Aula 06 e 07 - Economia das empresas

1.599 visualizações

Publicada em

Prof. Christine
Aula 06 e 07
Data 14/05

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Aula 06 e 07 - Economia das empresas

  1. 1. Aula 06 e 07 Economia de Empresas Prof.a Christine Maria Silva Carvalho www.professorachristinecarvalho.tk
  2. 2. Resumo de Aula  Elasticidades da Demanda e da Oferta
  3. 3. Elasticidade  Expressa a relação entre duas variáveis inter- relacionadas funcionalmente.  Do ponto de vista macroeconômico: esse conceito estaria associado, por exemplo, às relações existentes entre os níveis de renda e das importações de um país.  Do ponto de vista microeconômico: esse conceito estaria associado, por exemplo, às relações entre preço e quantidade demandada ( ou ofertada) de um bem.
  4. 4. Elasticidades  Tomando por base a função demanda, serão abordados os seguintes conceitos: ● Elasticidade-preço da demanda; ●Elasticidade-renda da demanda; ●Elasticidade-preço cruzada da demanda.
  5. 5. Elasticidade Preço da Demanda  Não basta saber que estamos perante uma alteração da quantidade procurada em resposta a uma alteração no preço: é importante conhecer a amplitude daquela alteração.  Elasticidade é o conceito que mede a reação dos consumidores às variações de preço.
  6. 6. Elasticidade Preço da Demanda  É o quociente da variação percentual da quantidade demandada de um bem pela variação percentual no preço do mesmo bem.  Formalmente, a elasticidade-preço da demanda ou simplesmente elasticidade da procura pode ser dada por:
  7. 7. Onde: EpD= elasticidade-preço da demanda Q1= quantidade final demandada Q0= quantidade inicial demandada Q= quantidade demandada de onde se parte P1= preço final do bem P0=preço inical do bem P= preço do bem de onde se parte
  8. 8.  O numerador ou o denominador dessa expressão representam apenas uma porcentagem, portanto elasticidades é uma divisão, ou uma razão, entre porcentagens.  O valor da elasticidade da demanda é sempre negativo, indica a Lei da demanda, isto é, a relação inversa existente entre as variações de preço e as variações na quantidade demandada. Normalmente representado em módulo /EpD/
  9. 9. Classificação da demanda, de acordo com a elasticidade-preço  De acordo com a elasticidade-preço, a demanda pode ser classificada como;  Demanda elástica ( EpD>1)  Demanda inelástica( EpD<1)  Demanda de elasticidade unitária (EpD=1)
  10. 10. Demanda Elástica EpD > 1  É a demanda dos bens cuja elasticidade-preço da demanda é maior do que 1 ( EpD >1) , isso revela que a quantidade é bastante sensível a variação de seu preço.  Significa que uma mudança no preço provoca uma mudança na quantidade demandada maior que a mudança de preço ( em termos porcentuais)
  11. 11. Demanda inelástica EpD < 1  É a demanda dos bens cuja elasticidade- preço da demanda é menor do que 1 ( EpD<1) , isso revela que neste caso os consumidores são pouco sensíveis a variação de preço.  Significa que uma mudança no preço provoca uma mudança na quantidade demandada menor que a mudança de preço ( em termos porcentuais).
  12. 12. Demanda de elasticidade unitária EpD = 1  É a demanda dos bens cuja elasticidade- preço da demanda é igual a 1 (EpD=1), isso revela que uma alteração no preço corresponde a mesma alteração na quantidade demandada  Significa que uma mudança no preço provoca uma mudança na quantidade demandada igual a mudança havida no preço ( em termos porcentuais).
  13. 13. Atenção!!!!  O valor da elasticidade é um critério interessante para determinar o grau de essencialidade dos bens. Então, um bem essencial a subsistência tem uma demanda inelástica, ou seja, menor que 1, as pessoas não reduzem consideravelmente o consumo desse bem mesmo com o aumento de preço.  A receita total do produtor corresponde ao gasto total do consumidor ( RT= P x Q), dada uma variação de preço, a receita total do produtor pode aumentar, diminuir ou permanecer constante, vai depender da elasticidade-preço da demanda, ou seja, da reação dos consumidores à variação de preço.
  14. 14. Atenção!!!!  Temos uma demanda elástica, quando as pessoas reduzem o seu consumo em uma proporção maior que o aumento de preços podendo considerar que esse bem seja supérfluo, ou então que haja substituto no mercado.
  15. 15. Fatores que afetam a elasticidade-preço da demanda  Disponibilidade de bens substitutos Quanto mais substitutos, mais elástica a demanda, pois, dado um aumento de preços, o consumidor tem mais opções para “fugir” do consumo desse produto. Ou seja, trata-se de um produto cujos consumidores são bastantes sensíveis a variação de preços.
  16. 16.  Essencialidade do bem Quanto mais essencial o bem, mais inelástica sua procura. Esse tipo de bem não traz muitas opções para o consumidor “fugir” do aumento de preço ex. Sal e açúcar.
  17. 17.  Importância relativa do bem no orçamento do consumidor Quanto menor for o peso do bem no orçamento do consumidor, mais inelástica deverá ser a sua demanda. É o caso, por exemplo, do fósforo, cujos aumentos de preço (dentro de uma determinada faixa) sequer são sentidos pelos consumidores. Por outro lado, produtos que tenham um peso maior no orçamento deverão ter uma demanda mais elástica. É o caso, por exemplo, da demanda de carne, que certamente é mais elástica que a demanda de fósforos.
  18. 18.  Tempo Com o passar do tempo novos substitutos surgirão, ou formar-se-ão novos hábitos de consumo, de modo que a curva de demanda tenderá a tornar-se mais elástica.
  19. 19. Elasticidade-preço cruzada da demanda  É a variação percentual da quantidade demandada do bem x, dada uma variação percentual no preço do bem y  Os bens x e y são substitutos ou concorrentes ( o aumento do preço de y, aumenta o consumo de x)‫‏‬  Os bens x e y são complementares ( o aumento do preço de y diminui a demanda de x)‫‏‬
  20. 20. Elasticidade preço-cruzada de demanda pode ser representado:
  21. 21. Assim, Exy > 0 diz-se que os bens são substitutos. Exy < 0 diz-se que os bens são complementares. Exy = 0 diz-se que os bens são independentes
  22. 22. Elasticidade-renda da demanda A elasticidade-renda da demanda mede a sensibilidade da demanda a mudanças na renda. Ela é definida como sendo a variação percentual na quantidade demandada dividida pela variação percentual na renda do consumidor.
  23. 23. Erp>1: bem superior( ou bem de luxo), dada uma variação da renda, o consumo varia mais que proporcionalmente ( elasticidade-renda alta) Erp>0: bem normal, o consumo aumenta quando a renda aumenta ( elasticidade-renda positiva) Erp<0: bem inferior, a demanda cai quando a renda aumenta ( elasticidade-renda negativa) Erp=0: bem de consumo saciado, variações na renda não altera o consumo desse bem.( elasticidade-renda nula)
  24. 24. Para a maioria dos bens e serviços, um aumento na renda leva a um aumento da demanda (isto é, um deslocamento para a direita da curva de demanda em vez de um movimento ao longo da curva) e as elasticidades-renda serão, portanto, positivas. Esse é o caso dos bens normais, cujo consumo cresce quando a renda aumenta.
  25. 25. Atenção!!!  Normalmente a elasticidade-renda da demanda de produtos manufaturados é superior a elasticidade-renda da demanda de produtos básicos, como alimentos. Isso porque, quanto mais elevada a renda , a tendência é aumentar mais o consumo de produtos, como, por exemplo, eletrônicos, automóveis, relativamente aos alimentos (cujo consumo tem um limite fisiológico)‫‏‬
  26. 26. Elasticidades-preço da oferta  Mede a variação percentual da quantidade ofertada, dada uma variação percentual no preço do bem.
  27. 27. Assim, Eo > 1 oferta elástica Eo < 1 oferta inelástica Eo = 1 elasticidade unitária
  28. 28.  Se o aumento percentual na quantidade ofertada for maior que o aumento percentual no preço, o coeficiente de elasticidade será maior do que 1. Diz- se nesse caso, que a oferta é elástica, ou sensível ao aumento de preços.  Se o aumento percentual na quantidade ofertada for menor que o aumento percentual no preço, o coeficiente de elasticidade será menor do que 1. Diz- se, nesse caso, que a oferta é inelástica, ou pouco sensível ao aumento de preços.  Se o aumento percentual na quantidade ofertada for igual ao aumento percentual de preços, estaremos diante de um caso de oferta com elasticidade unitária.
  29. 29.  Ao contrário da elasticidade da demanda, a elasticidade-preço da oferta é positiva. Isso ocorre porque as variações de preço e quantidade são no mesmo sentido. Ao aumentar o preço, aumenta a quantidade oferecida
  30. 30. Síntese das Elasticidades
  31. 31. Referências CARVALHO, Christine M. S. ; SALOMÃO, Fernando B.; LOURENÇO, Sergio R. (organizador). Economia: uma introdução aos conceitos fundamentais. – Teresópolis, RJ: Tereart, 2013. BAYE, M. R. Economia de empresas e estratégias de negócios. 6. ed. SP: McGraw Hill – Artmed, 2010. BRUNSTEIN, I. Economia de empresas. SP: Atlas, 2005. ]McGUIGAN, J. R.; MOYER, R. C.; HARRIS, F. H. D. Economia de empresas: aplicações, estratégia e táticas. SP: Cengage, 2010. BUARQUE, C. Avaliação econômica de projetos. RJ: Elsevier, 1984. COSTA, L. R. T. A. et. al. Valuation: manual de avaliação e reestruturação. SP: Atlas, 2010. NEVES, N. J. O. Economia de impostos nas empresas. SP: Juruá Editora, 2002. PINHO, D. B.; VASCONCELOS, M. A. S. Manual de economia. 5. ed. SP: Saraiva, 2006. TROSTER, R. L.; MOCHON, F. Introdução à economia. SP: Makron Books, 1999.

×