SlideShare uma empresa Scribd logo

Novas recomendações para pesquisa de vetores em áreas sem identificação de Lutzomyia logipalpis

Apresentação realizada no VII Fórum de Leishmaiose Visceral do Estado de São Paulo

1 de 61
Baixar para ler offline
VII Fórum de Leishmaiose Visceral do Estado de São Paulo
Novas recomendações para pesquisa de vetores em áreas
sem identificação de Lutzomyia logipalpis.
Claudio Casanova
SUCEN
Comitê de Leishmaniose
Visceral
Estado de São Paulo
CCD
Lutzomyia longipalpis
Leishmania infantum
Reservatórios
Leishmaniose Visceral
outras espécies de flebotomíneos
16/04/10
Evento 1
Investigação de Foco: LV
Delimitação da área (mín. de 200 metros)
Cadastro de imóveis e população de cães e gatos
Busca ativa de cães sintomáticos ou não
Coleta para sorologia (no mínimo 100 cães)
Encaminhamento do material ao laboratório
Pesquisa entomológica em foco foco
gRetorno dos resultados encontrados à VISA e UBS
M
.
V
.
D
o
u
g
l
a
s
P
r
e
s
o
t
t
Investigação de Foco
Coleta de sangue – Sorologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colecao atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
Colecao   atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011Colecao   atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
Colecao atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011König Brasil
 
The evolutionary history of plasmodium vivax from mitochondrial genomes
The evolutionary history of plasmodium vivax from mitochondrial genomesThe evolutionary history of plasmodium vivax from mitochondrial genomes
The evolutionary history of plasmodium vivax from mitochondrial genomesLinique Logan
 
Esporotricose Humana A culpa não é do gato
Esporotricose Humana A culpa não é do gatoEsporotricose Humana A culpa não é do gato
Esporotricose Humana A culpa não é do gatoAlexandre Naime Barbosa
 
Instituto Biológico avalia riscos do percevejo-de-cama
Instituto Biológico avalia riscos do percevejo-de-camaInstituto Biológico avalia riscos do percevejo-de-cama
Instituto Biológico avalia riscos do percevejo-de-camaAgricultura Sao Paulo
 
Leishmaniose Visceral
Leishmaniose VisceralLeishmaniose Visceral
Leishmaniose VisceralMari Sousa
 
Febre maculosa jun 2013 ses rj
Febre maculosa jun 2013 ses rjFebre maculosa jun 2013 ses rj
Febre maculosa jun 2013 ses rjHosana maniero
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinaçãoferaps
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmanioseGildo Crispim
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseKarina Pereira
 
Doencas infecciosas parte 1 via fecal oral
Doencas infecciosas parte 1 via fecal oralDoencas infecciosas parte 1 via fecal oral
Doencas infecciosas parte 1 via fecal oralFabio Magalhães
 
Endoparasitoses caes monte negro 2006
Endoparasitoses caes monte negro 2006Endoparasitoses caes monte negro 2006
Endoparasitoses caes monte negro 2006davibeber
 
Exercício sobre parasitologia veterinária- Filo Artropoda
Exercício sobre parasitologia veterinária- Filo ArtropodaExercício sobre parasitologia veterinária- Filo Artropoda
Exercício sobre parasitologia veterinária- Filo ArtropodaInacio Mateus Assane
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmosejoaoars
 

Mais procurados (20)

Colecao atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
Colecao   atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011Colecao   atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
Colecao atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
 
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
Seminário MGME Ciências - APIAI (2)
 
Biologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitosesBiologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitoses
 
Raiva - Humano Rede de Laboratório
Raiva - Humano Rede de LaboratórioRaiva - Humano Rede de Laboratório
Raiva - Humano Rede de Laboratório
 
The evolutionary history of plasmodium vivax from mitochondrial genomes
The evolutionary history of plasmodium vivax from mitochondrial genomesThe evolutionary history of plasmodium vivax from mitochondrial genomes
The evolutionary history of plasmodium vivax from mitochondrial genomes
 
Esporotricose Humana A culpa não é do gato
Esporotricose Humana A culpa não é do gatoEsporotricose Humana A culpa não é do gato
Esporotricose Humana A culpa não é do gato
 
Anaplasmose
Anaplasmose Anaplasmose
Anaplasmose
 
Instituto Biológico avalia riscos do percevejo-de-cama
Instituto Biológico avalia riscos do percevejo-de-camaInstituto Biológico avalia riscos do percevejo-de-cama
Instituto Biológico avalia riscos do percevejo-de-cama
 
Leishmaniose Visceral
Leishmaniose VisceralLeishmaniose Visceral
Leishmaniose Visceral
 
Febre maculosa jun 2013 ses rj
Febre maculosa jun 2013 ses rjFebre maculosa jun 2013 ses rj
Febre maculosa jun 2013 ses rj
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
 
E3019d01
E3019d01E3019d01
E3019d01
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Doencas infecciosas parte 1 via fecal oral
Doencas infecciosas parte 1 via fecal oralDoencas infecciosas parte 1 via fecal oral
Doencas infecciosas parte 1 via fecal oral
 
Endoparasitoses caes monte negro 2006
Endoparasitoses caes monte negro 2006Endoparasitoses caes monte negro 2006
Endoparasitoses caes monte negro 2006
 
Exercício sobre parasitologia veterinária- Filo Artropoda
Exercício sobre parasitologia veterinária- Filo ArtropodaExercício sobre parasitologia veterinária- Filo Artropoda
Exercício sobre parasitologia veterinária- Filo Artropoda
 
FEBRE AMARELA “ Novos Desafios e a Estratégia Paulista de Enfrentamento”
FEBRE AMARELA “ Novos Desafios e a Estratégia Paulista de Enfrentamento”FEBRE AMARELA “ Novos Desafios e a Estratégia Paulista de Enfrentamento”
FEBRE AMARELA “ Novos Desafios e a Estratégia Paulista de Enfrentamento”
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmose
 

Semelhante a Novas recomendações para pesquisa de vetores em áreas sem identificação de Lutzomyia logipalpis

Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoElismmelo55
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptxFranciscoFlorencio6
 
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake newsGatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake newsCarolina Trochmann
 
Manual_de_Coleta_para_Raiva.pdf
Manual_de_Coleta_para_Raiva.pdfManual_de_Coleta_para_Raiva.pdf
Manual_de_Coleta_para_Raiva.pdfssuser8658c3
 
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptxPeste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptxLarissiFial
 
Vigilancia Ambiental Riscos Biologicos - Leishmaniose, Chikungunya, Febre Mac...
Vigilancia Ambiental Riscos Biologicos - Leishmaniose, Chikungunya, Febre Mac...Vigilancia Ambiental Riscos Biologicos - Leishmaniose, Chikungunya, Febre Mac...
Vigilancia Ambiental Riscos Biologicos - Leishmaniose, Chikungunya, Febre Mac...Aline Campos
 
Apresentação sobre Enapave 2009
Apresentação sobre Enapave 2009Apresentação sobre Enapave 2009
Apresentação sobre Enapave 2009UFPEL
 

Semelhante a Novas recomendações para pesquisa de vetores em áreas sem identificação de Lutzomyia logipalpis (20)

[Aguiar,2007]773 3024-2-pb
[Aguiar,2007]773 3024-2-pb[Aguiar,2007]773 3024-2-pb
[Aguiar,2007]773 3024-2-pb
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Hanseniase.pdf
Hanseniase.pdfHanseniase.pdf
Hanseniase.pdf
 
Dados hantavirose
Dados hantaviroseDados hantavirose
Dados hantavirose
 
IMT-2005-Hanseniase.pptx
IMT-2005-Hanseniase.pptxIMT-2005-Hanseniase.pptx
IMT-2005-Hanseniase.pptx
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
leishmaniose
leishmanioseleishmaniose
leishmaniose
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
RAIVA.pdf
RAIVA.pdfRAIVA.pdf
RAIVA.pdf
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
 
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake newsGatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
 
Manual_de_Coleta_para_Raiva.pdf
Manual_de_Coleta_para_Raiva.pdfManual_de_Coleta_para_Raiva.pdf
Manual_de_Coleta_para_Raiva.pdf
 
Eventos de massa | Febre Amarela
Eventos de massa | Febre AmarelaEventos de massa | Febre Amarela
Eventos de massa | Febre Amarela
 
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptxPeste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
 
Vigilancia Ambiental Riscos Biologicos - Leishmaniose, Chikungunya, Febre Mac...
Vigilancia Ambiental Riscos Biologicos - Leishmaniose, Chikungunya, Febre Mac...Vigilancia Ambiental Riscos Biologicos - Leishmaniose, Chikungunya, Febre Mac...
Vigilancia Ambiental Riscos Biologicos - Leishmaniose, Chikungunya, Febre Mac...
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Apresentação sobre Enapave 2009
Apresentação sobre Enapave 2009Apresentação sobre Enapave 2009
Apresentação sobre Enapave 2009
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 

Mais de BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação

Mais de BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação (20)

Profa. dra. geciane_porto
Profa. dra. geciane_portoProfa. dra. geciane_porto
Profa. dra. geciane_porto
 
Prof. dr. carvalheiro
Prof. dr. carvalheiroProf. dr. carvalheiro
Prof. dr. carvalheiro
 
Mrs. constantino sakellarides
Mrs. constantino sakellaridesMrs. constantino sakellarides
Mrs. constantino sakellarides
 
Dra. maria celeste_emerik_2
Dra. maria celeste_emerik_2Dra. maria celeste_emerik_2
Dra. maria celeste_emerik_2
 
Dra. maria celeste_emerik
Dra. maria celeste_emerikDra. maria celeste_emerik
Dra. maria celeste_emerik
 
Dra. fernanda laranjeira
Dra. fernanda laranjeiraDra. fernanda laranjeira
Dra. fernanda laranjeira
 
Dra. eliane bahruth
Dra. eliane bahruthDra. eliane bahruth
Dra. eliane bahruth
 
Dr. sergio muller
Dr. sergio mullerDr. sergio muller
Dr. sergio muller
 
Dr. marcelo de_franco
Dr. marcelo de_francoDr. marcelo de_franco
Dr. marcelo de_franco
 
Dr. leonardo paiva
Dr. leonardo paivaDr. leonardo paiva
Dr. leonardo paiva
 
Dr. jorge bermudez
Dr. jorge bermudezDr. jorge bermudez
Dr. jorge bermudez
 
Dr. hernan chaimovi
Dr. hernan chaimoviDr. hernan chaimovi
Dr. hernan chaimovi
 
Dr. guilherme ary_plonsky_2
Dr. guilherme ary_plonsky_2Dr. guilherme ary_plonsky_2
Dr. guilherme ary_plonsky_2
 
Dr. guilherme ary_plonsky
Dr. guilherme ary_plonskyDr. guilherme ary_plonsky
Dr. guilherme ary_plonsky
 
Dr. cantidio
Dr. cantidioDr. cantidio
Dr. cantidio
 
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
 
Apresentação NITs SES
Apresentação NITs SESApresentação NITs SES
Apresentação NITs SES
 
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
 
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São PauloCoronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
 
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação TecnológicaProposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
 

Novas recomendações para pesquisa de vetores em áreas sem identificação de Lutzomyia logipalpis

  • 1. VII Fórum de Leishmaiose Visceral do Estado de São Paulo
  • 2. Novas recomendações para pesquisa de vetores em áreas sem identificação de Lutzomyia logipalpis. Claudio Casanova SUCEN Comitê de Leishmaniose Visceral Estado de São Paulo CCD
  • 3. Lutzomyia longipalpis Leishmania infantum Reservatórios Leishmaniose Visceral outras espécies de flebotomíneos
  • 5. Investigação de Foco: LV Delimitação da área (mín. de 200 metros) Cadastro de imóveis e população de cães e gatos Busca ativa de cães sintomáticos ou não Coleta para sorologia (no mínimo 100 cães) Encaminhamento do material ao laboratório Pesquisa entomológica em foco foco gRetorno dos resultados encontrados à VISA e UBS
  • 7. Leishmaniose Visceral Americana-casos caninos novos em Campinas no ano de 2009
  • 9. Flebotomíneos coletados no Distrito de Sousas, município de Campinas 2009-2010 Espécie machos fêmeas total Lutzomyia longipalpis 24 13* 37 Nyssomyia whitmani 90 28 118 Evandromyia lenti 1 1 2 Pintomyia fischeri 1 0 1 Migonemyia migonei 5 3 8 Psatyromyia aragaoi 0 1 1 Nyssomyia neivai 1 0 1 total 122 46 168 *2 fêmeas infectadas com L. infantum em dezembro de 2009
  • 12. Informo que em 10/11/16 recebemos a notificação do GVE de Santos de caso suspeito de LV residente do município de Guarujá e internado na UTI do Hospital Santo Amaro do Guarujá: paciente C. G.G J. data de nascimento 25/03/2012, data início dos sintomas 29/09/2016, história de pancitopenia+ hepatoesplenomegalia, edema MMII e icterícia. Sem história de doenças prévias. Mielograma realizado no Laboratório do Hospital Boldrini de Campinas em 27/10/2016: medula bem representativa nas três linhagens, com presença de leishmanias. IAL (SIG-IAL 2116871H): teste rápido negativo (entrada em 08/11/16); IFI em andamento; Elisa IgM para lepto não reagente. O menor tem irmão que apresentou os mesmos sintomas e evoluiu a óbito recentemente , sem diagnóstico (sem informação até o momento da data do óbito). A família tem história de ter um cão que veio pequeno do interior e ficou doente, porém aguardamos detalhamento dessa informação. A zoonoses municipal irá realizar sorologia dos cães do entorno. Orientações passadas ao GVE de Santos: 1. Investigação epidemiológica do caso (levantar história de deslocamentos, origem precisa do cão, etc) 2. Resgatar lâmina para envio ao IAL; coleta de sangue para realização de PCR; nova coleta de soro para teste rápido 3. Levantamento da história clínica do irmão de 1 ano que evoluiu a óbito e verificar a existência de amostra de sangue no hospital em que ficou internado. Caso seja resgatada amostra, enviar ao IAL para realização de teste rápido e IFI para LV. Este caso encontra-se ainda em investigação diagnóstica, mas entendo ser necessário além da investigação sorológica dos cães do entorno do domicílio que será realizado pela zoonose municipal, a pesquisa vetorial para termos a segurança de definir o LPI. Divisão de Zoonoses/CVE/CCD/SES-SP Pesquisa Entomológica em Foco: tem o vetor? Evento 2
  • 13. Investigação de Foco: LV Delimitação da área (mín. de 200 metros) Cadastro de imóveis e população de cães e gatos Busca ativa de cães sintomáticos ou não Coleta para sorologia (no mínimo 100 cães) Encaminhamento do material ao laboratório Pesquisa entomológica em focofoco dos resultados encontrados à VISA e UBS
  • 16. Ausência de Lu. longipalpis!!! QUEM Será que tem potencial biológico para transmitir Leishmania infantum?
  • 19. Até o momento, após varias tentativas, nunca foram encontradas leishmanias vivas no trato digestivo de carrapatos e pulgas após a digestão do sangue.
  • 23. Paleoleishmania neotropicum em Lutzomyia adiketis, com formas promastigotas e amastigotas
  • 24. Ausência de L. longipalpis!!! Qual espécie de flebotomíneo estaria participando na transmissão?
  • 25. Distriuição de Lutzomyia longipalpis no Estado de São Paulo.
  • 26. Distribuição de Lu. longipalpis no Estado de São Paulo de acordo com o ano da 1a notificação (até 2018)
  • 27. Cotia e Embu das Artes (desde 2003) Guarujá (desde 2016) Grande São Paulo 2017-2018 (não confirmados) Distribuição de casos caninos de VL no Estado de São Paulo de acordo com o ano da 1a notificação (até 2017)
  • 28. Distribuição dos casos humanos de LV no Estado de São Paulo de acordo com o ano da 1a notificação (até 2017) Guarujá - 2016 Votoratim - 2017 Itapevi - 2018
  • 29. Distribuição de Lu. Longipalpis, no Estado de São Paulo de acordo com o ano da 1a notificação. Cotia, Embu, Guarujá e Itapevi Qual(is) seria(m) a(s) espécie(s) vetora(s)??? Áreas de transmissão sem a presença da Lu. longipalpis
  • 32. Algoritmo para definição das atividades que devem ser desencadeadas ojetivando a comprovação de ausência de Lu. logipalpis e Lu. cruzi em áreas de transmissão.
  • 33. Coletas intensivas: diversidade, densidade, sazonalidade, atividade domiciliar
  • 34. Grande São Paulo Itapevi Lutzomyia longipalpis (Caieiras) Pintomyia fischeri Pintomyia fischeri Migonemyia migonei Migonemyia migonei Nyssomyia neivai Nyssomyia neivai Nyssomyia intermedia Nyssomyia intermedia Nyssomyia whitmani Nyssomyia whitmani Psychodopygus lloydi Pintomyia monticola Psychodopygus arthuri Psychodopygus ayrosai Brumptomyia sp Psychodopygus lloydi Psychodopygus arthuri Psathyromyia pascalei Micropygomyia quinquefer Brumptomyia sp Flebotomíneos coletados em áreas com transmissão de leishmaniose visceral e ausência de Lu. Longipalpis, Grande de São Paulo, 2016-2018
  • 35. Embú e Cotia Guarujá Santos Pintomyia fischeri Nyssomyia intermedia Nyssomyia intermedia Migonemyia migonei - Migonemyia migonei Nyssomyia neivai Pintomyia monticola Psathyromyia pascalei Migonemyia migonei Evandromyia edwardsi Psychodopygus ayrosai Psathyromyia pascalei Psychodopygus lloydi Pintomyia fischeri Psathyromyia sp Nyssomyia intermedia Pintomyia fischeri Psathyromyia aragaoi Micropygomyia schreiberi Sciopemyia sordellii Flebotomíneos coletados em áreas com transmissão de leishmaniose visceral e ausência de Lu. Longipalpis, Estado de São Paulo. Será que estas espécies possuem os requisitos para serem consideradas VETORAS?
  • 36. Qual(is) espécie(s) de flebotomíneo(s) tem potencial biológico para transmitir Leishmania infantum? Será que tem competência vetorial? e Será que tem capacidade vetorial? Quais são os requisitos para incriminar uma espécie como vetora?
  • 37. Requisitos para incriminar uma espécie como vetora • A área de distribuição geográfica do vetor e dos casos da doença se sobrepõem • Isolamento repetitivo, em fêmeas, de Leishmania que infecta o homem • Competência vetorial: adquirir e transmitir o parasita experimentalmente • Capacidade vetorial: abundância; dispersão; freqüência de alimentação sanguínea; sobrevivência; tamanho populacional absoluto; comportamento alimentar
  • 38. • A área de distribuição geográfica do vetor e dos casos da doença se sobrepõem • Isolamento repetitivo de Leishmania infantum em fêmeas, na mesma área dos casos caninos e ou humanos • Competência vetorial: adquirir e transmitir o parasita experimentalmente • Capacidade vetorial: abundância; dispersão; freqüência de alimentação sanguínea; sobrevivência; tamanho populacional absoluto; comportamento alimentar Requisitos para incriminar uma espécie como vetora
  • 41. Detection of DNA of Leishmania infantum in Nyssomyia intermedia in a new focus of visceral leishmaniasis in São Paulo State, Brazil. What is the role of this sandfly in VL transmission? Claudio Casanova1, Gabriela Motoie2, Maria de Fátima Domingos, Fredy Galvis-Ovallos3, Vanessa Gusmon da Silva3, Mariana Dantas da Silva3, 1Eunice Aparecida Bianchi Galati3. 1Superitendëncia de Controle de Endemias (SUCEN), 2Istituto Adolfo Lutz (IAL), 3Faculdade de Saúde Pública- Universidade de São Paulo-USP. E-mail address:casanovaclaus@gmail.com Key words: Nyssomyia intermedia, natural infection, Leishmania infantum, visceral leishmaniasis, vector. Introduction. In Brazil, visceral leishmaniasis (VL) is a zoonosis caused by Leishmania infantum and transmitted to mammals - including dogs and humans - mainly by the bite of infected females of Lutzomyia longipalpis. However, the absence of this sandfly in captures undertaken in a recent focus of canine and human VL in the coastal municipality of Guarujá (SP), where Nyssomyia intermedia was the most abundant species, raise the suspicion that this species is involved in the transmission cycle of this disease. So in the present study we investigated the natural infection of the sandfly species of this locality. Methodology. Sandflies were collected from December 2016 to October 2018
  • 42. • A área de distribuição geográfica do vetor e dos casos da doença se sobrepõem • Isolamento repetitivo, em fêmeas, de Leishmania que infecta o homem • Competência vetorial: adquirir e transmitir o parasita experimentalmente • Capacidade vetorial: abundância; dispersão; freqüência de alimentação sanguínea; sobrevivência; tamanho populacional absoluto; comportamento alimentar Requisitos para incriminar uma espécie como vetora
  • 55. Bloqueio na região da válvula estomoeal Promastigotas na região torácica do intestino
  • 57. • Isolamento repetitivo, em fêmeas, de Leishmania que infecta o homem • Competência vetorial: adquirir e transmitir o parasita experimentalmente • A área de distribuição geográfica do vetor e dos casos da doença se sobrepõem • Capacidade vetorial: abundância; dispersão; freqüência de alimentação sanguínea; sobrevivência; tamanho populacional absoluto; comportamento alimentar Requisitos para incriminar uma espécie como vetora
  • 58. SIM
  • 59. Embú e Cotia: cão desde 2003 Caieiras: vetor e cão desde 2015 Santos: cão desde 2015 Guarujá cão e humano desde 2016 Itapevi: cão e humano desde 2018 Outros municípios Grande São Paulo
  • 61. Obrigado pela atenção! Claudio Casanova: casanovaclaus@gmail.com