PISOS ELEVADOS,REVESTIMENTOS GRANILÍTICOS     E PAPEL DE PAREDE      Acadêmicos: Antonio C. B. Gnoatto                  Fe...
PISOS ELEVADOS   São materiais desenvolvidos para    criar um espaço livre entre o piso    original e o novo piso (elevad...
Surgimento   Existem há mais de 40 anos no    mercado, mas no Brasil começou a    ser usado na década de 90.   Surgiram ...
   Principal    necessidade      do    surgimento dos pisos elevados: a    passagem de cabos.
Composição
Constituição   Existe a opção de fazer o piso    elevado com diversos materiais,    sendo eles:   Chapas de aço preenchi...
Revestimentos   Carpete.   Porcelanato.   Emborrachado.   Assoalho.   Laminado melamínico.   Piso vinílico.   Placa...
Utilização:   Facilitar   instalações elétricas,    passagem de tubulações, cabos de    voz e diversas fiações.
   Integração   de    varandas   com    ambientes internos.   Formação       de       ambientes    provisórios.
   Podem ser usados      interna   ou    externamente:   Internos: utilizados em ambientes    coorporativos e residencia...
   Externos: utilizados em decks de    piscinas, sacadas e palcos. Nestes    casos, deixa-se junta aberta para    escoame...
   O espaço entre o piso original e o    piso elevado pode ser utilizado    para melhorar o desempenho    térmico     (aq...
Vantagens:   A utilização do forro é diminuída,    sendo necessário apenas para    instalações   de    sensores    de    ...
   Fácil   e   rápida   remoção     e    instalação.   Fácil acesso às instalações.   Permite várias possibilidades de ...
   Há várias opções de pisos para    combinar com o ambiente.
Fatores que devem seranalisados: O pé-direito da área onde será  instalado. Sobrecarga que a infra-estrutura  pode supor...
Projeto   É importante que na hora do projeto    já haja a definição se terá piso    elevado, pois deve-se tomar o    cui...
Características   No Brasil as placas mais usadas    são de 40 x 40 cm até 63 x 63    cm.   A sua altura varia entre 3 c...
Colocação:   Marcação e locação:   Com auxílio de régua, trena e    lápis, os eixos de locação dos    suportes devem ser...
   Colagem:   Utilizando cola apropriada, deve-se aderir    os suportes nas posições anteriormente    marcadas.   Os su...
   Perfil de transição:   Colocar a moldura da tampa de    inspeção   sobre   os   suportes    devidamente      aderidos...
   Primeira fiada:   A primeira fiada deve ser    colocada junto à parede e sobre    os suportes. (A parte macho do    e...
   Colocação das placas:   Seguir sempre em apenas uma    direção de colocação, alinhando as    placas no suporte e evit...
   Acabamento do piso:   Colar os encaixes macho e fêmea    das    placas    não   removíveis.    Dependendo da geometri...
Manutenção   Limpeza:   Laminados,       emborrachados,    cerâmica e pedras – Usar pano    levemente umedecido em água ...
Conservação   Na hora da limpeza, evitar o uso de    produtos derivados de petróleo e    materiais abrasivos.   Uso de t...
Custos   Piso elevado com pedra natural    de granito: R$ 210,00 por m².   Piso elevado com placa de aço:    R$ 200,00 p...
PISOS ELEVADOS        INTELIGENTES   Surgiram para facilitar ainda    mais a aplicação e manutenção    em relação aos pis...
Porque utilizá-los:   Pisos elevados comuns necessitam    de manutenção.   As partes metálicas podem sofrer    oxidação....
Vantagens:   Não há necessidade do uso de    canaletas ou outros dutos para    separação dos cabos de energia    elétrica...
   Outra vantagem é que não é    necessário o nivelamento da laje    desde que o desnível seja inferior    do que a máxim...
Características Altura: 75 até 155mm. Peso: Varia de acordo com a  altura, tendo no mínimo 63kg e  podendo chegar até 78...
Possui rápida instalaçãoÉ   preenchido por uma massa autonivelante em uma fôrma no tipo de uma pirâmide invertida e pré-...
Colocação   Onde deseja-se ter    o     piso  elevado,    colocam-se        as    fôrmas     de   PVC.    Esta é a parte ...
   A massa auto nivelante    vem em bolsas de    40kg e é misturada na    obra       em     uma    betoneira.   Saindo d...
   A    massa    se    auto     nivela,    dispensando qualquer correção.    Após a sua cura, ela está apta a    receber ...
   A flexibilidade do piso é através da    caixa de inspeção, que é adicionada    na hora da montagem do piso. A    dista...
   Em     casos     de    mudanças          a    tomada pode ser    facilmente retirada    e o furo antigo    será   reco...
   Em obras com cerca de 500m²,    demora-se     dois    dias       para    preparar as fôrmas e um dia para    o   bombe...
FULGET   É um revestimento    áspero    formado    pela mistura de    cimento       com    agregados    minerais   moídos...
Vantagens: Resistência a impactos e abrasão. Antiderrapante. Perfeito acabamento. Há várias opções de cores.É    idea...
Tipos de fulget:   Tradicional:    Composto por ligantes (cimento e    cal), mármores, granitos, arenitos    e     quartz...
Limpeza:   Por ser um material áspero, há    retenção de sujeira, o que dificulta a    limpeza.   Deve-se utilizar jato ...
Características:   Fulget tradicional:Granulometria 0Espessura: 8 a 10mmConsumo: 13,5 kg/m² de granulado e 13,5kg/m² de l...
Granulometria 2Espessura: 12 a 15mmConsumo: 20kg/m² de granuladoe 20kg/m² de liganteFulgetnaturalGranulometria 0Espessura...
Rendimento   Fulget tradicional: A produção    por trabalhador fica entre 15 a    20 m² por dia.   Fulget natural: A pro...
Colocação   Preparação da superfície:   Fazer o emboço no traço 7x1, com    areia grossa.   Deve estar prumado e com ca...
   Aplicação:   Molhar bem a superfície.   Colocar as juntas na parede ou no piso    com o tamanho indicado no projeto ...
   Antes de secar a massa, fazer a    primeira lavagem com água    aplicada com jato.   Após 24 horas fazer a segunda   ...
   Recomendações na aplicação: Aplicação em paredes fazer de cima  para baixo e ter o cuidado para não  manchar ou danif...
Juntas de dilatação Cortadas com facão: É o método de  prensar o revestimento ainda mole  sobre a massa grossa, criando u...
Custos   O custo        do    fulget fica   em    média de       R$    45,00         por    m².
GRANILHA   Granilha é um revestimento a base de    granito     moido,     granulometricamente    selecionados,    que    ...
   Utiliza-se a granilha para revestimentos de    paredes, geralmente em áreas externas.    Todos os revestimentos podem ...
Vantagens:   Baixa Manutenção.   Secagem rápida.   Baixo custo final.   Totalmente lavável, embora acumule sujeira.  ...
Limpeza   Por ser um material áspero, há    retenção de sujeira, o que dificulta a    limpeza.   Deve-se utilizar jato f...
Preparo da Superfície   Primeiro    prepara-se     a   superfície    de    aplicação, fazendo com que ela fique seca,    ...
Colocação   Prepara-se o substrato ideal com    traço 1:2:6 (cimento, cal e    areia), sendo que areia não pode    conter...
   No preparo da massa recomenda-se para    cada saco de 25 Kg de granilha utilizar 2,5    Kg de resina e 0,5 Kg de água ...
   Deve-se colocar os filetes de dilatação, após    estende-se    uniformemente      no   sentido    vertical a granilha ...
Rendimento e Custo Leva-se em consideração que um trabalhador produz de 30 m² até 50m²/dia. O custo final sai por R$ 20,00...
Cuidados   A Granilha não pode ser aplicada com    chuva.   Deve ser aplicado com inclinação de luz    que facilite para...
Granitina ou Granilite   Granilite ou granitina é um piso rígido    polido, com juntas plásticas de dilatação,    moldado...
   A granitina pode até ser confundida com o    mármore, no entanto, as semelhanças    param por aí. Mais barata, de fáci...
   Usada em pisos e revestimentos residenciais,    prediais, industriais, hospitalares e comerciais, além    de revestime...
Granulometrias   O GRANILITE pode ser aplicado nas    seguintes granulometrias: n. 0, 1, 2 e 3, e    nas seguintes espess...
Composição   O GRANILITE é confeccionado com os    seguintes materiais: Agregado Minerais    moídos: (Mármore, Calcário, ...
Vantagens Apresentam características de grande resistência a  impactos e abrasão. Acabamento perfeito. Cores    variada...
Limpeza   Use vassoura e sabão neutro, jamais    produtos abrasivos, que danificam a    argamassa composta de cimento.   ...
Preparo da superfície   Correção do contra-piso e nivelamento. Traço recomendado para contra-piso: 1:3 ou 1:4. Traço pa...
   A regularização da superficie é feita com argamassa    de cimento e areia no traço 1:3, não devendo ser    alisada com...
Colocação   Prepara-se a pasta de granilite com o traço desejado indicado    acima.   O granilite também precisa da ajud...
VIDEO COLOCAÇÃO   http://www.youtube.com/watch?v=
Polimento   Após a cura de 7 dias e colocação do granilite, a    argamassa já está apta para receber o primeiro    polime...
   Após 3 a 4 dias, passar máquina com esmeril n.180 para    tirar o excesso de cimento da superfície e dar o    acabamen...
VIDEO POLIMENTO   http://www.youtube.com/watch?v=   http://www.youtube.com/watch?v=   http://www.youtube.com/watch?v=
Cuidados   A reaplicação da resina poliuretânica em    torno de dois ou três anos, dependendo do    fabricante   As fiss...
Rendimento e Custo   Há empresas que cobram R$ 40,00/m² do    piso de granitina já posto, variando entre R$    40,00 e R$...
Papel de Parede   Origem na china, totalmente branco sem    função decorativa.   Era feito com papel de arroz e depois c...
Tipos fabricados no Brasil   Papel de Parede: recebe camada de tinta    vinilizada, que mantém a qualidade e    durabilid...
Porque utilizá-los:   Ótimo custo benefício.   Maior durabilidade que a pintura, durando    de 3 a 10 anos.   Sua aplic...
Aplicação   Limpe a parede com pano úmido.   Meça a superfície, corte o papel deixando 10    cm para o teto e outros 10 ...
   Passe bastante cola, dobre o papel pelas    pontas por 1 minuto e reaplique cola.   Comece pelo teto, desenrolando o ...
   Conforme for colando o        papel,   retirar    excesso de cola com pano.   Recortar o excesso de papel com espátul...
   Nunca aplicar papel de parede sobre papeis    de parede antigos, os antigos devem ser    molhados em solução água e sa...
Preparação da cola   Usar cola em pó diluída em água, pois a    mesma não tem cheiro.   Quando misturada parece um minga...
Procedimento quanto àstomadas e interruptores   Na aplicação do papel, aplica-lo em cima das    tomadas e interruptores, ...
Obrigado!
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados

7.796 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados

Publicada em: Tecnologia
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • muito boa as explicações,gostaria de saber onde compro os materiais, como a granilha e a resina
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.796
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
152
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
240
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados

  1. 1. PISOS ELEVADOS,REVESTIMENTOS GRANILÍTICOS E PAPEL DE PAREDE Acadêmicos: Antonio C. B. Gnoatto Felipe Regoso Paola de Oliveira Thiago Finger
  2. 2. PISOS ELEVADOS São materiais desenvolvidos para criar um espaço livre entre o piso original e o novo piso (elevado), gerando um novo nível e deixando espaço para a passagem de cabos.
  3. 3. Surgimento Existem há mais de 40 anos no mercado, mas no Brasil começou a ser usado na década de 90. Surgiram devido à necessidade de cabeamento em centros de processamento de dados. Porém pela agilidade de execução e flexibilidade do layout, conquistaram mais espaços na construção civil.
  4. 4.  Principal necessidade do surgimento dos pisos elevados: a passagem de cabos.
  5. 5. Composição
  6. 6. Constituição Existe a opção de fazer o piso elevado com diversos materiais, sendo eles: Chapas de aço preenchidas com concreto celular. Placas de mdf. Placas de ardósia. Placas de granito.
  7. 7. Revestimentos Carpete. Porcelanato. Emborrachado. Assoalho. Laminado melamínico. Piso vinílico. Placas de granito.
  8. 8. Utilização: Facilitar instalações elétricas, passagem de tubulações, cabos de voz e diversas fiações.
  9. 9.  Integração de varandas com ambientes internos. Formação de ambientes provisórios.
  10. 10.  Podem ser usados interna ou externamente: Internos: utilizados em ambientes coorporativos e residenciais.
  11. 11.  Externos: utilizados em decks de piscinas, sacadas e palcos. Nestes casos, deixa-se junta aberta para escoamento da água.
  12. 12.  O espaço entre o piso original e o piso elevado pode ser utilizado para melhorar o desempenho térmico (aquecimento ou resfriamento do piso). Este espaço também deve ter sensores de calor e de fumaça para prevenir acidentes.
  13. 13. Vantagens: A utilização do forro é diminuída, sendo necessário apenas para instalações de sensores de presença, iluminação e outros equipamentos como de segurança contra incêndio. Possui ótima isolação térmica e acústica (o ar que fica entre os pisos não deixa o calor chegar na laje).
  14. 14.  Fácil e rápida remoção e instalação. Fácil acesso às instalações. Permite várias possibilidades de alturas de elevação. Diminui o uso de canaletas. Valorização do imóvel, pois facilita instalações posteriores na obra.
  15. 15.  Há várias opções de pisos para combinar com o ambiente.
  16. 16. Fatores que devem seranalisados: O pé-direito da área onde será instalado. Sobrecarga que a infra-estrutura pode suportar. Resistência do material. Tráfego sobre o piso. Tipo de revestimento a ser utilizado. Espessura do cabeamento e tipos de caixas de ligação. Custos de instalação e manutenção.
  17. 17. Projeto É importante que na hora do projeto já haja a definição se terá piso elevado, pois deve-se tomar o cuidado quanto a altura do pé direito e das aberturas.
  18. 18. Características No Brasil as placas mais usadas são de 40 x 40 cm até 63 x 63 cm. A sua altura varia entre 3 cm e 1,20 m.
  19. 19. Colocação: Marcação e locação: Com auxílio de régua, trena e lápis, os eixos de locação dos suportes devem ser marcados no substrato, identificando sua exata posição.
  20. 20.  Colagem: Utilizando cola apropriada, deve-se aderir os suportes nas posições anteriormente marcadas. Os suportes devem fazer ângulo de 90º com o substrato para que esteja devidamente colocado. Há suportes que são fixados ao substrato por pequenos parafusos.
  21. 21.  Perfil de transição: Colocar a moldura da tampa de inspeção sobre os suportes devidamente aderidos ao substrato.
  22. 22.  Primeira fiada: A primeira fiada deve ser colocada junto à parede e sobre os suportes. (A parte macho do encaixe deverá ficar junto à parede).
  23. 23.  Colocação das placas: Seguir sempre em apenas uma direção de colocação, alinhando as placas no suporte e evitando deslocamentos indevidos.
  24. 24.  Acabamento do piso: Colar os encaixes macho e fêmea das placas não removíveis. Dependendo da geometria do piso, pode ser necessário a aplicação de junta de dilatação a cada 15 metros. Após a secagem da cola (cerca de 24 horas) já é possível andar sobre o piso.
  25. 25. Manutenção Limpeza: Laminados, emborrachados, cerâmica e pedras – Usar pano levemente umedecido em água e um pano com substâncias a base de álcool. Carpete – É ideal limpar pelo menos 3 vezes por semana, efetuar a limpeza com aspirador de pó.
  26. 26. Conservação Na hora da limpeza, evitar o uso de produtos derivados de petróleo e materiais abrasivos. Uso de tapete em locais onde haja maior circulação. Evitar infiltrações de água em cima e em baixo do piso elevado. Remoção das placas com o uso do sacador de placa, jamais com chave de fenda, pois pode danifica-la. Não colocar carga superior à capacidade do suporte.
  27. 27. Custos Piso elevado com pedra natural de granito: R$ 210,00 por m². Piso elevado com placa de aço: R$ 200,00 por m².
  28. 28. PISOS ELEVADOS INTELIGENTES Surgiram para facilitar ainda mais a aplicação e manutenção em relação aos pisos elevados comuns. São aplicados diretamente sobre a laje, ou seja, não há necessidade de contra piso.
  29. 29. Porque utilizá-los: Pisos elevados comuns necessitam de manutenção. As partes metálicas podem sofrer oxidação. Constantes montagens e desmontagens podem degradar a estrutura e as placas.
  30. 30. Vantagens: Não há necessidade do uso de canaletas ou outros dutos para separação dos cabos de energia elétrica dos demais cabos de sinais, pois os arcos formados pelo piso elevado monolítico devem ser utilizados para efetuar esta separação.
  31. 31.  Outra vantagem é que não é necessário o nivelamento da laje desde que o desnível seja inferior do que a máxima variação de alturas das formas. Caso o desnível da laje seja maior, não será possível efetuar sua correção.
  32. 32. Características Altura: 75 até 155mm. Peso: Varia de acordo com a altura, tendo no mínimo 63kg e podendo chegar até 78kg. Aceita qualquer tipo de revestimento podendo ser: carpete, cerâmica, madeira, vinílico, pedras naturais, entre outros.
  33. 33. Possui rápida instalaçãoÉ preenchido por uma massa autonivelante em uma fôrma no tipo de uma pirâmide invertida e pré-moldada em PVC auto extinguível.
  34. 34. Colocação Onde deseja-se ter o piso elevado, colocam-se as fôrmas de PVC. Esta é a parte mais crítica e demorada, pois as fôrmas são individuais e deve- se preencher todo o ambiente.
  35. 35.  A massa auto nivelante vem em bolsas de 40kg e é misturada na obra em uma betoneira. Saindo da betoneira, ela é bombeada para cima das fôrmas através de mangueiras. Esta é uma etapa simples e rápida.
  36. 36.  A massa se auto nivela, dispensando qualquer correção. Após a sua cura, ela está apta a receber qualquer tipo de revestimento.
  37. 37.  A flexibilidade do piso é através da caixa de inspeção, que é adicionada na hora da montagem do piso. A distancia entre elas deve ser inferior a 6 metros. Os cabos são guiados por baixo do piso de uma caixa de inspeção até outra, pode-se adicionar tomadas no piso e alimentá-las com a caixa mais próxima.
  38. 38.  Em casos de mudanças a tomada pode ser facilmente retirada e o furo antigo será recomposto com outra fôrma de PVC. Com o calço de borracha instalado ele reduz o som do caminhar para o andar inferior.
  39. 39.  Em obras com cerca de 500m², demora-se dois dias para preparar as fôrmas e um dia para o bombeamento da massa autonivelante, mas pode variar de acordo com a quantidade de equipes executando o trabalho simultaneamente. (Fonte: Werden)
  40. 40. FULGET É um revestimento áspero formado pela mistura de cimento com agregados minerais moídos em diversos tamanhos (a mistura pode ser pigmentada ou não).
  41. 41. Vantagens: Resistência a impactos e abrasão. Antiderrapante. Perfeito acabamento. Há várias opções de cores.É ideal para rampas, pisos, fachadas e escadas.
  42. 42. Tipos de fulget: Tradicional: Composto por ligantes (cimento e cal), mármores, granitos, arenitos e quartzos (todos moídos uniformemente). Natural: Composto pelos elementos do tradicional e resinas acrílicas para facilitar a aderência em superfícies verticais.
  43. 43. Limpeza: Por ser um material áspero, há retenção de sujeira, o que dificulta a limpeza. Deve-se utilizar jato forte de água e detergente neutro para mantê-lo limpo.
  44. 44. Características: Fulget tradicional:Granulometria 0Espessura: 8 a 10mmConsumo: 13,5 kg/m² de granulado e 13,5kg/m² de ligante.Granulometria 1Espessura: 10 a 12mmConsumo: 15kg/m² de granulado e 15kg/m² de ligante
  45. 45. Granulometria 2Espessura: 12 a 15mmConsumo: 20kg/m² de granuladoe 20kg/m² de liganteFulgetnaturalGranulometria 0Espessura: 4 a 5mmConsumo: 7kg/m² de granulado e1,5kg/m² de ligante
  46. 46. Rendimento Fulget tradicional: A produção por trabalhador fica entre 15 a 20 m² por dia. Fulget natural: A produção diária é de aproximadamente 50 m² por trabalhador. O rendimento se dá devido a ter apenas 2 etapas, que são espalhar e dar o acabamento final.
  47. 47. Colocação Preparação da superfície: Fazer o emboço no traço 7x1, com areia grossa. Deve estar prumado e com cantos vivos. Lavar a superfície antes da aplicação.
  48. 48.  Aplicação: Molhar bem a superfície. Colocar as juntas na parede ou no piso com o tamanho indicado no projeto (máximo 1,80 x 1,80m). Aplicar a massa e desempena-la com uma desempenadeira de aço.
  49. 49.  Antes de secar a massa, fazer a primeira lavagem com água aplicada com jato. Após 24 horas fazer a segunda lavagem com água e ácido muriático para que haja a queima natural da pedra saindo então o excesso de resíduos.
  50. 50.  Recomendações na aplicação: Aplicação em paredes fazer de cima para baixo e ter o cuidado para não manchar ou danificar o fulget quando descer o andaime. Evitar a falta de água senão o material já aplicado será perdido.
  51. 51. Juntas de dilatação Cortadas com facão: É o método de prensar o revestimento ainda mole sobre a massa grossa, criando um sulco de 8mm que impede a infiltração da água. Abertas: É pregado um cordão de madeira de 10mm durante a aplicação do fulget. Depois de retirado deixa espaço para fazer o rejunte com ligante. Plásticas: Várias cores, com espessura e largura de 10mm, ficam permanentes na parede.
  52. 52. Custos O custo do fulget fica em média de R$ 45,00 por m².
  53. 53. GRANILHA Granilha é um revestimento a base de granito moido, granulometricamente selecionados, que possuem grande elasticidade, não risca e não arranha com facilidade, possuindo mais de 130 cores, aglutinado com resina acrílica. Mesmo processo de fabricação que o fulget, porém, trata-se apenas de pedra granilha e ao invés de cimento, se utiliza resina acrilica.
  54. 54.  Utiliza-se a granilha para revestimentos de paredes, geralmente em áreas externas. Todos os revestimentos podem ser aplicados em qualquer superfície: rebocos apenas sarrafiados, que foram preparados para receber revestimento cerâmico, e até mesmo podem ser aplicados sem nenhuma restrição por cima de qualquer tipo de azulejos, granitos, mármores sem que seja necessário removê-lo.
  55. 55. Vantagens: Baixa Manutenção. Secagem rápida. Baixo custo final. Totalmente lavável, embora acumule sujeira. Alta resistência ao mofo. Alta resistência às ações do tempo. Grande poder de impermeabilização.
  56. 56. Limpeza Por ser um material áspero, há retenção de sujeira, o que dificulta a limpeza. Deve-se utilizar jato forte de água de preferência não pontual porque fura a argamassa e solta os grânulos e detergente neutro para mantê-lo limpo.
  57. 57. Preparo da Superfície Primeiro prepara-se a superfície de aplicação, fazendo com que ela fique seca, livre de sujeiras, graxas e partículas soltas. Em paredes novas deve-se lixar levemente para remoção de areia solta na superfície. Em repinturas deve-se remover com lixa as sujeiras, gorduras, óleos, partes soltas e pó, provenientes de pinturas antigas. Corrige-se o prumo, o nivelamento e o pH da parede.
  58. 58. Colocação Prepara-se o substrato ideal com traço 1:2:6 (cimento, cal e areia), sendo que areia não pode conter sais ou óleos. Aplica-se previamente sobre a superfície uma demão de selador acrílico, sem diluição e com o rolo de lã.
  59. 59.  No preparo da massa recomenda-se para cada saco de 25 Kg de granilha utilizar 2,5 Kg de resina e 0,5 Kg de água potável. Deve ser despejado em um recipiente e homogeneizado com a resina e água. OBS: Se a água for insuficiente para obter o ponto de aplicação, deve-se adicionar até encontrar o ponto ideal. Depois de preparada, a mistura deverá ser aplicada no máximo em um dia, evitando que o material perca a aderência ou que a massa da granilha endureça.
  60. 60.  Deve-se colocar os filetes de dilatação, após estende-se uniformemente no sentido vertical a granilha na parte a ser revestida, com auxílio de uma desempenadeira de aço inox especial ou PVC, próprias para esse trabalho. Passa-se sobre a superfície a desempenadeira no sentido horizontal, para deixar o revestimento pré alisado. Tempo de secagem de 6 horas.
  61. 61. Rendimento e Custo Leva-se em consideração que um trabalhador produz de 30 m² até 50m²/dia. O custo final sai por R$ 20,00/m² com mão de obra. A resina para manutenção (recomendado de 5 em 5 anos) custa R$ 5,00 o litro e rende 7 ou 8m², dependendo da porosidade.
  62. 62. Cuidados A Granilha não pode ser aplicada com chuva. Deve ser aplicado com inclinação de luz que facilite para visualizar os defeitos da aplicação Nunca usar desempenadeira de aço- carbono, pois provocará manchas amareladas no revestimento. O granilha não deve ser aplicado sobre gesso, cal ou fibrocimento.
  63. 63. Granitina ou Granilite Granilite ou granitina é um piso rígido polido, com juntas plásticas de dilatação, moldado in loco, ele é constituído de cimento e mármore, granito ou quartzo triturado. A cor varia de acordo com a granilha e o corante que são colocados na sua composição. Os pisos de Granitina são bastante semelhantes à granilha, porém, possui os grãos mais graudos. Granulometria de 0 a 3
  64. 64.  A granitina pode até ser confundida com o mármore, no entanto, as semelhanças param por aí. Mais barata, de fácil manutenção e utilizada com frequência em grandes empreendimentos, a granitina virou moda na construção civil. A praticidade e o preço da granitina hoje, que é cerca de 50% mais barato que o mármore, compensa o investimento. Se depois de algum tempo o piso apresentar qualquer tipo de desgaste, basta lixar e polir para que a superfície volte a brilhar novamente.
  65. 65.  Usada em pisos e revestimentos residenciais, prediais, industriais, hospitalares e comerciais, além de revestimentos de móveis e jardins, artefatos de cimento, paisagismo, decoração, bricolagem dentre outros. Além dos belos tons naturais é oferecida com pigmentação nas mais variadas cores e sua moagem seletiva permite seu uso nos mais diversos projetos. A granitina é oferecida com variações de cores e tamanhos que são selecionados na moagem.
  66. 66. Granulometrias O GRANILITE pode ser aplicado nas seguintes granulometrias: n. 0, 1, 2 e 3, e nas seguintes espessuras: 08 mm para granulometria n. 0 10 mm para granulometria n. 1 12 mm para granulometria n. 2 15 mm para granulometria n. 3
  67. 67. Composição O GRANILITE é confeccionado com os seguintes materiais: Agregado Minerais moídos: (Mármore, Calcário, Quartzo, etc.) e Cimento (comum ou branco) conforme proporção abaixo: 08 mm - agregado 14 kg. - cimento 08 kg. 10 mm - agregado 16 kg. - cimento 10 kg. 12 mm - agregado 18 kg. - cimento 12 kg. 15 mm - agregado 28 kg. - cimento 16 kg.
  68. 68. Vantagens Apresentam características de grande resistência a impactos e abrasão. Acabamento perfeito. Cores variadas com ilimitadas combinações decorativas e beleza original renovável a um simples polimento.
  69. 69. Limpeza Use vassoura e sabão neutro, jamais produtos abrasivos, que danificam a argamassa composta de cimento. Freqüência da limpeza pode ser diária, semanal, quinzenal ou mensal.
  70. 70. Preparo da superfície Correção do contra-piso e nivelamento. Traço recomendado para contra-piso: 1:3 ou 1:4. Traço para Aplicação:
  71. 71.  A regularização da superficie é feita com argamassa de cimento e areia no traço 1:3, não devendo ser alisada com a colher de pedreiro mais sim desempenada, para ficar com uma superfície áspera onde o granilite irá aderir com maior intensidade. Limpeza de toda a superfície a ser executada.
  72. 72. Colocação Prepara-se a pasta de granilite com o traço desejado indicado acima. O granilite também precisa da ajuda das juntas de dilatação para não sofrer retração. Portanto a sua aplicação deve ser precedida da colocação das juntas de dilatação constituídas por tiras de plástico fixadas no contra piso com nata de cimento, ou podendo ser de latão. Elas precisam ficar totalmente unidas, criando espaçamento contínuo. As juntas devem delimitar quadros de 1,5m x 1,5m no máximo, como forma de minimizar a incidência de trincas e para garantir que fique mais plano. A aplicação deve ser feita com desempenadeira ou colher, espalhando a massa pela superfície rugosa. Espessura mínima de 8mm. Passa-se sobre a superfície a desempenadeira no sentido horizontal, para deixar o revestimento pré alisado ou regulariza-se com régua de alumínio.
  73. 73. VIDEO COLOCAÇÃO http://www.youtube.com/watch?v=
  74. 74. Polimento Após a cura de 7 dias e colocação do granilite, a argamassa já está apta para receber o primeiro polimento e a estucagem. Primeiro polimento com politriz e esmeril de grão n.36 para polimento grosso, e em seguida esmeril n.120 Após o primeiro polimento, as superfícies serão estucadas com mistura de cimento comum ou branco e corante (para tirar pequenas falhas). Essa calda de estucamento deve ter a cor exata da argamassa, senão podem surgir manchas. O polimento tem de ser feito com iluminação muito boa para o brilho evidenciar as imperfeições
  75. 75.  Após 3 a 4 dias, passar máquina com esmeril n.180 para tirar o excesso de cimento da superfície e dar o acabamento liso. Executar os rodapés com altura de 7cm, com bordas arredondadas,dando o polimento manualmente Pode ser optado pela aplicação de resina poliuretânica após o polimento. O acabamento final pode ser feito com cera à base de petróleo ou duas demãos de resina acrílica, isto já com a superfície seca. A cera preserva o revestimento da abrasão. É fácil aplicar, pode ser à base de água e passada com pano e rodo.
  76. 76. VIDEO POLIMENTO http://www.youtube.com/watch?v= http://www.youtube.com/watch?v= http://www.youtube.com/watch?v=
  77. 77. Cuidados A reaplicação da resina poliuretânica em torno de dois ou três anos, dependendo do fabricante As fissuras superficiais no granilite são amenizadas com polimento fino. Se não resolver, o jeito é refazer, pois trocar só uma área gera tonalidade diferente. O granilite não deve ser aplicado sobre gesso, cal ou fibrocimento.
  78. 78. Rendimento e Custo Há empresas que cobram R$ 40,00/m² do piso de granitina já posto, variando entre R$ 40,00 e R$ 80,00. Numa área de 40 a 60 m², o tempo de aplicação do polido leva cerca de 20 dias, ao contrário do fulget que leva cerca de 12 dias.
  79. 79. Papel de Parede Origem na china, totalmente branco sem função decorativa. Era feito com papel de arroz e depois com pergaminho vegetal. No Brasil apareceu com a migração européia. Em 1960 torna-se popular no Brasil, diminuindo seu custo.
  80. 80. Tipos fabricados no Brasil Papel de Parede: recebe camada de tinta vinilizada, que mantém a qualidade e durabilidade por 3 anos, é vendido em rolos de 0,52 x 10 m. Papel Vinílico: produzido em papel duplex, recebendo camada de PVC, possibilitando a limpeza. Durabilidade 5 anos. Revestimento Vinílico: Produzido em tela de algodão e recoberto por PVC. É lavável e tem garantia de 10 anos.
  81. 81. Porque utilizá-los: Ótimo custo benefício. Maior durabilidade que a pintura, durando de 3 a 10 anos. Sua aplicação é feita de forma rápida, fácil, e sem sujeiras. Não deixa odores no ambiente. Personaliza o ambiente.
  82. 82. Aplicação Limpe a parede com pano úmido. Meça a superfície, corte o papel deixando 10 cm para o teto e outros 10 para o rodapé.
  83. 83.  Passe bastante cola, dobre o papel pelas pontas por 1 minuto e reaplique cola. Comece pelo teto, desenrolando o papel até o chão.
  84. 84.  Conforme for colando o papel, retirar excesso de cola com pano. Recortar o excesso de papel com espátula, passe o estilete e puxe a rebarba.
  85. 85.  Nunca aplicar papel de parede sobre papeis de parede antigos, os antigos devem ser molhados em solução água e sabão até se soltarem. Todas imperfeições deve ser corrigidas, com massa corrida ou gesso. Pregos parafusos devem ser arrancados.
  86. 86. Preparação da cola Usar cola em pó diluída em água, pois a mesma não tem cheiro. Quando misturada parece um mingau, cheio de bolas, mas em uma hora se dissolve. Com 100 g de cola é possível colar 35m², com custo de 0,65 R$ por metro.
  87. 87. Procedimento quanto àstomadas e interruptores Na aplicação do papel, aplica-lo em cima das tomadas e interruptores, cobrindo-os. Após o papel seco, efetuar corte em forma de cruz sobre eles. Abrir cautelosamente para não danificar o papel. Cortar, efetuando o contorno usando estilete.
  88. 88. Obrigado!

×