-americana das suas reservas. Esta perda de confiança resulta do fato de a atual crise econômica mundial mostrar que um sistema monetário baseado em papel-moeda emitido livremente e sem lastro pelos governos em todo o mundo é algo inerentemente instável cujas inevitáveis consequências desse processo são: o crescimento econômico artificial, a euforia e os maus investimentos que tal crescimento gera, e, finalmente, as depressões. Tudo leva a crer que nas próximas décadas a economia global vai passar de uma dominância dos Estados Unidos e do dólar para um sistema em que a Ásia possuirá mais poder. No contexto monetário, isso significa que o dólar, provavelmente, var ficar mais barato em relação às outras moedas, inclusive o ouro. É importante observar que o dólar obteve seu estatuto como moeda mundial graças ao poderio da economia norte- americana. Mas a situação atual não favorece o reforço da sua posição, ou mesmo a manutenção dela diante da ascensão da China como potência econômica hegemônica. É oportuno observar que, desde que o Ocidente abandonou o padrão ouro clássico (em que as transações eram feitas em moedas de ouro ou em certificados lastreados 100% em ouro) em 1914, o sistema monetário internacional vem oscilando entre um sistema ruim e outro pior. Alguns países adotam câmbios fixos e logo depois se arrependem e retornam para o câmbio flutuante. Outros países fazem o movimento inverso. Em 15 de agosto de 1971, ao mesmo tempo em que impunha um congelamento de preços e
  • 6. 6 salários em uma vã tentativa de controlar a explosiva inflação de preços, o presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, impôs um estrondoso fim ao sistema de Bretton Woods que estabelecia o padrão ouro para o sistema financeiro internacional. Como os bancos centrais europeus estavam ameaçando redimir em ouro o máximo possível de seus inchados estoques de dólares, Nixon acabou completamente com o que restava do padrão ouro. Pela primeira vez na história americana, o dólar era totalmente fiduciário, sem qualquer lastro em ouro. Desde que os Estados Unidos abandonaram completamente o padrão ouro em agosto de 1971 e estabeleceram o sistema de papel-moeda flutuante em março de 1973, os Estados Unidos e o mundo sofreram o mais intenso, o mais constante e o mais prolongado período inflacionário da história mundial. Está ficando claro que o mundo não mais admite as crises geradas por essa inflação sem precedentes e sem obstáculos, que foi trazida pelo sistema de moedas fiduciárias flutuantes ente si, implantadas desde 1973. Olhando para o futuro, o diagnóstico que se pode fazer para o dólar e para o sistema monetário internacional é de fato sombrio. A menos que retorne ao padrão ouro clássico a um preço realista, o sistema monetário internacional está fadado a se alternar continuamente entre taxas de câmbio fixas e flutuantes, sendo que cada sistema seguirá enfrentando problemas insolúveis e funcionando insatisfatoriamente, até chegar à desintegração final. E estimulando essa desintegração estará inevitavelmente a inflação da oferta de dólares. Os prospectos para o futuro são de acelerada inflação monetária nos Estados Unidos, seguida de um colapso monetário internacional. Esse prognóstico só poderá ser mudado caso haja uma drástica alteração no sistema monetário norte-americano e internacional com o retorno a uma moeda-commodity de livre mercado - tal como o ouro -, e uma remoção total da ingerência governamental sobre as questões monetárias. Os dados sobre as reservas de divisas demonstram uma diminuição do papel do dólar. Em 2018 a parte do dólar nas reservas internacionais caiu até 61,7%, que é o nível mínimo nos últimos 20 anos. Nos últimos anos vários países têm buscado ativamente oportunidades de criar uma moeda de reserva e abandonar o dólar. O comércio de petróleo entre a Rússia e a China já é realizado sem a participação do dólar, Estes países intensificaram a extração de recursos e começaram a comprar mais ouro para se prepararem para o colapso da moeda norte-americana. A tendência de abandonar o dólar indica claramente a diversidade de moedas mundiais capazes de substituí-lo como, por exemplo, o euro e o Yuan chinês. Depois da saída dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã, a União Europeia tenciona comprar petróleo sem usar o dólar. Depois que a Rússia e a China decidiram passar a usar o Yuan em vez do dólar, uma onda de “desdolarização” cobriu o mundo, O Irã, a Venezuela, Angola, Indonésia, Malásia, Tailândia e Paquistão já expressaram seu desejo de abandonar o dólar ou reduzir seu uso no comércio de petróleo e outras transações financeiras. A Rússia entende que, sob a pressão do petrodólar sua economia corre o perigo de ser estrangulada. James Rickards, autor de The Death of Money (Penguin Random House UK), propõe criar uma nova moeda globalmente competitiva e respaldada pelo ouro, que seja suficientemente forte para derrubar o sistema do dólar. O abandono do dólar como moeda de reserva mundial é impulsionado também pela possibilidade da explosão da bolha da dívida pública dos Estados Unidos que atingirá 140% do PIB até 2024. A previsão do Departamento de Orçamento do Congresso dos Estados Unidos é o de que o déficit fiscal deste ano seja de US$ 897 bilhões e, em 2022,
  • 7. 7 exceda a marca do trilhão. Especialistas especulam que o governo norte-americano tem pouco tempo para reverter esta situação que, caso contrário perdure, o país enfrentará uma crise em grande escala comparável à Grande Depressão dos anos 1930. Caso a economia global não seja capaz de digerir essa enorme dívida, a crise subsequente levará o mundo à depressão econômica, à pobreza em massa, instabilidade geopolítica, agitação política e guerras. Segundo o relatório do Instituto de Finanças Internacionais, a dívida global aumentou em 3,3 trilhões de dólares no ano passado, para 243 trilhões de dólares. Trata-se de um montante recorde três vezes superior ao PIB mundial. Nos países desenvolvidos, o índice de endividamento, extremamente elevado, atingiu 390% do PIB. A economia mundial pode não resistir à dívida de 243 trilhões de dólares. Os economistas alertam que, quando esta bomba de vários trilhões de dólares plantada sob a economia mundial explodir, a crise será pior do que a de 2008. No final de 2018, o Fundo Monetário Internacional (FMI) apontou a insustentável dívida global como a principal ameaça para a economia mundial. O FMI afirmou que a verdadeira máquina da dívida global são os Estados Unidos, cujo déficit quase triplicou desde 2000 e agora excede 73,6 trilhões de dólares, o que representa 106% do PIB. A dívida global dos Estados Unidos é um fator que está contribuindo para o abandono do dólar como moeda de reserva mundial. James Rickards afirma em sua obra The Death of Money que o fim do dólar levará a três cenários: 1) sua substituição por uma moeda mundial (SDR- Direitos Especiais de Saque: uma moeda criada pelo Fundo Monetário Internacional usado para pagamentos entre países); 2) a adoção do padrão ouro; e, 3) desordem social. O primeiro cenário que contempla a substituição do dólar pelo SDR como moeda de reserva global já está em curso. Ao longo do tempo, será reduzido gradualmente o peso do dólar na cesta do SDR em favor da moeda chinesa, o Yuan. SDR será pressionado para estabilizar o sistema financeiro internacional como foi feito em 1979 e 2009. A concordância da China será necessária para usar o SDR que insiste em usá-lo não para salvar o dólar como foi feito no passado, mas para substituir o dólar o mais rápido possível. A transição será inflacionária em termos de dólar devido à sua desvalorização em relação ao SDR. O segundo cenário considera a adoção do padrão ouro que é outra alternativa à incessante impressão do dólar pelo governo dos Estados Unidos, segundo Rickards. Isto pode elevar a inflação ao extremo com o ouro restaurando a confiança ou elevar a deflação ao extremo com o ouro reavaliado pelos governos para elevar o nível geral de preços. O padrão ouro deve ser adotado quando a confiança entra em colapso. Rickards afirma que a adoção do padrão ouro associado ao dólar e ao SDR é inflacionária porque o ouro teria que ser reavaliado para cima para apoiar o comércio e as finanças globais com o atual estoque de ouro. O terceiro cenário de desordem social tomará a forma de neofascismo pelos governos no poder quando controles de salários e preços serão usados para controlar a inflação e a vigilância digital será usada para combater o mercado negro. Os tumultos monetários seriam esmagados rapidamente pela ação do governo. Destes três cenários acima citados, o cenário mais provável é o da desordem social quando os governos neofascistas e organismos financeiros mundiais atuarão com mão de ferro para controlar, respectivamente, as economias nacionais e o sistema financeiro global. O cenário de desordem social se imporá, não apenas pela impossibilidade da substituição do dólar pela moeda mundial (SDR) e da adoção do padrão ouro associado ao dólar e ao SDR, mas pelo provável fim do sistema capitalista mundial a partir de
  • 8. 8 meados do século XXI conforme está demonstrado no artigo sob o título O fim do sistema capitalista mundial em meados do século XXI (ALCOFORADO, Fernando. O fim do sistema capitalista mundial em meados do século XXI. Disponível no website <https://www.academia.edu/39554574/O_FIM_DO_SISTEMA_CAPITALISTA_MUN DIAL_EM_MEADOS_DO_S%C3%89CULO_XXI>, 13/06/2019). O fim do sistema capitalista mundial em meados do século XXI fará com que o sistema financeiro internacional chegue também ao fim nesta época. 4. Conclusões Pelo exposto, conclui-se o seguinte:  Atividades bancárias não precisam mais ser exercidas pelos bancos. Na era digital, as atividades bancárias não só fugiram ao controle como perderam a razão de ser. Seus serviços podem ser executados pela tecnologia, o que efetivamente já acontece.  Com plenas garantias governamentais e sem regulação eficaz, as atividades bancárias continuarão lucrativas demais, apesar dos tremendos custos que impõem à sociedade. Por isso, é preciso acabar com as atividades bancárias.  As novas possibilidades de gerenciar a moeda e o crédito não podem prevalecer enquanto as atividades bancárias descontroladas ainda forem possíveis.  Para continuar existindo, os bancos deveriam ter 100% de cobertura em dinheiro, ou seja, ter em caixa o equivalente dos depósitos recebidos. Esta exigência evitaria a falência dos bancos.  O fim dos bancos está próximo porque a tecnologia está colocando em xeque o mercado bancário. Com a evolução da tecnologia, guardar o dinheiro perdeu relevância. Estamos caminhando para um ambiente de desbancarização total dos serviços financeiros.  O dinheiro, em sentido tradicional, morreu há duas décadas, eclipsado por uma economia de trocas digitalizadas. A morte do cheque, do dinheiro em papel ou metal e do cartão de crédito está se acelerando. Todos estão sendo substituídos por pagamentos digitais. Com as criptomoedas, como o bitcoin, a digitalização de pagamentos vai aumentar.  O sistema financeiro mundial está em processo de desmoronamento com o colapso do dólar. O sistema financeiro liderado pelo dólar norte-americano começa a apontar a perda acelerada da confiança nesta moeda.  A perda de confiança no dólar se manifesta no fato de os bancos centrais de todo o mundo estarem excluindo a moeda norte-americana das suas reservas. Esta perda de confiança resulta do fato de a atual crise econômica mundial mostrar que um sistema monetário baseado em papel-moeda emitido livremente e sem lastro pelos governos em todo o mundo é algo inerentemente instável cujas inevitáveis consequências desse processo são: o crescimento econômico artificial, a euforia e os maus investimentos que tal crescimento gera, e, finalmente, as depressões.  O abandono do dólar como moeda de reserva mundial é impulsionado também pela possibilidade da explosão da bolha da dívida pública dos Estados Unidos que atingirá 140% do PIB até 2024. O FMI afirmou que a verdadeira máquina da dívida global são os Estados Unidos, cujo déficit quase triplicou desde 2000 e agora excede 73,6 trilhões de dólares, o que representa 106% do PIB.  O fim do dólar levará a três cenários: 1) sua substituição por uma moeda mundial (SDR- Direitos Especiais de Saque: uma moeda criada pelo Fundo Monetário
  • 9. 9 Internacional usado para pagamentos entre países); 2) a adoção do padrão ouro; e, 3) desordem social.  O cenário mais provável para o sistema financeiro mundial é o da desordem social quando os governos neofascistas e organismos financeiros mundiais atuarão para controlar o sistema financeiro global e evitar seu colapso reprimindo com mão de ferro os movimentos sociais. O cenário de desordem social se imporá, não apenas pela impossibilidade da substituição do dólar pela moeda mundial (SDR) e da adoção do padrão ouro associado ao dólar e ao SDR, mas principalmente pelo provável fim do sistema capitalista mundial a partir de meados do século XXI.  O fim do sistema capitalista mundial em meados do século XXI fará com que o sistema financeiro internacional chegue também ao fim nesta época. O provável fim dos bancos, do dinheiro e do sistema financeiro internacional aponta a necessidade da existência de um novo sistema internacional que evite o cenário de desordem social no mundo e assegure a governabilidade da economia mundial. A governabilidade da economia mundial só será alcançada com um governo mundial democraticamente eleito por todos os povos do mundo (ALCOFORADO, Fernando. Como inventar o futuro para mudar o mundo. Curitiba: Editora CRV, 2019). REFERÊNCIAS ALCOFORADO, Fernando. Como inventar o futuro para mudar o mundo. Curitiba: Editora CRV, 2019. _______________________. O fim do sistema capitalista mundial em meados do século XXI. Disponível no website <https://www.academia.edu/39554574/O_FIM_DO_SISTEMA_CAPITALISTA_MUN DIAL_EM_MEADOS_DO_S%C3%89CULO_XXI>, 13/06/2019. CHESNAIS, François. Les dettes illégitime. Quand les banques font main basse sur les politiques publiques. Paris: Editions Raisons d´agir, 2011. MCMILLAN, Jonathan. O fim dos bancos. São Paulo: Editora Schwarcz S.A. 2018. MISES BRASIL. As crises monetárias mundiais. Disponível no website <https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=258>. RICKARDS, James. The Death of Money. Penguin Random House UK, 2014. SOUTO, Ivyna. A morte do cheque, do dinheiro em papel e do cartão está próxima. Disponível no website <https://www.polemicaparaiba.com.br/polemicas/a-morte-do- cheque-do-dinheiro-em-papel-e-do-cartao-esta-proxima/>, 07/04/2019. SPUTNIKNEWS. Sistema financeiro mundial se desmorona: como mundo se prepara para colapso do dólar? Diponível no website <https://br.sputniknews.com/economia/2018060511387106-financas-dolar-colapso- crise-china/>, 2018. WIKIPEDIA. Bitcoin. Disponível no website <https://pt.wikipedia.org/wiki/Bitcoin>.  Fernando Alcoforado, 79, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e
  • 10. 10 planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co-autoria) e Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019).