SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023
260
Amamentação e desenvolvimento
sensoriopsicomotor dos bebês:
“Trilhos anatômicos”, bases neurais da
motricidade do sistema estomatognático e
suas repercussões sistêmicas.
Breastfeeding and sensoripsychomotor development
of babies: “Anatomical trails”, neural bases of the
stomatognathic system’s motricity and its systemic repercussions
Juliana de Magalhães Faria1
, Antonio de Padua Ferreira Bueno2
, Marcus Renato de Carvalho3
1. Graduação – UFRJ – Janeiro 2000, Monitoria
– UFRJ – Instituto de Ciências Biomédicas,
Aprimoramento profissional RPG/RPM – Ree-
ducação Postural Global pelo Reequilíbrio Pro-
prioceptivo e muscular. CBF – UNI Sant, Anna
– SP, Fisioterapeuta Especialista em Assistên-
cia Integral à saúde materno infantil pela UFRJ.
2. Orientador. Ortodontista – Trabalha com Te-
rapia Crâniossacral.
3. Co-orientador. Docente da Faculdade de Medi-
cina da UFRJ, Editor do www.aleitamento.com
Endereço para correspondência:
Instagram: @Julianamfaria.fisio
Recebido para publicação em 08/11/2023 e acei-
to em 27/11/2023, após revisão.
Revisão
Resumo
O bebê é preparado para a amamentação desde a décima segunda semana de
gestação, quando inicia o ato reflexo de deglutir o líquido amniótico. A região do
encéfalo responsável pela elaboração desses primitivos atos motores é o tronco
encefálico. O neném adquire controle motor no sentido cefalocaudal. Isso se dá
porque a deposição de mielina obedece à mesma direção. Acrescente-se o fato de
o aumento expressivo dos prolongamentos de neurônios ocorrer, principalmente,
até os dois anos de idade. A amamentação, que deve ser mantida pelo menos até
que o lactente complete vinte e quatro meses de vida, ou mais, funcionaria como
uma forma de estimulação perfeita durante esse período crítico do desenvolvi-
mento motor. No lactente, fase em que predominam as ações motoras do orbicular
dos lábios e do bucinador (inervados pelo facial), a deglutição é visceral. Entre
cinco e oito meses de idade ocorre a erupção dos dentes incisivos decíduos. O
contato interincisal deflagra a mudança de dominância motora do facial para a do
trigêmeo. O padrão de deglutição muda de visceral para somático. Os músculos
masseter, pterigóideo medial e temporal (inervados pelo trigêmeo) fazem parte da
linha profunda anterior e se comunicam com o occiptofrontal (inervado pelo fa-
cial), limite cranial da linha superficial posterior. A atuação conjunta dessas duas
linhas miofasciais permite que o bebê abandone sua postura flexora com o forta-
lecimento gradual da musculatura extensora. A amamentação promove, portanto
um adequado sincronismo das ações motoras estimuladas pelos nervos facial e
trigêmeo, cujos núcleos se situam no tronco encefálico e estabelecem contato com
diversas vias neurais importantes para a organização dos movimentos. Influencia
o tônus neuromuscular, a postura e o desenvolvimento motor do lactente.
Palavras-chave: amamentação, sistema estomatognático, tônus neuromuscular,
postura, desenvolvimento motor.
261
Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023
Abstract
The infant is prepared for breast-feeding since the tenth week of pregnancy, when it starts the reflection act of swallowing
the amniotic liquid. The brain area responsible for activating theses primitive motor acts is the brain stem. The infant acquires
motor control in the course brain-caudal. This happens because the deposition of myelin obeys to the same course. Including
the fact of a meaningful increase of the nerves occur, mainly, until 2 years old. The breast-feeding, which should be kept for
at least until the nursing infants turns twenty-four months old, or older, it will work as a way of a perfect impulse along the
critical period of the motor development. In the nursing infant, time that the motor actions of the orbicular of the lips and the
buccinator muscle (innervated by facial), the swallowing is visceral. Among fifth and eighth months old happens the eruption
of the dropping fore tooth. The internal incisor teeth contact starts the facial motor dominance to the trigeminal nerve. The
swallowing standard changes from visceral to somatic. Masseter, medial pterygoid, and temporal muscles (innervated by
the trigeminal) take part of the former deep line and communicate with the occipitofrontal (innervated by the facial), cranial
limit of the posterior superficial line. The mutual action of these two myofascial lines allow that the infants leave their flexor
posture with the gradual strength of the extensor muscles. The breast-feeding promotes, thus, an appropriate synchronism
of motor actions incited by the facial and trigeminal nerves, which nucleous are located in the brain stem and have contact
with several neural via important to the organization of the movements. Influence the muscular tone, the posture and motor
development of the nursing infant.
Keywords: breast-feeding, stomatognathic system, neuromuscular tone, posture, motor development.
Introdução
O bebê nasce prematuro ainda que sua gestação seja de
nove meses. O recém-nascido é o mamífero mais dependente
de sua mãe em comparação as outras espécies. Existe uma
relação simbiótica entre mãe e filho que vai se amenizando
de acordo com o amadurecimento das habilidades motoras
do lactente, saindo do padrão de deglutição visceral ou in-
fantil para o padrão de deglutição somático ou maduro. As
vias neurais aferentes dos nervos facial e trigêmeo recebem
e conduzem as informações que levam às ações motoras
envolvidas na amamentação e deflagram estímulos para di-
versas vias neurais que liberam movimentos e sensações no
corpo todo do recém-nascido. O bebê só estaria pronto para
nascer com quatro meses de vida pós-natal, porém seu ta-
manho seria incompatível com o espaço do trajeto a ser per-
corrido durante o parto normal. Desta forma, após um nasci-
mento natural, a melhor maneira de ajudar o recém-nascido
a se adaptar ao novo mundo, seria esperar o cordão umbilical
parar de pulsar para depois corta-lo, assim o bebê receberia
oxigênio até aprender a respirar. Em seguida, é fundamen-
tal permitir o aleitamento materno na primeira hora após o
parto, pois o contato pele a pele, o cheiro de sua mãe, e a
ação de coordenar respiração, preensão, sucção e deglutição,
provendo o leite produzido exclusivamente para o lactente,
favorecem o seu adequado crescimento e desenvolvimento.
Metodologia
Foram realizados estudos de revisão bibliográfica de li-
vros, artigos, monografias e material didático oferecido por
cursos correlacionando a organização dos movimentos com
a ação das vias neurais envolvidas no processo de preensão,
sucção, respiração e deglutição. Observações clínicas na área
de Reeducação Postural Global pelo reequilíbrio propriocep-
tivo e muscular (RPG-RPM) analisando a relação existente
entre oclusão e postura. Avaliação do binômio mãe-bebê du-
rante o processo de amamentação, avaliando a qualidade de
movimentos que o lactente executa à medida que melhora a
preensão e a sucção na mama.
Resultados e discussão
Existe uma correlação entre oclusão e postura. As vias
neurais do trigêmeo e do facial participam de ações moto-
ras durante a amamentação que proporcionam um adequa-
do equilíbrio craniofacial. A organização de mudanças no
padrão de deglutição visceral ou infantil para o padrão de
deglutição somático ou maduro, associada a alterações pos-
turais que são perceptíveis, demonstrando a organização do
corpo em forma de linhas miofasciais. Dessa forma, a ama-
mentação estimula um adequado desenvolvimento senso-
riopsicomotor do lactente, de modo que nenhum outro re-
curso utilizado para alimentar o bebê consegue proporcionar.
Desenvolvimento
De acordo com Jerusalinsky (2006, p. 60)1
, Winnicott
(2005; 2006)2
e Lacan (1998)4
, o bebê humano, mesmo nas-
cendo após nove meses de gestação, deve ser considerado
prematuro, porque só estaria pronto para nascer com quatro
meses de vida pós-natal. Em virtude da imaturidade, nesse
período há uma relação simbiótica entre mãe e filho, pois o
bebê ainda se acha dentro do útero materno. Nessa fase de seu
desenvolvimento, ele ainda não se percebe como um sujeito.
Os primeiros reflexos nervosos se iniciam entre a oitava
e a nona semana de vida intra-uterina, exatamente na região
oronasal, sendo que o reflexo de deglutição se inicia em torno
da décima segunda semana com a ingestão de líquido amni-
ótico. Por causa dessa precocidade neurorreflexa, o neonato
apresenta movimentos mais coordenados na boca. As ações
neuromusculares inerentes à amamentação contribuem para
que ele vá gradativamente definindo sua individualidade.
O desenvolvimento sensoriomotor ocorre no sentido ce-
falocaudal e occiptofrontal sendo que o tronco encefálico é
a primeira estrutura encefálica a se desenvolver (Cernach,
2006)5
. Nessa estrutura estão os núcleos dos nervos trigêmeo
e facial que inervam os músculos envolvidos nos atos de pre-
ensão, sucção e deglutição, característicos da amamentação.
A amamentação funciona como a forma mais perfeita
e fisiológica de estimular o desenvolvimento sensoriopsico-
Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023
262
motor do bebê. Por isso, ela deve ser mantida até seis meses
de idade, de forma exclusiva e, até dois anos de idade ou
mais, associada a outros alimentos que deverão ser gradual-
mente introduzidos.
De trinta semanas de gestação até oito meses de vida
pós-natal ocorre o período crítico de mielinização dos neurô-
nios. Do sexto mês de vida intrauterina até dois anos de vida
pós-natal ocorre, em maior intensidade, o prolongamento
dos neurônios, do local de sua última divisão mitótica até a
região onde se localizarão definitivamente no córtex (Cer-
nach-2006)5
. Dessa forma e de modo geral, a via aérea do
bebê se libera em prono (com dias de vida) e ele se arrasta
por volta de 4 meses, engatinha e senta com 6 meses, fica em
posição ortostática aos 9 meses com apoio e anda sem apoio
por volta de um ano de idade (Bueno, 1997)6
.
Quando o bebê mama no peito, seus lábios ficam everti-
dos ao prenderem a aréola. A língua se mantém em contato
com a mama, realizando um movimento ondulatório, para
retirar o leite da mama e perfazer a deglutição. O mamilo
aumenta três vezes de tamanho, estimulando todo o palato.
Com o uso de mamadeiras, isso não acontece, seja qual for
á forma de bico utilizado (Bueno, 1991; Deodato, 2005)6,7
.
Quando o bebê nasce, sua alimentação tem de ser liqui-
da – idealmente o leite materno –, cuja ingestão se processa
com um tipo de deglutição denominada visceral ou infantil.
Nessa fase do desenvolvimento, os diversos movimentos ne-
cessários à deglutição na região oral se devem principalmen-
te à ação dos músculos periorais (orbicular dos lábios e buci-
nador, principalmente), inervados pelo nervo facial (Bueno,
1997; Deodato, 2005)6,7
.
No intervalo entre os cinco e os oito meses de idade,
quando ocorre a erupção dos dentes incisivos decíduos, co-
meça a mudança no padrão de atividade neuromuscular no
sistema estomatognático: o padrão de deglutição passa a ser
somático ou maduro (Bueno, 1997; Deodato, 2005)6,7
. O
contato entre os bordos incisais de incisivos decíduos supe-
riores e inferiores deflagra reflexos que envolvem os mús-
culos masseter, pterigóideo medial, temporal, responsáveis
principais pela mastigação, de modo que o nervo trigêmeo
passa a ter dominância funcional em relação ao nervo fa-
cial no tocante à fase oral da deglutição. Quando a dentição
decídua se completa com a erupção dos segundos molares
decíduos, o processo de mudança na atividade neuromuscu-
lar deve se consumar com o estabelecimento do padrão de
deglutição somático.
A mudança do padrão de deglutição é um evento de-
senvolvimental na área do sistema estomatognático que tem
uma relação sistêmica significativa com o desenvolvimento
postural e da coluna vertebral, além da coordenação da de-
glutição com a respiração nasal.
A normalidade funcional do sistema estomatognático
pode ser determinada pelo tríplice fechamento bucal, que
consiste na existência simultânea dos contatos interlabial,
línguopalatal (área importante para a propriocepção cons-
ciente) e linguovelar. Juntamente com o contato interincisal
essas são as áreas de maior atividade reflexógena na boca.
No neonato, a amamentação proporciona a estimulação de
todas essas áreas, o que propicia a necessária estimulação
do crescimento craniofacial e das articulações temporoman-
dibulares. Ao mesmo tempo, ativa movimentos em todo o
corpo do bebê que levam ao desenvolvimento das curvaturas
secundárias da coluna, do tônus e da postura (Bueno, 1997)6
.
A dinâmica funcional da amamentação contribui para o
desenvolvimento da coluna vertebral e da postura, visto que
o bebê, ao preender o complexo mamiloareolar deve fazer
abertura completa de sua boca, realizando também uma ex-
tensão na coluna cervical.
A relação da amamentação com a postura corporal pode
ser explicada pelo conceito de trilhos anatômicos que, se-
gundo Myers (2003)8
, consiste num sistema de estruturas
miofasciais. O recém-nascido apresenta uma postura em fle-
xão, devido a hipertonia nos membros e hipotonia no tronco
(Bueno, 1997)6
. A coluna vertebral apresenta as curvaturas
primárias, as cifoses dorsal e sacrococcígea.
Como o bebê deglute o líquido amniótico desde a 12.ª
semana de gestação a musculatura envolvida na deglutição,
na inspiração, os rotadores internos e os adutores dos mem-
bros são mais tônicos e, no seu limite cranial, fazem parte
da linha anterior profunda, inervada pelo trigêmeo e pelo
facial (Myers, 2003)8
.
No bebê, essa linha anterior profunda deve ser fortaleci-
da pela amamentação que estimula a coordenação das ações
de respiração, preensão, sucção, e deglutição, e abre caminho
para a extensão do corpo, pela ação do nervo facial, que inerva
o occiptofrontal, limite cranial da linha superficial posterior.
À medida que o bebê adquire controle anteroposterior
(linha superficial anterior – linha superficial posterior), ad-
quire também o controle motor da cabeça. Começa então a
pegar os objetos na linha média, pela ação das linhas dos
membros superiores. Inicia o rolar em bloco, pelas linhas la-
terais. Começa a arrastar e engatinhar, pelas linhas oblíquas
e funcionais, preparando-se para andar, ao dissociar as cin-
turas (Myers, 2003)8
.
Através da intercomunicação central do nervo facial
com a via vestíbulo espinal, a extensão do corpo é ativada,
formando assim as curvaturas secundárias da coluna verte-
bral, as lordoses cervical e lombar (Myers, 2003)8
.
O controle central da sensibilidade do sistema estoma-
tognático é realizada pelos núcleos do nervo trigêmeo (3 nú-
cleos sensitivos) e do nervo facial (Machado, 2006)9
. Situa-
dos no tronco encefálico esses núcleos recebem e integram
os estímulos físicos e químicos aferentes, através da subs-
tância reticular. Dando sequência às conexões centrais, os
sistemas piramidal e extrapiramidal são ativados, liberando
estímulos motores para todo o corpo. Por isso à medida que
o bebê prende melhor o complexo mamilo areolar, ele realiza
movimentos de flexão em extremidades e movimentos alter-
nados nos membros.
Os núcleos sensitivos dos nervos trigêmeo e facial são
elaboradores das aferências recebidas na área do sistema es-
tomatognático. Através da amamentação, o bebê recebe estí-
mulos físicos (propriocepção, tato, pressão, vibração, calor,
audição) e químicos (olfação e gustação). Esses estímulos
são enviados ao córtex cerebral, na maioria das vezes, via
tálamo e voltam ativando as vias eferentes (sistema pirami-
dal e extrapiramidal). Com a erupção dos incisivos decíduos
263
Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023
(por volta de cinco a oito meses de idade), a língua sai de
uma posição de contato com os lábios em repouso e se posi-
ciona mais posteriormente, elevando-se e tocando no palato
duro na altura da papila incisiva. Concomitantemente, o bebê
passa a ter consciência do próprio corpo e de sua individuali-
dade, através da ativação da área de propriocepção conscien-
te (Bueno, 1991)6
. Facilitando o desenvolvimento da pro-
priocepção consciente, e a saída de uma postura em flexão,
fortalecendo de dentro para fora (linha profunda anterior, li-
nha superficial posterior, linha superficial anterior, linha dos
membros superiores, linhas oblíquas e linhas funcionais), a
amamentação também colabora para que a simbiose entre
mãe e filho vá se “amenizando” lentamente (Jerusalinsky,
2006; Goos, 2010)1,10
.
A postura em extensão do adulto se estabelece por volta
dos dois anos de idade, quando o valgo fisiológico se desfaz,
e as patelas se voltam para frente. (Myers, 2003; Machado,
2006; Doretto, 2005)8,9,11
.
O processo de coordenação da deglutição e da respira-
ção nasal ocorre porque o bebê é obrigado a respirar pelo
nariz, visto que seus lábios ficam evertidos ao prenderem a
aréola, vedando assim a entrada de ar pela boca.
O neonato deve ser amamentado, ora do lado direito e,
depois do lado esquerdo. A cabeça deve ser posicionada no
ângulo do cotovelo do membro superior de sua mãe, sendo
levado ao seio por ela, mantendo sua barriga em contato com
a dela. O bebê experimentará a sensação de transferência de
peso nos dois dimídios. A mão que está no lado não depen-
dente explora o corpo materno. Com isso, o lactente aprende
a reconhecer o ambiente e a transferir o peso com os dois
dimídios. Um ouvido fica um pouco ocluído no ângulo do
cotovelo de sua mãe, enquanto o outro é liberado para estí-
mulos auditivos, mais intensos. O contato visual entre mãe
e filho é constante. Dessa forma, a criança recebe múltiplas
aferências ao mesmo tempo. A interação com a mãe duran-
te a amamentação enseja estímulos de calor, tato, pressão,
vibração, visão, audição, gustação, além da estimulação do
palato com a postura e a movimentação corretas dos lábios e
da língua. Dessarte, ao ser estimulado ao reconhecimento do
seu próprio corpo, o bebê aprende a definir o lugar que ele
ocupa em sua família e no mundo.
A amamentação é, portanto, de todos os pontos de vista,
o método mais fisiológico e eficaz de favorecer o adequado
desenvolvimento sensoriopsicomotor do bebê e com o leite
de melhor qualidade, feito exclusivamente para ele, (Deoda-
to, 2005; Carvalho, 2005)7,12
.
Conclusão
Os primeiros reflexos nervosos se iniciam entre a oitava
e nona semana de vida intrauterina, exatamente na área oro-
nasal. O lactente apresenta movimentos mais coordenados
na boca, por isso, ele descobre sua individualidade através
das ações neuromusculares que a amamentação proporciona.
Estudos comprovam a ligação entre oclusão e postura.
Por exemplo, quando uma pessoa possui o hábito de mas-
tigar apenas de um lado, seu corpo tende a se inclinar para
esse lado. Quando o maxilar se encontra em posição muito
anterior em relação à mandíbula e à base do crânio, a ca-
beça sofre um deslocamento anterior, a cervical se retifica,
há uma diminuição da cifose dorsal e o centro de gravidade
se desloca para frente. Por outro lado, no caso da mordida
cruzada, todas as curvaturas da coluna sofrem retificação, fa-
zendo com que o centro de gravidade sofra um deslocamento
para a região posterior.
Desse modo, trigêmeo e facial recebem, comparam e
integram grande parte das informações exteroceptivas con-
duzidas pelos pares de nervos cranianos ao tronco encefá-
lico. A maioria das aferências, de alguma forma, chega ao
tálamo, segue para o cortex cerebral, onde são elaboradas as
respostas motoras conscientes (Bueno, 1991)6
. E estimulam
movimentos no corpo do bebê, se comunicando com as vias
facilitadoras de motoneurônios alfa e gama (sistema pirami-
dal movimentos de flexão em extremidades do corpo; via
corticorreticuloespinal anterior - com a mesma função do
sistema piramidal) e com a via inibidora de motoneuronios
alfa e gama (via corticorreticuloespinal lateral que propor-
ciona melhor qualidade das ações motoras).
Enfim, os movimentos decorrentes das atividades do tri-
gêmeo e do facial durante a amamentação ajudam a formar
as curvaturas secundarias da coluna vertebral e favorecem
o desenvolvimento sensoriopsicomotor dos lactentes, atra-
vés de estimulação completa das vias neurais envolvidas na
elaboração de movimentos no corpo do bebê. Fortalecendo
gradualmente a sua musculatura extensora, o bebê abando-
na a postura em flexão, fisiologicamente, à medida em que
se organiza, realizando dissociação de cinturas escapular e
pélvica para poder deambular com equilíbrio e ter reações
posturais adequadas durante o processo de mielinização dos
neurônios e de migração neuronal.
Esse fenômeno acontece durante a mudança do padrão
de deglutição infantil ou visceral para o padrão de degluti-
ção somático ou maduro que se concretiza com a mudan-
ça de dominância neuromuscular do nervo facial para a do
nervo trigêmeo.
Figura 1: Mamada com correta apreensão do complexo mami-
lo-areolar, posicionando o mamilo entre os rodetes gengivais
e os lábios, fazendo um selamento competente anterior e um
competente posterior, quando atinge a zona de união do véu do
palato mole com o palato duro e a língua ocupa quase totalmen-
te a cavidade oral. VI: válvula nasal, V2: válvula de selamento
anterior, V3: válvula do selamento oral posterior (úvula), V4:
válvula da epiglote, V5: língua e V6: laringe. (Deodato, V.)7
.
Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023
264
Figura 2: Zonas de maior atividade reflexógena na área bucal:
(1) Contacto interlabial; (2) Contacto interincisal; (3) Contacto
linguopalatal; (4) Contacto linguovelar. (Bueno, A.P.deF.)6
Figura 4: As alternâncias entre as curvaturas primárias e secun-
dárias da coluna podem ser observadas à medida que se esten-
dem por toda a parte dorsal do corpo. A LSP ascende por trás de
todas essas curvaturas. (Myers, T.W.)8
Figura 3: Linha Profunda Anterior. (Myers, T.W)8
Referências
1. Jerusalinsky, A. Operações Simbólicas – Primeiros Desafios. Revista: A Mente do
Bebê V.1; 2006; p. 60.
2. Winnicott, D.W. A família e o desenvolvimento individual. Irad. Marcelo Bran-
dão Cipolla. João Paulo. Editora Martins, 2005.
3. Winnicott, D.W. O bebê e suas mães. A mãe dedicada comum. João Paulo: Martins
Fontes, 2006
4. Lacan, J. O Estádio do Espelho como Formador da Função do Eu, (1949. In Escri-
tos. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Hahar, 1998.
5. Cernach, M.C.P.S. Embriologia – Gênese da Mente. Revista: A Mente do Bebê.
São Paulo, V.1, n.8; 2006 p. 15.
6. Bueno, A.deP.F. Crescimento Craniofacial – Uma Interpretação Sistêmica. Cap. 8.
Processo de Crescimento Craniofacial. Rio de Janeiro, 1997, p. 185-242. Introdução
às Bases Cibernéticas da Ortopedia Dentofaciall. Rio de Janeiro: Europa , 1991.
7. Deodatto, V. Amamentação – O Melhor Início para a Vida. São Paulo: Livraria
Santos Editora, 2005.
8. Myers, T.V. Trilhos Anatômicos: Meridianos Miofasciais para Terapeutas Ma-
nuais e do Movimento. Tradução por Edson A. Liberti. 1 ed. Barueri; SP; Editora
Manole; 2003.
9. Machado, Â.B.M. Neuroanatomia Funcional. Cap. 12 – Nervos Cranianos. 2 ed.
Editora Atheneu; SP, RJ e BH. 2006. p. 119-128.
10. Goos, A.F.G. Monografia apresentada para o curso de Psicopedagogia apresentada
para o Curso de Psicopedagogia Clínica e Institucional da Universidade Estadual
Paulista UNESP/FCL – Araraquara – 2010.
11. Doretto, D. Fisiopatologia Clínica do Sistema Nervoso: Fundamentos da Semiolo-
gia. Cap. 3. Fisiopatologia das Estruturas Supraespinais que atuam sobre a Motri-
cidade: “O Sistema Piramidal”. 2 ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2005.
12. Carvalho, G.D.de. Enfoque Odontológico. In: Carvalho, M.R.de; Tavares, LA.
Amamentação: Bases Científicas. 3 ed. Rio de Janeiro, Ed. GEN/2010.
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC

feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdffeb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdfAyrttonAnacleto2
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologiaBruno Rezende
 
Psicologi 5 GRUPO.pptx
Psicologi 5 GRUPO.pptxPsicologi 5 GRUPO.pptx
Psicologi 5 GRUPO.pptxAximenesMarcos
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...Raphaela Marques
 
Dgs promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Dgs   promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)Dgs   promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Dgs promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)Joana Leitão
 
2014 uel edespecial_pdp_silvia_regina_candeo_fontanini
2014 uel edespecial_pdp_silvia_regina_candeo_fontanini2014 uel edespecial_pdp_silvia_regina_candeo_fontanini
2014 uel edespecial_pdp_silvia_regina_candeo_fontaniniMarcliaAmorim
 
AmamentaçãO Natural Como Fonte De PrevençãO Em SaúDe
AmamentaçãO Natural Como Fonte De PrevençãO Em SaúDeAmamentaçãO Natural Como Fonte De PrevençãO Em SaúDe
AmamentaçãO Natural Como Fonte De PrevençãO Em SaúDeBiblioteca Virtual
 
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criançaAleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criançaProama Projeto Amamentar
 
Resumo de ciências mensal 1º bimestre
Resumo de ciências mensal 1º bimestreResumo de ciências mensal 1º bimestre
Resumo de ciências mensal 1º bimestrealpisveredas
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Proqualis
 
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011UNISUL
 
Surface Electromyography Of Facial Muscles During Natural And Artificial Feed...
Surface Electromyography Of Facial Muscles During Natural And Artificial Feed...Surface Electromyography Of Facial Muscles During Natural And Artificial Feed...
Surface Electromyography Of Facial Muscles During Natural And Artificial Feed...Biblioteca Virtual
 
Resumo de ciências mensal 1º bimestre
Resumo de ciências mensal 1º bimestreResumo de ciências mensal 1º bimestre
Resumo de ciências mensal 1º bimestrealpisveredas
 

Semelhante a Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC (20)

feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdffeb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologia
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologia
 
Apostila gestantes
Apostila gestantesApostila gestantes
Apostila gestantes
 
Psicologi 5 GRUPO.pptx
Psicologi 5 GRUPO.pptxPsicologi 5 GRUPO.pptx
Psicologi 5 GRUPO.pptx
 
Promocaodo aleitamento
Promocaodo aleitamentoPromocaodo aleitamento
Promocaodo aleitamento
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
 
Dgs promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Dgs   promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)Dgs   promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Dgs promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
 
2014 uel edespecial_pdp_silvia_regina_candeo_fontanini
2014 uel edespecial_pdp_silvia_regina_candeo_fontanini2014 uel edespecial_pdp_silvia_regina_candeo_fontanini
2014 uel edespecial_pdp_silvia_regina_candeo_fontanini
 
Fecundação, gravidez e parto
Fecundação, gravidez e partoFecundação, gravidez e parto
Fecundação, gravidez e parto
 
AmamentaçãO Natural Como Fonte De PrevençãO Em SaúDe
AmamentaçãO Natural Como Fonte De PrevençãO Em SaúDeAmamentaçãO Natural Como Fonte De PrevençãO Em SaúDe
AmamentaçãO Natural Como Fonte De PrevençãO Em SaúDe
 
Sistea genital
Sistea genitalSistea genital
Sistea genital
 
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criançaAleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
 
Resumo de ciências mensal 1º bimestre
Resumo de ciências mensal 1º bimestreResumo de ciências mensal 1º bimestre
Resumo de ciências mensal 1º bimestre
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
 
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento MaternoAbordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
 
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
 
Surface Electromyography Of Facial Muscles During Natural And Artificial Feed...
Surface Electromyography Of Facial Muscles During Natural And Artificial Feed...Surface Electromyography Of Facial Muscles During Natural And Artificial Feed...
Surface Electromyography Of Facial Muscles During Natural And Artificial Feed...
 
Resumo de ciências mensal 1º bimestre
Resumo de ciências mensal 1º bimestreResumo de ciências mensal 1º bimestre
Resumo de ciências mensal 1º bimestre
 
Um toque de amor
Um toque de amorUm toque de amor
Um toque de amor
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas" Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadePor políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoPré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoGuia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho (20)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
 
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
 
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
 
Leite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbianaLeite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbiana
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
 
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadePor políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
 
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vidaFIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
 
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBPConsulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
 
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúdeKangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
 
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoPré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
 
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
 
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
 
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
 
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoGuia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
 

Último

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC

  • 1. Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023 260 Amamentação e desenvolvimento sensoriopsicomotor dos bebês: “Trilhos anatômicos”, bases neurais da motricidade do sistema estomatognático e suas repercussões sistêmicas. Breastfeeding and sensoripsychomotor development of babies: “Anatomical trails”, neural bases of the stomatognathic system’s motricity and its systemic repercussions Juliana de Magalhães Faria1 , Antonio de Padua Ferreira Bueno2 , Marcus Renato de Carvalho3 1. Graduação – UFRJ – Janeiro 2000, Monitoria – UFRJ – Instituto de Ciências Biomédicas, Aprimoramento profissional RPG/RPM – Ree- ducação Postural Global pelo Reequilíbrio Pro- prioceptivo e muscular. CBF – UNI Sant, Anna – SP, Fisioterapeuta Especialista em Assistên- cia Integral à saúde materno infantil pela UFRJ. 2. Orientador. Ortodontista – Trabalha com Te- rapia Crâniossacral. 3. Co-orientador. Docente da Faculdade de Medi- cina da UFRJ, Editor do www.aleitamento.com Endereço para correspondência: Instagram: @Julianamfaria.fisio Recebido para publicação em 08/11/2023 e acei- to em 27/11/2023, após revisão. Revisão Resumo O bebê é preparado para a amamentação desde a décima segunda semana de gestação, quando inicia o ato reflexo de deglutir o líquido amniótico. A região do encéfalo responsável pela elaboração desses primitivos atos motores é o tronco encefálico. O neném adquire controle motor no sentido cefalocaudal. Isso se dá porque a deposição de mielina obedece à mesma direção. Acrescente-se o fato de o aumento expressivo dos prolongamentos de neurônios ocorrer, principalmente, até os dois anos de idade. A amamentação, que deve ser mantida pelo menos até que o lactente complete vinte e quatro meses de vida, ou mais, funcionaria como uma forma de estimulação perfeita durante esse período crítico do desenvolvi- mento motor. No lactente, fase em que predominam as ações motoras do orbicular dos lábios e do bucinador (inervados pelo facial), a deglutição é visceral. Entre cinco e oito meses de idade ocorre a erupção dos dentes incisivos decíduos. O contato interincisal deflagra a mudança de dominância motora do facial para a do trigêmeo. O padrão de deglutição muda de visceral para somático. Os músculos masseter, pterigóideo medial e temporal (inervados pelo trigêmeo) fazem parte da linha profunda anterior e se comunicam com o occiptofrontal (inervado pelo fa- cial), limite cranial da linha superficial posterior. A atuação conjunta dessas duas linhas miofasciais permite que o bebê abandone sua postura flexora com o forta- lecimento gradual da musculatura extensora. A amamentação promove, portanto um adequado sincronismo das ações motoras estimuladas pelos nervos facial e trigêmeo, cujos núcleos se situam no tronco encefálico e estabelecem contato com diversas vias neurais importantes para a organização dos movimentos. Influencia o tônus neuromuscular, a postura e o desenvolvimento motor do lactente. Palavras-chave: amamentação, sistema estomatognático, tônus neuromuscular, postura, desenvolvimento motor.
  • 2. 261 Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023 Abstract The infant is prepared for breast-feeding since the tenth week of pregnancy, when it starts the reflection act of swallowing the amniotic liquid. The brain area responsible for activating theses primitive motor acts is the brain stem. The infant acquires motor control in the course brain-caudal. This happens because the deposition of myelin obeys to the same course. Including the fact of a meaningful increase of the nerves occur, mainly, until 2 years old. The breast-feeding, which should be kept for at least until the nursing infants turns twenty-four months old, or older, it will work as a way of a perfect impulse along the critical period of the motor development. In the nursing infant, time that the motor actions of the orbicular of the lips and the buccinator muscle (innervated by facial), the swallowing is visceral. Among fifth and eighth months old happens the eruption of the dropping fore tooth. The internal incisor teeth contact starts the facial motor dominance to the trigeminal nerve. The swallowing standard changes from visceral to somatic. Masseter, medial pterygoid, and temporal muscles (innervated by the trigeminal) take part of the former deep line and communicate with the occipitofrontal (innervated by the facial), cranial limit of the posterior superficial line. The mutual action of these two myofascial lines allow that the infants leave their flexor posture with the gradual strength of the extensor muscles. The breast-feeding promotes, thus, an appropriate synchronism of motor actions incited by the facial and trigeminal nerves, which nucleous are located in the brain stem and have contact with several neural via important to the organization of the movements. Influence the muscular tone, the posture and motor development of the nursing infant. Keywords: breast-feeding, stomatognathic system, neuromuscular tone, posture, motor development. Introdução O bebê nasce prematuro ainda que sua gestação seja de nove meses. O recém-nascido é o mamífero mais dependente de sua mãe em comparação as outras espécies. Existe uma relação simbiótica entre mãe e filho que vai se amenizando de acordo com o amadurecimento das habilidades motoras do lactente, saindo do padrão de deglutição visceral ou in- fantil para o padrão de deglutição somático ou maduro. As vias neurais aferentes dos nervos facial e trigêmeo recebem e conduzem as informações que levam às ações motoras envolvidas na amamentação e deflagram estímulos para di- versas vias neurais que liberam movimentos e sensações no corpo todo do recém-nascido. O bebê só estaria pronto para nascer com quatro meses de vida pós-natal, porém seu ta- manho seria incompatível com o espaço do trajeto a ser per- corrido durante o parto normal. Desta forma, após um nasci- mento natural, a melhor maneira de ajudar o recém-nascido a se adaptar ao novo mundo, seria esperar o cordão umbilical parar de pulsar para depois corta-lo, assim o bebê receberia oxigênio até aprender a respirar. Em seguida, é fundamen- tal permitir o aleitamento materno na primeira hora após o parto, pois o contato pele a pele, o cheiro de sua mãe, e a ação de coordenar respiração, preensão, sucção e deglutição, provendo o leite produzido exclusivamente para o lactente, favorecem o seu adequado crescimento e desenvolvimento. Metodologia Foram realizados estudos de revisão bibliográfica de li- vros, artigos, monografias e material didático oferecido por cursos correlacionando a organização dos movimentos com a ação das vias neurais envolvidas no processo de preensão, sucção, respiração e deglutição. Observações clínicas na área de Reeducação Postural Global pelo reequilíbrio propriocep- tivo e muscular (RPG-RPM) analisando a relação existente entre oclusão e postura. Avaliação do binômio mãe-bebê du- rante o processo de amamentação, avaliando a qualidade de movimentos que o lactente executa à medida que melhora a preensão e a sucção na mama. Resultados e discussão Existe uma correlação entre oclusão e postura. As vias neurais do trigêmeo e do facial participam de ações moto- ras durante a amamentação que proporcionam um adequa- do equilíbrio craniofacial. A organização de mudanças no padrão de deglutição visceral ou infantil para o padrão de deglutição somático ou maduro, associada a alterações pos- turais que são perceptíveis, demonstrando a organização do corpo em forma de linhas miofasciais. Dessa forma, a ama- mentação estimula um adequado desenvolvimento senso- riopsicomotor do lactente, de modo que nenhum outro re- curso utilizado para alimentar o bebê consegue proporcionar. Desenvolvimento De acordo com Jerusalinsky (2006, p. 60)1 , Winnicott (2005; 2006)2 e Lacan (1998)4 , o bebê humano, mesmo nas- cendo após nove meses de gestação, deve ser considerado prematuro, porque só estaria pronto para nascer com quatro meses de vida pós-natal. Em virtude da imaturidade, nesse período há uma relação simbiótica entre mãe e filho, pois o bebê ainda se acha dentro do útero materno. Nessa fase de seu desenvolvimento, ele ainda não se percebe como um sujeito. Os primeiros reflexos nervosos se iniciam entre a oitava e a nona semana de vida intra-uterina, exatamente na região oronasal, sendo que o reflexo de deglutição se inicia em torno da décima segunda semana com a ingestão de líquido amni- ótico. Por causa dessa precocidade neurorreflexa, o neonato apresenta movimentos mais coordenados na boca. As ações neuromusculares inerentes à amamentação contribuem para que ele vá gradativamente definindo sua individualidade. O desenvolvimento sensoriomotor ocorre no sentido ce- falocaudal e occiptofrontal sendo que o tronco encefálico é a primeira estrutura encefálica a se desenvolver (Cernach, 2006)5 . Nessa estrutura estão os núcleos dos nervos trigêmeo e facial que inervam os músculos envolvidos nos atos de pre- ensão, sucção e deglutição, característicos da amamentação. A amamentação funciona como a forma mais perfeita e fisiológica de estimular o desenvolvimento sensoriopsico-
  • 3. Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023 262 motor do bebê. Por isso, ela deve ser mantida até seis meses de idade, de forma exclusiva e, até dois anos de idade ou mais, associada a outros alimentos que deverão ser gradual- mente introduzidos. De trinta semanas de gestação até oito meses de vida pós-natal ocorre o período crítico de mielinização dos neurô- nios. Do sexto mês de vida intrauterina até dois anos de vida pós-natal ocorre, em maior intensidade, o prolongamento dos neurônios, do local de sua última divisão mitótica até a região onde se localizarão definitivamente no córtex (Cer- nach-2006)5 . Dessa forma e de modo geral, a via aérea do bebê se libera em prono (com dias de vida) e ele se arrasta por volta de 4 meses, engatinha e senta com 6 meses, fica em posição ortostática aos 9 meses com apoio e anda sem apoio por volta de um ano de idade (Bueno, 1997)6 . Quando o bebê mama no peito, seus lábios ficam everti- dos ao prenderem a aréola. A língua se mantém em contato com a mama, realizando um movimento ondulatório, para retirar o leite da mama e perfazer a deglutição. O mamilo aumenta três vezes de tamanho, estimulando todo o palato. Com o uso de mamadeiras, isso não acontece, seja qual for á forma de bico utilizado (Bueno, 1991; Deodato, 2005)6,7 . Quando o bebê nasce, sua alimentação tem de ser liqui- da – idealmente o leite materno –, cuja ingestão se processa com um tipo de deglutição denominada visceral ou infantil. Nessa fase do desenvolvimento, os diversos movimentos ne- cessários à deglutição na região oral se devem principalmen- te à ação dos músculos periorais (orbicular dos lábios e buci- nador, principalmente), inervados pelo nervo facial (Bueno, 1997; Deodato, 2005)6,7 . No intervalo entre os cinco e os oito meses de idade, quando ocorre a erupção dos dentes incisivos decíduos, co- meça a mudança no padrão de atividade neuromuscular no sistema estomatognático: o padrão de deglutição passa a ser somático ou maduro (Bueno, 1997; Deodato, 2005)6,7 . O contato entre os bordos incisais de incisivos decíduos supe- riores e inferiores deflagra reflexos que envolvem os mús- culos masseter, pterigóideo medial, temporal, responsáveis principais pela mastigação, de modo que o nervo trigêmeo passa a ter dominância funcional em relação ao nervo fa- cial no tocante à fase oral da deglutição. Quando a dentição decídua se completa com a erupção dos segundos molares decíduos, o processo de mudança na atividade neuromuscu- lar deve se consumar com o estabelecimento do padrão de deglutição somático. A mudança do padrão de deglutição é um evento de- senvolvimental na área do sistema estomatognático que tem uma relação sistêmica significativa com o desenvolvimento postural e da coluna vertebral, além da coordenação da de- glutição com a respiração nasal. A normalidade funcional do sistema estomatognático pode ser determinada pelo tríplice fechamento bucal, que consiste na existência simultânea dos contatos interlabial, línguopalatal (área importante para a propriocepção cons- ciente) e linguovelar. Juntamente com o contato interincisal essas são as áreas de maior atividade reflexógena na boca. No neonato, a amamentação proporciona a estimulação de todas essas áreas, o que propicia a necessária estimulação do crescimento craniofacial e das articulações temporoman- dibulares. Ao mesmo tempo, ativa movimentos em todo o corpo do bebê que levam ao desenvolvimento das curvaturas secundárias da coluna, do tônus e da postura (Bueno, 1997)6 . A dinâmica funcional da amamentação contribui para o desenvolvimento da coluna vertebral e da postura, visto que o bebê, ao preender o complexo mamiloareolar deve fazer abertura completa de sua boca, realizando também uma ex- tensão na coluna cervical. A relação da amamentação com a postura corporal pode ser explicada pelo conceito de trilhos anatômicos que, se- gundo Myers (2003)8 , consiste num sistema de estruturas miofasciais. O recém-nascido apresenta uma postura em fle- xão, devido a hipertonia nos membros e hipotonia no tronco (Bueno, 1997)6 . A coluna vertebral apresenta as curvaturas primárias, as cifoses dorsal e sacrococcígea. Como o bebê deglute o líquido amniótico desde a 12.ª semana de gestação a musculatura envolvida na deglutição, na inspiração, os rotadores internos e os adutores dos mem- bros são mais tônicos e, no seu limite cranial, fazem parte da linha anterior profunda, inervada pelo trigêmeo e pelo facial (Myers, 2003)8 . No bebê, essa linha anterior profunda deve ser fortaleci- da pela amamentação que estimula a coordenação das ações de respiração, preensão, sucção, e deglutição, e abre caminho para a extensão do corpo, pela ação do nervo facial, que inerva o occiptofrontal, limite cranial da linha superficial posterior. À medida que o bebê adquire controle anteroposterior (linha superficial anterior – linha superficial posterior), ad- quire também o controle motor da cabeça. Começa então a pegar os objetos na linha média, pela ação das linhas dos membros superiores. Inicia o rolar em bloco, pelas linhas la- terais. Começa a arrastar e engatinhar, pelas linhas oblíquas e funcionais, preparando-se para andar, ao dissociar as cin- turas (Myers, 2003)8 . Através da intercomunicação central do nervo facial com a via vestíbulo espinal, a extensão do corpo é ativada, formando assim as curvaturas secundárias da coluna verte- bral, as lordoses cervical e lombar (Myers, 2003)8 . O controle central da sensibilidade do sistema estoma- tognático é realizada pelos núcleos do nervo trigêmeo (3 nú- cleos sensitivos) e do nervo facial (Machado, 2006)9 . Situa- dos no tronco encefálico esses núcleos recebem e integram os estímulos físicos e químicos aferentes, através da subs- tância reticular. Dando sequência às conexões centrais, os sistemas piramidal e extrapiramidal são ativados, liberando estímulos motores para todo o corpo. Por isso à medida que o bebê prende melhor o complexo mamilo areolar, ele realiza movimentos de flexão em extremidades e movimentos alter- nados nos membros. Os núcleos sensitivos dos nervos trigêmeo e facial são elaboradores das aferências recebidas na área do sistema es- tomatognático. Através da amamentação, o bebê recebe estí- mulos físicos (propriocepção, tato, pressão, vibração, calor, audição) e químicos (olfação e gustação). Esses estímulos são enviados ao córtex cerebral, na maioria das vezes, via tálamo e voltam ativando as vias eferentes (sistema pirami- dal e extrapiramidal). Com a erupção dos incisivos decíduos
  • 4. 263 Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023 (por volta de cinco a oito meses de idade), a língua sai de uma posição de contato com os lábios em repouso e se posi- ciona mais posteriormente, elevando-se e tocando no palato duro na altura da papila incisiva. Concomitantemente, o bebê passa a ter consciência do próprio corpo e de sua individuali- dade, através da ativação da área de propriocepção conscien- te (Bueno, 1991)6 . Facilitando o desenvolvimento da pro- priocepção consciente, e a saída de uma postura em flexão, fortalecendo de dentro para fora (linha profunda anterior, li- nha superficial posterior, linha superficial anterior, linha dos membros superiores, linhas oblíquas e linhas funcionais), a amamentação também colabora para que a simbiose entre mãe e filho vá se “amenizando” lentamente (Jerusalinsky, 2006; Goos, 2010)1,10 . A postura em extensão do adulto se estabelece por volta dos dois anos de idade, quando o valgo fisiológico se desfaz, e as patelas se voltam para frente. (Myers, 2003; Machado, 2006; Doretto, 2005)8,9,11 . O processo de coordenação da deglutição e da respira- ção nasal ocorre porque o bebê é obrigado a respirar pelo nariz, visto que seus lábios ficam evertidos ao prenderem a aréola, vedando assim a entrada de ar pela boca. O neonato deve ser amamentado, ora do lado direito e, depois do lado esquerdo. A cabeça deve ser posicionada no ângulo do cotovelo do membro superior de sua mãe, sendo levado ao seio por ela, mantendo sua barriga em contato com a dela. O bebê experimentará a sensação de transferência de peso nos dois dimídios. A mão que está no lado não depen- dente explora o corpo materno. Com isso, o lactente aprende a reconhecer o ambiente e a transferir o peso com os dois dimídios. Um ouvido fica um pouco ocluído no ângulo do cotovelo de sua mãe, enquanto o outro é liberado para estí- mulos auditivos, mais intensos. O contato visual entre mãe e filho é constante. Dessa forma, a criança recebe múltiplas aferências ao mesmo tempo. A interação com a mãe duran- te a amamentação enseja estímulos de calor, tato, pressão, vibração, visão, audição, gustação, além da estimulação do palato com a postura e a movimentação corretas dos lábios e da língua. Dessarte, ao ser estimulado ao reconhecimento do seu próprio corpo, o bebê aprende a definir o lugar que ele ocupa em sua família e no mundo. A amamentação é, portanto, de todos os pontos de vista, o método mais fisiológico e eficaz de favorecer o adequado desenvolvimento sensoriopsicomotor do bebê e com o leite de melhor qualidade, feito exclusivamente para ele, (Deoda- to, 2005; Carvalho, 2005)7,12 . Conclusão Os primeiros reflexos nervosos se iniciam entre a oitava e nona semana de vida intrauterina, exatamente na área oro- nasal. O lactente apresenta movimentos mais coordenados na boca, por isso, ele descobre sua individualidade através das ações neuromusculares que a amamentação proporciona. Estudos comprovam a ligação entre oclusão e postura. Por exemplo, quando uma pessoa possui o hábito de mas- tigar apenas de um lado, seu corpo tende a se inclinar para esse lado. Quando o maxilar se encontra em posição muito anterior em relação à mandíbula e à base do crânio, a ca- beça sofre um deslocamento anterior, a cervical se retifica, há uma diminuição da cifose dorsal e o centro de gravidade se desloca para frente. Por outro lado, no caso da mordida cruzada, todas as curvaturas da coluna sofrem retificação, fa- zendo com que o centro de gravidade sofra um deslocamento para a região posterior. Desse modo, trigêmeo e facial recebem, comparam e integram grande parte das informações exteroceptivas con- duzidas pelos pares de nervos cranianos ao tronco encefá- lico. A maioria das aferências, de alguma forma, chega ao tálamo, segue para o cortex cerebral, onde são elaboradas as respostas motoras conscientes (Bueno, 1991)6 . E estimulam movimentos no corpo do bebê, se comunicando com as vias facilitadoras de motoneurônios alfa e gama (sistema pirami- dal movimentos de flexão em extremidades do corpo; via corticorreticuloespinal anterior - com a mesma função do sistema piramidal) e com a via inibidora de motoneuronios alfa e gama (via corticorreticuloespinal lateral que propor- ciona melhor qualidade das ações motoras). Enfim, os movimentos decorrentes das atividades do tri- gêmeo e do facial durante a amamentação ajudam a formar as curvaturas secundarias da coluna vertebral e favorecem o desenvolvimento sensoriopsicomotor dos lactentes, atra- vés de estimulação completa das vias neurais envolvidas na elaboração de movimentos no corpo do bebê. Fortalecendo gradualmente a sua musculatura extensora, o bebê abando- na a postura em flexão, fisiologicamente, à medida em que se organiza, realizando dissociação de cinturas escapular e pélvica para poder deambular com equilíbrio e ter reações posturais adequadas durante o processo de mielinização dos neurônios e de migração neuronal. Esse fenômeno acontece durante a mudança do padrão de deglutição infantil ou visceral para o padrão de degluti- ção somático ou maduro que se concretiza com a mudan- ça de dominância neuromuscular do nervo facial para a do nervo trigêmeo. Figura 1: Mamada com correta apreensão do complexo mami- lo-areolar, posicionando o mamilo entre os rodetes gengivais e os lábios, fazendo um selamento competente anterior e um competente posterior, quando atinge a zona de união do véu do palato mole com o palato duro e a língua ocupa quase totalmen- te a cavidade oral. VI: válvula nasal, V2: válvula de selamento anterior, V3: válvula do selamento oral posterior (úvula), V4: válvula da epiglote, V5: língua e V6: laringe. (Deodato, V.)7 .
  • 5. Fisioterapia Ser • vol. 18 - nº 4 • 2023 264 Figura 2: Zonas de maior atividade reflexógena na área bucal: (1) Contacto interlabial; (2) Contacto interincisal; (3) Contacto linguopalatal; (4) Contacto linguovelar. (Bueno, A.P.deF.)6 Figura 4: As alternâncias entre as curvaturas primárias e secun- dárias da coluna podem ser observadas à medida que se esten- dem por toda a parte dorsal do corpo. A LSP ascende por trás de todas essas curvaturas. (Myers, T.W.)8 Figura 3: Linha Profunda Anterior. (Myers, T.W)8 Referências 1. Jerusalinsky, A. Operações Simbólicas – Primeiros Desafios. Revista: A Mente do Bebê V.1; 2006; p. 60. 2. Winnicott, D.W. A família e o desenvolvimento individual. Irad. Marcelo Bran- dão Cipolla. João Paulo. Editora Martins, 2005. 3. Winnicott, D.W. O bebê e suas mães. A mãe dedicada comum. João Paulo: Martins Fontes, 2006 4. Lacan, J. O Estádio do Espelho como Formador da Função do Eu, (1949. In Escri- tos. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Hahar, 1998. 5. Cernach, M.C.P.S. Embriologia – Gênese da Mente. Revista: A Mente do Bebê. São Paulo, V.1, n.8; 2006 p. 15. 6. Bueno, A.deP.F. Crescimento Craniofacial – Uma Interpretação Sistêmica. Cap. 8. Processo de Crescimento Craniofacial. Rio de Janeiro, 1997, p. 185-242. Introdução às Bases Cibernéticas da Ortopedia Dentofaciall. Rio de Janeiro: Europa , 1991. 7. Deodatto, V. Amamentação – O Melhor Início para a Vida. São Paulo: Livraria Santos Editora, 2005. 8. Myers, T.V. Trilhos Anatômicos: Meridianos Miofasciais para Terapeutas Ma- nuais e do Movimento. Tradução por Edson A. Liberti. 1 ed. Barueri; SP; Editora Manole; 2003. 9. Machado, Â.B.M. Neuroanatomia Funcional. Cap. 12 – Nervos Cranianos. 2 ed. Editora Atheneu; SP, RJ e BH. 2006. p. 119-128. 10. Goos, A.F.G. Monografia apresentada para o curso de Psicopedagogia apresentada para o Curso de Psicopedagogia Clínica e Institucional da Universidade Estadual Paulista UNESP/FCL – Araraquara – 2010. 11. Doretto, D. Fisiopatologia Clínica do Sistema Nervoso: Fundamentos da Semiolo- gia. Cap. 3. Fisiopatologia das Estruturas Supraespinais que atuam sobre a Motri- cidade: “O Sistema Piramidal”. 2 ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2005. 12. Carvalho, G.D.de. Enfoque Odontológico. In: Carvalho, M.R.de; Tavares, LA. Amamentação: Bases Científicas. 3 ed. Rio de Janeiro, Ed. GEN/2010.