SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
www.conedu.com.br
A UTILIZAÇÃO DAS PINTURAS RENASCENTISTAS EM SALA DE
AULA, ATRAVÉS DO PIBID.
Thaís Costa de Almeida1
E-mail: thais11costa@hotmail.com
Universidade Estadual da Paraíba
Auricélia Lopes Pereira2
E-mail: auricelialpereira@yahoo.com.br
Universidade Estadual da Paraíba
Resumo:
O Ensino de história encontra dificuldades em relação ao interesse dos alunos pelo saber histórico, sendo
assim os professores precisam dispor de metodologias que incentivem o gosto pela disciplina, portanto neste
cenário o PIBID- programa institucional de bolsas de iniciação a docência, é de grande auxilio à educação
brasileira, pois esse projeto viabiliza melhor os mecanismos que ajudam na construção do conhecimento em
sala de aula, através de atividades dinâmicas que prendem a atenção do aluno, como jogos, músicas, HQs,
atividades de letramento, vídeos, oficinas e imagens. Utilizados em sintonia com os conteúdos ministrados,
exercem melhor eficácia, dinamismo, interatividade e uma melhor compreensão dos conteúdos ministrados.
As imagens possuem as características essenciais para serem utilizadas pelo historiador-pesquisador, e pelo
professor em sua prática de sala de aula, pois as imagens existem como representações de uma determinada
sociedade, sendo analisadas pelo seu contexto histórico, assim como utilizando suas características técnicas,
elas se tornam muito eficazes para o Ensino de história, evitando assim o simplismo de sua utilização. Nesse
sentido, ao se trabalhar com imagens há uma atenção maior voltada para elas, o que permitiu que fosse
possível trabalhar a Arte Renascentista em sala de aula pelo PIBID, com o objetivo de fazer com que os
alunos pudessem ver características nas obras apresentadas, percebendo elementos através dos olhares
voltados para as telas. No nosso cotidiano, vivemos cercados por imagens, o que nos ajuda a entender a
eficácia e a atenção que as imagens exercem nos alunos e a facilidade que eles possuem na percepção de
elementos.
Palavras-chave: Imagens, Arte, PIBID, Educação.
¹Aluna do curso de História da Universidade Estadual da Paraíba, Bolsista PIBID/CAPES
² Professora Doutora do departamento de História da Universidade Estadual da Paraíba,Bolsista PIBID/CAPES
www.conedu.com.br
Introdução
Diante de todos os problemas educacionais existentes em nosso país, é recorrente pensarmos
o que fazer para mudar a Educação brasileira a fim de promover diálogos e trabalhar para que as
Escolas sejam vistas como motores pulsantes e espaços de criação de possibilidades, onde o
conhecimento seja o maior objetivo, e que com ele os alunos tenham o mundo em suas mãos para
fazer parte dele e torná-lo um mundo melhor de se viver. Interpretar o mundo sugere- que o alunado
seja treinado para isso, não a fim de torná-lo uma máquina, mas com o intuito de guiá-lo para que
ele se torne cada vez mais capaz de perceber o mundo ao seu redor. Mas como ensiná-lo a
interpretar o mundo? Como treiná-lo a fim de conseguir que este plante suas sementes na vida e as
faça germinar e florescer? Tarefa difícil a dos professores, despertarem interesse quando muitos
alunos não são incentivados em suas próprias casas. No entanto sempre há como mudar um pouco
uma realidade que não é como deveria ser, sobretudo porque os alunos possuem capacidade enorme
para ler o mundo em sua volta, eles apenas estão lá esperando que alguém os guie, lhes
reguem,mostrando um oceano vasto de possibilidades, em que o ato de aprender e o olhar estão
estritamente relacionados.
O que nos impulsiona sempre teve como pressuposto a cultura como determinante nesse
processo, o que vemos e percebemos ao nosso redor está estritamente relacionado com a forma que
aprendemos a ver o mundo ou a forma pela qual assim foi nos ensinada a vê-lo. O nosso olhar é
seletivo,separando,excluindo e moldando o que capta a nossa imaginação, o que é visível e
invisível, fantástico ou real, que se relaciona com pontos de referência, com o lugar social e os
espaços em que transitamos e que não conseguimos apalpar com nossos sentidos. Todas as relações
que são estabelecidas em um determinado espaço, ao qual é provido de várias formas de
sociabilidade diversa, que se escondem ou se mostram a luz do dia ou no despertar de uma noite,
ajudam a constituir o eu em relação com a forma de enxergar o mundo, onde o singular e o
particular aparecem como participantes desse processo. Nesse sentido, Kátia Helena Pereira nos
afirma que ver é produzir conhecimento, utilizar imagens em sala de aula é provocar a reflexão
sobre aquilo que se está sendo mostrado
Apreciar obras de arte, observar objetos, ver situações cotidianas requer atribuir significados.
Essa atribuição de significados é maneira de compreender a experiência e torná-la inteligível.
Portanto ver é produzir conhecimento sobre aquilo que é visto. Sendo assim a utilização de
imagens na sala de aula é um modo de provocar a reflexão. (PEREIRA, 2016, p.19)
www.conedu.com.br
A arte sempre foi utilizada em diferentes momentos históricos como uma forma de expressar
o que a nossa imaginação e nossos devaneios conseguem nos exprimir na forma de sentimentos, que
são expressos na escrita, na dança, na música, nas Artes de forma geral e no pintar o mundo com as
cores, com os tons, com os sabores e dissabores que constituem o ser, o eu o mundo. Sendo assim, a
Arte é a forma pela qual o ser humano se expressa e molda o mundo a sua volta e o transforma com
a perspectiva do seu olhar.
Os pintores utilizaram seus sentimentos nas pontas dos pinceis que utilizaram e utilizam
para pintar o mundo, a vida, para desenhar os tons e colocar as técnicas que regem o pictórico em
ação, em movimento, preenchendo assim as telas de sensibilidade, as quais se derramam como tinta,
como um arco íris colorido que emolduram o céu, um infinito de possibilidades interpretativas para
se captar nas telas, nas pinturas construídas e constituídas em um determinado período histórico,
dos quais nos chegam os fragmentos, que fazem parte do devir histórico. Michel de Certeau(2002)
nos diz que somos produtos de um lugar, sendo assim como produtos de uma época, de uma
realidade palpável e impalpável conseguimos enxergar nas obras de Arte aquilo que ela tem a nos
dizer, que se sugere como algo a ser encarado pela perspectiva do que nos forma e nos toca no
intimo do nosso ser.
Utilizar as imagens em sala de aula é algo que vem ocupando debates acerca dessa
metodologia no Ensino de história, o que se leva a pensar a importância desse mecanismo enquanto
recurso metodológico importante para educar por meio do olhar. Contudo, isso foi utilizado em
umas das atividades desenvolvidas pelo PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a
Docência, ao se trabalhar com imagens da Arte Renascentista.
Esse trabalho dialogou com autores como Alberto Manguel, Luciene Lekhmukhul, François
Cadiou e Kátia Helena Pereira, levantando a problemática de como seria trabalhar com imagens em
sala de aula através do PIBID, exaltando a enorme contribuição do mundo das imagens para a sala
de aula afinal de contas como disse Kátia Helena Pereira, as imagens influenciam a nossa maneira
de viver, de pensar e de se reconhecer no mundo.
As imagens ,como já afirmei,pertencem ao nosso cotidiano e interferem na maneira como nos
relacionamos com o mundo. Interferem na maneira como nos vestimos,pensamos,vivemos.
Isso porque dão visualidade a valores sociais, construídos de muitas maneiras. As imagens
também medeiam nossa relação com o outro. É por meio delas que reconhecemos as
diferenças, alimentamos nossas crenças, construímos nossa concepção de como estar no
mundo. (PEREIRA, 2016, p.19)
www.conedu.com.br
O mundo imagético
As imagens existiram como representações de determinadas épocas a serem estudadas;
Desde a antiguidade clássica aos dias de hoje, as imagens existem como formas de expressão de
uma sociedade, daquilo que se pretende mostrar ou ocultar, não sendo uma simples representação
da realidade, mostrando signos a serem interpretados e reinterpretados por aqueles que debruçam o
seu olhar sobre as telas.
Sabemos hoje que uma imagem mesmo seletiva, não se limita a uma simples representação
do real, mas que produz um discurso sobre ele. Se a imagem é um signo, ou um conjunto de
signos que traduz uma visão da realidade e transmite um sistema de valores ela pode nos
ensinar tanto quanto um texto sobre as sociedades do passado. (CADIOU, 2007, p.148)
Nessa citação, vemos que as imagens funcionam através de discursos que se
operacionalizam nas construções discursivas de uma época, sendo o discurso entendido como algo
construído historicamente como trata Michel Foucault o discurso é algo que é fruto das relações de
poder desencadeadas em uma sociedade, sendo assim as imagens produzem discursos da realidade,
possuindo todos os requisitos suficientes para nos dizer algo sobre o passado, tanto para o
historiador pesquisador, quanto para o professor de história em sua prática na sala de aula. No
entanto, Luciene Lekmkuhl, nos aponta que o que é mais importante para o historiador é saber
como se conta esse passado.
Assim, os historiadores passaram a assumir o aspecto ficcional dos documentos e utilizá-los
favoravelmente na construção histórica, indagando menos o que eles contam sobre o passado
e mais como contam o passado. (LEKMKUHL, 2010, p.56)
As pinturas produzidas em um determinado período, não estão isentas de neutralidade, pois
são concebidas dentro de um lugar social que se entrecruza com vários outros lugares e espaços que
constituem os artistas em suas produções. A imagem funciona como um espaço de representação,
como nos diz Alberto Manguel
Uma imagem, pintada, esculpida, fotografada, construída e emoldurada é também um palco,
um local para a representação. O que o artista põe naquele palco e o que o expectador vê nele
como representação, confere a imagem um teor dramático, como que capaz de prolongar sua
existência por meio de uma história cujo começo foi perdido pelo expectador e cujo final o
artista não tem como conhecer. (MANGUEL, 2001, p.291)
Os olhares ultrapassam a atmosfera do tempo, se perdendo e se encontrando em diferentes
momentos históricos. Uma obra de arte sempre se encontra aberta a olhares que chegam e que vão
cujos sentidos enxergam e atravessam as telas em um oceano de infinitudes interpretativas. Sendo
www.conedu.com.br
assim os olhares que vêem um quadro depois de pronto, é infinito e singular, o artista perde-se na
mortalidade, o seu olhar morre, restando os olhares que se debruçam para as obras, encarregando-se
de sentir e não sentir, de ver e não ver.
As imagens estão em vários lugares o nosso cotidiano, hoje em dia a difusão de imagens está
estritamente relacionada com a era tecnológica e informacional em que vivemos aonde as imagens
chegam a nossos olhos instantaneamente, onde se fazem presentes nos vários lugares e espaços
como nos diz Katia Helena Pereira: “Vivemos em um mundo de visualidades, cercados por
imagens, viver nos espaços urbanos é deparar-se com múltiplos estímulos visuais” (PEREIRA,
2016, p.8,) Nessa citação vemos que transitar pelos espaços urbanos é conviver com as imagens, é
olhá-las em seus mais diversos ângulos e direcionamentos.
Novas metodologias no Ensino de História: ferramentas de utilização das obras de Arte
A educação brasileira passa por inúmeras dificuldades. O interesse pelo ensino de História
está muito ligado aos esforços e recursos metodológicos que o professor investe para incrementar
suas aulas e despertar o interesse do aluno pela disciplina. Nesse sentido, as chamadas “novas
linguagens” são como diz Luciano Queiroz Aires “Diversos recursos e metodologias, atualmente,
focos de debates em torno da renovação do Ensino de História. São possibilidades de trabalhar com
as linguagens iconográficas, sonoras, poéticas, literárias, humorísticas, museográficas oralidades,
dentre outras.” (QUEIROZ, 2008, p. 45)
Portanto há diversas linguagens a serem utilizadas como ferramenta metodológica para
auxiliar o professor. Nesse cenário a linguagem iconográfica surge como ótimo recurso para chamar
a atenção do aluno, pois como bem salientou François Cadiou utilizando Rousseau, “Os olhos
compreendem melhor que os ouvidos” (ROUSSEAU, apud CADIOU, 2007 p.143, 144) Porquanto
a imagem seria importante por ensinar tanto quantos os livros, para se perceber novas formas de
olhar o mundo e para ajudar o desenvolvimento imaginativo e interpretativo do aluno, ajudando
assim a consolidar a imagem como recurso de análise e de estudo.
Para se conceber um olhar mais aguçado para as obras de arte no que se refere a sua
utilização em sala de aula é necessário que o olhar do historiador saiba como utilizá-la de forma
responsável, como material a ser analisado por ele e pelos alunos, evitando-se assim o simplismo de
sua utilização.
www.conedu.com.br
Luciene Lkmukuh (2010) colocou como base a descrição técnica e ressalta utilizando
Laurent Gervereau, etapas para o manuseio das obras de arte no meio educacional. A primeira etapa
estaria pautada na descrição da imagem, onde entram as questões técnicas, estilísticas e temáticas; a
segunda etapa estaria pautada no contexto histórico no qual as imagens estão inseridas; a terceira
etapa seria a interpretação, o que ela mostra, o que as pessoas conseguem ver e não ver nesse
processo, o que os alunos conseguem captar através do olhar.
PIBID- Slide Pinturas Renascentistas
O PIBID é um programa institucional de bolsas de iniciação a docência, surge como ótimo
meio de auxiliar o professor, despertando o interesse dos alunos pelas disciplinas. Por meio de
atividades que buscam incentivar e passar o conteúdo de forma mais dinâmica e interativa, o PIBID
apresenta bons resultados em sua atuação, ajudando na fixação de conteúdos e construindo para os
alunos, aulas mais prazerosas, aguçando assim o interesse dos alunos pelo conhecimento histórico.
Em uma das atividades desenvolvidas pelo PIBID de História da Universidade Estadual da
Paraíba, na Escola EEEMF Elpídio de Almeida, desenvolveu-se uma Oficina de Pinturas
Renascentistas, através da iniciativa das Pibidianas do grupo, sob a orientação do professor
supervisor Eriberto Souto, na turma do 2°ano do ensino médio no turno da tarde. Foram utilizados
recursos imagéticos referentes a obras de Artes Renascentistas, com o objetivo de aprofundar o
conhecimento dos alunos acerca das pinturas produzidas durante esse período.
Nesse sentido, apresentaram-se essas obras de arte colocando os títulos dos quadros, o ano
em que foram realizadas e os locais onde se encontram. Por meio de uma aula interativa, buscou-se
levar os alunos a observarem as imagens e dizer o que eles podiam perceber como elementos, sem
deixar de fazer o levantamento de elementos presentes no quadro como de forma auxilio. Além
disso, deu-se ênfase para que os alunos compreendessem as diferenças das obras de Pieter Bruegel
durante esse período, já que o pintor se dedicou a pintura de gênero, que era comum nos países
baixos. No que se refere às mulheres artistas, buscou afirmar para os alunos que existiram mulheres
artistas pintoras, pois não se é recorrente tratar destas quando se fala nas Pinturas Renascentistas.
O slide geral das Pinturas Renascentistas contemplou de forma geral as pinturas desse
período como A Capela Sistina de Michelangelo, Mona Lisa de Leonardo da Vinci O Nascimento
www.conedu.com.br
de Vênus e A Alegoria da Primavera, de Sandro Botticelli; O Jardim das delícias, de Bosh; O
combate entre o Carnaval e a Quaresma, Os Provérbios Flamengos de Pieter Bruegel e A Partida
de Xadrez de Sofonisba Anguissola, exacerbando com essa última a presença feminina no mundo
da Arte.
Com A Capela Sistina buscou mostrar para os alunos que toda a produção desse afresco,
estava ligada com as questões religiosas, já que foi produzida na Capela de uma igreja, onde
pudemos perceber os olhares encantados ao se voltarem para a tela.Mona Lisa causou euforia, os
alunos perceberam o olhar da mulher que os acompanhava, sendo analisado por eles o naturalismo
da tela, e o mistério envolto sobre Mona Lisa.O Nascimento de Vênus levou os alunos a perceberem
a valorização do corpo como uma das características da Pintura Renascentista, além disso, a tela
ressaltou a mitologia Greco romana, pelos símbolos mitológicos que envolvem a obra. A Alegoria
da primavera,assim como a obra anterior exalta o corpo e a natureza, onde os alunos puderam
associar as duas obras, percebendo a harmonia que há entre a natureza e o homem como centro do
universo, que é uma das prerrogativas do Renascimento, a elevação do homem enquanto centro. No
“Jardim das Delícias”, as pessoas aparecem agrupadas e há novamente a valorização do corpo.Nos
“Provérbios Flamengos” os alunos puderam perceber que se tratava de provérbios que ainda são
utilizados nos dias de hoje, como „não chorar pelo leite derramado‟. Muitos provérbios foram
mostrados, outros percebidos por eles, que ficaram muito entusiasmados em ver que toda a tela era
constituída por figuras que mostravam diversos provérbios.
Ainda com relação às obras,“O combate entre o Carnaval e a Quaresma”, mostrou os
embates entre o carnaval e a quaresma, como uma luta travada que levou os alunos a verem as
figuras que faziam parte da quaresma e do carnaval. Na “Partida de Xadrez”, os alunos puderam
apontar elementos que chegaram através do seu olhar, com o intuito de aguçar esse olhar, se foi
perguntado sobre o xadrez e sua presença nesse quadro colocando que ele era um elemento feito
para os homens dominarem e não as mulheres, a fim de se saber o que se conseguiria através dessa
provocação, eis que a resposta veio, o xadrez foi percebido como elemento da aristocracia do
período, o que foi dialogado como uma das características das condições de vida da pintora
Sofonisba Anguissola, ter sido de uma família de bens.
O slide buscou em seu contexto geral, mostrar um pouco dos vários estilos da pintura
renascentista, atentando para as pinturas consideradas dentro do padrão do Renascimento, a
especificidade das obras de Pieter Brueguel.
www.conedu.com.br
No desenvolvimento dessa atividade, foi percebida a importância de se trabalhar com
imagens em sala de aula, especificamente com as obras de Arte Renascentistas, onde os alunos
puderam observar e fazer suas próprias interpretações, ver (ler) com seus próprios olhos elementos
das obras, através dos olhares que se voltaram para as telas e puderam aprender com as imagens,
desenvolvendo assim maiores capacidades interpretativas.
Conclusão
Como nos diz Luciene Lehmkuhl: “Ao olhar com atenção e não simplesmente ver, as
imagens adquirem um aspecto diferente, detalhes se tornam visíveis, gradações de cor, de forma, de
elementos podem ser identificáveis até mesmo pelo mais leigo dos observadores. (LEHMKUHL,
2010, p 61). Portanto, as imagens foram percebidas como ótima ferramenta de Ensino, fazendo com
que os alunos voltassem seu olhar em busca de interpretar os signos das obras, querendo desvendá-
las, querendo dar forma em palavras sobre aquilo eles conseguiram enxergar. Sem dúvida a imagem
possui o poder de atrair, de convidar o expectador para observar e aprender com ela algo que já
tenha sido dito ou perceber algo novo.
Por fim, podemos afirmar que mesmo diante de todas as dificuldades existentes no âmbito
educacional, o PIBID se constitui a cada dia, como importante auxílio para o professor e
principalmente para o aluno no processo de aprendizagem, tornando o meio educacional mais
convidativo, por utilizar ferramentas como as obras de Arte Renascentistas, adquirindo resultados
que superam as expectativas e que são possíveis por serem imagens e estas serem carregadas de
poder interativo.
Referências
CADIOU, François. Como se faz a história: historiografia, método e pesquisa. História e
Imagens (tradução de Gisele Unti) Petrópolis, RJ, Vozes, 2007.
GUEDES, Martinho dos Santos (Org). História Ensinada: linguagens e abordagens para a sala
de aula, Pincelar para desenhar a nação: Pintura, Identidade nacional e Ensino de História
QUEIROZ, José Luciano. João Pessoa, Idéia, 2008.
LEHMKUHL, Luciene. História e Imagens: Textos visuais e práticas de leitura, Fazer história
com imagens. Campinas, SP. Mercado das letras, 2010.
www.conedu.com.br
MANGUEL, Alberto. Lendo Imagens: Uma história de amor e ódio, Caravaggio: a imagem
como teatro (tradução de Rubens Figueiredo, Rosaura Eichember e Claúdia Strauch) São Paulo,
companhia das letras, 2001.
PEREIRA, Kátia Helena. Como usar Artes visuais em sala de aula, 2ed., /4ª reimpressão, São
Paulo, Contexto,2016. (Coleção Como usar na sala de aula)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sede de-ler-digital-n-011
Sede de-ler-digital-n-011Sede de-ler-digital-n-011
Sede de-ler-digital-n-011
Viviane Teles
 
Superando o ensino tradicional de história
Superando o ensino tradicional de históriaSuperando o ensino tradicional de história
Superando o ensino tradicional de história
Maiko10
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIIFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXII
Valter Gomes
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
valdirnicioli1
 
Aula oficina uma proposta de utilização de
Aula oficina uma proposta de utilização deAula oficina uma proposta de utilização de
Aula oficina uma proposta de utilização de
Julio Sosa
 
A leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoA leitura e sua relação
A leitura e sua relação
Lilian Miranda
 

Mais procurados (19)

ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
 
A literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do GloboA literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do Globo
 
Identidades no contexto escolar livro
Identidades no contexto escolar   livroIdentidades no contexto escolar   livro
Identidades no contexto escolar livro
 
Artigo conedu aceito ( BEATRIZ)
Artigo conedu aceito  ( BEATRIZ)Artigo conedu aceito  ( BEATRIZ)
Artigo conedu aceito ( BEATRIZ)
 
Literatura e ensino de história
Literatura e ensino de históriaLiteratura e ensino de história
Literatura e ensino de história
 
Unidade 7 arte (4)
Unidade 7   arte (4)Unidade 7   arte (4)
Unidade 7 arte (4)
 
Prática curricular iv fontes escritas...
Prática curricular iv   fontes escritas...Prática curricular iv   fontes escritas...
Prática curricular iv fontes escritas...
 
A Interculturalidade nas práticas de educação e formação de professores
A Interculturalidade nas práticas de educação e formação de professoresA Interculturalidade nas práticas de educação e formação de professores
A Interculturalidade nas práticas de educação e formação de professores
 
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
 
Sede de-ler-digital-n-011
Sede de-ler-digital-n-011Sede de-ler-digital-n-011
Sede de-ler-digital-n-011
 
Superando o ensino tradicional de história
Superando o ensino tradicional de históriaSuperando o ensino tradicional de história
Superando o ensino tradicional de história
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIIFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXII
 
A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
 
Aula oficina uma proposta de utilização de
Aula oficina uma proposta de utilização deAula oficina uma proposta de utilização de
Aula oficina uma proposta de utilização de
 
A leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoA leitura e sua relação
A leitura e sua relação
 
Apostila Seed Arte
Apostila Seed ArteApostila Seed Arte
Apostila Seed Arte
 
Constituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecasConstituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecas
 
Oficinas ecohvale
Oficinas ecohvaleOficinas ecohvale
Oficinas ecohvale
 

Semelhante a Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do PIBID

Material apoio biografia visual
Material apoio biografia visualMaterial apoio biografia visual
Material apoio biografia visual
acris_7
 
Material apoio biografia visual
Material apoio biografia visualMaterial apoio biografia visual
Material apoio biografia visual
acris_7
 
Material apoio biografia visual
Material apoio biografia visualMaterial apoio biografia visual
Material apoio biografia visual
acris_7
 
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Priscila Macedo
 
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestreApresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Sandra Guerra
 

Semelhante a Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do PIBID (20)

O uso de fontes em sala de aula
O uso de fontes em sala de aulaO uso de fontes em sala de aula
O uso de fontes em sala de aula
 
Currículo referência arte 6º ao 9º ano
Currículo referência arte 6º ao 9º anoCurrículo referência arte 6º ao 9º ano
Currículo referência arte 6º ao 9º ano
 
A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
A INVESTIGAÇÃO DA CULTURA VISUAL E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DE POÉTICAS IND...
 
Material apoio biografia visual
Material apoio biografia visualMaterial apoio biografia visual
Material apoio biografia visual
 
Material apoio biografia visual
Material apoio biografia visualMaterial apoio biografia visual
Material apoio biografia visual
 
Material apoio biografia visual
Material apoio biografia visualMaterial apoio biografia visual
Material apoio biografia visual
 
Arte, infância e formação de professores
Arte, infância e formação de professoresArte, infância e formação de professores
Arte, infância e formação de professores
 
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
 
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantilArtigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
 
Projeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantilProjeto.doc teatro na ed. infantil
Projeto.doc teatro na ed. infantil
 
Alfabetização visual
Alfabetização visualAlfabetização visual
Alfabetização visual
 
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacaoSpe 2013 novo_ef71_arte_programacao
Spe 2013 novo_ef71_arte_programacao
 
Serigrafia apresentação
Serigrafia apresentaçãoSerigrafia apresentação
Serigrafia apresentação
 
Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental
Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamentalReflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental
Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental
 
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestreApresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
 
O ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantilO ensino-da arte na educacao infantil
O ensino-da arte na educacao infantil
 
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
O CINEMA COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA EDUCAÇÃO PELO OLHAR NO MUNICÍPIO DE T...
 
O primeiro caderno 3 ae
O primeiro caderno 3 aeO primeiro caderno 3 ae
O primeiro caderno 3 ae
 
Artes na EJA
Artes na EJAArtes na EJA
Artes na EJA
 
Vol3 arte
Vol3 arteVol3 arte
Vol3 arte
 

Mais de PIBID HISTÓRIA

Mais de PIBID HISTÓRIA (20)

O PIBID e seus percursos: “Uma nova maneira de ensinar História
O PIBID e seus percursos: “Uma nova maneira de ensinar HistóriaO PIBID e seus percursos: “Uma nova maneira de ensinar História
O PIBID e seus percursos: “Uma nova maneira de ensinar História
 
O CINEMA E O ENSINO DE HISTÓRIA: EXPERIÊNCIA DO PIBID
O CINEMA E O ENSINO DE HISTÓRIA: EXPERIÊNCIA DO PIBID O CINEMA E O ENSINO DE HISTÓRIA: EXPERIÊNCIA DO PIBID
O CINEMA E O ENSINO DE HISTÓRIA: EXPERIÊNCIA DO PIBID
 
Artigo: "PARTICIPAÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA PARA O ...
Artigo: "PARTICIPAÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA PARA O ...Artigo: "PARTICIPAÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA PARA O ...
Artigo: "PARTICIPAÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA PARA O ...
 
Plano de Aula - A Paz
Plano de Aula - A PazPlano de Aula - A Paz
Plano de Aula - A Paz
 
Slide - Cidadania
Slide - Cidadania Slide - Cidadania
Slide - Cidadania
 
Poesia de Cordel -Três letras-apenas
Poesia de Cordel -Três letras-apenasPoesia de Cordel -Três letras-apenas
Poesia de Cordel -Três letras-apenas
 
Slide - Cristianismo x Islamismo
Slide - Cristianismo x IslamismoSlide - Cristianismo x Islamismo
Slide - Cristianismo x Islamismo
 
Plano de Aula -Shakespeare e Diferenças do Islamismo e Cristianismo.
Plano de Aula -Shakespeare e Diferenças do Islamismo e Cristianismo.Plano de Aula -Shakespeare e Diferenças do Islamismo e Cristianismo.
Plano de Aula -Shakespeare e Diferenças do Islamismo e Cristianismo.
 
Biografia de Galileu Galilei
Biografia de Galileu GalileiBiografia de Galileu Galilei
Biografia de Galileu Galilei
 
Slide - Vida e Obras de Shakespeare
Slide - Vida e Obras de ShakespeareSlide - Vida e Obras de Shakespeare
Slide - Vida e Obras de Shakespeare
 
Plano de Aula - Literatura portuguesa e africana
Plano de Aula - Literatura portuguesa e africanaPlano de Aula - Literatura portuguesa e africana
Plano de Aula - Literatura portuguesa e africana
 
Plano de Aula - Guerra do Paraguai
Plano de Aula - Guerra do ParaguaiPlano de Aula - Guerra do Paraguai
Plano de Aula - Guerra do Paraguai
 
Plano de Aula - Período das Regências
Plano de Aula - Período das RegênciasPlano de Aula - Período das Regências
Plano de Aula - Período das Regências
 
Slide - MÚSICA: Cem anos de liberdade,realidade ou ilusão
Slide - MÚSICA: Cem anos de liberdade,realidade ou ilusãoSlide - MÚSICA: Cem anos de liberdade,realidade ou ilusão
Slide - MÚSICA: Cem anos de liberdade,realidade ou ilusão
 
Slide - As Mulheres na História
Slide - As Mulheres na HistóriaSlide - As Mulheres na História
Slide - As Mulheres na História
 
Slide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesSlide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de Camões
 
História de Gibi - História recontada: O Sundiata
História de Gibi - História recontada: O SundiataHistória de Gibi - História recontada: O Sundiata
História de Gibi - História recontada: O Sundiata
 
Slide - Poema: Amor é fogo que arde sem se ver
Slide - Poema: Amor é fogo que arde sem se verSlide - Poema: Amor é fogo que arde sem se ver
Slide - Poema: Amor é fogo que arde sem se ver
 
Slide - Miguel de Cervantes
Slide - Miguel de CervantesSlide - Miguel de Cervantes
Slide - Miguel de Cervantes
 
O Alcorão - Papel das Mulheres na Sociedade Islâmica
O Alcorão - Papel das Mulheres na Sociedade IslâmicaO Alcorão - Papel das Mulheres na Sociedade Islâmica
O Alcorão - Papel das Mulheres na Sociedade Islâmica
 

Último

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do PIBID

  • 1. www.conedu.com.br A UTILIZAÇÃO DAS PINTURAS RENASCENTISTAS EM SALA DE AULA, ATRAVÉS DO PIBID. Thaís Costa de Almeida1 E-mail: thais11costa@hotmail.com Universidade Estadual da Paraíba Auricélia Lopes Pereira2 E-mail: auricelialpereira@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Resumo: O Ensino de história encontra dificuldades em relação ao interesse dos alunos pelo saber histórico, sendo assim os professores precisam dispor de metodologias que incentivem o gosto pela disciplina, portanto neste cenário o PIBID- programa institucional de bolsas de iniciação a docência, é de grande auxilio à educação brasileira, pois esse projeto viabiliza melhor os mecanismos que ajudam na construção do conhecimento em sala de aula, através de atividades dinâmicas que prendem a atenção do aluno, como jogos, músicas, HQs, atividades de letramento, vídeos, oficinas e imagens. Utilizados em sintonia com os conteúdos ministrados, exercem melhor eficácia, dinamismo, interatividade e uma melhor compreensão dos conteúdos ministrados. As imagens possuem as características essenciais para serem utilizadas pelo historiador-pesquisador, e pelo professor em sua prática de sala de aula, pois as imagens existem como representações de uma determinada sociedade, sendo analisadas pelo seu contexto histórico, assim como utilizando suas características técnicas, elas se tornam muito eficazes para o Ensino de história, evitando assim o simplismo de sua utilização. Nesse sentido, ao se trabalhar com imagens há uma atenção maior voltada para elas, o que permitiu que fosse possível trabalhar a Arte Renascentista em sala de aula pelo PIBID, com o objetivo de fazer com que os alunos pudessem ver características nas obras apresentadas, percebendo elementos através dos olhares voltados para as telas. No nosso cotidiano, vivemos cercados por imagens, o que nos ajuda a entender a eficácia e a atenção que as imagens exercem nos alunos e a facilidade que eles possuem na percepção de elementos. Palavras-chave: Imagens, Arte, PIBID, Educação. ¹Aluna do curso de História da Universidade Estadual da Paraíba, Bolsista PIBID/CAPES ² Professora Doutora do departamento de História da Universidade Estadual da Paraíba,Bolsista PIBID/CAPES
  • 2. www.conedu.com.br Introdução Diante de todos os problemas educacionais existentes em nosso país, é recorrente pensarmos o que fazer para mudar a Educação brasileira a fim de promover diálogos e trabalhar para que as Escolas sejam vistas como motores pulsantes e espaços de criação de possibilidades, onde o conhecimento seja o maior objetivo, e que com ele os alunos tenham o mundo em suas mãos para fazer parte dele e torná-lo um mundo melhor de se viver. Interpretar o mundo sugere- que o alunado seja treinado para isso, não a fim de torná-lo uma máquina, mas com o intuito de guiá-lo para que ele se torne cada vez mais capaz de perceber o mundo ao seu redor. Mas como ensiná-lo a interpretar o mundo? Como treiná-lo a fim de conseguir que este plante suas sementes na vida e as faça germinar e florescer? Tarefa difícil a dos professores, despertarem interesse quando muitos alunos não são incentivados em suas próprias casas. No entanto sempre há como mudar um pouco uma realidade que não é como deveria ser, sobretudo porque os alunos possuem capacidade enorme para ler o mundo em sua volta, eles apenas estão lá esperando que alguém os guie, lhes reguem,mostrando um oceano vasto de possibilidades, em que o ato de aprender e o olhar estão estritamente relacionados. O que nos impulsiona sempre teve como pressuposto a cultura como determinante nesse processo, o que vemos e percebemos ao nosso redor está estritamente relacionado com a forma que aprendemos a ver o mundo ou a forma pela qual assim foi nos ensinada a vê-lo. O nosso olhar é seletivo,separando,excluindo e moldando o que capta a nossa imaginação, o que é visível e invisível, fantástico ou real, que se relaciona com pontos de referência, com o lugar social e os espaços em que transitamos e que não conseguimos apalpar com nossos sentidos. Todas as relações que são estabelecidas em um determinado espaço, ao qual é provido de várias formas de sociabilidade diversa, que se escondem ou se mostram a luz do dia ou no despertar de uma noite, ajudam a constituir o eu em relação com a forma de enxergar o mundo, onde o singular e o particular aparecem como participantes desse processo. Nesse sentido, Kátia Helena Pereira nos afirma que ver é produzir conhecimento, utilizar imagens em sala de aula é provocar a reflexão sobre aquilo que se está sendo mostrado Apreciar obras de arte, observar objetos, ver situações cotidianas requer atribuir significados. Essa atribuição de significados é maneira de compreender a experiência e torná-la inteligível. Portanto ver é produzir conhecimento sobre aquilo que é visto. Sendo assim a utilização de imagens na sala de aula é um modo de provocar a reflexão. (PEREIRA, 2016, p.19)
  • 3. www.conedu.com.br A arte sempre foi utilizada em diferentes momentos históricos como uma forma de expressar o que a nossa imaginação e nossos devaneios conseguem nos exprimir na forma de sentimentos, que são expressos na escrita, na dança, na música, nas Artes de forma geral e no pintar o mundo com as cores, com os tons, com os sabores e dissabores que constituem o ser, o eu o mundo. Sendo assim, a Arte é a forma pela qual o ser humano se expressa e molda o mundo a sua volta e o transforma com a perspectiva do seu olhar. Os pintores utilizaram seus sentimentos nas pontas dos pinceis que utilizaram e utilizam para pintar o mundo, a vida, para desenhar os tons e colocar as técnicas que regem o pictórico em ação, em movimento, preenchendo assim as telas de sensibilidade, as quais se derramam como tinta, como um arco íris colorido que emolduram o céu, um infinito de possibilidades interpretativas para se captar nas telas, nas pinturas construídas e constituídas em um determinado período histórico, dos quais nos chegam os fragmentos, que fazem parte do devir histórico. Michel de Certeau(2002) nos diz que somos produtos de um lugar, sendo assim como produtos de uma época, de uma realidade palpável e impalpável conseguimos enxergar nas obras de Arte aquilo que ela tem a nos dizer, que se sugere como algo a ser encarado pela perspectiva do que nos forma e nos toca no intimo do nosso ser. Utilizar as imagens em sala de aula é algo que vem ocupando debates acerca dessa metodologia no Ensino de história, o que se leva a pensar a importância desse mecanismo enquanto recurso metodológico importante para educar por meio do olhar. Contudo, isso foi utilizado em umas das atividades desenvolvidas pelo PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência, ao se trabalhar com imagens da Arte Renascentista. Esse trabalho dialogou com autores como Alberto Manguel, Luciene Lekhmukhul, François Cadiou e Kátia Helena Pereira, levantando a problemática de como seria trabalhar com imagens em sala de aula através do PIBID, exaltando a enorme contribuição do mundo das imagens para a sala de aula afinal de contas como disse Kátia Helena Pereira, as imagens influenciam a nossa maneira de viver, de pensar e de se reconhecer no mundo. As imagens ,como já afirmei,pertencem ao nosso cotidiano e interferem na maneira como nos relacionamos com o mundo. Interferem na maneira como nos vestimos,pensamos,vivemos. Isso porque dão visualidade a valores sociais, construídos de muitas maneiras. As imagens também medeiam nossa relação com o outro. É por meio delas que reconhecemos as diferenças, alimentamos nossas crenças, construímos nossa concepção de como estar no mundo. (PEREIRA, 2016, p.19)
  • 4. www.conedu.com.br O mundo imagético As imagens existiram como representações de determinadas épocas a serem estudadas; Desde a antiguidade clássica aos dias de hoje, as imagens existem como formas de expressão de uma sociedade, daquilo que se pretende mostrar ou ocultar, não sendo uma simples representação da realidade, mostrando signos a serem interpretados e reinterpretados por aqueles que debruçam o seu olhar sobre as telas. Sabemos hoje que uma imagem mesmo seletiva, não se limita a uma simples representação do real, mas que produz um discurso sobre ele. Se a imagem é um signo, ou um conjunto de signos que traduz uma visão da realidade e transmite um sistema de valores ela pode nos ensinar tanto quanto um texto sobre as sociedades do passado. (CADIOU, 2007, p.148) Nessa citação, vemos que as imagens funcionam através de discursos que se operacionalizam nas construções discursivas de uma época, sendo o discurso entendido como algo construído historicamente como trata Michel Foucault o discurso é algo que é fruto das relações de poder desencadeadas em uma sociedade, sendo assim as imagens produzem discursos da realidade, possuindo todos os requisitos suficientes para nos dizer algo sobre o passado, tanto para o historiador pesquisador, quanto para o professor de história em sua prática na sala de aula. No entanto, Luciene Lekmkuhl, nos aponta que o que é mais importante para o historiador é saber como se conta esse passado. Assim, os historiadores passaram a assumir o aspecto ficcional dos documentos e utilizá-los favoravelmente na construção histórica, indagando menos o que eles contam sobre o passado e mais como contam o passado. (LEKMKUHL, 2010, p.56) As pinturas produzidas em um determinado período, não estão isentas de neutralidade, pois são concebidas dentro de um lugar social que se entrecruza com vários outros lugares e espaços que constituem os artistas em suas produções. A imagem funciona como um espaço de representação, como nos diz Alberto Manguel Uma imagem, pintada, esculpida, fotografada, construída e emoldurada é também um palco, um local para a representação. O que o artista põe naquele palco e o que o expectador vê nele como representação, confere a imagem um teor dramático, como que capaz de prolongar sua existência por meio de uma história cujo começo foi perdido pelo expectador e cujo final o artista não tem como conhecer. (MANGUEL, 2001, p.291) Os olhares ultrapassam a atmosfera do tempo, se perdendo e se encontrando em diferentes momentos históricos. Uma obra de arte sempre se encontra aberta a olhares que chegam e que vão cujos sentidos enxergam e atravessam as telas em um oceano de infinitudes interpretativas. Sendo
  • 5. www.conedu.com.br assim os olhares que vêem um quadro depois de pronto, é infinito e singular, o artista perde-se na mortalidade, o seu olhar morre, restando os olhares que se debruçam para as obras, encarregando-se de sentir e não sentir, de ver e não ver. As imagens estão em vários lugares o nosso cotidiano, hoje em dia a difusão de imagens está estritamente relacionada com a era tecnológica e informacional em que vivemos aonde as imagens chegam a nossos olhos instantaneamente, onde se fazem presentes nos vários lugares e espaços como nos diz Katia Helena Pereira: “Vivemos em um mundo de visualidades, cercados por imagens, viver nos espaços urbanos é deparar-se com múltiplos estímulos visuais” (PEREIRA, 2016, p.8,) Nessa citação vemos que transitar pelos espaços urbanos é conviver com as imagens, é olhá-las em seus mais diversos ângulos e direcionamentos. Novas metodologias no Ensino de História: ferramentas de utilização das obras de Arte A educação brasileira passa por inúmeras dificuldades. O interesse pelo ensino de História está muito ligado aos esforços e recursos metodológicos que o professor investe para incrementar suas aulas e despertar o interesse do aluno pela disciplina. Nesse sentido, as chamadas “novas linguagens” são como diz Luciano Queiroz Aires “Diversos recursos e metodologias, atualmente, focos de debates em torno da renovação do Ensino de História. São possibilidades de trabalhar com as linguagens iconográficas, sonoras, poéticas, literárias, humorísticas, museográficas oralidades, dentre outras.” (QUEIROZ, 2008, p. 45) Portanto há diversas linguagens a serem utilizadas como ferramenta metodológica para auxiliar o professor. Nesse cenário a linguagem iconográfica surge como ótimo recurso para chamar a atenção do aluno, pois como bem salientou François Cadiou utilizando Rousseau, “Os olhos compreendem melhor que os ouvidos” (ROUSSEAU, apud CADIOU, 2007 p.143, 144) Porquanto a imagem seria importante por ensinar tanto quantos os livros, para se perceber novas formas de olhar o mundo e para ajudar o desenvolvimento imaginativo e interpretativo do aluno, ajudando assim a consolidar a imagem como recurso de análise e de estudo. Para se conceber um olhar mais aguçado para as obras de arte no que se refere a sua utilização em sala de aula é necessário que o olhar do historiador saiba como utilizá-la de forma responsável, como material a ser analisado por ele e pelos alunos, evitando-se assim o simplismo de sua utilização.
  • 6. www.conedu.com.br Luciene Lkmukuh (2010) colocou como base a descrição técnica e ressalta utilizando Laurent Gervereau, etapas para o manuseio das obras de arte no meio educacional. A primeira etapa estaria pautada na descrição da imagem, onde entram as questões técnicas, estilísticas e temáticas; a segunda etapa estaria pautada no contexto histórico no qual as imagens estão inseridas; a terceira etapa seria a interpretação, o que ela mostra, o que as pessoas conseguem ver e não ver nesse processo, o que os alunos conseguem captar através do olhar. PIBID- Slide Pinturas Renascentistas O PIBID é um programa institucional de bolsas de iniciação a docência, surge como ótimo meio de auxiliar o professor, despertando o interesse dos alunos pelas disciplinas. Por meio de atividades que buscam incentivar e passar o conteúdo de forma mais dinâmica e interativa, o PIBID apresenta bons resultados em sua atuação, ajudando na fixação de conteúdos e construindo para os alunos, aulas mais prazerosas, aguçando assim o interesse dos alunos pelo conhecimento histórico. Em uma das atividades desenvolvidas pelo PIBID de História da Universidade Estadual da Paraíba, na Escola EEEMF Elpídio de Almeida, desenvolveu-se uma Oficina de Pinturas Renascentistas, através da iniciativa das Pibidianas do grupo, sob a orientação do professor supervisor Eriberto Souto, na turma do 2°ano do ensino médio no turno da tarde. Foram utilizados recursos imagéticos referentes a obras de Artes Renascentistas, com o objetivo de aprofundar o conhecimento dos alunos acerca das pinturas produzidas durante esse período. Nesse sentido, apresentaram-se essas obras de arte colocando os títulos dos quadros, o ano em que foram realizadas e os locais onde se encontram. Por meio de uma aula interativa, buscou-se levar os alunos a observarem as imagens e dizer o que eles podiam perceber como elementos, sem deixar de fazer o levantamento de elementos presentes no quadro como de forma auxilio. Além disso, deu-se ênfase para que os alunos compreendessem as diferenças das obras de Pieter Bruegel durante esse período, já que o pintor se dedicou a pintura de gênero, que era comum nos países baixos. No que se refere às mulheres artistas, buscou afirmar para os alunos que existiram mulheres artistas pintoras, pois não se é recorrente tratar destas quando se fala nas Pinturas Renascentistas. O slide geral das Pinturas Renascentistas contemplou de forma geral as pinturas desse período como A Capela Sistina de Michelangelo, Mona Lisa de Leonardo da Vinci O Nascimento
  • 7. www.conedu.com.br de Vênus e A Alegoria da Primavera, de Sandro Botticelli; O Jardim das delícias, de Bosh; O combate entre o Carnaval e a Quaresma, Os Provérbios Flamengos de Pieter Bruegel e A Partida de Xadrez de Sofonisba Anguissola, exacerbando com essa última a presença feminina no mundo da Arte. Com A Capela Sistina buscou mostrar para os alunos que toda a produção desse afresco, estava ligada com as questões religiosas, já que foi produzida na Capela de uma igreja, onde pudemos perceber os olhares encantados ao se voltarem para a tela.Mona Lisa causou euforia, os alunos perceberam o olhar da mulher que os acompanhava, sendo analisado por eles o naturalismo da tela, e o mistério envolto sobre Mona Lisa.O Nascimento de Vênus levou os alunos a perceberem a valorização do corpo como uma das características da Pintura Renascentista, além disso, a tela ressaltou a mitologia Greco romana, pelos símbolos mitológicos que envolvem a obra. A Alegoria da primavera,assim como a obra anterior exalta o corpo e a natureza, onde os alunos puderam associar as duas obras, percebendo a harmonia que há entre a natureza e o homem como centro do universo, que é uma das prerrogativas do Renascimento, a elevação do homem enquanto centro. No “Jardim das Delícias”, as pessoas aparecem agrupadas e há novamente a valorização do corpo.Nos “Provérbios Flamengos” os alunos puderam perceber que se tratava de provérbios que ainda são utilizados nos dias de hoje, como „não chorar pelo leite derramado‟. Muitos provérbios foram mostrados, outros percebidos por eles, que ficaram muito entusiasmados em ver que toda a tela era constituída por figuras que mostravam diversos provérbios. Ainda com relação às obras,“O combate entre o Carnaval e a Quaresma”, mostrou os embates entre o carnaval e a quaresma, como uma luta travada que levou os alunos a verem as figuras que faziam parte da quaresma e do carnaval. Na “Partida de Xadrez”, os alunos puderam apontar elementos que chegaram através do seu olhar, com o intuito de aguçar esse olhar, se foi perguntado sobre o xadrez e sua presença nesse quadro colocando que ele era um elemento feito para os homens dominarem e não as mulheres, a fim de se saber o que se conseguiria através dessa provocação, eis que a resposta veio, o xadrez foi percebido como elemento da aristocracia do período, o que foi dialogado como uma das características das condições de vida da pintora Sofonisba Anguissola, ter sido de uma família de bens. O slide buscou em seu contexto geral, mostrar um pouco dos vários estilos da pintura renascentista, atentando para as pinturas consideradas dentro do padrão do Renascimento, a especificidade das obras de Pieter Brueguel.
  • 8. www.conedu.com.br No desenvolvimento dessa atividade, foi percebida a importância de se trabalhar com imagens em sala de aula, especificamente com as obras de Arte Renascentistas, onde os alunos puderam observar e fazer suas próprias interpretações, ver (ler) com seus próprios olhos elementos das obras, através dos olhares que se voltaram para as telas e puderam aprender com as imagens, desenvolvendo assim maiores capacidades interpretativas. Conclusão Como nos diz Luciene Lehmkuhl: “Ao olhar com atenção e não simplesmente ver, as imagens adquirem um aspecto diferente, detalhes se tornam visíveis, gradações de cor, de forma, de elementos podem ser identificáveis até mesmo pelo mais leigo dos observadores. (LEHMKUHL, 2010, p 61). Portanto, as imagens foram percebidas como ótima ferramenta de Ensino, fazendo com que os alunos voltassem seu olhar em busca de interpretar os signos das obras, querendo desvendá- las, querendo dar forma em palavras sobre aquilo eles conseguiram enxergar. Sem dúvida a imagem possui o poder de atrair, de convidar o expectador para observar e aprender com ela algo que já tenha sido dito ou perceber algo novo. Por fim, podemos afirmar que mesmo diante de todas as dificuldades existentes no âmbito educacional, o PIBID se constitui a cada dia, como importante auxílio para o professor e principalmente para o aluno no processo de aprendizagem, tornando o meio educacional mais convidativo, por utilizar ferramentas como as obras de Arte Renascentistas, adquirindo resultados que superam as expectativas e que são possíveis por serem imagens e estas serem carregadas de poder interativo. Referências CADIOU, François. Como se faz a história: historiografia, método e pesquisa. História e Imagens (tradução de Gisele Unti) Petrópolis, RJ, Vozes, 2007. GUEDES, Martinho dos Santos (Org). História Ensinada: linguagens e abordagens para a sala de aula, Pincelar para desenhar a nação: Pintura, Identidade nacional e Ensino de História QUEIROZ, José Luciano. João Pessoa, Idéia, 2008. LEHMKUHL, Luciene. História e Imagens: Textos visuais e práticas de leitura, Fazer história com imagens. Campinas, SP. Mercado das letras, 2010.
  • 9. www.conedu.com.br MANGUEL, Alberto. Lendo Imagens: Uma história de amor e ódio, Caravaggio: a imagem como teatro (tradução de Rubens Figueiredo, Rosaura Eichember e Claúdia Strauch) São Paulo, companhia das letras, 2001. PEREIRA, Kátia Helena. Como usar Artes visuais em sala de aula, 2ed., /4ª reimpressão, São Paulo, Contexto,2016. (Coleção Como usar na sala de aula)