Dieta hipoprotéica

19.564 visualizações

Publicada em

slide sobre dieta hipoproteica e patologias associadas

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.564
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
103
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dieta hipoprotéica

  1. 1. Dieta Hipoprotéica ACADÊMICOS: EVELYN RIBEIRO JOCÉLIO NOBRE LUCIANA PINHEIRO
  2. 2. Descrição  A Dieta hipoproteica é uma dieta q fornece o mínimo de proteínas possíveis.
  3. 3. Alimentos Permitidos  Pães  Frutas  Verduras (crua ou cozidas)  Feijão  Azeite de Oliva  Arroz branco ou integral  Suco de frutas  Qualquer tipo de farinha
  4. 4. Alimentos Proibidos  Carne Vermelha Ovos Laticínios
  5. 5. Patologias Associadas  A dieta hipoprotéica é indicada para pacientes com ingestão controlada de proteínas, portadores de INSUFICIÊNCIA RENAL e CIRROSE HEPÁTICA.
  6. 6. Insuficiência Renal  O paciente que apresenta insuficiência renal crônica (IRC), mas ainda não está sendo submetido à diálise (fase pré-dialítica ou tratamento conservador) deve cuidar de sua alimentação, principalmente no que diz respeito ao sódio e à proteína de origem animal.  A progressão da doença não é totalmente justificada pelo uso excessivo da proteína, porém, acredita-se que o aumento da ingestão de proteína eleva a proteinúria (eliminação protéica através da urina), aumentando o ritmo de progressão da doença renal. A alimentação restrita em proteína atrasa a entrada para a diálise quando comparada à dieta não restrita. O efeito protetor da dieta hipoprotéica inclui diminuição da pressão intraglomerular, menor excreção de amônia e fosfato, menor geração de produtos nitrogenados tóxicos e íons inorgânicos responsáveis pelos distúrbios clínicos e metabólicos característicos da uremia, diminuição dos lipídeos séricos e redução de fatores mitogênicos e de crescimento.
  7. 7. Cirrose hepática  A cirrose hepática é resultado final de anos de agressões ao fígado, sendo caracterizada pela substituição do tecido hepático normal por nódulos e tecido fibroso.  No fundo, nada mais é do que a cicatrização do fígado. Onde deveria haver tecido funcionante, há apenas fibrose (cicatriz).  Quanto mais extensa for a cirrose, a cicatriz, menor é o número de células saudáveis e maior é o grau de insuficiência hepática. Em última análise, a cirrose é um estado de falência (morte) do fígado, órgão nobre, sem o qual não conseguimos sobreviver. Várias doenças podem levar à cirrose, como alcoolismo e hepatites virais (tipos B, C e D), dentre outras.  Não há uma dieta específica, cada paciente tem necessidades que variam de características individuais. De modo geral, as recomendações básicas são evitar o excesso de sal, frituras e carne vermelha; manter abstinência alcoólica e procurar fracionar a dieta, comendo mais vezes ao dia uma menor quantidade de alimento. O adequado é individualizar a necessidade dietética, sob orientação do médico e do nutricionista.
  8. 8. Prejuízos da Dieta Hipoproteica  Uma dieta pobre em proteína provoca a atrofia e a redução dos neurônios do gânglio celíaco, uma parte do sistema nervoso simpático fundamental. É ele que inerva os neurônios da parede do intestino delgado, porção que realiza os movimentos peristálticos e o controle da absorção de nutrientes. A falta de proteína na alimentação também é responsável pela morte dessas células nervosas.
  9. 9.  FIM

×