SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
COTIP – Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba
(Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)
Máquinas e Equipamentos Prof. Marcelo ZOCCA
Açúcar e Álcool
1
1
DORNAS DE FERMENTAÇÃO
1. Introdução
São tanques construídos geralmente em aço carbono com capacidade
variável de acordo com a capacidade do processo.
Nelas encontramos os seguintes equipamentos:
- Sistema de Resfriamento;
- Dornas de fermentação (fechadas ou abertas).
2. Sistema de resfriamento
Em virtude do calor desprendido no processo de fermentação necessitamos
de um controle de temperatura que pode ser por:
- Serpentina de resfriamento ou
- Trocadores a placas.
2.1. Trocadores de calor a placas
Apresenta uma melhor performance no controle de temperatura, este
equipamento é provido de trocadores a placas e bombas de recirculação.
Este controle faz-se necessário, pois ao fermentar os açúcares do mosto há
um desprendimento de energia na forma de calor, que agrega temperatura a solução
de levedura + mosto, sendo que a levedura tem uma temperatura ótima de trabalho
que se situa entre 28 – 33ºC podendo chegar ao máximo em 35ºC.
2.2. Serpentinas de resfriamento
As serpentinas são geralmente de cobre instaladas no interior das dornas,
tem como principal inconveniente o custo com manutenção e sua troca térmica é
relativamente baixa em relação aos trocadores.
3. Dornas de fermentação (fechadas ou abertas)
As dornas de fermentação podem ser fechadas ou abertas, sendo que no
segundo caso teremos uma perda de álcool acentuada pois com a eliminação do
CO2 da fermentação haverá um arraste de álcool.
COTIP – Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba
(Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)
Máquinas e Equipamentos Prof. Marcelo ZOCCA
Açúcar e Álcool
2
2
3.1. Equipamentos de uma dorna de fermentação
- Boca de visita - para eventuais manutenções e limpezas.
- Local para coleta de material para analise laboratorial ou microbiológica.
- Coletor de CO2 - situado na parte superior das dornas onde coletará o CO2
e encaminhará para um sistema de recuperação de álcool.
- Torre de CO2 - equipamento que propicia a lavagem do CO2 proveniente
das dornas para recuperação de parte do álcool arrastado com ele, antes de ir para
atmosfera.
- Sistema de injeção de antiespumante - necessário para fazer o controle de
nível da espuma no interior das dornas evitando eventuais derramamentos e perdas
de produtos.
- Visores - para inspeções e acompanhamento do nível das dornas.
As dornas também são equipadas com válvulas diversas para alimentação do
mosto, alimentação de levedura, controle de temperatura, entrada de ar comprimido
e etc.
Todos os controles das dornas são facilmente automatizados.
4. Sistema de lavagem das dornas
É recomendado que as dornas sejam providas de um sistema de lavagem,
que irá promover a limpeza e assepsia do interior das mesmas, pois o uso contínuo
das mesmas sem esta limpeza leva a altas taxas de infecção.
Para isso utiliza-se geralmente a flegmaça proveniente da destilação para
promover esta lavagem. Esta flegmaça é bombeada para as dornas onde será
distribuído por equipamentos chamados spray-balls no interior das mesmas, sendo
que deverá ser aplicado até que atinja uma temperatura próxima aos 70ºC.
Esta flegmaça utilizada para lavagem das dornas será enviada para caixa
fundo de dorna / volante / destilação saindo juntamente com a vinhaça.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
Renan Atanázio
 

Mais procurados (20)

Modulo 02 fluxograma de fabricação do açúcar
Modulo 02 fluxograma de fabricação do açúcarModulo 02 fluxograma de fabricação do açúcar
Modulo 02 fluxograma de fabricação do açúcar
 
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
 
Açucar e Alcool
Açucar e AlcoolAçucar e Alcool
Açucar e Alcool
 
Extração caldo
Extração caldoExtração caldo
Extração caldo
 
Uso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
Uso e Reúso de Água na Indústria CanavieiraUso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
Uso e Reúso de Água na Indústria Canavieira
 
4-Treinamento Fábrica De Açúcar
4-Treinamento Fábrica De Açúcar4-Treinamento Fábrica De Açúcar
4-Treinamento Fábrica De Açúcar
 
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
 
Extração e Tratamento de Caldo
Extração e Tratamento de Caldo Extração e Tratamento de Caldo
Extração e Tratamento de Caldo
 
Caldo de cana
Caldo de canaCaldo de cana
Caldo de cana
 
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usinaO processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
 
6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
 
Pagamento de cana por teor de sacarose
Pagamento de cana por teor de sacarose Pagamento de cana por teor de sacarose
Pagamento de cana por teor de sacarose
 
Apostila usina de acucar e sua automacao
Apostila   usina de acucar e sua automacaoApostila   usina de acucar e sua automacao
Apostila usina de acucar e sua automacao
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Destilação
 
Águas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e VaporÁguas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e Vapor
 
Fermentação e Destilação
Fermentação e Destilação Fermentação e Destilação
Fermentação e Destilação
 
Extração do caldo
Extração do caldoExtração do caldo
Extração do caldo
 
Açúcar e Alcool
Açúcar e AlcoolAçúcar e Alcool
Açúcar e Alcool
 
Bebidas alcóolicas
Bebidas alcóolicasBebidas alcóolicas
Bebidas alcóolicas
 

Semelhante a Dornas de fermentacao

AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAISAUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
IHM Engenharia
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Antonio Carlos
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Antonio Carlos
 

Semelhante a Dornas de fermentacao (20)

M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdfM2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
 
Gv 06 regulagem e controle 2
Gv 06 regulagem e controle 2Gv 06 regulagem e controle 2
Gv 06 regulagem e controle 2
 
Referências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP EngenhariaReferências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP Engenharia
 
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAISAUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DO SISTEMA DE AUTOCLAVES DA VOTORANTIM METAIS
 
Banho Maria 1.pptx
Banho Maria 1.pptxBanho Maria 1.pptx
Banho Maria 1.pptx
 
Importancia da agua no laboratorio.pdf
Importancia da agua no laboratorio.pdfImportancia da agua no laboratorio.pdf
Importancia da agua no laboratorio.pdf
 
Ficha da visita estudo
Ficha da visita estudoFicha da visita estudo
Ficha da visita estudo
 
Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011
 
Ficha da visita estudo
Ficha da visita estudoFicha da visita estudo
Ficha da visita estudo
 
Nr – 13
Nr – 13Nr – 13
Nr – 13
 
Gv 05 operação de caldeiras
Gv 05 operação de caldeirasGv 05 operação de caldeiras
Gv 05 operação de caldeiras
 
Manual de qualificação de esterilização em autoclaves
Manual de qualificação de esterilização em autoclavesManual de qualificação de esterilização em autoclaves
Manual de qualificação de esterilização em autoclaves
 
Manual sobre autoclave sus
Manual sobre autoclave   susManual sobre autoclave   sus
Manual sobre autoclave sus
 
Soluções integradas em esterilização e controle da contaminaçãao
Soluções integradas em esterilização e controle da contaminaçãaoSoluções integradas em esterilização e controle da contaminaçãao
Soluções integradas em esterilização e controle da contaminaçãao
 
10. vapor
10. vapor10. vapor
10. vapor
 
Descritivo fabricadeacucar
Descritivo fabricadeacucarDescritivo fabricadeacucar
Descritivo fabricadeacucar
 
Incubadoras de CO2 para cultura celular - Ultrasafe!
Incubadoras de CO2 para cultura celular - Ultrasafe!Incubadoras de CO2 para cultura celular - Ultrasafe!
Incubadoras de CO2 para cultura celular - Ultrasafe!
 
Tratamento agua para caldeiras de alta pressão
Tratamento agua   para caldeiras de alta pressãoTratamento agua   para caldeiras de alta pressão
Tratamento agua para caldeiras de alta pressão
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
 

Dornas de fermentacao

  • 1. COTIP – Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba) Máquinas e Equipamentos Prof. Marcelo ZOCCA Açúcar e Álcool 1 1 DORNAS DE FERMENTAÇÃO 1. Introdução São tanques construídos geralmente em aço carbono com capacidade variável de acordo com a capacidade do processo. Nelas encontramos os seguintes equipamentos: - Sistema de Resfriamento; - Dornas de fermentação (fechadas ou abertas). 2. Sistema de resfriamento Em virtude do calor desprendido no processo de fermentação necessitamos de um controle de temperatura que pode ser por: - Serpentina de resfriamento ou - Trocadores a placas. 2.1. Trocadores de calor a placas Apresenta uma melhor performance no controle de temperatura, este equipamento é provido de trocadores a placas e bombas de recirculação. Este controle faz-se necessário, pois ao fermentar os açúcares do mosto há um desprendimento de energia na forma de calor, que agrega temperatura a solução de levedura + mosto, sendo que a levedura tem uma temperatura ótima de trabalho que se situa entre 28 – 33ºC podendo chegar ao máximo em 35ºC. 2.2. Serpentinas de resfriamento As serpentinas são geralmente de cobre instaladas no interior das dornas, tem como principal inconveniente o custo com manutenção e sua troca térmica é relativamente baixa em relação aos trocadores. 3. Dornas de fermentação (fechadas ou abertas) As dornas de fermentação podem ser fechadas ou abertas, sendo que no segundo caso teremos uma perda de álcool acentuada pois com a eliminação do CO2 da fermentação haverá um arraste de álcool.
  • 2. COTIP – Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba) Máquinas e Equipamentos Prof. Marcelo ZOCCA Açúcar e Álcool 2 2 3.1. Equipamentos de uma dorna de fermentação - Boca de visita - para eventuais manutenções e limpezas. - Local para coleta de material para analise laboratorial ou microbiológica. - Coletor de CO2 - situado na parte superior das dornas onde coletará o CO2 e encaminhará para um sistema de recuperação de álcool. - Torre de CO2 - equipamento que propicia a lavagem do CO2 proveniente das dornas para recuperação de parte do álcool arrastado com ele, antes de ir para atmosfera. - Sistema de injeção de antiespumante - necessário para fazer o controle de nível da espuma no interior das dornas evitando eventuais derramamentos e perdas de produtos. - Visores - para inspeções e acompanhamento do nível das dornas. As dornas também são equipadas com válvulas diversas para alimentação do mosto, alimentação de levedura, controle de temperatura, entrada de ar comprimido e etc. Todos os controles das dornas são facilmente automatizados. 4. Sistema de lavagem das dornas É recomendado que as dornas sejam providas de um sistema de lavagem, que irá promover a limpeza e assepsia do interior das mesmas, pois o uso contínuo das mesmas sem esta limpeza leva a altas taxas de infecção. Para isso utiliza-se geralmente a flegmaça proveniente da destilação para promover esta lavagem. Esta flegmaça é bombeada para as dornas onde será distribuído por equipamentos chamados spray-balls no interior das mesmas, sendo que deverá ser aplicado até que atinja uma temperatura próxima aos 70ºC. Esta flegmaça utilizada para lavagem das dornas será enviada para caixa fundo de dorna / volante / destilação saindo juntamente com a vinhaça.