Primeiros Socorros

1.892 visualizações

Publicada em

Slides sobre Primeiros Socorros
Turma O
Colégio Oriento
Guaraciaba do Norte-Ce

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.892
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
138
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Primeiros Socorros

  1. 1. Atendimento Pré-Hospitalar Uma visão geral dos primeiros socorros. Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar JOSÉ HERNANDO PAIVA ESPECIALISTA EM URGÊNCIA EMERGÊCIA E TRAUMA
  2. 2. Equipamentos utilizados no Atendimento Pré-Hospitalar Ação e apoio logístico. Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar
  3. 3. marconni.cap@ig.com.br Introdução Vários materiais e equipamentos foram desenvolvidos para esta atividade de resgate e atendimento pré-hospitalar; Estes equipamentos permitem manutenção do suporte básico e implementação do suporte avançado, bem como ações de extricação, imobilização e transporte, sem que haja agravamento de lesões.
  4. 4. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para vias aéreas, ventilação e oxigenação. Vias aéreas Cânulas orofaríngeas Garantir permeabilidade de vias aéreas superiores nas vítimas inconscientes sem reflexo de regurgitação; Tamanhos (0, 1, 2, 3, 4 e 5 ) O tamanho adequado no indivíduo adulto corresponde a distância do lóbulo auricular até comissura labial; Na criança mensurar o tamanho da cânula do ângulo da mandíbula a comissura labial; Colocação Adulto – concavidade voltada para cima associada a giro de 180º; Criança – concavidade voltada para baixo fazendo uso de depressor de língua;
  5. 5. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para vias aéreas, ventilação e oxigenação. Vias aéreas Aspirador de secreções manual Equipamento que permite proceder manualmente aspiração de secreções da cavidade oral; Aspirador de secreções Equipamento que permite aspiração de fluídos desde orofaringe até brônquios; Podem ser fixo ou portáteis, elétricos, com bateria recarregável;
  6. 6. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para vias aéreas, ventilação e oxigenação. Vias aéreas Máscaras para ventilação com válvulas unidirecionais Dispositivo utilizado por equipe de guarda- vida ou socorristas para realizar ventilação com segurança quando não disponham de ventilador manual (AMBU);
  7. 7. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para vias aéreas, ventilação e oxigenação. Vias aéreas Ventilador manual (AMBU) Unidade de Ventilação com Máscara criada em Amsterdã visa proporcionar ventilação manual; Os balões do AMBU são auto-infláveis e permitem praticar ventilação artificial através de máscara, tubo traqueal ou cânulas de traqueostomia. O reservatório de oxigênio que garante maior concentração de oxigênio; Tamanhos Adulto = 1500ml a 2000ml; Criança = 450ml a 750ml;
  8. 8. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para administração de oxigênio. Vias aéreas Equipamento de oxigênio Cilindros de oxigênio permitem realizar administração de oxigênio às vítimas atendidas no ambiente hospitalar; Cilindros podem ser fixo ou portátil; Manômetro informa a pressão de oxigênio disponível no cilindro; Fluxômetro gradua o fluxo de oxigênio fornecido ao vitimado em litros/minuto;
  9. 9. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para administração de oxigênio. Vias aéreas Respirador portátil Garantem uma ventilação artificial mecânica para pacientes que necessitam de assistência ventilatória. Podem ser ciclados à pressão (alimentados pela própria pressão do oxigênio) ou volumétricos, alimentados por bateria recarregável ou ligados à rede elétrica da ambulância.
  10. 10. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para medir a saturação de oxigênio. Vias aéreas Oxímetro de pulso Aparelho que permite medir a saturação periférica de oxigênio na corrente sangüínea. Alguns equipamentos apresentam no visor não só a saturação de oxigênio, mas informações sobre a freqüência cardíaca associados a alarmes de pontos críticos.
  11. 11. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para monitoração cardíaca, cardioversão e desfibrilação.Circulação Desfibrilador automático externo (DEA) Aparelho eletrônico que realiza a leitura, monitoração e diagnosticando arritmias e indicação da desfibrilação. No DEA as pás adesivas são posicionadas conforme indicativo no tórax do vitimado, o equipamento avalia a necessidade de desfibrilar e informa literalmente a conduta a ser realizada pelo socorrista.
  12. 12. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para monitoração cardíaca, cardioversão e desfibrilação.Circulação Desfibrilador portátil Aparelho eletrônico utilizado na reversão de arritmias cardíacas, dotado de monitor de traçado EGC necessita que o profissional médico faça o diagnóstico da arritmia e estabeleça a carga necessária a desfibrilação;
  13. 13. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Imobilização Colar cervical Dispositivo que permite imobilizar a coluna cervical, principalmente os movimentos de flexão e extensão; O colar deve possuir abertura frontal que permita a palpação do pulso carotídeo e/ou possibilite a acesso cirúrgico a via aérea superior, além de ser radiotransparente; Apresenta-se nos tamanhos PP (pediátrico), P (pequeno), M (médio), G (grande) ou Regulável (dotado de quatro tamanhos em único colar);
  14. 14. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Imobilização Colete de imobilização dorsal - KED Destinado a imobilização da coluna cervical, torácica e lombar superior, utilizado comumente em acidentes automobilísticos; Deve ser utilizado associado ao colar cervical; Possui tiras de fixação no tórax, membros inferiores com fecho tipo engate rápido e tiras para estabilizar a cabeça com fixação por velcro;
  15. 15. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Imobilização Prancha longa Utilizada na imobilização e transporte de vitimados, confeccionada em compensado naval 18mm, PVC ou Policarbonato, possui orifícios ao longo de sua estrutura permitindo fixação por tirantes, realização de amarras e fixação de imobilizadores de cabeça;
  16. 16. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Imobilização Imobilizador lateral de cabeça - coxim Dispositivo colocado na prancha longa, adjuvante do colar cervical na imobilização da coluna cervical; Confeccionado em material radiotransparente, lavável, impermeável e não higroscópico;
  17. 17. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Imobilização Maca flexível - SKED Maca flexível, confeccionada em PVC, utilizada no retirada de vitimados em ambiente confinados e local de difícil acesso; Maca tipo concha Maca rígida bipartida longitudinal, formato em concha, confeccionada em alumínio anodizado, de comprimento regulável com o tamanho da vítima;
  18. 18. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Imobilização Tração de fêmur Equipamento portátil utilizado para fixação por tração de membros inferiores, utilizada especialmente fraturas de fêmur; Construído em alumínio e aço inoxidável, com regulagem no comprimento, dotados de apoios com cintas elásticas para perna e coxa, tornoseleira para tração e tira de fixação próximo a articulação coxo-femoral;
  19. 19. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Imobilização Maca retrátil Maca retrátil sobre rodas para transporte de acidentados, com fecho de engate e fixação a viatura; Dispõe de colchão permeável, não absorvente; Possibilita regulagem a nível do tórax (FOWLER) e fixação por tirantes com engates rápidos;
  20. 20. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Estabilização Cobertor aluminizado Cobertor isolante térmico para uso preventivo de hipotermia;
  21. 21. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Extricação Tesoura de cortar vestes Tesoura de ponta romba para cortar vestes, autoclavável, de lâmina serrilhada com cabo anatômico; Cortador de anéis Instrumento em aço inoxidável, com disco de corte serrilhado, utilizado para cortar anéis;
  22. 22. marconni.cap@ig.com.br Equipamentos para imobilização, extricação, remoção e transporte. Extricação Desencarcerador hidráulico Equipamento desencacerador hidráulico, dotado de ferramenta combinada, extensor, motor bomba à combustão, bomba manual; Equipamento de Proteção Respiratória Equipamento de circuito fechado, dotado de cilindro com ar comprimido, máscara facial vedante, para trabalhos em ambientes gasados;
  23. 23. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Primária Objetivo geral: Identificar lesões que comprometam ou venham a comprometer a vida do vitimado nos instantes imediatamente após o acidente, no menor tempo possível. • Lesões que comprometem o funcionamento dos sistemas respiratório ou circulatório.
  24. 24. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Primária Objetivos Específicos I. Adotar condutas de suporte básico de vida que garantam permeabilidade da via respiratória, ventilação e circulação adequada, promovendo condições de perfusão cerebral e manutenção da vida. II. Quando necessário, utilizar técnicas de desobstrução das vias aéreas, ventilação artificial, controle de grandes sangramentos externos e reanimação cardiopulmonar cerebral. III. Estabilizar a coluna cervical com vistas a não agravar lesões existentes, preservando a integridade da medula cérebro espinhal nas vítimas politraumatizadas que não apresentem situações de ameaça a vida.
  25. 25. marconni.cap@ig.com.br Avaliação da cena Segurança Ambiente Condições de segurança do cenário Avaliar mecanismo de trauma Isolar a área Questionar testemunhas Biossegurança Utilizar barreiras de proteção Demais EPIs necessários
  26. 26. marconni.cap@ig.com.br
  27. 27. marconni.cap@ig.com.br
  28. 28. marconni.cap@ig.com.br
  29. 29. marconni.cap@ig.com.br
  30. 30. marconni.cap@ig.com.br TÉCNICA DE COLOCAÇÃO DAS LUVAS
  31. 31. marconni.cap@ig.com.br TÉCNICA DE COLOCAÇÃO DAS LUVAS
  32. 32. Avaliação Primária
  33. 33. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Primária Antes: A-B-C Via Aérea, Respiração, Compressões Torácicas Diretrizes de 2010 daAmerican Heart Association (AHA) C-A-B Compressões Torácicas, Via Aérea, Respiração)
  34. 34. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Primária Posição adequada do socorrista Estado de consciência Alerta Verbal Doloroso Inconsciente Joelhos ao solo Posição adequada do vitimado Decúbito dorsal
  35. 35. marconni.cap@ig.com.br American Heart Association
  36. 36. marconni.cap@ig.com.br
  37. 37. RESPIRA OU NÃO RESPIRA?
  38. 38. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Primária Ver, Ouvir e Sentir Ver – movimentos respiratórios • Musculatura intercostal & Diafragma Ouvir – a expiração Sentir – o ar sendo exalado
  39. 39. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Primária Abertura das Vias Aéreas Extensão da cabeça Elevação do queixo Elevação da mandíbula & Controle da coluna cervical
  40. 40. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Primária Boca máscara boca (VENTILAÇÃO) AMBU POCKET MASCK MÁSCARA ONE- WAY
  41. 41. Desobstrução de vias aéreas Via pérvea. Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar
  42. 42. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Objetivo: Reconhecer a obstrução e adotar medidas que garantam a permeabilidade da via respiratória utilizando quando necessário manobras de desobstrução de vias aéreas.
  43. 43. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas A obstrução das vias aéreas superiores pode levar a inconsciência e à parada cardiorrespiratória. Nas emergências clínicas e traumáticas, o relaxamento da língua é a causa mais freqüente de empecilho à passagem do ar. No cotidiano a obstrução produzida por alimentos apresenta a maior incidência. O reconhecimento precoce da obstrução e a adoção de medidas imediatas, aumentam a chance de sobrevida.
  44. 44. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Reconhecimento da obstrução. Vítima consciente: A vítima leva as mãos ao pescoço, e subitamente é incapaz de falar, tossir e respirar, torna-se cianótico ou apresenta esforços exagerados para respirar. Inexistem movimentos respiratórios ou estes não são detectados.
  45. 45. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Reconhecimento da obstrução. Vítima que se torna inconsciente: Inicialmente a vítima apresenta-se consciente. Se a obstrução não for removida dentro de um curto espaço de tempo, ocorrerá inconsciência, parada respiratória e, persistindo a oclusão, parada cardiorrespiratória e morte.
  46. 46. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Reconhecimento da obstrução. Vítima inconsciente: A inconsciência pode ter sido causada por uma obstrução das vias aéreas, traumas graves ou por uma parada cardiorrespiratória. Vítima encontrada inconsciente deve ser tratada como potencial portadora de trauma raquimedular ou parada cardiorrespiratória
  47. 47. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Adulto com obstrução parcial. Incentivar a tosse. Caso o corpo estranho não tenha sido eliminado pela tosse: Ministrar oxigênio por máscara facial com um fluxo de 7-10 l/min; Vítima sem suspeita de lesão na coluna cervical poderá ser transportada sentada, numa posição confortável, e aquecida.
  48. 48. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Adulto consciente com obstrução total. Realizar compressões abdominais – Manobra de Heimlich. As manobras devem prosseguir até a desobstrução das vias aéreas Se não houver êxito na desobstrução, transportar a vítima ao hospital rapidamente, sem interromper a Manobra de Heimlich..
  49. 49. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Adulto que se tornou inconsciente. Deitar a vítima em decúbito dorsal. Executar a manobra de Heimlich – 5 compressões abdominais. Inspecionar cavidade oral. Se desobstruir e a vítima voltar a respirar: O2 com um fluxo de 7-10 l/min Se desobstruir e a vítima não voltar a respirar: Proceder a manobras de ventilação e RCP se necessário.
  50. 50. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Golpes no dorso e compressões torácicas. Crianças menores de 1 ano de idade. Segurar o lactente com a face voltada para baixo, repousando sobre, repousando o tronco sobre o antebraço. Segurar firmemente a cabeça da criança pela mandíbula. Manter a cabeça do lactente mais baixa que o tronco. Efetuar cinco golpes no dorso entre as escápulas
  51. 51. marconni.cap@ig.com.br Desobstrução de vias aéreas Golpes no dorso e compressões torácicas. Girar o lactente posicionando a face para cima. Efetuar cinco compressões torácicas, um dedo abaixo da linha mamilar As manobras poderão ser realizadas posicionando o lactente com o dorso ou tronco no colo. Inspecionar cavidade oral. Checar respiração. Efetuar dois sopros. Reiniciar procedimentos.
  52. 52. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Primária Circulação Checar pulso em artéria central & Controle de grandes hemorragias
  53. 53. marconni.cap@ig.com.br Hemorragia e choque hemorrágico Artéria aorta sai do coração. Levando O2 pra todo corpo. Que libera o Co2 e volta depois pela veia cava. Venoso o sangue vai para o pulmão. Levado pela artéria pulmonar. Então a hematose acontece no pulmão para o sangue purificar. (BIS) Oi tum, tum bate coração. Oi tum, coração pode bater. Oi tum, tum bate coração. Circulação é fácil de aprender Letra: Prof. Fernando Beltrão Fisiologia da circulação
  54. 54. VERIFICAÇÃO DO PULSO RADIAL
  55. 55. VERIFICAÇÃO DO PULSO BRAQUIAL
  56. 56. VERIFICAÇÃO DO PULSO INGUINAL
  57. 57. VERIFICAÇÃO DO PULSO PEDIAL
  58. 58. VERIFICAÇÃO DO PULSO FEMURAL
  59. 59. Hemorragias & Choque hemorrágico Sangue, o rio da vida Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar Cap BM Edson Marconni et. all.
  60. 60. marconni.cap@ig.com.br •60 Objetivo Geral Controlar hemorragia e prevenir estado de choque. Objetivos Específicos I. Conhecer os efeitos fisiopatológicos de uma grande hemorragia; II. Realizar contenção das hemorragias utilizando os curativos adequados; III. Identificar e prevenir o estado de choque hemorrágico. IV. Reconhecer os perigos e restrições no uso do torniquete e identificar em que circunstâncias pode ser utilizado; Hemorragia e choque hemorrágico
  61. 61. marconni.cap@ig.com.br •61 Hemorragia e choque hemorrágico Hemorragia é perda sanguínea decorrente de lesão vascular. Classificação Conceito Hemorragia interna – não há solução na continuidade da pele. Hemorragia externa – há solução na continuidade da pele. Hemorragia arterial – ocorre lesão de uma artéria. Hemorragia venosa – ocorre lesão de uma veia.
  62. 62. marconni.cap@ig.com.br •62 •Quantos litros de sangue tem um indivíduo adulto? •E uma criança? •CuriosidadesCuriosidades
  63. 63. marconni.cap@ig.com.br •63 •Quantos litros de sangue tem um indivíduo adulto? •7% do peso corpóreo. •E uma criança? •9% do peso corpóreo. •CuriosidadesCuriosidades
  64. 64. marconni.cap@ig.com.br •64 •Qual a pressão arterial normal no adulto? •E na criança? •RevisandoRevisando
  65. 65. marconni.cap@ig.com.br •65 •Qual a pressão arterial normal no adulto? •120X80 mmHg •E na criança? •90 + 2 . idade (sístole) •70 + 2 . idade (diástole) •RevisandoRevisando
  66. 66. marconni.cap@ig.com.br •66 Hemorragia e choque hemorrágico Classificação CLASSE I • Perda de 10% a 15% do volume sangüíneo; • Alterações mínimas na fisiologia; CLASSE II • Perda de 15% a 30% do volume sangüíneo; • Taquicardia; • PA sistólica normal; • PA diastólica eventualmente elevada por vaso constrição; • Pressão de pulso diminuída; • Ansiedade e; • Retardo no enchimento capilar.
  67. 67. marconni.cap@ig.com.br •67 Hemorragia e choque hemorrágico Classificação CLASSE III • Perda de 30% a 40% do volume sangüíneo; • Freqüência cardíaca acima de 120 bpm; • Freqüência respiratória elevada; • Pulso filiforme; • Pressão de pulso diminuída onde muitas vezes não se consegue diferenciar PA sistólica da PA diastólica; • Hipotensão arterial sistólica; • Confusão mental. CLASSE IV • Perda acima de 40% do volume sangüíneo; • Pressão arterial praticamente indetectável; • Confusão e coma.
  68. 68. marconni.cap@ig.com.br •68 É primordial conter a hemorragia e evitar o colapso do sistema cardiovascular; O sangue oxigenado necessita perfundir as células principalmente as encefálicas; A. Manter via aérea pérvea para que o oxigênio chegue até os pulmões; B. Permitir e/ou proporcionar a chegada de oxigênio até os alvéolos e destes às hemácias (hematose); C. Preservar o máximo de hemácias e manter uma circulação adequada para que o oxigênio chegue até as células. Hemorragia e choque hemorrágico
  69. 69. marconni.cap@ig.com.br •69 Todas as células necessitam de energia para sobreviver e desempenhar suas funções: Funcionamento normal do organismo Metabolismo aeróbio: • oxigênio + glicose. Funcionamento inadequado Metabolismo anaeróbio: • oxigênio + glicose (ou ausência de oxigênio); • sofrimento celular; • estado de choque; • morte. •célula •tecido •órgão •sistema Hemorragia e choque hemorrágico
  70. 70. marconni.cap@ig.com.br •70 Hemorragia e choque hemorrágico Para que as células continuem recebendo sangue oxigenado e glicose para sobreviver e desempenhar suas funções, faz-se necessário: Identificar fontes de hemorragias externas; Controlar a hemorragia externa; Prevenir o estado de choque; Sob orientação médica, estabelecer acesso venoso.
  71. 71. marconni.cap@ig.com.br •71 •Controle dasControle das hemorragiashemorragias Hemorragia e choque hemorrágico
  72. 72. marconni.cap@ig.com.br •72 Hemorragia e choque hemorrágico Pressão direta; Curativo compressivo; Elevação do membro; Pressão indireta. Curativo oclusivo. Torniquete. Realizar contenção das hemorragias
  73. 73. marconni.cap@ig.com.br •73 Hemorragia e choque hemorrágico Pressão direta: Pressão exercida com as mãos (socorrista devidamente paramentado) fazendo uso de gaze, compressa, bandagens, sobre o local sangrante; Realizar contenção das hemorragias • Curativo compressivo: • Curativo realizado sobre o local o ferimento, incorporando-se mais gazes quando as primeiras camadas estiverem umedecidas de sangue, utilizando ataduras de crepe que, sob tensão, deverão manter compressão na lesão, sem contudo comprometer a perfusão capilar periférica.
  74. 74. marconni.cap@ig.com.br •74 Hemorragia e choque hemorrágico Elevação do membro: Auxilia o controle do sangramento no(s) membro(s) superior(es) e/ou inferior(es), à medida que, sob a ação da gravidade, o sangue terá dificuldade de se exteriorizar, diminuindo a hemorragia; Realizar contenção das hemorragias •Pressão indireta: •Também denominado de ponto de pressão, visa reduzir a luz da artéria que nutre o ferimento, sem contudo oclui-la, diminuindo o fluxo sangüíneo sem, todavia, impedir suprimento de sangue à extremidade;
  75. 75. marconni.cap@ig.com.br •75 Hemorragia e choque hemorrágico Curativo oclusivo: Realizando nos moldes do curativo compressivo, diferindo pela inexistência da compressão; O objetivo é basicamente cobrir o local do ferimento com gaze, bandagem ou compressas, fixando-as sem realizar compressão com atadura ou esparadrapo, facilitando a coagulação; Realizar contenção das hemorragias
  76. 76. marconni.cap@ig.com.br •76 Hemorragia e choque hemorrágico Torniquete: O torniquete não é recomendado para uso em geral, somente em casos específicos torna-se aceitável; • Como exemplo pode-se citar: grandes hemorragias onde as técnicas de curativo compressivo, elevação do membro e pressão indireta, utilizadas ao mesmo tempo, não conseguirem reduzir significativamente o sangramento incorrendo em risco de morte; O torniquete deve ser considerado o último recurso pois, causará sérios danos à vítima; O torniquete quando aplicado impede perfusão tecidual periférica do membro afetado, o que pode inviabilizar o re- implante do membro amputado; Realizar contenção das hemorragias
  77. 77. marconni.cap@ig.com.br •77 Hemorragia e choque hemorrágico Amputação; Evisceração; Objeto impactado ou empalado; Ferida aspirante. Lesões específicas
  78. 78. marconni.cap@ig.com.br •78 •Estado deEstado de choquechoque Hemorragia e choque hemorrágico
  79. 79. marconni.cap@ig.com.br •79 Hemorragia e choque hemorrágico Colapso do sistema cardiovascular decorrente da perda aguda de sangue, repercutindo na inadequada perfusão e oxigenação dos tecidos e que poderá causar à morte. Tipos de choque: Choque hipovolêmico: choque hemorrágico;choque hemorrágico; choque hidropênico; choque plasmopênico. Choque séptico; Choque anáfilático; Choque cardiogênico; Choque respiratório; Choque neurogênico; Choque psicogênico; Estado de choque
  80. 80. marconni.cap@ig.com.br •80 Hemorragia e choque hemorrágico Sinais e sintomas: pele - pálida e/ou cianótica; fria e sudoreica; pupila – dilatada (anóxia); sede; pulso fraco e rápido; P.A. – baixa. perfusão capilar lenta ou inexistente; tontura e/ou perda de consciência. Choque hemorrágico
  81. 81. marconni.cap@ig.com.br •81 Hemorragia e choque hemorrágico Sinais e sintomas: 1. Pele – pálida e/ou cianótica 2. fria e sudoréica; 3. Taquipnéia; 4. Sede; 5. Pulso fraco e rápido; 6. P.A. – baixa. 7. Perfusão capilar lenta ou inexistente; 8. Tontura e/ou perda de consciência. Choque hemorrágico • Condutas: •ConstruindoConstruindo conhecimentoconhecimento 1. Afrouxar roupas, retirar calçados 2. Agasalhar vítima; 3. Administrar O2 (12 a 15 litros/min); 4. Não dar água 5. Conter hemorragia; 6. Repor volemia; 7. Posicionar vítima em decúbito dorsal; 8. Posicionar vítima em decúbito dorsal;
  82. 82. marconni.cap@ig.com.br •82 Hemorragia e choque hemorrágico Realizar contenção de hemorragia; Posicionar a vítima em decúbito dorsal; Afrouxar roupas, retirar calçados; Elevar membros inferiores de 20 a 30 cm quando não existir suspeita de TRM; Agasalhar a vítima e prevenir hipotermia Realizar oxigenoterapia – 12 a 15 l/min; Repor volemia sob monitoração médica. Prevenindo o choque hemorrágico
  83. 83. marconni.cap@ig.com.br •83 Revisão da aula Hemorragia e choque hemorrágico Classificação das hemorragias • Hemorragia interna e externa • Hemorragia arterial e venosa • Hemorragia classe I, II, III e IV Técnicas de contensão de hemorragias • Pressão direta • Curativo compressivo • Elevação do membro • Pressão indireta ou ponto de pressão • Curativo oclusivo – torniquete Choque hemorrágico • Realizar contenção de hemorragia; • Posicionar a vítima em decúbito dorsal; • Afrouxar roupas, retirar calçados; • Elevar membros inferiores de 20 a 30 cm quando não existir suspeita de TRM; • Agasalhar a vítima e prevenir hipotermia • Realizar oxigenoterapia – 12 a 15 l/min; • Repor volemia sob monitoração médica.
  84. 84. Hora de ouro! Minutos de platina! Qual o tempo para concluir a avaliação primária?
  85. 85. marconni.cap@ig.com.br
  86. 86. marconni.cap@ig.com.br Na dúvida, não faça!
  87. 87. marconni.cap@ig.com.br Revisão da aulaRevisão da aulaAvaliação da cena Segurança • Ambiente • Biossegurança Avaliação primária Posição adequada do bombeiro Aproximação • Joelhos ao solo Posição adequada da vítima Estado de consciência • Alerta • Verbal • Doloroso • Inconsciente Ver, Ouvir, Sentir Abertura das vias aéreas & controle da cervical Boca máscara boca (ventilação) Circulação & Controle de grandes hemorragias
  88. 88. Reanimação Cardiopulmonar Cerebral Essência Vital Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar Cap BM Edson Marconni et. all.
  89. 89. marconni.cap@ig.com.br Reanimação Cardiopulmonar Objetivo Geral Realizar manobras de reanimação respiratória e cardiorrespiratória. Objetivos Específicos I. Identificar a parada respiratória e cardiorrespiratória no adulto, criança e bebê. II. Realizar as manobras de reanimação adequadas a cada faixa etária;
  90. 90. marconni.cap@ig.com.br Reanimação Cardiopulmonar É a incapacidade do coração de gerar fluxo sangüíneo e produzir pulso. A ausência de pulso carotídeo palpável é indicativo de parada cardíaca nos adultos e crianças, assim como, ausência de pulso braquial palpável em menores de 1 ano de idade. O que é parada cardíaca?
  91. 91. marconni.cap@ig.com.br Reanimação Cardiopulmonar As manobras de reanimação cardiopulmonar visam instituir, mecanicamente, ventilação e circulação produzindo perfusão cerebral. As condutas adotadas no suporte básico de vida perdurarão até que sejam adotadas as medidas de suporte avançado de vida.
  92. 92. •Como realizar a reanimação cardiopulmonar (R.C.P.)?
  93. 93. marconni.cap@ig.com.br Reanimação Cardiopulmonar Para produzir uma circulação artificial adequada realizam-se compressões e descompressões ritmadas, no terço inferior do esterno, dois dedos acima do apêndice xifóide. A massagem cardíaca eficiente deve ser realizada com a vítima posicionada em decúbito dorsal, sobre uma superfície plana e rígida.
  94. 94. marconni.cap@ig.com.br Reanimação Cardiopulmonar É bom lembrar que condutas isoladas não promovem perfusão encefálica eficaz, portanto, para que haja oxigenação cerebral adequada, devem ser realizadas ventilação e compressões cardíacas externas de maneira sincronizada.
  95. 95. marconni.cap@ig.com.br Massagem cardíaca externa ou Compressão torácica •Deve ser aplicadas 2 ventilações (respirações) com ambu ou boca a boca (com proteção para o socorrista) alternadas com 30 massagens cardíacas.
  96. 96. marconni.cap@ig.com.br
  97. 97. marconni.cap@ig.com.br
  98. 98. •Quando parar a RCP?
  99. 99. marconni.cap@ig.com.br Reanimação Cardiopulmonar As manobras de reanimação cardiorrespiratória, após terem sido iniciadas, não deverão ser interrompidas por mais de quinze segundos contínuos. Os procedimentos de suporte básico de vida, não poderão cessar, exceto se: Houver retorno do pulso central e da respiração espontânea A equipe de suporte avançado de vida, assumir os procedimentos no ambiente pré-hospitalar A vítima for entregue aos cuidados médicos, no ambiente hospitalar
  100. 100. •Quando não realizar a RCP?
  101. 101. marconni.cap@ig.com.br Reanimação Cardiopulmonar Em algumas situações as manobras de reanimação cardiorrespiratória não deverão ser executadas é o caso da morte óbvia, evidente e indiscutível como por exemplo: Decapitação. Hemicorporectomia. Manchas hipostáticas. Rigidez cadavérica. Estado de putrefação.
  102. 102. marconni.cap@ig.com.br Revisão da aulaRevisão da aula Reanimação cardiopulmonar adulto Realizar avaliação primária • Via aérea pérvea • Ventilação • Circulação Reanimação cardiopulmonar • 15 : 2 (4 ciclos = 1 minuto) – Checar respiração e pulso • Respiração e pulso espontâneos – Agasalha, Administra O2, Transporta monitorando sinais vitais • Respiração ausente e pulso presente – 1 ventilação a cada 5 segundos (12 vezes para reavaliar) • Respiração e pulso ausentes – RCP 15:2 (12 ciclos = 3 minutos para reavaliar)
  103. 103. Avaliação Secundária Estabilizar para transportar. Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar Cap BM Edson Marconni et. all.
  104. 104. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Secundária Objetivo geral: Identificar lesões que, no primeiro momento, não comprometem a vida do acidentado mas, se não forem adequadamente tratadas, poderão compromete-la nas horas seguintes.
  105. 105. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Secundária Objetivos específicos: Aplicar escala de coma de Glasgow analisando abertura ocular, resposta verbal e resposta motora; Quantificar os sinais vitais enfocando freqüência respiratória, freqüência cardíaca e pressão arterial; Realizar exame céfalo-caudal, buscando através da inspeção e palpação por sinais e sintomas indicativos de trauma;
  106. 106. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Secundária Quantificação dos sinais vitais: Freqüência respiratória Freqüência cardíaca Pressão arterial Exame céfalo-caudal Escala de coma de Glasgow 10!
  107. 107. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Secundária Quantificação dosQuantificação dos sinais vitaissinais vitais
  108. 108. marconni.cap@ig.com.br Sinais Vitais Freqüência respiratória Adulto: 12 a 20 incursões/minuto Criança: 15 a 30 incursões/minuto Bebê: 20 a 50 incursões/minuto
  109. 109. marconni.cap@ig.com.br Sinais Vitais Freqüência cardíaca Adulto: 60 a 80 batimentos/minuto Criança: 75 a 100 batimentos/minuto Bebê: 100 a 160 batimentos/minuto
  110. 110. marconni.cap@ig.com.br Sinais Vitais Pressão Arterial Adulto: 120X80 mmHg Criança e bebê: Sistólica: 90 + 2x(Idade) mmHg Diastólica: 70 + 2x(Idade) mmHg Análise: 140 90 +20 40 +10 120 X 80 mmHg -20 -10 100 70
  111. 111. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Secundária Escala de Coma deEscala de Coma de GlasgowGlasgow
  112. 112. marconni.cap@ig.com.br Escala de Coma de Glasgow Utilizada para avaliar nível de consciência em intervalos freqüentes e para sua comparação aos achados prévios; São atribuídos valores numéricos as seguintes respostas da vítima: Abertura ocular Melhor resposta verbal Melhor resposta motora
  113. 113. marconni.cap@ig.com.br Escala de Coma de Glasgow A soma da pontuação reflete o status neurológico do vitimado: Lesão encefálica grave (coma) - menor ou igual a 8 pontos Lesão encefálica moderado - de 09 a 12 pontos Lesão encefálica leve - acima de 12 pontos
  114. 114. marconni.cap@ig.com.br Abertura ocular Abrem espontaneamente - Olhos abertos espontaneamente com movimentos normais; Abrem sob estímulo verbal - Olhos fechados que se abrem mediante estímulo verbal, não necessariamente a ordem de abra os olhos; Abrem sob estímulo doloroso - Olhos fechados que se abrem mediante estímulo doloroso realizado no músculo trapézio, na região ungueal, ou por fricção na região retroesternal; 4 pontos 3 pontos 2 pontos Não abrem os olhos 1 ponto
  115. 115. marconni.cap@ig.com.br Resposta verbal Orientado, consciente - Consegue descrever quem é, informando nome, idade, o que aconteceu e demais dados solicitados; Conversação confusa - Responde as perguntas mas não sabe descrever quem é, onde está ou o que aconteceu; 5 pontos 4 pontos Palavras inapropriadas - Diz palavras isoladas e sem sentido, não conseguindo formar frases completas; 3 pontos 2 pontosSons incompreensíveis - Não consegue sequer articular palavras, emitindo apenas murmúrios ou grunhidos; Sem resposta verbal 1 ponto
  116. 116. marconni.cap@ig.com.br Resposta motora Obedece a comandos - É capaz de executar movimentos mediante solicitação verbal; Localiza a dor e retira - Consegue localizar a região onde está sendo estimulado dolorosamente e tenta remover a mão do examinador para impedi-lo; Flexão normal - Localiza o estímulo doloroso e tenta escapar dele, retirando a região estimulada; 6 pontos 5 pontos 4 pontos Flexão anormal (decorticação) - Ao ser estimulado, flexiona as extremidades superiores e estende as extremidades inferiores; 3 ponto s 2 ponto s Extensão anormal (descerebração) - Ao ser estimulado, estende as extremidades superiores e inferiores, assumindo a chamada atitude de descerebração; Não responde 1 pont
  117. 117. marconni.cap@ig.com.br Escala de Coma de Glasgow Abertura Ocular Resposta Verbal Resposta Motora Total: 3 – 15 pontos 1 – 4 pontos 1 – 5 pontos 1 – 6 pontos
  118. 118. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Secundária ExameExame céfalo-caudalcéfalo-caudal
  119. 119. marconni.cap@ig.com.br Exame céfalo-caudal Cabeça Pescoço Tórax Abdome Pelve Extremidades Sinais ≠ Objetivo: Procurar, através da inspeção e palpação, por sinais e sintomas sugestivos de traumas, seguindo uma seqüência de prioridades, para adoção de medidas de correção, estabilização e priorização do transporte.
  120. 120. marconni.cap@ig.com.br Exame céfalo-caudal A – Alergias; M – Medicações; P – Patologias prévias; L – Local, eventos associados, mecanismo do trauma e ambiente do acidente; A – Alimentação, horário da última refeição. Elementos da anamnese: Obter informações da vítima e/ou testemunhas, quando pertinentes à situação .
  121. 121. marconni.cap@ig.com.br Cabeça Crânio – capacete ósseo que protege o encéfalo. Encéfalo: Cérebro Cerebelo Tronco cerebral Bulbo Ponte Mesencéfalo Camadas: Couro cabeludo Calota craniana Dura-máter Aracnóide Líquor céfalo-raquidiano Pia-máter
  122. 122. marconni.cap@ig.com.br Trauma crânio encefálico Sinais e sintomas: Ânsia de vômito ou vômito Tontura ou desmaio Cefaléia Lapso de memória
  123. 123. marconni.cap@ig.com.br Trauma crânio encefálico Durante a inspeção e a palpação procurar por: Deformidades cranianas Rinoliquorragia – sangramento e liquor pelo nariz Otoliquorragia – sangramento e liquor pelo ouvido Edema e equimose periorbital – sinal de guaxinim Equimose retro-auricular – sinal de battle Pupilas anisocóricas
  124. 124. marconni.cap@ig.com.br Pupilas – as pupilas em condições normais são simétricas e fotorreagentes. Isocóricas Normais: Miose: Midríase: Fotorreagentes. Ambiente escuro, anóxia ou hipóxia severa, fármaco, drogas relaxantes. Ambiente iluminado, fármaco, intoxicação exógena e drogas estimulantes. Anisocóricas Acidente Vascular Cerebral, Trauma Crânio Encefálico
  125. 125. marconni.cap@ig.com.br Pescoço Inspecionar e palpar: Fratura de clavícula ou dos três primeiros arcos costais Priapismo Dormência, perda de sensibilidade e/ou motricidade Pescoço sem levantar a cabeça Traquéia Pulso carotídeo Achados importantes: Trauma crânio encefálico
  126. 126. marconni.cap@ig.com.br Trauma raquimedular Objetivo: Preservar a medula espinhal Estabilidade da coluna cervical Conduta: Colocar o colar cervical Posicionar o vitimado em decúbito dorsal na prancha longa Estabilizar a cabeça com imobilizadores laterais – coxim Realizar transporte adequado
  127. 127. marconni.cap@ig.com.br Tórax Achados importantes da inspeção e palpação do tórax Fratura de clavícula ou dos três primeiros arcos costais = TRM Fratura do quarto ao décimo arco costal = perfuração de pulmão, pneumotórax hipertensivo Fratura das costelas flutuantes do hemitórax esquerdo = lesão de baço Fratura das costelas flutuantes do hemitórax direito = lesão de fígado Fratura de esterno = tamponamento cardíaco, lesão miocárdica Ferida aspirante = hemopneumotórax
  128. 128. marconni.cap@ig.com.br Abdome e pelve Achados importantes na pelve Achados importantes no abdome Abdome em tábua = hemorragia interna Evisceração Dor a palpação com ou sem crepitação - fratura de pelve = grande perda volêmica Perna flexionada resistindo a posição ortostática = fratura de pelve ou luxação coxo-femoral
  129. 129. marconni.cap@ig.com.br Extremidades Perfusão capilar periférica Deformidade, crepitação, edema, dor Substituir o endoesqueleto por um exoesqueleto, estabilizado a estrutura com talas. Membro inferior e superior Coloração e temperatura entre as peles Retirar anéis, relógio, pulseiras... Imobilizar com talas que ultrapassem a articulação distal e proximal.
  130. 130. marconni.cap@ig.com.br Extremidades Pés de Charles Chaplin Deformidade na coxa Tração femoral não deve ser utilizada no membro que apresentar fraturas múltiplas, fratura exposta ou lesão articular. Fratura de fêmur Diminuição do tamanho do membro lesado Imobilizar da axila ao tornozelo, externamente e da virilha ao tornozelo, internamente. A perna sã pode ser utilizada como tala.
  131. 131. marconni.cap@ig.com.br Dorso Região occipital Inspecionar e palpar: Examinar o dorso Coluna vertebral Realizar rotação quando for posicionar a vítima na prancha longa. Costas Membros inferiores Avaliar quando promover rotação.
  132. 132. marconni.cap@ig.com.br Avaliação Secundária Estabilizar para transportar Não esquecer: Transporte adequado na hora de ouro Informar ao centro integrado de operações da defesa social as fases do atendimento(CIODS). Preenchimento do quesito de ocorrência
  133. 133. marconni.cap@ig.com.br Transporte de acidentados O transporte de acidentados deve ser feito por equipe especializada em resgate (Corpo de Bombeiros, Anjos do Asfalto, outros). O transporte realizado de forma imprópria poderá agravar as lesões, provocando seqüelas irreversíveis ao acidentado. A vítima somente deverá ser transportada com técnicas e meios próprios, nos casos onde não é possível contar com equipes especializadas em
  134. 134. marconni.cap@ig.com.br Transporte de acidentados Uma pessoa - De Apoio Passe o seu braço em torno da cintura da vítima e o braço da vítima ao redor de seu pescoço.
  135. 135. marconni.cap@ig.com.br Transporte de acidentados Uma pessoa - Nas costas Dê as costas para a vítima, passe os braços dela ao redor de seu pescoço, incline-a para frente e levante-a.
  136. 136. marconni.cap@ig.com.br Transporte de acidentados Uma pessoa - Cadeirinha Faça a cadeirinha conforme abaixo. Passe os braços da vítima ao redor do seu pescoço e levante a vítima.
  137. 137. marconni.cap@ig.com.br Transporte de acidentados Duas pessoas - Segurando pelas extremidades Uma segura a vítima pelas axilas, enquanto a outra, segura pelas pernas abertas. Ambas devem erguer a vítima simultaneamente.
  138. 138. marconni.cap@ig.com.br Transporte de acidentados Três pessoas Uma segura a cabeça e costas, a outra, a cintura e a parte superior das coxas. A terceira segura a parte inferior das coxas e pernas. Os movimentos das três pessoas devem ser simultâneos, para impedir deslocamentos da cabeça, coluna, coxas e pernas.
  139. 139. marconni.cap@ig.com.br Transporte de acidentados Quatro pessoas Semelhante ao de três pessoas. A quarta pessoa imobiliza a cabeça da vítima impedindo qualquer tipo de deslocamento.
  140. 140. marconni.cap@ig.com.br ROLAMENTO DE 90º
  141. 141. marconni.cap@ig.com.br
  142. 142. marconni.cap@ig.com.br
  143. 143. marconni.cap@ig.com.br
  144. 144. marconni.cap@ig.com.br
  145. 145. marconni.cap@ig.com.br
  146. 146. marconni.cap@ig.com.br
  147. 147. marconni.cap@ig.com.br
  148. 148. marconni.cap@ig.com.br
  149. 149. marconni.cap@ig.com.br
  150. 150. marconni.cap@ig.com.br
  151. 151. marconni.cap@ig.com.br
  152. 152. marconni.cap@ig.com.br
  153. 153. marconni.cap@ig.com.br
  154. 154. marconni.cap@ig.com.br
  155. 155. marconni.cap@ig.com.br
  156. 156. marconni.cap@ig.com.br
  157. 157. marconni.cap@ig.com.br
  158. 158. marconni.cap@ig.com.br
  159. 159. marconni.cap@ig.com.br
  160. 160. marconni.cap@ig.com.br
  161. 161. marconni.cap@ig.com.br ROLAMENTO DE 180º
  162. 162. marconni.cap@ig.com.br
  163. 163. marconni.cap@ig.com.br
  164. 164. marconni.cap@ig.com.br
  165. 165. marconni.cap@ig.com.br
  166. 166. marconni.cap@ig.com.br
  167. 167. marconni.cap@ig.com.br
  168. 168. marconni.cap@ig.com.br
  169. 169. marconni.cap@ig.com.br
  170. 170. marconni.cap@ig.com.br
  171. 171. marconni.cap@ig.com.br ELEVAÇÃO A CAVALEIRO
  172. 172. marconni.cap@ig.com.br
  173. 173. marconni.cap@ig.com.br
  174. 174. marconni.cap@ig.com.br
  175. 175. marconni.cap@ig.com.br
  176. 176. marconni.cap@ig.com.br
  177. 177. marconni.cap@ig.com.br
  178. 178. marconni.cap@ig.com.br
  179. 179. marconni.cap@ig.com.br ELEVAÇÃO DA PRANCHA
  180. 180. marconni.cap@ig.com.br
  181. 181. marconni.cap@ig.com.br
  182. 182. marconni.cap@ig.com.br
  183. 183. marconni.cap@ig.com.br
  184. 184. marconni.cap@ig.com.br
  185. 185. marconni.cap@ig.com.br EXTRICAÇÃO VEICULAR HAUTECK
  186. 186. marconni.cap@ig.com.br
  187. 187. marconni.cap@ig.com.br
  188. 188. marconni.cap@ig.com.br
  189. 189. marconni.cap@ig.com.br
  190. 190. marconni.cap@ig.com.br
  191. 191. marconni.cap@ig.com.br
  192. 192. marconni.cap@ig.com.br
  193. 193. marconni.cap@ig.com.br
  194. 194. marconni.cap@ig.com.br
  195. 195. marconni.cap@ig.com.br
  196. 196. marconni.cap@ig.com.br
  197. 197. marconni.cap@ig.com.br
  198. 198. marconni.cap@ig.com.br Revisão da aulaRevisão da aula Avaliação secundária Aplicar escala de coma de Glasgow • Abertura ocular • Resposta verbal • Resposta motora Quantificar sinais vitais • Freqüência respiratória • Freqüência cardíaca • Pressão arterial Realizar exame céfalo-caudal
  199. 199. marconni.cap@ig.com.br Insolação Ocorre devido à exposição prolongada dos raios solares sobre o indivíduo. Sinais e sintomas Temperatura do corpo elevada; Pele quente, avermelhada e seca; Diferentes níveis de consciência; Falta de ar; Desidratação; Dor de cabeça, náuseas e tontura.
  200. 200. marconni.cap@ig.com.br Insolação Primeiros socorros Remover a vítima para lugar fresco e arejado; Baixar a temperatura do corpo de modo progressivo, envolvendo-a com toalhas umedecidas; Oferecer líquidos em pequenas quantidades e de forma freqüente; Mantê-la deitada; Avaliar nível de consciência, pulso e
  201. 201. marconni.cap@ig.com.br Intermação Ocorre devido à ação do calor em lugares fechados e não arejados (fundições, padarias, caldeiras etc.) intenso trabalho muscular. Sinais e sintomas Temperatura do corpo elevada; Pele quente, avermelhada e seca; Diferentes níveis de consciência; Falta de ar; Desidratação; Dor de cabeça, náuseas e tontura;
  202. 202. marconni.cap@ig.com.br Intermação Primeiros socorros Remover a vítima para lugar fresco e arejado; Baixar a temperatura do corpo de modo progressivo, aplicando compressas de pano umedecido com água; Mantê-la deitada com o tronco ligeiramente elevado; Avaliar nível de consciência, pulso e respiração; Encaminhar para atendimento hospitalar.
  203. 203. marconni.cap@ig.com.br Desmaio É a perda súbita e temporária da consciência e da força muscular, geralmente devido à diminuição de oxigênio no cérebro, tendo como causas: hipoglicemia, fator emocional, dor extrema, ambiente confinado, etc. Sinais e sintomas Tontura; Sensação de mal estar; Pulso rápido e fraco; Respiração presente de ritmos variados; Pele fria, pálida e úmida; Inconsciência superficial;
  204. 204. marconni.cap@ig.com.br Desmaio Primeiros socorros Colocar a vítima em local arejado e afastar curiosos; Deitar a vítima se possível com a cabeça mais baixa que o corpo; Afrouxar as roupas; Encaminhar para atendimento hospitalar.
  205. 205. marconni.cap@ig.com.br Convulsão Perda súbita da consciência acompanhada de contrações musculares bruscas e involuntárias, conhecida popularmente como “ataque”. Causas variadas: epilepsia, febre alta, traumatismo craniano, etc. Sinais e sintomas Inconsciência; Queda abrupta da vitima; Salivação abundante e vômito; Contração brusca e involuntária dos músculos; Enrijecimento da mandíbula, travando os dentes; Relaxamento dos esfíncteres (urina e/ou fezes soltas); Esquecimento.
  206. 206. marconni.cap@ig.com.br Convulsão Primeiros socorros Colocar a vítima em local arejado, calmo e seguro; Proteger a cabeça e o corpo de modo que os movimentos involuntários não causem lesões; Afastar objetos existentes ao redor da vitima; Lateralizar a cabeça em caso de vômitos; Afrouxar as roupas e deixar a vítima debater-se livremente; Nas convulsões por febre alta diminuir a temperatura do corpo, envol-vendo-o com pano embebido por água; Encaminhar para atendimento hospitalar.
  207. 207. marconni.cap@ig.com.br Intoxicações e envenenamentos O envenenamento ou intoxicação resulta da penetração de substância tóxica/nociva no organismo através da pele, aspiração e ingestão. Sinais e sintomas Dor e sensação de queimação nas vias de penetração e sistemas correspondentes; Hálito com odor estranho;
  208. 208. marconni.cap@ig.com.br Intoxicações e envenenamentos Primeiros socorros Pele Retirar a roupa impregnada; Lavar a região atingida com água em abundância; Substâncias sólidas devem ser retiradas antes de lavar com água; Agasalhar a vítima; Encaminhar para atendimento hospitalar.
  209. 209. marconni.cap@ig.com.br Intoxicações e envenenamentos Primeiros socorros Ingestão Identificar o tipo de veneno ingerido; Provocar vômito somente quando a vítima apresentar-se consciente, oferecendo água; Não provocar vômitos nos casos de inconsciência, ingestão de soda cáustica, ácidos ou produtos derivados de petróleo; Encaminhar para atendimento hospitalar.
  210. 210. marconni.cap@ig.com.br Picadas e ferroadas de animais peçonhentos Animais peçonhentos são aqueles que introduzem no organismo humano substâncias tóxicas. Por exemplo, cobras venenosas, aranhas e escorpiões. Se possível deve-se capturar ou identificar o animal que picou a vítima, mas sem perda de tempo com esse procedimento. Na dúvida, tratar como se o animal fosse peçonhento.
  211. 211. marconni.cap@ig.com.br Picadas e ferroadas de animais peçonhentos Sinais e sintomas Marcas da picada; Dor, inchaço; Manchas roxas, hemorragia; Febre, náuseas; Sudorese, urina escura; Calafrios, perturbações visuais; Eritema, dor de cabeça; Distúrbios visuais; Queda das pálpebras; Convulsões; Dificuldade respiratória.
  212. 212. marconni.cap@ig.com.br Picadas e ferroadas de animais peçonhentosPrimeiros socorros - Cobras Manter a vítima deitada. Evite que ela se movimente para não favorecer a absorção de veneno; Se a picada for na perna ou braço, mantenha-os em posição mais baixa que o coração; Lavar a picada com água e sabão; Colocar gelo ou água fria sobre o local; Remover anéis, relógios, prevenindo assim complicações decorrentes do inchaço; Encaminhar a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para que possa receber o soro em tempo; Não fazer garroteamento ou torniquete; Não cortar ou perfurar o local da picada.
  213. 213. marconni.cap@ig.com.br Picadas e ferroadas de animais peçonhentos Medidas preventivas Usar botas de cano longo e perneiras; Proteger as mãos com luvas de raspa ou vaqueta; Combater os ratos; Preservar os predadores; Conservar o meio ambiente.
  214. 214. marconni.cap@ig.com.br Picadas e ferroadas de animais peçonhentos Sinais e sintomas - Escorpiões/Aranhas Dor; Eritema; Inchaço; Febre; Dor de cabeça. Primeiros socorros Os mesmos utilizados nas picadas de cobras; Encaminhar a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para avaliar a necessidade de soro específico.
  215. 215. marconni.cap@ig.com.br Picadas e ferroadas de insetos Há pessoas alérgicas que sofrem reações graves ou generalizadas, devido a picadas de insetos (abelhas e formigas). Sinais e sintomas Eritema local que pode se estender pelo corpo todo; Prurido; Dificuldade respiratória (Edema de glote).
  216. 216. marconni.cap@ig.com.br Picadas e ferroadas de insetos Primeiros socorros Retirar os ferrões introduzidos pelo inseto sem espremer; Aplicar gelo ou lavar o local da picada com água corrente; Encaminhar a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para avaliar a necessidade de soro específico.
  217. 217. marconni.cap@ig.com.br Somos pura energia
  218. 218. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Definição: É uma perturbação de natureza e efeitos diversos que se manifesta no corpo humano, quando por ele circula uma CORRENTE ELÉTRICA. Por que isso acontece? O corpo humano é ou se comporta como um CONDUTOR ELÉTRICO, que possui, inclusive, uma RESISTÊNCIA.
  219. 219. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Efeitos: O choque elétrico pode ocasionar contrações violentas dos músculos, a fibrilação ventricular do coração, lesões térmicas e não térmicas podendo levar a óbito, como efeito indireto temos as quedas e batidas, etc. •  • 
  220. 220. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Fatores determinantes da gravidade Percurso da corrente elétrica; Intensidade da corrente; Características da corrente elétrica; Tempo de exposição a passagem da corrente; Resistência elétrica do corpo humano.
  221. 221. marconni.cap@ig.com.br Combinação dos seguintes fatores de causas laboriais Falta de CONHECIMENTO; Falha de TREINAMENTO; Falha de SUPERVISÃO; PRÁTICAS inadequadas de trabalho; Instalação e MANUTENÇÃO precárias; AMBIENTE DE TRABALHO cheio de riscos.
  222. 222. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Características da corrente elétrica. A intensidade da corrente é um fator determinante na gravidade da lesão por choque elétrico; no entanto, observa-se que, para a Corrente Contínua (CC), as intensidades da corrente deverão ser mais elevadas para ocasionar as sensações do choque elétrico, a fibrilação ventricular e a morte.
  223. 223. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Características da corrente elétrica. As correntes alternadas de freqüência entre 20 e 100 Hertz são as que oferecem maior risco. Especificamente as de 60 Hertz, usadas nos sistemas de fornecimento de energia elétrica, são especialmente perigosas, uma vez que elas se situam próximas à freqüência na qual a possibilidade de ocorrência da fibrilação ventricular é maior.
  224. 224. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico •Efeitos •Corrente elétrica (mA)- 60Hz •  •Homens •Mulheres •Limiar de percepção •1,1 •0,7 •Choque não doloroso, sem perda do controle muscular •1,8 •1,2 •Choque doloroso, limiar de largar •16,0 •10,5 •Choque doloroso e grave contrações musculares, dificuldade de respiração •23,0 •15,0
  225. 225. marconni.cap@ig.com.br O choque e o seu corpo Lesões térmicas Queimadura de 1º, 2º e 3° graus nos músculos e pele; Aquecimento e dilatação dos vasos sangüíneos; Aquecimento/carbonização de ossos e cartilagens; Queima de terminações nervosas e sensoriais; Lesões não térmicas Danos celulares; Espasmos musculares; Contração descoordenada do coração ( fibrilação ); Parada respiratória e cardíaca; Ferimentos resultantes de quedas e perda do equilíbrio.
  226. 226. marconni.cap@ig.com.br Queimaduras A passagem de corrente elétrica através de um condutor cria o chamado efeito joule, ou seja, uma certa quantidade de energia elétrica é transformada em calor. Em relação às queimaduras por efeito térmico, aquelas causadas pela eletricidade são geralmente menos dolorosas, pois a passagem da corrente poderá destruir as terminações nervosas. Não significa, porém que sejam menos perigosas, pois elas tendem a progredir em profundidade, mesmo depois de desfeito o contato elétrico ou a descarga. onde: W- Energia dissipada R - Resistência I - Intensidade da corrente t - Tempo constante)ΙcomdtR.Ι(WtxΙxRW 2 t t 2 2 1 →∫==
  227. 227. marconni.cap@ig.com.br Queimaduras Queimaduras por contato “Quando se toca uma superfície condutora energizada, as queimaduras podem ser locais e profundas atingindo até a parte óssea, ou por outro lado muito pequenas, deixando apenas uma pequena “mancha branca na pele”.
  228. 228. marconni.cap@ig.com.br Queimaduras Queimaduras por arco voltaico O arco elétrico caracteriza-se pelo fluxo de corrente elétrica através do ar, e geralmente é produzido quando da conexão e desconexão de dispositivos elétricos e também em caso de curto-circuito, provocando queimaduras de segundo ou terceiro grau.
  229. 229. marconni.cap@ig.com.br Queimaduras Queimaduras por vapor metálico e metal derretido Na fusão de um elo fusível ou condutor, há a emissão de vapores e derramamento de metais derretidos (em alguns casos prata ou estanho) podendo atingir as pessoas localizadas nas proximidades.
  230. 230. marconni.cap@ig.com.br
  231. 231. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico A morte por asfixia ocorrerá, se a intensidade da corrente elétrica for de valor elevado, normalmente acima de 30 mA e circular, pelo diafragma, por um período de tempo relativamente pequeno, normalmente por alguns minutos. A asfixia advém do fato do diafragma da respiração se contrair tetanicamente, cessando assim, a respiração. Se não for aplicada a respiração artificial dentro de um intervalo de tempo inferior a três minutos, ocorrerá sérias lesões cerebrais e possível morte.
  232. 232. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico A fibrilação ventricular do coração ocorrerá se houver intensidades de corrente da ordem de 15mA que circulem por períodos de tempo superiores a um quarto de segundo. A fibrilação ventricular é a contração disritimada do coração que, não possibilitando desta forma a circulação do sangue pelo corpo, resulta na falta de oxigênio nos tecidos do corpo e no cérebro. O coração raramente se recupera por si só da fibrilação ventricular.
  233. 233. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Resistência elétrica do corpo humano A resistência que o corpo humano oferece à passagem da corrente é quase que exclusivamente devida à camada externa da pele. Esta resistência está situada entre 100K e 600K ohms, quando a pele encontra-se seca e não apresenta cortes, e a variação apresentada é função da sua espessura.
  234. 234. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Resistência elétrica do corpo humano Quando a pele encontra-se úmida, condição mais facilmente encontrada na prática, a resistência elétrica do corpo diminui. Cortes também oferecem uma baixa resistência elétrica. A resistência oferecida pela parte interna do corpo, constituída, pelo sangue, músculos e demais tecidos, comparativamente à da pele é bem baixa, medindo normalmente 300 ohms em média e apresentando um valor máximo de 500 ohms.
  235. 235. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Causas determinantes operacionais Contato com um condutor nú energizado Uma das causas mais comuns desses acidentes é o contato com condutores aéreos energizados. Normalmente o que ocorre é que equipamentos tais como guindastes, caminhões basculantes tocam nos condutores ou durante as construções civis as ferragens tocam os condutores.
  236. 236. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Causas determinantes operacionais Falha na isolação elétrica Os condutores quer sejam empregados isoladamente, como nas instalações elétricas, quer como partes de equipamentos, são usualmente recobertos por uma película isolante. No entanto, a deterioração por agentes agressivos, o envelhecimento natural ou forçado ou mesmo o uso inadequado do equipamento podem comprometer a eficácia da película, como isolante elétrico.
  237. 237. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Calor e Temperaturas Elevadas A circulação da corrente em um condutor sempre gera calor e, por conseguinte, aumento da temperatura do mesmo. Este aumento pode causar a ruptura de alguns polímeros, de que são feitos alguns materiais isolantes, dos condutores elétricos. Umidade Alguns materiais isolantes que revestem condutores absorvem umidade, como é o caso do nylon. Isto faz com que a resistência isolante do material diminua.
  238. 238. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Oxidação Esta pode ser atribuída à presença de oxigênio, ozônio ou outros oxidantes na atmosfera. O ozônio torna-se um problema especial em ambientes fechados, nos quais operem motores, geradores. Estes produzem em seu funcionamento arcos elétricos, que por sua vez geram o ozônio. O ozônio é o oxigênio em sua forma mais instável e reativa;
  239. 239. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Radiação As radiações ultravioleta têm a capacidade de degradar as propriedades do isolamento, especialmente de polímeros. Os processos fotoquímicos iniciados pela radiação solar provocam a ruptura de polímeros, tais como, o cloreto de vinila, a borracha sintética e natural;
  240. 240. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Produtos Químicos Os materiais normalmente utilizados como isolantes elétricos degradam-se na presença de substâncias como ácidos, lubrificantes e sais. Desgaste Mecânico As grandes causas de danos mecânicos ao isolamento elétrico são a abrasão, o corte, a flexão e torção do recobrimento dos condutores
  241. 241. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Fatores Biológicos Roedores e insetos podem comer os materiais orgânicos de que são constituídos os isolamentos elétricos, comprometendo a isolação dos condutores. Outra forma de degradação das características do isolamento elétrico é a presença de fungos, que se desenvolvem na presença da umidade. Altas Tensões Altas tensões podem dar origem à arcos elétricos ou efeitos corona, os quais criam buracos na isolação ou degradação química, reduzindo, assim, a resistência elétrica do isolamento.
  242. 242. marconni.cap@ig.com.br Choque elétrico Pressão O vácuo pode causar o desprendimento de materiais voláteis dos isolantes orgânicos, causando vazios internos e conseqüente variação nas suas dimensões, perda de peso e conseqüentemente, redução de sua resistividade.
  243. 243. marconni.cap@ig.com.br Campos eletromagnéticos É gerado quando da passagem da corrente elétrica nos meios condutores. O campo eletromagnético está presente em inúmeras atividades humanas, tais como trabalhos com circuitos ou linhas energizadas, solda elétrica, utilização de telefonia celular e fornos de microondas.
  244. 244. marconni.cap@ig.com.br Campos eletromagnéticos A unidade de medida do campo magnético é o Ampère por Volt, Gauss ou Tesla cujo símbolo é representado pela letra T. Cuidados especiais devem ser tomados por trabalhadores ou pessoas que possuem em seu corpo aparelhos eletrônicos, tais como marca passo, aparelhos auditivos, dentre outros, pois seu funcionamento pode ser comprometido na presença de campos magnéticos intenso.
  245. 245. marconni.cap@ig.com.br Importante “Deve-se considerar que todo choque elétrico é perigoso”. NÃO faz barulhoNÃO faz barulho NÃO tem cheiroNÃO tem cheiro NÃO tem corNÃO tem cor NÃO se vêNÃO se vê
  246. 246. marconni.cap@ig.com.br Primeiros socorros 1. Desligar a eletricidade e separar a vítima da fonte de corrente elétrica 2. Verificar se a vítima está respirando e apresenta pulso 3. Diante da ausência desse sinais, iniciar a RCP 4. A equipe deve examinar a vítima buscando fraturas, luxações, contusões ou lesões de coluna cervical
  247. 247. marconni.cap@ig.com.br • Quando se suspeita que o coração recebeu um choque elétrico, a vítima deverá ser mantida em observação de 12 à 24h • Quando perdeu a consciência ou sofreu um traumatismo craniano, deve-se realizar uma Tomografia (TC) para descartar uma possível lesão cerebral.
  248. 248. QueimadurasQueimaduras •Destruidor sistemático •Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar •Ten BM Araripe et. all.
  249. 249. marconni.cap@ig.com.br Anatomia e fisiologia da pele 15% do peso corpóreo de um adulto, corresponde a pele.  Função: • Sensação • Proteção • Termorregulação • Atividade metabólica  Camadas: • Epiderme • Derme • Hipoderme
  250. 250. marconni.cap@ig.com.br Anatomia e fisiologia da pele Estruturas por cm3 : 5 milhões de células 4 metros de nervos 1 metro de vasos sangüíneos 100 glândulas sudoríparas 25 glândulas sebáceas 5 folículos pilosos
  251. 251. marconni.cap@ig.com.br Definição de queimadura Lesão da pele, seus anexos e estruturas, produzida por agente térmico (calor ou frio), elétrico, biológico, produto químico e/ou irradiação ionizante.
  252. 252. marconni.cap@ig.com.br Etiologia: Térmica: causada pela condução de calor através de líquidos, sólidos e gazes quentes ou através das chamas; Elétrica: produzida pelo contato com eletricidade de alta ou baixa voltagem; Química: contato de substâncias corrosivas com a pele; Radiação: resulta da exposição a luz solar ou fontes nucleares.
  253. 253. marconni.cap@ig.com.br Classificação Quanto a profundidade: Queimadura de 1ºGrau Queimadura de 2ºGrau Queimadura de 3ºGrau Quando a gravidade: Queimadura leve Queimadura moderada Queimadura crítica Queimaduras especiais: Queimadura química Queimadura elétrica
  254. 254. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a profundidade Queimadura de 1ºgrau: Atinge epiderme superficial. Geralmente provocada pela exposição ao sol. Características: • Dor leve a moderada. • Formigamento. • Hiperestesia (sensibilidade excessiva). • Eritema (vermelhidão). • Discreto ou nenhum edema. • Presença de perfusão. • Pele seca.
  255. 255. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a profundidade Queimadura de 2ºgrau: Atinge epiderme e derme. Geralmente provocada por escaldaduras, chamas, líquidos superaquecidos. Características: • Dor moderada(2º grau superficial). • Dor Severa(2º grau profundo). • Hipersensibilidade a corrente de ar. • Hiperemia (aumento da irrigação sangüínea no local). • Flictena (bolha). • Aparência rósea ou esbranquiçada(2º grau profundo). • úmida.
  256. 256. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a profundidade Queimadura de 3ºgrau: Atinge epiderme, derme, hipoderme, podendo invadir todas as estruturas do corpo. Geralmente provocada por chamas, substâncias químicas, combustíveis inflamáveis, corrente elétrica. Características: • Indolor. • Vasos trombosados. • Tecido enegrecido (carbonizado), aperolado, esbranquiçado, seco, endurecido. • Destruição das fibras nervosas.
  257. 257. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a gravidade Para que se possa determinar a gravidade da queimadura é necessário observar a profundidade da queimadura, a extensão corporal atingida, localização, idade da vítima, presença de lesões associadas, doenças preexistentes e inalação de gases aquecidos.
  258. 258. marconni.cap@ig.com.br Quanto à extensão:Regra dos nove Adulto: Cabeça e membro superior: 9% cada; Membro inferior: 18% cada; Tronco: 36%; Pescoço, genitais e palma da mão: 1% cada.
  259. 259. marconni.cap@ig.com.br Quanto à extensão:Regra dos nove Criança: Cabeça: 18%; Membro superior: 9% cada um; Membro inferior: 13,5% cada um; Tronco: 36%; Pescoço, genitais e palma da mão: 1% cada.
  260. 260. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a gravidade A gravidade varia de acordo com o local da lesão; Queimaduras que atinjam mãos, pés, face, seios, genitais e vias aéreas são consideradas críticas. Queimaduras leves: 3ºGrau com menos de 2% de SCQ; 2ºGrau com menos de 15% de SCQ.
  261. 261. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a gravidade Queimadura moderada: 3ºGrau com 2 a 10% de SCQ; 2ºGrau de 15% a 25% de SCQ. 1ºGrau de 50% a 75% de SCQ.
  262. 262. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a gravidade Queimadura grave: 2º a 3ºGraus que pegam mãos, face, pés, genitália, seios, articulações importantes. 3ºGrau com mais de 10% de SCQ. 2ºGrau com mais de 30% de SCQ. 1ºGrau com mais de 75% de SCQ.
  263. 263. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a queimaduras especiais Queimaduras químicas: (hidróxido de Na, K, bário, etc.) Gravidade das lesões: • Concentração do agente químico. • Quantidade de substância. • Duração e modo de contato com a pele. • Extensão corporal exposta ao agente. • Mecanismo de ação da droga.
  264. 264. marconni.cap@ig.com.br Classificação quanto a queimaduras especiais Queimaduras elétricas: – Lesões musculares,desordens cardíacas, lesões ósseas e de órgãos vitais. – Ocorre contração tetânica dos músculos (efeito imediato). – Fraturas e luxações (efeito retardado da corrente elétrica). – Insuficiência renal aguda. Gravidade das lesões: • Determinada pelo trajeto da corrente através do corpo. • Duração do contato do corpo com a fonte elétrica.
  265. 265. marconni.cap@ig.com.br Conduta no atendimento pré-hospitalar Atendimento pré-hospitalar às queimaduras: Procedimentos gerais: • Interrupção do processo térmico. • Resfriamento da lesão, com atenção para hipotermia e correntes de ar nas lesões de 2º Grau. • Retirar jóias e adereços. • Pesquisar mecanismo do trauma. • Hora do acidente. • Agente causador da queimadura. • Doenças pré-existentes, uso de drogas e alergias. • Manter bolhas integras não as rompendo. • Ministrar oxigênio.
  266. 266. marconni.cap@ig.com.br Conduta no atendimento pré-hospitalar Atendimento pré-hospitalar às queimaduras: Procedimentos nas queimaduras químicas: • Despir a vítima. • Remover a substância. • Diluição do agente químico com água corrente em abundância.
  267. 267. marconni.cap@ig.com.br Conduta no atendimento pré-hospitalar Atendimento pré-hospitalar às queimaduras: Procedimentos nas queimaduras elétricas: • Interromper o fluxo da corrente elétrica. • Chamar a companhia de energia elétrica nos acidentes em via pública. • Garantir via aérea com controle da coluna cervical. • Realizar RCP, se for constatada PCR. • Realizar curativos e imobilizações nas lesões existentes, agindo conforme procedimentos em traumas. • Transportar para o hospital monitorando pulso e respiração.
  268. 268. Proteção Ocular
  269. 269. NESTE EXATO MOMENTO... ALGUÉM PODE ESTAR FICANDO CEGO POR DESCONHECER AS CAUSAS. •PORQUE A PREVENÇÃO •DA CEGUEIRA?
  270. 270. marconni.cap@ig.com.br PRINCIPAIS CAUSAS Hipertenção arterial e/ou intra-ocular Tumores cerebrais Doenças do coração (cardiopatias) Retinopatias (diabete e outras) Falta de vitamina (A) e anemia Tuberculose Doença venéreas Raizes dentárias Inflamações locais Infestações de vermes Traumatismo ocular ou craneanos
  271. 271. marconni.cap@ig.com.br TIPOS DE ACIDENTES E SUAS CONSEQÜÊNCIAS- ELÉTRICA: arco, faísca QUEIMADURAS - RADIAÇÃO: Rx, UV, laser - TÉRMICA: calor/frio - DIRETA: perfurante, não perf. CONTUSÕES - NDIRETA: contusão craniana { {
  272. 272. marconni.cap@ig.com.br - METÁLICOS: ferro, cobre - MINERAIS: pedra, carvo CORPOS ESTRANHOS - VEGETAIS: espinhos, madeira - ANIMAIS: osso, crina, cerda - PERFURAÇÃO: atrofia PENETRAÇÃO - FIXAÇÃO: seguimento ant/post { {
  273. 273. marconni.cap@ig.com.br ESTATÍSTICA Em 12 meses 68% acidentes oculares por AR COMPRIMIDO indevidamente usado.
  274. 274. marconni.cap@ig.com.br GRÁFICO Olhos 23,6% Dedos 14,0% Pés 5,2% Pernas 4,5% Demais partes 52,7% 0 5 10 15 20 25
  275. 275. IMPLANTAÇÃO DE ÓCULOS DE SEGURANÇA
  276. 276. marconni.cap@ig.com.br IMPLANTAÇÃO DE ÓCULOS DE SEGURANÇA A implantação de óculos de segurança, em geral, sofre resistência. • Insubmissos às normas (não se preocupa saber se suas condições visuais o capacitam para o uso confortável e seguro). • Programa Educativo e Preventivo ( Dep. Médico, Seg. Trabalho e Ass. Social). • Buscar a Qualidade Total (Ficha analítica).
  277. 277. marconni.cap@ig.com.br NOSSA PREOCUPAÇÃO • CADA 30 SEGUNDOS UMA PESSOA NO MUNDO FICA CEGA. • HÁ ESCASSEZ DE RECURSOS. • O GOVERNO NÃO GASTA COM CEGOS POIS A CEGUEIRA NÃO MATA. • DECLINIO DE RECURSOS PARA A SAÚDE PÚBLICA, RESULTA NO AUMENTO DAS TAXAS DE CEGUEIRA.
  278. 278. marconni.cap@ig.com.br •A maioria das lesões oculares podem ser prevenidas • e evitadas através do uso dos óculos de proteção • apropriados e do seguimento de normas e • procedimentos de segurança ÓCULOS DE SEGURANÇA
  279. 279. marconni.cap@ig.com.br Fique de Olho •Todo ambiente que ofereça risco de quebra •e arremesso de materiais ou que apresenta •risco químicos, físicos e biológicos, exige o •fornecimento de proteção adequada aos •trabalhadores.Os olhos e a face são •geralmente muito atingidos em acidentes de • trabalho.A utilização correta dos óculos •de proteção é a forma mais segura •de evitar danos maiores.
  280. 280. marconni.cap@ig.com.br Queimaduras nos olhos Primeiros socorros Lavar os olhos com água em abundância durante vários minutos; Vedar o(s) olho(s) atingido(s) com pano limpo; Encaminhar para atendimento hospitalar.
  281. 281. marconni.cap@ig.com.br Corpo estranho nos olhos É a introdução acidental de poeiras, grãos diversos, etc. Na cavidade dos glóbulos oculares. Sinais e sintomas Dor; Ardência; Vermelhidão; Lacrimejamento.
  282. 282. marconni.cap@ig.com.br Corpo estranho nos olhos Primeiros socorros Não esfregar os olhos; Lavar o olho com água limpa; Não remover o corpo estranho manualmente; Se o corpo estranho não sair com a lavagem, cobrir os dois olhos com pano limpo; Encaminhar para atendimento hospitalar.
  283. 283. Cuidado em dobro. Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar Cap BM Edson Marconni et all. Atendimento a Gestante Traumatizada
  284. 284. marconni.cap@ig.com.br•CBMPE & UPE Atendimento a gestante traumatizada Estamos diante de duas vítimas!? • A gestação acarreta em modificações fisiológicas e anatômicas. • As prioridades são as mesmas das vítimas traumatizadas não gestantes. • O melhor tratamento para o feto é o tratamento adequado à mãe. • Transportar a gestante traumatizada para um hospital que disponha, além do atendimento ao trauma, atendimento obstétrico.
  285. 285. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a gestante traumatizada Alterações anatômicas: • Até a 12 semana de gestação (3º mês) – o útero se encontra confinado, protegido pela pelve. • A partir da 13ª semana de gestação – o útero começa a ser palpável no abdome. • 20ª semana (5º mês) de gestação – o útero se encontra na cicatriz umbilical. • 36ª semana (9º mês) de gestação – o útero ocupa praticamente todo o abdome, está no nível dos arcos costais.
  286. 286. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a gestante traumatizada Alterações hemodinâmicas e sistêmicas: Débito cardíaco – a partir da 10ª semana de gestação aumenta de 1000 ml para 1500 ml. Batimentos cardíacos – durante o 3º trimestre há um aumento de 15 bpm para 20 bpm. Pressão arterial – no 2º trimestre diminui de 5 a 15 mmHg, voltando ao normal no final da gravidez. Volume de sangue – aumenta em 40% a 50% no último trimestre. “O sinal de choque se manifesta tardiamente na mãe, na ocorrência de choque fetal”. Perfusão capilar periférica – valorizar se >2 segundos. Há retardo no esvaziamento gástrico, no final da gestação.
  287. 287. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a gestante traumatizada Condutas no pré-hospitalar Transportar a gestante em decúbito lateral esquerdo, visando descomprimir a veia cava facilitando o retorno venoso. • O peso do útero pode reduzir de 30% a 40% o débito cardíaco no final da gestação. Quando houver contra indicação – suspeita de fratura de coluna ou bacia – empurrar manualmente o útero para o lado esquerdo. Administrar oxigênio com máscara - fluxo de 12 litros/min Elevar membros inferiores de 20 a 30 cm no choque. Obter acesso venoso preventivamente.
  288. 288. marconni.cap@ig.com.br•CBMPE & UPE Atendimento a gestante traumatizada Avaliar sinais e sintomas • Avaliar sensibilidade uterina, altura e tônus. – O útero não dói à palpação e está naturalmente relaxado. • Verificar movimento de movimento fetais. – Ausência pode significar comprometimento fetal. • Identificar se há sangramento ou perda de líquido vaginal: – Sangue vermelho vivo pode indicar descolamento da placenta; – Líquido claro pode ser indicativo de ruptura da bolsa amniótica. – Deformidade do útero e/ou silhueta fetal à palpação
  289. 289. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a gestante traumatizada Estruturas próprias da gravidez. Âmnio (bolsa-d’água) – saco fino e transparente que mantém o feto suspenso no líquido amniótico. • Cabe ao líquido amniótico: – Proteger o feto de pancadas; – Permitir liberdade de movimentos do feto; – Manter a temperatura fetal; – Ajuda a alargar o canal vaginal no
  290. 290. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a gestante traumatizada Estruturas próprias da gravidez. Placenta – presente a partir do terceiro mês de gestação – No final da gravidez mede cerca de 20 cm de diâmetro e 2,5 cm de espessura; – Objetivo é nutrir o feto – alimento e oxigênio; – A superfície da placenta é macia e brilhante. Cordão umbilical – liga a criança à placenta. – Mede cerca de 50 cm de comprimento e 2 cm de diâmetro; – Contém duas artérias e uma veia de grosso calibre enroladas uma sobre a outra, protegidas pela geléia de Wartton.
  291. 291. marconni.cap@ig.com.br•CBMPE & UPE Assistência ao parto Parto – período pela qual a criança e a placenta são expelidos do corpo da mãe para o mundo exterior; Período da dilatação Período de expulsão Dequitação placentária
  292. 292. marconni.cap@ig.com.br Assistência ao parto Período de dilatação: • Tranqüilizar a gestante. Demonstre atitude alegre, simpática e encorajadora – cuidado com o extraverbal; • Observar e anotar freqüência, duração e intensidade da contração; • Observar se o tampão descolou – muco sangüíneo sem sangramento vivo em quantidade substancial; • A gestante não deve fazer força; • Transportar para Unidade Hospitalar que disponha de tratamento obstétrico.
  293. 293. marconni.cap@ig.com.br•CBMPE & UPE Assistência ao parto Período de expulsão: – A gestante tem a sensação de evacuar – sintoma decorrente da pressão da cabeça do feto no períneo e este contra o reto; – Há repentinas descargas vaginais – líquidos claros com leves sangramentos são visíveis – indicando que o canal do parto está completamente dilatado; – A gestante começa a fazer força espontaneamente; – A bolsa rompe e extravasam líquido amniótico; – A abertura vaginal começa a abaular e o orifício anal a dilatar; – Episódios de vômito são freqüentes – cuidar para que não ocorra aspiração e/ou obstrução das vias aéreas; – O pólo cefálico da criança começa a ser visto – há o coroamento;
  294. 294. marconni.cap@ig.com.br•CBMPE & UPE Tenha em mente! O transporte imediato é a melhor opção na fase que antecede o coroamento; Oxigenoterapia e acesso venoso devem ser previamente instalados; O coroamento indica que a criança pode nascer a qualquer momento – parar o veículo – prepare-se para dar assistência ao parto.
  295. 295. marconni.cap@ig.com.br Assistência ao parto Período de expulsão: 1. Organizar o ambiente para o parto; – Com a gestante posicionada em decúbito dorsal – sobre superfície rígida – despir e semi-fletir membros inferiores; – Realizar antissepsiana região perigenital; – Posicionar compressa cirúrgica abaixo das nádegas da gestante; 1. Calçar luvas esterilizadas – aguardar a saída do bebê; – No parto normal a cabeça é liberada com a face voltada para baixo, rotacionando espontaneamente, lateralizando o corpo; – Espere concluir a rotação para segurar a cabeça do bebê; 1. Enquanto segura a cabeça verificar se o cordão umbilical circunda o pescoço; – Correr os dedos entre o pescoço e o cordão umbilical para afrouxá-lo - se estiver enrolado no pescoço; – Posicionar os clamps entre dois pontos do cordão e cortar entre eles.
  296. 296. marconni.cap@ig.com.br Assistência ao parto Período de expulsão: 4. Ao aparecer a cabeça as contrações uterinas progridem até a passagem dos ombros: – Não puxe a criança; – O ombro superior costuma aparecer primeiro – uma leve tração na cabeça na direção do solo facilita a passagem do ombro inferior; 4. Segurar a criança e esteja pronto para uma saída repentina; – O bebê é muito escorregadio, segure com firmeza, mas delicadamente; 4. Limpar vias aéreas – limpar a boca por fora com gaze visando retirar corpos estranhos e muco; 5. Aspira líquido – utilizar uma seringa sem agulha; 6. Estimular a respiração secando o dorso e os pés da criança com uma compressa cirúrgica estéril; – Não bata na criança.
  297. 297. marconni.cap@ig.com.br Assistência ao parto Período de expulsão: 9. Quando a criança começar a respirar voltar a atenção para a mãe e o cordão umbilical; 10.Amarrar (clamp) o cordão umbilical distante de 15 a 20 cm do abdome do RN; 11.Aproximadamente 2,5 cm da primeira amarração executar a segunda amarração; – Efetuar nós anti-deslizantes; 9. Cortar o cordão umbilical entre os dois clamps, usando material estéril; 10.Envolver a criança em compressas estéreis e ao cobertor térmico; 11.Repassar os cuidados do RN a outro socorrista para que posicione a criança próximo a mãe;
  298. 298. marconni.cap@ig.com.br Assistência ao partoDequitação placentária: • Inicia desde o nascimento até a eliminação da placenta – até 30 minutos; A. Junto com a placenta vem cerca de duas xícaras de sangue; B. Não puxe a placenta; – Aguarde sua expulsão natural. A. Envolver a placenta em compressas e, levá- la ao hospital juntamente com a mãe; B. Colocar uma compressa cirúrgica estéril na abertura vaginal após a saída da placenta; C. Depois da dequitação da placenta palpe o útero pela parede abdominal e massageie suavemente o abdome até senti-lo firme;
  299. 299. Criança... ...adulto em miniatura?! Curso Básico de Atendimento Pré-Hospitalar Atendimento a Criança Traumatizada
  300. 300. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Epidemiologia • Os traumas na infância são responsáveis por: – 25.000 mortes – 600.000 admissões hospitalares – 16 milhões de atendimentos. • Custos diretos ultrapassam 7,5 bilhões de dólares.
  301. 301. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Os 6 traumas mais comuns de trauma fatal nas crianças e adolescentes: – Acidentes automobilísticos – Atropelamentos – Acidentes com bicicletas – Afogamentos – Queimaduras e, – Ferimentos
  302. 302. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Contribuem para incidência dos Acidentes automobilísticos: • Uso inadequado ou não uso do cinto de segurança. • Crianças no banco da frente. • Crianças em pé ou soltas no banco de trás. • Motoristas adolescentes. • Bebidas alcoólicas.
  303. 303. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Só o uso apropriado do cinto de segurança é capaz de: • Preveni 65% a 75% dos traumas graves e fatais para passageiros, só na faixa etária que compreende os menores de 4 anos de idade e; • Reduzir em 45% a 55% todas as lesões e mortes existentes na faixa etária pediátrica.
  304. 304. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Dados estatísticos • A cada 6 crianças hospitalizadas por pré- afogamento 1 morre. • 80% das mortes relacionadas com fogo e queimaduras resultam de incêndio. • 4500 crianças morrem por ferimentos provocados por arma de fogo. • 34% das crianças que sobreviveram relataram que tinham fácil acesso a armas.
  305. 305. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Criança não é adulto em miniatura. • Características orgânicas de uma estrutura em desenvolvimento devem ser levadas em consideração. A seqüência do SBV pediátrico Segurança Aproximação Estado de consciência Ver, ouvir e sentir Abertura das vias aéreas e controle da coluna cervical Boca máscara boca – Ventilação Circulação e controle de grandes hemorragias
  306. 306. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Abertura das vias aéreas e controle da coluna cervical Informações importantes – Extensão da cabeça: posição neutra. – O formato do crânio – proeminência da região occipital – promove uma flexão da coluna cervical – A cabeça representa o maior percentual na massa corporal total. – A musculatura do pescoço é pouco desenvolvida (suporta proporcionalmente maior peso). – Lesões nesta região são comuns. – Suspeitar de TRM. – A língua dos lactentes é mais larga e o seu deslocamento causa obstrução completa da via aérea. – Oferta de oxigênio fica comprometida rapidamente.
  307. 307. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Técnica para Abertura das vias aéreas Extensão da cabeça Elevação do queixo • Posição neutra • Posição de cheiro
  308. 308. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Utilização da cânula orofaríngea Informações importantes – Identificar o tamanho adequado da cânula – Distância da comissura labial até o ângulo da mandíbula – Usar um depressor de língua para auxiliar na colocação da cânula – Cânula introduzida com a concavidade voltada para a língua •Empurrando a epiglote para baixo •Tamanho adequado •Empurrando a língua em direção a orofaríngea
  309. 309. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada B – Ventilação • Consumo de oxigênio de uma criança é o dobro que o de um adulto. • A falta de oxigênio (hipóxia) causa rapidamente bradicardia, podendo evoluir para parada cardíaca.
  310. 310. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada B – Técnica para Ventilação •Cabeça na posição neutra. •Ventilação boca/boca-nariz; • Insuflar o ar que se consegue armazenar na boca; • Utilizar mascara one-way. •Cabeça na posição neutra. • Ventilação com AMBU; • Segurar máscara na face e segurar mandíbula com o anular ou médio;
  311. 311. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Cinemática do trauma A criança possui menor superfície corporal que o adulto. • Quando submetida a ações de forças externas, sofre maior força de impacto por unidade de área corpórea. A menor quantidade de tecido adiposo, menor quantidade de tecido conjuntivo e a maior proximidade entre os órgãos, favorecem a ocorrência de múltiplas lesões. As costelas e as cartilagens são mais flexíveis e existe menos gordura e músculos. • A energia desencadeada no trauma é transmitida, quase que em sua totalidade, aos tecidos subjacentes e órgãos.
  312. 312. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Cinemática do trauma O diafragma é mais distensível e o mediastino apresenta maior mobilidade. • Até aos 12 anos, a inserção do diafragma é quase horizontal (no adulto a inserção oblíqua). – Os órgãos abdominais ficam mais expostos, sujeitos a lesões traumáticas – Apresentam deslocamento amplo e abrupto. Ossos menos densos e mais maleáveis confere maior absorção de energia, favorece o surgimento de fraturas incompletas, denominadas em galho verde, ou lesões ósseas sem sinais radiográficos de fratura.
  313. 313. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Trauma psicológico O trauma na infância pode provocar distúrbios psicológicos futuros - o aspecto psicológico não deve ser subestimado. • Considerar que crianças traumatizadas podem desenvolver distúrbios de personalidade, déficits físicos, cognitivos e afetivos. ATENÇÃO: A criança possui capacidade limitada para interagir com situações adversas, especialmente quando envolvem pessoas estranhas ao seu convívio.
  314. 314. marconni.cap@ig.com.br Atendimento a criança traumatizada Estado de choque Volume sanguíneo é 9% do peso corporal. Lesões no couro cabeludo pode levar ao choque. O colapso do sistema cardiovascular ocorre rapidamente. Metabolismo da criança é mais intenso e reflete numa maior perda de calor. A hipotermia é uma complicação séria e de instalação rápida. • Prevenir hipotermia = prevenir a perda de calor.
  315. 315. marconni.cap@ig.com.br Traumas comuns na infância Crianças menores de 1 ano : Asfixia e sufocações – objetos pequenos, cordão da chupeta, saco plástico, alimento/mamadeira, talco, grades do berço; Choque elétrico – tomadas; Queimaduras/escaldaduras; Queda do berço; Afogamento – balde, bacia. Traumas no interior do veículo.
  316. 316. marconni.cap@ig.com.br Traumas comuns na infância De 1 aos 4 anos. Afogamento- piscinas e poço; Atropelamento - velocípede e bicicleta; Quedas - trauma do tanquinho, janela (super-herói), degraus; Ingestão de medicamentos e substâncias tóxicas/plantas; Queimaduras por fósforo e alimentos/fogão;
  317. 317. marconni.cap@ig.com.br Traumas comuns na infância De 5 a 9 anos de idade. Atropelamento – bola; Queda – em bueiros, por acrobacia em bicicletas, do telhado; Mordidas e picadas de animais – cão, serpentes, escorpião, abelha... Choque elétrico – pipa, conserto de equipamento energizado; Afogamento em rios; Improviso de martelos – arma;
  318. 318. marconni.cap@ig.com.br Traumas comuns na infância Maiores de 9. Destacam-se afogamento e, Acidentes automobilísticos, seja como passageiro, ciclista ou pedestre, como as maiores incidências de agravos externos. Queda e acidente com motocicletas; Cerol em pipa;
  319. 319. marconni.cap@ig.com.br Traumas comuns na infância Maiores de 9. Queimaduras juninas – fogos e álcool; Intoxicações por substâncias químicas; Drogas entorpecentes em geral; Doença sexualmente transmissível; Arma de fogo - surge uma nova modalidade de agravos externos nesta fase do desenvolvimento: o homicídio.
  320. 320. marconni.cap@ig.com.br ABUSO FÍSICO E MAUS TRATOS Como reconhecer se a criança foi vítima de maus tratos? Como proceder se reconhecer indícios de maus tratos?
  321. 321. marconni.cap@ig.com.br Crianças X Maus tratos O reconhecimento de maus tratos é extremamente importante - pode significar a diferença entre a vida e a morte. Listam-se abuso físico, sexual e emocional - maus tratos a crianças. Procurar por sinais de lesões provocadas - equimoses, queimaduras, fraturas, petéquias e
  322. 322. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico A lesão precisa ser explicada adequadamente através do mecanismo do trauma e estar relacionada com o desenvolvimento normal da criança. Historia inconsistente ou cuja narrativa sofre variações, apontam para uma investigação minuciosa. Quando a criança fala. Perguntar como ocorreu a lesão – questionar os pais se obtiver qualquer discrepância • Deve-se questionar pais e criança separadamente. Suspeitar de responsáveis hostis que evitam responder perguntas sobre a origem da lesão; Demora injustificada para procurar tratamento.
  323. 323. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico Os sinais mais evidentes de maus tratos - manifestações cutâneas. Inspecionar a pele a procura de equimoses, escoriações, lacerações, marcas de mordeduras, arrancamentos (cabelos, dentes) e queimaduras. Equimoses apresentam coloração diferentes de acordo com o tempo decorrido. De 1 a 5 dias tem coloração vermelho-azulada. De 5 a 7 dias apresentam coloração esverdeada. De 7 a 10 dias são amareladas. De 10 a 14 dias coloração castanha.
  324. 324. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico Crianças que estão começando a andar - apresentam equimoses não infligidas em áreas ósseas proeminentes, como queixo, joelhos, cotovelos e fronte. Equimoses de lesões provocadas incidem áreas ricas em tecido mole, ou relativamente protegidas - pescoço, tórax ou genitália. Lesões provocadas podem revelar na pele marcas que evidenciam o objeto utilizado. Marca de mão, de corda, de fivela de cinto, de cabide Marcas de contenção de movimentos - marcas em forma de circunferência nos punhos tornozelos e cintura e pescoço.
  325. 325. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico Mordeduras humanas - uma das lesões comumente relacionada a abuso em lactentes - geralmente são evidenciadas ao redor da genitália ou nas nádegas. Nas crianças maiores podem ser encontradas espalhadas de forma aleatória pelo corpo. A simples inspeção do ferimento possibilita diferenciar mordeduras de animais - lesões em forma de punções ou lacerações - das mordeduras humanas - lesões ovais ou elípticas provocadas por esmagamento.
  326. 326. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico Sempre que existir suspeita de agressão por mordeduras humanas a área da lesão deve ser preservada. Não realizar limpeza ou antissepsia do local; Não altere a configuração original do ferimento; Finalidade - não interferir no levantamento pericial. • A lesão será fotografada;
  327. 327. marconni.cap@ig.com.br Abuso e Maus tratos Outro tipo de lesão evidenciada com freqüência é a queimadura. Estima-se que aproximadamente 20% das queimaduras infantis são propositais, provocadas por contato ou imersão. Também são freqüente queimaduras provocadas por alimentos quentes, panelas, etc.
  328. 328. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico A pele queimada grava o padrão do instrumento utilizado. Cigarros, ferro, grelhas, chapa elétrica de aquecimento, aquecedores e lâmpadas incandescentes. Líquidos quentes costumam causar queimaduras graves. Vasilhame verga projetando líquido e alimentos quentes no corpo • Sinal queimaduras em forma de seta, estreitando-se à medida que o líquido escorre; sendo ladeada por pequenos salpicos satélites. A imersão em líquido escaldante provoca queimaduras com padrão peculiar semelhante a meias ou luvas • Freqüentemente observada nos membros ou nas nádegas.
  329. 329. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico Os traumatismos propositais acometem normalmente crianças menores de dois anos de idade. Correlacionar o trauma ao mecanismo que provocou a lesão - primeiro passo para confirmar a veracidade. A anamnese deve, não só explicar a lesão, mas justificar a sua extensão pela transferência de energia implementada no trauma. Fraturas de costelas, esterno, escápula, clavícula, vértebras e processo espinhoso necessitam de grande desprendimento de energia cinética para ocorrerem.
  330. 330. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico Sinais de maus tratos: Vítimas pediátricas polifraturadas, ou que apresentem fraturas com estágios diferentes de resolução, sugerem espancamento. A principal causa de morte e morbidade, por maus tratos advém dos traumatismos cranianos, seja por impacto direto, sacudidas ou objeto penetrante. Em menores de 2 anos predomina a síndrome da criança sacudida, que é resultante de movimentos bruscos, repetidos e violentos. Concussão ou contusão cerebral, hematomas subdurais e hemorragia subaracnóidea, aumento de pressão intracraniana que é caracterizado por vômito e letargia.
  331. 331. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico A Avaliação no APH: Procurar por hemorragias de retina; Equimoses na cabeça, face, ouvidos, couro cabeludo ou pescoço; Avaliar a fontanela e as suturas cranianas • Fontanela abaulada e suturas cranianas amplamente separadas, indicam hipertensão craniana.
  332. 332. marconni.cap@ig.com.br Abuso físico Os traumas abdominais representam a segunda maior causa de morte, em crianças, devido a abuso. Estes traumatismos chegam a provocar esmagamento de vísceras sólidas, compressão das vísceras ocas contra a coluna vertebral ou cisalhamento das fixações posteriores. Vísceras poderão sofrer avulsão, laceração, ruptura ou lesão devido ao abuso físico, que acometendo o fígado ou o baço chegam a resultar em choque hemorrágico.
  333. 333. marconni.cap@ig.com.br Abuso sexual O abuso sexual em crianças, geralmente não deixa sinais físicos de traumatismo, a palavra da criança pode ser a única indicação do problema. Dados estatísticos demonstram que 1 entre 5 a 1 entre 10 crianças, sofreram abuso sexual antes de chegarem aos 18 anos de idade. Os mesmos dados evidenciam que 80% das vítimas são do sexo feminino e que o agressor já conhecia a criança antes do abuso.

×