SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
O PROJETO DA SES/SP PARA
APOIO À INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS
NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
Seminário Inovação Tecnológica em Saúde no SUS
24.10.2012
1. ANTECEDENTE
Lei 10.973/04
Art. 1o Esta Lei estabelece
medidas de incentivo à inovação e à pesquisa
científica e tecnológica no ambiente produtivo,
com vistas à
capacitação e ao alcance da autonomia
tecnológica e ao desenvolvimento industrial do
País,
nos termos dos arts. 218 e 219 da Constituição
Construção de
ambientes
especializados
e cooperativos
de inovação
Participação
das ICT no
processo de
inovação
Estímulo à
inovação nas
empresas
Apoio ao
inventor
independente
NIT para gerir sua
política de inovação
ICT deve dispor de NIT,
próprio ou em associação com outra ICT
ICT deve manter informado
o órgão superior sobre PI
ICT deve prever gestão $ PI
em seu orçamento
• Código Nacional
de CT&I
PL
2177/11
• Proposta
substitutiva
Junho
2012
2. MARCO LEGAL
Lei Complementar 1.049/08
Art. 1o: Esta lei complementar estabelece
medidas de incentivo à inovação tecnológica, à
pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento
tecnológico, à engenharia não-rotineira, à informação
tecnológica e à extensão tecnológica em ambiente
produtivo e social
visando alcançar
a capacitação e o desenvolvimento industrial e
tecnológico internacionalmente competitivo do Estado
de São Paulo (...)
ICTESP
• NIT, órgão técnico com a finalidade de gerir sua
política de inovação
• Manifestação prévia do NIT em contratos de TT e de
licenciamento
• Oitiva do NIT às medidas para administração e gestão
de sua política de inovação tecnológica, inclusive $$
Decreto 54.690/09
Atribuições do NIT
1. Políticas institucionais de inovação da ICTESP
2. Elo com setor produtivo
3. Proteção de criações, licenciamento e TT
4. Avaliar e classificar resultados de pesquisas
5. Avaliar pedidos de inventor independente
6. Opinar sobre proteção de criações
7. Opinar sobre divulgação de criações
8. Acompanhar processos de PI
Decreto 56.569/10
 Cria um NIT em cada uma das ICTESP
SAA (7), SES (6), SMA (3), SPDR (1)
 Organização (mas não Unidade Administrativa)
Célula de Suporte Operacional, Célula de Apoio Administrativo e Assistência Técnica
 Competências dos responsáveis
Diretores Técnicos de Departamento
 Outorga de Autorização para Celebração de Convênios
 Medidas para compatibilizar estrutura e equipe
Ofício Circular – GS 33/11
Designa a CCTIES como organizadora e
coordenadora do processo
Resultado: tornar a SES/SP um ator relevante dos
sistemas paulista e brasileiro de inovação
tecnológica
Resolução SS – 53, de 10.05.2012
 Institui os NITs
 Detalhar as atribuições das ICTESP da SES, as
competências dos Diretores e dos Responsáveis
Técnicos dos NITs
ANEXO
3. O PROJETO
Apoio técnico
Contrato celebrado em 31.08.2012
(sete meses)
Proposição de trabalho
Eixo 1
Apoio à implementação do NIT em cada um dos seis institutos e
na SUCEN [7 atividades]
Eixo 2
Formulação e implementação de um modelo de articulação no
âmbito da CCTIES [7 atividades]
Eixo 3
Suporte aos processos cooperativos com outros agentes,
especialmente empresas [8 atividades]
Eixo 1
Eixo 2
Eixo 3
Eixo 1 – Apoio à implementação
a) Mapeamento da maturidade ;
b) Estímulos ao intercâmbio de experiências entre os institutos;
c) Estruturação de modelo para o conjunto dos NITs;
d) Apoio à instituição e institucionalização de cada NIT;
e) Suporte na formalização de processos para operacionalização;
f) Orientação quanto à possibilidade de obtenção de recursos em programas
específicos das agências de fomento;
g) Orientação para capacitação do(a)s integrantes das equipes dos NITs; e
h) Coaching ao(à)s gestore(a)s de cada NIT.
Eixo 2 – Modelo de articulação
a) Organização de seminário inicial de sensibilização;
b) Apoio na formulação de uma política de inovação para a SES;
c) Estruturação de um back-office capaz de suportar os sete NITs, em
especial no que se refere à gestão da PI;
d) Preparação e apoio à operacionalização de um sistema de indicadores de
inovação;
e) Capacitação de até 20 gestores;
f) Construção de uma sistemática de gestão do conhecimento no âmbito da
CCTIES; e
g) Realização de duas oficinas de disseminação da cultura da inovação no
âmbito da SES.
Eixo 3 – Suporte aos processos cooperativos
a) Identificação de boas práticas em NITs brasileiros afins;
b) Acompanhamento da evolução da implementação dos NITs nos demais
institutos;
c) Apoio na inserção dos Institutos de Pesquisa e da CCTIES no FORTEC;
d) Apoio no relacionamento com outras entidades relevantes, incluindo
agências de fomento, incubadoras de empresas e parques tecnológicos;
e) Capacitação de pesquisadores dos Institutos para interação com o meio
empresarial;
f) Capacitação de gestores da cooperação instituto – empresa no âmbito da
SES; e
g) Preparação de cinco casos de inovação exitosa no âmbito dos Institutos.
P1:
planejamento
executivo
P2: visita aos
Institutos e
maturidade
Já realizado
Roteiro
1) Qual a experiência da instituição com o tema
Inovação;
2) Quais as estratégias adotadas para a área de
propriedade intelectual e para a transferência e
comercialização de tecnologias; e
3) Qual a possibilidade e disposição de colaborar com
outros institutos da SES, no âmbito de atuação dos
NITs.
Nível 1 -
Práticas
Potenciais
Nível 2 -
Práticas
Embrionárias
Nível 3 -
Práticas
Emergentes
Nível 4 -
Práticas
Sistematizadas
Modelo de maturidade

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Dr. guilherme ary_plonsky

INOVA UPs 2011_Marcelo Albuquerque
INOVA UPs 2011_Marcelo AlbuquerqueINOVA UPs 2011_Marcelo Albuquerque
INOVA UPs 2011_Marcelo Albuquerque
NIT Rio
 
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos AlbertoINOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
NIT Rio
 
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
guest5555c1
 
Ronaldo Mota apresentação FEISMA 2009 Inovações Tecnológicas
Ronaldo Mota apresentação FEISMA 2009 Inovações TecnológicasRonaldo Mota apresentação FEISMA 2009 Inovações Tecnológicas
Ronaldo Mota apresentação FEISMA 2009 Inovações Tecnológicas
Larissa Pereira Mayer
 
Lei de Inovação, Informática, Microeletrônica e Software
Lei de Inovação, Informática, Microeletrônica e SoftwareLei de Inovação, Informática, Microeletrônica e Software
Lei de Inovação, Informática, Microeletrônica e Software
Osmar Aleixo Rodrigues Filho
 

Semelhante a Dr. guilherme ary_plonsky (20)

Implementação dos Núcleos de Inovação Tecnológica
Implementação dos Núcleos de Inovação TecnológicaImplementação dos Núcleos de Inovação Tecnológica
Implementação dos Núcleos de Inovação Tecnológica
 
Downloads guia_inovacao_empresas
 Downloads guia_inovacao_empresas Downloads guia_inovacao_empresas
Downloads guia_inovacao_empresas
 
INOVA UPs 2011_Marcelo Albuquerque
INOVA UPs 2011_Marcelo AlbuquerqueINOVA UPs 2011_Marcelo Albuquerque
INOVA UPs 2011_Marcelo Albuquerque
 
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos AlbertoINOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
 
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
 
Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17 Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17
 
Cartilha Marco Legal CT&I
Cartilha Marco Legal CT&ICartilha Marco Legal CT&I
Cartilha Marco Legal CT&I
 
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
 
Portal Inovação - Fase III e sua relevância para as Instituições de Ciência, ...
Portal Inovação - Fase III e sua relevância para as Instituições de Ciência, ...Portal Inovação - Fase III e sua relevância para as Instituições de Ciência, ...
Portal Inovação - Fase III e sua relevância para as Instituições de Ciência, ...
 
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
 
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
 
Ronaldo Mota apresentação FEISMA 2009 Inovações Tecnológicas
Ronaldo Mota apresentação FEISMA 2009 Inovações TecnológicasRonaldo Mota apresentação FEISMA 2009 Inovações Tecnológicas
Ronaldo Mota apresentação FEISMA 2009 Inovações Tecnológicas
 
Lei de inovação
Lei de inovaçãoLei de inovação
Lei de inovação
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
Cultura para Inovação
Cultura para InovaçãoCultura para Inovação
Cultura para Inovação
 
Lei de Inovação, Informática, Microeletrônica e Software
Lei de Inovação, Informática, Microeletrônica e SoftwareLei de Inovação, Informática, Microeletrônica e Software
Lei de Inovação, Informática, Microeletrônica e Software
 
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
 
Interação Universidade, Empresa e Governo
Interação Universidade, Empresa e GovernoInteração Universidade, Empresa e Governo
Interação Universidade, Empresa e Governo
 
APL-TIC - Apresentação
APL-TIC - ApresentaçãoAPL-TIC - Apresentação
APL-TIC - Apresentação
 

Mais de BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação

Mais de BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação (20)

Profa. dra. geciane_porto
Profa. dra. geciane_portoProfa. dra. geciane_porto
Profa. dra. geciane_porto
 
Prof. dr. carvalheiro
Prof. dr. carvalheiroProf. dr. carvalheiro
Prof. dr. carvalheiro
 
Mrs. constantino sakellarides
Mrs. constantino sakellaridesMrs. constantino sakellarides
Mrs. constantino sakellarides
 
Dra. maria celeste_emerik_2
Dra. maria celeste_emerik_2Dra. maria celeste_emerik_2
Dra. maria celeste_emerik_2
 
Dra. maria celeste_emerik
Dra. maria celeste_emerikDra. maria celeste_emerik
Dra. maria celeste_emerik
 
Dra. fernanda laranjeira
Dra. fernanda laranjeiraDra. fernanda laranjeira
Dra. fernanda laranjeira
 
Dra. eliane bahruth
Dra. eliane bahruthDra. eliane bahruth
Dra. eliane bahruth
 
Dr. sergio muller
Dr. sergio mullerDr. sergio muller
Dr. sergio muller
 
Dr. marcelo de_franco
Dr. marcelo de_francoDr. marcelo de_franco
Dr. marcelo de_franco
 
Dr. leonardo paiva
Dr. leonardo paivaDr. leonardo paiva
Dr. leonardo paiva
 
Dr. jorge bermudez
Dr. jorge bermudezDr. jorge bermudez
Dr. jorge bermudez
 
Dr. hernan chaimovi
Dr. hernan chaimoviDr. hernan chaimovi
Dr. hernan chaimovi
 
Dr. guilherme ary_plonsky_2
Dr. guilherme ary_plonsky_2Dr. guilherme ary_plonsky_2
Dr. guilherme ary_plonsky_2
 
Dr. cantidio
Dr. cantidioDr. cantidio
Dr. cantidio
 
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
 
Apresentação NITs SES
Apresentação NITs SESApresentação NITs SES
Apresentação NITs SES
 
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
 
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São PauloCoronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
 
Proposta de oficina para elaboração da política de CTI do SUS-SP
Proposta de oficina para elaboração da política de CTI do SUS-SPProposta de oficina para elaboração da política de CTI do SUS-SP
Proposta de oficina para elaboração da política de CTI do SUS-SP
 
SPUK Desenhando e testando uma nova abordagem para Inovação Aberta em saúde e...
SPUK Desenhando e testando uma nova abordagem para Inovação Aberta em saúde e...SPUK Desenhando e testando uma nova abordagem para Inovação Aberta em saúde e...
SPUK Desenhando e testando uma nova abordagem para Inovação Aberta em saúde e...
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (11)

Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 

Dr. guilherme ary_plonsky

  • 1. O PROJETO DA SES/SP PARA APOIO À INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Seminário Inovação Tecnológica em Saúde no SUS 24.10.2012
  • 3.
  • 4. Lei 10.973/04 Art. 1o Esta Lei estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, com vistas à capacitação e ao alcance da autonomia tecnológica e ao desenvolvimento industrial do País, nos termos dos arts. 218 e 219 da Constituição
  • 5. Construção de ambientes especializados e cooperativos de inovação Participação das ICT no processo de inovação Estímulo à inovação nas empresas Apoio ao inventor independente NIT para gerir sua política de inovação
  • 6. ICT deve dispor de NIT, próprio ou em associação com outra ICT ICT deve manter informado o órgão superior sobre PI ICT deve prever gestão $ PI em seu orçamento
  • 7.
  • 8. • Código Nacional de CT&I PL 2177/11 • Proposta substitutiva Junho 2012
  • 10.
  • 11. Lei Complementar 1.049/08 Art. 1o: Esta lei complementar estabelece medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento tecnológico, à engenharia não-rotineira, à informação tecnológica e à extensão tecnológica em ambiente produtivo e social visando alcançar a capacitação e o desenvolvimento industrial e tecnológico internacionalmente competitivo do Estado de São Paulo (...)
  • 12. ICTESP • NIT, órgão técnico com a finalidade de gerir sua política de inovação • Manifestação prévia do NIT em contratos de TT e de licenciamento • Oitiva do NIT às medidas para administração e gestão de sua política de inovação tecnológica, inclusive $$
  • 13. Decreto 54.690/09 Atribuições do NIT 1. Políticas institucionais de inovação da ICTESP 2. Elo com setor produtivo 3. Proteção de criações, licenciamento e TT 4. Avaliar e classificar resultados de pesquisas 5. Avaliar pedidos de inventor independente 6. Opinar sobre proteção de criações 7. Opinar sobre divulgação de criações 8. Acompanhar processos de PI
  • 14. Decreto 56.569/10  Cria um NIT em cada uma das ICTESP SAA (7), SES (6), SMA (3), SPDR (1)  Organização (mas não Unidade Administrativa) Célula de Suporte Operacional, Célula de Apoio Administrativo e Assistência Técnica  Competências dos responsáveis Diretores Técnicos de Departamento  Outorga de Autorização para Celebração de Convênios  Medidas para compatibilizar estrutura e equipe
  • 15. Ofício Circular – GS 33/11 Designa a CCTIES como organizadora e coordenadora do processo Resultado: tornar a SES/SP um ator relevante dos sistemas paulista e brasileiro de inovação tecnológica
  • 16. Resolução SS – 53, de 10.05.2012  Institui os NITs  Detalhar as atribuições das ICTESP da SES, as competências dos Diretores e dos Responsáveis Técnicos dos NITs ANEXO
  • 18. Apoio técnico Contrato celebrado em 31.08.2012 (sete meses)
  • 19. Proposição de trabalho Eixo 1 Apoio à implementação do NIT em cada um dos seis institutos e na SUCEN [7 atividades] Eixo 2 Formulação e implementação de um modelo de articulação no âmbito da CCTIES [7 atividades] Eixo 3 Suporte aos processos cooperativos com outros agentes, especialmente empresas [8 atividades]
  • 21. Eixo 1 – Apoio à implementação a) Mapeamento da maturidade ; b) Estímulos ao intercâmbio de experiências entre os institutos; c) Estruturação de modelo para o conjunto dos NITs; d) Apoio à instituição e institucionalização de cada NIT; e) Suporte na formalização de processos para operacionalização; f) Orientação quanto à possibilidade de obtenção de recursos em programas específicos das agências de fomento; g) Orientação para capacitação do(a)s integrantes das equipes dos NITs; e h) Coaching ao(à)s gestore(a)s de cada NIT.
  • 22. Eixo 2 – Modelo de articulação a) Organização de seminário inicial de sensibilização; b) Apoio na formulação de uma política de inovação para a SES; c) Estruturação de um back-office capaz de suportar os sete NITs, em especial no que se refere à gestão da PI; d) Preparação e apoio à operacionalização de um sistema de indicadores de inovação; e) Capacitação de até 20 gestores; f) Construção de uma sistemática de gestão do conhecimento no âmbito da CCTIES; e g) Realização de duas oficinas de disseminação da cultura da inovação no âmbito da SES.
  • 23. Eixo 3 – Suporte aos processos cooperativos a) Identificação de boas práticas em NITs brasileiros afins; b) Acompanhamento da evolução da implementação dos NITs nos demais institutos; c) Apoio na inserção dos Institutos de Pesquisa e da CCTIES no FORTEC; d) Apoio no relacionamento com outras entidades relevantes, incluindo agências de fomento, incubadoras de empresas e parques tecnológicos; e) Capacitação de pesquisadores dos Institutos para interação com o meio empresarial; f) Capacitação de gestores da cooperação instituto – empresa no âmbito da SES; e g) Preparação de cinco casos de inovação exitosa no âmbito dos Institutos.
  • 25. Roteiro 1) Qual a experiência da instituição com o tema Inovação; 2) Quais as estratégias adotadas para a área de propriedade intelectual e para a transferência e comercialização de tecnologias; e 3) Qual a possibilidade e disposição de colaborar com outros institutos da SES, no âmbito de atuação dos NITs.
  • 26. Nível 1 - Práticas Potenciais Nível 2 - Práticas Embrionárias Nível 3 - Práticas Emergentes Nível 4 - Práticas Sistematizadas Modelo de maturidade