SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
PROCESSO PRODUTIVO DE TOMATE SECO: NOVAS TECNOLOGIAS 
MANUAL TÉCNICO 
GISELE ANNE CAMARGO1 
Escrito para apresentação no 
WORKSHOP TOMATE NA UNICAMP: PESQUISAS E TENDÊNCIAS 
Campinas, 28 de maio de 2003. 
RESUMO: A qualidade do tomate seco é significativamente aperfeiçoada quando se utilizam, além de 
boas práticas de fabricação, novas tecnologias durante o processamento. No caso do processo 
produtivo do tomate seco a qualidade final do produto e a vida de prateleira podem ser melhoradas 
com a utilização de: desidratação osmótica e uso de antioxidantes, além de outros procedimentos. Este 
artigo técnico tem o objetivo de mostrar o processo produtivo de tomate seco com a utilização de 
novas tecnologias acessíveis aos produtores rurais ou processadores. 
PALAVRAS CHAVES: TOMATE, SECAGEM, PROCESSAMENTO. 
DRIED TOMATO PROCESSING: NEW TECNHOLOGIES 
ABSTRACT: The dried tomato quality can be improved with the use adequate factoring of the 
process and the new technologies. The dried tomato quality final and “shelf-life” can be increased with 
osmotic dehydration and the application of the antioxidants. This article shows the processing of the 
dried tomato with viable new technologies. 
KEYWORDS: TOMATO, DRYING, PROCESSING 
INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA: O tomate (Lycopersicon esculentum Mill) tem sua origem 
provavelmente na Região Andina, parte ocidental da América do Sul, e também da América central 
(FILGUEIRA, 1982). 
No mundo ocidentalizado o tomate ocupa um lugar proeminente entre as hortaliças cultivadas no que 
se refere ao consumo in natura como e principalmente industrializado, sendo então considerada aquela 
de produção e utilização universais. 
O tomate pode através de processamento adequado, dar origem a inúmeros produtos, alguns deles de 
elevado consumo no Brasil. Assim pode-se obter, do tomate inteiro, o tomate despelado. Do quebrado, 
diversos graus de intensidade, o tomate seco, suco, purê, polpa concentrada, extrato, catchup (ou 
ketchup, ou catsup), molhos culinários diversos, inclusive tomate em pó. Com a abertura para 
importação nas décadas de 80 e 90, o tomate seco destacou-se com grande aceite do consumidor 
brasileiro. 
As operações de desidratação ou secagem são importantes nas indústrias químicas e de alimentos, 
como também no armazenamento de grãos e outros produtos biológicos. Durante a secagem de 
produtos biológicos ocorrem variações nas suas características físicas, químicas e biológicas, que, 
dependendo da intensidade do efeito, causam sua perda ou inutilidade para uma determinada função 
(alimentícia ou germinativa). 
Assim sendo, é importante o conhecimento dos efeitos da secagem sobre as propriedades 
químicas e biológicas do produto, uma vez que afetam sensivelmente os fenômenos de 
transferência de massa principalmente em alimentos. 
1 Enga Agrônoma-Doutoranda em Tecnologia de Alimentos-Depto de Tecnologia de Alimentos – FEA/UNICAMP.e-mail: 
giseleanne@hotmail.com.
A desidratação osmótica pode ser um método de minimizar o decréscimo de compostos (como 
licopeno e vitamina C) retendo estes nutrientes durante o processamento de tomate. As 
vantagens quanto ao método tradicional de secagem: menor gasto de energia; melhor aparência 
(cor); incorporação de componentes que podem aumentar a preservação, minimizar os danos 
causados pelo calor à cor, textura e sabor.Nos últimos anos o interesse pela desidratação 
osmótica como pré-tratamento da secagem de tomate vem aumentando consideravelmente, pois 
apresenta certas vantagens sobre outros métodos de preservação, como minimizar os danos 
causados pelo calor à cor, textura e sabor. A desidratação osmótica consiste na imersão do 
alimento em líquidos com uma atividade de água menor do que a do alimento. O processo de 
desidratação osmótica causa transformação dupla no produto: a sua desidratação e alteração na 
composição. Diversas pesquisas têm sido feitas utilizando a desidratação osmótica como pré-tratamento 
á secagem convectiva, pois além de fornecer um produto de melhor qualidade em 
termos visuais, sensoriais e nutricionais, pode reduzir os custos energéticos por unidade do 
produto, pois seu custo de produção é alto, já que possui um alto conteúdo de umidade (cerca de 
95%), apesar de incorporar o custo ao processo. Além da desidratação osmótica, outros pré-tratamentos 
visam melhorar a qualidade do produto e otimizar o processo de secagem. Dentre 
estes tratamentos pode-se citar. Outro processo que visa melhorar a qualidade do produto final é 
o uso de antioxidante, visando evitar o escurecimento excessivo durante a secagem, mantendo a 
cor vermelha e aumentando sua conservação pela acidificação do produto. Dentre os diversos 
antioxidantes para uso em alimentos os comumente utilizados são: ácido ascórbico, ácido cítrico 
e metabissulfitos. 
Recepção 
Seleção 
Lavagem 
Pré-tratamentos 
Desidratação Osmótica 
Aplicação de Antioxidante 
FLUXOGRAMA PARA O PROCESSAMENTO DE TOMATE SECO EM CONSERVA 
DESCRIÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE TOMATE SECO EM CONSERVA 
RECEPÇÃO 
Os tomates devem chegar na plataforma de recepção da indústria, em caixas padronizadas a fim 
de facilitar sua pesagem. Deve-se anotar em formulário próprio o peso da matéria-prima 
recebida que, no final do processo, possa-se efetuar os cálculos do rendimento. 
LAVAGEM 
Para pequenas e médias escalas de produção, a lavagem pode ser realizada em lavadores de 
imersão de três estágios. Para tomates, na primeira lavagem, a concentração de cloro ideal e de 
80 mg/l e o tempo de imersão de 20 minutos. Depois do primeiro banho por imersão, os tomates 
Manual Técnico - Gisele Anne Camargo 
Secagem
são colocados no segundo tanque onde e feita à remoção das impurezas remanescentes. Este 
banho também deve ser feito com água tratada numa concentração de cloro de 50 mg/l durante 
10 minutos. No terceiro estágio, a lavagem é feita sem a adição de cloro. 
Após a lavagem os tomates, são conduzidas para um ambiente separado através de uma esteira 
dotada de bancadas laterais para trabalho. Dependendo da escala de produção podem ser 
transportados em caixas plásticas previamente higienizadas, evitando a recontaminação do 
produto. Durante a seleção devem ser retirados os tomates que ano estejam perfeitamente 
maduros, ou seja, aqueles que apresentem partes amarelas ou verdes devem retornar para o 
armazenamento para que sejam processados em outro lote. 
CORTE E RETIRADA DAS SEMENTES 
Os tomates destinados ao preparo de conserva devem ser cortados ao meio no sentido 
longitudinal com o auxilio de facas de aço inoxidável, manualmente. As sementes devem ser 
retiradas com os dedos (com luvas) e aqueles que apresentarem defeitos na pele devem ser 
trabalhados de tal forma que estas partes sejam retiradas, caso contrário à qualidade do produto 
final será comprometida. 
PRÉ-TRATAMENTO: DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA 
O teor residual de sal nos tomates deve ser definido em função dos produtos já existentes no 
mercado ou de acordo com as exigências de um cliente especifico. A salmoura sugerida poderá 
ser de 5%, ou seja, para cada litro de água, serão adicionados 50 gramas de sal.Depois de 
misturada a solução coloca-se os tomates e aguarda-se por 30 minutos. Outra forma de fazer um 
pré-tratamento é a utilização de açúcar, juntamente com o sal. Este tratamento apresenta um 
produto com características organolépticas superior ao somente desidratado com sal, ou seja, o 
sabor e a aparência são melhores. Poderá ser utilizado um xarope de 65º B com 1 parte de sal 
para cada 10 partes de açúcar, em temperatura de 45o C para o sistema. Após o tratamento lavar 
os tomates com água potável rapidamente e escorrer por 2 minutos, para retirada do excesso de 
xarope. 
PRÉ-TRATAMENTO: APLICAÇÃO DE ANTIOXIDANTES 
Após a desidratação osmótica reliza-se um banho de imersão com ácido ascórbico e 
metabissulfito, durante 1 minuto, com 1500mg/l e 100mg/l respectivamente. Deve ressaltar que 
há uma tendência mundial para diminuir e até mesmo finalizar o uso de metabissulfitos, no 
entanto em pequenas quantidades juntamente com o ácido áscórbico, há um efeito sinergístico, 
havendo maior eficiência do que os mesmos usados separadamente e em doses maiores. 
SECAGEM 
Depois de retirados da desidratação osmótica, os tomates são distribuídos sobre as bandejas de 
secagem a uma razão de aproximadamente 8 kg/m2. A bandeja de controle deve apresentar a 
mesma densidade de carregamento uma vez que ela será utilizada para acompanhar o processo e 
determinar o ponto final da desidratação. A temperatura do ar de secagem deve ser ajustada para 
60 a 65°C e as bandejas devem ser giradas de 180° a cada uma hora para que se reduza o tempo 
de secagem e se obtenha um teor de umidade final uniforme. 
Para se determinar o ponto final do processo de desidratação e verificar a umidade final do 
produto, pode-se utilizar as seguintes fórmulas: 
U = P − P *U ( ) 
i i i 
f P 
P = P − P *U i i i 
ou 
Onde, 
Pf = o peso líquido final para que o produto tenha a umidade desejada; 
Pi = o peso líquido inicial, obtido por meio de pesagem; 
Ui = a umidade inicial; 
Uf = a umidade final desejada. 
Manual Técnico - Gisele Anne Camargo 
( ) 
f 
f 
f U
Para as condições de secagem apresentadas acima, o tempo de secagem para os tomates 
destinados ao preparo de conservas é de aproximadamente 12 a 14 horas. Concluído o processo 
de desidratação, deve-se desligar o sistema de aquecimento de ar do secador e deixar o 
ventilador ligado, até que o produto atinja a temperatura ambiente. 
PREPARO DO TEMPERO 
O tipo do tempero a ser utilizado depende do custo final e das exigências do mercado, portanto 
uma pesquisa de mercado pode ser interessante na tomada da decisão. Sugere-se a seguinte 
formulação: 
• 60% de óleo de girassol 
• 40% de azeite de oliva 
• Sal, orégano, especiarias a gosto. 
Misturam-se os produtos numa panela, aquecendo-os até atingir a temperatura de 90o C, deve-se 
mexer o tempero para que sua mistura fique bem homogênea. 
ENVASAMENTO 
Antes do envasamento propriamente dito, deve-se lavar e esterilizar os vidros e as tampas. A 
esterilização deve ser feita em água em ebulição durante 30 minutos. Para embalagens plásticas 
os procedimentos de esterilização são diferentes. 
A mistura do tomate seco e dos temperos deverá ser feita na temperatura de 90o C. 
Após o resfriamento das embalagens, os potes de plástico e de vidro, serão lavados e secos para 
receberem rótulos e lacre das tampas. 
Ao desenvolver o rótulo do produto, verifique na nova legislação as informações obrigatórias 
que o mesmo deve conter, tais como: informações completas sobre os dados da empresa 
fabricante, numeram do registro no Ministério da Saúde, peso líquido do produto, composição, 
calorias e outras informações. 
Cabe ainda acrescentar o uso de vácuo para embalagens dos tomates secos em conserva, que 
tem apresentado resultados satisfatórios em pesquisas. 
ESTOCAGEM 
O produto final poderá ser estocado em ambientes ventilados, sem poeira e sem incidência de 
raios durante no mínimo 3 meses, seguindo todas as normas de higiene e sanitização, assim 
como as boas práticas de fabricação para indústrias de alimentos. 
CONSIDERAÇÕES FINAIS: As técnicas apresentadas neste manual técnico, especificamente 
os dois tipos pré-tratamentos expostos e o método de envasamento, são alguns dos 
procedimentos que estão sendo pesquisados pela autora para o Doutoramento em Tecnologia de 
Alimentos realizado na Faculdade de Engenharia de Alimentos. E cabe lembrar que este artigo 
está sendo apresentado como um Manual Técnico para o conhecimento do processamento e 
etapas do processo produtivo de tomate seco, visando atingir um público heterogêneo. 
AGRADECIMENTOS: À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo 
(FAPESP), pelo apoio financeiro. 
REFERÊNCIA BIBLIOGRÀFICA 
Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis of the Association 
of Official Analytical Chemists. Washington, D.C. 13th ed.,1018p, 1980. 
BALASUBRAMANIAM, T. Studies on quality and nutricional apects of tomato. Journal of 
Food Science and Technology. v. 21, p. 419-421, 1984. 
Manual Técnico - Gisele Anne Camargo
CAMARGO, G. A.; QUEIROZ, M. R. Curvas experimentais de secagem de tomate, variedade 
Débora Plus, em duas temperaturas e pré-tratamento com sal e açúcar. XXVIII Congresso 
Brasileiro de Engenharia Agrícola. [CD-ROM]. Trab301.jul, 1999. 
CAMARGO, G. A. Relatório apresentado na da Disciplina Secagem de Produtos Agrícolas. 
Faculdade de Engenharia Agrícola/UNICAMP(não publicado). 10 p. 1998. 
CAMARGO, G. A. Secagem de tomate (Lycopersicum esculentum Mill) para conserva: 
estudo de parâmetros com base na qualidade final. Campinas, UNICAMP. (Dissertação de 
mestrado em Engenharia Agrícola). 74 p, 2000. 
CAMARGO, R. de Tecnologia dos Produtos Agropecuários-Alimentos. ESALQ/USP-Piracicaba, 
296p, 1989. 
CANTO,W. L.; SILVEIRA, E.T.F.; LEITE, R.S.S.F.; MAIA, M.L.; GASPARINO, J. Fo; 
YATSUYANAGY, K. Processamento e Mercado de Frutas secas. Estudos econômicos - 
Alimentos Processados. v.23, 208p, 1987. 
CARVALHO, C. R. L.; MANTOVANI, D. M. B.; CARVALHO, P. R. N.; MORAES, R. M. 
Análises Químicas de Alimentos (Manual Técnico) . Instituto de Tecnologia de Alimentos. 
Campinas. 121p, 1990. 
CHITARRA, M.I.F. & CHITARRA, A .B. Pós-Colheita de Frutos e Hortaliças: Fisiologia e 
Manuseio. ESAL/FAEPE, Lavras, 320p, 1990. 
COSTELL, E.; FISZMAN, S.M.; DURÁN, L. Propriedades Físicas I – Reologia de sólidos y 
textura. Temas em Tecnologia de Alimentos. CYTED – Programa Iberoamericano de Ciência y 
Tecnologia para el Desarrollo, Vol. 1, cap. 6, 1997. 
CRUESS, W. V. Commercial fruit and vegetable products. USA: Allied Scientific 
Publication. 
FILGUEIRA. F. A. Manual de Olericultura: Cultura e Comercialização de Hortaliças. São 
Paulo, v.2, 584p, 1982. 
FORTE, M. & OKOS, M.R. Changes in Physical Properties of Corn During Drying. 
Transactions of the ASAE. St. Joseph, v.23, n.4, p.1004-1008, july/aug,1972. 
GOULD,W. A. Composition of tomatoes. Tomato Production, Processing and Quality 
Evaluation. AVI Publishing Co., Westport, Connectitut, 344-358. 1991. 
GUPTA, R. G.; NATH, N. Drying of tomatoes. Journal of Food Science and Technology. v. 
21, p. 372-376, 1984. 
HAWLADER, M. N. A., UDDIN, M. S., HO, J. C. e TENG, A. B. W. Drying characteristics of 
tomatoes. Journal of Food Engineering, v. 14, p. 259-268, 1991. 
HUBER, D. J. The role of cell wall hydrolases in fruit softening. Hortc.Rev. 5:169-219. 1983. 
IGARASHI, L. Estudo do pré-tratamento osmótico de tomate e seu efeito na secagem. 
Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1999. 101p. (Dissertação, Mestrado em 
Engenharia Química). 
IGARASHI, L.; KIECKBUSCH, T. G.; Modelagem da desidratação osmótica de tomate 
utilizando a atividade de água. In: XXVI Congresso Brasileiro de Sistemas Particulados. 
UFRJ. p. 73, out.1998. 
Manual Técnico - Gisele Anne Camargo
JAYARAMAB, K. S. e das GUPTA, D. K. Dehydration of fruits and vegetables – Recent 
developments in principles and techniques. Drying Technology, v. 10, n. 1, p. 47-60, 1990. 
KADER, A. A. Stevens, M. A., e Alblight-Holton, M. e Morris, L. L.. Effect of fruit ripeness 
when picked on flavor and composition in fresh mmarket tomatoes. J. Amer. Soc. Hort. Sci. 
102(6):724-731. 1977. 
KARATAS, S.; ESIN, A. Determination of Moisture Diffusivity and Behavior of Tomato 
Concetrate Dropletsd During Drying in Air. Drying Technology. v.12, n. 4, p.799-822, 1994. 
KEEY,R. B. Drying: Principles and Practice, Oxford, 358p, 1975. 
KEITH’S TOMATO PAGE ( http://tomato.vbutler.com), 15/03/1999. 
LAL, G. SIDAPPA, G. S. e TANDON, G. L. Preservation of fruits and vegetables. India: 
ICAR Publication. 1986. 
MACFIE, H.J.; BRATCHELL, N.; GREENHOFF, K.; VALLIS, L.V. Designs to Balance the 
effect of order of Presentation and First-order Carry-over effects in Hall Testes. Journal of 
Sensory Studies . v.04,p.129-148, 1989. 
MIRANDA, K.E.S. Estudo de Parâmetros que Influenciam na Elaboração de Uva-passa. 
UFPB, João Pessoa. 153p, 1991. 
Ministério da Agricultura. Norma de Identidade, Qualidade, Embalagem e Apresentação do 
Tomate para Indústria. Portaria número 278, 30/11/1988. 
MOURA, M. A.; ZANIN, S. R.; FINGER, F. L. Amadurecimento de tomate com pulverização 
de diferentes doses de Ethephon associado com espalhante adesivo. Revista Brasileira de 
Armazenamento. v. 23, 11-14, 1998. 
OKADA, M.; VITALI, A. A.; TEIXEIRA NETO, R. O.; CARVALHO, R.; JARDIM, D. C. P. 
Fundamentos sobre a secagem de sólidos. In: Desidratação de Frutas e Hortaliças-Manual 
Técnico. p.1-29, 1997. 
OLORUNDA, A. O., AWORH, C. O. e ONUOHA, C. M. Upgrading quality of dried tomato: 
effests of drying methods, conditions and pre-drying treastments. Journal Science Food 
Agriculture, v. 52, p. 447-454, 1990. 
PASCHOALETI, C.C. Secagem de Cogumelos (Agaricus bisporus). UNICAMP/FEA, 
Campinas. 61p,1996. (Dissertação de mestrado). 
PEARSON, D. Laboratory Techniques in food Analysis. Butter Worths, London, 1973. 
PÉREZ, V. H. Estudo do comportamento da temperatura de bananas durante o processo 
de secagem. UNICAMP/FEAGRI, Campinas. 1998. (Dissertação de mestrado). 
PINTO, L. A. A.; TOBINAGA, S. Secagem e encolhimento de materiais fibrosos: músculos de 
peixes. In: Encontro sobre escoamento em meios porosos. Campinas, v.2, p.568-579, 1991. 
QUEIROZ, M. R. Estudo teórico – experimental da cinética de secagem de bananas. Tese 
de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas-SP. 1994. 
Manual Técnico - Gisele Anne Camargo
RATTANAPANT, O; LEBERT, A; LAGUERRE, J.C.; BIMBENET, J.J. Simulation of Deep 
Bed Drying of Particles. In: SPIES, W.E.; SCHUBERT, H. ed. Engineering and Food. v.1, 
Elsevier Appl. Sci., p.579-591, 1990. 
Resolução 12/78 (12/7 Frutas Secas ou Dessecadas) Comissão Nacional da Legislação de 
Alimentos: Consolidação das Normas e Padrões de Alimentos. São Paulo, Associação 
Brasileira das Indústrias de Alimentação (ABIA). v.1/A, p.7.5(78), 1985. 
RHODES, M. J. C. The maturation and ripening of fruits. Senescence in plants. Academic 
Press, New york. pp. 157-205. 1980. 
RICHARDSON, C. e HOBSON, G. E.. Compositional changes in normal and mutant tomato 
fruit during ripening and storage. J. Sci. Food Agric. 40:245-252. 1987. 
ROMERO, L. M. Estudo de pré-tratamentos para obtenção de tomate desidratado em 
fatias. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, maio, 1999. 129p. (Dissertação, 
Mestrado em Engenharia Química). 
ROMERO, L. M.; MIGUEL, M. H.; SPOGIS,N.; KIECKBUSCH, T. G. Cinética de secagem 
de tomates em fatias pré–tratadas: resultados preliminares. In: Congresso Brasileiro de 
Sistemas Particulados (XXV ENENP). v. 2, p.620 – 627, out,1997. 
ROSSI, S.J.; ROA, S. Secagem e Armazenamento de Produtos Agropecuário com Uso de 
Energia Solar e Ar Natural. São Paulo, Secretaria da Indústria, Comércio, Ciência e 
Tecnologia. ACIESP, 295p, 1980. 
SINGH, K.K. Development of Small Capacity Dryer for Vegetables. Journal of Food 
Engineering . v. 21, p.19-30, 1994. 
SANGUANRI, L.; FOSTER, M.; DREW, P.; GUIRGUIS, N.; e GOULD, I. Feasibility studies 
on Processing tomato waste and dried tomato product. Food Research Institute, Werribee. 
1993. 
SHIBLI, R. A.; EREIFEJ, K.I.;AJLOUNI, M. A.; HUSSAIN, A. Physico-chemical proprieties 
of fruits of four open pollinated tomato (Lycopersicon esculentum Mill) cultivars grown under 
rainfed conditins in Jordan. Journal of Food Science and Technology-Mysore. v. 32(6), 
p.489-492, dec.1995. 
SINGH, K.K. Development of Small Capacity Dryer for Vegetables. Journal of Food 
Engineering . v. 21, p.19-30, 1994. 
STEVENS, M. A. Tomato Flavor: Effects of Genotype, Cultural Practices, and Maturity at 
Picking. In: Ed. Harold E. Patee Evaluation of quality of fruits and vegetables. AVI Publishing 
Co, Inc. Westport, Connecticut, 1985. 410p. 
STRUMILLO, C.; KUDRAT. Drying kinectics. In: Drying: principles, applications and 
design. New York. Gordon and Breach Sci. Publ., c 1986 v. 3, p. 68-98. 
SZENTMARJAY, T.; PALLAI, E.; REGÉNYI, Zs. Short-Time Drying of Heat-Sensitive, 
Biologicaly Active pulps and pastes.Drying Technology. v.14, n.9, p. 2091-2115, 1996. 
TORREGGIANI, D. Osmotic dehydration in fruit and vegetable processing. Food Research 
International.v. 26, p. 59-68, 1993. 
Manual Técnico - Gisele Anne Camargo
TRIPATHI, R. N.; NATHI, N. Effect of starch dipping on quality of dehydrated tomato slices. 
Journal of Food Science and Technology, v. 26, n. 3, p. 137-149, 1989. 
WEITZ, D. A.; LARA, M. A.; PIACETINI, R. D.; FELDMAN,S. Dipping treatment Effects on 
Simulated Prune Solar Drying. Cannadian Inst. Food. Sci. And Technol. v.22, n.2, 133-136p, 
1989. 
WOODROOF, G. J. & LUH, B. S. Commercial Fruit Processing. The AVI. publ. Inc. 
Westport. Connecticut. 710p, 375-507p, 1975. 
Manual Técnico - Gisele Anne Camargo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisTecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisAlvaro Galdos
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioUERGS
 
Secagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolasSecagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolasDanii Morais
 
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm   tecnologia de produção frutas desidratadasCm   tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm tecnologia de produção frutas desidratadasCamila Moresco
 
Cm aula 3 - hortaliças em conservas
Cm   aula 3 - hortaliças em conservasCm   aula 3 - hortaliças em conservas
Cm aula 3 - hortaliças em conservasCamila Moresco
 
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos Camilo Teixeira
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento FermentadorMarcos Abreu
 
1265324596 introducao as_pam
1265324596 introducao as_pam1265324596 introducao as_pam
1265324596 introducao as_pamPelo Siro
 
Fabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutasFabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutasCamila Moresco
 
Projeto de um Restaurantes e bebidas
Projeto de um Restaurantes e bebidasProjeto de um Restaurantes e bebidas
Projeto de um Restaurantes e bebidasPoliana Ramona
 
Cm tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Cm   tecnologia de produção de frutas liofilizadasCm   tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Cm tecnologia de produção de frutas liofilizadasCamila Moresco
 
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frioAula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frioAlvaro Galdos
 

Mais procurados (20)

Tecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisTecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetais
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frio
 
Fermentação Descontínua
Fermentação DescontínuaFermentação Descontínua
Fermentação Descontínua
 
Secagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolasSecagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolas
 
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm   tecnologia de produção frutas desidratadasCm   tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
 
Ervilha
ErvilhaErvilha
Ervilha
 
Cm aula 3 - hortaliças em conservas
Cm   aula 3 - hortaliças em conservasCm   aula 3 - hortaliças em conservas
Cm aula 3 - hortaliças em conservas
 
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
Apresentação Tese de Doutorado em Ciência de Alimentos
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento Fermentador
 
1265324596 introducao as_pam
1265324596 introducao as_pam1265324596 introducao as_pam
1265324596 introducao as_pam
 
Fabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutasFabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutas
 
2 preparacaodascaldas
2 preparacaodascaldas2 preparacaodascaldas
2 preparacaodascaldas
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Projeto de um Restaurantes e bebidas
Projeto de um Restaurantes e bebidasProjeto de um Restaurantes e bebidas
Projeto de um Restaurantes e bebidas
 
7 cuidados preparacao caldas
7 cuidados preparacao caldas7 cuidados preparacao caldas
7 cuidados preparacao caldas
 
Prep
PrepPrep
Prep
 
Cm tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Cm   tecnologia de produção de frutas liofilizadasCm   tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Cm tecnologia de produção de frutas liofilizadas
 
Dornas de fermentacao
Dornas de fermentacaoDornas de fermentacao
Dornas de fermentacao
 
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frioAula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
 

Semelhante a Tomate seco

Batata chips e palha pdf
Batata chips e palha   pdfBatata chips e palha   pdf
Batata chips e palha pdfSergioHBagaglia
 
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdfMaterial auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdfRosanaRocha49
 
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOCLÃ BIOTECNOLOGIA
 
Secador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãoSecador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãolouquimicos
 
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveisSecador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveislouquimicos
 
Secador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãoSecador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãolouquimicos
 
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveisSecador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveislouquimicos
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRailenne De Oliveira Celestino
 
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdfAula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdffabiocauper
 
Tomate hidropônico resumido
Tomate hidropônico resumidoTomate hidropônico resumido
Tomate hidropônico resumidojessica zambonato
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptxBrunaSayuriSuzuki
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas ProcessamentoCulinaria Fabula
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas ProcessamentoClaudia Cozinha
 
curso de açucar e alcool Fermentação.ppt
curso de açucar e alcool Fermentação.pptcurso de açucar e alcool Fermentação.ppt
curso de açucar e alcool Fermentação.pptssuser2b53fe
 
Tipos de processos na fabricação de rações
Tipos de processos na fabricação de raçõesTipos de processos na fabricação de rações
Tipos de processos na fabricação de raçõesFrederico Modri Neto
 
Resumo semic Kleber Diego Moreira
Resumo semic Kleber Diego MoreiraResumo semic Kleber Diego Moreira
Resumo semic Kleber Diego MoreiraKleber Moreira
 

Semelhante a Tomate seco (20)

Batata chips e palha pdf
Batata chips e palha   pdfBatata chips e palha   pdf
Batata chips e palha pdf
 
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdfMaterial auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
Material auxiliar TECNOLOGIA DOS PRODUTOS VEGETAIS.pdf
 
Embutidos
EmbutidosEmbutidos
Embutidos
 
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdfECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
ECOMIX G - LINHA AQUA E INDUSTRIAL 2022.pdf
 
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIALECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
ECOMIX G - LINHA AQUA e INDUSTRIAL
 
Secador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãoSecador econômico popularização
Secador econômico popularização
 
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveisSecador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
 
Secador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãoSecador econômico popularização
Secador econômico popularização
 
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveisSecador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
 
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdfAula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
 
Tomate hidropônico resumido
Tomate hidropônico resumidoTomate hidropônico resumido
Tomate hidropônico resumido
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx
 
Quiabo Desidratado
Quiabo DesidratadoQuiabo Desidratado
Quiabo Desidratado
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
 
curso de açucar e alcool Fermentação.ppt
curso de açucar e alcool Fermentação.pptcurso de açucar e alcool Fermentação.ppt
curso de açucar e alcool Fermentação.ppt
 
Tipos de processos na fabricação de rações
Tipos de processos na fabricação de raçõesTipos de processos na fabricação de rações
Tipos de processos na fabricação de rações
 
Atividade slideshaare
Atividade slideshaareAtividade slideshaare
Atividade slideshaare
 
Resumo semic Kleber Diego Moreira
Resumo semic Kleber Diego MoreiraResumo semic Kleber Diego Moreira
Resumo semic Kleber Diego Moreira
 

Tomate seco

  • 1. PROCESSO PRODUTIVO DE TOMATE SECO: NOVAS TECNOLOGIAS MANUAL TÉCNICO GISELE ANNE CAMARGO1 Escrito para apresentação no WORKSHOP TOMATE NA UNICAMP: PESQUISAS E TENDÊNCIAS Campinas, 28 de maio de 2003. RESUMO: A qualidade do tomate seco é significativamente aperfeiçoada quando se utilizam, além de boas práticas de fabricação, novas tecnologias durante o processamento. No caso do processo produtivo do tomate seco a qualidade final do produto e a vida de prateleira podem ser melhoradas com a utilização de: desidratação osmótica e uso de antioxidantes, além de outros procedimentos. Este artigo técnico tem o objetivo de mostrar o processo produtivo de tomate seco com a utilização de novas tecnologias acessíveis aos produtores rurais ou processadores. PALAVRAS CHAVES: TOMATE, SECAGEM, PROCESSAMENTO. DRIED TOMATO PROCESSING: NEW TECNHOLOGIES ABSTRACT: The dried tomato quality can be improved with the use adequate factoring of the process and the new technologies. The dried tomato quality final and “shelf-life” can be increased with osmotic dehydration and the application of the antioxidants. This article shows the processing of the dried tomato with viable new technologies. KEYWORDS: TOMATO, DRYING, PROCESSING INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA: O tomate (Lycopersicon esculentum Mill) tem sua origem provavelmente na Região Andina, parte ocidental da América do Sul, e também da América central (FILGUEIRA, 1982). No mundo ocidentalizado o tomate ocupa um lugar proeminente entre as hortaliças cultivadas no que se refere ao consumo in natura como e principalmente industrializado, sendo então considerada aquela de produção e utilização universais. O tomate pode através de processamento adequado, dar origem a inúmeros produtos, alguns deles de elevado consumo no Brasil. Assim pode-se obter, do tomate inteiro, o tomate despelado. Do quebrado, diversos graus de intensidade, o tomate seco, suco, purê, polpa concentrada, extrato, catchup (ou ketchup, ou catsup), molhos culinários diversos, inclusive tomate em pó. Com a abertura para importação nas décadas de 80 e 90, o tomate seco destacou-se com grande aceite do consumidor brasileiro. As operações de desidratação ou secagem são importantes nas indústrias químicas e de alimentos, como também no armazenamento de grãos e outros produtos biológicos. Durante a secagem de produtos biológicos ocorrem variações nas suas características físicas, químicas e biológicas, que, dependendo da intensidade do efeito, causam sua perda ou inutilidade para uma determinada função (alimentícia ou germinativa). Assim sendo, é importante o conhecimento dos efeitos da secagem sobre as propriedades químicas e biológicas do produto, uma vez que afetam sensivelmente os fenômenos de transferência de massa principalmente em alimentos. 1 Enga Agrônoma-Doutoranda em Tecnologia de Alimentos-Depto de Tecnologia de Alimentos – FEA/UNICAMP.e-mail: giseleanne@hotmail.com.
  • 2. A desidratação osmótica pode ser um método de minimizar o decréscimo de compostos (como licopeno e vitamina C) retendo estes nutrientes durante o processamento de tomate. As vantagens quanto ao método tradicional de secagem: menor gasto de energia; melhor aparência (cor); incorporação de componentes que podem aumentar a preservação, minimizar os danos causados pelo calor à cor, textura e sabor.Nos últimos anos o interesse pela desidratação osmótica como pré-tratamento da secagem de tomate vem aumentando consideravelmente, pois apresenta certas vantagens sobre outros métodos de preservação, como minimizar os danos causados pelo calor à cor, textura e sabor. A desidratação osmótica consiste na imersão do alimento em líquidos com uma atividade de água menor do que a do alimento. O processo de desidratação osmótica causa transformação dupla no produto: a sua desidratação e alteração na composição. Diversas pesquisas têm sido feitas utilizando a desidratação osmótica como pré-tratamento á secagem convectiva, pois além de fornecer um produto de melhor qualidade em termos visuais, sensoriais e nutricionais, pode reduzir os custos energéticos por unidade do produto, pois seu custo de produção é alto, já que possui um alto conteúdo de umidade (cerca de 95%), apesar de incorporar o custo ao processo. Além da desidratação osmótica, outros pré-tratamentos visam melhorar a qualidade do produto e otimizar o processo de secagem. Dentre estes tratamentos pode-se citar. Outro processo que visa melhorar a qualidade do produto final é o uso de antioxidante, visando evitar o escurecimento excessivo durante a secagem, mantendo a cor vermelha e aumentando sua conservação pela acidificação do produto. Dentre os diversos antioxidantes para uso em alimentos os comumente utilizados são: ácido ascórbico, ácido cítrico e metabissulfitos. Recepção Seleção Lavagem Pré-tratamentos Desidratação Osmótica Aplicação de Antioxidante FLUXOGRAMA PARA O PROCESSAMENTO DE TOMATE SECO EM CONSERVA DESCRIÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE TOMATE SECO EM CONSERVA RECEPÇÃO Os tomates devem chegar na plataforma de recepção da indústria, em caixas padronizadas a fim de facilitar sua pesagem. Deve-se anotar em formulário próprio o peso da matéria-prima recebida que, no final do processo, possa-se efetuar os cálculos do rendimento. LAVAGEM Para pequenas e médias escalas de produção, a lavagem pode ser realizada em lavadores de imersão de três estágios. Para tomates, na primeira lavagem, a concentração de cloro ideal e de 80 mg/l e o tempo de imersão de 20 minutos. Depois do primeiro banho por imersão, os tomates Manual Técnico - Gisele Anne Camargo Secagem
  • 3. são colocados no segundo tanque onde e feita à remoção das impurezas remanescentes. Este banho também deve ser feito com água tratada numa concentração de cloro de 50 mg/l durante 10 minutos. No terceiro estágio, a lavagem é feita sem a adição de cloro. Após a lavagem os tomates, são conduzidas para um ambiente separado através de uma esteira dotada de bancadas laterais para trabalho. Dependendo da escala de produção podem ser transportados em caixas plásticas previamente higienizadas, evitando a recontaminação do produto. Durante a seleção devem ser retirados os tomates que ano estejam perfeitamente maduros, ou seja, aqueles que apresentem partes amarelas ou verdes devem retornar para o armazenamento para que sejam processados em outro lote. CORTE E RETIRADA DAS SEMENTES Os tomates destinados ao preparo de conserva devem ser cortados ao meio no sentido longitudinal com o auxilio de facas de aço inoxidável, manualmente. As sementes devem ser retiradas com os dedos (com luvas) e aqueles que apresentarem defeitos na pele devem ser trabalhados de tal forma que estas partes sejam retiradas, caso contrário à qualidade do produto final será comprometida. PRÉ-TRATAMENTO: DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA O teor residual de sal nos tomates deve ser definido em função dos produtos já existentes no mercado ou de acordo com as exigências de um cliente especifico. A salmoura sugerida poderá ser de 5%, ou seja, para cada litro de água, serão adicionados 50 gramas de sal.Depois de misturada a solução coloca-se os tomates e aguarda-se por 30 minutos. Outra forma de fazer um pré-tratamento é a utilização de açúcar, juntamente com o sal. Este tratamento apresenta um produto com características organolépticas superior ao somente desidratado com sal, ou seja, o sabor e a aparência são melhores. Poderá ser utilizado um xarope de 65º B com 1 parte de sal para cada 10 partes de açúcar, em temperatura de 45o C para o sistema. Após o tratamento lavar os tomates com água potável rapidamente e escorrer por 2 minutos, para retirada do excesso de xarope. PRÉ-TRATAMENTO: APLICAÇÃO DE ANTIOXIDANTES Após a desidratação osmótica reliza-se um banho de imersão com ácido ascórbico e metabissulfito, durante 1 minuto, com 1500mg/l e 100mg/l respectivamente. Deve ressaltar que há uma tendência mundial para diminuir e até mesmo finalizar o uso de metabissulfitos, no entanto em pequenas quantidades juntamente com o ácido áscórbico, há um efeito sinergístico, havendo maior eficiência do que os mesmos usados separadamente e em doses maiores. SECAGEM Depois de retirados da desidratação osmótica, os tomates são distribuídos sobre as bandejas de secagem a uma razão de aproximadamente 8 kg/m2. A bandeja de controle deve apresentar a mesma densidade de carregamento uma vez que ela será utilizada para acompanhar o processo e determinar o ponto final da desidratação. A temperatura do ar de secagem deve ser ajustada para 60 a 65°C e as bandejas devem ser giradas de 180° a cada uma hora para que se reduza o tempo de secagem e se obtenha um teor de umidade final uniforme. Para se determinar o ponto final do processo de desidratação e verificar a umidade final do produto, pode-se utilizar as seguintes fórmulas: U = P − P *U ( ) i i i f P P = P − P *U i i i ou Onde, Pf = o peso líquido final para que o produto tenha a umidade desejada; Pi = o peso líquido inicial, obtido por meio de pesagem; Ui = a umidade inicial; Uf = a umidade final desejada. Manual Técnico - Gisele Anne Camargo ( ) f f f U
  • 4. Para as condições de secagem apresentadas acima, o tempo de secagem para os tomates destinados ao preparo de conservas é de aproximadamente 12 a 14 horas. Concluído o processo de desidratação, deve-se desligar o sistema de aquecimento de ar do secador e deixar o ventilador ligado, até que o produto atinja a temperatura ambiente. PREPARO DO TEMPERO O tipo do tempero a ser utilizado depende do custo final e das exigências do mercado, portanto uma pesquisa de mercado pode ser interessante na tomada da decisão. Sugere-se a seguinte formulação: • 60% de óleo de girassol • 40% de azeite de oliva • Sal, orégano, especiarias a gosto. Misturam-se os produtos numa panela, aquecendo-os até atingir a temperatura de 90o C, deve-se mexer o tempero para que sua mistura fique bem homogênea. ENVASAMENTO Antes do envasamento propriamente dito, deve-se lavar e esterilizar os vidros e as tampas. A esterilização deve ser feita em água em ebulição durante 30 minutos. Para embalagens plásticas os procedimentos de esterilização são diferentes. A mistura do tomate seco e dos temperos deverá ser feita na temperatura de 90o C. Após o resfriamento das embalagens, os potes de plástico e de vidro, serão lavados e secos para receberem rótulos e lacre das tampas. Ao desenvolver o rótulo do produto, verifique na nova legislação as informações obrigatórias que o mesmo deve conter, tais como: informações completas sobre os dados da empresa fabricante, numeram do registro no Ministério da Saúde, peso líquido do produto, composição, calorias e outras informações. Cabe ainda acrescentar o uso de vácuo para embalagens dos tomates secos em conserva, que tem apresentado resultados satisfatórios em pesquisas. ESTOCAGEM O produto final poderá ser estocado em ambientes ventilados, sem poeira e sem incidência de raios durante no mínimo 3 meses, seguindo todas as normas de higiene e sanitização, assim como as boas práticas de fabricação para indústrias de alimentos. CONSIDERAÇÕES FINAIS: As técnicas apresentadas neste manual técnico, especificamente os dois tipos pré-tratamentos expostos e o método de envasamento, são alguns dos procedimentos que estão sendo pesquisados pela autora para o Doutoramento em Tecnologia de Alimentos realizado na Faculdade de Engenharia de Alimentos. E cabe lembrar que este artigo está sendo apresentado como um Manual Técnico para o conhecimento do processamento e etapas do processo produtivo de tomate seco, visando atingir um público heterogêneo. AGRADECIMENTOS: À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), pelo apoio financeiro. REFERÊNCIA BIBLIOGRÀFICA Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis of the Association of Official Analytical Chemists. Washington, D.C. 13th ed.,1018p, 1980. BALASUBRAMANIAM, T. Studies on quality and nutricional apects of tomato. Journal of Food Science and Technology. v. 21, p. 419-421, 1984. Manual Técnico - Gisele Anne Camargo
  • 5. CAMARGO, G. A.; QUEIROZ, M. R. Curvas experimentais de secagem de tomate, variedade Débora Plus, em duas temperaturas e pré-tratamento com sal e açúcar. XXVIII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola. [CD-ROM]. Trab301.jul, 1999. CAMARGO, G. A. Relatório apresentado na da Disciplina Secagem de Produtos Agrícolas. Faculdade de Engenharia Agrícola/UNICAMP(não publicado). 10 p. 1998. CAMARGO, G. A. Secagem de tomate (Lycopersicum esculentum Mill) para conserva: estudo de parâmetros com base na qualidade final. Campinas, UNICAMP. (Dissertação de mestrado em Engenharia Agrícola). 74 p, 2000. CAMARGO, R. de Tecnologia dos Produtos Agropecuários-Alimentos. ESALQ/USP-Piracicaba, 296p, 1989. CANTO,W. L.; SILVEIRA, E.T.F.; LEITE, R.S.S.F.; MAIA, M.L.; GASPARINO, J. Fo; YATSUYANAGY, K. Processamento e Mercado de Frutas secas. Estudos econômicos - Alimentos Processados. v.23, 208p, 1987. CARVALHO, C. R. L.; MANTOVANI, D. M. B.; CARVALHO, P. R. N.; MORAES, R. M. Análises Químicas de Alimentos (Manual Técnico) . Instituto de Tecnologia de Alimentos. Campinas. 121p, 1990. CHITARRA, M.I.F. & CHITARRA, A .B. Pós-Colheita de Frutos e Hortaliças: Fisiologia e Manuseio. ESAL/FAEPE, Lavras, 320p, 1990. COSTELL, E.; FISZMAN, S.M.; DURÁN, L. Propriedades Físicas I – Reologia de sólidos y textura. Temas em Tecnologia de Alimentos. CYTED – Programa Iberoamericano de Ciência y Tecnologia para el Desarrollo, Vol. 1, cap. 6, 1997. CRUESS, W. V. Commercial fruit and vegetable products. USA: Allied Scientific Publication. FILGUEIRA. F. A. Manual de Olericultura: Cultura e Comercialização de Hortaliças. São Paulo, v.2, 584p, 1982. FORTE, M. & OKOS, M.R. Changes in Physical Properties of Corn During Drying. Transactions of the ASAE. St. Joseph, v.23, n.4, p.1004-1008, july/aug,1972. GOULD,W. A. Composition of tomatoes. Tomato Production, Processing and Quality Evaluation. AVI Publishing Co., Westport, Connectitut, 344-358. 1991. GUPTA, R. G.; NATH, N. Drying of tomatoes. Journal of Food Science and Technology. v. 21, p. 372-376, 1984. HAWLADER, M. N. A., UDDIN, M. S., HO, J. C. e TENG, A. B. W. Drying characteristics of tomatoes. Journal of Food Engineering, v. 14, p. 259-268, 1991. HUBER, D. J. The role of cell wall hydrolases in fruit softening. Hortc.Rev. 5:169-219. 1983. IGARASHI, L. Estudo do pré-tratamento osmótico de tomate e seu efeito na secagem. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1999. 101p. (Dissertação, Mestrado em Engenharia Química). IGARASHI, L.; KIECKBUSCH, T. G.; Modelagem da desidratação osmótica de tomate utilizando a atividade de água. In: XXVI Congresso Brasileiro de Sistemas Particulados. UFRJ. p. 73, out.1998. Manual Técnico - Gisele Anne Camargo
  • 6. JAYARAMAB, K. S. e das GUPTA, D. K. Dehydration of fruits and vegetables – Recent developments in principles and techniques. Drying Technology, v. 10, n. 1, p. 47-60, 1990. KADER, A. A. Stevens, M. A., e Alblight-Holton, M. e Morris, L. L.. Effect of fruit ripeness when picked on flavor and composition in fresh mmarket tomatoes. J. Amer. Soc. Hort. Sci. 102(6):724-731. 1977. KARATAS, S.; ESIN, A. Determination of Moisture Diffusivity and Behavior of Tomato Concetrate Dropletsd During Drying in Air. Drying Technology. v.12, n. 4, p.799-822, 1994. KEEY,R. B. Drying: Principles and Practice, Oxford, 358p, 1975. KEITH’S TOMATO PAGE ( http://tomato.vbutler.com), 15/03/1999. LAL, G. SIDAPPA, G. S. e TANDON, G. L. Preservation of fruits and vegetables. India: ICAR Publication. 1986. MACFIE, H.J.; BRATCHELL, N.; GREENHOFF, K.; VALLIS, L.V. Designs to Balance the effect of order of Presentation and First-order Carry-over effects in Hall Testes. Journal of Sensory Studies . v.04,p.129-148, 1989. MIRANDA, K.E.S. Estudo de Parâmetros que Influenciam na Elaboração de Uva-passa. UFPB, João Pessoa. 153p, 1991. Ministério da Agricultura. Norma de Identidade, Qualidade, Embalagem e Apresentação do Tomate para Indústria. Portaria número 278, 30/11/1988. MOURA, M. A.; ZANIN, S. R.; FINGER, F. L. Amadurecimento de tomate com pulverização de diferentes doses de Ethephon associado com espalhante adesivo. Revista Brasileira de Armazenamento. v. 23, 11-14, 1998. OKADA, M.; VITALI, A. A.; TEIXEIRA NETO, R. O.; CARVALHO, R.; JARDIM, D. C. P. Fundamentos sobre a secagem de sólidos. In: Desidratação de Frutas e Hortaliças-Manual Técnico. p.1-29, 1997. OLORUNDA, A. O., AWORH, C. O. e ONUOHA, C. M. Upgrading quality of dried tomato: effests of drying methods, conditions and pre-drying treastments. Journal Science Food Agriculture, v. 52, p. 447-454, 1990. PASCHOALETI, C.C. Secagem de Cogumelos (Agaricus bisporus). UNICAMP/FEA, Campinas. 61p,1996. (Dissertação de mestrado). PEARSON, D. Laboratory Techniques in food Analysis. Butter Worths, London, 1973. PÉREZ, V. H. Estudo do comportamento da temperatura de bananas durante o processo de secagem. UNICAMP/FEAGRI, Campinas. 1998. (Dissertação de mestrado). PINTO, L. A. A.; TOBINAGA, S. Secagem e encolhimento de materiais fibrosos: músculos de peixes. In: Encontro sobre escoamento em meios porosos. Campinas, v.2, p.568-579, 1991. QUEIROZ, M. R. Estudo teórico – experimental da cinética de secagem de bananas. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas-SP. 1994. Manual Técnico - Gisele Anne Camargo
  • 7. RATTANAPANT, O; LEBERT, A; LAGUERRE, J.C.; BIMBENET, J.J. Simulation of Deep Bed Drying of Particles. In: SPIES, W.E.; SCHUBERT, H. ed. Engineering and Food. v.1, Elsevier Appl. Sci., p.579-591, 1990. Resolução 12/78 (12/7 Frutas Secas ou Dessecadas) Comissão Nacional da Legislação de Alimentos: Consolidação das Normas e Padrões de Alimentos. São Paulo, Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (ABIA). v.1/A, p.7.5(78), 1985. RHODES, M. J. C. The maturation and ripening of fruits. Senescence in plants. Academic Press, New york. pp. 157-205. 1980. RICHARDSON, C. e HOBSON, G. E.. Compositional changes in normal and mutant tomato fruit during ripening and storage. J. Sci. Food Agric. 40:245-252. 1987. ROMERO, L. M. Estudo de pré-tratamentos para obtenção de tomate desidratado em fatias. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, maio, 1999. 129p. (Dissertação, Mestrado em Engenharia Química). ROMERO, L. M.; MIGUEL, M. H.; SPOGIS,N.; KIECKBUSCH, T. G. Cinética de secagem de tomates em fatias pré–tratadas: resultados preliminares. In: Congresso Brasileiro de Sistemas Particulados (XXV ENENP). v. 2, p.620 – 627, out,1997. ROSSI, S.J.; ROA, S. Secagem e Armazenamento de Produtos Agropecuário com Uso de Energia Solar e Ar Natural. São Paulo, Secretaria da Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia. ACIESP, 295p, 1980. SINGH, K.K. Development of Small Capacity Dryer for Vegetables. Journal of Food Engineering . v. 21, p.19-30, 1994. SANGUANRI, L.; FOSTER, M.; DREW, P.; GUIRGUIS, N.; e GOULD, I. Feasibility studies on Processing tomato waste and dried tomato product. Food Research Institute, Werribee. 1993. SHIBLI, R. A.; EREIFEJ, K.I.;AJLOUNI, M. A.; HUSSAIN, A. Physico-chemical proprieties of fruits of four open pollinated tomato (Lycopersicon esculentum Mill) cultivars grown under rainfed conditins in Jordan. Journal of Food Science and Technology-Mysore. v. 32(6), p.489-492, dec.1995. SINGH, K.K. Development of Small Capacity Dryer for Vegetables. Journal of Food Engineering . v. 21, p.19-30, 1994. STEVENS, M. A. Tomato Flavor: Effects of Genotype, Cultural Practices, and Maturity at Picking. In: Ed. Harold E. Patee Evaluation of quality of fruits and vegetables. AVI Publishing Co, Inc. Westport, Connecticut, 1985. 410p. STRUMILLO, C.; KUDRAT. Drying kinectics. In: Drying: principles, applications and design. New York. Gordon and Breach Sci. Publ., c 1986 v. 3, p. 68-98. SZENTMARJAY, T.; PALLAI, E.; REGÉNYI, Zs. Short-Time Drying of Heat-Sensitive, Biologicaly Active pulps and pastes.Drying Technology. v.14, n.9, p. 2091-2115, 1996. TORREGGIANI, D. Osmotic dehydration in fruit and vegetable processing. Food Research International.v. 26, p. 59-68, 1993. Manual Técnico - Gisele Anne Camargo
  • 8. TRIPATHI, R. N.; NATHI, N. Effect of starch dipping on quality of dehydrated tomato slices. Journal of Food Science and Technology, v. 26, n. 3, p. 137-149, 1989. WEITZ, D. A.; LARA, M. A.; PIACETINI, R. D.; FELDMAN,S. Dipping treatment Effects on Simulated Prune Solar Drying. Cannadian Inst. Food. Sci. And Technol. v.22, n.2, 133-136p, 1989. WOODROOF, G. J. & LUH, B. S. Commercial Fruit Processing. The AVI. publ. Inc. Westport. Connecticut. 710p, 375-507p, 1975. Manual Técnico - Gisele Anne Camargo