EM DEFESA DE UM APERFEIÇOADO MODELO DE SOCIAL 
DEMOCRACIA PARA DERROTAR O NEOLIBERALISMO NO MUNDO 
Fernando Alcoforado* 
P...
abarrotados. O Estado norueguês comprou 1% de ações em bolsas de todo o mundo e 
investe em 3,2 mil empresas. Na Noruega é...
população, de várias e concretas formas: expansão dos sistemas de Saúde e Educação; 
níveis de rendimento garantidos ao lo...
seriam capazes de garantir os depósitos, pois haviam investido nos famigerados títulos 
hipotecários norte-americanos. O c...
Foi a social democracia construída até hoje, sobretudo nos países escandinavos, o único 
modelo de sociedade que permitiu ...
externos, estagnação econômica e, agora também retrocesso no campo das conquistas 
sociais. Um governo seriamente comprome...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Em defesa de um aperfeiçoado modelo de social democracia para derrotar o neoliberalismo no mundo

390 visualizações

Publicada em

Para acabar com a barbárie que caracteriza o mundo em que vivemos, urge a edificação de um novo modelo de sociedade que possibilite uma convivência civilizada entre todos os seres humanos. No artigo de nossa autoria A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo e do neoliberalismo na construção de uma ordem política viável? publicado no Blog de Falcoforado (http//Fernando.alcoforado.zip.net) procurou-se demonstrar que o liberalismo, o socialismo e o neoliberalismo fracassaram na construção de uma sociedade econômica, social e politicamente viável em vários países do mundo. Ao analisar o modelo da social democracia, constatamos que foi na Escandinávia onde foi implantado o mais bem sucedido entre todos eles apesar da necessidade de aperfeiçoamentos que serão apresentadas nas conclusões deste artigo.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
390
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Em defesa de um aperfeiçoado modelo de social democracia para derrotar o neoliberalismo no mundo

  1. 1. EM DEFESA DE UM APERFEIÇOADO MODELO DE SOCIAL DEMOCRACIA PARA DERROTAR O NEOLIBERALISMO NO MUNDO Fernando Alcoforado* Para acabar com a barbárie que caracteriza o mundo em que vivemos, urge a edificação de um novo modelo de sociedade que possibilite uma convivência civilizada entre todos os seres humanos. No artigo de nossa autoria A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo e do neoliberalismo na construção de uma ordem política viável? publicado no Blog de Falcoforado (http//Fernando.alcoforado.zip.net) procurou-se demonstrar que o liberalismo, o socialismo e o neoliberalismo fracassaram na construção de uma sociedade econômica, social e politicamente viável em vários países do mundo. Ao analisar o modelo da social democracia, constatamos que foi na Escandinávia onde foi implantado o mais bem sucedido entre todos eles apesar da necessidade de aperfeiçoamentos que serão apresentadas nas conclusões deste artigo. A experiência da social democracia na Escandinávia O modelo nórdico ou escandinavo de social democracia poderia ser melhor descrito como uma espécie de meio-termo entre capitalismo e socialismo. Não é nem totalmente capitalista nem totalmente socialista, sendo a tentativa de fundir os elementos mais desejáveis de ambos em um sistema "híbrido". Em 2013, a revista The Economist declarou que os países nórdicos são provavelmente os mais bem governados do mundo. O relatório World Happiness Report 2013 da ONU mostra que as nações mais felizes estão concentradas no Norte da Europa, com a Dinamarca no topo da lista. Os nórdicos possuem a mais alta classificação no PIB real per capita, a maior expectativa de vida saudável, a maior liberdade de fazer escolhas na vida e a maior generosidade. Entre os países escandinavos ou nórdicos, a Noruega é o mais próspero do mundo, com o Estado do Bem-Estar Social caracterizado por muita igualdade e muita justiça social. Na Noruega, não prospera a desigualdade, o egoísmo, o individualismo caracterizadores do liberalismo e do neoliberalismo. Há 100 anos, a Noruega passou da condição de um dos países mais pobres da Europa, convivendo com o gelo e a escuridão por metade do ano, para ser sinônimo de riqueza e justiça social com um PIB per capita de US$ 100 mil. A Noruega prioriza gastos com educação que é garantida para toda a população. Em 30 anos, os noruegueses reduziram suas horas de trabalho em 270 horas, ganhando mais de dez dias de férias ao ano, e parte significativa dos trabalhadores já consegue trabalhar apenas quatro dias na semana. Segundo a ONU, jamais uma sociedade atingiu nível de desenvolvimento humano igual ao de Oslo, capital da Noruega. Além disso, a Noruega traduziu petróleo em prosperidade e igualdade. (Ver o texto Noruega, um paraíso com muito Estado Social, serviços públicos e impostos no website <http://blogdotarso.com/2014/04/13/noruega-um-paraiso-com-muito-estado-social-servicos- 1 publicos-e-impostos/>). Mesmo em uma era de austeridade e crise global, o sistema do Estado de Bem-Estar Social na Noruega se manteve intacto, com salário mínimo de US$ 4,8 mil (cerca de R$ 14 mil) e o desemprego é de 2%. A Noruega foi o país que menos sentiu a crise mundial que eclodiu em 2008 nos Estados Unidos. Nas eleições da Noruega o único debate é o que fazer com o dinheiro que sobra nos cofres públicos. A Noruega tem o maior fundo soberano do planeta, estimado em US$ 815 bilhões e os cofres do Estado estão
  2. 2. abarrotados. O Estado norueguês comprou 1% de ações em bolsas de todo o mundo e investe em 3,2 mil empresas. Na Noruega é forte a presença do Estado em praticamente todos os campos da economia, desde depois da 2ª Guerra Mundial, quando o governo nacionalizou empresas ligadas à Alemanha. O Estado ficou com 44% das ações da Norsk Hydro, tem participação de 37% na Bolsa de Valores de Oslo e em dezenas de empresas. Hoje o Estado da Noruega controla a petroleira Statoil, o grupo de telecomunicações Telenor, a fabricante de fertilizantes Yara, e o maior banco do país DnBNor. Na Noruega, os sindicatos negociam a cada ano seus salários, dependendo das necessidades do setor exportador e para garantir que o produto nacional continue competitivo no mercado global. Nas eleições da Noruega os partidos políticos prometem não cortar impostos. No Estado de Bem-Estar Social da Noruega os homens cuidam de seus bebês e a cada ano o governo destina 2,8% do PIB para apoiar famílias em tudo que precisam para ter filhos. Os pais que decidem não levar as crianças para creches recebem, a cada mês, um cheque de US$ 200 para ajudar nos gastos. Lá os cidadãos que recebem benefícios sociais do Estado não são chamados de vagabundos. É um direito legítimo (Ver o texto Noruega, um paraíso com muito Estado Social, serviços públicos e impostos no website <http://blogdotarso.com/2014/04/13/noruega-um- 2 paraiso-com-muito-estado-social-servicos-publicos-e-impostos/>). Na Noruega a licença-maternidade é de 9 meses para a mãe e quatro meses para os pais. Nesses meses quem paga o salário dos pais é o Estado. O governo avalia que esse incentivo para as mulheres e leis para garantir a igualdade de gênero são positivas para a economia. As empresas são obrigadas a dar 40% das vagas em seus conselhos para mulheres. 75% das mulheres trabalham fora e para o governo isso representa maior atividade na economia e um número maior de pessoas pagando impostos. Na Noruega o imposto de renda atinge 42% sendo maior do que no Brasil. Lá existe consenso de que o valor é justo para manter o sistema. O Estado paga do berçário ao enterro, financia estudantes e até banca férias. O modelo de sociedade norueguês é o mínimo que se espera para uma sociedade justa. O resto é barbárie. Pelo exposto, a Escandinávia é o berço do modelo mais igualitário que o capitalismo já conheceu. Sua origem remonta à Suécia dos anos 1930, mais precisamente há 80 anos, quando se concretizava a hegemonia social democrata no governo do país nórdico, dando início a uma série de reformas sociais e econômicas que inauguraria um novo tipo de capitalismo, em oposição ao liberalismo das décadas anteriores cujo ato final foi a crise de 1929. Nascia então o chamado modelo escandinavo, que rapidamente ultrapassaria as fronteiras suecas para se tornar influente no norte europeu, mas também uma referência importante na formulação de políticas econômicas heterodoxas (progressistas) em todo o planeta. O sucesso deste modelo se deveu à combinação de um amplo Estado de Bem-Estar Social com rígidos mecanismos de regulação das forças de mercado, capaz de colocar a economia em uma trajetória dinâmica, ao mesmo tempo em que alcançava os melhores indicadores de bem-estar social entre países capitalistas. A social democracia escandinava diante da escalada do neoliberalismo Segundo Immanuel Wallerstein, sociólogo e professor universitário norte-americano, a social democracia teve o seu apogeu no período entre 1945 e o final dda década de 1960. Naquela altura, representava uma ideologia e um movimento que defendia o uso dos recursos do Estado para assegurar alguma redistribuição a favor da maioria da
  3. 3. população, de várias e concretas formas: expansão dos sistemas de Saúde e Educação; níveis de rendimento garantidos ao longo da vida, através de programas de apoio às necessidades dos grupos sem-emprego, particularmente as crianças e os idosos; e programas para minimizar o desemprego. A social-democracia prometeu um futuro sempre melhor para as gerações futuras, uma espécie de elevação permanente do rendimento nacional e das famílias. Chamou-se a isto de “estado de bem-estar social”. Era uma ideologia que refletia o ponto de vista segundo o qual o capitalismo podia ser “reformado” e adquirir uma face mais humana (WALLERSTEIN, Immanuel. A ilusão social-democrata. Publicado no website <http://www.esquerda.net/opiniao/ilus%C3%A3o-social-democrata/>). Segundo Wallerstein, os social-democratas foram particularmente poderosos na Europa Ocidental, na Grã-Bretanha, na Austrália e na Nova Zelândia, Canadá e Estados Unidos (onde eram chamados Democratas do New Deal) – em resumo, nos países ricos do sistema-mundo, aqueles que constituíam o que se poderia chamar de mundo pan-europeu. O seu sucesso foi tão vasto que no resto do mundo, vários países tentaram subir nesta carruagem, através de projetos de “desenvolvimento” nacional. A social-democracia foi um projeto muito bem-sucedido durante este período. Foi sustentado por duas realidades daquele tempo: a incrível expansão da economia-mundo, que criou os recursos que tornaram a redistribuição social possível e a hegemonia dos Estados Unidos no sistema-mundo, que assegurou a sua relativa estabilidade e, em especial, a ausência de violência grave no interior desta zona rica. Esta situação teria chegado, entretanto,ao fim. A economia-mundo deixou de se expandir e entrou numa longa estagnação, na qual ainda vivemos; e os Estados Unidos iniciaram o seu longo, ainda que lento, declínio enquanto potência hegemônica. Estas novas realidades aceleraram-se consideravelmente no século 21. A partir de década de 1990, uma nova onda de liberalismo atingiria o mundo com o advento do neoliberalismo que se espraiou pelo planeta. O receituário ortodoxo (conservador) implementado desde então nos países escandinavos, a começar pela própria Suécia, visou essencialmente a desregulamentação financeira e a flexibilização do mercado de trabalho. A lógica destas reformas era, como de costume, retirar as amarras presentes na economia sob a forma de normas e instituições para que o mercado pudesse alocar os recursos (capital e trabalho) da maneira mais eficiente possível. Como ocorreu em todos os países capitalistas, pregava-se a redução de salários, a redução da taxação e do controle de capitais como forma de retomar o estímulo à atividade empresarial. Os economistas neoliberais imaginavam ter encontrado a fórmula mágica para tirar o capitalismo da estagnação em que se encontrava em todo o mundo (Ver o texto Modelo nórdico publicado no website <http://pt.m.wikipedia.org/wiki/Modelo_n%C3%B3rdico>). Coincidentemente, um pequeno país social democrata escandinavo, a Islândia, enfrentou uma das piores crises de sua história. Ali, a situação econômica e social crônica provocada pelas políticas neoliberais levou a um questionamento sem precedentes na Europa ocidental da estratégia de desregulamentação dos mercados. Cabe observar que a Islândia foi o primeiro país do mundo a sentir os efeitos da derrocada financeira capitalista global. Seus principais bancos eram estrangeiros e colocaram a economia islandesa em uma ciranda financeira que anteciparia, em escala reduzida, os efeitos da crise global que eclodiu em 2008 nos Estados Unidos. A bolha especulativa produzida com a poupança da população estourou por fim quando foi revelado que os bancos não 3
  4. 4. seriam capazes de garantir os depósitos, pois haviam investido nos famigerados títulos hipotecários norte-americanos. O colapso levou o país à ruína. Como consequência, o desemprego explodiu e um número impressionante de islandeses deixou o país. O resgate da social democracia na Escandinávia após a catástrofe neoliberal na Islândia Após a crise surgiu na Islândia um movimento de resistência civil organizado. Os resultados não tardaram: o governo conservador foi derrotado eleitoralmente e substituído por outro de maioria social democrata que decidiu romper com visão ortodoxa neoliberal do livre-mercado. O novo governo passou a interferir diretamente no câmbio, produzindo uma desvalorização da moeda local, foram retomados os controles de capital e os investimentos no sistema de segurança social, e os bancos foram nacionalizados para garantir a liquidez aos cidadãos. A Islândia conseguiu assim evitar um mal maior e, sobretudo, chamar a atenção para a necessidade de se resgatar o modelo social democrata escandinavo. A chave deste modelo havia sido a capacidade de estabelecer entre a Sociedade Civil e as elites um pacto nacional no qual estas abririam mão da abundância injustificada em que viviam para contribuir para um objetivo maior, o do bem-estar da população. Para tamanha reviravolta, havia sido decisiva a iniciativa de economistas suecos, tendo à frente Gunnar Myrdal, que no início do século XX forneceriam o fundamento teórico para uma política econômica alternativa social democrata. A Escola de Estocolmo, como seria batizada esta ramificação do pensamento econômico heterodoxo, denunciou as mazelas do liberalismo e demonstrou a primazia da demanda das famílias para se retomar ciclos de bonança econômica, em contraposição aos estímulos inócuos de oferta que caracterizavam (e caracterizam ainda) a visão conservadora liberal e neoliberal. Hoje, os escandinavos mais uma vez alertam o mundo que liberar as forças de mercado equivale a abrir uma verdadeira "caixa de Pandora" catastrófica. Para os que ainda caem nesta tentação, fica o recado da experiência islandesa. A revolução Islândia resgatou a tradição heterodoxa dos economistas escandinavos, cujas reflexões inspiraram a redação de uma nova constituição no país, visando a retomada do controle social sobre os recursos econômicos como o caminho indispensável para a independência e a prosperidade. Defender o contrário é sustentar um dogma ferido de morte com a crise global. Conclusões Apesar do sucesso da social democracia escandinava, o novo modelo social democrata deveria resultar do aperfeiçoamento do que se denomina social democracia nórdica ou escandinava praticada na Dinamarca, Noruega, Suécia e Finlândia. Apesar de suas diferenças, todos eles compartilham alguns traços em comum: estado de bem-estar-social universalista que é voltado para melhorar a autonomia individual, promovendo a mobilidade social e assegurando a prestação universal de direitos humanos básicos e a estabilização da economia. Se distingue, também, por sua ênfase na participação da força de trabalho, promovendo igualdade de gênero, redução da desigualdade social, extensos níveis de benefícios à população e grande magnitude de redistribuição da riqueza (Ver o texto Modelo nórdico publicado no website <http://pt.m.wikipedia.org/wiki/Modelo_n%C3%B3rdico>). 4
  5. 5. Foi a social democracia construída até hoje, sobretudo nos países escandinavos, o único modelo de sociedade que permitiu avanços econômicos, sociais e políticos simultâneos com o Estado, mesmo a serviço do capital, atuando como mediador dos conflitos entre os interesses do capital e da Sociedade Civil. Não é por acaso que os países escandinavos, além de apresentar grandes êxitos econômicos e sociais, são líderes em IDH no mundo. Diferentemente, do liberalismo e do neoliberalismo onde o Estado está sempre a serviço do capital e a Sociedade Civil é marginalizada, e do socialismo onde o Estado está a serviço de um partido ou de um grupo no poder e a Sociedade Civil é, também, marginalizada, a social democracia dos países escandinavos evitou a ocorrência dos excessos do liberalismo, do socialismo real e do neoliberalismo. Apesar do grande sucesso da social democracia praticada na Escandinávia, a social democracia do futuro deveria resultar do aperfeiçoamento do modelo atual que operaria com um tripé estruturado com base em um Estado neutro, Sociedade Civil Organizada ativa e Setor Produtivo (estatal e privado) eficiente e eficaz. O Estado neutro buscaria compatibilizar os interesses do Setor Produtivo (estatal e privado) com os da Sociedade Civil mediando seus conflitos em várias instâncias dos poderes executivo e legislativo que, quando não se obtém o consenso, a decisão final ficaria a cargo da população que decidiria democraticamente através de plebiscito e/ou referendo. Na nova social democracia, não deveria ser permitida a ação de grupos monopolistas e cartéis privados na economia. Empresas privadas só atuariam em setores econômicos onde houvesse competição. Empresas estatais ou de economia mista ocupariam os setores econômicos onde não fosse possível haver competição. O Brasil que sofre os efeitos nefastos da devastação produzida sobre a economia brasileira pelo modelo neoliberal introduzido pelo governo Fernando Collor em 1990 e mantido pelos governos Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma Rousseff deveria se inspirar na social democracia escandinava para reverter a situação atual, cujo balanço é extremamente negativo sob todos os ângulos. A estagnação atual da economia brasileira em que se encontra no momento se acentuará nos próximos anos devendo ocorrer simultaneamente com a elevação das taxas de inflação das quais resultará o fenômeno da estagflação. Muito provavelmente, crescerá o déficit no balanço de pagamentos devido à queda na receita de exportação e ao aumento das remessas de lucros e dividendos pelas empresas multinacionais que cresceram de forma extraordinária nos últimos anos, superando em muito o valor das remessas de juros da dívida externa. Tanto quanto a entrada de dólares para cobertura do déficit no balanço de pagamentos, o investimento direto estrangeiro, por sua vez, tende a também a cair devido à provável queda no crescimento da economia brasileira. Nenhum investidor externo investiria no Brasil com uma economia estagnada como se encontra no momento. A estagnação da economia brasileira fará com que haja também queda da arrecadação do governo em todos os níveis fazendo com que não haja recursos públicos para investimento em quantidade suficiente para investir na infraestrutura econômica e social, bem como para manter os programas sociais de transferência de renda como o “Bolsa Família”. A manutenção do modelo neoliberal no Brasil se traduzirá no aprofundamento da desnacionalização do que ainda resta do patrimônio público no Brasil e, consequentemente, em maior subordinação do País em relação ao exterior. Os resultados estão aí: crescimento econômico pífio, inflação acima da meta, desequilíbrios 5
  6. 6. externos, estagnação econômica e, agora também retrocesso no campo das conquistas sociais. Um governo seriamente comprometido com a defesa da soberania nacional, o progresso do Brasil e o bem-estar-social de sua população tem que, necessariamente, repelir este cenário substituindo o modelo econômico neoliberal pelo modelo social democrata nacional desenvolvimentista de abertura seletiva e controlada da economia nacional que tornaria certamente o País menos vulnerável ao ataque de capitais externos especulativos com o governo exercendo um efetivo controle da economia, além de propiciar a retomada do desenvolvimento nacional. A revolução antineoliberal da Islândia deveria inspirar a redação de uma nova Constituição no Brasil, como fizeram os islandeses visando a retomada do controle social sobre os recursos econômicos do país como o caminho indispensável para a independência e a prosperidade nacional. * Fernando Alcoforado, 74, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros. 6

×