Como Pensar Teses e Dissertações

3.556 visualizações

Publicada em

Apresentação feita para as aulas do prof. Mauricio Peixoto na disciplina de Metodologia Cientícica na UFRJ e Orientação Acadêmica na Officina da Mente.
Iniciando em 24/3/2008, há posts ampliando o tema no "blog da Officina da Mente" no endereço http://officinadamente.wordpress.com/
sob a categoria:
“Metodologia Científica”

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.556
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
82
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
179
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como Pensar Teses e Dissertações

  1. 1. Pensar Teses e Dissertações (Slides de aula do Prof. Mauricio Peixoto)
  2. 2. PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA PRIMÁRIA <ul><li>Uma publicação científica primária deve ser a primeira divulgação e conter informação suficiente para que os colegas do autor possam: 1- Avaliar as observações 2- Repetir os experimentos 3- Avaliar os processos intelectuais; ainda mais, deve ser passível de percepção sensorial, essencialmente permanente, estar a disposição da comunidade científica sem restrições, e estar disponível também para seu exame periódico por um ou mais dos principais serviços secundários reconhecidos. </li></ul><ul><li>Council of Biology Editors, 1968. Proposed definition of a primary publication. Newsletter, Council of Biology Editors, november, 1968. p. 1-2 </li></ul>
  3. 3. TESE E DISSERTAÇAO O ponto de vista da legislação <ul><li>Artigo 2 </li></ul><ul><ul><li>. . . </li></ul></ul><ul><ul><li>IV - Além das atividades didáticas e acadêmicas exigir-se-á do candidato ao grau de mestre a apresentação de dissertação ou de outro tipo de trabalho terminal compatível com as características da área de conhecimento. V - Exigir-se-á do candidato ao grau de doutor a defesa de tese que represente trabalho original, fruto da atividade de pesquisa, importando real contribuição para a área do conhecimento. </li></ul></ul><ul><ul><li>. . . </li></ul></ul><ul><li>Resolução n° 5 de 10/03/83 do CFE , D.O. n° 56 de 23/03/83 p. 4736-8 </li></ul>
  4. 4. TESE - DISSERTAÇAO - MONOGRAFIA O ponto de vista do dicionário <ul><li>DISSERTAÇÃO 1. Exposição desenvolvida, escrita ou oral, de matéria doutrinária, científica ou artística, 2. Exposição escrita ou oral que estudantes apresentam aos professores acerca de um ponto das matérias estudadas, 3. Discurso, conferência, preleção . </li></ul><ul><li>MONOGRAFIA Dissertação ou estudo minucioso que se propõe esgotar um determinado tema relativamente restrito. </li></ul><ul><li>Ferreira, Aurélio B. de H.: Novo Dicionário da Língua Portuguesa, Ed. Nova Fronteira, 1975 . </li></ul>
  5. 5. TESE - DISSERTAÇAO - MONOGRAFIA O ponto de vista do dicionário <ul><li>TESE 1. Proposição que se expõe, para em caso de impugnação ser defendida. 2. Proposição formulada nos estabelecimentos de ensino superior e médio para ser defendida em público. . . . 5. Filosofia- O primeiro momento do processo dialético. </li></ul><ul><li>Ferreira, Aurélio B. dé H.: Novo Dicionário da Língua Portuguesa, Ed. Nova Fronteira, 1975 . </li></ul>
  6. 6. MONOGRAFIA Dissertação monográfica <ul><li>Trabalho de final de curso, ou de unidade de programa de uma disciplina, como atividade de desempenho escolar a ser avaliada. Implica muito mais uma atividade de extração de conhecimento do que sua produção. </li></ul><ul><li>Extração não é mera compilação de textos. Implica em análise, crítica e reflexão sobre o tema tratado. Visa treinar o estudante nas atividades de leitura estudo, análise de texto, crítica e discussão de idéias. </li></ul><ul><li>Solomon, D.V: Como fazer urna monografia, Martins Fontes, p.182-3, 1993 </li></ul>
  7. 7. TESE DOUTORAL Dissertação Monográfica <ul><li>Trabalho de final de curso, marca da aceitação do agora cientista na comunidade científica. Produção de conhecimento, independente e original. </li></ul><ul><li>Trabalho de alto nível, com tratamento exaustivo do tema, de profunda reflexão teórica, mesmo na pesquisa empírica. Traz uma contribuição pessoal e relevante do autor à sua área de conhecimento. </li></ul><ul><li>Solomon, D. v: Com fazer urna monografia, Martins Fontes, p.187-8, 1993 </li></ul>
  8. 8. MÉTODO - Conceito <ul><li>ETIMOLOGIA: </li></ul><ul><li>Meth . através, para além de, após </li></ul><ul><li>Odos - Caminho </li></ul><ul><li>HEGENBERG </li></ul><ul><li>Um processo exitoso de descoberta, não necessariamente pré-fixado </li></ul><ul><li>ACKOFF </li></ul><ul><li>Forma de decidir entre técnicas </li></ul><ul><li>Técnica - Resultado da decisão </li></ul><ul><li>Método - Regra de escolha </li></ul><ul><li>KAPLAN </li></ul><ul><li>Compreensão dos resultados e principal-mente do processo </li></ul>
  9. 9. O Problema de Pesquisa <ul><li>Distinguir entre problemas pessoais e de pesquisa </li></ul>
  10. 10. O que é um problema ? <ul><li>Um  problema  é uma dificuldade na obtenção de um determinado objectivo(*). </li></ul><ul><li>Ou seja, algo não esta dando certo e você quer ou precisa que dê; </li></ul><ul><li>e para isto você precisa pensar e agir . </li></ul><ul><li>(*) wikipédia, acessada em 6/3/2008 </li></ul>
  11. 11. O que é um problema de pesquisa ? <ul><li>Mantenha o foco no processo de pesquisa. </li></ul><ul><li>Discrimine o que você deve FAZER com os dados daquilo que você deve PENSAR sobre os dados. </li></ul><ul><li>“O que eu estou fazendo, e com que objetivo faço o que faço ?”. </li></ul>
  12. 12. O seu problema de pesquisa <ul><li>Deve ser enunciado de forma que: </li></ul><ul><li>Explicite que para sua resolução é necessário PENSAR, </li></ul><ul><li>e seja escrito em sua forma gramatical completa. </li></ul>
  13. 13. Para pensar o problema <ul><li>Seja preciso- Vale o que está escrito ! </li></ul><ul><li>Defina claramente o problema. </li></ul><ul><li>Contraste com o não-problema. </li></ul><ul><li>Considere as conseqüências . </li></ul>
  14. 14. O Prof. Mauricio A. P. Peixoto é: <ul><li>Professor Adjunto do Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro. </li></ul><ul><li>Professor responsável pelas disciplinas Metodologia Científica, Metodologia da Pesquisa e Bioestatística em nível de Pós-Graduação. Ministra ainda a disciplina “Aprenda a Aprender na área da saúde” para alunos de graduação da Faculdade de Medicina da UFRJ e da Escola de Enfermagem Anna Nery. </li></ul><ul><li>Líder do GEAC (Grupo de Estudos em Aprendizagem e Cognição), grupo de pesquisas reconhecido pela UFRJ e pelo Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq). </li></ul><ul><li>Orientador de dissertações e teses de mestrado e doutorado. </li></ul><ul><li>Pesquisador em Aprendizagem e Metacognição. </li></ul><ul><li>Autor de livros e artigos científicos publicados em revistas especializadas. </li></ul><ul><li>Para ver o currículo do Prof. Mauricio no CNPq digite: </li></ul><ul><li>http://lattes.cnpq.br/8108933402510969 </li></ul>
  15. 15. Na Officina da Mente você encontra: <ul><li>Psicoterapia </li></ul><ul><li>Técnicas de Estudo </li></ul><ul><li>Orientação de Monografias, Teses e Trabalhos de Conclusão de Curso </li></ul>
  16. 16. Para encontrar a Officina daMente: <ul><li>Ligue (021) 2278-2835 ou (021) 8869-9542 </li></ul><ul><li>Acesse www.oficinadamente.com.br </li></ul><ul><li>R. Gen. Espírito Santo Cardoso, 197-A – Tijuca – Rio de Janeiro </li></ul>
  17. 17. Para encontrar a Officina daMente:
  18. 18. Para saber mais sobre este tema <ul><li>Acesse o “ Blog da Officina da Mente ” no endereço: </li></ul><ul><li>http://officinadamente.wordpress.com/ </li></ul><ul><li>e busque a categoria: </li></ul><ul><li>“ Metodologia Científica ” </li></ul><ul><li>(primeiro post do tema foi publicado em 24/3/2008) </li></ul>

×