Palestrante – Victor Passos
Nós – E o sublime intercâmbio da mediunidade nos
relacionamentos de casal
A mediunidade nos relacionamentos
O Relacionamento é tão complexo quando se fala de pessoas. Relação é naturalmente pensar
no casal, nos pais, os maridos e ...
O Banquete de Platão
O discurso de Aristófanes – Mito de Androginia
A sociedade grega foi, das primeiras a ponderar o que une dois
seres.
No texto, O Banquete de Platão, aborda uma das prime...
A conquista biológica…
Contudo, o pensamento evoluiu, os costumes transformaram-se e a visão do casal na nossa sociedade tem uma forte implicação...
Na Psicologia, o Amor é a combinação de
pensamentos, sentimentos, motivações,
reações psicofisiológicas, comportamentos
ve...
Amor Companheiro
Amizade
Atracção física
Amor vazio
Amor
Verdadeiro
Amor
Romântico
Amor
Instintivo
A conquista
Psicológica…
A paixão reúne a componente do desejo. Quando existe sozinha consideramos que existe apenas atração física entre dois sere...
“A simpatia que atrai um Espírito para
outro resulta da perfeita concordância de
seus pendores e instintos. Se um tivesse
...
A conquista do Espiritismo…
LE. 386. Podem dois seres que se conheceram e estimaram encontrar-se noutra
existência corpora...
A conquista do Espiritismo…
(…) na Terra, o matrimónio pode assumir aspetos variados, objetivando múltiplos
fins. Em razão...
A conquista do Espiritismo…
As relações de casal apresentam dificuldade não apenas na dimensão
física, mas também na dimen...
A conquista do Espiritismo…
LE. 459. Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?
“Muito mais do que imagi...
PROPOSTAS!
• Valores e princípios familiares.
• Conhece-te a ti mesmo.
• Comunicação eficaz – escuta ativa.
• Evangelho no...
Obrigada pela
vossa Atenção!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mediunidade no relacionamento

658 visualizações

Publicada em

A mediunidade e o relacionamento no mesmo contexto

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
658
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mediunidade no relacionamento

  1. 1. Palestrante – Victor Passos
  2. 2. Nós – E o sublime intercâmbio da mediunidade nos relacionamentos de casal A mediunidade nos relacionamentos
  3. 3. O Relacionamento é tão complexo quando se fala de pessoas. Relação é naturalmente pensar no casal, nos pais, os maridos e mulheres. Estas são as pessoas com quem passamos mais tempo na nossa vida. Se aliarmos a isso os componentes: amor, amizade, desejo, objetivos de vida, etc. Poderemos na base dos sentimentos e propósitos, definir a sua natureza, o seu percurso e as suas obras. Abordaremos numa perspetiva filosófica, biológica, psicológica e espírita o casal e, naturalmente, sobre a família, dado que são conceitos afins.
  4. 4. O Banquete de Platão O discurso de Aristófanes – Mito de Androginia
  5. 5. A sociedade grega foi, das primeiras a ponderar o que une dois seres. No texto, O Banquete de Platão, aborda uma das primeiras visões sobre o amor, a sexualidade e o casal, o mito pretendia,, explicar o porquê de percorrermos o mundo em busca da nossa plenitude. O Mito de Androginia relata o seguinte. No passado o sexos das pessoas não eram dois, como agora. Pelo contrário, existiam na terra três sexos: o masculino, o feminino e o andrógino, que tinha tanto o masculino como o feminino. Na civilização Grega este mito, a justificava o porquê de homens e mulheres procurarem não apenas parceiros do sexo oposto, mas do próprio sexo. Para eles, o amor era uma questão de plenitude, de voltar a encontrar a sua metade, aquele que o completa e não necessariamente apenas um aspeto fisiológico. Contudo, não teríamos tempo para abordar aqui a temática da sexualidade, e compreendamos que desta forma, o casal é entendido como a
  6. 6. A conquista biológica…
  7. 7. Contudo, o pensamento evoluiu, os costumes transformaram-se e a visão do casal na nossa sociedade tem uma forte implicação da moral e discurso judaico-cristã. A compreensão da filosofia católica, considera que no homem a supremacia, feito à imagem de Deus, e confere à mulher um papel inferior, dada a sua origem da costela de Adão. A ideia conspurca a igualdade e procura da complementaridade que anteriormente falamos. O homem manda e possui a mulher como um objeto e isso nivela as relações de casal e familiares durante vários séculos. Contudo as correntes renascentistas trazem uma nova forma de ver o homem, a par do avanço estupendo que a ciência dá desde o século XVII. A igreja começa a perder supremacia no entendimento do homem e da mulher, começam a aparecer teorias paralelas à teoria criacionista (Deus criou o homem) e à teoria da geração espontânea (a vida surge espontaneamente na matéria orgânica) e encontramos Darwin, que nas suas observações naturalistas compreende um passado comum entre todos os mamíferos superiores. Ele desenvolve a hipótese evolucionista. Homem ou mulher, indistintamente, terá evoluído de seres mais primitivos que, pela ação do meio e da seleção natural, terão chegado à sua natureza atual. Como tal, parte do seu comportamento terá necessariamente que ser regulado pelo seu passado animal e a seleção do parceiro deverá obedecer às mesmas regras biológicas que existem no mundo animal. A par disto, Mendel compreende os primeiros passos para a virtude genética. Daí a compreender-se como se dá a distribuição dos caracteres que nos fazem únicos fisicamente foi um passo de poucos séculos. Compreende-se então que a grande conquista biológica dos animais e plantas terá sido a reprodução sexuada, com base em dois gâmetas distintos, que permitiu que mudanças genéticas fossem introduzidas no código de cada elemento de forma mais rápida do que a ocorrência de mutações nos seres assexuados. Esta conjugação de dois pools genéticos, permitia então à natureza selecionar e apurar as combinações mais adaptadas, eliminando aquelas que não seriam tão passíveis de sucesso. Isto fez com que casais da espécie humana tivessem que desenvolver estratégias de acasalmento de forma a convencer os parceiros de que seriam a escolha melhor para a manutenção genética da espécie. Portanto a biologia vê o casal como a consequência deste processo. A procura de um parceiro é pautada pela busca da melhor pessoa para misturar os nossos genes, originando um novo ser, prolongamento desse casal. Não compreende mais nenhuma utilidade ao casal e por esta lógica, qualquer compromisso estaria terminado quando a fecundação se desse, devendo cada elemento procurar novas oportunidade de transmitir os seus genes. No entanto, na espécie humana os casais tendem a permanecer juntos, para lá da conquista biológica…
  8. 8. Na Psicologia, o Amor é a combinação de pensamentos, sentimentos, motivações, reações psicofisiológicas, comportamentos verbais e não-verbais que envolvem relações sexuais e espaços de intimidade entre dois seres. É um processo, de várias etapas que inicia com a paixão, evolui para o amor romântico quando é recíproco, e se desenvolve pela diminuição da paixão e com um aumento da intimidade e do comprometimento. Esta conjugação da paixão, da intimidade e do compromisso, proporções do amor, podem caracterizar diversos tipo de relacionamentos. Vejamos…
  9. 9. Amor Companheiro Amizade Atracção física Amor vazio Amor Verdadeiro Amor Romântico Amor Instintivo A conquista Psicológica…
  10. 10. A paixão reúne a componente do desejo. Quando existe sozinha consideramos que existe apenas atração física entre dois seres. A associação com base na atração física apenas abre campo a um vazio existencial enquanto casal, já que esta tende a acabar passado algum tempo. Outro campo é a intimidade. Aqui encontramos uma espaço de relacionamento interpessoal, partilha e tolerância pelas características do outro. Um relacionamento exclusivo de intimidade é uma amizade. A terceira dimensão é o comprometimento. Neste campo vemos a constituição de um objetivo, de um fim em comum para ambos os elementos doc casal. A existência de apenas comprometimento pode ser uma parceria de negócios como um casamento assente em princípios financeiros ou políticos. Funciona de forma mais semelhante a um grupo do que a um casal. Estas dimensão podem existir de forma ponderada; de acordo com a sua expressão e associação encontramos outro tipo de amores. Por exemplo, paixão e comprometimento caracteriza o amor instintivo, que se baseiam num objetivo sexual e de associação física. Por outro lado, a paixão e a intimidade caracterizam o amor romântico, em que as pessoas estão juntas sem um objetivo, apenas pelo espaço que se gera entre ambos. O comprometimento e intimidade é o amor companheiro, muito característico de casais em fim de vida, que são o suporte um do outro. Finalmente, a reunião equilibrada das três dimensões leva-nos ao amor verdadeiro de casal, aquele que reúne a paixão, a intimidade e o objetivo em comum. A qualidade do objetivo, do entendimento físico e o grau de intimidade irão, também determinar o sucesso e manutenção deste sentimento ao longo da vida. No entanto, este modelo falha em compreender porque casais que reúnem as condições para o sucesso falham, e porque outras vezes, casais que não cumprem os requisitos do amor verdadeiro permanecem nos seus relacionamentos para lá do aceitável. Na verdade, todas as visões até aqui ignoram um antecedente a todas estas considerações: a preexistência da alma e de vivências passadas.
  11. 11. “A simpatia que atrai um Espírito para outro resulta da perfeita concordância de seus pendores e instintos. Se um tivesse que completar o outro, perderia a sua individualidade.” LE.301 A conquista do Espiritismo…
  12. 12. A conquista do Espiritismo… LE. 386. Podem dois seres que se conheceram e estimaram encontrar-se noutra existência corporal e reconhecerem-se? “Reconhecer-se, não. Podem, porém, sentir-se atraídos um para o outro. E, frequentemente, diversa não é a causa de íntimas ligações fundadas em sincera afeição. Um do outro dois seres se aproximam devido a circunstâncias aparentemente fortuitas, mas que na realidade resultam da atração de dois Espíritos, que se buscam reciprocamente por entre a multidão.”
  13. 13. A conquista do Espiritismo… (…) na Terra, o matrimónio pode assumir aspetos variados, objetivando múltiplos fins. Em razão disso, acidentalmente, o homem ou a mulher encarnados podem experimentar o casamento terrestre diversas vezes, sem encontrar a companhia das almas afins com as quais realizariam a união ideal. In Evolução em dois mundos. O texto continua explicando… “Isto porque, comummente, é preciso resgatar essa ou aquela dívida que contraímos com a energia sexual, aplicada de maneira infeliz ante os princípios de causa e efeito.”
  14. 14. A conquista do Espiritismo… As relações de casal apresentam dificuldade não apenas na dimensão física, mas também na dimensão espiritual da vida. A consequência dos matrimónios nesta ou noutra existência tanto podem resultar de aspetos benéficos como negativos à vivência do casal atual. Vejamos o caso de André Luiz, na descrição do nosso lar. Depois de refeito do período de conturbação e encaminhado a Nosso Lar, ele começa a pedir para visitar a família. Após extensa preparação, é-lhe dada permissão para visitar a sua família. Ao chegar ele encontra um cenário transformado, em que a sua mulher é agora mulher de outro indivíduo. Por momentos, ele cede à pressão do ciúme e da visão terrena da vida. Ele poderia ter seguido essa via e ter procurado influenciar os pensamentos da sua mulher e do seu cônjuge no sentido de piorar o relacionamento de casal. Contudo ele é capaz de resistir a esse impulso e passa a ver a mulher e o novo marido como irmãos, passando a protegê-los e a beneficiá-los.
  15. 15. A conquista do Espiritismo… LE. 459. Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos? “Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem.” LM. 159. Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse facto, médium. Essa faculdade é inerente ao homem (…). Pode, pois, dizer-se que todos são, mais ou menos médiuns. Perante a permeabilidade que temos à influência espiritual, com facilidade percebemos que muitas vezes, as problemáticas que nos surgem enquanto casal advêm não apenas das expiações e provas a que nos propomos ultrapassar, mas igualmente da facilidade que temos em sintonizar e afinizar com os espíritos que se encontram na nossa faixa de pensamento e vibração (energia).
  16. 16. PROPOSTAS! • Valores e princípios familiares. • Conhece-te a ti mesmo. • Comunicação eficaz – escuta ativa. • Evangelho no lar. • Vigiai e orai! • Amai-vos uns aos outros!
  17. 17. Obrigada pela vossa Atenção!

×