SlideShare uma empresa Scribd logo
Palestrante – Victor Passos
Nós – E o sublime intercâmbio da mediunidade nos
relacionamentos de casal
A mediunidade nos relacionamentos
O Relacionamento é tão complexo quando se fala de pessoas. Relação é naturalmente pensar
no casal, nos pais, os maridos e mulheres. Estas são as pessoas com quem passamos mais
tempo na nossa vida. Se aliarmos a isso os componentes: amor, amizade, desejo, objetivos de
vida, etc. Poderemos na base dos sentimentos e propósitos, definir a sua natureza, o seu
percurso e as suas obras. Abordaremos numa perspetiva filosófica, biológica, psicológica e
espírita o casal e, naturalmente, sobre a família, dado que são conceitos afins.
O Banquete de Platão
O discurso de Aristófanes – Mito de Androginia
A sociedade grega foi, das primeiras a ponderar o que une dois
seres.
No texto, O Banquete de Platão, aborda uma das primeiras visões
sobre o amor, a sexualidade e o casal, o mito pretendia,, explicar
o porquê de percorrermos o mundo em busca da nossa
plenitude.
O Mito de Androginia relata o seguinte.
No passado o sexos das pessoas não eram dois, como agora. Pelo
contrário, existiam na terra três sexos: o masculino, o feminino e
o andrógino, que tinha tanto o masculino como o feminino. Na
civilização Grega este mito, a justificava o porquê de homens e
mulheres procurarem não apenas parceiros do sexo oposto, mas
do próprio sexo. Para eles, o amor era uma questão de plenitude,
de voltar a encontrar a sua metade, aquele que o completa e não
necessariamente apenas um aspeto fisiológico. Contudo, não
teríamos tempo para abordar aqui a temática da sexualidade, e
compreendamos que desta forma, o casal é entendido como a
A conquista biológica…
Contudo, o pensamento evoluiu, os costumes transformaram-se e a visão do casal na nossa sociedade tem uma forte implicação da moral e
discurso judaico-cristã.
A compreensão da filosofia católica, considera que no homem a supremacia, feito à imagem de Deus, e confere à mulher um papel inferior,
dada a sua origem da costela de Adão. A ideia conspurca a igualdade e procura da complementaridade que anteriormente falamos. O homem
manda e possui a mulher como um objeto e isso nivela as relações de casal e familiares durante vários séculos.
Contudo as correntes renascentistas trazem uma nova forma de ver o homem, a par do avanço estupendo que a ciência dá desde o século
XVII. A igreja começa a perder supremacia no entendimento do homem e da mulher, começam a aparecer teorias paralelas à teoria
criacionista (Deus criou o homem) e à teoria da geração espontânea (a vida surge espontaneamente na matéria orgânica) e encontramos
Darwin, que nas suas observações naturalistas compreende um passado comum entre todos os mamíferos superiores. Ele desenvolve a
hipótese evolucionista. Homem ou mulher, indistintamente, terá evoluído de seres mais primitivos que, pela ação do meio e da seleção
natural, terão chegado à sua natureza atual. Como tal, parte do seu comportamento terá necessariamente que ser regulado pelo seu passado
animal e a seleção do parceiro deverá obedecer às mesmas regras biológicas que existem no mundo animal.
A par disto, Mendel compreende os primeiros passos para a virtude genética. Daí a compreender-se como se dá a distribuição dos caracteres
que nos fazem únicos fisicamente foi um passo de poucos séculos.
Compreende-se então que a grande conquista biológica dos animais e plantas terá sido a reprodução sexuada, com base em dois gâmetas
distintos, que permitiu que mudanças genéticas fossem introduzidas no código de cada elemento de forma mais rápida do que a ocorrência de
mutações nos seres assexuados. Esta conjugação de dois pools genéticos, permitia então à natureza selecionar e apurar as combinações mais
adaptadas, eliminando aquelas que não seriam tão passíveis de sucesso.
Isto fez com que casais da espécie humana tivessem que desenvolver estratégias de acasalmento de forma a convencer os parceiros de que
seriam a escolha melhor para a manutenção genética da espécie. Portanto a biologia vê o casal como a consequência deste processo. A
procura de um parceiro é pautada pela busca da melhor pessoa para misturar os nossos genes, originando um novo ser, prolongamento desse
casal. Não compreende mais nenhuma utilidade ao casal e por esta lógica, qualquer compromisso estaria terminado quando a fecundação se
desse, devendo cada elemento procurar novas oportunidade de transmitir os seus genes.
No entanto, na espécie humana os casais tendem a permanecer juntos, para lá da conquista biológica…
Na Psicologia, o Amor é a combinação de
pensamentos, sentimentos, motivações,
reações psicofisiológicas, comportamentos
verbais e não-verbais que envolvem
relações sexuais e espaços de intimidade
entre dois seres.
É um processo, de várias etapas que inicia
com a paixão, evolui para o amor romântico
quando é recíproco, e se desenvolve pela
diminuição da paixão e com um aumento da
intimidade e do comprometimento.
Esta conjugação da paixão, da intimidade e do
compromisso, proporções do amor, podem
caracterizar diversos tipo de relacionamentos.
Vejamos…
Amor Companheiro
Amizade
Atracção física
Amor vazio
Amor
Verdadeiro
Amor
Romântico
Amor
Instintivo
A conquista
Psicológica…
A paixão reúne a componente do desejo. Quando existe sozinha consideramos que existe apenas atração física entre dois seres.
A associação com base na atração física apenas abre campo a um vazio existencial enquanto casal, já que esta tende a acabar
passado algum tempo.
Outro campo é a intimidade. Aqui encontramos uma espaço de relacionamento interpessoal, partilha e tolerância pelas
características do outro. Um relacionamento exclusivo de intimidade é uma amizade.
A terceira dimensão é o comprometimento. Neste campo vemos a constituição de um objetivo, de um fim em comum para
ambos os elementos doc casal. A existência de apenas comprometimento pode ser uma parceria de negócios como um
casamento assente em princípios financeiros ou políticos. Funciona de forma mais semelhante a um grupo do que a um casal.
Estas dimensão podem existir de forma ponderada; de acordo com a sua expressão e associação encontramos outro tipo de
amores. Por exemplo, paixão e comprometimento caracteriza o amor instintivo, que se baseiam num objetivo sexual e de
associação física. Por outro lado, a paixão e a intimidade caracterizam o amor romântico, em que as pessoas estão juntas sem
um objetivo, apenas pelo espaço que se gera entre ambos. O comprometimento e intimidade é o amor companheiro, muito
característico de casais em fim de vida, que são o suporte um do outro.
Finalmente, a reunião equilibrada das três dimensões leva-nos ao amor verdadeiro de casal, aquele que reúne a paixão, a
intimidade e o objetivo em comum. A qualidade do objetivo, do entendimento físico e o grau de intimidade irão, também
determinar o sucesso e manutenção deste sentimento ao longo da vida.
No entanto, este modelo falha em compreender porque casais que reúnem as condições para o sucesso falham, e porque outras
vezes, casais que não cumprem os requisitos do amor verdadeiro permanecem nos seus relacionamentos para lá do aceitável.
Na verdade, todas as visões até aqui ignoram um antecedente a todas estas considerações: a preexistência da alma e de
vivências passadas.
“A simpatia que atrai um Espírito para
outro resulta da perfeita concordância de
seus pendores e instintos. Se um tivesse
que completar o outro, perderia a sua
individualidade.”
LE.301
A conquista do Espiritismo…
A conquista do Espiritismo…
LE. 386. Podem dois seres que se conheceram e estimaram encontrar-se noutra
existência corporal e reconhecerem-se?
“Reconhecer-se, não. Podem, porém, sentir-se atraídos um para o outro. E, frequentemente,
diversa não é a causa de íntimas ligações fundadas em sincera afeição. Um do outro dois
seres se aproximam devido a circunstâncias aparentemente fortuitas, mas que na realidade
resultam da atração de dois Espíritos, que se buscam reciprocamente por entre a multidão.”
A conquista do Espiritismo…
(…) na Terra, o matrimónio pode assumir aspetos variados, objetivando múltiplos
fins. Em razão disso, acidentalmente, o homem ou a mulher encarnados podem
experimentar o casamento terrestre diversas vezes, sem encontrar a companhia
das almas afins com as quais realizariam a união ideal.
In Evolução em dois mundos.
O texto continua explicando…
“Isto porque, comummente, é preciso resgatar
essa ou aquela dívida que contraímos com a
energia sexual, aplicada de maneira infeliz ante
os princípios de causa e efeito.”
A conquista do Espiritismo…
As relações de casal apresentam dificuldade não apenas na dimensão
física, mas também na dimensão espiritual da vida. A consequência dos
matrimónios nesta ou noutra existência tanto podem resultar de
aspetos benéficos como negativos à vivência do casal atual.
Vejamos o caso de André Luiz, na descrição do nosso lar. Depois de
refeito do período de conturbação e encaminhado a Nosso Lar, ele
começa a pedir para visitar a família. Após extensa preparação, é-lhe
dada permissão para visitar a sua família.
Ao chegar ele encontra um cenário transformado, em que a sua mulher
é agora mulher de outro indivíduo. Por momentos, ele cede à pressão do
ciúme e da visão terrena da vida. Ele poderia ter seguido essa via e ter
procurado influenciar os pensamentos da sua mulher e do seu cônjuge
no sentido de piorar o relacionamento de casal.
Contudo ele é capaz de resistir a esse impulso e passa a ver a mulher e o
novo marido como irmãos, passando a protegê-los e a beneficiá-los.
A conquista do Espiritismo…
LE. 459. Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?
“Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles
que vos dirigem.”
LM. 159. Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos
é, por esse facto, médium. Essa faculdade é inerente ao homem (…). Pode, pois,
dizer-se que todos são, mais ou menos médiuns.
Perante a permeabilidade que temos à influência espiritual, com facilidade percebemos que muitas vezes, as
problemáticas que nos surgem enquanto casal advêm não apenas das expiações e provas a que nos propomos
ultrapassar, mas igualmente da facilidade que temos em sintonizar e afinizar com os espíritos que se
encontram na nossa faixa de pensamento e vibração (energia).
PROPOSTAS!
• Valores e princípios familiares.
• Conhece-te a ti mesmo.
• Comunicação eficaz – escuta ativa.
• Evangelho no lar.
• Vigiai e orai!
• Amai-vos uns aos outros!
Obrigada pela
vossa Atenção!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritosPalestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Divulgador do Espiritismo
 
09 de maio 2015 o papel das mães na terra
09 de maio 2015   o papel das mães na terra09 de maio 2015   o papel das mães na terra
09 de maio 2015 o papel das mães na terra
Lar Irmã Zarabatana
 
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e EspiritualPais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Marcelo Suster
 
Estudos do evangelho "O maior mandamento"
Estudos do evangelho "O maior mandamento"Estudos do evangelho "O maior mandamento"
Estudos do evangelho "O maior mandamento"
Leonardo Pereira
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
meebpeixotinho
 
Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Intervenção dos espiritos no mundo corporalIntervenção dos espiritos no mundo corporal
Intervenção dos espiritos no mundo corporal
carlos freire
 
Espiritualismo e espiritismo
Espiritualismo e espiritismoEspiritualismo e espiritismo
Espiritualismo e espiritismo
Fernando Oliveira
 
Disciplina mental
Disciplina mental  Disciplina mental
Disciplina mental
grupodepaisceb
 
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERAESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
Jorge Luiz dos Santos
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Mocidade Espírita Chico Xavier - BilocaçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Mocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Sergio Lima Dias Junior
 
Anjo da guarda
Anjo da guardaAnjo da guarda
Anjo da guarda
Lisete B.
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
Casamento e divórcio e os filho - visão espirita
Casamento e divórcio e os filho - visão espiritaCasamento e divórcio e os filho - visão espirita
Casamento e divórcio e os filho - visão espirita
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
paikachambi
 
Encarnação dos espiritos
Encarnação dos espiritosEncarnação dos espiritos
Encarnação dos espiritos
carlos freire
 
Casamento & Divórcio na Visão Espírita
Casamento & Divórcio na Visão EspíritaCasamento & Divórcio na Visão Espírita
Casamento & Divórcio na Visão Espírita
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Claudio Macedo
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo IV - Jerônimo de Araújo Silveira ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo IV - Jerônimo de Araújo Silveira ...Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo IV - Jerônimo de Araújo Silveira ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo IV - Jerônimo de Araújo Silveira ...
Cynthia Castro
 
Desprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenosDesprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenos
Henrique Vieira
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais procurados (20)

Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritosPalestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
 
09 de maio 2015 o papel das mães na terra
09 de maio 2015   o papel das mães na terra09 de maio 2015   o papel das mães na terra
09 de maio 2015 o papel das mães na terra
 
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e EspiritualPais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
 
Estudos do evangelho "O maior mandamento"
Estudos do evangelho "O maior mandamento"Estudos do evangelho "O maior mandamento"
Estudos do evangelho "O maior mandamento"
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
 
Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Intervenção dos espiritos no mundo corporalIntervenção dos espiritos no mundo corporal
Intervenção dos espiritos no mundo corporal
 
Espiritualismo e espiritismo
Espiritualismo e espiritismoEspiritualismo e espiritismo
Espiritualismo e espiritismo
 
Disciplina mental
Disciplina mental  Disciplina mental
Disciplina mental
 
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERAESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Mocidade Espírita Chico Xavier - BilocaçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Mocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
 
Anjo da guarda
Anjo da guardaAnjo da guarda
Anjo da guarda
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
Casamento e divórcio e os filho - visão espirita
Casamento e divórcio e os filho - visão espiritaCasamento e divórcio e os filho - visão espirita
Casamento e divórcio e os filho - visão espirita
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Encarnação dos espiritos
Encarnação dos espiritosEncarnação dos espiritos
Encarnação dos espiritos
 
Casamento & Divórcio na Visão Espírita
Casamento & Divórcio na Visão EspíritaCasamento & Divórcio na Visão Espírita
Casamento & Divórcio na Visão Espírita
 
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo IV - Jerônimo de Araújo Silveira ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo IV - Jerônimo de Araújo Silveira ...Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo IV - Jerônimo de Araújo Silveira ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo IV - Jerônimo de Araújo Silveira ...
 
Desprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenosDesprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenos
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 

Semelhante a Mediunidade no relacionamento

Mediunidade no relacionamento
Mediunidade no relacionamento Mediunidade no relacionamento
Mediunidade no relacionamento
Victor Passos
 
Vida e sexo
Vida e sexoVida e sexo
Vida e sexo
PontoDeLuz
 
Feres carneiro 1998
Feres carneiro 1998Feres carneiro 1998
Feres carneiro 1998
Carlos Paula
 
Reformador 05 maio_2006
Reformador 05 maio_2006Reformador 05 maio_2006
Reformador 05 maio_2006
grupofce
 
Casamento
CasamentoCasamento
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
Jerri Almeida
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
Jerri Almeida
 
O que é ser família o divórcio e as novas famílias
O que é ser família   o divórcio e as novas famíliasO que é ser família   o divórcio e as novas famílias
O que é ser família o divórcio e as novas famílias
Fatoze
 
A família - seminário
A família - seminárioA família - seminário
A família - seminário
home
 
Fernandes, florestan [artigo] comunidade-e-sociedade-tonnies-ferdinand-comu...
Fernandes, florestan   [artigo] comunidade-e-sociedade-tonnies-ferdinand-comu...Fernandes, florestan   [artigo] comunidade-e-sociedade-tonnies-ferdinand-comu...
Fernandes, florestan [artigo] comunidade-e-sociedade-tonnies-ferdinand-comu...
Daylson Lima
 
O Amor Conjugal
O Amor ConjugalO Amor Conjugal
O Amor Conjugal
Giba Canto
 
Cap 35
Cap 35Cap 35
Relações Homoafetivas: uniões de afeto Gabriel
Relações Homoafetivas: uniões de afeto   GabrielRelações Homoafetivas: uniões de afeto   Gabriel
Relações Homoafetivas: uniões de afeto Gabriel
Tharas On Line
 
Familia e Educacao Como Fundamentos Para a Paz
Familia e Educacao Como Fundamentos Para a PazFamilia e Educacao Como Fundamentos Para a Paz
Familia e Educacao Como Fundamentos Para a Paz
Christian Lepelletier
 
CASAMENTO E COMPANHEIRISMO.pptx
CASAMENTO E COMPANHEIRISMO.pptxCASAMENTO E COMPANHEIRISMO.pptx
CASAMENTO E COMPANHEIRISMO.pptx
Rose Menezes
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
CeiClarencio
 
O impulso sexual
O impulso sexualO impulso sexual
1- A sexualidade humana.pptx
1- A sexualidade humana.pptx1- A sexualidade humana.pptx
1- A sexualidade humana.pptx
DanielSantos748300
 
Em torno do sexo - Emmanuel
Em torno do sexo - EmmanuelEm torno do sexo - Emmanuel
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
Henrique Vieira
 

Semelhante a Mediunidade no relacionamento (20)

Mediunidade no relacionamento
Mediunidade no relacionamento Mediunidade no relacionamento
Mediunidade no relacionamento
 
Vida e sexo
Vida e sexoVida e sexo
Vida e sexo
 
Feres carneiro 1998
Feres carneiro 1998Feres carneiro 1998
Feres carneiro 1998
 
Reformador 05 maio_2006
Reformador 05 maio_2006Reformador 05 maio_2006
Reformador 05 maio_2006
 
Casamento
CasamentoCasamento
Casamento
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
 
O que é ser família o divórcio e as novas famílias
O que é ser família   o divórcio e as novas famíliasO que é ser família   o divórcio e as novas famílias
O que é ser família o divórcio e as novas famílias
 
A família - seminário
A família - seminárioA família - seminário
A família - seminário
 
Fernandes, florestan [artigo] comunidade-e-sociedade-tonnies-ferdinand-comu...
Fernandes, florestan   [artigo] comunidade-e-sociedade-tonnies-ferdinand-comu...Fernandes, florestan   [artigo] comunidade-e-sociedade-tonnies-ferdinand-comu...
Fernandes, florestan [artigo] comunidade-e-sociedade-tonnies-ferdinand-comu...
 
O Amor Conjugal
O Amor ConjugalO Amor Conjugal
O Amor Conjugal
 
Cap 35
Cap 35Cap 35
Cap 35
 
Relações Homoafetivas: uniões de afeto Gabriel
Relações Homoafetivas: uniões de afeto   GabrielRelações Homoafetivas: uniões de afeto   Gabriel
Relações Homoafetivas: uniões de afeto Gabriel
 
Familia e Educacao Como Fundamentos Para a Paz
Familia e Educacao Como Fundamentos Para a PazFamilia e Educacao Como Fundamentos Para a Paz
Familia e Educacao Como Fundamentos Para a Paz
 
CASAMENTO E COMPANHEIRISMO.pptx
CASAMENTO E COMPANHEIRISMO.pptxCASAMENTO E COMPANHEIRISMO.pptx
CASAMENTO E COMPANHEIRISMO.pptx
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
 
O impulso sexual
O impulso sexualO impulso sexual
O impulso sexual
 
1- A sexualidade humana.pptx
1- A sexualidade humana.pptx1- A sexualidade humana.pptx
1- A sexualidade humana.pptx
 
Em torno do sexo - Emmanuel
Em torno do sexo - EmmanuelEm torno do sexo - Emmanuel
Em torno do sexo - Emmanuel
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
 

Mais de Victor Passos

Exercicio final curso ferramentas web
Exercicio final curso ferramentas webExercicio final curso ferramentas web
Exercicio final curso ferramentas web
Victor Passos
 
Utilização educativa das TIC
Utilização educativa das TICUtilização educativa das TIC
Utilização educativa das TIC
Victor Passos
 
Utilização educativa das TIC
Utilização educativa das TICUtilização educativa das TIC
Utilização educativa das TIC
Victor Passos
 
Tarefa P2P- modulo 4 obrigatoria
Tarefa P2P- modulo 4 obrigatoriaTarefa P2P- modulo 4 obrigatoria
Tarefa P2P- modulo 4 obrigatoria
Victor Passos
 
Exercicio obrigatório modulo 3 - 3.2
Exercicio obrigatório modulo  3 -  3.2Exercicio obrigatório modulo  3 -  3.2
Exercicio obrigatório modulo 3 - 3.2
Victor Passos
 
Modulo 2 - exercicio obrigatorio
Modulo 2 -  exercicio obrigatorioModulo 2 -  exercicio obrigatorio
Modulo 2 - exercicio obrigatorio
Victor Passos
 
Curso de Pesquisa e Gestão de informação Web - Modulo 2 tarefa
Curso de Pesquisa e Gestão de informação  Web - Modulo 2  tarefaCurso de Pesquisa e Gestão de informação  Web - Modulo 2  tarefa
Curso de Pesquisa e Gestão de informação Web - Modulo 2 tarefa
Victor Passos
 
Modulo 1 - Pesquisa web
Modulo 1 - Pesquisa webModulo 1 - Pesquisa web
Modulo 1 - Pesquisa web
Victor Passos
 
Espiritualidade e emoções
Espiritualidade e emoçõesEspiritualidade e emoções
Espiritualidade e emoções
Victor Passos
 
Desperte e seja feliz final
Desperte e seja feliz finalDesperte e seja feliz final
Desperte e seja feliz final
Victor Passos
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
Victor Passos
 
Conflitos familiares
Conflitos familiaresConflitos familiares
Conflitos familiares
Victor Passos
 
Orgulho pai de todos os vicios
Orgulho pai de todos os viciosOrgulho pai de todos os vicios
Orgulho pai de todos os vicios
Victor Passos
 
Obreiros de ultima hora
Obreiros de ultima horaObreiros de ultima hora
Obreiros de ultima hora
Victor Passos
 
A prece
A preceA prece
A prece
Victor Passos
 
Mediunidade e corpo fisico
Mediunidade e corpo fisicoMediunidade e corpo fisico
Mediunidade e corpo fisico
Victor Passos
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
Victor Passos
 
Reencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidadeReencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidade
Victor Passos
 
Doença – a cura – a autocura
Doença – a cura – a autocuraDoença – a cura – a autocura
Doença – a cura – a autocura
Victor Passos
 
Obsessões, prevenção tratamento e cura
Obsessões, prevenção tratamento e curaObsessões, prevenção tratamento e cura
Obsessões, prevenção tratamento e cura
Victor Passos
 

Mais de Victor Passos (20)

Exercicio final curso ferramentas web
Exercicio final curso ferramentas webExercicio final curso ferramentas web
Exercicio final curso ferramentas web
 
Utilização educativa das TIC
Utilização educativa das TICUtilização educativa das TIC
Utilização educativa das TIC
 
Utilização educativa das TIC
Utilização educativa das TICUtilização educativa das TIC
Utilização educativa das TIC
 
Tarefa P2P- modulo 4 obrigatoria
Tarefa P2P- modulo 4 obrigatoriaTarefa P2P- modulo 4 obrigatoria
Tarefa P2P- modulo 4 obrigatoria
 
Exercicio obrigatório modulo 3 - 3.2
Exercicio obrigatório modulo  3 -  3.2Exercicio obrigatório modulo  3 -  3.2
Exercicio obrigatório modulo 3 - 3.2
 
Modulo 2 - exercicio obrigatorio
Modulo 2 -  exercicio obrigatorioModulo 2 -  exercicio obrigatorio
Modulo 2 - exercicio obrigatorio
 
Curso de Pesquisa e Gestão de informação Web - Modulo 2 tarefa
Curso de Pesquisa e Gestão de informação  Web - Modulo 2  tarefaCurso de Pesquisa e Gestão de informação  Web - Modulo 2  tarefa
Curso de Pesquisa e Gestão de informação Web - Modulo 2 tarefa
 
Modulo 1 - Pesquisa web
Modulo 1 - Pesquisa webModulo 1 - Pesquisa web
Modulo 1 - Pesquisa web
 
Espiritualidade e emoções
Espiritualidade e emoçõesEspiritualidade e emoções
Espiritualidade e emoções
 
Desperte e seja feliz final
Desperte e seja feliz finalDesperte e seja feliz final
Desperte e seja feliz final
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Conflitos familiares
Conflitos familiaresConflitos familiares
Conflitos familiares
 
Orgulho pai de todos os vicios
Orgulho pai de todos os viciosOrgulho pai de todos os vicios
Orgulho pai de todos os vicios
 
Obreiros de ultima hora
Obreiros de ultima horaObreiros de ultima hora
Obreiros de ultima hora
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
Mediunidade e corpo fisico
Mediunidade e corpo fisicoMediunidade e corpo fisico
Mediunidade e corpo fisico
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
 
Reencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidadeReencarnação oportunidade
Reencarnação oportunidade
 
Doença – a cura – a autocura
Doença – a cura – a autocuraDoença – a cura – a autocura
Doença – a cura – a autocura
 
Obsessões, prevenção tratamento e cura
Obsessões, prevenção tratamento e curaObsessões, prevenção tratamento e cura
Obsessões, prevenção tratamento e cura
 

Último

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 

Último (11)

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 

Mediunidade no relacionamento

  • 2. Nós – E o sublime intercâmbio da mediunidade nos relacionamentos de casal A mediunidade nos relacionamentos
  • 3. O Relacionamento é tão complexo quando se fala de pessoas. Relação é naturalmente pensar no casal, nos pais, os maridos e mulheres. Estas são as pessoas com quem passamos mais tempo na nossa vida. Se aliarmos a isso os componentes: amor, amizade, desejo, objetivos de vida, etc. Poderemos na base dos sentimentos e propósitos, definir a sua natureza, o seu percurso e as suas obras. Abordaremos numa perspetiva filosófica, biológica, psicológica e espírita o casal e, naturalmente, sobre a família, dado que são conceitos afins.
  • 4. O Banquete de Platão O discurso de Aristófanes – Mito de Androginia
  • 5. A sociedade grega foi, das primeiras a ponderar o que une dois seres. No texto, O Banquete de Platão, aborda uma das primeiras visões sobre o amor, a sexualidade e o casal, o mito pretendia,, explicar o porquê de percorrermos o mundo em busca da nossa plenitude. O Mito de Androginia relata o seguinte. No passado o sexos das pessoas não eram dois, como agora. Pelo contrário, existiam na terra três sexos: o masculino, o feminino e o andrógino, que tinha tanto o masculino como o feminino. Na civilização Grega este mito, a justificava o porquê de homens e mulheres procurarem não apenas parceiros do sexo oposto, mas do próprio sexo. Para eles, o amor era uma questão de plenitude, de voltar a encontrar a sua metade, aquele que o completa e não necessariamente apenas um aspeto fisiológico. Contudo, não teríamos tempo para abordar aqui a temática da sexualidade, e compreendamos que desta forma, o casal é entendido como a
  • 7. Contudo, o pensamento evoluiu, os costumes transformaram-se e a visão do casal na nossa sociedade tem uma forte implicação da moral e discurso judaico-cristã. A compreensão da filosofia católica, considera que no homem a supremacia, feito à imagem de Deus, e confere à mulher um papel inferior, dada a sua origem da costela de Adão. A ideia conspurca a igualdade e procura da complementaridade que anteriormente falamos. O homem manda e possui a mulher como um objeto e isso nivela as relações de casal e familiares durante vários séculos. Contudo as correntes renascentistas trazem uma nova forma de ver o homem, a par do avanço estupendo que a ciência dá desde o século XVII. A igreja começa a perder supremacia no entendimento do homem e da mulher, começam a aparecer teorias paralelas à teoria criacionista (Deus criou o homem) e à teoria da geração espontânea (a vida surge espontaneamente na matéria orgânica) e encontramos Darwin, que nas suas observações naturalistas compreende um passado comum entre todos os mamíferos superiores. Ele desenvolve a hipótese evolucionista. Homem ou mulher, indistintamente, terá evoluído de seres mais primitivos que, pela ação do meio e da seleção natural, terão chegado à sua natureza atual. Como tal, parte do seu comportamento terá necessariamente que ser regulado pelo seu passado animal e a seleção do parceiro deverá obedecer às mesmas regras biológicas que existem no mundo animal. A par disto, Mendel compreende os primeiros passos para a virtude genética. Daí a compreender-se como se dá a distribuição dos caracteres que nos fazem únicos fisicamente foi um passo de poucos séculos. Compreende-se então que a grande conquista biológica dos animais e plantas terá sido a reprodução sexuada, com base em dois gâmetas distintos, que permitiu que mudanças genéticas fossem introduzidas no código de cada elemento de forma mais rápida do que a ocorrência de mutações nos seres assexuados. Esta conjugação de dois pools genéticos, permitia então à natureza selecionar e apurar as combinações mais adaptadas, eliminando aquelas que não seriam tão passíveis de sucesso. Isto fez com que casais da espécie humana tivessem que desenvolver estratégias de acasalmento de forma a convencer os parceiros de que seriam a escolha melhor para a manutenção genética da espécie. Portanto a biologia vê o casal como a consequência deste processo. A procura de um parceiro é pautada pela busca da melhor pessoa para misturar os nossos genes, originando um novo ser, prolongamento desse casal. Não compreende mais nenhuma utilidade ao casal e por esta lógica, qualquer compromisso estaria terminado quando a fecundação se desse, devendo cada elemento procurar novas oportunidade de transmitir os seus genes. No entanto, na espécie humana os casais tendem a permanecer juntos, para lá da conquista biológica…
  • 8. Na Psicologia, o Amor é a combinação de pensamentos, sentimentos, motivações, reações psicofisiológicas, comportamentos verbais e não-verbais que envolvem relações sexuais e espaços de intimidade entre dois seres. É um processo, de várias etapas que inicia com a paixão, evolui para o amor romântico quando é recíproco, e se desenvolve pela diminuição da paixão e com um aumento da intimidade e do comprometimento. Esta conjugação da paixão, da intimidade e do compromisso, proporções do amor, podem caracterizar diversos tipo de relacionamentos. Vejamos…
  • 9. Amor Companheiro Amizade Atracção física Amor vazio Amor Verdadeiro Amor Romântico Amor Instintivo A conquista Psicológica…
  • 10. A paixão reúne a componente do desejo. Quando existe sozinha consideramos que existe apenas atração física entre dois seres. A associação com base na atração física apenas abre campo a um vazio existencial enquanto casal, já que esta tende a acabar passado algum tempo. Outro campo é a intimidade. Aqui encontramos uma espaço de relacionamento interpessoal, partilha e tolerância pelas características do outro. Um relacionamento exclusivo de intimidade é uma amizade. A terceira dimensão é o comprometimento. Neste campo vemos a constituição de um objetivo, de um fim em comum para ambos os elementos doc casal. A existência de apenas comprometimento pode ser uma parceria de negócios como um casamento assente em princípios financeiros ou políticos. Funciona de forma mais semelhante a um grupo do que a um casal. Estas dimensão podem existir de forma ponderada; de acordo com a sua expressão e associação encontramos outro tipo de amores. Por exemplo, paixão e comprometimento caracteriza o amor instintivo, que se baseiam num objetivo sexual e de associação física. Por outro lado, a paixão e a intimidade caracterizam o amor romântico, em que as pessoas estão juntas sem um objetivo, apenas pelo espaço que se gera entre ambos. O comprometimento e intimidade é o amor companheiro, muito característico de casais em fim de vida, que são o suporte um do outro. Finalmente, a reunião equilibrada das três dimensões leva-nos ao amor verdadeiro de casal, aquele que reúne a paixão, a intimidade e o objetivo em comum. A qualidade do objetivo, do entendimento físico e o grau de intimidade irão, também determinar o sucesso e manutenção deste sentimento ao longo da vida. No entanto, este modelo falha em compreender porque casais que reúnem as condições para o sucesso falham, e porque outras vezes, casais que não cumprem os requisitos do amor verdadeiro permanecem nos seus relacionamentos para lá do aceitável. Na verdade, todas as visões até aqui ignoram um antecedente a todas estas considerações: a preexistência da alma e de vivências passadas.
  • 11. “A simpatia que atrai um Espírito para outro resulta da perfeita concordância de seus pendores e instintos. Se um tivesse que completar o outro, perderia a sua individualidade.” LE.301 A conquista do Espiritismo…
  • 12. A conquista do Espiritismo… LE. 386. Podem dois seres que se conheceram e estimaram encontrar-se noutra existência corporal e reconhecerem-se? “Reconhecer-se, não. Podem, porém, sentir-se atraídos um para o outro. E, frequentemente, diversa não é a causa de íntimas ligações fundadas em sincera afeição. Um do outro dois seres se aproximam devido a circunstâncias aparentemente fortuitas, mas que na realidade resultam da atração de dois Espíritos, que se buscam reciprocamente por entre a multidão.”
  • 13. A conquista do Espiritismo… (…) na Terra, o matrimónio pode assumir aspetos variados, objetivando múltiplos fins. Em razão disso, acidentalmente, o homem ou a mulher encarnados podem experimentar o casamento terrestre diversas vezes, sem encontrar a companhia das almas afins com as quais realizariam a união ideal. In Evolução em dois mundos. O texto continua explicando… “Isto porque, comummente, é preciso resgatar essa ou aquela dívida que contraímos com a energia sexual, aplicada de maneira infeliz ante os princípios de causa e efeito.”
  • 14. A conquista do Espiritismo… As relações de casal apresentam dificuldade não apenas na dimensão física, mas também na dimensão espiritual da vida. A consequência dos matrimónios nesta ou noutra existência tanto podem resultar de aspetos benéficos como negativos à vivência do casal atual. Vejamos o caso de André Luiz, na descrição do nosso lar. Depois de refeito do período de conturbação e encaminhado a Nosso Lar, ele começa a pedir para visitar a família. Após extensa preparação, é-lhe dada permissão para visitar a sua família. Ao chegar ele encontra um cenário transformado, em que a sua mulher é agora mulher de outro indivíduo. Por momentos, ele cede à pressão do ciúme e da visão terrena da vida. Ele poderia ter seguido essa via e ter procurado influenciar os pensamentos da sua mulher e do seu cônjuge no sentido de piorar o relacionamento de casal. Contudo ele é capaz de resistir a esse impulso e passa a ver a mulher e o novo marido como irmãos, passando a protegê-los e a beneficiá-los.
  • 15. A conquista do Espiritismo… LE. 459. Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos? “Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem.” LM. 159. Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse facto, médium. Essa faculdade é inerente ao homem (…). Pode, pois, dizer-se que todos são, mais ou menos médiuns. Perante a permeabilidade que temos à influência espiritual, com facilidade percebemos que muitas vezes, as problemáticas que nos surgem enquanto casal advêm não apenas das expiações e provas a que nos propomos ultrapassar, mas igualmente da facilidade que temos em sintonizar e afinizar com os espíritos que se encontram na nossa faixa de pensamento e vibração (energia).
  • 16. PROPOSTAS! • Valores e princípios familiares. • Conhece-te a ti mesmo. • Comunicação eficaz – escuta ativa. • Evangelho no lar. • Vigiai e orai! • Amai-vos uns aos outros!