SlideShare uma empresa Scribd logo
TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO – AULA 17 Hoje abordaremos uma teoria que teve como origem a Teoria dos Sistemas, mas aprofundou-se na complexidade da mente humana e na permanente situação de mudança do mundo administrativo. O assunto de hoje é a  ABORDAGEM CONTINGENCIAL .
1.  ORIGENS DA TEORIA CONTINGENCIAL ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],*  Se tal situação se apresenta assim, então a resposta é... Ou seja, não existe um modelo único e mágico para solucionar problemas administrativos.
Construída a partir de idéias da teoria dos sistemas, a perspectiva contingencial afirma que uma variedade de fatores, tanto internos quanto externos à empresa podem afetar o desempenho da organização. Desse modo, não existe uma “única melhor maneira” de administrar e organizar, porque as circunstâncias variam. Características situacionais são chamadas de  contingências .  Entender as contingências auxilia o administrador a saber quais os conjuntos de circunstâncias que ditam as ações administrativas, que incluem: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
2. CONCEITOS A teoria das Contingências estabelece que situações diferentes exigem práticas diferentes,  empregando o uso das teorias tradicionais, comportamentais e de sistemas separadamente ou combinadas. “ A visão de contingência procura entender as relações dentro e dentre os subsistemas, bem como entre a organização e seu ambiente, e procura definir padrões de relações ou configurações de variáveis”.  (Fremont Kast & Rosenzweig)
A palavra  CONTINGÊNCIA  significa algo  incerto ou eventual , que pode suceder ou não, dependendo das  circunstâncias .  Quer dizer que determinado assunto pode ser considerado  verdadeiro  ou  falso  somente através do seu conhecimento pela  experiência  e pela evidência, e não pela razão.  Não há nada absoluto nos princípios básicos de Administração! (POR ESSA VOCÊ NÃO ESPERAVA! OU ESPERAVA?) Dois fatores que afetam as estruturas das organizações e que são ênfases da  TEORIA CONTINGENCIALISTA : Variações no  AMBIENTE  ou na  TECNOLOGIA  conduzem a variações na estrutura organizacional
3.  O CAMINHO PARA  A CONTINGÊNCIA – ( I ) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Continuação
3.1 O CAMINHO PARA A CONTINGÊNCIA ( II ) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],Sistema Mecânico Sistema Orgânico Complexo inter-relacionamento entre as variáveis organizacionais internas e destas com o AMBIENTE Relacionamento em linha
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
5. LINHA EVOLUTIVA DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS Ênfase Intra-Orgnanizacional Ênfase no Ambiente Clássica Rel. Humanas Burocracia Comportamental Estruturalista Sistemas P.O. Contingência Nem todas as contingências críticas foram identificadas. A teoria pode não ser aplicável a todas as questões administrativas. Limitações Identificou as principais contingências. Contestou os princípios universais da administração. Contribuições As contingências situacionais influenciam estratégias, estruturas e processos que resultam em alto desempenho. Existe mais de uma forma de se atingir um objetivo. Os administradores devem adaptar suas organizações à situação. Conceitos-chave
6. O HOMEM COMPLEXO A concepção contingencial focaliza o homem complexo que caracteriza-se por ter um sistema complexo de valores, percepções, características pessoais e necessidades. O homem é um ser transacional. O homem tem comportamento dirigido p/ objetivos. Os sistemas individuais não são estáticos. H. ADMINISTRATIVO HOMEM SOCIAL HOMEM ECONÔMICO HOMEM COMPLEXO
7. LIMITAÇÕES E CRÍTICAS Relacionamento casual: Outros elementos (desenho organizacional e sistemas de informação) influenciam o desempenho além da estrutura Desempenho organizacional: Multifacetado Variáveis independentes: Discutível (organização pode influenciar seu ambiente) Contingências múltiplas: diferentes padrões de fatores contingenciais têm implicações distintas para o desenho organizacional Mudança planejada: Modelos falham na ênfase das conseqüências não-previstas da mudança planejada Fatores de poder: Não determinadas por condições situacionais impessoais Velocidade da mudança organizacional: Dificuldade de mudar com freqüência a intervalos muito curtos
CHIAVENATO,  I . Introdução à teoria geral da Administração.  7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.  MAXIMIANO , A. C. A.  Teoria geral da Administração :  da revolução urbana à revolução digital . São Paulo: Atlas, 2002 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 TO - Abordagem Clássica da Administração
Aula 2   TO - Abordagem Clássica da AdministraçãoAula 2   TO - Abordagem Clássica da Administração
Aula 2 TO - Abordagem Clássica da Administração
Angelo Peres
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
Laura Malate
 
Teoria da Contingência
Teoria da ContingênciaTeoria da Contingência
Teoria da Contingência
Izaura Nogueira
 
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalAula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Cultura Organizacional 1
Cultura Organizacional 1Cultura Organizacional 1
Cultura Organizacional 1
Future Press, E-Press, Presentations,
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
Marcela Montalvão Teti
 
TEORIA DA CONTINGÊNCIA .pptx
TEORIA DA CONTINGÊNCIA .pptxTEORIA DA CONTINGÊNCIA .pptx
TEORIA DA CONTINGÊNCIA .pptx
layraSOARESMACHADO
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
admetz01
 
Teoria Estruturalista
Teoria EstruturalistaTeoria Estruturalista
Teoria Estruturalista
admetz01
 
Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4
Future Press, E-Press, Presentations,
 
09. Teoria Estruturalista
09. Teoria Estruturalista09. Teoria Estruturalista
09. Teoria Estruturalista
Debora Miceli
 
Cultura e clima organizacional
Cultura e clima organizacionalCultura e clima organizacional
Cultura e clima organizacional
osvaldocostasoares
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Teoria Burocrática
Teoria BurocráticaTeoria Burocrática
Teoria Burocrática
admetz01
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
guest3ebb133
 
Chandler: estratégia de estrutura
Chandler: estratégia de estruturaChandler: estratégia de estrutura
Chandler: estratégia de estrutura
Felipe Alencar Barros
 
GestãO Pessoas.Ppt
GestãO Pessoas.PptGestãO Pessoas.Ppt
GestãO Pessoas.Ppt
DeniseF Ferrari
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3   teoria do desenvolvimento organizacionalAula 3   teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Niloar Bissani
 
Abordagem contingencial da administracao
Abordagem contingencial da administracaoAbordagem contingencial da administracao
Abordagem contingencial da administracao
Felipe Leo
 

Mais procurados (20)

Aula 2 TO - Abordagem Clássica da Administração
Aula 2   TO - Abordagem Clássica da AdministraçãoAula 2   TO - Abordagem Clássica da Administração
Aula 2 TO - Abordagem Clássica da Administração
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Teoria da Contingência
Teoria da ContingênciaTeoria da Contingência
Teoria da Contingência
 
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalAula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
 
Cultura Organizacional 1
Cultura Organizacional 1Cultura Organizacional 1
Cultura Organizacional 1
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
 
TEORIA DA CONTINGÊNCIA .pptx
TEORIA DA CONTINGÊNCIA .pptxTEORIA DA CONTINGÊNCIA .pptx
TEORIA DA CONTINGÊNCIA .pptx
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
 
Teoria Estruturalista
Teoria EstruturalistaTeoria Estruturalista
Teoria Estruturalista
 
Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4
 
09. Teoria Estruturalista
09. Teoria Estruturalista09. Teoria Estruturalista
09. Teoria Estruturalista
 
Cultura e clima organizacional
Cultura e clima organizacionalCultura e clima organizacional
Cultura e clima organizacional
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Teoria Burocrática
Teoria BurocráticaTeoria Burocrática
Teoria Burocrática
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
 
Chandler: estratégia de estrutura
Chandler: estratégia de estruturaChandler: estratégia de estrutura
Chandler: estratégia de estrutura
 
GestãO Pessoas.Ppt
GestãO Pessoas.PptGestãO Pessoas.Ppt
GestãO Pessoas.Ppt
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3   teoria do desenvolvimento organizacionalAula 3   teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
 
Abordagem contingencial da administracao
Abordagem contingencial da administracaoAbordagem contingencial da administracao
Abordagem contingencial da administracao
 

Destaque

Abordagem Contingencial e Administração por Objetivos
Abordagem Contingencial e Administração por ObjetivosAbordagem Contingencial e Administração por Objetivos
Abordagem Contingencial e Administração por Objetivos
Antonio Marcos Montai Messias
 
Capítulo 2 parte 3 - Escola Contingencial
Capítulo 2   parte 3 - Escola ContingencialCapítulo 2   parte 3 - Escola Contingencial
Capítulo 2 parte 3 - Escola Contingencial
PUC Minas
 
201386 114353 administração+(conteudos+1%2c2+e+3)
201386 114353 administração+(conteudos+1%2c2+e+3)201386 114353 administração+(conteudos+1%2c2+e+3)
201386 114353 administração+(conteudos+1%2c2+e+3)
Felipe Lima
 
Modelo Japonês de Administração
Modelo Japonês de AdministraçãoModelo Japonês de Administração
Modelo Japonês de Administração
Sabrina Machado
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
P30
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
alanaagnes
 
Administração japonesa
Administração japonesa Administração japonesa
Administração japonesa
Andressa Rita
 
2º tópico teoria da contingência - abordagem contingencial
2º tópico   teoria da contingência - abordagem contingencial2º tópico   teoria da contingência - abordagem contingencial
2º tópico teoria da contingência - abordagem contingencial
Taty Bahia
 
6 abordagem sistemica e contingencial
6   abordagem sistemica e contingencial6   abordagem sistemica e contingencial
6 abordagem sistemica e contingencial
Isabella Couto Reis
 
Modelo japonês de administração
Modelo japonês de administraçãoModelo japonês de administração
Modelo japonês de administração
Leonardo Hideki Anagusko
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
DESCRICAO E DESENHO DE CARGO
DESCRICAO E DESENHO DE CARGODESCRICAO E DESENHO DE CARGO
DESCRICAO E DESENHO DE CARGO
Universidade Pedagogica
 

Destaque (12)

Abordagem Contingencial e Administração por Objetivos
Abordagem Contingencial e Administração por ObjetivosAbordagem Contingencial e Administração por Objetivos
Abordagem Contingencial e Administração por Objetivos
 
Capítulo 2 parte 3 - Escola Contingencial
Capítulo 2   parte 3 - Escola ContingencialCapítulo 2   parte 3 - Escola Contingencial
Capítulo 2 parte 3 - Escola Contingencial
 
201386 114353 administração+(conteudos+1%2c2+e+3)
201386 114353 administração+(conteudos+1%2c2+e+3)201386 114353 administração+(conteudos+1%2c2+e+3)
201386 114353 administração+(conteudos+1%2c2+e+3)
 
Modelo Japonês de Administração
Modelo Japonês de AdministraçãoModelo Japonês de Administração
Modelo Japonês de Administração
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
 
Administração japonesa
Administração japonesaAdministração japonesa
Administração japonesa
 
Administração japonesa
Administração japonesa Administração japonesa
Administração japonesa
 
2º tópico teoria da contingência - abordagem contingencial
2º tópico   teoria da contingência - abordagem contingencial2º tópico   teoria da contingência - abordagem contingencial
2º tópico teoria da contingência - abordagem contingencial
 
6 abordagem sistemica e contingencial
6   abordagem sistemica e contingencial6   abordagem sistemica e contingencial
6 abordagem sistemica e contingencial
 
Modelo japonês de administração
Modelo japonês de administraçãoModelo japonês de administração
Modelo japonês de administração
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
DESCRICAO E DESENHO DE CARGO
DESCRICAO E DESENHO DE CARGODESCRICAO E DESENHO DE CARGO
DESCRICAO E DESENHO DE CARGO
 

Semelhante a Aula17

T a_2_a04_e_5
T  a_2_a04_e_5T  a_2_a04_e_5
T a_2_a04_e_5
Angelo Yasui
 
A D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ OA D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ O
taniamaciel
 
teoriadacontingncia-140218115535-phpapp02.pdf
teoriadacontingncia-140218115535-phpapp02.pdfteoriadacontingncia-140218115535-phpapp02.pdf
teoriadacontingncia-140218115535-phpapp02.pdf
JujuLima8
 
Administrao
AdministraoAdministrao
Administrao
Daniel Nery
 
Teorias de Administração - 1ª aula.pptx
Teorias de Administração - 1ª aula.pptxTeorias de Administração - 1ª aula.pptx
Teorias de Administração - 1ª aula.pptx
DanielleVieira55
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula 5 marketing teoria da contingencia.
Aula 5 marketing teoria da contingencia.Aula 5 marketing teoria da contingencia.
Aula 5 marketing teoria da contingencia.
ssuserd4f153
 
slidee.pptx
slidee.pptxslidee.pptx
slidee.pptx
paInformatica
 
TGA
TGATGA
Organizações mecanicistas x organizações flexíveis
Organizações mecanicistas x organizações flexíveisOrganizações mecanicistas x organizações flexíveis
Organizações mecanicistas x organizações flexíveis
Joici Borges
 
Trabalho cap. 18 (final)
Trabalho cap. 18 (final)Trabalho cap. 18 (final)
Trabalho cap. 18 (final)
Eduardo S. Leão Sancho
 
Teoria da contigencia
Teoria da contigenciaTeoria da contigencia
Teoria da contigencia
Tiago Machado
 
Apostila organização de empresa
Apostila organização de empresaApostila organização de empresa
Apostila organização de empresa
Fabio Aguiar
 
Aula 1 (2)
Aula 1 (2)Aula 1 (2)
Aula 1 (2)
Felipe Pereira
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
gerenciamentodepessoasaula1-180301055901.pdf
gerenciamentodepessoasaula1-180301055901.pdfgerenciamentodepessoasaula1-180301055901.pdf
gerenciamentodepessoasaula1-180301055901.pdf
FrancielleConstantin
 
A comunicação no processo gerencial
A comunicação no processo gerencialA comunicação no processo gerencial
A comunicação no processo gerencial
Karynne Alves do Nascimento
 
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalAula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Prof. Leonardo Rocha
 

Semelhante a Aula17 (20)

T a_2_a04_e_5
T  a_2_a04_e_5T  a_2_a04_e_5
T a_2_a04_e_5
 
A D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ OA D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ O
 
teoriadacontingncia-140218115535-phpapp02.pdf
teoriadacontingncia-140218115535-phpapp02.pdfteoriadacontingncia-140218115535-phpapp02.pdf
teoriadacontingncia-140218115535-phpapp02.pdf
 
Administrao
AdministraoAdministrao
Administrao
 
Teorias de Administração - 1ª aula.pptx
Teorias de Administração - 1ª aula.pptxTeorias de Administração - 1ª aula.pptx
Teorias de Administração - 1ª aula.pptx
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Aula 5 marketing teoria da contingencia.
Aula 5 marketing teoria da contingencia.Aula 5 marketing teoria da contingencia.
Aula 5 marketing teoria da contingencia.
 
slidee.pptx
slidee.pptxslidee.pptx
slidee.pptx
 
TGA
TGATGA
TGA
 
Organizações mecanicistas x organizações flexíveis
Organizações mecanicistas x organizações flexíveisOrganizações mecanicistas x organizações flexíveis
Organizações mecanicistas x organizações flexíveis
 
Trabalho cap. 18 (final)
Trabalho cap. 18 (final)Trabalho cap. 18 (final)
Trabalho cap. 18 (final)
 
Teoria da contigencia
Teoria da contigenciaTeoria da contigencia
Teoria da contigencia
 
Apostila organização de empresa
Apostila organização de empresaApostila organização de empresa
Apostila organização de empresa
 
Aula 1 (2)
Aula 1 (2)Aula 1 (2)
Aula 1 (2)
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
gerenciamentodepessoasaula1-180301055901.pdf
gerenciamentodepessoasaula1-180301055901.pdfgerenciamentodepessoasaula1-180301055901.pdf
gerenciamentodepessoasaula1-180301055901.pdf
 
A comunicação no processo gerencial
A comunicação no processo gerencialA comunicação no processo gerencial
A comunicação no processo gerencial
 
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalAula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
 

Mais de Universidade Federal de Alfenas

Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdfMandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
Universidade Federal de Alfenas
 
Aula19 20
Aula19 20Aula19 20
Aula16
Aula16Aula16
Aula15
Aula15Aula15
Aula14
Aula14Aula14
Aula13
Aula13Aula13
Aula12
Aula12Aula12
Aula11
Aula11Aula11
Aula10
Aula10Aula10
Aula8
Aula8Aula8
Aula7
Aula7Aula7
Aula6
Aula6Aula6
Aula5
Aula5Aula5
Aula4
Aula4Aula4
Aula3
Aula3Aula3
Aula2
Aula2Aula2
Aula1
Aula1Aula1
Aula18
Aula18Aula18

Mais de Universidade Federal de Alfenas (18)

Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdfMandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
 
Aula19 20
Aula19 20Aula19 20
Aula19 20
 
Aula16
Aula16Aula16
Aula16
 
Aula15
Aula15Aula15
Aula15
 
Aula14
Aula14Aula14
Aula14
 
Aula13
Aula13Aula13
Aula13
 
Aula12
Aula12Aula12
Aula12
 
Aula11
Aula11Aula11
Aula11
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
Aula8
Aula8Aula8
Aula8
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Aula6
Aula6Aula6
Aula6
 
Aula5
Aula5Aula5
Aula5
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula4
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Aula2
Aula2Aula2
Aula2
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
Aula18
Aula18Aula18
Aula18
 

Último

filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Aula17

  • 1. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO – AULA 17 Hoje abordaremos uma teoria que teve como origem a Teoria dos Sistemas, mas aprofundou-se na complexidade da mente humana e na permanente situação de mudança do mundo administrativo. O assunto de hoje é a ABORDAGEM CONTINGENCIAL .
  • 2.
  • 3.
  • 4. 2. CONCEITOS A teoria das Contingências estabelece que situações diferentes exigem práticas diferentes, empregando o uso das teorias tradicionais, comportamentais e de sistemas separadamente ou combinadas. “ A visão de contingência procura entender as relações dentro e dentre os subsistemas, bem como entre a organização e seu ambiente, e procura definir padrões de relações ou configurações de variáveis”. (Fremont Kast & Rosenzweig)
  • 5. A palavra CONTINGÊNCIA significa algo incerto ou eventual , que pode suceder ou não, dependendo das circunstâncias . Quer dizer que determinado assunto pode ser considerado verdadeiro ou falso somente através do seu conhecimento pela experiência e pela evidência, e não pela razão. Não há nada absoluto nos princípios básicos de Administração! (POR ESSA VOCÊ NÃO ESPERAVA! OU ESPERAVA?) Dois fatores que afetam as estruturas das organizações e que são ênfases da TEORIA CONTINGENCIALISTA : Variações no AMBIENTE ou na TECNOLOGIA conduzem a variações na estrutura organizacional
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. 5. LINHA EVOLUTIVA DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS Ênfase Intra-Orgnanizacional Ênfase no Ambiente Clássica Rel. Humanas Burocracia Comportamental Estruturalista Sistemas P.O. Contingência Nem todas as contingências críticas foram identificadas. A teoria pode não ser aplicável a todas as questões administrativas. Limitações Identificou as principais contingências. Contestou os princípios universais da administração. Contribuições As contingências situacionais influenciam estratégias, estruturas e processos que resultam em alto desempenho. Existe mais de uma forma de se atingir um objetivo. Os administradores devem adaptar suas organizações à situação. Conceitos-chave
  • 12. 6. O HOMEM COMPLEXO A concepção contingencial focaliza o homem complexo que caracteriza-se por ter um sistema complexo de valores, percepções, características pessoais e necessidades. O homem é um ser transacional. O homem tem comportamento dirigido p/ objetivos. Os sistemas individuais não são estáticos. H. ADMINISTRATIVO HOMEM SOCIAL HOMEM ECONÔMICO HOMEM COMPLEXO
  • 13. 7. LIMITAÇÕES E CRÍTICAS Relacionamento casual: Outros elementos (desenho organizacional e sistemas de informação) influenciam o desempenho além da estrutura Desempenho organizacional: Multifacetado Variáveis independentes: Discutível (organização pode influenciar seu ambiente) Contingências múltiplas: diferentes padrões de fatores contingenciais têm implicações distintas para o desenho organizacional Mudança planejada: Modelos falham na ênfase das conseqüências não-previstas da mudança planejada Fatores de poder: Não determinadas por condições situacionais impessoais Velocidade da mudança organizacional: Dificuldade de mudar com freqüência a intervalos muito curtos
  • 14. CHIAVENATO, I . Introdução à teoria geral da Administração. 7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. MAXIMIANO , A. C. A. Teoria geral da Administração : da revolução urbana à revolução digital . São Paulo: Atlas, 2002 BIBLIOGRAFIA BÁSICA