SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Contexto Histórico 
Crítica Social
Um século de catástrofes 
• Padre António Vieira atravessou quase 
integralmente um século muito fustigado por 
várias catástrofes e rasgado por grandes 
inovações. (…)
Que catástrofes? 
• a elevada taxa de mortalidade dos marinhos portugueses 
nas viagens marítimas (não só os naufrágios, mas as 
pragas e doenças como o escorbuto); 
• a crescente emigração para outros territórios (Índia, 
Brasil…); 
• a política de D. Manuel I que ordena a expulsão dos Judeus; 
• a conjuntura de pestes, fomes e mesmo guerras (ex. 
Restauração…); 
• os maus anos agrícolas e as técnicas rudimentares que 
provocavam uma baixa produtividade agrícola; 
• a crise do Império Colonial Português.
Supremacia das grandes potências 
• Foi um período que nasceu assistindo a 
uma certa supremacia do mundo ibérico e 
que definhou dominado pela emergente 
Holanda, porventura a grande potência 
económica do tempo, pela França de Luís 
XIV, e pela Inglaterra.
Época barroca 
• No plano das artes foi o século do 
Barroco, tendência que se infiltrou 
nas artes plásticas, na música na 
literatura, no vestuário, nos 
comportamentos cortesãos, nas 
formas de religiosidade e que se 
pautou por ser mais sensitiva do 
que racional, mais desmesurada do 
que contida, mais metafórica do que 
realista, mais ondulante do que 
retilínea, mais colorida do que 
acromática, mais espetacular do 
que sóbria.
Avanços científicos 
• Foi o tempo da emergência do espírito científico 
e do método experimental, que provocaram 
avanços importantes no conhecimento do 
mundo físico em vários domínios, graças aos 
trabalhos e reflexões de: 
• Galileu, Bacon, Torricelli, Kepler, Descartes e, 
mais tarde, Newton.
Situação política conturbada 
• Em Portugal, o século foi muito agitado do ponto de 
vista político. Até 1640 perpetuou-se o domínio filipino 
da coroa portuguesa, situação herdada do século 
anterior, na sequência do fracasso de Alcácer-Quibir, 
que conduzira à conquista da coroa por parte de Filipe II 
de Espanha, em 1580. 
• No 1º de dezembro de 1640, um golpe palaciano que 
provocou pouco sangue, repunha na mão de 
portugueses os destinos da monarquia e D. João IV, o 
primeiro rei da Casa de Bragança, assumiu o poder.
Dificuldades económicas 
• A dominação castelhana da coroa havia ainda 
legitimado ataques holandeses, franceses e ingleses, a 
muitos dos territórios portugueses, no Oriente, África e 
Brasil, ataques que se prolongaram alguns anos após a 
Restauração, provocando um agravamento da 
economia. 
• A perseguição movida pela Inquisição aos cristãos-novos, 
que neste século assumiu particular violência, 
tinha como consequência a fuga de muitos deles para o 
estrangeiro, transportando consigo avultados capitais.
Culturalmente 
• O período não foi de grande brilho, tendo visto 
empalidecer o fulgor que as Artes e Letras 
haviam alcançado na época do Renascimento e 
do Maneirismo, pese embora a pujança que a 
arquitetura religiosa de traça barroca assumirá, 
sobretudo na parte final do século, bem como a 
vasta produção lírica muito consumida e 
divulgada em algumas academias literárias 
então nascentes.
A censura 
• A censura, sobretudo a 
inquisitorial, limitava a 
abertura de Portugal às 
correntes que no 
estrangeiro faziam 
triunfar o saber científico, 
conhecimento aqui 
divulgado por poucos e 
habitualmente com 
atraso.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoRita Pontes
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependenteVítor Santos
 
As transformações económicas da europa
As transformações económicas da europaAs transformações económicas da europa
As transformações económicas da europaSusana Simões
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017Vítor Santos
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXJorge Almeida
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalPedro Silva
 
Cultura da Gare - caso prático 2 Italian Family in Ferryboat Leaving Ellis Is...
Cultura da Gare - caso prático 2 Italian Family in Ferryboat Leaving Ellis Is...Cultura da Gare - caso prático 2 Italian Family in Ferryboat Leaving Ellis Is...
Cultura da Gare - caso prático 2 Italian Family in Ferryboat Leaving Ellis Is...Hca Faro
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesRaffaella Ergün
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)Vasco L
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialVítor Santos
 
Revoluções liberais
Revoluções liberaisRevoluções liberais
Revoluções liberaisTeresa Maia
 

Mais procurados (20)

As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
As transformações económicas da europa
As transformações económicas da europaAs transformações económicas da europa
As transformações económicas da europa
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugal
 
11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
Cultura da Gare - caso prático 2 Italian Family in Ferryboat Leaving Ellis Is...
Cultura da Gare - caso prático 2 Italian Family in Ferryboat Leaving Ellis Is...Cultura da Gare - caso prático 2 Italian Family in Ferryboat Leaving Ellis Is...
Cultura da Gare - caso prático 2 Italian Family in Ferryboat Leaving Ellis Is...
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
 
Urbanismo Pombalino
Urbanismo PombalinoUrbanismo Pombalino
Urbanismo Pombalino
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
 
Revoluções liberais
Revoluções liberaisRevoluções liberais
Revoluções liberais
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 

Destaque

Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análiseAnabela Fernandes
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAnabela Fernandes
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Características de carlos drummond de andrade
Características de carlos drummond de andradeCaracterísticas de carlos drummond de andrade
Características de carlos drummond de andradeDjCilho Verissimo
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeanacris2011
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraHelena Coutinho
 
Luís de camões sonetos
Luís de camões   sonetosLuís de camões   sonetos
Luís de camões sonetosLeYa
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisDina Baptista
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeLeslley Cristian
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80luisprista
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraHelena Coutinho
 

Destaque (14)

Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Características de carlos drummond de andrade
Características de carlos drummond de andradeCaracterísticas de carlos drummond de andrade
Características de carlos drummond de andrade
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
Luís de camões sonetos
Luís de camões   sonetosLuís de camões   sonetos
Luís de camões sonetos
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 79 80
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 

Semelhante a Desafios de Portugal no século XVII

Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu inessalgado
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeiavictorjunio82
 
O império colonial português do séc
O império colonial português do sécO império colonial português do séc
O império colonial português do sécSilvia Lino
 
Slide reflexo e conquista da América
Slide reflexo e conquista da AméricaSlide reflexo e conquista da América
Slide reflexo e conquista da AméricaCélia Tavares
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptcarloshistoriador
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptcarloshistoriador
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de Históriajuracyferra
 
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)Juliana
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Laboratório de História
 
Revisão de história 1º ano
Revisão de história 1º anoRevisão de história 1º ano
Revisão de história 1º anoeunamahcado
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaJosPedroSilva11
 
3 expansao maritima-europeia
3 expansao maritima-europeia3 expansao maritima-europeia
3 expansao maritima-europeiaLucas Cechinel
 
Resumos Para O Teste
Resumos Para O TesteResumos Para O Teste
Resumos Para O Testejdlimaaear
 
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.pptCapítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.pptBetoFonseca8
 
3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1takahico
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdffilipe913355
 

Semelhante a Desafios de Portugal no século XVII (20)

Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
Idade Moderna
Idade ModernaIdade Moderna
Idade Moderna
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 
O império colonial português do séc
O império colonial português do sécO império colonial português do séc
O império colonial português do séc
 
Slide reflexo e conquista da América
Slide reflexo e conquista da AméricaSlide reflexo e conquista da América
Slide reflexo e conquista da América
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
Conquista e Colonização da América (Espanhola e Portuguesa)
 
1ª república
1ª república1ª república
1ª república
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Revisão de história 1º ano
Revisão de história 1º anoRevisão de história 1º ano
Revisão de história 1º ano
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
 
IMPERALISMO.pptx
IMPERALISMO.pptxIMPERALISMO.pptx
IMPERALISMO.pptx
 
3 expansao maritima-europeia
3 expansao maritima-europeia3 expansao maritima-europeia
3 expansao maritima-europeia
 
Resumos Para O Teste
Resumos Para O TesteResumos Para O Teste
Resumos Para O Teste
 
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.pptCapítulo 8-Independência do Brasil.ppt
Capítulo 8-Independência do Brasil.ppt
 
3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbano
 

Último

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 

Último (20)

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 

Desafios de Portugal no século XVII

  • 2. Um século de catástrofes • Padre António Vieira atravessou quase integralmente um século muito fustigado por várias catástrofes e rasgado por grandes inovações. (…)
  • 3. Que catástrofes? • a elevada taxa de mortalidade dos marinhos portugueses nas viagens marítimas (não só os naufrágios, mas as pragas e doenças como o escorbuto); • a crescente emigração para outros territórios (Índia, Brasil…); • a política de D. Manuel I que ordena a expulsão dos Judeus; • a conjuntura de pestes, fomes e mesmo guerras (ex. Restauração…); • os maus anos agrícolas e as técnicas rudimentares que provocavam uma baixa produtividade agrícola; • a crise do Império Colonial Português.
  • 4. Supremacia das grandes potências • Foi um período que nasceu assistindo a uma certa supremacia do mundo ibérico e que definhou dominado pela emergente Holanda, porventura a grande potência económica do tempo, pela França de Luís XIV, e pela Inglaterra.
  • 5. Época barroca • No plano das artes foi o século do Barroco, tendência que se infiltrou nas artes plásticas, na música na literatura, no vestuário, nos comportamentos cortesãos, nas formas de religiosidade e que se pautou por ser mais sensitiva do que racional, mais desmesurada do que contida, mais metafórica do que realista, mais ondulante do que retilínea, mais colorida do que acromática, mais espetacular do que sóbria.
  • 6. Avanços científicos • Foi o tempo da emergência do espírito científico e do método experimental, que provocaram avanços importantes no conhecimento do mundo físico em vários domínios, graças aos trabalhos e reflexões de: • Galileu, Bacon, Torricelli, Kepler, Descartes e, mais tarde, Newton.
  • 7. Situação política conturbada • Em Portugal, o século foi muito agitado do ponto de vista político. Até 1640 perpetuou-se o domínio filipino da coroa portuguesa, situação herdada do século anterior, na sequência do fracasso de Alcácer-Quibir, que conduzira à conquista da coroa por parte de Filipe II de Espanha, em 1580. • No 1º de dezembro de 1640, um golpe palaciano que provocou pouco sangue, repunha na mão de portugueses os destinos da monarquia e D. João IV, o primeiro rei da Casa de Bragança, assumiu o poder.
  • 8. Dificuldades económicas • A dominação castelhana da coroa havia ainda legitimado ataques holandeses, franceses e ingleses, a muitos dos territórios portugueses, no Oriente, África e Brasil, ataques que se prolongaram alguns anos após a Restauração, provocando um agravamento da economia. • A perseguição movida pela Inquisição aos cristãos-novos, que neste século assumiu particular violência, tinha como consequência a fuga de muitos deles para o estrangeiro, transportando consigo avultados capitais.
  • 9. Culturalmente • O período não foi de grande brilho, tendo visto empalidecer o fulgor que as Artes e Letras haviam alcançado na época do Renascimento e do Maneirismo, pese embora a pujança que a arquitetura religiosa de traça barroca assumirá, sobretudo na parte final do século, bem como a vasta produção lírica muito consumida e divulgada em algumas academias literárias então nascentes.
  • 10. A censura • A censura, sobretudo a inquisitorial, limitava a abertura de Portugal às correntes que no estrangeiro faziam triunfar o saber científico, conhecimento aqui divulgado por poucos e habitualmente com atraso.