Musealização do sagrado

303 visualizações

Publicada em

Apresentação na prova pública de Doutoramento
Universidade Lusíada de Lisboa - 10 de Outubro de 2006

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
303
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Musealização do sagrado

  1. 1. Falar de museologia do sagrado parece, à partida, um paradoxo ou um equívoco, dado que o museu é o lugar onde os objectos se desvendam à nossa observação, enquanto o sagrado é uma realidade absoluta que transcende o homem. 1
  2. 2. Já no Antigo Testamento, Deus avisa Moisés que vai descer sobre o monte Sinai e ordena-lhe que não deixe aproximar o povo: O Senhor disse a Moisés: “Fixarás ao povo um limite em redor e dir-lhe-ás: Livrai-vos de subir o monte ou tocar na sua base. Se alguém tocar nele, será punido com a morte”. Ex 19, 12. 2
  3. 3. Este conceito de interdito é extensível a tudo o que participa no ritual de comunicação com o divino. Mesmo no momento em que estabelece a aliança com o seu povo, Deus confirma a fronteira invencível entre o sagrado e o profano. O Senhor disse a Moisés: “Ungirás com o óleo a tenda de reunião e a arca da aliança, a mesa e seus acessórios, o candelabro e seus acessórios, o altar dos perfumes, o altar dos holocaustos e todos os seus utensílios, e a bacia com seu pedestal. Depois que os tiveres consagrado, eles tornar-se-ão objectos santíssimos, e tudo o que os tocar será consagrado.” Ex. 30, 26-29 Tudo o que for ungido, fica consagrado e, portanto, torna-se interdito. 3
  4. 4. E sagrado significa, precisamente, algo relativo ao divino, aquilo que foi ungido ou consagrado, que inspira profundo respeito e veneração absoluta e, como tal, não pode ser nem tocado. No âmbito das religiões pré-cristãs, incluindo Israel do Antigo Testamento, o sagrado e o profano são duas realidades que se excluem mutuamente: o sacro é uma força que sacraliza tudo o que alcança, tal como o profano contamina o sagrado, eliminando-o. 4
  5. 5. Porém, no Novo Testamento, o tema da aliança entre Deus e o seu povo toma uma nova perspectiva baseada no mistério salvífico da Eucaristia. Durante a Última Ceia, Enquanto comiam, Jesus tomou o pão e, depois de pronunciar a bênção, partiu-o e deu-o aos seus discípulos, dizendo: “Tomai, comei: Isto é o meu corpo.” Mt 26, 26. Desta forma, o sagrado, no âmbito do cristianismo não se prefigura através da interdição absoluta. O sagrado cristão é consubstanciado, pelo que o santo, no cristianismo, não funda uma realidade separada, mas cria uma relação objectiva, extensiva a tudo e a todos. No cristianismo, só Deus é santo em sentido absoluto, pelo que a verdadeira sacralidade não é “separação”, mas “comunhão”. Reside, aqui, uma abertura através da qual se permite uma passagem do sagrado ao profano. É através desta que o objecto litúrgico se pode deslocar a um espaço limítrofe, onde essa funcionalidade apenas poderá ser evocada. 5
  6. 6. No âmbito da liturgia católica, o ritual eucarístico revive o milagre da transubstanciação: no momento da consagração, pelo que o altar é a mesa do sacrifício e os recipientes que recolhem o pão e vinho se tornam na custódia do corpo e sangue de Cristo. Por esse motivo, o cálice a patena são objecto de consagração com o óleo do crisma e, tal como o altar, devem ser considerados sagrados e interditos. As restantes alfaias e os paramentos relacionados com a eucaristia ou com os sacramentos são benzidos. Quer a sagração, quer a bênção coloca-os na esfera do sagrado, mas, dado que, no cristianismo, a sacralidade entitativa não é um atributo aplicável a elementos materiais, os objectos sagrados ou litúrgicos logo que sejam danificados ou retirados do culto, são implicitamente execrados, podendo assumir outras funções. Ou seja, o objecto ao serviço da liturgia católica pode tornar-se um objecto de museu. 6
  7. 7. Tesouros eclesiásticos E é precisamente através da arte religiosa que se consegue traçar a mais completa história da museologia ocidental. No mundo cristão, ao longo da Idade Média, os tesouros eclesiásticos cumpriam algumas das incumbências inerentes à actividade museológica. Anexos a catedrais, abadias ou igrejas, sobretudo em rotas de peregrinação, os tesouros serviam de custódia às relíquias dos santos e mártires pelo que o seu valor dominante era de ordem espiritual como tesouro de graças. Mas, inerente a este, estava o valor patrimonial e artístico dos relicários, a que juntava o conjunto de alfaias e paramentaria ao serviço litúrgico da igreja. Um dos exemplos mais citados é precisamente o Tesouro de Saint-Denis, subsidiário da acção do Abade Suger, que defendia a reserva do melhor, mais rico e precioso da da criação humana para o serviço divino. Porém, o valor patrimonial e artístico deste património contribuiu para consolidar o conceito de interdito em relação às alfaias litúrgicas. Ao longo da Idade Média e até quase à nossa época, houve uma proliferação de regras e interditos próximos da sacralidade pré-cristã, pelo que o conceito sacro entitativo acabou por implicar a separação e intocabilidade dos objectos do culto católico. 7
  8. 8. Gabinete de curiosidades Por esse motivo, nos Gabinetes de Curiosidades, surgidos entre os séculos XV e XVIII, com colecções de antiguidades clássicas, objectos preciosos e raridades exóticas, não havia alfaias religiosas. A única intromissão neste universo de inscrições e esculturas antigas, retratos, fósseis, bizarrias de outras culturas, minerais, objectos de ourivesaria e joalharia, raridades exóticas, é a pintura de motivos religiosos, encomendada expressamente ou retirada de retábulos, o que se assinala como a primeira transferência da funcionalidade sagrada para o mundo profano. Os senhores da Igreja, Papas ou bispos, estão entre os mais entusiásticos coleccionadores, de que se cita em Portugal o nome de Frei Manuel do Cenáculo que, fundou, em 1791, o Museu Sesinando Cenáculo Pacense com uma notável colecção de lápidas romanas e medievais, fragmentos escultóricos e várias espécies etnográficas e naturais. 8
  9. 9. No discurso de inauguração, atribuído a Frei José de S. Lourenço do Valle, colaborador de Cenáculo, o museu define-se como “um labirinto de encantos onde a razão se acha e a alma se ilustra e a religião triunfa”. Está dado o mote para a caracterização do coleccionismo de iniciativa eclesiástica nesta época, construído com a intenção de testemunhar a glória de Deus através das obras da natureza e do testemunho da criação humana, ainda que subsidiário do objectivo dominante de aquisição de conhecimentos. Apesar do propósito religioso subjacente, não existe aqui qualquer ocorrência de musealização do sagrado, dado que os objectos litúrgicos ou devocionais estão rigorosamente ausentes. 9
  10. 10. Mostra Vaticana, por ocasião do Jubileu de Leão XIII, em 1888. Exposição no Vaticano das ofertas feitas ao Papa: secção da Alemanha. O objecto religioso apenas atravessa a barreira do espaço sagrado no momento em que surge o museu como entidade orientada para a constituição, conservação, estudo e divulgação de colecções patrimoniais, a partir dos finais do século XVIII e ao mesmo tempo que, na Europa, os Estados assumem a responsabilidade transmitir o seu saber e a sua cultura, definindo um padrão da respectiva identidade nacional, através da constituição e exposição de um repositório significativo de arte e técnica. É neste contexto e em particular no que concerne à museologia da arte que se dá esse processo de transmigração do objecto religioso para o espaço profano dos museus. Registámos uma das mais significativas e pioneiras ocorrências de musealização de alfaias e paramentos da liturgia católica, numa exposição realizada em 1888, no Vaticano, por ocasião do jubileu sacerdotal e dos dez anos de papado de Leão XIII. Os objectos do culto encenam uma entrada triunfal no universo museológico, mas perdem-se na profusa amálgama do espólio que ocupava todo o espaço disponível dentro e fora das vitrinas, denunciando o horror ao vazio próprio da estética romântica que ainda se fazia sentir. Tal como acontecia nos grandes museus nacionais e nas exposições universais oitocentistas, a forma como eram expostas as várias tipologias artísticas denunciava os critérios essencialmente decorativos e promocionais que informavam a norma museográfica, mas não eram de molde a evidenciar o conteúdo funcional dos objectos expostos. Pode, portanto, introduzir-se uma ressalva neste processo de musealização do sagrado: o objecto religioso que sai da igreja, torna-se num objecto de arte, ao entrar no museu. 10
  11. 11. Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, Sala de D. Fernando. Em Portugal, a extinção das ordens religiosas a partir de 1834 e o arrolamento dos respectivos bens disponibilizaram um vasto espólio de pintura, escultura, ourivesaria, mobiliário e têxteis. As acções de recolha, conservação e classificação conducentes a uma futura musealização foram definidas desde logo como a solução mais eficaz para a salvaguarda do património desafecto, ao mesmo tempo que, à semelhança dos modelos das grandes capitais europeias, se criavam as bases para a constituição de um museu nacional no âmbito da história da arte. A Exposição de Arte Ornamental de 1882 funcionou como propedêutica das linhas de actuação que iriam presidir ao futuro museu: criação de um comissariado que presidiu à selecção das peças e à elaboração do programa expositivo; organização do acervo por tipologias de material e fabrico e, nestas, tendencialmente, uma ordem cronológica; criação de suportes museográficos específicos; publicação de um catálogo ilustrado com litografias das peças mais importantes. Tal como era corrente à época, os objectos expostos estavam inevitavelmente desvinculados das suas funções e significados originais. Ou seja, nesta primeira fase da história da museologia, prevalece o valor artístico, patrimonial e histórico como critério expositivo, o que determina a profunda descontextualização do objecto religioso e a prevalência do valor material em detrimento da sua capacidade simbólica. 11
  12. 12. Museu Regional de Aveiro, c. 1912, sala das talhas. A implantação da República e a lei da separação entre a Igreja e o Estado, promulgada em 1911, configura uma nova fase museológica marcada pela instalação de museus regionais geralmente em edifícios retirados à posse eclesiástica e nos quais se apresentava o património móvel de matriz religiosa arrolado na diocese e suas limítrofes. O Museu Regional de Aveiro, fundado em 1911, ocupou parte do antigo Convento de Jesus, lugar de origem de parte do espólio, o que permitia reinserir algum mobiliário e alfaias, conjugando-os no ambiente original. Contudo, no restante, os critérios museológicos eram idênticos aos da fase anterior: primado do valor patrimonial e artístico; ordenação por tipologias materiais; critérios decorativos a presidir ao arranjo museográfico e uma exaustiva ocupação do espaço expositivo. No que se refere ao tema geral da contextualização do objecto, a museologia regional, ao permitir a permanência dos objectos junto às comunidades de origem, garante uma continuidade mais lógica do seu historial, mas não recupera ainda os dados relativos à sua funcionalidade litúrgica. 12
  13. 13. Museu da Sé de Coimbra, c. 1911: sala de ourivesaria. Nessa altura, foi o Museu da Sé de Coimbra que apresentou uma preocupação mais explícita e as soluções mais eficazes de aproximação ao contexto original do objecto e à representação do ritual. O processo de constituição do Museu foi idêntico aos Museu Nacional e dos Museus Regionais, excepto por ser de iniciativa eclesiástica. D. Manuel de Bastos Pina, Bispo de Coimbra, dado que a lei permitia que as alfaias de culto ficassem à guarda do Ordinário do lugar, construiu um espaço que funcionava, simultaneamente, como Tesouro da Sé e museu diocesano. A tutela eclesiástica do museu diocesano, ao garantir a permanência dos objectos próximo do respectivo lugar de origem, mantinha perspectivas de continuidade no serviço do culto ou, pelo menos, onde essa funcionalidade podia ser evocada e o seu significado correctamente apresentado. Embora, pelos relatos e registos fotográficos se depreenda que o museu não se afastava dos modelos museográficos coevos no que respeita ao arranjo das vitrinas e ao critério decorativo subjacente, registamos a intenção inovadora de elucidar alguns conjuntos de peças acerca da sua função no ritual litúrgico. 13
  14. 14. A antiga sala de paramentaria do Museu da Sé de Coimbra com o equipamento museográfico original. A vanguarda, neste museu, impôs-se também a nível museográfico. O equipamento, que ainda se conserva no local, foi desenhado em função dos objectos a expor. A importância deste museu foi reconhecida pelo próprio Estado que, em 1911, redefiniu o seu estatuto como museu nacional, como anexo ao Museu Machado de Castro, continuando sob a direcção do instituidor. Esta previdência, porém, permitiu que o espólio fosse depois integrado no Machado de Castro, onde passou a ser interpretado segundo critérios estilísticos e formais. Esta inversão no processo de contextualização do objecto religioso marca o panorama da história da museologia até à última década do século XX: ainda que tenham evoluído os conceitos museológicos e os métodos e as técnicas de exposição do património histórico e artístico, o objecto religioso é apresentado como objecto de arte. 14
  15. 15. Tesouro da Sé de Lisboa: segunda sala, conjunto relativo à Quaresma e Páscoa. Apenas é lícito falar de museologia religiosa em finais do século, quando, na sequência do Concílio Vaticano II, a Igreja, erradicando definitivamente o conceito de intocabilidade das alfaias litúrgicas, assuma a musealização como um destino possível do património litúrgico desafecto e um instrumento ao serviço da evangelização. O Tesouro da Sé de Lisboa é, em Portugal, a primeira iniciativa museológica a responder às determinações pós-conciliares dimanadas a partir da Comissão Pontifícia para os Bens Culturais da Igreja. Embora anteriormente o conjunto das alfaias e relíquias que constituem o tesouro fosse visitável nas dependências do Cabido, só em 1993 foi constituído como Museu de Arte Sacra da Sé Patriarcal. A intenção, expressa no roteiro, era “em primeiro lugar, convidar os visitantes a aperceberem-se do valor espiritual e religioso dos objectos e da finalidade para que foram criados”. A passagem de reserva a museu processou-se através de um discurso de cariz doutrinal, no qual os objectos são organizados pela sua utilização ao longo do ano litúrgico. Os critérios tipológicos ou diacrónicos são abandonados em favor da lógica subjacente à sua funcionalidade. A apresentação museológica continua a evidenciar o valor patrimonial e artístico do objecto, mas este passa a ser usado como código na explicação do ritual católico. 15
  16. 16. Tesouro da Sé de Lisboa: sala do Capítulo com insígnias do Patriarca (sedia gestatória e flabelos) A Sala do Capítulo foi igualmente musealizada sem que isto interfira com funcionalidade de sala de reuniões do Cabido da Sé. Estão aqui expostos os objectos não relacionados com a liturgia, como são as insígnias exclusivas do Patriarca de Lisboa, e recupera-se o conceito de Tesouro ao apresentar em caixa-forte, a peça mais valiosa da colecção sob o ponto de vista material e artístico. 16
  17. 17. Museu da Consolata: primeiro núcleo com representação da infância de Cristo O Museu da Consolata foi construído e projectado de raiz para apresentação do espólio recolhido por esta ordem missionária, além de outras colecções particulares entre as quais se salienta a da Sociedade Portuguesa das Missões Católicas Ultramarinas, constituindo um apreciável acervo de arte sacra portuguesa e etnografia. A circunstância da criação deste museu, em que intervieram museólogos e teólogos, permitiu a elaboração de um discurso coerente, tendo como fio condutor o percurso salvífico do nascimento de Cristo ao Pentecostes, que instaura o carisma da missão. Cada objecto funciona, por isso, com documento comprovativo ou ilustrativo da mensagem; a subvalorização dos critérios artísticos e patrimoniais permite inserir, ao logo do percurso expositivo, textos informativos, fichas de comentários, reproduções iconográficas a confirmar o sentido do discurso e o significado dos objectos expostos. 17
  18. 18. Museu da Consolata: segundo núcleo com representação do Calvário e reconstituição do altar Em complemento ao seu discurso global, o museu insere elementos de devoção popular, numa abordagem que se aproxima da museologia de território. Aqui permite-se uma estratégia de reconstituição de ambientes, onde se esbatem barreiras entre os objectos e dispositivo museográfico. 18
  19. 19. Exposição Encontro de Culturas A Exposição “Encontro de Culturas” foi a primeira grande exposição temporária organizada pela Conferência Episcopal Portuguesa de acordo com as instruções da Comissão Pontifícia para os Bens Culturais da Igreja. Embora seguisse uma orientação histórico-geográfica, a inovação parte do conceito de “encontro de culturas” que lhe permitia apresentar alfaias de uso litúrgico e representações iconográficas que, partindo de modelos europeus, inculturaram outras formas de expressão. Já noutras exposições de meados do século se havia apresentado objectos deste tipo, mas segundo uma perspectiva etnográfica e secundarizados face à matriz ocidental. Neste caso e de acordo com a indicação do Concílio Vaticano II, a intenção era valorizar “a arte de todos os povos e regiões” e através das variáveis encontradas elaborar o significado intrínseco a cada objecto. Na ausência de inventários sistematizados, a exposição teve, como ponto de partida, um trabalho exaustivo em todas as dioceses do país a fim de fazer o levantamento global das peças que pudessem servir o guião expositivo, o que permitiu criar uma base de dados com o património móvel relacionado com as missões, fazer o cruzamento de informações dispersas em várias instituições e estudar algumas tipologias menos conhecidas. 19
  20. 20. Exposição Encontro de Culturas Do ponto de vista museográfico, a exposição foi concebida como um projecto global, pelo que pôs um vasto número de técnicas e actividades complementares para a ilustração do tema proposto. No percurso expositivo, a reconstituição do contexto original das peças fazia-se, para lá da legendagem, através de ampliações fotográficas relacionadas com os assuntos ou regiões geográficas focadas, citações de autores coevos, fichas de comentário e textos informativos. 20
  21. 21. Exposição Cristo, Fonte de Esperança, Porto, 2000: núcleos “Dos sacrifícios antigos ao sacrifício de Cristo”, “Da fonte do deserto à eterna fonte” (à esquerda) e “Serviço da vida comunitária: ministério ordenado” (à direita) A exposição “Cristo, Fonte de Esperança”, organizada pela Diocese do Porto, por ocasião do Grande Jubileu do ano 2000, tinha como objectivo traduzir a doutrina, teologia e liturgia cristãs através do património artístico produzido em âmbito eclesiástico e contar a história do cristianismo em contexto português. Assumindo uma intenção simultaneamente informativa e catequética, o guião expositivo foi determinante na selecção das peças, igualmente precedida de um levantamento a nível nacional. O estudo das alfaias em função da liturgia em que se integravam e a análise das representações iconográficas em função do significado teológico que lhes estava associado constitui um modelo de estudo e uma referência para posteriores abordagens. Também no plano museográfico, se definia a apresentação dos objectos em função do seu significado e funcionalidade litúrgica. Num sentido inverso ao que acontece na museologia tradicional, o objecto, para lá do seu valor patrimonial ou artístico, está ao serviço de um conceito teológico. 21
  22. 22. 22
  23. 23. 23
  24. 24. 24

×