Como Escrever um Artigo Científico
Alejandro C. Frery
LaCCAN
Laboratório de Computação Científica
e Análise Numérica
Univers...
Introdução
Estrutura
Introdução
O que é Ciência?
Fases
IMRaD
A revisão bibliográfica
Ferramentas
Resumo
2 / 40
Introdução
Objetivos
 Estimular o debate sobre o significado da pesquisa científica
 Estimular o debate sobre os tipos de ve...
O que é Ciência?
Estrutura
Introdução
O que é Ciência?
Fases
IMRaD
A revisão bibliográfica
Ferramentas
Resumo
4 / 40
O que é Ciência?
O que é Ciência?
Utilizando o texto de Volpato (2007b):
Ciência
É a forma humana de construir e aceitar g...
O que é Ciência?
Ciclo da produção da ciência
6 / 40
O que é Ciência?
O Produto
Ciência
A saída esperada do ecossistema da pesquisa é o novo
conhecimento científico produzido p...
O que é Ciência?
Ciência: uma imagem
8 / 40
O que é Ciência?
Qual a relação da publicação com fazer
ciência?
Lembrando Volpato (2006, 2007a,b)
• Pesquisa sem original...
Fases
Estrutura
Introdução
O que é Ciência?
Fases
IMRaD
A revisão bibliográfica
Ferramentas
Resumo
10 / 40
Fases
Fases importantes da pesquisa científica
Introspecção: Você tem habilidade para isso? É o que você quer
fazer?
Ponto ...
Fases Introspecção
Condições para fazer pesquisa científica
• Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à
lei...
Fases Introspecção
Condições para fazer pesquisa científica
• Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à lei...
Fases Introspecção
Condições para fazer pesquisa científica
• Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à lei...
Fases Introspecção
Condições para fazer pesquisa científica
• Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à lei...
Fases Introspecção
Condições para fazer pesquisa científica
• Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à lei...
Fases Introspecção
Vocação para fazer pesquisa científica
• Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar
orienta...
Fases Introspecção
Vocação para fazer pesquisa científica
• Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar
orienta...
Fases Introspecção
Vocação para fazer pesquisa científica
• Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar
orienta...
Fases Introspecção
Vocação para fazer pesquisa científica
• Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar
orienta...
Fases Introspecção
Vocação para fazer pesquisa científica
• Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar
orienta...
Fases Ponto de partida
Escolha uma boa orientação
• Fuja das armadilhas da simpatia, do afago, do coleguismo.
Escolha pela...
Fases Ponto de partida
Escolha uma boa orientação
• Fuja das armadilhas da simpatia, do afago, do coleguismo.
Escolha pela...
Fases Ponto de partida
Escolha uma boa orientação
• Fuja das armadilhas da simpatia, do afago, do coleguismo.
Escolha pela...
Fases Ponto de partida
Escolha uma boa orientação
• Fuja das armadilhas da simpatia, do afago, do coleguismo.
Escolha pela...
Fases Elementos
A pergunta científica
• É a peça fundamental do seu trabalho.
• “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lav...
Fases Elementos
A pergunta científica
• É a peça fundamental do seu trabalho.
• “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lav...
Fases Elementos
A pergunta científica
• É a peça fundamental do seu trabalho.
• “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lav...
Fases Elementos
A pergunta científica
• É a peça fundamental do seu trabalho.
• “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lav...
Fases Elementos
A pergunta científica
• É a peça fundamental do seu trabalho.
• “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lav...
Fases Elementos
A pergunta científica
• É a peça fundamental do seu trabalho.
• “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lav...
Fases Elementos
O que fazer com a pergunta científica
• Imprima e cole, bem visível, em cada lugar de trabalho.
• Torne-a a...
Fases O produto
Como escrever o relatório
Suponhamos que você está engajado em um bom grupo, que a sua
pesquisa está em an...
Fases O produto
Como escrever o relatório
Suponhamos que você está engajado em um bom grupo, que a sua
pesquisa está em an...
Fases O produto
Como escrever o relatório
Suponhamos que você está engajado em um bom grupo, que a sua
pesquisa está em an...
Fases O produto
Como escrever o relatório
Suponhamos que você está engajado em um bom grupo, que a sua
pesquisa está em an...
IMRaD
Estrutura
Introdução
O que é Ciência?
Fases
IMRaD
A revisão bibliográfica
Ferramentas
Resumo
18 / 40
IMRaD Introdução
IMRaD – A Introdução
A Introdução é a peça chave da apresentação do artigo. Ela irá
definir se o leitor pr...
IMRaD Metodologia
IMRaD – A Metodologia
Esta seção descreve como as coisas foram feitas.
A Metodologia deve dar todas as i...
IMRaD Resultados
IMRaD – Resultados
Esta seção descreve o que foi observado.
Pode ser uma seção extensa, mas nunca repetit...
IMRaD Discussão
IMRaD – Discussão
Ou conclusões, nesta seção é que se analisa e interpreta aquilo que
foi observado.
A Dis...
A revisão bibliográfica
Estrutura
Introdução
O que é Ciência?
Fases
IMRaD
A revisão bibliográfica
Ferramentas
Resumo
23 / 40
A revisão bibliográfica
Onde fazer a revisão bibliográfica?
Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proced...
A revisão bibliográfica
Onde fazer a revisão bibliográfica?
Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proced...
A revisão bibliográfica
Onde fazer a revisão bibliográfica?
Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proced...
A revisão bibliográfica
Onde fazer a revisão bibliográfica?
Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proced...
A revisão bibliográfica
Onde fazer a revisão bibliográfica?
Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proced...
A revisão bibliográfica
Onde fazer a revisão bibliográfica?
Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proced...
A revisão bibliográfica
Onde fazer a revisão bibliográfica?
Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proced...
A revisão bibliográfica
Como escolher?
Após um levantamento bibliográfico teremos um volume
substancial de referências.
Dica...
A revisão bibliográfica
Como escolher?
Após um levantamento bibliográfico teremos um volume
substancial de referências.
Dica...
Ferramentas
Estrutura
Introdução
O que é Ciência?
Fases
IMRaD
A revisão bibliográfica
Ferramentas
Resumo
26 / 40
Ferramentas Os Quatro Ases
ISI, JabRef, BIBTEX e LATEX
Esse conjunto de ferramentas permite
ISI: Verificar todos os periódi...
Ferramentas Os Quatro Ases
ISI, JabRef, BIBTEX e LATEX
Esse conjunto de ferramentas permite
ISI: Verificar todos os periódi...
Ferramentas Os Quatro Ases
ISI, JabRef, BIBTEX e LATEX
Esse conjunto de ferramentas permite
ISI: Verificar todos os periódi...
Ferramentas Os Quatro Ases
ISI, JabRef, BIBTEX e LATEX
Esse conjunto de ferramentas permite
ISI: Verificar todos os periódi...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
O que é, onde fica?
 É um serviço caro, disponível para a Academia através do Portal
de Pe...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
O que é, onde fica?
 É um serviço caro, disponível para a Academia através do Portal
de Pe...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
O que é, onde fica?
 É um serviço caro, disponível para a Academia através do Portal
de Pe...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Tela Principal do ISI
29 / 40
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Como começar?
Uma forma prática de começar fazer uma revisão bibliográfica
consiste em seg...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Como começar?
Uma forma prática de começar fazer uma revisão bibliográfica
consiste em seg...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Como começar?
Uma forma prática de começar fazer uma revisão bibliográfica
consiste em seg...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de
referências.
Já temos um bo...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de
referências.
Já temos um bo...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de
referências.
Já temos um bo...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de
referências.
Já temos um bo...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de
referências.
Já temos um bo...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Árvore de Citações
32 / 40
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Quando acabou a revisão bibliográfica?
Essa pergunta é fácil de responder: Nunca!
Quando o...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Quando acabou a revisão bibliográfica?
Essa pergunta é fácil de responder: Nunca!
Quando o...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Quando acabou a revisão bibliográfica?
Essa pergunta é fácil de responder: Nunca!
Quando o...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Quando acabou a revisão bibliográfica?
Essa pergunta é fácil de responder: Nunca!
Quando o...
Ferramentas ISI Web of Knowledge
Quando acabou a revisão bibliográfica?
Essa pergunta é fácil de responder: Nunca!
Quando o...
Ferramentas JabRef
O que é e onde pego?
É um aplicativo 100% Java, portanto portável, que permite gerenciar
referências bi...
Ferramentas JabRef
O que é e onde pego?
É um aplicativo 100% Java, portanto portável, que permite gerenciar
referências bi...
Ferramentas JabRef
O que é e onde pego?
É um aplicativo 100% Java, portanto portável, que permite gerenciar
referências bi...
Ferramentas JabRef
O que é e onde pego?
É um aplicativo 100% Java, portanto portável, que permite gerenciar
referências bi...
Ferramentas JabRef
Interface
35 / 40
Resumo
Estrutura
Introdução
O que é Ciência?
Fases
IMRaD
A revisão bibliográfica
Ferramentas
Resumo
36 / 40
Resumo
Resumo
Como escrever um artigo científico com boas chances dele ser bem
sucedido, isto é, publicado?
• Que o seu art...
Resumo
Resumo
Como escrever um artigo científico com boas chances dele ser bem
sucedido, isto é, publicado?
• Que o seu art...
Resumo
Boa sorte!
38 / 40
Resumo
Referências
Pinheiro, R. L. (2013), Ambiente computacional para suporte a
“Reproducible Research”, Dissertação de M...
Contato
Alejandro C. Frery
acfrery@pq.cnpq.br
http://sites.google.com/site/acfrery
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Como Escrever um Artigo Científico

1.665 visualizações

Publicada em

Palestra ministrada na ERBASE - Escola Regional de Computação Bahia-Alagoas-Sergipe, realizada em Feira de Santana em maio de 2014. Nela tento derrubar o mito de que é possível publicar trabalhos científicos (de bom nível) apenas seguindo dicas. A mensagem é que uma (boa) publicação é a culminação de um processo, de um trabalho de pesquisa científica.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.665
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
121
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como Escrever um Artigo Científico

  1. 1. Como Escrever um Artigo Científico Alejandro C. Frery LaCCAN Laboratório de Computação Científica e Análise Numérica Universidade Federal de Alagoas ERBASE 2014 1 / 40
  2. 2. Introdução Estrutura Introdução O que é Ciência? Fases IMRaD A revisão bibliográfica Ferramentas Resumo 2 / 40
  3. 3. Introdução Objetivos Estimular o debate sobre o significado da pesquisa científica Estimular o debate sobre os tipos de veículos de publicação Colocar a revisão bibliográfica em perspectiva Estimular o uso de medidas objetivas de qualidade, mas lembrando das suas limitações 3 / 40
  4. 4. O que é Ciência? Estrutura Introdução O que é Ciência? Fases IMRaD A revisão bibliográfica Ferramentas Resumo 4 / 40
  5. 5. O que é Ciência? O que é Ciência? Utilizando o texto de Volpato (2007b): Ciência É a forma humana de construir e aceitar generalizações acerca do universo, utilizando um método e o discurso lógico, e admitindo a precariedade dessas generalizações. 5 / 40
  6. 6. O que é Ciência? Ciclo da produção da ciência 6 / 40
  7. 7. O que é Ciência? O Produto Ciência A saída esperada do ecossistema da pesquisa é o novo conhecimento científico produzido por nova mão de obra especializada de alto nível. 7 / 40
  8. 8. O que é Ciência? Ciência: uma imagem 8 / 40
  9. 9. O que é Ciência? Qual a relação da publicação com fazer ciência? Lembrando Volpato (2006, 2007a,b) • Pesquisa sem originalidade não é pesquisa científica • Pesquisa sem método não é pesquisa científica • Pesquisa que não foi publicada em veículos de impacto não é pesquisa científica E para aumentar as chances de ter a nossa pesquisa publicada, é que veremos algumas dicas. 9 / 40
  10. 10. Fases Estrutura Introdução O que é Ciência? Fases IMRaD A revisão bibliográfica Ferramentas Resumo 10 / 40
  11. 11. Fases Fases importantes da pesquisa científica Introspecção: Você tem habilidade para isso? É o que você quer fazer? Ponto de partida: Arrume boa companhia, um bom orientador com produção científica comprovada. Elementos: Uma boa pergunta científica. Ingredientes: Dedicação e lealdade, método. O produto: Um relatório da pesquisa, que poderá virar um artigo científico. 11 / 40
  12. 12. Fases Introspecção Condições para fazer pesquisa científica • Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à leitura de trabalhos científicos (em Inglês). • Ter um mínimo de curiosidade. • Ter disponibilidade de tempo. • Estar disposto a abdicar de atitudes danosas: preguiça, autoritarismo, desonestidade etc. • Estar disposto a abdicar de formas danosas de pensamento (pelo menos enquanto faz pesquisa científica): mágico, dogmático, pragmático etc. 12 / 40
  13. 13. Fases Introspecção Condições para fazer pesquisa científica • Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à leitura de trabalhos científicos (em Inglês). • Ter um mínimo de curiosidade. • Ter disponibilidade de tempo. • Estar disposto a abdicar de atitudes danosas: preguiça, autoritarismo, desonestidade etc. • Estar disposto a abdicar de formas danosas de pensamento (pelo menos enquanto faz pesquisa científica): mágico, dogmático, pragmático etc. 12 / 40
  14. 14. Fases Introspecção Condições para fazer pesquisa científica • Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à leitura de trabalhos científicos (em Inglês). • Ter um mínimo de curiosidade. • Ter disponibilidade de tempo. • Estar disposto a abdicar de atitudes danosas: preguiça, autoritarismo, desonestidade etc. • Estar disposto a abdicar de formas danosas de pensamento (pelo menos enquanto faz pesquisa científica): mágico, dogmático, pragmático etc. 12 / 40
  15. 15. Fases Introspecção Condições para fazer pesquisa científica • Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à leitura de trabalhos científicos (em Inglês). • Ter um mínimo de curiosidade. • Ter disponibilidade de tempo. • Estar disposto a abdicar de atitudes danosas: preguiça, autoritarismo, desonestidade etc. • Estar disposto a abdicar de formas danosas de pensamento (pelo menos enquanto faz pesquisa científica): mágico, dogmático, pragmático etc. 12 / 40
  16. 16. Fases Introspecção Condições para fazer pesquisa científica • Saber ler (e entender), habilidade que será direcionada à leitura de trabalhos científicos (em Inglês). • Ter um mínimo de curiosidade. • Ter disponibilidade de tempo. • Estar disposto a abdicar de atitudes danosas: preguiça, autoritarismo, desonestidade etc. • Estar disposto a abdicar de formas danosas de pensamento (pelo menos enquanto faz pesquisa científica): mágico, dogmático, pragmático etc. 12 / 40
  17. 17. Fases Introspecção Vocação para fazer pesquisa científica • Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar orientação. • Paciência. • Capacidade para trabalhar em grupo (executando e liderando), e para passar longas de atividades individuais. • Lealdade ao grupo, aderência aos valores da Academia. • Querer aprender sempre mais, nunca estar satisfeito com o que já sabe. 13 / 40
  18. 18. Fases Introspecção Vocação para fazer pesquisa científica • Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar orientação. • Paciência. • Capacidade para trabalhar em grupo (executando e liderando), e para passar longas de atividades individuais. • Lealdade ao grupo, aderência aos valores da Academia. • Querer aprender sempre mais, nunca estar satisfeito com o que já sabe. 13 / 40
  19. 19. Fases Introspecção Vocação para fazer pesquisa científica • Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar orientação. • Paciência. • Capacidade para trabalhar em grupo (executando e liderando), e para passar longas de atividades individuais. • Lealdade ao grupo, aderência aos valores da Academia. • Querer aprender sempre mais, nunca estar satisfeito com o que já sabe. 13 / 40
  20. 20. Fases Introspecção Vocação para fazer pesquisa científica • Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar orientação. • Paciência. • Capacidade para trabalhar em grupo (executando e liderando), e para passar longas de atividades individuais. • Lealdade ao grupo, aderência aos valores da Academia. • Querer aprender sempre mais, nunca estar satisfeito com o que já sabe. 13 / 40
  21. 21. Fases Introspecção Vocação para fazer pesquisa científica • Independência, mas com aptidão para ouvir e para acatar orientação. • Paciência. • Capacidade para trabalhar em grupo (executando e liderando), e para passar longas de atividades individuais. • Lealdade ao grupo, aderência aos valores da Academia. • Querer aprender sempre mais, nunca estar satisfeito com o que já sabe. 13 / 40
  22. 22. Fases Ponto de partida Escolha uma boa orientação • Fuja das armadilhas da simpatia, do afago, do coleguismo. Escolha pela competência. • Um bom orientador é quem tem produção científica comprovada (predominantemente em periódicos ISI). Use o Lattes mais do que o Facebook. • Um bom orientador lhe dará condições de desenvolver a sua pesquisa: materiais, tempo, direcionamento. • Um bom orientador lhe abrirá portas na sua carreira acadêmica. 14 / 40
  23. 23. Fases Ponto de partida Escolha uma boa orientação • Fuja das armadilhas da simpatia, do afago, do coleguismo. Escolha pela competência. • Um bom orientador é quem tem produção científica comprovada (predominantemente em periódicos ISI). Use o Lattes mais do que o Facebook. • Um bom orientador lhe dará condições de desenvolver a sua pesquisa: materiais, tempo, direcionamento. • Um bom orientador lhe abrirá portas na sua carreira acadêmica. 14 / 40
  24. 24. Fases Ponto de partida Escolha uma boa orientação • Fuja das armadilhas da simpatia, do afago, do coleguismo. Escolha pela competência. • Um bom orientador é quem tem produção científica comprovada (predominantemente em periódicos ISI). Use o Lattes mais do que o Facebook. • Um bom orientador lhe dará condições de desenvolver a sua pesquisa: materiais, tempo, direcionamento. • Um bom orientador lhe abrirá portas na sua carreira acadêmica. 14 / 40
  25. 25. Fases Ponto de partida Escolha uma boa orientação • Fuja das armadilhas da simpatia, do afago, do coleguismo. Escolha pela competência. • Um bom orientador é quem tem produção científica comprovada (predominantemente em periódicos ISI). Use o Lattes mais do que o Facebook. • Um bom orientador lhe dará condições de desenvolver a sua pesquisa: materiais, tempo, direcionamento. • Um bom orientador lhe abrirá portas na sua carreira acadêmica. 14 / 40
  26. 26. Fases Elementos A pergunta científica • É a peça fundamental do seu trabalho. • “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lave minhas cuecas” não são boas perguntas científicas e não lhe levarão, sozinhas, pelo bom caminho. • Uma boa pergunta científica tem os seguintes ingredientes • Comporta originalidade (não foi respondida ainda). • É exequível (material, intelectual e temporalmente). • O avanço pode ser aferido. 15 / 40
  27. 27. Fases Elementos A pergunta científica • É a peça fundamental do seu trabalho. • “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lave minhas cuecas” não são boas perguntas científicas e não lhe levarão, sozinhas, pelo bom caminho. • Uma boa pergunta científica tem os seguintes ingredientes • Comporta originalidade (não foi respondida ainda). • É exequível (material, intelectual e temporalmente). • O avanço pode ser aferido. 15 / 40
  28. 28. Fases Elementos A pergunta científica • É a peça fundamental do seu trabalho. • “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lave minhas cuecas” não são boas perguntas científicas e não lhe levarão, sozinhas, pelo bom caminho. • Uma boa pergunta científica tem os seguintes ingredientes • Comporta originalidade (não foi respondida ainda). • É exequível (material, intelectual e temporalmente). • O avanço pode ser aferido. 15 / 40
  29. 29. Fases Elementos A pergunta científica • É a peça fundamental do seu trabalho. • “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lave minhas cuecas” não são boas perguntas científicas e não lhe levarão, sozinhas, pelo bom caminho. • Uma boa pergunta científica tem os seguintes ingredientes • Comporta originalidade (não foi respondida ainda). • É exequível (material, intelectual e temporalmente). • O avanço pode ser aferido. 15 / 40
  30. 30. Fases Elementos A pergunta científica • É a peça fundamental do seu trabalho. • “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lave minhas cuecas” não são boas perguntas científicas e não lhe levarão, sozinhas, pelo bom caminho. • Uma boa pergunta científica tem os seguintes ingredientes • Comporta originalidade (não foi respondida ainda). • É exequível (material, intelectual e temporalmente). • O avanço pode ser aferido. 15 / 40
  31. 31. Fases Elementos A pergunta científica • É a peça fundamental do seu trabalho. • “Desenvolva isso”, “Faça esse código”, “Lave minhas cuecas” não são boas perguntas científicas e não lhe levarão, sozinhas, pelo bom caminho. • Uma boa pergunta científica tem os seguintes ingredientes • Comporta originalidade (não foi respondida ainda). • É exequível (material, intelectual e temporalmente). • O avanço pode ser aferido. 15 / 40
  32. 32. Fases Elementos O que fazer com a pergunta científica • Imprima e cole, bem visível, em cada lugar de trabalho. • Torne-a a sua obsessão. 16 / 40
  33. 33. Fases O produto Como escrever o relatório Suponhamos que você está engajado em um bom grupo, que a sua pesquisa está em andamento e que você já tem resultados interessantes para contar. Como começar escrever? • Começou tarde! O relatório deve começar ser escrito desde o início dos trabalhos! Tenha um caderno só para isso, além de registros ordenados de bibliografia, de leituras e de atividades. • Use e abuse de LATEX e BIBTEX, além de plataformas de compartilhamento (Google Drive, Drobox etc.) e de controle de versões (SVN, Git, Mercurial etc.). • Pratique Reproducible Research (Pinheiro, 2013) • Monte uma estrutura clássica para o seu relato – IMRaD: Introdução, Metodologia, Resultados e Discussão. 17 / 40
  34. 34. Fases O produto Como escrever o relatório Suponhamos que você está engajado em um bom grupo, que a sua pesquisa está em andamento e que você já tem resultados interessantes para contar. Como começar escrever? • Começou tarde! O relatório deve começar ser escrito desde o início dos trabalhos! Tenha um caderno só para isso, além de registros ordenados de bibliografia, de leituras e de atividades. • Use e abuse de LATEX e BIBTEX, além de plataformas de compartilhamento (Google Drive, Drobox etc.) e de controle de versões (SVN, Git, Mercurial etc.). • Pratique Reproducible Research (Pinheiro, 2013) • Monte uma estrutura clássica para o seu relato – IMRaD: Introdução, Metodologia, Resultados e Discussão. 17 / 40
  35. 35. Fases O produto Como escrever o relatório Suponhamos que você está engajado em um bom grupo, que a sua pesquisa está em andamento e que você já tem resultados interessantes para contar. Como começar escrever? • Começou tarde! O relatório deve começar ser escrito desde o início dos trabalhos! Tenha um caderno só para isso, além de registros ordenados de bibliografia, de leituras e de atividades. • Use e abuse de LATEX e BIBTEX, além de plataformas de compartilhamento (Google Drive, Drobox etc.) e de controle de versões (SVN, Git, Mercurial etc.). • Pratique Reproducible Research (Pinheiro, 2013) • Monte uma estrutura clássica para o seu relato – IMRaD: Introdução, Metodologia, Resultados e Discussão. 17 / 40
  36. 36. Fases O produto Como escrever o relatório Suponhamos que você está engajado em um bom grupo, que a sua pesquisa está em andamento e que você já tem resultados interessantes para contar. Como começar escrever? • Começou tarde! O relatório deve começar ser escrito desde o início dos trabalhos! Tenha um caderno só para isso, além de registros ordenados de bibliografia, de leituras e de atividades. • Use e abuse de LATEX e BIBTEX, além de plataformas de compartilhamento (Google Drive, Drobox etc.) e de controle de versões (SVN, Git, Mercurial etc.). • Pratique Reproducible Research (Pinheiro, 2013) • Monte uma estrutura clássica para o seu relato – IMRaD: Introdução, Metodologia, Resultados e Discussão. 17 / 40
  37. 37. IMRaD Estrutura Introdução O que é Ciência? Fases IMRaD A revisão bibliográfica Ferramentas Resumo 18 / 40
  38. 38. IMRaD Introdução IMRaD – A Introdução A Introdução é a peça chave da apresentação do artigo. Ela irá definir se o leitor prosseguirá, ou se lhe esquecerá para sempre. Uma boa Introdução tem: • A definição clara do problema (a sua pergunta científica). • A delimitação da contribuição. • A contribuição para o corpo de conhecimento e para, isso, uma revisão bibliográfica completa, qualificada, atualizada. • Um delineamento da metodologia. • Um esboço dos resultados. • Um chamariz para as conclusões. 19 / 40
  39. 39. IMRaD Metodologia IMRaD – A Metodologia Esta seção descreve como as coisas foram feitas. A Metodologia deve dar todas as informações que permitam a um leitor com bons conhecimentos da área reproduzir o seu trabalho. Reprodutibilidade é a palavra chave! 20 / 40
  40. 40. IMRaD Resultados IMRaD – Resultados Esta seção descreve o que foi observado. Pode ser uma seção extensa, mas nunca repetitiva. 21 / 40
  41. 41. IMRaD Discussão IMRaD – Discussão Ou conclusões, nesta seção é que se analisa e interpreta aquilo que foi observado. A Discussão justifica por que os Resultados, que foram obtidos de acordo com a Metodologia, fazem a contribuição ao conhecimento que foi antecipada na Introdução. Se a Introdução serve para fisgar a atenção do leitor, a Discussão é o que deve ficar na memória dele. 22 / 40
  42. 42. A revisão bibliográfica Estrutura Introdução O que é Ciência? Fases IMRaD A revisão bibliográfica Ferramentas Resumo 23 / 40
  43. 43. A revisão bibliográfica Onde fazer a revisão bibliográfica? Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proceder por camadas: • Esgotar o ISI Web of Knowledge: formado por periódicos internacionais indexados, de qualidade aferida pelo JCR (Journal Citation Report) a cada dois anos: Fator de Impacto, Immediacy Index, Cited Half-life etc. • Esgotar anais de eventos de alta qualificação (ACM, IEEE e similares) • Referenciar teses e dissertações • Lançar mão de relatórios técnicos, material de cursos e manuais • Usar documentos disponíveis na Web • Cartomantes, horóscopos, videntes, revistas Contigo, Fofoca etc. • Transversalmente, consultar bons livros da área. 24 / 40
  44. 44. A revisão bibliográfica Onde fazer a revisão bibliográfica? Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proceder por camadas: • Esgotar o ISI Web of Knowledge: formado por periódicos internacionais indexados, de qualidade aferida pelo JCR (Journal Citation Report) a cada dois anos: Fator de Impacto, Immediacy Index, Cited Half-life etc. • Esgotar anais de eventos de alta qualificação (ACM, IEEE e similares) • Referenciar teses e dissertações • Lançar mão de relatórios técnicos, material de cursos e manuais • Usar documentos disponíveis na Web • Cartomantes, horóscopos, videntes, revistas Contigo, Fofoca etc. • Transversalmente, consultar bons livros da área. 24 / 40
  45. 45. A revisão bibliográfica Onde fazer a revisão bibliográfica? Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proceder por camadas: • Esgotar o ISI Web of Knowledge: formado por periódicos internacionais indexados, de qualidade aferida pelo JCR (Journal Citation Report) a cada dois anos: Fator de Impacto, Immediacy Index, Cited Half-life etc. • Esgotar anais de eventos de alta qualificação (ACM, IEEE e similares) • Referenciar teses e dissertações • Lançar mão de relatórios técnicos, material de cursos e manuais • Usar documentos disponíveis na Web • Cartomantes, horóscopos, videntes, revistas Contigo, Fofoca etc. • Transversalmente, consultar bons livros da área. 24 / 40
  46. 46. A revisão bibliográfica Onde fazer a revisão bibliográfica? Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proceder por camadas: • Esgotar o ISI Web of Knowledge: formado por periódicos internacionais indexados, de qualidade aferida pelo JCR (Journal Citation Report) a cada dois anos: Fator de Impacto, Immediacy Index, Cited Half-life etc. • Esgotar anais de eventos de alta qualificação (ACM, IEEE e similares) • Referenciar teses e dissertações • Lançar mão de relatórios técnicos, material de cursos e manuais • Usar documentos disponíveis na Web • Cartomantes, horóscopos, videntes, revistas Contigo, Fofoca etc. • Transversalmente, consultar bons livros da área. 24 / 40
  47. 47. A revisão bibliográfica Onde fazer a revisão bibliográfica? Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proceder por camadas: • Esgotar o ISI Web of Knowledge: formado por periódicos internacionais indexados, de qualidade aferida pelo JCR (Journal Citation Report) a cada dois anos: Fator de Impacto, Immediacy Index, Cited Half-life etc. • Esgotar anais de eventos de alta qualificação (ACM, IEEE e similares) • Referenciar teses e dissertações • Lançar mão de relatórios técnicos, material de cursos e manuais • Usar documentos disponíveis na Web • Cartomantes, horóscopos, videntes, revistas Contigo, Fofoca etc. • Transversalmente, consultar bons livros da área. 24 / 40
  48. 48. A revisão bibliográfica Onde fazer a revisão bibliográfica? Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proceder por camadas: • Esgotar o ISI Web of Knowledge: formado por periódicos internacionais indexados, de qualidade aferida pelo JCR (Journal Citation Report) a cada dois anos: Fator de Impacto, Immediacy Index, Cited Half-life etc. • Esgotar anais de eventos de alta qualificação (ACM, IEEE e similares) • Referenciar teses e dissertações • Lançar mão de relatórios técnicos, material de cursos e manuais • Usar documentos disponíveis na Web • Cartomantes, horóscopos, videntes, revistas Contigo, Fofoca etc. • Transversalmente, consultar bons livros da área. 24 / 40
  49. 49. A revisão bibliográfica Onde fazer a revisão bibliográfica? Depende da área e do tipo de trabalho, mas uma dica boa é proceder por camadas: • Esgotar o ISI Web of Knowledge: formado por periódicos internacionais indexados, de qualidade aferida pelo JCR (Journal Citation Report) a cada dois anos: Fator de Impacto, Immediacy Index, Cited Half-life etc. • Esgotar anais de eventos de alta qualificação (ACM, IEEE e similares) • Referenciar teses e dissertações • Lançar mão de relatórios técnicos, material de cursos e manuais • Usar documentos disponíveis na Web • Cartomantes, horóscopos, videntes, revistas Contigo, Fofoca etc. • Transversalmente, consultar bons livros da área. 24 / 40
  50. 50. A revisão bibliográfica Como escolher? Após um levantamento bibliográfico teremos um volume substancial de referências. Dica I A qualidade percebida do seu trabalho nunca será superior à do pior artigo citado na revisão. Dica II Os revisores do seu trabalho serão aqueles autores que você esqueceu de citar... e eles não perdoam! 25 / 40
  51. 51. A revisão bibliográfica Como escolher? Após um levantamento bibliográfico teremos um volume substancial de referências. Dica I A qualidade percebida do seu trabalho nunca será superior à do pior artigo citado na revisão. Dica II Os revisores do seu trabalho serão aqueles autores que você esqueceu de citar... e eles não perdoam! 25 / 40
  52. 52. Ferramentas Estrutura Introdução O que é Ciência? Fases IMRaD A revisão bibliográfica Ferramentas Resumo 26 / 40
  53. 53. Ferramentas Os Quatro Ases ISI, JabRef, BIBTEX e LATEX Esse conjunto de ferramentas permite ISI: Verificar todos os periódicos indexados, saber o número de citações que cada artigo recebeu, saber quem citou quem, montar e exportar listas de referências bibliográficas JabRef: Importar as listas de referências geradas pelo ISI, montar bancos de dados de referências, de arquivos associados (PDF etc.) e de links (DOI etc.) BIBTEX: Gerenciar as referências que o seu artigo usa, dentre o universo de todas as suas referências LATEX: Escrever artigos de alta qualidade gráfica, portáveis, em um formato universalmente aceito, em uma plataforma gratuita e disponível para virtualmente qualquer ambiente computacional, que fala com BIBTEX 27 / 40
  54. 54. Ferramentas Os Quatro Ases ISI, JabRef, BIBTEX e LATEX Esse conjunto de ferramentas permite ISI: Verificar todos os periódicos indexados, saber o número de citações que cada artigo recebeu, saber quem citou quem, montar e exportar listas de referências bibliográficas JabRef: Importar as listas de referências geradas pelo ISI, montar bancos de dados de referências, de arquivos associados (PDF etc.) e de links (DOI etc.) BIBTEX: Gerenciar as referências que o seu artigo usa, dentre o universo de todas as suas referências LATEX: Escrever artigos de alta qualidade gráfica, portáveis, em um formato universalmente aceito, em uma plataforma gratuita e disponível para virtualmente qualquer ambiente computacional, que fala com BIBTEX 27 / 40
  55. 55. Ferramentas Os Quatro Ases ISI, JabRef, BIBTEX e LATEX Esse conjunto de ferramentas permite ISI: Verificar todos os periódicos indexados, saber o número de citações que cada artigo recebeu, saber quem citou quem, montar e exportar listas de referências bibliográficas JabRef: Importar as listas de referências geradas pelo ISI, montar bancos de dados de referências, de arquivos associados (PDF etc.) e de links (DOI etc.) BIBTEX: Gerenciar as referências que o seu artigo usa, dentre o universo de todas as suas referências LATEX: Escrever artigos de alta qualidade gráfica, portáveis, em um formato universalmente aceito, em uma plataforma gratuita e disponível para virtualmente qualquer ambiente computacional, que fala com BIBTEX 27 / 40
  56. 56. Ferramentas Os Quatro Ases ISI, JabRef, BIBTEX e LATEX Esse conjunto de ferramentas permite ISI: Verificar todos os periódicos indexados, saber o número de citações que cada artigo recebeu, saber quem citou quem, montar e exportar listas de referências bibliográficas JabRef: Importar as listas de referências geradas pelo ISI, montar bancos de dados de referências, de arquivos associados (PDF etc.) e de links (DOI etc.) BIBTEX: Gerenciar as referências que o seu artigo usa, dentre o universo de todas as suas referências LATEX: Escrever artigos de alta qualidade gráfica, portáveis, em um formato universalmente aceito, em uma plataforma gratuita e disponível para virtualmente qualquer ambiente computacional, que fala com BIBTEX 27 / 40
  57. 57. Ferramentas ISI Web of Knowledge O que é, onde fica? É um serviço caro, disponível para a Academia através do Portal de Periódicos da CAPES (http://periodicos.capes.gov.br). É um banco de dados bibliográficos, com informações cruzadas sobre todas as publicações por ele indexadas. Não é a fonte primária para conseguir os artigos completos, mas sim para acompanhar o estado-da-arte. 28 / 40
  58. 58. Ferramentas ISI Web of Knowledge O que é, onde fica? É um serviço caro, disponível para a Academia através do Portal de Periódicos da CAPES (http://periodicos.capes.gov.br). É um banco de dados bibliográficos, com informações cruzadas sobre todas as publicações por ele indexadas. Não é a fonte primária para conseguir os artigos completos, mas sim para acompanhar o estado-da-arte. 28 / 40
  59. 59. Ferramentas ISI Web of Knowledge O que é, onde fica? É um serviço caro, disponível para a Academia através do Portal de Periódicos da CAPES (http://periodicos.capes.gov.br). É um banco de dados bibliográficos, com informações cruzadas sobre todas as publicações por ele indexadas. Não é a fonte primária para conseguir os artigos completos, mas sim para acompanhar o estado-da-arte. 28 / 40
  60. 60. Ferramentas ISI Web of Knowledge Tela Principal do ISI 29 / 40
  61. 61. Ferramentas ISI Web of Knowledge Como começar? Uma forma prática de começar fazer uma revisão bibliográfica consiste em seguir os seguintes passos: 1. Eleja n artigos como sendo os básicos do seu trabalho 2. Para cada um desses artigos, localize-o no ISI, marque-o e veja os artigos por ele citados (o cone do passado). Esse cone dar-lhe-á os antecedentes que levaram a essa publicação (que você elegeu como básica para o seu trabalho, logo esses deveriam ser também os seus antecedentes). 3. Para cada 1 ≤ i ≤ n, veja os artigos que o citaram (o cone do futuro). Esse cone dar-lhe-á uma idéia da relevância e do impacto desse artigo básico. 30 / 40
  62. 62. Ferramentas ISI Web of Knowledge Como começar? Uma forma prática de começar fazer uma revisão bibliográfica consiste em seguir os seguintes passos: 1. Eleja n artigos como sendo os básicos do seu trabalho 2. Para cada um desses artigos, localize-o no ISI, marque-o e veja os artigos por ele citados (o cone do passado). Esse cone dar-lhe-á os antecedentes que levaram a essa publicação (que você elegeu como básica para o seu trabalho, logo esses deveriam ser também os seus antecedentes). 3. Para cada 1 ≤ i ≤ n, veja os artigos que o citaram (o cone do futuro). Esse cone dar-lhe-á uma idéia da relevância e do impacto desse artigo básico. 30 / 40
  63. 63. Ferramentas ISI Web of Knowledge Como começar? Uma forma prática de começar fazer uma revisão bibliográfica consiste em seguir os seguintes passos: 1. Eleja n artigos como sendo os básicos do seu trabalho 2. Para cada um desses artigos, localize-o no ISI, marque-o e veja os artigos por ele citados (o cone do passado). Esse cone dar-lhe-á os antecedentes que levaram a essa publicação (que você elegeu como básica para o seu trabalho, logo esses deveriam ser também os seus antecedentes). 3. Para cada 1 ≤ i ≤ n, veja os artigos que o citaram (o cone do futuro). Esse cone dar-lhe-á uma idéia da relevância e do impacto desse artigo básico. 30 / 40
  64. 64. Ferramentas ISI Web of Knowledge No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de referências. Já temos um bom material para começar! Procure eleger, a partir da leitura dos abstracts dos trabalhos selecionados, um novo conjunto de artigos básicos, se possível mais novos do que os n iniciais. Repita a técnica acima. Itere. 31 / 40
  65. 65. Ferramentas ISI Web of Knowledge No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de referências. Já temos um bom material para começar! Procure eleger, a partir da leitura dos abstracts dos trabalhos selecionados, um novo conjunto de artigos básicos, se possível mais novos do que os n iniciais. Repita a técnica acima. Itere. 31 / 40
  66. 66. Ferramentas ISI Web of Knowledge No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de referências. Já temos um bom material para começar! Procure eleger, a partir da leitura dos abstracts dos trabalhos selecionados, um novo conjunto de artigos básicos, se possível mais novos do que os n iniciais. Repita a técnica acima. Itere. 31 / 40
  67. 67. Ferramentas ISI Web of Knowledge No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de referências. Já temos um bom material para começar! Procure eleger, a partir da leitura dos abstracts dos trabalhos selecionados, um novo conjunto de artigos básicos, se possível mais novos do que os n iniciais. Repita a técnica acima. Itere. 31 / 40
  68. 68. Ferramentas ISI Web of Knowledge No final desse processo, você deverá ter uma lista saborosa de referências. Já temos um bom material para começar! Procure eleger, a partir da leitura dos abstracts dos trabalhos selecionados, um novo conjunto de artigos básicos, se possível mais novos do que os n iniciais. Repita a técnica acima. Itere. 31 / 40
  69. 69. Ferramentas ISI Web of Knowledge Árvore de Citações 32 / 40
  70. 70. Ferramentas ISI Web of Knowledge Quando acabou a revisão bibliográfica? Essa pergunta é fácil de responder: Nunca! Quando os novos artigos básicos forem do ano atual, talvez seja um bom momento para descansar (apenas). Descansou? Pronto! É hora de filtrar a lista. A filtragem deveria deixar os trabalhos mais relevantes, mais citados e mais diretamente relacionados com a sua pesquisa. Não jogue nada fora! Apenas marque os artigos que irão ficar na sua revisão (BIBTEX e LATEX vão encarregar-se de incluir apenas os que você citar). Chegou a hora de exportar a sua lista (incluindo os abstracts!), e baixar um arquivo completamente incompreensível ou escolher exportar para formato BIBTEX. 33 / 40
  71. 71. Ferramentas ISI Web of Knowledge Quando acabou a revisão bibliográfica? Essa pergunta é fácil de responder: Nunca! Quando os novos artigos básicos forem do ano atual, talvez seja um bom momento para descansar (apenas). Descansou? Pronto! É hora de filtrar a lista. A filtragem deveria deixar os trabalhos mais relevantes, mais citados e mais diretamente relacionados com a sua pesquisa. Não jogue nada fora! Apenas marque os artigos que irão ficar na sua revisão (BIBTEX e LATEX vão encarregar-se de incluir apenas os que você citar). Chegou a hora de exportar a sua lista (incluindo os abstracts!), e baixar um arquivo completamente incompreensível ou escolher exportar para formato BIBTEX. 33 / 40
  72. 72. Ferramentas ISI Web of Knowledge Quando acabou a revisão bibliográfica? Essa pergunta é fácil de responder: Nunca! Quando os novos artigos básicos forem do ano atual, talvez seja um bom momento para descansar (apenas). Descansou? Pronto! É hora de filtrar a lista. A filtragem deveria deixar os trabalhos mais relevantes, mais citados e mais diretamente relacionados com a sua pesquisa. Não jogue nada fora! Apenas marque os artigos que irão ficar na sua revisão (BIBTEX e LATEX vão encarregar-se de incluir apenas os que você citar). Chegou a hora de exportar a sua lista (incluindo os abstracts!), e baixar um arquivo completamente incompreensível ou escolher exportar para formato BIBTEX. 33 / 40
  73. 73. Ferramentas ISI Web of Knowledge Quando acabou a revisão bibliográfica? Essa pergunta é fácil de responder: Nunca! Quando os novos artigos básicos forem do ano atual, talvez seja um bom momento para descansar (apenas). Descansou? Pronto! É hora de filtrar a lista. A filtragem deveria deixar os trabalhos mais relevantes, mais citados e mais diretamente relacionados com a sua pesquisa. Não jogue nada fora! Apenas marque os artigos que irão ficar na sua revisão (BIBTEX e LATEX vão encarregar-se de incluir apenas os que você citar). Chegou a hora de exportar a sua lista (incluindo os abstracts!), e baixar um arquivo completamente incompreensível ou escolher exportar para formato BIBTEX. 33 / 40
  74. 74. Ferramentas ISI Web of Knowledge Quando acabou a revisão bibliográfica? Essa pergunta é fácil de responder: Nunca! Quando os novos artigos básicos forem do ano atual, talvez seja um bom momento para descansar (apenas). Descansou? Pronto! É hora de filtrar a lista. A filtragem deveria deixar os trabalhos mais relevantes, mais citados e mais diretamente relacionados com a sua pesquisa. Não jogue nada fora! Apenas marque os artigos que irão ficar na sua revisão (BIBTEX e LATEX vão encarregar-se de incluir apenas os que você citar). Chegou a hora de exportar a sua lista (incluindo os abstracts!), e baixar um arquivo completamente incompreensível ou escolher exportar para formato BIBTEX. 33 / 40
  75. 75. Ferramentas JabRef O que é e onde pego? É um aplicativo 100% Java, portanto portável, que permite gerenciar referências bibliográficas utilizando BIBTEX como linguagem de descrição. Esse gerenciamento inclui a administração de arquivos PDF, DJVU etc. bem como acesso direto a links (DOI, HTML etc.). JabRef é gratuito e está disponível em http://jabref.sourceforge.net. JabRef importa a lista do ISI e a transforma em um banco de dados com entradas BIBTEX. 34 / 40
  76. 76. Ferramentas JabRef O que é e onde pego? É um aplicativo 100% Java, portanto portável, que permite gerenciar referências bibliográficas utilizando BIBTEX como linguagem de descrição. Esse gerenciamento inclui a administração de arquivos PDF, DJVU etc. bem como acesso direto a links (DOI, HTML etc.). JabRef é gratuito e está disponível em http://jabref.sourceforge.net. JabRef importa a lista do ISI e a transforma em um banco de dados com entradas BIBTEX. 34 / 40
  77. 77. Ferramentas JabRef O que é e onde pego? É um aplicativo 100% Java, portanto portável, que permite gerenciar referências bibliográficas utilizando BIBTEX como linguagem de descrição. Esse gerenciamento inclui a administração de arquivos PDF, DJVU etc. bem como acesso direto a links (DOI, HTML etc.). JabRef é gratuito e está disponível em http://jabref.sourceforge.net. JabRef importa a lista do ISI e a transforma em um banco de dados com entradas BIBTEX. 34 / 40
  78. 78. Ferramentas JabRef O que é e onde pego? É um aplicativo 100% Java, portanto portável, que permite gerenciar referências bibliográficas utilizando BIBTEX como linguagem de descrição. Esse gerenciamento inclui a administração de arquivos PDF, DJVU etc. bem como acesso direto a links (DOI, HTML etc.). JabRef é gratuito e está disponível em http://jabref.sourceforge.net. JabRef importa a lista do ISI e a transforma em um banco de dados com entradas BIBTEX. 34 / 40
  79. 79. Ferramentas JabRef Interface 35 / 40
  80. 80. Resumo Estrutura Introdução O que é Ciência? Fases IMRaD A revisão bibliográfica Ferramentas Resumo 36 / 40
  81. 81. Resumo Resumo Como escrever um artigo científico com boas chances dele ser bem sucedido, isto é, publicado? • Que o seu artigo seja a conclusão natural de um bom projeto de pesquisa bem sucedido. • Para ter um bom projeto de pesquisa, junte-se a quem sabe fazer pesquisa comprovadamente. • Para que o seu projeto de pesquisa seja bem sucedido tenha e aprimore, ou desenvolva, boas aptidões de cientista. 37 / 40
  82. 82. Resumo Resumo Como escrever um artigo científico com boas chances dele ser bem sucedido, isto é, publicado? • Que o seu artigo seja a conclusão natural de um bom projeto de pesquisa bem sucedido. • Para ter um bom projeto de pesquisa, junte-se a quem sabe fazer pesquisa comprovadamente. • Para que o seu projeto de pesquisa seja bem sucedido tenha e aprimore, ou desenvolva, boas aptidões de cientista. 37 / 40
  83. 83. Resumo Boa sorte! 38 / 40
  84. 84. Resumo Referências Pinheiro, R. L. (2013), Ambiente computacional para suporte a “Reproducible Research”, Dissertação de Mestrado em Modelagem Computacional de Conhecimento, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL. URL https://dl.dropboxusercontent.com/u/2196609/ Permanent/dissertacaoRodrigo.pdf. Volpato, G. L. (2006), Dicas para redação científica: por que não somos citados?, 2 ed., Gilson Luiz Volpato, Botucatu. Volpato, G. L. (2007a), Bases teóricas para redação científica: por que seu artigo foi negado?, Cultura Acadêmica, São Paulo. Volpato, G. L. (2007b), Ciência: da filosofia à publicação, 5 ed., Cultura Acadêmica, São Paulo. 39 / 40
  85. 85. Contato Alejandro C. Frery acfrery@pq.cnpq.br http://sites.google.com/site/acfrery

×