Biblioteca escolar como espaço
de afeto acadêmico
13º Congresso de Extensão da UFRJ
7ª Semana de Integração Acadêmica
XXXV...
equipe
Gisele Araujo de Lima
Graduanda em Biblioteconomia e Gestão de
Unidades de Informação – CBG/UFRJ
BolsistaPIBIAC
Ana...
Sobre o projeto
O projeto se refere ao estímulo de uma relação mais
aprofundada entre alunos e o ambiente da biblioteca. A...
Objetivos
• Analisar a influência direta deste projeto no processo de
formação do público leitor e na orientação à pesquis...
REFERENCIAL TEÓRICO
Sociabilidade é o termo utilizado por Lopes (2001) para
definir os diversos tipos de relações sociais ...
Referencial teórico
A experiência de ouvir narrativas move a audição e a força do imaginário
como a concentração nas sonor...
Metodologia:pesquisa-ação
Pesquisa-ação é uma forma de investigação baseada
em uma autorreflexão coletiva empreendida pelo...
Reação dos
participantes
envolvidos
Reações, críticas,
comentários,
reflexões e feedback
direto dos alunos e
demais partic...
Confeccionando materiaisdecorativos
A atividade, inicialmente interna, surgiu
da proposta de inovação na estratégia de
mar...
Concursos culturais e sorteios
SEMANA DE
CUIDADOS
COM O LIVRO
Semana de cuidados com o livro
Com atividades artísticas e de cunho expositivo, o evento surgiu em resposta à:
• necessida...
Exposição de livros danificados
Intitulada “O grande hall dos livros danificados e todos
os seus traumas”, a exposição se ...
Exposição de livros danificados
Em resposta à boa repercussão e a
pedidos dos usuários, a exposição teve
seu prazo inicial...
Oficina de marcadores de página
A oficina foi realizada em dois dias alternados durante
os horários de recreio, sendo aber...
“Eu recomendo!”: o poder da divulgaçãode leitor para leitor
É uma iniciativa de recomendação livre e espontânea, não conte...
“Eu recomendo!”: o poder da divulgaçãode leitor para leitor
O efeito da divulgação de leitor para
leitor, além de possuir ...
Voluntáriosda biblioteca
A iniciativa, trabalhada com as turmas
do 5º ano do Ensino Fundamental, surgiu
com intuito de exe...
Voluntáriosda biblioteca
Etapas de participação:
 Inscrição;
 Envio de termo de ciência para os responsáveis,
aguardando...
Frutos do afeto acadêmico: Mais projetos pensados em grupo
• Semana dos contos de terror e suspense
• Abayomi
• Mês da lit...
Resultados
Coelho (1989, p. 14) afirma que “um processo de ação cultural resume-se na
criação ou organização das condições...
Reflexos e resultados
• Grande estímulo do senso criativo e artístico dos participantes;
• Crescimento dos pedidos por açõ...
Considerações finais
Castarede (2000) sinaliza que a biblioteca é o território onde
se coadunam as emoções e pensamentos, ...
Referências
ALMEIDA JÚNIOR, O. F.; BORTOLIN, S. Mediação da Informação e da Leitura. In: SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA
INFORMAÇÃ...
Obrigada!
Biblioteca escolar como espaço de afeto acadêmico - 2016
Biblioteca escolar como espaço de afeto acadêmico - 2016
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Biblioteca escolar como espaço de afeto acadêmico - 2016

31 visualizações

Publicada em

Apresentação do projeto "Biblioteca escolar como espaço de afeto acadêmico", exibida na 7ª Semana de Integração Acadêmica (SIAC) da UFRJ em outubro de 2016.

Coordenadora: Ana Lúcia Ferreira Gonçalves

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biblioteca escolar como espaço de afeto acadêmico - 2016

  1. 1. Biblioteca escolar como espaço de afeto acadêmico 13º Congresso de Extensão da UFRJ 7ª Semana de Integração Acadêmica XXXVIII Jornada Giulio Massarani de Iniciação Científica, Tecnológica, Artística e Cultural
  2. 2. equipe Gisele Araujo de Lima Graduanda em Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação – CBG/UFRJ BolsistaPIBIAC AnaLúcia FerreiraGonçalves Mestre emCiência da Informação – UFF/IBICT coordenadora
  3. 3. Sobre o projeto O projeto se refere ao estímulo de uma relação mais aprofundada entre alunos e o ambiente da biblioteca. A equipe se reuniu em vários encontros e elaborou atividades em resposta a pedidos e sugestões enviadas por seus leitores. Com influência direta dos discentes, foi trabalhada a presença dos mesmos em consonância com os demais usuários no papel de atores diretos e agentes de transformação dentro da Unidade de Informação, construindo aos poucos um grande espaço de afeto acadêmico.
  4. 4. Objetivos • Analisar a influência direta deste projeto no processo de formação do público leitor e na orientação à pesquisa escolar. • Explorar abordagens e atividades de cunho cultural, dinâmico e intimista dentro do ambiente da biblioteca escolar. • Reforçar a familiarização e o conhecimento cada vez mais aprofundado dos alunos com as coleções disponíveis. • Estimular a participação direta dos alunos no crescimento da biblioteca como um organismo de sociabilidades, estimulando a produção de saberes.
  5. 5. REFERENCIAL TEÓRICO Sociabilidade é o termo utilizado por Lopes (2001) para definir os diversos tipos de relações sociais estabelecidos entre os membros de uma coletividade e as suas formas de ligação a um todo social. No âmbito dessas relações, a circulação de informações, as quais expressam interesses, práticas e valores, possibilita identificar as diferentes maneiras de ligação dos componentes de uma realidade social, evidenciando suas formas de sociabilidade. Estas podem se diferenciar em termos de vínculos e intensidades (GURVITCH, G., 1979-1986).
  6. 6. Referencial teórico A experiência de ouvir narrativas move a audição e a força do imaginário como a concentração nas sonoridades, nas imagens criadas, insistindo em sentimentos, emoções, afetos e também ideias, comparações e traços a medida que cresce a capacidade discursiva de um indivíduo que cada vez mais desenvolve sua subjetividade. As histórias lidas/ouvidas são capazes de trazer a ele a comoção em diferentes planos, do afetivo ao intelectual (YUNES, 2009, p.21). A mediação da leitura não é apenas fazer circular textos de leitura, pelo contrário, o bibliotecário deve ser cúmplice efetivo e afetivo do leitor, se dispondo a discutir e trocar ideias a respeito do que leem (ALMEIDA JÚNIOR; BORTOLIN, 2007, p. 11).
  7. 7. Metodologia:pesquisa-ação Pesquisa-ação é uma forma de investigação baseada em uma autorreflexão coletiva empreendida pelos participantes de um grupo social de maneira a melhorar a racionalidade e a justiça de suas próprias práticas sociais e educacionais, como também o seu entendimento dessas práticas e de situações onde essas práticas acontecem (KEMMIS; MC TAGGART, 1988, apud ELIA; SAMPAIO, 2001, p.248). [...] é um tipo de pesquisa social com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e os participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo (THIOLLENT, 1988, p.14). Observação Reflexão Planejamento Intervenção
  8. 8. Reação dos participantes envolvidos Reações, críticas, comentários, reflexões e feedback direto dos alunos e demais participantes no que diz respeito às atividades apresentadas e suas abordagens Novas atividades de estímulo ao afeto  Contação de histórias  Atividades de conscientização e livre participação  Parceria direta com alunos  Ações culturais Intervenção Planejamento Reflexão Observação
  9. 9. Confeccionando materiaisdecorativos A atividade, inicialmente interna, surgiu da proposta de inovação na estratégia de marketing visual do mural da biblioteca, confeccionando pequenas ornamentações temáticas de origami. Os alunos demonstraram interesse direto em participar na produção dos objetos decorativos que ficariam expostos. A partir de tal manifestação, foi iniciada uma grande e transformadora onda de produção coletiva entre bibliotecários, bolsistas e discentes, que resultou na construção das outras ideias apresentadas nos meses seguintes.
  10. 10. Concursos culturais e sorteios
  11. 11. SEMANA DE CUIDADOS COM O LIVRO
  12. 12. Semana de cuidados com o livro Com atividades artísticas e de cunho expositivo, o evento surgiu em resposta à: • necessidade de reforçar a conscientização da comunidade escolar e acadêmica sobre a importância da preservação dos livros e as consequências da falta de cuidado com o acervo; • pedidos feitos pelos alunos e pela proposta de elaborar atividades curtas, dinâmicas e de interesse do público. Através de tal atividade se reforçou a vivência de experiências dos usuários junto ao corpo de bibliotecárias e bolsistas, desenvolvendo o vínculo afetivo e intimista dentro da biblioteca.
  13. 13. Exposição de livros danificados Intitulada “O grande hall dos livros danificados e todos os seus traumas”, a exposição se deu através da separação de obras danificadas presentes no próprio acervo da biblioteca. Cada exemplar ou grupo de livros foi separado de acordo com o tipo de dano sofrido e teve uma pequena descrição ou história criada para chamar a atenção do público e trazer os mesmos a um estado reflexivo sobre a reação de cada ato indevido com os livros e o que poderia ter sido feito para evitar os danos apresentados.
  14. 14. Exposição de livros danificados Em resposta à boa repercussão e a pedidos dos usuários, a exposição teve seu prazo inicialmente estendido por mais uma semana. A duração total para visitação do público foi de 3 meses. A atividade também teve um expressivo alcance nas redes sociais, onde muitos olhares curiosos surgiram com questionamentos sobre tudo que foi apresentado na biblioteca.
  15. 15. Oficina de marcadores de página A oficina foi realizada em dois dias alternados durante os horários de recreio, sendo aberta a todo o público interessado em participar. Os materiais foram colocados à disposição do público para que os mesmos confeccionassem os moldes de marcadores de página a sua maneira, usando a criatividade para manifestar habilidades de produção manual e customização sem delimitação de critérios e limitações em cada marcador produzido. No decorrer das oficinas, foi reforçado pelas bibliotecárias o porquê do uso dos marcadores de página, assim como sua contribuição para a conservação dos livros e de sua estrutura.
  16. 16. “Eu recomendo!”: o poder da divulgaçãode leitor para leitor É uma iniciativa de recomendação livre e espontânea, não contendo limitação de público-alvo. Ou seja, tanto alunos quanto os demais usuários que compõem a comunidade escolar podem enviar recomendações literárias de alguma obra da biblioteca. Como funciona:  No momento do empréstimo, é entregue ao usuário a ficha de recomendação junto do livro, reforçando que o propósito da iniciativa “eu recomendo” é sem compromisso ou obrigação;  Ao devolver a obra, a ficha é entregue às bibliotecárias. Caso a obra tenha gerado certa catarse no usuário, o mesmo entrega uma breve recomendação, que será apresentada para outros usuários futuramente;  A recomendação é apresentada junto da obra de modo estratégico nas estantes da biblioteca, deixando o livro em destaque e despertando a curiosidade de outros leitores interessados em novas aventuras literárias.
  17. 17. “Eu recomendo!”: o poder da divulgaçãode leitor para leitor O efeito da divulgação de leitor para leitor, além de possuir efeito tão poderoso quanto o marketing direto, incentiva a participação de outros usuários e oferece orientação a uma breve noção de indicação de leitura. A partir da utilização dos princípios mais simples de uma resenha crítica, os leitores começam a ter noção de como expressar senso crítico e de como escrever livremente sobre obras de seu interesse.
  18. 18. Voluntáriosda biblioteca A iniciativa, trabalhada com as turmas do 5º ano do Ensino Fundamental, surgiu com intuito de exercer de forma direta o espírito de trabalho em equipe e reforçar o senso de responsabilidade e comprometimento com uma atividade rotineira. Para participar do corpo de voluntários, os alunos interessados entraram em contato com as bibliotecárias e tiveram aprovação direta dos responsáveis.
  19. 19. Voluntáriosda biblioteca Etapas de participação:  Inscrição;  Envio de termo de ciência para os responsáveis, aguardando a respectiva aprovação dos mesmos para confirmar a inserção do aluno como voluntário;  Oficina de capacitação sobre o empréstimo de livros, ministrada pelo corpo de funcionárias da biblioteca;  Exercício pleno do voluntariado em dupla durante os horários do recreio, sob supervisão e auxílio direto das bibliotecárias e bolsistas. Os alunos foram colocados em um esquema de rodízio durante a atividade, evitando o hábito de manter os componentes de dupla fixos. Desta forma, foi possível exercer a flexibilidade do trabalho em equipe com todos os voluntários participantes.
  20. 20. Frutos do afeto acadêmico: Mais projetos pensados em grupo • Semana dos contos de terror e suspense • Abayomi • Mês da literatura fantástica • Uni duni lê • Continue a história • Gincana de jogos
  21. 21. Resultados Coelho (1989, p. 14) afirma que “um processo de ação cultural resume-se na criação ou organização das condições necessárias para que as pessoas inventem seus próprios fins e se tornem assim sujeitos da cultura, não seus objetos”. As atividades contribuíram de forma integral para criar um estreitamento entre os alunos e a biblioteca, incentivando o uso contínuo do acervo, aflorando a criatividade e a construção de ideias em equipe e reforçando gradativamente o papel da Biblioteca do Colégio de Aplicação da UFRJ como um lugar de transformação social e incentivo à formação de leitores. Ao mesmo tempo, as dinâmicas trabalhadas colaboraram para o desenvolvimento dos alunos assumindo o papel de atores culturais.
  22. 22. Reflexos e resultados • Grande estímulo do senso criativo e artístico dos participantes; • Crescimento dos pedidos por ações culturais; • Participação direta dos alunos nas dicas e elaboração de próximas atividades; • Aumento do fluxo de novos usuários sendo trazidos à biblioteca; • Extensão do repertório literário e maior familiarização do público-alvo com a biblioteca, tanto como ambiente de estudo quanto para lazer, entretenimento e compartilhamento de diversas vivências. • Olhar sensitivo do corpo discente mais presente em relação a conservação e preservação do acervo e da biblioteca. • Criação de competências diretas nos alunos e demais participantes, criando nos mesmos um maior posicionamento de responsabilidade e comprometimento.
  23. 23. Considerações finais Castarede (2000) sinaliza que a biblioteca é o território onde se coadunam as emoções e pensamentos, onde a característica comportamental de cada um passa a ser compartilhada, permitindo a descoberta de horizontes até então desconhecidos.
  24. 24. Referências ALMEIDA JÚNIOR, O. F.; BORTOLIN, S. Mediação da Informação e da Leitura. In: SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2., 2007, Londrina. Anais... Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2007. Disponível em: <http://eprints.rclis.org/13269/>. Acesso em: 17 out. 2016. CASTAREDE, Marie-France. La voix et ses sortilèges. Paris: Les Belles Lettres, 2000. COELHO, T. O que é ação cultural. São Paulo: Brasiliense, 1989. ELIA, M.F.; SAMPAIO, F.F. Plataforma Interativa para Internet: Uma proposta de Pesquisa-Ação a Distância para professores. SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 12., 2001. Anais... [local], 2001. p. 102- 109. GURVITCH, G. A. A vocação atual da sociologia. Lisboa: Edições Cosmos, 1979-1986, 2v. PETIT, M. A arte de ler ou como resistir à adversidade. São Paulo: Editora 34, 2009. KUHLTHAU, C. Como usar a biblioteca na escola: um programa de atividades para o ensino fundamental. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2012. YUNES, Eliane. Tecendo um leitor: uma rede de fios cruzados. Curitiba: Aymará, 2009. YUNES, E.; ROCHA, A. (Org.). Biblioteca e formação de leitores. Rio de Janeiro: Cátedra UNESCO de Leitura PUC-Rio; São Paulo: Editora Reflexão, 2015.
  25. 25. Obrigada!

×