Prof. Everaldo Gomes LeandroProf. Everaldo Gomes Leandro
Profa. Dra. Maria do Carmo de SousaProfa. Dra. Maria do Carmo de ...

 Recorte da pesquisa de mestrado em
desenvolvimento: “As produções de um grupo de
pesquisa sobre o Ensino de Matemática...

Discutir algumas das contribuições do marxismo para
a atividade de pesquisa do campo da Educação
Matemática na Perspect...
“lógico reflete o histórico de forma
teórica. O histórico contém o
processo de mudança do objeto, as
etapas de seu surgime...
Atividade de Pesquisa
Entendendo o fazer científico como uma
atividade (LEONTIEV, 1983). Ao mesmo tempo,
concordamos com R...
DO IDEALISMO AO MATERIALISMO
HISTÓRICO E DIALÉTICO
“a produção de ideias, de representações,
da consciência, está, de início, diretamente
entrelaçada com a atividade materia...
O Papel da História em Marx
“toda concepção de história, até
o momento, ou tem omitido
completamente esta base real
da his...
Importância desse pensamento para a Perspectiva Lógico-Histórica
As pesquisas não trazem essa concepção de história, que o...
A DIALÉTICA MARXISTA COMO FUNDAMENTO
TEÓRICO PARA O DESENVOLVIMENTO DA
ATIVIDADE DE PESQUISA
“Dialética Antiga”: seus pens...
Marx entende a dialética como (1)
epistemologia (método científico), (2)
ontologia (conjunto de leis que governam a
realid...
o conhecimento da dialética em sua abrangência, como
indicamos, não garante a sua utilização ou mesmo a
adesão a ela quand...
CONTRIBUIÇÕES DO MARXISMO PARA AS
PESQUISAS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NA
PERSPECTIVA LÓGICO-HISTÓRICA
Pensando nas pesquisas:...
•Organicidade Dialética – estrutura da
pesquisa, capítulo teórico, metodologia e
análise (problematizar tal estrutura);
•C...

 BITTAR, M; FERREIRA Jr., A. História, epistemologia marxista e pesquisa educacional brasileira. Educação & Sociedade (...
Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática na perspectiva lógico histórica - emem
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática na perspectiva lógico histórica - emem

348 visualizações

Publicada em

Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática na perspectiva lógico histórica - emem

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática na perspectiva lógico histórica - emem

  1. 1. Prof. Everaldo Gomes LeandroProf. Everaldo Gomes Leandro Profa. Dra. Maria do Carmo de SousaProfa. Dra. Maria do Carmo de Sousa
  2. 2.   Recorte da pesquisa de mestrado em desenvolvimento: “As produções de um grupo de pesquisa sobre o Ensino de Matemática na Perspectiva Lógico-Histórica: estudo dos elementos históricos correlatos”.  Os caminhos metodológicos da pesquisa... Contextualização
  3. 3.  Discutir algumas das contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa do campo da Educação Matemática na Perspectiva Lógico-Histórica. Objetivo
  4. 4. “lógico reflete o histórico de forma teórica. O histórico contém o processo de mudança do objeto, as etapas de seu surgimento e desenvolvimento, as casualidades dos fatos e da vida. Em suma, o lógico é o histórico despido das casualidades que perturbam o histórico” (KOPNIN apud SOUSA, 2004, p.2). Algumas Considerações Marxismo •Mundo sensível •Idealismo X Materialismo •Dialética como método •Concepção Histórica Teoria Histórico-Cultural • Conhecimento Rodrigues (2009, p.41) complementa esse argumento ao defender que a Perspectiva Lógico-Histórica “apreende o conceito em seu movimento de criação e depura-o dos elementos casuais, identificando a ideia principal, o substancial, no próprio ato de criação”. A Perspectiva Lógico-Histórica
  5. 5. Atividade de Pesquisa Entendendo o fazer científico como uma atividade (LEONTIEV, 1983). Ao mesmo tempo, concordamos com Rigon, Asbahr e Moretti (2010, p.43) quando afirmam que um pesquisador está em atividade de pesquisa quando “organiza suas ações de forma intencional e consciente, buscando encontrar procedimentos teórico- metodológicos que permitam explicar suas indagações a respeito do objeto investigado”.
  6. 6. DO IDEALISMO AO MATERIALISMO HISTÓRICO E DIALÉTICO
  7. 7. “a produção de ideias, de representações, da consciência, está, de início, diretamente entrelaçada com a atividade material e com o intercâmbio material dos homens, como a linguagem da vida real.” (ibidem, p.36). “não é a consciência que determina a vida, mas a vida que determina a consciência” (ibidem, p.37) Centro da concepção materialista histórica e dialética
  8. 8. O Papel da História em Marx “toda concepção de história, até o momento, ou tem omitido completamente esta base real da história, ou a tem considerado como algo secundário, sem qualquer conexão com o curso da história” (ibidem, p.57)
  9. 9. Importância desse pensamento para a Perspectiva Lógico-Histórica As pesquisas não trazem essa concepção de história, que omite a base real e renega à história a um plano secundário? Como fazer com que a história e as pesquisas tenham essa base real? Em uma visão marxista de história, não há sentido em falar em história fragmentada de um conceito, por exemplo, pois o desenvolvimento desse conceito está em um contexto maior (seja esse contexto econômico, social, político ou cultural). Para Bittar e Ferreira Jr (2009, p.490) foi o “declínio da influência do marxismo e a ascensão da pós- modernidade [que] engendraram outra maneira de produzir o conhecimento histórico, pois foram abandonadas as preocupações explicativas do sentido da totalidade na qual se inserem os objetos das pesquisas”
  10. 10. A DIALÉTICA MARXISTA COMO FUNDAMENTO TEÓRICO PARA O DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE DE PESQUISA “Dialética Antiga”: seus pensadores os pré-socráticos, os socráticos (Sócrates, Platão e Aristóteles), os estoicos (Santo Agostinho) e os da Idade Média (Descartes e Kant). “Dialética Nova”: Dialética hegeliana e a Dialética marxista. O que difere a antiga da nova é que a primeira se afirma no princípio de que dois contrários não podem se encontrar ao mesmo tempo em uma mesma coisa, enquanto a segunda enxerga a contradição nas coisas (ser e não ser) e faz dessa contradição o ponto inicial para a compreensão/superação de algo. (SANFELICE, 2005).
  11. 11. Marx entende a dialética como (1) epistemologia (método científico), (2) ontologia (conjunto de leis que governam a realidade) e (3) relacional (movimento da história) Movimento e História Todo para o particular Do particular para o todo
  12. 12. o conhecimento da dialética em sua abrangência, como indicamos, não garante a sua utilização ou mesmo a adesão a ela quando partimos para o mundo da investigação. Também pode ocorrer que, apesar dos nossos esforços em assumirmos a postura dialética não tenhamos grandes sucessos nos produtos de nossas pesquisas. (SANFELICE, 2005, p.82)
  13. 13. CONTRIBUIÇÕES DO MARXISMO PARA AS PESQUISAS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA LÓGICO-HISTÓRICA Pensando nas pesquisas: •Relacionamento e análise dos objetos de pesquisas; •Postura materialista histórica e dialética; •Dialética: Histórico – Lógico dos conceitos; •Dialética com método científico;
  14. 14. •Organicidade Dialética – estrutura da pesquisa, capítulo teórico, metodologia e análise (problematizar tal estrutura); •Conhecimento histórico do pesquisador faz diferença; •Conhecer a história que permeia o conceito; •Movimento.
  15. 15.   BITTAR, M; FERREIRA Jr., A. História, epistemologia marxista e pesquisa educacional brasileira. Educação & Sociedade (Impresso), v. 30, p. 489-511, 2009.  CHAUÍ, M. A história no pensamento de Marx. Problemas e Perspectivas. 2007, São Paulo: Clasco.  KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A, 1978.  LEONTIEV, A. Actividad, Consciencia, Personalidad. Habana: Editora Pueblo y Educacíon, 1983.  MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. In: MARX, K.; ENGELS, F. Obras escolhidas em três tomos. Trad. Álvaro Pina. Lisboa: Avante!; Moscovo: Progresso, 1982. p. 93-136.  MARX, K.; ENGELS, F. Feuerbach. In. A ideologia alemã. Editora Hucitec. São Paulo: 1984.  PANOSSIAN, M. L. O movimento histórico e lógico dos conceitos algébricos como princípio para constituição do objeto de ensino de álgebra. Tese de Doutorado Universidade de São Paulo, São Paulo: 2014.˗  REZENDE, J. P. Sentidos e significados manifestos por licenciandos e pós graduandos ao produzirem atividades de ensino de˗ Matemática na perspectiva lógico histórica.˗ Dissertação de Mestrado Universidade Federal de São Carlos, São Carlos: 2015.˗  RIGON, A. J.; ASBAHR, F. S. F; MORETTI, V. D. Sobre o processo de humanização. In: Manoel Oriosvaldo de Moura. (Org.). A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural. 1ed.Brasília: Liber Livro, 2010, v. 1, p. 13-44.  RODRIGUES, R. V. R. A construção e utilização de um Objeto de Aprendizagem através da perspectiva lógico-histórica na formação do conceito números inteiros. Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente, SP: 2009.  SANFELICE, J. L. Dialética e pesquisa em Educação. In: LOMBARDI, J. C; SAVIANI, D; NASCIMENTO, M. I. M. A escola pública no Brasil – Historia e Historiografia. 1 ed. Campinas: Autores Associados, 2005.  SOUSA, M. C. O ensino de álgebra numa perspectiva lógico-histórica: um estudo das elaborações correlatas de professores do Ensino Fundamental. Tese de Doutorado – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). São Paulo: 2004. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000324284&fd=y . Acesso em: 21 de jul. 2015.  ____________. Quando professores têm a oportunidade de elaborar atividades de ensino de Matemática na perspectiva lógico-histórica. In: Bolema. nº. 32. Rio Claro, SP: 2009. p. 83-99. Referências

×