SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
• Toxoplasmose
Escola estadual Vinicius de Moraes
Componentes
João Victor
Vitor Cesar
Thiago Felipe
Guilherme Rodrigues
Maycon
Yan
Matheus ferreira silva
Orientadora
Adriana
TOXOPLASMOSE
Contagem 2016
1908-Nicolle e Manceaux
Ctenodactylus gondii
(Tunísia)
1980 Spendore – coelhos de laboratório - Brasil
Introdução
1937-Descrito o primeiro caso de infecção humana
Adquirido pela ingestão de carne crua ou mal
passada. Mas como explicar a alta prevalência?
Somente em 1965 – transmissão através das fezes de gatos
1999 – Demonstrou-se reprodução sexuada de T. gondii ex-
clusivamente no epitélio digestivo dos gatos e outros felinos
Introdução
√Reprodução intracelular (assexuada)
√ reproduçao coccidiana
√Multiplicação por endodiogenia
√ Esporozoítos (Oocistos)
√ Taquizoítos (Pseudocistos e formas livres)
√ Bradizoítos (cistos tissulares)
√ Complexo Apical :
Organelas do aparelho excretor
Estágios da morfologia
Reprodução intracelular
Esporozoítos (Oocistos)
• 10 – 12 µm de diâmetro
• Forma subesférica ou
elipsóide
• 1- 5 dias para
esporulação no solo
(esporogonia)
• Forma infectante do ciclo
Taquizoítos (pseudocistos e formas livres)
• 4-8 µm comprimento
• 2-4 µm largura
• Forma de divisão rápida
• Fase aguda da infecção
Bradizoítos (cistos tissulares)
• 20-200 µm de diâmetro
• Rodeados por envoltórios
císticos
• Forma de divisão lenta
• Fase crônica da infecção
Ciclo de Vida
Vias de Transmisão
√ Transmissão (ingestão):
*Esporozoitos em oocistos esporulados
(formas resistentes presentes na água,
terra, alimentos mal lavados, etc)
*Bradizoítos de cistos tissulares presentes
em carnes cruas ou pouco cozidas (suína e
ovina)
√ Transmissão
(congênita):
*Taquizoítos pasam ao feto em caso de
infecção aguda materna
Toxoplasmose congênita
Lesão na retina
Lesão no cérebro
√ Distribuição universal
√ Incidência a nível mundial (10-75%)
Brasil (50-80%)
São Paulo (60-70 % de gestantes soropositivas)
√Toxoplasmose congênita no Brasil (subclínica)
1 – 4 / 1000 gestações
√ Incidem hábitos alimentares, densidade de gatos de rua,
√ situação sócio-econômica e cultural, etc
√ Aumento com a idade
Epidemiologia
Incidência mundial
DADOS DE PREVALÊNCIA MUNDIAL
√Não comer carne cru ou mal cozida
√Lavar as mãos após manipular carne crua
√Lavar com água abundante as frutas e verduras
cruas
√Lavar bem as mãos após contato com gatos ou
outros animais
√Evitar contato com sustâncias que possam estar
contaminadas com fezes de gato
√Não alimentar os gatos com carne crua
√Acompanhamento sorológico das gestantes
Medidas preventivas
TransmissãoTransmissão
• Água e alimentos contaminados - fezes de
gatos;
• Ingestão de carne mal cozida – suínos,
caprinos e bovinos;
• Neonatal.
TratamentoTratamento
• Indicado nos casos de doença em órgãos como
coração, olhos ou durante a gravidez.
• Pacientes com AIDS o tratamento é obrigatório por
tempo indeterminado .
– Medicado para o resto da vida para que a doença não volte a se
manifestar.
• Medicamentos não matam o Toxoplasma, apenas o
mantém sob controle.
• Defesas imunológicas da pessoa normal podem deixar
este parasita “inerte” no corpo (sem causar dano algum)
por tempo indeterminado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide - Tênias e teníases - Ascaris Lumbricoides
Slide -  Tênias e teníases - Ascaris LumbricoidesSlide -  Tênias e teníases - Ascaris Lumbricoides
Slide - Tênias e teníases - Ascaris Lumbricoides
ElderENF
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
Gildo Crispim
 

Mais procurados (20)

Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Parasito aula 2.pptx
Parasito aula 2.pptxParasito aula 2.pptx
Parasito aula 2.pptx
 
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Amebiase
 
Slide - Tênias e teníases - Ascaris Lumbricoides
Slide -  Tênias e teníases - Ascaris LumbricoidesSlide -  Tênias e teníases - Ascaris Lumbricoides
Slide - Tênias e teníases - Ascaris Lumbricoides
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Toxoplasmose: Seria o gato um vilão?
Toxoplasmose: Seria o gato um vilão?Toxoplasmose: Seria o gato um vilão?
Toxoplasmose: Seria o gato um vilão?
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Amebiase
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Parasito aula1
Parasito aula1Parasito aula1
Parasito aula1
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando GasparSobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
Sobre Gíardia lamblia e seus tipos por Armando Gaspar
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
 
Faciola hepatica
Faciola hepaticaFaciola hepatica
Faciola hepatica
 

Semelhante a toxoplasmose

Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptxSeminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
MateusGonalves85
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
3a2011
 
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasFlagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
ARTHUR CALIXTO
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
Gildo Crispim
 

Semelhante a toxoplasmose (20)

Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
 
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotorasDoenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
 
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake newsGatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
Gatos e Toxoplasmose: derrubando fake news
 
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptxSeminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1
 
Toxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyoToxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyo
 
Toxoplasmose folder
Toxoplasmose folderToxoplasmose folder
Toxoplasmose folder
 
Sistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptxSistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptx
 
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturináriasFlagelados das vias digestivas e geniturinárias
Flagelados das vias digestivas e geniturinárias
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxCESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
 

Último

Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
TaniaN8
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 

Último (12)

AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
 

toxoplasmose

  • 1. • Toxoplasmose Escola estadual Vinicius de Moraes Componentes João Victor Vitor Cesar Thiago Felipe Guilherme Rodrigues Maycon Yan Matheus ferreira silva Orientadora Adriana
  • 3. 1908-Nicolle e Manceaux Ctenodactylus gondii (Tunísia) 1980 Spendore – coelhos de laboratório - Brasil Introdução
  • 4. 1937-Descrito o primeiro caso de infecção humana Adquirido pela ingestão de carne crua ou mal passada. Mas como explicar a alta prevalência? Somente em 1965 – transmissão através das fezes de gatos 1999 – Demonstrou-se reprodução sexuada de T. gondii ex- clusivamente no epitélio digestivo dos gatos e outros felinos Introdução
  • 5. √Reprodução intracelular (assexuada) √ reproduçao coccidiana √Multiplicação por endodiogenia √ Esporozoítos (Oocistos) √ Taquizoítos (Pseudocistos e formas livres) √ Bradizoítos (cistos tissulares) √ Complexo Apical : Organelas do aparelho excretor Estágios da morfologia
  • 7. Esporozoítos (Oocistos) • 10 – 12 µm de diâmetro • Forma subesférica ou elipsóide • 1- 5 dias para esporulação no solo (esporogonia) • Forma infectante do ciclo
  • 8. Taquizoítos (pseudocistos e formas livres) • 4-8 µm comprimento • 2-4 µm largura • Forma de divisão rápida • Fase aguda da infecção
  • 9. Bradizoítos (cistos tissulares) • 20-200 µm de diâmetro • Rodeados por envoltórios císticos • Forma de divisão lenta • Fase crônica da infecção
  • 11. Vias de Transmisão √ Transmissão (ingestão): *Esporozoitos em oocistos esporulados (formas resistentes presentes na água, terra, alimentos mal lavados, etc) *Bradizoítos de cistos tissulares presentes em carnes cruas ou pouco cozidas (suína e ovina) √ Transmissão (congênita): *Taquizoítos pasam ao feto em caso de infecção aguda materna
  • 12. Toxoplasmose congênita Lesão na retina Lesão no cérebro
  • 13. √ Distribuição universal √ Incidência a nível mundial (10-75%) Brasil (50-80%) São Paulo (60-70 % de gestantes soropositivas) √Toxoplasmose congênita no Brasil (subclínica) 1 – 4 / 1000 gestações √ Incidem hábitos alimentares, densidade de gatos de rua, √ situação sócio-econômica e cultural, etc √ Aumento com a idade Epidemiologia
  • 16. √Não comer carne cru ou mal cozida √Lavar as mãos após manipular carne crua √Lavar com água abundante as frutas e verduras cruas √Lavar bem as mãos após contato com gatos ou outros animais √Evitar contato com sustâncias que possam estar contaminadas com fezes de gato √Não alimentar os gatos com carne crua √Acompanhamento sorológico das gestantes Medidas preventivas
  • 17. TransmissãoTransmissão • Água e alimentos contaminados - fezes de gatos; • Ingestão de carne mal cozida – suínos, caprinos e bovinos; • Neonatal.
  • 18. TratamentoTratamento • Indicado nos casos de doença em órgãos como coração, olhos ou durante a gravidez. • Pacientes com AIDS o tratamento é obrigatório por tempo indeterminado . – Medicado para o resto da vida para que a doença não volte a se manifestar. • Medicamentos não matam o Toxoplasma, apenas o mantém sob controle. • Defesas imunológicas da pessoa normal podem deixar este parasita “inerte” no corpo (sem causar dano algum) por tempo indeterminado