SlideShare uma empresa Scribd logo

A Organizacao, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2011/12, Lisboa)

O documento discute a gestão da comunicação e informação nas organizações. Aborda tópicos como a evolução histórica da comunicação, teoria da informação, sistemas de informação, convergência das tecnologias de comunicação e como estas afetam a gestão e estratégia das organizações. Também discute como a comunicação é essencial para o funcionamento e desempenho das organizações.

1 de 63
Baixar para ler offline
Gestão dos Média


Professor Doutor Rui Teixeira dos Santos
               2011/12
Gestão da Organização
    A Organização
Introdução
Em qualquer organização, a comunicação e a informação andam de
mãos dadas pois sem esta forma de comunicação que já foi rudimentar,
não existiam organizações nem empresas. Não só a comunicação como
também informação é parte integrante de uma organização. Mas
atualmente a informação e a comunicação passam por um canal
chamado tecnologia que desde 1900 tem ocupado cada vez mais lugar
na sociedade. Sem este canal nenhuma empresa consegue transmitir ou
receber informações e conhecimentos, empresas e organizações que
têm necessidades básicas tal como os humanos, necessidades essas
como a necessidade do conhecimento. Antigamente os conhecimentos
eram transmitidos através de experiências, valores e crenças entre
pessoas, de pais para filhos, atualmente devido ao crescimento
económico que se tem verificado ao longo dos anos esse tipo de
conhecimento é transmitido informaticamente através de redes
tecnológicas como a internet e mais recentemente por multimédia em
que tais conhecimentos são transmitidos diretamente por plataformas
tecnológicas.
O Emagrecimento, O Encolhimento, A
     Reengenharia e a Subcontratação

Um processo de reestruturação é uma transformação.
Uma combinação de componentes de uma organização
que inclui recursos e fatores de produção, atividade,
tarefas, processos, práticas e procedimentos.
Os processos mais conhecidos são:

-Transformação
-Emagrecimento
-Encolhimento
-Reengenharia
Causas que leva a haver uma necessidade de
                reestruturação

-Estados da natureza;
-Crises resultando das condições ambientais
-Motivações politica
-Desempenhos e resultados de organizações

A contratação e subcontratação de terceiros, para supri
certas atividades são uma consequência política que
reduz drasticamente a “rigidez” dos custos fixos.
- Sectores e tecnologias emergentes

O sector novo elevado grau de incerteza a determinação do volume
de procura e das preferências dos clientes.

As organizações “emergentes” excedem-se oferecendo todas as
variedades do produto e todo o tipo de tecnologias, reajustando-se
continuamente enquanto não conseguem uma relativa estabilidade
da procura e otimizar os custos.

Existem duas realidades diferentes

O Sector ou Industria emergente – onde a incerteza é total quanto à
dimensão do mercado;
A Empresa do processo e do produto de que houve, previamente,
uma avaliação;

Recomendados

Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...
Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...
Organização e tecnologia dos Média, docente: prof. doutor Rui Teixeira Santos...A. Rui Teixeira Santos
 
An Metric of Innovation Analysis. The Case of Telecommunication Enterprise
An Metric of Innovation Analysis. The Case of Telecommunication EnterpriseAn Metric of Innovation Analysis. The Case of Telecommunication Enterprise
An Metric of Innovation Analysis. The Case of Telecommunication Enterprisefabio.prado
 
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply Chain
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply ChainBertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply Chain
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply ChainPaulo Roberto Bertaglia
 
Inovação tecnológica
Inovação tecnológicaInovação tecnológica
Inovação tecnológicaLadyanne Sousa
 
Inovacao ptsjc conceitos
Inovacao ptsjc conceitosInovacao ptsjc conceitos
Inovacao ptsjc conceitoszeusi9iuto
 
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e Sustentabilidade
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e SustentabilidadeKM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e Sustentabilidade
KM Brasil 2011 Paradigma da Sociedade do Conhecimento e SustentabilidadeClaudia Aparecida de Azevedo
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Gestão do Conhecimento e a Inovação Tecnológica nas Organizações
A Gestão do Conhecimento e a Inovação Tecnológica nas OrganizaçõesA Gestão do Conhecimento e a Inovação Tecnológica nas Organizações
A Gestão do Conhecimento e a Inovação Tecnológica nas OrganizaçõesLucas Vasconcelos
 
E-Book Governanca de TI e Internet E-Consulting Corp. 2010
 E-Book Governanca de TI e Internet E-Consulting Corp.  2010 E-Book Governanca de TI e Internet E-Consulting Corp.  2010
E-Book Governanca de TI e Internet E-Consulting Corp. 2010E-Consulting Corp.
 
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasNovos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasFundação Dom Cabral - FDC
 
O ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarialO ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarialCarlos Alves
 
Matos (2006) Perfil profissional na sociedade do conhecimento
Matos (2006) Perfil profissional na sociedade do conhecimentoMatos (2006) Perfil profissional na sociedade do conhecimento
Matos (2006) Perfil profissional na sociedade do conhecimentofcmatosbh
 
Gestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Gestão da Tecnologia da Inovação na LogísticaGestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Gestão da Tecnologia da Inovação na LogísticaAdeildo Caboclo
 
Ti multicasos aprovado_enanpad
Ti multicasos aprovado_enanpadTi multicasos aprovado_enanpad
Ti multicasos aprovado_enanpadzeusi9iuto
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Fundação Dom Cabral - FDC
 
Sistemas de inovacao cassiolato #c&t
Sistemas de inovacao cassiolato #c&tSistemas de inovacao cassiolato #c&t
Sistemas de inovacao cassiolato #c&tHilton M
 
As Tecnologias Da InformaçãO E A Cultura Organizacional Moraes, CáSsia Regi...
As Tecnologias Da InformaçãO E A Cultura Organizacional   Moraes, CáSsia Regi...As Tecnologias Da InformaçãO E A Cultura Organizacional   Moraes, CáSsia Regi...
As Tecnologias Da InformaçãO E A Cultura Organizacional Moraes, CáSsia Regi...Luiz Aquino
 
A convergência tecnológica como ferramenta para o aumento da competitividade...
A convergência tecnológica como ferramenta para o aumento da  competitividade...A convergência tecnológica como ferramenta para o aumento da  competitividade...
A convergência tecnológica como ferramenta para o aumento da competitividade...Alexandre Bento
 
SISTEMAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM NUVEM: A HORA DAS PEQUENAS E MÉDIAS E...
SISTEMAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM NUVEM: A HORA DAS PEQUENAS E MÉDIAS E...SISTEMAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM NUVEM: A HORA DAS PEQUENAS E MÉDIAS E...
SISTEMAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM NUVEM: A HORA DAS PEQUENAS E MÉDIAS E...Artur Todeschini
 
Gestão da Informação & Gestão de Projetos - Vantagem Competitiva
Gestão da Informação & Gestão de Projetos - Vantagem CompetitivaGestão da Informação & Gestão de Projetos - Vantagem Competitiva
Gestão da Informação & Gestão de Projetos - Vantagem CompetitivaMarcelo Augusto Campolina
 
Serviço Público de Televisão - Economia e Gestão dos Media - Prof. Doutor Rui...
Serviço Público de Televisão - Economia e Gestão dos Media - Prof. Doutor Rui...Serviço Público de Televisão - Economia e Gestão dos Media - Prof. Doutor Rui...
Serviço Público de Televisão - Economia e Gestão dos Media - Prof. Doutor Rui...A. Rui Teixeira Santos
 
Diagnóstico da gestão do conhecimento de uma empresa moveleira de timbó – sc
Diagnóstico da gestão do conhecimento de uma empresa moveleira de timbó – scDiagnóstico da gestão do conhecimento de uma empresa moveleira de timbó – sc
Diagnóstico da gestão do conhecimento de uma empresa moveleira de timbó – scj_floriano
 
O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261zeusi9iuto
 

Mais procurados (19)

A Gestão do Conhecimento e a Inovação Tecnológica nas Organizações
A Gestão do Conhecimento e a Inovação Tecnológica nas OrganizaçõesA Gestão do Conhecimento e a Inovação Tecnológica nas Organizações
A Gestão do Conhecimento e a Inovação Tecnológica nas Organizações
 
E-Book Governanca de TI e Internet E-Consulting Corp. 2010
 E-Book Governanca de TI e Internet E-Consulting Corp.  2010 E-Book Governanca de TI e Internet E-Consulting Corp.  2010
E-Book Governanca de TI e Internet E-Consulting Corp. 2010
 
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasNovos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
 
O ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarialO ambiente da comunicação empresarial
O ambiente da comunicação empresarial
 
Matos (2006) Perfil profissional na sociedade do conhecimento
Matos (2006) Perfil profissional na sociedade do conhecimentoMatos (2006) Perfil profissional na sociedade do conhecimento
Matos (2006) Perfil profissional na sociedade do conhecimento
 
Gestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Gestão da Tecnologia da Inovação na LogísticaGestão da Tecnologia da Inovação na Logística
Gestão da Tecnologia da Inovação na Logística
 
Ti multicasos aprovado_enanpad
Ti multicasos aprovado_enanpadTi multicasos aprovado_enanpad
Ti multicasos aprovado_enanpad
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
 
Sistemas de inovacao cassiolato #c&t
Sistemas de inovacao cassiolato #c&tSistemas de inovacao cassiolato #c&t
Sistemas de inovacao cassiolato #c&t
 
Da transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digitalDa transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digital
 
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDCRevista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
 
Governanca de ti
Governanca de tiGovernanca de ti
Governanca de ti
 
As Tecnologias Da InformaçãO E A Cultura Organizacional Moraes, CáSsia Regi...
As Tecnologias Da InformaçãO E A Cultura Organizacional   Moraes, CáSsia Regi...As Tecnologias Da InformaçãO E A Cultura Organizacional   Moraes, CáSsia Regi...
As Tecnologias Da InformaçãO E A Cultura Organizacional Moraes, CáSsia Regi...
 
A convergência tecnológica como ferramenta para o aumento da competitividade...
A convergência tecnológica como ferramenta para o aumento da  competitividade...A convergência tecnológica como ferramenta para o aumento da  competitividade...
A convergência tecnológica como ferramenta para o aumento da competitividade...
 
SISTEMAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM NUVEM: A HORA DAS PEQUENAS E MÉDIAS E...
SISTEMAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM NUVEM: A HORA DAS PEQUENAS E MÉDIAS E...SISTEMAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM NUVEM: A HORA DAS PEQUENAS E MÉDIAS E...
SISTEMAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM NUVEM: A HORA DAS PEQUENAS E MÉDIAS E...
 
Gestão da Informação & Gestão de Projetos - Vantagem Competitiva
Gestão da Informação & Gestão de Projetos - Vantagem CompetitivaGestão da Informação & Gestão de Projetos - Vantagem Competitiva
Gestão da Informação & Gestão de Projetos - Vantagem Competitiva
 
Serviço Público de Televisão - Economia e Gestão dos Media - Prof. Doutor Rui...
Serviço Público de Televisão - Economia e Gestão dos Media - Prof. Doutor Rui...Serviço Público de Televisão - Economia e Gestão dos Media - Prof. Doutor Rui...
Serviço Público de Televisão - Economia e Gestão dos Media - Prof. Doutor Rui...
 
Diagnóstico da gestão do conhecimento de uma empresa moveleira de timbó – sc
Diagnóstico da gestão do conhecimento de uma empresa moveleira de timbó – scDiagnóstico da gestão do conhecimento de uma empresa moveleira de timbó – sc
Diagnóstico da gestão do conhecimento de uma empresa moveleira de timbó – sc
 
O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261
 

Destaque (8)

Mapa 4
Mapa 4Mapa 4
Mapa 4
 
F m
F mF m
F m
 
Targeted h& n
Targeted h& nTargeted h& n
Targeted h& n
 
Doi Dep
Doi DepDoi Dep
Doi Dep
 
Thiet ke print ad -VinaCapital Printad 04
Thiet ke print ad -VinaCapital Printad 04Thiet ke print ad -VinaCapital Printad 04
Thiet ke print ad -VinaCapital Printad 04
 
An Duc Credentials
An Duc CredentialsAn Duc Credentials
An Duc Credentials
 
Scm
ScmScm
Scm
 
Báo cáo công việc Danapha
Báo cáo công việc DanaphaBáo cáo công việc Danapha
Báo cáo công việc Danapha
 

Semelhante a A Organizacao, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2011/12, Lisboa)

Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...A. Rui Teixeira Santos
 
Inovação tecnológica
Inovação tecnológicaInovação tecnológica
Inovação tecnológicaLadyanne Sousa
 
AULA 3 SOCIEDADE DO CONHECIMENTO.pdf
AULA 3 SOCIEDADE DO CONHECIMENTO.pdfAULA 3 SOCIEDADE DO CONHECIMENTO.pdf
AULA 3 SOCIEDADE DO CONHECIMENTO.pdfKellyCristianyRodrig
 
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por BertagliaTecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por BertagliaPaulo Roberto Bertaglia
 
Gestão e liderança por autenticidade
Gestão e liderança por autenticidadeGestão e liderança por autenticidade
Gestão e liderança por autenticidadeCoach Érika Fernandes
 
NotaTecnica_Sustentabilidade
NotaTecnica_SustentabilidadeNotaTecnica_Sustentabilidade
NotaTecnica_SustentabilidadeDaniela Santos
 
Inteligência Competitiva
Inteligência CompetitivaInteligência Competitiva
Inteligência Competitivafernandorafa
 
Exercicio 1.3
Exercicio 1.3Exercicio 1.3
Exercicio 1.3pfranchi
 
Aula 2 MBA Gestão e Negpocios turma 14
Aula 2 MBA Gestão e Negpocios turma 14Aula 2 MBA Gestão e Negpocios turma 14
Aula 2 MBA Gestão e Negpocios turma 14Gustavo Gonzalez
 
Atps gestao do conhecimento
Atps gestao do conhecimentoAtps gestao do conhecimento
Atps gestao do conhecimentoestela monteiro
 
Dados, informação e conhecimento
Dados, informação e conhecimentoDados, informação e conhecimento
Dados, informação e conhecimentoFrancisco Restivo
 
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisEducação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisLuciano Sathler
 
DESENVOLVER IDEIAS INOVADORAS.ppt
DESENVOLVER IDEIAS INOVADORAS.pptDESENVOLVER IDEIAS INOVADORAS.ppt
DESENVOLVER IDEIAS INOVADORAS.pptBentoGilUane
 

Semelhante a A Organizacao, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2011/12, Lisboa) (20)

Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 
Inovação tecnológica
Inovação tecnológicaInovação tecnológica
Inovação tecnológica
 
AULA 3 SOCIEDADE DO CONHECIMENTO.pdf
AULA 3 SOCIEDADE DO CONHECIMENTO.pdfAULA 3 SOCIEDADE DO CONHECIMENTO.pdf
AULA 3 SOCIEDADE DO CONHECIMENTO.pdf
 
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por BertagliaTecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
 
Projeto gestão fucap
Projeto gestão fucapProjeto gestão fucap
Projeto gestão fucap
 
Encontro SBGC - GESTÃO DO CONHECIMENTO E DA INFORMAÇÃO
 Encontro SBGC - GESTÃO DO CONHECIMENTO E DA INFORMAÇÃO Encontro SBGC - GESTÃO DO CONHECIMENTO E DA INFORMAÇÃO
Encontro SBGC - GESTÃO DO CONHECIMENTO E DA INFORMAÇÃO
 
Gestão e liderança por autenticidade
Gestão e liderança por autenticidadeGestão e liderança por autenticidade
Gestão e liderança por autenticidade
 
NotaTecnica_Sustentabilidade
NotaTecnica_SustentabilidadeNotaTecnica_Sustentabilidade
NotaTecnica_Sustentabilidade
 
Inteligência Competitiva
Inteligência CompetitivaInteligência Competitiva
Inteligência Competitiva
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do ConhecimentoGestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
Exercicio 1.3
Exercicio 1.3Exercicio 1.3
Exercicio 1.3
 
Aula 2 MBA Gestão e Negpocios turma 14
Aula 2 MBA Gestão e Negpocios turma 14Aula 2 MBA Gestão e Negpocios turma 14
Aula 2 MBA Gestão e Negpocios turma 14
 
Fundamentos da Gestão de TI
Fundamentos da Gestão de TIFundamentos da Gestão de TI
Fundamentos da Gestão de TI
 
Atps gestao do conhecimento
Atps gestao do conhecimentoAtps gestao do conhecimento
Atps gestao do conhecimento
 
Dados, informação e conhecimento
Dados, informação e conhecimentoDados, informação e conhecimento
Dados, informação e conhecimento
 
Estudo de caso padaria
Estudo de caso   padariaEstudo de caso   padaria
Estudo de caso padaria
 
Catalogo das Decisões 2013
Catalogo das Decisões 2013Catalogo das Decisões 2013
Catalogo das Decisões 2013
 
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisEducação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
 
DESENVOLVER IDEIAS INOVADORAS.ppt
DESENVOLVER IDEIAS INOVADORAS.pptDESENVOLVER IDEIAS INOVADORAS.ppt
DESENVOLVER IDEIAS INOVADORAS.ppt
 

Mais de A. Rui Teixeira Santos

DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptxDireito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptxA. Rui Teixeira Santos
 
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdfERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdfA. Rui Teixeira Santos
 
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....A. Rui Teixeira Santos
 
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...A. Rui Teixeira Santos
 
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...A. Rui Teixeira Santos
 
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...A. Rui Teixeira Santos
 
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...A. Rui Teixeira Santos
 
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)A. Rui Teixeira Santos
 
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOADireito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOAA. Rui Teixeira Santos
 
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...A. Rui Teixeira Santos
 
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito empresarial 2019 3 parte - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
Direito empresarial 2019  3 parte  - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...Direito empresarial 2019  3 parte  - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
Direito empresarial 2019 3 parte - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...A. Rui Teixeira Santos
 
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01..."O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPDireito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPA. Rui Teixeira Santos
 
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPDireito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPA. Rui Teixeira Santos
 
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...A. Rui Teixeira Santos
 

Mais de A. Rui Teixeira Santos (20)

DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
 
SEBENTA DE DIREITO DA ECONOMIA.pdf
SEBENTA DE DIREITO DA ECONOMIA.pdfSEBENTA DE DIREITO DA ECONOMIA.pdf
SEBENTA DE DIREITO DA ECONOMIA.pdf
 
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptxDireito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
 
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdfERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
 
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
 
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
 
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
 
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
 
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
 
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
 
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOADireito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
 
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
 
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
 
Direito empresarial 2019 3 parte - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
Direito empresarial 2019  3 parte  - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...Direito empresarial 2019  3 parte  - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
Direito empresarial 2019 3 parte - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
 
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
 
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
 
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01..."O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
 
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPDireito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
 
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPDireito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
 
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
 

Último

Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...azulassessoriaacadem3
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
ATIVIDADE 1 - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIA DO DIREITO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIA DO DIREITO - 51/2024excellenceeducaciona
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...leitev350
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
ATIVIDADE 1 - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIA DO DIREITO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
 

A Organizacao, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2011/12, Lisboa)

  • 1. Gestão dos Média Professor Doutor Rui Teixeira dos Santos 2011/12
  • 2. Gestão da Organização A Organização
  • 3. Introdução Em qualquer organização, a comunicação e a informação andam de mãos dadas pois sem esta forma de comunicação que já foi rudimentar, não existiam organizações nem empresas. Não só a comunicação como também informação é parte integrante de uma organização. Mas atualmente a informação e a comunicação passam por um canal chamado tecnologia que desde 1900 tem ocupado cada vez mais lugar na sociedade. Sem este canal nenhuma empresa consegue transmitir ou receber informações e conhecimentos, empresas e organizações que têm necessidades básicas tal como os humanos, necessidades essas como a necessidade do conhecimento. Antigamente os conhecimentos eram transmitidos através de experiências, valores e crenças entre pessoas, de pais para filhos, atualmente devido ao crescimento económico que se tem verificado ao longo dos anos esse tipo de conhecimento é transmitido informaticamente através de redes tecnológicas como a internet e mais recentemente por multimédia em que tais conhecimentos são transmitidos diretamente por plataformas tecnológicas.
  • 4. O Emagrecimento, O Encolhimento, A Reengenharia e a Subcontratação Um processo de reestruturação é uma transformação. Uma combinação de componentes de uma organização que inclui recursos e fatores de produção, atividade, tarefas, processos, práticas e procedimentos. Os processos mais conhecidos são: -Transformação -Emagrecimento -Encolhimento -Reengenharia
  • 5. Causas que leva a haver uma necessidade de reestruturação -Estados da natureza; -Crises resultando das condições ambientais -Motivações politica -Desempenhos e resultados de organizações A contratação e subcontratação de terceiros, para supri certas atividades são uma consequência política que reduz drasticamente a “rigidez” dos custos fixos.
  • 6. - Sectores e tecnologias emergentes O sector novo elevado grau de incerteza a determinação do volume de procura e das preferências dos clientes. As organizações “emergentes” excedem-se oferecendo todas as variedades do produto e todo o tipo de tecnologias, reajustando-se continuamente enquanto não conseguem uma relativa estabilidade da procura e otimizar os custos. Existem duas realidades diferentes O Sector ou Industria emergente – onde a incerteza é total quanto à dimensão do mercado; A Empresa do processo e do produto de que houve, previamente, uma avaliação;
  • 7. - Conceito de gestão estratégia da tecnologia Gestão, estratégia e tecnologia são realidades indissociáveis na administração das organizações. A Tecnologia define-se: Um corpo de conhecimentos. Diz respeito à conceção e conhecimento específico de métodos e técnicas de trabalho aplicáveis na produção de produtos. Diz respeito a processos e produtos; A existência de um corpo de conhecimentos tecnológicos é condição necessária. Qualquer mudança tecnológica só se processa com a aplicação de novos conhecimentos tecnológicos, dai surge a inovação.
  • 8. Inovação – Aplicação de novos conhecimentos. A crescente diversidade e complexidade das tecnologias levam a recorrer cada vez mais aos conhecimentos científicos. O espaço estratégico de uma empresa é definido por três vetores, variáveis ou dimensão tecnológica. Potencial de desenvolvimento Presença de mercado Grau de domínio tecnológico A presença do mercado só é possível se a empresa for competitiva.
  • 9. O desempenho empresarial pode ser de acordo com Metcalfe e Gibbons) avaliado em três: Eficiência Competência/ aptidão Criatividade Para a formulação de uma estratégia tecnológica é necessário: Identificação das tecnologias existentes na empresa; In verificação das tecnologias potencialmente aplicáveis de outros sectores e sectores de desenvolvimento; Previsão da evolução provável das tecnologias principais; Determinação das tecnologias centrais para a aquisição de competências de vantagens competitivas relevantes; Analise das capacidades tecnológicas relativas e análise de custos; É necessário que a empresa seja Forte, Favorável e Defensável para garantir o Ciclo da vida, o Arranque e o início de crescimento e atingir a maturidade. Esta é a máxima da Matriz 3x3.
  • 10. Existem várias Opções Tecnológicas: Distribuição de risco Opções estratégicas Mas para o autor são: Aplicar tecnologia existente Substituir a tecnologia por uma melhor Aplicar tecnologia externa Melhorar a tecnologia existente Aplicar a tecnologia existente
  • 11. Vai originar o aumento de eficiência técnica derivada da introdução de novas tecnologias, A aprendizagem tecnológica implica um esforço deliberado de acumulação tecnológica que conduz a Estratégias Explicitas; Vantagens Tecnologia dos elos em cadeia; Tecnologia de intermediação; Tecnologia intensiva; Para elaborar uma estratégica tecnológica para uma organização seguem-se cinco passos: Definir os interesses centrais do negócio; Analisar a concorrência; Analisar as perspetivas do desenvolvimento tecnológico; Selecionar uma estratégia genérica optimizadora; Elaborar o plano;
  • 12. A construção de Planos Estratégicos e de planos de progresso Selecionar a melhor opção entre um conjunto de opções; Dar relevância ao impacto do Plano no Sistema de informação; Assegurar a vantagem competitiva sustentável; Assegurar a excelência da organização; - Papel das novas tecnologias na organização do trabalho O ajustamento da oferta à procura de produtos é realizado nos mercados. As necessidades dos clientes satisfazem-se por produtos e os produtos são produzidos e melhoras em função das tecnologias empregues. Sob esta máxima a inovação tecnológica passa a fazer parte do mundo económico. A importância da Inovação tem vindo a aumenta devido a: Redução do ciclo de vida dos produtos; Abrandamento do crescimento dos mercados; Maior Rapidez de resposta dos concorrentes Sub segmentação dos consumidores Maior exigência dos consumidores
  • 13. O Objetivo principal da empresa é a aquisição e reforço de competências centrais de modo a gerar vantagens competitivas. A organização sustenta a liderança centrando o seu esforço nos seguintes domínios: Competência adquirida; Liderança pelos custos; Barreiras à difusão da inovação Barreiras à entrada de concorrentes Criação de padrões de conformidade dificilmente copiáveis ou seguidos pela concorrência Devido á necessidade de inovar que decorre a corrida às novas tecnologias para a organização do trabalho; A inovação surge associado aos progressos.
  • 14. - Enquadramento A evolução científica e o desenvolvimento tecnológico produziram a área do conhecimento, aumento das competências/ capacidades de toda a sociedade humana a nível individual e coletivo A abertura de fronteiras dá origem a uma mobilidade humana e das trocas, sobretudo de ideias e informação. Surgem agrupamento de países (NAFTA; MECOSUL;ASEAN), bem como começaram a emergir novas potências económicas, que atualmente são responsáveis pelas maiores taxas de crescimento económico do Mundo. O desenvolvimento das TIC – Tecnologias de Informação e Comunicação da origem a uma competição desenfreada, criaram uma incontornável TEIS inextricável dando origem À GLOBALIZAÇÂO.
  • 15. - A informação A informação quanto maior for a incerteza, maior a informação, porem não havendo incerteza não haverá informação. Um sistema de informação consiste num qualquer sistema que recebe fluxos de informação sob forma de dados que os processa, transforma e faculta a informação produto. A informação é um dos recursos fundamentais das organizações. A teoria da informação A teoria técnica da informação é o conteúdo da informação que é o portador de valor. Tem como base o aparecimento o aparecimento da tecnologia digital que possibilita a conversação da informação em bits permitindo que seja armazenada, comprimida, manipulada e transportada. A informação constitui a matéria-prima do conhecimento e da comunicação.
  • 16. O BIT é a unidade usada para contar alternativas. Posteriormente surge a fórmula da incerteza e estabelece uma relação direta com a probabilidade de ocorrer uma dada alternativa. Define informação como um conjunto de dados processados deforma a serem compreensíveis para o recetor e que sejam de real ou compreensível valor para decisões correntes ou prospetivas. São suportes os materiais em que a informação é Registada.
  • 17. – A COMUNICAÇÃO Comunicar significa tornar comum, associar ou por em contacto. Neste sentido traduz a ideia de comunhão o ato de transformar algo individual em coletivo. Ao comunicarmos damos o início a um processo pelo qual transmitimos e recolhemos ideias, informação, sentimentos, ou experiências aos outros que também conhecem o significado quando se lhe diz, faz ou pensa. A comunicação é uma condição social e cultural que aproxima os homens. O papel determinante que a comunicação sempre desempenhou na vida das comunidades impõe que a abordagem da origem da comunicação se faça na perspetiva das grandes transformações sociais e económicas que marcaram ou marcam a história da humanidade (Exemplos de catástrofes naturais em que a capacidade de resposta em situações de emergência individual ou coletiva tem carácter predominante). As formas de comunicação foram e vão sendo aperfeiçoadas para satisfazer as necessidades de natureza económica, social, cultural e política. Comunicação sempre foi um desenvolvimento e a definição de novos rumos.
  • 18. Existem 4 fazes históricas da comunicação: Esta tem início antes de 1900 até 1990. 1ª Fase Antes de 1900 - Fase pré científica 2ª Fase 1900-1940 - Fase da preparação, as escolas de jornalismo e de ciência política incidiram os seus estudos sobre a comunicação de massa e seus efeitos 3ª Fase 1940-1970 - Fase da identificação e consolidação em que a comunicação é caracterizada como uma área de estudo autónoma. 4ª Fase 1970-1990 - Fase da maturidade e inovação (a proliferação da utilização do método cientifico e estudos experimentais, sociométrica, análise conteúdo e modelos teóricos.) A descrição do ato de comunicar foi formalmente apresentada por Harold Lasswell em que faz a descrição do ato de comunicar.
  • 19. - Existe um modelo básico (ou forma alternativa) da comunicação em que estão presentes os 5 principais componentes do processo comunicativo: Emissor ou codificador – Conjunto de mecanismos ou meios técnicos utilizados na emissão ou transmissão de mensagem, é o individual ou coletivo. Código – consiste num conjunto de sinais, signos ou símbolos que permite transformar o pensamento em informação. Estes devem ser organizados e combinados de forma a possibilitar a transmissão de mensagem sem perturbações (ruídos físicos, psicológicos ou subjetivos (modo de interpretação). Mensagem – Sequência de signos que traduzem o objetivo da fonte (emissor). Esta mensagem pode revestir natureza sonora, luminosa, elétrica, gestual, etc., sendo a mais comum a voz humana. Canal – Todo o suporte físico indispensável à transmissão da mensagem. É o transportador dos sinais enviados. Recetor/destinatário/descodificador – Este recebe, compreende o conteúdo da mensagem. Também ele é individual ou coletivo.
  • 20. Em todo este processo existem perspetivas conceptuais da comunicação: Mecanicista (aspetos físicos) Psicológica (interpretação) Interacçionista (comportamento instrumental que emerge da interação social) Simbólica (o que é comunicada por símbolos Eto-ecológica (comunicação animal) Interativa- sistémica (sequência do comportamento comunicativo) Política (comunicação é a expressão do poder)
  • 21. A comunicação, a sua finalidade, destina-se a satisfazer fins pessoais e sociais Comunicamos para estra informados e para informar os outros, transmitindo valores, comportamentos, atitudes e crenças. Comunicamos por prazer, para realizar tarefas de grupo para inovar e para fazer funcionar as organizações. A falta dela pode ocasionar problemas. “ O uso do tempo de comunicação é hoje objeto de estudo nas técnicas de gestão das organizações.”
  • 22. - A comunicação na gestão das organizações Dois níveis de análise no estudo da comunicação: Comportamental individual Sistémico – operacional: Comunicações Internas - Análise do clima comunicacional Análise do clima organizacional Comunicações externas - Análise da relação entre o ambiente e a organização
  • 23. - Convergência dos sistemas e Tecnologias de informação e comunicação (SI/TI) Plano de Convergência – Livro verde da convergência (Politica normativa da convergência tecnológica nos sectores das telecomunicações, da comunicação social e das tecnologias da informação.) A ligação começa a ter relevância não só a nível tecnológico como a nível do mercado pelo modo como o consumidor usará os novos produtos e a forma como irá interagir com a sociedade. O desenvolvimento tecnológico, a gestão e a estratégia estão a par e passo e são elementos indispensáveis de uma organização. Tal como o conhecimento, a tecnologia passou a ter um papel fundamental quando de fala na gestão da organização. O desenvolvimento do mercado só depende da estratégia na oferta e/ou criação de novos produtos destinados aos consumidores gerando também comportamentos nos consumidores.
  • 24. Identificação das motivações para o fenómeno das alianças e fusões no âmbito mundial: consolidação das atividades existentes e a diversificação dos mercados. Esta convergência recai sobre o domínio tecnológico e ao nível do mercado. O consumidor tem um papel fundamental nesta convergência porque ele é que usará os serviços colocados á sua disposição pelo mercado quer produtos existentes ou aqueles que estão em desenvolvimento. O seu comportamento e a disponibilização de produtos influência no desenvolvimento do mercado. A tecnologia tem ocupado um papel importante na sociedade gerando comportamentos “instáveis” no consumidor. É colocado á sua disposição quer de forma direta quer de forma indireta, novos serviços cada vez mais e de maior escolha pois são cada vez mais diversificados tecnologicamente.
  • 25. A inovação tecnológica tem vindo a ser considerada como fator e fonte privilegiada do desenvolvimento económico de um país, tendo o progresso técnico assumido nas sociedades contemporâneas um papel básico. Nenhum domínio ou atividades da vida social, politica, económica está livre de influência da tecnologia. Partimos do principio que uma economia é tanto mais desenvolvida quanto maior for a sua capacidade de aceder ou criar novas tecnologias e a sua consequente utilização. Sistemas e tecnologia deram origem á multimédia. Multimédia a está reservada á informação disponibilizada por um mesmo medo e modificável interactivamente, em tempo real, por qualquer utilizador. O uso eficiente deste serviço só será possível quando houver excesso de oferta e esta oferta seja quantitativamente superior. A crescente epidemia da tecnologia digital com qualidade superior à analógica produziu efeitos significativos a nível da investigação e no desenvolvimento de novos produtos e plataformas cruzadas por parte dos sectores da comunicação e da informação das empresas.
  • 26. - Gestão da informação VS Gestão de conhecimento A gestão de informação começa por interligar ou aproximar dois pontos de informação através de redes, após esta interligação poderá ser integrado no sistema de conhecimento de uma organização. Definição de gestão de conhecimento: conjunto de estratégias e processos de identificação, captura e valorização do conhecimento para aumentar a competência. A partilha e transferência de conhecimentos são vitais para uma empresa para seu conhecimento e capacidade de competir com outras empresas mas esta não pode ser uma base de dados (dados do negócio) de uma empresa em que todos os trabalhadores têm conhecimento, daí as empresas terem que estar a par de desenvolvimento tecnológico pois estes conhecimentos adquirem-se também através de locais na internet, parceiros de negócios, empregados e mesmo a base de dados, isto é, solucionado com processos de negócio.
  • 27. Este processo tem 4 pontos-chave: 1. Conceção e desenvolvimento de produto/serviço 2. Gestão de consumidores e assunto 3. Gestão e desenvolvimento de R.H. 4. Análise e planeamento do negócio Coaching É um instrumento cada vez mais consagrado e aplicado no mundo empresarial, surgindo como resposta às crescentes e cada vez mais complexas solicitações sobre os gestores de topo e sobre as organizações modernas, nomeada e respetivamente, maior capacidade de liderança e de aprendizagem. 57% das empresas mais admiradas da Fortune 500 beneficiaram com as vantagens trazidas pelo coaching.
  • 28. No coaching organizacional, cada interação deve considerar simultaneamente dois focos - a organização e o executivo. Os principais e mais reputados líderes empresariais mundiais utilizam coaches externos (coaching individual) e fomentam contextos organizacionais propícios ao coaching (coaching contextual). São cada vez mais os executivos que consideram o coaching no seu devido lugar, ou seja, como um processo de obtenção de melhores resultados através da melhor realização do potencial do próprio executivo e como instrumento de superação pessoal, e não como um indiciador de dificuldades de gestão.
  • 29. A participação de parceiros é importante para o sucesso da organização Alvos: 1. Sistemas de conceção dos sistemas integradores dos clientes 2. Aplicação para confinadas e reduzidas necessidades de negócio e mercados produzidas por vendedores independentes de aplicações informáticas 3. Sistemas dos melhores dos melhores criados por fornecedores de soluções “ A gestão do conhecimento converte experiência e informação em resultados”
  • 30. Objetivos da conceção da gestão do conhecimento • Centrar-se na informação crítica • Integrar a informação proveniente duma diversidade de fontes • Valorizar a informação dos outros • Trabalhar com a mesma informação no escritório ou em movimento Metas de gestão do conhecimento: Filtragem, integração, partilha e acesso externo
  • 31. – A INFORMÁTICA A informática define-se como Tratamento Automático e Racional da Informação. A história da Informática está associada à necessidade do ser humano em registar e processar a informação o mais rapidamente possível, dada a fraca capacidade prática de as memorizar e processar com rigor no cérebro humano. O aparecimento da tecnologia digital possibilitou a conversão da informação em BITS, permitindo o armazenamento, a compressão, a manipulação, o transporte e acesso a todo momento e em qualquer local.
  • 32. ANTES DE MAIS, A ELETRICIDADE É certo que todo o desenvolvimento tecnológico respeitantes à informática não seria possível sem a descoberta e o conhecimento da eletricidade. Pesquisei e não fiquei a saber nem em livros, nem na internet que alguma vez existiu computadores, telemóveis, máquinas de calcular que funcionaram a água ou carvão. Breve História da Eletricidade e Eletrónica Séc. IV a. C. Aristóteles referiu-se ao fenómeno magnético de atração de um íman sobre a magnetite 600 a. C. Os gregos descobriram o âmbar (elektron) – após fricção atraiam corpos leves – THALES de Mileto (Séc. VII a. C.) Séc. XVIII GILBERT, médico da Rainha Isabel, investigou a existência de outras substâncias com o mesmo comportamento do âmbar – vidro, cristais, enxofre, pedras preciosas, goma laca, resina, etc. Após 1820 AMPIÈRE descobre a eletrodinâmica
  • 33. 1827 AMPIÈRE reúne a eletricidade e magnetismo numa só ciência – a eletricidade; FARADAY cria a primeira máquina elétrica. 1855 MAXWELL estabelece a teoria eletromagnética 1861 à 1870 O alemão Philip REISS constrói a primeira linha telefónica (curta); 1º máquina dínamo elétrica construída por GRAMME; Aparecimento da bobina na qual GAULARD desenvolveu o transformador 1876 BELL industrializa as redes telefónicas 1888 à 1912 HERTZ descobre as ondas hertzianas; HERTZ constrói o primeiro recetor eletromagnético; Primeira ligação telegráfica entre Inglaterra e França ; o sueco KJELLBERG inventa a soldadura elétrica; MILIKAN determina a carga do eletrão.
  • 34. A tecnologia digital contribuiu decisivamente para a transformação da atual sociedade, numa Sociedade da Informação e do Conhecimento - A Sociedade do Saber. Tipos de Informação Alfabética Sucessão de letras, espaços em brancos, sinais de pontuação e símbolos operatórios Numérico Ordinal Sucessão de números “hierarquizados” Numérico Cardinal Sucessão de números algébricos expressos no sistema decimal Lógica Qualificativa codificada de Informações em verdadeiras ou falsas Código de Comando Informações sobre o estado do sistema informático (salto, fim de registo, fim de ficheiro, etc.)
  • 35. Ramos Da Informática Ramo Conteúdo Informativo Formal e analítica Descoberta de algoritmos para a solução de problemas de análise matemática, de estatísticas, de pesquisa operacional, da teoria dos autómatos, da decisão e da informação Física e Tecnológica Fenómenos físicos que permitem a concretização material dos sistemas informáticos Metodológica Métodos de programação e exploração dos sistemas informáticos (software) – linguagens formais, estruturas informais (listagem de tarefas, ficheiros, etc.) Sistemática e Lógica A organização e a estrutura dos sistemas informáticos nos quais intervém e os periféricos – redes de comunicação Aplicada Determina os domínios onde a técnica pode trazer melhorias qualitativas e quantitativas noutros domínios do conhecimento humano
  • 36. Os computadores analógicos baseiam-se no cálculo da resposta a um problema através de um análogo. Nos computadores digitais, os problemas são resolvidos após terem sido reduzidos a uma sequencia de operações matemáticas. A maioria dos computadores digitais universais tem hoje estrutura binária, ou seja, a informação é tratada por dispositivos onde se distinguem apenas dois estados (0 ou 1, sim ou não).
  • 37. Cronologia dos Computadores 2500 a. C. Aparecimento do ábaco no médio oriente, sistema de bolas para o cálculo dos valores nas transações comerciais 1200 Aparecimento do ábaco chinês de base decimal 1642 ou 1643 Blaise PASCAL construi a primeira máquina para somar e subtrair 1835 Charles Baggage idealizou uma maquina analítica que comanda por cartões perfurados, realizava sequencialmente as quatro operações. 1896 Criação da empresa TMC – Tabulating Machine Company, por Hollerith 1917 Alteração do nome TMC para IBM – International Business Machines 1930 Construção do Difference Tabulator, combinando uma máquina de contabilidade, um tabulador e uma máquina de multiplicar IBM. 1940 a 1942 Construção do MARK I, desenvolvimento das máquinas de calcular 1947 Invenção do Transistor 1948 Construção pela IBM, o SSEC – Selective Sequence Electronic Calculator com 13.500 válvulas e 21. 400 relés telefónicos 1951 à 1956 1º computador comercial - o UNIVAC I; Lançamento do IBM 701; IBM 650 e Tambor Bama da Bull; computador com base em transístores
  • 38. Máquinas de Calcular As primeiras máquinas de calcular foram manuais, dotadas de uma alavanca que o operador puxava até si com um movimento de braço. A Addo X – Teve inicialmente, conforme inspiração do criador, diferentes teclados para os 10 algarismos – 3 filas (5+5), 3x4 filas, com um 0 (zero) e dois zeros, 10x10; A Victor - desenhada cerca de 1935 por W. A. KNAPP, possuía teclado de duas cores e caixa de baquelite; A Burroughs e a Olivetti A Facit – Para multiplicações e divisões. O operador dava, com a mão direita, o numero de voltas necessárias a uma manivela, para traz e para frente, no sentido do ponteiro do relógio ou contrário para colocar numa posição o cursor (das unidades, dezenas, centenas, dos milhares, etc.)
  • 39. A Facit era uma máquina manual, de manivela e teclas, essencialmente composta de componentes metálicos pesada e difícil de operar, tal como a Schubert, concebida na Alemanha cerca de 1950. As primeiras maquinas eram enormes e exigiam um enorme esforço por parte do operador que terminava o dia desgastado física e psicologicamente. Eram todas elas eletromecânicas. A luz verde significava total operacionalidade e quando se acendia a vermelha seria por avaria e tinha-se que chamar o mecânico. Surgiram as Sensimatics e as Sensitronics e outras máquinas de contabilidade e de contas correntes. Ex: os “computadores” de cartões perfurados e os de banda perfurada (era da mecanografia)
  • 40. O cartão perfurado era o mais usado. Tinha 80 colunas de 12 posições e com as dimensões 188x33 mm. Dez das posições eram numeradas 0 a 9 e a posição 11 e 12 não tinham qualquer referência. Noutras empresas começavam a aparecer outros equipamentos mecanográficos e os computadores eletrónicos automáticos, com relés (UNIVAC, IBM, entre outros). O uso dos transístores nos circuitos veio a melhorar substancialmente as potencialidades/capacidades do uso dos novos computadores. O primeiro computador pessoal, Apple II criado por Steve JOBS e Steve WOZNIAK apareceu em 1977 e já possuía uma “Drive” (Disk II), sendo comercializado em 1978.
  • 41. Três anos mais tarde, em Agosto de 1981, a IBM cria o célebre IBM PC XT, desenhado por jovens investigadores orientados por Philip ESTRIDGE. A Apple em 1984 lançou no mercado o “Apple Macintosh” já possuía um monitor de alta definição. Ícones gráficos e raro, tornando o computador pessoal mais acessível. A empresa britânica Amstrad, de Alan SUGAR, lança em 1986 o PC 1512 que tinha características semelhantes com o PC da IBM, popularizando no mercado europeu. Era a era dos tambores, bandas magnéticas, dos discos internos (rígidos), os winchester, externos, disquetes (fluppy) para guardar informação. Finalmente nos anos 80, os compuadores pessoais inundam o mercado. (Phiplips, Siemens, etc.)
  • 42. – As Aplicações Informáticas A nível da imprensa noticiosa, Donald McKAY MCNICOLL (1914- 2008), dedicou 72 da sua vida ao jornalismo e foi o primeiro editor em Fleet Street a inserir os computadores e a informática nos jornais. T.I.C – Tecnologias e Sistemas de Informação e Comunicação Designação Finalidade Rede Internacional internet Rede Interna Intranet Infraestrutura de servidores e por “links” entre entidades Rede externa Extranet Comunicação entre parceiros de negócios Correio Eletrónica E-mail Envio e receção de mensagens via Internet Atendimento telefónico Call center Sistema telefónico para negócios e ou reclamações
  • 43. Sistemas de telefonemas VoIP Falar ao telefone com outra pessoa visuais pela Internet através de uma janela de um computador SPIG – Sistema de Groupware Para tornar mais produtivo o trabalho Processamento de em equipa Informação em Grupo SIG – Sistema de MIS Sistema. Global de informação de Informação de Gestão gestão de uma organização GRO – Gestão de Recursos ERP Gestão de Info relacionada com Organizacionais inventários, compras e fornecimentos SAD – Sistema de DSS Tomada de decisão de numa Informação para a Direção organização SID – Sistema de EIS Informação para a Direção SPT – Sistema de TPS Sistema de processamento de dados Processamento de para as atividades de rotina das Transações organizações Páginas de Rede Webpage Documentos de HTML, residentes nas Websites
  • 44. 6.10.9 – Os Documentos e as Bases de Dados Todos os programas possuem várias barras de ferramentas que, por exemplo, na aplicação Word, do Office da Microsoft, são exibidas na opção “ver barras de ferramentas padrão”. Os programas podem ser formatados e usados pelo utilizador consoante as suas funcionalidades. Sabe-se que uma das empresas que fornece aplicações informáticas é a Microsoft. Os consumidores-alvo da Microsoft são: As pessoas, as equipas, organizações e externos. Para desenvolver as suas aplicações, a Microsoft centra-se relativamente às necessidades pessoais, na informações do tempo, tráfego, viajem, anúncio, bilheteiras e novidades.
  • 45. Aplicações da Microsoft Microsoft Office Profissional Aplicação para escritório Microsoft Access Elaboração de tabelas, relatórios e outros documentos Excel Elaboração de cálculos gráficos Outlook Para agendas e organização de tarefas e correspondência. Powerpoint Preparação de documentos a projetar em ecrãs Publisher Preparação de documentos para publicidade Word Elaboração de textos que podem ser ilustrados e portadores de folha de calculo Project Gestão de redes de atividades Works Gestão de base de dados
  • 46. 6.10.10 – As Redes de Suporte Físico das Comunicações A colossal quantidade da informação (voz, vídeo, imagens, dados, multimédia, etc. forçou o aumento da largura da banda e substituição da rede fixa por redes RDIS – Redes Digitais de Serviços, de fibra ótica, procedendo-se à “Digitalização das Redes”. Face a necessidade da largura da banda, foi introduzido a 30 anos o ISDN – Integrated Services Digital Networks ou RDIS, agora com tecnologia digital. Quando os computadores pessoais surgiram , os modems analógicos permitiam velocidade de transmissão entre 300 a 1200 bits por segundo (bps), 20 anos depois qualquer modem já permitia uma velocidade de 24.4 kbps ou 33.3 kbps, aparecendo depois modems de 56 kbps.
  • 47. Existem várias tecnologias DSL, mas a mais usada é o ADSL – Assymmetric Digital Subscriber Line, onde a frequência é mais larga no sentido do servidor ao cliente. Criaram-se auto-estradas de informação. A Siemens foi uma das primeiras empresas do ISDN (RDIS). A IBM criou também o seu IBM Cabling System e a sua IBM Token- Ring Network. Mas nenhuma funcionava sem energia elétrica estável. UPS (Uninterrupted Power Suplly) – Equipamentos e Sistemas de Fornecimento Contínuo de Energia. Os equipamentos que transportam informação passaram a ser mais pequenos e com mais capacidades e passaram a estar equipados com baterias internas e externas e alguns com estabilizadores de corrente.
  • 48. O uso da redes globalizou-se, a partir de um ponto do globo conseguimos comunicar uns com os outros através de redes POS - de pontos de venda, redes eletrónicas de serviços financeiros, etc., as ATM – caixas automáticas, MULTIBANCO, EDI – Eletronic Data Interchange, SWIFT, INTERNET, EXTRANET, INTRANET. SWIFT- Society for World Interbank Financial Telecomunications, fundada em 1973 em Brussels hoje é a rede te tele comunicações do tipo Multibanco à escala mundial. Telemóveis e Computadores Hoje é possível usar computadores e telemóveis para receber televisão, receber e expedir mensagens, chamadas, fax via internet, ter acesso às redes bancárias e efetuar transferências e pagamentos.
  • 49. Nos anos 70, alguns bancos nos E.U.A. Instalaram e puseram em funcionamentos as ATM – Máquinas Automáticas para Pagamentos de Caixa que se revelaram muito úteis devido a acessibilidade e fácil manuseamento. Alguns gestores bancários portugueses trouxeram algumas máquinas à experiencia, para o uso dos próprios funcionários (Olivetti, NCR, IBM). o Banco de Portugal e a Comunidade Bancária criaram em 1982 uma Comissão para estudar e implementar uma rede de caixas automáticas e em 1983 lançaram a SIBS – Sociedade Interbancária de Serviços
  • 50. Relatório e Contas de 1998 da SIBS em Importantes Áreas de Negócios ÁREAS ESTRATÉGICAS ALGUNS DADOS REDE MULTIBANCO  Caixas Automáticas Cerca de 6 000 terminais  Terminais de Pagamento Automático Cerca de 80. 000 pontos de serviço  Quiosques Multibanco  Terminais Porta-Moedas Multibanco  Produção e Gestão de Cartões Cerca de 10. 000. 000 cartões SISTEMAS DE COMPENSAÇÃO /LIQUIDAÇÃO  Sistemas de Telecompensação • Cheques Quase 250. 000. 000 cheques • Efeitos Quase 6. 000. 000 efeitos • Eurocheques • Transações entre Instituições Quase 20. 000 000 transações
  • 51. – A INTERNET ARPANet foi totalmente financiada pelo governo Norte- Americano, durante o período que ficou conhecido como Guerra Fria, por volta dos anos 60. No final dos anos 70, a ARPANet tinha crescido tanto que o seu protocolo de comutação de pacotes original, chamado Network Control Protocol (NCP), tornou-se inadequado. Foi então que a ARPA Net começou a usar um novo protocolo chamado TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol), divide-se e origina a MILNET -- para assuntos militares - e o restante da rede torna-se pública e tem seu nome alterado para Internet.
  • 52. Foram conectadas redes menores a internet, de forma mais ou menos anárquica. É basicamente isto em que consiste a Internet, que não tem um dono específico. O cientista Tim Berners-Lee, do CERN, criou a World Wide Web em 1992. A empresa norte-americana Netscape criou o protocolo HTTPS (HyperText Transfer Protocol Secure), possibilitando o envio de dados criptografados para transações comercias pela internet. Por fim, vale destacar que já em 1992, o então senador Al Gore, já falava na Superhighway of Information. Essa "super-estrada da informação" tinha como unidade básica de funcionamento a troca, compartilhamento e fluxo contínuo de informações pelos quatro cantos do mundo através de uma rede mundial, a Internet.
  • 53. O que se pode notar é que o interesse mundial aliado ao interesse comercial, que evidentemente observava o potencial financeiro e rentável daquela "novidade", proporcionou o boom (explosão) e a popularização da Internet na década de 1990. Até 2003, cerca de mais de 600 milhões de pessoas estavam conectadas à rede. Segundo a Internet World Estatístics, em junho de 2007 este número se aproxima de 1 bilhão e 234 milhões de usuários. - Curvas de Experiência e de aprendizagem Eficácia operacional é nada mais do que nos destacarmos da concorrência realizando atividades diferentes, não se trata de ser-se eficiente mas de por exemplo reduzir o número de defeitos de qualidade apresentando um melhor produto e um melhor serviço. Para chegar a eficácia operacional é necessário competência tecnológica passando por um processo de desenvolvimento ou de experiencia.
  • 54. O aumento da eficiência técnica deriva da introdução de novas tecnologias e de novas gerações de bens de capital e ainda de melhoria dentro de cada geração. De maneira a avaliar os impactos causados utiliza-se as curvas de aprendizagem que é a relação que existe entre o tempo de produção unitária e o número de unidades consecutivamente produzidas. Curva de Experiência relaciona dados de médio e longo prazo relativos a ciclos de produção consecutivos, a análise do efeito experiencia mostra que o tempo necessário para produção unitária diminui progressivamente cada vez que é produzida uma unidade adicional. A aprendizagem tecnológica implica um esforço de acumulação tecnológica na base de aquisição de experiencia e cultura tecnológica.
  • 55. Tecnologia é um corpo de conhecimentos, adquirido através de conhecimento e de experiência. Nos anos 70 alguns bancos dos EUA puseram a funcionar as famosas ATM, estavam longe de serem computorizadas, e sempre se mostraram muito úteis devido ao fácil manuseamento. Em 1983 doze bancos lançaram o sistema Multibanco, constituindo-se como acionistas da Sociedade Interbancária de Serviços, que nos dias de hoje conta com dezenas de acionistas. Esta sociedade desenvolveu importantes áreas de estratégia de negócio com produtos e serviços inovadores.
  • 56. O QUE É O 4G? Até ao momento é a internet móvel mais rápida de sempre! O 4G é a nova geração de comunicações móveis que vem complementar e evoluir o 3G com: •Melhor cobertura de rede •Melhor velocidade •Melhor latência (Estado de cobertura) •Melhor qualidade de rede •Elevada rapidez de resposta Velocidades até 100Mb É possível navegar instantaneamente na internet em qualquer lugar. Enviar e fazer download de ficheiros de grandes dimensões em poucos segundos.
  • 57. Elevada rapidez de resposta •Menor tempo de resposta para jogos online, videoconferência e outras aplicações em tempo real. Rede totalmente nova com internet de última geração (LTE) •Rede desenhada de raiz para otimizar o acesso à internet móvel. •A rede 4G permite velocidades 4 vezes superiores às velocidades máximas em 3G. A rede 4G (4ª Geração Móvel) assenta na tecnologia LTE (Long Term Evolution) e permite aceder à internet em mobilidade com velocidades de download até 100 Mb.
  • 58. Como vai o 4G mudar a minha vida? Partilhar em tempo real o que quiser, quando quiser! Consegue imaginar-se a utilizar a internet em qualquer lugar com velocidades até 100 Mb? Partilhar fotos, músicas e vídeos com a sua família, amigos e colegas de forma ainda mais fácil do que até agora! Fazer o download de filmes, ver diferentes canais em alta definição ao mesmo tempo, fazer streaming de álbuns de músicas ou participar numa conferência de vídeo em tempo real com a máxima qualidade. Estes são apenas alguns exemplos do que já pode fazer com a quarta geração móvel... O futuro da tecnologia, um mundo de novas possibilidades mesmo ao seu alcance! Jogar online com os amigos em alta qualidade como nunca o fez até hoje, enviar fotos para as redes sociais, e mais….muito mais!
  • 59. Com uma velocidade até 100 Mb, a questão passa a ser: O que não consegue fazer? Permite : Multi 4G - Partilha da internet entre equipamentos •Possibilidade de utilizar a internet em simultâneo em 2 equipamentos (PC, Tablet ou Smartphone) ; •Mais de 50 canais de TV em direto no PC. •Acesso a milhares de filmes do videoclube consuante o operador que tiver dentro e fora de casa. •Disponível também no Tablet ou Smartphone •Mais de 10 milhões de músicas para ouvir sempre que quiser. •Novos lançamentos semanais e álbuns em exclusivo. •Utilização simples e intuitiva.
  • 60. No entanto, ao recorrer a um procedimento CSFB (Circuit Switch Fall Back), que não é nada mais do que realizar um procedimento de mobilidade entre rede LTE •Derivado desta limitação atual da rede LTE, entre o inicio da chamada e a receção da chamada pelo destinatário, ou seja, entre a “pessoa A” ligar (com Chamadas de Voz em rede 4G •Este atraso que é comum a todas as redes LTE de qualquer operador faz com que o destinatário apenas seja notificado da chamada após 2 a 3 “toque Devido ao facto de a rede LTE apenas funcionar em pacotes IP, esta rede não possibilita a realização das tradicionais chamadas de voz de forma convencional. No entanto, ao recorrer a um procedimento CSFB (Circuit Switch Fall Back), que não é nada mais do que realizar um procedimento de mobilidade entre rede LTE para 3G ou 2G, possibilitando a receção da chamada. Derivado desta limitação atual da rede LTE, entre o inicio da chamada e a receção da chamada pelo destinatário, ou seja, entre a “pessoa A” ligar (começa o tom de chamada) e a “pessoa B” ser notificado (telefone começar a tocar), poderá existir um intervalo de tempo de aproximadamente 5 segundos. Este atraso que é comum a todas as redes LTE de qualquer operador faz com que o destinatário apenas seja notificado da chamada após 2 a 3 “toques”.
  • 61. Conferência de Steve Jobs • Steve Jobs anunciou na segunda-feira de 6 de Junho de 2011 que a sua empresa e, por extensão, a indústria de computação global para a "nuvem". "Estamos indo para mover o hub digital, o centro da sua vida digital, para a nuvem", disse Jobs. O novo serviço substitui iCloud MobileMe da Apple que oferece compartilhamento de documentos. • O serviço iCloud novo é gratuito e está disponível agora com um 4,3 iOS atualização, disse Jobs. Com iCloud, conteúdos como música e documentos são armazenados em grandes servidores em vez de discos rígidos pessoais e é acessível de qualquer lugar através da Internet. A Apple vai oferecer 5 GB de armazenamento livre para e- mail, documentos e backup. O novo serviço iCloud é o selo de aprovação da Apple do que muitos especialistas acreditam que é a próxima iteração maior do mundo digital.
  • 62. iCloud Este conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à utilização da memória e das capacidades de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet, seguindo o princípio da intranet. O armazenamento de dados é feito em serviços que poderão ser acedidos em qualquer lugar do mundo, a qualquer hora, não havendo necessidade de instalação de programas ou de armazenar dados. O acesso a programas, serviços e arquivos é remoto, através da Internet - daí a alusão à nuvem. O uso desse modelo (ambiente) é mais viável do que o uso de unidades físicas.
  • 63. Num sistema operacional disponível na Internet, a partir de qualquer computador e em qualquer lugar, pode-se ter acesso a informações, arquivos e programas num sistema único, independente de plataforma. O requisito mínimo é um computador compatível com os recursos disponíveis na Internet. O PC torna-se apenas um chip ligado à Internet — a "grande nuvem" de computadores — sendo necessários somente os dispositivos de entrada (teclado, mouse) e saída (monitor). Empresas como Amazon, Google, IBM e Microsoft foram as primeiras a iniciar uma grande ofensiva nessa "nuvem de informação" (information cloud), que especialistas consideram uma "nova fronteira da era digital". Aos poucos, essa tecnologia vai deixando de ser utilizada apenas em laboratórios para ingressar nas empresas e, em breve, em computadores domésticos.