Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias

15.609 visualizações

Publicada em

Um estudo completo sobre Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias

Publicada em: Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.609
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
425
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias

  1. 1. Metodologia de aplicação deargamassas colantes e suas patologias
  2. 2. Histórico das Argamassas • No início, era utilizado o “bolão” – mistura simples de cimento e areia • Nos anos 50, na Europa, surgem as primeiras argamassas colantes prontas do mercado – bastava apenas acrescentar água • No Brasil, a primeira fábrica de argamassa colante surgiu em 1971, mas o produto passou a ser utilizado mais expressivamente a partir da década de 80Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  3. 3. Tipos de argamassas colantes e suas características Argamassa Colante tipo AC – I • Argamassa colante com características para resistir à solicitações mecânicas em ambiente internos, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e áreas especiais.Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  4. 4. Tipos de argamassas colantes e suas características Argamassa Colante tipo AC – II • Argamassa colante indicada para uso externo, pois é balanceada para suportar as intempéries do tempo (vento, chuva, incidência direta do sol, etc). • Restrições: não indicada para piscinas, estufas, saunas, porcelanatos, etc.Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  5. 5. Tipos de argamassas colantes e suas características Argamassa Colante tipo AC – III • Argamassa colante altamente indicada para uso em ambientes externos, e para revestimentos de baixa absorção, como porcelanatos, peças cerâmicas, pedras de peso elevado etc.Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  6. 6. Tipos de argamassas colantes e suas características Argamassas Colantes tipo E • Argamassas colantes com as mesmas características das anteriores, porém com tempo em aberto estendido.Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  7. 7. Tipos de argamassas colantes e suas características Argamassas Colantes Específicas • São argamassas desenvolvidas com alta tecnologia, para atender às mais altas exigências e para utilização nos mais diversos tipos de revestimentos e substratos não convencionais.Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  8. 8. Metodologia de aplicação de argamassas colantes 1. Mistura • O produto deve ser preparado em recipiente limpo e estanque, protegido do sol, da chuva e do vento • Sempre adicionar o pó na água, e não o contrário • Dissolver o produto na proporção de água indicada pelo fabricante • Misturar até que a massa apresente aspecto pastoso e homogêneo • Deixar a mistura em repouso por aproximadamente 15 minutos, ou conforme indicação do fabricante • Misturar novamente ao início da aplicaçãoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  9. 9. Metodologia de aplicação de argamassas colantes 2. Aplicação • Os dentes da desempenadeira devem estar em bom estado de conservação • A base da aplicação não pode apresentar desvios de prumo e planeza, e deve estar curada, firme e limpa, isenta de qualquer tipo de impregnação que possa prejudicar o trabalho • Verificar a presença de desmoldante ou outro produto que possa prejudicar a aderência da argamassa colante • Com o lado liso da desempenadeira, aplicar uma camada de argamassa colante sobre toda a área • Em seguida, passar o lado dentado da desempenadeira, a uma inclinação de 60º da base, formando cordões e sulcos paralelos • Nunca aplicar a argamassa colante pelo processo de pingoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  10. 10. Metodologia de aplicação de argamassas colantesMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  11. 11. Metodologia de aplicação de argamassas colantesMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  12. 12. Metodologia de aplicação de argamassas colantesMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  13. 13. Metodologia de aplicação de argamassas colantesMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  14. 14. Metodologia de aplicação de argamassas colantesMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  15. 15. Metodologia de aplicação de argamassas colantes 3. Assentamento do revestimento cerâmico • Fixar a peça cerâmica sobre o produto estendido, pressionando-a levemente contra o substrato, de maneira que os cordões sejam esmagados e que todo o tardoz (verso da peça) fique em contato com a argamassa colante – se necessário, utilizar martelo de borracha • Em peças com área superior a 900 cm2 (30 x 30 cm), peças com peso elevado, pedras, ardósia e porcelanatos, deve-se aplicar o produto também no tardoz, utilizando desempenadeira de 8 mm – processo este conhecido como dupla camadaMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  16. 16. Metodologia de aplicação de argamassas colantes 4. Verificação do tempo em aberto • Utilizar a ponta dos dedos para verificar a consistência da argamassa colante, que deve ser a mesma do produto preparado no recipiente • Retirar aleatoriamente algumas peças cerâmicas no decorrer da aplicação e verificar o tardoz; a argamassa colante deve estar impregnada em toda a sua superfície • Verificar se a argamassa colante apresenta uma coloração esbranquiçada na superfície (película); caso isto ocorra, descartar o produto e aplicar uma nova camadaMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  17. 17. Metodologia de aplicação de argamassas colantes 5. Aplicação do Rejuntamento • Observe se o recipiente no qual será efetuada a mistura está limpo e estanque, protegido do sol, da chuva e do vento • Misturar até que a massa apresente aspecto pastoso e homogêneo • O material preparado deverá ser utilizado no prazo máximo de duas horas e meia • Deixar a mistura em repouso por aproximadamente 15 minutos, ou conforme indicação do fabricante • Misturar novamente ao início da aplicação • A aplicação deve ser executada com ferramenta apropriada (desempenadeira de borracha, espátula, etc.)Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  18. 18. Metodologia de aplicação de argamassas colantes 5. Aplicação do Rejuntamento • Em altas temperaturas, clima seco, juntas muito finas e revestimentos cerâmicos de alta absorção, é importante umedecer as juntas antes de rejuntar • Remover o excesso de rejuntamento com uma esponja levemente umedecida e limpa; não utilizar palha de aço ou ácidos na limpeza • Frisar e limpar antes que o rejuntamento apresente resistência para não se soltar • O rejuntamento deve ser aplicado, no mínimo, 72 horas após o assentamento do revestimento cerâmico • O excesso de água e condições desiguais de secagem podem influenciar na variação da tonalidade do rejunteMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  19. 19. Metodologia de aplicação de argamassas colantesMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  20. 20. Metodologia de aplicação de argamassas colantesMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  21. 21. Metodologia de aplicação de argamassas colantesMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  22. 22. Metodologia de aplicação de argamassas colantes Estatísticas • 97% das reclamações são resultado de mau uso do produto e falta de informação • 98,2% dos aplicadores não lêem as instruções do verso • 5,4% do tempo de trabalho é utilizado para atender à reclamações • 1,3% do faturamento é gasto com o atendimento à reclamações • 43% dos clientes não retornam após uma reclamação mal atendidaMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  23. 23. Participação no mercado de argamassas (ano 2010) 53,33 % Quartzolit 19% Votorantim 3,2% Portokol 2,67% Usina Fortaleza 2,33% Cimpor 1,33% Arga. Santa Rita 0,80% Eliane 0,67% Imar 0,33% Minercal 16,34% OutrosMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  24. 24. Causas de Patologias em argamassas e rejuntamentos 1. Causas de descolamento devido a mau preparo ou má aplicação da argamassa colante • Deixar a argamassa colante secar na parede ou no piso • Dissolver o produto na quantidade errada de água • Não homogeneizar o produto corretamente • Não deixar a massa descansar após a homogeneização (tempo de maturação) • Não utilizar água limpa • Não utilizar recipiente estanque • Adicionar outros produtos à composição original, como cimento, etc. • Utilizar desempenadeira com dentes desgastadosMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  25. 25. Causas de Patologias em argamassas e rejuntamentos 2. Causas de descolamento devido a mau preparo do substrato ou contrapiso • Não umedecer a base antes da aplicação da argamassa colante • Não aguardar o tempo de cura mínimo de 14 dias • Não limpar a base de toda e qualquer substância ou impregnação que possa prejudicar o trabalho (desmoldante, óleo, poeira, desagregação etc) • Não utilizar juntas para movimentação das peças • Substrato com umidade ou mal curadoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  26. 26. Causas de Patologias em argamassas e rejuntamentos 3. Causas de descolamento devido a mau preparo do revestimento cerâmico • Não limpar o tardoz (verso da peça) para retirada do excesso de engobe • Deixar as peças de molho em água (especialmente revestimentos de base vermelha, que possuem alta absorção) • Má qualidade do esmalte do revestimento (craquelê) • Bitola do revestimento fora de padrão • Lote do revestimento ultrapassadoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  27. 27. Causas de Patologias em argamassas e rejuntamentos 4. Causas de manchas no rejuntamento • Dissolver o rejuntamento na quantidade errada de água • Não homogeneizar o produto corretamente • Não deixar a massa descansar após a homogeneização (tempo de maturação) • Não utilizar água limpa • Não utilizar recipiente estanque • Não deixar curar a base • Adicionar outros produtos à composição original, como cimento, corantes, etc. • Utilizar serragem ou óleo diesel • Diferenças de tonalidade de lotes de cimentoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  28. 28. Patologias em RejuntamentoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  29. 29. Patologias em RejuntamentoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  30. 30. Patologias em RejuntamentoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  31. 31. Patologias em RejuntamentoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  32. 32. Patologias em RejuntamentoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  33. 33. Patologias em RejuntamentoMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  34. 34. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  35. 35. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  36. 36. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  37. 37. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  38. 38. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  39. 39. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  40. 40. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  41. 41. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  42. 42. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  43. 43. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  44. 44. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  45. 45. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  46. 46. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  47. 47. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  48. 48. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  49. 49. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  50. 50. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  51. 51. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  52. 52. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  53. 53. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  54. 54. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  55. 55. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  56. 56. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  57. 57. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  58. 58. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  59. 59. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  60. 60. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  61. 61. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  62. 62. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  63. 63. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  64. 64. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  65. 65. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  66. 66. Patologias em ArgamassasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
  67. 67. Mais informações: argapiva@ig.com.brwww.argamassasantarita.com.br

×