SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Acessibilidade na comunicação
para a atenção integral à saúde das
pessoas com deficiência
Esse guia foi feito para eliminar barreiras de comunicação.
Ele dá dicas sobre:
→ como chamar as pessoas com deficiência
→ acessibilidade em reuniões e documentos.
Na saúde, barreiras na comunicação dificultam ou impedem
as pessoas com deficiência de:
→ receberem um diagnóstico certo e rápido
→ falarem sobre sua condição de saúde;
→ participarem de decisões sobre sua saúde e bem-estar.
Os congressos, os seminários, as oficinas e
os demais eventos de natureza científico-
cultural promovidos ou financiados pelo
poder público devem garantir as condições
de acessibilidade e os recursos
de tecnologia assistiva. (art.71, LBI)
No Brasil, a garantia de direitos, liberdades
fundamentais e cidadania para as pessoas com
deficiência tem como base:
→ Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência, com força de Constituição.
→ Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com
Deficiência - LBI, entre outras leis.
3
GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
USODASPALAVRAS
Comochamarapessoacomdeficiência
Usar Pessoa antes da
deficiência ou outra
característica
Exemplos: pessoa cega,
pessoa surda, pessoa com
síndrome de Down, pessoa
cadeirante
Usar deficiente, portador de
(deficiência, necessidades
especiais...), PcD;
Usar palavras ofensivas e
preconceituosas: inválido,
excepcional, retardado,
doente, anjo, especial,
surdo-mudo
Usar as palavras
questão ou condição
Usar as palavras
doença ou problema
Usar as palavras condição
genética ou arranjo genético
Usar as palavras aberração,
anomalia ou erro genético
Falar Pessoa sem deficiência Falar Pessoa normal
REUNIÕESVIRTUAIS
AntesdaReunião:
→ Perguntar se precisa de recurso de acessibilidade
→ Informar como funciona a plataforma
→ Garantir a acessibilidade do material apresentado na reunião
→ Compartilhar o material antes do evento
DuranteaReunião:
→ Fazer audiodescrição e dizer o nome antes de cada nova fala
→ Usar frases curtas e palavras fáceis (linguagem simples)
→ Falar devagar e fazer pausas para facilitar a interpretação
→ Usar recursos de audiodescrição, intérprete de Libras,
legenda, transcrição
→ Ler as mensagens do chat antes de responder
ERRADO
CERTO
Para saber mais sobre acessibilidade em plataformas
de webconferência: Conexões Assistivas: Tecnologia e
Materiais Didáticos Acessíveis
Na dúvida pergunte à própria pessoa com deficiência.
5
4 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
DOCUMENTOSESCRITOS/DIGITAIS
→ Usar letras simples (sem serifas, Ex: Arial,
Calibri, Tahoma, Verdana)
→ Escolher letras de tamanho 12 (ou maior)
→ Respeitar o espaço entre as letras e as palavras
→ NÃO usar letras condensadas
→ Usar espaçamento de 1,5 entre as linhas
Documentos são mais acessíveis quando usam
linguagem simples, fonte ampliada, bom contraste,
além de recursos adicionais (Braille, Libras, áudio, entre
outros). Para saber mais: Orientações para criação de
documentos acessíveis no Microsoft Word.
→ Usar frases curtas e palavras fáceis
→ Dar destaque a informações sublinhando a frase ou com
ícones (NÃO mudar apenas a cor para destacar informações)
→ Usar recurso de níveis de títulos do processador de
texto (NÃO usar apenas cores ou tamanho de letra para
identificar título e subtítulo)
→ Descrever as imagens e tabelas ao longo do documento
→ Usar links que descrevam o conteúdo (NÃO usar links
como “saiba mais” e “clique aqui”)
→ Usar recursos acessíveis para leitores de tela (NÃO usar
recurso de caixas de texto)
→ NÃO usar arquivos onde o texto foi digitalizado e
apresentado como imagem
7
6 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
ENCONTROSPRESENCIAIS
Antesdoevento:
→ Perguntar sobre a necessidade de recurso de
acessibilidade na inscrição
→ Viabilizar recursos de acessibilidade necessários
→ Escolher um local sem barreiras arquitetônicas
→ Reservar lugares de acordo com a necessidade
Duranteoevento:
→ Sinalizar os serviços de acessibilidade disponíveis
→ Iniciar a fala com uma breve audiodescrição
→ Iniciar as falas sem uso de microfone para que pessoas
com deficiência visual possam identificar o falante
→ Descrever todas as imagens apresentadas
APRESENTAÇÕESDESLIDES
→ Usar letras simples sem serifas. Ex. Arial, Calibri,
Tahoma, Verdana
→ Escolher letras de tamanho 24 para o conteúdo e de
tamanho 32 para os títulos (ou maiores)
→ Usar cores com muito contraste (ex. branco e preto)
→ Apresentar poucas informações e imagens por slide
→ Usar imagens fáceis de entender
→ Usar linguagem simples, com frases curtas e palavras fáceis
→ Ler todo o conteúdo do slide e descrever imagens e planilhas
Utilize o verificador de acessibilidade ao preparar
apresentações em PowerPoint. Essa ferramenta
identifica problemas de acessibilidade
e sugere soluções.
Garanta a comunicação utilizando linguagem simples
e contratando serviços de intérprete de Libras,
audiodescrição e legenda ao vivo (estenotipia).
9
8 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Marcelo Queiroga
PRESIDÊNCIA DA FIOCRUZ
Nísia Trindade Lima
VICE-PRESIDÊNCIA
DE PESQUISA E
COLEÇÕES BIOLÓGICAS
Rodrigo Correa De Oliveira
PROGRAMA DE POLÍTICAS
PÚBLICAS E MODELOS DE
ATENÇÃO E GESTÃO À
SAÚDE – PMA/VPPCB
EQUIPE DO PMA
Isabela Soares Santos
Roberta Argento Goldstein
Beatriz da Costa Soares
Edjane Alves de Santana
Glória Maria dos Santos Rodrigues
Isabella Koster
Laís Sousa Jannuzzi
Rosane Marques de Souza
COMITÊ FIOCRUZ PELA
ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO
DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
DIREÇÃO DA ESCOLA
NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA
SÉRGIO AROUCA
Marco Menezes
PROJETO “O CONHECIMENTO
DA ATENÇÃO PRIMÁRIA
À SAÚDE SOBRE A DEFICIÊNCIA:
CAMINHOS DE VISIBILIDADE
OU DE INVISIBILIDADE?
ELABORAÇÃO E
DESENVOLVIMENTO
Laís Silveira Costa
Annibal Amorim
Sônia Gertner
Carolina Aguilar
Bianca Soares Ramos
COORDENAÇÃO DA
VALIDAÇÃO TÉCNICA
Helena Werneck I SMPD-Rio
RECURSOS DE ACESSIBILIDADE
Flávia Cortinovis I SMPD-Rio
Patricia Almeida I Movimento Down
Erica Rodrigues I LincLab/PUC-Rio
CONTEÚDO ORIGINAL
Guia de Acessibilidade na
Comunicação - Acessibilidade
na comunicação para a
atenção integral à saúde das
pessoas com deficiência
DESIGN (DISARME GRAFICO)
Bruno Ventura
Andressa Liebermann
Daniel Ventura
ILUSTRAÇÕES
Andressa Liebermann
FICHATÉCNICA
GRUPOSDEMENSAGEM
→ Usar letras simples (sem serifas)
→ Descrever todas as imagens, usando #descriçãodaimagem
→ Usar imagens que são descritas pelos leitores de tela,
como emojis (NÃO usar figurinhas)
→ Compartilhar documentos em formatos acessíveis, como
vídeos com legendas, transcrições e intérpretes de Libras
→ Usar linguagem simples, com frases curtas e palavras fáceis
Este trabalho foi desenvolvido
no âmbito da pesquisa
“O conhecimento da APS
sobre deficiência: caminhos de
visibilidade ou de invisibilidade”
apoiada pelo PMA/VPPCB/
Fiocruz. Resulta de um esforço
coletivo com a participação
de varias instituições.
10 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão

Acessibilidade Comunicacao
Acessibilidade ComunicacaoAcessibilidade Comunicacao
Acessibilidade Comunicacao
Scott Rains
 
Acessibilidade Comunicacao Di
Acessibilidade Comunicacao DiAcessibilidade Comunicacao Di
Acessibilidade Comunicacao Di
guest3c77f6
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
Daniele Silva
 

Semelhante a Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão (20)

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO BRASIL
INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO BRASILINCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO BRASIL
INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO BRASIL
 
smad_20.ppt
smad_20.pptsmad_20.ppt
smad_20.ppt
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Acessibilidade web 2018
Acessibilidade web 2018Acessibilidade web 2018
Acessibilidade web 2018
 
Vamos falar de acessibilidade? - UX Café 03
Vamos falar de acessibilidade? - UX Café 03Vamos falar de acessibilidade? - UX Café 03
Vamos falar de acessibilidade? - UX Café 03
 
Acessibilidade Comunicacao
Acessibilidade ComunicacaoAcessibilidade Comunicacao
Acessibilidade Comunicacao
 
AULA ACESSIBILIDADE.pptx
AULA ACESSIBILIDADE.pptxAULA ACESSIBILIDADE.pptx
AULA ACESSIBILIDADE.pptx
 
Exericicio 1 word 2013
Exericicio 1 word 2013Exericicio 1 word 2013
Exericicio 1 word 2013
 
Introdução aos Padrões Web e Tecnologias para o Ambiente Digital - Aula 3 - 1...
Introdução aos Padrões Web e Tecnologias para o Ambiente Digital - Aula 3 - 1...Introdução aos Padrões Web e Tecnologias para o Ambiente Digital - Aula 3 - 1...
Introdução aos Padrões Web e Tecnologias para o Ambiente Digital - Aula 3 - 1...
 
Acessibilidade Comunicacao Di
Acessibilidade Comunicacao DiAcessibilidade Comunicacao Di
Acessibilidade Comunicacao Di
 
Livro audiodescricao1
Livro audiodescricao1Livro audiodescricao1
Livro audiodescricao1
 
Razões para tornar um web site acessível
Razões para tornar um web site acessívelRazões para tornar um web site acessível
Razões para tornar um web site acessível
 
Como projetar experiências acessíveis para usuários surdes?
Como projetar experiências acessíveis para usuários surdes?Como projetar experiências acessíveis para usuários surdes?
Como projetar experiências acessíveis para usuários surdes?
 
O Uso e a Avaliação de Produtos de Tecnologia Assistiva no Atendimento Educac...
O Uso e a Avaliação de Produtos de Tecnologia Assistiva no Atendimento Educac...O Uso e a Avaliação de Produtos de Tecnologia Assistiva no Atendimento Educac...
O Uso e a Avaliação de Produtos de Tecnologia Assistiva no Atendimento Educac...
 
Cartilha-Programa-de-Inclusão-de-Pessoas-com-Deficiência.pdf
Cartilha-Programa-de-Inclusão-de-Pessoas-com-Deficiência.pdfCartilha-Programa-de-Inclusão-de-Pessoas-com-Deficiência.pdf
Cartilha-Programa-de-Inclusão-de-Pessoas-com-Deficiência.pdf
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
 
A11y web
A11y webA11y web
A11y web
 
T.A. para surdos
T.A.  para surdosT.A.  para surdos
T.A. para surdos
 
A InclusãO De Deficientes Visuais Na Sociedade
A InclusãO De Deficientes Visuais  Na SociedadeA InclusãO De Deficientes Visuais  Na Sociedade
A InclusãO De Deficientes Visuais Na Sociedade
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúdeKangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoPré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho (20)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
 
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
 
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
 
Leite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbianaLeite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbiana
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
 
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadePor políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
 
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vidaFIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
 
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBPConsulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
 
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúdeKangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
 
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoPré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
 
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
 
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
 
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 

Último (9)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 

Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão

  • 1. Acessibilidade na comunicação para a atenção integral à saúde das pessoas com deficiência
  • 2. Esse guia foi feito para eliminar barreiras de comunicação. Ele dá dicas sobre: → como chamar as pessoas com deficiência → acessibilidade em reuniões e documentos. Na saúde, barreiras na comunicação dificultam ou impedem as pessoas com deficiência de: → receberem um diagnóstico certo e rápido → falarem sobre sua condição de saúde; → participarem de decisões sobre sua saúde e bem-estar. Os congressos, os seminários, as oficinas e os demais eventos de natureza científico- cultural promovidos ou financiados pelo poder público devem garantir as condições de acessibilidade e os recursos de tecnologia assistiva. (art.71, LBI) No Brasil, a garantia de direitos, liberdades fundamentais e cidadania para as pessoas com deficiência tem como base: → Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, com força de Constituição. → Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - LBI, entre outras leis. 3 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
  • 3. USODASPALAVRAS Comochamarapessoacomdeficiência Usar Pessoa antes da deficiência ou outra característica Exemplos: pessoa cega, pessoa surda, pessoa com síndrome de Down, pessoa cadeirante Usar deficiente, portador de (deficiência, necessidades especiais...), PcD; Usar palavras ofensivas e preconceituosas: inválido, excepcional, retardado, doente, anjo, especial, surdo-mudo Usar as palavras questão ou condição Usar as palavras doença ou problema Usar as palavras condição genética ou arranjo genético Usar as palavras aberração, anomalia ou erro genético Falar Pessoa sem deficiência Falar Pessoa normal REUNIÕESVIRTUAIS AntesdaReunião: → Perguntar se precisa de recurso de acessibilidade → Informar como funciona a plataforma → Garantir a acessibilidade do material apresentado na reunião → Compartilhar o material antes do evento DuranteaReunião: → Fazer audiodescrição e dizer o nome antes de cada nova fala → Usar frases curtas e palavras fáceis (linguagem simples) → Falar devagar e fazer pausas para facilitar a interpretação → Usar recursos de audiodescrição, intérprete de Libras, legenda, transcrição → Ler as mensagens do chat antes de responder ERRADO CERTO Para saber mais sobre acessibilidade em plataformas de webconferência: Conexões Assistivas: Tecnologia e Materiais Didáticos Acessíveis Na dúvida pergunte à própria pessoa com deficiência. 5 4 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
  • 4. DOCUMENTOSESCRITOS/DIGITAIS → Usar letras simples (sem serifas, Ex: Arial, Calibri, Tahoma, Verdana) → Escolher letras de tamanho 12 (ou maior) → Respeitar o espaço entre as letras e as palavras → NÃO usar letras condensadas → Usar espaçamento de 1,5 entre as linhas Documentos são mais acessíveis quando usam linguagem simples, fonte ampliada, bom contraste, além de recursos adicionais (Braille, Libras, áudio, entre outros). Para saber mais: Orientações para criação de documentos acessíveis no Microsoft Word. → Usar frases curtas e palavras fáceis → Dar destaque a informações sublinhando a frase ou com ícones (NÃO mudar apenas a cor para destacar informações) → Usar recurso de níveis de títulos do processador de texto (NÃO usar apenas cores ou tamanho de letra para identificar título e subtítulo) → Descrever as imagens e tabelas ao longo do documento → Usar links que descrevam o conteúdo (NÃO usar links como “saiba mais” e “clique aqui”) → Usar recursos acessíveis para leitores de tela (NÃO usar recurso de caixas de texto) → NÃO usar arquivos onde o texto foi digitalizado e apresentado como imagem 7 6 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
  • 5. ENCONTROSPRESENCIAIS Antesdoevento: → Perguntar sobre a necessidade de recurso de acessibilidade na inscrição → Viabilizar recursos de acessibilidade necessários → Escolher um local sem barreiras arquitetônicas → Reservar lugares de acordo com a necessidade Duranteoevento: → Sinalizar os serviços de acessibilidade disponíveis → Iniciar a fala com uma breve audiodescrição → Iniciar as falas sem uso de microfone para que pessoas com deficiência visual possam identificar o falante → Descrever todas as imagens apresentadas APRESENTAÇÕESDESLIDES → Usar letras simples sem serifas. Ex. Arial, Calibri, Tahoma, Verdana → Escolher letras de tamanho 24 para o conteúdo e de tamanho 32 para os títulos (ou maiores) → Usar cores com muito contraste (ex. branco e preto) → Apresentar poucas informações e imagens por slide → Usar imagens fáceis de entender → Usar linguagem simples, com frases curtas e palavras fáceis → Ler todo o conteúdo do slide e descrever imagens e planilhas Utilize o verificador de acessibilidade ao preparar apresentações em PowerPoint. Essa ferramenta identifica problemas de acessibilidade e sugere soluções. Garanta a comunicação utilizando linguagem simples e contratando serviços de intérprete de Libras, audiodescrição e legenda ao vivo (estenotipia). 9 8 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO
  • 6. MINISTÉRIO DA SAÚDE Marcelo Queiroga PRESIDÊNCIA DA FIOCRUZ Nísia Trindade Lima VICE-PRESIDÊNCIA DE PESQUISA E COLEÇÕES BIOLÓGICAS Rodrigo Correa De Oliveira PROGRAMA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E MODELOS DE ATENÇÃO E GESTÃO À SAÚDE – PMA/VPPCB EQUIPE DO PMA Isabela Soares Santos Roberta Argento Goldstein Beatriz da Costa Soares Edjane Alves de Santana Glória Maria dos Santos Rodrigues Isabella Koster Laís Sousa Jannuzzi Rosane Marques de Souza COMITÊ FIOCRUZ PELA ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DIREÇÃO DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRGIO AROUCA Marco Menezes PROJETO “O CONHECIMENTO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE SOBRE A DEFICIÊNCIA: CAMINHOS DE VISIBILIDADE OU DE INVISIBILIDADE? ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Laís Silveira Costa Annibal Amorim Sônia Gertner Carolina Aguilar Bianca Soares Ramos COORDENAÇÃO DA VALIDAÇÃO TÉCNICA Helena Werneck I SMPD-Rio RECURSOS DE ACESSIBILIDADE Flávia Cortinovis I SMPD-Rio Patricia Almeida I Movimento Down Erica Rodrigues I LincLab/PUC-Rio CONTEÚDO ORIGINAL Guia de Acessibilidade na Comunicação - Acessibilidade na comunicação para a atenção integral à saúde das pessoas com deficiência DESIGN (DISARME GRAFICO) Bruno Ventura Andressa Liebermann Daniel Ventura ILUSTRAÇÕES Andressa Liebermann FICHATÉCNICA GRUPOSDEMENSAGEM → Usar letras simples (sem serifas) → Descrever todas as imagens, usando #descriçãodaimagem → Usar imagens que são descritas pelos leitores de tela, como emojis (NÃO usar figurinhas) → Compartilhar documentos em formatos acessíveis, como vídeos com legendas, transcrições e intérpretes de Libras → Usar linguagem simples, com frases curtas e palavras fáceis Este trabalho foi desenvolvido no âmbito da pesquisa “O conhecimento da APS sobre deficiência: caminhos de visibilidade ou de invisibilidade” apoiada pelo PMA/VPPCB/ Fiocruz. Resulta de um esforço coletivo com a participação de varias instituições. 10 GUIA DE ACESSIBILIDADE NA COMUNICAÇÃO