SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
GASESGASES
Prof. Ana Cristina Félix
O estado de agregação da matéria varia com
a distância entre as partículas que compõem
a substância (molécula, átomos ou íons)
Estado Físico de uma
Substância
sólido > líquido > gasoso
Aumento do volume
RAZÕES PARA SE INVESTIGAR OS
GASES
1ª.: Alguns elementos e compostos comuns
existem no estado gasoso, nas condições
normais de temperatura e pressão. Além
disso podem ser vaporizados, e as
propriedades destes vapores são
importantes.
2ª.:Nossa atmosfera gasosa proporciona
meios de movimentar energia e materiais
sobre toda a superfície terrestre e é a fonte
de muitos produtos químicos vitais.
3ª.: Os gases são os mais simples quando a
investigação é feita a nível molecular.
OO22
SANGUESANGUE
VENOSO:VENOSO:
rico emrico em
gásgás
carbônicocarbônico
SANGUESANGUE
ARTERIAL:ARTERIAL:
rico emrico em
oxigêniooxigênio
COCO22 OO22
COCO22
TRANSFORMAÇÕES GASOSAS
Gases podem variar de Temperatura,
Pressão e Volume dependendo das
mudanças nas Variáveis de Estado.
São quatro transformações básicas:
•   Isotérmica
•   Isobárica
•   Isométrica (ou Isovolumétrica ou
ainda Isocórica)
•   Adiabática
TRANSFORMAÇÕES
ISOTÉRMICAS
 São transformações em que a temperatura
permanece constante.
Transformações Isobáricas
São transformações que ocorrem a
pressão constante.
Transformações Isométricas
São transformações com volume constante.
LEIS DOS GASES
 Lei de Boyle e Mariotte
 1a
Lei de Charles e Gay-Lussac
 2a
Lei de Charles e Gay-Lussac
 Lei de Gay-Lussac e Avogadro
LEIS DOS GASES
 Lei de Boyle: A Compressibilidade dos Gases
LEI DE BOYLE
Se Pα 1 / V, então:
P1V1 = P2V2
LEI DE BOYLELEI DE BOYLE
Robert Boyle estudou a compressibilidade dos
gases e observou que o volume de uma massa
fixa de um gás, numa dada temperatura, é
inversamente proporcional à pressão do gás.
Dada uma massa de gás numa temperatura
constante, o produto de pressão pelo volume é
constante.
Pα 1 / V
P1V1 = P2V2
TRANSFORMAÇÕES ISOTÉRMICAS
 A temperatura constante:
Pressão e Volume são inversamente
proporcionais.
LEI DE BOYLE
 Exs.: Uma amostra de nitrogênio gasoso na bolsa de
ar de um carro tem a pressão de 745mmHg com o
volume de 65L. Se esta amostra foi transferida para
uma bolsa de 25L, mantendo a mesma temperatura
qual a pressão do gás com o novo volume?
P1V1 = P2V2
745 x 65 = P2 x 25
V2 = 1940mmHg
 Uma amostra de CO2 na pressão de 55mmHg, ocupa
um volume de 125mL. A amostra é comprimida de tal
forma que a nova pressão do gás é 78mmHg. Qual o
novo volume que o gás ocupa? (A temperatura se
manteve constante durante toda a experiência)
LEI DE CHARLESLEI DE CHARLES:
EFEITO DE TºC SOBRE O VOLUME DO
GÁS
LEI DE CHARLESLEI DE CHARLES:
EFEITO DE TºC SOBRE O VOLUME DO
GÁS
 O volume de uma quantidade constante de gás, sob
pressão também constante, aumenta com a elevação da
temperatura.
 Enunciado: Se uma massa constante de gás forma
mantida a pressão constante, o seu volume é
diretamente proporcional à Temperatura Absoluta
(Temperatura em Kelvin)
LEI DE CHARLES
 Exs.: Suponha que se tenha uma amostra de CO2
numa seringa selada. O volume de gás é 25,0mL à
temperatura ambiente (20ºC). Qual o volume final
de gás, se você aquecer a seringa segurando-a na
mão, até a temperatura de 37ºC?
Condições Iniciais: V1 = 25mL
T1 = 20+273 = 293K
Condições Finais: V2 = ?
T2 = 37 + 273 = 310K
V1 = V2 ⇒ 25 = V2 ⇒ 25 x 310 = 26,5mL
T1 T2 293 310 293
LEI DE CHARLES
 Ex.2: Um balão está cheio de hélio e tem o volume de
45,0L na temperatura ambiente (25ºC). Se o balão estiver
cheio com a mesma quantidade de hélio num dia muito
frio (-10ºC), qual o novo volume do balão? Considere que a
pressão permaneceu constante.
RELAÇÃO QUANTIDADE-VOLUME:
LEI DE AVOGADRO
 • A lei de Gay-Lussac de volumes combinados: a uma
determinada temperatura e pressão, os volumes dos gases
que reagem são proporções de números inteiros
pequenos.
LEI DE GAY-LUSSAC E AVOGADRO
 EnunciadoEnunciado: Os volumes de gases se combinavam em
razão expressa por pequenos números inteiros, desde que
fossem medidos na mesma temperatura e pressão.
 Esta Lei é conhecida como Lei dos Volumes que se
combinam de Gay-Lussac.
 Ex.: 100mL de H2 gasoso se combinam com exatamente
50mL de O2 gasoso pra dar 100mL exatos de vapor de H2O,
se todos os volumes forem medidos nas mesmas
temperatura e pressão.
LEI DE GAY-LUSSAC E AVOGADRO
 A Lei de Gay-Lussac exprimia apenas,
resumidamente um conjunto de observações
experimentais, até ser fundamentada pelo
trabalho de Avogadro.
 Enunciado do Princípio de Avogadro:
Volumes iguais de gases, nas mesmas condições
de temp. e pressão, tem o mesmo número de
moléculas.
 Lei de Avogadro: o volume de um gás, a uma
certa temperatura e pressão, é diretamente
proporcional à quantidade do gás
V = Cα x n
 Onde V é o volume do gás, n é o número de moles
e Cα é a constante de proporcionalidade.
“Volumes iguais de
gases, medidos na
mesma pressão e
temperatura, contém
o mesmo número de
partículas". Este
postulado ficou
conhecido como a Lei
de Avogadro.
Hoje, a lei de avogadro é expressa
em termos de uma quantidade fixa
de partículas, NA
, o número de
Avogadro.
Assim como uma dúzia contém
doze unidades, um Mol contém o
número de Avogadro de
partículas, quer sejam íons,
átomos ou moléculas.
Este é um número muito grande:
6,022x1023
.
RELAÇÃO QUANTIDADE-VOLUME:
LEI DE AVOGADRO
 A hipótese de Avogadro: volumes iguais de gases à
mesma temperatura e pressão conterão o mesmo número
de moléculas.
 A lei de Avogadro: o volume de gás a uma dada
temperatura e pressão é diretamente proporcional à
quantidade de matéria do gás.
LEI DE GAY-LUSSAC E AVOGADRO
 Ex.: A amônia pode ser sintetizada diretamente a
partir de seus elementos:
N2(g) + 3H2(g)  2NH3(g)
Se for 15,0L o volume inicial do H2(g), numa dada
condição de T e P, qual o volume de N2(g) necessário
para completar a reação (nas mesmas condições de
T e P)? Qual a produção teórica de NH3, em litros?
1L de N2 ------ 3L de H2
X ------- 15L de H2 X = 15/3 = 5L de N2
1 L de N2 --------2L de NH3
5L de N2 -------- X X = 2x5 = 10 L de NH3
LEI DE GAY-LUSSAC E AVOGADRO
 Ex.: O metano queima no oxigênio par dar os produtos
usuais, CO2 e H2O, de acordo com a equação:
CH4(g) + 2O2(g)  CO2(g) + 2H2O(g)
Se forem queimados 22,4L de CH4 gasoso, qual o volume
de O2 necessário para completar a combustão? Que
volumes de H2O e CO2 são produzidos? Admita que todos
os volumes se medem na mesma temperatura e na mesma
pressão.
Nas condições normais de temperatura
e pressão
(CNTP: a T=273,15K e P=1,00atm):
um mol de qualquer gás ocupa o
mesmo volume: 22,4 litros.
22,4 L de qualquer
gás, nas CNTP,
contém 6,02 ×1023
moléculas de gás,
ou seja, um MolMol de
moléculas de gás.
Influência da Altitude
 Quanto maior a Altitude menor o Ponto de Ebulição
> A ⇒ < P ⇒ < T
A ⇒ P ⇒ T
Influência da PressãoInfluência da Pressão
Quanto maior a pressão maior o Ponto de Ebulição
P
>P
Nas CNTP, o volume molar é igual a
22,4 L/mol
VARIÁVEIS DE ESTADO
 Resumindo:
Pressão (P):
N/m2
, Kgf/cm2
, atm, mmHg, Pa.
Volume (V):
L, dm3
, m3
, cm3
. 
Temperatura (T):
K (kelvin); o
C (Celsius).
Considere as três leis dos gases.
• Podemos combiná-las em uma lei geral
dos gases:
• Lei de Boyle:
• Lei de Charles:
• Lei de Avogadro:
A equação do gás ideal
EQUAÇÃO DO GÁS IDEAL
 PV = nRT
 Descreve o estado de um gás “hipotético”.
 Um Gás Ideal não existe. Entretanto, os gases reais, na
pressão atmosférica ou em pressão mais baixa e nas
temperaturas ambientes, comportam-se como gases ideais,
com boa aproximação, e a Lei dos Gases Ideais é portanto
um modelo adequado.
 Na CNTP, a 0ºC ou 273,15K e sob pressão de 1atm – um
mol de gás ocupa o volume de 22,414L, e este volume e
chamado de volume molar nas CNTP e R é igual a 0,082.
Lei do Gás Ideal
 Ex.: O nitrogênio gasoso, numa bolsa de ar de automóvel,
com o volume de 65,0L exerce pressão de 829mmHg a
25ºC. Quantos moles de N2 estão na bolsa de ar?
 Informações: V = 65,0L; P = 829mmHg (1,09atm); T = 25 +
273 = 298K e n = ?
PV = nRT
1,09 x 65 = n x 0,082 x 298
n = 1,09 x 65 = 2,9moles de N2
0,082 x 298
Lei do Gás Ideal
 Ex.: O Balão de Charles continha cerca de 1300moles de
H2. Se a temperatura do gás fosse 23ºC e a sua pressão
750mmHg, qual o volume do balão?
 Informações: n = 1300; P = 750mmHg (0,993atm); T = 23 +
273 = 296K e V = ?
Lei do Gás Ideal
ISOBÁRICA
(p1
= p2
)
V1
——
T1
=
V2
——
T2
lei de Charles
e Gay-Lussac
ISOCÓRICA
(V1
= V2
)
p1
——
T1
=
p2
——
T2
lei de Charles e
Gay-Lussac
ISOTÉRMICA
(T1
= T2
)
p1
·V1
= p2
·V2 lei de Boyle
 
TRANSFORMAÇÕES GASOSAS
Combinação das Leis de Boyle e Charles;
O volume de um gás é inversamente
proporcional a sua pressão, a temperatura
constante (Lei de Boyle) e diretamente
proporcional à temperatura absoluta (TºK) a
pressão constante (Lei de Charles).
P1 x V1 = P2 x V2
T1 T2
Essa equação é frequentemente chamada de
Lei Geral dos Gases. Ela se aplica
especificamente a equações onde a quantidade
de gás permanece constante.
Lei Geral dos Gases
LEI GERAL DOS GASES
 Exs.: Mesmo nos dias de hoje, a investigação das camadas
superiores da atmosfera é feita através de balões
equipados com instrumentos científicos. Estes balões são
inflados com gás hélio. Suponha que um balão, com um
volume de 4,19 x 103L é lançado a temperatura de 22,5ºC
e a pressão barômetrica é de 754mmHg. Qual o volume do
balão quando este alcançar a altura de 32 quilômetros,
onde a pressão é de 760mmHg e a temperatura é de –
33ºC?
TEORIA CINÉTICA DO GÁS
PERFEITO:
 Introdução: A teoria cinética do gás perfeito
foi desenvolvida a partir da aplicação das leis
da Mecânica de Newton a sistemas
microscópicos dos gases, ou seja, às suas
partículas.
 Hipóteses: Algumas hipóteses forma
atribuídas ao comportamento das moléculas
de um gás perfeito:
- Todas as moléculas são idênticas, tendo a
forma de “esferas rígidas”
- Todas as moléculas estão em movimento
desordenado, em todas as direções e em
contínuo movimento de translação, rotação e
vibração
TEORIA CINÉTICA DO GÁS
PERFEITO:
 Os choques entre as moléculas e contra as paredes
do recipiente são perfeitamente elásticos.
 As moléculas não exercem forças de ação mútua
entre si, exceto durante os choques.
 As moléculas têm dimensões desprezíveis em
comparação com os espaços vazios que as separam.
EM ACORDO COM O MODELO
CINÉTICO
1.1. um gás é uma coleção de partículas emum gás é uma coleção de partículas em
constante movimentoconstante movimento
2.2. o movimento das partículas é aleatório eo movimento das partículas é aleatório e
desordenadodesordenado
3.3. o espaço entre as partículas é muito maioro espaço entre as partículas é muito maior
do que o tamanho de cada partículado que o tamanho de cada partícula
4.4. as partículas chocam-se entre si e com asas partículas chocam-se entre si e com as
paredes do recipiente que contém o gás.paredes do recipiente que contém o gás.
Estes choques são completamente elásticos.Estes choques são completamente elásticos.
5.5. a velocidade média de uma amostra de gása velocidade média de uma amostra de gás
aumenta com o aumento da temperaturaaumenta com o aumento da temperatura
MISTURAS GASOSAS
Lei de Dalton das Pressões Parciais
MISTURAS GASOSAS
 Dalton observou que gases diferentes em uma
mistura parecem exercer pressão nas paredes do
recipiente, independentemente um do outro.
 A pressão medida de uma mistura de gases é a
soma das pressões que os gases exerceriam se
cada um estivesse sozinho
MISTURAS GASOSAS
Exemplo : Amostras de H2, O2 e N2
contêm, cada uma, massa de 1,00 g.
Suponha que os gases sejam colocados
conjuntamente em um recipiente de
10,0 L a 125 °C. Considere o
comportamento ideal e calcule a
pressão total em atmosferas. (Massas
atômicas: H = 1,01; O= 16,0; N= 14,0)
MISTURAS GASOSAS
Se 1,62 g de CO2, 4,14 g de CO 3,08 g
de CH4 são colocados juntos em um
recipiente de 14,8 L a 28 °C, qual
será a pressão total medida em
mmHg?
R= 479 mmHg
LEI DE GRAHAM
Difusão
Velocidade de um gás através de
outros é inversamente
proporcional à raiz quadrada da
densidade do gás.
LEI DE GRAHAM
Velocidade de difusão α _1_
√ d
 d = m = PM
V RT
 Ex.: A densidade de um gás conhecido é 1,23g/L nas
CNTP. Estime sua massa molecular.
 Informações: Nas CNTP  d = 1,23g/L; P = 1atm; T =
0º + 273 = 273K e R = 0,082 e M = ?
 D = PM ⇒ 1,23 = 1 x M =
RT 0,082 x 273
M = 1,23 x 0,082 x 273 = 27,6g/mol
Densidade dos Gases
 Para a água no estado gasoso, calcular a razão das
velocidades de difusão entre a molécula 1
H2O e 2
H2O, a
temperatura e pressão constantes. (Massa isotópica: 1
H=
1,0078; H = 2,0141; massa atômica: O = 15,9994).
 R = 1,05438
Densidade dos Gases
GÁS REAL X GÁS IDEAL
 O comportamento de um gás real se aproxima do
modelo de gás ideal ou perfeito quando submetido
à baixas pressões e temperaturas elevadas.
 Diminuição do efeito de uma partícula sobre
outra (grande afastamento e energia cinética).
GÁS REAL X GÁS IDEAL
GASES REAIS: DESVIOS DO
COMPORTAMENTO IDEAL
EXERCÍCIOS
1. Na temperatura de 300 K e sob pressão
de 1 atm, uma massa de gás perfeito
ocupa o volume de 10 litros. Calcule a
temperatura do gás quando, sob pressão
de 2 atm, ocupa o volume de 20 litros.
2. Dentro de um recipiente de volume
variável estão inicialmente 20 litros de
gás perfeito à temperatura de 200 K e
pressão de 2 atm. Qual será a nova
pressão, se a temperatura aumentar
para 250 K e o volume for reduzido para
10 litros?
3. Um balão de borracha continha 3 litros de gás hélio, à
temperatura de 27o
C, com pressão de 1,1 atm. Esse
balão escapuliu e subiu. À medida que o balão foi
subindo, a pressão atmosférica foi diminuindo e, por
isso, seu volume foi aumentando. Quando o volume
atingiu 4 litros, ele estourou. A temperatura do ar
naquela altura era 7o
C. Calcule a pressão do gás em
seu interior imediatamente antes de estourar.
4. Um gás ocupa o volume de 500 ml à pressão de 1
atmosfera. Qual é o volume desse gás à pressão de 4
atm, na mesma temperatura?
5. Um gás mantido à pressão constante ocupa o volume
de 30 litros à temperatura de 300 K. Qual será o seu
volume quando a temperatura for 240 K?
6. Num recipiente de volume constante é colocado
um gás à temperatura de 400 K e pressão de 75
cmHg. Qual é a pressão à temperatura de 1200
K?
7. Sob pressão de 5 atm e à temperatura de 0o
C,
um gás ocupa volume de 45 litros. Determine sob
que pressão o gás ocupará o volume de 30 litros,
se for mantida constante a temperatura.
8. Uma certa massa de gás hélio ocupa, a 27o
C, o
volume de 2 m3
sob pressão de 3 atm. Se
reduzirmos o volume à metade e triplicarmos a
pressão, qual será a nova temperatura do gás?
9. Num dia de tempestade, a pressão
atmosférica caiu de 760 mmHg para 730
mmHg. Nessas condições, qual o volume
final de uma porção de ar que inicialmente
ocupava 1 litro? (Suponha que a
temperatura não tenha variado)
10. Por que é que a pressão do ar dentro dos
pneus de um automóvel é maior quando o
carro está correndo do que quando está
parado?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Leis De Newton
Leis De NewtonLeis De Newton
Leis De Newton
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Slide sobre termometria
Slide sobre termometriaSlide sobre termometria
Slide sobre termometria
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Dilatação térmica
Dilatação térmicaDilatação térmica
Dilatação térmica
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
 
Lei de hess
Lei de hessLei de hess
Lei de hess
 
TermoquíMica
TermoquíMicaTermoquíMica
TermoquíMica
 
Entalpia
EntalpiaEntalpia
Entalpia
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Concentração das soluções
Concentração  das soluçõesConcentração  das soluções
Concentração das soluções
 
Aula termoquímica
Aula termoquímicaAula termoquímica
Aula termoquímica
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
 

Destaque

VISOR business model analysis of Derigo case
VISOR business model analysis of Derigo caseVISOR business model analysis of Derigo case
VISOR business model analysis of Derigo caseAnnie Pham
 
ESTILO DOCENTE
ESTILO DOCENTEESTILO DOCENTE
ESTILO DOCENTELuz Rueda
 
Interactive - Initial Plans
Interactive - Initial PlansInteractive - Initial Plans
Interactive - Initial PlansCharlie Davison
 
20150216【滋賀オープンデータ勉強会】民間企業がオープンデータに対応するメリットと収益可能性 地域情報誌をテーマに-02
20150216【滋賀オープンデータ勉強会】民間企業がオープンデータに対応するメリットと収益可能性  地域情報誌をテーマに-0220150216【滋賀オープンデータ勉強会】民間企業がオープンデータに対応するメリットと収益可能性  地域情報誌をテーマに-02
20150216【滋賀オープンデータ勉強会】民間企業がオープンデータに対応するメリットと収益可能性 地域情報誌をテーマに-02和人 青木
 
Sew 2017 launch event - igor tasic
Sew 2017  launch event - igor tasicSew 2017  launch event - igor tasic
Sew 2017 launch event - igor tasicIgor Tasic
 
G空間オープンデータ活用セミナー(福岡市) GISと地理空間オープンデータ活用ワークショップ
G空間オープンデータ活用セミナー(福岡市) GISと地理空間オープンデータ活用ワークショップG空間オープンデータ活用セミナー(福岡市) GISと地理空間オープンデータ活用ワークショップ
G空間オープンデータ活用セミナー(福岡市) GISと地理空間オープンデータ活用ワークショップ和人 青木
 
Seeds, Parts of a Seed, Germination, George Washington Carver, Biology Lesson...
Seeds, Parts of a Seed, Germination, George Washington Carver, Biology Lesson...Seeds, Parts of a Seed, Germination, George Washington Carver, Biology Lesson...
Seeds, Parts of a Seed, Germination, George Washington Carver, Biology Lesson...www.sciencepowerpoint.com
 
Eletroquímica prof.ana cristina
Eletroquímica prof.ana cristinaEletroquímica prof.ana cristina
Eletroquímica prof.ana cristinaAna Dias
 
The Crystal language *recently* update
The Crystal language *recently* updateThe Crystal language *recently* update
The Crystal language *recently* updatekarupanerura
 
Detection and prevention of spontaneous combustion
Detection and prevention of spontaneous combustionDetection and prevention of spontaneous combustion
Detection and prevention of spontaneous combustionSujit Surendran
 
Herramientas web
Herramientas webHerramientas web
Herramientas webam2897
 
Trabajo empresa carlos r (2)
Trabajo empresa carlos r (2)Trabajo empresa carlos r (2)
Trabajo empresa carlos r (2)carlosxarli1
 

Destaque (20)

Gases aula 01
Gases aula 01Gases aula 01
Gases aula 01
 
cálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluçõescálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluções
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Castellano
CastellanoCastellano
Castellano
 
Ligações químicas e Arranjos atômicos
Ligações químicas e Arranjos atômicosLigações químicas e Arranjos atômicos
Ligações químicas e Arranjos atômicos
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
VISOR business model analysis of Derigo case
VISOR business model analysis of Derigo caseVISOR business model analysis of Derigo case
VISOR business model analysis of Derigo case
 
ESTILO DOCENTE
ESTILO DOCENTEESTILO DOCENTE
ESTILO DOCENTE
 
Interactive - Initial Plans
Interactive - Initial PlansInteractive - Initial Plans
Interactive - Initial Plans
 
20150216【滋賀オープンデータ勉強会】民間企業がオープンデータに対応するメリットと収益可能性 地域情報誌をテーマに-02
20150216【滋賀オープンデータ勉強会】民間企業がオープンデータに対応するメリットと収益可能性  地域情報誌をテーマに-0220150216【滋賀オープンデータ勉強会】民間企業がオープンデータに対応するメリットと収益可能性  地域情報誌をテーマに-02
20150216【滋賀オープンデータ勉強会】民間企業がオープンデータに対応するメリットと収益可能性 地域情報誌をテーマに-02
 
Sew 2017 launch event - igor tasic
Sew 2017  launch event - igor tasicSew 2017  launch event - igor tasic
Sew 2017 launch event - igor tasic
 
G空間オープンデータ活用セミナー(福岡市) GISと地理空間オープンデータ活用ワークショップ
G空間オープンデータ活用セミナー(福岡市) GISと地理空間オープンデータ活用ワークショップG空間オープンデータ活用セミナー(福岡市) GISと地理空間オープンデータ活用ワークショップ
G空間オープンデータ活用セミナー(福岡市) GISと地理空間オープンデータ活用ワークショップ
 
Sssssss
SssssssSssssss
Sssssss
 
Seeds, Parts of a Seed, Germination, George Washington Carver, Biology Lesson...
Seeds, Parts of a Seed, Germination, George Washington Carver, Biology Lesson...Seeds, Parts of a Seed, Germination, George Washington Carver, Biology Lesson...
Seeds, Parts of a Seed, Germination, George Washington Carver, Biology Lesson...
 
Eletroquímica prof.ana cristina
Eletroquímica prof.ana cristinaEletroquímica prof.ana cristina
Eletroquímica prof.ana cristina
 
The Crystal language *recently* update
The Crystal language *recently* updateThe Crystal language *recently* update
The Crystal language *recently* update
 
Detection and prevention of spontaneous combustion
Detection and prevention of spontaneous combustionDetection and prevention of spontaneous combustion
Detection and prevention of spontaneous combustion
 
Herramientas web
Herramientas webHerramientas web
Herramientas web
 
Trabajo empresa carlos r (2)
Trabajo empresa carlos r (2)Trabajo empresa carlos r (2)
Trabajo empresa carlos r (2)
 

Semelhante a Gases e transformações

Semelhante a Gases e transformações (20)

gases.pptx
gases.pptxgases.pptx
gases.pptx
 
Gases
GasesGases
Gases
 
GASES 2 ANO.ppt
GASES 2 ANO.pptGASES 2 ANO.ppt
GASES 2 ANO.ppt
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Ana nery gases
Ana nery   gasesAna nery   gases
Ana nery gases
 
Gases Ideais
Gases Ideais Gases Ideais
Gases Ideais
 
15 Gases Perfeitos
15 Gases Perfeitos15 Gases Perfeitos
15 Gases Perfeitos
 
GASES.ppt
GASES.pptGASES.ppt
GASES.ppt
 
GASES.ppt
GASES.pptGASES.ppt
GASES.ppt
 
GASES (1)ggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggg.ppt
GASES (1)ggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggg.pptGASES (1)ggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggg.ppt
GASES (1)ggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggg.ppt
 
ESTUDO DOS GASES IDEAIS E EQUAÇÃO DE CLAPEYRON.ppt
ESTUDO DOS GASES IDEAIS E EQUAÇÃO DE CLAPEYRON.pptESTUDO DOS GASES IDEAIS E EQUAÇÃO DE CLAPEYRON.ppt
ESTUDO DOS GASES IDEAIS E EQUAÇÃO DE CLAPEYRON.ppt
 
GASES.ppt
GASES.pptGASES.ppt
GASES.ppt
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
C3 teoria 2serie_3bim_fisica
C3 teoria 2serie_3bim_fisicaC3 teoria 2serie_3bim_fisica
C3 teoria 2serie_3bim_fisica
 
Lista 14 gases
Lista 14 gasesLista 14 gases
Lista 14 gases
 
Estudo dos-gases-teoria
Estudo dos-gases-teoriaEstudo dos-gases-teoria
Estudo dos-gases-teoria
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
02_FQI1001_gases_ideiais.pdf
02_FQI1001_gases_ideiais.pdf02_FQI1001_gases_ideiais.pdf
02_FQI1001_gases_ideiais.pdf
 
Física, gases perfeitos.
Física, gases perfeitos.Física, gases perfeitos.
Física, gases perfeitos.
 

Mais de Aninha Felix Vieira Dias

Lista de atividades distribuição eletronica e tabela periodica
Lista de atividades  distribuição eletronica e tabela periodicaLista de atividades  distribuição eletronica e tabela periodica
Lista de atividades distribuição eletronica e tabela periodicaAninha Felix Vieira Dias
 

Mais de Aninha Felix Vieira Dias (20)

Lista de atividades distribuição eletronica e tabela periodica
Lista de atividades  distribuição eletronica e tabela periodicaLista de atividades  distribuição eletronica e tabela periodica
Lista de atividades distribuição eletronica e tabela periodica
 
Tabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicosTabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicos
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
1. introdução ao estudo da química
1. introdução ao estudo da química1. introdução ao estudo da química
1. introdução ao estudo da química
 
2.introdução ao estudo da quimica 2017
2.introdução ao estudo da quimica 20172.introdução ao estudo da quimica 2017
2.introdução ao estudo da quimica 2017
 
1. aula inaugural 2017
1. aula inaugural 20171. aula inaugural 2017
1. aula inaugural 2017
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Cálculos quimicos de termoquimica
Cálculos quimicos de  termoquimicaCálculos quimicos de  termoquimica
Cálculos quimicos de termoquimica
 
Funçoes oxigenadas
Funçoes oxigenadasFunçoes oxigenadas
Funçoes oxigenadas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Introdução a organica aula 01
Introdução a organica aula 01Introdução a organica aula 01
Introdução a organica aula 01
 
A história de Cel Drake
A história de Cel DrakeA história de Cel Drake
A história de Cel Drake
 
A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1
 
Lista 1 introduçao e petroleo
Lista 1 introduçao e petroleoLista 1 introduçao e petroleo
Lista 1 introduçao e petroleo
 
Cálculos químicos i soluções
Cálculos químicos i   soluçõesCálculos químicos i   soluções
Cálculos químicos i soluções
 
Introdução ao estudo da quimica
Introdução ao estudo da quimicaIntrodução ao estudo da quimica
Introdução ao estudo da quimica
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
 

Último

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 

Gases e transformações

  • 2.
  • 3. O estado de agregação da matéria varia com a distância entre as partículas que compõem a substância (molécula, átomos ou íons) Estado Físico de uma Substância sólido > líquido > gasoso Aumento do volume
  • 4. RAZÕES PARA SE INVESTIGAR OS GASES 1ª.: Alguns elementos e compostos comuns existem no estado gasoso, nas condições normais de temperatura e pressão. Além disso podem ser vaporizados, e as propriedades destes vapores são importantes. 2ª.:Nossa atmosfera gasosa proporciona meios de movimentar energia e materiais sobre toda a superfície terrestre e é a fonte de muitos produtos químicos vitais. 3ª.: Os gases são os mais simples quando a investigação é feita a nível molecular.
  • 5.
  • 7.
  • 8. TRANSFORMAÇÕES GASOSAS Gases podem variar de Temperatura, Pressão e Volume dependendo das mudanças nas Variáveis de Estado. São quatro transformações básicas: •   Isotérmica •   Isobárica •   Isométrica (ou Isovolumétrica ou ainda Isocórica) •   Adiabática
  • 9. TRANSFORMAÇÕES ISOTÉRMICAS  São transformações em que a temperatura permanece constante. Transformações Isobáricas São transformações que ocorrem a pressão constante. Transformações Isométricas São transformações com volume constante.
  • 10. LEIS DOS GASES  Lei de Boyle e Mariotte  1a Lei de Charles e Gay-Lussac  2a Lei de Charles e Gay-Lussac  Lei de Gay-Lussac e Avogadro
  • 11. LEIS DOS GASES  Lei de Boyle: A Compressibilidade dos Gases
  • 12. LEI DE BOYLE Se Pα 1 / V, então: P1V1 = P2V2
  • 13. LEI DE BOYLELEI DE BOYLE Robert Boyle estudou a compressibilidade dos gases e observou que o volume de uma massa fixa de um gás, numa dada temperatura, é inversamente proporcional à pressão do gás. Dada uma massa de gás numa temperatura constante, o produto de pressão pelo volume é constante. Pα 1 / V P1V1 = P2V2
  • 14. TRANSFORMAÇÕES ISOTÉRMICAS  A temperatura constante: Pressão e Volume são inversamente proporcionais.
  • 15.
  • 16. LEI DE BOYLE  Exs.: Uma amostra de nitrogênio gasoso na bolsa de ar de um carro tem a pressão de 745mmHg com o volume de 65L. Se esta amostra foi transferida para uma bolsa de 25L, mantendo a mesma temperatura qual a pressão do gás com o novo volume? P1V1 = P2V2 745 x 65 = P2 x 25 V2 = 1940mmHg  Uma amostra de CO2 na pressão de 55mmHg, ocupa um volume de 125mL. A amostra é comprimida de tal forma que a nova pressão do gás é 78mmHg. Qual o novo volume que o gás ocupa? (A temperatura se manteve constante durante toda a experiência)
  • 17. LEI DE CHARLESLEI DE CHARLES: EFEITO DE TºC SOBRE O VOLUME DO GÁS
  • 18. LEI DE CHARLESLEI DE CHARLES: EFEITO DE TºC SOBRE O VOLUME DO GÁS  O volume de uma quantidade constante de gás, sob pressão também constante, aumenta com a elevação da temperatura.  Enunciado: Se uma massa constante de gás forma mantida a pressão constante, o seu volume é diretamente proporcional à Temperatura Absoluta (Temperatura em Kelvin)
  • 19. LEI DE CHARLES  Exs.: Suponha que se tenha uma amostra de CO2 numa seringa selada. O volume de gás é 25,0mL à temperatura ambiente (20ºC). Qual o volume final de gás, se você aquecer a seringa segurando-a na mão, até a temperatura de 37ºC? Condições Iniciais: V1 = 25mL T1 = 20+273 = 293K Condições Finais: V2 = ? T2 = 37 + 273 = 310K V1 = V2 ⇒ 25 = V2 ⇒ 25 x 310 = 26,5mL T1 T2 293 310 293
  • 20. LEI DE CHARLES  Ex.2: Um balão está cheio de hélio e tem o volume de 45,0L na temperatura ambiente (25ºC). Se o balão estiver cheio com a mesma quantidade de hélio num dia muito frio (-10ºC), qual o novo volume do balão? Considere que a pressão permaneceu constante.
  • 21. RELAÇÃO QUANTIDADE-VOLUME: LEI DE AVOGADRO  • A lei de Gay-Lussac de volumes combinados: a uma determinada temperatura e pressão, os volumes dos gases que reagem são proporções de números inteiros pequenos.
  • 22. LEI DE GAY-LUSSAC E AVOGADRO  EnunciadoEnunciado: Os volumes de gases se combinavam em razão expressa por pequenos números inteiros, desde que fossem medidos na mesma temperatura e pressão.  Esta Lei é conhecida como Lei dos Volumes que se combinam de Gay-Lussac.  Ex.: 100mL de H2 gasoso se combinam com exatamente 50mL de O2 gasoso pra dar 100mL exatos de vapor de H2O, se todos os volumes forem medidos nas mesmas temperatura e pressão.
  • 23.
  • 24. LEI DE GAY-LUSSAC E AVOGADRO  A Lei de Gay-Lussac exprimia apenas, resumidamente um conjunto de observações experimentais, até ser fundamentada pelo trabalho de Avogadro.  Enunciado do Princípio de Avogadro: Volumes iguais de gases, nas mesmas condições de temp. e pressão, tem o mesmo número de moléculas.  Lei de Avogadro: o volume de um gás, a uma certa temperatura e pressão, é diretamente proporcional à quantidade do gás V = Cα x n  Onde V é o volume do gás, n é o número de moles e Cα é a constante de proporcionalidade.
  • 25. “Volumes iguais de gases, medidos na mesma pressão e temperatura, contém o mesmo número de partículas". Este postulado ficou conhecido como a Lei de Avogadro.
  • 26. Hoje, a lei de avogadro é expressa em termos de uma quantidade fixa de partículas, NA , o número de Avogadro. Assim como uma dúzia contém doze unidades, um Mol contém o número de Avogadro de partículas, quer sejam íons, átomos ou moléculas. Este é um número muito grande: 6,022x1023 .
  • 27. RELAÇÃO QUANTIDADE-VOLUME: LEI DE AVOGADRO  A hipótese de Avogadro: volumes iguais de gases à mesma temperatura e pressão conterão o mesmo número de moléculas.  A lei de Avogadro: o volume de gás a uma dada temperatura e pressão é diretamente proporcional à quantidade de matéria do gás.
  • 28. LEI DE GAY-LUSSAC E AVOGADRO  Ex.: A amônia pode ser sintetizada diretamente a partir de seus elementos: N2(g) + 3H2(g)  2NH3(g) Se for 15,0L o volume inicial do H2(g), numa dada condição de T e P, qual o volume de N2(g) necessário para completar a reação (nas mesmas condições de T e P)? Qual a produção teórica de NH3, em litros? 1L de N2 ------ 3L de H2 X ------- 15L de H2 X = 15/3 = 5L de N2 1 L de N2 --------2L de NH3 5L de N2 -------- X X = 2x5 = 10 L de NH3
  • 29. LEI DE GAY-LUSSAC E AVOGADRO  Ex.: O metano queima no oxigênio par dar os produtos usuais, CO2 e H2O, de acordo com a equação: CH4(g) + 2O2(g)  CO2(g) + 2H2O(g) Se forem queimados 22,4L de CH4 gasoso, qual o volume de O2 necessário para completar a combustão? Que volumes de H2O e CO2 são produzidos? Admita que todos os volumes se medem na mesma temperatura e na mesma pressão.
  • 30. Nas condições normais de temperatura e pressão (CNTP: a T=273,15K e P=1,00atm): um mol de qualquer gás ocupa o mesmo volume: 22,4 litros. 22,4 L de qualquer gás, nas CNTP, contém 6,02 ×1023 moléculas de gás, ou seja, um MolMol de moléculas de gás.
  • 31. Influência da Altitude  Quanto maior a Altitude menor o Ponto de Ebulição > A ⇒ < P ⇒ < T A ⇒ P ⇒ T
  • 32. Influência da PressãoInfluência da Pressão Quanto maior a pressão maior o Ponto de Ebulição P >P
  • 33. Nas CNTP, o volume molar é igual a 22,4 L/mol
  • 34. VARIÁVEIS DE ESTADO  Resumindo: Pressão (P): N/m2 , Kgf/cm2 , atm, mmHg, Pa. Volume (V): L, dm3 , m3 , cm3 .  Temperatura (T): K (kelvin); o C (Celsius).
  • 35. Considere as três leis dos gases. • Podemos combiná-las em uma lei geral dos gases: • Lei de Boyle: • Lei de Charles: • Lei de Avogadro: A equação do gás ideal EQUAÇÃO DO GÁS IDEAL
  • 36.
  • 37.
  • 38.  PV = nRT  Descreve o estado de um gás “hipotético”.  Um Gás Ideal não existe. Entretanto, os gases reais, na pressão atmosférica ou em pressão mais baixa e nas temperaturas ambientes, comportam-se como gases ideais, com boa aproximação, e a Lei dos Gases Ideais é portanto um modelo adequado.  Na CNTP, a 0ºC ou 273,15K e sob pressão de 1atm – um mol de gás ocupa o volume de 22,414L, e este volume e chamado de volume molar nas CNTP e R é igual a 0,082. Lei do Gás Ideal
  • 39.  Ex.: O nitrogênio gasoso, numa bolsa de ar de automóvel, com o volume de 65,0L exerce pressão de 829mmHg a 25ºC. Quantos moles de N2 estão na bolsa de ar?  Informações: V = 65,0L; P = 829mmHg (1,09atm); T = 25 + 273 = 298K e n = ? PV = nRT 1,09 x 65 = n x 0,082 x 298 n = 1,09 x 65 = 2,9moles de N2 0,082 x 298 Lei do Gás Ideal
  • 40.  Ex.: O Balão de Charles continha cerca de 1300moles de H2. Se a temperatura do gás fosse 23ºC e a sua pressão 750mmHg, qual o volume do balão?  Informações: n = 1300; P = 750mmHg (0,993atm); T = 23 + 273 = 296K e V = ? Lei do Gás Ideal
  • 41. ISOBÁRICA (p1 = p2 ) V1 —— T1 = V2 —— T2 lei de Charles e Gay-Lussac ISOCÓRICA (V1 = V2 ) p1 —— T1 = p2 —— T2 lei de Charles e Gay-Lussac ISOTÉRMICA (T1 = T2 ) p1 ·V1 = p2 ·V2 lei de Boyle   TRANSFORMAÇÕES GASOSAS
  • 42. Combinação das Leis de Boyle e Charles; O volume de um gás é inversamente proporcional a sua pressão, a temperatura constante (Lei de Boyle) e diretamente proporcional à temperatura absoluta (TºK) a pressão constante (Lei de Charles). P1 x V1 = P2 x V2 T1 T2 Essa equação é frequentemente chamada de Lei Geral dos Gases. Ela se aplica especificamente a equações onde a quantidade de gás permanece constante. Lei Geral dos Gases
  • 43. LEI GERAL DOS GASES  Exs.: Mesmo nos dias de hoje, a investigação das camadas superiores da atmosfera é feita através de balões equipados com instrumentos científicos. Estes balões são inflados com gás hélio. Suponha que um balão, com um volume de 4,19 x 103L é lançado a temperatura de 22,5ºC e a pressão barômetrica é de 754mmHg. Qual o volume do balão quando este alcançar a altura de 32 quilômetros, onde a pressão é de 760mmHg e a temperatura é de – 33ºC?
  • 44. TEORIA CINÉTICA DO GÁS PERFEITO:  Introdução: A teoria cinética do gás perfeito foi desenvolvida a partir da aplicação das leis da Mecânica de Newton a sistemas microscópicos dos gases, ou seja, às suas partículas.  Hipóteses: Algumas hipóteses forma atribuídas ao comportamento das moléculas de um gás perfeito: - Todas as moléculas são idênticas, tendo a forma de “esferas rígidas” - Todas as moléculas estão em movimento desordenado, em todas as direções e em contínuo movimento de translação, rotação e vibração
  • 45. TEORIA CINÉTICA DO GÁS PERFEITO:  Os choques entre as moléculas e contra as paredes do recipiente são perfeitamente elásticos.  As moléculas não exercem forças de ação mútua entre si, exceto durante os choques.  As moléculas têm dimensões desprezíveis em comparação com os espaços vazios que as separam.
  • 46. EM ACORDO COM O MODELO CINÉTICO 1.1. um gás é uma coleção de partículas emum gás é uma coleção de partículas em constante movimentoconstante movimento 2.2. o movimento das partículas é aleatório eo movimento das partículas é aleatório e desordenadodesordenado 3.3. o espaço entre as partículas é muito maioro espaço entre as partículas é muito maior do que o tamanho de cada partículado que o tamanho de cada partícula 4.4. as partículas chocam-se entre si e com asas partículas chocam-se entre si e com as paredes do recipiente que contém o gás.paredes do recipiente que contém o gás. Estes choques são completamente elásticos.Estes choques são completamente elásticos. 5.5. a velocidade média de uma amostra de gása velocidade média de uma amostra de gás aumenta com o aumento da temperaturaaumenta com o aumento da temperatura
  • 48. MISTURAS GASOSAS  Dalton observou que gases diferentes em uma mistura parecem exercer pressão nas paredes do recipiente, independentemente um do outro.  A pressão medida de uma mistura de gases é a soma das pressões que os gases exerceriam se cada um estivesse sozinho
  • 49. MISTURAS GASOSAS Exemplo : Amostras de H2, O2 e N2 contêm, cada uma, massa de 1,00 g. Suponha que os gases sejam colocados conjuntamente em um recipiente de 10,0 L a 125 °C. Considere o comportamento ideal e calcule a pressão total em atmosferas. (Massas atômicas: H = 1,01; O= 16,0; N= 14,0)
  • 50. MISTURAS GASOSAS Se 1,62 g de CO2, 4,14 g de CO 3,08 g de CH4 são colocados juntos em um recipiente de 14,8 L a 28 °C, qual será a pressão total medida em mmHg? R= 479 mmHg
  • 51. LEI DE GRAHAM Difusão Velocidade de um gás através de outros é inversamente proporcional à raiz quadrada da densidade do gás.
  • 52. LEI DE GRAHAM Velocidade de difusão α _1_ √ d
  • 53.  d = m = PM V RT  Ex.: A densidade de um gás conhecido é 1,23g/L nas CNTP. Estime sua massa molecular.  Informações: Nas CNTP  d = 1,23g/L; P = 1atm; T = 0º + 273 = 273K e R = 0,082 e M = ?  D = PM ⇒ 1,23 = 1 x M = RT 0,082 x 273 M = 1,23 x 0,082 x 273 = 27,6g/mol Densidade dos Gases
  • 54.  Para a água no estado gasoso, calcular a razão das velocidades de difusão entre a molécula 1 H2O e 2 H2O, a temperatura e pressão constantes. (Massa isotópica: 1 H= 1,0078; H = 2,0141; massa atômica: O = 15,9994).  R = 1,05438 Densidade dos Gases
  • 55. GÁS REAL X GÁS IDEAL  O comportamento de um gás real se aproxima do modelo de gás ideal ou perfeito quando submetido à baixas pressões e temperaturas elevadas.  Diminuição do efeito de uma partícula sobre outra (grande afastamento e energia cinética).
  • 56. GÁS REAL X GÁS IDEAL
  • 57. GASES REAIS: DESVIOS DO COMPORTAMENTO IDEAL
  • 58. EXERCÍCIOS 1. Na temperatura de 300 K e sob pressão de 1 atm, uma massa de gás perfeito ocupa o volume de 10 litros. Calcule a temperatura do gás quando, sob pressão de 2 atm, ocupa o volume de 20 litros. 2. Dentro de um recipiente de volume variável estão inicialmente 20 litros de gás perfeito à temperatura de 200 K e pressão de 2 atm. Qual será a nova pressão, se a temperatura aumentar para 250 K e o volume for reduzido para 10 litros?
  • 59. 3. Um balão de borracha continha 3 litros de gás hélio, à temperatura de 27o C, com pressão de 1,1 atm. Esse balão escapuliu e subiu. À medida que o balão foi subindo, a pressão atmosférica foi diminuindo e, por isso, seu volume foi aumentando. Quando o volume atingiu 4 litros, ele estourou. A temperatura do ar naquela altura era 7o C. Calcule a pressão do gás em seu interior imediatamente antes de estourar. 4. Um gás ocupa o volume de 500 ml à pressão de 1 atmosfera. Qual é o volume desse gás à pressão de 4 atm, na mesma temperatura? 5. Um gás mantido à pressão constante ocupa o volume de 30 litros à temperatura de 300 K. Qual será o seu volume quando a temperatura for 240 K?
  • 60. 6. Num recipiente de volume constante é colocado um gás à temperatura de 400 K e pressão de 75 cmHg. Qual é a pressão à temperatura de 1200 K? 7. Sob pressão de 5 atm e à temperatura de 0o C, um gás ocupa volume de 45 litros. Determine sob que pressão o gás ocupará o volume de 30 litros, se for mantida constante a temperatura. 8. Uma certa massa de gás hélio ocupa, a 27o C, o volume de 2 m3 sob pressão de 3 atm. Se reduzirmos o volume à metade e triplicarmos a pressão, qual será a nova temperatura do gás?
  • 61. 9. Num dia de tempestade, a pressão atmosférica caiu de 760 mmHg para 730 mmHg. Nessas condições, qual o volume final de uma porção de ar que inicialmente ocupava 1 litro? (Suponha que a temperatura não tenha variado) 10. Por que é que a pressão do ar dentro dos pneus de um automóvel é maior quando o carro está correndo do que quando está parado?