Profetas menores lição 9 - Habacuque

3.008 visualizações

Publicada em

Aula ministrada na Igreja Evangélica Sem Fronteiras - Escola Bíblica (Série Profetas Menores)

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.008
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Profetas menores lição 9 - Habacuque

  1. 1. ESCOLA BÍBLICA 23/07/13 Os Profetas Menores Advertências e consolações para a santificação da Igreja de Cristo
  2. 2. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES
  3. 3. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES VERDADE PRÁTICA A fim de cumprir os seus planos, Deus age soberanamente na vida de todas as nações da terra.
  4. 4. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES LEITURA DIÁRIA • • • • • • • • • • • Segunda - 2 Rs 17.23 - Deus usou a Assíria contra Israel Terça - Sf 2.13 - O castigo contra a Assíria Quarta - Jr 25.9 - Deus usou a Babilônia contra Judá Quinta - Jr 25.12 - O castigo contra a Babilônia Sexta - Jr 27.5-7 - As nações sob a autoridade divina Sábado - Hc 2.20 - Perante o Senhor a Terra se cala
  5. 5. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES LEITURA BÍBLICA EM CLASSE • Habacuque 1.1-6; 2.1-4.
  6. 6. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • INTERAÇÃO • “O justo viverá pela fé”. Esta sentença tornou-se uma das mais importantes temáticas do Novo Testamento. Foi um dos lemas da Reforma Protestante. O apóstolo Paulo é um dos que descrevem a graça de Deus de maneira mais intensa e bela: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus” (Ef 2.8). Tal perspectiva da graça de Deus foi precedida pelo profeta Habacuque, quando ele declarou: “O justo, pela sua fé, viverá” (2.4). • OBJETIVOS DA AULA • Explicar o contexto histórico, a estrutura e a mensagem do livro de Habacuque. • Compreender a situação do país na época de Habacuque . • Aprender com a resposta de Deus ministrada ao profeta.
  7. 7. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES “Qual o propósito do livro de Habacuque?”
  8. 8. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • ESBOÇO DO LIVRO • • • • • O Interrogatório de Habacuque a Deus (1.2 — 2.20) Questão: Como Deus permite que a ímpia Judá fique sem castigo (1.2-4). Resposta: Mas Deus usará a Babilônia para castigar Judá (1.5-11). Questão: Como Deus pode usar uma nação mais ímpia que Judá como instrumento de juízo (1.12 — 2.1). • Resposta: Deus também julgará Babilônia (2.2-20). • • O Cântico de Habacuque (3.1-19) • Oração de Habacuque por misericórdia divina (3.1,2). • O poder do Senhor (3.1,2). • Os atos salvíficos do Senhor (3.3-7). • A fé inabalável de Habacuque (3.16-19).
  9. 9. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • 1. Contexto histórico. Habacuque exerceu o seu ministério quando os caldeus (Babilônicos) marchavam vitoriosamente pelo Oriente Médio (1.6) Após terem destruído a força militar Assíria. Tal marcha iniciou-se em 576 a.C. onde seu império foi se expandindo e conquistando pequenas nações com violência e opressão. De fato Judá tinha razões para temer a destruição. Isso mostra que o profeta era contemporâneo de Jeremias e Sofonias (Jr 1.1; Sf 1.1). Ele menciona ainda a opressão dos ímpios sobre os pobres e o colapso da justiça nacional (1.2-4) e descreve como as pessoas eram cruéis e corruptas adoradores de falsos deuses.
  10. 10. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • 2. Vida pessoal. Não há informações, dentro ou fora do livro, sobre a vida pessoal de Habacuque. Apenas temos a declaração de que ele é profeta (1.1), detalhe este também encontrado em Ageu e Zacarias (Ag 1.1; Zc 1.1). • “Habacuque” não é um nome hebraico típico, alguns rabinos relacionam o nome com a palavra hebraica que quer dizer “abraço” sugerindo que o profeta amou o seu povo e procurou traze-lo para junto de si oferecendo conforto. Outros descrevem o profeta como alguém que “lutou” com Deus devido aos seus questionamentos. • As anotações musicais em Habacuque 3 sugerem que ele possa ter sido um mestre de canto que dirigia música no templo.
  11. 11. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • Estrutura e mensagem. No estudo passado, aprendemos que o termo “peso” indica uma “sentença pesada e profecia”. A exemplo do livro de Naum, esse oráculo foi revelado à Habacuque na forma de visão (1.1). • A profecia divide-se em três capítulos. O primeiro denuncia a corrupção generalizada da nação e a consequente resposta divina (1.2-17); o segundo, outra resposta do Eterno (2.1-20); e a terceira, a oração de Habacuque (3.1-19). O oráculo divino, que possui a mesma estrutura dos Salmos, tem como principal ênfase a fé.
  12. 12. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • II. HABACUQUE E A SITUAÇÃO DO PAÍS • 1. O clamor de Habacuque. Diferente os outros profetas, Habacuque falou com Deus sobre o povo. Ele esperava que Deus o respondesse levando o povo ao arrependimento. Ele era preocupado com a ameaça iminente e o declínio espiritual de Judá e a própria hesitação da sua fé. Era um homem com dúvidas sinceras e pensava consigo mesmo: Mas como é possível Aquele que é justo e santo tolerar tamanha maldade? O profeta expressa sua perplexidade na forma de lamentos: “Até quando, SENHOR*...+?” (1.2; Sl 13.1,2); “Porque*...+?” (1.3; Sl 22.1). Essas perguntas indicam que, há tempos, Habacuque orava a Deus em busca de solução.
  13. 13. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • II. HABACUQUE E A SITUAÇÃO DO PAÍS • 2. A descrição do pecado. Assim, o profeta resume o quadro desolador do seu povo: iniquidade e vexação; destruição e violência; contenda e litígio A estrutura poética nessa descrição revela a falência da justiça e o abuso opressor das autoridades em relação aos pobres. • 3. O colapso da justiça nacional. A frouxidão da lei era consequência da corrupção generalizada, esta sempre beneficiava os poderosos (1.4). A sociedade sequer lembrava-se da lei. A influência das autoridades piedosas não foi suficiente para mudar o estado das coisas. Somente o Senhor onipotente de Israel é quem pode fazer plena justiça.
  14. 14. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • III. A RESPOSTA DIVINA • 1. O juízo divino é anunciado. Antes de Habacuque perceber a gravidade da situação, Deus, que está no controle de todas as coisas, apenas aguardava o tempo oportuno para agir e mostrar a razão de sua intervenção. Tudo estava nos planos do Senhor. O profeta e todo o povo de Judá precisavam prestar mais atenção aos acontecimentos mundiais, pois o Eterno realizaria, naqueles dias, uma obra que eles não creriam, quando lhes fosse contada (1.5). Essa obra era um novo império que Deus estava levantando no mundo. Não obstante, esse oráculo também diz respeito à vinda do Messias (At 13.40,41).
  15. 15. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • IV. DEUS RESPONDE PELA SEGUNDA VEZ • 1. A espera de Habacuque (2.1). Sabedor de que Deus lhe responderá, o profeta preparase para ser arguido por Deus. Ele se posiciona como uma sentinela — figura comumente empregada para descrever os profetas bíblicos. Sua função era ficar alerta para escutar a palavra de Deus e transmiti-la ao povo (Is 21.8; Jr 6.17; Ez 3.17) Ele estava confuso e angustia do, mas mesmo assim não abandonou seu chamado profético, em vez disso suas dúvidas o levaram a buscar uma resposta no Senhor. • 2. A visão. A resposta divina veio ao profeta através de uma visão transmitida com agilidade e nitidez, dispensando a necessidade de que alguém lesse e a interpretasse (2.2), pois se tratava de uma mensagem que, apesar de futurística, era claríssima: A Babilônia desaparecerá da terra para sempre! No entanto, Judá, apesar do castigo, sobreviverá (Jr 30.11). O desafio era crer na mensagem! Ainda que seu cumprimento tardasse, Deus é fiel para cumprir a sua palavra (2.3; Jr 1.12). Assim como naquele tempo, o mundo permanece no pecado por causa da incredulidade e por isso não crê na pregação do Evangelho (Jo 9.41; 15.22; 16.9; 2 Co 4.4).
  16. 16. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • IV. DEUS RESPONDE PELA SEGUNDA VEZ • 3. O justo viverá da fé. A expressão “alma que se incha” (2.4) refere-se ao orgulho dos caldeus (1.10; Is 13.19). O justo é aquele que crê no julgamento de Deus sobre a Babilônia (2.8). Ele sobreviverá à devastação de Judá pelo exército de Nabucodonosor: “o justo, pela sua fé, viverá” (2.4b). Mas ao mesmo tempo é uma mensagem de profundo significado para a fé cristã (Rm 1.17; Gl 3.8; Hb 10.38). Em o Novo Testamento, o “justo” é quem, proveniente de todas as nações, acolhe a mensagem do Evangelho e é justificado pela fé em Jesus.
  17. 17. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • CONCLUSÃO • O profeta primeiramente ficou alarmado com a visão, mas então resolveu ser fiel e vigilante em quaisquer circunstâncias. Encorajado pela visão de um Deus que prevaleceria Habacuque mudou sua queixa de “Porque Deus permite isso?” para “Quem é esse Deus que me sustenta as coisas que permite acontecer?” Depois de pensar bem a respeito de Deus o profeta concluiu que o mesmo é suficiente. (Hb 3:3-16) Habacuque aceitou a desgraça por vir, crendo que Deus estava no controle e que a justiça prevaleceria no final. Seu amor a Deus não estava baseado no que Deus daria a ele, mesmo que enviasse sofrimento e destruição se regozijaria Nele e não nas circunstâncias. Essa prazerosa confiança pode ser traduzida como pular de alegria no Senhor e rodopiar de prazer a Deus.
  18. 18. Lição 9: HABACUQUE — A SOBERANIA DIVINA SOBRE AS NAÇÕES • CONCLUSÃO • Como aconteceu com o profeta. Nossa confiança em Deus cresce à medida que passamos a conhecê-lo mais intimamente, dia após dia. Habacuque aprendeu que o medo se tranformaria em fé quando ele dependesse de Deus. A Palavra de Deus é suficiente para corrigir o caminho tortuoso de qualquer pessoa. Apesar de a resposta divina nem sempre ser o que esperamos, ela é sempre a melhor. Habacuque descreveu seus pés como os de uma corça, tomando seu caminho em meio a tantos problemas, mas firmados, pois ele estava seguro! Essa é a imagem de vitória e triunfo em tempos tão incertos. Isso acontece porque os caminhos e os pensamentos de Deus são infinitamente mais elevados que os nossos (Is 55.8,9). Vivamos, pois, pela fé!

×