SlideShare uma empresa Scribd logo
1
LUCIANA DA SILVA TORTURELLO DE CARVALHO
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO
DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO
TRABALHO ESCOLAR NO CIEP 483- ADA
BOGATO MUNICIPALIZADO
Volta Redonda, 2012
2
LUCIANA DA SILVA TORTURELLO DE CARVALHO
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO
DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO
TRABALHO ESCOLAR NO CIEP 483- ADA
BOGATO MUNICIPALIZADO
Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado ao Curso de Licenciatura em
Pedagogia do Centro de Ciências
Humanas da UNIRIO, como requisito
para obtenção do grau de Pedagogo.
Orientador: Bruna Vianna da Cruz
Volta Redonda, 2012
3
LUCIANA DA SILVA TORTURELLO DE CARVALHO
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO
DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO ESCOLAR
NO CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO
Avaliado por:
__________________________________
|Bruna Vianna da Cruz
__________________________________
Carolina Alonso Morgado
Data da apresentação 11/ 08/ 2012
Volta Redonda, 2012
4
DEDICATÓRIA
Ao Deus que guia sempre meus passos e ao
meu esposo pelo carinho, paciência ,
apoio e compreensão.
5
“Não se pode falar em educação,
sem amor.”
Paulo Freire
6
RESUMO
O diálogo e o afeto são ingredientes importantes na formação de uma pessoa, o presente
trabalho trata da importância destes dois ingredientes no desenvolvimento do trabalho
escolar no CIEP 483 – Ada Bogato Municipalizado, escola localizada em comunidade
carente na cidade de Barra Mansa, localizada no interior do estado do Rio de Janeiro.
Através do diálogo e da afetividade as pessoas se sentem importantes, sentem-se
amadas e felizes, numa localidade onde a violência está presente diariamente na vida
das pessoas, uma prática educacional dialógica e afetiva mostra uma realidade diferente
da vivenciada pela comunidade escolar, e através deste exercício diário de convivência
do bem tratar as pessoas vão se tornando melhores, mais maleáveis e abertas a
mudanças e novas perspectivas, em busca de um crescimento pessoal para a construção
de conhecimentos significativos para um melhor desenvolvimento de todo processo de
ensino e aprendizado.
Palavras-chave: Afetividade; Diálogo; Educação.
7
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO 08
CAPÍTULO 1 – A ESCOLA E A ATUALIDADE 10
CAPÍTULO 2 – AS RELAÇÕES ESCOLARES 11
2.1- A AFETIVIDADE 12
2.2- O DIÁLOGO 15
2.3- AAFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA PRÁTICA EDUCATIVA 16
CAPÍTULO 3- OBJETO DA PESQUISA - CIEP 483- ADA BOGATO
MUNICIPALIZADO 19
3.1– A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS ALUNOS 21
3.2-A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS EDUCADORES 23
3.3- A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS PAIS 26
CONCLUSÃO 29
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 30
ANEXOS 31
8
INTRODUÇÃO
“Segundo Freire, para ser válida toda
educação, todo ato educativo, deve
necessariamente estar precedido de uma
reflexão sobre o homem.”(Saltini,
2008,pág.63)
O presente trabalho é uma pesquisa qualitativa composta por duas partes uma
parte de pesquisa bibliográfica para embasamento teórico dos assuntos tratados e uma
parte de pesquisa de campo, feita através de observações e questionamentos com a
participação de pessoas ligadas ao CIEP 483 – Ada Bogato Municipalizado, local para
onde o trabalho foi direcionado, a fim de trazer a tona reflexões sobre a importância do
diálogo e da afetividade no desenvolvimento do trabalho escolar.
Na sociedade atual, as transformações vêm causando muitas mudanças na vida
das pessoas, de um modo geral mudaram-se valores, as formas de organização familiar,
o papel da mulher – que agora faz parte do mercado de trabalho. Com tantas inovações,
muitos problemas de cunho social também vieram à tona, a sociedade está mais
apressada, mais ocupada, a violência em suas diferentes formas também tem aumentado
e, principalmente, em comunidades periféricas onde o tráfico de drogas, o desemprego,
a gravidez na adolescência, o alcoolismo, dentre outros problemas sociais tem tornado a
vida muito difícil para essa parte da população.
Na escola as crianças refletem toda sua vida, por isso surge à necessidade de se
reinventar uma nova maneira de se desenvolver o processo educativo em busca de
novas reflexões para buscar um melhor processo de ensino-aprendizagem dos alunos em
questão.
A pesquisa foi realizada através de um questionário aplicado aos professores de
diferentes modalidades de ensino, pais e alunos da referida Unidade Escolar, para que
assim se realizasse um levantamento de dados reais de como a comunidade escolar
vivencia uma prática dialógica e afetiva e qual sua real influência no desenvolvimento
do trabalho escolar, através da opinião dessas pessoas envolvidas, foi possível refletir
tendo como base o diálogo e a afetividade, para que assim pudéssemos visualizar novas
perspectivas de ensino e desenvolvimento de um processo educativo significativo e
produtivo.
9
No primeiro capítulo vamos analisar as modificações pelas quais a escola foi
passando no decorrer do tempo e espaço, no inicio uma escola destinada a uma pequena
parcela da população detentora de um poder social e econômico, até os dias de hoje
onde é destinada a maior parte da população com apoio de leis especificas para que se
faça suprir a necessidade da sociedade, assim como a ampliação de suas possibilidades
de não apenas ser um local onde se transmite conhecimentos , mas um local onde se
busque uma formação mais ampla do ser humano, propiciando assim um
desenvolvimento físico, psicológico, cognitivo e social. Enfim uma formação completa
em toda sua complexidade.
No segundo capítulo abordaremos as relações escolares. Primeiro destacaremos
a afetividade e sua importância para o desenvolvimento do ser humano desde seus
primeiros anos de vida, bem como a utilização do diálogo para que a pessoa se sinta
parte do grupo em que está inserido e se relacione com o mesmo, desenvolvendo assim
sua socialização, e a importância da afetividade e do diálogo no seu desenvolvimento
escolar.
No terceiro capítulo vamos analisar o objeto desta pesquisa analisando assim as
peculiaridades da instituição escolar como base deste trabalho o Ciep 483- Ada Bogato
Municipalizado, e como uma prática educativa pautada na afetividade e o diálogo foram
importantes para acontecerem mudanças significativas no desenvolvimento de seus
alunos e no relacionamento comunidade e escola, expondo um levantamento de dados
demonstrando como os pais, funcionários e alunos, se posicionaram diante de tal prática
educativa, se é válido, como lidam com os problemas ligados a violência que surgem no
dia-a-dia escolar e como a afetividade e o diálogo influenciam para o desenrolar desses
impasses que vão surgindo. Sendo assim, analisaremos a posição dos membros
envolvidos no processo educativo e suas opiniões.
CAPÍTULO I - A ESCOLA E A ATUALIDADE:
10
“É fundamental diminuir a distância do que se fala e do que se
faz de tal maneira que num dado momento a tua fala já seja tua
prática”. (Paulo Freire,1996,pág 39)
A sociedade em que vivemos, com o passar dos tempos, vem sofrendo muitas
modificações. A escola, por sua vez, parte atuante da nossa sociedade, também vem
sofrendo significativas transformações, principalmente nas últimas décadas.
Antigamente, a escola era direcionada apenas para uma elite detentora de poder,
que valorizavam a educação escolar até mesmo para se manter no poder e assim
permanecer neste patamar privilegiado. Com as mudanças nas leis que a regem,
principalmente com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 (LDB),
onde a escola é peça chave para o crescimento do país, para realização dos desejos e
anseios de uma população consciente, uma escola baseada nos princípios democráticos,
capaz de gerar discussões de ideias, de ouvir e permitir a participação de todos
envolvidos nos processos educativos. Enfim, com a criação dos Projetos Políticos
Pedagógicos, Colegiados Escolares, Grêmios Estudantis, juntando a tudo isso os
avanças industriais, científicos e tecnológicos a escola foi ganhando destaque e se
transformou na principal instituição de educação de nossos tempos. Hoje, a escolaridade
é um requisito básico para qualquer ser humano se realizar pessoal e profissionalmente,
várias legislações demonstram essa participação da escola na plena formação do
indivíduo e de todas as crianças:
A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos
princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por
finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o
exercício de cidadania e sua qualificação para o trabalho.(Artigo2º-
LDB 9394/96)
A escola de hoje ainda precisa passar por muitas mudanças para desenvolver seu
papel de uma educação integral, ou seja, um processo ensino-aprendizagem cada vez
mais complexo envolvendo as áreas cognitivas, afetivas e psicomotora dos nossos
alunos.
“É provável que em nenhum outro período da história
humanidade tenham ocorrido tantas e tão significativas mudanças nas
11
relações familiares, e no comportamento humano em geral, como em
nossa época”. (Osório e Valle, 2002, pág.17)
O desenvolvimento tecnológico vem causando grandes transformações em nossa
sociedade, as famílias, principalmente, vem se transformando com o passar dos tempos.
Hoje existem diversas formações de família: as mulheres agora são atuantes no mercado
de trabalho, muitos valores éticos e morais, foram modificados, e até mesmo
desvalorizados, enfim uma parte da sociedade atual, a escola atual precisa se adaptar a
todas essas modificações, e criar novos meios de lidar com suas novas demandas.
Assim há a necessidade da escola buscar meios para desenvolver plenamente
seus novos e diversificados papéis, pois podemos observar que junto com todo esse
desenvolvimento tecnológico e social, também vem crescendo a violência em suas
diferentes faces, o desemprego, a banalização da sexualidade precoce, e, portanto, a
escola cada vez mais precisa estar preparada para vivenciar e se posicionar diante de
todas estas transformações.
Quando analisamos estes diversificados papéis que hoje são responsabilidades
da escola, vemos que realmente seus currículos estão sobrecarregados e seus
profissionais nem sempre estão preparados para lidar com tantas novidades, com tantas
mudanças e em tão pouco espaço de tempo, a escola precisa criar novas estratégias para
que não se perca diante de tantas diversidades culturais, sociais, tecnológicas,
econômicas, isso porque, muitos os problemas da sociedade atual refletem de alguma
maneira dentro do espaço escolar.
Em primeiro lugar, a educação não é uma transmissão de
informações, de saber ou até mesmo de uma conduta, mas, sobretudo,
uma iniciação à vida derivada da “digestão” das informações.
(Saltini, 2008, pág. 33)
Assim, a escola como Instituição de Educação precisa estar atenta a este
desenvolvimento complexo do ser humano, procurando se organizar pedagogicamente
para atender todas as necessidades e demandas dos tempos atuais.
CAPÍTULO 2 – AS RELAÇÕES ESCOLARES
12
“Posso afirmar, portanto, que o homem é sempre o resultado,
da ação de transformação da realidade e de sua adaptação a ela,
seguido de sua capacidade de transformá-la.” (Saltini, 2008, pág.26)
Neste capítulo vamos abordar como a afetividade e o diálogo são componentes
fundamentais na formação do ser humano, pois precisam estar presentes desde muito
cedo na vida de uma pessoa para que assim a mesma se desenvolva saudavelmente e se
sinta amada e compreendida desde seus primeiros contatos sociais. O ser humano é um
ser que necessita dessa socialização, pois para viver em sociedade e se sentir parte dela
precisa desde muito cedo se exercitar socialmente.
O primeiro contato de uma pessoa geralmente é sua família, então é nela que a
criança vai ter seus primeiros experimentos de socialização. Quando a criança convive
desde cedo com a afetividade e o diálogo ela se sente amada e respeitada, o que
colabora para que seu desenvolvimento seja bem sucedido, a criança reflete em seus
convívios sociais a maneira como se comporta com seus familiares que são na verdade
seu primeiro meio social.
Depois da família, a escola vai ser a próxima grande instituição onde a criança
vai desenvolver suas possibilidades de socialização. É na escola que ela vai exercitar
sua sociabilidade, pois na mesma ela precisará conviver com diferentes regras e com as
particularidades de seus colegas oriundos de outros grupos familiares. Assim em sua
vivência diária a criança vai se adaptando a novas regras sociais e novos tipos de
convívios e essa nova realidade bem trabalhada a partir de uma prática dialógica e
afetiva torna-se mais sutil e prazerosa.
2.1 A AFETIVIDADE:
O ser humano é um ser social, então, desde seus primeiros contatos com a
família e seu meio, ele vai desenvolvendo seu relacionamento com o outro e consigo
mesmo, por ser social todo o desenvolvimento humano se dá com as diferentes formas
de convívio, que com passar dos anos podem agir positiva ou negativamente na
13
formação do caráter, ou seja, seu modo de agir e ver o mundo, seus valores e princípios
morais e éticos.
“Descobrir o homem que somos não é precisamente um ato
intelectual, mas uma experiência existencial que dificilmente poderá
ser expressa por palavras. Ao descobrir o homem que sou , terei
descoberto o outro como ele é .Esquece –se ou não se percebe que o
pensamento não nasce da razão.(Saltini,2008, pág 15)”
Assim sendo somos seres afetivos, a palavra tem diversos significados podemos
destacar entre eles:
“Latim afficere, afectum produzir impressão. Composto da
partícula ad = em, para; e facere = fazer, operar, agir, produzir.
Afetividade vem do Latim afficere ad actio, onde o sujeito se fixa,
onde o sujeito se liga, ou ainda Latim affectus particípio passado do
verbo afficere. Tocar, comover o espírito e, por extensão, unir, fixa.”
(Wikipédia, 2012).
A afetividade neste sentido se refere na maneira de como a pessoa é afetada,
tanto pelos suas reações internas e/ou pelos estímulos externos do meio no qual se
encontra e como a mesma reagir em relação a eles, assim de acordo com suas reações o
seu desenvolvimento vai acontecendo gradualmente de maneira positiva ou negativa.
A escola tem como um dos seus objetivos promover o desenvolvimento da
convivência social de seus alunos, assim a afetividade entre os pares precisa ser
trabalhado desde cedo para que esta convivência social alcance êxito. Não há como se
trabalhar o ser humano compartimentado, entre cognitivo e afetivo, as duas dimensões
se complementam e se compactuam durante todo o desenvolvimento do ser humano,
Saltini (2008; 16) enfatiza:
As escolas deveriam entender mais de seres humanos e de
amor do que de conteúdos e técnicas educativas. Elas têm contribuído
em demasia para a construção de neuróticos por não entenderem de
amor, de sonhos, de fantasias, de símbolos e de dores.
Visto que, como enfatiza o autor, o amor precisa fazer parte da formação do ser
humano, a escola quanto instituição educativa que prepara o individuo para a vida
14
precisa se ocupar cada dia mais de uma formação integral do individuo passando por
todas as suas dimensões intelectuais e emocionais.
A maioria das ações do ser humano nascem de seus pensamentos, e a base do
pensamento esta permeada de emoções, quando o pensamento é criado sobre bases
afetivas tem maiores possibilidades de desenvolver um ser com maiores facilidades de
conviver socialmente, ainda como relata Saltini (2008; 16)
Todo conhecimento começa com um sonho. Mas sonhar é
coisa que não se ensina. Brota das profundezas do corpo como a água
brota das profundezas da terra. É das pulsões, dos desejos, das faltas e
das ausências que cada ser humano é levado a ter vontade de buscar
e ,para tanto pensar. Poderíamos afirmar que a “proteína mínima” de
qualquer educação é composta de três elementos: o pensar, o perceber
e o comunicar-se.
O pensamento seria a base de toda nossa formação, mas ainda com as
colocações de Saltini (Ibidem 2008:16), podemos verificar que um encontro de amor,
seja ele com um objeto ou mesmo com o outro, nasce e transforma-se a vida; mudam-se
os destinos, tira-se do nada um mundo de projetos que antes não existiam. Assim o ser
humano por essência é um ser cheio de sentimentos e emoções, e não há como separar
as dimensões, por ser ele um único ser.
Por isso, a importância da afetividade na formação do individuo que é desde
muito pequeno no seio de sua família tratado, na maioria das vezes, com carinho e
atenção, a afetividade faz parte da formação do individuo de forma precisa e essencial.
Uma criança com seus sentimentos e emoções bem equilibrados certamente terá
um bom desenvolvimento escolar, o equilíbrio emocional não somente nas crianças,
mas mesmo no adulto facilita o desenvolvimento do ser humano nas diferentes etapas
de sua vida, sendo no meio profissional, pessoal, familiar e social, e com a criança não é
diferente uma criança que se encontra mal amada, maltratada, desestimulada vai
apresentar dificuldades em algum momento de seu desenvolvimento.
É preciso ter-se sempre em mente o entendimento de que o
homem é um ser uno indiviso e que seus comportamentos conscientes
traduzem, ao mesmo tempo, os três aspectos: cognição, afetividade e
psicomotor. (Luck & Carneiro, 1985, pág.20)
No ambiente escolar espera-se que o aluno se sinta feliz, estando assim apto a se
desenvolver plenamente, por isso a necessidade de um ambiente saudável onde as
15
interações se tornem agradáveis e enriquecedoras, objetivando um bem-estar do aluno,
que interagindo com o meio e com o outro satisfatoriamente, já que sabemos que esta
interação é fundamental para o seu desenvolvimento com um todo. Saltini(2008:29)
Gostaríamos de fazer com que a educação fosse uma via para
a doação do homem a si mesmo; um trabalho de amor, dando ao
próprio homem aquilo que lhe pertence, ou seja, a sua capacidade de
inventar, criar, fazendo coisas novas, criticando o que existe,
buscando novos caminhos e aprendendo a descobrir por ele mesmo.
O desenvolvimento de qualquer ser humano se dará mais plenamente se ele se
sentir amado, respeitado e valorizado, pois durante todo o processo de ensino
aprendizado ele também interage com objetos e com os outros transmitindo seus
sentimentos e emoções, então assim com atividades e relações permeadas de afetividade
seu desenvolvimento se dará mais plenamente.
2.2. O DIÁLOGO:
“Não há também diálogo, se não há uma intensa fé nos
homens. Fé no poder de fazer e refazer. De criar e recriar”.
( Freire,2005, pág. 93)
Quando falamos em educação, logo pensamos nas possibilidades do diálogo,
troca de experiências, através de um convívio social agradável e prazeroso, como já
citamos diversas vezes anteriormente o ser humano é um ser social e sociável, e se
desenvolve com a relação que exerce com seu meio e seus semelhantes. Então, a
interação se dá através do diálogo, diálogo no sentido de falar com o outro, escutar o
que o outro fala e assim criar possibilidades de trocas, de crescimento pessoal,
profissional e social. Podemos destacar o significado da palavra diálogo como:
Diálogo é uma conversação estabelecida entre duas ou mais
pessoas. Como tal, é a principal forma de criação do teatro (embora o
monólogo tenha neste gênero de arte também o seu lugar de destaque).
Para existir diálogo tem de existir um locutor e um interlocutor e/ou
iálogo (do grego diálogos [διά = através e λογόι = palavra,
conhecimento] , pelo latim dialogus) – 1. Entendimento através da
palavra, conversação, colóquio, comunicação. 2. Discussão ou troca
16
de idéias, conceitos, opiniões, objetivando a solução de problemas e a
harmonia. (Wikipédia, 2012)
Como podemos observar diálogo é uma conversação entre pessoas, troca de
idéias, opiniões, conceitos,segundo Freire(2005) não existe diálogo sem amor, fé nos
homens, esperança, humildade e sem um pensar crítico, assim em suas colocações são
destacadas tais perspectivas dialógicas.
Ao fundar-se no amor, na humildade e na fé nos homens, o
diálogo se faz uma relação horizontal, em que a confiança de um polo
no outro e consequência obvia. Seria uma contradição se, amoroso,
humilde e cheio de fé, o diálogo não provocasse este clima de
confiança entre seus sujeitos. (Freire, 2005, pág.94)
O ato de educar precisa, ser um ato de confiança, por isso a necessidade do
diálogo que acima de tudo vem fortalecer os laços entre as pessoas. O primeiro contato
da criança é o seu convívio com sua família, se a criança desde cedo for apresentada a
uma educação dialógica, não apresentará dificuldades em se relacionar mais tarde com
outras pessoas que estão fora de seu circulo familiar. Depois da família, a escola seria
seu segundo local de maior convívio social. Na escola, desde cedo, a criança precisa se
desenvolver socialmente, pois convive com muitos colegas diferentes, e se não for bem
trabalhada pode apresentar dificuldades de adaptação a essa sua nova realidade, a
escolar. A melhor maneira de buscar esse desenvolvimento dialógico é através do
exemplo, ou seja dialogando com ela, quando nos mostramos abertos ao diálogo,
conseguimos mais sucesso com outras pessoas. Somos seres inacabados e estaremos
sempre enquanto existirmos em busca de nossa plenitude, assim desde cedo a escola
precisa levar a criança a aprender a respeitar as diferenças, vencer os preconceitos e
aceitar as particularidades de cada pessoa com quem convive por isso a necessidade de
desenvolver esta prática dialógica, que será aperfeiçoada no exercício diário, de amor e
generosidade pelo próximo,buscando assim se tornar a cada dia uma pessoa melhor,
como destaca o autor:
Seria impossível saber-se e não se abrir ao mundo e aos outros
a procura de explicação, de respostas e de múltiplas perguntas. O
fechamento ao mundo e aos outros se torna transgressão ao impulso
natural da incompletude. O sujeito que se abre ao mundo e aos outros
inaugura com seu gesto de relação dialógica em que se confirma como
17
inquietação e curiosidade, como inconclusão em permanente
movimento na história. (Freire, 1996, pág 136)
2.3. A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA PRÁTICA EDUCATIVA
Não há diálogo, porém, se não há um profundo amor ao
mundo e aos homens. (Freire,2005, pág. 91)
O diálogo e a afetividade andam de mãos dadas no processo educacional, como
vimos anteriormente neste trabalho, o ser humano é um ser sociável que precisa
interagir para que seu desenvolvimento se faça de maneira plena e complexa, e através
do diálogo é que nos tornamos donos do nosso pensar, expressamos nossas opiniões e
assim nos tornamos pessoas capazes de viver em sociedade. O ser humano como ser
sociável e afetivo, vive em sociedade sendo capaz de criar laços, conviver e expressar
seus sentimentos e opiniões por isso ele vai se desenvolvendo com pessoa, aprendendo
e ensinando e se tornando um ser mais complexo todos os dias.
Acredito que, de um encontro de amor, seja ele com um
objeto, ou mesmo com o outro, nasce e transforma-se a vida; mudam-
se os destinos, tira-se de nada um mundo de projetos e ideias que antes
não existiam. Nasce uma espera, consolida-se um tempo e apalpa-se
um espaço. As pulsões se transformam e sublimam-se e, assim
educamos para si e para o seu meio. (Saltini,2008,pág. 16)
A escola, como a família, é uma instituição de extrema importância na formação
de uma pessoa, passamos grande parte de nossas vidas dentro da escola. E assim sendo,
ela precisa ser um local onde gostamos de estar. Depois da família, é através da escola
que os indivíduos se socializam. É na escola que praticamos nossas primeiras
experiências como cidadãos. Nela podemos participar de atividades expondo opiniões, e
se posicionando sobre diversos assuntos, através de um exercício dialógico diário, nos
sentimos mais a vontade de sermos nós mesmos, mostrando nossos anseios, medos,
dúvidas. Todo ambiente escolar onde o diálogo e afetividade se faz presente torna-se um
ambiente propício ao crescimento e enriquecimento individual, pois se torna um lugar
18
onde não precisamos temer e sim ter coragem de sermos nós mesmos sem medo de
preconceitos e repreensões pelo que pensamos e somos.
Uma pessoa quando é bem tratada e valorizada, se sente confiante e uma pessoa
feliz consegue se desenvolver melhor, sem medo de errar, pois é e através dos erros e
acertos é que aprendemos cada dia mais. Uma escola onde a prática do diálogo estimula
a liberdade de se expressar, ajuda no exercício de cidadania, sendo um papel
fundamental de a escola fazer com que o individuo sinta-se parte de um processo
educativo que mais tarde vai refletir em tomadas de decisões por toda sua vida. Uma
pessoa bem resolvida emocionalmente tende a ter um maior equilíbrio para resolução de
problemas.
Se o diálogo é o encontro dos homens para ser mais, não
pode-se fazer na desesperança. Se os sujeitos do diálogo nada esperam
do seu quefazer, já não pode haver diálogo. O seu encontro é vazio e
estéril. (Freire, 2005, pág.95)
Hoje quando ligamos a televisão, ou mesmo no nosso dia a dia nos deparamos
com muitos acontecimentos que demonstram como a violência está intimamente
inserida em nossa sociedade, a violência em todas as suas multifaces, a violência verbal,
física,psicológica, visual,com a correria do diária, muito das vezes nem tomamos nota
disso, achamos comum na rua as pessoas se agredindo no transito, o filho destratando os
pais e vice-versa, um motorista de ônibus que não para no ponto para um idoso que deu
o sinal.Estamos banalizando estes acontecimentos que se tornam normais no nosso
cotidiano. As pessoas se tornaram muito apressadas, principalmente nas cidades as
pessoas levam uma vida muito individualista e nem sempre arrumam tempo para
conversar com sua família, com seus filhos, devido toda essa mudança social, as
pessoas ficam cada vez mais sem tempo para a afetividade e para o diálogo, então a
escola precisa resgatar através de um exercício diário estes valores de saber escutar o
outro, respeitar suas opiniões, esse sentimento de solidariedade para com o outro.
Precisamos conversar mais, ouvir mais, porque são valores instituídos na vida em
sociedade. Vivemos em sociedade porque convivemos pacificamente, porque temos
direitos e deveres que precisam ser respeitados. A necessidade dessa prática dialógica
em todos os sentidos para que haja uma transformação social, onde as pessoas sejam
mais respeitadas e valorizadas.
19
É o meu bom-senso, em primeiro lugar que me deixa
suspeitoso, no mínimo, de que não é possível a escola, se na verdade,
engajada na formação de educandos e educadores, alhear-se das
condições sociais culturais, econômicas de seus alunos, de suas
famílias, de seus vizinhos. (Freire, 1996, pág. 63)
Esse bom-senso, que Paulo Freire(1996) enfatiza em seu livro Pedagogia da
Autonomia, que é de extrema importância para o desenvolvimento da prática educativa,
pois com toda a violência que faz parte do nosso dia a dia como citado no parágrafo
anterior, cabe a escola o bom-senso de buscar desenvolver em seus alunos um modo
diferente de resolver os problemas encontrados, o ser humano é o único ser dotado da
capacidade de falar, pensar , por isso precisamos desenvolver criteriosamente esta
capacidade extraordinária. Na escola a criança deve desde cedo exercitar o bom-senso
de pensar, falar e agir, e a melhor maneira seria através da prática do diálogo e da
afetividade, buscando entender o outro, resolver os problemas que surgem através da
conversa, da busca de soluções compartilhadas com o grupo no qual esta inserido.
As famosas estratégias educacionais nada mais são do que a
criação de relações adequadas, afetivas e carinhosas, aptas a fazer com
que a criança trabalhe seu narcisismo secundário, restabelecendo sua
beleza, diante de si e do mundo, na medida em que aprende. (Saltini,
2008, pág 22)
Como explicita Saltini(2008) em seu livro Afetividade e Inteligência, todo
aprendizado nasce de um sonho, precisamos buscar em nossos alunos esse desejo de se
aprimorar através do conhecimento, por isso para o desenvolvimento de um bom
processo educativo é necessário que se desenvolva uma prática pautada na afetividade e
no diálogo. Os sonhos precisam ser ouvidos, precisam ser cultivados, valorizados e
estimulados. Não podem se perder na correria do dia-a-dia, na ausência das famílias e
em outros diversos motivos que hoje propulsionam nossa sociedade.
Os alunos devem vivenciar uma escola onde os saberes são compartilhados,
onde as diferenças são respeitadas e valorizadas. Somos seres únicos, cada um de nós
temos nossas necessidades, fraquezas, medos e fragilidades que quando bem
trabalhados podem se tornar nossas grandes virtudes, mas que em contra partida quando
ridicularizados podem nos causar danos para o resto de nossa existência. Uma escola
autoritária, que limita que somente executa seus currículos, sem se importar com o
20
aluno “pessoa” que possui suas peculiaridades anseios e vivências pode aumentar em
muito seus índices de fracasso escolar.
Por isso é necessario de se investir em uma escola democrática, onde a
afetividade e diálogo estejam presentes no convívio de seus alunos, e claro, não abrindo
mão de um desenvolvimento sério do processo educacional, mas formando pessoas
mais felizes. A escola não pode ser castigo ou obrigação, escola precisa ser um lugar
onde as pessoas se sintam bem, gostem de estar, pois quando estamos em um lugar que
gostamos nos sentimos bem , e o aprendizado se torna algo significativo e produtivo,
como cita Rubens Alves(1994): “conte-me seus sonhos para que sonhemos juntos”.
CAPITULO 3- OBJETO DA PESQUISA- CIEP 483- ADA BOGATO
MUNICIPALIZADO
“A única solução possível para esse gravíssimo problema
social e nacional é melhorar a qualidade das escolas que temos; é
ajudar o professorado a realizar com mais eficácia a sua tarefa
educativa; é socorrer as crianças para que frequente as escolas, mas lá
aprendam; é, ainda, chamar de volta às aulas os jovens
insuficientemente instruídos para lhes dar, pelo menos, um domínio da
leitura, da escrita e do cálculo que os salve da marginalidade.” (Darcy
Ribeiro,1992).
O Ciep 483 – Ada Bogato foi construído pelo Governo Estadual do Rio de
Janeiro, inaugurado no ano de 1993, pelo Segundo Programa Especial de Educação.
Está localizado em comunidade periférica, na Rua Izalino Gomes da Silva, s/nº, bairro
Paraíso de Cima,no Município de Barra Mansa. O nome - Ada Bogato - foi em
homenagem à Ada Leda Rogato, que foi uma pioneira da aviação no Brasil. Foi a
primeira mulher a obter licença como pára-quedista, a primeira volovelista (piloto de
planador) e a terceira a se brevetar em avião. Também se destacou por suas acrobacias
aéreas e foi a primeira piloto agrícola do país. Foi construído com Processo nº E-
03/1760/98-SEA/RJ e com o Parecer de número 02 de 17/03/00 CME, sendo
municipalizado com o Decreto de Número 18689/93, desde então a Unidade Escolar
tem como mantenedora a Secretaria Municipal de Educação de Barra Mansa e atende as
21
modalidades de Ensino de Educação Infantil e todo o Ensino Fundamental, sendo ele
formado pela 1ª fase (1º ao 5º Ano) e 2ª fase (6º ao 9º Ano).
A referida Unidade Escolar possui cerca de 350 alunos e 70% dos alunos,
moram em um Assentamento de Sem-Teto, que vivem em barracos de madeira e
extrema pobreza,sendo uma comunidade muito carente, pouco informada, que convive
com problema de baixa renda,baixo índice de escolaridade e alto índice de natalidade ,
marginalização e desemprego.
As famílias, na maioria dos casos, são numerosas. As crianças, desde cedo,
convivem com violência, o que se reflete no ambiente escolar, e devido a todos os
problemas relatados, também era uma característica a alta rotatividade de funcionários,
que não conseguem se adaptar aos problemas e a realidade local.
Atualmente, possui em torno de 47 funcionários, entre professores, apoio e
equipe administrativa, sendo que seus professores, em grande maioria, possuem nível
superior e ingressaram na rede municipal no segundo semestre de 2010, quando foi
realizado o último concurso da Prefeitura Municipal de Barra Mansa. Então ,desde a
citada data, a rotatividade de funcionários teve uma melhora grande e hoje já é possível
visualizar um vínculo afetivo entre os funcionários e a comunidade escolar.
Os alunos, por suas vivências, em sua maioria tem muita dificuldade de
concentração, são agitados e apresentam-se bastante agressivos na hora de resolver os
problemas entre os pares, geralmente se agridem verbalmente e até mesmo partem para
a agressão física com seus colegas de classe, que observa-se nas brincadeiras feitas por
eles na hora do recreio ou intervalos predomina uma violência, com isso podemos
destacar o tal comportamento na comunidade local (responsáveis) que também
apresenta dificuldade de se expressar através de um diálogo, mostrando-se
primeiramente agressiva na resolução de problemas relacionados com a vida escolar de
seus filhos e filhas, mas que em contato com uma postura dialógica e afetiva, se
acalmam e partem para um melhor entendimento através de uma conversa harmoniosa.
A comunidade do entorno da Unidade Escolar apresenta um preconceito em
matricular seus filhos na referida instituição. Muitas das crianças saem de perto da
escola para estudar em outras localidades, pois seus responsáveis não querem seus
filhos estudando junto com as crianças moradoras do assentamento de sem-teto, por
22
causa da problemática que apresenta tal comunidade, que representam a maior parte dos
alunos que estudam no Ciep 483 – Ada Bogato Municipalizado.
Devido todos estes problemas observamos que a comunidade que vivem neste
assentamento de sem-teto possuem uma auto-estima muito baixa e todos esses valores
sociais distorcidos são passados às crianças que já chegam a escola com pouco
incentivo para o estudo.Segundo Freire (1996; pág73)
“É preciso ficar claro que a desesperança não é maneira de
estar sendo natural do ser humano, mas distorção da esperança. Eu
não sou primeiro um ser da desesperança. Eu sou pelo contrário, um
ser da esperança que por “n” razões, se tornou desesperançado.”
Podemos notar isso, quando perguntados sobre qual profissão gostaria de
exercer quando chegassem à idade adulta a maioria não tem resposta prévia, não existe
muita perspectiva de ascensão social através do conhecimento, da formação
educacional. As famílias por apresentarem um nível de escolaridade muito baixo, não
servem de elemento norteador para que os filhos visualizem um futuro promissor
através da escolaridade. Na realidade a escola precisa intensificar um trabalho para
mostrar a estas crianças a necessidade do conhecimento e que através de uma formação
educacional se pode aumentar as possibilidades de uma melhor posição no mercado de
trabalho e que assim cresce as oportunidades e possibilidades de uma melhor qualidade
de vida onde as perspectivas futuras possam servir de motivação para um maior
desenvolvimento das crianças.
3.1. A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS ALUNOS
“O sujeito graças a sua capacidade de assimilar e acomodar se
autoconstroi, se autotransforma, se autoregula e se conscientiza.”
(Saltini, 2008, pág.67 )
Retomando as transformações vividas pela nossa sociedade e ainda toda a
violência disseminada em suas diversas faces, como já citamos em outras partes deste
trabalho, os alunos refletem na instituição escolar todas suas vivencias familiares e
sociais, os alunos oriundos de comunidades mais carentes e periféricas, na maioria das
23
vezes vivenciam no seu dia a dia várias formas dessa violência. O pai que bebe ou que
utiliza drogas. O pai que é violento com a mãe e até com a própria criança. A violência
velada da falta de alimentação, de saneamento, da fala de carinho e atenção, de diálogo.
Enfim, problemas sociais que são reproduzidos por este aluno dentro da escola, não por
vontade própria, mais por desconhecimento de outra forma de vida.
Como citado por Saltini, 2008, pág 25, Paulo Freire enfatiza “para ser válida,
toda educação, toda ação educativa deve necessariamente estar precedida de uma
reflexão sobre o homem e de uma análise profunda do meio de vida concreta do homem
a quem deseja educar ou, para dizer melhor, a quem se quer ajudar para que se eduque”.
O conhecimento do meio em que o aluno vive é de extrema importância para o
desenvolvimento dos planejamentos escolares, porque o homem é um produto do seu
meio, e o reflete em suas relações, seus valores e aspirações.
Os alunos do CIEP 483 – Ada Bogato, como já citado anteriormente, vivem na
sua maioria, em um assentamento de sem-teto, onde convivem com muita violência e
condições precárias de vida, e como a pessoa é em partes o reflexo do seu meio, na
escola se mostram bastante agressivos, agitados e com pouco interesse em seus
estudos.Podemos observar que suas atitudes, suas formas agressivas de resolver os
problemas que surgem diariamente, a relação com os professores e com amigos de
classe, não eram uma atitude proposital, mas não reconheciam outra forma de se
pronunciar, com a prática de diálogo e afetividade implantada por toda sua comunidade
escolar, o tratar bem aos poucos foi fazendo parte do dia-a-dia da Unidade Escolar.
Educar significa ajudar a acordar, ajudar a encontrar no
próprio ser o ímpeto, a saudade, a vontade de agir, de buscar e
descobrir, de crescer e de progredir.Educar significa também,
aprender a ensinar a lutar, a aprender e ensinar a intensificar a
existência e a cumpri-la com decisão e consciência.(Saltini, 2008, pág.
52)
A pesquisa foi feita com alguns alunos do CIEP 483-Ada Bogato
Municipalizado, eles responderam externando sua opinião sobre como o diálogo e a
afetividade, influenciam em sua vida escolar, tornando-a melhor mais prazerosa, os
alunos vão ser representados por letras de nosso alfabeto para que suas identidades
sejam preservadas neste trabalho.
24
Aluno A, 14 anos (9º Ano de Escolaridade) – “Gosto muito do diálogo, porque
sem ele as pessoas se afastam, e a escola assim dá mais oportunidade e aposta mais na
capacidade dos alunos”.
Aluno B, 11 anos (6º Ano de Escolaridade) – “É muito bom porque resolve as
coisas sem agressão e sem gritar”.
Aluno C, 15 anos (8º Ano de Escolaridade) – “É bom porque do mesmo jeito
que as pessoas conversando passam coisas boas para nós, nós os alunos passamos
para eles.”.
Aluno D, 10 anos (5º Ano de Escolaridade) – “Prefiro a conversa, não gosto de
briga”.
Aluno E, 16 anos (7º Ano de Escolaridade) – “Antes eu só gostava de brigar,
agora resolvo as coisas conversando, o diálogo é bom, ficamos mais amigos”.
Como podemos observar, os alunos em sua maioria, estão satisfeitos em serem
ouvidos e exporem seus desejos e aflições, a prática do diálogo e da afetividade precisa
ser uma prática diária para que se torne algo habitual e , principalmente, reforçada pelo
exemplo de todos os funcionários da escola pois a melhor maneira de se ensinar se
mostra através do exemplo, como nos diz Paulo Freire(1996) o meu discurso sobre a
teoria precisa ser o exemplo concreto.
3.2. A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS EDUCADORES
“Diz Paulo Freire: para ser válida toda educação, toda ação
educativa, deve necessariamente ser precedida de uma reflexão sobre
o homem e de uma análise do meio de vida concreto a quem queremos
educar, ou melhor: a quem queremos ajudar a que se eduque.”(Saltini,
2008,pág.25).
A visão dos educadores é de extrema importância para o desenvolvimento do
processo ensino-aprendizagem. A postura, como os educadores se colocam diante das
diversidades encontradas em sala de aula, a maneira como se posicionam em relação da
25
vivência dos alunos e da comunidade onde estão inseridos, vão se tornar base para todo
o desenvolvimento do processo educativo.
O professor e o aluno são as peças primordiais de todo processo de
aprendizagem e o posicionamento de ambos em relação ao mesmo, vai definir os
caminhos que vão trilhar ao longo de sua vida profissional e escolar.
Na verdade, preciso descartar como falsa a separação radical
entre seriedade docente e afetividade. Não é certo, sobretudo do ponto
de vista democrático, que serei tão melhor professor quanto mais
severo, mais frio,mais distante e “cinzento” me ponha nas minhas
relações com os alunos, no trato dos objetos cognoscíveis que devo
ensinar. A afetividade não se acha excluída da cognoscibilidade.
(Freire, 1996, pág. 141)
A pesquisa foi feita com alguns educadores do CIEP 483-Ada Bogato
Municipalizado, eles responderam externando sua opinião sobre como o diálogo e a
afetividade, influenciam em sua prática diária, tornando-a mais significativa e
produtiva, os professores vão ser representados por letras de nosso alfabeto para que
suas identidades sejam preservadas neste trabalho.
O professor, para desenvolver sua prática educativa, precisa ter bem definido em
seu planejamento quais são seus principais objetivos em relação ao desenvolvimento do
educando tendo sempre em mente que as pessoas são únicas e que cada uma possui suas
particularidades.
Quando perguntados sobre a importância do diálogo e da afetividade no
desenvolvimento escolar de seus alunos obtivemos como respostas:
Professora (1ª fase do Ensino Fundamental) A, 25 anos de magistério e 04 anos
na Unidade Escolar – “Com diálogo e afeto constante, conseguimos trabalhar a auto-
estima do ser humano e a criança que se conhece e se ama é capaz de mudanças tanto
no pessoal, quanto mudanças maiores que vão influenciar na sua atuação na
sociedade.”
Professora (1ª fase do Ensino Fundamental) B, 1 ano e 7 meses na Unidade
Escolar – “O diálogo e a afetividade são fundamentais para o sucesso da mesma, pois o
respeito mútuo possibilita um ambiente mais agradável e produtivo”.
26
Professora (2ª fase do Ensino Fundamental) C, 10 anos de magistério e 3 meses
na Unidade Escolar – “ A aprendizagem está diretamente relacionada a confiança e ,
especialmente no caso de crianças e adolescentes, a confiança é conquistada através
do diálogo e da afetividade.”
Professora (2ª fase do Ensino Fundamental) D, 13 anos de magistério e 8 anos na
Unidade Escolar – “O diálogo é tudo, as vezes é necessário parar tudo e dialogar para
que o professor se faça entender e a partir daí, surgir a cumplicidade e a afetividade.”
Professora (1ª fase do Ensino Fundamental) E, 22 anos de magistério e 2 anos na
Unidade Escolar – “ Sem diálogo e amor não se consegue um bom trabalho, então o
diálogo e a afetividade são fundamentais.”
Depois da pesquisa feita podemos observar que a maioria dos professores que
responderam os questionários acreditam que uma prática dialógica e afetiva conseguem
melhores resultados, tanto os professores com mais tempo de magistério, quanto os
professores que exercem a função docente mais recentemente concluíram a importância
dessa prática mais democrática, transcrevemos algumas respostas, mas todas elas foram
unanimes quanto à importância do diálogo e da afetividade.
Na realidade o ser humano necessita de diálogo e afeto durante toda a sua vida.
Pessoas precisam ser amadas e valorizadas, para que assim se sintam aceitas no grupo,
somos seres sociais e essa aceitação é de extrema importância para o aluno, que
interagindo com os outros vai desenvolvendo seus conceitos e conhecimentos, de
acordo com Luck & Carneiro (1983) aspectos como renda familiar, ocupação e
educação dos pais produzem diferenças significativas em atitudes dos indivíduos e tem
implicações fundamentais para organização dos objetivos e metodologia do processo
educativo, os quais devem ser ajustados de acordo com grupos diferentes e de aluno
para aluno, de turma para turma, de escola para escola e de ano para ano, assim sendo, a
necessidade do educador conhecer mais profundamente seus alunos através de uma
prática, de diálogo e afetividade, pois assim consegue construir entre seus alunos um
vinculo de confiança, aumentando as possibilidades do desenvolvimento do processo de
ensino-aprendizado significativo e eficaz.
A educação é uma forma de intervenção no mundo. Para podermos educar
alguém precisamos acreditar que essa mudança é possível. Não podemos buscar algo no
27
qual não acreditamos que somos capazes. O trabalho desempenhado pela educação é um
trabalho lento, pois não vemos resultados imediatos e sim em longo prazo, por isso a
necessidade de reflexão todos os dias, para que possamos analisar nossa prática
educativa, a tornando, mais atrativa, mais significativa algo que realmente venha a
somar algo na vida de nossos alunos. Se não conseguimos atingir nossos alunos de
alguma forma, nossa prática se torna ineficaz, sem sentido, apenas transmissão de
conteúdos.
Hoje, com tanto desenvolvimento tecnológico a escola precisa criar meios de
fazer com que os alunos gostem de estar nela. É uma competição muito desigual, e
somente através da criação de vínculo, de confiança, da alegria, da esperança,
conseguimos fazer com que esse aluno de importância e se sinta parte deste processo
educativo.
Há uma relação entre a alegria necessária à atividade
educativa e esperança. A esperança de que o professor e os alunos
juntos podem aprender, ensinar, enquietar-nos, produzir e juntos,
igualmente resistir aos obstáculos a nossa alegria. (Freire, 1996, pág
72)
Como sabemos, desde pequeno, o ser humano é um ser social. Primeiro se
socializa na família que é seu primeiro contato, depois na escola, então através do
diálogo e da afetividade seus vínculos vão sendo criados durante todo seu
desenvolvimento. Obsevamos que, quando o aluno se relaciona bem com seus
professores, com seus amigos e gosta de seu ambiente escolar, ocorre mais chances de
se desenvolver plenamente. Isto é cognitivamente e socialmente, quanto mais adaptado,
maior é seu desenvolvimento e sua aprendizagem.
Gostaríamos de fazer com que a educação fosse uma via para
a doação do homem a si mesmo; um trabalho de amor, dando ao
próprio home quilo que lhe pertence, ou seja, a sua capacidade de
inventar, criar, fazendo coisas novas, criticando as que já existem,
buscando novos caminhos e aprendendo a descobrir por ele mesmo,
sentado na comodamente no banco de sua própria segurança,
confiando na sua espontaneidade e tendo a coragem de ser, de ser livre
e responsável. (Saltini,2008,pág. 29)
3.3. A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS PAIS
28
“É na realidade mediatizadora, na consciência que dela
tenhamos educadores e povo, que iremos buscar o conteúdo
programático da educação.” (Freire, 2005, pág.101).
Como já levantamos anteriormente, a questão do desenvolvimento da sociedade
atual é de grande relevância, quando vamos analisar a relação entre
escola/aluno/professor, principalmente a questão da participação dos pais e responsáveis
na vida escolar de seus filhos é muito polemica. As famílias por “n” razões estão muito
ocupadas e uma grande parte não acompanha a vida escolar de seus filhos.
Devido às novas ordens sociais, muita das responsabilidades, de algumas
décadas até os dias de hoje foram gradativamente se tornando responsabilidade também
das instituições escolares, até mesmo pela necessidade de hoje as mães saírem de casa
para o mercado de trabalho. O diálogo e a afetividade é uma característica do ser
humano, então, desde cedo ela precisa ser desenvolvida a começar pela família e depois
trabalhada continuamente também pela escola.
Sabe-se que as atitudes são aprendidas. Portanto, o seu
desenvolvimento, de maneira a permitir que o indivíduo participe
adequada e eficazmente da ordem social, constitui-se logicamente em
objeto de extrema importância para a educação. (Luck &Carneiro,
1983, pág 37)
Como a autora ressalta, atitudes dialógicas devem ter início na formação do
educando desde seus primeiros contatos com a sociedade, mas também sabemos que
nem sempre é assim que acontece até mesmo pela violência existente em nossa
sociedade, pela falta de paciência, tempo, compreensão, dedicação. Enfim muitos
motivos podem ser o foco desta falta de diálogo e afetividade entre as pessoas.
Não se pode esperar, na escola, que os alunos já tragam
invariavelmente de casa atitudes adequadas a um bom convívio, ao
melhor aproveitamento da aprendizagem e ao melhor desempenho de
seus papéis. (Luck & Carneiro, 1983, pág 37)
Como podemos observar, nem sempre os alunos trazem conceitos de
convivência definidos e desenvolvidos dentro de seu meio social. Precisamos buscar
29
estabelecê-los em parceria família e escola, a fim de juntos consigamos um melhor
desenvolvimento na aprendizagem e nas relações sociais deste aluno.
Elaboramos a pesquisa com pais e responsáveis do Ciep 483-Ada Bogato
Municipalizado, a fim de conhecermos suas expectativas quanto à prática dialógica e
afetiva desenvolvida na Unidade Escolar. Como no subitem anterior os pais e
responsáveis vão ser representados por letras de nosso alfabeto para que suas
identidades sejam preservadas neste trabalho.
Responsável A, 37 anos, 3 filhos estudam na Unidade Escolar – “Gosto que os
problemas sejam resolvidos através de conversas, a conversa gera respeito e tem que
por limites com carinho.”
Responsável B, 46 anos, 2 filhos na Unidade Escolar – “As crianças precisam
ter alguém para confiar, através do diálogo e criança aprende a confiar e a respeitar
as professoras.”
Responsável C, 40 anos, 02 filhos na Unidade Escolar – “Precisa de muita
conversa para resolver as coisas com respeito e dar limite e respeito, senão gera
bagunça.”.
Responsável D, 43 anos, 03 filhos na Unidade Escolar – “É muito bom
conversar porque a gente se acalma e fica mais fácil entender, as crianças gostam mais
da escola e dos professores.”.
Responsável E, 26 anos, 02 filhos na Unidade Escolar – “Eu gosto que tratem
bem meus filhos, conversando é uma maneira boa de resolver os problemas”.
Observando as respostas de alguns responsáveis, podemos perceber que através
do diálogo e da afetividade é uma boa forma de resolvermos muitos problemas
enfrentados pela escola, e como eles mesmos disseram em seus depoimentos, não nestas
exatas palavras, mas nas entrelinhas, com esse bom tratamento as crianças gostam mais
da escola e de seus professores, o que é um ponto muito positivo para o
desenvolvimento do seu processo de ensino-aprendizado, como enfatiza a autora:
As atitudes, embora inerentes ao homem, uma vez aprendidas,
são essenciais para ele, em termos de seu desenvolvimento pessoal e
social. Sua necessidade é tão evidente que eles a aprende, mesmo
30
inconscientemente, como resultado de seu relacionamento interpessoal
desde pequeno. (Luck & Carneiro, 1983, pág 39)
O diálogo e a afetividade auxiliam na prática escolar e vão ajudar muito no
desenvolvimento do aluno.
CONCLUSÃO
Ao longo deste trabalho percebemos que o diálogo e a afetividade são
fundamentais para o bom desenvolvimento do trabalho educacional, principalmente em
comunidades carentes onde a violência em todas as suas faces fazem parte do cotidiano
das pessoas, que ficam sempre prontas para se defender de tudo e de todos. Isso porque
que se acostumaram a ser maltratadas pelas pessoas com quem convivem ou até mesmo
pelas mazelas da própria vida.
A violência acaba se instituindo como parte da vivência em comunidades
carentes e periféricas e sendo assim banalizada como algo normal e até mesmo
inevitável. Através de uma prática dialógica e afetiva, os alunos passam a conhecer
outra maneira de viver, de conviver e de resolver seus problemas. O diálogo e a
afetividade cria uma ponte entre as pessoas e torna a convivência mais amena e
agradável, criando vínculos capazes de proporcionar grandes formas de crescimento
pessoal. As pessoas começam a visualizar uma nova forma de se relacionar com os
outros, respeitando o espaço de cada um e aprendendo a viver com as diferenças. O
ambiente se torna mais leve e assim criam-se novas formas de convívio, aonde o
aprendizado vai ocorrendo mutuamente entre as pessoas envolvidas no processo de
ensino-aprendizado.
Com uma convivência mais agradável e feliz as pessoas se sentem mais
valorizadas e assim todo o processo educativo flui melhor. Quando a comunidade
escolar passa a compreender a importância de sua participação no processo educativo
ela se empenha mais e assim a instituição escolar se fortalece. Quando todas as pessoas
se sentem úteis elas tendem a produzir mais e melhor. Os alunos se sentem valorizados
quando são bem tratados e podem expor suas necessidades e opiniões. Os educadores
31
quando respeitados sentem – se melhor e assim se dedicam mais ao seu trabalho e os
pais por sua vez vão depositar mais confiança em um grupo que passa coesão e firmeza
em suas atitudes. Enfim em uma instituição onde a afetividade e o diálogo são parte do
seu cotidiano a tendência é melhorar tanto o desenvolvimento social quanto o
profissional de todos os envolvidos no processo educativo.
Após a pesquisa podemos afirmar, mas sem esgotar as possibilidades que o
assunto é capaz de prover, que através da inserção do afeto e do diálogo no processo
educativo pode-se transformar a maneira de viver, de se relacionar e de se desenvolver
de todos os envolvidos no mesmo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, 23 dez.
1996.
Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2009/a%20importancia.pdf.
Acessado em 19 de maio de 2012.
Disponível em: http://www.pdt.org.br/index.php/nossas-bandeiras/educacao/mais-sobre-
os-cieps/a-proposta-pedagogica, acessado em 17 de maio de 2012.
Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikipédia: Acessado em 19 de maio de
2012.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 48ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa.
41ªEd. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
LUCK, Heloísa – CARNEIRO, Dorothy Gomes. Desenvolvimento afetivo na
escola:Promoção, medida e avaliação.2ª Ed. Rio de Janeiro. Vozes, 1983
OSORIO, L.C.,& VALLE, M.E.P.Terapia de família, novas tendências.Porto
Alegre.Artmed,2002.
SALTINI, Cláudio J.P. Afetividade e inteligência.5ª Ed. Rio de Janeiro: Wak, 2008.
32
ANEXOS:
Questionário de Pesquisa – Afetividade e Diálogo (alunos)
1-Nome:_______________________________________________________________
2-Idade:_________________________________Turma:_________________________
33
3- O que você mais gosta em sua escola? Justifique.
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
4-Como são tratados os problemas que acontecem na escola?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
5-Você acha importante o diálogo e a afetividade na escola? Justifique.
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
6- E a afetividade (carinho) e o diálogo (conversa) dos funcionários, professores e
equipe pedagógica de sua escola, o que você acha? Justifique.
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
7-Há quanto tempo você estuda nesta escola, neste tempo ocorreu alguma mudança?
Quais?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Questionário de Pesquisa – Afetividade e Diálogo(Pais e Responsáveis)
1-Nome:_______________________________________________________________
2-Idade: ____________Número de filhos na Unidade Escolar:____________________
3- O que você mais gosta nesta escola? Justifique.
34
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
4-Como são tratados os problemas que acontecem na escola?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
5-Você acha importante o diálogo e a afetividade na escola? Justifique.
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
_______________
6- E a afetividade (tratamento) e o diálogo (conversa) dos funcionários, professores e
equipe pedagógica desta escola, o que você acha? Justifique.
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
7-Há quanto tempo seu filho estuda nesta escola, neste tempo ocorreu alguma mudança?
Quais?________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Questionário de Pesquisa – Afetividade e Diálogo ( Educadores)
1-Nome:_______________________________________________________________
2-Tempo de Serviço:____________Tempo nesta Unidade Escolar:_________________
35
3- O que você mais gosta no desenvolvimento de seu trabalho nesta escola?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
4-Como são tratados os problemas que acontecem na escola?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
5-Você acha importante o diálogo e a afetividade na escola? Justifique.
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
6- O que você acha da afetividade (tratamento) e o diálogo (conversa) dos funcionários,
professores e equipe pedagógica com os alunos ?Justifique sua resposta.
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
7-Com o desenvolvimento de atividades embasadas pelo diálogo e afetividade,
ocorreram mudanças no desenvolvimento do seu trabalho nesta Unidade Escolar e ou
desenvolvimento dos alunos? Quais?_________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroFernanda Ribeiro
 
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".Paulo David
 
PROJETO ÉTICA E CIDADANIA
PROJETO ÉTICA E CIDADANIAPROJETO ÉTICA E CIDADANIA
PROJETO ÉTICA E CIDADANIAmachadotdut
 
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdfPrograma de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdfAdrianoSilvestre6
 
Projeto de prevenção drogas
Projeto de prevenção drogasProjeto de prevenção drogas
Projeto de prevenção drogasRosangela Res
 
LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL - CF/88 - LDBEN - ECA - APOSTILA/SIMULADO PARA...
LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL - CF/88  -  LDBEN  -  ECA   -   APOSTILA/SIMULADO PARA...LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL - CF/88  -  LDBEN  -  ECA   -   APOSTILA/SIMULADO PARA...
LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL - CF/88 - LDBEN - ECA - APOSTILA/SIMULADO PARA...Valdeci Correia
 
Tecnologias da informação e da comunicação na educação
Tecnologias da informação e da comunicação na educação Tecnologias da informação e da comunicação na educação
Tecnologias da informação e da comunicação na educação Katia Tavares
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...rosemaralopes
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPHebert Arcanjo
 
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medioGuia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medioHeldelene Cavalcanti
 
Escolas de tempo integral
Escolas de tempo integralEscolas de tempo integral
Escolas de tempo integralRegiane Gomes
 
Gremio estudantil apresentação inicial
Gremio estudantil apresentação inicialGremio estudantil apresentação inicial
Gremio estudantil apresentação inicialgepoteriko
 

Mais procurados (20)

ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
 
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
PROJETO SEMANA DA PÁTRIA "CULTURA DE PAZ NAS ESCOLAS POR UM MUNDO MELHOR".
 
PROJETO ÉTICA E CIDADANIA
PROJETO ÉTICA E CIDADANIAPROJETO ÉTICA E CIDADANIA
PROJETO ÉTICA E CIDADANIA
 
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdfPrograma de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
 
Apresentação Final do TCC
Apresentação Final do TCCApresentação Final do TCC
Apresentação Final do TCC
 
Projeto de prevenção drogas
Projeto de prevenção drogasProjeto de prevenção drogas
Projeto de prevenção drogas
 
Projeto do Meio Ambiente - 9º ano
Projeto do Meio Ambiente - 9º anoProjeto do Meio Ambiente - 9º ano
Projeto do Meio Ambiente - 9º ano
 
Tics na Educação
Tics na EducaçãoTics na Educação
Tics na Educação
 
LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL - CF/88 - LDBEN - ECA - APOSTILA/SIMULADO PARA...
LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL - CF/88  -  LDBEN  -  ECA   -   APOSTILA/SIMULADO PARA...LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL - CF/88  -  LDBEN  -  ECA   -   APOSTILA/SIMULADO PARA...
LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL - CF/88 - LDBEN - ECA - APOSTILA/SIMULADO PARA...
 
Tecnologias da informação e da comunicação na educação
Tecnologias da informação e da comunicação na educação Tecnologias da informação e da comunicação na educação
Tecnologias da informação e da comunicação na educação
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
 
Evasão escolar
Evasão escolarEvasão escolar
Evasão escolar
 
Grêmio estudantil
Grêmio estudantilGrêmio estudantil
Grêmio estudantil
 
Marco referencial trabalho em grupo
Marco referencial   trabalho em grupoMarco referencial   trabalho em grupo
Marco referencial trabalho em grupo
 
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medioGuia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
 
Escolas de tempo integral
Escolas de tempo integralEscolas de tempo integral
Escolas de tempo integral
 
Educomunicação
EducomunicaçãoEducomunicação
Educomunicação
 
Gremio estudantil apresentação inicial
Gremio estudantil apresentação inicialGremio estudantil apresentação inicial
Gremio estudantil apresentação inicial
 
Relatório do projeto
Relatório do projetoRelatório do projeto
Relatório do projeto
 

Destaque

Aarathi outdoor cinema unit
Aarathi outdoor cinema unit  Aarathi outdoor cinema unit
Aarathi outdoor cinema unit aarathicinema
 
Ajuste de tasas activas
Ajuste de tasas activasAjuste de tasas activas
Ajuste de tasas activasJACSU1975
 
Guia de aprendizaje 4 subir archivos calameo
Guia de aprendizaje 4 subir archivos calameoGuia de aprendizaje 4 subir archivos calameo
Guia de aprendizaje 4 subir archivos calameoSebastian Serrano
 
김희수 디미컨 3주차 2
김희수 디미컨 3주차 2김희수 디미컨 3주차 2
김희수 디미컨 3주차 2HEE SU KIM
 
Ejercicios de multiplicación de notación científica
Ejercicios  de  multiplicación de notación científicaEjercicios  de  multiplicación de notación científica
Ejercicios de multiplicación de notación científicaGiuliana Tinoco
 
A importância da afetividade no trabalho do Orientador Educacional frente aos...
A importância da afetividade no trabalho do Orientador Educacional frente aos...A importância da afetividade no trabalho do Orientador Educacional frente aos...
A importância da afetividade no trabalho do Orientador Educacional frente aos...Luciana Torturello
 
Trabalho de quimica
Trabalho de quimicaTrabalho de quimica
Trabalho de quimicaRenato Reis
 
Rt climate graph
Rt climate graphRt climate graph
Rt climate graphjwt1991
 
mapa de union de soldaduras
mapa de union de soldadurasmapa de union de soldaduras
mapa de union de soldadurasleonardo barrera
 
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.Alexsandro Prates
 
A importância da família para o processo da aprendizagem escolar por flávia...
A importância da família para o processo da aprendizagem escolar   por flávia...A importância da família para o processo da aprendizagem escolar   por flávia...
A importância da família para o processo da aprendizagem escolar por flávia...Psicanalista Santos
 

Destaque (20)

Aarathi outdoor cinema unit
Aarathi outdoor cinema unit  Aarathi outdoor cinema unit
Aarathi outdoor cinema unit
 
Coluna Prestes
Coluna PrestesColuna Prestes
Coluna Prestes
 
Newton by Valeria Farina
Newton by Valeria FarinaNewton by Valeria Farina
Newton by Valeria Farina
 
Ajuste de tasas activas
Ajuste de tasas activasAjuste de tasas activas
Ajuste de tasas activas
 
Guia de aprendizaje 4 subir archivos calameo
Guia de aprendizaje 4 subir archivos calameoGuia de aprendizaje 4 subir archivos calameo
Guia de aprendizaje 4 subir archivos calameo
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
4 клас урок 1 що потрібно знати про компютер
4 клас урок 1 що потрібно знати про компютер4 клас урок 1 що потрібно знати про компютер
4 клас урок 1 що потрібно знати про компютер
 
eTwinning live
eTwinning liveeTwinning live
eTwinning live
 
김희수 디미컨 3주차 2
김희수 디미컨 3주차 2김희수 디미컨 3주차 2
김희수 디미컨 3주차 2
 
Ejercicios de multiplicación de notación científica
Ejercicios  de  multiplicación de notación científicaEjercicios  de  multiplicación de notación científica
Ejercicios de multiplicación de notación científica
 
News SA 12 2017
News SA 12 2017News SA 12 2017
News SA 12 2017
 
A importância da afetividade no trabalho do Orientador Educacional frente aos...
A importância da afetividade no trabalho do Orientador Educacional frente aos...A importância da afetividade no trabalho do Orientador Educacional frente aos...
A importância da afetividade no trabalho do Orientador Educacional frente aos...
 
Camera angles
Camera anglesCamera angles
Camera angles
 
Trabalho de quimica
Trabalho de quimicaTrabalho de quimica
Trabalho de quimica
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
білл гейтс
білл гейтсбілл гейтс
білл гейтс
 
Rt climate graph
Rt climate graphRt climate graph
Rt climate graph
 
mapa de union de soldaduras
mapa de union de soldadurasmapa de union de soldaduras
mapa de union de soldaduras
 
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
 
A importância da família para o processo da aprendizagem escolar por flávia...
A importância da família para o processo da aprendizagem escolar   por flávia...A importância da família para o processo da aprendizagem escolar   por flávia...
A importância da família para o processo da aprendizagem escolar por flávia...
 

Semelhante a A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR NO CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO

As dimensões do trabalho de inspeção escolar frente aos novos paradigmas educ...
As dimensões do trabalho de inspeção escolar frente aos novos paradigmas educ...As dimensões do trabalho de inspeção escolar frente aos novos paradigmas educ...
As dimensões do trabalho de inspeção escolar frente aos novos paradigmas educ...Ivete Almeida
 
Apresentação do projeto
Apresentação do projetoApresentação do projeto
Apresentação do projetoJuciara Brito
 
O papel da escola e suas demandas sociais
O papel da escola e suas demandas sociaisO papel da escola e suas demandas sociais
O papel da escola e suas demandas sociaisLoureni Reis
 
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdfAdeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdfDenise De Ramos
 
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolarProjeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolarstones De moura
 
O uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaO uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaEdison Paulo
 
Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]Edson Mamprin
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2♥Marcinhatinelli♥
 
Eixo3 gleicy aparecida_de_sousa_relato_resumo
Eixo3 gleicy aparecida_de_sousa_relato_resumoEixo3 gleicy aparecida_de_sousa_relato_resumo
Eixo3 gleicy aparecida_de_sousa_relato_resumoJosiane Jäger
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01heder oliveira silva
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01heder oliveira silva
 
(In)disci..
(In)disci..(In)disci..
(In)disci..Luciana
 
(In)disci..
(In)disci..(In)disci..
(In)disci..Luciana
 
Livro Faces da Educação II.pdf
Livro Faces da Educação II.pdfLivro Faces da Educação II.pdf
Livro Faces da Educação II.pdfMariaSantos884373
 
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraRestinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraCursoTICs
 

Semelhante a A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR NO CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO (20)

As dimensões do trabalho de inspeção escolar frente aos novos paradigmas educ...
As dimensões do trabalho de inspeção escolar frente aos novos paradigmas educ...As dimensões do trabalho de inspeção escolar frente aos novos paradigmas educ...
As dimensões do trabalho de inspeção escolar frente aos novos paradigmas educ...
 
Ppp
PppPpp
Ppp
 
Apresentação do projeto
Apresentação do projetoApresentação do projeto
Apresentação do projeto
 
O papel da escola e suas demandas sociais
O papel da escola e suas demandas sociaisO papel da escola e suas demandas sociais
O papel da escola e suas demandas sociais
 
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdfAdeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
 
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolarProjeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
 
Keila01 projeto
Keila01 projetoKeila01 projeto
Keila01 projeto
 
O uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaO uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aula
 
Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
 
Artigo assistente scial na escola
Artigo assistente scial na escolaArtigo assistente scial na escola
Artigo assistente scial na escola
 
Eixo3 gleicy aparecida_de_sousa_relato_resumo
Eixo3 gleicy aparecida_de_sousa_relato_resumoEixo3 gleicy aparecida_de_sousa_relato_resumo
Eixo3 gleicy aparecida_de_sousa_relato_resumo
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
(In)disci..
(In)disci..(In)disci..
(In)disci..
 
(In)disci..
(In)disci..(In)disci..
(In)disci..
 
Documento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIADocumento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIA
 
Livro Faces da Educação II.pdf
Livro Faces da Educação II.pdfLivro Faces da Educação II.pdf
Livro Faces da Educação II.pdf
 
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraRestinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
 

Último

Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 

Último (20)

Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 

A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR NO CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO

  • 1. 1 LUCIANA DA SILVA TORTURELLO DE CARVALHO A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR NO CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO Volta Redonda, 2012
  • 2. 2 LUCIANA DA SILVA TORTURELLO DE CARVALHO A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR NO CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Licenciatura em Pedagogia do Centro de Ciências Humanas da UNIRIO, como requisito para obtenção do grau de Pedagogo. Orientador: Bruna Vianna da Cruz Volta Redonda, 2012
  • 3. 3 LUCIANA DA SILVA TORTURELLO DE CARVALHO A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE E DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO ESCOLAR NO CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO Avaliado por: __________________________________ |Bruna Vianna da Cruz __________________________________ Carolina Alonso Morgado Data da apresentação 11/ 08/ 2012 Volta Redonda, 2012
  • 4. 4 DEDICATÓRIA Ao Deus que guia sempre meus passos e ao meu esposo pelo carinho, paciência , apoio e compreensão.
  • 5. 5 “Não se pode falar em educação, sem amor.” Paulo Freire
  • 6. 6 RESUMO O diálogo e o afeto são ingredientes importantes na formação de uma pessoa, o presente trabalho trata da importância destes dois ingredientes no desenvolvimento do trabalho escolar no CIEP 483 – Ada Bogato Municipalizado, escola localizada em comunidade carente na cidade de Barra Mansa, localizada no interior do estado do Rio de Janeiro. Através do diálogo e da afetividade as pessoas se sentem importantes, sentem-se amadas e felizes, numa localidade onde a violência está presente diariamente na vida das pessoas, uma prática educacional dialógica e afetiva mostra uma realidade diferente da vivenciada pela comunidade escolar, e através deste exercício diário de convivência do bem tratar as pessoas vão se tornando melhores, mais maleáveis e abertas a mudanças e novas perspectivas, em busca de um crescimento pessoal para a construção de conhecimentos significativos para um melhor desenvolvimento de todo processo de ensino e aprendizado. Palavras-chave: Afetividade; Diálogo; Educação.
  • 7. 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO 1 – A ESCOLA E A ATUALIDADE 10 CAPÍTULO 2 – AS RELAÇÕES ESCOLARES 11 2.1- A AFETIVIDADE 12 2.2- O DIÁLOGO 15 2.3- AAFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA PRÁTICA EDUCATIVA 16 CAPÍTULO 3- OBJETO DA PESQUISA - CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO 19 3.1– A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS ALUNOS 21 3.2-A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS EDUCADORES 23 3.3- A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS PAIS 26 CONCLUSÃO 29 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 30 ANEXOS 31
  • 8. 8 INTRODUÇÃO “Segundo Freire, para ser válida toda educação, todo ato educativo, deve necessariamente estar precedido de uma reflexão sobre o homem.”(Saltini, 2008,pág.63) O presente trabalho é uma pesquisa qualitativa composta por duas partes uma parte de pesquisa bibliográfica para embasamento teórico dos assuntos tratados e uma parte de pesquisa de campo, feita através de observações e questionamentos com a participação de pessoas ligadas ao CIEP 483 – Ada Bogato Municipalizado, local para onde o trabalho foi direcionado, a fim de trazer a tona reflexões sobre a importância do diálogo e da afetividade no desenvolvimento do trabalho escolar. Na sociedade atual, as transformações vêm causando muitas mudanças na vida das pessoas, de um modo geral mudaram-se valores, as formas de organização familiar, o papel da mulher – que agora faz parte do mercado de trabalho. Com tantas inovações, muitos problemas de cunho social também vieram à tona, a sociedade está mais apressada, mais ocupada, a violência em suas diferentes formas também tem aumentado e, principalmente, em comunidades periféricas onde o tráfico de drogas, o desemprego, a gravidez na adolescência, o alcoolismo, dentre outros problemas sociais tem tornado a vida muito difícil para essa parte da população. Na escola as crianças refletem toda sua vida, por isso surge à necessidade de se reinventar uma nova maneira de se desenvolver o processo educativo em busca de novas reflexões para buscar um melhor processo de ensino-aprendizagem dos alunos em questão. A pesquisa foi realizada através de um questionário aplicado aos professores de diferentes modalidades de ensino, pais e alunos da referida Unidade Escolar, para que assim se realizasse um levantamento de dados reais de como a comunidade escolar vivencia uma prática dialógica e afetiva e qual sua real influência no desenvolvimento do trabalho escolar, através da opinião dessas pessoas envolvidas, foi possível refletir tendo como base o diálogo e a afetividade, para que assim pudéssemos visualizar novas perspectivas de ensino e desenvolvimento de um processo educativo significativo e produtivo.
  • 9. 9 No primeiro capítulo vamos analisar as modificações pelas quais a escola foi passando no decorrer do tempo e espaço, no inicio uma escola destinada a uma pequena parcela da população detentora de um poder social e econômico, até os dias de hoje onde é destinada a maior parte da população com apoio de leis especificas para que se faça suprir a necessidade da sociedade, assim como a ampliação de suas possibilidades de não apenas ser um local onde se transmite conhecimentos , mas um local onde se busque uma formação mais ampla do ser humano, propiciando assim um desenvolvimento físico, psicológico, cognitivo e social. Enfim uma formação completa em toda sua complexidade. No segundo capítulo abordaremos as relações escolares. Primeiro destacaremos a afetividade e sua importância para o desenvolvimento do ser humano desde seus primeiros anos de vida, bem como a utilização do diálogo para que a pessoa se sinta parte do grupo em que está inserido e se relacione com o mesmo, desenvolvendo assim sua socialização, e a importância da afetividade e do diálogo no seu desenvolvimento escolar. No terceiro capítulo vamos analisar o objeto desta pesquisa analisando assim as peculiaridades da instituição escolar como base deste trabalho o Ciep 483- Ada Bogato Municipalizado, e como uma prática educativa pautada na afetividade e o diálogo foram importantes para acontecerem mudanças significativas no desenvolvimento de seus alunos e no relacionamento comunidade e escola, expondo um levantamento de dados demonstrando como os pais, funcionários e alunos, se posicionaram diante de tal prática educativa, se é válido, como lidam com os problemas ligados a violência que surgem no dia-a-dia escolar e como a afetividade e o diálogo influenciam para o desenrolar desses impasses que vão surgindo. Sendo assim, analisaremos a posição dos membros envolvidos no processo educativo e suas opiniões. CAPÍTULO I - A ESCOLA E A ATUALIDADE:
  • 10. 10 “É fundamental diminuir a distância do que se fala e do que se faz de tal maneira que num dado momento a tua fala já seja tua prática”. (Paulo Freire,1996,pág 39) A sociedade em que vivemos, com o passar dos tempos, vem sofrendo muitas modificações. A escola, por sua vez, parte atuante da nossa sociedade, também vem sofrendo significativas transformações, principalmente nas últimas décadas. Antigamente, a escola era direcionada apenas para uma elite detentora de poder, que valorizavam a educação escolar até mesmo para se manter no poder e assim permanecer neste patamar privilegiado. Com as mudanças nas leis que a regem, principalmente com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 (LDB), onde a escola é peça chave para o crescimento do país, para realização dos desejos e anseios de uma população consciente, uma escola baseada nos princípios democráticos, capaz de gerar discussões de ideias, de ouvir e permitir a participação de todos envolvidos nos processos educativos. Enfim, com a criação dos Projetos Políticos Pedagógicos, Colegiados Escolares, Grêmios Estudantis, juntando a tudo isso os avanças industriais, científicos e tecnológicos a escola foi ganhando destaque e se transformou na principal instituição de educação de nossos tempos. Hoje, a escolaridade é um requisito básico para qualquer ser humano se realizar pessoal e profissionalmente, várias legislações demonstram essa participação da escola na plena formação do indivíduo e de todas as crianças: A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício de cidadania e sua qualificação para o trabalho.(Artigo2º- LDB 9394/96) A escola de hoje ainda precisa passar por muitas mudanças para desenvolver seu papel de uma educação integral, ou seja, um processo ensino-aprendizagem cada vez mais complexo envolvendo as áreas cognitivas, afetivas e psicomotora dos nossos alunos. “É provável que em nenhum outro período da história humanidade tenham ocorrido tantas e tão significativas mudanças nas
  • 11. 11 relações familiares, e no comportamento humano em geral, como em nossa época”. (Osório e Valle, 2002, pág.17) O desenvolvimento tecnológico vem causando grandes transformações em nossa sociedade, as famílias, principalmente, vem se transformando com o passar dos tempos. Hoje existem diversas formações de família: as mulheres agora são atuantes no mercado de trabalho, muitos valores éticos e morais, foram modificados, e até mesmo desvalorizados, enfim uma parte da sociedade atual, a escola atual precisa se adaptar a todas essas modificações, e criar novos meios de lidar com suas novas demandas. Assim há a necessidade da escola buscar meios para desenvolver plenamente seus novos e diversificados papéis, pois podemos observar que junto com todo esse desenvolvimento tecnológico e social, também vem crescendo a violência em suas diferentes faces, o desemprego, a banalização da sexualidade precoce, e, portanto, a escola cada vez mais precisa estar preparada para vivenciar e se posicionar diante de todas estas transformações. Quando analisamos estes diversificados papéis que hoje são responsabilidades da escola, vemos que realmente seus currículos estão sobrecarregados e seus profissionais nem sempre estão preparados para lidar com tantas novidades, com tantas mudanças e em tão pouco espaço de tempo, a escola precisa criar novas estratégias para que não se perca diante de tantas diversidades culturais, sociais, tecnológicas, econômicas, isso porque, muitos os problemas da sociedade atual refletem de alguma maneira dentro do espaço escolar. Em primeiro lugar, a educação não é uma transmissão de informações, de saber ou até mesmo de uma conduta, mas, sobretudo, uma iniciação à vida derivada da “digestão” das informações. (Saltini, 2008, pág. 33) Assim, a escola como Instituição de Educação precisa estar atenta a este desenvolvimento complexo do ser humano, procurando se organizar pedagogicamente para atender todas as necessidades e demandas dos tempos atuais. CAPÍTULO 2 – AS RELAÇÕES ESCOLARES
  • 12. 12 “Posso afirmar, portanto, que o homem é sempre o resultado, da ação de transformação da realidade e de sua adaptação a ela, seguido de sua capacidade de transformá-la.” (Saltini, 2008, pág.26) Neste capítulo vamos abordar como a afetividade e o diálogo são componentes fundamentais na formação do ser humano, pois precisam estar presentes desde muito cedo na vida de uma pessoa para que assim a mesma se desenvolva saudavelmente e se sinta amada e compreendida desde seus primeiros contatos sociais. O ser humano é um ser que necessita dessa socialização, pois para viver em sociedade e se sentir parte dela precisa desde muito cedo se exercitar socialmente. O primeiro contato de uma pessoa geralmente é sua família, então é nela que a criança vai ter seus primeiros experimentos de socialização. Quando a criança convive desde cedo com a afetividade e o diálogo ela se sente amada e respeitada, o que colabora para que seu desenvolvimento seja bem sucedido, a criança reflete em seus convívios sociais a maneira como se comporta com seus familiares que são na verdade seu primeiro meio social. Depois da família, a escola vai ser a próxima grande instituição onde a criança vai desenvolver suas possibilidades de socialização. É na escola que ela vai exercitar sua sociabilidade, pois na mesma ela precisará conviver com diferentes regras e com as particularidades de seus colegas oriundos de outros grupos familiares. Assim em sua vivência diária a criança vai se adaptando a novas regras sociais e novos tipos de convívios e essa nova realidade bem trabalhada a partir de uma prática dialógica e afetiva torna-se mais sutil e prazerosa. 2.1 A AFETIVIDADE: O ser humano é um ser social, então, desde seus primeiros contatos com a família e seu meio, ele vai desenvolvendo seu relacionamento com o outro e consigo mesmo, por ser social todo o desenvolvimento humano se dá com as diferentes formas de convívio, que com passar dos anos podem agir positiva ou negativamente na
  • 13. 13 formação do caráter, ou seja, seu modo de agir e ver o mundo, seus valores e princípios morais e éticos. “Descobrir o homem que somos não é precisamente um ato intelectual, mas uma experiência existencial que dificilmente poderá ser expressa por palavras. Ao descobrir o homem que sou , terei descoberto o outro como ele é .Esquece –se ou não se percebe que o pensamento não nasce da razão.(Saltini,2008, pág 15)” Assim sendo somos seres afetivos, a palavra tem diversos significados podemos destacar entre eles: “Latim afficere, afectum produzir impressão. Composto da partícula ad = em, para; e facere = fazer, operar, agir, produzir. Afetividade vem do Latim afficere ad actio, onde o sujeito se fixa, onde o sujeito se liga, ou ainda Latim affectus particípio passado do verbo afficere. Tocar, comover o espírito e, por extensão, unir, fixa.” (Wikipédia, 2012). A afetividade neste sentido se refere na maneira de como a pessoa é afetada, tanto pelos suas reações internas e/ou pelos estímulos externos do meio no qual se encontra e como a mesma reagir em relação a eles, assim de acordo com suas reações o seu desenvolvimento vai acontecendo gradualmente de maneira positiva ou negativa. A escola tem como um dos seus objetivos promover o desenvolvimento da convivência social de seus alunos, assim a afetividade entre os pares precisa ser trabalhado desde cedo para que esta convivência social alcance êxito. Não há como se trabalhar o ser humano compartimentado, entre cognitivo e afetivo, as duas dimensões se complementam e se compactuam durante todo o desenvolvimento do ser humano, Saltini (2008; 16) enfatiza: As escolas deveriam entender mais de seres humanos e de amor do que de conteúdos e técnicas educativas. Elas têm contribuído em demasia para a construção de neuróticos por não entenderem de amor, de sonhos, de fantasias, de símbolos e de dores. Visto que, como enfatiza o autor, o amor precisa fazer parte da formação do ser humano, a escola quanto instituição educativa que prepara o individuo para a vida
  • 14. 14 precisa se ocupar cada dia mais de uma formação integral do individuo passando por todas as suas dimensões intelectuais e emocionais. A maioria das ações do ser humano nascem de seus pensamentos, e a base do pensamento esta permeada de emoções, quando o pensamento é criado sobre bases afetivas tem maiores possibilidades de desenvolver um ser com maiores facilidades de conviver socialmente, ainda como relata Saltini (2008; 16) Todo conhecimento começa com um sonho. Mas sonhar é coisa que não se ensina. Brota das profundezas do corpo como a água brota das profundezas da terra. É das pulsões, dos desejos, das faltas e das ausências que cada ser humano é levado a ter vontade de buscar e ,para tanto pensar. Poderíamos afirmar que a “proteína mínima” de qualquer educação é composta de três elementos: o pensar, o perceber e o comunicar-se. O pensamento seria a base de toda nossa formação, mas ainda com as colocações de Saltini (Ibidem 2008:16), podemos verificar que um encontro de amor, seja ele com um objeto ou mesmo com o outro, nasce e transforma-se a vida; mudam-se os destinos, tira-se do nada um mundo de projetos que antes não existiam. Assim o ser humano por essência é um ser cheio de sentimentos e emoções, e não há como separar as dimensões, por ser ele um único ser. Por isso, a importância da afetividade na formação do individuo que é desde muito pequeno no seio de sua família tratado, na maioria das vezes, com carinho e atenção, a afetividade faz parte da formação do individuo de forma precisa e essencial. Uma criança com seus sentimentos e emoções bem equilibrados certamente terá um bom desenvolvimento escolar, o equilíbrio emocional não somente nas crianças, mas mesmo no adulto facilita o desenvolvimento do ser humano nas diferentes etapas de sua vida, sendo no meio profissional, pessoal, familiar e social, e com a criança não é diferente uma criança que se encontra mal amada, maltratada, desestimulada vai apresentar dificuldades em algum momento de seu desenvolvimento. É preciso ter-se sempre em mente o entendimento de que o homem é um ser uno indiviso e que seus comportamentos conscientes traduzem, ao mesmo tempo, os três aspectos: cognição, afetividade e psicomotor. (Luck & Carneiro, 1985, pág.20) No ambiente escolar espera-se que o aluno se sinta feliz, estando assim apto a se desenvolver plenamente, por isso a necessidade de um ambiente saudável onde as
  • 15. 15 interações se tornem agradáveis e enriquecedoras, objetivando um bem-estar do aluno, que interagindo com o meio e com o outro satisfatoriamente, já que sabemos que esta interação é fundamental para o seu desenvolvimento com um todo. Saltini(2008:29) Gostaríamos de fazer com que a educação fosse uma via para a doação do homem a si mesmo; um trabalho de amor, dando ao próprio homem aquilo que lhe pertence, ou seja, a sua capacidade de inventar, criar, fazendo coisas novas, criticando o que existe, buscando novos caminhos e aprendendo a descobrir por ele mesmo. O desenvolvimento de qualquer ser humano se dará mais plenamente se ele se sentir amado, respeitado e valorizado, pois durante todo o processo de ensino aprendizado ele também interage com objetos e com os outros transmitindo seus sentimentos e emoções, então assim com atividades e relações permeadas de afetividade seu desenvolvimento se dará mais plenamente. 2.2. O DIÁLOGO: “Não há também diálogo, se não há uma intensa fé nos homens. Fé no poder de fazer e refazer. De criar e recriar”. ( Freire,2005, pág. 93) Quando falamos em educação, logo pensamos nas possibilidades do diálogo, troca de experiências, através de um convívio social agradável e prazeroso, como já citamos diversas vezes anteriormente o ser humano é um ser social e sociável, e se desenvolve com a relação que exerce com seu meio e seus semelhantes. Então, a interação se dá através do diálogo, diálogo no sentido de falar com o outro, escutar o que o outro fala e assim criar possibilidades de trocas, de crescimento pessoal, profissional e social. Podemos destacar o significado da palavra diálogo como: Diálogo é uma conversação estabelecida entre duas ou mais pessoas. Como tal, é a principal forma de criação do teatro (embora o monólogo tenha neste gênero de arte também o seu lugar de destaque). Para existir diálogo tem de existir um locutor e um interlocutor e/ou iálogo (do grego diálogos [διά = através e λογόι = palavra, conhecimento] , pelo latim dialogus) – 1. Entendimento através da palavra, conversação, colóquio, comunicação. 2. Discussão ou troca
  • 16. 16 de idéias, conceitos, opiniões, objetivando a solução de problemas e a harmonia. (Wikipédia, 2012) Como podemos observar diálogo é uma conversação entre pessoas, troca de idéias, opiniões, conceitos,segundo Freire(2005) não existe diálogo sem amor, fé nos homens, esperança, humildade e sem um pensar crítico, assim em suas colocações são destacadas tais perspectivas dialógicas. Ao fundar-se no amor, na humildade e na fé nos homens, o diálogo se faz uma relação horizontal, em que a confiança de um polo no outro e consequência obvia. Seria uma contradição se, amoroso, humilde e cheio de fé, o diálogo não provocasse este clima de confiança entre seus sujeitos. (Freire, 2005, pág.94) O ato de educar precisa, ser um ato de confiança, por isso a necessidade do diálogo que acima de tudo vem fortalecer os laços entre as pessoas. O primeiro contato da criança é o seu convívio com sua família, se a criança desde cedo for apresentada a uma educação dialógica, não apresentará dificuldades em se relacionar mais tarde com outras pessoas que estão fora de seu circulo familiar. Depois da família, a escola seria seu segundo local de maior convívio social. Na escola, desde cedo, a criança precisa se desenvolver socialmente, pois convive com muitos colegas diferentes, e se não for bem trabalhada pode apresentar dificuldades de adaptação a essa sua nova realidade, a escolar. A melhor maneira de buscar esse desenvolvimento dialógico é através do exemplo, ou seja dialogando com ela, quando nos mostramos abertos ao diálogo, conseguimos mais sucesso com outras pessoas. Somos seres inacabados e estaremos sempre enquanto existirmos em busca de nossa plenitude, assim desde cedo a escola precisa levar a criança a aprender a respeitar as diferenças, vencer os preconceitos e aceitar as particularidades de cada pessoa com quem convive por isso a necessidade de desenvolver esta prática dialógica, que será aperfeiçoada no exercício diário, de amor e generosidade pelo próximo,buscando assim se tornar a cada dia uma pessoa melhor, como destaca o autor: Seria impossível saber-se e não se abrir ao mundo e aos outros a procura de explicação, de respostas e de múltiplas perguntas. O fechamento ao mundo e aos outros se torna transgressão ao impulso natural da incompletude. O sujeito que se abre ao mundo e aos outros inaugura com seu gesto de relação dialógica em que se confirma como
  • 17. 17 inquietação e curiosidade, como inconclusão em permanente movimento na história. (Freire, 1996, pág 136) 2.3. A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA PRÁTICA EDUCATIVA Não há diálogo, porém, se não há um profundo amor ao mundo e aos homens. (Freire,2005, pág. 91) O diálogo e a afetividade andam de mãos dadas no processo educacional, como vimos anteriormente neste trabalho, o ser humano é um ser sociável que precisa interagir para que seu desenvolvimento se faça de maneira plena e complexa, e através do diálogo é que nos tornamos donos do nosso pensar, expressamos nossas opiniões e assim nos tornamos pessoas capazes de viver em sociedade. O ser humano como ser sociável e afetivo, vive em sociedade sendo capaz de criar laços, conviver e expressar seus sentimentos e opiniões por isso ele vai se desenvolvendo com pessoa, aprendendo e ensinando e se tornando um ser mais complexo todos os dias. Acredito que, de um encontro de amor, seja ele com um objeto, ou mesmo com o outro, nasce e transforma-se a vida; mudam- se os destinos, tira-se de nada um mundo de projetos e ideias que antes não existiam. Nasce uma espera, consolida-se um tempo e apalpa-se um espaço. As pulsões se transformam e sublimam-se e, assim educamos para si e para o seu meio. (Saltini,2008,pág. 16) A escola, como a família, é uma instituição de extrema importância na formação de uma pessoa, passamos grande parte de nossas vidas dentro da escola. E assim sendo, ela precisa ser um local onde gostamos de estar. Depois da família, é através da escola que os indivíduos se socializam. É na escola que praticamos nossas primeiras experiências como cidadãos. Nela podemos participar de atividades expondo opiniões, e se posicionando sobre diversos assuntos, através de um exercício dialógico diário, nos sentimos mais a vontade de sermos nós mesmos, mostrando nossos anseios, medos, dúvidas. Todo ambiente escolar onde o diálogo e afetividade se faz presente torna-se um ambiente propício ao crescimento e enriquecimento individual, pois se torna um lugar
  • 18. 18 onde não precisamos temer e sim ter coragem de sermos nós mesmos sem medo de preconceitos e repreensões pelo que pensamos e somos. Uma pessoa quando é bem tratada e valorizada, se sente confiante e uma pessoa feliz consegue se desenvolver melhor, sem medo de errar, pois é e através dos erros e acertos é que aprendemos cada dia mais. Uma escola onde a prática do diálogo estimula a liberdade de se expressar, ajuda no exercício de cidadania, sendo um papel fundamental de a escola fazer com que o individuo sinta-se parte de um processo educativo que mais tarde vai refletir em tomadas de decisões por toda sua vida. Uma pessoa bem resolvida emocionalmente tende a ter um maior equilíbrio para resolução de problemas. Se o diálogo é o encontro dos homens para ser mais, não pode-se fazer na desesperança. Se os sujeitos do diálogo nada esperam do seu quefazer, já não pode haver diálogo. O seu encontro é vazio e estéril. (Freire, 2005, pág.95) Hoje quando ligamos a televisão, ou mesmo no nosso dia a dia nos deparamos com muitos acontecimentos que demonstram como a violência está intimamente inserida em nossa sociedade, a violência em todas as suas multifaces, a violência verbal, física,psicológica, visual,com a correria do diária, muito das vezes nem tomamos nota disso, achamos comum na rua as pessoas se agredindo no transito, o filho destratando os pais e vice-versa, um motorista de ônibus que não para no ponto para um idoso que deu o sinal.Estamos banalizando estes acontecimentos que se tornam normais no nosso cotidiano. As pessoas se tornaram muito apressadas, principalmente nas cidades as pessoas levam uma vida muito individualista e nem sempre arrumam tempo para conversar com sua família, com seus filhos, devido toda essa mudança social, as pessoas ficam cada vez mais sem tempo para a afetividade e para o diálogo, então a escola precisa resgatar através de um exercício diário estes valores de saber escutar o outro, respeitar suas opiniões, esse sentimento de solidariedade para com o outro. Precisamos conversar mais, ouvir mais, porque são valores instituídos na vida em sociedade. Vivemos em sociedade porque convivemos pacificamente, porque temos direitos e deveres que precisam ser respeitados. A necessidade dessa prática dialógica em todos os sentidos para que haja uma transformação social, onde as pessoas sejam mais respeitadas e valorizadas.
  • 19. 19 É o meu bom-senso, em primeiro lugar que me deixa suspeitoso, no mínimo, de que não é possível a escola, se na verdade, engajada na formação de educandos e educadores, alhear-se das condições sociais culturais, econômicas de seus alunos, de suas famílias, de seus vizinhos. (Freire, 1996, pág. 63) Esse bom-senso, que Paulo Freire(1996) enfatiza em seu livro Pedagogia da Autonomia, que é de extrema importância para o desenvolvimento da prática educativa, pois com toda a violência que faz parte do nosso dia a dia como citado no parágrafo anterior, cabe a escola o bom-senso de buscar desenvolver em seus alunos um modo diferente de resolver os problemas encontrados, o ser humano é o único ser dotado da capacidade de falar, pensar , por isso precisamos desenvolver criteriosamente esta capacidade extraordinária. Na escola a criança deve desde cedo exercitar o bom-senso de pensar, falar e agir, e a melhor maneira seria através da prática do diálogo e da afetividade, buscando entender o outro, resolver os problemas que surgem através da conversa, da busca de soluções compartilhadas com o grupo no qual esta inserido. As famosas estratégias educacionais nada mais são do que a criação de relações adequadas, afetivas e carinhosas, aptas a fazer com que a criança trabalhe seu narcisismo secundário, restabelecendo sua beleza, diante de si e do mundo, na medida em que aprende. (Saltini, 2008, pág 22) Como explicita Saltini(2008) em seu livro Afetividade e Inteligência, todo aprendizado nasce de um sonho, precisamos buscar em nossos alunos esse desejo de se aprimorar através do conhecimento, por isso para o desenvolvimento de um bom processo educativo é necessário que se desenvolva uma prática pautada na afetividade e no diálogo. Os sonhos precisam ser ouvidos, precisam ser cultivados, valorizados e estimulados. Não podem se perder na correria do dia-a-dia, na ausência das famílias e em outros diversos motivos que hoje propulsionam nossa sociedade. Os alunos devem vivenciar uma escola onde os saberes são compartilhados, onde as diferenças são respeitadas e valorizadas. Somos seres únicos, cada um de nós temos nossas necessidades, fraquezas, medos e fragilidades que quando bem trabalhados podem se tornar nossas grandes virtudes, mas que em contra partida quando ridicularizados podem nos causar danos para o resto de nossa existência. Uma escola autoritária, que limita que somente executa seus currículos, sem se importar com o
  • 20. 20 aluno “pessoa” que possui suas peculiaridades anseios e vivências pode aumentar em muito seus índices de fracasso escolar. Por isso é necessario de se investir em uma escola democrática, onde a afetividade e diálogo estejam presentes no convívio de seus alunos, e claro, não abrindo mão de um desenvolvimento sério do processo educacional, mas formando pessoas mais felizes. A escola não pode ser castigo ou obrigação, escola precisa ser um lugar onde as pessoas se sintam bem, gostem de estar, pois quando estamos em um lugar que gostamos nos sentimos bem , e o aprendizado se torna algo significativo e produtivo, como cita Rubens Alves(1994): “conte-me seus sonhos para que sonhemos juntos”. CAPITULO 3- OBJETO DA PESQUISA- CIEP 483- ADA BOGATO MUNICIPALIZADO “A única solução possível para esse gravíssimo problema social e nacional é melhorar a qualidade das escolas que temos; é ajudar o professorado a realizar com mais eficácia a sua tarefa educativa; é socorrer as crianças para que frequente as escolas, mas lá aprendam; é, ainda, chamar de volta às aulas os jovens insuficientemente instruídos para lhes dar, pelo menos, um domínio da leitura, da escrita e do cálculo que os salve da marginalidade.” (Darcy Ribeiro,1992). O Ciep 483 – Ada Bogato foi construído pelo Governo Estadual do Rio de Janeiro, inaugurado no ano de 1993, pelo Segundo Programa Especial de Educação. Está localizado em comunidade periférica, na Rua Izalino Gomes da Silva, s/nº, bairro Paraíso de Cima,no Município de Barra Mansa. O nome - Ada Bogato - foi em homenagem à Ada Leda Rogato, que foi uma pioneira da aviação no Brasil. Foi a primeira mulher a obter licença como pára-quedista, a primeira volovelista (piloto de planador) e a terceira a se brevetar em avião. Também se destacou por suas acrobacias aéreas e foi a primeira piloto agrícola do país. Foi construído com Processo nº E- 03/1760/98-SEA/RJ e com o Parecer de número 02 de 17/03/00 CME, sendo municipalizado com o Decreto de Número 18689/93, desde então a Unidade Escolar tem como mantenedora a Secretaria Municipal de Educação de Barra Mansa e atende as
  • 21. 21 modalidades de Ensino de Educação Infantil e todo o Ensino Fundamental, sendo ele formado pela 1ª fase (1º ao 5º Ano) e 2ª fase (6º ao 9º Ano). A referida Unidade Escolar possui cerca de 350 alunos e 70% dos alunos, moram em um Assentamento de Sem-Teto, que vivem em barracos de madeira e extrema pobreza,sendo uma comunidade muito carente, pouco informada, que convive com problema de baixa renda,baixo índice de escolaridade e alto índice de natalidade , marginalização e desemprego. As famílias, na maioria dos casos, são numerosas. As crianças, desde cedo, convivem com violência, o que se reflete no ambiente escolar, e devido a todos os problemas relatados, também era uma característica a alta rotatividade de funcionários, que não conseguem se adaptar aos problemas e a realidade local. Atualmente, possui em torno de 47 funcionários, entre professores, apoio e equipe administrativa, sendo que seus professores, em grande maioria, possuem nível superior e ingressaram na rede municipal no segundo semestre de 2010, quando foi realizado o último concurso da Prefeitura Municipal de Barra Mansa. Então ,desde a citada data, a rotatividade de funcionários teve uma melhora grande e hoje já é possível visualizar um vínculo afetivo entre os funcionários e a comunidade escolar. Os alunos, por suas vivências, em sua maioria tem muita dificuldade de concentração, são agitados e apresentam-se bastante agressivos na hora de resolver os problemas entre os pares, geralmente se agridem verbalmente e até mesmo partem para a agressão física com seus colegas de classe, que observa-se nas brincadeiras feitas por eles na hora do recreio ou intervalos predomina uma violência, com isso podemos destacar o tal comportamento na comunidade local (responsáveis) que também apresenta dificuldade de se expressar através de um diálogo, mostrando-se primeiramente agressiva na resolução de problemas relacionados com a vida escolar de seus filhos e filhas, mas que em contato com uma postura dialógica e afetiva, se acalmam e partem para um melhor entendimento através de uma conversa harmoniosa. A comunidade do entorno da Unidade Escolar apresenta um preconceito em matricular seus filhos na referida instituição. Muitas das crianças saem de perto da escola para estudar em outras localidades, pois seus responsáveis não querem seus filhos estudando junto com as crianças moradoras do assentamento de sem-teto, por
  • 22. 22 causa da problemática que apresenta tal comunidade, que representam a maior parte dos alunos que estudam no Ciep 483 – Ada Bogato Municipalizado. Devido todos estes problemas observamos que a comunidade que vivem neste assentamento de sem-teto possuem uma auto-estima muito baixa e todos esses valores sociais distorcidos são passados às crianças que já chegam a escola com pouco incentivo para o estudo.Segundo Freire (1996; pág73) “É preciso ficar claro que a desesperança não é maneira de estar sendo natural do ser humano, mas distorção da esperança. Eu não sou primeiro um ser da desesperança. Eu sou pelo contrário, um ser da esperança que por “n” razões, se tornou desesperançado.” Podemos notar isso, quando perguntados sobre qual profissão gostaria de exercer quando chegassem à idade adulta a maioria não tem resposta prévia, não existe muita perspectiva de ascensão social através do conhecimento, da formação educacional. As famílias por apresentarem um nível de escolaridade muito baixo, não servem de elemento norteador para que os filhos visualizem um futuro promissor através da escolaridade. Na realidade a escola precisa intensificar um trabalho para mostrar a estas crianças a necessidade do conhecimento e que através de uma formação educacional se pode aumentar as possibilidades de uma melhor posição no mercado de trabalho e que assim cresce as oportunidades e possibilidades de uma melhor qualidade de vida onde as perspectivas futuras possam servir de motivação para um maior desenvolvimento das crianças. 3.1. A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS ALUNOS “O sujeito graças a sua capacidade de assimilar e acomodar se autoconstroi, se autotransforma, se autoregula e se conscientiza.” (Saltini, 2008, pág.67 ) Retomando as transformações vividas pela nossa sociedade e ainda toda a violência disseminada em suas diversas faces, como já citamos em outras partes deste trabalho, os alunos refletem na instituição escolar todas suas vivencias familiares e sociais, os alunos oriundos de comunidades mais carentes e periféricas, na maioria das
  • 23. 23 vezes vivenciam no seu dia a dia várias formas dessa violência. O pai que bebe ou que utiliza drogas. O pai que é violento com a mãe e até com a própria criança. A violência velada da falta de alimentação, de saneamento, da fala de carinho e atenção, de diálogo. Enfim, problemas sociais que são reproduzidos por este aluno dentro da escola, não por vontade própria, mais por desconhecimento de outra forma de vida. Como citado por Saltini, 2008, pág 25, Paulo Freire enfatiza “para ser válida, toda educação, toda ação educativa deve necessariamente estar precedida de uma reflexão sobre o homem e de uma análise profunda do meio de vida concreta do homem a quem deseja educar ou, para dizer melhor, a quem se quer ajudar para que se eduque”. O conhecimento do meio em que o aluno vive é de extrema importância para o desenvolvimento dos planejamentos escolares, porque o homem é um produto do seu meio, e o reflete em suas relações, seus valores e aspirações. Os alunos do CIEP 483 – Ada Bogato, como já citado anteriormente, vivem na sua maioria, em um assentamento de sem-teto, onde convivem com muita violência e condições precárias de vida, e como a pessoa é em partes o reflexo do seu meio, na escola se mostram bastante agressivos, agitados e com pouco interesse em seus estudos.Podemos observar que suas atitudes, suas formas agressivas de resolver os problemas que surgem diariamente, a relação com os professores e com amigos de classe, não eram uma atitude proposital, mas não reconheciam outra forma de se pronunciar, com a prática de diálogo e afetividade implantada por toda sua comunidade escolar, o tratar bem aos poucos foi fazendo parte do dia-a-dia da Unidade Escolar. Educar significa ajudar a acordar, ajudar a encontrar no próprio ser o ímpeto, a saudade, a vontade de agir, de buscar e descobrir, de crescer e de progredir.Educar significa também, aprender a ensinar a lutar, a aprender e ensinar a intensificar a existência e a cumpri-la com decisão e consciência.(Saltini, 2008, pág. 52) A pesquisa foi feita com alguns alunos do CIEP 483-Ada Bogato Municipalizado, eles responderam externando sua opinião sobre como o diálogo e a afetividade, influenciam em sua vida escolar, tornando-a melhor mais prazerosa, os alunos vão ser representados por letras de nosso alfabeto para que suas identidades sejam preservadas neste trabalho.
  • 24. 24 Aluno A, 14 anos (9º Ano de Escolaridade) – “Gosto muito do diálogo, porque sem ele as pessoas se afastam, e a escola assim dá mais oportunidade e aposta mais na capacidade dos alunos”. Aluno B, 11 anos (6º Ano de Escolaridade) – “É muito bom porque resolve as coisas sem agressão e sem gritar”. Aluno C, 15 anos (8º Ano de Escolaridade) – “É bom porque do mesmo jeito que as pessoas conversando passam coisas boas para nós, nós os alunos passamos para eles.”. Aluno D, 10 anos (5º Ano de Escolaridade) – “Prefiro a conversa, não gosto de briga”. Aluno E, 16 anos (7º Ano de Escolaridade) – “Antes eu só gostava de brigar, agora resolvo as coisas conversando, o diálogo é bom, ficamos mais amigos”. Como podemos observar, os alunos em sua maioria, estão satisfeitos em serem ouvidos e exporem seus desejos e aflições, a prática do diálogo e da afetividade precisa ser uma prática diária para que se torne algo habitual e , principalmente, reforçada pelo exemplo de todos os funcionários da escola pois a melhor maneira de se ensinar se mostra através do exemplo, como nos diz Paulo Freire(1996) o meu discurso sobre a teoria precisa ser o exemplo concreto. 3.2. A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS EDUCADORES “Diz Paulo Freire: para ser válida toda educação, toda ação educativa, deve necessariamente ser precedida de uma reflexão sobre o homem e de uma análise do meio de vida concreto a quem queremos educar, ou melhor: a quem queremos ajudar a que se eduque.”(Saltini, 2008,pág.25). A visão dos educadores é de extrema importância para o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. A postura, como os educadores se colocam diante das diversidades encontradas em sala de aula, a maneira como se posicionam em relação da
  • 25. 25 vivência dos alunos e da comunidade onde estão inseridos, vão se tornar base para todo o desenvolvimento do processo educativo. O professor e o aluno são as peças primordiais de todo processo de aprendizagem e o posicionamento de ambos em relação ao mesmo, vai definir os caminhos que vão trilhar ao longo de sua vida profissional e escolar. Na verdade, preciso descartar como falsa a separação radical entre seriedade docente e afetividade. Não é certo, sobretudo do ponto de vista democrático, que serei tão melhor professor quanto mais severo, mais frio,mais distante e “cinzento” me ponha nas minhas relações com os alunos, no trato dos objetos cognoscíveis que devo ensinar. A afetividade não se acha excluída da cognoscibilidade. (Freire, 1996, pág. 141) A pesquisa foi feita com alguns educadores do CIEP 483-Ada Bogato Municipalizado, eles responderam externando sua opinião sobre como o diálogo e a afetividade, influenciam em sua prática diária, tornando-a mais significativa e produtiva, os professores vão ser representados por letras de nosso alfabeto para que suas identidades sejam preservadas neste trabalho. O professor, para desenvolver sua prática educativa, precisa ter bem definido em seu planejamento quais são seus principais objetivos em relação ao desenvolvimento do educando tendo sempre em mente que as pessoas são únicas e que cada uma possui suas particularidades. Quando perguntados sobre a importância do diálogo e da afetividade no desenvolvimento escolar de seus alunos obtivemos como respostas: Professora (1ª fase do Ensino Fundamental) A, 25 anos de magistério e 04 anos na Unidade Escolar – “Com diálogo e afeto constante, conseguimos trabalhar a auto- estima do ser humano e a criança que se conhece e se ama é capaz de mudanças tanto no pessoal, quanto mudanças maiores que vão influenciar na sua atuação na sociedade.” Professora (1ª fase do Ensino Fundamental) B, 1 ano e 7 meses na Unidade Escolar – “O diálogo e a afetividade são fundamentais para o sucesso da mesma, pois o respeito mútuo possibilita um ambiente mais agradável e produtivo”.
  • 26. 26 Professora (2ª fase do Ensino Fundamental) C, 10 anos de magistério e 3 meses na Unidade Escolar – “ A aprendizagem está diretamente relacionada a confiança e , especialmente no caso de crianças e adolescentes, a confiança é conquistada através do diálogo e da afetividade.” Professora (2ª fase do Ensino Fundamental) D, 13 anos de magistério e 8 anos na Unidade Escolar – “O diálogo é tudo, as vezes é necessário parar tudo e dialogar para que o professor se faça entender e a partir daí, surgir a cumplicidade e a afetividade.” Professora (1ª fase do Ensino Fundamental) E, 22 anos de magistério e 2 anos na Unidade Escolar – “ Sem diálogo e amor não se consegue um bom trabalho, então o diálogo e a afetividade são fundamentais.” Depois da pesquisa feita podemos observar que a maioria dos professores que responderam os questionários acreditam que uma prática dialógica e afetiva conseguem melhores resultados, tanto os professores com mais tempo de magistério, quanto os professores que exercem a função docente mais recentemente concluíram a importância dessa prática mais democrática, transcrevemos algumas respostas, mas todas elas foram unanimes quanto à importância do diálogo e da afetividade. Na realidade o ser humano necessita de diálogo e afeto durante toda a sua vida. Pessoas precisam ser amadas e valorizadas, para que assim se sintam aceitas no grupo, somos seres sociais e essa aceitação é de extrema importância para o aluno, que interagindo com os outros vai desenvolvendo seus conceitos e conhecimentos, de acordo com Luck & Carneiro (1983) aspectos como renda familiar, ocupação e educação dos pais produzem diferenças significativas em atitudes dos indivíduos e tem implicações fundamentais para organização dos objetivos e metodologia do processo educativo, os quais devem ser ajustados de acordo com grupos diferentes e de aluno para aluno, de turma para turma, de escola para escola e de ano para ano, assim sendo, a necessidade do educador conhecer mais profundamente seus alunos através de uma prática, de diálogo e afetividade, pois assim consegue construir entre seus alunos um vinculo de confiança, aumentando as possibilidades do desenvolvimento do processo de ensino-aprendizado significativo e eficaz. A educação é uma forma de intervenção no mundo. Para podermos educar alguém precisamos acreditar que essa mudança é possível. Não podemos buscar algo no
  • 27. 27 qual não acreditamos que somos capazes. O trabalho desempenhado pela educação é um trabalho lento, pois não vemos resultados imediatos e sim em longo prazo, por isso a necessidade de reflexão todos os dias, para que possamos analisar nossa prática educativa, a tornando, mais atrativa, mais significativa algo que realmente venha a somar algo na vida de nossos alunos. Se não conseguimos atingir nossos alunos de alguma forma, nossa prática se torna ineficaz, sem sentido, apenas transmissão de conteúdos. Hoje, com tanto desenvolvimento tecnológico a escola precisa criar meios de fazer com que os alunos gostem de estar nela. É uma competição muito desigual, e somente através da criação de vínculo, de confiança, da alegria, da esperança, conseguimos fazer com que esse aluno de importância e se sinta parte deste processo educativo. Há uma relação entre a alegria necessária à atividade educativa e esperança. A esperança de que o professor e os alunos juntos podem aprender, ensinar, enquietar-nos, produzir e juntos, igualmente resistir aos obstáculos a nossa alegria. (Freire, 1996, pág 72) Como sabemos, desde pequeno, o ser humano é um ser social. Primeiro se socializa na família que é seu primeiro contato, depois na escola, então através do diálogo e da afetividade seus vínculos vão sendo criados durante todo seu desenvolvimento. Obsevamos que, quando o aluno se relaciona bem com seus professores, com seus amigos e gosta de seu ambiente escolar, ocorre mais chances de se desenvolver plenamente. Isto é cognitivamente e socialmente, quanto mais adaptado, maior é seu desenvolvimento e sua aprendizagem. Gostaríamos de fazer com que a educação fosse uma via para a doação do homem a si mesmo; um trabalho de amor, dando ao próprio home quilo que lhe pertence, ou seja, a sua capacidade de inventar, criar, fazendo coisas novas, criticando as que já existem, buscando novos caminhos e aprendendo a descobrir por ele mesmo, sentado na comodamente no banco de sua própria segurança, confiando na sua espontaneidade e tendo a coragem de ser, de ser livre e responsável. (Saltini,2008,pág. 29) 3.3. A AFETIVIDADE E O DIÁLOGO NA VISÃO DOS PAIS
  • 28. 28 “É na realidade mediatizadora, na consciência que dela tenhamos educadores e povo, que iremos buscar o conteúdo programático da educação.” (Freire, 2005, pág.101). Como já levantamos anteriormente, a questão do desenvolvimento da sociedade atual é de grande relevância, quando vamos analisar a relação entre escola/aluno/professor, principalmente a questão da participação dos pais e responsáveis na vida escolar de seus filhos é muito polemica. As famílias por “n” razões estão muito ocupadas e uma grande parte não acompanha a vida escolar de seus filhos. Devido às novas ordens sociais, muita das responsabilidades, de algumas décadas até os dias de hoje foram gradativamente se tornando responsabilidade também das instituições escolares, até mesmo pela necessidade de hoje as mães saírem de casa para o mercado de trabalho. O diálogo e a afetividade é uma característica do ser humano, então, desde cedo ela precisa ser desenvolvida a começar pela família e depois trabalhada continuamente também pela escola. Sabe-se que as atitudes são aprendidas. Portanto, o seu desenvolvimento, de maneira a permitir que o indivíduo participe adequada e eficazmente da ordem social, constitui-se logicamente em objeto de extrema importância para a educação. (Luck &Carneiro, 1983, pág 37) Como a autora ressalta, atitudes dialógicas devem ter início na formação do educando desde seus primeiros contatos com a sociedade, mas também sabemos que nem sempre é assim que acontece até mesmo pela violência existente em nossa sociedade, pela falta de paciência, tempo, compreensão, dedicação. Enfim muitos motivos podem ser o foco desta falta de diálogo e afetividade entre as pessoas. Não se pode esperar, na escola, que os alunos já tragam invariavelmente de casa atitudes adequadas a um bom convívio, ao melhor aproveitamento da aprendizagem e ao melhor desempenho de seus papéis. (Luck & Carneiro, 1983, pág 37) Como podemos observar, nem sempre os alunos trazem conceitos de convivência definidos e desenvolvidos dentro de seu meio social. Precisamos buscar
  • 29. 29 estabelecê-los em parceria família e escola, a fim de juntos consigamos um melhor desenvolvimento na aprendizagem e nas relações sociais deste aluno. Elaboramos a pesquisa com pais e responsáveis do Ciep 483-Ada Bogato Municipalizado, a fim de conhecermos suas expectativas quanto à prática dialógica e afetiva desenvolvida na Unidade Escolar. Como no subitem anterior os pais e responsáveis vão ser representados por letras de nosso alfabeto para que suas identidades sejam preservadas neste trabalho. Responsável A, 37 anos, 3 filhos estudam na Unidade Escolar – “Gosto que os problemas sejam resolvidos através de conversas, a conversa gera respeito e tem que por limites com carinho.” Responsável B, 46 anos, 2 filhos na Unidade Escolar – “As crianças precisam ter alguém para confiar, através do diálogo e criança aprende a confiar e a respeitar as professoras.” Responsável C, 40 anos, 02 filhos na Unidade Escolar – “Precisa de muita conversa para resolver as coisas com respeito e dar limite e respeito, senão gera bagunça.”. Responsável D, 43 anos, 03 filhos na Unidade Escolar – “É muito bom conversar porque a gente se acalma e fica mais fácil entender, as crianças gostam mais da escola e dos professores.”. Responsável E, 26 anos, 02 filhos na Unidade Escolar – “Eu gosto que tratem bem meus filhos, conversando é uma maneira boa de resolver os problemas”. Observando as respostas de alguns responsáveis, podemos perceber que através do diálogo e da afetividade é uma boa forma de resolvermos muitos problemas enfrentados pela escola, e como eles mesmos disseram em seus depoimentos, não nestas exatas palavras, mas nas entrelinhas, com esse bom tratamento as crianças gostam mais da escola e de seus professores, o que é um ponto muito positivo para o desenvolvimento do seu processo de ensino-aprendizado, como enfatiza a autora: As atitudes, embora inerentes ao homem, uma vez aprendidas, são essenciais para ele, em termos de seu desenvolvimento pessoal e social. Sua necessidade é tão evidente que eles a aprende, mesmo
  • 30. 30 inconscientemente, como resultado de seu relacionamento interpessoal desde pequeno. (Luck & Carneiro, 1983, pág 39) O diálogo e a afetividade auxiliam na prática escolar e vão ajudar muito no desenvolvimento do aluno. CONCLUSÃO Ao longo deste trabalho percebemos que o diálogo e a afetividade são fundamentais para o bom desenvolvimento do trabalho educacional, principalmente em comunidades carentes onde a violência em todas as suas faces fazem parte do cotidiano das pessoas, que ficam sempre prontas para se defender de tudo e de todos. Isso porque que se acostumaram a ser maltratadas pelas pessoas com quem convivem ou até mesmo pelas mazelas da própria vida. A violência acaba se instituindo como parte da vivência em comunidades carentes e periféricas e sendo assim banalizada como algo normal e até mesmo inevitável. Através de uma prática dialógica e afetiva, os alunos passam a conhecer outra maneira de viver, de conviver e de resolver seus problemas. O diálogo e a afetividade cria uma ponte entre as pessoas e torna a convivência mais amena e agradável, criando vínculos capazes de proporcionar grandes formas de crescimento pessoal. As pessoas começam a visualizar uma nova forma de se relacionar com os outros, respeitando o espaço de cada um e aprendendo a viver com as diferenças. O ambiente se torna mais leve e assim criam-se novas formas de convívio, aonde o aprendizado vai ocorrendo mutuamente entre as pessoas envolvidas no processo de ensino-aprendizado. Com uma convivência mais agradável e feliz as pessoas se sentem mais valorizadas e assim todo o processo educativo flui melhor. Quando a comunidade escolar passa a compreender a importância de sua participação no processo educativo ela se empenha mais e assim a instituição escolar se fortalece. Quando todas as pessoas se sentem úteis elas tendem a produzir mais e melhor. Os alunos se sentem valorizados quando são bem tratados e podem expor suas necessidades e opiniões. Os educadores
  • 31. 31 quando respeitados sentem – se melhor e assim se dedicam mais ao seu trabalho e os pais por sua vez vão depositar mais confiança em um grupo que passa coesão e firmeza em suas atitudes. Enfim em uma instituição onde a afetividade e o diálogo são parte do seu cotidiano a tendência é melhorar tanto o desenvolvimento social quanto o profissional de todos os envolvidos no processo educativo. Após a pesquisa podemos afirmar, mas sem esgotar as possibilidades que o assunto é capaz de prover, que através da inserção do afeto e do diálogo no processo educativo pode-se transformar a maneira de viver, de se relacionar e de se desenvolver de todos os envolvidos no mesmo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2009/a%20importancia.pdf. Acessado em 19 de maio de 2012. Disponível em: http://www.pdt.org.br/index.php/nossas-bandeiras/educacao/mais-sobre- os-cieps/a-proposta-pedagogica, acessado em 17 de maio de 2012. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikipédia: Acessado em 19 de maio de 2012. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 48ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 41ªEd. São Paulo: Paz e Terra, 1996. LUCK, Heloísa – CARNEIRO, Dorothy Gomes. Desenvolvimento afetivo na escola:Promoção, medida e avaliação.2ª Ed. Rio de Janeiro. Vozes, 1983 OSORIO, L.C.,& VALLE, M.E.P.Terapia de família, novas tendências.Porto Alegre.Artmed,2002. SALTINI, Cláudio J.P. Afetividade e inteligência.5ª Ed. Rio de Janeiro: Wak, 2008.
  • 32. 32 ANEXOS: Questionário de Pesquisa – Afetividade e Diálogo (alunos) 1-Nome:_______________________________________________________________ 2-Idade:_________________________________Turma:_________________________
  • 33. 33 3- O que você mais gosta em sua escola? Justifique. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 4-Como são tratados os problemas que acontecem na escola? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 5-Você acha importante o diálogo e a afetividade na escola? Justifique. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 6- E a afetividade (carinho) e o diálogo (conversa) dos funcionários, professores e equipe pedagógica de sua escola, o que você acha? Justifique. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 7-Há quanto tempo você estuda nesta escola, neste tempo ocorreu alguma mudança? Quais? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ Questionário de Pesquisa – Afetividade e Diálogo(Pais e Responsáveis) 1-Nome:_______________________________________________________________ 2-Idade: ____________Número de filhos na Unidade Escolar:____________________ 3- O que você mais gosta nesta escola? Justifique.
  • 34. 34 ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 4-Como são tratados os problemas que acontecem na escola? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 5-Você acha importante o diálogo e a afetividade na escola? Justifique. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ _______________ 6- E a afetividade (tratamento) e o diálogo (conversa) dos funcionários, professores e equipe pedagógica desta escola, o que você acha? Justifique. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 7-Há quanto tempo seu filho estuda nesta escola, neste tempo ocorreu alguma mudança? Quais?________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ Questionário de Pesquisa – Afetividade e Diálogo ( Educadores) 1-Nome:_______________________________________________________________ 2-Tempo de Serviço:____________Tempo nesta Unidade Escolar:_________________
  • 35. 35 3- O que você mais gosta no desenvolvimento de seu trabalho nesta escola? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 4-Como são tratados os problemas que acontecem na escola? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 5-Você acha importante o diálogo e a afetividade na escola? Justifique. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 6- O que você acha da afetividade (tratamento) e o diálogo (conversa) dos funcionários, professores e equipe pedagógica com os alunos ?Justifique sua resposta. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 7-Com o desenvolvimento de atividades embasadas pelo diálogo e afetividade, ocorreram mudanças no desenvolvimento do seu trabalho nesta Unidade Escolar e ou desenvolvimento dos alunos? Quais?_________________________________________