SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
1
Caro Professor,
Em 2009 os Cadernos do Aluno foram editados e distribuídos a todos os estudantes da
rede estadual de ensino. Eles serviram de apoio ao trabalho dos professores ao longo de
todo o ano e foram usados, testados, analisados e revisados para a nova edição a partir
de 2010.
As alterações foram apontadas pelos autores, que analisaram novamente o material, por
leitores especializados nas disciplinas e, sobretudo, pelos próprios professores, que
postaram suas sugestões e contribuíram para o aperfeiçoamento dos Cadernos. Note
também que alguns dados foram atualizados em função do lançamento de publicações
mais recentes.
Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analise
as diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas.
Na primeira parte deste documento, você encontra as orientações das atividades
propostas no Caderno do Aluno. Como os Cadernos do Professor não serão editados em
2010, utilize as informações e os ajustes que estão na segunda parte deste documento.
Bom trabalho!
Equipe São Paulo faz escola.
2
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1
PRODUZINDO UMA CRÔNICA NARRATIVA
Caderno do Aluno de Língua Portuguesa – 5ª série/6º ano – Volume 2
Páginas 3 - 7
1.
NNoommee ddoo lliivvrroo aannaalliissaaddoo NNoommee ddoo jjoorrnnaall
aannaalliissaaddoo
NNoommee ddaa rreevviissttaa
aannaalliissaaddaa
Localizar e copiar o nome
do autor.
Localizar e copiar o nome
do autor, se houver.
Localizar e copiar o nome
do autor, se houver.
Descrever os elementos da
capa.
Descrição dos elementos da
1a
página.
Descrever os elementos da
capa.
Localizar índice, se houver,
e observar um critério para
sua composição.
Localizar índice e observar
um critério para sua
composição.
Localizar índice e observar
um critério para sua
composição.
Anotar quantidade de
páginas.
Anotar quantidade de
páginas.
Anotar quantidade de
páginas.
Observar as divisões;
observar se o aluno
relacionou com o índice.
Observar se há divisões;
observar se o aluno
relacionou com o índice.
Observar as divisões;
observar se o aluno
relacionou com o índice.
Indicar capítulos, autores e
textos diferentes.
Indicar grandes temas
(política, economia etc.)
Indicar grandes temas
(política, economia etc.)
A princípio, sim. Para ser
durável o papel da capa e
das páginas mais resistente
do que o de um jornal, por
exemplo.
Não. Por ser um material a
ser descartado diariamente.
Mais durável que o do
jornal, menos do que o do
livro. Pode ser guardado
(pela razoável durabilidade
do papel).
3
2.
a) O aluno deve apontar duas diferenças visuais entre jornais e revistas (tamanho,
papel, entre outras possibilidades).
b) Alternativa I.
c) Sim, há diferenças. O aluno pode pensar em vários critérios, desde a aparência
externa até algo da parte interna que já tenha observado.
d) Pessoal, mas conduza para que concluam que jornais tratam de informações
recentes; livros tratam de informações que vêm de pesquisas ou trazem gêneros
literários, como romances, crônicas, fábulas. Um bom romance pode despertar o
interesse de leitores por centenas de anos.
e) Por pouco tempo, pois o papel é facilmente deteriorado, solta tinta, o cheiro nem
sempre agrada, as pessoas não têm onde guardá-lo etc.
f) Provavelmente no livro, devido à quantidade de páginas. Mas pode ser que não
seja assim. Analisar a resposta do aluno e verificar sua coerência.
g) Podemos destacar a efemeridade de jornais e revistas e o caráter, em geral, mais
atemporal do livro, entre outras possibilidades.
h) Escolha os livros para levar em classe, tendo em vista dois critérios: devem ser
narrativas e, se possível, estar nos gêneros romance, crônica, conto e fábula.
3. O aluno deve selecionar um romance ou outro gênero que sirva como referência para
narrativa longa e uma crônica, conto, fábula ou outro gênero narrativo curto. Depois,
deve anotar o nome das obras e de seus autores.
4. Não, pois a prioridade desses veículos é informar sobre fatos e temas da atualidade.
5. Espera-se que o aluno localize uma crônica no jornal ou na revista. Para tanto, você
deve orientá-lo, analisando com ele o índice e observando onde esse gênero textual
costuma estar em jornais e revistas. Depois, o aluno deve anotar os dados pedidos.
6. Porque são textos escritos para oferecer entretenimento ao leitor e serem lidos
rapidamente, no mesmo dia da publicação.
7. Porque são narrativas que não foram feitas para serem lidas rapidamente ou só fazer
sentido naquele momento, como é frequente nas crônicas publicadas em jornais.
8.
a) O objetivo é que o aluno aponte pelo menos uma das características da narrativa:
narrador, personagem, espaço, tempo, conflito, desenrolar da narrativa, desfecho.
4
b) Observar se o aluno resgata as três características do gênero na crônica lida (1.
Narrativa curta; 2. Organizar acontecimentos banais do cotidiano em forma literária;
3. Possui tom leve, digestivo), com suas palavras.
c) Essa é uma atividade de aprendizagem entre pares, retomando elementos da
narrativa, discutindo e selecionando os que parecerem mais pertinentes à crônica
lida.
d) Com a mesma lógica do exercício anterior, os alunos trabalharão entre pares,
mas agora com toda a sala. Depois, socializarão a definição que a maioria considerar
mais clara. Se necessário, pode haver reescrita da resposta selecionada.
9.
I. A alternativa c.
II.
a) (V) Justificativa: o trecho selecionado corresponde a uma página do
livro, o que pode ser confirmado pela leitura da referência.
b) (V) Justificativa: não se sabe, por exemplo, para onde as personagens
vão.
c) (V) Justificativa: se Canela vai abraçar tio Arlindo e os primos, é sinal de
que se conhecem e estão se reencontrando, o que é confirmado quando o tio o
apresenta aos demais pescadores.
d) (F) Justificativa: Há uma pista gráfica - [...] - que indica que a narrativa
prossegue. Além disso, o último parágrafo lido não é conclusivo, descreve uma
cena que dá a entender que a narrativa continua.
10. O aluno deve formular uma síntese de características do gênero, mas elaborando
com suas palavras. Algumas características são: narrativa breve; temática; fatos do
cotidiano que muitos compartilham; poucas personagens; estratégias discursivas de
aproximação entre narrador e leitor; tom coloquial.
Oralidade
Páginas 8 - 10
1. Indicar pistas de que o texto A é uma narrativa mais longa do que a crônica. Uma
delas é a indicação, na referência, de apenas uma página. Outra, a indicação de que
se trata do Capítulo II do Tomo I.
5
2. Rever algumas características da crônica narrativa com os alunos para que eles
possam apontar duas no texto e explicá-las.
3. O texto C não é uma crônica narrativa, pois é uma fábula, narrativa em que animais
com comportamentos humanizados são os protagonistas.
Produção Escrita
Páginas 10 - 14
Passo 1
a) O aluno deve optar por um foco narrativo, tendo em vista uma intencionalidade.
Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha.
b) O esquema indica um encaminhamento para o enredo. Você deve, novamente,
estimular o aluno a refletir sobre sua intencionalidade.
Questões (c), (d), e (e) seguem a mesma lógica dos itens anteriores.
Passo 2
Professor, observe as dúvidas e faça as intervenções, explicando o que os alunos não
tiverem entendido.
Passo 3
Observar se o aluno compreendeu o conceito de parágrafo. Sugerimos o seguinte
conceito: é a parte de um texto que possui razoável autonomia de sentido, organizada a
partir de um subtema do texto. Cada um dos parágrafos é uma subdivisão do texto,
ocupando um espaço e seguindo uma ordem lógica destinada a facilitar o entendimento
do leitor. Cada parágrafo tem caráter progressivo, isto é, o conjunto de ideias que ele
contém parte de uma ideia central (ou tópico frasal) que desencadeia outras, destinadas
a esclarecer ou complementar a primeira.
Passo 4
Professor, observe se o aluno segue o esquema tradicional da narrativa, que é
progressivo: situação inicial (parágrafo inicial), conflito (parágrafo/parágrafos que
sucedem o inicial), desenrolar da narrativa (parágrafos que narram sucessivos
acontecimentos que compõem o corpo do texto narrativo), clímax (parágrafo/parágrafos
que descrevem o os acontecimentos mais emocionantes vividos pelo herói), desfecho
(resolução do conflito). Como, neste caso particular, a narrativa proposta é uma crônica,
6
verifique também se o aluno escolheu acontecimentos do cotidiano, humorísticos ou
não, para o desenrolar da história.
Passo 5
I. As perguntas servem como critério para avaliação do texto e possível conjunto de
pistas para a reescrita. Não há um gabarito específico pois os textos analisados por
meio dos itens a), b) e c) serão criados em sala.
II.
a) A ansiedade do menino para o passeio.
b) Só foi indicado o tópico frasal, faltam outras ideias para esclarecer o
leitor sobre a sequência de acontecimentos narrados.
c) O trecho seguinte deveria compor o parágrafo inicial, pois ainda faz parte
do tópico frasal: “Era o melhor passeio daquele ano, acho que talvez até o
melhor daqueles últimos anos. Eu não queria perder nada”.
d) O aluno deve copiar a versão criada pela classe para facilitar sua
reflexão.
e) Há dois tópicos.
f) A mãe achar que ele não deveria ir ao passeio, pois era caro.
g) O aluno deve copiar o texto para facilitar sua reflexão.
III. O aluno deve localizar o tópico frasal do texto do colega ou verificar se há mais
de um.
IV. O aluno deve orientar a reescrita do colega.
V. O aluno deve observar e comentar se o tópico frasal apresentado está
satisfatoriamente desenvolvido.
VI. Deve ser feita uma reescrita, com as indicações dadas pelo colega e por você,
professor.
Estudo da língua
Páginas 14 - 15
1. e 2. Escolha uma das frases grifadas e explique seu sentido aos alunos. Proceda como
nos exemplos a seguir:
• “(...) pequenas espumas que marcham alguns segundos e morrem(...)”
7
A marcha e morte das ondas (a ideia de marcha pode estar associada ao movimento
ritmado do mar, bem como o que será desenvolvido pelo nadador; já a morte parece
estar associada à ideia de ciclo que envolve a vida e as ondas).
• “(...) e as pequenas espumas que nascem e somem parecem ir mais depressa do
que ele.”
As ideias de “nascer” e “ir depressa” referem-se às espumas. O autor as personifica,
como se tivessem vontade própria.
• “(...) e o homem tem sua carne, seus ossos, seu coração, todo seu corpo a
transportar na água.”
O homem ser apresentado como “carne”, “ossos” e “coração” (separar o corpo em
partes pode sugerir seu movimento ritmado, desenvolvido, de forma harmônica, por
todas as suas partes).
• “Que ele atinja o telhado vermelho (...)”
A ideia de que o nadador atingirá o telhado apenas sob o ponto de vista ótico do
narrador. Na perspectiva em que ele vê o homem no mar, um telhado e um corpo em
movimento podem parecer próximos, o que pode criar uma imagem muito bonita.
3. No Brasil, os atos errados não geram consequências negativas para quem os pratica,
e tudo termina bem.
4. O aluno deve indicar outras frases comuns, usadas em sentido conotativo.
5. Observar se a resposta está coerente com o conceito de conotação, que são
expressões ou frases usadas em sentido figurado, que exigem do leitor uma
interpretação.
6. Observar se a resposta está coerente com o conceito de denotação, que ocorre quando
expressões ou frases devem ser compreendidas em seu sentido imediato, literal.
7. Professor, anote no quadro suas definições de conotação e denotação para que os
alunos comparem com as que escreveram.
Páginas 15 - 16
1. O aluno deve responder às perguntas indicadas. Você pode usar o exercício como
forma de avaliação, acompanhando o processo de ensino e aprendizagem e, a partir
de uma análise das respostas, observar o que está solidamente aprendido, o que
8
precisa ser retomado etc. Provavelmente, aspectos próprios de algumas crônicas
como “tom leve” e “uso econômico de elementos da narrativa” precisarão ser
retomados por serem muito abstratos para a faixa etária.
2. Você deve selecionar dois textos; um deles deve, obrigatoriamente, ser uma crônica
narrativa, para que o aluno possa analisá-lo de acordo com as características do
gênero.
3. Apesar de ser uma narrativa, desenvolve seus elementos de forma mais ampla, não
concluindo o enredo. As marcas de tempo e espaço também indicam que a história
vai continuar.
4. O aluno deve retomar as características da crônica narrativa.
5. É uma fábula, pois é uma narrativa muito breve em que os protagonistas são animais,
vivendo situações humanizadas.
6. Você deve indicar todos os exercícios complementares sobre denotação e conotação que
julgar pertinentes.
9
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2
CONTANDO UMA HISTÓRIA DE UM JEITO DIFERENTE
Páginas 16 - 18
2.
a) Sim, pois o texto apresenta as características dessa tipologia como enredo,
personagens, foco narrativo, marcas de tempo e espaço.
b)
OO ffooccoo nnaarrrraattiivvoo eessttáá eemm pprriimmeeiirraa oouu
tteerrcceeiirraa ppeessssooaa??
1ª pessoa.
QQuuaaiiss ssããoo ooss aaccoonntteecciimmeennttooss bbáássiiccooss
ddoo eennrreeddoo??
O narrador vinha dormindo muito,
aumentando seu prazer em realizar esse
ato. Até que “você” aparece em seus
sonhos e então ele perde o prazer de
dormir.
EEmm qquuee eessppaaççoo((ss)) aa hhiissttóórriiaa ooccoorrrree??
O espaço é indeterminado, um em que se
possa dormir.
GGrriiffee aass mmaarrccaass ddee ppaassssaaggeemm ddoo
tteemmppoo.. QQuuaannttoo aa hhiissttóórriiaa ppaarreeccee
dduurraarr??
“Dormi dias inteiros, semanas até, longas
tardes”. “ Nos últimos tempos”, “ nessas
horas”. A história parece durar semanas.
PPooddeemmooss ccoonnssiiddeerraarr oo ““vvooccêê””,, aa
qquueemm oo nnaarrrraaddoorr ssee ddiirriiggee,, uummaa
ppeerrssoonnaaggeemm??
Podemos considerar uma personagem, pois
esteve presente nos sonhos e os sonhos têm
estrutura semelhante às narrativas. Além
disso, a personagem interagiu com o
sonhador, já que o fez perder o último
prazer.
c) Provavelmente dormia por desilusão amorosa, para esquecer “você”. Quando
“você”, ou a pessoa amada perdida, aparece nos sonhos, ele acha inútil continuar
dormindo.
10
3.
a) Pode ser observada a presença de uma espécie de narrador, alguns elementos de
enredo, vividos por figuras que podem ser entendidas como personagens, e trechos
que despertam o imaginário do leitor.
b) A história começa com Vital cansado de andar a pé. Aparece o desejo inicial de
comprar a moto e um conflito, pois o pai é contra a compra. Vital acaba comprando a
moto e se sente bem. A sequência termina com Vital indo de moto a um show dos
Paralamas, para se encontrar com uma prima que já está na cidade.
c) Há alguns usos conotativos como “mais que união feliz”, “a vida em duas rodas
era tudo o que ele sempre quis”, “Vital passou a se sentir total, com seu sonho de
metal”.
4.
a) a f) Verifique se os alunos reconheceram os elementos da narrativa no texto que você
escolheu.
5.
CCaarraacctteerrííssttiiccaass CCaarraacctteerrííssttiiccaass ddee nnaarrrraattiivvaass eemm tteexxttooss mmuussiiccaaiiss,, vviissuuaaiiss,,
aauuddiioovviissuuaaiiss eettcc..
1a
É construída, pelo menos em parte, pela combinação dos elementos da
narrativa.
2a
É uma sequência de acontecimentos, vividos por personagens, não
necessariamente construídos com palavras; além disso, a história não
precisa ser apresentada por completo, com todos os seus fatos.
3a
Os acontecimentos vividos devem ser apresentados como ficção, pois
estão a serviço da imaginação, estimulando-a.
Oralidade
Página 18
a) a d) Verifique se os alunos reconheceram os elementos da narrativa no filme que
você escolheu.
11
e)Nesse momento, o aluno deve retomar os elementos da narrativa e, ao final, criar
hipóteses de sentido, isto é, encontrar passagens que estimulam sua imaginação, para
eles, coerentes com o filme.
Produção escrita
Páginas 18 - 20
2.
Passo 1
• Trata-se da história de um adolescente e sua família que passa por dificuldades
materiais.
Passo 2
• Espera-se que o aluno indique um dos três traços de narratividade indicados e
mostre-o na letra da música.
Passo 3
QQuuaall aa sseeqquuêênncciiaa ddee
aaccoonntteecciimmeennttooss ddoo
tteexxttoo??
IInnddiiqquuee mmaarrccaass ddee
ppaassssaaggeemm ddee tteemmppoo,, ddee
eessppaaççoo ee ccoonnfflliittooss
((eelleemmeennttoo lliiggaaddoo aaoo
eennrreeddoo)) nnoo tteexxttoo..
OO tteexxttoo,, ppoorr tteerr
ccaarráátteerr ffiicccciioonnaall,,
aapprreesseennttaa uussooss
ccoonnoottaattiivvooss ddaa
lliinngguuaaggeemm.. QQuuaaiiss??
- Há a história do pai de
Marvin, que trabalha
muito, mas não consegue
sustentar a família.
- O pai morre e deixa com
Marvin a responsabilidade
de cuidar da família.
- Marvin passa a trabalhar
muito; às vezes, gostaria
de fugir, mas lembra-se
das palavras do pai, que
fez uma espécie de
profecia de seu destino.
- Marvin faz as vezes de
uma espécie de narrador
de sua própria história.
- Há marcas claras de
passagem de tempo
quando o pai morre e
quando a mãe morre.
- Há vários conflitos no
texto: a morte do pai, a
perda da colheita, a morte
da mãe
- A presença de elementos
espaciais ajuda no
- Há pequenos trechos
conotativos, como “os
anjos levaram minha mãe
pelas mãos”.
12
- Um dia, uma chuva forte
acaba com a plantação.
- A situação da família
está cada vez mais difícil.
- A mãe de Marvin morre
e ele se lembra do que o
pai lhe disse.
desenvolvimento do
enredo (como a referência
à colheita ou despesas do
lar; “trabalhando feito um
burro nos campos”
Passo 4
a) O aluno deve optar por um foco narrativo, tendo em vista uma intencionalidade.
Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha.
b) O aluno deve organizar uma sequência de acontecimentos, tendo em vista uma
intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha.
c) O aluno deve criar algumas personagens, tendo em vista uma intencionalidade.
Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha.
d) O aluno deve organizar os fatos em uma sequência no tempo, tendo em vista
uma intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha.
e) O aluno deve construir algumas ambientações, tendo em vista uma
intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha.
Passo 5
Orientar os alunos para o uso adequado dos elementos do gênero história em
quadrinhos: narrativa construída por meio de imagens em sequência temporal; uso de
balões com textos que expressam emoções, sentimentos das personagens ou diálogos
entre elas; conteúdos dos balões adequados às expressões das personagens
desenhadas.
Estudo da língua
Páginas 20 - 21
1. As palavras que devem ser usadas são: expectativa, aguardar, decisão, sessão e mal.
Acreditamos que os alunos darão mais destaque às duas primeiras, pois a forma
como foram grafadas dificulta o entendimento do leitor. No caso dos outros termos,
“decisão” apresentou um desvio que não compromete o sentido, mas que não deve
ser usado na variedade padrão da língua. No caso das duas últimas, o problema é que
13
os termos usados estão escritos em sentido diferente da grafia empregada. Destaque
todos esses aspectos com os alunos, explicando o porquê de cada correção.
2. Alternativa a.
3. Iniciando com a divisão silábica, você pode começar fazendo uma sondagem,
levantando o que sabem sobre o assunto e colocando na lousa. Se, nesse momento,
você achar oportuno, coloque as situações que geram problemas (como hiatos,
dígrafos, ditongos, tritongos etc.). Colocar ou não esses casos agora vai depender do
retorno que você obtiver dos alunos na sondagem. Caso não tenham critérios para
divisão silábica, você pode, gradativamente, apresentar os temas, juntamente com
exercícios do livro ou de uma gramática com exercícios.
4. Esse exercício deve ser visto como uma sistematização das discussões feitas em sala,
a partir do tema “divisão silábica”.
5. Você deve apresentar pequenos textos para que os alunos discutam as divisões
silábicas apresentadas e comentar as ocorrências de acordo com a sistematização
feita. É preferível não usar textos reais de alunos, para não criar situações
constrangedoras.
Página 21 - 22
1.
a) O aluno deve anotar o título da charge (se houver) e o nome do autor.
b) O aluno deve indicar personagens presentes na charge.
c) O aluno deve indicar os espaços presentes na charge.
d) O aluno deve indicar marcadores de passagem de tempo da charge, verbais ou
não.
e) O aluno deve indicar as ações das personagens.
f) O aluno deve localizar e interpretar trechos conotativos, se houver.
2 e 3. Verifique se os alunos fizeram as atividades conforme sua indicação e se as
resolveram adequadamente.
14
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3
VEJA ESSA CANÇÃO
Página 22 - 24
2. Essa é uma pergunta de sondagem para iniciar o estudo do gênero letra de música.
3. Ainda o processo de sondagem sobre o gênero letra de música, mas com interação
entre pares.
4. Observar se o aluno consegue mostrar as características que apontou no item anterior
na letra da música.
5. Observar se o aluno consegue mostrar as características que apontou no exercício 3
anterior na letra da música.
6. Grifar todas as rimas da letra da música.
7. Observar se o aluno foi capaz de elaborar o conceito de rima externa. Professor,
sugerimos repetição de som ao final de dois ou mais versos.
8. O aluno deve criar rimas, sem preocupação com o sentido.
9. O efeito mais imediato é o humor, mas é preciso observar outros comentários dos
alunos, do ponto de vista da pertinência.
10. Aqui o aluno se preocupa só com coerência, não com o ritmo e a rima. Assim,
perceberá, provavelmente, que esses elementos fazem falta à música.
11. O efeito mais imediato é a perda da rima, mas é preciso observar outros
comentários dos alunos, do ponto de vista da pertinência.
12. Solicita-se que o aluno apenas localize a conotação no texto: “O tempo é rei, a vida
é uma lição”.
15
13.
MMúússiiccaa CCaarraacctteerrííssttiiccaass ddoo ggêênneerroo lleettrraa ddee
mmúússiiccaa
1a
As letras de música são poemas
musicados.
2a
A letra das canções é organizada em certo
ritmo, formado pela melodia da música.
3ª Em muitas letras, as palavras são rimadas,
ou seja, seus finais apresentam sons
parecidos.
4a
Há, em geral, um forte apelo conotativo
nesses textos.
5a
Esses traços aparecem em letras de
música compostas em estilos muito
diferentes.
Produção Escrita
Página 24
O objetivo da atividade é produzir uma nova letra para a mesma melodia, portanto
deve existir, além da mudança de sentido, uma preocupação com o trabalho sonoro, de
entonação e melodia.
Estudo da língua
Página 24 - 27
1.
a) Exercício de sondagem sobre o conceito de verbo: palavras que expressam
ações, fenômenos ou estados. Ações: comer, andar, trabalhar. Fenômenos: ventar,
chover. Estados: ser, estar.
b) Observar se o aluno compreendeu o conceito de verbo em comparação com o
que havia escrito.
16
c) Professor, primeiramente observe se o aluno compreendeu o conceito de locução
verbal ao realizar as atividades: verbos que aparecem juntos em uma frase e indicam
uma só ação. Depois dessa etapa, você pode formalizar a definição: locução verbal é
um expressão formada por mais de um verbo que funcionam juntos para expressar
uma só ação.
Pensamos que os alunos desta série ainda são muito jovens para compreender, de
fato, o conceito completo de locução verbal. Se achar conveniente, explique a
formação: verbo auxiliar + verbo principal em forma nominal (infinitivo, particípio
ou gerúndio). Nesse caso, será preciso explicar o que é forma nominal e quais são os
tipos de verbos auxiliares existentes em língua portuguesa:
1. de tempo: ser, estar, ter, haver, ir e andar;
2. com valor modal, isto é, indicam necessidade, probabilidade: dever, querer,
poder, necessitar;
3. com valor aspectual, isto é, os que indicam como a ação acontece: começar,
pôr, continuar.
d) Observar se o aluno compreendeu o conceito de locução verbal em comparação
com o que havia escrito.
e) O aluno deve localizar e grifar as locuções verbais presentes no texto (ver
Caderno do Professor, página 35).
2.
a) Alternativa I.
b) Observar se o aluno compreendeu sua explicação sobre o Modo Indicativo e
retomar, se necessário: esse modo indica certezas sejam elas ( sobre ações que estão
acontecendo, presente ), já acontecidas ( passado), ou que vão acontecer ( futuro).
3.
a) Alternativa II.
b) Observar se o aluno compreendeu sua explicação sobre o Modo Subjuntivo e
retomar, se necessário: subjuntivo é o modo que usamos para expressar
possibilidades em hipóteses.
4.
a) Alternativa I.
b) Observar se o aluno compreendeu sua explicação sobre o Modo Imperativo e
retomar, se necessário: esse modo é usado para orientar a conduta do outro.
17
Página 27
1. O aluno deve grifar as rimas do texto.
2. O aluno deve preocupar-se com o som, deixando de lado o sentido.
3. O efeito mais imediato é o humor, mas é preciso observar outros comentários dos
alunos, do ponto de vista da pertinência.
4. O aluno deve, agora, preocupar-se com o sentido, em detrimento do som.
5. O efeito mais imediato é a perda da rima, mas é preciso observar outros comentários
dos alunos, do ponto de vista da pertinência.
6. A primeira mantém as rimas e, provavelmente, o ritmo; a segunda preocupa-se com a
manutenção do sentido, portanto deve apresentar maior coerência.
7. O eu lírico, sem a amada, sente-se incompleto. Por isso essas expressões de caráter
conotativo.
“Avião sem asas” – Avião que não consegue voar.
“Fogueira sem brasa” – Fogo incapaz de exercer sua função de aquecimento.
“Futebol sem bola” – Esporte sem um de seus elementos fundamentais.
“Vão poder falar por mim” – É como se os alto-falantes fossem os transmissores dos
sentimentos do eu lírico.
“Circo sem palhaço” – O palhaço é considerado por muitos como a principal atração
do circo, pois lhe dá a graça.
“To louca pra te ter nas mãos” – não vê a hora de apossar-se de seu amor.
“Deitar no teu abraço” – Imagem de aconchego.
“Retomar o pedaço” – É como se o outro fosse uma parte do eu lírico.
“Que falta no meu coração” – É como se o outro fosse uma parte do do eu lírico.
“Eu não existo longe de você” – Não existir é imagem para demonstrar toda a tristeza
e falta de perspectiva do eu lírico sem seu amor.
“E a solidão é meu pior castigo” – Ficar sem o outro é entendido como uma forma de
ser castigado.
“Mas o relógio tá de mal comigo” – o tempo sem o amor parece não passar
18
Página 27
1. O aluno deve indicar estilos como rock, samba, rap etc.
2. O aluno deve pesquisar a definição dos estilos indicados no item anterior, anotando
as fontes de onde retirou as informações.
Página 28
Indicar os exercícios suplementares que considerar pertinentes.
19
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4
ESCOLHENDO TRILHA SONORA
Página 28 - 30
1.
a) 3a
pessoa.
b) Um rapaz e uma moça (Celeste).
c) Parecem estar em um restaurante ou bar, conversando: uma indicação é que a
personagem “olhava para outras mesas...”.
d) Não sabemos. Ele quer dizer algo e ela está distraída, mas depois presta atenção.
e) Ele parecia nervoso, ansioso: “Ele olhava para ela e não sabia o que dizer... Era
um momento importante, delicado, era preciso escolher bem as palavras. Suas mãos
estavam trêmulas, seu coração batia um pouco mais rápido, e, vez por outra, mordia
o lábio inferior”.
f) Ela está distraída, olhando as outras mesas.
g) Ele pode, por exemplo, pedi-la em casamento ou terminar o relacionamento ou
outra opção qualquer, mas precisa ser algo relevante.
2.
a) Provavelmente final feliz, porque a música de fundo é alegre.
b) Talvez seja triste, porque a música de fundo parece menos animada.
c) Ela pode interferir no sentido e induzir a forma de interpretar o texto.
Oralidade
Páginas 30 - 31
1. Professor, escolha um texto em que haja várias ações, seguindo as principais com os
alunos e, então, discuta a(s) cena(s) com eles.
2.
a) Os alunos devem criar algumas personagens, tendo em vista uma
intencionalidade. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas escolhas.
20
b) Os alunos devem estabelecer posicionamentos e atitudes para as personagens,
tendo em vista a intencionalidade da cena. Você deve estimulá-los a refletir sobre
suas escolhas.
c) Os alunos devem estabelecer uma sequência de ações para suas personagens,
tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas
escolhas.
d) Os alunos devem escolher alguns elementos para composição do cenário, tendo
em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas escolhas.
e) Os alunos devem escolher os figurinos das personagens, tendo em vista uma
intencionalidade. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas escolhas.
Estudo da língua
Página 31 - 32
1.
a) O aluno deve grifar as palavras que, de alguma forma, lhe causam estranheza.
b) A partir dos termos que você tem destacado no Caderno do Professor (termos
que não são compreendidos pelo contexto) e das palavras que o aluno destacou no
exercício anterior, veja o que pode ser explicado pelo contexto.
c) Essa resposta dependerá do repertório dos alunos, mas indicamos web site,
home-page, gigabytes, orixá, hacker e videopôquer.
d) Também dependerá do repertório do aluno, mas imaginamos que tietes seja um
exemplo desse grupo.
e) Destacar a junção entre “informar” e “mar”, gerando um substantivo para a
expressão “mar de informação”. Incentivar os alunos a pensar em outros exemplos,
de músicas e propagandas, como ocorre na música de Djavan, que diz “como querer
caetanear o que há de bom”.
21
2.
PPrroocceeddiimmeennttooss ppaarraa ccoommpprreeeennssããoo ddee ppaallaavvrraass ddee uumm tteexxttoo
1º Procurar uma hipótese de sentido para a palavra dentro do contexto.
2º Observar que os termos em maiúscula indicam nomes próprios de
pessoas, lugares etc. Isso já pode ser uma primeira estratégia para uma
compreensão mínima desses termos no texto.
3º Procurar em nosso repertório de conhecimentos sobre a vida e o mundo,
para ver se, fora do contexto textual, já conhecemos algo sobre aquele
termo.
4º Observar semelhanças entre termos “novos” e termos já conhecidos.
5º Procurar o termo no dicionário ou em uma enciclopédia.
Página 32
O aluno deve pesquisar as informações indicadas, usando-as como critério de seleção
em suas buscas.
22
SITUAÇÃO DE PARENDIZAGEM 5
SISTEMATIZAÇÃO
Páginas 34 - 36
1.
TTííttuulloo ddaa ccrrôônniiccaa sseelleecciioonnaaddaa
Anotar o título da crônica selecionada.
TTeennddoo eemm vviissttaa qquuee uummaa ccrrôônniiccaa éé uumm
tteexxttoo ccuurrttoo,, eessccoollhhaa uumm eelleemmeennttoo ddaa
nnaarrrraattiivvaa ee ccoommeennttee ssuuaa pprreesseennççaa nnoo
tteexxttoo
O aluno deve escolher um dos cinco
elementos da narrativa e analisar como ele
funciona no texto.
QQuuaall oo tteemmaa ddoo ccoottiiddiiaannoo qquuee aa
ccrrôônniiccaa eessccoollhhiiddaa ddeesseennvvoollvvee??
O aluno deve indicar um tema central
desenvolvido na crônica. Você deve observar
e comentar se não são indicados temas
paralelos.
SSeelleecciioonnee ee ttrraannssccrreevvaa dduuaass ppaassssaaggeennss
ddoo tteexxttoo qquuee ddeemmoonnssttrraamm sseeuu ttoomm lleevvee,,
oouu sseejjaa,, ddee ccoonnvveerrssaa ccoomm lleeiittoorr..
O aluno deve selecionar dois trechos e
transcrevê-los, tendo como critério a leveza
da crônica.
2.
QQuuaall oo ttííttuulloo ddoo tteexxttoo ee eemm qquuee
ggêênneerroo eellee ffooii eessccrriittoo??
Indicar o título do texto e indicar seu gênero.
Caso o aluno não consiga definir o gênero,
indique características desse gênero que
sirvam como pistas. Discuta-as com a classe e,
posteriormente, dê o nome do gênero.
OO nnaarrrraaddoorr eessttáá eemm pprriimmeeiirraa oouu
tteerrcceeiirraa ppeessssooaa??
Indicar se o foco narrativo está em primeira ou
terceira pessoa.
HHáá mmaarrccaass ddee ppaassssaaggeemm ddee tteemmppoo??
QQuuaaiiss??
Indicar as marcas de passagem de tempo
presentes no texto.
HHáá mmaarrccaass ddee mmuuddaannççaa ddee eessppaaççoo??
QQuuaaiiss??
Indicar as marcas espaciais presentes no texto.
23
QQuuaaiiss ssããoo aass ppeerrssoonnaaggeennss??
Indicar as personagens presentes no texto.
QQuuaaiiss aaccoonntteecciimmeennttooss pprriinncciippaaiiss aa
hhiissttóórriiaa ddeesseennvvoollvveeuu??
Indicar os principais acontecimentos do
enredo.
3. Retomar as três características de textos narrativos (é construído, pelo menos em
parte, pela combinação dos elementos da narrativa; é uma sequência de
acontecimentos, vividos por personagens, não necessariamente construídos com
palavras. Os acontecimentos vividos devem ser apresentados como ficção, pois estão
a serviço da imaginação, estimulando-a.
Página 36
1. O aluno deve criar uma nova versão da letra de música selecionada, preocupando-se
com os aspectos sonoros (melodia, rima, ritmo) em detrimento do sentido original.
2. Indicar os exercícios complementares que julgar pertinentes.
Páginas 36 - 38
1. Alternativa c.
2. Alternativa e.
3. Observar se o aluno aponta uma, duas ou as três características indicadas (presença
de elementos da narrativa, narrativa baseada em tema cotidiano, narrativa escrita em
tom leve, de conversa).
4. Alternativa c.
5. Trechos mais propícios para análise:
“Misturando o mundo inteiro
Vamos vê no que é que dá...”
Música, aqui, é conotativo, pois o resultado é a mistura entre os povos,
miscigenação etc.
“A tribo se balançar
E o chão da terra tremer”
24
A tribo balançar o chão talvez diga respeito à empolgação, à força da
coletividade entre outras interpretações.
Exercícios complementares
Página 38
O aluno deve organizar uma crônica, pondo em funcionamento as características
do gênero estudado no bimestre, bem como mantendo um diálogo intertextual com a
letra da canção. Nesse sentido, sugerimos que você selecione uma letra com alto grau de
narratividade.
 
AJUSTES
Caderno do Professor de Língua Portuguesa – 5ª série/6º ano – Volume 2
Professor, a seguir você poderá conferir alguns ajustes. Eles estão sinalizados a cada
página.
45
Língua Portuguesa - 5a
série - Volume 2
Proposta de questões para aplicação em avaliação
O texto Um dia no aeroporto servirá de base
para a resolução das questões 1, 2 e 3.
Um dia no aeroporto
Quando era criança, tinha loucura para
visitar um aeroporto. A televisão ainda era
uma novidade e só tinha visto aviões nas
telas da TV. Nessa época, ficava pensando
assim: será que essas imagens são de verda-
de? Será que não é mentira, invencionice de
alguém, um truque, sei lá...
Um dia, sem mais nem menos, minha
família resolveu fazer uma visita a um
aeroporto. Foi uma alegria só, mal podia
esperar pra chegar e ver se tudo aquilo
era verdade. Naquele tempo, a gente po-
dia chegar perto da pista, pois havia uma
espécie de “posto de observação” que fica-
va a uma distância segura, mas próxima,
como o pessoal que vai ver corrida de Fór-
mula 1.
Adorei e me senti no céu. Cada um que
subia, a cabeça ia junto, não sei pra que des-
tino, mas isso não importava.
Quer saber? Foi bom descobrir que os
aviões da tela de TV eram verdadeiros...
Elaborado especialmente para o São Paulo faz escola.
1. O texto Um dia no aeroporto é uma crônica
narrativa, pois:
a)	 apresenta informações sobre um fato ocor-
rido no Brasil, em 1970.
b)	 argumenta com o leitor sobre a importân-
cia da aviação aérea.
c) 	aborda um tema cotidiano para os habitantes
de uma grande cidade nos dias atuais.
d)	 demonstra a opinião de seu autor sobre o
tema “a crise aérea brasileira”.
e)	 descreve a situação atual dos aeroportos
brasileiros.
2.	 No trecho “Adorei e me senti no céu. Cada
um que subia, a cabeça ia junto, não sei pra
que destino [...]”, temos um uso conotativo
da linguagem, pois:
a)	 “adorei”, nesse contexto, está sendo enten-
dido como sinônimo de gostar.
b)	 “céu”, nesse contexto, está sendo entendi-
do como sinônimo de cobertura.
c)	 “destino”, nesse contexto, está sendo en-
tendido como sinônimo de futuro.
d)	 “subia”, nesse contexto, está sendo en-
tendido como sinônimo de “subir à cabe-
ça”.
e) 	“cabeça”, nesse contexto, está sendo enten-
dido como sinônimo de imaginação.
3. Com base na análise de um traço caracte-
rístico do gênero, justifique por que esse
texto pode ser classificado como “crônica
narrativa”.
Espera-se, nessa atividade, que o aluno
aponte alguma característica do gênero
“crônica narrativa” e saiba demonstrá-lo
dentro do texto.
46
A música Festa servirá de base para a resolução das questões 4 e 5.
Festa
Ivete Sangalo
Composição: Anderson Cunha
Festa no gueto
Pode vir, pode chegar
Misturando o mundo inteiro
Vamo vê no que é que dá...
Hoje tem
Festa no gueto
Pode vir, pode chegar
Misturando o mundo inteiro
Vamo vê no que é que dá...
Tem gente de toda cor
Tem raça de toda fé
Guitarras de rock’n’roll
Batuque de candomblé
Vai lá, pra ver...
A tribo se balançar
E o chão da terra tremer
Mãe Preta de lá mandou chamar
Avisou! Avisou! Avisou! Avisou!...
Que vai rolar a festa
Vai rolar!
O povo do gueto
Mandou avisar... (2x)
(...)
Festa. Anderson Cotrim Cunha. Universal Music Publishing.
4. Trata-se de uma letra de música, pois:
a)	 prescreve uma forma para dançar (“A tribo
se balançar”).
b)	 indica que os convidados da festa foram
chamados (“Avisou! Avisou! Avisou! Avi-
sou!...”).
c)	 apresenta organização de rimas (fé/can-
domblé, balançar/chamar) que correspon-
de ao ritmo da canção.
d)	informa sobre uma festa (“Festa no
gueto”).
e)	 discute questões religiosas (fé/candom-
blé).
5. Há algum trecho nesse texto que desper-
ta seu imaginário, uma vez que trabalha
a linguagem de forma conotativa? Qual?
Por quê?
Espera-se que eles destaquem trechos como:
“Misturando o mundo inteiro / Vamo vê no
que é que dá...” ou “A tribo se balançar / E
o chão da terra tremer”, e sejam capazes de
explicar, de alguma maneira, que os trechos
selecionados têm sentido figurado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Olimpíadas de Língua Portuguesa 2016
Olimpíadas de Língua Portuguesa 2016Olimpíadas de Língua Portuguesa 2016
Olimpíadas de Língua Portuguesa 2016Alberto Hans Hans
 
Crônica na sala de aula.
Crônica na sala de aula.Crônica na sala de aula.
Crônica na sala de aula.João da Silva
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidosimonclark
 
Plano de aula aula 05-06
Plano de aula   aula 05-06Plano de aula   aula 05-06
Plano de aula aula 05-06Jocélio Lima
 
Escrita coletiva na eja
Escrita coletiva na ejaEscrita coletiva na eja
Escrita coletiva na ejaCláudia Cacal
 
4 comparativo de metas curriculares - educação literária
4  comparativo de metas curriculares - educação literária4  comparativo de metas curriculares - educação literária
4 comparativo de metas curriculares - educação literáriaAntónio Fernandes
 
Diretoria de catanduva
Diretoria de catanduvaDiretoria de catanduva
Diretoria de catanduvapcopmaze
 
Planejamento do pnaic março a julho
Planejamento do pnaic março a julhoPlanejamento do pnaic março a julho
Planejamento do pnaic março a julhosilvanapinto2013
 
1 planificacao anual_e_trimestral_editavel_Portugues_10
1 planificacao anual_e_trimestral_editavel_Portugues_101 planificacao anual_e_trimestral_editavel_Portugues_10
1 planificacao anual_e_trimestral_editavel_Portugues_10Liliana Ferreira
 
Planificacao anual português8ano cascais
Planificacao anual português8ano cascaisPlanificacao anual português8ano cascais
Planificacao anual português8ano cascaisMafalda Sadio
 
Metas 2 ano_lp_mt
Metas 2 ano_lp_mtMetas 2 ano_lp_mt
Metas 2 ano_lp_mtPaula Bento
 
Seqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfaSeqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfaJuliane Silva
 
Situação de aprendizagem
Situação de aprendizagemSituação de aprendizagem
Situação de aprendizagemTania Furlanis
 
Planificação anual e trimestral
Planificação anual e trimestral Planificação anual e trimestral
Planificação anual e trimestral carla lopes
 
Plano de aula contos infantis
Plano de aula contos infantisPlano de aula contos infantis
Plano de aula contos infantisaless1974
 
Sequência Didática - O Pulo do gato para 5° ano
Sequência Didática - O Pulo do gato para 5° anoSequência Didática - O Pulo do gato para 5° ano
Sequência Didática - O Pulo do gato para 5° anoBianca Zanocini
 
Pnaic 5ª aula objetivos gerais ciclo 1 especif de aprendiz 3º fad power point
Pnaic 5ª aula objetivos gerais ciclo 1 especif de aprendiz 3º  fad power pointPnaic 5ª aula objetivos gerais ciclo 1 especif de aprendiz 3º  fad power point
Pnaic 5ª aula objetivos gerais ciclo 1 especif de aprendiz 3º fad power pointtlfleite
 

Mais procurados (19)

Olimpíadas de Língua Portuguesa 2016
Olimpíadas de Língua Portuguesa 2016Olimpíadas de Língua Portuguesa 2016
Olimpíadas de Língua Portuguesa 2016
 
Crônica na sala de aula.
Crônica na sala de aula.Crônica na sala de aula.
Crônica na sala de aula.
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigido
 
Adcp3
Adcp3Adcp3
Adcp3
 
Plano de aula aula 05-06
Plano de aula   aula 05-06Plano de aula   aula 05-06
Plano de aula aula 05-06
 
Escrita coletiva na eja
Escrita coletiva na ejaEscrita coletiva na eja
Escrita coletiva na eja
 
4 comparativo de metas curriculares - educação literária
4  comparativo de metas curriculares - educação literária4  comparativo de metas curriculares - educação literária
4 comparativo de metas curriculares - educação literária
 
Diretoria de catanduva
Diretoria de catanduvaDiretoria de catanduva
Diretoria de catanduva
 
Planejamento do pnaic março a julho
Planejamento do pnaic março a julhoPlanejamento do pnaic março a julho
Planejamento do pnaic março a julho
 
1 planificacao anual_e_trimestral_editavel_Portugues_10
1 planificacao anual_e_trimestral_editavel_Portugues_101 planificacao anual_e_trimestral_editavel_Portugues_10
1 planificacao anual_e_trimestral_editavel_Portugues_10
 
Planificacao anual português8ano cascais
Planificacao anual português8ano cascaisPlanificacao anual português8ano cascais
Planificacao anual português8ano cascais
 
Metas 2 ano_lp_mt
Metas 2 ano_lp_mtMetas 2 ano_lp_mt
Metas 2 ano_lp_mt
 
Seqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfaSeqdidaticas ef alfa
Seqdidaticas ef alfa
 
Leitura no eja
Leitura no ejaLeitura no eja
Leitura no eja
 
Situação de aprendizagem
Situação de aprendizagemSituação de aprendizagem
Situação de aprendizagem
 
Planificação anual e trimestral
Planificação anual e trimestral Planificação anual e trimestral
Planificação anual e trimestral
 
Plano de aula contos infantis
Plano de aula contos infantisPlano de aula contos infantis
Plano de aula contos infantis
 
Sequência Didática - O Pulo do gato para 5° ano
Sequência Didática - O Pulo do gato para 5° anoSequência Didática - O Pulo do gato para 5° ano
Sequência Didática - O Pulo do gato para 5° ano
 
Pnaic 5ª aula objetivos gerais ciclo 1 especif de aprendiz 3º fad power point
Pnaic 5ª aula objetivos gerais ciclo 1 especif de aprendiz 3º  fad power pointPnaic 5ª aula objetivos gerais ciclo 1 especif de aprendiz 3º  fad power point
Pnaic 5ª aula objetivos gerais ciclo 1 especif de aprendiz 3º fad power point
 

Destaque

Caderno doprofessor 2014_vol1_baixa_lc_linguaportuguesa_em_2s
Caderno doprofessor 2014_vol1_baixa_lc_linguaportuguesa_em_2sCaderno doprofessor 2014_vol1_baixa_lc_linguaportuguesa_em_2s
Caderno doprofessor 2014_vol1_baixa_lc_linguaportuguesa_em_2sE.E. Mario Martins Pereira
 
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova BrasilProva de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova BrasilCláudia Santos
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosMarcos Ataide
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSilvânia Silveira
 

Destaque (6)

O galo e a raposa
O galo e a raposaO galo e a raposa
O galo e a raposa
 
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinasAap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
Aap 6º ano_-_todas_as_disciplinas
 
Caderno doprofessor 2014_vol1_baixa_lc_linguaportuguesa_em_2s
Caderno doprofessor 2014_vol1_baixa_lc_linguaportuguesa_em_2sCaderno doprofessor 2014_vol1_baixa_lc_linguaportuguesa_em_2s
Caderno doprofessor 2014_vol1_baixa_lc_linguaportuguesa_em_2s
 
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova BrasilProva de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
Prova de Língua Portuguesa conforme Descritores da Prova Brasil
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textos
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
 

Semelhante a Análise das alterações nos Cadernos do Aluno

OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13marOT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13marClaudia Elisabete Silva
 
Orientações e resoluções das atividades de aplicação ensino médio - novo en...
Orientações e resoluções das atividades de aplicação   ensino médio - novo en...Orientações e resoluções das atividades de aplicação   ensino médio - novo en...
Orientações e resoluções das atividades de aplicação ensino médio - novo en...Alex GM
 
Como Fazer Uma Resenha
Como Fazer Uma ResenhaComo Fazer Uma Resenha
Como Fazer Uma Resenhaguest658d05
 
Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2dalvabambil
 
Refacção de texto
Refacção de textoRefacção de texto
Refacção de textoAna Paula
 
Grupo 3 (novo) -melhor gestão melhor ensino plano de aula (1)
Grupo 3  (novo) -melhor gestão melhor ensino plano de aula (1)Grupo 3  (novo) -melhor gestão melhor ensino plano de aula (1)
Grupo 3 (novo) -melhor gestão melhor ensino plano de aula (1)elainecalexandre
 
PLANEJAMENTO ANUAL DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO.pdf
PLANEJAMENTO ANUAL DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO.pdfPLANEJAMENTO ANUAL DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO.pdf
PLANEJAMENTO ANUAL DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO.pdfIagoMelo14
 
Introdução ao estudo do parágrafo no texto dissertativo
Introdução ao estudo do parágrafo no texto dissertativoIntrodução ao estudo do parágrafo no texto dissertativo
Introdução ao estudo do parágrafo no texto dissertativoSandra Aparecida Dias
 
Narrativa+em+capitulos
Narrativa+em+capitulosNarrativa+em+capitulos
Narrativa+em+capitulosSusana Felix
 
Slides jornada 2
Slides jornada 2Slides jornada 2
Slides jornada 2cfvila
 

Semelhante a Análise das alterações nos Cadernos do Aluno (16)

OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13marOT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
 
Planodeaula
PlanodeaulaPlanodeaula
Planodeaula
 
Orientações e resoluções das atividades de aplicação ensino médio - novo en...
Orientações e resoluções das atividades de aplicação   ensino médio - novo en...Orientações e resoluções das atividades de aplicação   ensino médio - novo en...
Orientações e resoluções das atividades de aplicação ensino médio - novo en...
 
Atividades 6 ano
Atividades 6 anoAtividades 6 ano
Atividades 6 ano
 
Como Fazer Uma Resenha
Como Fazer Uma ResenhaComo Fazer Uma Resenha
Como Fazer Uma Resenha
 
Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2Sequencia didatica 2
Sequencia didatica 2
 
Refacção de texto
Refacção de textoRefacção de texto
Refacção de texto
 
Grupo 3 (novo) -melhor gestão melhor ensino plano de aula (1)
Grupo 3  (novo) -melhor gestão melhor ensino plano de aula (1)Grupo 3  (novo) -melhor gestão melhor ensino plano de aula (1)
Grupo 3 (novo) -melhor gestão melhor ensino plano de aula (1)
 
PLANEJAMENTO ANUAL DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO.pdf
PLANEJAMENTO ANUAL DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO.pdfPLANEJAMENTO ANUAL DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO.pdf
PLANEJAMENTO ANUAL DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO.pdf
 
Introdução ao estudo do parágrafo no texto dissertativo
Introdução ao estudo do parágrafo no texto dissertativoIntrodução ao estudo do parágrafo no texto dissertativo
Introdução ao estudo do parágrafo no texto dissertativo
 
Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1
 
Narrativa+em+capitulos
Narrativa+em+capitulosNarrativa+em+capitulos
Narrativa+em+capitulos
 
Slides jornada 2
Slides jornada 2Slides jornada 2
Slides jornada 2
 
Producao textual
Producao textualProducao textual
Producao textual
 
Producao textual
Producao textualProducao textual
Producao textual
 
Reescrita de fabula
Reescrita de fabulaReescrita de fabula
Reescrita de fabula
 

Mais de Alex Santos

NOS TRILHOS DA APRENDIZAGEM - Em busca do saber - ProAlex
NOS TRILHOS DA APRENDIZAGEM - Em busca do saber - ProAlexNOS TRILHOS DA APRENDIZAGEM - Em busca do saber - ProAlex
NOS TRILHOS DA APRENDIZAGEM - Em busca do saber - ProAlexAlex Santos
 
Como encurtar e personalizar links com o Bitly - Hora de Estudar - ProAlex
Como encurtar e personalizar links com o Bitly - Hora de Estudar -  ProAlexComo encurtar e personalizar links com o Bitly - Hora de Estudar -  ProAlex
Como encurtar e personalizar links com o Bitly - Hora de Estudar - ProAlexAlex Santos
 
Extensão de captura de tela e criação de imagens - LightShot - ProAlex
Extensão de captura de tela e criação de imagens - LightShot - ProAlexExtensão de captura de tela e criação de imagens - LightShot - ProAlex
Extensão de captura de tela e criação de imagens - LightShot - ProAlexAlex Santos
 
Too Young To Burn - Sonny & The Sunsets – Ukulele Cifra Cover - ProAlex
Too Young To Burn - Sonny & The Sunsets – Ukulele Cifra Cover - ProAlexToo Young To Burn - Sonny & The Sunsets – Ukulele Cifra Cover - ProAlex
Too Young To Burn - Sonny & The Sunsets – Ukulele Cifra Cover - ProAlexAlex Santos
 
Tipos textuais - Resumo
Tipos textuais - ResumoTipos textuais - Resumo
Tipos textuais - ResumoAlex Santos
 
Tipologia textual - ProAlex
Tipologia textual - ProAlexTipologia textual - ProAlex
Tipologia textual - ProAlexAlex Santos
 
7 passos para acessar as atividades no google sala de aula
7 passos para acessar as atividades no google sala de aula7 passos para acessar as atividades no google sala de aula
7 passos para acessar as atividades no google sala de aulaAlex Santos
 
9 ano caderno do aluno - volume 1 - 9 ano ef
9 ano   caderno do aluno - volume 1 - 9 ano ef9 ano   caderno do aluno - volume 1 - 9 ano ef
9 ano caderno do aluno - volume 1 - 9 ano efAlex Santos
 
7 ano caderno do aluno - volume 1 - 7 ano ef
7 ano   caderno do aluno - volume 1 - 7 ano ef7 ano   caderno do aluno - volume 1 - 7 ano ef
7 ano caderno do aluno - volume 1 - 7 ano efAlex Santos
 
8 ano caderno do aluno - volume 1 - 8 ano ef
8 ano   caderno do aluno - volume 1 -  8 ano ef8 ano   caderno do aluno - volume 1 -  8 ano ef
8 ano caderno do aluno - volume 1 - 8 ano efAlex Santos
 
6 ano caderno do aluno volume 1 - 6 ano ef
6 ano   caderno do aluno   volume 1 - 6 ano ef6 ano   caderno do aluno   volume 1 - 6 ano ef
6 ano caderno do aluno volume 1 - 6 ano efAlex Santos
 
Tipos de Predicado - Desenho de Deus (Armandinho) - Paródias Pedagógicas - Pr...
Tipos de Predicado - Desenho de Deus (Armandinho) - Paródias Pedagógicas - Pr...Tipos de Predicado - Desenho de Deus (Armandinho) - Paródias Pedagógicas - Pr...
Tipos de Predicado - Desenho de Deus (Armandinho) - Paródias Pedagógicas - Pr...Alex Santos
 
Noticiando na escola (Esperando na janela) – Gilberto Gil – Paródias Pedagógi...
Noticiando na escola (Esperando na janela) – Gilberto Gil – Paródias Pedagógi...Noticiando na escola (Esperando na janela) – Gilberto Gil – Paródias Pedagógi...
Noticiando na escola (Esperando na janela) – Gilberto Gil – Paródias Pedagógi...Alex Santos
 
Dicas inocentes (Vida boa) – Victor e Léo – Paródias Pedagógicas - ProAlex
Dicas inocentes (Vida boa) – Victor e Léo – Paródias Pedagógicas - ProAlexDicas inocentes (Vida boa) – Victor e Léo – Paródias Pedagógicas - ProAlex
Dicas inocentes (Vida boa) – Victor e Léo – Paródias Pedagógicas - ProAlexAlex Santos
 
Apostila - Paródias Pedagógicas - ProAlex (Atualizada 01Out17)
Apostila - Paródias Pedagógicas - ProAlex (Atualizada 01Out17)Apostila - Paródias Pedagógicas - ProAlex (Atualizada 01Out17)
Apostila - Paródias Pedagógicas - ProAlex (Atualizada 01Out17)Alex Santos
 
Termos da oração (Meu erro) G - Paralamas do sucess - Paródias Pedagógicas - ...
Termos da oração (Meu erro) G - Paralamas do sucess - Paródias Pedagógicas - ...Termos da oração (Meu erro) G - Paralamas do sucess - Paródias Pedagógicas - ...
Termos da oração (Meu erro) G - Paralamas do sucess - Paródias Pedagógicas - ...Alex Santos
 
Dicas Ortográficas (Somos quem podemos ser) - Engenheiros do Hawaii - Paródia...
Dicas Ortográficas (Somos quem podemos ser) - Engenheiros do Hawaii - Paródia...Dicas Ortográficas (Somos quem podemos ser) - Engenheiros do Hawaii - Paródia...
Dicas Ortográficas (Somos quem podemos ser) - Engenheiros do Hawaii - Paródia...Alex Santos
 
Dígrafo (O sanfoneiro só tocava isso) - Suricato - Paródias Pedagógicas - Pro...
Dígrafo (O sanfoneiro só tocava isso) - Suricato - Paródias Pedagógicas - Pro...Dígrafo (O sanfoneiro só tocava isso) - Suricato - Paródias Pedagógicas - Pro...
Dígrafo (O sanfoneiro só tocava isso) - Suricato - Paródias Pedagógicas - Pro...Alex Santos
 
Termos da oração (Meu erro) - Paralamas do Sucesso - Paródias Pedagógicas - P...
Termos da oração (Meu erro) - Paralamas do Sucesso - Paródias Pedagógicas - P...Termos da oração (Meu erro) - Paralamas do Sucesso - Paródias Pedagógicas - P...
Termos da oração (Meu erro) - Paralamas do Sucesso - Paródias Pedagógicas - P...Alex Santos
 
Substantivo – Eu fico assim sem você – Adriana Calcanhoto – Paródias Pedagógi...
Substantivo – Eu fico assim sem você – Adriana Calcanhoto – Paródias Pedagógi...Substantivo – Eu fico assim sem você – Adriana Calcanhoto – Paródias Pedagógi...
Substantivo – Eu fico assim sem você – Adriana Calcanhoto – Paródias Pedagógi...Alex Santos
 

Mais de Alex Santos (20)

NOS TRILHOS DA APRENDIZAGEM - Em busca do saber - ProAlex
NOS TRILHOS DA APRENDIZAGEM - Em busca do saber - ProAlexNOS TRILHOS DA APRENDIZAGEM - Em busca do saber - ProAlex
NOS TRILHOS DA APRENDIZAGEM - Em busca do saber - ProAlex
 
Como encurtar e personalizar links com o Bitly - Hora de Estudar - ProAlex
Como encurtar e personalizar links com o Bitly - Hora de Estudar -  ProAlexComo encurtar e personalizar links com o Bitly - Hora de Estudar -  ProAlex
Como encurtar e personalizar links com o Bitly - Hora de Estudar - ProAlex
 
Extensão de captura de tela e criação de imagens - LightShot - ProAlex
Extensão de captura de tela e criação de imagens - LightShot - ProAlexExtensão de captura de tela e criação de imagens - LightShot - ProAlex
Extensão de captura de tela e criação de imagens - LightShot - ProAlex
 
Too Young To Burn - Sonny & The Sunsets – Ukulele Cifra Cover - ProAlex
Too Young To Burn - Sonny & The Sunsets – Ukulele Cifra Cover - ProAlexToo Young To Burn - Sonny & The Sunsets – Ukulele Cifra Cover - ProAlex
Too Young To Burn - Sonny & The Sunsets – Ukulele Cifra Cover - ProAlex
 
Tipos textuais - Resumo
Tipos textuais - ResumoTipos textuais - Resumo
Tipos textuais - Resumo
 
Tipologia textual - ProAlex
Tipologia textual - ProAlexTipologia textual - ProAlex
Tipologia textual - ProAlex
 
7 passos para acessar as atividades no google sala de aula
7 passos para acessar as atividades no google sala de aula7 passos para acessar as atividades no google sala de aula
7 passos para acessar as atividades no google sala de aula
 
9 ano caderno do aluno - volume 1 - 9 ano ef
9 ano   caderno do aluno - volume 1 - 9 ano ef9 ano   caderno do aluno - volume 1 - 9 ano ef
9 ano caderno do aluno - volume 1 - 9 ano ef
 
7 ano caderno do aluno - volume 1 - 7 ano ef
7 ano   caderno do aluno - volume 1 - 7 ano ef7 ano   caderno do aluno - volume 1 - 7 ano ef
7 ano caderno do aluno - volume 1 - 7 ano ef
 
8 ano caderno do aluno - volume 1 - 8 ano ef
8 ano   caderno do aluno - volume 1 -  8 ano ef8 ano   caderno do aluno - volume 1 -  8 ano ef
8 ano caderno do aluno - volume 1 - 8 ano ef
 
6 ano caderno do aluno volume 1 - 6 ano ef
6 ano   caderno do aluno   volume 1 - 6 ano ef6 ano   caderno do aluno   volume 1 - 6 ano ef
6 ano caderno do aluno volume 1 - 6 ano ef
 
Tipos de Predicado - Desenho de Deus (Armandinho) - Paródias Pedagógicas - Pr...
Tipos de Predicado - Desenho de Deus (Armandinho) - Paródias Pedagógicas - Pr...Tipos de Predicado - Desenho de Deus (Armandinho) - Paródias Pedagógicas - Pr...
Tipos de Predicado - Desenho de Deus (Armandinho) - Paródias Pedagógicas - Pr...
 
Noticiando na escola (Esperando na janela) – Gilberto Gil – Paródias Pedagógi...
Noticiando na escola (Esperando na janela) – Gilberto Gil – Paródias Pedagógi...Noticiando na escola (Esperando na janela) – Gilberto Gil – Paródias Pedagógi...
Noticiando na escola (Esperando na janela) – Gilberto Gil – Paródias Pedagógi...
 
Dicas inocentes (Vida boa) – Victor e Léo – Paródias Pedagógicas - ProAlex
Dicas inocentes (Vida boa) – Victor e Léo – Paródias Pedagógicas - ProAlexDicas inocentes (Vida boa) – Victor e Léo – Paródias Pedagógicas - ProAlex
Dicas inocentes (Vida boa) – Victor e Léo – Paródias Pedagógicas - ProAlex
 
Apostila - Paródias Pedagógicas - ProAlex (Atualizada 01Out17)
Apostila - Paródias Pedagógicas - ProAlex (Atualizada 01Out17)Apostila - Paródias Pedagógicas - ProAlex (Atualizada 01Out17)
Apostila - Paródias Pedagógicas - ProAlex (Atualizada 01Out17)
 
Termos da oração (Meu erro) G - Paralamas do sucess - Paródias Pedagógicas - ...
Termos da oração (Meu erro) G - Paralamas do sucess - Paródias Pedagógicas - ...Termos da oração (Meu erro) G - Paralamas do sucess - Paródias Pedagógicas - ...
Termos da oração (Meu erro) G - Paralamas do sucess - Paródias Pedagógicas - ...
 
Dicas Ortográficas (Somos quem podemos ser) - Engenheiros do Hawaii - Paródia...
Dicas Ortográficas (Somos quem podemos ser) - Engenheiros do Hawaii - Paródia...Dicas Ortográficas (Somos quem podemos ser) - Engenheiros do Hawaii - Paródia...
Dicas Ortográficas (Somos quem podemos ser) - Engenheiros do Hawaii - Paródia...
 
Dígrafo (O sanfoneiro só tocava isso) - Suricato - Paródias Pedagógicas - Pro...
Dígrafo (O sanfoneiro só tocava isso) - Suricato - Paródias Pedagógicas - Pro...Dígrafo (O sanfoneiro só tocava isso) - Suricato - Paródias Pedagógicas - Pro...
Dígrafo (O sanfoneiro só tocava isso) - Suricato - Paródias Pedagógicas - Pro...
 
Termos da oração (Meu erro) - Paralamas do Sucesso - Paródias Pedagógicas - P...
Termos da oração (Meu erro) - Paralamas do Sucesso - Paródias Pedagógicas - P...Termos da oração (Meu erro) - Paralamas do Sucesso - Paródias Pedagógicas - P...
Termos da oração (Meu erro) - Paralamas do Sucesso - Paródias Pedagógicas - P...
 
Substantivo – Eu fico assim sem você – Adriana Calcanhoto – Paródias Pedagógi...
Substantivo – Eu fico assim sem você – Adriana Calcanhoto – Paródias Pedagógi...Substantivo – Eu fico assim sem você – Adriana Calcanhoto – Paródias Pedagógi...
Substantivo – Eu fico assim sem você – Adriana Calcanhoto – Paródias Pedagógi...
 

Análise das alterações nos Cadernos do Aluno

  • 1. 1 Caro Professor, Em 2009 os Cadernos do Aluno foram editados e distribuídos a todos os estudantes da rede estadual de ensino. Eles serviram de apoio ao trabalho dos professores ao longo de todo o ano e foram usados, testados, analisados e revisados para a nova edição a partir de 2010. As alterações foram apontadas pelos autores, que analisaram novamente o material, por leitores especializados nas disciplinas e, sobretudo, pelos próprios professores, que postaram suas sugestões e contribuíram para o aperfeiçoamento dos Cadernos. Note também que alguns dados foram atualizados em função do lançamento de publicações mais recentes. Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analise as diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas. Na primeira parte deste documento, você encontra as orientações das atividades propostas no Caderno do Aluno. Como os Cadernos do Professor não serão editados em 2010, utilize as informações e os ajustes que estão na segunda parte deste documento. Bom trabalho! Equipe São Paulo faz escola.
  • 2. 2 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PRODUZINDO UMA CRÔNICA NARRATIVA Caderno do Aluno de Língua Portuguesa – 5ª série/6º ano – Volume 2 Páginas 3 - 7 1. NNoommee ddoo lliivvrroo aannaalliissaaddoo NNoommee ddoo jjoorrnnaall aannaalliissaaddoo NNoommee ddaa rreevviissttaa aannaalliissaaddaa Localizar e copiar o nome do autor. Localizar e copiar o nome do autor, se houver. Localizar e copiar o nome do autor, se houver. Descrever os elementos da capa. Descrição dos elementos da 1a página. Descrever os elementos da capa. Localizar índice, se houver, e observar um critério para sua composição. Localizar índice e observar um critério para sua composição. Localizar índice e observar um critério para sua composição. Anotar quantidade de páginas. Anotar quantidade de páginas. Anotar quantidade de páginas. Observar as divisões; observar se o aluno relacionou com o índice. Observar se há divisões; observar se o aluno relacionou com o índice. Observar as divisões; observar se o aluno relacionou com o índice. Indicar capítulos, autores e textos diferentes. Indicar grandes temas (política, economia etc.) Indicar grandes temas (política, economia etc.) A princípio, sim. Para ser durável o papel da capa e das páginas mais resistente do que o de um jornal, por exemplo. Não. Por ser um material a ser descartado diariamente. Mais durável que o do jornal, menos do que o do livro. Pode ser guardado (pela razoável durabilidade do papel).
  • 3. 3 2. a) O aluno deve apontar duas diferenças visuais entre jornais e revistas (tamanho, papel, entre outras possibilidades). b) Alternativa I. c) Sim, há diferenças. O aluno pode pensar em vários critérios, desde a aparência externa até algo da parte interna que já tenha observado. d) Pessoal, mas conduza para que concluam que jornais tratam de informações recentes; livros tratam de informações que vêm de pesquisas ou trazem gêneros literários, como romances, crônicas, fábulas. Um bom romance pode despertar o interesse de leitores por centenas de anos. e) Por pouco tempo, pois o papel é facilmente deteriorado, solta tinta, o cheiro nem sempre agrada, as pessoas não têm onde guardá-lo etc. f) Provavelmente no livro, devido à quantidade de páginas. Mas pode ser que não seja assim. Analisar a resposta do aluno e verificar sua coerência. g) Podemos destacar a efemeridade de jornais e revistas e o caráter, em geral, mais atemporal do livro, entre outras possibilidades. h) Escolha os livros para levar em classe, tendo em vista dois critérios: devem ser narrativas e, se possível, estar nos gêneros romance, crônica, conto e fábula. 3. O aluno deve selecionar um romance ou outro gênero que sirva como referência para narrativa longa e uma crônica, conto, fábula ou outro gênero narrativo curto. Depois, deve anotar o nome das obras e de seus autores. 4. Não, pois a prioridade desses veículos é informar sobre fatos e temas da atualidade. 5. Espera-se que o aluno localize uma crônica no jornal ou na revista. Para tanto, você deve orientá-lo, analisando com ele o índice e observando onde esse gênero textual costuma estar em jornais e revistas. Depois, o aluno deve anotar os dados pedidos. 6. Porque são textos escritos para oferecer entretenimento ao leitor e serem lidos rapidamente, no mesmo dia da publicação. 7. Porque são narrativas que não foram feitas para serem lidas rapidamente ou só fazer sentido naquele momento, como é frequente nas crônicas publicadas em jornais. 8. a) O objetivo é que o aluno aponte pelo menos uma das características da narrativa: narrador, personagem, espaço, tempo, conflito, desenrolar da narrativa, desfecho.
  • 4. 4 b) Observar se o aluno resgata as três características do gênero na crônica lida (1. Narrativa curta; 2. Organizar acontecimentos banais do cotidiano em forma literária; 3. Possui tom leve, digestivo), com suas palavras. c) Essa é uma atividade de aprendizagem entre pares, retomando elementos da narrativa, discutindo e selecionando os que parecerem mais pertinentes à crônica lida. d) Com a mesma lógica do exercício anterior, os alunos trabalharão entre pares, mas agora com toda a sala. Depois, socializarão a definição que a maioria considerar mais clara. Se necessário, pode haver reescrita da resposta selecionada. 9. I. A alternativa c. II. a) (V) Justificativa: o trecho selecionado corresponde a uma página do livro, o que pode ser confirmado pela leitura da referência. b) (V) Justificativa: não se sabe, por exemplo, para onde as personagens vão. c) (V) Justificativa: se Canela vai abraçar tio Arlindo e os primos, é sinal de que se conhecem e estão se reencontrando, o que é confirmado quando o tio o apresenta aos demais pescadores. d) (F) Justificativa: Há uma pista gráfica - [...] - que indica que a narrativa prossegue. Além disso, o último parágrafo lido não é conclusivo, descreve uma cena que dá a entender que a narrativa continua. 10. O aluno deve formular uma síntese de características do gênero, mas elaborando com suas palavras. Algumas características são: narrativa breve; temática; fatos do cotidiano que muitos compartilham; poucas personagens; estratégias discursivas de aproximação entre narrador e leitor; tom coloquial. Oralidade Páginas 8 - 10 1. Indicar pistas de que o texto A é uma narrativa mais longa do que a crônica. Uma delas é a indicação, na referência, de apenas uma página. Outra, a indicação de que se trata do Capítulo II do Tomo I.
  • 5. 5 2. Rever algumas características da crônica narrativa com os alunos para que eles possam apontar duas no texto e explicá-las. 3. O texto C não é uma crônica narrativa, pois é uma fábula, narrativa em que animais com comportamentos humanizados são os protagonistas. Produção Escrita Páginas 10 - 14 Passo 1 a) O aluno deve optar por um foco narrativo, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha. b) O esquema indica um encaminhamento para o enredo. Você deve, novamente, estimular o aluno a refletir sobre sua intencionalidade. Questões (c), (d), e (e) seguem a mesma lógica dos itens anteriores. Passo 2 Professor, observe as dúvidas e faça as intervenções, explicando o que os alunos não tiverem entendido. Passo 3 Observar se o aluno compreendeu o conceito de parágrafo. Sugerimos o seguinte conceito: é a parte de um texto que possui razoável autonomia de sentido, organizada a partir de um subtema do texto. Cada um dos parágrafos é uma subdivisão do texto, ocupando um espaço e seguindo uma ordem lógica destinada a facilitar o entendimento do leitor. Cada parágrafo tem caráter progressivo, isto é, o conjunto de ideias que ele contém parte de uma ideia central (ou tópico frasal) que desencadeia outras, destinadas a esclarecer ou complementar a primeira. Passo 4 Professor, observe se o aluno segue o esquema tradicional da narrativa, que é progressivo: situação inicial (parágrafo inicial), conflito (parágrafo/parágrafos que sucedem o inicial), desenrolar da narrativa (parágrafos que narram sucessivos acontecimentos que compõem o corpo do texto narrativo), clímax (parágrafo/parágrafos que descrevem o os acontecimentos mais emocionantes vividos pelo herói), desfecho (resolução do conflito). Como, neste caso particular, a narrativa proposta é uma crônica,
  • 6. 6 verifique também se o aluno escolheu acontecimentos do cotidiano, humorísticos ou não, para o desenrolar da história. Passo 5 I. As perguntas servem como critério para avaliação do texto e possível conjunto de pistas para a reescrita. Não há um gabarito específico pois os textos analisados por meio dos itens a), b) e c) serão criados em sala. II. a) A ansiedade do menino para o passeio. b) Só foi indicado o tópico frasal, faltam outras ideias para esclarecer o leitor sobre a sequência de acontecimentos narrados. c) O trecho seguinte deveria compor o parágrafo inicial, pois ainda faz parte do tópico frasal: “Era o melhor passeio daquele ano, acho que talvez até o melhor daqueles últimos anos. Eu não queria perder nada”. d) O aluno deve copiar a versão criada pela classe para facilitar sua reflexão. e) Há dois tópicos. f) A mãe achar que ele não deveria ir ao passeio, pois era caro. g) O aluno deve copiar o texto para facilitar sua reflexão. III. O aluno deve localizar o tópico frasal do texto do colega ou verificar se há mais de um. IV. O aluno deve orientar a reescrita do colega. V. O aluno deve observar e comentar se o tópico frasal apresentado está satisfatoriamente desenvolvido. VI. Deve ser feita uma reescrita, com as indicações dadas pelo colega e por você, professor. Estudo da língua Páginas 14 - 15 1. e 2. Escolha uma das frases grifadas e explique seu sentido aos alunos. Proceda como nos exemplos a seguir: • “(...) pequenas espumas que marcham alguns segundos e morrem(...)”
  • 7. 7 A marcha e morte das ondas (a ideia de marcha pode estar associada ao movimento ritmado do mar, bem como o que será desenvolvido pelo nadador; já a morte parece estar associada à ideia de ciclo que envolve a vida e as ondas). • “(...) e as pequenas espumas que nascem e somem parecem ir mais depressa do que ele.” As ideias de “nascer” e “ir depressa” referem-se às espumas. O autor as personifica, como se tivessem vontade própria. • “(...) e o homem tem sua carne, seus ossos, seu coração, todo seu corpo a transportar na água.” O homem ser apresentado como “carne”, “ossos” e “coração” (separar o corpo em partes pode sugerir seu movimento ritmado, desenvolvido, de forma harmônica, por todas as suas partes). • “Que ele atinja o telhado vermelho (...)” A ideia de que o nadador atingirá o telhado apenas sob o ponto de vista ótico do narrador. Na perspectiva em que ele vê o homem no mar, um telhado e um corpo em movimento podem parecer próximos, o que pode criar uma imagem muito bonita. 3. No Brasil, os atos errados não geram consequências negativas para quem os pratica, e tudo termina bem. 4. O aluno deve indicar outras frases comuns, usadas em sentido conotativo. 5. Observar se a resposta está coerente com o conceito de conotação, que são expressões ou frases usadas em sentido figurado, que exigem do leitor uma interpretação. 6. Observar se a resposta está coerente com o conceito de denotação, que ocorre quando expressões ou frases devem ser compreendidas em seu sentido imediato, literal. 7. Professor, anote no quadro suas definições de conotação e denotação para que os alunos comparem com as que escreveram. Páginas 15 - 16 1. O aluno deve responder às perguntas indicadas. Você pode usar o exercício como forma de avaliação, acompanhando o processo de ensino e aprendizagem e, a partir de uma análise das respostas, observar o que está solidamente aprendido, o que
  • 8. 8 precisa ser retomado etc. Provavelmente, aspectos próprios de algumas crônicas como “tom leve” e “uso econômico de elementos da narrativa” precisarão ser retomados por serem muito abstratos para a faixa etária. 2. Você deve selecionar dois textos; um deles deve, obrigatoriamente, ser uma crônica narrativa, para que o aluno possa analisá-lo de acordo com as características do gênero. 3. Apesar de ser uma narrativa, desenvolve seus elementos de forma mais ampla, não concluindo o enredo. As marcas de tempo e espaço também indicam que a história vai continuar. 4. O aluno deve retomar as características da crônica narrativa. 5. É uma fábula, pois é uma narrativa muito breve em que os protagonistas são animais, vivendo situações humanizadas. 6. Você deve indicar todos os exercícios complementares sobre denotação e conotação que julgar pertinentes.
  • 9. 9 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 CONTANDO UMA HISTÓRIA DE UM JEITO DIFERENTE Páginas 16 - 18 2. a) Sim, pois o texto apresenta as características dessa tipologia como enredo, personagens, foco narrativo, marcas de tempo e espaço. b) OO ffooccoo nnaarrrraattiivvoo eessttáá eemm pprriimmeeiirraa oouu tteerrcceeiirraa ppeessssooaa?? 1ª pessoa. QQuuaaiiss ssããoo ooss aaccoonntteecciimmeennttooss bbáássiiccooss ddoo eennrreeddoo?? O narrador vinha dormindo muito, aumentando seu prazer em realizar esse ato. Até que “você” aparece em seus sonhos e então ele perde o prazer de dormir. EEmm qquuee eessppaaççoo((ss)) aa hhiissttóórriiaa ooccoorrrree?? O espaço é indeterminado, um em que se possa dormir. GGrriiffee aass mmaarrccaass ddee ppaassssaaggeemm ddoo tteemmppoo.. QQuuaannttoo aa hhiissttóórriiaa ppaarreeccee dduurraarr?? “Dormi dias inteiros, semanas até, longas tardes”. “ Nos últimos tempos”, “ nessas horas”. A história parece durar semanas. PPooddeemmooss ccoonnssiiddeerraarr oo ““vvooccêê””,, aa qquueemm oo nnaarrrraaddoorr ssee ddiirriiggee,, uummaa ppeerrssoonnaaggeemm?? Podemos considerar uma personagem, pois esteve presente nos sonhos e os sonhos têm estrutura semelhante às narrativas. Além disso, a personagem interagiu com o sonhador, já que o fez perder o último prazer. c) Provavelmente dormia por desilusão amorosa, para esquecer “você”. Quando “você”, ou a pessoa amada perdida, aparece nos sonhos, ele acha inútil continuar dormindo.
  • 10. 10 3. a) Pode ser observada a presença de uma espécie de narrador, alguns elementos de enredo, vividos por figuras que podem ser entendidas como personagens, e trechos que despertam o imaginário do leitor. b) A história começa com Vital cansado de andar a pé. Aparece o desejo inicial de comprar a moto e um conflito, pois o pai é contra a compra. Vital acaba comprando a moto e se sente bem. A sequência termina com Vital indo de moto a um show dos Paralamas, para se encontrar com uma prima que já está na cidade. c) Há alguns usos conotativos como “mais que união feliz”, “a vida em duas rodas era tudo o que ele sempre quis”, “Vital passou a se sentir total, com seu sonho de metal”. 4. a) a f) Verifique se os alunos reconheceram os elementos da narrativa no texto que você escolheu. 5. CCaarraacctteerrííssttiiccaass CCaarraacctteerrííssttiiccaass ddee nnaarrrraattiivvaass eemm tteexxttooss mmuussiiccaaiiss,, vviissuuaaiiss,, aauuddiioovviissuuaaiiss eettcc.. 1a É construída, pelo menos em parte, pela combinação dos elementos da narrativa. 2a É uma sequência de acontecimentos, vividos por personagens, não necessariamente construídos com palavras; além disso, a história não precisa ser apresentada por completo, com todos os seus fatos. 3a Os acontecimentos vividos devem ser apresentados como ficção, pois estão a serviço da imaginação, estimulando-a. Oralidade Página 18 a) a d) Verifique se os alunos reconheceram os elementos da narrativa no filme que você escolheu.
  • 11. 11 e)Nesse momento, o aluno deve retomar os elementos da narrativa e, ao final, criar hipóteses de sentido, isto é, encontrar passagens que estimulam sua imaginação, para eles, coerentes com o filme. Produção escrita Páginas 18 - 20 2. Passo 1 • Trata-se da história de um adolescente e sua família que passa por dificuldades materiais. Passo 2 • Espera-se que o aluno indique um dos três traços de narratividade indicados e mostre-o na letra da música. Passo 3 QQuuaall aa sseeqquuêênncciiaa ddee aaccoonntteecciimmeennttooss ddoo tteexxttoo?? IInnddiiqquuee mmaarrccaass ddee ppaassssaaggeemm ddee tteemmppoo,, ddee eessppaaççoo ee ccoonnfflliittooss ((eelleemmeennttoo lliiggaaddoo aaoo eennrreeddoo)) nnoo tteexxttoo.. OO tteexxttoo,, ppoorr tteerr ccaarráátteerr ffiicccciioonnaall,, aapprreesseennttaa uussooss ccoonnoottaattiivvooss ddaa lliinngguuaaggeemm.. QQuuaaiiss?? - Há a história do pai de Marvin, que trabalha muito, mas não consegue sustentar a família. - O pai morre e deixa com Marvin a responsabilidade de cuidar da família. - Marvin passa a trabalhar muito; às vezes, gostaria de fugir, mas lembra-se das palavras do pai, que fez uma espécie de profecia de seu destino. - Marvin faz as vezes de uma espécie de narrador de sua própria história. - Há marcas claras de passagem de tempo quando o pai morre e quando a mãe morre. - Há vários conflitos no texto: a morte do pai, a perda da colheita, a morte da mãe - A presença de elementos espaciais ajuda no - Há pequenos trechos conotativos, como “os anjos levaram minha mãe pelas mãos”.
  • 12. 12 - Um dia, uma chuva forte acaba com a plantação. - A situação da família está cada vez mais difícil. - A mãe de Marvin morre e ele se lembra do que o pai lhe disse. desenvolvimento do enredo (como a referência à colheita ou despesas do lar; “trabalhando feito um burro nos campos” Passo 4 a) O aluno deve optar por um foco narrativo, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha. b) O aluno deve organizar uma sequência de acontecimentos, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha. c) O aluno deve criar algumas personagens, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha. d) O aluno deve organizar os fatos em uma sequência no tempo, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha. e) O aluno deve construir algumas ambientações, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-lo a refletir sobre sua escolha. Passo 5 Orientar os alunos para o uso adequado dos elementos do gênero história em quadrinhos: narrativa construída por meio de imagens em sequência temporal; uso de balões com textos que expressam emoções, sentimentos das personagens ou diálogos entre elas; conteúdos dos balões adequados às expressões das personagens desenhadas. Estudo da língua Páginas 20 - 21 1. As palavras que devem ser usadas são: expectativa, aguardar, decisão, sessão e mal. Acreditamos que os alunos darão mais destaque às duas primeiras, pois a forma como foram grafadas dificulta o entendimento do leitor. No caso dos outros termos, “decisão” apresentou um desvio que não compromete o sentido, mas que não deve ser usado na variedade padrão da língua. No caso das duas últimas, o problema é que
  • 13. 13 os termos usados estão escritos em sentido diferente da grafia empregada. Destaque todos esses aspectos com os alunos, explicando o porquê de cada correção. 2. Alternativa a. 3. Iniciando com a divisão silábica, você pode começar fazendo uma sondagem, levantando o que sabem sobre o assunto e colocando na lousa. Se, nesse momento, você achar oportuno, coloque as situações que geram problemas (como hiatos, dígrafos, ditongos, tritongos etc.). Colocar ou não esses casos agora vai depender do retorno que você obtiver dos alunos na sondagem. Caso não tenham critérios para divisão silábica, você pode, gradativamente, apresentar os temas, juntamente com exercícios do livro ou de uma gramática com exercícios. 4. Esse exercício deve ser visto como uma sistematização das discussões feitas em sala, a partir do tema “divisão silábica”. 5. Você deve apresentar pequenos textos para que os alunos discutam as divisões silábicas apresentadas e comentar as ocorrências de acordo com a sistematização feita. É preferível não usar textos reais de alunos, para não criar situações constrangedoras. Página 21 - 22 1. a) O aluno deve anotar o título da charge (se houver) e o nome do autor. b) O aluno deve indicar personagens presentes na charge. c) O aluno deve indicar os espaços presentes na charge. d) O aluno deve indicar marcadores de passagem de tempo da charge, verbais ou não. e) O aluno deve indicar as ações das personagens. f) O aluno deve localizar e interpretar trechos conotativos, se houver. 2 e 3. Verifique se os alunos fizeram as atividades conforme sua indicação e se as resolveram adequadamente.
  • 14. 14 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 VEJA ESSA CANÇÃO Página 22 - 24 2. Essa é uma pergunta de sondagem para iniciar o estudo do gênero letra de música. 3. Ainda o processo de sondagem sobre o gênero letra de música, mas com interação entre pares. 4. Observar se o aluno consegue mostrar as características que apontou no item anterior na letra da música. 5. Observar se o aluno consegue mostrar as características que apontou no exercício 3 anterior na letra da música. 6. Grifar todas as rimas da letra da música. 7. Observar se o aluno foi capaz de elaborar o conceito de rima externa. Professor, sugerimos repetição de som ao final de dois ou mais versos. 8. O aluno deve criar rimas, sem preocupação com o sentido. 9. O efeito mais imediato é o humor, mas é preciso observar outros comentários dos alunos, do ponto de vista da pertinência. 10. Aqui o aluno se preocupa só com coerência, não com o ritmo e a rima. Assim, perceberá, provavelmente, que esses elementos fazem falta à música. 11. O efeito mais imediato é a perda da rima, mas é preciso observar outros comentários dos alunos, do ponto de vista da pertinência. 12. Solicita-se que o aluno apenas localize a conotação no texto: “O tempo é rei, a vida é uma lição”.
  • 15. 15 13. MMúússiiccaa CCaarraacctteerrííssttiiccaass ddoo ggêênneerroo lleettrraa ddee mmúússiiccaa 1a As letras de música são poemas musicados. 2a A letra das canções é organizada em certo ritmo, formado pela melodia da música. 3ª Em muitas letras, as palavras são rimadas, ou seja, seus finais apresentam sons parecidos. 4a Há, em geral, um forte apelo conotativo nesses textos. 5a Esses traços aparecem em letras de música compostas em estilos muito diferentes. Produção Escrita Página 24 O objetivo da atividade é produzir uma nova letra para a mesma melodia, portanto deve existir, além da mudança de sentido, uma preocupação com o trabalho sonoro, de entonação e melodia. Estudo da língua Página 24 - 27 1. a) Exercício de sondagem sobre o conceito de verbo: palavras que expressam ações, fenômenos ou estados. Ações: comer, andar, trabalhar. Fenômenos: ventar, chover. Estados: ser, estar. b) Observar se o aluno compreendeu o conceito de verbo em comparação com o que havia escrito.
  • 16. 16 c) Professor, primeiramente observe se o aluno compreendeu o conceito de locução verbal ao realizar as atividades: verbos que aparecem juntos em uma frase e indicam uma só ação. Depois dessa etapa, você pode formalizar a definição: locução verbal é um expressão formada por mais de um verbo que funcionam juntos para expressar uma só ação. Pensamos que os alunos desta série ainda são muito jovens para compreender, de fato, o conceito completo de locução verbal. Se achar conveniente, explique a formação: verbo auxiliar + verbo principal em forma nominal (infinitivo, particípio ou gerúndio). Nesse caso, será preciso explicar o que é forma nominal e quais são os tipos de verbos auxiliares existentes em língua portuguesa: 1. de tempo: ser, estar, ter, haver, ir e andar; 2. com valor modal, isto é, indicam necessidade, probabilidade: dever, querer, poder, necessitar; 3. com valor aspectual, isto é, os que indicam como a ação acontece: começar, pôr, continuar. d) Observar se o aluno compreendeu o conceito de locução verbal em comparação com o que havia escrito. e) O aluno deve localizar e grifar as locuções verbais presentes no texto (ver Caderno do Professor, página 35). 2. a) Alternativa I. b) Observar se o aluno compreendeu sua explicação sobre o Modo Indicativo e retomar, se necessário: esse modo indica certezas sejam elas ( sobre ações que estão acontecendo, presente ), já acontecidas ( passado), ou que vão acontecer ( futuro). 3. a) Alternativa II. b) Observar se o aluno compreendeu sua explicação sobre o Modo Subjuntivo e retomar, se necessário: subjuntivo é o modo que usamos para expressar possibilidades em hipóteses. 4. a) Alternativa I. b) Observar se o aluno compreendeu sua explicação sobre o Modo Imperativo e retomar, se necessário: esse modo é usado para orientar a conduta do outro.
  • 17. 17 Página 27 1. O aluno deve grifar as rimas do texto. 2. O aluno deve preocupar-se com o som, deixando de lado o sentido. 3. O efeito mais imediato é o humor, mas é preciso observar outros comentários dos alunos, do ponto de vista da pertinência. 4. O aluno deve, agora, preocupar-se com o sentido, em detrimento do som. 5. O efeito mais imediato é a perda da rima, mas é preciso observar outros comentários dos alunos, do ponto de vista da pertinência. 6. A primeira mantém as rimas e, provavelmente, o ritmo; a segunda preocupa-se com a manutenção do sentido, portanto deve apresentar maior coerência. 7. O eu lírico, sem a amada, sente-se incompleto. Por isso essas expressões de caráter conotativo. “Avião sem asas” – Avião que não consegue voar. “Fogueira sem brasa” – Fogo incapaz de exercer sua função de aquecimento. “Futebol sem bola” – Esporte sem um de seus elementos fundamentais. “Vão poder falar por mim” – É como se os alto-falantes fossem os transmissores dos sentimentos do eu lírico. “Circo sem palhaço” – O palhaço é considerado por muitos como a principal atração do circo, pois lhe dá a graça. “To louca pra te ter nas mãos” – não vê a hora de apossar-se de seu amor. “Deitar no teu abraço” – Imagem de aconchego. “Retomar o pedaço” – É como se o outro fosse uma parte do eu lírico. “Que falta no meu coração” – É como se o outro fosse uma parte do do eu lírico. “Eu não existo longe de você” – Não existir é imagem para demonstrar toda a tristeza e falta de perspectiva do eu lírico sem seu amor. “E a solidão é meu pior castigo” – Ficar sem o outro é entendido como uma forma de ser castigado. “Mas o relógio tá de mal comigo” – o tempo sem o amor parece não passar
  • 18. 18 Página 27 1. O aluno deve indicar estilos como rock, samba, rap etc. 2. O aluno deve pesquisar a definição dos estilos indicados no item anterior, anotando as fontes de onde retirou as informações. Página 28 Indicar os exercícios suplementares que considerar pertinentes.
  • 19. 19 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 ESCOLHENDO TRILHA SONORA Página 28 - 30 1. a) 3a pessoa. b) Um rapaz e uma moça (Celeste). c) Parecem estar em um restaurante ou bar, conversando: uma indicação é que a personagem “olhava para outras mesas...”. d) Não sabemos. Ele quer dizer algo e ela está distraída, mas depois presta atenção. e) Ele parecia nervoso, ansioso: “Ele olhava para ela e não sabia o que dizer... Era um momento importante, delicado, era preciso escolher bem as palavras. Suas mãos estavam trêmulas, seu coração batia um pouco mais rápido, e, vez por outra, mordia o lábio inferior”. f) Ela está distraída, olhando as outras mesas. g) Ele pode, por exemplo, pedi-la em casamento ou terminar o relacionamento ou outra opção qualquer, mas precisa ser algo relevante. 2. a) Provavelmente final feliz, porque a música de fundo é alegre. b) Talvez seja triste, porque a música de fundo parece menos animada. c) Ela pode interferir no sentido e induzir a forma de interpretar o texto. Oralidade Páginas 30 - 31 1. Professor, escolha um texto em que haja várias ações, seguindo as principais com os alunos e, então, discuta a(s) cena(s) com eles. 2. a) Os alunos devem criar algumas personagens, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas escolhas.
  • 20. 20 b) Os alunos devem estabelecer posicionamentos e atitudes para as personagens, tendo em vista a intencionalidade da cena. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas escolhas. c) Os alunos devem estabelecer uma sequência de ações para suas personagens, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas escolhas. d) Os alunos devem escolher alguns elementos para composição do cenário, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas escolhas. e) Os alunos devem escolher os figurinos das personagens, tendo em vista uma intencionalidade. Você deve estimulá-los a refletir sobre suas escolhas. Estudo da língua Página 31 - 32 1. a) O aluno deve grifar as palavras que, de alguma forma, lhe causam estranheza. b) A partir dos termos que você tem destacado no Caderno do Professor (termos que não são compreendidos pelo contexto) e das palavras que o aluno destacou no exercício anterior, veja o que pode ser explicado pelo contexto. c) Essa resposta dependerá do repertório dos alunos, mas indicamos web site, home-page, gigabytes, orixá, hacker e videopôquer. d) Também dependerá do repertório do aluno, mas imaginamos que tietes seja um exemplo desse grupo. e) Destacar a junção entre “informar” e “mar”, gerando um substantivo para a expressão “mar de informação”. Incentivar os alunos a pensar em outros exemplos, de músicas e propagandas, como ocorre na música de Djavan, que diz “como querer caetanear o que há de bom”.
  • 21. 21 2. PPrroocceeddiimmeennttooss ppaarraa ccoommpprreeeennssããoo ddee ppaallaavvrraass ddee uumm tteexxttoo 1º Procurar uma hipótese de sentido para a palavra dentro do contexto. 2º Observar que os termos em maiúscula indicam nomes próprios de pessoas, lugares etc. Isso já pode ser uma primeira estratégia para uma compreensão mínima desses termos no texto. 3º Procurar em nosso repertório de conhecimentos sobre a vida e o mundo, para ver se, fora do contexto textual, já conhecemos algo sobre aquele termo. 4º Observar semelhanças entre termos “novos” e termos já conhecidos. 5º Procurar o termo no dicionário ou em uma enciclopédia. Página 32 O aluno deve pesquisar as informações indicadas, usando-as como critério de seleção em suas buscas.
  • 22. 22 SITUAÇÃO DE PARENDIZAGEM 5 SISTEMATIZAÇÃO Páginas 34 - 36 1. TTííttuulloo ddaa ccrrôônniiccaa sseelleecciioonnaaddaa Anotar o título da crônica selecionada. TTeennddoo eemm vviissttaa qquuee uummaa ccrrôônniiccaa éé uumm tteexxttoo ccuurrttoo,, eessccoollhhaa uumm eelleemmeennttoo ddaa nnaarrrraattiivvaa ee ccoommeennttee ssuuaa pprreesseennççaa nnoo tteexxttoo O aluno deve escolher um dos cinco elementos da narrativa e analisar como ele funciona no texto. QQuuaall oo tteemmaa ddoo ccoottiiddiiaannoo qquuee aa ccrrôônniiccaa eessccoollhhiiddaa ddeesseennvvoollvvee?? O aluno deve indicar um tema central desenvolvido na crônica. Você deve observar e comentar se não são indicados temas paralelos. SSeelleecciioonnee ee ttrraannssccrreevvaa dduuaass ppaassssaaggeennss ddoo tteexxttoo qquuee ddeemmoonnssttrraamm sseeuu ttoomm lleevvee,, oouu sseejjaa,, ddee ccoonnvveerrssaa ccoomm lleeiittoorr.. O aluno deve selecionar dois trechos e transcrevê-los, tendo como critério a leveza da crônica. 2. QQuuaall oo ttííttuulloo ddoo tteexxttoo ee eemm qquuee ggêênneerroo eellee ffooii eessccrriittoo?? Indicar o título do texto e indicar seu gênero. Caso o aluno não consiga definir o gênero, indique características desse gênero que sirvam como pistas. Discuta-as com a classe e, posteriormente, dê o nome do gênero. OO nnaarrrraaddoorr eessttáá eemm pprriimmeeiirraa oouu tteerrcceeiirraa ppeessssooaa?? Indicar se o foco narrativo está em primeira ou terceira pessoa. HHáá mmaarrccaass ddee ppaassssaaggeemm ddee tteemmppoo?? QQuuaaiiss?? Indicar as marcas de passagem de tempo presentes no texto. HHáá mmaarrccaass ddee mmuuddaannççaa ddee eessppaaççoo?? QQuuaaiiss?? Indicar as marcas espaciais presentes no texto.
  • 23. 23 QQuuaaiiss ssããoo aass ppeerrssoonnaaggeennss?? Indicar as personagens presentes no texto. QQuuaaiiss aaccoonntteecciimmeennttooss pprriinncciippaaiiss aa hhiissttóórriiaa ddeesseennvvoollvveeuu?? Indicar os principais acontecimentos do enredo. 3. Retomar as três características de textos narrativos (é construído, pelo menos em parte, pela combinação dos elementos da narrativa; é uma sequência de acontecimentos, vividos por personagens, não necessariamente construídos com palavras. Os acontecimentos vividos devem ser apresentados como ficção, pois estão a serviço da imaginação, estimulando-a. Página 36 1. O aluno deve criar uma nova versão da letra de música selecionada, preocupando-se com os aspectos sonoros (melodia, rima, ritmo) em detrimento do sentido original. 2. Indicar os exercícios complementares que julgar pertinentes. Páginas 36 - 38 1. Alternativa c. 2. Alternativa e. 3. Observar se o aluno aponta uma, duas ou as três características indicadas (presença de elementos da narrativa, narrativa baseada em tema cotidiano, narrativa escrita em tom leve, de conversa). 4. Alternativa c. 5. Trechos mais propícios para análise: “Misturando o mundo inteiro Vamos vê no que é que dá...” Música, aqui, é conotativo, pois o resultado é a mistura entre os povos, miscigenação etc. “A tribo se balançar E o chão da terra tremer”
  • 24. 24 A tribo balançar o chão talvez diga respeito à empolgação, à força da coletividade entre outras interpretações. Exercícios complementares Página 38 O aluno deve organizar uma crônica, pondo em funcionamento as características do gênero estudado no bimestre, bem como mantendo um diálogo intertextual com a letra da canção. Nesse sentido, sugerimos que você selecione uma letra com alto grau de narratividade.   AJUSTES Caderno do Professor de Língua Portuguesa – 5ª série/6º ano – Volume 2 Professor, a seguir você poderá conferir alguns ajustes. Eles estão sinalizados a cada página.
  • 25. 45 Língua Portuguesa - 5a série - Volume 2 Proposta de questões para aplicação em avaliação O texto Um dia no aeroporto servirá de base para a resolução das questões 1, 2 e 3. Um dia no aeroporto Quando era criança, tinha loucura para visitar um aeroporto. A televisão ainda era uma novidade e só tinha visto aviões nas telas da TV. Nessa época, ficava pensando assim: será que essas imagens são de verda- de? Será que não é mentira, invencionice de alguém, um truque, sei lá... Um dia, sem mais nem menos, minha família resolveu fazer uma visita a um aeroporto. Foi uma alegria só, mal podia esperar pra chegar e ver se tudo aquilo era verdade. Naquele tempo, a gente po- dia chegar perto da pista, pois havia uma espécie de “posto de observação” que fica- va a uma distância segura, mas próxima, como o pessoal que vai ver corrida de Fór- mula 1. Adorei e me senti no céu. Cada um que subia, a cabeça ia junto, não sei pra que des- tino, mas isso não importava. Quer saber? Foi bom descobrir que os aviões da tela de TV eram verdadeiros... Elaborado especialmente para o São Paulo faz escola. 1. O texto Um dia no aeroporto é uma crônica narrativa, pois: a) apresenta informações sobre um fato ocor- rido no Brasil, em 1970. b) argumenta com o leitor sobre a importân- cia da aviação aérea. c) aborda um tema cotidiano para os habitantes de uma grande cidade nos dias atuais. d) demonstra a opinião de seu autor sobre o tema “a crise aérea brasileira”. e) descreve a situação atual dos aeroportos brasileiros. 2. No trecho “Adorei e me senti no céu. Cada um que subia, a cabeça ia junto, não sei pra que destino [...]”, temos um uso conotativo da linguagem, pois: a) “adorei”, nesse contexto, está sendo enten- dido como sinônimo de gostar. b) “céu”, nesse contexto, está sendo entendi- do como sinônimo de cobertura. c) “destino”, nesse contexto, está sendo en- tendido como sinônimo de futuro. d) “subia”, nesse contexto, está sendo en- tendido como sinônimo de “subir à cabe- ça”. e) “cabeça”, nesse contexto, está sendo enten- dido como sinônimo de imaginação. 3. Com base na análise de um traço caracte- rístico do gênero, justifique por que esse texto pode ser classificado como “crônica narrativa”. Espera-se, nessa atividade, que o aluno aponte alguma característica do gênero “crônica narrativa” e saiba demonstrá-lo dentro do texto.
  • 26. 46 A música Festa servirá de base para a resolução das questões 4 e 5. Festa Ivete Sangalo Composição: Anderson Cunha Festa no gueto Pode vir, pode chegar Misturando o mundo inteiro Vamo vê no que é que dá... Hoje tem Festa no gueto Pode vir, pode chegar Misturando o mundo inteiro Vamo vê no que é que dá... Tem gente de toda cor Tem raça de toda fé Guitarras de rock’n’roll Batuque de candomblé Vai lá, pra ver... A tribo se balançar E o chão da terra tremer Mãe Preta de lá mandou chamar Avisou! Avisou! Avisou! Avisou!... Que vai rolar a festa Vai rolar! O povo do gueto Mandou avisar... (2x) (...) Festa. Anderson Cotrim Cunha. Universal Music Publishing. 4. Trata-se de uma letra de música, pois: a) prescreve uma forma para dançar (“A tribo se balançar”). b) indica que os convidados da festa foram chamados (“Avisou! Avisou! Avisou! Avi- sou!...”). c) apresenta organização de rimas (fé/can- domblé, balançar/chamar) que correspon- de ao ritmo da canção. d) informa sobre uma festa (“Festa no gueto”). e) discute questões religiosas (fé/candom- blé). 5. Há algum trecho nesse texto que desper- ta seu imaginário, uma vez que trabalha a linguagem de forma conotativa? Qual? Por quê? Espera-se que eles destaquem trechos como: “Misturando o mundo inteiro / Vamo vê no que é que dá...” ou “A tribo se balançar / E o chão da terra tremer”, e sejam capazes de explicar, de alguma maneira, que os trechos selecionados têm sentido figurado.