SlideShare uma empresa Scribd logo

Tese

1 de 5
Baixar para ler offline
LASER TERAPÊUTICO: OPÇÃO VIÁVEL NO TRATAMENTO DA MUCOSITE ORAL E
XEROSTOMIA EM PACIENTES SUBMETIDOS À RADIOTERAPIA E QUIMIOTERAPIA

    Milene Alves da Cunha 1, Wenzel Castro de Abreu 2, Hanriete Pereira de Souza 3,
                      Egberto Munin 4, Marcos Tadeu T Pacheco 5

                            1,3,4,5
                               Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IP&D),
                 Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), São José dos Campos, SP.
                          2
                           Hospital Hospital Araújo Jorge-ACCG – Goiânia – GO.
       3
         Faculdade de Odontologia, UFSM, Santa Maria, RS , millac@terra.com.br , munin@univap.br


Palavras-chave: Laser terapêutico, Neoplasias de cabeça e pescoço, Mucosite, Xerostomia.
Área do Conhecimento: Ciências da Saúde

Resumo - A mucosite oral é o efeito agudo de maior freqüência e o maior fator limitante de dose para
radioterapia na região de cabeça e pescoço. É importante a prevenção e o controle dos efeitos orais agudos
radioinduzidos, pois estes podem levar à interrupção temporária ou definitiva do tratamento e, dessa forma,
comprometer o controle tumoral e as taxas de sobrevida. O objetivo deste trabalho é mostrar que a
laserterapia demonstra bom resultado terapêutico como terapia para redução da mucosite e xerostomia. O
estudo realizado foi experimental, com abordagens prospectivas e quantitativas, desenvolvido em 30
pacientes com diagnóstico de neoplasia de cabeça e pescoço. Foram utilizados os laseres de InGaAlP e de
AlGaAs como fontes de luz de dois comprimentos de onda e potências diferentes: 685 nm / 35 mW e 830
                                                                                          2
nm / 70 mW. A técnica de irradiação utilizada foi a pontual com dosimetria de 4 J/cm para ambos os
laseres. Do total de pacientes, 15 (50%) tiveram mucosite, sendo que apenas 5 (17%) pacientes
apresentaram grau 2 e 3 de mucosite, não foi observada diferença estatística entre os laseres no
tratamento da mucosite. O pH não pode ser correlacionado com a taxa de mucosite, e os pacientes Tx e
com tumores avançados, submetidos a altas doses de quimioterapia, apresentaram maior grau de mucosite
e xerostomia.



Introdução                                              infecção secundária. É um problema clínico de
                                                        difícil controle podendo comprometer a deglutição
       O câncer se constitui na segunda causa de        e ingestão de alimentos assim como a higiene oral
                                                                                                     3
morte por doença no Brasil. O carcinoma                 e a capacidade de comunicação do paciente .
epidermóide de cabeça e pescoço geralmente                      A xerostomia pode incluir ardência da
atinge pessoas acima de 50 anos, em geral com           mucosa       oral,   especialmente    da     língua,
um passado de tabagismo e etilismo crônicos. O          ressecamento dos lábios, comissuras labiais
tratamento oncológico geralmente é realizado            fissuradas, alteração na superfície da língua,
através de cirurgia, quimioterapia e radioterapia. O    dificuldades de adaptação de próteses dentárias
tratamento radioterápico utiliza radiação ionizante     parciais ou totais, bem como modificações
                                                                              4
em doses letais à célula neoplásica que é utilizado     marcantes no paladar .
como método complementar a cirurgia. Na                         É importante a prevenção e o controle dos
quimioterapia são empregados medicamentos               efeitos orais agudos radioinduzidos, pois estes
capazes de destruir ou impedir o crescimento            podem levar à interrupção temporária ou definitiva
        1
tumoral .                                               do tratamento e, dessa forma comprometer o
       Quando a cavidade oral é o alvo da               controle tumoral e as taxas de sobrevida global. A
radioterapia   ou     quando    é     associada    à    interrupção leva a um aumento total do tempo de
quimioterapia podem ocorrer complicações orais          tratamento que por sua vez eleva os custos da
como a mucosite e a xerostomia. A xerostomia ou         terapêutica, desmotiva o paciente em prosseguir
diminuição do fluxo salivar é provocada pela ação       com a proposta de tratamento e, por fim, influencia
da radiação ionizante sobre as glândulas                no prognóstico e na qualidade de vida desses
          2                                                        5
salivares .                                             pacientes .
       A mucosite oral é caracterizada por                      O laser terapêutico tem se mostrado um
hiperemia, edema, ulceração, dor, sialorréia,           seguro e eficiente método para prevenção e
queimação e algumas vezes por hemorragia e              tratamento das mucosites. Dentre os efeitos da luz
VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e                                               1437
IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
laser sobre o tecido, destaca-se o aumento da           método proposto pelo RTOG. A avaliação da
celularidade tecidual e da freqüência das mitoses       xerostomia foi realizada conforme o Radiation
o que favorece a reparação cicatricial, juntamente      Therapy Oncology RTOG 97-09 (RTOG, 1999)
com aumento da vascularização e formação                para sialometria, sendo composta por uma
                                    6
abundante de tecido de granulação . Atualmente,         avaliação antes do tratamento (nível basal de
o laser é apresentado como mais uma terapêutica         produção salivar). A produção não estimulada da
na oncologia que busca prevenir ou tratar as            saliva foi avaliada antes da produção estimulada
complicações agudas decorrentes do tratamento           onde o paciente foi orientado para deglutir toda a
oncológico, como a xerostomia e a mucosite.             saliva que estiver depositada em sua boca. A
       Este trabalho teve por objetivo avaliar a        seguir deverá acumular saliva, sem degluti-la, por
eficácia da radiação laser, como terapia protetora      um período de 60 segundos. O paciente cuspe
e moduladora da mucosa oral e das glândulas             esta saliva acumulada em um frasco graduado de
salivares,    tratando-se   de   uma      pesquisa      50ml. Este procedimento foi repetido mais quatro
experimental no tratamento da mucosite oral e           vezes totalizando 5 tomadas em cinco minutos. A
xerostomia,     em    pacientes   portadores    de      produção de saliva estimulada foi feita com
neoplasias de cabeça e pescoço submetidos à             solução de citrato a 2% nas bordas dorsolaterais
radioterapia de forma exclusiva ou combinados           da língua, por 5 vezes em um período de 2
com quimioterapia.                                      minutos (0, 30, 60, 90 e 120 segundos). Antes da
                                                        aplicação da solução a boca foi limpa de qualquer
Metodologia                                             secreção e, após, foi retirada a solução de citrato
                                                        residual. A saliva foi então coletada como no
       Este estudo foi realizado em pacientes que       método não estimulado. Estas medições foram
realizaram tratamento de tumores na região de           realizadas antes da primeira sessão de
cabeça e pescoço com radioterapia exclusiva ou          radioterapia e ao final do tratamento.
pós-operatória, combinada ou não à quimioterapia.
Sob aprovação do CEP do Hospital das Clínicas –         Resultados e Discussão
UFG, e sob o consentimento livre e esclarecido
dos pacientes. Este trabalho experimental, com                 Do total de 30 indivíduos que constituíram a
abordagens        prospectivas,    quantitativas    e   população experimental, 23 eram do sexo
qualitativas, foi realizado no Hospital Araújo Jorge-   masculino e 7 do sexo feminino. A caracterização
ACCG.                                                   da amostra, quanto à idade é mostrada na
       O critério de inclusão foi a presença de         figura 1. A caracterização da amostra quanto aos
neoplasia de cabeça e pescoço com ausência de           hábitos de tabagismo e etilismo são mostrados
radioterapia prévia na região de interesse,             nas figuras 2 e 3, respectivamente.
indicação precisa de radioterapia pós-operatória,
exclusiva     ou     associada    à     quimioterapia.
Diferenças entre sexo, idade, raça, presença de                           Média = 57 anos
diabetes, imuno-supressão e outras comorbidades
não constituíram fatores excludentes. Foram                     12
excluídos pacientes em re-irradiação, tumores não                           10
                                                                                         9
                                                            Nº DE INDIVÍDUOS




primários de cabeça e pescoço, pacientes com                    10
impossibilidade de avaliação adequada da                         8
cavidade oral, pacientes sem avaliações cirúrgica                                  6
e/ou odontológica pré-radioterapia, pacientes que                6
não concluíram o tratamento proposto e gestantes.                4
Os laseres utilizados forneciam 35 mW em 685 nm                       2                        2
                                                                 2                                    1
e 70 mW em 830 nm. A dosimetria utilizada foi de
        2
4 J/cm por ponto de aplicação para ambos os                      0
laseres. Foram irradiados 5 pontos da cavidade                      31-40 41-50 51-60 61-70 71-80 81-90
bucal.
                                                                                FAIXA ETÁRIA
       Os pacientes foram randomizados em grupo
1: - irradiados com o Laser de luz Vermelha no
comprimento de onda de 685 nm e grupo 2:-               Figura 1 –Caracterização da amostra estudada.
irradiados com o Laser de luz Infravermelha no          conforme a faixa etária.
comprimento de onda de 830 nm. A aplicação
pontual por contato foi realizada na mucosa jugal,
assoalho bucal, língua, palato mole e prega
palatoglosso, três vezes por semana. A avaliação
da mucosite foi realizada por dois profissionais, o
radioterapeuta e pelo cirurgião dentista, pelo
VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e                                                1438
IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
de citrato a 2%), nos grupo tratados com laser de
                        25                              luz vermelha (EV) e de luz infravermelha (EIV),
                               22                       antes e após a radioterapia. Diferenças próximas
                                                        de zero indicam que o paciente terminou o
                        20
                                                        tratamento    nas     mesmas     condições     que
      Nº de pacientes




                                                        apresentava no início, não apresentando
                        15                              seqüelas. A análise pela figura sugere que o
                                                        grupo tratado com laser vermelho apresentou
                        10                              diferenças salivares menores, isto é, mais
                                          5             próximas de zero, do que o grupo tratado com
                         5                        3     laser infravermelho, tanto para a medida
                                                        estimulada como para a não estimulada.
                                                        Entretanto, os testes estatísticos não acusam
                         0
                                                        diferenças estatisticamente significantes entre as
                             Fumante      Ex      Não
                                                        médias para os diferentes grupos.
                                       Fumante


Figura 2 –Caracterização da amostra estudada
conforme o hábito do tabagismo.


                        25
                                                  20
                        20
    Nº DE PACIENTES




                        15


                        10
                               6                        Figura 4 –Avaliação do grau de mucosite, ao longo
                                          4
                         5                              das 8 semanas de tratamento radioterápico para
                                                        neoplasias de cabeça e pescoço.
                         0
                              Sim         Ex      Não   Tabela 1 - Média e desvio padrão dos graus de
                                                        mucosite para o Grupo tratado com laser de luz
                                       ETILISMO
                                                        vermelha.
                                                                        Média dos graus   Desvio
Figura 3 –Caracterização da amostra estudada                Semana       de mucosite      padrão
conforme o hábito do etilismo.                                  1               0               0
                                                                2              0,4            0,737
       Verificamos que o pH salivar do paciente                 3              0,2            0,414
não muda devido a mucosite, não tendo sido                      4              0,4            0,828
                                                                5             0,33            0,617
possível correlacionar pH ácido com mucosite                    6            0,0666           0,258
neste trabalho. Quanto ao grau de mucosite,                     7               0               0
observamos na figura 4 que durante as 8 semanas                 8               0               0
de tratamento oncológico não houve diferença
significativa entre os laseres, tendo em vista o        Tabela 2 - Média e desvio padrão dos graus de
grande desvio padrão das medidas que são                mucosite para o grupo tratado com laser de luz
mostradas na tabela 1 e tabela 2. O aumento no          infra-vermelha
valor médio do grau de mucosite para o grupo
                                                                       Média dos graus    Desvio
tratado com luz infravermelha, observado na
                                                              Semana     de mucosite      padrão
terceira semana, é atribuído às altas doses de                  1            0,0667           0,258
quimioterapia     em     alguns   pacientes   com               2            0,0667           0,258
estadiamentos Tx.                                               3              0,6            1,056
       A figura 5 ilustra o comportamento do fluxo              4            0,467            0,990
salivar dos pacientes. Foi avaliado o fluxo salivar             5            0,267            0,458
não estimulado nos grupo tratados com laser de                  6            0,267            0,594
luz vermelha (NEV) e de luz infravermelha (NEIV),               7            0,0667           0,258
bem como o fluxo salivar estimulado com (solução                8            0,0667           0,258

VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e                                               1439
IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
Tabela 5 - A diferença salivar não estimulada,
                                 2,4                                    antes e após a radioterapia.
                                                                                    Saliva antes – saliva após
                                 1,6
    Saliva após - saliva antes



                                                                                           radioterapia
                                 0,8                                            Não estimulada     Não estimulada
                                                                                Laser vermelho            Laser
                                 0,0                                                                 infravermelho
                                                                                     -0,6                  -1,1
                                 -0,8
                                                                                     -0,3                  -0,2
                                 -1,6                                                -0,2                  -0,1
                                                                                       -1                  -0,5
                                 -2,4                                                -0,3                    0
                                        EV   EIV           NEV   NEIV
                                                   Grupo                              0,9                    0
                                                                                        0                    0
Figura 5 - Avaliação da xerostomia, antes e após a                                      0                    0
radioterapia (média±SD).                                                             0,69                    0
                                                                                        0                    0
       Na tabela 3 e na tabela 4 são mostradas as                                       1                  -1,7
diferenças salivares na condição estimulada para                                     -1,5                  -0,5
os grupos tratados com os laseres de luz vermelha                                    -0,7                   0,5
e infravermelha e a respectiva análise de variância                                     0                  -0,6
para estes dados. Na tabela 5 e 6 estão                                               4,4                  -0,2
mostradas as diferenças salivares na condição
não estimulada para os grupos tratado com os                            Tabela 6- One-Way ANOVA para os dados de
laseres de luz vermelha e infravermelha e a                             salivação não estimulada do grupo tratado com
respectiva análise de variância para estes dados.                       laser de luz visível e infra-vermelha. Ao nível de
                                                                        0,05, as médias não apresentam diferenças
Tabela 3 - A diferença salivar estimulada, antes e                      significantes.
após a radioterapia.                                                         Dado      Média          Variância     N
         Estimulada           Estimulada                                --------------------------------------------------NEV
      Laser vermelho     Laser infravermelho                                         0,15933           1,82752           15
             -1,2                  -2                                       NEIV -0,29333                   0,28638               15
             -0,5                 -0,8                                      ---------------------------------------------------------
             -0,6                   0                                                             F = 1,454
              -3                   -2                                                            p = 0,23798
             -0,5                   0
              1,8                   0                                          Observamos que 9 (30%) dos pacientes
               0                    0                                   tiveram tumor de cavidade oral, 6 (20%) de
               0                    0                                   hipofaringe, 5 (17%) de orofaringe, 4 (13%) de
            1,49                    0                                   rinofaringe, 3 (10%) de laringe e 3 (10%) oculto.
               0                    0                                   Verificamos ainda 15 (50%) dos pacientes tiveram
             -0,5                  -4                                   mucosite, e que apenas 3 (10%) pacientes
              -1                  -0,5                                  apresentaram grau 3 de mucosite, sendo que 2
               1                   2,5                                  pacientes eram TX e que após altas doses de
               0                  -0,5                                  quimioterapia aumentavam o grau de mucosite. E
              0,3                 -2,2                                  2 (7%) dos pacientes tiveram grau 2 de mucosite,
                                                                        sendo que o tratamento quimioterápico estava
Tabela 4 - One-Way ANOVA para os dados de                               associado. E 10 (33%) pacientes com grau 1 de
salivação estimulada do grupo tratado com laser                         mucosite, entre estes 5 pacientes fizeram
de luz visível e infra-vermelha. Ao nível de 0,05, as                   quimioterapia e 5 não fizeram. E em relação ao
médias não apresentam diferenças significantes.                         sexo, das 7 (23%) mulheres, 1 (uma) não
          Dado Média Variância                       N                  apresentou mucosite, e as outras 6 (seis) tiveram
       ---------------------------------------------------              apenas grau 1 de mucosite.
         EV -0,18067 1,32932                        15
      EIV -0,63333 2,1581                        15                     Conclusões
      ----------------------------------------------------                   De acordo com o objetivo estabelecido e
                        F = 0,88134                                     com os resultados obtidos pode-se concluir que o
                         p = 0,35586                                    pH salivar não altera com a mucosite ou

VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e                                                                            1440
IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
xerostomia, não tendo sido possível correlacionar
pH ácido com mucosite e xerostomia. O                 Referências Bibliográficas
tratamento com laser terapêutico, nos parâmetros
utilizados nesta pesquisa, tem efeito na redução      1- BARACAT, F. F. et al. Cancerologia atual: um
de mucosite; parece favorecer no processo de          enfoque multidisciplinar. São Paulo: Roca, 2000.
cicatrização e redução do grau de mucosite.           p. 3-10.
       Na avaliação da xerostomia, houve              2 - CHAO, K. S. A prospective study of salivary
indicação que o laser de luz visível pode promover    function sparing in patients with head and neck
resultados mais efetivos em comparação ao laser       cancers receiving intensity-modulated or three
infravermelho, havendo entretanto a necessidade       dimensional radiation therapy: initial results. Int. J.
de trabalhos adicionais com maior universo            Radiation Oncology. Phys., v. 49, n. 4. p. 907-16,
amostral e condições mais controladas para            2001.
reduzir a variância das medidas.                      3 - FONTELONGA, A Mucosite. A Saúde na
                                                      Internet, São Paulo, 2001.Disponível em:
                                                      http://www.saude na Internet-Rede MNI.htm.
                                                      Acesso em: 05 nov. 2001.
                                                      4 - JACOB, R. F et al. Whole salivary flow rates
                                                      following submandibular gland resection. Head
                                                      Neck, v. 18, p. 242-247.
                                                      5 - SCULLY, C.; EPSTEIN, J. B. Oral health care
                                                      for the cancer patient. Oral Oncol, Eur J Cancer, v.
                                                      32b, p. 281-292, 1996.
                                                      6 - KARU, T; RYABYKH, T. P; FEDOSEYEVAS,
                                                      G. E; PUCHKAVA, N. I. Helium-Neon laser
                                                      induces respiratory bust of phagocyte cells. Lasers
                                                      Surg Med. v. 9, p. 585-588, 1989.




VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e                                               1441
IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba

Recomendados

1.tumores em cabeça e pescoço
1.tumores em cabeça e pescoço1.tumores em cabeça e pescoço
1.tumores em cabeça e pescoçoGlauson Chaves
 
36 clínica e epidemiologia dos tumores de cabeça e pescoço
36   clínica e epidemiologia dos tumores de cabeça e pescoço36   clínica e epidemiologia dos tumores de cabeça e pescoço
36 clínica e epidemiologia dos tumores de cabeça e pescoçoONCOcare
 
CâNcer De CabeçA E PescoçO VariáVeis De Resposta Ao Tratamento E BenefíCio D...
CâNcer De CabeçA E PescoçO  VariáVeis De Resposta Ao Tratamento E BenefíCio D...CâNcer De CabeçA E PescoçO  VariáVeis De Resposta Ao Tratamento E BenefíCio D...
CâNcer De CabeçA E PescoçO VariáVeis De Resposta Ao Tratamento E BenefíCio D...Carlos Frederico Pinto
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28kratos8
 
15113 article-198471-1-10-20210516
15113 article-198471-1-10-2021051615113 article-198471-1-10-20210516
15113 article-198471-1-10-20210516kratos8
 
Estenose vaginal
Estenose vaginalEstenose vaginal
Estenose vaginaldiasmirella
 

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Destaque (13)

49 manejo dos eventos advesos no tgi
49   manejo dos eventos advesos no tgi49   manejo dos eventos advesos no tgi
49 manejo dos eventos advesos no tgi
 
Nutrição e Quimioterapia
Nutrição e QuimioterapiaNutrição e Quimioterapia
Nutrição e Quimioterapia
 
Anais - I SPEED
Anais - I SPEEDAnais - I SPEED
Anais - I SPEED
 
Apresenta.. tcc mucosite
Apresenta.. tcc mucositeApresenta.. tcc mucosite
Apresenta.. tcc mucosite
 
Apresentação de tese
Apresentação de teseApresentação de tese
Apresentação de tese
 
40 laserterapia bucal no tratamento oncológico
40   laserterapia bucal no tratamento oncológico40   laserterapia bucal no tratamento oncológico
40 laserterapia bucal no tratamento oncológico
 
O impacto da radioterapia sobre a qualidade de vida em pacientes com câncer pptx
O impacto da radioterapia sobre a qualidade de vida em pacientes com câncer pptxO impacto da radioterapia sobre a qualidade de vida em pacientes com câncer pptx
O impacto da radioterapia sobre a qualidade de vida em pacientes com câncer pptx
 
Nutrição e Câncer
Nutrição e CâncerNutrição e Câncer
Nutrição e Câncer
 
Radioterapia e Mucosite
Radioterapia e MucositeRadioterapia e Mucosite
Radioterapia e Mucosite
 
46 tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
46   tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos46   tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
46 tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
 
Efeitos Colaterais da Radioterapia e Quimioterapia na Cavidade Bucal
Efeitos Colaterais da Radioterapia e Quimioterapia na Cavidade BucalEfeitos Colaterais da Radioterapia e Quimioterapia na Cavidade Bucal
Efeitos Colaterais da Radioterapia e Quimioterapia na Cavidade Bucal
 
Enfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em QuimioterapiaEnfermagem em Quimioterapia
Enfermagem em Quimioterapia
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 

Semelhante a Tese

Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoAnálise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoGlauson Chaves
 
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoAnálise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoGlauson Chaves
 
O efeito da Radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com câncer d...
O efeito da Radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com câncer d...O efeito da Radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com câncer d...
O efeito da Radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com câncer d...Uiliam Santos
 
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptxCópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptxMaycon Duarte
 
Assistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapiaAssistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapiaAretusa Delfino
 
Cuidados de enfermagem feridas oncológicas
Cuidados de enfermagem feridas oncológicasCuidados de enfermagem feridas oncológicas
Cuidados de enfermagem feridas oncológicasAdriana Dettmann
 
Avaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópicoAvaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópicoLucas Stolfo Maculan
 
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoAvaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoArquivo-FClinico
 
Proteção radiologica ebook final
Proteção radiologica ebook finalProteção radiologica ebook final
Proteção radiologica ebook finalPABLOPLINIOMOSQUEIRO
 

Semelhante a Tese (20)

RADIOTERAPIA.pdf
RADIOTERAPIA.pdfRADIOTERAPIA.pdf
RADIOTERAPIA.pdf
 
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoAnálise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
 
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodoAnálise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
Análise crítica da aplicação da pesquisa do linfonodo
 
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mamaRadioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
 
Hemangioma
HemangiomaHemangioma
Hemangioma
 
O efeito da Radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com câncer d...
O efeito da Radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com câncer d...O efeito da Radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com câncer d...
O efeito da Radioterapia sobre a qualidade de vida dos pacientes com câncer d...
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
Tipos de tratamento homem
Tipos de tratamento   homemTipos de tratamento   homem
Tipos de tratamento homem
 
Joana_Câncer_bucal_tabagismo
Joana_Câncer_bucal_tabagismoJoana_Câncer_bucal_tabagismo
Joana_Câncer_bucal_tabagismo
 
Artigo mequinol
Artigo mequinolArtigo mequinol
Artigo mequinol
 
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptxCópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
 
Alterações em boca em pacientes portadores de leucemia
Alterações em boca em pacientes portadores de leucemia Alterações em boca em pacientes portadores de leucemia
Alterações em boca em pacientes portadores de leucemia
 
Dary
DaryDary
Dary
 
Assistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapiaAssistência de enfermagem na radioterapia
Assistência de enfermagem na radioterapia
 
Cuidados de enfermagem feridas oncológicas
Cuidados de enfermagem feridas oncológicasCuidados de enfermagem feridas oncológicas
Cuidados de enfermagem feridas oncológicas
 
Avaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópicoAvaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópico
 
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoAvaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
 
Artigo - Novas Tecnologias de Imagem na Odontologia
Artigo - Novas Tecnologias de Imagem na OdontologiaArtigo - Novas Tecnologias de Imagem na Odontologia
Artigo - Novas Tecnologias de Imagem na Odontologia
 
Cancer boca
Cancer boca Cancer boca
Cancer boca
 
Proteção radiologica ebook final
Proteção radiologica ebook finalProteção radiologica ebook final
Proteção radiologica ebook final
 

Último

Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 

Último (6)

Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 

Tese

  • 1. LASER TERAPÊUTICO: OPÇÃO VIÁVEL NO TRATAMENTO DA MUCOSITE ORAL E XEROSTOMIA EM PACIENTES SUBMETIDOS À RADIOTERAPIA E QUIMIOTERAPIA Milene Alves da Cunha 1, Wenzel Castro de Abreu 2, Hanriete Pereira de Souza 3, Egberto Munin 4, Marcos Tadeu T Pacheco 5 1,3,4,5 Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IP&D), Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), São José dos Campos, SP. 2 Hospital Hospital Araújo Jorge-ACCG – Goiânia – GO. 3 Faculdade de Odontologia, UFSM, Santa Maria, RS , millac@terra.com.br , munin@univap.br Palavras-chave: Laser terapêutico, Neoplasias de cabeça e pescoço, Mucosite, Xerostomia. Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Resumo - A mucosite oral é o efeito agudo de maior freqüência e o maior fator limitante de dose para radioterapia na região de cabeça e pescoço. É importante a prevenção e o controle dos efeitos orais agudos radioinduzidos, pois estes podem levar à interrupção temporária ou definitiva do tratamento e, dessa forma, comprometer o controle tumoral e as taxas de sobrevida. O objetivo deste trabalho é mostrar que a laserterapia demonstra bom resultado terapêutico como terapia para redução da mucosite e xerostomia. O estudo realizado foi experimental, com abordagens prospectivas e quantitativas, desenvolvido em 30 pacientes com diagnóstico de neoplasia de cabeça e pescoço. Foram utilizados os laseres de InGaAlP e de AlGaAs como fontes de luz de dois comprimentos de onda e potências diferentes: 685 nm / 35 mW e 830 2 nm / 70 mW. A técnica de irradiação utilizada foi a pontual com dosimetria de 4 J/cm para ambos os laseres. Do total de pacientes, 15 (50%) tiveram mucosite, sendo que apenas 5 (17%) pacientes apresentaram grau 2 e 3 de mucosite, não foi observada diferença estatística entre os laseres no tratamento da mucosite. O pH não pode ser correlacionado com a taxa de mucosite, e os pacientes Tx e com tumores avançados, submetidos a altas doses de quimioterapia, apresentaram maior grau de mucosite e xerostomia. Introdução infecção secundária. É um problema clínico de difícil controle podendo comprometer a deglutição O câncer se constitui na segunda causa de e ingestão de alimentos assim como a higiene oral 3 morte por doença no Brasil. O carcinoma e a capacidade de comunicação do paciente . epidermóide de cabeça e pescoço geralmente A xerostomia pode incluir ardência da atinge pessoas acima de 50 anos, em geral com mucosa oral, especialmente da língua, um passado de tabagismo e etilismo crônicos. O ressecamento dos lábios, comissuras labiais tratamento oncológico geralmente é realizado fissuradas, alteração na superfície da língua, através de cirurgia, quimioterapia e radioterapia. O dificuldades de adaptação de próteses dentárias tratamento radioterápico utiliza radiação ionizante parciais ou totais, bem como modificações 4 em doses letais à célula neoplásica que é utilizado marcantes no paladar . como método complementar a cirurgia. Na É importante a prevenção e o controle dos quimioterapia são empregados medicamentos efeitos orais agudos radioinduzidos, pois estes capazes de destruir ou impedir o crescimento podem levar à interrupção temporária ou definitiva 1 tumoral . do tratamento e, dessa forma comprometer o Quando a cavidade oral é o alvo da controle tumoral e as taxas de sobrevida global. A radioterapia ou quando é associada à interrupção leva a um aumento total do tempo de quimioterapia podem ocorrer complicações orais tratamento que por sua vez eleva os custos da como a mucosite e a xerostomia. A xerostomia ou terapêutica, desmotiva o paciente em prosseguir diminuição do fluxo salivar é provocada pela ação com a proposta de tratamento e, por fim, influencia da radiação ionizante sobre as glândulas no prognóstico e na qualidade de vida desses 2 5 salivares . pacientes . A mucosite oral é caracterizada por O laser terapêutico tem se mostrado um hiperemia, edema, ulceração, dor, sialorréia, seguro e eficiente método para prevenção e queimação e algumas vezes por hemorragia e tratamento das mucosites. Dentre os efeitos da luz VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 1437 IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
  • 2. laser sobre o tecido, destaca-se o aumento da método proposto pelo RTOG. A avaliação da celularidade tecidual e da freqüência das mitoses xerostomia foi realizada conforme o Radiation o que favorece a reparação cicatricial, juntamente Therapy Oncology RTOG 97-09 (RTOG, 1999) com aumento da vascularização e formação para sialometria, sendo composta por uma 6 abundante de tecido de granulação . Atualmente, avaliação antes do tratamento (nível basal de o laser é apresentado como mais uma terapêutica produção salivar). A produção não estimulada da na oncologia que busca prevenir ou tratar as saliva foi avaliada antes da produção estimulada complicações agudas decorrentes do tratamento onde o paciente foi orientado para deglutir toda a oncológico, como a xerostomia e a mucosite. saliva que estiver depositada em sua boca. A Este trabalho teve por objetivo avaliar a seguir deverá acumular saliva, sem degluti-la, por eficácia da radiação laser, como terapia protetora um período de 60 segundos. O paciente cuspe e moduladora da mucosa oral e das glândulas esta saliva acumulada em um frasco graduado de salivares, tratando-se de uma pesquisa 50ml. Este procedimento foi repetido mais quatro experimental no tratamento da mucosite oral e vezes totalizando 5 tomadas em cinco minutos. A xerostomia, em pacientes portadores de produção de saliva estimulada foi feita com neoplasias de cabeça e pescoço submetidos à solução de citrato a 2% nas bordas dorsolaterais radioterapia de forma exclusiva ou combinados da língua, por 5 vezes em um período de 2 com quimioterapia. minutos (0, 30, 60, 90 e 120 segundos). Antes da aplicação da solução a boca foi limpa de qualquer Metodologia secreção e, após, foi retirada a solução de citrato residual. A saliva foi então coletada como no Este estudo foi realizado em pacientes que método não estimulado. Estas medições foram realizaram tratamento de tumores na região de realizadas antes da primeira sessão de cabeça e pescoço com radioterapia exclusiva ou radioterapia e ao final do tratamento. pós-operatória, combinada ou não à quimioterapia. Sob aprovação do CEP do Hospital das Clínicas – Resultados e Discussão UFG, e sob o consentimento livre e esclarecido dos pacientes. Este trabalho experimental, com Do total de 30 indivíduos que constituíram a abordagens prospectivas, quantitativas e população experimental, 23 eram do sexo qualitativas, foi realizado no Hospital Araújo Jorge- masculino e 7 do sexo feminino. A caracterização ACCG. da amostra, quanto à idade é mostrada na O critério de inclusão foi a presença de figura 1. A caracterização da amostra quanto aos neoplasia de cabeça e pescoço com ausência de hábitos de tabagismo e etilismo são mostrados radioterapia prévia na região de interesse, nas figuras 2 e 3, respectivamente. indicação precisa de radioterapia pós-operatória, exclusiva ou associada à quimioterapia. Diferenças entre sexo, idade, raça, presença de Média = 57 anos diabetes, imuno-supressão e outras comorbidades não constituíram fatores excludentes. Foram 12 excluídos pacientes em re-irradiação, tumores não 10 9 Nº DE INDIVÍDUOS primários de cabeça e pescoço, pacientes com 10 impossibilidade de avaliação adequada da 8 cavidade oral, pacientes sem avaliações cirúrgica 6 e/ou odontológica pré-radioterapia, pacientes que 6 não concluíram o tratamento proposto e gestantes. 4 Os laseres utilizados forneciam 35 mW em 685 nm 2 2 2 1 e 70 mW em 830 nm. A dosimetria utilizada foi de 2 4 J/cm por ponto de aplicação para ambos os 0 laseres. Foram irradiados 5 pontos da cavidade 31-40 41-50 51-60 61-70 71-80 81-90 bucal. FAIXA ETÁRIA Os pacientes foram randomizados em grupo 1: - irradiados com o Laser de luz Vermelha no comprimento de onda de 685 nm e grupo 2:- Figura 1 –Caracterização da amostra estudada. irradiados com o Laser de luz Infravermelha no conforme a faixa etária. comprimento de onda de 830 nm. A aplicação pontual por contato foi realizada na mucosa jugal, assoalho bucal, língua, palato mole e prega palatoglosso, três vezes por semana. A avaliação da mucosite foi realizada por dois profissionais, o radioterapeuta e pelo cirurgião dentista, pelo VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 1438 IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
  • 3. de citrato a 2%), nos grupo tratados com laser de 25 luz vermelha (EV) e de luz infravermelha (EIV), 22 antes e após a radioterapia. Diferenças próximas de zero indicam que o paciente terminou o 20 tratamento nas mesmas condições que Nº de pacientes apresentava no início, não apresentando 15 seqüelas. A análise pela figura sugere que o grupo tratado com laser vermelho apresentou 10 diferenças salivares menores, isto é, mais 5 próximas de zero, do que o grupo tratado com 5 3 laser infravermelho, tanto para a medida estimulada como para a não estimulada. Entretanto, os testes estatísticos não acusam 0 diferenças estatisticamente significantes entre as Fumante Ex Não médias para os diferentes grupos. Fumante Figura 2 –Caracterização da amostra estudada conforme o hábito do tabagismo. 25 20 20 Nº DE PACIENTES 15 10 6 Figura 4 –Avaliação do grau de mucosite, ao longo 4 5 das 8 semanas de tratamento radioterápico para neoplasias de cabeça e pescoço. 0 Sim Ex Não Tabela 1 - Média e desvio padrão dos graus de mucosite para o Grupo tratado com laser de luz ETILISMO vermelha. Média dos graus Desvio Figura 3 –Caracterização da amostra estudada Semana de mucosite padrão conforme o hábito do etilismo. 1 0 0 2 0,4 0,737 Verificamos que o pH salivar do paciente 3 0,2 0,414 não muda devido a mucosite, não tendo sido 4 0,4 0,828 5 0,33 0,617 possível correlacionar pH ácido com mucosite 6 0,0666 0,258 neste trabalho. Quanto ao grau de mucosite, 7 0 0 observamos na figura 4 que durante as 8 semanas 8 0 0 de tratamento oncológico não houve diferença significativa entre os laseres, tendo em vista o Tabela 2 - Média e desvio padrão dos graus de grande desvio padrão das medidas que são mucosite para o grupo tratado com laser de luz mostradas na tabela 1 e tabela 2. O aumento no infra-vermelha valor médio do grau de mucosite para o grupo Média dos graus Desvio tratado com luz infravermelha, observado na Semana de mucosite padrão terceira semana, é atribuído às altas doses de 1 0,0667 0,258 quimioterapia em alguns pacientes com 2 0,0667 0,258 estadiamentos Tx. 3 0,6 1,056 A figura 5 ilustra o comportamento do fluxo 4 0,467 0,990 salivar dos pacientes. Foi avaliado o fluxo salivar 5 0,267 0,458 não estimulado nos grupo tratados com laser de 6 0,267 0,594 luz vermelha (NEV) e de luz infravermelha (NEIV), 7 0,0667 0,258 bem como o fluxo salivar estimulado com (solução 8 0,0667 0,258 VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 1439 IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
  • 4. Tabela 5 - A diferença salivar não estimulada, 2,4 antes e após a radioterapia. Saliva antes – saliva após 1,6 Saliva após - saliva antes radioterapia 0,8 Não estimulada Não estimulada Laser vermelho Laser 0,0 infravermelho -0,6 -1,1 -0,8 -0,3 -0,2 -1,6 -0,2 -0,1 -1 -0,5 -2,4 -0,3 0 EV EIV NEV NEIV Grupo 0,9 0 0 0 Figura 5 - Avaliação da xerostomia, antes e após a 0 0 radioterapia (média±SD). 0,69 0 0 0 Na tabela 3 e na tabela 4 são mostradas as 1 -1,7 diferenças salivares na condição estimulada para -1,5 -0,5 os grupos tratados com os laseres de luz vermelha -0,7 0,5 e infravermelha e a respectiva análise de variância 0 -0,6 para estes dados. Na tabela 5 e 6 estão 4,4 -0,2 mostradas as diferenças salivares na condição não estimulada para os grupos tratado com os Tabela 6- One-Way ANOVA para os dados de laseres de luz vermelha e infravermelha e a salivação não estimulada do grupo tratado com respectiva análise de variância para estes dados. laser de luz visível e infra-vermelha. Ao nível de 0,05, as médias não apresentam diferenças Tabela 3 - A diferença salivar estimulada, antes e significantes. após a radioterapia. Dado Média Variância N Estimulada Estimulada --------------------------------------------------NEV Laser vermelho Laser infravermelho 0,15933 1,82752 15 -1,2 -2 NEIV -0,29333 0,28638 15 -0,5 -0,8 --------------------------------------------------------- -0,6 0 F = 1,454 -3 -2 p = 0,23798 -0,5 0 1,8 0 Observamos que 9 (30%) dos pacientes 0 0 tiveram tumor de cavidade oral, 6 (20%) de 0 0 hipofaringe, 5 (17%) de orofaringe, 4 (13%) de 1,49 0 rinofaringe, 3 (10%) de laringe e 3 (10%) oculto. 0 0 Verificamos ainda 15 (50%) dos pacientes tiveram -0,5 -4 mucosite, e que apenas 3 (10%) pacientes -1 -0,5 apresentaram grau 3 de mucosite, sendo que 2 1 2,5 pacientes eram TX e que após altas doses de 0 -0,5 quimioterapia aumentavam o grau de mucosite. E 0,3 -2,2 2 (7%) dos pacientes tiveram grau 2 de mucosite, sendo que o tratamento quimioterápico estava Tabela 4 - One-Way ANOVA para os dados de associado. E 10 (33%) pacientes com grau 1 de salivação estimulada do grupo tratado com laser mucosite, entre estes 5 pacientes fizeram de luz visível e infra-vermelha. Ao nível de 0,05, as quimioterapia e 5 não fizeram. E em relação ao médias não apresentam diferenças significantes. sexo, das 7 (23%) mulheres, 1 (uma) não Dado Média Variância N apresentou mucosite, e as outras 6 (seis) tiveram --------------------------------------------------- apenas grau 1 de mucosite. EV -0,18067 1,32932 15 EIV -0,63333 2,1581 15 Conclusões ---------------------------------------------------- De acordo com o objetivo estabelecido e F = 0,88134 com os resultados obtidos pode-se concluir que o p = 0,35586 pH salivar não altera com a mucosite ou VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 1440 IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
  • 5. xerostomia, não tendo sido possível correlacionar pH ácido com mucosite e xerostomia. O Referências Bibliográficas tratamento com laser terapêutico, nos parâmetros utilizados nesta pesquisa, tem efeito na redução 1- BARACAT, F. F. et al. Cancerologia atual: um de mucosite; parece favorecer no processo de enfoque multidisciplinar. São Paulo: Roca, 2000. cicatrização e redução do grau de mucosite. p. 3-10. Na avaliação da xerostomia, houve 2 - CHAO, K. S. A prospective study of salivary indicação que o laser de luz visível pode promover function sparing in patients with head and neck resultados mais efetivos em comparação ao laser cancers receiving intensity-modulated or three infravermelho, havendo entretanto a necessidade dimensional radiation therapy: initial results. Int. J. de trabalhos adicionais com maior universo Radiation Oncology. Phys., v. 49, n. 4. p. 907-16, amostral e condições mais controladas para 2001. reduzir a variância das medidas. 3 - FONTELONGA, A Mucosite. A Saúde na Internet, São Paulo, 2001.Disponível em: http://www.saude na Internet-Rede MNI.htm. Acesso em: 05 nov. 2001. 4 - JACOB, R. F et al. Whole salivary flow rates following submandibular gland resection. Head Neck, v. 18, p. 242-247. 5 - SCULLY, C.; EPSTEIN, J. B. Oral health care for the cancer patient. Oral Oncol, Eur J Cancer, v. 32b, p. 281-292, 1996. 6 - KARU, T; RYABYKH, T. P; FEDOSEYEVAS, G. E; PUCHKAVA, N. I. Helium-Neon laser induces respiratory bust of phagocyte cells. Lasers Surg Med. v. 9, p. 585-588, 1989. VII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 1441 IV Encontro Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba