O Renascimento Cultural e Científico

31.051 visualizações

Publicada em

O Renascimento Cultural e Científico - www.prof.medeiros.zip.net - CSSG - Cuiabá-MT.

Publicada em: Educação
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31.051
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9.798
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
388
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Renascimento Cultural e Científico

  1. 1. O Renascimento Cultural e Científico Europeu www.prof.medeiros.zip.net
  2. 2. Introdução A Europa foi revitalizada, nos últimos séculos daIdade Média, pelo reaquecimento do comércio e pelaagitação da vida urbana. A transição do feudalismo para o capitalismo foi, aospoucos modificando os valores, as ideias, asnecessidades artísticas e culturais da sociedadeeuropeia. Mais confiante em suas próprias forças, o homemmoderno deixou de olhar tanto para o alto, em buscade Deus, passando a prestar mais atenção em simesmo. O homem se redescobre como centro depreocupações intelectuais e sociais, como criatura ecriador do mundo em que vive. Tudo isso refletiu nasartes, na filosofia e nas ciências.
  3. 3. O Renascimento O termo Renascimento tem sua origem naprópria vontade de muitos artistas e intelectuaisdos séculos XV e XVI de recuperar ou retomar acultura antiga (greco-romana), que abrandou naIdade Média. Foi a partir dos renascentistas que o períodomedieval passou a ser rotulado como "Idade deTrevas", época de “barbarismo” cultural.Entretanto, essas rotulações correspondem, semdúvida, a exageros dos renascentistas.
  4. 4. Os novos valores culturais – Em substituição aosvalores dominantes da Idade Média, a mentalidademoderna formulou novos princípios: Humanismo – em vez de um mundo centrado em Deus (teocêntrico), era preciso construir um mundo centrado no homem (antropocêntrico), desenvolvendo uma cultura humanista; Racionalismo – em vez de explicar o mundo pela fé, era preciso explicá-lo pela razão, desenvolvendo o racionalismo, principalmente nas ciências; Individualismo – em vez da ênfase no aspecto coletivo e fraternal da cristandade, era preciso reconhecer e respeitar as diferenças individuais dos homens livres, valorizando o individualismo, diretamente associado ao espírito de competição e à concorrência comercial.
  5. 5. Os novos valores culturais – Em substituição aosvalores dominantes da Idade Média, a mentalidademoderna formulou novos princípios: Humanismo – em vez de um mundo centrado em Deus (teocêntrico), era preciso construir um mundo centrado no homem (antropocêntrico), desenvolvendo uma cultura humanista; Racionalismo – em vez de explicar o mundo pela fé, era preciso explicá-lo pela razão, desenvolvendo o racionalismo, principalmente nas ciências; Individualismo – em vez da ênfase no aspecto coletivo e fraternal da cristandade, era preciso reconhecer e respeitar as diferenças individuais dos homens livres, valorizando o individualismo, diretamente associado ao espírito de competição e à concorrência comercial.
  6. 6. Os novos valores culturais – Em substituição aosvalores dominantes da Idade Média, a mentalidademoderna formulou novos princípios: Humanismo – em vez de um mundo centrado em Deus (teocêntrico), era preciso construir um mundo centrado no homem (antropocêntrico), desenvolvendo uma cultura humanista; Racionalismo – em vez de explicar o mundo pela fé, era preciso explicá-lo pela razão, desenvolvendo o racionalismo, principalmente nas ciências; Individualismo – em vez da ênfase no aspecto coletivo e fraternal da cristandade, era preciso reconhecer e respeitar as diferenças individuais dos homens livres, valorizando o individualismo, diretamente associado ao espírito de competição e à concorrência comercial.
  7. 7. Os novos valores culturais – Em substituição aosvalores dominantes da Idade Média, a mentalidademoderna formulou novos princípios: Humanismo – em vez de um mundo centrado em Deus (teocêntrico), era preciso construir um mundo centrado no homem (antropocêntrico), desenvolvendo uma cultura humanista; Racionalismo – em vez de explicar o mundo pela fé, era preciso explicá-lo pela razão, desenvolvendo o racionalismo, principalmente nas ciências; Individualismo – em vez da ênfase no aspecto coletivo e fraternal da cristandade, era preciso reconhecer e respeitar as diferenças individuais dos homens livres, valorizando o individualismo, diretamente associado ao espírito de competição e à concorrência comercial.
  8. 8. Principais Características (Relacionaremos ascaracterísticas apenas de maneira global e resumidamente,pois os renascentistas buscavam alternativas para a sociedadeda época, através de manifestações intelectuais e artísticas,porém com uma enorme variedade de distinções.): preocupação com a perfeição, especialmente ao se retratar o ser humano; utilização de elementos geométricos, em função do que muitos artistas eram também cientistas; a arquitetura procurou adaptar os modelos clássicos (greco- romanos), mas aumentou o luxo na decoração; a pintura e a escultura ganharam independência em relação a arquitetura. Pintores e escultores utilizaram-se da ciência, estudando a anatomia humana para aplicação na arte; a figura humana era valorizada. Caracteriza-se pela fidelidade às formas representadas (realismo) e pelo sentido de equilíbrio, proporção e simetria;
  9. 9. Principais Características (Relacionaremos ascaracterísticas apenas de maneira global e resumidamente,pois os renascentistas buscavam alternativas para a sociedadeda época, através de manifestações intelectuais e artísticas,porém com uma enorme variedade de distinções.): através da geometria, o pintor irá buscar efeitos, criando idéias de profundidade (perspectiva); a música ganhou caráter universal. O canto coral era muito apreciado; a literatura se reveste de espírito crítico. Escrevia-se nas línguas nacionais, abandonando-se o latim; o espírito crítico se manifestava sobretudo com relação aos temas da época feudal: os cavaleiros, a Igreja, os heróis; as ciências procuraram explicar o funcionamento do mundo, através de teorias racionais e não religiosas. Para isto, utilizaram o método da observação e da experimentação.
  10. 10. A Última Ceia – Leonardo da Vinci
  11. 11. A Criação do Homem – Michelangelo
  12. 12. O início do Renascimento. O Renascimento iniciou-se napenínsula Itálica, espalhando-se,posteriormente, por outras regiõeseuropeias. Entre as principais cidades onde sedesenvolveu o Renascimento italiano,destacam-se Florença, no século XV,e, posteriormente, Roma e Veneza, noséculo XVI.
  13. 13. O Renascimento Científico
  14. 14. O Renascimento Científico O conhecimento medieval era fundamentalmente livresco,isto é, baseado exclusivamente nas informações e explicaçõescontidas nos livros tradicionais – principalmente as SagradasEscrituras (Bíblia) e os textos dos Padres da Igreja –autoridades teológicas cujos escritos formam o conjuntodenominado Patrística. Com o advento do Renascimento, acuriosidade e o espírito crítico, valorizaram a observaçãocientífica e impulsionaram o experimentalismo. O resultado foium extraordinário desenvolvimento no campo das Ciências. Um interessante exemplo da ciência renascentista é LeonardoDa Vinci. Embora conhecido principalmente por sua produçãoartística, desenvolveu notáveis ideias cientificas – muitas delassomente divulgadas após sua morte. Foi precursor denumerosos inventos modernos, tais como uma máquina devoar, o pára-quedas, o submarino e o carro de assalto (tanquede guerra).
  15. 15. O Renascimento Científico O polonês Copérnico demonstrou que a Terra não é o centrodo Universo. Não era o Sol que girava em torno dela(geocentrismo), como se pensava anteriormente, mas a Terraque girava em torno do Sol (heliocentrismo). Suas pesquisasforam completadas pelo alemão Kepler e pelo italiano Galileu. Na Medicina, o flamengo Vesálio é considerado o “Pai daAnatomia”; o espanhol Miguel Servet descobriu a pequenacirculação sanguínea; e o francês Pare fez a cirurgia progredir,ao criar a técnica de ligação das artérias. Apesar de todo o avanço intelectual e científico registrado noRenascimento, não devemos esquecer que somente as elitestinham acesso a ele. Contraditoriamente, persistiam –sobretudo nas camadas populares – crenças no sobrenatural ena magia, herdadas dos alquimistas e feiticeiros da Idade Médiaou com raízes ainda mais remotas.

×