Vitaminas lipossoluveis

20.281 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.281
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
613
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vitaminas lipossoluveis

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DISCIPLINA BIOQUÍMICA TURMA 2VITAMINAS LIPOSSOLÚVEIS Paula Andressa Oliveira
  2. 2. Conceitos Básicos Vitaminas: nutrientes essenciais  Não possuem funções estruturais nem energéticas  Pequena concentração no corpo  Ação como hormônios, catalizadores e outros reguladores metabólicos Compostos orgânicos com estrutura química variada
  3. 3. Conceitos Básicos Dois tipos de acordo com a solubilidade:  Hidrossolúveis  Lipossolúveis Provitaminas  Precursores de vitaminas Antivitaminas  Antagonistas metabólicos
  4. 4. Vitaminas lipossolúveis São dissolvidas e armazenadas no tecido adiposo; O fígado armazena as vitaminas A, D e K. A vitamina E se distribui por todo o tecido adiposo; Em caso de hipervitaminose, são mais tóxicas;
  5. 5. Vitaminas lipossolúveis http://www.camep.com.br/images/vitaminas_3.jpgFig. 1 Formas de aquisição de vitaminas.
  6. 6. Vitamina A 1. Estrutura Representada por três moléculas Fig. 3. Trans-retinal biologicamente ativas, retinol, retina l e ácido retinóico; Fig. 4. Retinol Fig. 2. Ác. retinóico http://static.infoescola.co m
  7. 7. Vitamina A Carotenos Metabolismo dos carotenos  Conversão de cada molécula de beta-caroteno em http://www.qmc.ufsc.br/qmcweb/artigos/vita 2 moléculas de minas/images/vitaminas_retinol.jpg retinol de retinol. Fig. 5 Conversão de β-caroteno em reti
  8. 8. Vitamina Ahttp://www.scielo.br/img/revistas/rn/v19n2/a10fig03.gifFig.6. Clivagem simétrica e assimétrica do β–caroteno.
  9. 9. Vitamina A2. Função Retinol  Atua como hormônio;  Antioxidante;  É uma pró-vitamina: precursora do retinal e ác. retinóico;
  10. 10. Vitamina A Ácido retinóico  Ativação de genes envolvidos em processos iniciais da embriogênese  Diferenciação das tres camadas germinativas,  Organogenia  Desenvolvimento dos membros. Retinal  Grupamento sensível à luz na rodopsina responsável pela visão
  11. 11. Vitamina Ahttp://3.bp.blogspot.com/-iXrZh-cY_WM/TccroOAKpnI/AAAAAAAAANY/XIu7NnB3VUU/s1600/vitamin-a-benefit-picture.jpgFig.7. Funções da vitamina A
  12. 12. Vitamina A3. Avitaminoses Cegueira noturna; Queratinização dos tecidos epiteliais dos olhos (xeroftalmia), pulmões, trato gastrointestinal, etc; Redução da secreção mucosa; Há aumento na susceptibilidade a infecções.
  13. 13. Vitamina Ahttp://www.noticiasmedicas.es/medicina/content_images/1/cataratas%20en%20paciente%20mauritano.jpg http://3.bp.blogspot.com/_DDCIeKjLjYI/TDz1gyplUPI/AAAAAAA ACLs/zgRYZIDfo78/s1600/tema_7_clip_image002_0000.jpg Fig. 8 e 9. Pacientes apresentando xeroftalmia
  14. 14. Vitamina Ahttp://bob.usuhs.mil/biochem/nutrition/images/follicular-hyperkeratosis-1.jpgFig. 10. Queratinização da peledevido à deficiência de vitamina A
  15. 15. Vitamina A4. Hipervitaminose Dor de cabeça; Ressecamento da pele; Perda de cabelos; Aumento do baço e http://www.mindovermenopause.co m/wp- fígado; content/uploads/2010/03/headache .jpg Fig. 11. Cefaléia Dor nas juntas.
  16. 16. Vitamina AFig.12. Relação entre a hipervitaminose A infantil e inibição docrescimento de células da medula óssea
  17. 17. Vitamina A http://download.imaging.consult.co m/ic/images/S1933033207760238http://download.imaging.consult.co /gr14-midi.jpgm Fig. 14 : HipervitaminoseFig. 13. Vista A: alterações da metáfiseposterior de um e da epífise.joelho normal emcriança de 12 anos
  18. 18. Vitamina A5. Fontes Alimentos de origem animal (leite, ovos, fígado). Os vegetais folhosos verde-escuros , vegetais e frutas amarelo-alaranjados. http://grupiv.files.wordpress.com/2009/11/vita mina_a-1interna1.jpg Fig. 15. Fontes de vitamina A
  19. 19. Vitamina D1. Estrutura Derivam do ciclopentano- perhidrofenantreno Tecidos vegetais : D2 (ergocalciferol) Tecidos animais :D3 (colecalciferol) http://static.infoescola.com Fig. 16. Fórmula estrutural das vitaminas D2 e
  20. 20. Vitamina D Precursores dessas vitaminas:  Provitamina D2: ergosterol  Provitamina D3: 7- deshidrocolesterol Conversão em vitamina D após radiação solar Compostos formados são denominados secoesteróides As vitaminas D2 e D3 são hidroxilados no fígado em 1,25-dihidroxivitamina D (calcitriol) – forma ativa.
  21. 21. Vitamina D http://medlibes.comFig.17. Metabolismo da vitamina D2 e D3 emsua forma ativa
  22. 22. Vitamina D2. Função Hormônio esteróide  expressão de genes específicos após interação com seu receptor intracelular Homeostasia do cálcio e fosfato.
  23. 23. Vitamina D http://medlibes.com/uploads/Screen%20shot%202010-07- 31%20at%208.26.05%20PM.pngFig. 18. Metabolismo das vitaminas D2 e vitamina D3 e as funçõesda forma ativa no organismo humano.
  24. 24. Vitamina D3. Avitaminose Nível de cálcio e fósforo no sangue decresce, causando problemas nos ossos  raquitismo nas crianças  osteomalácia (mineralização deficiente dos ossos) nos adultos.
  25. 25. Vitamina Dhttp://www.ferato.com/wiki/images/2/2b/20081212_mgb_Raquitismo_.jpgFig. 19. Criançacomraquitismo http://www.moondragon.org/health/graphics/ricketsosteomalacia.j pg Fig. 20. Raquitismo e osteomalácia
  26. 26. Vitamina DFig. 21. Pesquisas recentes relacionam a deficiência em vitaminaD com o risco de diabetes em crianças obesas
  27. 27. Vitamina D4. Hipervitaminose Excesso de cálcio no sangue (hipercalcemia) Excesso de cálcio na urina (hipercalciuria) Sede excessiva (polidipsia) Aumento da pressão sanguínea Perda de grande quantidade de urina (poliuria)
  28. 28. Vitamina D http://www.kosvi.com/courses/vpat5200/injury/pigments/images/f 10424a.jpgFig. 22. Lâmina histológica de rim decachorro com hipervitaminose D.
  29. 29. Vitamina D5. Fontes A vitamina D é estocada no fígado, o que faz com que este órgão seja boa fonte. É encontrada em pequenas quantidades na manteiga, gema de ovo e fígado e em grande quantidade no óleo de fígado de peixes como bacalhau e atum.
  30. 30. Vitamina Dhttp://runnersworld.abril.com.br/materias/vitamina/box.jpg Fig.23. Fontes de vitamina D
  31. 31. Vitamina Dhttp://www.ideiasvip.com/wp-content/uploads/2011/06/vitamina-d-1.jpg Fig.24 e 25. Fontes de http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9G cQxaVSpkqtf3t3vxrTxGhzoa9e9eftDQc3p vitamina D2 e D3 OdojDbr47ivh56KIL9ZOLURiXg
  32. 32. Vitamina E1. Estrutura Compostos assemelhados entre si conhecidos como tocoferóis; http://static.infoescola.com/vitamina-E-alfa- tocoferol Variam somente no Fig.26. Alfa-tocoferol número e posições de radicais metila; Foram nomeados em ordem de sua atividade
  33. 33. Vitamina E http://dlgazzoni.sites.uol.com.br/alimen7.gifFig. 27. Fórmula estrutural dos tocoferóis
  34. 34. Vitamina E2. Função Principal função:antioxidante; As vitaminas E e C agem sinergisticamente em suas funções antioxidantes; http://www-users.york.ac.uk/~chem77/graph/vitce.gif Fig. 28. Vitamina C e E na remoção de radicais livre
  35. 35. Vitamina Ehttp://www.doctortipster.com/wp-content/uploads/2011/09/Beneficial-Effects-Of-Vitamin-E1.jpgFig. 29. Funções da vitamina E no organismo humano
  36. 36. Vitamina EOutras funções:Fig. 30.Vitamina E protege células neuronais do processo degenerativo
  37. 37. Vitamina EFig. 31. Suplementos de vitamina E diminuem a neurotoxicidadedo tratamento quimioterápico
  38. 38. Vitamina E3. Avitaminose Ruptura das células vermelhas do sangue. Ataxia; Deficiências neuromiopáticas; Em bebês prematuros, pode causar retinopatia.
  39. 39. Vitamina EFig. 32. Deficiência crônica de vitamina E
  40. 40. Vitamina E4. Hipervitaminose Interfere no efeito da vitamina K; Fadiga Dor de cabeça Náusea Visão borrada http://www.nutritionist-world.com/blog/ Fig. 33. Fadiga Diarréia
  41. 41. Vitamina E5. Fontes Germe de trigo, óleo de soja, arroz, algodão, milho, girassol, gema de ovo, vegetais folhosos, legumes, nozes. http://t1.gstatic.com/images http://www.informacaonutricional.n et Fig. 34 e 35. Fontes de vitamina E
  42. 42. Vitamina K1. Estrutura As vitaminas K que ocorrem naturalmente são:  K1 (filoquinona) nas verduras  K2 (menaquinona) produzida pela flora intestinal. http://1.bp.blogspot.com Fig. 36. Fórmulas estruturas das formas mais abundantes de vitamina K
  43. 43. Vitamina K2. Função Manutenção de algumas proteínas da cascata da coagulação; Síntese de proteínas http://www.ehu.es/biomoleculas/lipidos/jpg/vitaK2.gif Fig. 37. Vitamina K na ósseas, plasmáticas e coagulação renais.
  44. 44. Vitamina KOutras funções: Fig. 38. Vitamina K1 no retardo da osteoporose
  45. 45. Vitamina KFig. 39. Vitamina K na prevenção de fraturas
  46. 46. Vitamina K http://www.online.unisanta.br/2005/08-13/saude-2.htmFig. 40. Vitamina K na prevenção de hemorragia em neonatos
  47. 47. Vitamina K http://menaq7.com/images/f/subpages/chart_rotterdam_study.jpgFig. 41. Diminuição do risco de doençascardiovasculares pelo acréscimo de vitamina K2 nadieta
  48. 48. Vitamina K3. Avitaminose Deficiência na coagulação sanguínea  Hemorragias http://www.italiagigliotti.com/med/Golja subcutâneas n%20Review/Goljan%20Pathology%2 0Slides/9/nutrition%201_files/Nut009.j pg Fig.42. Hemorragia  Síndrome cutânea por deficiência de vitamina K hemorrágica do neonato;
  49. 49. Vitamina K Fig. 43. Criança com deficiência em http://www.pediatriconca ll.com/cgi_bin/Vitamin% vitamina K 20K%20deficiency.jpgFig. 44. Cérebro de neonato comhttp://www.italiagigliotti.com/medSíndrome Hemorrágica do Neonato.
  50. 50. Vitamina K4. Hipervitaminose Dispnéia, rubor, dore s no tórax (na injeção intravenosa de vitamina K1). https://lh5.googleusercontent.com/- vGobAgoHMy8/TW6cjmZs3fI/AAAAAAA Hiperbilirrubinemia AA9A/LTX454LmJaE/s400/ictericia+neon atal.jpg em recém-nascidos Fig. 45. Neonato apresentando (cujas mães foram hiperbilirrubinemia tratadas com vitamina K3).
  51. 51. Vitamina K5. Fontes Em grandes proporções no fígado de porco, alface, couve- flor, espinafre, repolho Em menor proporção nos cereais, como o http://www.buzzle.com/img/articleImages/2741 48-924-59.jpg trigo e a aveia. Fig. 46. Fontes de vitamina K
  52. 52. Vitamina Khttp://4.bp.blogspot.com/_JRXcPp-7ts4/TMccpK8YosI/AAAAAAAAAAU/SEOGihioKYc/s1600/K.jpg Fig. 47.Fontes de vitamina K
  53. 53. Relembrando! http://www.camep.com.br/images/vitaminas_3.jpg
  54. 54. http://www.camep.com.br/images/vitaminas_3.jpg
  55. 55. Referências Bibliográficas BAYNES, J. W. & DOMINICZAK, M. H. Bioquímica Médica. 2º Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. Geleijnse JM, Vermeer C, Grobbee DE, Schurgers LJ, Knapen MH, van der Meer IM, Hofman A, Witteman JC. Dietary intake of menaquinone is associated with a reduced risk of coronary heart disease: the Rotterdam Study. J Nutr. 2004;134(11):3100-5. NELSON, D. L.; COX, M. M. Lehninger Princípios de Bioquímica. 4º Ed. São Paulo: Sarvier, 2007.
  56. 56. Referências Bibliográficas http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC190 8403/?tool=pubmed. Acessado em 01/11/2011 http://archinte.ama- assn.org/cgi/content/abstract/166/12/1256. Acessado em 01/11/2011 http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22019791. Acessado em 01/11/2011 http://www.jcojournal.org/content/21/5/927.short. Acessado em 02/11/2011
  57. 57. Obrigada!

×