O ANTIGO REGIME
O ANTIGO REGIME Período histórico que vai desde o século XVI ao século XVIII
A economia europeia  <ul><li>Nos séculos XVI e XVII assistiu-se ao nascimento de uma economia à escala mundial, marcada pe...
 
O mundo rural encontrava-se mergulhado numa profunda estagnação. Porquê?
O peso da agricultura
<ul><ul><ul><ul><ul><li>Os sistemas de cultivo eram pouco eficazes (ainda vigorava o pousio) e as alfaias agrícolas arcaic...
<ul><li>As terras estavam nas mãos da nobreza e do clero, proprietários com pouca propensão para investir e modernizar as ...
<ul><li>A principal actividade económica de Portugal , no século XVII, era a agricultura.  </li></ul><ul><li>-Esta apresen...
O mercantilismo O meu objectivo é tornar o país mais opulento…abundante em mercadorias e rico nas artes…
<ul><li>Os reis absolutistas empenharam-se em desenvolver a riqueza dos seus países para imporem a grandeza dos estado aos...
<ul><li>Doutrina económica proteccionista que defendia a ideia que a riqueza de um país dependia da quantidade de metal pr...
 
Era necessário… <ul><li>Desenvolver o fabrico nacional dos produtos mais importados; </li></ul><ul><li>Alterar as taxas ad...
O Mercantilismo em Portugal <ul><li>Portugal estava a atravessar uma crise económica. </li></ul><ul><li>Por volta de 1670,...
Face a esta crise comercial o conde da Ericeira, ministro do rei D. Pedro II  promove algumas medidas mercantilistas
<ul><li>Desenvolveu as manufacturas dos lanifícios , na Covilhã, no Fundão e em Portalegre, e a indústria da seda, em Lisb...
As pragmáticas <ul><li>«Nenhuma pessoa se poderá vestir de pano que não seja fabricado neste reino; como também não poderá...
Distribuição das manufacturas em Portugal, na primeira metade do século XVII
No norte da Europa ,a Inglaterra e os Países Baixos tinham uma agricultura mais desenvolvida .
A  sociedade  de ordens <ul><li>A sociedade do Antigo Regime era hierarquizada  e estratificada em ordens. </li></ul>
O Clero
<ul><li>Ocupava-se do culto, do ensino e da assistência. </li></ul><ul><li>Os bispos e os abades viviam de forma faustosa ...
A nobreza
<ul><li>Tinha funções militares e ocupava cargos na administração e na política. </li></ul><ul><li>Possuía extensas propri...
<ul><li>Dividia-se em vários estratos: </li></ul><ul><li>Nobreza de espada (guerreira, rural, tradicional), que vivia nas ...
Terceiro Estado
<ul><li>Não possuía quaisquer privilégios e era ele que assegurava as actividades produtivas. </li></ul>
<ul><li>O povo era constituído por muitos estratos sociais, entre eles destacava-se a burguesia. </li></ul><ul><li>A alta ...
<ul><li>Na sociedade do Antigo regime havia fraca mobilidade social. </li></ul><ul><li>A ascensão da sociedade, embora fos...
 
“O ESTADO SOU EU”
O poder absoluto <ul><li>O  rei concentrava em si todos os poderes e funções do Estado: a política, a justiça, a administr...
« O Estado sou eu»
Reis absolutistas portugueses
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Antigo Regime

62.117 visualizações

Publicada em

O Antigo Regime em Portugal

Publicada em: Educação, Negócios, Turismo

O Antigo Regime

  1. 1. O ANTIGO REGIME
  2. 2. O ANTIGO REGIME Período histórico que vai desde o século XVI ao século XVIII
  3. 3. A economia europeia <ul><li>Nos séculos XVI e XVII assistiu-se ao nascimento de uma economia à escala mundial, marcada pelo desenvolvimento do comércio. </li></ul><ul><li>Contudo, apesar da intensificação dos tráficos comerciais a principal actividade económica do Antigo regime continuou a ser a agricultura. </li></ul>
  4. 5. O mundo rural encontrava-se mergulhado numa profunda estagnação. Porquê?
  5. 6. O peso da agricultura
  6. 7. <ul><ul><ul><ul><ul><li>Os sistemas de cultivo eram pouco eficazes (ainda vigorava o pousio) e as alfaias agrícolas arcaicas (muitas ainda eram de madeira). </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  7. 8. <ul><li>As terras estavam nas mãos da nobreza e do clero, proprietários com pouca propensão para investir e modernizar as explorações. </li></ul><ul><li>A carga fiscal sobre os camponeses era elevada. </li></ul><ul><li>Os camponeses ao trabalharem em terras que não eram suas levava-os a não fazerem investimentos. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>A principal actividade económica de Portugal , no século XVII, era a agricultura. </li></ul><ul><li>-Esta apresentava baixos níveis de produtividade porque: </li></ul><ul><li>- utilizava técnicas e instrumentos agrícolas arcaicos; </li></ul><ul><li>- a maior parte das terras pertencia ao rei , ao clero ou à nobreza e não eram convenientemente exploradas. </li></ul>
  9. 10. O mercantilismo O meu objectivo é tornar o país mais opulento…abundante em mercadorias e rico nas artes…
  10. 11. <ul><li>Os reis absolutistas empenharam-se em desenvolver a riqueza dos seus países para imporem a grandeza dos estado aos seus súbditos e aos Estados Estrangeiros. </li></ul><ul><li>Com esse objectivo desenvolveram o mercantilismo. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Doutrina económica proteccionista que defendia a ideia que a riqueza de um país dependia da quantidade de metal precioso que a Coroa retinha nos seus cofres. </li></ul>Mercantilismo
  12. 14. Era necessário… <ul><li>Desenvolver o fabrico nacional dos produtos mais importados; </li></ul><ul><li>Alterar as taxas aduaneiras , para que os produtos importados pagassem altos impostos, elevando o seu preço no mercado, favorecendo a produção interna; </li></ul><ul><li>Isenção de impostos a determinadas empresas; </li></ul><ul><li>Contratação de técnicos estrangeiros especializados, </li></ul><ul><li>Criação e protecção de manufacturas. </li></ul>
  13. 15. O Mercantilismo em Portugal <ul><li>Portugal estava a atravessar uma crise económica. </li></ul><ul><li>Por volta de 1670, o país foi afectado por uma crise comercial. </li></ul><ul><li>O açúcar brasileiro enfrentou a concorrência directa do açúcar das Antilhas , o que fez cair o seu custo e diminuir as vendas. </li></ul>
  14. 16. Face a esta crise comercial o conde da Ericeira, ministro do rei D. Pedro II promove algumas medidas mercantilistas
  15. 17. <ul><li>Desenvolveu as manufacturas dos lanifícios , na Covilhã, no Fundão e em Portalegre, e a indústria da seda, em Lisboa; </li></ul><ul><li>Concedeu subsídios a quem instalasse uma manufactura em Portugal; </li></ul><ul><li>Incentivou a vinda de técnicos estrangeiros especializados; </li></ul><ul><li>Publicou leis pragmáticas. </li></ul>
  16. 18. As pragmáticas <ul><li>«Nenhuma pessoa se poderá vestir de pano que não seja fabricado neste reino; como também não poderá usar de voltas, de rendas, cintos, talins, e chapéus que não sejam feitos nele.» </li></ul><ul><li>Pragmática de 25 de Janeiro de 1677 </li></ul>
  17. 19. Distribuição das manufacturas em Portugal, na primeira metade do século XVII
  18. 20. No norte da Europa ,a Inglaterra e os Países Baixos tinham uma agricultura mais desenvolvida .
  19. 21. A sociedade de ordens <ul><li>A sociedade do Antigo Regime era hierarquizada e estratificada em ordens. </li></ul>
  20. 22. O Clero
  21. 23. <ul><li>Ocupava-se do culto, do ensino e da assistência. </li></ul><ul><li>Os bispos e os abades viviam de forma faustosa com privilégios de verdadeiros senhores. </li></ul><ul><li>Recebia doações, quer do rei, quer de particulares; a dízima. </li></ul><ul><li>Os párocos e os monges viviam modestamente, por vezes com inúmeras dificuldades. </li></ul><ul><li>Os rendimentos do clero provinham das suas terras e das rendas que cobravam. </li></ul><ul><li>Os seus membros eram julgados em tribunais próprios (direito canónico) e não cumpriam serviço militar. </li></ul>
  22. 24. A nobreza
  23. 25. <ul><li>Tinha funções militares e ocupava cargos na administração e na política. </li></ul><ul><li>Possuía extensas propriedades. </li></ul><ul><li>Recebia rendas e prestação de serviço dos camponeses que trabalhavam nas suas terras. </li></ul>
  24. 26. <ul><li>Dividia-se em vários estratos: </li></ul><ul><li>Nobreza de espada (guerreira, rural, tradicional), que vivia nas suas terras, perdendo cada vez mais prestígios. </li></ul><ul><li>Nobreza de toga (corte), que exercia os mais cargos da administração pública , dependia do rei e vivia faustosamente na corte. </li></ul>
  25. 27. Terceiro Estado
  26. 28. <ul><li>Não possuía quaisquer privilégios e era ele que assegurava as actividades produtivas. </li></ul>
  27. 29. <ul><li>O povo era constituído por muitos estratos sociais, entre eles destacava-se a burguesia. </li></ul><ul><li>A alta burguesia estava ligada ao comércio e aos negócios do ultramar. </li></ul><ul><li>A média e a baixa burguesia era composta pelos comerciantes e artesãos. </li></ul><ul><li>Abaixo deste estavam os camponeses e os assalariados rurais ou urbanos. </li></ul><ul><li>Na base da sociedade estavam os mendigos e o terceiro estado. </li></ul>
  28. 30. <ul><li>Na sociedade do Antigo regime havia fraca mobilidade social. </li></ul><ul><li>A ascensão da sociedade, embora fosse possível, era muito rara. </li></ul><ul><li>Alguns elementos do terceiro estado podiam passar à nobreza comprando os títulos como recompensa pelos serviços prestados ao reino. </li></ul>
  29. 32. “O ESTADO SOU EU”
  30. 33. O poder absoluto <ul><li>O rei concentrava em si todos os poderes e funções do Estado: a política, a justiça, a administração e a economia. </li></ul><ul><li>Todos os grupos sociais estavam subjugados ao poder do rei. </li></ul><ul><li>A ideia do direito divino dos reis, defendia-se que, como o rei recebia o poder directamente de Deus , todos os súbitos lhe deviam respeito total e obediência. </li></ul>
  31. 34. « O Estado sou eu»
  32. 35. Reis absolutistas portugueses

×