Texto final filosofia olimpíadas mesa 4

577 visualizações

Publicada em

Texto "DISCUTINDO A LIBERDADE DE PENSAMENTO" de Júlia Sonáglio Pedrassani; Pedro Henrique de Almeida Pelliccioli; Mateus Bündchen;

Professor Orientador: Alexandre Misturini.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
577
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
198
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto final filosofia olimpíadas mesa 4

  1. 1. I MOSTRA DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR DE FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFRS VIII - ETAPA PRÉ-OLÍMPICA DE FILOSOFIA - OLIFRS DISCUTINDO A LIBERDADE DE PENSAMENTO Júlia Sonáglio Pedrassani; Pedro Henrique de Almeida Pelliccioli; Mateus Bündchen; Professor Orientador: Alexandre Misturini. Resumo: A liberdade de pensamento é um tema que provoca muitas reflexões e grande impacto na forma de pensar e agir de toda uma sociedade. Sócrates acreditava que a verdadeira liberdade de expressão somente ocorre quando não existe uma norma social que a limite. Porém, a expressão do pensamento e as ações devem sofrem restrições. Se há confiança no que se discorre, a expressão pode ter grande influência no meio. Pode ser exercida por propagandas, professores, políticos, empresários e tem a capacidade dirigir atos. O oposto ocorre quando se vive alienado ao que acontece, indiferente às decisões, pouco se expressa. O pensamento, assim como as normas morais e éticas de uma sociedade, se modifica com o passar dos anos. Isso se deve a grandes revoluções, que tem a capacidade de influenciar o pensamento. Essas grandes mudanças na sociedade podem abrir novas linhas de pensamento, transformando os valores sociais, o comportamento e o mundo. Os absurdos ontem são o normal de hoje, e o normal de hoje pode ser o absurdo de amanhã. Palavras-chave: Liberdade. Pensamento. Ética. Ideias. Expressão. DISCUTINDO A LIBERDADE DE PENSAMENTO A Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, foi o primeiro documento que oficializou internacionalmente os direitos do ser humano, sem distinção de quaisquer aspectos do próprio ser. Foi um passo fundamental para fixar em todo o globo que, independente de nossas características ou pensamentos, temos direitos iguais perante a sociedade. A mesma surgiu quando o homem passou a ser centro das preocupações, ideia difundida no período do Iluminismo Europeu, deixando os conceitos medievais religiosos de lado, e dando ênfase para a Ciência e a razão. Com o senso crítico aprimorado, o pensamento como indivíduo e também como sociedade fez com que o ser humano questionasse, no ponto de vista de uma sociedade não muito justa, a causa da censura que lhes era imposta pelo Estado.
  2. 2. I MOSTRA DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR DE FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFRS VIII - ETAPA PRÉ-OLÍMPICA DE FILOSOFIA - OLIFRS O povo começou a criar opinião própria, debater e trocar ideias entre si. Porém, cada ser humano vê o mundo de uma maneira diferente, então cada debate é diferente e o indivíduo precisa refletir sobre o que é sensato e o que não é. De acordo com o artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, o homem é livre para pensar. Ninguém pode o impedir de fazê-lo, pois ninguém consegue entrar em seus pensamentos. Quando esse é exteriorizado surgem as opiniões, que podem ser facilmente censuradas pela constituição e até receber a devida punição. O mesmo serve para nossas ações. Às vezes não é possível transformar pensamentos em atos concretos. Deixa-se de agir conforme o pensamento quando as ações são injustas, imorais ou ilegais. Lembrando que a liberdade de certo indivíduo não pode invadir a liberdade de seu semelhante, então se os atos ou as opiniões ultrapassarem esse limite, as normas e condutas éticas impostas pela sociedade não estarão sendo cumpridas. Segundo Sócrates a liberdade total de expressão só existe quando não submetida a nenhuma norma social que a limite. Em outros momentos, os pensamentos não são expressos, são reprimidos pelo próprio ser. A falta de confiança no que deseja expor provoca medo, e a opinião fica limitada no intelecto. A segurança com a qual a expressão acontece decorre do domínio sobre do tema o qual se discorre e o propósito que se quer atingir. Quando torna-se efetiva, a influência que a expressão causa no meio em que se propaga tem grande poder. A liberdade de pensamento ocorre somente quando há o controle de suas próprias convicções sobre os fatos com os quais convive, sem deixar-se influenciar pelo mundo externo. A todo o momento as propagandas comerciais tentam penetrar no pensamento humano e conduzir suas ações. Muitas vezes viola normas morais em busca de interesses econômicos. Mas muito antes disso, ainda quando se frequenta as séries iniciais, uma significativa influência é exercida pelos professores quando eles expressam suas opiniões. O mesmo ocorre com prefeitos, vereadores, grandes empresários e líderes religiosos que tem convicção e conseguem manipular massas. O oposto ocorre quando vive-se em um mundo isolado, não interagindo com o meio, mantendo-se alienado ao que acontece. Desta forma não faz-se novas construções sobre o que se pensa e também pouco se expressa por não se importar com o mundo exterior. Toda pessoa alienada aceita o que o meio propõe, sem crítica ou contrariedade. Portanto, alguém que vive a mercê do alheio. O que não deixa de ser uma forma de expressão. Grandes acontecimentos exercem influência suficiente para modificar o pensamento de grandes populações. O pensamento do homem modifica-se devido às mudanças sociais, sendo elas éticas ou não. O que era considerado antiético anos atrás, é considerado normal nos dias de hoje, pois é aceito ou executado por grande parte da população. Um grande exemplo disso foi a abolição da escravatura e todos os movimentos que se sucederam na luta pela liberdade e igualdade. A aceitação de que todos os indivíduos são diferentes cresce cada vez mais, pois a sociedade em geral percebe que todos têm os mesmos direitos, independentemente de raça, cor, orientação sexual, etc. Mas quando o meio social não é tão miscigenado, as diferenças não são aceitas com tanta facilidade, pois é natural do ser humano evitar modificar suas crenças. As pessoas agem e se manifestam segundo as suas verdades e segundo as verdades aceitas pelo meio. Quando essas verdades possuem lastros em valores morais e éticos, as manifestações são éticas, quando não, as manifestações visam atender interesses individuais não importando o quanto podem afetar negativamente os outros. Caso haja um sistema justo em todas as partes do mundo, onde a ética vem em primeiro lugar em todas as escolhas em prol da sociedade, levando em consideração que todos os
  3. 3. I MOSTRA DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR DE FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFRS VIII - ETAPA PRÉ-OLÍMPICA DE FILOSOFIA - OLIFRS indivíduos devem ser considerados iguais, onde educação e conhecimento são duas peças fundamentais para a formação do pensamento crítico, surgiria então uma sociedade mais justa e aberta, com menos desigualdade e com tendências a um mundo mais ético e moral. REFERÊNCIAS REALE, Giovani; ANTISERI, Dario. História da Filosofia: Antiguidade e Idade Média. São Paulo: Paulus, 1990. CHAUI, Marilena. Convite à Filosifa. São Paulo: Ática, 1997. ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Martin Claret, 2005. Moacir Pinto, Dialógos da Liberdade- Filosofia do Direito. Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfkHAAB/dialogos-liberdade-filosofia-direito> Acesso em: 5 de maio de 2015. Carlos Bernardo González Pecotche (Raumsol), Temos liberdade de pensar?. Disponível em: <http://www.logosofia.org.br/artigos/temos-liberdade-de-pensar/62.aspx> Acesso em 5 de maio de 2015. Eduardo C. Bittar, Filosofia crítica e filosofia do direito: por uma filosofia social do direito. Disponível em <http://revistacult.uol.com.br/home/2010/03/filosofia-critica-e-filosofia-do- direito-por-uma-filosofia-social-do-direito/> Acesso em: 5 de maio de 2015 Flávio Rodrigo Masson Carvalho, Os direitos humanos, a Declaração Universal dos Direitos Hhumanos de 1948 e o pensamento filosófico de Norberto Bobbio sobre os direitos do homem. <http://www.ambito- juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=5147&revista_caderno=15> Acesso em: 5 de maio de 2015. Mauricio Antonacci Krieger, O direito fundamental da liberdade de pensamento e de expressão. Disponível em: <http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/o-direito-fundamental-da- liberdade-de-pensamento-e-de-express%C3%A3o> Acesso em: 5 de maio de 2015. Rosana Madjarof, Direito e Liberdade. Disponível em: <http://www.mundodosfilosofos.com.br/rosana3.htm> Acesso em 5 de maio de 2015.
  4. 4. I MOSTRA DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR DE FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFRS VIII - ETAPA PRÉ-OLÍMPICA DE FILOSOFIA - OLIFRS Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: <http://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf > Acesso em: 5 de maio de 2015. Geraldo Magela Machado, Sócrates e o Direito de Pensar. Disponível em: <http://www.infoescola.com/filosofia/socrates-e-o-direito-de-pensar/> Acesso em: 5 de maio de 2015.
  5. 5. I MOSTRA DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR DE FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFRS VIII - ETAPA PRÉ-OLÍMPICA DE FILOSOFIA - OLIFRS

×