SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 96
Baixar para ler offline
Letraslicenciatura língua portuguesa
ensino dagramáticanaescola
profº responsável
Lucimar dantas
*graduação adistância 2° Período
LETRAS/PORTUGUÊS
4º PERÍODO
ENSINO DA GRAMÁTICA
NA ESCOLA
Ana Caroline Barreto Neves
Érica Karine Ramos Queiroz
Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho
Ramony Maria da Silva Reis Oliveira
ENSINO DA GRAMÁTICA
NA ESCOLA
Ana Caroline Barreto Neves
Érica Karine Ramos Queiroz
Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho
Ramony Maria da Silva Reis Oliveira
Montes Claros - MG, 2010
2010
Proibida a reprodução total ou parcial.
Os infratores serão processados na forma da lei.
EDITORA UNIMONTES
Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro
s/n - Vila Mauricéia - Montes Claros (MG)
Caixa Postal: 126 - CEP: 39041-089
Correio eletrônico: editora@unimontes.br - Telefone: (38) 3229-8214
REITOR
Paulo César Gonçalves de Almeida
VICE-REITOR
João dos Reis Canela
DIRETOR DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÕES
Giulliano Vieira Mota
Andréia Santos Dias
Bárbara Cardoso Albuquerque
Clésio Robert Almeida Caldeira
Débora Tôrres Corrêa Lafetá de Almeida
Diego Wander Pereira Nobre
Fernando Freire Madureira
REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA Gisele Lopes Soares
Carla Roselma Athayde Moraes Jéssica Luiza de Albuquerque
Karina Carvalho de Almeida
REVISÃO TÉCNICA Rogério Santos Brant
Kátia Vanelli Leonardo Guedes Oliveira
IMPRESSÃO, MONTAGEM E ACABAMENTO
Gráfica Yago
PROJETO GRÁFICO E CAPA
Alcino Franco de Moura Júnior
Andréia Santos Dias
EDITORAÇÃO E PRODUÇÃO
Alcino Franco de Moura Júnior - Coordenação
CONSELHO EDITORIAL
Maria Cleonice Souto de Freitas
Rosivaldo Antônio Gonçalves
Sílvio Fernando Guimarães de Carvalho
Wanderlino Arruda
Copyright ©: Universidade Estadual de Montes Claros
Catalogação: Biblioteca Central Professor Antônio Jorge - Unimontes
Ficha Catalográfica:
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES
Ministro da Educação
Fernando Haddad
Secretário de Educação a Distância
Carlos Eduardo Bielschowsky
Coordenador Geral da Universidade Aberta do Brasil
Celso José da Costa
Governador do Estado de Minas Gerais
Antônio Augusto Junho Anastasia
Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Alberto Duque Portugal
Reitor da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
Paulo César Gonçalves de Almeida
Vice-Reitor da Unimontes
João dos Reis Canela
Pró-Reitora de Ensino
Maria Ivete Soares de Almeida
Coordenadora da UAB/Unimontes
Fábia Magali Santos Vieira
Coordenadora Adjunta da UAB/Unimontes
Betânia Maria Araújo Passos
Diretor de Documentação e Informações
Giulliano Vieira Mota
Chefe do Departamento de Comunicação e Letras
Coordenadora do Curso de Letras/Português a Distância
Ana Cristina Santos Peixoto
AUTORAS
Ana Caroline Barreto Neves
Mestranda em Literatura pela UFMG, Belo Horizonte - MG Especialista em Letras:
Português e Literatura pelo Instituto Signorelli de Gestão Educacional. Graduada em
Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte - MG.
Érica Karine Ramos Queiroz
Doutora em Linguística (UNICAMP). Mestre em Linguística (UNICAMP). Especialista
em Ensino de Língua Materna/Formação do Professor (UFV),Professora de Linguística,
Linguística Aplicada, Sintaxe, Morfossintaxe e Prática de Formação do Departamento
de Comunicação e Letras da Unimontes.
Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho
Doutoranda em Linguística e Língua Portuguesa pelo Doutorado Interinstitucional
PUC/UNIMONTES. Mestre em Letras: Estudos Linguísticos pela Universidade Federal
de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, Ano de obtenção: 2000. Graduada em Letras
pelas Faculdades Santo Tomás de Aquino de Uberaba - MG e em Pedagogia pela
Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES – MG. Professora do
Departamento de Comunicação e Letras da Universidade Estadual de Montes Claros.
Ramony Maria da Silva Reis Oliveira
Doutoranda em Linguística e Língua Portuguesa pelo Doutorado Interinstitucional
PUC/UNIMONTES. Mestre em Educação pela Universidade de Itaúna, UIT, Itaúna,
Ano de obtenção: 2009. Graduada em Pedagogia e em Letras Português e Inglês pela
Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES – MG Professora do
Departamento de Comunicação e Letras da Universidade Estadual de Montes Claros.
SUMÁRIO
DA DISCIPLINA
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Unidade I: O ensino de gramática na escola: algumas perspectivas. . 11
1.1 Para que ensinar a gramática da língua materna? . . . . . . . . . 15
1.2 Concepções de linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.3 Tipos de gramática e finalidades do ensino . . . . . . . . . . . . . . 18
1.4. Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Unidade II: Tipos de ensino de Língua e a realidade do ensino de
gramática no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.1 Ensino prescritivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.2 Ensino produtivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.3 Ensino descritivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
2.4 A realidade do ensino de gramática no Brasil . . . . . . . . . . . . 26
2.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Unidade III: Métodos e procedimentos didáticos para o ensino de
gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.1 Importância do planejamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.2 O ensino da gramática e os documentos oficiais . . . . . . . . . . 34
3.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Unidade IV: Tópicos de aplicação do ensino de gramática.. . . . . . . . 58
4.1 A gramática nos livros didáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.2 Especificidades do Livro Didático de Português – LDP . . . . . 61
4.3 Possibilidades de ensino de gramática baseado nos PCNs . . . 68
4.4. Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Referências básica e complementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Atividades de aprendizagem - AA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
APRESENTAÇÃO
07
Prezado (a) Acadêmico (a),
Sabemos que a Língua Portuguesa é nossa língua natural e,
portanto, a empregamos, sem maiores dificuldades, a partir do momento
em que iniciamos nossoprocesso comunicacional.
Como você pode observar nessa charge, o uso dos recursos
gramaticais também é naturalmente feito, entretanto, cabe à escola
sistematizar os conhecimentos, com vistas a contribuir para a formação de
sujeitos de fala e de escrita, verdadeiramente conscientes, inseridos política
e culturalmente na sociedade.
Por assim ser, é que nós, as professoras conteudistas, Érica Karine
Ramos Queiroz, Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho, Ana Caroline
Barreto Neves e Ramony Maria da Silva Reis Oliveira, apresentamos-lhes a
disciplina Ensino de Gramática na Escola.
Informamosquetemoscomopropósitonestaescritadespertaroolhar
para o ensino de gramática na escola, questão amplamente discutida por
autoreseprofessores,mas,ainda,commuitaslacunasnapráticadocente.
Figura 1
Fonte: http://www.freewebs.com/cef02/CHARGE%201.bmp
08
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
Para tanto, teceremos reflexões sobre o ensino de gramática na
escola: métodos e procedimentos, sobre gramática tradicional x gramática
contextualizada, abordaremos os princípios norteadores do ensino previstos
nos documentos oficiais, visando explicitar problemas e possibilidades de
ensino da língua materna.
Para que você possa fixar o que aprendeu, o livro traz atividades
abertas e exercícios, e também sugestões de leituras, as quais ilustram os
debates e podem ajudá-lo a perceber a aplicação dos conceitos aprendidos
na prática.
A discussao feita nesta disciplina se ancora, principalmente, nos
seguintes autores: Travaglia (1996), Neves (1990), Possenti (1996), Bagno
(2001) e os documentos oficiais de parametrização do ensino de Português
nas escolas brasileiras: Parâmetros Curriculares Nacionais- PCN, Conteúdos
básicos Comuns de Língua Portuguesa – CBC/LP.
Nosso propósito é preparar para formar TODOS, sem a
possibilidade, portanto, de exclusão de ALGUNS.
Informações sobre a disciplina
A disciplina “Ensino de Gramática na Escola” será ministrada no
Curso de Letras - Português com uma carga horária de 90 horas. Ela está
diretamente relacionada com as demais disciplinas do curso,
principalmente, com Introdução à Leitura, Leitura e Produção de Textos e
Didática.
A grande especificidade dessa disciplina é que ela contribui para a
formação de um profissional/docente da área de Letras que prioriza a
reflexão crítica sobre o ensino de Língua Portuguesa nas escolas.
Vale lembrar que “Ensino de Gramática na Escola” fundamentará a
Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado, disciplina/atividade que
ocorrerá a partir do 5º período.
Ementa
De acordo com o Projeto Pedagógico do Curso de Letras Português
será desenvolvida a ementa: Ensino de Gramática na escola: métodos e
procedimentos. Gramática tradicional X Gramática contextualizada.
Objetivos
Geral: Proporcionar aos acadêmicos do Curso de Letras - Português
uma visão teórica e prática sobre o ensino de gramática na escola.
09
Apresentação UAB/Unimontes
Específicos:
Ÿ Familiarizar-se com algumas perspectivas sobre o ensino de
gramática na escola.
Ÿ Entender as especificidades dos tipos de ensino de Língua e a
realidade do ensino de gramática no Brasil.
Ÿ Inteirar-se das propostas de ensino de Língua de Portuguesa,
identificando o papel do professor e familiarizando-se métodos e procedi-
mentos didáticos.
Ÿ Analisar os princípios norteadores do planejamento e das ações
de ensino presentes nos documentos oficiais que parametrizam o ensino
de Língua Portuguesa nas escolas brasileiras e em livros didáticos dessa
disciplina.
Ÿ Analisar práticas de ensino de gramática na escola.
Para o alcance desses objetivos a disciplina está organizada em
quatro unidades:
Unidade I: O ensino de gramática na escola: algumas perspectivas.
Unidade II: Tipos de ensino de Língua e a realidade do ensino de
gramática no Brasil.
Unidade III: Métodos e procedimentos didáticos para o ensino de
gramática.
Unidade IV : Tópicos de aplicação do ensino de gramática.
Cada uma das unidades está organizada de forma a facilitar os seus
estudos e estruturada de acordo com as orientações de elaboração dos
cadernos didáticos dos cursos da UAB: NOME DA UNIDADE seguido de sua
APRESENTAÇÃO com especial ênfase para seus OBJETIVOS. Atente-se a
esses objetivos e desenvolva os estudos com vistas a alcançá-los. Na sequên-
cia, segue-se o desenvolvimento do conteúdo, subdividido em tópicos, de
forma ilustrada, em linguagem clara e acessível.
Alguns termos que possam dificultar a sua compreensão estão
explicitados ao lado do texto na forma de GLOSSÁRIO. Você pode também
recorrer a um dicionário caso seja necessário. Paralelamente, vão sendo
inseridas ATIVIDADES a serem realizadas antes ou após a discussão do
conteúdo. Algumas delas estão no próprio Caderno, outras pressupõem
pesquisa no ambiente virtual, e/ou em equipes de estudo. Elas podem ser
feitas individualmente ou em grupos e há algumas para as quais sugerimos,
inclusive, o envolvimento de seus familiares.
O importante é que você não deixe de fazê-las, pois elas, ora
funcionam como levantamento do seu conhecimento prévio, ora como
auto-avaliação para confirmação do seu entendimento e consequente
alcance dos objetivos.
10
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
As SUGESTÕES e DICAS PARA ESTUDOS e para PESQUISAS
COMPLEMENTARES estão localizadas junto aos textos. Elas são oportunida-
des para você se tornar um aprendiz autônomo, qualidade que hoje se faz
cada vez mais necessária em todas as áreas.
Após cada unidade estão as REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS e, ao
final da disciplina, você encontrará um breve RESUMO com os principais
pontos abordados.
Lembre-sedequearealizaçãodasatividadesavaliativaséobrigatória.
Sucesso!
11
1UNIDADE 1O ENSINO DE GRAMÁTICA NA ESCOLA: ALGUMAS PERSPECTIVAS
(...) a gramática é na verdade o estudo e o trabalho com a
variedade dos recursos lingüísticos colocados à disposição
do produtor e receptor de textos para a construção do
sentido. Gramática é o estudo das condições lingüísticas da
significação. (TRAVAGLIA, 1996, p. 235)
Apresentação da unidade
Para tecer a discussão das unidades I e II nos ancoramos, central-
mente, no texto de Travaglia (1996) e de Possenti (1996) porque entende-
mos que não podemos tratar do
ensino de gramática sem recorrer a
estes autores que abordam a
questão de modo amplo e objetivo.
Então, se vocês já conhecerem a
proposta dos autores supracitados,
não será inútil uma releitura porque
a interpretação sempre pode ser
outra, dado que a leitura sempre
suscita novas reflexões.
Objetivo
Ÿ Discutir o ensino de gramática na escola, concepções de
linguagem e tipos de ensino na língua.
As pesquisas realizadas no Brasil, a partir dos anos 80, evidenciaram
a necessidade de discutir, repensar questões sobre ensino-aprendizagem da
língua portuguesa. A partir de então, o ensino de gramática normativa foi
cada vez mais questionado, os profissionais ficavam muito confusos com as
críticas de linguistas sobre a questão. Houve momentos em que os professo-
res abandonaram completamente o ensino de gramática. Vale ressaltar que a
linguística não propôs um abandono da gramática e, sim, um novo modo de
(re) pensar a questão. Hoje, acreditamos que são menores as dúvidas sobre
ensinar ou não gramáticas na escola. As perspectivas teóricas pressupõem
que o aluno chega à escola com um conhecimento prévio da língua, pois já
se comunica. Então, cabe à escola usar o saber do aluno aprimorar as
capacidades linguísticas destes falantes. Porém, ainda é questionável o
modo com que os conteúdos da língua padrão são ensinados.
Figura 2: Capa de Livro Gramática e Interação:
uma proposta para o ensino da gramática
Fonte: http//:www.images.google.com
DICAS
Veja no site: ideb.Inep.gov.br a
consolidação dos dados do
IDEB: Índice de
Desenvolvimento da Educação
Básica.
12
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
Nessa perspectiva, o ensino de gramática normativa (ou tradicio-
nal), nas aulas de Língua Portuguesa, nas escolas do Brasil, é assunto polêmi-
co que vai e volta em diferentes décadas, principalmente, depois dos anos
80. Fato é que a questão não é abordada com consenso entre os profissionais
da área e, por isso, mais uma vez retomamos a controvérsia: deve-se ou não
ensinar, na escola, a gramática da língua materna?
Os professores não sabem o que fazer ao sentirem-se frustrados
com o fracasso escolar, no que diz respeito ao desenvolvimento das compe-
tências lingüísticas, responsabilidade imputada aos professores de língua
portuguesa. Este fato é comprovado quando observamos os baixos resulta-
dos de provas como ENEM, ENADE, Prova Brasil, SAEB, etc, ano após ano.
Também é o que o IDEB registra (http://portal.mec.gov.br). Isso se deve a
muitos fatores, sendo um o que se segue: enquanto professores de
Português, afastamos os nossos alunos da linguagem real, ou da linguagem
do uso, ao utilizarmos práticas equivocadas, artificiais, no ensino de
gramática, leitura e interpretação. Especificamente, é preciso saber que
gramáticas existem não para ensinar línguas e sim para explicar línguas. Se
fosse para ensinar, pais e mães teriam que dar aulas de gramática a seus filhos
de colo, afirma (POSSENTI, 2007). Mas, o que vemos nas práticas docentes é
que a gramática normativa é utilizada para ensinar línguas e isso acarreta
uma série de problemas, equívocos que discutiremos ao longo deste texto.
Figura 3: Quadro comparativo
Fonte: http://mmaialds.blogspot.com/2009/08/outra-lingua-por-marcio-maia.html
Leia o livro de POSSENTI,
Sírio. Por que (não) ensinar
gramática na escola. Campinas,
SP, Mercado de Letras, 1996.
Qualquer profissional que
trabalha com o ensino de
língua portuguesa tem, neste
livro, uma referência segura
para (re)definir sua prática
docente.
DICAS
No famoso e polêmico artigo “Por
que (não) ensinar gramática na escola”,
POSSENTI (1996) apresenta uma proposta de
mudança radical para o ensino de Língua
Portuguesa e argumenta que não adianta
mudar os programas de ensino, se não houver
mudanças nas escolas e nos professores. Para
este autor, ensinar língua e ensinar gramática
são coisas diferentes, por isso propõe o ensino da língua atual, usual e não
de regras gramaticais descontextualizadas. Tal como a charge a seguir
demonstra:
Nesse sentido, (ibid, p.53- 54) afirma que “o domínio competente
da língua não requer o ensino de seus termos técnicos”. E, para tanto, o autor
acima propõe metodologias de ensino tais como:
Ÿ valorização da leitura e da escrita;
Ÿ mudança do padrão de língua a ser seguido, isto é, trocar a
Literatura Antiga que é o modelo, pela linguagem jornalística ou dos textos
científicos, tendo em vista que esses apresentam uma linguagem muito mais
próxima do que falamos atualmente;
Ÿ uma nova visão acerca do que o educador deve considerar
como erros de escrita, ressaltando que existem muito mais acertos do que
erros, pois mesmo os erros são regulares uma vez que há quem diga “os
livro”, “os boi”, “os amigo” e aqui não estamos diante de três erros, mas
apenas um (regra de concordância). Não ouvimos os livros, os bois, os
amigos. Então, vejam que mesmo os erros são regulares, isto é, obedecem a
13
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Figura 4: Sírio Possenti
Fonte: ciberduvidas.com
Figura 5: Aula de gramática - Humor
Fonte: http://risosponto.blogspot.com/2009/05/vicios-linguisticos.html
14
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
uma lógica morfossintática própria;
Ÿ ensinar o que os alunos não sabem, ou quando eles erram. Nesta
perspectiva, (Ibid) acredita que o domínio efetivo e ativo de uma língua
dispensa o domínio de uma metalinguagem técnica. O que está em diálogo
com a proposta logo acima;
Ÿ as aulas de gramática sejam abolidas, ou, pelo menos, abolidas
nas séries iniciais.
Sobre a proposta acima, vale retomar Ilari (1997, p 3) quando
esclarece que Possenti não propõe,
o abandono da língua padrão pela escola o que seria
sociolinguisticamente absurdo e politicamente reacionário
porque, desde que os lingüistas começaram a criticar o
ensino puramente gramatical, muita gente sinceramente
interessada num ensino de boa qualidade (pais, professores
e autoridades educacionais) entendeu que estava sendo
preconizado o abandono da língua padrão na escola, e que
havia começado uma espécie de "vale tudo". Muitos
professores de escola média, por desinformação, acusam a
lingüística de ter instaurado o caos no ensino de português,
ao declarar equivalentes as variedades não-padrão e a
variedade culta. Os linguistas nunca preconizaram a
substituição do português padrão por qualquer forma de
português não-padrão como língua-alvo da escola:
defenderam, o que é muito diferente. 1) que as variedades
não-padrão são línguas de pleno direito, no plano estrutural
e até mesmo estético (afinal, há literaturas populares que se
exprimem em português não-padrão); 2) que as variedades
não-padrão podem ser utilizadas como um fator positivo no
ensino, e até por esse motivo devem ser tratadas com
respeito e 3) que a representação do português padrão que
se pode retirar das gramáticas normativas é extremamente
pobre. A língua portuguesa não é o que está nas gramáticas
normativas, e isso permite ao professor Possenti defender,
sem contradição, que a escola deve ensiná-la sem ensinar
gramática, ou sem ensinar principalmente gramática.
Enfim, na primeira parte do livro o autor faz uma reflexão que ora
nomeia opções com que se defronta o professor de língua portuguesa, ora
denuncia os preconceitos existentes sobre o ensino de língua portuguesa,
sobre a gramática e sobre o professor.
Ainda, Travaglia (1996) diz que a gramática não é desnecessária,
mas também não deve ser o foco primeiro das aulas de português, uma vez
que é mais importante que os falantes saibam usar a língua, de modo
adequado, nas diversas situações de interação comunicativa.
Nessa perspectiva, educadores ainda questionam se devem, ou
como devem ensinar gramática. Para encontrar a resposta para tal questão, o
professor deve ter embasamento teórico, deve evitar modismos linguísticos
e práticas pedagógicas equivocadas. Pois, como bem coloca (Ibid), não há
15
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
como propiciar um bom ensino sem conhecimento do objeto de análise, no
caso aqui em discussão, a Língua Portuguesa e suas regras gramaticais.
Acreditamos que muitos de vocês já se questionaram sobre para quê e
porque estudar gramática da língua materna se já falam este idioma. Ou, lá
nas séries iniciais, vocês observaram que, na maioria das vezes, a língua que
estudavam na escola era diferente da que usavam no seu cotidiano, embora
o idioma seja o mesmo. Essas indagações derivam, muitas vezes, de uma
visão reducionista, inocente do que seja ensino de gramática. Visto isso, a
seguir iniciamos a discussão dessa disciplina com a seguinte questão: Para
que ensinar a gramática da língua materna.
1.1 PARA QUE ENSINAR A GRAMÁTICA DA LÍNGUA MATERNA?
Travaglia (1996, p. 17-20) responde a questão através de quatro
respostas:
A primeira é que o ensino da língua materna justifica-se pela
necessidade de desenvolver a competência comunicativa. Sendo esta a
capacidade de o falante usar a língua, de modo adequado, nas diversas
práticas sociais.
A competência comunicativa implica duas outras: a gramática
(linguística) e a textual.
A competência gramatical é a capacidade que todo falante de uma
língua tem de criar um número infinito de frases gramaticais a partir de um
número finito de regras. É o que alguns autores definiram como criatividade
linguística. Essas frases são consideradas gramaticais porque qualquer falante
da língua irá considerá-las como sendo típicas, próprias do uso.
A competência textual é a capacidade que todo falante da mesma
língua tem de produzir e compreender textos bem formados.
E o que é um texto bem formado? Autores como: Koch (1989),
Costa Val (1991) definem um texto bem formado como aquele que atende a
fatores de textualidade tais como: coerência; coesão; intencionalidade;
aceitabilidade; situacionalidade e informatividade.
Charolles (1979, apud Travaglia, 1996) afirma que um texto bem
formado vale-se de capacidades textuais básicas:
Ÿ Capacidade formativa: permite ao falante de uma língua avaliar
a formação de um texto, ou seja, permite ao falante avaliar se uma sequência
linguística é ou não um texto.
Ÿ Capacidade transformativa: possibilita ao falante de uma língua
reformular,reproduzir,resumir,resenharumtextoparadiferentesfinalidades.
Ÿ Capacidade Qualificativa: permite distinguir as tipologias de um
texto, por exemplo, se um texto é uma narração, dissertação, descrição,
sermão, ata, etc.
Enfim, a partir das colocações acima, Travaglia (1996) diz que, para
Idioma: refere-se a um
conjunto de palavras e
expressões usadas por um
povo, por uma nação.
Interação linguísitca: é a
comunicação. Isto é, as pessoas
se comunicam quando há uma
mútua compreensão entre os
falantes.
Enunciação: é uma unidade
de base da língua, uma
atividade social, ideológica e
contextual.
C
F
E
A
B G
GLOSSÁRIO
16
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
desenvolver a capacidade formativa, é preciso que o professor propicie o
contato do aluno com variedade de situações comunicativas interativas
através da interpretação e produção de textos em situações de enunciação
reais. A este propósito os PCNs propõem um trabalho docente com gêneros
e tipos variados de textos.
Uma das explicações para o para o fracasso no aprendizado da
língua portuguesa é a falta de leitura e da atividade de escrita ao longo da
vida escolar. Tendo em vista isso, aqui retomamos, rapidamente, Bakhtin
quando propõe compreender a língua como uma atividade social (e não
individual) em que sua existência se justifica pelas necessidades da comuni-
cação. Para essa concepção, o importante é compreender a língua como
enunciação, ou seja, como uma unidade de base da língua, uma atividade
social, ideológica e contextual. Então, para Baktin (1986), a língua é dialógo.
é interação social. Sendo assim, a língua é essencialmente dialógica. Esta
concepção de língua justifica, reforça, a necessidade de ensinar gramática a
partir de textos reais, isto é, de situções comunicativas de interação.
Possenti (1996) afirma que ler e escrever não são tarefas extras
pedidas como lição de casa, mas atividades essenciais ao ensino da língua
portuguesa. Portanto, seu lugar privilegiado, embora exclusivo, é a própria
sala de aula. Nesse sentido, é que interpretamos a imagem a seguir:
Figura 6: Texto infantil
Fonte: http://bancodeatividades.blogspot.com/2009_09_13_archive.html
17
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Vejam que a importância do ensino de língua a partir de textos
explicita a necessidade do conhecimento de teorias que tratam o texto como
unidade de interação comunicativa. Nesta perspectiva, ainda, de acordo
com Travaglia (1996, p.19), o segundo objetivo do ensino de Português é:
1. Levar o aluno a dominar a norma culta.
2. Ensinar a variedade escrita da língua.
Os objetivos acima pressupõem que, quando o aluno vai para a
escola, domina a variedade coloquial. Estas também são as justificativas,
frequentes, de professores para ensinar a gramática normativa. O problema
é que estes não são os únicos e nem os mais importantes objetivos do ensino
de Português e sim alguns. Ainda, não é uma questão de rotular o grau de
importância, pois, como veremos, o ensino de Português se justifica por
quatro respostas e não somente pela segunda resposta.
Na terceira resposta Travaglia (Ibid, p. 20) diz que “um dos objetivos
do ensino de língua materna é levar o aluno ao conhecimento da instituição
linguística, da instituição social que a língua é”. Ou seja, é necessário
permitir que o educando compreenda o estudo de metalinguagem como
meio para o conhecimento da estrutura e do funcionamento da língua.
A última resposta propõe ensinar o aluno a pensar de modo
científico, o que pressupõe o desenvolvimento das habilidades de observa-
ção e argumentação da linguagem.
A partir das razões para ensinar gramática, explicitadas acima,
retomaremos Ilari (1997) quando diz que o domínio da língua e o domínio
da gramática são coisas diferentes. Segundo este autor (Ibid), o domínio de
uma língua excede o domínio de qualquer das terminologias hoje disponíve-
is para sua descrição (a gramática normativa é, entre outras coisas, uma
grande grade terminológica). Isso quer dizer que dominar a língua é algo
muito mais complexo do que o domínio da gramática porque exige desen-
volvimento das habilidades linguísticas. E o desenvolvimento destas
habilidades, nas aulas de português, está atrelado às concepções de lingua-
gem que o professor domina e que interferem em sua metodologia de
ensino como veremos a seguir.
1. 2 CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM
Para atingir os objetivos do ensino de Português acima, é preciso
apresentar e acolher uma ou algumas concepções de linguagem. Em outras
palavras, é o modo como o educador compreende a língua e a linguagem
que define a sua prática de ensino de gramática.
Travaglia (Ibid, 21-23) apresenta três possibilidades de compreen-
der a linguagem:
Metalinguagem: refere-se a
qualquer linguagem usada para
descrever uma linguagem em si
mesma, por exemplo, uma
descrição gramatical, ou um
discussão sobre o uso de uma
linguagem.
Diferença entre língua e
linguagem: a linguagem está
relacionada com a capacidade
de comunicar. Já a língua, ou
idioma, refere-se a um
conjunto de palavras e
expressões usadas por um
povo, por uma nação, é
munido de regras próprias, de
sua. Também, a linguagem é
uma função cerebral que
permite ao ser humano
adquirir e utilizar uma língua
particular.
C
F
E
A
B G
GLOSSÁRIO
18
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
1. A linguagem como expressão do pensamento de modo
que a linguagem é construída na mente e a fala ou escrita é a
sua tradução. Nessa perspectiva, as pessoas que não se
expressam bem é porque não pensam. Ainda, expressar bem
está relacionado com adequação às regras da linguagem
(prescritas na gramatica tradicional) que devem ser seguidas
para a adequação lógica do pensamento e da linguagem.
2. A linguagem como instrumento de comunicação, ou
seja, como fonte para transmitir uma mensagem. É um fato
social e convencional, compartilhado pelos interlocutores.
Essa definição é adotada pelos estruturalistas e pelos
gerativistas.
3. A linguagem constitui um processo de interação
humana, comunicativa. Nessa perspectiva, a linguagem,
além de expressar os pensamentos ou transmitir informa-
ções, também age, atua sobre o ouvinte/leitor, levando em
consideração o contexto sócio-histórico e ideológico. Sendo
assim, o que caracteriza a linguagem é a sua propriedade
dialógica.
Enfim, vejam que as definições de linguagem apresentadas acima
apresentam diferentes tipos de ensino que retomaremos na Unidade II, mas
para tratar desta questão antes precisamos definir alguns tipos de gramática.
1.3 TIPOS DE GRAMÁTICA
A seguir apresentamos, a partir das definições propostas por
Travaglia (1996), os tipos de gramática mais conhecidos ou que interferem
de modo direto no ensino com o objetivo de explicitar que cada prática de
ensino de linguagem está vinculada a um tipo e a uma concepção de
linguagem.
1.3.1 Gramática normativa
A primeira concepção de gramática, a gramática normativa, tem
como objetivo prescrever normas ou ditar regras de correção para o “bom”
uso da língua. Tem uma preocupação de não deixar a língua ser “corrompi-
da”pela não adequação às normas ditas na gramática tradicional. Segundo
Travaglia (1996), essa gramática é um manual de regras que devem ser
seguidas para o bem falar. Este tem como modelo o uso consagrado pelos
bons escritores e, portanto, ignora as características da língua oral.
Nesse sentido, a língua é a variedade culta de modo que todas as
outras formas de uso da língua são desvios, erros, degenerações e, por isso, a
variedade culta deve ser seguida.
19
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
1.3.2 Gramática descritiva
A segunda concepção de gramática, a gramática descritiva, faz
uma descrição da estrutura e do funcionamento da língua em uso, separan-
do o que é gramatical do que não é. (Ibid, p. 27) diz que o critério para o
estudo da língua nessa concepção gramatical é linguístico e objetivo, já que
“não se diz que não pertecem à língua formas e usos presentes no dizer dos
usuários da língua e aceitas por estes como próprias da língua que estão
usando” .
1.3.3 Gramática internalizada
A terceira concepção de gramática é chamada de gramática
internalizada porque o “saber gramatical” não depende da escolarização,
mas da ativação e do amadurecimento dos princípios da linguagem e de suas
regras. Então, essa perspectiva, a gramática é um conjunto de regras que o
falante de fato aprendeu e a língua é “um conjunto de variedades usadas
pela sociedade de acordo com o exigido pela situação de interação comuni-
cativa em que o usuário está engajado”. Ressaltamos que essa concepção
não considera o erro linguístico e sim a inadequação da variedade linguística
usada em uma determinada situação comunicativa porque não houve um
atendimento das normas sociais de uso da língua.
Além dos três tipos de gramática citados acima, gramática normati-
va, descritiva e internalizada, Travaglia (1996, p. 30-37) fala de outros tipos
que citaremos a seguir, de acordo com o que este autor apresenta.
1.3.4 A gramática implícita
A gramática implícita é a gramática internalizada. O falante não
tem consciência dela, apesar de ela estar na sua mente. Esse tipo de gramáti-
ca. Esse tipo de gramática, por permitir usar a língua automaticamente, é
chamada no contexto escolar de gramática de uso.
1.3.5 Gramática explícita ou teórica
A gramática explícita ou teórica é uma explicitação do mecanismo
linguístico (regras e princípios que regem a estruturação da língua) domina-
do pelo falante e que lhe possibilita usar a língua. É usada pelos estudiosos,
de modo metalinguístico, para explicar a estrutura, a constituição e funcio-
namento da língua.
20
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
1.3.6 Gramática histórica
Gramática histórica é aquela que estuda a evolução de um idioma,
preocupando-se com a origem e a evolução de uma língua até o momento
atual. Na gramática normativa, observamos a contribuição da gramática
histórica quando apresenta a origem do Português no Latim vulgar, a
evolução dos elementos fonológicos, morfológicos e sintáticos e sobre a
formação do vocabulário.
Vejam que há muitos tipos de gramática, os mais conhecidos são a
gramática normativa e a gramática internalizada. Mas os outros tipos (alguns
não foram citados acima para evitar repetição de conteúdo) também
apresentam contribuições importantes para uma discussão sobre o ensino
de gramática.
Ilari (1997) ao apresentar o texto de Possenti (1996), retoma este
autor quando trata sobre tipos de gramática opondo em primeiro lugar uma
concepção descritiva à concepção normativa.
Para Possenti (1996), a gramática normativa se caracteriza por
objetivar uma língua ideal que consiste em um conjunto de normas que
dizem como a língua deve(ria) ser.
A concepção descritiva de gramática consiste em descrever a língua
tal como ela é, apresentando as estruturas que os falantes de uma determina-
da língua têm à sua disposição, sem atribuir valor positivo ou negativo à
escolha entre essas formas.
Uma terceira concepção é a gramática internalizada, segundo a
qual todo falante de uma língua, durante a fase de aquisição, "internaliza"
princípios e regras que lhe permitem produzir enunciados que serão reconhe-
cidoscomobemformadospelosdemaisfalantesdesuacomunidade.
Logo, diferentes conceitos de regra, erro e língua são compatíveis
com uma dessas concepções de gramática. Possenti ainda afirma que a
gramática mais rica de todas é a gramática internalizada. Visto isso, o autor
afirma que é responsabilidade do professor de língua portuguesa proporcio-
nar ao aluno dados novos que serão internalizados ao fecharem o livro e
trabalhar com fatos de linguagem reais, isto é, usados pelos alunos.
21
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
REFERÊNCIAS
POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP,
Mercado de Letras, 1996.
TRAVAGLIA, L. Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino
de gramáticas. São Paulo: Cortez, 1996.
BAKHTIN. M.; Voloshinov, V. N. Marxismo e filosofia da Linguagem. São
Paulo, Hucitec, 1986.
COSTA VAL, Maria da Graça. Redação e textualidade. 19o ed. São Paulo:
Martins Fontes, 1991.
ILARI, Rodolfo. Resenha: Por que (não) ensinar gramática na escola. In:
Educação & Sociedade. Vol.18, nº. 60, Campinas, Dez, 1997. Disponível
em http://www.scielo.br/scielo.php. Acesso em 20 de janeiro de 2010.
KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A coesão textual. 7a ed. São Paulo:
Contexto, 1997.
NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática na escola. São Paulo:
Contexto, 1990.
POSSENTI, Sírio. Ler Gramáticas, 2007. Disponível em
http://terramagazine.terra.com.br/interna. Acesso em 21-01-2010.
Disponível em http://portal.mec.gov.br. Acesso em 29-04-2010.
22
2UNIDADE 2TIPOS DE ENSINO DE LÍNGUA E A REALIDADE DO ENSINO DE
GRAMÁTICA NO BRASIL
O ensino de gramática constitui um dos mais fortes pilares
das aulas de português e chega a ser, em alguns casos, a
preocupação quase exclusiva dessas aulas. Nas últimas duas
décadas, entretanto, vem se firmando um movimento de
revisão crítica dessa prática, ou seja, vem-se questionando a
validade desse “modelo” de ensino, o que faz emergir a
proposta da prática de análise linguística (AL) ao invés de
aulas de português. (MENDONÇA, 2000, p. 11)
Apresentação da unidade
Depois de apresentar alguns motivos para o ensino de língua
materna para falantes da língua em questão, algumas concepções de
linguagem e tipos de gramática, nesta unidade, temos como objetivos:
abordar o ensino de gramática de modo direto ao apresentar alguns tipos e
finalidades do ensino e apresentar algumas questões relativas ao ensino de
gramática no Brasil.
2.1 ENSINO PRESCRITIVO
A prática de ensino que desconsidera a modalidade falada pelo
aluno e visa substituí-la pelos modelos nomeados de “corretos” e impostos
pela gramática normativa é chamado de prescritivo. Vejam que este é um
tipo de ensino que interfere nas habilidades linguísticas do falante, pois o
“faça isto” equivale ao “não faça aquilo”. Logo, o ensino prescritivo está
relacionado à primeira concepção de linguagem (linguagem como expres-
são do pensamento) e só privilegia o padrão culto da língua visando à
correção formal da linguagem (TRAVAGLIA, 1996, p. 38).
2.2 ENSINO PRODUTIVO
Assim como o ensino descritivo, o ensino produtivo não objetiva
alterar as habilidades linguísticas adquiridas pelo aluno, mas sim explicitar
novas habilidades, novos recursos de linguagem de modo que o falante
tenha ao seu dispor um leque maior de possibilidades linguageiras e assim
possa adequá-las às diversas situações de interação comunicativas.
Vale ressaltar que este tipo de ensino é o mais adequado para
realização do primeiro objetivo de ensinar gramática para falantes de língua
materna: desenvolver a competência comunicativa, esta é a capacidade de
o falante usar a língua, de modo adequado, nas diversas situações de
interação comunicativa. Ou seja, o ensino produtivo objetiva desenvolver
23
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
novas habilidades linguísticas e o desenvolvimento da competência
comunicativa objetiva a aquisição de novas habilidades de uso da língua.
2.3 ENSINO DESCRITIVO
O ensino descritivo não objetiva alterar, substituir as habilidades
linguísticas já adquiridas e sim mostrar como a linguagem funciona e como
pode ser utilizada.
Neste tipo de ensino o professor objetiva:
Ÿ proporcionar ao aluno o conhecimento da estrutura, do
funcionamento, da forma e da função da língua;
Ÿ proporcionar o desenvolvimento pensamento, do raciocínio, da
capacidade de análise sistemática dos fatos sociais e fenômenos da natureza.
O ensino descritivo, diferente do prescritivo, leva em consideração
todos os tipos de variedades linguísticas que são as variações que uma língua
sofre a partir de condições sociais, culturais, regionais e históricas em que é
utilizada.
Aqui, cabe falar um pouco sobre o conceito variação linguística
porque está, intimamente, relacionado ao modo como se compreende o
ensino de gramática na escola e qual abordagem é mais adequada.
A língua evolui tanto quanto a humanidade evolui e, sendo assim, a
língua está sujeita às transformações, no tempo e no espaço. Segundo Bagno
(2001), existem quatro modalidades que explicam as variantes linguísticas:
1.variação histórica (palavras e expressões que caíram em desuso
com o passar do tempo);
2.variação geográfica (diferenças de vocabulário, pronúncia de
sons e construções sintáticas em regiões falantes do mesmo idioma);
3.variação social (a capacidade linguística do falante provém do
meioemquevive,suaclassesocial,faixaetária,sexoegraudeescolaridade);
4.variação estilística (cada indivíduo possui uma forma e estilo de
falar próprio, adequando-o de acordo com a situação em que se encontra).
Vejam que as variantes supracitadas explicam as variações linguísti-
cas. Sabe-se que o fato de utilizar essas variações não deve ser motivo de
preconceito em nossa sociedade. Cabe, contudo, ao professor de Língua
Portuguesa proporcionar atividades de pesquisa para que seus alunos
conheçam as variedades e entrem em contato com a norma padrão.
Como afirmamos anteriormente, o ensino de gramática (regras) não
é o objetivo primeiro das aulas de Português e sim é consequência do
desenvolvimento das habildiades comunicativas. E o professor não pode
dispensar a compreensão de língua da sociolinguística variacionista.
Os pressupostos teóricos desta disciplina já foram vistos por vocês
na disciplina: Linguística Geral e, para recordar, retomamos algumas
colocações de Bagno (autor conhecido de vocês).
24
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
“A Sociolingüística tem por objeto de estudo os padrões de
comportamento lingüístico observáveis dentro de uma comunidade de
fala e os formaliza analiticamente através de um sistema heterogêneo,
constituído por unidades e regras variáveis. Esse modelo visa a respon-
der a questão central da mudança lingüística a partir de dois princípios
teóricos fundamentais: (i) o sistema lingüístico que serve a uma
comunidade heterogênea e plural deve ser também heterogêneo e
plural para desempenhar plenamente as suas funções; rompendo-se
assim a tradicional identificação entre funcionalidade e homogeneida-
de; (ii) os processos de mudança que se verificam em uma comunidade
de fala se atualizam na variação observada em cada momento nos
padrões de comportamento lingüístico observados nessa comunidade,
sendo que, se a mudança implica necessariamente variação, a variação
não implica necessariamente mudança em curso”. (DANTE e ARAÚJO)
Disponível em http://www.vertentes.ufba.br/socio.htm
Acesso em 05 de fev de 2010.
Para Bagno (2001) preconceito linguísticoé atitude que discrimina
uma pessoa devido ao seu modo de falar. Este preconceito é exercido por
aqueles que tiveram acesso à educação de qualidade, à “norma padrão de
prestígio”, que ocupam as classes sociais dominantes e acreditam que o falar
daqueles sem instrução formal e comk pouca escolarização é “feio” ou
”errado”. O preconceito linguístico pode ser visto como preconceito
“social”, pois não é o modo de falar que sofre preconceito e sim a identidade
social e individual do falante.
Nessa perspectiva, a norma culta, ditada pela gramática tradicional,
caracteriza o português correto e tudo o que foge à norma é considerado
errado. E Bagno (Ibid) chama atenção para o fato de que não existe portu-
guês certo ou errado, mas modalidades de prestígio ou desprestígio que
correspondem ao meio e ao falante, pois o papel fundamental de uma língua
é o de permitir a interação verbal entre as pessoas, isto é, a comunicação.
Certamente, vocês acadêmicos do curso de Letras, enquanto
alunos, já ouviram o professor falar que uma determinada construção
linguística estava errada ou, enquanto professores, alguns reproduzem esta
afirmação durante a correção de produção de seus alunos ou durante a
correção de exercícios de classificação gramatical. E o que aqui está em
discussão é que não existe certo e errado e sim adequado ou inadequado
para determinada situação comunicativa (contexto linguístico).
Reflita sobre Variação
Linguística e o conceito de
certo e errado x adequado e
inadequado presente na charge
abaixo. Discuta suas
conclusões com o tutor
presencial.
ATIVIDADES
25
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Figura 7: Cerrado em Quadrinhos
Fonte: http://www.universohq.com/quadrinhos/2009/imagens/cerrado.jpg
O professor deve ter em mente que ao ingressar na escola, toda
criança já se comunica, já domina uma modalidade de linguagem própria do
meio social onde desenvolveu a comunicação. Sendo assim, o modo de falar
que cada um traz, não deve se abandonado com a justificativa de que
domina o padrão informal da língua e que a escola o ensinará a substituir este
padrão pelo padrão formal, culto. Nesta perspectiva, o aluno perderá a sua
identidade social e individual e não encontrará estímulo para frequentar as
aulas de Português.
O que o professor de língua materna deve deixar claro para o aluno
é que a escola ensinará o padrão culto visando à promoção social, ao acesso
aos instrumentos culturais de prestígio e que em cada situação de comunica-
çao um nível de linguagem será adequado. Nesse sentido é que é importante
conhecer todos os níveis e dominá-los.
Gêneros textuais: são os textos
produzidos, materializados
encontrados em nosso
cotidiano. Eles apresentam
características sócio-
comunicativas definidas por
seu estilo, Função,
composição, conteúdo e canal.
Ex: Carta pessoal, comercial,
bilhete, diário pessoal, agenda,
anotações, romance, resenha,
e-mail, fórum, aula expositiva,
lista de compras, horóscopo,
instruções de uso, etc.
C
F
E
A
B G
GLOSSÁRIO
Para saber mais sobre os
gêneros textuais leiam:
DIONÍSIO, Ângela Paiva,
MACHADO; Anna Rachel;
BEZERRA, Maria Auxiliadora
(Orgs.). Gêneros textuais &
ensino. Rio de Janeiro:
Lucerna, 2005.
MARCUSHI, Luiz Antônio;
XAVIER, Antônio Carlos (Orgs.).
Hipertexto e gêneros digitais.
Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.
DICAS
26
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
2.4 A REALIDADE DO ENSINO DE GRAMÁTICA NO BRASIL
Quando questionamos sobre a realidade do ensino de gramática no
Brasil, temos uma resposta pronta: é um fracasso. Precisamos refletir acerca
desse fato. Por que é consenso que os alunos, normalmente, detestam as
aulas de Português? Por que os resultados das provas que medem a qualida-
de do ensino no Brasil evidenciam, sobretudo, notas baixas nas provas de
língua portuguesa?
Travaglia (1996), ao discutir sobre o assunto acima, coloca as
seguintes questões: para que se ensina, o que se ensina e o como se ensina?
Para responder o autor baseia-se no estudo de Neves (1990) e na sua
experiência com o ensino de gramática.
Travaglia (Ibid) logo informa que o ensino nas escolas do Brasil é, de
modo geral, prescritivo, apegado a regras da gramática normativa. Diante
disso, o desenvolvimento das habilidades de leitura e produção de texto é
relegado a um segundo plano.
Vocês já viram que, sendo o desenvolvimento das habilidades
comunicativas o primeiro objetivo do ensino de Português para falantes
desta língua, é uma incoerência priorizar o ensino de uma só modalidade da
língua: a modalidade culta.
Para ancorar sua pesquisa, Travaglia (Ibid, p. 102) retoma o estudo
de Neves (1990) que explicita a realidade do ensino no Brasil. Vejam que
esta pesquisa foi feita há 20 anos, mas ainda é muito atual e, para comprovar,
basta observarmos a realidade mais próxima que nos circunda. Neves (Ibid)
entrevista 170 professores do ensino básico e médio do Estado de São Paulo.
A maioria destes professores entendia que o ensino de gramática serve para
falar e escrever melhor, para aprovar candidatos em concurso, para o bom
desempenho social e profissional, para cumprir o programa da escola e,
consequentemente, levar os alunos a acertar os exercícios. Em resumo,
vemos que o ensino de gramática significa algo inútil, ou que os professores
não veem uma necessidade real para o ensino de gramática. Logo, o ensino
de gramática permanece por comodismo, desconhecimento de alternativas
de ensino, exigência do currículo, pais, sociedade, concursos (TRAVAGLIA,
Ibid). A charge a seguir nos faz refletir sobre essa realidade.
27
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Figura 8: Charge ilustrativa de regras de ortografia
Fonte: http://ensinodeportuguesparasurdos.blogspot.com/
Em relação ao que é ensinado, Neves (Ibid, p. 103) informou que os
exercícios de “classificação de classes de palavras e funções sintáticas
correspondem a 70% (75,56%) das atividades de ensino de gramática”. Esses
tópicos são repetidos anos após ano, até a conclusão do Ensino Médio e, por
isso, os alunos não encontram sentido, motivação para as aulas de
Português. Não há consenso quanto ao que ensinar. Há escolas que enfati-
zam o ensino de tópicos gramaticais. Há professores que não ensinam
gramática. Há outros que equilibram o ensino com tópicos de linguagem e
outrasatividades,queensinamousodelinguagem.Estasposiçõesdevem-seàs:
Ÿ Diferentes formações teóricas - ênfase estruturalista ou funcio-
nalista - etc.
Ÿ Orientações das secretarias e superintendências de ensino.
Ÿ Orientações dos livros didáticos que, na maioria das vezes,
aparecem como única fonte de consulta sobre a língua. portuguesa.
Quanto ao como a gramática é ensinada, esta é uma questão
polêmica e que será tratada aqui de acordo com o que explicita Travaglia
(Ibid) a partir da pesquisa de Neves (1990). Sobre o como ensinar, Neves
(Ibid) observou que mais de 50% dos professores retiram dos textos exem-
plos para análise e 40% dizem partir da teoria para realização de exercícios
gramaticais. Aqui, vale chamar atenção para o fato de que não é produtivo
28
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
dissimular o ensino de regras gramaticais através de exemplos retirados de
textos, mas sem relacioná-los com situações reais de uso da língua. O ensino
de gramática através de exemplos contextualizados com as situações de
comunicação torna as aulas de língua portuguesa significativas, atuais, não
enfadonhas.
Ao fazer uma observação geral sobre a questão, Neves (1990),
Apud Travaglia (1996, p.105-106) afirma que os professores:
a) “em geral acreditam que a função do ensino da gramática é levar
a escrever melhor”;
b) “foram despertados para uma crítica da gramática tradicional”;
c) “têm procurado não dar aulas de gramática normativa”;
d) “verificam que esta gramática não está servindo para nada”;
e) “apesar disso, matem as aulas sistemáticas de gramática como um
ritual imprescindível à legitimação de seu papel”.
As colocações acima levam à conclusão de que os professores
reconhecem os problemas básicos do fato de se gastar 80% do tempo das
aulas com ensino de gramática, mas não conseguem ter uma prática
produtiva, diferente. Talvez por falta de capacitação, conhecimento de
alternativas de ensino ou dificuldade de mudar o seu papel diante do que a
sociedade espera do professor de língua materna e, consequentemente, da
necessidade desse profissional de assegurar o seu lugar de poder (domínio
da língua culta).
Possenti (1996) também faz uma afirmação referente à realidade do
ensino de gramática no Brasil. Este autor chama a atenção para o fato de que
crianças e adultos “normais” utilizam diferentes códigos e variedades da
língua e, portanto, parece impossível que alunos “normais” não consigam
alcançar um bom domínio da modalidade culta, após muitos anos de
escolarização. A conclusão à qual Possenti (ibid) chega sobre esse fato é de
que as potencialidades dos educandos não são exploradas de modo
adequado.
Vejam que é a você, estudante do curso de Letras e futuro professor,
que cabe a responsabilidade de criar uma escola em que esse aprendizado
possa ocorrer de maneira espontânea, real. Assim, permitirá um ensino de
língua mais eficaz e democrático. Para tanto, é necessário que o professor se
liberte de preconceitos linguísticos, difundidos socialmente tais como: o
português é difícil, não é para todos; o uso de uma variedade não-padrão
corresponde automaticamente a uma limitação mental, ensinar português é
ensinar regra gramatical. (ILARI, 1997).
29
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Figura 9: Charge ilustrativa de ensino de verbos
Fonte: http://umcadimditudu.blogspot.com/2007/12/aulas-de-portugues
Ainda, Ilari (Ibid, p. 5) diz que Possenti (1996),
[...] lembra que a indefectível cobrança de conhecimentos
inúteis de nomenclatura e ortografia que assola as provas de
concurso como uma verdadeira praga nacional parte, afinal,
dos elaboradores dessas provas, que são, normalmente,
professores de português, bem intencionados. Por fim, para
proporcionar aos seus alunos práticas pedagógicas
efetivamente enriquecedoras, o professor deve perguntar o
que os alunos já sabem, planejando seu ensino em função
desse conhecimento, mas não é isso que acontece
normalmente: o ensino de língua materna, tal como vem
sendo praticado, mostra, ao contrário, que se gasta um
tempo enorme etiquetando fora de contexto coisas que o
aluno já domina (pense no tempo gasto com assuntos não
problemáticos como o gênero e o número dos substantivos),
em prejuízo de atividades mais provocativas como ler, expor
e descobrir a variabilidade da língua a partir das amostras
disponíveis em classe.
Porfim,Ilari(Ibid,p.3),aoresenharolivrodePossenti(ibid),dizque,
[...] a questão não é mais decidir pela gramática normativa
ou contra ela, mas sim criar condições para que a espontane-
idade com que os alunos fazem da linguagem uma parte de
suas vidas, sua assombrosa capacidade de intuir as estruturas
e de atualizá-la num desempenho gramaticalmente correto
30
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
na variedade que praticam, o natural desembaraço com que
circulam entre diferentes níveis e registros sem confundi-los,
não sejam sacrificados a qualquer rotina de ensinar que
tenha como único argumento a inércia do sistema escolar.
Diante da citação acima, vimos que o papel da escola e do professor
é complexo e que as mudanças na prática de ensino de português, depen-
dem não mais de teorias que deem o suporte teórico, didático-
metodológico e sim de mudanças entre os sujeitos do contexto escolar e da
sociedade. É nesse sentido que a ilustração abaixo dialoga com as coloca-
ções acima.
Por fim, na unidade IV, veremos algumas propostas de ensino de
gramática que dialogam com as questões críticas, feitas até então.
Figura 10: Movimento escola comunidade
Fonte: http://educacaodialogica.blodspot.com/2008
31
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
REFERÊNCIAS
MENDONÇA, Márcia. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar,
um outro objeto. In: BUNZEN, Clecio; MENDONÇA, Márcia (orgs.).
Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo, 2006.
POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP,
Mercado deLetras, 1996.
TRAVAGLIA, L. Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino
de gramáticas. São Paulo: Cortez, 1996.
BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico. São Paulo: Edições Loyola,
2001.
FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência Textuais. São Paulo. Editora
Ática, 2003.
KOCH. I.G. V. A coesão textual. São Paulo; Contexto, 1992.
____ & TRAVAGLIA, L.C. Texto e coerência. São Paulo, Cortez, 1989.
____. A coerência Textual. São Paulo, Contexto, 1990.
NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática na escola. São Paulo:
Contexto, 1990.
32
3UNIDADE 3MÉTODOS E PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO
DE GRAMÁTICA.
O modo como representamos e concebemos a linguagem, o
que consideramos “domínio das linguagens e suas
tecnologias”, os motivos que orientam esse domínio trazem
implícitos nossos horizontes filosóficos e éticos, políticos e
sociais, culturais e estéticos. Torna-se, pois, essencial
explicitar nossa compreensão do que seja linguagem e de
seu lugar na vida humana e, conseqüentemente, o sentido
do ensino da disciplina. (CBC/LP, 2007, p.11).
Apresentação da unidade
Nesta unidade, abordamos a importância do planejamento e
apresentamos uma discussão em torno dos documentos oficiais que balizam
o planejamento da disciplina Língua Portuguesa.
Esperamos que você tire bastante proveito dessa unidade que,
ancorada apelos documentos oficiais de parametrização do ensino de
Língua Portuguesa, proporciona conhecimentos para a formação de um
profissional consciente dos modos de agir e do por que agir ao trabalhar, em
sala de aula, do ensino fundamental e médio com a disciplina Língua
Portuguesa.
Boa leitura.
Objetivos
Ÿ Identificar o papel do professor no planejamento em ação do
processo de ensino e aprendizagem da Língua Portuguesa.
Ÿ Inteirar-se das propostas de ensino de Língua Portuguesa,
particularmente dos conteúdos gramaticais, nas escolas de ensino funda-
mental e médio.
Ÿ Familiarizar-se com as competências, os conteúdos e a metodo-
logia de atividades referentes ao ensino de Língua Portuguesa.
3.1 IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO
Em sua trajetória histórica o homem sempre sonhou, pensou
refletidamente e planejou suas ações. Inclusive, o homem primitivo, do seu
modo e utilizando sua habilidade de pensar, planejou como deveria agir
para vencer os obstáculos que se interpunham em sua vida tais como caçar,
pescar, colher frutas, que estratégias utilizar para vencer seus inimigos e para
conquistar territórios.
33
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Segundo Vasconcellos (2009), o planejamento é inerente ao ser
humano. Todos, em seu dia-a-dia, têm algum plano, “mesmo que não esteja
sistematizado por escrito”.
Informações sobre o autor: * “Celso dos Santos Vasconcellos já
foi professor, coordenador pedagógico e gestor escolar. Ao longo de sua
extensa carreira de educador, participou de inúmeros processos de
planejamento nas escolas e gosta de dizer que aprendeu muitas lições.
'Às vezes, há uma tentação enorme de ficar gastando tempo com
problemas menores, quase sempre da esfera administrativa ou burocrá-
tica. Justamente por isso é tão importante planejar o planejamento',
afirma. Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo, mestre
em História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo e autor de diversos livros sobre esse assunto, o
especialista fala na entrevista a seguir a respeito dos meandros do
processo de elaboração das diretrizes do trabalho da escola.”
Menegolla e Sant´Anna (1998, p. 17) afirmam que “planejar é uma
exigência do ser humano; é um ato de pensar sobre um possível e viável
fazer. E, como o homem pensa sobre o seu “o quê fazer”, o planejamento se
justifica por si mesmo. A sua necessidade é a sua própria evidência e
justificativa”.
Em se tratando do processo de ensino e aprendizagem, o planeja-
mento é algo muito sério que deve ser elaborado com qualidade e intencio-
nalidade. Logo, pensar em qualidade pressupõe que você pense em inteirar-
se do que é importante, necessário, significativo, prazeroso, etc., para o nível
dos alunos. Já a intencionalidade, envolve perguntar: para que ensinar o que
se vai ensinar? Com quais objetivos?
Pode-se afirmar que o planejamento educacional é a previsão
antecipada de ações educativas para atingir certos objetivos, que vêm de
necessidades criadas por uma determinada realidade. É, sobretudo, traçar
modos de agir de acordo com essa realidade, admitindo, contudo, a
possibilidade de mudanças ou de alterações de percurso. O planejamento
educacional é, portanto, flexível.
Zabala (1996, p. 157), seguindo os critérios propostos por Raths,
enumera doze princípios para guiar o professor no planejamento de
atividades de ensino. Para este autor, uma atividade didática é preferível à
outra se:
Planejar o planejamento: é o
mesmo que criar a
oportunidade PARA FAZER O
PLANEJAMENTO.
Normalmente as escolas
reservam, no início de cada
período letivo, dentro do
calendário escolar, o momento
do planejamento conjunto.
C
F
E
A
B G
GLOSSÁRIO
Esperamos que você tenha
percebido que o planejamento
é algo inerente ao ser humano.
Perguntamos:
Você planeja suas atividades
cotidianas?
Experimente planejar a sua
semana. Pare e pense quais são
as atividades que você tem a
desempenhar. Estabeleça um
objetivo para cada uma delas,
faça um cronograma de ações
diárias, liste os recursos de que
você vai precisar. Não se
esqueça de incluir as atividades
de estudo. Compare o seu
planejamento com o
planejamento de um colega.
Sucesso!
ATIVIDADES
34
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
a) permite que o aluno tome decisões razoáveis sobre como desenvol-
vê-la e veja as consequências de sua escolha;
b) atribui ao aluno papel ativo em sua realização;
c) exige do aluno uma pesquisa de idéias, processos intelectuais,
acontecimentos ou fenômenos de ordem pessoal ou social e o estimula
a se envolver nela;
d) obriga o aluno a interagir com sua realidade;
e) pode ser realizada por alunos de diversos níveis de capacidade e
interesses diferentes;
f) obriga o aluno a examinar, em um novo contexto, uma idéia, um
conceito, lei etc., que já conhece;
g) obriga o aluno a examinar idéias ou acontecimentos normalmente
aceitos sem questionamento pela sociedade;
h) coloca o aluno e o educador em uma posição de êxito, fracasso ou
crítica;
i) obriga o aluno a reconsiderar e rever seus esforços iniciais;
j) obriga a aplicar e dominar regras significativas, normas ou disciplinas;
k) oferece ao aluno a possibilidade de planejá-la com outros, participar
do seu desenvolvimento e comparar os resultados obtidos;
l) for relevante para os propósitos e interesses explícitos dos alunos.
Aofalarsobreplanejamento,MadalenaFreire(1997:56)afirmaque,
[...] o planejamento alicerça a ação criadora, pois permite
que haja um controle do que está ocorrendo em sala de aula.
Nesta perspectiva, o planejamento não anula a criatividade
nem a dinâmica do trabalho, pelo contrário, permite que a
criatividade vá em direção aos objetivos desejados.
3.2 O ENSINO DA GRAMÁTICA E OS DOCUMENTOS OFICIAIS
Não há como abordar as questões de ensino sem fazer referência à
lei maior que o regula, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional –
LDB nº. 9.394/96.
O ensino proposto pela LDB está em função do objetivo amplo da
educação que é propiciar a todos a formação básica para a cidadania, a
partir da criação, na escola, de condições de aprendizagem para o que
propõe no art. 32:
I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como
meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político,
da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;
Analise cada um dos princípios
enumerados por Zabala. Reflita
sobre a importância e a
pertinência de se considerar
cada um deles no momento de
planejar as suas aulas.
Agora, faça comentários, no
fórum destinado à discussão
das atividades, sobre o valor
desses princípios para o bom
andamento das atividades de
ensino de Língua Portuguesa.
ATIVIDADES
Recomendamos para a
complementação dos seus
estudos a respeito de
Planejamento a leitura dos
livros:
1- FREIRE, Madalena. (Org.).
Observação registro reflexão:
Instrumentos Metodológicos I.
São Paulo: Espaço Pedagógico,
1996. Em parceria com Juliana
Davini, Fátima Camargo e
Mirian Celeste Martins. O livro
resgata importantes
ferramentas para a construção
do conhecimento e da
consciência, na aventura de
ensinar e aprender com
criatividade e autoria.
Na primeira parte as autoras
enfocam a observação, o como
aprendemos a olhar, a
importância de dar direção e
intenção a este ato. Elas
afirmam que o olhar cuidadoso
que envolve generosidade,
cuidado, planejamento,
atenção e presença e que a
sensibilidade é um recurso a
ser desvelado, para podermos
ver além e a importância do
exercício estético para a
formação do educador atento.
Na segunda, as autoras
discutem sobre a importância
DICAS
35
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
do registro para a obtenção de
um pensamento reflexivo. A
escrita como exercício básico
do estudo da teoria e da
própria prática pedagógica, é
que vai possibilitar o
clareamento do que já
sabemos e do que precisamos
ainda tentar, conhecer, criar,
olhar. Este movimento é
gerador de reflexão que, por
sua vez, incentiva o ato
consciente, ato fundamental
para constituir a subjetividade,
o sentido de um fazer, na
busca de recuperar valores
imprescindíveis para a
formação de sujeitos
pensantes, criadores e
sensíveis.
2- FREIRE, Madalena. (Org.).
Avaliação e planejamento: a
prática educativa em questão:
Instrumentos Metodológicos II.
São Paulo: Espaço Pedagógico,
1997. Na primeira parte desta
obra as autoras resgatam o
sentido dramático do ensinar e
aprender, defendendo o pensar
como ingrediente básico.
Afirmam que o pensar que se
dá nas mais variadas linguagens
é mola propulsora da
consciência, que por sua vez
dá força para as transformações
do sujeito em sua realidade
interna ou externa.
Na segunda parte enumeram
os instrumentos com os quais
os educadores contam, para
enriquecer e sistematizar seu
pensar, transformando-o em
fazer.
“Neste livro priorizamos a
discussão de duas ferramentas
básicas: a avaliação e o
planejamento” afirmam. As
ferramentas são antigas
conhecidas do público de
pedagogos, porém as autoras
recriaram ao inseri-las dentro
de uma nova proposta em
educação: a concepção
democrática. “Com elas
podemos ir e vir, em nosso
difícil trabalho de recriar,
inventar, refazer o nosso sonho
pedagógico”.
III - o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em
vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e
valores;
IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidarie-
dade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. (art.
32).
Sendo assim, a organização curricular e a abordagem dos conteú-
dos devem ocorrer primeiramente no sentido de conferir ao aluno a
efetivação dos objetivos da educação democrática.
Para garantir essas proposições, a estrutura federativa autoriza os
órgãos governamentais a tomarem as providências necessárias. Assim é que,
na esteira dessa possibilidade, a Secretaria de Estado de Educação de Minas
Gerais criou, em 2000, para as escolas da rede estadual de Minas Gerais, o
Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública – SIMAVE
Entre os programas que integram o SIMAVE, há o Programa de
Avaliação da Aprendizagem Escolar – PAAE, planejado para avaliar a
aprendizagem dos alunos ao longo do ano letivo e identificar, a partir dos
resultados de desempenho, as necessidades imediatas de intervenção
pedagógica no cotidiano escolar.
Assim, os resultados de suas avaliações devem fundamentar o
planejamento educacional, do ensino e as intervenções pedagógicas,
fornecendo subsídios para a melhoria da aprendizagem dos alunos e da
prática docente, contribuindo para o sucesso escolar do aluno.
3.2.1 O planejamento da disciplina língua portuguesa
Para subsidiar o Planejamento das aulas de Língua Portuguesa, O
SIMAVE oferece uma Matriz de Referência composta por um conjunto de
descritores que explicitam dois pontos básicos do que se pretende avaliar:
1- o conteúdo programático a ser avaliado em cada período de
escolarização e
2- o nível de operação mental necessário para a realização de
determinadas tarefas.
Os descritores são selecionados para compor a matriz, consideran-
do-se aquilo que pode ser avaliado por meio de um teste de múltipla
escolha, cujos itens implicam a seleção de uma resposta em um conjunto
dado de respostas possíveis. De posse dos resultados da avaliação, cada
escola volta aos descritores para o novo planejamento.
Vejam, na íntegra, as matrizes de referência do ensino fundamental
e do ensino médio:
36
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
MATRIZ DE REFERÊNCIA – SIMAVE –PROEB
LINGUA PORTUGUESA – 4ª SÉRIE / 5º ANO DO ENSINO
FUNDAMENTAL
TÓPICOS E SEUS DESCRITORES
I - PROCEDIMENTOS DE LEITURA
D0 Compreender frases ou partes que compõem um texto.
D1 Identificar um tema ou o sentido global de um texto.
D2 Localizar informações explícitas em um texto.
D3 Inferir informações implícitas em um texto.
D5 Inferir o sentido de palavra ou expressão.
D10 Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato.
II – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/OU DO
ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO
D6 Identificar o gênero de um texto.
D7 Identificar a função de textos de diferentes gêneros.
D8 Interpretar texto que conjuga linguagem verbal e não verbal.
III - COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO
D11 Reconhecer relações lógico-discursivas presentes no texto,
marcadas por conjunções, advérbios, etc.
D12 Estabelecer a relação causa/consequência entre partes e
elementos do texto.
D15 Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando
repetições ou substituições que contribuem para sua
continuidade.
D19 Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que
compõem a narrativa.
IV – RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE
SENTIDO
D23 Identificar efeitos de ironia ou humor em textos.
D21 Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso de pontuação
e outras notações.
V – VARIAÇÃO LINGUÍSTICA
D13 Identificar marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o
interlocutor de um texto.
37
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
IMPORTANTE
Como você pode observar, os descritores previstos para a 4ª série /
5º ano do ensino fundamental, abordam com maior ênfase as competências
de leitura. Apenas o D21 e o D13 sugerem questões que poderiam se
aproximar do conteúdo gramatical. Isso porque, conforme veremos mais
adiante, o ensino da língua, no ensino fundamental, deve priorizar a leitura,
a compreensão, a interpretação e a escrita de textos. As questões gramaticais
devem ocorrer basicamente em função do aperfeiçoamento dos textos
escritos pelos alunos.
MATRIZ DE REFERÊNCIA – SIMAVE –PROEB
LINGUA PORTUGUESA – 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL E 3º
ANO DO ENSINO MÉDIO
TÓPICOS E SEUS DESCRITORES
I - PROCEDIMENTOS DE LEITURA
D1 Identificar um tema ou o sentido global de um texto.
D2 Localizar informações explícitas em um texto.
D3 Inferir informações implícitas em um texto.
D5 Inferir o sentido de palavra ou expressão.
D10 Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato.
II – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/OU DO
ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO
D6 Identificar o gênero de um texto.
D7 Identificar a função de textos de diferentes gêneros.
D8 Interpretar texto que conjuga linguagem verbal e não verbal.
III – RELAÇÃO ENTRE TEXTOS
D18 Reconhecer posições distintas entre duas ou mais opiniões
relativas ao mesmo fato ou ao mesmo tema.
D20 Reconhecer diferentes formas de abordar uma informação ao
abordar textos que tratam do mesmo tema.
IV - COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO
D11 Reconhecer relações lógico -discursivas presentes no texto,
marcadas por conjunções, advérbios, etc.
D12 Estabelecer a relação causa/consequência entre partes e
elementos do texto.
38
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
D15 Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando
repetições ou substituições que contribuem para sua
continuidade.
D16 Estabelecer relações entre partes de um texto a partir de
mecanismos de concordância nominal.
D19 Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que
compõem a narrativa.
D14 Identificar a tese de um texto.
D26 Estabelecer relações entre a tese e os argumentos oferecidos para
sustentá-la.
IMPORTANTE
Observe que, também para o 9º ano do ensino fundamental e 3º
ano do ensino médio, a grande ênfase continua sendo a mesma. Apenas os
descritores D21, D 25 e D13 fazem referência mais diretamente a aspectos
gramaticais.
É importante salientar que o Programa de Avaliação da
Aprendizagem Escolar (PAAE) baseia-se, também, nos Conteúdos Básicos
Comuns – CBC - documento curricular elaborado a partir da releitura dos
Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN).
O CBC de Língua Portuguesa – CBC/LP, para os anos finais do
ensino fundamental e para o ensino médio, norteia o planejamento dessa
disciplina.
Muito embora não esgote todos os conteúdos a serem abordados
na escola, o CBC/LP expressa os aspectos fundamentais, que não podem
deixar de ser ensinados e que os alunos devem aprender.
Ao mesmo tempo, esse documento indica as habilidades e compe-
tências que os alunos não podem deixar de adquirir e desenvolver.
No ensino médio, o CBC/LP foi estruturado em dois níveis para
permitir uma primeira abordagem mais geral e semiquantitativa no primeiro
ano, e um tratamento mais quantitativo e aprofundado no segundo ano.
3.2.2 Diretrizes para o ensino de língua portuguesa
Em consonância com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN),
que consideram o ensino de Língua Portuguesa preparatório para a vida,
qualificando o aluno para o aprendizado permanente e para o exercício da
cidadania, o CBC/LP considera que,”a linguagem é atividade interativa em
que nos constituímos como sujeitos sociais”.
Acesse o sítio da Secretaria de
Educação
(http://www.educacao.mg.gov.
br) e conheça o Centro de
Referência Virtual do Professor
(CRV).
No CRV, encontra-se sempre a
versão mais atualizada dos
CBCs, orientações didáticas,
sugestões de planejamento de
aulas, roteiros de atividades e
fórum de discussões, textos
didáticos, experiências
simuladas, vídeos
educacionais, etc.
Por meio do CRV, os
professores de todas as escolas
mineiras têm a possibilidade de
ter acesso a recursos didáticos
de qualidade para a
organização do seu trabalho
docente, o que possibilitará
reduzir as grandes diferenças
que existem entre as várias
regiões do Estado.
Discuta com seus colegas e
com os tutores as novidades
que você DESCOBRIU no
Portal acima sugerido e poste
suas impressões no Fórum
aberto pelo Professor
Formador.
ATIVIDADES
39
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Podemos assim afirmar que, ao elaborar o planejamento para as
aulas, faz-se necessário se faz ter em mente que o aluno já utiliza a Língua
Portuguesa cotidianamente. Esse fato indica que ele já domina pelo menos
uma das variedades dessa língua e que podemos e devemos, não só elaborar
o planejamento de ensino, mas também propor ações de ensino a partir de
seus conhecimentos intuitivos de falante.
Desse modo, a atribuição da escola é proporcionar a expansão das
capacidades de uso, estimulando o desenvolvimento das habilidades de se
comunicar em diferentes gêneros de discursos, sobretudo naqueles do
domínio público que exigem o uso do registro formal e da norma padrão.
Considera-se que o domínio das variedades cultas é fundamental ao
exercício crítico frente aos discursos da ciência, da política, da religião, etc.
Para corroborar essas ideias, o CBC/LP (2007, p. 13 – 14) considera:
Os conteúdos dos currículos e programas, assim como as
práticas de ensino, devem ser selecionados em função da
aquisição e desenvolvimento das competências e habilida-
des de uso da língua e da reflexão sobre esse uso, e não em
função do domínio de conceitos e classificações como fins
em si mesmos. Assim, devem compor o currículo da
disciplina aqueles conteúdos considerados essenciais à vida
em sociedade, especialmente aqueles cuja aprendizagem
exige intervenção e mediação sistemáticas da escola, como é
caso da leitura e da escrita. Em relação a essas duas
competências, é preciso lembrar que não basta que o aluno
seja capaz de decodificar e codificar textos escritos. É
preciso que ele:
Ÿ “reconheça a leitura e a escrita como atividades
interativas de produção de sentido, que colocam em jogo
diferentes fatores, como a situação comunicativa, o
horizonte social dos interlocutores, o objetivo de interlocu-
ção, as imagens que os interlocutores fazem um do outro, os
usos e práticas de linguagem”;
Ÿ “atinja um nível de letramento que o capacite a
compreender e produzir, com autonomia, diferentes
gêneros de textos, com distintos objetivos e motivações”;
Ÿ “tenha acesso aos usos literários da língua e a obras de
autores representativos da literatura brasileira”
As considerações acima, referentes ao currículo, programas e às
práticas do ensino de Língua Portuguesa, levam-nos a concluir que as ações
de ensino de gramática não podem ocorrer de forma desvinculada dessas
intenções. Há que se considerar também:
Reflita e responda:
a) O que é preparar para a vida
em termos do ensino de língua
materna?
b) Como se comporta
linguísticamente um sujeito
preparado para a vida?
Compare suas respostas com o
que diz o CBC/LP (2007, pág.
13),
“Se a linguagem é atividade
interativa em que nos
constituímos como sujeitos
sociais, preparar para a vida
significa formar
locutores/autores e
interlocutores capazes de usar
a língua materna para
compreender o que ouvem e
leem e para se expressar em
variedades e registros de
linguagem pertinentes e
adequados a diferentes
situações comunicativas. Tal
propósito implica o acesso à
diversidade de usos da língua,
em especial às variedades
cultas e aos gêneros de
discurso do domínio público,
que as exigem, condição
necessária ao aprendizado
permanente e à inserção
social”.
ATIVIDADES
40
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
c) O que é preparar para o
exercício da cidadania?
d) Como procede,
linguísticamente, um cidadão?
Agora compare suas respostas
com esta afirmação, segundo o
CBC/LP (2007, pág.13),
“Qualificar para o exercício da
cidadania implica
compreender a dimensão ética
e política da linguagem, ou
seja, ser capaz de refletir
criticamente sobre a língua
como atividade social capaz de
regular - incluir ou excluir - o
acesso dos indivíduos ao
patrimônio cultural e ao poder
político. Nesse sentido, os
conteúdos e as práticas de
ensino, selecionados, devem
favorecer a formação de
cidadãos capazes de
participação social e política,
funcionando, portanto, como
caminho para a
democratização e para a
superação de desigualdades
sociais e econômicas”.
CONCLUSÃO: elabore um
parágrafo conclusivo
completando suas ideias com
as afirmações do CBC/LP.
Exercite seus conhecimentos
contando para alguém suas
concepções. Vá ao fórum e
poste suas considerações.
ATIVIDADES
Ÿ Que a língua é uma atividade viva;
Ÿ Que ela se modifica pela ação dos falantes nos processos de
interlocução.
Ÿ É, pois, por “natureza, heterogênea, variada, “sensível” ao
contexto de uso e à ação dos usuários”.
Ÿ Que a comunicação se dá, não por meio de frases ou estruturas
isoladas, mas por meio de discursos e de suas manifestações, os textos.
Implicando que o seu ensino “prevê o trabalho linguístico dos
interlocutores no processo de produção de sentido”, cabendo ao professor
fazer circular na sala de aula uma variada gama de textos de todos os gêneros
e tipos, juntamente com seus suportes, e proporcionar a reflexão sobre os
aspectos gramaticais inerentes à eficiente leitura e escrita.
Então, concluímos que:
1. Só se justifica o estudo da língua por meio de textos orais e
escritos. Nessa perspectiva, a reflexão sobre os processos de textualização
deve ser o objeto de estudo central da disciplina, o que segundo o CBC/LP
(2007 pág.14), “[...] exige novos níveis de análise e novos procedimentos
metodológicos - a começar pelo reconhecimento de que estudar língua é
mais que analisar a gramática da forma ou o significado de palavras”.
2. Não se justifica o ensino de língua privilegiando o estudo da
forma em detrimento do sentido e da função sociocomunicativa. Segundo o
CBC/LP(2007 PÁG.14):
A tradição de ensino de língua sempre privilegiou o estudo
da forma em detrimento do sentido e da função sociocomu-
nicativa. As análises fonética, morfológica e sintática
pretendiam descrever a língua como um sistema de regras
que, uma vez aprendido, habilitaria automaticamente o
aluno a ler e a escrever bem. Essa concepção reduziu, com
freqüência, a aula de Língua Portuguesa a uma aula de
gramática normativa e, conseqüentemente, contribuiu para
sedimentar uma visão preconceituosa acerca das variedades
lingüísticas, visão que opõe o “certo” e o “errado” e supõe,
enganosamente, a existência de um padrão lingüístico
homogêneo.
3. O texto deve ser, portanto, o assunto “expresso por determinada
forma, em determinada circunstância”. Afirma o CBC/LP (2007 pág. 15)
que:
41
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Privilegiar o texto como objeto de estudo da disciplina não
significa transformar a aula de Língua Portuguesa num
plenário de discussão de variados temas. De maneira
alguma. Um texto não é só assunto; é assunto expresso por
determinada forma, em determinada circunstância. Estudar
o texto implica considerá-lo em sua materialidade
lingüística, seu vocabulário e sua gramática. Implica analisar
as inter-relações entre as condições de produção e a
configuração semântica e formal dos diversos tipos de textos.
Pode-se, então, sim, dizer mais sobre uma frase do que
simplesmente afirmar que ela se estrutura em sujeito e
predicado e que inclui substantivos e verbo: podem-se
constatar e explicar termos elípticos e relações anafóricas ou
dêiticas que a interligam com outros elementos do texto ou
do contexto em que aparece; pode-se indagar sobre seu
papel na progressão temática e na articulação do texto; sobre
os objetivos comunicativos do autor, manifestos pelas
escolhas lexicais e sintáticas que ele processou; sobre os
efeitos de sentido que essas escolhas podem provocar.
Torna-se importante ressaltar que, de modo algum, a gramática fica
abolida da aula de Língua Portuguesa, mas precisa ser realocada e redimen-
sionada.
O ponto de partida para seu ensino deve ser o que os alunos
escrevem, as dificuldades que eles apresentam. Há que se levar em conta as
diferenças decorrentes dos diferentes fatores que fazem com que cada um
tenha um desempenho linguístico e diferentes níveis de conhecimento.
Nesse contexto, a ilustração tem sentido muito mais humorístico. As
diferenças a que nos referimos no parágrafo anterior são aquelas apresenta-
das pelos alunos, em sala de aula, nos momentos de escrita e de oralidade e
que normalmente são decorrentes de suas diferenças sociais, culturais,
enfim, da variedade de conhecimentos prévios, linguísticos, que cada um
tem.
42
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
Figura 11: Humor - Tipos de alunos
Fonte: tirinhasamao.blogspot.com
3.2.3 O planejamento da disciplina língua portuguesa.
O CBC/LP sugere que as situações de ensino da língua Portuguesa
devem ser planejadas de modo a levar o aluno a rever o conceito de gramáti-
ca, considerando as várias significações desse termo.
De acordo com esse documento, há que se considerar também
que:
Ÿ A Língua Portuguesa não é uma só: existem diferentes práticas
discursivas orais e escritas, variedades diversas de língua (dialetos e registros),
cada qual com sua gramática e com suas situações de uso.
Carlos Drummond de Andrade em seu poema “Aula de Português”
destaca no último verso “O português são dois; o outro, mistério”.
O texto a seguir ilustra diferentes práticas discursivas decorrentes de
diferentes situações de uso da Língua Portuguesa. Observem que o que
determina o enfoque são as características dos veículos de circulação de um
mesmo fato.
43
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Conheça mais sobre a vida e a
obra de Carlos Drummond de
Andrade, autor que proclamau
a liberdade das palavras e uma
libertação do idioma de modo
a autorizar a modelação
poética à margem das
convenções usuais e fala, aos
nossos corações, sobre o amor.
Não deixe o amor passar
“Quando encontrar alguém e
esse alguém fizer seu coração
parar de funcionar por alguns
segundos, preste atenção:
pode ser a pessoa mais
importante da sua vida. Se os
olhares se cruzarem e, neste
momento,houver o mesmo
brilho intenso entre eles, fique
alerta: pode ser a pessoa que
você está esperando desde o
dia em que nasceu. Se o toque
dos lábios for intenso, se o
beijo for apaixonante, e os
olhos se encherem d'água
neste momento, perceba:
existe algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último
pensamento do seu dia for essa
pessoa, se a vontade de ficar
juntos chegar a apertar o
coração, agradeça: Deus te
mandou um presente: O Amor.
Por isso, preste atenção nos
sinais - não deixe que as
loucuras do dia-a-dia o deixem
cego para a melhor coisa da
vida: o amor”.
VISITE:
http://www.releituras.com/dru
mmond_bio.asp
DICASJORNAL NACIONAL: (William Bonner): 'Boa noite. Uma menina
chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem...'. (Fátima
Bernardes): '... mas a atuação de um caçador evitou uma tragédia'.
PROGRAMA DA HEBE: '... que gracinha, gente. Vocês não vão acreditar,
mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é
mesmo?'
CIDADE ALERTA: (Datena): '... onde é que a gente vai parar, cadê as
autoridades? Cadê as autoridades? ! A menina ia para a casa da avozinha
a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público! E foi
devorada viva... Um lobo, um lobo safado. Põe na tela!! Porque eu falo
mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo, não.'
REVISTA VEJA: Lula sabia das intenções do lobo.
REVISTA CLÁUDIA: Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar
enganar pelos lobos no caminho.
REVISTA NOVA: Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama.
FOLHA DE S. PAULO: Legenda da foto: 'Chapeuzinho, à direita, aperta
a mão de seu salvador'. Na matéria, box com um zoólogo explicando os
hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como
Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.
O ESTADO DE SÃO PAULO: Lobo que devorou Chapeuzinho seria
filiado ao PT.: Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT que matou
um lobo pra salvar menor de idade carente.
ZERO HORA: Avó de Chapeuzinho nasceu no RS.
AQUI: Sangue e tragédia na casa da vovó.
REVISTA CARAS: (Ensaio fotográfico com chapeuzinho na semana
seguinte) Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS:
'Até ser devorada, eu não dava valor para muitas coisas da vida. Hoje sou
outra pessoa'`.
PLAYBOY: (Ensaio fotográfico no mês seguinte) Veja o que só o lobo viu..
REVISTA ISTO É: Gravações revelam que lobo foi assessor de político
influente.
G MAGAZINE: (Ensaio fotográfico com lenhador) Lenhador mostra o
machado.
SUPER INTERESSANTE: Lobo mau! Mito ou verdade?
http://recantodasletras.uol.com.br (autor desconhecido - recebido por
e-mail)
44
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
Ÿ A tarefa da escola é ensinar o português padrão, já que esse,
geralmente, o aluno não domina.
Veja no texto “Os patos de Rui Barbosa” um exagero no uso de
uma linguagem altamente elaborada que prejudica o entendimento da
mensagem por parte de uma pessoa menos letrada.
Diz a lenda que Rui Barbosa, ao chegar em casa, ouviu um
barulho estranho vindo do seu quintal. Chegando lá, constatou haver
um ladrão tentando levar seus patos de criação. Aproximou-se vagarosa-
mente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com
seus amados patos, disse-lhe:
____Oh, bucéfalo anácrono! Não o interpelo pelo valor
intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo ato vil e sorrateiro de
profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à
sorrelfa e à socapa. Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para
zombares da minha elevada prosopopéia de cidadão digno e honrado,
dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o
farei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência que o
vulgo denomina nada.
E o ladrão, confuso, diz:
____ Dotô, eu levo ou deixo os pato?
http://www.pensador.info/autor/Ruy_Barbosa/
Atenção! Não há que se chegar ao exagero de trabalhar uma
linguagem altamente técnica ou com variações específicas decorrentes da
profissão, por exemplo.
Ÿ A língua é um fator de interação social e a sala de aula deve ser
um ambiente sem preconceitos
Faça uma visita, no Google, aos
links que fazem referência a
Rui Barbosa. Você vai se
deliciar com seus escritos.
DICAS
Empregue a vírgula:
SE O HOMEM SOUBESSE O
VALOR QUE TEM A MULHER
ANDARIA DE QUATRO À SUA
PROCURA.
1)Se você for mulher,
certamente colocou a vírgula
depois de MULHER.
Assim, conseguiu o
entendimento de que a mulher
tem muito valor e que se o
homem soubesse disso, andaria
de quatro à procura dela (da
mulher).
2)Se você for homem, colocou
a vírgula depois de TEM.
Conseguiu o entendimento de
que se o homem sabe seu
valor, vai conseguir que a
mulher ande de quatro à sua
procura.
ATIVIDADES
45
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
Figura 12: Sala de Aula
Fonte: http://meusregistros.pbworks.com/f/grav_criancas_sala_de_aula2.jpg
O espaço escolar, para ser coerente com a sua função social, deve
preservar a diversidade e possibilitar o aprendizado sistematizado e a
ascensão profissional e pessoal de todos os que usufruem os seus serviços.
A escola e seus agentes devem zelar pelo bem-estar de todos,
evitando a discriminação e o preconceito com as diferentes formas de
linguagem.
Ÿ A sala de aula é um laboratório verdadeiramente científico.
Sendo um laboratório, o professor deve-se abrir espaço para a
pesquisa e proporcionar o questionamento, a análise e a reflexão sobre os
fatos linguísticos.
OBS: O que queremos deixar claro é que não adianta saber todas as
regras de colocação da vírgula se não houver compreensão do sentido das
expressões a partir da sua colocação. Para haver a compreensão há que se
refletir e analisar os efeitos de sentido produzidos.
Ÿ A língua varia nas dimensões dos dialetos — do [+ culto] ao [-
culto] — e dos registros — do [+ formal] ao [- formal].
Figura 13: Variação linguística
Fonte: http://www.planetaeducacao.com.br/portal/imagens/artigos/dicas_monica_06.jpg
46
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
Dada a diversidade de situações comunicativas e a diversidade
econômica e social que a sala de aula acolhe há que se levar em conta essa
variação.
Ÿ A língua oral e a língua escrita são interdependentes.
Isso equivale a dizer que “Uma interfere na outra, em maior ou
menor grau, dependendo das circunstâncias”. Esse fato indica que o
professor de Português deve levar o aluno a ter contato com outras gramáti-
cas, além daquela da língua padrão.
Carlos Drummond de Andrade afirmou em seu poema “Aula de
Português” que “A linguagem na ponta da língua, tão fácil de falar e de
entender. A linguagem na superfície estrelada de estrelas, sabe-se lá o que
ela quer dizer?”.
A verdade é que há uma grande diferença entre fala e escrita e esse
fato acontece em todas as línguas. As duas modalidades exigem conheci-
mentos diferentes. É comum, por exemplo, ouvirmos: /Eli si comportô muito
bem/, enquanto na variante padrão, escrita, temos: “Ele se comportou muito
bem”. Essas diferenças podem gerar conflitos. Daí a importância de trabalhar
a gramática contextualizada.
Ÿ O contato do aluno com outras gramáticas será mais produtivo
se ele tiver a oportunidade de observar os fatos linguísticos ocorrendo em
situações concretas de comunicação.
O texto abaixo ilustra a interferência da língua oral na escrita em
uma situação concreta de comunicação.
Um conhecido pesquisador fez um levantamento, em toda
Minas Gerais, para saber qual seria o objeto de desejo do homem
mineiro...
Em todos os rincões das Gerais, os homens respondiam de bate
pronto:
— Dinheiro e mulher.Não dava outra, a resposta era sempre a
mesma. Quase ao final da pesquisa, ele encontrou em "Óis d'Água" um
mineirinho de uns setenta anos, franzino, sentado de cócoras no
pondions*, à beira da estrada, pitando um cigarrim de palha.
— Bom dia!
O mineirinho deu uma tragada, cuspiu de lado e, sem olhar,
respondeu:
— Diiia, sô!
— Estou fazendo uma pesquisa para saber quais as coisas que o
homem mineiro mais gosta... O senhor pode me responder quais são as
coisas do seu agrado?
O mineirim deu mais uma pitada, mais uma cuspida de banda e
disse:
47
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
— Uai, sô! As coiss qui eu mais apreceio é 'o dinheiru, as muié
e... o bicho di pé!'.
O pesquisador,muito circunspecto, estranhou a inclusão do
item "bicho de pé" na resposta e perguntou:
— Olha, todos respondem "dinheiro e mulher". Mas, e o bicho
de pé?
Mais uma pitada e mais uma cuspida, o mineirinho retruca:
— Uai, sô! Pra que qui serve nóis tê dinheiru e muié, se o
"bicho" num fica di pé?
Ÿ Em mineirês quer dizer ponto de ônibus.
Fonte: http://www.triplosentido.com/2009/04/pesquisa-em-minas-
gerais.html
Vejamos que o contato se efetiva principalmente nas atividades de
compreensão, produção, refacção e retextualização de seus próprios textos.
O texto abaixo ilustra bem a discussão aqui posta.
Violência nas Ruas
Hoje em dia a violência toma conta das ruas de grandes
cidades, na calada da noite. Adultos, jovens e adolescentes que se
drogam, para praticar os atos diabólicos.
Por volta das 10 horas, da noite de ontem no bairro Auvorada
de Belo Horizonte um jovem conhecido por magrão, foi preso pela
polícia militar, ao tentar estrupar uma estudante quando voutava para
casa.
O policial falou que. Pelo comportamento que, o elemento
estava apresentando, olha: tudo indica, que ele, ele estava drogado.
Texto produzido por um aluno de 5ª série.
Vejam que, muito embora o aluno escreva palavras como volta e
policial, ainda escreve /Auvorada/ para Alvorada e /voutava/ para voltava.
No último parágrafo ele teve a pretensão de escrever em discurso direto
inserindo diálogo, mas não conseguiu. Não se sabe se ele quis dizer o nome
do bairro ou dizer que o bairro fica na cidade de Belo Horizonte. Há
problemas com a pontuação.
Esse texto merece ser discutido com o aluno no sentido de que ele
refaça os aspectos de linguagem. É uma boa oportunidade para discutir
determinadas convenções da língua escrita, pois a constituição de conceitos
acontece num movimento crescente, partindo de conceitos menos comple-
xos para os mais complexos, refinados e abstratos.
48
Letras/Português Caderno Didático - 4º Período
Assim preconiza o CBC/LP (2007, p. 16):
Primeiramente, os alunos devem usar a língua; depois,
refletir sobre o uso, intuir regularidades, levantar hipóteses
explicativas; em seguida, podem fazer generalizações,
nomear fenômenos e fatos da língua, ou seja, usar a língua
para descrever o funcionamento da própria língua e, então,
voltar a usar a língua de forma mais consciente. Os objetos de
conhecimento receberão um tratamento metalingüístico de
acordo com o nível de aprofundamento possível e desejável,
considerando o desenvolvimento cognitivo dos alunos e as
características específicas do tema trabalhado.
Fica evidente que a gramática ganha outro tratamento nas aulas de
Língua Portuguesa. Quanto aos conceitos, o CBC/LP (2007, p.16) afirma
também que,
[...] o aluno deve ter oportunidade de compreender o caráter
histórico e dinâmico dos conceitos. Os conceitos de texto,
gramática, erro lingüístico com que se opera hoje na
disciplina, por exemplo, sofreram significativas modificações
nas últimas décadas, e essas mudanças devem ser focaliza-
das e discutidas criticamente em sala de aula com o aluno, na
medida de sua capacidade de compreensão e abstração.
Para favorecer o planejamento das aulas, o CBC/LP aloca os
conteúdos linguísticos e suas respectivas habilidades no Eixo Temático II:
Linguagem e Língua. CBC/LP (2007, p. 55).
Eixo Temático II: Linguagem e Língua
Competências:
Ÿ Compreender a língua como fenômeno cultural, histórico,
social, variável, heterogêneo e sensível aos contextos de uso.
Ÿ Reconhecer a língua como instrumento de construção da
identidade de seus usuários e da comunidade a que pertencem.
Ÿ Compreender a escrita como simbolização da fala.
Ÿ Compreender a necessidade da existência de convenções na
língua escrita.
Ÿ Valorizar a escrita como um bem cultural de transformação da
sociedade.
Ÿ Usar variedades do português, produtiva e autonomamente.
Ÿ Posicionar-se criticamente contra preconceitos linguísticos.
Ÿ Mostrar uma atitude crítica e ética no que diz respeito ao uso da
língua como instrumento de comunicação social.
Transcrevemos, na íntegra, os tópicos e subtópicos, habilidades e
detalhamento das habilidades previstas no Eixo Temático II: Linguagem e
Língua do CBC/LP (2007, p. 55 - 63).
Visite o documento CBC/LP na
íntegra no link:
www.educacao.mg.gov.br
DICAS
49
Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes
TÓPICOS E
SUBTÓPICOS DE
CONTEÚDO
HABILIDADES E DETALHAMENTO DAS
HABILIDADES
19. A linguagem
verbal: modalidades,
variedades, registros.
• Modalidades
lingüísticas:
− o contínuo oral–
escrito;
− condições de
produção, usos,
funções sociais e
estratégias de
textualização da fala e
da escrita;
− convenções da
língua escrita: grafia de
palavras (ortografia,
acentuação gráfica,
notações gráficas);
parágrafo gráfico;
pontuação;
− diferenças entre o
sistema fonológico e o
sistema ortográfico.
• Variação lingüística e
estilística:
• fatores históricos (o
passado e o presente),
geográficos (o contínuo
rural—urbano),
sociológicos (gênero,
geração, classe social) e
técnicos (diferentes
domínios da ciência e
da tecnologia);
19.0. Compreender a língua como fenômeno
histórico, cultural, social, variável, heterogêneo
e sensível aos contextos de uso.
19.1. Reconhecer seme lhanças e diferenças entre
a fala e a escrita quanto a condições de produção,
usos, funções sociais e estratégias de textualização.
19.2. Reconhecer funções da fala e da escrita em
diferentes suportes e gêneros.
19.3. Usar as convenções da língua escrita
produtiva e autonomamente, entendendo as
diferenças entre o sistema fonológico e o sistema
ortográfico.
19.4. Identificar fatores relacionados às variedades
lingüísticas e estilísticas de textos apresentados.
19.5. Avaliar o uso de variedades lingüísticas e
estilísticas em um texto, considerando a situação
comunicativa e o gênero textual.
19.6. Adequar a variedade lingüística e/ou
estilística de um texto à situação comunicativa e ao
gênero do texto.
19.7. Mostrar uma atitude crítica e não
preconceituosa em r elação ao uso de variedades
lingüísticas e estilísticas.
19.8. Reconhecer a manifestação de preconceitos
lingüísticos como estratégia de discriminação e
dominação.
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola
Ensino da gramática na escola

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercícios sobre tipo e gênero textual
Exercícios sobre tipo e gênero textualExercícios sobre tipo e gênero textual
Exercícios sobre tipo e gênero textualma.no.el.ne.ves
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaJosilene Borges
 
Relatório de estágio 11 (reparado) (1)
Relatório de estágio  11 (reparado) (1)Relatório de estágio  11 (reparado) (1)
Relatório de estágio 11 (reparado) (1)Natália Ferreira
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaDenise Oliveira
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anojose ebner
 
Formação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisFormação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisAlex Silva
 
Aula fala e escrita (cap. 1)
Aula   fala e escrita (cap. 1)Aula   fala e escrita (cap. 1)
Aula fala e escrita (cap. 1)Naysa Taboada
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara narajoiramara
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerMonica Oliveira
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilSusanne Messias
 
Projeto de pesquia em língua Portuguesa
Projeto de pesquia em língua PortuguesaProjeto de pesquia em língua Portuguesa
Projeto de pesquia em língua PortuguesaJose Arnaldo Silva
 
Leitura texto e sentido(2)
Leitura texto e sentido(2)Leitura texto e sentido(2)
Leitura texto e sentido(2)Isis Barros
 

Mais procurados (20)

Exercícios sobre tipo e gênero textual
Exercícios sobre tipo e gênero textualExercícios sobre tipo e gênero textual
Exercícios sobre tipo e gênero textual
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Relatório de estágio 11 (reparado) (1)
Relatório de estágio  11 (reparado) (1)Relatório de estágio  11 (reparado) (1)
Relatório de estágio 11 (reparado) (1)
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
 
Formação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisFormação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciais
 
Aula fala e escrita (cap. 1)
Aula   fala e escrita (cap. 1)Aula   fala e escrita (cap. 1)
Aula fala e escrita (cap. 1)
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Gêneros e suportes textuais
Gêneros e suportes textuaisGêneros e suportes textuais
Gêneros e suportes textuais
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
 
Projeto de pesquia em língua Portuguesa
Projeto de pesquia em língua PortuguesaProjeto de pesquia em língua Portuguesa
Projeto de pesquia em língua Portuguesa
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
 
Leitura texto e sentido(2)
Leitura texto e sentido(2)Leitura texto e sentido(2)
Leitura texto e sentido(2)
 
Pré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de PesquisaPré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de Pesquisa
 
O que ensinar sobre ortografia
O que ensinar sobre ortografiaO que ensinar sobre ortografia
O que ensinar sobre ortografia
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 

Destaque

“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro
“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro
“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice RibeiroEditora Moderna
 
Língua Portuguesa No Mundo
Língua Portuguesa No MundoLíngua Portuguesa No Mundo
Língua Portuguesa No Mundosandraneves
 
Power point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 ticPower point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 ticNatalia Alcubo
 
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULARoberto Carlos Sena
 
Slides caderno 5 atual
Slides   caderno 5 atualSlides   caderno 5 atual
Slides caderno 5 atualweleslima
 
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...André Figundio
 
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...myrianlaste
 
A gramática portuguesa
A gramática portuguesaA gramática portuguesa
A gramática portuguesaJoão Patacão
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)PamelaAschoff
 

Destaque (10)

“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro
“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro
“Base Nacional Comum: Desafios e Perspectivas” - Alice Ribeiro
 
Língua Portuguesa No Mundo
Língua Portuguesa No MundoLíngua Portuguesa No Mundo
Língua Portuguesa No Mundo
 
Power point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 ticPower point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 tic
 
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
 
Slides caderno 5 atual
Slides   caderno 5 atualSlides   caderno 5 atual
Slides caderno 5 atual
 
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
 
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
 
A gramática portuguesa
A gramática portuguesaA gramática portuguesa
A gramática portuguesa
 
Aula de português
Aula de portuguêsAula de português
Aula de português
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 

Semelhante a Ensino da gramática na escola

Sistematização e alfabetização
Sistematização e alfabetizaçãoSistematização e alfabetização
Sistematização e alfabetizaçãoClecio Bunzen
 
A gram+ítica que se revela
A gram+ítica que se revelaA gram+ítica que se revela
A gram+ítica que se revelaUPE
 
Monografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaMonografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaUNEB
 
O ensino e a aprendizagem da escrita em educação e formação de adultos
O ensino e a aprendizagem da escrita em educação e formação de adultosO ensino e a aprendizagem da escrita em educação e formação de adultos
O ensino e a aprendizagem da escrita em educação e formação de adultosFelicianoferro Ferro
 
36529302 guia-dop-professor
36529302 guia-dop-professor36529302 guia-dop-professor
36529302 guia-dop-professorrosemereporto
 
Guia planejamento orient_did_terceira_volume_unico
Guia planejamento orient_did_terceira_volume_unicoGuia planejamento orient_did_terceira_volume_unico
Guia planejamento orient_did_terceira_volume_unicoEdson Virginio
 
36529302 guia-dop-professor
36529302 guia-dop-professor36529302 guia-dop-professor
36529302 guia-dop-professorMonica Cardoso
 
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...Hellen Dias
 
Relatoriogestar
RelatoriogestarRelatoriogestar
RelatoriogestarSME
 
Caderno de ATIVIDADES GESTAR II versao professor.pdf
Caderno de ATIVIDADES GESTAR II versao professor.pdfCaderno de ATIVIDADES GESTAR II versao professor.pdf
Caderno de ATIVIDADES GESTAR II versao professor.pdfAmandaMachado791964
 
Gestar II - TP 5
Gestar II - TP 5Gestar II - TP 5
Gestar II - TP 5Jomari
 
A-Conquista-_Lingua-Portuguesa-9_ano.pdf
A-Conquista-_Lingua-Portuguesa-9_ano.pdfA-Conquista-_Lingua-Portuguesa-9_ano.pdf
A-Conquista-_Lingua-Portuguesa-9_ano.pdfEduarda109058
 
Leitura e escrita 1º e 2º anos iza_locatelli_2011
Leitura e escrita 1º e 2º anos iza_locatelli_2011Leitura e escrita 1º e 2º anos iza_locatelli_2011
Leitura e escrita 1º e 2º anos iza_locatelli_2011Ivanir Marcelina
 
Apresentação do Guia Geral
Apresentação do Guia GeralApresentação do Guia Geral
Apresentação do Guia Geralgestarmat
 
Apresentação do Guia Geral
Apresentação do Guia GeralApresentação do Guia Geral
Apresentação do Guia Geralgestarmat
 
Gestar II - TP 6
Gestar II - TP 6Gestar II - TP 6
Gestar II - TP 6Jomari
 

Semelhante a Ensino da gramática na escola (20)

Sistematização e alfabetização
Sistematização e alfabetizaçãoSistematização e alfabetização
Sistematização e alfabetização
 
A gram+ítica que se revela
A gram+ítica que se revelaA gram+ítica que se revela
A gram+ítica que se revela
 
Parâmetros Curriculares de Língua Portuguesa - Ensino Fundamental e Educação ...
Parâmetros Curriculares de Língua Portuguesa - Ensino Fundamental e Educação ...Parâmetros Curriculares de Língua Portuguesa - Ensino Fundamental e Educação ...
Parâmetros Curriculares de Língua Portuguesa - Ensino Fundamental e Educação ...
 
Monografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaMonografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana Miranda
 
O ensino e a aprendizagem da escrita em educação e formação de adultos
O ensino e a aprendizagem da escrita em educação e formação de adultosO ensino e a aprendizagem da escrita em educação e formação de adultos
O ensino e a aprendizagem da escrita em educação e formação de adultos
 
36529302 guia-dop-professor
36529302 guia-dop-professor36529302 guia-dop-professor
36529302 guia-dop-professor
 
Guia planejamento orient_did_terceira_volume_unico
Guia planejamento orient_did_terceira_volume_unicoGuia planejamento orient_did_terceira_volume_unico
Guia planejamento orient_did_terceira_volume_unico
 
36529302 guia-dop-professor
36529302 guia-dop-professor36529302 guia-dop-professor
36529302 guia-dop-professor
 
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
 
Relatoriogestar
RelatoriogestarRelatoriogestar
Relatoriogestar
 
Caderno de ATIVIDADES GESTAR II versao professor.pdf
Caderno de ATIVIDADES GESTAR II versao professor.pdfCaderno de ATIVIDADES GESTAR II versao professor.pdf
Caderno de ATIVIDADES GESTAR II versao professor.pdf
 
Gestar II - TP 5
Gestar II - TP 5Gestar II - TP 5
Gestar II - TP 5
 
Monografia Marina pedagogia 2010
Monografia Marina pedagogia 2010Monografia Marina pedagogia 2010
Monografia Marina pedagogia 2010
 
A-Conquista-_Lingua-Portuguesa-9_ano.pdf
A-Conquista-_Lingua-Portuguesa-9_ano.pdfA-Conquista-_Lingua-Portuguesa-9_ano.pdf
A-Conquista-_Lingua-Portuguesa-9_ano.pdf
 
Leitura e escrita 1º e 2º anos iza_locatelli_2011
Leitura e escrita 1º e 2º anos iza_locatelli_2011Leitura e escrita 1º e 2º anos iza_locatelli_2011
Leitura e escrita 1º e 2º anos iza_locatelli_2011
 
Formador lingport
Formador lingportFormador lingport
Formador lingport
 
Formador lingport
Formador lingportFormador lingport
Formador lingport
 
Apresentação do Guia Geral
Apresentação do Guia GeralApresentação do Guia Geral
Apresentação do Guia Geral
 
Apresentação do Guia Geral
Apresentação do Guia GeralApresentação do Guia Geral
Apresentação do Guia Geral
 
Gestar II - TP 6
Gestar II - TP 6Gestar II - TP 6
Gestar II - TP 6
 

Último

Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 

Último (20)

Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Ensino da gramática na escola

  • 1. Letraslicenciatura língua portuguesa ensino dagramáticanaescola profº responsável Lucimar dantas *graduação adistância 2° Período
  • 2. LETRAS/PORTUGUÊS 4º PERÍODO ENSINO DA GRAMÁTICA NA ESCOLA Ana Caroline Barreto Neves Érica Karine Ramos Queiroz Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho Ramony Maria da Silva Reis Oliveira
  • 3.
  • 4. ENSINO DA GRAMÁTICA NA ESCOLA Ana Caroline Barreto Neves Érica Karine Ramos Queiroz Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho Ramony Maria da Silva Reis Oliveira Montes Claros - MG, 2010
  • 5. 2010 Proibida a reprodução total ou parcial. Os infratores serão processados na forma da lei. EDITORA UNIMONTES Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro s/n - Vila Mauricéia - Montes Claros (MG) Caixa Postal: 126 - CEP: 39041-089 Correio eletrônico: editora@unimontes.br - Telefone: (38) 3229-8214 REITOR Paulo César Gonçalves de Almeida VICE-REITOR João dos Reis Canela DIRETOR DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÕES Giulliano Vieira Mota Andréia Santos Dias Bárbara Cardoso Albuquerque Clésio Robert Almeida Caldeira Débora Tôrres Corrêa Lafetá de Almeida Diego Wander Pereira Nobre Fernando Freire Madureira REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA Gisele Lopes Soares Carla Roselma Athayde Moraes Jéssica Luiza de Albuquerque Karina Carvalho de Almeida REVISÃO TÉCNICA Rogério Santos Brant Kátia Vanelli Leonardo Guedes Oliveira IMPRESSÃO, MONTAGEM E ACABAMENTO Gráfica Yago PROJETO GRÁFICO E CAPA Alcino Franco de Moura Júnior Andréia Santos Dias EDITORAÇÃO E PRODUÇÃO Alcino Franco de Moura Júnior - Coordenação CONSELHO EDITORIAL Maria Cleonice Souto de Freitas Rosivaldo Antônio Gonçalves Sílvio Fernando Guimarães de Carvalho Wanderlino Arruda Copyright ©: Universidade Estadual de Montes Claros Catalogação: Biblioteca Central Professor Antônio Jorge - Unimontes Ficha Catalográfica: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES
  • 6. Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância Carlos Eduardo Bielschowsky Coordenador Geral da Universidade Aberta do Brasil Celso José da Costa Governador do Estado de Minas Gerais Antônio Augusto Junho Anastasia Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Alberto Duque Portugal Reitor da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes Paulo César Gonçalves de Almeida Vice-Reitor da Unimontes João dos Reis Canela Pró-Reitora de Ensino Maria Ivete Soares de Almeida Coordenadora da UAB/Unimontes Fábia Magali Santos Vieira Coordenadora Adjunta da UAB/Unimontes Betânia Maria Araújo Passos Diretor de Documentação e Informações Giulliano Vieira Mota Chefe do Departamento de Comunicação e Letras Coordenadora do Curso de Letras/Português a Distância Ana Cristina Santos Peixoto
  • 7. AUTORAS Ana Caroline Barreto Neves Mestranda em Literatura pela UFMG, Belo Horizonte - MG Especialista em Letras: Português e Literatura pelo Instituto Signorelli de Gestão Educacional. Graduada em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte - MG. Érica Karine Ramos Queiroz Doutora em Linguística (UNICAMP). Mestre em Linguística (UNICAMP). Especialista em Ensino de Língua Materna/Formação do Professor (UFV),Professora de Linguística, Linguística Aplicada, Sintaxe, Morfossintaxe e Prática de Formação do Departamento de Comunicação e Letras da Unimontes. Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho Doutoranda em Linguística e Língua Portuguesa pelo Doutorado Interinstitucional PUC/UNIMONTES. Mestre em Letras: Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, Ano de obtenção: 2000. Graduada em Letras pelas Faculdades Santo Tomás de Aquino de Uberaba - MG e em Pedagogia pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES – MG. Professora do Departamento de Comunicação e Letras da Universidade Estadual de Montes Claros. Ramony Maria da Silva Reis Oliveira Doutoranda em Linguística e Língua Portuguesa pelo Doutorado Interinstitucional PUC/UNIMONTES. Mestre em Educação pela Universidade de Itaúna, UIT, Itaúna, Ano de obtenção: 2009. Graduada em Pedagogia e em Letras Português e Inglês pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES – MG Professora do Departamento de Comunicação e Letras da Universidade Estadual de Montes Claros.
  • 8. SUMÁRIO DA DISCIPLINA Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07 Unidade I: O ensino de gramática na escola: algumas perspectivas. . 11 1.1 Para que ensinar a gramática da língua materna? . . . . . . . . . 15 1.2 Concepções de linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 1.3 Tipos de gramática e finalidades do ensino . . . . . . . . . . . . . . 18 1.4. Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Unidade II: Tipos de ensino de Língua e a realidade do ensino de gramática no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 2.1 Ensino prescritivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 2.2 Ensino produtivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 2.3 Ensino descritivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 2.4 A realidade do ensino de gramática no Brasil . . . . . . . . . . . . 26 2.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Unidade III: Métodos e procedimentos didáticos para o ensino de gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 3.1 Importância do planejamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 3.2 O ensino da gramática e os documentos oficiais . . . . . . . . . . 34 3.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 Unidade IV: Tópicos de aplicação do ensino de gramática.. . . . . . . . 58 4.1 A gramática nos livros didáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 4.2 Especificidades do Livro Didático de Português – LDP . . . . . 61 4.3 Possibilidades de ensino de gramática baseado nos PCNs . . . 68 4.4. Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Referências básica e complementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Atividades de aprendizagem - AA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
  • 9.
  • 10. APRESENTAÇÃO 07 Prezado (a) Acadêmico (a), Sabemos que a Língua Portuguesa é nossa língua natural e, portanto, a empregamos, sem maiores dificuldades, a partir do momento em que iniciamos nossoprocesso comunicacional. Como você pode observar nessa charge, o uso dos recursos gramaticais também é naturalmente feito, entretanto, cabe à escola sistematizar os conhecimentos, com vistas a contribuir para a formação de sujeitos de fala e de escrita, verdadeiramente conscientes, inseridos política e culturalmente na sociedade. Por assim ser, é que nós, as professoras conteudistas, Érica Karine Ramos Queiroz, Maria de Lourdes Guimarães de Carvalho, Ana Caroline Barreto Neves e Ramony Maria da Silva Reis Oliveira, apresentamos-lhes a disciplina Ensino de Gramática na Escola. Informamosquetemoscomopropósitonestaescritadespertaroolhar para o ensino de gramática na escola, questão amplamente discutida por autoreseprofessores,mas,ainda,commuitaslacunasnapráticadocente. Figura 1 Fonte: http://www.freewebs.com/cef02/CHARGE%201.bmp
  • 11. 08 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período Para tanto, teceremos reflexões sobre o ensino de gramática na escola: métodos e procedimentos, sobre gramática tradicional x gramática contextualizada, abordaremos os princípios norteadores do ensino previstos nos documentos oficiais, visando explicitar problemas e possibilidades de ensino da língua materna. Para que você possa fixar o que aprendeu, o livro traz atividades abertas e exercícios, e também sugestões de leituras, as quais ilustram os debates e podem ajudá-lo a perceber a aplicação dos conceitos aprendidos na prática. A discussao feita nesta disciplina se ancora, principalmente, nos seguintes autores: Travaglia (1996), Neves (1990), Possenti (1996), Bagno (2001) e os documentos oficiais de parametrização do ensino de Português nas escolas brasileiras: Parâmetros Curriculares Nacionais- PCN, Conteúdos básicos Comuns de Língua Portuguesa – CBC/LP. Nosso propósito é preparar para formar TODOS, sem a possibilidade, portanto, de exclusão de ALGUNS. Informações sobre a disciplina A disciplina “Ensino de Gramática na Escola” será ministrada no Curso de Letras - Português com uma carga horária de 90 horas. Ela está diretamente relacionada com as demais disciplinas do curso, principalmente, com Introdução à Leitura, Leitura e Produção de Textos e Didática. A grande especificidade dessa disciplina é que ela contribui para a formação de um profissional/docente da área de Letras que prioriza a reflexão crítica sobre o ensino de Língua Portuguesa nas escolas. Vale lembrar que “Ensino de Gramática na Escola” fundamentará a Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado, disciplina/atividade que ocorrerá a partir do 5º período. Ementa De acordo com o Projeto Pedagógico do Curso de Letras Português será desenvolvida a ementa: Ensino de Gramática na escola: métodos e procedimentos. Gramática tradicional X Gramática contextualizada. Objetivos Geral: Proporcionar aos acadêmicos do Curso de Letras - Português uma visão teórica e prática sobre o ensino de gramática na escola.
  • 12. 09 Apresentação UAB/Unimontes Específicos: Ÿ Familiarizar-se com algumas perspectivas sobre o ensino de gramática na escola. Ÿ Entender as especificidades dos tipos de ensino de Língua e a realidade do ensino de gramática no Brasil. Ÿ Inteirar-se das propostas de ensino de Língua de Portuguesa, identificando o papel do professor e familiarizando-se métodos e procedi- mentos didáticos. Ÿ Analisar os princípios norteadores do planejamento e das ações de ensino presentes nos documentos oficiais que parametrizam o ensino de Língua Portuguesa nas escolas brasileiras e em livros didáticos dessa disciplina. Ÿ Analisar práticas de ensino de gramática na escola. Para o alcance desses objetivos a disciplina está organizada em quatro unidades: Unidade I: O ensino de gramática na escola: algumas perspectivas. Unidade II: Tipos de ensino de Língua e a realidade do ensino de gramática no Brasil. Unidade III: Métodos e procedimentos didáticos para o ensino de gramática. Unidade IV : Tópicos de aplicação do ensino de gramática. Cada uma das unidades está organizada de forma a facilitar os seus estudos e estruturada de acordo com as orientações de elaboração dos cadernos didáticos dos cursos da UAB: NOME DA UNIDADE seguido de sua APRESENTAÇÃO com especial ênfase para seus OBJETIVOS. Atente-se a esses objetivos e desenvolva os estudos com vistas a alcançá-los. Na sequên- cia, segue-se o desenvolvimento do conteúdo, subdividido em tópicos, de forma ilustrada, em linguagem clara e acessível. Alguns termos que possam dificultar a sua compreensão estão explicitados ao lado do texto na forma de GLOSSÁRIO. Você pode também recorrer a um dicionário caso seja necessário. Paralelamente, vão sendo inseridas ATIVIDADES a serem realizadas antes ou após a discussão do conteúdo. Algumas delas estão no próprio Caderno, outras pressupõem pesquisa no ambiente virtual, e/ou em equipes de estudo. Elas podem ser feitas individualmente ou em grupos e há algumas para as quais sugerimos, inclusive, o envolvimento de seus familiares. O importante é que você não deixe de fazê-las, pois elas, ora funcionam como levantamento do seu conhecimento prévio, ora como auto-avaliação para confirmação do seu entendimento e consequente alcance dos objetivos.
  • 13. 10 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período As SUGESTÕES e DICAS PARA ESTUDOS e para PESQUISAS COMPLEMENTARES estão localizadas junto aos textos. Elas são oportunida- des para você se tornar um aprendiz autônomo, qualidade que hoje se faz cada vez mais necessária em todas as áreas. Após cada unidade estão as REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS e, ao final da disciplina, você encontrará um breve RESUMO com os principais pontos abordados. Lembre-sedequearealizaçãodasatividadesavaliativaséobrigatória. Sucesso!
  • 14. 11 1UNIDADE 1O ENSINO DE GRAMÁTICA NA ESCOLA: ALGUMAS PERSPECTIVAS (...) a gramática é na verdade o estudo e o trabalho com a variedade dos recursos lingüísticos colocados à disposição do produtor e receptor de textos para a construção do sentido. Gramática é o estudo das condições lingüísticas da significação. (TRAVAGLIA, 1996, p. 235) Apresentação da unidade Para tecer a discussão das unidades I e II nos ancoramos, central- mente, no texto de Travaglia (1996) e de Possenti (1996) porque entende- mos que não podemos tratar do ensino de gramática sem recorrer a estes autores que abordam a questão de modo amplo e objetivo. Então, se vocês já conhecerem a proposta dos autores supracitados, não será inútil uma releitura porque a interpretação sempre pode ser outra, dado que a leitura sempre suscita novas reflexões. Objetivo Ÿ Discutir o ensino de gramática na escola, concepções de linguagem e tipos de ensino na língua. As pesquisas realizadas no Brasil, a partir dos anos 80, evidenciaram a necessidade de discutir, repensar questões sobre ensino-aprendizagem da língua portuguesa. A partir de então, o ensino de gramática normativa foi cada vez mais questionado, os profissionais ficavam muito confusos com as críticas de linguistas sobre a questão. Houve momentos em que os professo- res abandonaram completamente o ensino de gramática. Vale ressaltar que a linguística não propôs um abandono da gramática e, sim, um novo modo de (re) pensar a questão. Hoje, acreditamos que são menores as dúvidas sobre ensinar ou não gramáticas na escola. As perspectivas teóricas pressupõem que o aluno chega à escola com um conhecimento prévio da língua, pois já se comunica. Então, cabe à escola usar o saber do aluno aprimorar as capacidades linguísticas destes falantes. Porém, ainda é questionável o modo com que os conteúdos da língua padrão são ensinados. Figura 2: Capa de Livro Gramática e Interação: uma proposta para o ensino da gramática Fonte: http//:www.images.google.com DICAS Veja no site: ideb.Inep.gov.br a consolidação dos dados do IDEB: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica.
  • 15. 12 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período Nessa perspectiva, o ensino de gramática normativa (ou tradicio- nal), nas aulas de Língua Portuguesa, nas escolas do Brasil, é assunto polêmi- co que vai e volta em diferentes décadas, principalmente, depois dos anos 80. Fato é que a questão não é abordada com consenso entre os profissionais da área e, por isso, mais uma vez retomamos a controvérsia: deve-se ou não ensinar, na escola, a gramática da língua materna? Os professores não sabem o que fazer ao sentirem-se frustrados com o fracasso escolar, no que diz respeito ao desenvolvimento das compe- tências lingüísticas, responsabilidade imputada aos professores de língua portuguesa. Este fato é comprovado quando observamos os baixos resulta- dos de provas como ENEM, ENADE, Prova Brasil, SAEB, etc, ano após ano. Também é o que o IDEB registra (http://portal.mec.gov.br). Isso se deve a muitos fatores, sendo um o que se segue: enquanto professores de Português, afastamos os nossos alunos da linguagem real, ou da linguagem do uso, ao utilizarmos práticas equivocadas, artificiais, no ensino de gramática, leitura e interpretação. Especificamente, é preciso saber que gramáticas existem não para ensinar línguas e sim para explicar línguas. Se fosse para ensinar, pais e mães teriam que dar aulas de gramática a seus filhos de colo, afirma (POSSENTI, 2007). Mas, o que vemos nas práticas docentes é que a gramática normativa é utilizada para ensinar línguas e isso acarreta uma série de problemas, equívocos que discutiremos ao longo deste texto. Figura 3: Quadro comparativo Fonte: http://mmaialds.blogspot.com/2009/08/outra-lingua-por-marcio-maia.html Leia o livro de POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP, Mercado de Letras, 1996. Qualquer profissional que trabalha com o ensino de língua portuguesa tem, neste livro, uma referência segura para (re)definir sua prática docente. DICAS
  • 16. No famoso e polêmico artigo “Por que (não) ensinar gramática na escola”, POSSENTI (1996) apresenta uma proposta de mudança radical para o ensino de Língua Portuguesa e argumenta que não adianta mudar os programas de ensino, se não houver mudanças nas escolas e nos professores. Para este autor, ensinar língua e ensinar gramática são coisas diferentes, por isso propõe o ensino da língua atual, usual e não de regras gramaticais descontextualizadas. Tal como a charge a seguir demonstra: Nesse sentido, (ibid, p.53- 54) afirma que “o domínio competente da língua não requer o ensino de seus termos técnicos”. E, para tanto, o autor acima propõe metodologias de ensino tais como: Ÿ valorização da leitura e da escrita; Ÿ mudança do padrão de língua a ser seguido, isto é, trocar a Literatura Antiga que é o modelo, pela linguagem jornalística ou dos textos científicos, tendo em vista que esses apresentam uma linguagem muito mais próxima do que falamos atualmente; Ÿ uma nova visão acerca do que o educador deve considerar como erros de escrita, ressaltando que existem muito mais acertos do que erros, pois mesmo os erros são regulares uma vez que há quem diga “os livro”, “os boi”, “os amigo” e aqui não estamos diante de três erros, mas apenas um (regra de concordância). Não ouvimos os livros, os bois, os amigos. Então, vejam que mesmo os erros são regulares, isto é, obedecem a 13 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Figura 4: Sírio Possenti Fonte: ciberduvidas.com Figura 5: Aula de gramática - Humor Fonte: http://risosponto.blogspot.com/2009/05/vicios-linguisticos.html
  • 17. 14 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período uma lógica morfossintática própria; Ÿ ensinar o que os alunos não sabem, ou quando eles erram. Nesta perspectiva, (Ibid) acredita que o domínio efetivo e ativo de uma língua dispensa o domínio de uma metalinguagem técnica. O que está em diálogo com a proposta logo acima; Ÿ as aulas de gramática sejam abolidas, ou, pelo menos, abolidas nas séries iniciais. Sobre a proposta acima, vale retomar Ilari (1997, p 3) quando esclarece que Possenti não propõe, o abandono da língua padrão pela escola o que seria sociolinguisticamente absurdo e politicamente reacionário porque, desde que os lingüistas começaram a criticar o ensino puramente gramatical, muita gente sinceramente interessada num ensino de boa qualidade (pais, professores e autoridades educacionais) entendeu que estava sendo preconizado o abandono da língua padrão na escola, e que havia começado uma espécie de "vale tudo". Muitos professores de escola média, por desinformação, acusam a lingüística de ter instaurado o caos no ensino de português, ao declarar equivalentes as variedades não-padrão e a variedade culta. Os linguistas nunca preconizaram a substituição do português padrão por qualquer forma de português não-padrão como língua-alvo da escola: defenderam, o que é muito diferente. 1) que as variedades não-padrão são línguas de pleno direito, no plano estrutural e até mesmo estético (afinal, há literaturas populares que se exprimem em português não-padrão); 2) que as variedades não-padrão podem ser utilizadas como um fator positivo no ensino, e até por esse motivo devem ser tratadas com respeito e 3) que a representação do português padrão que se pode retirar das gramáticas normativas é extremamente pobre. A língua portuguesa não é o que está nas gramáticas normativas, e isso permite ao professor Possenti defender, sem contradição, que a escola deve ensiná-la sem ensinar gramática, ou sem ensinar principalmente gramática. Enfim, na primeira parte do livro o autor faz uma reflexão que ora nomeia opções com que se defronta o professor de língua portuguesa, ora denuncia os preconceitos existentes sobre o ensino de língua portuguesa, sobre a gramática e sobre o professor. Ainda, Travaglia (1996) diz que a gramática não é desnecessária, mas também não deve ser o foco primeiro das aulas de português, uma vez que é mais importante que os falantes saibam usar a língua, de modo adequado, nas diversas situações de interação comunicativa. Nessa perspectiva, educadores ainda questionam se devem, ou como devem ensinar gramática. Para encontrar a resposta para tal questão, o professor deve ter embasamento teórico, deve evitar modismos linguísticos e práticas pedagógicas equivocadas. Pois, como bem coloca (Ibid), não há
  • 18. 15 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes como propiciar um bom ensino sem conhecimento do objeto de análise, no caso aqui em discussão, a Língua Portuguesa e suas regras gramaticais. Acreditamos que muitos de vocês já se questionaram sobre para quê e porque estudar gramática da língua materna se já falam este idioma. Ou, lá nas séries iniciais, vocês observaram que, na maioria das vezes, a língua que estudavam na escola era diferente da que usavam no seu cotidiano, embora o idioma seja o mesmo. Essas indagações derivam, muitas vezes, de uma visão reducionista, inocente do que seja ensino de gramática. Visto isso, a seguir iniciamos a discussão dessa disciplina com a seguinte questão: Para que ensinar a gramática da língua materna. 1.1 PARA QUE ENSINAR A GRAMÁTICA DA LÍNGUA MATERNA? Travaglia (1996, p. 17-20) responde a questão através de quatro respostas: A primeira é que o ensino da língua materna justifica-se pela necessidade de desenvolver a competência comunicativa. Sendo esta a capacidade de o falante usar a língua, de modo adequado, nas diversas práticas sociais. A competência comunicativa implica duas outras: a gramática (linguística) e a textual. A competência gramatical é a capacidade que todo falante de uma língua tem de criar um número infinito de frases gramaticais a partir de um número finito de regras. É o que alguns autores definiram como criatividade linguística. Essas frases são consideradas gramaticais porque qualquer falante da língua irá considerá-las como sendo típicas, próprias do uso. A competência textual é a capacidade que todo falante da mesma língua tem de produzir e compreender textos bem formados. E o que é um texto bem formado? Autores como: Koch (1989), Costa Val (1991) definem um texto bem formado como aquele que atende a fatores de textualidade tais como: coerência; coesão; intencionalidade; aceitabilidade; situacionalidade e informatividade. Charolles (1979, apud Travaglia, 1996) afirma que um texto bem formado vale-se de capacidades textuais básicas: Ÿ Capacidade formativa: permite ao falante de uma língua avaliar a formação de um texto, ou seja, permite ao falante avaliar se uma sequência linguística é ou não um texto. Ÿ Capacidade transformativa: possibilita ao falante de uma língua reformular,reproduzir,resumir,resenharumtextoparadiferentesfinalidades. Ÿ Capacidade Qualificativa: permite distinguir as tipologias de um texto, por exemplo, se um texto é uma narração, dissertação, descrição, sermão, ata, etc. Enfim, a partir das colocações acima, Travaglia (1996) diz que, para Idioma: refere-se a um conjunto de palavras e expressões usadas por um povo, por uma nação. Interação linguísitca: é a comunicação. Isto é, as pessoas se comunicam quando há uma mútua compreensão entre os falantes. Enunciação: é uma unidade de base da língua, uma atividade social, ideológica e contextual. C F E A B G GLOSSÁRIO
  • 19. 16 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período desenvolver a capacidade formativa, é preciso que o professor propicie o contato do aluno com variedade de situações comunicativas interativas através da interpretação e produção de textos em situações de enunciação reais. A este propósito os PCNs propõem um trabalho docente com gêneros e tipos variados de textos. Uma das explicações para o para o fracasso no aprendizado da língua portuguesa é a falta de leitura e da atividade de escrita ao longo da vida escolar. Tendo em vista isso, aqui retomamos, rapidamente, Bakhtin quando propõe compreender a língua como uma atividade social (e não individual) em que sua existência se justifica pelas necessidades da comuni- cação. Para essa concepção, o importante é compreender a língua como enunciação, ou seja, como uma unidade de base da língua, uma atividade social, ideológica e contextual. Então, para Baktin (1986), a língua é dialógo. é interação social. Sendo assim, a língua é essencialmente dialógica. Esta concepção de língua justifica, reforça, a necessidade de ensinar gramática a partir de textos reais, isto é, de situções comunicativas de interação. Possenti (1996) afirma que ler e escrever não são tarefas extras pedidas como lição de casa, mas atividades essenciais ao ensino da língua portuguesa. Portanto, seu lugar privilegiado, embora exclusivo, é a própria sala de aula. Nesse sentido, é que interpretamos a imagem a seguir: Figura 6: Texto infantil Fonte: http://bancodeatividades.blogspot.com/2009_09_13_archive.html
  • 20. 17 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Vejam que a importância do ensino de língua a partir de textos explicita a necessidade do conhecimento de teorias que tratam o texto como unidade de interação comunicativa. Nesta perspectiva, ainda, de acordo com Travaglia (1996, p.19), o segundo objetivo do ensino de Português é: 1. Levar o aluno a dominar a norma culta. 2. Ensinar a variedade escrita da língua. Os objetivos acima pressupõem que, quando o aluno vai para a escola, domina a variedade coloquial. Estas também são as justificativas, frequentes, de professores para ensinar a gramática normativa. O problema é que estes não são os únicos e nem os mais importantes objetivos do ensino de Português e sim alguns. Ainda, não é uma questão de rotular o grau de importância, pois, como veremos, o ensino de Português se justifica por quatro respostas e não somente pela segunda resposta. Na terceira resposta Travaglia (Ibid, p. 20) diz que “um dos objetivos do ensino de língua materna é levar o aluno ao conhecimento da instituição linguística, da instituição social que a língua é”. Ou seja, é necessário permitir que o educando compreenda o estudo de metalinguagem como meio para o conhecimento da estrutura e do funcionamento da língua. A última resposta propõe ensinar o aluno a pensar de modo científico, o que pressupõe o desenvolvimento das habilidades de observa- ção e argumentação da linguagem. A partir das razões para ensinar gramática, explicitadas acima, retomaremos Ilari (1997) quando diz que o domínio da língua e o domínio da gramática são coisas diferentes. Segundo este autor (Ibid), o domínio de uma língua excede o domínio de qualquer das terminologias hoje disponíve- is para sua descrição (a gramática normativa é, entre outras coisas, uma grande grade terminológica). Isso quer dizer que dominar a língua é algo muito mais complexo do que o domínio da gramática porque exige desen- volvimento das habilidades linguísticas. E o desenvolvimento destas habilidades, nas aulas de português, está atrelado às concepções de lingua- gem que o professor domina e que interferem em sua metodologia de ensino como veremos a seguir. 1. 2 CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM Para atingir os objetivos do ensino de Português acima, é preciso apresentar e acolher uma ou algumas concepções de linguagem. Em outras palavras, é o modo como o educador compreende a língua e a linguagem que define a sua prática de ensino de gramática. Travaglia (Ibid, 21-23) apresenta três possibilidades de compreen- der a linguagem: Metalinguagem: refere-se a qualquer linguagem usada para descrever uma linguagem em si mesma, por exemplo, uma descrição gramatical, ou um discussão sobre o uso de uma linguagem. Diferença entre língua e linguagem: a linguagem está relacionada com a capacidade de comunicar. Já a língua, ou idioma, refere-se a um conjunto de palavras e expressões usadas por um povo, por uma nação, é munido de regras próprias, de sua. Também, a linguagem é uma função cerebral que permite ao ser humano adquirir e utilizar uma língua particular. C F E A B G GLOSSÁRIO
  • 21. 18 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período 1. A linguagem como expressão do pensamento de modo que a linguagem é construída na mente e a fala ou escrita é a sua tradução. Nessa perspectiva, as pessoas que não se expressam bem é porque não pensam. Ainda, expressar bem está relacionado com adequação às regras da linguagem (prescritas na gramatica tradicional) que devem ser seguidas para a adequação lógica do pensamento e da linguagem. 2. A linguagem como instrumento de comunicação, ou seja, como fonte para transmitir uma mensagem. É um fato social e convencional, compartilhado pelos interlocutores. Essa definição é adotada pelos estruturalistas e pelos gerativistas. 3. A linguagem constitui um processo de interação humana, comunicativa. Nessa perspectiva, a linguagem, além de expressar os pensamentos ou transmitir informa- ções, também age, atua sobre o ouvinte/leitor, levando em consideração o contexto sócio-histórico e ideológico. Sendo assim, o que caracteriza a linguagem é a sua propriedade dialógica. Enfim, vejam que as definições de linguagem apresentadas acima apresentam diferentes tipos de ensino que retomaremos na Unidade II, mas para tratar desta questão antes precisamos definir alguns tipos de gramática. 1.3 TIPOS DE GRAMÁTICA A seguir apresentamos, a partir das definições propostas por Travaglia (1996), os tipos de gramática mais conhecidos ou que interferem de modo direto no ensino com o objetivo de explicitar que cada prática de ensino de linguagem está vinculada a um tipo e a uma concepção de linguagem. 1.3.1 Gramática normativa A primeira concepção de gramática, a gramática normativa, tem como objetivo prescrever normas ou ditar regras de correção para o “bom” uso da língua. Tem uma preocupação de não deixar a língua ser “corrompi- da”pela não adequação às normas ditas na gramática tradicional. Segundo Travaglia (1996), essa gramática é um manual de regras que devem ser seguidas para o bem falar. Este tem como modelo o uso consagrado pelos bons escritores e, portanto, ignora as características da língua oral. Nesse sentido, a língua é a variedade culta de modo que todas as outras formas de uso da língua são desvios, erros, degenerações e, por isso, a variedade culta deve ser seguida.
  • 22. 19 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes 1.3.2 Gramática descritiva A segunda concepção de gramática, a gramática descritiva, faz uma descrição da estrutura e do funcionamento da língua em uso, separan- do o que é gramatical do que não é. (Ibid, p. 27) diz que o critério para o estudo da língua nessa concepção gramatical é linguístico e objetivo, já que “não se diz que não pertecem à língua formas e usos presentes no dizer dos usuários da língua e aceitas por estes como próprias da língua que estão usando” . 1.3.3 Gramática internalizada A terceira concepção de gramática é chamada de gramática internalizada porque o “saber gramatical” não depende da escolarização, mas da ativação e do amadurecimento dos princípios da linguagem e de suas regras. Então, essa perspectiva, a gramática é um conjunto de regras que o falante de fato aprendeu e a língua é “um conjunto de variedades usadas pela sociedade de acordo com o exigido pela situação de interação comuni- cativa em que o usuário está engajado”. Ressaltamos que essa concepção não considera o erro linguístico e sim a inadequação da variedade linguística usada em uma determinada situação comunicativa porque não houve um atendimento das normas sociais de uso da língua. Além dos três tipos de gramática citados acima, gramática normati- va, descritiva e internalizada, Travaglia (1996, p. 30-37) fala de outros tipos que citaremos a seguir, de acordo com o que este autor apresenta. 1.3.4 A gramática implícita A gramática implícita é a gramática internalizada. O falante não tem consciência dela, apesar de ela estar na sua mente. Esse tipo de gramáti- ca. Esse tipo de gramática, por permitir usar a língua automaticamente, é chamada no contexto escolar de gramática de uso. 1.3.5 Gramática explícita ou teórica A gramática explícita ou teórica é uma explicitação do mecanismo linguístico (regras e princípios que regem a estruturação da língua) domina- do pelo falante e que lhe possibilita usar a língua. É usada pelos estudiosos, de modo metalinguístico, para explicar a estrutura, a constituição e funcio- namento da língua.
  • 23. 20 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período 1.3.6 Gramática histórica Gramática histórica é aquela que estuda a evolução de um idioma, preocupando-se com a origem e a evolução de uma língua até o momento atual. Na gramática normativa, observamos a contribuição da gramática histórica quando apresenta a origem do Português no Latim vulgar, a evolução dos elementos fonológicos, morfológicos e sintáticos e sobre a formação do vocabulário. Vejam que há muitos tipos de gramática, os mais conhecidos são a gramática normativa e a gramática internalizada. Mas os outros tipos (alguns não foram citados acima para evitar repetição de conteúdo) também apresentam contribuições importantes para uma discussão sobre o ensino de gramática. Ilari (1997) ao apresentar o texto de Possenti (1996), retoma este autor quando trata sobre tipos de gramática opondo em primeiro lugar uma concepção descritiva à concepção normativa. Para Possenti (1996), a gramática normativa se caracteriza por objetivar uma língua ideal que consiste em um conjunto de normas que dizem como a língua deve(ria) ser. A concepção descritiva de gramática consiste em descrever a língua tal como ela é, apresentando as estruturas que os falantes de uma determina- da língua têm à sua disposição, sem atribuir valor positivo ou negativo à escolha entre essas formas. Uma terceira concepção é a gramática internalizada, segundo a qual todo falante de uma língua, durante a fase de aquisição, "internaliza" princípios e regras que lhe permitem produzir enunciados que serão reconhe- cidoscomobemformadospelosdemaisfalantesdesuacomunidade. Logo, diferentes conceitos de regra, erro e língua são compatíveis com uma dessas concepções de gramática. Possenti ainda afirma que a gramática mais rica de todas é a gramática internalizada. Visto isso, o autor afirma que é responsabilidade do professor de língua portuguesa proporcio- nar ao aluno dados novos que serão internalizados ao fecharem o livro e trabalhar com fatos de linguagem reais, isto é, usados pelos alunos.
  • 24. 21 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes REFERÊNCIAS POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP, Mercado de Letras, 1996. TRAVAGLIA, L. Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramáticas. São Paulo: Cortez, 1996. BAKHTIN. M.; Voloshinov, V. N. Marxismo e filosofia da Linguagem. São Paulo, Hucitec, 1986. COSTA VAL, Maria da Graça. Redação e textualidade. 19o ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. ILARI, Rodolfo. Resenha: Por que (não) ensinar gramática na escola. In: Educação & Sociedade. Vol.18, nº. 60, Campinas, Dez, 1997. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php. Acesso em 20 de janeiro de 2010. KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A coesão textual. 7a ed. São Paulo: Contexto, 1997. NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática na escola. São Paulo: Contexto, 1990. POSSENTI, Sírio. Ler Gramáticas, 2007. Disponível em http://terramagazine.terra.com.br/interna. Acesso em 21-01-2010. Disponível em http://portal.mec.gov.br. Acesso em 29-04-2010.
  • 25. 22 2UNIDADE 2TIPOS DE ENSINO DE LÍNGUA E A REALIDADE DO ENSINO DE GRAMÁTICA NO BRASIL O ensino de gramática constitui um dos mais fortes pilares das aulas de português e chega a ser, em alguns casos, a preocupação quase exclusiva dessas aulas. Nas últimas duas décadas, entretanto, vem se firmando um movimento de revisão crítica dessa prática, ou seja, vem-se questionando a validade desse “modelo” de ensino, o que faz emergir a proposta da prática de análise linguística (AL) ao invés de aulas de português. (MENDONÇA, 2000, p. 11) Apresentação da unidade Depois de apresentar alguns motivos para o ensino de língua materna para falantes da língua em questão, algumas concepções de linguagem e tipos de gramática, nesta unidade, temos como objetivos: abordar o ensino de gramática de modo direto ao apresentar alguns tipos e finalidades do ensino e apresentar algumas questões relativas ao ensino de gramática no Brasil. 2.1 ENSINO PRESCRITIVO A prática de ensino que desconsidera a modalidade falada pelo aluno e visa substituí-la pelos modelos nomeados de “corretos” e impostos pela gramática normativa é chamado de prescritivo. Vejam que este é um tipo de ensino que interfere nas habilidades linguísticas do falante, pois o “faça isto” equivale ao “não faça aquilo”. Logo, o ensino prescritivo está relacionado à primeira concepção de linguagem (linguagem como expres- são do pensamento) e só privilegia o padrão culto da língua visando à correção formal da linguagem (TRAVAGLIA, 1996, p. 38). 2.2 ENSINO PRODUTIVO Assim como o ensino descritivo, o ensino produtivo não objetiva alterar as habilidades linguísticas adquiridas pelo aluno, mas sim explicitar novas habilidades, novos recursos de linguagem de modo que o falante tenha ao seu dispor um leque maior de possibilidades linguageiras e assim possa adequá-las às diversas situações de interação comunicativas. Vale ressaltar que este tipo de ensino é o mais adequado para realização do primeiro objetivo de ensinar gramática para falantes de língua materna: desenvolver a competência comunicativa, esta é a capacidade de o falante usar a língua, de modo adequado, nas diversas situações de interação comunicativa. Ou seja, o ensino produtivo objetiva desenvolver
  • 26. 23 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes novas habilidades linguísticas e o desenvolvimento da competência comunicativa objetiva a aquisição de novas habilidades de uso da língua. 2.3 ENSINO DESCRITIVO O ensino descritivo não objetiva alterar, substituir as habilidades linguísticas já adquiridas e sim mostrar como a linguagem funciona e como pode ser utilizada. Neste tipo de ensino o professor objetiva: Ÿ proporcionar ao aluno o conhecimento da estrutura, do funcionamento, da forma e da função da língua; Ÿ proporcionar o desenvolvimento pensamento, do raciocínio, da capacidade de análise sistemática dos fatos sociais e fenômenos da natureza. O ensino descritivo, diferente do prescritivo, leva em consideração todos os tipos de variedades linguísticas que são as variações que uma língua sofre a partir de condições sociais, culturais, regionais e históricas em que é utilizada. Aqui, cabe falar um pouco sobre o conceito variação linguística porque está, intimamente, relacionado ao modo como se compreende o ensino de gramática na escola e qual abordagem é mais adequada. A língua evolui tanto quanto a humanidade evolui e, sendo assim, a língua está sujeita às transformações, no tempo e no espaço. Segundo Bagno (2001), existem quatro modalidades que explicam as variantes linguísticas: 1.variação histórica (palavras e expressões que caíram em desuso com o passar do tempo); 2.variação geográfica (diferenças de vocabulário, pronúncia de sons e construções sintáticas em regiões falantes do mesmo idioma); 3.variação social (a capacidade linguística do falante provém do meioemquevive,suaclassesocial,faixaetária,sexoegraudeescolaridade); 4.variação estilística (cada indivíduo possui uma forma e estilo de falar próprio, adequando-o de acordo com a situação em que se encontra). Vejam que as variantes supracitadas explicam as variações linguísti- cas. Sabe-se que o fato de utilizar essas variações não deve ser motivo de preconceito em nossa sociedade. Cabe, contudo, ao professor de Língua Portuguesa proporcionar atividades de pesquisa para que seus alunos conheçam as variedades e entrem em contato com a norma padrão. Como afirmamos anteriormente, o ensino de gramática (regras) não é o objetivo primeiro das aulas de Português e sim é consequência do desenvolvimento das habildiades comunicativas. E o professor não pode dispensar a compreensão de língua da sociolinguística variacionista. Os pressupostos teóricos desta disciplina já foram vistos por vocês na disciplina: Linguística Geral e, para recordar, retomamos algumas colocações de Bagno (autor conhecido de vocês).
  • 27. 24 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período “A Sociolingüística tem por objeto de estudo os padrões de comportamento lingüístico observáveis dentro de uma comunidade de fala e os formaliza analiticamente através de um sistema heterogêneo, constituído por unidades e regras variáveis. Esse modelo visa a respon- der a questão central da mudança lingüística a partir de dois princípios teóricos fundamentais: (i) o sistema lingüístico que serve a uma comunidade heterogênea e plural deve ser também heterogêneo e plural para desempenhar plenamente as suas funções; rompendo-se assim a tradicional identificação entre funcionalidade e homogeneida- de; (ii) os processos de mudança que se verificam em uma comunidade de fala se atualizam na variação observada em cada momento nos padrões de comportamento lingüístico observados nessa comunidade, sendo que, se a mudança implica necessariamente variação, a variação não implica necessariamente mudança em curso”. (DANTE e ARAÚJO) Disponível em http://www.vertentes.ufba.br/socio.htm Acesso em 05 de fev de 2010. Para Bagno (2001) preconceito linguísticoé atitude que discrimina uma pessoa devido ao seu modo de falar. Este preconceito é exercido por aqueles que tiveram acesso à educação de qualidade, à “norma padrão de prestígio”, que ocupam as classes sociais dominantes e acreditam que o falar daqueles sem instrução formal e comk pouca escolarização é “feio” ou ”errado”. O preconceito linguístico pode ser visto como preconceito “social”, pois não é o modo de falar que sofre preconceito e sim a identidade social e individual do falante. Nessa perspectiva, a norma culta, ditada pela gramática tradicional, caracteriza o português correto e tudo o que foge à norma é considerado errado. E Bagno (Ibid) chama atenção para o fato de que não existe portu- guês certo ou errado, mas modalidades de prestígio ou desprestígio que correspondem ao meio e ao falante, pois o papel fundamental de uma língua é o de permitir a interação verbal entre as pessoas, isto é, a comunicação. Certamente, vocês acadêmicos do curso de Letras, enquanto alunos, já ouviram o professor falar que uma determinada construção linguística estava errada ou, enquanto professores, alguns reproduzem esta afirmação durante a correção de produção de seus alunos ou durante a correção de exercícios de classificação gramatical. E o que aqui está em discussão é que não existe certo e errado e sim adequado ou inadequado para determinada situação comunicativa (contexto linguístico). Reflita sobre Variação Linguística e o conceito de certo e errado x adequado e inadequado presente na charge abaixo. Discuta suas conclusões com o tutor presencial. ATIVIDADES
  • 28. 25 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Figura 7: Cerrado em Quadrinhos Fonte: http://www.universohq.com/quadrinhos/2009/imagens/cerrado.jpg O professor deve ter em mente que ao ingressar na escola, toda criança já se comunica, já domina uma modalidade de linguagem própria do meio social onde desenvolveu a comunicação. Sendo assim, o modo de falar que cada um traz, não deve se abandonado com a justificativa de que domina o padrão informal da língua e que a escola o ensinará a substituir este padrão pelo padrão formal, culto. Nesta perspectiva, o aluno perderá a sua identidade social e individual e não encontrará estímulo para frequentar as aulas de Português. O que o professor de língua materna deve deixar claro para o aluno é que a escola ensinará o padrão culto visando à promoção social, ao acesso aos instrumentos culturais de prestígio e que em cada situação de comunica- çao um nível de linguagem será adequado. Nesse sentido é que é importante conhecer todos os níveis e dominá-los. Gêneros textuais: são os textos produzidos, materializados encontrados em nosso cotidiano. Eles apresentam características sócio- comunicativas definidas por seu estilo, Função, composição, conteúdo e canal. Ex: Carta pessoal, comercial, bilhete, diário pessoal, agenda, anotações, romance, resenha, e-mail, fórum, aula expositiva, lista de compras, horóscopo, instruções de uso, etc. C F E A B G GLOSSÁRIO Para saber mais sobre os gêneros textuais leiam: DIONÍSIO, Ângela Paiva, MACHADO; Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. MARCUSHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (Orgs.). Hipertexto e gêneros digitais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004. DICAS
  • 29. 26 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período 2.4 A REALIDADE DO ENSINO DE GRAMÁTICA NO BRASIL Quando questionamos sobre a realidade do ensino de gramática no Brasil, temos uma resposta pronta: é um fracasso. Precisamos refletir acerca desse fato. Por que é consenso que os alunos, normalmente, detestam as aulas de Português? Por que os resultados das provas que medem a qualida- de do ensino no Brasil evidenciam, sobretudo, notas baixas nas provas de língua portuguesa? Travaglia (1996), ao discutir sobre o assunto acima, coloca as seguintes questões: para que se ensina, o que se ensina e o como se ensina? Para responder o autor baseia-se no estudo de Neves (1990) e na sua experiência com o ensino de gramática. Travaglia (Ibid) logo informa que o ensino nas escolas do Brasil é, de modo geral, prescritivo, apegado a regras da gramática normativa. Diante disso, o desenvolvimento das habilidades de leitura e produção de texto é relegado a um segundo plano. Vocês já viram que, sendo o desenvolvimento das habilidades comunicativas o primeiro objetivo do ensino de Português para falantes desta língua, é uma incoerência priorizar o ensino de uma só modalidade da língua: a modalidade culta. Para ancorar sua pesquisa, Travaglia (Ibid, p. 102) retoma o estudo de Neves (1990) que explicita a realidade do ensino no Brasil. Vejam que esta pesquisa foi feita há 20 anos, mas ainda é muito atual e, para comprovar, basta observarmos a realidade mais próxima que nos circunda. Neves (Ibid) entrevista 170 professores do ensino básico e médio do Estado de São Paulo. A maioria destes professores entendia que o ensino de gramática serve para falar e escrever melhor, para aprovar candidatos em concurso, para o bom desempenho social e profissional, para cumprir o programa da escola e, consequentemente, levar os alunos a acertar os exercícios. Em resumo, vemos que o ensino de gramática significa algo inútil, ou que os professores não veem uma necessidade real para o ensino de gramática. Logo, o ensino de gramática permanece por comodismo, desconhecimento de alternativas de ensino, exigência do currículo, pais, sociedade, concursos (TRAVAGLIA, Ibid). A charge a seguir nos faz refletir sobre essa realidade.
  • 30. 27 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Figura 8: Charge ilustrativa de regras de ortografia Fonte: http://ensinodeportuguesparasurdos.blogspot.com/ Em relação ao que é ensinado, Neves (Ibid, p. 103) informou que os exercícios de “classificação de classes de palavras e funções sintáticas correspondem a 70% (75,56%) das atividades de ensino de gramática”. Esses tópicos são repetidos anos após ano, até a conclusão do Ensino Médio e, por isso, os alunos não encontram sentido, motivação para as aulas de Português. Não há consenso quanto ao que ensinar. Há escolas que enfati- zam o ensino de tópicos gramaticais. Há professores que não ensinam gramática. Há outros que equilibram o ensino com tópicos de linguagem e outrasatividades,queensinamousodelinguagem.Estasposiçõesdevem-seàs: Ÿ Diferentes formações teóricas - ênfase estruturalista ou funcio- nalista - etc. Ÿ Orientações das secretarias e superintendências de ensino. Ÿ Orientações dos livros didáticos que, na maioria das vezes, aparecem como única fonte de consulta sobre a língua. portuguesa. Quanto ao como a gramática é ensinada, esta é uma questão polêmica e que será tratada aqui de acordo com o que explicita Travaglia (Ibid) a partir da pesquisa de Neves (1990). Sobre o como ensinar, Neves (Ibid) observou que mais de 50% dos professores retiram dos textos exem- plos para análise e 40% dizem partir da teoria para realização de exercícios gramaticais. Aqui, vale chamar atenção para o fato de que não é produtivo
  • 31. 28 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período dissimular o ensino de regras gramaticais através de exemplos retirados de textos, mas sem relacioná-los com situações reais de uso da língua. O ensino de gramática através de exemplos contextualizados com as situações de comunicação torna as aulas de língua portuguesa significativas, atuais, não enfadonhas. Ao fazer uma observação geral sobre a questão, Neves (1990), Apud Travaglia (1996, p.105-106) afirma que os professores: a) “em geral acreditam que a função do ensino da gramática é levar a escrever melhor”; b) “foram despertados para uma crítica da gramática tradicional”; c) “têm procurado não dar aulas de gramática normativa”; d) “verificam que esta gramática não está servindo para nada”; e) “apesar disso, matem as aulas sistemáticas de gramática como um ritual imprescindível à legitimação de seu papel”. As colocações acima levam à conclusão de que os professores reconhecem os problemas básicos do fato de se gastar 80% do tempo das aulas com ensino de gramática, mas não conseguem ter uma prática produtiva, diferente. Talvez por falta de capacitação, conhecimento de alternativas de ensino ou dificuldade de mudar o seu papel diante do que a sociedade espera do professor de língua materna e, consequentemente, da necessidade desse profissional de assegurar o seu lugar de poder (domínio da língua culta). Possenti (1996) também faz uma afirmação referente à realidade do ensino de gramática no Brasil. Este autor chama a atenção para o fato de que crianças e adultos “normais” utilizam diferentes códigos e variedades da língua e, portanto, parece impossível que alunos “normais” não consigam alcançar um bom domínio da modalidade culta, após muitos anos de escolarização. A conclusão à qual Possenti (ibid) chega sobre esse fato é de que as potencialidades dos educandos não são exploradas de modo adequado. Vejam que é a você, estudante do curso de Letras e futuro professor, que cabe a responsabilidade de criar uma escola em que esse aprendizado possa ocorrer de maneira espontânea, real. Assim, permitirá um ensino de língua mais eficaz e democrático. Para tanto, é necessário que o professor se liberte de preconceitos linguísticos, difundidos socialmente tais como: o português é difícil, não é para todos; o uso de uma variedade não-padrão corresponde automaticamente a uma limitação mental, ensinar português é ensinar regra gramatical. (ILARI, 1997).
  • 32. 29 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Figura 9: Charge ilustrativa de ensino de verbos Fonte: http://umcadimditudu.blogspot.com/2007/12/aulas-de-portugues Ainda, Ilari (Ibid, p. 5) diz que Possenti (1996), [...] lembra que a indefectível cobrança de conhecimentos inúteis de nomenclatura e ortografia que assola as provas de concurso como uma verdadeira praga nacional parte, afinal, dos elaboradores dessas provas, que são, normalmente, professores de português, bem intencionados. Por fim, para proporcionar aos seus alunos práticas pedagógicas efetivamente enriquecedoras, o professor deve perguntar o que os alunos já sabem, planejando seu ensino em função desse conhecimento, mas não é isso que acontece normalmente: o ensino de língua materna, tal como vem sendo praticado, mostra, ao contrário, que se gasta um tempo enorme etiquetando fora de contexto coisas que o aluno já domina (pense no tempo gasto com assuntos não problemáticos como o gênero e o número dos substantivos), em prejuízo de atividades mais provocativas como ler, expor e descobrir a variabilidade da língua a partir das amostras disponíveis em classe. Porfim,Ilari(Ibid,p.3),aoresenharolivrodePossenti(ibid),dizque, [...] a questão não é mais decidir pela gramática normativa ou contra ela, mas sim criar condições para que a espontane- idade com que os alunos fazem da linguagem uma parte de suas vidas, sua assombrosa capacidade de intuir as estruturas e de atualizá-la num desempenho gramaticalmente correto
  • 33. 30 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período na variedade que praticam, o natural desembaraço com que circulam entre diferentes níveis e registros sem confundi-los, não sejam sacrificados a qualquer rotina de ensinar que tenha como único argumento a inércia do sistema escolar. Diante da citação acima, vimos que o papel da escola e do professor é complexo e que as mudanças na prática de ensino de português, depen- dem não mais de teorias que deem o suporte teórico, didático- metodológico e sim de mudanças entre os sujeitos do contexto escolar e da sociedade. É nesse sentido que a ilustração abaixo dialoga com as coloca- ções acima. Por fim, na unidade IV, veremos algumas propostas de ensino de gramática que dialogam com as questões críticas, feitas até então. Figura 10: Movimento escola comunidade Fonte: http://educacaodialogica.blodspot.com/2008
  • 34. 31 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes REFERÊNCIAS MENDONÇA, Márcia. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In: BUNZEN, Clecio; MENDONÇA, Márcia (orgs.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo, 2006. POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP, Mercado deLetras, 1996. TRAVAGLIA, L. Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramáticas. São Paulo: Cortez, 1996. BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico. São Paulo: Edições Loyola, 2001. FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência Textuais. São Paulo. Editora Ática, 2003. KOCH. I.G. V. A coesão textual. São Paulo; Contexto, 1992. ____ & TRAVAGLIA, L.C. Texto e coerência. São Paulo, Cortez, 1989. ____. A coerência Textual. São Paulo, Contexto, 1990. NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática na escola. São Paulo: Contexto, 1990.
  • 35. 32 3UNIDADE 3MÉTODOS E PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE GRAMÁTICA. O modo como representamos e concebemos a linguagem, o que consideramos “domínio das linguagens e suas tecnologias”, os motivos que orientam esse domínio trazem implícitos nossos horizontes filosóficos e éticos, políticos e sociais, culturais e estéticos. Torna-se, pois, essencial explicitar nossa compreensão do que seja linguagem e de seu lugar na vida humana e, conseqüentemente, o sentido do ensino da disciplina. (CBC/LP, 2007, p.11). Apresentação da unidade Nesta unidade, abordamos a importância do planejamento e apresentamos uma discussão em torno dos documentos oficiais que balizam o planejamento da disciplina Língua Portuguesa. Esperamos que você tire bastante proveito dessa unidade que, ancorada apelos documentos oficiais de parametrização do ensino de Língua Portuguesa, proporciona conhecimentos para a formação de um profissional consciente dos modos de agir e do por que agir ao trabalhar, em sala de aula, do ensino fundamental e médio com a disciplina Língua Portuguesa. Boa leitura. Objetivos Ÿ Identificar o papel do professor no planejamento em ação do processo de ensino e aprendizagem da Língua Portuguesa. Ÿ Inteirar-se das propostas de ensino de Língua Portuguesa, particularmente dos conteúdos gramaticais, nas escolas de ensino funda- mental e médio. Ÿ Familiarizar-se com as competências, os conteúdos e a metodo- logia de atividades referentes ao ensino de Língua Portuguesa. 3.1 IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO Em sua trajetória histórica o homem sempre sonhou, pensou refletidamente e planejou suas ações. Inclusive, o homem primitivo, do seu modo e utilizando sua habilidade de pensar, planejou como deveria agir para vencer os obstáculos que se interpunham em sua vida tais como caçar, pescar, colher frutas, que estratégias utilizar para vencer seus inimigos e para conquistar territórios.
  • 36. 33 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Segundo Vasconcellos (2009), o planejamento é inerente ao ser humano. Todos, em seu dia-a-dia, têm algum plano, “mesmo que não esteja sistematizado por escrito”. Informações sobre o autor: * “Celso dos Santos Vasconcellos já foi professor, coordenador pedagógico e gestor escolar. Ao longo de sua extensa carreira de educador, participou de inúmeros processos de planejamento nas escolas e gosta de dizer que aprendeu muitas lições. 'Às vezes, há uma tentação enorme de ficar gastando tempo com problemas menores, quase sempre da esfera administrativa ou burocrá- tica. Justamente por isso é tão importante planejar o planejamento', afirma. Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo, mestre em História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e autor de diversos livros sobre esse assunto, o especialista fala na entrevista a seguir a respeito dos meandros do processo de elaboração das diretrizes do trabalho da escola.” Menegolla e Sant´Anna (1998, p. 17) afirmam que “planejar é uma exigência do ser humano; é um ato de pensar sobre um possível e viável fazer. E, como o homem pensa sobre o seu “o quê fazer”, o planejamento se justifica por si mesmo. A sua necessidade é a sua própria evidência e justificativa”. Em se tratando do processo de ensino e aprendizagem, o planeja- mento é algo muito sério que deve ser elaborado com qualidade e intencio- nalidade. Logo, pensar em qualidade pressupõe que você pense em inteirar- se do que é importante, necessário, significativo, prazeroso, etc., para o nível dos alunos. Já a intencionalidade, envolve perguntar: para que ensinar o que se vai ensinar? Com quais objetivos? Pode-se afirmar que o planejamento educacional é a previsão antecipada de ações educativas para atingir certos objetivos, que vêm de necessidades criadas por uma determinada realidade. É, sobretudo, traçar modos de agir de acordo com essa realidade, admitindo, contudo, a possibilidade de mudanças ou de alterações de percurso. O planejamento educacional é, portanto, flexível. Zabala (1996, p. 157), seguindo os critérios propostos por Raths, enumera doze princípios para guiar o professor no planejamento de atividades de ensino. Para este autor, uma atividade didática é preferível à outra se: Planejar o planejamento: é o mesmo que criar a oportunidade PARA FAZER O PLANEJAMENTO. Normalmente as escolas reservam, no início de cada período letivo, dentro do calendário escolar, o momento do planejamento conjunto. C F E A B G GLOSSÁRIO Esperamos que você tenha percebido que o planejamento é algo inerente ao ser humano. Perguntamos: Você planeja suas atividades cotidianas? Experimente planejar a sua semana. Pare e pense quais são as atividades que você tem a desempenhar. Estabeleça um objetivo para cada uma delas, faça um cronograma de ações diárias, liste os recursos de que você vai precisar. Não se esqueça de incluir as atividades de estudo. Compare o seu planejamento com o planejamento de um colega. Sucesso! ATIVIDADES
  • 37. 34 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período a) permite que o aluno tome decisões razoáveis sobre como desenvol- vê-la e veja as consequências de sua escolha; b) atribui ao aluno papel ativo em sua realização; c) exige do aluno uma pesquisa de idéias, processos intelectuais, acontecimentos ou fenômenos de ordem pessoal ou social e o estimula a se envolver nela; d) obriga o aluno a interagir com sua realidade; e) pode ser realizada por alunos de diversos níveis de capacidade e interesses diferentes; f) obriga o aluno a examinar, em um novo contexto, uma idéia, um conceito, lei etc., que já conhece; g) obriga o aluno a examinar idéias ou acontecimentos normalmente aceitos sem questionamento pela sociedade; h) coloca o aluno e o educador em uma posição de êxito, fracasso ou crítica; i) obriga o aluno a reconsiderar e rever seus esforços iniciais; j) obriga a aplicar e dominar regras significativas, normas ou disciplinas; k) oferece ao aluno a possibilidade de planejá-la com outros, participar do seu desenvolvimento e comparar os resultados obtidos; l) for relevante para os propósitos e interesses explícitos dos alunos. Aofalarsobreplanejamento,MadalenaFreire(1997:56)afirmaque, [...] o planejamento alicerça a ação criadora, pois permite que haja um controle do que está ocorrendo em sala de aula. Nesta perspectiva, o planejamento não anula a criatividade nem a dinâmica do trabalho, pelo contrário, permite que a criatividade vá em direção aos objetivos desejados. 3.2 O ENSINO DA GRAMÁTICA E OS DOCUMENTOS OFICIAIS Não há como abordar as questões de ensino sem fazer referência à lei maior que o regula, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB nº. 9.394/96. O ensino proposto pela LDB está em função do objetivo amplo da educação que é propiciar a todos a formação básica para a cidadania, a partir da criação, na escola, de condições de aprendizagem para o que propõe no art. 32: I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; Analise cada um dos princípios enumerados por Zabala. Reflita sobre a importância e a pertinência de se considerar cada um deles no momento de planejar as suas aulas. Agora, faça comentários, no fórum destinado à discussão das atividades, sobre o valor desses princípios para o bom andamento das atividades de ensino de Língua Portuguesa. ATIVIDADES Recomendamos para a complementação dos seus estudos a respeito de Planejamento a leitura dos livros: 1- FREIRE, Madalena. (Org.). Observação registro reflexão: Instrumentos Metodológicos I. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1996. Em parceria com Juliana Davini, Fátima Camargo e Mirian Celeste Martins. O livro resgata importantes ferramentas para a construção do conhecimento e da consciência, na aventura de ensinar e aprender com criatividade e autoria. Na primeira parte as autoras enfocam a observação, o como aprendemos a olhar, a importância de dar direção e intenção a este ato. Elas afirmam que o olhar cuidadoso que envolve generosidade, cuidado, planejamento, atenção e presença e que a sensibilidade é um recurso a ser desvelado, para podermos ver além e a importância do exercício estético para a formação do educador atento. Na segunda, as autoras discutem sobre a importância DICAS
  • 38. 35 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes do registro para a obtenção de um pensamento reflexivo. A escrita como exercício básico do estudo da teoria e da própria prática pedagógica, é que vai possibilitar o clareamento do que já sabemos e do que precisamos ainda tentar, conhecer, criar, olhar. Este movimento é gerador de reflexão que, por sua vez, incentiva o ato consciente, ato fundamental para constituir a subjetividade, o sentido de um fazer, na busca de recuperar valores imprescindíveis para a formação de sujeitos pensantes, criadores e sensíveis. 2- FREIRE, Madalena. (Org.). Avaliação e planejamento: a prática educativa em questão: Instrumentos Metodológicos II. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1997. Na primeira parte desta obra as autoras resgatam o sentido dramático do ensinar e aprender, defendendo o pensar como ingrediente básico. Afirmam que o pensar que se dá nas mais variadas linguagens é mola propulsora da consciência, que por sua vez dá força para as transformações do sujeito em sua realidade interna ou externa. Na segunda parte enumeram os instrumentos com os quais os educadores contam, para enriquecer e sistematizar seu pensar, transformando-o em fazer. “Neste livro priorizamos a discussão de duas ferramentas básicas: a avaliação e o planejamento” afirmam. As ferramentas são antigas conhecidas do público de pedagogos, porém as autoras recriaram ao inseri-las dentro de uma nova proposta em educação: a concepção democrática. “Com elas podemos ir e vir, em nosso difícil trabalho de recriar, inventar, refazer o nosso sonho pedagógico”. III - o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidarie- dade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. (art. 32). Sendo assim, a organização curricular e a abordagem dos conteú- dos devem ocorrer primeiramente no sentido de conferir ao aluno a efetivação dos objetivos da educação democrática. Para garantir essas proposições, a estrutura federativa autoriza os órgãos governamentais a tomarem as providências necessárias. Assim é que, na esteira dessa possibilidade, a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais criou, em 2000, para as escolas da rede estadual de Minas Gerais, o Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública – SIMAVE Entre os programas que integram o SIMAVE, há o Programa de Avaliação da Aprendizagem Escolar – PAAE, planejado para avaliar a aprendizagem dos alunos ao longo do ano letivo e identificar, a partir dos resultados de desempenho, as necessidades imediatas de intervenção pedagógica no cotidiano escolar. Assim, os resultados de suas avaliações devem fundamentar o planejamento educacional, do ensino e as intervenções pedagógicas, fornecendo subsídios para a melhoria da aprendizagem dos alunos e da prática docente, contribuindo para o sucesso escolar do aluno. 3.2.1 O planejamento da disciplina língua portuguesa Para subsidiar o Planejamento das aulas de Língua Portuguesa, O SIMAVE oferece uma Matriz de Referência composta por um conjunto de descritores que explicitam dois pontos básicos do que se pretende avaliar: 1- o conteúdo programático a ser avaliado em cada período de escolarização e 2- o nível de operação mental necessário para a realização de determinadas tarefas. Os descritores são selecionados para compor a matriz, consideran- do-se aquilo que pode ser avaliado por meio de um teste de múltipla escolha, cujos itens implicam a seleção de uma resposta em um conjunto dado de respostas possíveis. De posse dos resultados da avaliação, cada escola volta aos descritores para o novo planejamento. Vejam, na íntegra, as matrizes de referência do ensino fundamental e do ensino médio:
  • 39. 36 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período MATRIZ DE REFERÊNCIA – SIMAVE –PROEB LINGUA PORTUGUESA – 4ª SÉRIE / 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL TÓPICOS E SEUS DESCRITORES I - PROCEDIMENTOS DE LEITURA D0 Compreender frases ou partes que compõem um texto. D1 Identificar um tema ou o sentido global de um texto. D2 Localizar informações explícitas em um texto. D3 Inferir informações implícitas em um texto. D5 Inferir o sentido de palavra ou expressão. D10 Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato. II – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO D6 Identificar o gênero de um texto. D7 Identificar a função de textos de diferentes gêneros. D8 Interpretar texto que conjuga linguagem verbal e não verbal. III - COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO D11 Reconhecer relações lógico-discursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios, etc. D12 Estabelecer a relação causa/consequência entre partes e elementos do texto. D15 Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições ou substituições que contribuem para sua continuidade. D19 Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que compõem a narrativa. IV – RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO D23 Identificar efeitos de ironia ou humor em textos. D21 Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso de pontuação e outras notações. V – VARIAÇÃO LINGUÍSTICA D13 Identificar marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto.
  • 40. 37 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes IMPORTANTE Como você pode observar, os descritores previstos para a 4ª série / 5º ano do ensino fundamental, abordam com maior ênfase as competências de leitura. Apenas o D21 e o D13 sugerem questões que poderiam se aproximar do conteúdo gramatical. Isso porque, conforme veremos mais adiante, o ensino da língua, no ensino fundamental, deve priorizar a leitura, a compreensão, a interpretação e a escrita de textos. As questões gramaticais devem ocorrer basicamente em função do aperfeiçoamento dos textos escritos pelos alunos. MATRIZ DE REFERÊNCIA – SIMAVE –PROEB LINGUA PORTUGUESA – 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL E 3º ANO DO ENSINO MÉDIO TÓPICOS E SEUS DESCRITORES I - PROCEDIMENTOS DE LEITURA D1 Identificar um tema ou o sentido global de um texto. D2 Localizar informações explícitas em um texto. D3 Inferir informações implícitas em um texto. D5 Inferir o sentido de palavra ou expressão. D10 Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato. II – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO D6 Identificar o gênero de um texto. D7 Identificar a função de textos de diferentes gêneros. D8 Interpretar texto que conjuga linguagem verbal e não verbal. III – RELAÇÃO ENTRE TEXTOS D18 Reconhecer posições distintas entre duas ou mais opiniões relativas ao mesmo fato ou ao mesmo tema. D20 Reconhecer diferentes formas de abordar uma informação ao abordar textos que tratam do mesmo tema. IV - COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO D11 Reconhecer relações lógico -discursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios, etc. D12 Estabelecer a relação causa/consequência entre partes e elementos do texto.
  • 41. 38 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período D15 Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições ou substituições que contribuem para sua continuidade. D16 Estabelecer relações entre partes de um texto a partir de mecanismos de concordância nominal. D19 Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que compõem a narrativa. D14 Identificar a tese de um texto. D26 Estabelecer relações entre a tese e os argumentos oferecidos para sustentá-la. IMPORTANTE Observe que, também para o 9º ano do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio, a grande ênfase continua sendo a mesma. Apenas os descritores D21, D 25 e D13 fazem referência mais diretamente a aspectos gramaticais. É importante salientar que o Programa de Avaliação da Aprendizagem Escolar (PAAE) baseia-se, também, nos Conteúdos Básicos Comuns – CBC - documento curricular elaborado a partir da releitura dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). O CBC de Língua Portuguesa – CBC/LP, para os anos finais do ensino fundamental e para o ensino médio, norteia o planejamento dessa disciplina. Muito embora não esgote todos os conteúdos a serem abordados na escola, o CBC/LP expressa os aspectos fundamentais, que não podem deixar de ser ensinados e que os alunos devem aprender. Ao mesmo tempo, esse documento indica as habilidades e compe- tências que os alunos não podem deixar de adquirir e desenvolver. No ensino médio, o CBC/LP foi estruturado em dois níveis para permitir uma primeira abordagem mais geral e semiquantitativa no primeiro ano, e um tratamento mais quantitativo e aprofundado no segundo ano. 3.2.2 Diretrizes para o ensino de língua portuguesa Em consonância com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), que consideram o ensino de Língua Portuguesa preparatório para a vida, qualificando o aluno para o aprendizado permanente e para o exercício da cidadania, o CBC/LP considera que,”a linguagem é atividade interativa em que nos constituímos como sujeitos sociais”. Acesse o sítio da Secretaria de Educação (http://www.educacao.mg.gov. br) e conheça o Centro de Referência Virtual do Professor (CRV). No CRV, encontra-se sempre a versão mais atualizada dos CBCs, orientações didáticas, sugestões de planejamento de aulas, roteiros de atividades e fórum de discussões, textos didáticos, experiências simuladas, vídeos educacionais, etc. Por meio do CRV, os professores de todas as escolas mineiras têm a possibilidade de ter acesso a recursos didáticos de qualidade para a organização do seu trabalho docente, o que possibilitará reduzir as grandes diferenças que existem entre as várias regiões do Estado. Discuta com seus colegas e com os tutores as novidades que você DESCOBRIU no Portal acima sugerido e poste suas impressões no Fórum aberto pelo Professor Formador. ATIVIDADES
  • 42. 39 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Podemos assim afirmar que, ao elaborar o planejamento para as aulas, faz-se necessário se faz ter em mente que o aluno já utiliza a Língua Portuguesa cotidianamente. Esse fato indica que ele já domina pelo menos uma das variedades dessa língua e que podemos e devemos, não só elaborar o planejamento de ensino, mas também propor ações de ensino a partir de seus conhecimentos intuitivos de falante. Desse modo, a atribuição da escola é proporcionar a expansão das capacidades de uso, estimulando o desenvolvimento das habilidades de se comunicar em diferentes gêneros de discursos, sobretudo naqueles do domínio público que exigem o uso do registro formal e da norma padrão. Considera-se que o domínio das variedades cultas é fundamental ao exercício crítico frente aos discursos da ciência, da política, da religião, etc. Para corroborar essas ideias, o CBC/LP (2007, p. 13 – 14) considera: Os conteúdos dos currículos e programas, assim como as práticas de ensino, devem ser selecionados em função da aquisição e desenvolvimento das competências e habilida- des de uso da língua e da reflexão sobre esse uso, e não em função do domínio de conceitos e classificações como fins em si mesmos. Assim, devem compor o currículo da disciplina aqueles conteúdos considerados essenciais à vida em sociedade, especialmente aqueles cuja aprendizagem exige intervenção e mediação sistemáticas da escola, como é caso da leitura e da escrita. Em relação a essas duas competências, é preciso lembrar que não basta que o aluno seja capaz de decodificar e codificar textos escritos. É preciso que ele: Ÿ “reconheça a leitura e a escrita como atividades interativas de produção de sentido, que colocam em jogo diferentes fatores, como a situação comunicativa, o horizonte social dos interlocutores, o objetivo de interlocu- ção, as imagens que os interlocutores fazem um do outro, os usos e práticas de linguagem”; Ÿ “atinja um nível de letramento que o capacite a compreender e produzir, com autonomia, diferentes gêneros de textos, com distintos objetivos e motivações”; Ÿ “tenha acesso aos usos literários da língua e a obras de autores representativos da literatura brasileira” As considerações acima, referentes ao currículo, programas e às práticas do ensino de Língua Portuguesa, levam-nos a concluir que as ações de ensino de gramática não podem ocorrer de forma desvinculada dessas intenções. Há que se considerar também: Reflita e responda: a) O que é preparar para a vida em termos do ensino de língua materna? b) Como se comporta linguísticamente um sujeito preparado para a vida? Compare suas respostas com o que diz o CBC/LP (2007, pág. 13), “Se a linguagem é atividade interativa em que nos constituímos como sujeitos sociais, preparar para a vida significa formar locutores/autores e interlocutores capazes de usar a língua materna para compreender o que ouvem e leem e para se expressar em variedades e registros de linguagem pertinentes e adequados a diferentes situações comunicativas. Tal propósito implica o acesso à diversidade de usos da língua, em especial às variedades cultas e aos gêneros de discurso do domínio público, que as exigem, condição necessária ao aprendizado permanente e à inserção social”. ATIVIDADES
  • 43. 40 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período c) O que é preparar para o exercício da cidadania? d) Como procede, linguísticamente, um cidadão? Agora compare suas respostas com esta afirmação, segundo o CBC/LP (2007, pág.13), “Qualificar para o exercício da cidadania implica compreender a dimensão ética e política da linguagem, ou seja, ser capaz de refletir criticamente sobre a língua como atividade social capaz de regular - incluir ou excluir - o acesso dos indivíduos ao patrimônio cultural e ao poder político. Nesse sentido, os conteúdos e as práticas de ensino, selecionados, devem favorecer a formação de cidadãos capazes de participação social e política, funcionando, portanto, como caminho para a democratização e para a superação de desigualdades sociais e econômicas”. CONCLUSÃO: elabore um parágrafo conclusivo completando suas ideias com as afirmações do CBC/LP. Exercite seus conhecimentos contando para alguém suas concepções. Vá ao fórum e poste suas considerações. ATIVIDADES Ÿ Que a língua é uma atividade viva; Ÿ Que ela se modifica pela ação dos falantes nos processos de interlocução. Ÿ É, pois, por “natureza, heterogênea, variada, “sensível” ao contexto de uso e à ação dos usuários”. Ÿ Que a comunicação se dá, não por meio de frases ou estruturas isoladas, mas por meio de discursos e de suas manifestações, os textos. Implicando que o seu ensino “prevê o trabalho linguístico dos interlocutores no processo de produção de sentido”, cabendo ao professor fazer circular na sala de aula uma variada gama de textos de todos os gêneros e tipos, juntamente com seus suportes, e proporcionar a reflexão sobre os aspectos gramaticais inerentes à eficiente leitura e escrita. Então, concluímos que: 1. Só se justifica o estudo da língua por meio de textos orais e escritos. Nessa perspectiva, a reflexão sobre os processos de textualização deve ser o objeto de estudo central da disciplina, o que segundo o CBC/LP (2007 pág.14), “[...] exige novos níveis de análise e novos procedimentos metodológicos - a começar pelo reconhecimento de que estudar língua é mais que analisar a gramática da forma ou o significado de palavras”. 2. Não se justifica o ensino de língua privilegiando o estudo da forma em detrimento do sentido e da função sociocomunicativa. Segundo o CBC/LP(2007 PÁG.14): A tradição de ensino de língua sempre privilegiou o estudo da forma em detrimento do sentido e da função sociocomu- nicativa. As análises fonética, morfológica e sintática pretendiam descrever a língua como um sistema de regras que, uma vez aprendido, habilitaria automaticamente o aluno a ler e a escrever bem. Essa concepção reduziu, com freqüência, a aula de Língua Portuguesa a uma aula de gramática normativa e, conseqüentemente, contribuiu para sedimentar uma visão preconceituosa acerca das variedades lingüísticas, visão que opõe o “certo” e o “errado” e supõe, enganosamente, a existência de um padrão lingüístico homogêneo. 3. O texto deve ser, portanto, o assunto “expresso por determinada forma, em determinada circunstância”. Afirma o CBC/LP (2007 pág. 15) que:
  • 44. 41 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Privilegiar o texto como objeto de estudo da disciplina não significa transformar a aula de Língua Portuguesa num plenário de discussão de variados temas. De maneira alguma. Um texto não é só assunto; é assunto expresso por determinada forma, em determinada circunstância. Estudar o texto implica considerá-lo em sua materialidade lingüística, seu vocabulário e sua gramática. Implica analisar as inter-relações entre as condições de produção e a configuração semântica e formal dos diversos tipos de textos. Pode-se, então, sim, dizer mais sobre uma frase do que simplesmente afirmar que ela se estrutura em sujeito e predicado e que inclui substantivos e verbo: podem-se constatar e explicar termos elípticos e relações anafóricas ou dêiticas que a interligam com outros elementos do texto ou do contexto em que aparece; pode-se indagar sobre seu papel na progressão temática e na articulação do texto; sobre os objetivos comunicativos do autor, manifestos pelas escolhas lexicais e sintáticas que ele processou; sobre os efeitos de sentido que essas escolhas podem provocar. Torna-se importante ressaltar que, de modo algum, a gramática fica abolida da aula de Língua Portuguesa, mas precisa ser realocada e redimen- sionada. O ponto de partida para seu ensino deve ser o que os alunos escrevem, as dificuldades que eles apresentam. Há que se levar em conta as diferenças decorrentes dos diferentes fatores que fazem com que cada um tenha um desempenho linguístico e diferentes níveis de conhecimento. Nesse contexto, a ilustração tem sentido muito mais humorístico. As diferenças a que nos referimos no parágrafo anterior são aquelas apresenta- das pelos alunos, em sala de aula, nos momentos de escrita e de oralidade e que normalmente são decorrentes de suas diferenças sociais, culturais, enfim, da variedade de conhecimentos prévios, linguísticos, que cada um tem.
  • 45. 42 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período Figura 11: Humor - Tipos de alunos Fonte: tirinhasamao.blogspot.com 3.2.3 O planejamento da disciplina língua portuguesa. O CBC/LP sugere que as situações de ensino da língua Portuguesa devem ser planejadas de modo a levar o aluno a rever o conceito de gramáti- ca, considerando as várias significações desse termo. De acordo com esse documento, há que se considerar também que: Ÿ A Língua Portuguesa não é uma só: existem diferentes práticas discursivas orais e escritas, variedades diversas de língua (dialetos e registros), cada qual com sua gramática e com suas situações de uso. Carlos Drummond de Andrade em seu poema “Aula de Português” destaca no último verso “O português são dois; o outro, mistério”. O texto a seguir ilustra diferentes práticas discursivas decorrentes de diferentes situações de uso da Língua Portuguesa. Observem que o que determina o enfoque são as características dos veículos de circulação de um mesmo fato.
  • 46. 43 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Conheça mais sobre a vida e a obra de Carlos Drummond de Andrade, autor que proclamau a liberdade das palavras e uma libertação do idioma de modo a autorizar a modelação poética à margem das convenções usuais e fala, aos nossos corações, sobre o amor. Não deixe o amor passar “Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida. Se os olhares se cruzarem e, neste momento,houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu. Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d'água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês. Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor. Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: o amor”. VISITE: http://www.releituras.com/dru mmond_bio.asp DICASJORNAL NACIONAL: (William Bonner): 'Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem...'. (Fátima Bernardes): '... mas a atuação de um caçador evitou uma tragédia'. PROGRAMA DA HEBE: '... que gracinha, gente. Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?' CIDADE ALERTA: (Datena): '... onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? ! A menina ia para a casa da avozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público! E foi devorada viva... Um lobo, um lobo safado. Põe na tela!! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo, não.' REVISTA VEJA: Lula sabia das intenções do lobo. REVISTA CLÁUDIA: Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho. REVISTA NOVA: Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama. FOLHA DE S. PAULO: Legenda da foto: 'Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador'. Na matéria, box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador. O ESTADO DE SÃO PAULO: Lobo que devorou Chapeuzinho seria filiado ao PT.: Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT que matou um lobo pra salvar menor de idade carente. ZERO HORA: Avó de Chapeuzinho nasceu no RS. AQUI: Sangue e tragédia na casa da vovó. REVISTA CARAS: (Ensaio fotográfico com chapeuzinho na semana seguinte) Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS: 'Até ser devorada, eu não dava valor para muitas coisas da vida. Hoje sou outra pessoa'`. PLAYBOY: (Ensaio fotográfico no mês seguinte) Veja o que só o lobo viu.. REVISTA ISTO É: Gravações revelam que lobo foi assessor de político influente. G MAGAZINE: (Ensaio fotográfico com lenhador) Lenhador mostra o machado. SUPER INTERESSANTE: Lobo mau! Mito ou verdade? http://recantodasletras.uol.com.br (autor desconhecido - recebido por e-mail)
  • 47. 44 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período Ÿ A tarefa da escola é ensinar o português padrão, já que esse, geralmente, o aluno não domina. Veja no texto “Os patos de Rui Barbosa” um exagero no uso de uma linguagem altamente elaborada que prejudica o entendimento da mensagem por parte de uma pessoa menos letrada. Diz a lenda que Rui Barbosa, ao chegar em casa, ouviu um barulho estranho vindo do seu quintal. Chegando lá, constatou haver um ladrão tentando levar seus patos de criação. Aproximou-se vagarosa- mente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com seus amados patos, disse-lhe: ____Oh, bucéfalo anácrono! Não o interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo ato vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa. Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopéia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência que o vulgo denomina nada. E o ladrão, confuso, diz: ____ Dotô, eu levo ou deixo os pato? http://www.pensador.info/autor/Ruy_Barbosa/ Atenção! Não há que se chegar ao exagero de trabalhar uma linguagem altamente técnica ou com variações específicas decorrentes da profissão, por exemplo. Ÿ A língua é um fator de interação social e a sala de aula deve ser um ambiente sem preconceitos Faça uma visita, no Google, aos links que fazem referência a Rui Barbosa. Você vai se deliciar com seus escritos. DICAS Empregue a vírgula: SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA. 1)Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER. Assim, conseguiu o entendimento de que a mulher tem muito valor e que se o homem soubesse disso, andaria de quatro à procura dela (da mulher). 2)Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM. Conseguiu o entendimento de que se o homem sabe seu valor, vai conseguir que a mulher ande de quatro à sua procura. ATIVIDADES
  • 48. 45 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes Figura 12: Sala de Aula Fonte: http://meusregistros.pbworks.com/f/grav_criancas_sala_de_aula2.jpg O espaço escolar, para ser coerente com a sua função social, deve preservar a diversidade e possibilitar o aprendizado sistematizado e a ascensão profissional e pessoal de todos os que usufruem os seus serviços. A escola e seus agentes devem zelar pelo bem-estar de todos, evitando a discriminação e o preconceito com as diferentes formas de linguagem. Ÿ A sala de aula é um laboratório verdadeiramente científico. Sendo um laboratório, o professor deve-se abrir espaço para a pesquisa e proporcionar o questionamento, a análise e a reflexão sobre os fatos linguísticos. OBS: O que queremos deixar claro é que não adianta saber todas as regras de colocação da vírgula se não houver compreensão do sentido das expressões a partir da sua colocação. Para haver a compreensão há que se refletir e analisar os efeitos de sentido produzidos. Ÿ A língua varia nas dimensões dos dialetos — do [+ culto] ao [- culto] — e dos registros — do [+ formal] ao [- formal]. Figura 13: Variação linguística Fonte: http://www.planetaeducacao.com.br/portal/imagens/artigos/dicas_monica_06.jpg
  • 49. 46 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período Dada a diversidade de situações comunicativas e a diversidade econômica e social que a sala de aula acolhe há que se levar em conta essa variação. Ÿ A língua oral e a língua escrita são interdependentes. Isso equivale a dizer que “Uma interfere na outra, em maior ou menor grau, dependendo das circunstâncias”. Esse fato indica que o professor de Português deve levar o aluno a ter contato com outras gramáti- cas, além daquela da língua padrão. Carlos Drummond de Andrade afirmou em seu poema “Aula de Português” que “A linguagem na ponta da língua, tão fácil de falar e de entender. A linguagem na superfície estrelada de estrelas, sabe-se lá o que ela quer dizer?”. A verdade é que há uma grande diferença entre fala e escrita e esse fato acontece em todas as línguas. As duas modalidades exigem conheci- mentos diferentes. É comum, por exemplo, ouvirmos: /Eli si comportô muito bem/, enquanto na variante padrão, escrita, temos: “Ele se comportou muito bem”. Essas diferenças podem gerar conflitos. Daí a importância de trabalhar a gramática contextualizada. Ÿ O contato do aluno com outras gramáticas será mais produtivo se ele tiver a oportunidade de observar os fatos linguísticos ocorrendo em situações concretas de comunicação. O texto abaixo ilustra a interferência da língua oral na escrita em uma situação concreta de comunicação. Um conhecido pesquisador fez um levantamento, em toda Minas Gerais, para saber qual seria o objeto de desejo do homem mineiro... Em todos os rincões das Gerais, os homens respondiam de bate pronto: — Dinheiro e mulher.Não dava outra, a resposta era sempre a mesma. Quase ao final da pesquisa, ele encontrou em "Óis d'Água" um mineirinho de uns setenta anos, franzino, sentado de cócoras no pondions*, à beira da estrada, pitando um cigarrim de palha. — Bom dia! O mineirinho deu uma tragada, cuspiu de lado e, sem olhar, respondeu: — Diiia, sô! — Estou fazendo uma pesquisa para saber quais as coisas que o homem mineiro mais gosta... O senhor pode me responder quais são as coisas do seu agrado? O mineirim deu mais uma pitada, mais uma cuspida de banda e disse:
  • 50. 47 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes — Uai, sô! As coiss qui eu mais apreceio é 'o dinheiru, as muié e... o bicho di pé!'. O pesquisador,muito circunspecto, estranhou a inclusão do item "bicho de pé" na resposta e perguntou: — Olha, todos respondem "dinheiro e mulher". Mas, e o bicho de pé? Mais uma pitada e mais uma cuspida, o mineirinho retruca: — Uai, sô! Pra que qui serve nóis tê dinheiru e muié, se o "bicho" num fica di pé? Ÿ Em mineirês quer dizer ponto de ônibus. Fonte: http://www.triplosentido.com/2009/04/pesquisa-em-minas- gerais.html Vejamos que o contato se efetiva principalmente nas atividades de compreensão, produção, refacção e retextualização de seus próprios textos. O texto abaixo ilustra bem a discussão aqui posta. Violência nas Ruas Hoje em dia a violência toma conta das ruas de grandes cidades, na calada da noite. Adultos, jovens e adolescentes que se drogam, para praticar os atos diabólicos. Por volta das 10 horas, da noite de ontem no bairro Auvorada de Belo Horizonte um jovem conhecido por magrão, foi preso pela polícia militar, ao tentar estrupar uma estudante quando voutava para casa. O policial falou que. Pelo comportamento que, o elemento estava apresentando, olha: tudo indica, que ele, ele estava drogado. Texto produzido por um aluno de 5ª série. Vejam que, muito embora o aluno escreva palavras como volta e policial, ainda escreve /Auvorada/ para Alvorada e /voutava/ para voltava. No último parágrafo ele teve a pretensão de escrever em discurso direto inserindo diálogo, mas não conseguiu. Não se sabe se ele quis dizer o nome do bairro ou dizer que o bairro fica na cidade de Belo Horizonte. Há problemas com a pontuação. Esse texto merece ser discutido com o aluno no sentido de que ele refaça os aspectos de linguagem. É uma boa oportunidade para discutir determinadas convenções da língua escrita, pois a constituição de conceitos acontece num movimento crescente, partindo de conceitos menos comple- xos para os mais complexos, refinados e abstratos.
  • 51. 48 Letras/Português Caderno Didático - 4º Período Assim preconiza o CBC/LP (2007, p. 16): Primeiramente, os alunos devem usar a língua; depois, refletir sobre o uso, intuir regularidades, levantar hipóteses explicativas; em seguida, podem fazer generalizações, nomear fenômenos e fatos da língua, ou seja, usar a língua para descrever o funcionamento da própria língua e, então, voltar a usar a língua de forma mais consciente. Os objetos de conhecimento receberão um tratamento metalingüístico de acordo com o nível de aprofundamento possível e desejável, considerando o desenvolvimento cognitivo dos alunos e as características específicas do tema trabalhado. Fica evidente que a gramática ganha outro tratamento nas aulas de Língua Portuguesa. Quanto aos conceitos, o CBC/LP (2007, p.16) afirma também que, [...] o aluno deve ter oportunidade de compreender o caráter histórico e dinâmico dos conceitos. Os conceitos de texto, gramática, erro lingüístico com que se opera hoje na disciplina, por exemplo, sofreram significativas modificações nas últimas décadas, e essas mudanças devem ser focaliza- das e discutidas criticamente em sala de aula com o aluno, na medida de sua capacidade de compreensão e abstração. Para favorecer o planejamento das aulas, o CBC/LP aloca os conteúdos linguísticos e suas respectivas habilidades no Eixo Temático II: Linguagem e Língua. CBC/LP (2007, p. 55). Eixo Temático II: Linguagem e Língua Competências: Ÿ Compreender a língua como fenômeno cultural, histórico, social, variável, heterogêneo e sensível aos contextos de uso. Ÿ Reconhecer a língua como instrumento de construção da identidade de seus usuários e da comunidade a que pertencem. Ÿ Compreender a escrita como simbolização da fala. Ÿ Compreender a necessidade da existência de convenções na língua escrita. Ÿ Valorizar a escrita como um bem cultural de transformação da sociedade. Ÿ Usar variedades do português, produtiva e autonomamente. Ÿ Posicionar-se criticamente contra preconceitos linguísticos. Ÿ Mostrar uma atitude crítica e ética no que diz respeito ao uso da língua como instrumento de comunicação social. Transcrevemos, na íntegra, os tópicos e subtópicos, habilidades e detalhamento das habilidades previstas no Eixo Temático II: Linguagem e Língua do CBC/LP (2007, p. 55 - 63). Visite o documento CBC/LP na íntegra no link: www.educacao.mg.gov.br DICAS
  • 52. 49 Ensino da Gramática na Escola UAB/Unimontes TÓPICOS E SUBTÓPICOS DE CONTEÚDO HABILIDADES E DETALHAMENTO DAS HABILIDADES 19. A linguagem verbal: modalidades, variedades, registros. • Modalidades lingüísticas: − o contínuo oral– escrito; − condições de produção, usos, funções sociais e estratégias de textualização da fala e da escrita; − convenções da língua escrita: grafia de palavras (ortografia, acentuação gráfica, notações gráficas); parágrafo gráfico; pontuação; − diferenças entre o sistema fonológico e o sistema ortográfico. • Variação lingüística e estilística: • fatores históricos (o passado e o presente), geográficos (o contínuo rural—urbano), sociológicos (gênero, geração, classe social) e técnicos (diferentes domínios da ciência e da tecnologia); 19.0. Compreender a língua como fenômeno histórico, cultural, social, variável, heterogêneo e sensível aos contextos de uso. 19.1. Reconhecer seme lhanças e diferenças entre a fala e a escrita quanto a condições de produção, usos, funções sociais e estratégias de textualização. 19.2. Reconhecer funções da fala e da escrita em diferentes suportes e gêneros. 19.3. Usar as convenções da língua escrita produtiva e autonomamente, entendendo as diferenças entre o sistema fonológico e o sistema ortográfico. 19.4. Identificar fatores relacionados às variedades lingüísticas e estilísticas de textos apresentados. 19.5. Avaliar o uso de variedades lingüísticas e estilísticas em um texto, considerando a situação comunicativa e o gênero textual. 19.6. Adequar a variedade lingüística e/ou estilística de um texto à situação comunicativa e ao gênero do texto. 19.7. Mostrar uma atitude crítica e não preconceituosa em r elação ao uso de variedades lingüísticas e estilísticas. 19.8. Reconhecer a manifestação de preconceitos lingüísticos como estratégia de discriminação e dominação.