SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Vacinas Esquemas Comentários
Disponibilização
das vacinas
Gratuitamente
na rede pública
Clínicas
privadas de
vacinação
Tríplice viral
(sarampo,
caxumba
e rubéola)
É considerado protegido o adolescente que tenha recebido duas doses da vacina tríplice viral
acima de 1 ano de idade, e com intervalo mínimo de um mês entre elas.
Contraindicada para imunodeprimidos e gestantes.Até a idade de 12
anos, considerar aplicação de vacina combinada quádrupla viral (SCRV).
sim
SCR
sim
SCR ou SCRV
Hepatites A, B ou
A e B
Hepatite A: duas doses – no esquema 0 e 6 meses.
Adolescentes não vacinados na infância para as hepatites A e B devem
ser vacinados o mais precocemente possível para essas infecções.
A vacina combinada para as hepatites A e B é uma opção e pode
substituir a vacinação isolada para as hepatites A e B.
NÃO sim
Hepatite B: três doses – esquema 0, 1 e 6 meses. sim sim
Hepatite A e B: para menores de 16 anos: duas doses: 0 e 6 meses;
para maiores de 16 anos: três doses: 0, 1 e 6 meses.
NÃO sim
HPV
Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo VLPs dos tipos 6, 11, 16 e 18, licenciada
para meninas, meninos e jovens de 9 a 26 anos de idade; e outra contendo VLPs dos tipos 16 e
18, licenciada para meninas e mulheres a partir dos 9 anos de idade. O esquema de doses para
meninas e meninos é de três doses: 0, 1-2 e 6 meses.
A vacina HPV deve ser iniciada o mais precocemente possível.
O Programa Nacional de Imunizações (PNI) adotou esquema de
vacinação estendido: 0, 6 e 60 meses para meninas menores de 13 anos.
Vacina contraindicada em GESTANTES.
SIM. Vacina
HPV6,11,16,18
para meninas de
até 13 anos 11
meses e 29 dias
sim
Tríplice
bacteriana
acelular do tipo
adulto (dTpa) /
Difteria, tétano e
coqueluche
Com esquema de vacinação básico para tétano completo: reforço a partir dos 11 anos
com dTpa a cada sete a dez anos após a última dose. O uso da vacina dTpa, em substituição à dT, para adolescentes e adultos,
objetiva, além da proteção individual, a redução da transmissão da
bactéria Bordetella pertussis, principalmente para suscetíveis com alto
risco de complicações, como os lactentes.
Para indivíduos que pretendem viajar para países nos quais a poliomielite
é endêmica, ou na falta de dTpa, recomendar a vacina dTpa combinada
à pólio inativada (dTpa-VIP).
sim
dT
NÃO
dT
Com esquema de vacinação básico para tétano incompleto: uma dose de dTpa a
qualquer momento e completar a vacinação básica com uma ou duas doses de dT (dupla
bacteriana do tipo adulto) de forma a totalizar três doses de vacina contendo o componente
tetânico.
Em ambos os casos: na impossibilidade do uso da vacina dTpa, substituí-la pela vacina dT;
e na impossibilidade da aplicação das outras doses com dT, substituí-la pela vacina dTpa,
completando três doses da vacina com o componente tetânico.
não
dTpa
sim
dTpa
Varicela
(catapora)
Duas doses, com intervalo de três meses em menores de 13 anos e intervalo de um a três meses
em maiores de 13 anos.
Recomendada para aqueles sem história de infecção prévia.
Contraindicada para imunodeprimidos e gestantes.Até a idade de
12 anos, considerar a aplicação de vacina combinada quádrupla viral
(sarampo, caxumba, rubéola e varicela) para os adolescentes suscetíveis
à varicela.
NÃO sim
Influenza (gripe) Dose única anual. Recomendada para todos os adolescentes. NÃO sim
Meningocócica
conjugada ACWY
Aos 11 anos, seguida de uma dose de reforço cinco anos depois.
Na indisponibilidade da vacina meningocócica conjugada ACWY,
substituir pela vacina meningocócica C conjugada. NÃO sim
Meningocócica B Duas doses com intervalo de um mês.
Não se conhece ainda a duração da proteção e, consequentemente,
a necessidade de dose(s) de reforço.
NÃO sim
Febre amarela
Uma dose para residentes ou viajantes para áreas com recomendação da vacina (de acordo com
classificação do MS e da OMS). Se persistir o risco, fazer uma segunda dose dez anos após a
primeira.
Pode ser recomendada para atender às exigências sanitárias de
determinadas viagens internacionais.
Contraindicada para imunodeprimidos. Quando os riscos de adquirir a
doença superam os riscos potenciais da vacinação, o médico deve avaliar
sua utilização.
Vacinar pelo menos dez dias antes da viagem.
sim sim
Calendário de Vacinação do adolescente
Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – 2014/2015
ADOLESCENTE
17/6/2015 • Preferir vacinas combinadas • Sempre que possível, considerar aplicações simultâneas na mesma visita • Qualquer
dose não administrada na idade recomendada deve ser aplicada na visita subsequente • Eventos adversos significativos devem
ser notificados à Secretaria Municipal de Saúde • Algumas vacinas podem estar especialmente recomendadas para pacientes
portadores de comorbidades ou em outra situação especial. Consulte o Guia de vacinação SBIm pacientes especiais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxCalendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxJéssica Angelo
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susMarcos Nery
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaGhiordanno Bruno
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoErivaldo Rosendo
 
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)Carina Araki de Freitas
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúdeRicardo Alexandre
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saudedavinci ras
 

Mais procurados (20)

Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxCalendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdades
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDEEDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
 
História das Vacinas
História das VacinasHistória das Vacinas
História das Vacinas
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
 

Destaque

VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de PediatriaVACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de PediatriaProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)blogped1
 
Calendário de vacinação para crianças
Calendário de vacinação para criançasCalendário de vacinação para crianças
Calendário de vacinação para criançasjc_online
 
IBLCE - manual do candidato para a prova de CERTIFICAÇÃO em CONSULTOR em AMAM...
IBLCE - manual do candidato para a prova de CERTIFICAÇÃO em CONSULTOR em AMAM...IBLCE - manual do candidato para a prova de CERTIFICAÇÃO em CONSULTOR em AMAM...
IBLCE - manual do candidato para a prova de CERTIFICAÇÃO em CONSULTOR em AMAM...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
100 CHARGES contra a REDUÇÃO da MAIORIDADE PENAL (4a parte)
100 CHARGES contra a REDUÇÃO da MAIORIDADE PENAL (4a parte)100 CHARGES contra a REDUÇÃO da MAIORIDADE PENAL (4a parte)
100 CHARGES contra a REDUÇÃO da MAIORIDADE PENAL (4a parte)Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
DESENVOLVIMENTO INFANTIL - promoção na primeira infância: Síntese de evidênci...
DESENVOLVIMENTO INFANTIL - promoção na primeira infância: Síntese de evidênci...DESENVOLVIMENTO INFANTIL - promoção na primeira infância: Síntese de evidênci...
DESENVOLVIMENTO INFANTIL - promoção na primeira infância: Síntese de evidênci...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
IBCLE - Consultor Internacional Certificado em Aleitamento: Competências Clín...
IBCLE - Consultor Internacional Certificado em Aleitamento: Competências Clín...IBCLE - Consultor Internacional Certificado em Aleitamento: Competências Clín...
IBCLE - Consultor Internacional Certificado em Aleitamento: Competências Clín...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEPCalendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEPWALFRIDO Farias Gomes
 
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Apresentação Calendário Vacinal 2016
Apresentação Calendário Vacinal 2016Apresentação Calendário Vacinal 2016
Apresentação Calendário Vacinal 2016imunizacao
 
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasConservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasMaria Aparecida Bonfim
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunizaçãoLucas Matos
 
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de VacinasICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de VacinasRicardo Portela
 
Crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências linha de c...
Crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências   linha de c...Crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências   linha de c...
Crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências linha de c...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Destaque (17)

VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de PediatriaVACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
 
Vacina triviral
Vacina triviralVacina triviral
Vacina triviral
 
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
 
Calendario (1)
Calendario (1)Calendario (1)
Calendario (1)
 
Calendário de vacinação para crianças
Calendário de vacinação para criançasCalendário de vacinação para crianças
Calendário de vacinação para crianças
 
IBLCE - manual do candidato para a prova de CERTIFICAÇÃO em CONSULTOR em AMAM...
IBLCE - manual do candidato para a prova de CERTIFICAÇÃO em CONSULTOR em AMAM...IBLCE - manual do candidato para a prova de CERTIFICAÇÃO em CONSULTOR em AMAM...
IBLCE - manual do candidato para a prova de CERTIFICAÇÃO em CONSULTOR em AMAM...
 
100 CHARGES contra a REDUÇÃO da MAIORIDADE PENAL (4a parte)
100 CHARGES contra a REDUÇÃO da MAIORIDADE PENAL (4a parte)100 CHARGES contra a REDUÇÃO da MAIORIDADE PENAL (4a parte)
100 CHARGES contra a REDUÇÃO da MAIORIDADE PENAL (4a parte)
 
DESENVOLVIMENTO INFANTIL - promoção na primeira infância: Síntese de evidênci...
DESENVOLVIMENTO INFANTIL - promoção na primeira infância: Síntese de evidênci...DESENVOLVIMENTO INFANTIL - promoção na primeira infância: Síntese de evidênci...
DESENVOLVIMENTO INFANTIL - promoção na primeira infância: Síntese de evidênci...
 
IBCLE - Consultor Internacional Certificado em Aleitamento: Competências Clín...
IBCLE - Consultor Internacional Certificado em Aleitamento: Competências Clín...IBCLE - Consultor Internacional Certificado em Aleitamento: Competências Clín...
IBCLE - Consultor Internacional Certificado em Aleitamento: Competências Clín...
 
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEPCalendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
 
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
 
Apresentação Calendário Vacinal 2016
Apresentação Calendário Vacinal 2016Apresentação Calendário Vacinal 2016
Apresentação Calendário Vacinal 2016
 
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasConservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
 
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de VacinasICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
 
Trabalho vacinas
Trabalho vacinas Trabalho vacinas
Trabalho vacinas
 
Crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências linha de c...
Crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências   linha de c...Crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências   linha de c...
Crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências linha de c...
 

Semelhante a Vacinas adolescentes esquema resumo

Adolescentes 11 - 19 anos
Adolescentes 11 - 19 anosAdolescentes 11 - 19 anos
Adolescentes 11 - 19 anosOtavio Soria
 
Idoso - acima de 60 anos
Idoso - acima de 60 anosIdoso - acima de 60 anos
Idoso - acima de 60 anosOtavio Soria
 
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Calendário vacinal 2013 - SBP
Calendário vacinal 2013 - SBPCalendário vacinal 2013 - SBP
Calendário vacinal 2013 - SBPblogped1
 
Mulher - 20 a 59 anos
Mulher - 20 a 59 anosMulher - 20 a 59 anos
Mulher - 20 a 59 anosOtavio Soria
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxJssicaBizinoto
 
Homem - 20 a 59 anos
Homem - 20 a 59 anosHomem - 20 a 59 anos
Homem - 20 a 59 anosOtavio Soria
 
Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Ismael Costa
 
calend-sbim-adulto.pdf
calend-sbim-adulto.pdfcalend-sbim-adulto.pdf
calend-sbim-adulto.pdfWalaceSilva34
 
Crianca - 0 ate 10 anos
Crianca - 0 ate 10 anosCrianca - 0 ate 10 anos
Crianca - 0 ate 10 anosOtavio Soria
 
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosCalendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosFarmacêutico Digital
 
calend-sbim-idoso.pdf
calend-sbim-idoso.pdfcalend-sbim-idoso.pdf
calend-sbim-idoso.pdfWalaceSilva34
 
calend-sbim criança a idoso2022-2023.pdf
calend-sbim criança a idoso2022-2023.pdfcalend-sbim criança a idoso2022-2023.pdf
calend-sbim criança a idoso2022-2023.pdfWalaceSilva34
 
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Calendario14 sp atualizado
Calendario14 sp atualizadoCalendario14 sp atualizado
Calendario14 sp atualizadoLuana991
 

Semelhante a Vacinas adolescentes esquema resumo (20)

Adolescentes 11 - 19 anos
Adolescentes 11 - 19 anosAdolescentes 11 - 19 anos
Adolescentes 11 - 19 anos
 
Adolescente 2012
Adolescente 2012Adolescente 2012
Adolescente 2012
 
Idoso - acima de 60 anos
Idoso - acima de 60 anosIdoso - acima de 60 anos
Idoso - acima de 60 anos
 
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
 
Vacinacao 2013
Vacinacao 2013Vacinacao 2013
Vacinacao 2013
 
Calendário vacinal 2013 - SBP
Calendário vacinal 2013 - SBPCalendário vacinal 2013 - SBP
Calendário vacinal 2013 - SBP
 
Mulher - 20 a 59 anos
Mulher - 20 a 59 anosMulher - 20 a 59 anos
Mulher - 20 a 59 anos
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
 
Homem - 20 a 59 anos
Homem - 20 a 59 anosHomem - 20 a 59 anos
Homem - 20 a 59 anos
 
Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013
 
calend-sbim-adulto.pdf
calend-sbim-adulto.pdfcalend-sbim-adulto.pdf
calend-sbim-adulto.pdf
 
Crianca - 0 ate 10 anos
Crianca - 0 ate 10 anosCrianca - 0 ate 10 anos
Crianca - 0 ate 10 anos
 
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosCalendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
 
Calendário SBIM
Calendário SBIMCalendário SBIM
Calendário SBIM
 
calend-sbim-idoso.pdf
calend-sbim-idoso.pdfcalend-sbim-idoso.pdf
calend-sbim-idoso.pdf
 
calend-sbim criança a idoso2022-2023.pdf
calend-sbim criança a idoso2022-2023.pdfcalend-sbim criança a idoso2022-2023.pdf
calend-sbim criança a idoso2022-2023.pdf
 
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
 
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
 
Calendario14 sp atualizado
Calendario14 sp atualizadoCalendario14 sp atualizado
Calendario14 sp atualizado
 
Calendario vacinal 2014 São Paulo
Calendario vacinal 2014 São PauloCalendario vacinal 2014 São Paulo
Calendario vacinal 2014 São Paulo
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho

Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas" Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadePor políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoPré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoGuia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho (20)

Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
 
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
 
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
 
Leite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbianaLeite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbiana
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
 
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadePor políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
 
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vidaFIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
 
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBPConsulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
 
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúdeKangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
 
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoPré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
 
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
 
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
 
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
 
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoGuia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
 
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
 
CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023 CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
 

Vacinas adolescentes esquema resumo

  • 1. Vacinas Esquemas Comentários Disponibilização das vacinas Gratuitamente na rede pública Clínicas privadas de vacinação Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) É considerado protegido o adolescente que tenha recebido duas doses da vacina tríplice viral acima de 1 ano de idade, e com intervalo mínimo de um mês entre elas. Contraindicada para imunodeprimidos e gestantes.Até a idade de 12 anos, considerar aplicação de vacina combinada quádrupla viral (SCRV). sim SCR sim SCR ou SCRV Hepatites A, B ou A e B Hepatite A: duas doses – no esquema 0 e 6 meses. Adolescentes não vacinados na infância para as hepatites A e B devem ser vacinados o mais precocemente possível para essas infecções. A vacina combinada para as hepatites A e B é uma opção e pode substituir a vacinação isolada para as hepatites A e B. NÃO sim Hepatite B: três doses – esquema 0, 1 e 6 meses. sim sim Hepatite A e B: para menores de 16 anos: duas doses: 0 e 6 meses; para maiores de 16 anos: três doses: 0, 1 e 6 meses. NÃO sim HPV Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo VLPs dos tipos 6, 11, 16 e 18, licenciada para meninas, meninos e jovens de 9 a 26 anos de idade; e outra contendo VLPs dos tipos 16 e 18, licenciada para meninas e mulheres a partir dos 9 anos de idade. O esquema de doses para meninas e meninos é de três doses: 0, 1-2 e 6 meses. A vacina HPV deve ser iniciada o mais precocemente possível. O Programa Nacional de Imunizações (PNI) adotou esquema de vacinação estendido: 0, 6 e 60 meses para meninas menores de 13 anos. Vacina contraindicada em GESTANTES. SIM. Vacina HPV6,11,16,18 para meninas de até 13 anos 11 meses e 29 dias sim Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa) / Difteria, tétano e coqueluche Com esquema de vacinação básico para tétano completo: reforço a partir dos 11 anos com dTpa a cada sete a dez anos após a última dose. O uso da vacina dTpa, em substituição à dT, para adolescentes e adultos, objetiva, além da proteção individual, a redução da transmissão da bactéria Bordetella pertussis, principalmente para suscetíveis com alto risco de complicações, como os lactentes. Para indivíduos que pretendem viajar para países nos quais a poliomielite é endêmica, ou na falta de dTpa, recomendar a vacina dTpa combinada à pólio inativada (dTpa-VIP). sim dT NÃO dT Com esquema de vacinação básico para tétano incompleto: uma dose de dTpa a qualquer momento e completar a vacinação básica com uma ou duas doses de dT (dupla bacteriana do tipo adulto) de forma a totalizar três doses de vacina contendo o componente tetânico. Em ambos os casos: na impossibilidade do uso da vacina dTpa, substituí-la pela vacina dT; e na impossibilidade da aplicação das outras doses com dT, substituí-la pela vacina dTpa, completando três doses da vacina com o componente tetânico. não dTpa sim dTpa Varicela (catapora) Duas doses, com intervalo de três meses em menores de 13 anos e intervalo de um a três meses em maiores de 13 anos. Recomendada para aqueles sem história de infecção prévia. Contraindicada para imunodeprimidos e gestantes.Até a idade de 12 anos, considerar a aplicação de vacina combinada quádrupla viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) para os adolescentes suscetíveis à varicela. NÃO sim Influenza (gripe) Dose única anual. Recomendada para todos os adolescentes. NÃO sim Meningocócica conjugada ACWY Aos 11 anos, seguida de uma dose de reforço cinco anos depois. Na indisponibilidade da vacina meningocócica conjugada ACWY, substituir pela vacina meningocócica C conjugada. NÃO sim Meningocócica B Duas doses com intervalo de um mês. Não se conhece ainda a duração da proteção e, consequentemente, a necessidade de dose(s) de reforço. NÃO sim Febre amarela Uma dose para residentes ou viajantes para áreas com recomendação da vacina (de acordo com classificação do MS e da OMS). Se persistir o risco, fazer uma segunda dose dez anos após a primeira. Pode ser recomendada para atender às exigências sanitárias de determinadas viagens internacionais. Contraindicada para imunodeprimidos. Quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais da vacinação, o médico deve avaliar sua utilização. Vacinar pelo menos dez dias antes da viagem. sim sim Calendário de Vacinação do adolescente Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – 2014/2015 ADOLESCENTE 17/6/2015 • Preferir vacinas combinadas • Sempre que possível, considerar aplicações simultâneas na mesma visita • Qualquer dose não administrada na idade recomendada deve ser aplicada na visita subsequente • Eventos adversos significativos devem ser notificados à Secretaria Municipal de Saúde • Algumas vacinas podem estar especialmente recomendadas para pacientes portadores de comorbidades ou em outra situação especial. Consulte o Guia de vacinação SBIm pacientes especiais.