SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG
CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO –CDSA
CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
Prof.: João Leite
USINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEM
HistóricoHistórico
Milhares de anos a.C. os povos antigos
descobriram a possibilidade de transformação
do movimentação em rotação. Esse processo
ficou conhecido como furação de corda puxada.
2
A furação de corda puxada
possibilitava a furação a
partir do atrito de uma
peça em outra, levando à
remoção de material,
PRINCÍPIO FUNDAMENTAL
DOS PROCESSOS DE
USINAGEM.
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Pode-se dividir os processos de fabricação de
peças metálicas em dois grandes grupos:
• Os processos onde as peças são obtidas a
partir da remoção de material;
3
partir da remoção de material;
• Os processos onde as peças são obtidas
sem a remoção de material.
Os processos onde ocorre a remoção de
material são chamados de USINAGEM, sendo
um dos processos de fabricação mais
populares do mundo.
UsinagemUsinagem
Definição:
Processo que ao conferir formas, dimensões e
acabamento a um material, transformando-o
em uma peça, produzem cavaco.
4
em uma peça, produzem cavaco.
• Por cavaco entende-se a quantidade de
material retirado, retirado por uma
ferramenta específica e que se caracteriza
por uma forma geométrica irregular.
Cerca de 10% em peso, do material usado para
fabricação por usinagem, vira cavaco. Esse material pode
ser retornar ao processo, a partir de nova fundição.
UsinabilidadeUsinabilidade
• A retirada do material e a geração do cavaco durante o
processo de usinagem comumente ocorre de maneira
diferente.
• Enquanto alguns materiais podem ser trabalhados
facilmente, outros apresentam problemas tais como:
5
facilmente, outros apresentam problemas tais como:
Empastamento, desgaste rápido da ferramenta, mau
acabamento, necessidade de grande potência para o corte,
etc.
• A maior ou menor dificuldade de usinagem está ligada ao
que se chama de usinabilidade. A usinabilidade pode ser
definida como sendo o grau de dificuldade que
determinado material apresenta para ser usinado.
UsinabilidadeUsinabilidade
• A usinabilidade não depende apenas das
características do material, mas também, de
outros parâmetros da usinagem, tais como:
• Refrigeração;
6
• Refrigeração;
• rigidez do sistema máquina-ferramenta,
das características da ferramenta;
• tipo de operação, etc.
• Assim, dependendo das condições de usinagem um
mesmo material poderá ter variações em sua
usinabilidade.
UsinabilidadeUsinabilidade
As características de processo juntamente com as
características dos materiais vão ter influência
significativa sobre:
· Vida da ferramenta;
7
· Força de corte;
· Potência consumida;
UsinabilidadeUsinabilidade
• Esses parâmetros servem para definir o custo do
trabalho de usinagem.
• A vida da ferramenta entre duas afiações
sucessivas tem grande influência no custo de
operação.
8
operação.
• A força e a potência limitam as dimensões máximas
de corte e, portanto, o volume de material
removido por hora-máquina.
• A exigência de um acabamento de alta qualidade
poderá influir, também, no custo de usinagem.
Movimentos de usinagemMovimentos de usinagem
É o movimento entre a ferramenta e a peça que provoca
remoção de cavaco durante uma única rotação ou um
curso da ferramenta.
Movimento de corte
9Fonte: Fernando Penteado
Movimentos de usinagemMovimentos de usinagem
É o movimento entre a ferramenta e a peça que
juntamente com o movimento de corte possibilita uma
remoção contínua do cavaco.
Movimento de avanço
10Fonte: Fernando Penteado
Movimentos de usinagemMovimentos de usinagem
É o movimento que gera a penetração da ferramenta na
peça determinando a espessura da camada de cavaco a ser
removido.
Movimento de ajuste (penetração)
11Fonte: Fernando Penteado
MOVIMENTO DE AJUSTE
Movimentos de usinagemMovimentos de usinagem
Movimento efetivo de corte
12
SOMATÓRIO do movimento de corte, avanço e
penetração!
Fonte: Fernando Penteado
Processos convencionais de usinagemProcessos convencionais de usinagem
Na realidade as peças podem ser produzidas com ou
sem a remoção de material (cavaco). Todos os
processos onde há produção de cavaco SÃO
PROCESSOS DE USINAGEM.
13
Principais propriedades mecânicas dosPrincipais propriedades mecânicas dos
materiaismateriais
• RESISTÊNCIA
• É a carga máxima por unidade de área suportada
pelo material, a partir da qual haverá alguma
mudança. Ex: Limite de escoamento, elástico,
tensão máxima e resistência a ruptura.
14
tensão máxima e resistência a ruptura.
• DUCTIBILIDADE
• Representa o quanto um material poder ser
deformado antes de romper.
• DEFORMAÇÃO
• É a mudança dimensional que se verifica no
material como resultado da carga aplicada.
Principais propriedades mecânicas dosPrincipais propriedades mecânicas dos
materiaismateriais
• TENACIDADE
• É a quantidade de energia que um material pode
absorver antes de quebrar (fraturar).
• DEFORMAÇÃO PLÁSTICA
15
• DEFORMAÇÃO PLÁSTICA
• É a deformação a partir da qual o material
deformam-se permanentemente, perdendo a
capacidade de voltar a situação anterior à
aplicação da carga.
TorneamentoTorneamento
O torneamento é um processo mecânico de
usinagem destinado a obtenção de superfícies de
revolução com o auxílio de uma ou mais
ferramentas monocortantes.
16
ferramentas monocortantes.
“no torneamento a peça gira em torno do eixo
principal de rotação da máquina e a ferramenta se desloca
simultaneamente segundo uma trajetória coplanar com o
eixo referido”.
Torneamento convencionalTorneamento convencional
• Homem executa a tarefa, “comando-a-comando”.
Vantagens
- Baixo custo;
- viável para
produção em baixa
17
escala.
Por outro lado
- Baixo controle
dimensional;
- Acabamento
superficial regular;
- Alta dependência
do homem.
Torneamento CNC (Torneamento CNC (CComandoomando NNuméricoumérico
CComputadorizado)omputadorizado)
• Homem programa a máquina. Máquina executa a
tarefa sem a necessidade da presença do
homem.
Vantagens
- ótimo acabamento
18
A precisão de tal máquinas chega a ser tão
pequena quanto 1 mícron.
- ótimo acabamento
superficial;
-Maior controle
dimensional;
- ocorre sem a
presença do homem.
Por outro lado
- É mais caro
- Só é viável para
produção em escala
Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento
Quanto à trajetória, o torneamento pode ser
dividido em:
• Retilíneo
Processo de torneamento no qual a ferramenta se desloca
segundo uma trajetória retilínea.
19
segundo uma trajetória retilínea.
• Curvilíneo
Processo de torneamento no qual a ferramenta se desloca
segundo uma trajetória curvilínea.
Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento
• Faceamento;
• Sangramento;
• Cilindragem;
20
• Fabricação de rosca;
• Perfilamento.
Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento
Movimento de avanço da ferramenta se dá no
sentido transversal ao eixo de rotação da peça. Sua
finalidade é a obtenção de uma superfície plana.
Faceamento
21
finalidade é a obtenção de uma superfície plana.
Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento
Sangramento
Movimento de avanço da ferramenta se dá no
sentido transversal ao eixo de rotação da peça. Sua
finalidade é a separação (corte) da peça ou a
22
finalidade é a separação (corte) da peça ou a
abertura de um canal.
Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento
Cilindragem
Movimento de avanço da ferramenta se dá no
sentido paralelo ao eixo de rotação da peça. Sua
finalidade é a obtenção de uma peça com
23
finalidade é a obtenção de uma peça com
formato cilíndrico (externo ou interno). No caso
da cilindragem interna se obtém um tubo.
Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento
Fabricação de roscas
Movimento de corte e avanço são sincronizados de
maneira a gerar os filetes com o passo desejado. Sua
finalidade de a produção de roscas externas (parafusos) ou
internas (porcas).
24
internas (porcas).
Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento
Perfilamento
Movimento de avanço ocorre
perpendicularmente ao eixo da peça. Sua finalidade
é a obtenção de peças com o perfil idêntico ao da
ferramenta utilizada (ferramentas especiais).
25
ferramenta utilizada (ferramentas especiais).
FresamentoFresamento
Processo mecânico de usinagem destinado à
obtenção de superfícies quaisquer com o auxílio
de ferramentas multicortantes, na qual a ferramenta
gira enquanto a peça fica estacionária ou se desloca
segundo uma trajetória retilínea qualquer.
26
Torneamento xTorneamento x fresamentofresamento
TorneamentoTorneamento FresamentoFresamento
27
Peça de trabalho em rotação
Ferramenta estacionária
Contato constante
Espessura de corte constante
Força de corte constante
Peça de trabalho
estacionária
Ferramenta em rotação
Contato interrompido
Espessura de corte variável
Força de corte variável
FONTE:
Curso de CNC
Prof. Ricardo Adriano dos Santos
AplainamentoAplainamento
Processo mecânico de usinagem destinado à
obtenção de superfícies por desbaste, a partir de
um movimento retilíneo alternativo da peça ou da
ferramenta. Existem dois tipos de aplainamento: vertical
e horizontal.
28
Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem
Velocidade de corte
Velocidade linear instantânea entre a ponta da ferramenta
e a peça em rotação, segundo a direção e sentido de corte.
Vc – Velocidade de corte (m/min)TORNEAMENTO / FRESAMENTO
29
Vc = π . d . n
1000
Vc – Velocidade de corte (m/min)
d – diâmetro da peça (mm) – para torneamento
d – diâmetro da ferramenta (mm) – para fresamento
n – número de rotações (rpm)
TORNEAMENTO / FRESAMENTO
Vc = 2. c. gpm
1000
APLAINAMENTO Vc – Velocidade de corte (m/min)
c – percurso da ferramenta (mm)
gpm – golpes por minuto
Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem
Velocidade de corte
(algumas tabelas)
Ferramenta de aço rápido
30
Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem
Velocidade de avanço
O avanço é a distância percorrida a cada volta da peça ou
dente da ferramenta. A velocidade de avanço mede este
avanço por unidade de tempo, SENDO O FATOR MAIS
IMPORTANTE PARA A QUALIDADE DO ACABAMENTO.
31
Vf = f . n
IMPORTANTE PARA A QUALIDADE DO ACABAMENTO.
Vf – Velocidade de avanço (mm/min)
f – avanço (mm/volta)
n – número de rotações (rpm)
TORNEAMENTO
FRESAMENTO
Vf = f . n. z
Vf – Velocidade de avanço (mm/min)
f – avanço (mm/dente)
n – número de rotações (rpm)
z – número de dentes (unid.)
Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem
Velocidade de avanço
(algumas tabelas)
32
Os valores do avanço (f) variam de acordo com o material de fabricação
das ferramentas e são fornecidos nos catálogos do fabricantes da mesma.
Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem
Tempo de usinagem
Representa o tempo-máquina gasto nas operações de
usinagem e serve para determinar a capacidade e
necessidade de máquinas para produção de determinado
conjunto de peças (mix).
33
Os tempos de preparação (ex: colocação e retirada de peças) variam de
acordo com cada empresa, seus operadores e métodos e devem ser
determinados A PARTIR DE ESTUDOS DE TEMPO. Eles também
influenciarão na capacidade do equipamento.
T = L /vf
conjunto de peças (mix).
Vf – Velocidade de avanço (mm/min)
L – comprimento da peça que efetivamente sofrerá usinagem (mm)
T – tempo de usinagem (min)
ExercícioExercício
Deseja-se realizar um fresamento de acabamento
em uma superfície de uma peça de aço duro com
uma ferramenta circular de dentes retos de aço
rápido de 12 dentes e 80 mm de diâmetro.
Especifique qual deve ser o avanço e a rotação
34
Especifique qual deve ser o avanço e a rotação
programada para a fresadora, qual a velocidade
de avanço e o tempo gasto na usinagem.
Supondo ainda que o tempo gasto na montagem e
desmontagem da peça seja igual ao tempo gasto
na usinagem, até quantas peças poderiam ser
produzidas em um turno de 8 horas por este
equipamento?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 ensaios de dureza
Aula 4   ensaios de durezaAula 4   ensaios de dureza
Aula 4 ensaios de durezaAlex Leal
 
Aula 26 introdução aos elementos de transmissão
Aula 26   introdução aos elementos de transmissãoAula 26   introdução aos elementos de transmissão
Aula 26 introdução aos elementos de transmissãoRenaldo Adriano
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM ordenaelbass
 
U00 processos de usinagem (visão geral)
U00   processos de usinagem (visão geral)U00   processos de usinagem (visão geral)
U00 processos de usinagem (visão geral)Luiz Furlan
 
Mecânica - Noções Básicas Elementos de Máquinas
Mecânica - Noções Básicas Elementos de MáquinasMecânica - Noções Básicas Elementos de Máquinas
Mecânica - Noções Básicas Elementos de MáquinasJean Brito
 
Processo de Trefilação
Processo de TrefilaçãoProcesso de Trefilação
Processo de TrefilaçãoRafael Leal
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELASELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELASordenaelbass
 
Solidificação de metais
Solidificação de metaisSolidificação de metais
Solidificação de metaisfvnunes
 
Mecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimentoMecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimentoelizethalves
 

Mais procurados (20)

Elementos de fixação e molas
Elementos de fixação e molasElementos de fixação e molas
Elementos de fixação e molas
 
Aplainamento nova
Aplainamento novaAplainamento nova
Aplainamento nova
 
Aula 4 ensaios de dureza
Aula 4   ensaios de durezaAula 4   ensaios de dureza
Aula 4 ensaios de dureza
 
Ensaio de materiais
Ensaio de materiaisEnsaio de materiais
Ensaio de materiais
 
Aula 26 introdução aos elementos de transmissão
Aula 26   introdução aos elementos de transmissãoAula 26   introdução aos elementos de transmissão
Aula 26 introdução aos elementos de transmissão
 
Roscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelasRoscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelas
 
Estampagem
EstampagemEstampagem
Estampagem
 
Processo de Estampagem
Processo de Estampagem Processo de Estampagem
Processo de Estampagem
 
Classificação dos aços
Classificação dos açosClassificação dos aços
Classificação dos aços
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
 
U00 processos de usinagem (visão geral)
U00   processos de usinagem (visão geral)U00   processos de usinagem (visão geral)
U00 processos de usinagem (visão geral)
 
Mecânica - Noções Básicas Elementos de Máquinas
Mecânica - Noções Básicas Elementos de MáquinasMecânica - Noções Básicas Elementos de Máquinas
Mecânica - Noções Básicas Elementos de Máquinas
 
Processo de Trefilação
Processo de TrefilaçãoProcesso de Trefilação
Processo de Trefilação
 
Ajustagem mecânica
Ajustagem mecânicaAjustagem mecânica
Ajustagem mecânica
 
Aula 06 parafusos i
Aula 06   parafusos iAula 06   parafusos i
Aula 06 parafusos i
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELASELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
 
Torno
TornoTorno
Torno
 
Solidificação de metais
Solidificação de metaisSolidificação de metais
Solidificação de metais
 
Mecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimentoMecanismos de endurecimento
Mecanismos de endurecimento
 

Destaque

1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoesLukasSeize
 
Kavacık Cep Telefonu Laptop Ps3 Ps4 Alan Yer
Kavacık Cep Telefonu Laptop Ps3 Ps4 Alan YerKavacık Cep Telefonu Laptop Ps3 Ps4 Alan Yer
Kavacık Cep Telefonu Laptop Ps3 Ps4 Alan YerAziz Kaçmaz
 
Si una investigacion educativa llega a tener prestiguio por que es
Si una investigacion educativa llega a tener prestiguio por que esSi una investigacion educativa llega a tener prestiguio por que es
Si una investigacion educativa llega a tener prestiguio por que esjuan cutiupala
 
Elmer presentation 2017
Elmer presentation 2017Elmer presentation 2017
Elmer presentation 2017Marc Mas Bas
 
الاثار الاقتصادية للغزو العثماني - الضرائب في مصر العثمانية
الاثار الاقتصادية للغزو العثماني  - الضرائب في مصر العثمانيةالاثار الاقتصادية للغزو العثماني  - الضرائب في مصر العثمانية
الاثار الاقتصادية للغزو العثماني - الضرائب في مصر العثمانيةالدكتور محمد مدحت مصطفى
 
Interactive - Pre-Production
Interactive - Pre-ProductionInteractive - Pre-Production
Interactive - Pre-ProductionCharlie Davison
 
Présentation robot coach v7
Présentation robot coach v7Présentation robot coach v7
Présentation robot coach v7HUBert Blavier
 
Geometría y medición
Geometría y medición Geometría y medición
Geometría y medición Perez Kyria
 
Aula de Tolerancia geometrica
Aula de Tolerancia geometrica  Aula de Tolerancia geometrica
Aula de Tolerancia geometrica Nome Sobrenome
 
MISIÓN, VISIÓN Y LOGOS DE EMPRESAS
MISIÓN, VISIÓN Y LOGOS DE EMPRESASMISIÓN, VISIÓN Y LOGOS DE EMPRESAS
MISIÓN, VISIÓN Y LOGOS DE EMPRESASJasbleidy Romero
 

Destaque (19)

Aulas 1 e 2 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 1 e 2 - Introd. a Engenharia de FabricaçãoAulas 1 e 2 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 1 e 2 - Introd. a Engenharia de Fabricação
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
 
Sas
SasSas
Sas
 
Kavacık Cep Telefonu Laptop Ps3 Ps4 Alan Yer
Kavacık Cep Telefonu Laptop Ps3 Ps4 Alan YerKavacık Cep Telefonu Laptop Ps3 Ps4 Alan Yer
Kavacık Cep Telefonu Laptop Ps3 Ps4 Alan Yer
 
Si una investigacion educativa llega a tener prestiguio por que es
Si una investigacion educativa llega a tener prestiguio por que esSi una investigacion educativa llega a tener prestiguio por que es
Si una investigacion educativa llega a tener prestiguio por que es
 
Elmer presentation 2017
Elmer presentation 2017Elmer presentation 2017
Elmer presentation 2017
 
Aulas 3 e 4 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 3 e 4 - Introd. a Engenharia de FabricaçãoAulas 3 e 4 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 3 e 4 - Introd. a Engenharia de Fabricação
 
Aulas 8 e 9 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 8 e 9 - Introd. a Engenharia de FabricaçãoAulas 8 e 9 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 8 e 9 - Introd. a Engenharia de Fabricação
 
الاثار الاقتصادية للغزو العثماني - الضرائب في مصر العثمانية
الاثار الاقتصادية للغزو العثماني  - الضرائب في مصر العثمانيةالاثار الاقتصادية للغزو العثماني  - الضرائب في مصر العثمانية
الاثار الاقتصادية للغزو العثماني - الضرائب في مصر العثمانية
 
Aulas 5, 6 e 7 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 5, 6 e 7 - Introd. a Engenharia de Fabricação Aulas 5, 6 e 7 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 5, 6 e 7 - Introd. a Engenharia de Fabricação
 
Abnt tolerancias geometricas
Abnt tolerancias geometricasAbnt tolerancias geometricas
Abnt tolerancias geometricas
 
4. proposal
4. proposal4. proposal
4. proposal
 
Presentacio Iniciativa Barcelona Open Data - UPF
Presentacio Iniciativa Barcelona Open Data - UPFPresentacio Iniciativa Barcelona Open Data - UPF
Presentacio Iniciativa Barcelona Open Data - UPF
 
Interactive - Pre-Production
Interactive - Pre-ProductionInteractive - Pre-Production
Interactive - Pre-Production
 
Présentation robot coach v7
Présentation robot coach v7Présentation robot coach v7
Présentation robot coach v7
 
Geometría y medición
Geometría y medición Geometría y medición
Geometría y medición
 
Globlization
GloblizationGloblization
Globlization
 
Aula de Tolerancia geometrica
Aula de Tolerancia geometrica  Aula de Tolerancia geometrica
Aula de Tolerancia geometrica
 
MISIÓN, VISIÓN Y LOGOS DE EMPRESAS
MISIÓN, VISIÓN Y LOGOS DE EMPRESASMISIÓN, VISIÓN Y LOGOS DE EMPRESAS
MISIÓN, VISIÓN Y LOGOS DE EMPRESAS
 

Semelhante a Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação

Aula 3 atual. usinagem bruno
Aula 3 atual.   usinagem brunoAula 3 atual.   usinagem bruno
Aula 3 atual. usinagem brunoBruno Guedes
 
Usinagem - Mecânica
Usinagem - MecânicaUsinagem - Mecânica
Usinagem - MecânicaLucasPassos46
 
Usinagem Bruno.pptx
Usinagem Bruno.pptxUsinagem Bruno.pptx
Usinagem Bruno.pptxBruno Guedes
 
Máquina ferramenta - Aula 3.pdf
Máquina ferramenta - Aula 3.pdfMáquina ferramenta - Aula 3.pdf
Máquina ferramenta - Aula 3.pdfBruno Guedes
 
Aula de Introdução a Máquina ferramenta.
Aula de Introdução a Máquina ferramenta.Aula de Introdução a Máquina ferramenta.
Aula de Introdução a Máquina ferramenta.Bruno Guedes
 
Fabricação por usinagem
Fabricação por usinagemFabricação por usinagem
Fabricação por usinagemSérgio Maêda
 
Conceito usinagem 2
Conceito usinagem 2Conceito usinagem 2
Conceito usinagem 2silveiralbs
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânicoPedro Veiga
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricaçãoDjeison secco
 
Equipaamentos de usinagem
Equipaamentos de usinagemEquipaamentos de usinagem
Equipaamentos de usinagemJoíza Nunes
 
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdfaula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdfComprasVariedades
 
Tst fundamentos dos processos de usinagem
Tst   fundamentos dos processos de usinagemTst   fundamentos dos processos de usinagem
Tst fundamentos dos processos de usinagemBolivar Motta
 
Torneamentofinal
TorneamentofinalTorneamentofinal
Torneamentofinalvarleycanaa
 
Torneamento Final
Torneamento FinalTorneamento Final
Torneamento Finalfsoliveira
 

Semelhante a Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação (20)

Aula 3 atual. usinagem bruno
Aula 3 atual.   usinagem brunoAula 3 atual.   usinagem bruno
Aula 3 atual. usinagem bruno
 
Usinagem - Mecânica
Usinagem - MecânicaUsinagem - Mecânica
Usinagem - Mecânica
 
Usinagem Bruno.pptx
Usinagem Bruno.pptxUsinagem Bruno.pptx
Usinagem Bruno.pptx
 
03 torneamento
03 torneamento03 torneamento
03 torneamento
 
Máquina ferramenta - Aula 3.pdf
Máquina ferramenta - Aula 3.pdfMáquina ferramenta - Aula 3.pdf
Máquina ferramenta - Aula 3.pdf
 
Aula de Introdução a Máquina ferramenta.
Aula de Introdução a Máquina ferramenta.Aula de Introdução a Máquina ferramenta.
Aula de Introdução a Máquina ferramenta.
 
Fabricação por usinagem
Fabricação por usinagemFabricação por usinagem
Fabricação por usinagem
 
Conceito usinagem 2
Conceito usinagem 2Conceito usinagem 2
Conceito usinagem 2
 
Brochamento
BrochamentoBrochamento
Brochamento
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânico
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricação
 
Apostila de usinagem
Apostila de usinagemApostila de usinagem
Apostila de usinagem
 
Equipaamentos de usinagem
Equipaamentos de usinagemEquipaamentos de usinagem
Equipaamentos de usinagem
 
torno usinagem.ppt
torno usinagem.ppttorno usinagem.ppt
torno usinagem.ppt
 
Apostila usinagem lmp
Apostila usinagem lmpApostila usinagem lmp
Apostila usinagem lmp
 
Apostila usinagem lmp
Apostila usinagem lmpApostila usinagem lmp
Apostila usinagem lmp
 
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdfaula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
aula-4-forjamento-e-estampagem.pdf
 
Tst fundamentos dos processos de usinagem
Tst   fundamentos dos processos de usinagemTst   fundamentos dos processos de usinagem
Tst fundamentos dos processos de usinagem
 
Torneamentofinal
TorneamentofinalTorneamentofinal
Torneamentofinal
 
Torneamento Final
Torneamento FinalTorneamento Final
Torneamento Final
 

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção (20)

Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da QualidadeAula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da Qualidade
 
Aula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da QualidadeAula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da Qualidade
 
Aula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da QualidadeAula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da Qualidade
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 

Último

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 

Último (20)

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 

Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO –CDSA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Prof.: João Leite USINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEMUSINAGEM
  • 2. HistóricoHistórico Milhares de anos a.C. os povos antigos descobriram a possibilidade de transformação do movimentação em rotação. Esse processo ficou conhecido como furação de corda puxada. 2 A furação de corda puxada possibilitava a furação a partir do atrito de uma peça em outra, levando à remoção de material, PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DOS PROCESSOS DE USINAGEM.
  • 3. Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação Pode-se dividir os processos de fabricação de peças metálicas em dois grandes grupos: • Os processos onde as peças são obtidas a partir da remoção de material; 3 partir da remoção de material; • Os processos onde as peças são obtidas sem a remoção de material. Os processos onde ocorre a remoção de material são chamados de USINAGEM, sendo um dos processos de fabricação mais populares do mundo.
  • 4. UsinagemUsinagem Definição: Processo que ao conferir formas, dimensões e acabamento a um material, transformando-o em uma peça, produzem cavaco. 4 em uma peça, produzem cavaco. • Por cavaco entende-se a quantidade de material retirado, retirado por uma ferramenta específica e que se caracteriza por uma forma geométrica irregular. Cerca de 10% em peso, do material usado para fabricação por usinagem, vira cavaco. Esse material pode ser retornar ao processo, a partir de nova fundição.
  • 5. UsinabilidadeUsinabilidade • A retirada do material e a geração do cavaco durante o processo de usinagem comumente ocorre de maneira diferente. • Enquanto alguns materiais podem ser trabalhados facilmente, outros apresentam problemas tais como: 5 facilmente, outros apresentam problemas tais como: Empastamento, desgaste rápido da ferramenta, mau acabamento, necessidade de grande potência para o corte, etc. • A maior ou menor dificuldade de usinagem está ligada ao que se chama de usinabilidade. A usinabilidade pode ser definida como sendo o grau de dificuldade que determinado material apresenta para ser usinado.
  • 6. UsinabilidadeUsinabilidade • A usinabilidade não depende apenas das características do material, mas também, de outros parâmetros da usinagem, tais como: • Refrigeração; 6 • Refrigeração; • rigidez do sistema máquina-ferramenta, das características da ferramenta; • tipo de operação, etc. • Assim, dependendo das condições de usinagem um mesmo material poderá ter variações em sua usinabilidade.
  • 7. UsinabilidadeUsinabilidade As características de processo juntamente com as características dos materiais vão ter influência significativa sobre: · Vida da ferramenta; 7 · Força de corte; · Potência consumida;
  • 8. UsinabilidadeUsinabilidade • Esses parâmetros servem para definir o custo do trabalho de usinagem. • A vida da ferramenta entre duas afiações sucessivas tem grande influência no custo de operação. 8 operação. • A força e a potência limitam as dimensões máximas de corte e, portanto, o volume de material removido por hora-máquina. • A exigência de um acabamento de alta qualidade poderá influir, também, no custo de usinagem.
  • 9. Movimentos de usinagemMovimentos de usinagem É o movimento entre a ferramenta e a peça que provoca remoção de cavaco durante uma única rotação ou um curso da ferramenta. Movimento de corte 9Fonte: Fernando Penteado
  • 10. Movimentos de usinagemMovimentos de usinagem É o movimento entre a ferramenta e a peça que juntamente com o movimento de corte possibilita uma remoção contínua do cavaco. Movimento de avanço 10Fonte: Fernando Penteado
  • 11. Movimentos de usinagemMovimentos de usinagem É o movimento que gera a penetração da ferramenta na peça determinando a espessura da camada de cavaco a ser removido. Movimento de ajuste (penetração) 11Fonte: Fernando Penteado MOVIMENTO DE AJUSTE
  • 12. Movimentos de usinagemMovimentos de usinagem Movimento efetivo de corte 12 SOMATÓRIO do movimento de corte, avanço e penetração! Fonte: Fernando Penteado
  • 13. Processos convencionais de usinagemProcessos convencionais de usinagem Na realidade as peças podem ser produzidas com ou sem a remoção de material (cavaco). Todos os processos onde há produção de cavaco SÃO PROCESSOS DE USINAGEM. 13
  • 14. Principais propriedades mecânicas dosPrincipais propriedades mecânicas dos materiaismateriais • RESISTÊNCIA • É a carga máxima por unidade de área suportada pelo material, a partir da qual haverá alguma mudança. Ex: Limite de escoamento, elástico, tensão máxima e resistência a ruptura. 14 tensão máxima e resistência a ruptura. • DUCTIBILIDADE • Representa o quanto um material poder ser deformado antes de romper. • DEFORMAÇÃO • É a mudança dimensional que se verifica no material como resultado da carga aplicada.
  • 15. Principais propriedades mecânicas dosPrincipais propriedades mecânicas dos materiaismateriais • TENACIDADE • É a quantidade de energia que um material pode absorver antes de quebrar (fraturar). • DEFORMAÇÃO PLÁSTICA 15 • DEFORMAÇÃO PLÁSTICA • É a deformação a partir da qual o material deformam-se permanentemente, perdendo a capacidade de voltar a situação anterior à aplicação da carga.
  • 16. TorneamentoTorneamento O torneamento é um processo mecânico de usinagem destinado a obtenção de superfícies de revolução com o auxílio de uma ou mais ferramentas monocortantes. 16 ferramentas monocortantes. “no torneamento a peça gira em torno do eixo principal de rotação da máquina e a ferramenta se desloca simultaneamente segundo uma trajetória coplanar com o eixo referido”.
  • 17. Torneamento convencionalTorneamento convencional • Homem executa a tarefa, “comando-a-comando”. Vantagens - Baixo custo; - viável para produção em baixa 17 escala. Por outro lado - Baixo controle dimensional; - Acabamento superficial regular; - Alta dependência do homem.
  • 18. Torneamento CNC (Torneamento CNC (CComandoomando NNuméricoumérico CComputadorizado)omputadorizado) • Homem programa a máquina. Máquina executa a tarefa sem a necessidade da presença do homem. Vantagens - ótimo acabamento 18 A precisão de tal máquinas chega a ser tão pequena quanto 1 mícron. - ótimo acabamento superficial; -Maior controle dimensional; - ocorre sem a presença do homem. Por outro lado - É mais caro - Só é viável para produção em escala
  • 19. Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento Quanto à trajetória, o torneamento pode ser dividido em: • Retilíneo Processo de torneamento no qual a ferramenta se desloca segundo uma trajetória retilínea. 19 segundo uma trajetória retilínea. • Curvilíneo Processo de torneamento no qual a ferramenta se desloca segundo uma trajetória curvilínea.
  • 20. Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento • Faceamento; • Sangramento; • Cilindragem; 20 • Fabricação de rosca; • Perfilamento.
  • 21. Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento Movimento de avanço da ferramenta se dá no sentido transversal ao eixo de rotação da peça. Sua finalidade é a obtenção de uma superfície plana. Faceamento 21 finalidade é a obtenção de uma superfície plana.
  • 22. Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento Sangramento Movimento de avanço da ferramenta se dá no sentido transversal ao eixo de rotação da peça. Sua finalidade é a separação (corte) da peça ou a 22 finalidade é a separação (corte) da peça ou a abertura de um canal.
  • 23. Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento Cilindragem Movimento de avanço da ferramenta se dá no sentido paralelo ao eixo de rotação da peça. Sua finalidade é a obtenção de uma peça com 23 finalidade é a obtenção de uma peça com formato cilíndrico (externo ou interno). No caso da cilindragem interna se obtém um tubo.
  • 24. Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento Fabricação de roscas Movimento de corte e avanço são sincronizados de maneira a gerar os filetes com o passo desejado. Sua finalidade de a produção de roscas externas (parafusos) ou internas (porcas). 24 internas (porcas).
  • 25. Principais atividades de torneamentoPrincipais atividades de torneamento Perfilamento Movimento de avanço ocorre perpendicularmente ao eixo da peça. Sua finalidade é a obtenção de peças com o perfil idêntico ao da ferramenta utilizada (ferramentas especiais). 25 ferramenta utilizada (ferramentas especiais).
  • 26. FresamentoFresamento Processo mecânico de usinagem destinado à obtenção de superfícies quaisquer com o auxílio de ferramentas multicortantes, na qual a ferramenta gira enquanto a peça fica estacionária ou se desloca segundo uma trajetória retilínea qualquer. 26
  • 27. Torneamento xTorneamento x fresamentofresamento TorneamentoTorneamento FresamentoFresamento 27 Peça de trabalho em rotação Ferramenta estacionária Contato constante Espessura de corte constante Força de corte constante Peça de trabalho estacionária Ferramenta em rotação Contato interrompido Espessura de corte variável Força de corte variável FONTE: Curso de CNC Prof. Ricardo Adriano dos Santos
  • 28. AplainamentoAplainamento Processo mecânico de usinagem destinado à obtenção de superfícies por desbaste, a partir de um movimento retilíneo alternativo da peça ou da ferramenta. Existem dois tipos de aplainamento: vertical e horizontal. 28
  • 29. Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem Velocidade de corte Velocidade linear instantânea entre a ponta da ferramenta e a peça em rotação, segundo a direção e sentido de corte. Vc – Velocidade de corte (m/min)TORNEAMENTO / FRESAMENTO 29 Vc = π . d . n 1000 Vc – Velocidade de corte (m/min) d – diâmetro da peça (mm) – para torneamento d – diâmetro da ferramenta (mm) – para fresamento n – número de rotações (rpm) TORNEAMENTO / FRESAMENTO Vc = 2. c. gpm 1000 APLAINAMENTO Vc – Velocidade de corte (m/min) c – percurso da ferramenta (mm) gpm – golpes por minuto
  • 30. Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem Velocidade de corte (algumas tabelas) Ferramenta de aço rápido 30
  • 31. Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem Velocidade de avanço O avanço é a distância percorrida a cada volta da peça ou dente da ferramenta. A velocidade de avanço mede este avanço por unidade de tempo, SENDO O FATOR MAIS IMPORTANTE PARA A QUALIDADE DO ACABAMENTO. 31 Vf = f . n IMPORTANTE PARA A QUALIDADE DO ACABAMENTO. Vf – Velocidade de avanço (mm/min) f – avanço (mm/volta) n – número de rotações (rpm) TORNEAMENTO FRESAMENTO Vf = f . n. z Vf – Velocidade de avanço (mm/min) f – avanço (mm/dente) n – número de rotações (rpm) z – número de dentes (unid.)
  • 32. Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem Velocidade de avanço (algumas tabelas) 32 Os valores do avanço (f) variam de acordo com o material de fabricação das ferramentas e são fornecidos nos catálogos do fabricantes da mesma.
  • 33. Parâmetros de usinagemParâmetros de usinagem Tempo de usinagem Representa o tempo-máquina gasto nas operações de usinagem e serve para determinar a capacidade e necessidade de máquinas para produção de determinado conjunto de peças (mix). 33 Os tempos de preparação (ex: colocação e retirada de peças) variam de acordo com cada empresa, seus operadores e métodos e devem ser determinados A PARTIR DE ESTUDOS DE TEMPO. Eles também influenciarão na capacidade do equipamento. T = L /vf conjunto de peças (mix). Vf – Velocidade de avanço (mm/min) L – comprimento da peça que efetivamente sofrerá usinagem (mm) T – tempo de usinagem (min)
  • 34. ExercícioExercício Deseja-se realizar um fresamento de acabamento em uma superfície de uma peça de aço duro com uma ferramenta circular de dentes retos de aço rápido de 12 dentes e 80 mm de diâmetro. Especifique qual deve ser o avanço e a rotação 34 Especifique qual deve ser o avanço e a rotação programada para a fresadora, qual a velocidade de avanço e o tempo gasto na usinagem. Supondo ainda que o tempo gasto na montagem e desmontagem da peça seja igual ao tempo gasto na usinagem, até quantas peças poderiam ser produzidas em um turno de 8 horas por este equipamento?